POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO"

Transcrição

1 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Diretoria Executiva Aprovação: DD /2012 Revisão 05 Vigência a partir de 25/09/2012

2 1. Introdução Os processos e atividades de negócio são suportados, cada vez mais, pela tecnologia da informação e pelos sistemas de informação. A informação é um recurso crítico para a realização de tarefas, concretização de negócios, e para a tomada de decisão. Este documento expressa o compromisso da Tractebel Energia com a segurança das informações e com a continuidade das atividades de negócio que delas dependam. 2. Objetivo Esta Política define as diretrizes de segurança que norteiam a criação de dispositivos normativos, padrões, processos e controles internos destinados a identificar e controlar os riscos às informações, aos recursos de informação, às pessoas, às instalações físicas, e à continuidade das atividades de negócio da Companhia. 3. Abrangência Esta Política é aprovada pela Diretoria Executiva da Companhia e é aplicável a todos os processos de negócio em todas as Unidades Organizacionais e empresas controladas pela Tractebel Energia, e a todos os sistemas corporativos e de automação e controle industrial. 4. Princípios Os controles adotados pela Companhia para a segurança das informações e da continuidade das atividades devem ser dimensionados de acordo com os riscos ao negócio, sem prejuízo a dispositivos legais, regulatórios, e aos princípios e valores corporativos. A Tractebel Energia proíbe o uso de suas informações e recursos de informação para a realização de atividades ilícitas ou antiéticas, e se empenha para evitar a ocorrência deste tipo de ação Características A segurança adequada das informações será alcançada quando as seguintes características forem garantidas, com base nos riscos aplicáveis: 1

3 Confidencialidade: Garantia de que as informações sejam acessadas e divulgadas somente por pessoas devidamente autorizadas. Integridade: Garantia de que as informações estejam armazenadas e apresentadas de maneira completa e que o seu estado seja mantido e protegido contra alteração ou destruição não autorizada. Disponibilidade: Garantia de que as informações e recursos de informação estejam disponíveis e operacionais quando necessário. Conformidade: Garantia de que a informação seja gerenciada e utilizada de acordo com requisitos legais, regulatórios, organizacionais e contratuais Responsabilidade A segurança das informações e dos recursos de informação da Companhia é uma responsabilidade de diretores, empregados, parceiros e de todas as pessoas que se relacionam com a Companhia, direta ou indiretamente. A informação é um ativo da Companhia e, como os demais ativos, deve ser segura e adequadamente produzida, adquirida, utilizada, administrada e descartada, independente do meio em que estejam armazenadas. A segurança das informações e da continuidade das atividades de negócio deve ser prioridade em todos os processos e deve ser considerada por todos, desde a fase de planejamento de novos empreendimentos Propriedade das informações e dos recursos de informação Todas as informações e recursos de informação são de propriedade da Tractebel Energia ou, quando de terceiros, estão sob sua guarda e sujeitos às determinações desta Política. Entende-se por recurso de informação todos os meios e ambientes que produzem, manipulam, transmitem, armazenam, apresentam ou descartam a informação, tais como, mas não limitado a, servidores, computadores, ambientes de rede administrativa e de controle industrial, equipamentos de telecomunicação, correio eletrônico, sistemas corporativos administrativos e de controle industrial, documentos eletrônicos e impressos, mídias removíveis, dispositivos de computação e comunicação móveis, coletores de dados, sensores eletrônicos, aparelhos de FAX, e demais sistemas e equipamentos de informática e de controle industrial. As informações e os recursos de informação da Companhia, em essência, são cedidos aos empregados e demais pessoas que se relacionam com a Companhia para a execução das atividades de negócio, mesmo quando acessados por recursos de terceiros, sem prejuízo à propriedade ou às determinações desta Política. Nenhum usuário deverá criar expectativa de privacidade quando estiver utilizando informações e recursos de informação da Companhia. 2

4 4.4. Acesso à informação e aos recursos de informação Para o acesso às informações e aos recursos de informação deve-se considerar o princípio que tudo o que não é expressamente permitido é proibido, e que o direito de acesso deve ser concedido formalmente, após aprovação, e somente quando houver uma real necessidade de acesso Conscientização Esta política será amplamente divulgada em todo o âmbito da Companhia, a fim de se garantir o seu conhecimento e maximizarem-se os seus efeitos. Ações específicas serão realizadas para conscientização das pessoas para os riscos associados ao uso indevido das informações e dos recursos de informação. Todos os processos e controles existentes para minimização e acompanhamento dos riscos devem, também, ser divulgados às pessoas que estiverem envolvidas com as atividades a eles relacionadas Terceirização de atividades A terceirização de atividades da Companhia deve ser realizada de maneira segura, com a adoção de dispositivos contratuais e controles que assegurem o conhecimento e cumprimento desta Política, principalmente com relação à confidencialidade das informações, à responsabilidade pelo uso adequado dos recursos de informação por terceiros e seus representantes, e à aceitação e submissão por parte dos terceiros aos controles de segurança da Companhia. 5. Papéis de segurança Os seguintes papéis são definidos para que as ações que garantem a segurança da informação sejam executadas e coordenadas: 5.1. Proprietário 1 São os gerentes das Unidades Organizacionais e das usinas, quando aplicável, responsáveis pela definição de requisitos e métodos seguros para aquisição, produção, armazenamento, divulgação, autorização de acesso e descarte das informações e recursos de informação das Unidades Organizacionais, e/ou usinas sob sua responsabilidade. O proprietário é responsável por identificar as disposições na legislação pertinente relacionadas à integridade, disponibilidade e confidencialidade das informações sob sua responsabilidade, e por garantir o seu cumprimento por todas as pessoas, inclusive terceiros. 1 O termo proprietário não significa que a pessoa tenha qualquer direito de propriedade sobre os ativos. 3

5 O proprietário é responsável, também, por levar esta Política a conhecimento de seus subordinados e verificar o conhecimento sobre as suas obrigações com a segurança da informação Coordenador São os empregados que coordenam o uso e o acesso às informações e aos recursos de informação, de acordo com os requisitos aplicáveis e com as determinações dos proprietários. O coordenador é responsável por avaliar das atividades de negócio e tomar ações necessárias para a garantia do uso das informações e dos recursos de informação em conformidade com os requisitos aplicáveis Administrador São os empregados que administram, custodiam, controlam e monitoram o uso das informações e recursos de informação da Companhia. O administrador é responsável por avaliar os riscos relacionados ao acesso não autorizado e a indisponibilidade da informação, e por tomar medidas de prevenção, controle, monitoramento e correção de possíveis problemas que representem risco à segurança das informações, dos recursos de informação, e da continuidade das atividades de negócio suportadas pelos recursos de informação Usuário São todas as pessoas que utilizam e/ou atualizam as informações e os recursos de informação da Companhia. O usuário é responsável por cumprir e fazer cumprir com as determinações da Companhia relacionadas ao uso adequado e seguro das informações e dos recursos de informação, e por comunicar aos administradores e coordenadores possíveis problemas por ele identificados. 6. Estratégia Para garantir a segurança das informações e a continuidade das atividades de negócio serão criados dispositivos normativos e procedimentos específicos complementares a esta Política, que definirão as táticas e atividades de prevenção e controle necessárias e suficientes para a Companhia com base na legislação pertinente, nos objetivos empresariais, e nos riscos ao negócio. O conjunto de medidas de controle deverá visar, em essência, manter os riscos em um nível adequado ao negócio através da identificação de ameaças, da prevenção a incidentes, da correção de vulnerabilidades, da resposta a incidentes, e da melhoria contínua das atividades. 4

6 As táticas e atividades necessárias para aplicação das diretrizes definidas nesta Política serão definidas por grupos especializados, de acordo com a natureza das atividades e com os riscos envolvidos. As instruções normativas e procedimentos devem ser baseados em Normas Técnicas e melhores práticas aplicáveis, e na identificação e atribuição de responsabilidades para cobertura de, pelo menos, os seguintes aspectos: Critérios para uso e divulgação de informações corporativas; A proteção contra acesso indevido às informações e aos recursos de informação; Os requisitos e critérios para identificação, autenticação e autorização de usuários para o acesso físico e lógico às informações e aos recursos de informação, de acordo com o grau de importância das informações e das operações realizadas; Os controles sobre o uso de contas privilegiadas de administradores para acesso aos recursos de informação; Os meios para proteção da identidade digital dos usuários; As condições e os critérios para o uso aceitável das informações e recursos de informação; As formas e critérios para o monitoramento do uso dos recursos pelos usuários; Os registros e controles necessários para a rastreabilidade dos acessos, modificações, exclusões e demais transações realizadas com as informações; Os métodos e processos relacionados à salvaguarda das informações através da guarda de originais e/ou de cópias de segurança, armazenadas e recuperáveis por período de acordo com requisitos legais; Os métodos e recursos para garantia da disponibilidade das atividades em caso de falha de equipamentos e sistemas de informação; Os métodos e recursos necessários para recuperação da operação no caso de desastres em tempo hábil para a continuidade das atividades de negócio; Os critérios para uso de informações e recursos protegidos por direitos autorais e pela propriedade industrial, da Companhia e de terceiros que com ela se relacionem; Os critérios para a proteção do ambiente computacional contra a inserção de pragas virtuais e códigos maliciosos, e os métodos de remoção em caso de incidente; Os métodos para identificação e resposta a incidentes de segurança; Os critérios para a proteção de informações e ambientes abertos e acessíveis externamente; Os critérios e requisitos para proteção física e lógica de servidores e equipamentos de conexão e comunicação; Os critérios e requisitos para proteção de sistemas e equipamentos de controle industrial; Os critérios para proteção da informação e dos recursos de informação em trânsito; 5

7 Os critérios para exclusão segura e descarte das informações e dos recursos de informação após seu período de uso corrente; Os critérios mínimos de segurança para projeto, desenvolvimento, integração e aceitação de novos recursos de informação da Companhia; Os critérios para o gerenciamento das mudanças realizadas nas informações e nos recursos de informação; Os meios e periodicidade para divulgação e conscientização para a segurança das informações; Os meios e métodos para identificação, avaliação, e tratamento dos riscos à segurança da informação; Os meios e métodos para avaliação e acompanhamento do nível de segurança da informação da Companhia; Os requisitos para contratos com empregados, colaboradores, fornecedores, clientes e demais parceiros de negócio para cumprimento dos requisitos de segurança da Companhia; As responsabilidades complementares a esta política relacionadas a atividades e recursos específicos. 7. Infrações à Política de Segurança da Informação Serão consideradas faltas graves as infrações a esta política e aos documentos que a complementam, principalmente no que se referir a divulgação sem permissão, alteração indevida, ocultação e/ou destruição de informações, a participação em atividades que comprometam a segurança das informações da Companhia, das pessoas, das atividades e do patrimônio que dependa dessas informações, e a utilização das informações, sistemas ou demais recursos de informação da Companhia para a prática de atividades ilícitas ou antiéticas. As infrações a esta política serão encaminhadas ao Comitê de Ética para verificação e aplicação das penalidades cabíveis, estando sujeito o infrator, ainda, quando aplicável, à responsabilização judicial pelos atos praticados nas esferas civil e criminal. 8. Revisão e Atualização desta Política A revisão desta política deve ser realizada pelo menos a cada dois anos, ou quando ocorrerem mudanças significativas na legislação pertinente, na estrutura organizacional, nos objetivos de negócio, nos processos internos, ou nos riscos às informações ou à continuidade das atividades. A responsabilidade pela revisão desta Política é das U.O. Sistemas de Informação e Telecomunicação (DSI), U.O. Assuntos Jurídicos (DJU), Auditoria Interna (AUD), Recursos Humanos (DRH), Documentação Suprimentos e Serviços Gerais (DPS), e do Comitê de Segurança de Sistemas de Controle Industrial. A nova versão deverá ser submetida à Diretoria Executiva para avaliação e aprovação. As demais unidades podem sugerir alterações quando julgarem necessário. 6

8 Documento Portal / Documentação / Manual de Gestão / Política / Tecnologia da Informação / Política_Seguranca_Informacao_r5.pdf Alterado por: Aprovado por: Data de Aprovação: Evandro Alencar Rigon Revisado por: Alan Denis Bronaut, Antonio Carlos Corrêa Benavides, Artur Roberto Frota Ellwanger, Cylon Rosa Rodrigues de Freitas, Euclides Antonio Backes, Fernando Santos Varela, Gabriel Aurelio de Oliveira, Jefferson Silva de Oliveira, José Neves de Lacerda, Luciana Moura Nabarrete, Luiz Felippe, Renato Amaral Rosales, Ronaldo Dutra Ferreira, Sandro Matos Júlio, Sergio Roberto Maes Diretoria Executiva DD /2012 Última Revisão: 25/09/ /09/2012 Próxima Revisão: 10/2014 7

Diretrizes e Políticas de Segurança da Informação Organização CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A (CNPJ: 08.602.

Diretrizes e Políticas de Segurança da Informação Organização CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A (CNPJ: 08.602. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 4/2008 O Conselho de Administração, com base no disposto no Art. 17 do Estatuto da CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência, em reunião do dia 19 de fevereiro de

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação 29 de janeiro 2014 Define, em nível estratégico, diretivas do Programa de Gestão de Segurança da Informação. ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 PÚBLICO ALVO... 3 3 RESPONSABILIDADES

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30/10/2014, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Artigo 19, Inciso XVII do

Leia mais

3 Política institucional de segurança da informação da Cooperativa Crédito Mutuo dos Praças e Oficiais da PMESP Cooperacs - SP

3 Política institucional de segurança da informação da Cooperativa Crédito Mutuo dos Praças e Oficiais da PMESP Cooperacs - SP Título : Política institucional de segurança da informação. Capítulo : Índice Seção : Capítulo Seção Item Descrição 3 Política institucional de segurança da informação da Cooperativa Crédito Mutuo dos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES () Versão 2.0 08/08/2014 Política de Segurança da Informação e Comunicações - SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 2 2 ABRANGÊNCIA... 2 3 CONCEITOS... 2 3.1 Autenticidade...

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Nº de Páginas: 1 / 5 1. OBJETIVOS Os objetivos desta Política de Segurança da Informação são estabelecer orientações gerais de segurança da informação no âmbito da Braslight, fornecendo o apoio conceitual

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro ABNT NBR ISO/IEC 27002 Segurança nas operações Responsabilidades e procedimentos operacionais Assegurar a operação segura e correta

Leia mais

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios:

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: 1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: a) é elaborada por proposta da área de gestão de continuidade de negócios da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob Sicoob

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 32/2014 Institui a política de segurança da informação da UFPB, normatiza procedimentos com esta finalidade e

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 CONCEITOS... 3 4 ESTRUTURA NORMATIVA...

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO APRESENTAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Este documento foi elaborado pelo setor de Tecnologia da Informação e Comunicação (CSGI), criada com as seguintes atribuições: Assessorar a Direção da SESAU

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

Política Corporativa de Segurança da Informação

Política Corporativa de Segurança da Informação Política Corporativa de Segurança da Informação Emissão 12/08 /201 3 Aprovação - Diretoria / Presidência Página: 1 Sumário 1. OBJETIVO DA POLÍTICA... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. CONTEXTO JURÍDICO... 4 4.

Leia mais

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 232/2013 Aprova a Norma Complementar de Procedimentos para Inventariar Ativos de Tecnologia da Informação. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br. Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br. Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009 PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Auditoria i e Análise de Segurança da Informação Segurança e Confiabilidade Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009 Dados e Informação Dado é a unidade básica

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17.

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17. REGULAMENTO INTERNO DO USO E ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DA REDE DA FACULDADE PROCESSUS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este ato tem como objetivo definir o uso e administração

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Segurança da Informação BM&FBOVESPA Última revisão: maio de 2014 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. CONCEITOS... 3 4. ESTRUTURA NORMATIVA... 3 5. DIRETRIZES... 4 6. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014.

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. Dispõe sobre aprovação da Política de Segurança da Informação do IFMG. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS, no uso

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui a Política de Integração e Segurança da Informação do Sistema de Cadastro Ambiental Rural e dá outras providências. A MINISTRA DE ESTADO DO

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ/GP N. 11 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015. Institui a política de segurança da informação do Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

12/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/2012 1/5

12/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/2012 1/5 12/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/2012 1/5 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações Uso de Dispositivos Móveis nos Aspectos relativos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DEZEMBRO/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cgti@listas.ifbaiano.edu.br Site: http://www.ifbaiano.edu.br

Leia mais

Norma de Segurança Estadual para Gerenciamento de Senhas

Norma de Segurança Estadual para Gerenciamento de Senhas GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO GERAL CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANEXO I - RESOLUÇÃO Nº. 011/2011

Leia mais

GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO 27001)

GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO 27001) GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO 27001) Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Professor Marco Antônio Chaves Câmara Agenda Introdução A norma 27001 Por quê um SGSI certificado? Como utilizar

Leia mais

1. Esta Política institucional de gestão de continuidade de negócios:

1. Esta Política institucional de gestão de continuidade de negócios: 1. Esta Política institucional de gestão de continuidade de negócios: a) é elaborada por proposta da área de gestão de continuidade de negócios da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob Sicoob

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE INCIDENTES DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

GERENCIAMENTO DE INCIDENTES DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO FL. 2 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações Núcleo de Segurança da Informação Código: NO06 Revisão: 0.0 Vigência:

Leia mais

Política de. Segurança. Informação

Política de. Segurança. Informação Política de Segurança da Informação Diretrizes para a conduta adequada no manuseio, controle e proteção das informações contra a destruição, modificação, divulgação indevida e acessos não autorizados,

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Porto Alegre Aula 1

Faculdade de Tecnologia SENAI Porto Alegre Aula 1 Faculdade de Tecnologia SENAI Porto Alegre Aula 1 Prof. Me. Humberto Moura humberto@humbertomoura.com.br Evolução da TI Postura TI Níveis de TI Princípios de TI (papel da TI perante o negócio) Arquitetura

Leia mais

Segurança Estratégica da Informação ISO 27001, 27002 e 27005 Segunda Aula: ISO 27002

Segurança Estratégica da Informação ISO 27001, 27002 e 27005 Segunda Aula: ISO 27002 Segurança Estratégica da Informação ISO 27001, 27002 e 27005 Segunda Aula: ISO 27002 Prof. Dr. Eng. Fred Sauer fsauer@gmail.com http://www.fredsauer.com.br ISO 27002 (17799) Boas Práticas Objetivos d Fazem

Leia mais

III. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso da Internet

III. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso da Internet O B J E CT I V O Estabelecer critérios para acesso à Internet utilizando recursos do Projecto Portal do Governo de Angola. Orientar os Utilizadores sobre as competências, o uso e responsabilidades associadas

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DEFENDA BUSINESS PROTECTION SERVICES & SOLUTIONS Direitos Autorais Este documento contém informações de propriedade da Defenda Business Protection Services & Solutions.

Leia mais

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, Dispõe sobre a Política de Segurança da Informação no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª. Região. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

Segurança da Informação. Fundamentos do Modelo de Segurança da Informação

Segurança da Informação. Fundamentos do Modelo de Segurança da Informação Segurança da Informação Fundamentos do Modelo de Segurança da Informação A Segurança da Informação no Governo Federal OGoverno Federal, em diversas oportunidades, tem se manifestado no sentido de assegurar

Leia mais

9.6. Política de segurança para Usuários(PSU)... 14 9.7. Questionários de Segurança da Informação... 14 10. CONCLUSÃO... 14

9.6. Política de segurança para Usuários(PSU)... 14 9.7. Questionários de Segurança da Informação... 14 10. CONCLUSÃO... 14 ANEXO I PSI Índice 1. FINALIDADE... 4 2. ABRANGÊNCIA... 4 3. FREQUÊNCIA DE REVISÃO... 4 4. PORTAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 4 5. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 5.1. Segurança da Informação... 4 5.2. Confidencialidade...

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Dispõe acerca de normas referentes à segurança da informação no âmbito da CILL Informática S/A. Goiânia-Go, novembro de 2015 Política de Segurança da Informação CILL

Leia mais

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação Política de segurança da Informação. Metodologia de levantamento da política de segurança. Objetivos e responsabilidades sobre a implementação. Métodos

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BASEADO NA NORMA ABNT 21:204.01-010 A Política de segurança da informação, na empresa Agiliza Promotora de Vendas, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de

Leia mais

Política da Segurança da Informação

Política da Segurança da Informação Política da Segurança da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA BM&FBOVESPA 1. INTRODUÇÃO A informação é um ativo que possui grande valor para a BM&FBOVESPA, devendo ser adequadamente utilizada

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 727, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 R E S O L U Ç ÃO:

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 727, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 R E S O L U Ç ÃO: SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 727, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui a Política de Segurança da Informação e Comunicações da Universidade Federal

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

DECISÃO Nº 124/2014 D E C I D E. aprovar a Política de Segurança da Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, como segue:

DECISÃO Nº 124/2014 D E C I D E. aprovar a Política de Segurança da Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 124/2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 28/03/2014, tendo em vista o constante no processo nº 23078.020136/13-35, de acordo com o Parecer nº 494/2013 da

Leia mais

Política de Segurança da informação e Comunicação

Política de Segurança da informação e Comunicação Política de Segurança da informação e Comunicação 2015-2017 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autores 28/04/2015 1.0 Elementos textuais preliminares Jhordano e Joilson 05/05/2015 2.0 Elementos

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES PRINCÍPIOS E DIRETRIZES JUNHO, 2013. Sumário 1. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 139, DE 10 DE MAIO DE DE 2011.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 139, DE 10 DE MAIO DE DE 2011. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 139, DE 10 DE MAIO DE DE 2011. Aprova a instituição e o funcionamento da equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais do IPEA.

Leia mais

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PR 29/07/2013 Instrução Normativa Nº 24/2013 Assunto: Institui a Política

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta.

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações METODOLOGIA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES ORIGEM Departamento de

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00413 de 30 de setembro de 2014

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00413 de 30 de setembro de 2014 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00413 de 30 de setembro de 2014 Dispõe sobre a aprovação do Documento Acessório Diferenciado "Política de Gestão de

Leia mais

Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações ORIGEM Departamento de Segurança da Informação e Comunicações Número da Norma Complementar

Leia mais

Curso Plano de Continuidade de Negócios

Curso Plano de Continuidade de Negócios Curso Plano de Continuidade de Negócios Em um cenário mundial de alto risco e volatilidade, com uma interconexão e interdependência de todas as cadeias de suprimento, a segurança e continuidade dos negócios

Leia mais

Governança em T.I. GTI-V Noturno - 2015. Alunos: Douglas de Souza Braga Rafael vitor Hugo Bastos Kaysmier Walessa

Governança em T.I. GTI-V Noturno - 2015. Alunos: Douglas de Souza Braga Rafael vitor Hugo Bastos Kaysmier Walessa Governança em T.I GTI-V Noturno - 2015 Alunos: Douglas de Souza Braga Rafael vitor Hugo Bastos Kaysmier Walessa Politica de Segurança Ativos: Computadores: Sistema \ Hardwere \Segurança A infraestrutura

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S.

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 4: Trilhas de Auditoria Existe a necessidade

Leia mais

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 Disciplina os procedimentos para gestão de incidentes de segurança da informação e institui a equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais

Leia mais

NORMA CONTROLE DO PARQUE DE INFORMÁTICA

NORMA CONTROLE DO PARQUE DE INFORMÁTICA CONTROLE DO PARQUE DE INFORMÁTICA Data: 17 de dezembro de 2009 Pág. 1 de 13 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. INTRODUÇÃO 3 2. FINALIDADE 3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4. PADRONIZAÇÃO DOS RECURSOS DE T.I. 4 5. AQUISIÇÃO

Leia mais

07/IN01/DSIC/GSIPR 00 06/MAI/10 2/8 1. OBJETIVO

07/IN01/DSIC/GSIPR 00 06/MAI/10 2/8 1. OBJETIVO 07/IN01/DSIC/GSIPR 00 06/MAI/10 1/8 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações DIRETRIZES PARA IMPLEMENTAÇÃO DE CONTROLES DE ACESSO

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES PRINCÍPIOS E DIRETRIZES SETEMBRO 2013 Sumário 1. POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES DO MINISTÉRIO

Leia mais

Os requisitos de SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO dentro de uma organização passaram por duas mudanças importantes nas últimas décadas:

Os requisitos de SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO dentro de uma organização passaram por duas mudanças importantes nas últimas décadas: $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR 6(*85$1d$($8',725,$'(6,67(0$6 ³6HJXUDQoDGH,QIRUPDo}HV &\QDUD&DUYDOKR

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO Norma N-134.0002 Estabelece as diretrizes da política de segurança e saúde do trabalho na Celesc, definindo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 27/2013, DE 29 DE AGOSTO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 27/2013, DE 29 DE AGOSTO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 27/2013, DE 29 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre a Política de Segurança da Informação e

Leia mais

NORMA ESTRATÉGICA POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (PSI)

NORMA ESTRATÉGICA POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (PSI) NORMA ESTRATÉGICA POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (PSI) gestora do normativo Comitê de responsável pela conformidade Secretaria Geral - SEGER Coordenação de Processos e Conformidade - COPEC Numeração

Leia mais

3.3 Norma Complementar nº 08/IN01/DSIC/GSIPR, de 19/08/2010, que trata da gestão de ETIR e das diretrizes para gerenciamento de incidentes em redes

3.3 Norma Complementar nº 08/IN01/DSIC/GSIPR, de 19/08/2010, que trata da gestão de ETIR e das diretrizes para gerenciamento de incidentes em redes PORTARIA TRT 18ª GP/DG Nº 379/2014 Aprova norma sobre Gerenciamento de Incidentes de Segurança da Informação NO06 no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região. A DESEMBARGADORA-PRESIDENTE DO

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAFAEL D. RIBEIRO, M.SC,PMP. RAFAELDIASRIBEIRO@GMAIL.COM HTTP://WWW.RAFAELDIASRIBEIRO.COM.BR @ribeirord A segurança da informação protege a informação de diversos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SEGURANÇA GADE SOLUTION Tatiana Lúcia Santana GADE SOLUTION 1. Conceituação: A informação é um dos principais patrimônios do mundo dos negócios. Um fluxo de informação de qualidade é capaz

Leia mais

Aspectos Jurídicos no Uso de Dispositivos Pessoais no Ambiente Corporativo. Dra. CRISTINA SLEIMAN. Dra. Cristina Sleiman Diretora Executiva

Aspectos Jurídicos no Uso de Dispositivos Pessoais no Ambiente Corporativo. Dra. CRISTINA SLEIMAN. Dra. Cristina Sleiman Diretora Executiva Comissão de Direito eletrônico E Crimes de Alta Tecnologia Aspectos Jurídicos no Uso de Dispositivos Pessoais no Ambiente Corporativo Dra. CRISTINA SLEIMAN Dra. Cristina Sleiman Diretora Executiva SP,

Leia mais

Alinhando NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 na Administração Pública - USP

Alinhando NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 na Administração Pública - USP Alinhando NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 na Administração Pública - USP 3 3 Apresentação : Introdução. NBR ISO/IEC 27001 e 17799. Proposta de Plano de Trabalho/Ação. Referências. Confidencialidade Permitir

Leia mais

TP.100. Política de Segurança da Informação

TP.100. Política de Segurança da Informação Manual do utilizador TP.100 Política de Segurança da Informação Órgão: Versão: 1.0 Data inicial: 2006/05/25 Última alteração: 2006/05/25 (referência) 2/8 Índice de conteúdos 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- INFORMAÇÃO...

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 NORMAS ABNT ISSO/IEC 27001 E 27002 (Antiga ISSO/IEC 17799) A norma ISO/IEC 27001. A norma ISO/IEC

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 10/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações Inventário e Mapeamento de Ativos de Informação nos

Leia mais

A ISO 17799 esta dividida em 12 seções da seguinte forma: 1. Objetivo da norma. 2. Termos e definições: 3. Poĺıtica de segurança.

A ISO 17799 esta dividida em 12 seções da seguinte forma: 1. Objetivo da norma. 2. Termos e definições: 3. Poĺıtica de segurança. A 17799 se refere a mecanismos organizacionais para garantir a segurança da informação. Não é uma norma que define aspectos técnicos de nenhuma forma, nem define as características de segurança de sistemas,

Leia mais

Modelo!de!Política!de! Segurança!da!Informação!

Modelo!de!Política!de! Segurança!da!Informação! ModelodePolíticade SegurançadaInformação Contato:evandro.santos@ecsan.com.br Sumário Introdução...2 ObjetivosdaPolíticadeSegurançadaInformação...3 AplicaçõesdaPolíticadeSegurançadaInformação...4 PrincípiosdaPolíticadeSegurançadaInformação...5

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL. A importância da Alta Administração na Segurança da Informação e Comunicações

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL. A importância da Alta Administração na Segurança da Informação e Comunicações A importância da Alta Administração na Segurança da Informação e Comunicações Agenda O Problema; Legislação; Quem somos; O que fazer. O problema A informação: é crucial para APF é acessada por pessoas

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

SPED Sistema Público de Escrituração Fiscal CONTROLES MÍNIMOS PARA A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Prof. Ms. Edison Fontes, CISM, CISA, CRISC

SPED Sistema Público de Escrituração Fiscal CONTROLES MÍNIMOS PARA A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Prof. Ms. Edison Fontes, CISM, CISA, CRISC NUCLEO CONSULTORIA EM SEGURANÇA Artigo SPED Sistema Público de Escrituração Fiscal CONTROLES MÍNIMOS PARA A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BRASIL, São Paulo Novembro, 2013 V.1.0 1. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES - PoSIC

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES - PoSIC MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 795, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Política da Segurança da Tecnologia da Informação

Política da Segurança da Tecnologia da Informação Política da Segurança da Tecnologia da Informação INTRODUÇÃO A informação é um ativo que possui grande valor para a CREMER S/A, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos.

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta.

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. 06/IN01/DSIC/GSIPR 01 11/NOV/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações GESTÃO DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS EM SEGURANÇA DA

Leia mais

Proteger as informações da empresa para a qual trabalhamos é um dever de todos nós!

Proteger as informações da empresa para a qual trabalhamos é um dever de todos nós! Prezado Colaborador, O conteúdo desta cartilha tem como objetivo compartilhar alguns conceitos relacionados ao tema Segurança da Informação. Além de dicas de como tratar os recursos e as informações corporativas

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA E POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

PLANO DE CONTINGÊNCIA E POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANO DE CONTINGÊNCIA E POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Dispõe sobre a criação do Plano de Contingência e Política de Segurança da Informação e Comunicações do Instituto Federal Farroupilha

Leia mais

Conheça a NBR ISO/IEC 27002

Conheça a NBR ISO/IEC 27002 Conheça a NBR ISO/IEC 27002 A norma NBR ISO/IEC 27002 Código de Prática para a Gestão de Segurança da Informação, que tem como objetivo estabelecer diretrizes e princípios gerais para iniciar, implementar,

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado A, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RORAIMA POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES POSIC

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RORAIMA POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES POSIC INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RORAIMA POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES POSIC 1. OBJETIVO Fornecer diretrizes, responsabilidades, competências e apoio da alta

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Página: 1 de 5 1. INTRODUÇÃO A informação é um ativo que possui grande importância para PRÓ-MEMÓRIA, sendo resguardada contra ameaças e riscos. Segurança da informação, segundo a NBR ISO/IEC 27002:2005,

Leia mais

Segurança e Desafios Éticos de e-business. Objetivos do Capítulo

Segurança e Desafios Éticos de e-business. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar diversos problemas éticos causados pelo uso das tecnologias de informação em e-business, tais como os relacionados ao emprego, à personalidade, às condições de trabalho,

Leia mais

POLÍTICA DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES INVEPAR. A melhor forma de usar nossos recursos.

POLÍTICA DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES INVEPAR. A melhor forma de usar nossos recursos. POLÍTICA DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES INVEPAR. A melhor forma de usar nossos recursos. 1. OBJETIVO Este documento tem a finalidade de estabelecer diretrizes para a aquisição de bens e serviços nas empresas

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais