Técnica Básicas para Análises de Células e Tecidos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Técnica Básicas para Análises de Células e Tecidos"

Transcrição

1 Técnica Básicas para Análises de Células e Tecidos Visão panorâmica da célula Algumas grandezas... 1km 1.000m 1m 100 cm 1cm 10 mm 1mm 1000 µm 1 µm 1000 nm 1Å (Angstron Angstron) m Visão panorâmica da célula Aumento e Poder de Resolução Visão panorâmica da célula Resolução: menor distância para que duas partículas apareçam como objetos separados. O limite de resolução da Microscopia Óptica é de 0,2 µm Desenvolvimento da Microscopia -Microscópio Óptico (luz) -Microscópio Eletrônico (elétrons) Microscópio óptico utiliza feixes de luz Sistemas de lentes (condensador, objetiva e ocular) O limite de resolução do MO é de 0,2 µm e depende essencialmente da objetiva. 1

2 Microscópio óptico Microscópio óptico de campo claro Microscópio óptico de fluorescência Microscópio óptico de fluorescência Microscópio óptico confocal Outros tipos de microscópios ópticos Iluminação direta (sem coloração) Contraste de fase (refração da luz) Contraste diferencial de interferência (refração da luz) 2

3 Microscópio eletrônico -utiliza feixes de elétrons -lentes eletromagnéticas Alta resolução, abaixo de 0,3 nm. Material biológico é impregnado com metais pesados como ósmio, chumbo e urânio Microscópio eletrônico de transmissão: Alta resolução Necessita de cortes muito finos (0,02 a 0,1 µm) Material biológico é impregnado com metais pesados como ósmio, chumbo e urânio Imagem elétron-densa (escura) e elétron-lúcida (clara) Estrutura e funcionamento Microscópio eletrônico de transmissão Microscópio eletrônico de varredura Alta resolução Fragmentos maiores ou tecidos inteiros Material biológico é recoberto com metais como ouro ou platina Estrutura tridimensional (3D) Microscópio eletrônico de varredura MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA Microscópio eletrônico de varredura 3

4 Centro de Microscopia Eletrônica UNESP - Botucatu MEV MET Preparação de material para análise ao microscópio As células e tecidos precisam estar perfeitamente preservados, apresentando a mesma estrutura e composição química que possuíam quando vivas. Fixação Preserva a morfologia e composição do tecido. Fixador mais utilizado Formaldeído. Para microscopia eletrônica (ME) os tecidos necessitam de tratamentos especiais em soluções de aldeído glutárico e tetróxido de ósmio. Lavagem Desidratação Retirada da água presente nos tecidos através de sucessivos banhos em uma série de etanol (70% 80% 90% 100%). 4

5 Meio de impregnação Substituição do líquido (xilol) por parafina ou resina sintética. A resina sintética possibilita cortes mais finos (1 a 2 µm). O ME necessita de cortes muito finos (0,02 a 0,1 µm) e por isso utiliza se resinas mais duras. Neste caso os cortes são feitos com navalhas de vidro ou diamante. Diafanização ou clareamento Substituição do etanol por líquido miscível (geralmente xilol) com o meio de impregnação e retirada de lipídios. Meio de inclusão Suporte para o tecido impregnado. Tecido preparado para análise ao Microscópio Eletrônico Micrótomo Instrumento para cortar finas fatias do tecido (menores que 1µm de espessura). Micrótomo automatizado Permite a obtenção rápida de cortes sem passar pelas etapas descritas antes. 5

6 Micrótomo Realizando cortes do material Micrótomo Instrumento para cortar finas fatias do tecido (menores que 1µm de espessura). Xilol Retirada da parafina Série alcoólica lica - Rehidratação. Estufa 60 o C Derreter e eliminar a parafina Hidratação completa Coloração A maioria dos corantes utilizados se comportam como ácido ou base. Estrutura celular basófila, liga-se a corantes básicos. Estrutura celular acidófila, liga-se a corantes ácidos. Corantes básicos: azul-de-tuluidina, azul-de-metileno, hematoxilina... Corantes ácidos: eosina, orange G, fucsina ácida... Coloração Hematoxilina/Eosina (HE) Coloração freqüentemente utilizada Além destes corantes freqüentemente utilizados, utiliza se também outros tipos de coloração, como a impregnação com sais de prata e ouro. 6

7 ...outras técnicas que podem ser empregadas na Biologia Celular e Molecular Além destas colorações frequentemente utilizadas, outros métodos baseados em reações químicas (citoquímica), imunológicas (imunocitoquímica), entre outras, também podem ser empregados. : Radioautografia : Imunocitoquímica : Cromatografia : Eletroforese : Cristalografia e difração de raio-x : Hibridação de ácidos nucléicos Montagem das lâminas Análise do Material Plano de corte Resultados 7

Técnica Básicas para Análises de Células e Tecidos

Técnica Básicas para Análises de Células e Tecidos Técnica Básicas para Análises de Células e Tecidos Visão panorâmica da célula Algumas grandezas... 1km 1.000m 1m 100 cm 1cm 10 mm 1mm 1000 m 1 m 1000 nm 1Å (Angstron) 10-10 m 1 Visão panorâmica da célula

Leia mais

Introdução à Biologia Celular, Histologia e Embriologia e seus métodos de estudo

Introdução à Biologia Celular, Histologia e Embriologia e seus métodos de estudo Morfologia Biologia Celular, Histologia e Embriologia Docentes Prof. Dr. Cesar Martins: cmartins@ibb.unesp.br Prof. Dr. Cláudio Oliveira Prof. Dr. Rafael H Nóbrega Introdução à Biologia Celular, Histologia

Leia mais

Embriologia e Histologia Animal I

Embriologia e Histologia Animal I Embriologia e Histologia Animal I Professora: Daniela Brum Embriologia FASE DIVISÃO INICIAL: multiplicação céls indiferenciadas FASE EMBRIONÁRIA: rápido crescimento e diferenciação para formação tecidos,

Leia mais

Métodos de estudo e Técnicas: como estudar as células

Métodos de estudo e Técnicas: como estudar as células Histologia (Enfermagem) Métodos de estudo e Técnicas: como estudar as células Prof a Dr a. Iêda Guedes Métodos de estudo e Técnicas: como estudar as células A Célula Processamento do material biológico

Leia mais

Microscopia e o Espectro Eletromagnético

Microscopia e o Espectro Eletromagnético Microscopia e o Espectro Eletromagnético O limite de resolução inferior de um microscópio é determinado pelo fato de que, nestes instrumentos, se utiliza ondas eletromagnéticas para a visualização Não

Leia mais

Citologia, Histologia e Embriologia

Citologia, Histologia e Embriologia FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Citologia, Histologia e Embriologia Educação Física 1º P Prof. Msc Ana Paula de Souza Paixão O que significa

Leia mais

Processamento Histológico

Processamento Histológico Universidade Estadual do Ceará UECE Faculdade de Veterinária FAVET Laboratório de Histologia de Efeitos Causados por Veneno de Serpentes - Histovesp Processamento Histológico Histologia e Embriologia Geral

Leia mais

Observações Iniciais. Microscopia Aula Revisão. Observações Iniciais. Unidades de Medidas Usadas. Formação da Imagem. Unidades de Medidas Usadas

Observações Iniciais. Microscopia Aula Revisão. Observações Iniciais. Unidades de Medidas Usadas. Formação da Imagem. Unidades de Medidas Usadas Professor, Enfº. Laudineide de Carvalho Gomes Matipó, fevereiro de 2014. e-mail: laudineic.gomes@hotmail.com Faculdade Vértice Univértix Curso: Medicina Veterinária Aula Revisão Page 2 Observações Iniciais

Leia mais

Técnicas de Biologia Celular e Molecular. Prof a. DSc. Patricia Castelo Branco do Vale

Técnicas de Biologia Celular e Molecular. Prof a. DSc. Patricia Castelo Branco do Vale Técnicas de Biologia Celular e Molecular Prof a. DSc. Patricia Castelo Branco do Vale Dimensões em Biologia As células podem ser classificadas como: Macroscópicas: visíveis ao olho humano Microscópicas:

Leia mais

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Biologia Celular Prof. Msc Ana Paula de Souza Paixão Biomedicina 1º P O que significa o termo Biologia Celular

Leia mais

Introdução à Nanotecnologia

Introdução à Nanotecnologia Introdução à Nanotecnologia Ele 1060 Aula 6 2010-01 Microscopia Importância Visualizar objetos muitos pequenos Caracterizar materiais; Estudar propriedades; Observar defeitos; Investigar comportamentos.

Leia mais

Disciplina Biologia Celular

Disciplina Biologia Celular Disciplina Biologia Celular Profª Cristina Lacerda Soares Petrarolha Silva Curso de Biotecnologia FISMA / FEA Aula 3: Tecnologia da Biologia Celular Parte II Bio Cel Profª Cristina 1 1- Citoquímica Estudo

Leia mais

Preparação do Material Biológico para Observação em TEM

Preparação do Material Biológico para Observação em TEM Preparação do Material Biológico para Observação em TEM 16º Workshop SEMAT/UM - Caracterização Avançada de Materiais Sandra Mariza Monteiro (smonteir@utad.pt) Preparação do Material Biológico para Observação

Leia mais

HISTOLOGIA. Introdução ao Estudo dos Tecidos

HISTOLOGIA. Introdução ao Estudo dos Tecidos HISTOLOGIA Introdução ao Estudo dos Tecidos NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS Existem vários níveis hierárquicos de organização entre os seres vivos, começando pelos átomos e terminando na biosfera.

Leia mais

O que é citologia e histologia?

O que é citologia e histologia? Vera Andrade http://histologiavvargas.wordpress.com/ 1. O que é Citologia e Histologia? 2. Qual a sua importância e a relação com as outras ciências? 3. Como é preparado o material para seu estudo? Outras

Leia mais

Citologia e envoltórios celulares

Citologia e envoltórios celulares Citologia e envoltórios celulares UNIDADE 2 ORIGEM DA VIDA E BIOLOGIA CELULAR CAPÍTULO 7 Aula 1/3 A descoberta da célula Teoria celular Microscopia Microscópio Óptico Microscópio Eletrônico Técnicas de

Leia mais

Disciplina Biologia Celular

Disciplina Biologia Celular Disciplina Biologia Celular Profª Cristina Lacerda Soares Petrarolha Silva Curso de Biotecnologia FISMA / FEA Aula 2: Tecnologia da Biologia Celular Parte I Bio Cel Profª Cristina 1 Tamanho das céls e

Leia mais

MICROSCOPIA. MICROSCÓPIO - noções gerais

MICROSCOPIA. MICROSCÓPIO - noções gerais MICROSCÓPIO - noções gerais MICROSCOPIA O olho humano tem poder de resolução de aproximadamente 0,1 mm ou 100 µm. Isto significa que se você olhar dois pontos separados por uma distância menor que 100

Leia mais

Microbilogia de Alimentos I - Curso de Engenharia de Alimentos Profª Valéria Ribeiro Maitan

Microbilogia de Alimentos I - Curso de Engenharia de Alimentos Profª Valéria Ribeiro Maitan 10 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PUC Goiás ESCOLA DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS Aula nº 2- Preparações Microscópicas: Preparações a Fresco Introdução O olho humano é incapaz

Leia mais

Catálogo - 2014. Lista de insumo. OPatologista. O que você precisa está aqui.

Catálogo - 2014. Lista de insumo. OPatologista. O que você precisa está aqui. Catálogo - 2014 Lista de insumo O que você precisa está aqui. w w w. o p a t o l o g i s t a. c o m. b r Índice: Acido...Pag 1 Álcool / Xilol / Formol...Pag 1 Alcoômetro...Pag 1 Bandeja para microscopia...pag

Leia mais

Preparação de amostras biológicas para análise por microscopia eletrónica de varrimento

Preparação de amostras biológicas para análise por microscopia eletrónica de varrimento Preparação de amostras biológicas para análise por microscopia eletrónica de varrimento Teresa Maria Pinto (tpinto@utad.pt) 16º Workshop SEMAT/UM - Caracterização Avançada de Materiais Técnicas de preparação

Leia mais

Técnico de Laboratório Biomedicina. Laboratório Anatomia Patológica

Técnico de Laboratório Biomedicina. Laboratório Anatomia Patológica Técnico de Laboratório Biomedicina Laboratório Anatomia Patológica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 No método utilizado para demonstrar a presença de elementos infecciosos, filamentos conjuntivos,

Leia mais

O que é citologia, histologia e embriologia?

O que é citologia, histologia e embriologia? Vera Andrade http://histologiavvargas.wordpress.com/ 1. O que é Citologia, Histologia e Embriologia? 2. Qual a sua importância e a relação com as outras ciências? 3. Como é preparado o material para seu

Leia mais

EXERCÍCIO 3 - INTERFERÊNCIA

EXERCÍCIO 3 - INTERFERÊNCIA CURSO: ENGENHARIA - UFSCar - TURMA 09.904-0 Profa. Dra. Ignez Caracelli - DF 17 de novembro de 2016 EXERCÍCIO 3 - INTERFERÊNCIA Exercícios extraídos do livro Fundamentos de Física volume 4: Óptica e Física

Leia mais

TÉCNICAS ANALÍTICAS NO ESTUDO DE MATERIAIS. INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS UFRGS Prof. Vitor Paulo Pereira

TÉCNICAS ANALÍTICAS NO ESTUDO DE MATERIAIS. INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS UFRGS Prof. Vitor Paulo Pereira TÉCNICAS ANALÍTICAS NO ESTUDO DE MATERIAIS INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS UFRGS Prof. Vitor Paulo Pereira MATERIAL ORGÂNICO x INORGÂNICO CRISTALINO x AMORFO 1 - Tipos de materiais - Tecidos biológicos, incluindo

Leia mais

VISITA DIRIGIDA AO LABORATÓRIO DE HISTOTECNOLOGIA

VISITA DIRIGIDA AO LABORATÓRIO DE HISTOTECNOLOGIA VISITA DIRIGIDA AO LABORATÓRIO DE HISTOTECNOLOGIA MÉTODOS DE OBTENÇÃO DE PREPARAÇÕES HISTOLÓGICAS 01- COLHEITA DE MATERIAL Fragmentos de órgãos e tecidos a serem processados devem ser obtidos imediatamente

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014 UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014 Edital n o 044/2014 Especialidade: TÉCNICO EM LABORATÓRIO/ANATOMIA PATOLÓGICA/HISTOTECNOLOGIA

Leia mais

3 - MICROSCOPIA 3.1. MICROSCOPIA ÓPTICA DE LUZ

3 - MICROSCOPIA 3.1. MICROSCOPIA ÓPTICA DE LUZ 3 - MICROSCOPIA 3.1. MICROSCOPIA ÓPTICA DE LUZ Ao se estudar os seres vivos, ao nível celular, devem-se empregar várias técnicas visando superar três principais limitações destes estudos: as pequenas dimensões

Leia mais

Cap. 7: Citologia Marco inicial para o estudo dos seres vivos. Equipe de Biologia

Cap. 7: Citologia Marco inicial para o estudo dos seres vivos. Equipe de Biologia Cap. 7: Citologia Marco inicial para o estudo dos seres vivos Equipe de Biologia Disponível em: . Acesso em: 07 Fev. 2012 O que seria da Biologia sem os microscópios? Inventado

Leia mais

Preparações temporárias e definitivas

Preparações temporárias e definitivas Preparações temporárias e definitivas Em microscopia óptica as preparações podem ser temporárias ou definitivas, se apresentam, respectivamente, curta ou longa duração. Índice da ficha A. Preparações temporárias

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS DE ESTUDO DA CÉLULA

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS DE ESTUDO DA CÉLULA DEPARTAMENTO DE GENÉTICA E BIOLOGIA EVOLUTIVA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO BIOLOGIA CELULAR (BIO-206) INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS DE ESTUDO DA CÉLULA I. INSTRUMENTAÇÃO EM CITOLOGIA: O

Leia mais

Microscopia eletrônica de Transmissão: Aspectos básicos e aplicações. Douglas Rodrigues Miquita Centro de Microscopia da UFMG

Microscopia eletrônica de Transmissão: Aspectos básicos e aplicações. Douglas Rodrigues Miquita Centro de Microscopia da UFMG Microscopia eletrônica de Transmissão: Aspectos básicos e aplicações. Douglas Rodrigues Miquita Centro de Microscopia da UFMG Parte I Introdução aos aspectos básicos Por que precisamos de TEM 2 Prólogo

Leia mais

AULA PRÁTICA SOBRE MICROSCOPIA PARTE 1

AULA PRÁTICA SOBRE MICROSCOPIA PARTE 1 1 AULA PRÁTICA SOBRE MICROSCOPIA PARTE 1 INTRODUÇÃO: O microscópio de luz é um aparelho que destina-se a observação de objetos muito pequenos, difíceis de serem examinados em detalhes a olho nu. O tipo

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2013. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2013. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2013. www.tioronni.com A TEORIA CELULAR As células foram descobertas em 1663 pelo inglês Robert Hooke. Ao examinar em um microscópio rudimentar,

Leia mais

O QUE QUERO OBSERVAR E PORQUÊ???

O QUE QUERO OBSERVAR E PORQUÊ??? MÉTODOS DE ESTUDO DA CÉLULAC I - MICROSCOPIAS O QUE QUERO OBSERVAR E PORQUÊ??? M I C R O S C O P I A S Início (1600): - Incorporação do microscópio aos estudos anatômicos; - Desenvolvimento de técnicas

Leia mais

Unidade II: Métodos de Estudo em Biologia Celular

Unidade II: Métodos de Estudo em Biologia Celular Unidade II: Métodos de Estudo em Biologia Celular Disciplina: Biologia Celular e Molecular Centro de Ciências da Saúde Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini marilanda.bellini@usc.br Pró Reitoria de Pesquisa

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARAÍBA Campus Princesa Isabel. Refração da Luz. Disciplina: Física II Professor: Carlos Alberto

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARAÍBA Campus Princesa Isabel. Refração da Luz. Disciplina: Física II Professor: Carlos Alberto ISTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊCIA E TECOLOGIA PARAÍBA Campus Princesa Isabel Refração da Luz Disciplina: Física II Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá:

Leia mais

Concurso Público. Prova de Múltipla Escolha Técnico de Laboratório (junto à Seção de Laboratório Histologia)

Concurso Público. Prova de Múltipla Escolha Técnico de Laboratório (junto à Seção de Laboratório Histologia) Concurso Público Prova de Múltipla Escolha Técnico de Laboratório (junto à Seção de Laboratório Histologia) Nome (Legível): RG nº Data: 23/10/2013 Este caderno contém 10 (dez) páginas, que deverão ser

Leia mais

TÉCNICAS ROTINEIRAS DE PREPARAÇÃO E ANÁLISE DE LÂMINAS HISTOLÓGICAS

TÉCNICAS ROTINEIRAS DE PREPARAÇÃO E ANÁLISE DE LÂMINAS HISTOLÓGICAS TÉCNICAS ROTINEIRAS DE PREPARAÇÃO E ANÁLISE DE LÂMINAS HISTOLÓGICAS Lílian de L. Timm Centro Universitário La Salle Museu de Ciências Naturais La Salle ltimm@lasalle.tche.br lltimm@hotmail.com RESUMO Para

Leia mais

BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR I. Métodos instrumentais de análise para o estudo de células e tecidos - Microscopia

BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR I. Métodos instrumentais de análise para o estudo de células e tecidos - Microscopia BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR I Métodos instrumentais de análise para o estudo de células e tecidos - Microscopia Objectivos: Listar e descrever as ferramentas de estudo da célula Definir e analisar a metodologia

Leia mais

Aplicações da Mecânica Quântica

Aplicações da Mecânica Quântica Aplicações da Mecânica Quântica LASER I Amplificação da luz por emissão estimulada da radiação As bases teóricas para o laser foram estabelecidas por Einstein em 1917. O primeiro laser foi construído em

Leia mais

Microbiologia FFI0751

Microbiologia FFI0751 Microbiologia FFI0751 Profa. Dra. Ilana L. B. C. Camargo Laboratório de Epidemiologia e Microbiologia Molecular (LEMiMo) Grupo de Cristalografia Profa. Dra. Nelma Regina Seginini Bossolan Grupo de Biofísica

Leia mais

Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula.

Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula. Aula 01 Composição química de uma célula O que é uma célula? Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula. Toda célula possui a capacidade de crescer,

Leia mais

11. O uso de pérolas ou pedaços de vidro ou ainda de cerâmica porosa no aquecimento de soluções tem por objetivo:

11. O uso de pérolas ou pedaços de vidro ou ainda de cerâmica porosa no aquecimento de soluções tem por objetivo: ASSISTENTE DE LABORATÓRIO 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. O uso de pérolas ou pedaços de vidro ou ainda de cerâmica porosa no aquecimento de soluções tem por objetivo: a) Acelerar a

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DE RAIO-X EM SOLOS

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DE RAIO-X EM SOLOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UFRPE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO PGS DISCIPLINA: SEMINÁRIO II PROFESSOR: Mário de Andrade Lira Jr. TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DE RAIO-X EM SOLOS

Leia mais

CUBA DE ONDAS. Fonte de alimentação com duas saídas (lâmpada e vibrador) e protegidas com fusível e relé.

CUBA DE ONDAS. Fonte de alimentação com duas saídas (lâmpada e vibrador) e protegidas com fusível e relé. CUBA DE ONDAS Composição do conjunto experimental Fonte de alimentação com duas saídas (lâmpada e vibrador) e protegidas com fusível e relé. Chave liga desliga e indicador de ligada com led verde, alimentação

Leia mais

Técnicas Analíticas. PROFESSORA: Me. Erika Liz

Técnicas Analíticas. PROFESSORA: Me. Erika Liz Técnicas Analíticas PROFESSORA: Me. Erika Liz Normas e ensaios de identidade Tem por objetivo comprovar que a amostra a ser examinada é a da substância que deve ser. Observação visual cor, aspecto (pó

Leia mais

MAURÍCIO RAFAEL MAURER

MAURÍCIO RAFAEL MAURER MAURÍCIO RAFAEL MAURER RECONSTRUÇÃO TRIDIMENSIONAL DE IMAGENS DE MICROSCOPIA DE LUZ Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre. Programa de Pós-Graduação em Informática,

Leia mais

Primeira aula. Apresentação da Disciplina. Características do sangue. Coleta de sangue. Extensão sanguínea e coloração. Hemograma

Primeira aula. Apresentação da Disciplina. Características do sangue. Coleta de sangue. Extensão sanguínea e coloração. Hemograma Primeira aula Apresentação da Disciplina Características do sangue Coleta de sangue Extensão sanguínea e coloração Hemograma Profa Elvira Shinohara Tecido líquido e renovável Plasma Células sanguíneas

Leia mais

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO - o processo I sugere a evaporação (transformação física) dos componentes do medicamento. - a decomposição das substâncias (transformação química) que constituem o princípio

Leia mais

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU d 1 diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 diâmetro da fibra óptica (núcleo + casca) de 125 µm a 280 µm (tipicamente 125 µm)

Leia mais

TRABALHO DE BIOLOGIA QUÍMICA DA VIDA

TRABALHO DE BIOLOGIA QUÍMICA DA VIDA TRABALHO DE BIOLOGIA QUÍMICA DA VIDA Água Sais minerais Vitaminas Carboidratos Lipídios Proteínas Enzimas Ácidos Núcleos Arthur Renan Doebber, Eduardo Grehs Água A água é uma substância química composta

Leia mais

Atividades Para fixar a formação de imagens nas lentes convergentes e divergentes, clique no link abaixo e movimente o objeto que está posicionado dainte da lente. Observe o que acontece com a imagem à

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Química. CQ122 Química Analítica Instrumental II Prof. Claudio Antonio Tonegutti Aula 01 09/11/2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Química. CQ122 Química Analítica Instrumental II Prof. Claudio Antonio Tonegutti Aula 01 09/11/2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Química CQ122 Química Analítica Instrumental II Prof. Claudio Antonio Tonegutti Aula 01 09/11/2012 A Química Analítica A divisão tradicional em química analítica

Leia mais

MICROSCOPIA. Prof a. Marta Gonçalves Amaral, Dra.

MICROSCOPIA. Prof a. Marta Gonçalves Amaral, Dra. MICROSCOPIA Prof a Marta Gonçalves Amaral, Dra. HISTÓRICO Século XIV: uso lentes para correção da visão Galileu no século XVI criou a lupa Século XVI o holandês Antonie van Leeuwnhoek ("lêiven-ruk ) criou

Leia mais

Mesentério Glândulas de insetos Membranas fetais

Mesentério Glândulas de insetos Membranas fetais MÉTODOS DE ESTUDO EM BIOLOGIA CELULAR II - CITOQUÍMICA Sistemas de estudos in vitro Preparações citológicas Citoquímica Autorradiografia Imunocitoquímica Cultura Fertilização Manipulações Célula Tecido

Leia mais

Técnicas de preparação e estudo de lâminas citológicas

Técnicas de preparação e estudo de lâminas citológicas Técnicas de preparação e estudo de lâminas citológicas Métodos de ensino em Biologia Celular e dos Tecidos: estudo das estruturas e processos celulares; Microscopias de luz (ML) e eletrônica (ME) permitem

Leia mais

Aula2 MICROSCÓPIO ÓTICO: RESOLUÇÃO E MODALIDADES DE OBSERVAÇÃO. Fabiana Silva Vieira

Aula2 MICROSCÓPIO ÓTICO: RESOLUÇÃO E MODALIDADES DE OBSERVAÇÃO. Fabiana Silva Vieira Aula2 MICROSCÓPIO ÓTICO: RESOLUÇÃO E MODALIDADES DE OBSERVAÇÃO META Conceituar ampliação e resolução. Apresentar algumas técnicas de observação em microscopia ótica. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno

Leia mais

Vidro líquido. Conceito em proteção de superfícies. Econômico e Durável! Não altera a textura e a cor, e ainda mantém a respiração da superfície.

Vidro líquido. Conceito em proteção de superfícies. Econômico e Durável! Não altera a textura e a cor, e ainda mantém a respiração da superfície. Vidro líquido Vidro líquido Conceito em proteção de superfícies Econômico e Durável! Alta longevidade e alto rendimento Resistente! Maior resistência contra riscos. Não altera a textura e a cor, e ainda

Leia mais

Colorações de Bactérias: Coloração Simples e Coloração Diferencial(Coloração de Gram)

Colorações de Bactérias: Coloração Simples e Coloração Diferencial(Coloração de Gram) Escola Secundária com 3º Ciclo D.Manuel I Beja Acção de Formação ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DOS LABORATÓRIOS ESCOLARES Guião de actividade laboratorial versão aluno Colorações de Bactérias: Coloração Simples

Leia mais

Estrutura física da matéria Difração de elétrons

Estrutura física da matéria Difração de elétrons O que você pode aprender sobre este assunto... - Reflexão de Bragg - Método de Debye-Scherer - Planos de rede - Estrutura do grafite - Ondas de matéria - Equação de De Broglie Princípio: Elétrons acelerados

Leia mais

ANATOMIA DOS VEGETAIS ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS

ANATOMIA DOS VEGETAIS ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS ANATOMIA DOS VEGETAIS ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS Profa. Dra. Mara Magenta 2º semestre - 2007 DATAS PREVISTAS PARA AS AULAS PRÁTICAS (SUJEITAS A ALTERAÇÃO) 1º bimestre Aula I: 09 ou 10 de agosto Aulas II

Leia mais

1ª QUESTÃO Valor 1,0 = 1. Dados: índice de refração do ar: n 2. massa específica da cortiça: 200 kg/m 3. 1 of :36

1ª QUESTÃO Valor 1,0 = 1. Dados: índice de refração do ar: n 2. massa específica da cortiça: 200 kg/m 3. 1 of :36 1ª QUESTÃO Valor 1,0 Uma lâmpada é colocada no fundo de um recipiente com líquido, diretamente abaixo do centro de um cubo de cortiça de 10 cm de lado que flutua no líquido. Sabendo que o índice de refração

Leia mais

A Célula como Unidade de Vida Microscopia e Estudo da Célula

A Célula como Unidade de Vida Microscopia e Estudo da Célula A Célula como Unidade de Vida Microscopia e Estudo da Célula Até ao início do séc. XVII o conhecimento dos seres vivos limitava-se, fundamentalmente, a organismos macroscópicos. A descoberta da célula

Leia mais

3URFHGLPHQWR([SHULPHQWDO

3URFHGLPHQWR([SHULPHQWDO 3URFHGLPHQWR([SHULPHQWDO /LJD(VWXGDGD A liga estudada neste trabalho foi produzida pela firma francesa Pechiney Recherche na forma de placas laminadas de dimensões 270 mm de comprimento por 210 mm de largura

Leia mais

Ondas Interferência

Ondas Interferência Ondas - 2010 Interferência Profa. Ana Barros 1º Semestre 2011 Interferência Princípio de Huygens A Lei da Refração Difração O Experimento de Young Intensidade das Franjas de Interferência Interferência

Leia mais

TÉCNICAS DE CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS

TÉCNICAS DE CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS TÉCNICAS DE CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS TÉCNICAS DE MICROSCOPIA por Prof. Dr. Henrique Kahn! Microscopia óptica "Estereomicroscopia "Microscopia de luz transmitida "Microscopia de luz refletida! Microscopia

Leia mais

A DESCOBERTA DA CÉLULA VIVA

A DESCOBERTA DA CÉLULA VIVA A DESCOBERTA DA CÉLULA VIVA O mundo microscópico A quase 400 anos... No início, o instrumento era considerado um brinquedo, que possibilitava a observação de pequenos objetos. Zacharias Jansen e um microscópio

Leia mais

TECIDO NERVOSO. Substância cinzenta

TECIDO NERVOSO. Substância cinzenta TECIDO NERVOSO 1. Observação de neurônios e de células da glia Material: cérebro Técnica: Impregnação argêntica Substância cinzenta Observação com aumento total de 100x: Com este aumento é possível observar

Leia mais

SISTEMA EPOXI Líquido Mármores e Granitos

SISTEMA EPOXI Líquido Mármores e Granitos 120 Telagem Comp. A É recomendado como adesivo para fixação de tecido (telagem) em chapas e ladrilhos de mármore e granitos Epóxi Líquido Alta 100 : 20pp reforçando-as. Apresenta boa penetração e impregnação

Leia mais

Características Gerais, Classificação e Estrutura das Partículas Virais

Características Gerais, Classificação e Estrutura das Partículas Virais Características Gerais, Classificação e Estrutura das Partículas Virais Profª Maria Luzia da Rosa e Silva OMS: cerca de 70% das doenças infecciosas do mundo são de etiologia viral DENGUE HEPATITE C CATAPORA

Leia mais

ONDAS ELETROMAGNÉTICAS REFLEXÃO, REFRAÇÃO, DIFRAÇÃO, INTERFERÊNCIA E RESSONÂNCIA

ONDAS ELETROMAGNÉTICAS REFLEXÃO, REFRAÇÃO, DIFRAÇÃO, INTERFERÊNCIA E RESSONÂNCIA ONDAS ELETROMAGNÉTICAS REFLEXÃO, REFRAÇÃO, DIFRAÇÃO, INTERFERÊNCIA E RESSONÂNCIA O conhecimento das propriedades da luz nos permite explicar por que o céu é azul, funcionamento dos olhos, e dispositivos

Leia mais

Assistente de Laboratório Microscopia Eletrônica

Assistente de Laboratório Microscopia Eletrônica Concurso Público Assistente de Laboratório Microscopia Eletrônica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 A técnica em que um detector semicondutor captura e amplifica o sinal recebido da amostra proporcionalmente

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM ATLAS DE HISTOLOGIA: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO A FAVOR DA EDUCAÇÃO NA ÁREA MÉDICA.

DESENVOLVIMENTO DE UM ATLAS DE HISTOLOGIA: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO A FAVOR DA EDUCAÇÃO NA ÁREA MÉDICA. DESENVOLVIMENTO DE UM ATLAS DE HISTOLOGIA: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO A FAVOR DA EDUCAÇÃO NA ÁREA MÉDICA. Marcos Felipe Costa Mauriz 1, Daniel Fernando Pereira Vasconcelos 2. ¹Bolsista ITV,

Leia mais

Vidro líquido. Conceito em impermeabilização e proteção de superfícies. Econômico e Durável! Resistente

Vidro líquido. Conceito em impermeabilização e proteção de superfícies. Econômico e Durável! Resistente Vidro líquido Vidro líquido Conceito em impermeabilização e proteção de superfícies Econômico e Durável! Alta longevidade e alto rendimento Não altera a textura e a cor, e ainda mantém a respiração da

Leia mais

Óptica Física Interferência e difracção

Óptica Física Interferência e difracção Óptica Física Interferência e difracção Diferença de fase e coerência Interferência em filmes finos Interferência gerada por duas fendas Difracção por fenda única Difracção de Fraunhofer e Fresnel Redes

Leia mais

Tem uma questão de Química que deve ser anulada. Vamos às resoluções e comentários.

Tem uma questão de Química que deve ser anulada. Vamos às resoluções e comentários. CORREÇÃO DA PROVA DE QUIMICA PAPILOSCOPISTA DF PROVA TIPO C A RESPOSTA EMV ERMELHO É A DO GABARITO OFICIAL PRELIMINAR. Olá meus queridos alunos. Mais uma prova e mais uma bagunça por parte da banca, que

Leia mais

Técnicas de Caracterização de Materiais DEMEC TM049 Prof Adriano Scheid

Técnicas de Caracterização de Materiais DEMEC TM049 Prof Adriano Scheid Técnicas de Caracterização de Materiais DEMEC TM049 Prof Adriano Scheid Análise Metalográfica Análise Metalográfica Histórico Henry Clifton Sorby 1863 observou pela primeira vez uma microestrutura em microscópio.

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

II- O Microscópio Petrográfico e Tipos de Preparado para Análises

II- O Microscópio Petrográfico e Tipos de Preparado para Análises Mineralogia Óptica, Nardy, A.J.R; Machado, F.B, cap.ii, pag.11 II- O Microscópio Petrográfico e Tipos de Preparado para Análises A primeira descrição microscópica de uma rocha foi efetuada por um inglês

Leia mais

Unidade 1 SOM E LUZ. Ciências Físico-químicas - 8º ano de escolaridade. Objetivos. O que é a luz? Como se propaga? O que é a luz?

Unidade 1 SOM E LUZ. Ciências Físico-químicas - 8º ano de escolaridade. Objetivos. O que é a luz? Como se propaga? O que é a luz? Ciências Físico-químicas - 8º ano de escolaridade Unidade 1 SOM E LUZ Objetivos Como se propaga? Concluir que a visão dos objetos implica a propagação da luz, em diferentes meios, desde a fonte de luz

Leia mais

UFSC. Resposta: = 24. Comentário

UFSC. Resposta: = 24. Comentário Resposta: 08 + 16 = 24 01. Incorreta. Existem nítidas variações nos índices pluviométricos entre as quatro regiões. 02. Incorreta. Bagé apresenta a distribuição pluviométrica mais regular entre todas.

Leia mais

Lista de Exercício 2ª TVC Química Analítica V Teoria (1º Sem 2016). Obs.: Entregar antes da 2ª TVC.

Lista de Exercício 2ª TVC Química Analítica V Teoria (1º Sem 2016). Obs.: Entregar antes da 2ª TVC. Lista de Exercício 2ª TVC Química Analítica V Teoria (1º Sem 2016). Obs.: Entregar antes da 2ª TVC. Capítulo 24 (Skoog) Introdução aos Métodos Espectroquímicos 24-1. Por que uma solução de Cu(NH3)4 2+

Leia mais

CAPI. Centro de Aquisição e Processamento de Imagens ICB - UFMG. Status dos Equipamentos

CAPI. Centro de Aquisição e Processamento de Imagens ICB - UFMG. Status dos Equipamentos CAPI Centro de Aquisição e Processamento de Imagens ICB - UFMG Status dos Equipamentos Microscópio Eletrônico de Transmissão (MET) EM 10 Zeiss Microscópio Eletrônico de Varredura (MEV) DSM950 Zeiss Microscópio

Leia mais

Preparação de Amostras para MET em Ciência dos Materiais

Preparação de Amostras para MET em Ciência dos Materiais Preparação de Amostras para MET em Ciência dos Materiais I Escola de Microscopia Eletrônica de Transmissão do CBPF/LABNANO Junho/2008 Ana Luiza Rocha Sumário 1. Condições de uma amostra adequada para MET

Leia mais

QUÍMICA GERAL. Aula 01 07/02/2013. Elementos, Substâncias e Misturas. Elementos, Substâncias e Misturas. Introdução. Elementos, Substâncias e Misturas

QUÍMICA GERAL. Aula 01 07/02/2013. Elementos, Substâncias e Misturas. Elementos, Substâncias e Misturas. Introdução. Elementos, Substâncias e Misturas QUÍMICA GERAL Aula 01 Elementos, Substâncias e 1 Introdução A matéria é formada por moléculas, que por sua vez são formadas por partículas minúsculas chamadas de átomos. Matéria Átomos Elementos Tabela

Leia mais

Os benefícios da fixação com formol tamponado e o processamento de biópsias e peças cirúrgicas

Os benefícios da fixação com formol tamponado e o processamento de biópsias e peças cirúrgicas XIX Congresso Brasileiro de Histotecnologia Os benefícios da fixação com formol tamponado e o processamento de biópsias e peças cirúrgicas Leonardo Lordello São Paulo 2015 Introdução Fixação. Clivagem.

Leia mais

Composição e Estrutura Molecular dos Sistemas Biológicos

Composição e Estrutura Molecular dos Sistemas Biológicos Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica Composição e Estrutura Molecular dos Sistemas Biológicos Átomos e Moléculas Hierarquia

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna

Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna Bloco 0: AS LINHAS DE BALMER Introdução A teoria quântica prevê uma estrutura de níveis de energia quantizados para os

Leia mais

Prof. Pollyana Lyra 1

Prof. Pollyana Lyra 1 Aula 00 Microscopia Professor: Pollyana Lyra www.pontodosconcursos.com.br 1 Microscopia - Aula 00 Olá, Tudo bem?? Meu nome é Pollyana Lyra e estarei acompanhando vocês no curso de Específicas para o concurso

Leia mais

LOGO. Classificação da matéria. Profa. Samara Garcia

LOGO. Classificação da matéria. Profa. Samara Garcia LOGO Classificação da matéria Profa. Samara Garcia Classificação da matéria Substância pura: matéria formada por unidades químicas iguais, sejam átomos ou moléculas, e assim apresentam propriedades químicas

Leia mais

Sangue: funções gerais

Sangue: funções gerais Sangue Sangue: funções gerais Transporte de nutrientes para órgãos e tecidos; Regulação térmica e hídrica; Transporte de gases para órgãos e tecidos; Defesa do organismo; Coagulação. Componentes do Sangue

Leia mais

Hematologia. 1. Coleta de sangue 14/08/2014. Coleta com anticoagulante adequado. Identificação do paciente. Rotulagem prévia dos frascos de coleta.

Hematologia. 1. Coleta de sangue 14/08/2014. Coleta com anticoagulante adequado. Identificação do paciente. Rotulagem prévia dos frascos de coleta. Hematologia Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Coleta com anticoagulante adequado. Identificação do paciente. Rotulagem prévia dos frascos de coleta.

Leia mais

Capítulo 34. a) originam um líquido transparente ou translúcido ou uma emulsão estável sem separação da matéria insolúvel; e

Capítulo 34. a) originam um líquido transparente ou translúcido ou uma emulsão estável sem separação da matéria insolúvel; e Capítulo 34 Sabões, agentes orgânicos de superfície, preparações para lavagem, preparações lubrificantes, ceras artificiais, ceras preparadas, produtos de conservação e limpeza, velas e artigos semelhantes,

Leia mais

Tutoriais Contextualizados em Física: Princípios de Física Moderna

Tutoriais Contextualizados em Física: Princípios de Física Moderna Tutoriais Contextualizados em Física: Princípios de Física Moderna Contextualização Atual do Curso q Disciplina: Princípios de Física Moderna (FS4420/NF5420); q Número aproximado de alunos (diurno+noturno):

Leia mais

UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES

UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES Escola Secundária Carlos Amarante ACÇÃO DE FORMAÇÃO UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES Formando: Armindo Paulo Cunha Salvador Formador: Prof. Vítor Duarte Teodoro BRAGA / Julho 2010 Actividade

Leia mais

2º trimestre TB- FÍSICA Data: Ensino Médio 1º ano classe: Prof. J.V. Nome: nº

2º trimestre TB- FÍSICA Data: Ensino Médio 1º ano classe: Prof. J.V. Nome: nº º trimestre TB- FÍSICA Data: Ensino Médio 1º ano classe: Prof. J.V. Nome: nº Valor: 10 Nota:.. 1. (Ufsm 011) Na figura a seguir, são representados um objeto (O) e a sua imagem (I) formada pelos raios de

Leia mais

Microscopia Eletrônica na Engenharia

Microscopia Eletrônica na Engenharia Microscopia Eletrônica na Engenharia 1. INTRODUÇÃO Diego Augusto de Sá policristalino de material opticamente anisotrópico é analisado sob luz polarizada, cada grão do material aparece com uma Este trabalho

Leia mais

Sistema de eletroforese MiniProtean, marca BIO-RAD.

Sistema de eletroforese MiniProtean, marca BIO-RAD. Sistema de eletroforese MiniProtean, marca BIO-RAD. O sistema de eletroforese SDS-PAGE é utilizado para realizar separar caracterizar ou mesmo determinar a pureza de macromoléculas. O LABIOM dispõe de

Leia mais

TÉCNICAS MICROSCÓPICAS ESTUDO DA MORFOLOGIA E DA ESTRUTURA CELULAR

TÉCNICAS MICROSCÓPICAS ESTUDO DA MORFOLOGIA E DA ESTRUTURA CELULAR TÉCNICAS MICROSCÓPICAS ESTUDO DA MORFOLOGIA E DA ESTRUTURA CELULAR (In L. McKane, J Kandel, Microbiology Essentials and Applications, McGraw Hill, 2nd ed) MICROSCÓPIO ÓPTICO COMPOSTO* * Imagem formada

Leia mais