RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL CÉSAR RODIGHERI RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio Curricular Obrigatório apresentado como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Engenharia Civil, pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Câmpus Campo Mourão. Orientador: Profª. Ma. Paula Cristina de Souza Autorizo o encaminhamento para avaliação, Assinatura do prof. Orientador CAMPO MOURÃO 2013

2 RESUMO Uma oportunidade única de crescimento e amadurecimento técnico e pessoal é cobrada a todos os alunos através do estágio. O estágio foi realizado em uma obra residencial e comercial com 7 pavimetos que se encontrava na fase inicial e de fundação. O objetivo era acompanhar o desenvolvimento das atividades de infraestrutura desta edificação. Foram acompanhadas as atividades desenvolvidas desde a limpeza do terreno até a execução da estruturas de fundação. Além do conhecimento técnico foi desenvolvido características interpessoais e formada uma consciência de como se portar como engenheiro frente a uma obra e suas particularidades. Problemas e dificuldades que não eram esperados passaram a ser previstos e resolvidos com maior facilidade. Atividades passaram a ser planejadas com maior acertividade. As aulas teóricas na faculdade se tornaram mais completas e possibilitaram maior interação.

3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO DA UCE (UNIDADE CONCEDENTE DE ESTÁGIO) OBJETIVOS DO ESTÁGIO E RESUMO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS ACOMPANHAMENTO DA LIMPEZA E NIVELAMENTO DO TERRENO LOCAÇÃO DE OBRA PERFURAÇÃO E CONCRETAGEM DAS ESTACAS ARMADURA CORTE E CONCRETAGEM DOS BLOCOS CONFECÇÃO DE FORMA ITENS DE SEGURANÇA DO TRABALHO LEITURA E COMPREENSÃO DE PROJETOS RECEBIMENTO DE MATERIAIS PREENCHIMENTO DE DIÁRIO DE OBRAS PRINCIPAIS PROBLEMAS ENCONTRADOS RELAÇÃO DO ESTÁGIO COM AS DISCIPLINAS DO CURSO CONCLUSÕES APRENDIZADO PRÁTICO RELACIONAMENTO PROFISSIONAL SUGESTÕES PARA A UNIVERSIDADE CONSIDERAÇÕES FINAIS...17

4 4 1 INTRODUÇÃO Durante 400 horas foi realizado o estágio obrigatório como requisito para formação do aluno e de fundamental importância na fundamentação dos conceitos teóricos aprendidos em sala de aula. A área de execução do estágio ficou delimitada em função das principais atividades a serem realizadas ao se iniciar uma obra e todo o processo de fundação. Esse processo inicial é de dificil acompanhamento, visto que, a marioria das empresas prospectam estágiarios nas fases posteriores. A realização do estágio aconteceu no edifício residencial Trianon, localizado no centro de Campo Mourão. Trata-se de um edifício formado por sete paviementos, sendo o terreo formado pela garagem, loja e área social, a primeira laje de garagem e as demais com 4 apartamentos por andar. Na figura 1 representa uma projeção do empreendimento. A figura 2 mostra a localização do edifício. Figura 1 Projeção Edifício Trianon Fonte: CiPronenge

5 5 Figura 2 Localização Edifício Trianon Fonte: CiPronenge Dentre as principais atividades desenvolvidas pode se destacar o acompanhamento das visitas prévias realizadas aos edifícios vizinhos, limpeza e nivelamento do terreno, gabarito e marcação da obra e execução da fundação. 1.1 DESCRIÇÃO DA UCE (UNIDADE CONCEDENTE DE ESTÁGIO) A Construtora e Imobiliária Pronenge Ltda foi fundada em 05 de março de 2007, no município de Campo Mourão, estado do Paraná. Nasceu da antiga Construtora Construtec, que, com mais de 15 anos no mercado, desempenhava suas atividades focadas em projetos e construção civil. Com o ideal de trabalhar com execução de edifícios em regime de condomínios em construção, incorporando nasceu a Pronenge. 1.2 OBJETIVOS DO ESTÁGIO E RESUMO DAS ATIVIDADES Os principais objetivos do estágio foram, de forma prática, fixar os conhecimentos teóricos aprendidos em sala de aula e complementares os mesmos. Ainda é exigido do aluno comprometimento e vivencia de obra cobrando um bom relacionamento entre todos os membros e certa desenvoltura para discutir os passos a serem dados na obra.

6 6 As atividades desenvolvidas foram acompanhamento da locação de obra, perfuração de estacas, dobra da ferragem, concretagem dos blocos, confecção de forma, acompanhamento dos itens de segurança do trabalho, leitura e compreensão de projetos, recebimento de materias e preenchimento do diário de obras.

7 7 2 DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO 2.1 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS ACOMPANHAMENTO DA LIMPEZA E NIVELAMENTO DO TERRENO Todo o processo de limpeza e nivelamento do terreno foi acompanhado. Ao fundo do lote havia uma piscina e uma edícula. Optou-se por manter as duas estruturas. A edícula foi utilizada para guardar materiais e como aréa social da obra. Já a piscina foi coberta e sobre ela montada uma esturura coberta para dobra do aço e realização dos trabalhos de carpintaria. Na figura 3 é possivel ver o lote sem nivelamento, edícula e piscina. Já na figura 4 podemos ver o solo nivelado, piscina coberta e o inicio da marcação do gabarito. Figura 3 Início dos trabalhos

8 8 Figura 4 Terreno nivelado, início do gabarito LOCAÇÃO DE OBRA: O processo de locação trata de alocar no terreno tudo que esta no projeto. São marcados os pilares, estacas, vigas baldrames, alavanca e pilares. Na figura 5 observamos ao fundo os gabaritos e ao meio as linhas que marcam os elementos estruturais no terreno. Figura 5 Gabarito e linhas que delimitam local dos elementos estruturais

9 PERFURAÇÃO E CONCRETAGEM DAS ESTACAS: Foi possivel acompanhar todo o processo de perfuração das estacas. Nessa fase notou o empenho de todos os funcionários e o uso de uma mini carregadeira para a movimentação de terra. A mini carregadeira se mostrou eficiente no serviço sendo de fundamental importância seu trabalho para perfuração de estacas de dada dimensão. Ao todo foram retiradas 27 cargas de terra utilizando um caminhão do tipo truck, totalizando aproximadamente 327 m 3 de terra. A montagem da ferragem acontecia paralelamente de forma que fosse possivel a concretagem de cada estaca logo após a sua escavação. Ao todo foi consumido 265 m 3 de concreto usinado nas estacas. Foi a fase de maior movimento durante o estágio visto que a movimentação de maquinas e funcionários na obra era grande. Na figura 6 vemos a perfuração de uma estaca. Os funcionários afastavam a terra do caminhão que realizava a perfuração para que a mini carregadeira pudesse realizar a retirada Figura 6 Perfuração estaca Na figura 7 é possivel identificar, a esquerda o caminhão que realizava a perfuração das estacas, a mini carregadeira, e a direita, o caminhão truck para retirada de terra. Ainda havia na obra movimentação dos caminhões betoneira, e movimentação das ferragens. A figura 8 mostra a colocação da armadura.

10 10 Figura 7 Movimentação de terra Figura 8 Colocação da armadura na estaca Na figura 9 observamos a concretagem de uma estaca, era necessário monitorar o processo uma vez que a altura do concreto não podia passar do especificado em projeto e excessos eram de dificil retirada.

11 11 Figura 9 Concretagem estaca ARMADURA: Todo calculo para quantificação da compra de ferragem foi realizado pelo armador. Durante o estágio foi possivel acompanhar o consumo de ferro e os métodos para corte e dobra bem como leitura de projetos CORTE E CONCRETAGEM DOS BLOCOS: Ao final da concretagem das estacas a obra foi dividida em duas partes sendo a primeira do começo do gabarito imediatamente até o bloco do elevador e a segunda do bloco até o fim da obra. O objetivo foi deslocar o volume de terra a ser retirado do corte dos blocos e vigas da primeira parte para a segunda e retornar após a concretagem. Caso contrario teria que se pagar para retirar um grande volume e posteriormente adquirir novamente esta terra. Foram marcados os blocos, vigas baldrames e alavanca da segunda parte. A forma foi dada com o próprio corte do solo. Enquanto os funcionários realizavam o corte e remoção de terra eram feitas as armações de modo que as duas fases terminassem juntas e posteriormente a concretagem dos elementos. Na figura 10 é possivel ver o corte dos blocos a espera da armadura, a divisão da obra e o local escolhido para estocagem da terra. A figura 11 mostra parte da ferragem pronta para ser colocada.

12 12 Figura 20 Corte dos blocos Figura 13 Armação dos blocos O corte do bloco do elevador possui paredes de 3 metros. Já estava prevista a sua concretagem, porém a dobra da ferragem não ficou pronta a tempo e com as chuvas da época essas paredes ruíram. Foi necessário a retirada de um grande volume de terra e confecção de uma forma para sua concretagem. Todo esse processo atrasou em alguns dias a finalização dessa etapa. Na figura 12 vemos o corte do bloco a espera da ferragem e na figura 13 o ocorrido após a chuva. Na figura 14 vemos as formas e a colocação da ferragem.

13 13 Figura 42 Bloco do elevador Fonte: Autoria Própria Figura 53 desmoronamento das paredes Figura 64 formas bloco elevador

14 14 A figura 15 mostra a concretagem do bloco do elevador. Para concretagem de todos os elementos foi consumido um volume de 140 m 3 de concreto que foi lançado com auxilio de um caminhão bomba. Figura 75 Concretagem bloco do elevador CONFECÇÃO DE FORMA: Foi acompanhado a confecção de todas as formas para as vigas baldrames, alvanca e bloco do elevador, sendo a última a mais complexa devido ao volume de concreto a ser contido ITENS DE SEGURANÇA DO TRABALHO: Durante a decorrencia da obra foi importante a observação dos itens de segurança do trabalho. Grande maioria dos itens foi respeitado. Um dos itens que não foi respeitado e é obrigatório segundo a NR18, é uso de ponteiras de proteção de vergalhão visto a quantidade de buracos e pontas espalhadas pouco acima ao nivel do solo. Uma queda poderia ser fatal. As figura 16 e 17 mostram como essas pontas estavam distribuidas na obra.

15 15 Figura 86 Funcionários, buracos e pontas dos vergalhoes distribuidos pela obra Figura 97 Buracos e pontas dos vergalhões distribuidas pela obra LEITURA E COMPREENSÃO DE PROJETOS: Todos os processos exigem o acompanhamento dos projetos para saber o que estava sendo realizado. O estágio foi de fundamental importância para desenvolver facilidade na leitura e compreensão de projetos.

16 RECEBIMENTO DE MATERIAIS: Foi acompanhado o recebimento e as condições dos materiais que chegavam a obra PREENCHIMENTO DE DIÁRIO DE OBRAS: O preenchimento do diário de obras passou a ser realizado a partir do dia 8 de abril, quando se iniciou a perfuração das estacas. Todos os dias foi relatado no diário de obras a condição climática do dia, número de funcionários trabalhando e os serviços a serem realizados. A preechimento começava todas as manhas e era fechado ao final do dia. 2.2 PRINCIPAIS PROBLEMAS ENCONTRADOS Dentre as principais problemas encontrados esta o planejamento dos trabalhos a serem executados bem como a compra de materiais nas datas certas. A compra de materiais e contratação de serviços são pontos importantes, visto que, as empresas demandam um prazo para entrega e se não for planejado corretamente atrasam o cronograma da obra. Como exemplo temos a compra de aço e contratação de empreteiros para dobra. A movimentação de terra além de demandar altos custo, precisa ser feita com o solo seco. Por se tratar de uma obra central não se pode sujar o asfalto, logo previsão do tempo é essencial neste serviço. 2.3 RELAÇÃO DO ESTÁGIO COM AS DISCIPLINAS DO CURSO O estágio teve grande relação com as matérias do curso visto que o aluno estava cursando a matéria de estruturas de fundações ao mesmo tempo que realizava o estágio. Sendo assim foi possivel interagir mais com as aulas e com a obra vivenciando a parte prática e teórica ao mesmo tempo. Dúvidas referente as aulas eram tiradas na obra e vice e versa.

17 17 3 CONCLUSÕES 3.1 APRENDIZADO PRÁTICO O estágio auxiliou na fixação da teoria através prática e foi a oportunidade de vivenciar um pouco do que é o dia a dia de um engenheiro, suas responsabilidades e deveres. Foi de grande motivação na finalização do curso e importante no direcionamento do aluno para o mercado de trabalho. 3.2 RELACIONAMENTO PROFISSIONAL A partir de oportunidades como o estágio corrigimos erros e é possivel ver na prática qual é o nosso real papel na sociedade como engenheiros. A todo momento é possivel ver a responsabilidade que se encontra por trás da profissão. A partir do relacionamento profissional foi possivel estar em contato com engenheiro, funcionários, vendedores e outro estagiários ao mesmo tempo, o que desenvolveu caracteristicas interpessoais que farão diferença no mercado de trabalho. O fato de lidar com diferentes pessoas durante o dia torna o cidadão mais sensivel em relação a forma como deve lidar com cada pessoa e entender as necessidades de cada profissional. 3.3 SUGESTÕES PARA A UNIVERSIDADE O uso de ilustrações que demonstrem claramente as estapas seguidas até o desenvolvimento dos elementos estruturais facilitaria a fixação do conteúdo teórico em sala de aula. 3.4 CONSIDERAÇÕES FINAIS O estágio foi de relevante importância para a formação do aluno, que, buscou estar presente, aprender e aplicar seus conhecimentos em todas as fases da obra vivenciadas.

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL - CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL RAFAEL NUNES DA COSTA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio

Leia mais

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia 4 1 INTRODUÇÃO Esse relatório tem como objetivo apresentar as atividades desenvolvidas pelo acadêmico Joel Rubens da Silva Filho no período do estágio obrigatório para conclusão do curso de Engenharia

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL FABIANO QUEIROZ RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio Curricular

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL MARCELO DADAMO VIEIRA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio Curricular

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL CARLOS HENRIQUE FELIPE POÇAS RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio

Leia mais

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015 PERÍODO OUTUBRO DE 2015 Andamento das Obras Execução dos barracões e Mobilização de canteiro de obras quantidade a executar 70% - quantidade acumulada ao final do período 70%; Durante o período executaremos

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL MURILO DAMAZIO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio Curricular

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL JOÃO ANTONIO PAZINATTO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio Curricular

Leia mais

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 O que são?: São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas

Leia mais

Relatório de Estágio Curricular. Rafael Menezes Albuquerque

Relatório de Estágio Curricular. Rafael Menezes Albuquerque Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Rafael Menezes Albuquerque São José dos Campos Novembro2005 Relatório de Estágio

Leia mais

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO MÊS: Maio / 2014 OBRA:

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO MÊS: Maio / 2014 OBRA: RELATÓRIO FOTOGRÁFICO MÊS: Maio / 2014 OBRA: Informações da Obra: Att. Aos clientes do Vallentina Vasconcelos Residence. A Iguatemi Construções Ltda. tem a satisfação em informar aos seus clientes sobre

Leia mais

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS Você foi incumbido do planejamento da execução do edifício habitacional, constituído por um subsolo, um pavimento térreo e oito pavimentos tipo, com

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerencia de Ensino e Pesquisa Coordenação de Informática Estágio supervisionado curricular.

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerencia de Ensino e Pesquisa Coordenação de Informática Estágio supervisionado curricular. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerencia de Ensino e Pesquisa Coordenação de Informática Estágio supervisionado curricular Relatório Final João Pedro Cavasin Estagiário André Luis Schwerz Orientador

Leia mais

2 DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO...5

2 DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO...5 RESUMO O presente documento relata todas as atividades exercidas pela acadêmica Mariana Malamin do Nascimento no estágio supervisionado obrigatório em 2013, que foi realizado no escritório da Construtora

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL EVERTON DE BRITTO SANTOS

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL EVERTON DE BRITTO SANTOS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL EVERTON DE BRITTO SANTOS RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio

Leia mais

Visita técnica ao canteiro de obras Hotel Bourbon

Visita técnica ao canteiro de obras Hotel Bourbon Visita técnica ao canteiro de obras Hotel Bourbon Juliano Soares Silveira Kathleen Dall Bello Foz do Iguaçu, 26 de fevereiro de 2014. Por meio do Engenheiro Silvio C. do Prado após contato nos telefones:

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL WAGNER ALEXANDRO CIBOTTO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL JÚLIO LUIS VANSETTO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio Curricular

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10

Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10 C U R S O D E A R Q U I T E T U R A E U R B A N I S M O Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10 Componente Curricular: TÉCNICAS DE EDIFICAÇÕES II Código: ARQ 055 Pré-requisito:

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL ALLAN CARLOS DAMASCENO MARCHINI RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Rodrigo Ferreira de Oliveira

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Rodrigo Ferreira de Oliveira Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Rodrigo Ferreira de Oliveira São José dos Campos. Novembro 2005 Relatório de Estágio Curricular

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

9.7 FORMULÁRIOS DE CONTROLE DE QUALIDADE DA EXECUÇÃO

9.7 FORMULÁRIOS DE CONTROLE DE QUALIDADE DA EXECUÇÃO 9.7 FORMULÁRIOS DE CONTROLE DE QUALIDADE DA EXECUÇÃO Instrução de trabalho de concretagem de peça estrutural Fonte: Modelos elaborados e cedidos pela Construtora Giacomazzi Ltda., de Curitiba-PR. 1. OBJETIVO

Leia mais

6 RESULTADOS OBTIDOS. 6.1 Sistematização do SHTM. 6.1.1 Modelagem sistêmica

6 RESULTADOS OBTIDOS. 6.1 Sistematização do SHTM. 6.1.1 Modelagem sistêmica 182 6 RESULTADOS OBTIDOS 6.1 Sistematização do SHTM 6.1.1 Modelagem sistêmica A tarefa de se construir prédios depende de um sistema organizado que funcione. Para que um prédio seja erguido, é necessário,

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA. São José dos Campos, 17/02/ 2012.

RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA. São José dos Campos, 17/02/ 2012. INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO São José dos Campos, 17/02/ 2012. Nome do Aluno: Gabriela Nobre Pedreira da Costa 1 INFORMAÇÕES GERAIS Estagiário

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL ROBERTO FERREIRA COELHO JUNIOR RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de obra

Relatório de Acompanhamento de obra Prezado(a) Sr. Daniel e Maria Carolina, Relatório de Acompanhamento de obra Na etapa que segue, a conclusão da alvenaria do térreo foi o foco dos trabalhos. Toda a parte de estrutura da alvenaria mais

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

17:46. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 2)

17:46. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 2) FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 2) Prof. Dr. Marcelo Medeiros Grupo de Materiais de Construção Versão 2013 1 Fundações indiretas profundas 1. Pré-moldadas 2. Moldadas in loco Prof. Dr. Marcelo

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Cristóvão C. C. Cordeiro Fundações usuais em relação ao porte dos edifícios Pequenos edifícios (casas e sobrados) pequenas cargas Rasas Blocos e alicerces,

Leia mais

ASPECTOS EXECUTIVOS, SURGIMENTO DE ANOMALIAS E QUALIDADE DAS ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO

ASPECTOS EXECUTIVOS, SURGIMENTO DE ANOMALIAS E QUALIDADE DAS ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA ASPECTOS EXECUTIVOS, SURGIMENTO DE ANOMALIAS E QUALIDADE DAS ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO Adrianderson Pereira

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA FERRAMENTA LINHA DE BALANÇO EM UMA OBRA INDUSTRIAL

IMPLANTAÇÃO DA FERRAMENTA LINHA DE BALANÇO EM UMA OBRA INDUSTRIAL IMPLANTAÇÃO DA FERRAMENTA LINHA DE BALANÇO EM UMA OBRA INDUSTRIAL Vanessa Lira Angelim (1); Luiz Fernando Mählmann Heineck (2) (1) Integral Engenharia e-mail: angelim.vanessa@gmail.com (2) Departamento

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo: TORRE 5 100% executado 98% executado - Revestimento fachada; 100% concluído - Aplicação de textura; 100% concluído - Execução do telhado; 100%

Leia mais

Construção Civil I Execução de Fundações Diretas

Construção Civil I Execução de Fundações Diretas Construção Civil I Execução de Fundações Diretas Introdução Elementos Estruturais - ESQUEMA Introdução Escolha do tipo de fundação Custo da etapa de fundações varia entre 3% e 7% do custo total do empreendimento;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa (BÔNUS E DESPESAS INDIRETAS) Itens de valor percentual

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

TRABALHO PRÁTICO. Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício.

TRABALHO PRÁTICO. Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício. TRABALHO PRÁTICO Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício. Grupos: grupos de TRÊS ou QUATRO participantes, necessariamente todos da mesma turma (Turma AC - manhã e Turma BD - tarde

Leia mais

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DA OBRA PERÍODO NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2015

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DA OBRA PERÍODO NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2015 RELATÓRIO DE ANDAMENTO DA OBRA PERÍODO NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2015 Andamento das Obras Civis Serviços concluídos até 15/12/15: Projetos executivos; Laudo de vizinhança relatório preventivo para minimizar

Leia mais

Terrazas do Atlântico Av. Atlântica, 1726 Cavaleiros

Terrazas do Atlântico Av. Atlântica, 1726 Cavaleiros [IDEA] 1 Este é um breve relatório do andamento das nossas obras, que pretendemos enviar com menor periodicidade, para manter uma posição mais atualizada das nossas operações. Terrazas do Atlântico Av.

Leia mais

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 2a. parte: ECONÔMICA-ESTUDO DE CASO KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br UNIVERSIDADE

Leia mais

O que é Canteiro de Obras?

O que é Canteiro de Obras? O que é Canteiro de Obras? Sistema complexo, com muitos riscos associados Análise prévia e criteriosa de sua implantação Qualidade Produtividade Segurança Cartão de visita da obra!!! O que é Canteiro

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo SUMÁRIO DO PROJETO TORRE 5: 100% executado 95% executado - Revestimento fachada; - 100% concluído - Aplicação de textura; - 95% concluído -

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CONCEITO Estacas são importantes e comuns elementos

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO 1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL DIOGO DANILO DE ALMEIDA PEREIRA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

IMPORTÂNCIA ECONÔMICA. Objetivo: O que são? Fundações. O que são? FUNDAÇÕES. Classificação

IMPORTÂNCIA ECONÔMICA. Objetivo: O que são? Fundações. O que são? FUNDAÇÕES. Classificação PCC-2435 ecnologia da Construção de Edifícios I FUNDAÇÕES AULAS 5 e 6 DEPARAMENO DE ENGENHARIA DE CONSRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - ecnologia da Construção de Edifícios I Profs. Luiz Sergio Franco, Mercia M.

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP MUROS Os muros são construções feitas de alvenaria de blocos de concreto ou tijolos, que tem a

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

PRODUÇÃO DA ARMADURA PRODUÇÃO DE ARMADURAS. Barras e fios de aço destinados à armadura. Barras e fios de aço destinados à armadura

PRODUÇÃO DA ARMADURA PRODUÇÃO DE ARMADURAS. Barras e fios de aço destinados à armadura. Barras e fios de aço destinados à armadura DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I PRODUÇÃO DA ARMADURA PRODUÇÃO DE ARMADURAS Qual a função das armaduras? Estruturar o concreto simples Profs.

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

O presente documento refere-se à obra do Lycee Français François Mitterrand em Brasília, DF.

O presente documento refere-se à obra do Lycee Français François Mitterrand em Brasília, DF. RELATÓRIO GERENCIAL DE OBRA MARÇO 2013 1. DESCRITIVO DO EMPREENDIMENTO DESCRIÇÃO DO TERRENO O terreno é localizado no Setor de Habitações Individuais Sul, SHIS QI 21 Lote D, Lago Sul/DF, medindo 179,90x82,95m,

Leia mais

RELATÓRIO 3ª MEDIÇÃO

RELATÓRIO 3ª MEDIÇÃO RELATÓRIO 3ª MEDIÇÃO OBRA: EXECUÇÃO DE OBRA DE CONSTRUÇÃO DO IMÓVEL PARA A VARA DO TRABALHO DE PALMAS. CONTRATADA: BC CONSTRUTORA LTDA - EPP Considerando a instituição da Comissão de Recebimento e Fiscalização

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. CARGA HORÁRIA: 80 h/a TURNO: Manhã TURMA: EDI 01/T6 DIRETOR(A) GERAL DO Marcelo Eder Lamb

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. CARGA HORÁRIA: 80 h/a TURNO: Manhã TURMA: EDI 01/T6 DIRETOR(A) GERAL DO Marcelo Eder Lamb EIXO TECNOLÓGICO: CURSO: Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial ( ) PROEJA (

Leia mais

São José dos Campos, Brasil, 19 de novembro de 2015 Fernando Nunes Frota

São José dos Campos, Brasil, 19 de novembro de 2015 Fernando Nunes Frota INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO São José dos Campos, Brasil, 19 de novembro de 2015 Fernando Nunes Frota FOLHA

Leia mais

Fabricação de cabos de protensão

Fabricação de cabos de protensão Fabricação de cabos de protensão Eugenio Luiz Cauduro Cauduro Consultoria Ltda. O objetivo deste trabalho é apresentar as vantagens da pré-fabricação de cabos de protensão, em local distinto do canteiro

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

EP - ENGENHARIA DE PISOS

EP - ENGENHARIA DE PISOS CATÁLOGO DE OBRAS EP - ENGENHARIA DE PISOS A busca por novidades tecnológicas que elevassem o nível da execução de pisos industriais no país fez com que a EP - Engenharia de Pisos adquirisse a primeira

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL HOBWAN FUZER RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio Curricular

Leia mais

ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA

ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA A produção da alvenaria está dividida em quatro passos fundamentais, que são: - Planejamento; - Marcação; - Elevação; - Fixação. 3ODQHMDPHQWR 1. Equipamentos Colher

Leia mais

5S s NO CANTEIRO DE OBRA DE UM CONJUNTO HABITACIONAL Edinaldo Favareto Gonzalez (1); Antônio Edésio Jungles (2) RESUMO

5S s NO CANTEIRO DE OBRA DE UM CONJUNTO HABITACIONAL Edinaldo Favareto Gonzalez (1); Antônio Edésio Jungles (2) RESUMO 5S s NO CANTEIRO DE OBRA DE UM CONJUNTO HABITACIONAL Edinaldo Favareto Gonzalez (1); Antônio Edésio Jungles (2) (1) Universidade Federal de Santa Catarina - Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil

Leia mais

- Pisos e revestimentos Industriais (pinturas especiais, autonivelantes, uretânicas, vernizes...);

- Pisos e revestimentos Industriais (pinturas especiais, autonivelantes, uretânicas, vernizes...); A TECNIKA iniciou suas atividades em meados de 2003, impulsionada pela demanda do mercado, sempre preocupada em buscar e oferecer soluções técnicas inovadoras, tendo como focos principais as áreas de impermeabilização

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de obra

Relatório de Acompanhamento de obra Prezado(a) Sr. Daniel e Maria Carolina, Relatório de Acompanhamento de obra Nesta etapa, os trabalhos foram concentrados na execução da alvenaria e o conjunto de tarefas necessárias para a execução da

Leia mais

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP - 2009 NATUREZA DO TRABALHO: PERÍCIA EM IMÓVEL URBANO

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP - 2009 NATUREZA DO TRABALHO: PERÍCIA EM IMÓVEL URBANO XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP - 2009 NATUREZA DO TRABALHO: PERÍCIA EM IMÓVEL URBANO RESUMO O presente trabalho se trata de uma perícia realizada com o fim

Leia mais

DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO E RETROFIT DE HOTEIS EM OPERAÇÃO: CASO IGUASSU RESORT

DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO E RETROFIT DE HOTEIS EM OPERAÇÃO: CASO IGUASSU RESORT DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO E RETROFIT DE HOTEIS EM OPERAÇÃO: CASO IGUASSU RESORT Roberto Rocha Lima Diretor de Engenharia e Desenvolvimento GJP Hotéis & Resorts FORUM DE CONSTRUÇÃO E RETROFIT DE HOTÉIS EM

Leia mais

Relatório do Administrador FIP BVEP PLAZA

Relatório do Administrador FIP BVEP PLAZA Relatório do Administrador FIP BVEP PLAZA 3º Trimestre 2014 O Fundo O FIP BVEP PLAZA tem como objetivo o investimento na empresa BVEP Empreendimentos Imobiliários SPE III S.A. que é proprietária de 100%

Leia mais

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS. Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS. Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES 1 ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES 2 ÍNDICE: 1) Estacas Hélice Continua 2) Provas de Carga Estática 3) Ensaios Dinâmicos

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SPDA BRASÍLIA - DF

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SPDA BRASÍLIA - DF INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SPDA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA - DF 1 - MEMORIAL DESCRITIVO 2 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros.

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. EMPREENDIMENTOS PANTHEON - ROMA Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR. Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA

IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR. Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA Por que medir produtividade e perdas? Brasil vive descasamento

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 3 Criação, Estruturação, Montagem e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 3 Criação, Estruturação, Montagem e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 3 Criação, Estruturação, Montagem e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto Tópicos Abordados Criação, Estruturação e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto. O Papel

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA Alessandra Luize Fontes SALES Eng.ª Civil, Universidade Federal do Ceará, Rua Quintino Cunha, nº 994, CEP 60425.780, Benfica, Fortaleza (Ce)

Leia mais

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação 2 Escolha do tipo de fundação Americana, junho de 2005 0 Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação Americana, junho de

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Fundações Diretas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 5 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Introdução: Todo peso de uma obra é transferido para o terreno em que a mesma é apoiada. Os esforços produzidos

Leia mais

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS. Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS. Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES 1 ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES 2 ÍNDICE: 1) Estacas Hélice Continua 2) Provas de Carga Estática 3) Ensaios Dinâmicos

Leia mais

Relatório do Administrador FIP BVEP PLAZA

Relatório do Administrador FIP BVEP PLAZA Relatório do Administrador FIP BVEP PLAZA 2º Trimestre 2014 O Fundo O FIP BVEP PLAZA tem como objetivo investir na empresa BVEP Empreendimentos Imobiliários SPE III S.A. que é proprietária de 100% do empreendimento

Leia mais

quem somos ...otimiza o ambiente de trabalho, adapta as diversas possibilidades do empreendimento... Solução completa para espaços corporativos.

quem somos ...otimiza o ambiente de trabalho, adapta as diversas possibilidades do empreendimento... Solução completa para espaços corporativos. 2006/2009 quem somos Solução completa para espaços corporativos. A Std Office traz toda expertise do Grupo Stadia, com novas tecnologias, aplicada a arquitetura e engenharia otimiza o ambiente de trabalho,

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

Estaca Strauss CONCEITO

Estaca Strauss CONCEITO CONCEITO A estaca Strauss é uma fundação de concreto (simples ou armado), moldada no local e executada com revestimento metálico recuperável. Pode ser empregada em locais confinados ou terrenos acidentados,

Leia mais

CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO

CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO Serviço: 1ª FASE DO LABORATÓRIO DE ESCOAMENTOS DE MULTIFÁSICOS INDUSTRIAIS - ESTRUTURA E COBERTURA DATA: 9 de novembro de 2010 CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO DESCRIÇÃO UNID. QUANT. PREÇO MAT. (UNIT.)(R$)

Leia mais

PES - Procedimento de Execução de Serviço

PES - Procedimento de Execução de Serviço Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1. EQUIPAMENTOS Esquadro metálico; Martelo e serrote; Serra de bancada com proteção para disco; Corda; Chave de dobra; Policorte; Tesoura manual; Gerica e carrinho de mão; Desempenadeira

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA CONDIÇÕES DE INÍCIO Vigas baldrames impermeabilizadas e niveladas,

Leia mais

A vida que só a Barra tem. O estilo que só o Barra Exclusive pode oferecer.

A vida que só a Barra tem. O estilo que só o Barra Exclusive pode oferecer. A vida que só a Barra tem. O estilo que só o Barra Exclusive pode oferecer. Fachada O Open Space da ARC com conforto e inteligência na divisão dos espaços: feito para você. Projeto de Antônio Caramelo

Leia mais

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini O sistema de construção com paredes de concreto moldadas in loco permite executar com agilidade e economia obras de grande escala como condomínios,

Leia mais

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -DQHLUR

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -DQHLUR 81,9(56,'$'()('(5$/'&($5È '(3$57$0(17'((1*(1+$5,$(6758785$/( &16758d &,9,/ 17$6'($8/$6 &16758d '((',)Ë&,6, /&$d '$%5$ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -DQHLUR &RQVWUXomRGH(GLItFLRV, /RFDomRGDEUD -7 /&$d '$%5$,175'8d

Leia mais

5. ESTUDO DO LAY-OUT DE CANTEIRO

5. ESTUDO DO LAY-OUT DE CANTEIRO Soluções Consultoria 22 5. ESTUDO DO LAY-OUT DE CANTEIRO Foi feito um projeto específico para o canteiro de obras, conforme anexo. O engenheiro da obra iniciou sua participação nesta fase do processo.

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I O Canteiro de Obras

Disciplina: Construção Civil I O Canteiro de Obras UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I O Canteiro de Obras André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil Canteiro

Leia mais

Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura

Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura Índice 1. Obras de infra-estrutura... 2 2. Base de concreto do Pivô... 2 3. Base de concreto da motobomba... 3 4. Casa de bombas... 4 5. Valeta da adutora...

Leia mais

Fundações Indiretas. Tipos de Fundações. Fundações Indiretas. Tipos de fundações

Fundações Indiretas. Tipos de Fundações. Fundações Indiretas. Tipos de fundações Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Tipos de fundações Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com Tipos de

Leia mais

NOÇÕES DE ESTRUTURAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. jul. 2014

NOÇÕES DE ESTRUTURAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. jul. 2014 NOÇÕES DE ESTRUTURAS jul. 2014 Carregamento Estruturas - Princípio laje viga pilar fundação Os esforço sobre as lajes são distribuídos nas vigas, que descarregam nos pilares e consequentemente na fundação.

Leia mais

Estacas hélice contínua: solução ou problema? Ou melhor dizendo: lucro ou prejuízo? Você decide ao contratar

Estacas hélice contínua: solução ou problema? Ou melhor dizendo: lucro ou prejuízo? Você decide ao contratar Estacas hélice contínua: solução ou problema? Ou melhor dizendo: lucro ou prejuízo? Você decide ao contratar Urbano Rodriguez Alonso Eng. Civil, projetista e consultor em geotecnia, ex-professor da Escola

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA CIVIL GRUPAMENTO DE INFRAESTRUTURA E APOIO de SÃO JOSÉ DOS CAMPOS RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Aluno: Renato Rodrigues Teles

Leia mais

MODELO. (Fonte arial ou times new Roman o tamanho da fonte estará entre parênteses) Nome do Aluno (14) N. RA: (14) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO (16)

MODELO. (Fonte arial ou times new Roman o tamanho da fonte estará entre parênteses) Nome do Aluno (14) N. RA: (14) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO (16) MODELO (Fonte arial ou times new Roman o tamanho da fonte estará entre parênteses) Nome do Aluno (14) N. RA: (14) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO (16) RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO (16) SÃO PAULO (12) 2014

Leia mais

17:44. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 1)

17:44. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 1) FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 1) Prof. Dr. Marcelo Medeiros Grupo de Materiais de Construção Versão 2013 1 Fundações indiretas profundas 1.Pré-moldadas 2.Moldadasin loco Prof. Dr. Marcelo

Leia mais

FUNDAÇÃO EM ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA MONITORADA

FUNDAÇÃO EM ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA MONITORADA FUNDAÇÃO EM ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA MONITORADA CASO ESPECÍFICO OBJETIVO APRESENTAR CASO ESPECÍFICO DE FUNDAÇÕES EM ESTACAS HCM HÉLICE CONTÍNUA MONITORADA PARA UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL DE 21 PAVIMENTOS EM

Leia mais