INTRODUÇÃO...1 PARTE I JUVENTUDES, INSERÇÃO PROFISSIONAL E ENSINO SUPERIOR...13

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO...1 PARTE I JUVENTUDES, INSERÇÃO PROFISSIONAL E ENSINO SUPERIOR...13"

Transcrição

1 Índice INTRODUÇÃO...1 PARTE I JUVENTUDES, INSERÇÃO PROFISSIONAL E ENSINO SUPERIOR...13 CAPÍTULO I A CONSTRUÇÃO DA JUVENTUDE...15 A invenção da Juventude...15 A construção científica da juventude...23 O Prolongamento da juventude: um fenómeno recente e multifacetado...29 A construção da juventude portuguesa...49 CAPÍTULO II INSERÇÃO PROFISSIONAL: DO PROBLEMA SOCIAL AO PROBLEMA SOCIOLÓGICO...59 De que falamos quando falamos de inserção profissional dos jovens?...59 De como a inserção profissional se transforma num problema social...80 CAPÍTULO III INSERÇÃO PROFISSIONAL E EMPREGO Do problema do desemprego às soluções para o resolver O que nos dizem os estudos sobre a inserção profissional Os estudos sobre a inserção profissional em Portugal CAPÍTULO IV JUVENTUDES UNIVERSITÁRIAS E INSERÇÃO PROFISSIONAL A expansão do ensino superior: da Universidade de elite à Universidade de massas A difícil democratização do ensino superior Dos herdeiros aos estudantes de massas Mutações no mercado de trabalho dos licenciados A inserção profissional dos licenciados: um processo mais longo e sinuoso PARTE II INSERÇÃO PROFISSIONAL E PERCURSOS DE CONSTRUÇÃO IDENTITÁRIA CAPÍTULO V PERCURSOS DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS LICENCIADOS DA UL Os licenciados da UL Fim da licenciatura A primo inserção dos licenciados da UL Trajectórias de inserção Percursos tipo de inserção xi

2 CAPÍTULO VI O MUNDO DOS PROJECTOS Enquanto me forem pagando, eu vou fazendo o que gosto e vou-me aguentando Fui eu que escolhi tudo Os actuantes da narrativa de Anália Vejo-me numa situação que não sei o que vai ser o meu futuro aqui Mundos sócio-profissionais e formas identitárias: o mundo dos projectos CAPÍTULO VII O MUNDO DAS CARREIRAS Aos trinta e um anos, estou no topo da minha carreira O que eu gosto mesmo é de fazer política e não é exactamente de ser jurista Investir em mim, na minha formação Não posso evoluir, não tenho estímulo, sinto-me a morrer! Mundos sócio-profissionais e formas identitárias: o mundo das carreiras CAPÍTULO VIII O MUNDO DOS EMPREGOS Eu, basicamente, tenho estado sempre a trabalhar Não sei o que o futuro me reserva Tentamos não nos deixar adormecer Há muitas coisas que eu gosto de fazer Eu quero voltar a fazer coisas Mundos sócio-profissionais e formas identitárias: o mundo dos empregos CAPÍTULO IX O MUNDO DOS EMPRESÁRIOS DE SI Decidi, na altura, que nunca mais ia trabalhar assim Obter uma independência financeira e livrar-me de uma condição económica e social em que eu nasci e em que eu cresci Para ter alguma coisa, mato-me a trabalhar Mundos sócio-profissionais e formas identitárias: o mundo dos empresários de si PERCURSOS DE INSERÇÃO E CONSTRUÇÕES IDENTITÁRIAS A inserção profissional como uma sucessão de posições no mercado de trabalho A inserção profissional como um processo de construção identitária Só mesmo para concluir BIBLIOGRAFIA ANEXO METODOLÓGICO A inserção como sucessão de posições no mercado de trabalho e a investigação quantitativa A inserção profissional como processo de socialização profissional e a investigação qualitativa xii

3 Índice de quadros, gráficos e figuras Índice de quadros Quadro nº1 Taxas de escolarização da população jovem residente, por ano censitário, segundo o grupo etário ( ) Quadro nº2 Esperança de vida escolar enquanto estudante a tempo inteiro nos países da UE (2001) Quadro nº3 Idade da primeira experiência profissional remunerada Quadro nº4 Taxa de desemprego dos jovens Quadro nº5 Modos de inserção dos jovens nos mercados de trabalho Quadro nº6 Tipologia dos mercados de trabalho e de inserção dos jovens Quadro nº7 Número de alunos matriculados no ensino universitário ( ) Quadro nº8 Alunos a tempo completo das Universidades e instituições equivalentes, em permilagem do número de indivíduos de anos Quadro nº9 Evolução do número de alunos matriculados no ensino superior, em cursos de formação inicial (1980/ /07) Quadro nº10 Percentagens de filhos de operários e camponeses entre os estudantes Quadro nº11 Evolução da taxa de feminização no ensino superior (%) Quadro nº12 Distribuição sexual dos estudantes por ramos de ensino em (%) Quadro nº13 Evolução do número de diplomados Quadro nº14 Idade média dos diplomados segundo a área de formação Quadro nº15 Distribuição sexual dos diplomados por área de formação (%) Quadro nº16 Situação conjugal por período de conclusão da licenciatura segundo a antiguidade do diploma (%) Quadro nº17 Capital habilitacional de origem dos diplomados da UL, comparação com a população portuguesa (%) e índice de recrutamento escolar Quadro nº18 Distribuição dos diplomados por área de formação segundo o nível de habilitação do grupo doméstico e período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº19 Composição sócio-profissional do grupo doméstico de origem dos licenciados por período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº20 Distribuição dos diplomados por área de formação segundo a profissão do grupo doméstico e o período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº21 Origem de classe dos diplomados da UL, comparação com a população portuguesa (%) e índice de recrutamento social Quadro nº22 Composição social dos diplomados da UL, por área de formação segundo o período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº23 Procura do 1º emprego por período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº24 Procura do 1º emprego por nota final de licenciatura e período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº25 Procura do 1º emprego por condição perante o ensino e período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº26 Procura do 1º emprego por área de formação e período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº27 Modos de acesso ao 1º emprego por período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº28 Vínculo no 1º emprego segundo o período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº 29 1ª entidade empregadora por período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº30 Salário líquido mensal no 1º emprego por período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº31 Profissão no 1º Emprego por curso e ano de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº32 Nº de empregos por período de conclusão da licenciatura segundo a antiguidade do diploma(%) Quadro nº33 Número de empregos segundo a situação face à sobrequalificação no 1º emprego e o período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº34 Tipo de mobilidade por período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº35 Desemprego de mobilidade por período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº36 Tipo de mobilidade por período de conclusão da licenciatura segundo a área de formação(%) Quadro nº37 Mobilidade sócio-profissional intra-geracional por período de conclusão da licenciatura (%) xiii

4 Quadro nº38 Sobrequalificação no primeiro e no último empregos por período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº39 Situação face à sobrequalificação no primeiro e no último emprego por período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº40 Nível de remuneração no primeiro e no último empregos segundo a situação face à sobrequalificação por período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº41 Salário líquido mensal no 1º emprego por período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº42 Nível de remuneração no último emprego por classificação final da licenciatura e período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº43 Nível de remuneração no último emprego por tipo de vínculo e período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº44 Vínculo no 1º e último empregos segundo o período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº45 Vínculo contratual no último emprego por período de conclusão da licenciatura segundo a antiguidade no mercado de trabalho (%) Quadro nº46 Percursos de inserção por período de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº47 Percursos de inserção e taxas de desemprego juvenil por ano de conclusão da licenciatura (%) Quadro nº48 Percursos de inserção por tipo de projecto profissional ( ) (%) Índice de figuras Figura nº1 Mapa de transições entre situações contratuais dos licenciados Figura nº2 Esquema da entrevista de Berta Figura nº3 Esquema da narrativa de Anália Figura nº4 Esquema da narrativa de Maria Figura nº5 Esquema síntese do Mundo dos Projectos Figura nº6 Esquema da narrativa de Diogo Figura nº7 Esquema da narrativa de Duarte Figura nº8 Esquema da narrativa de Inês Figura nº9 Esquema da narrativa de Sofia Figura nº10 Esquema síntese do mundo das carreiras Figura nº11 Esquema da narrativa de Ana Figura nº12 Esquema da narrativa de Isabel Figura nº13 Esquema da narrativa de Rita Figura nº14 Esquema da narrativa de Amélia Figura nº15 Esquema da narrativa de Dinis Figura nº16 Esquema síntese do Mundo dos Empregos Figura nº17 Esquema da narrativa de Marta Figura nº18 Esquema da narrativa de Pedro Figura nº19 Esquema da narrativa de Vera Figura nº20 Esquema síntese do Mundo dos Empresários de Si Índice de gráficos Gráfico nº1 Taxas de escolarização no ensino superior nos jovens com idades entre os 20 e os 24 anos (%) Gráfico nº2 Composição sexual dos estudantes do ensino superior (%) xiv

5 Índice de anexos (disponível em formato digital na contracapa) Anexo 1 Questionários 1.1 Questionário Questionário Anexo 2 Análise de correspondências múltiplas 2.1 Procedimentos técnicos e resultados da ACM 2.2 Tratamento estatístico da informação Anexo 3 Mundo dos Projectos 3.1 Entrevista a Berta 3.2 Entrevista a Maria 3.3 Entrevista a Anália Anexo 4 Mundo das Carreiras 4.1 Entrevista a Diogo 4.2 Entrevista a Inês 4.3 Entrevista a Duarte 4.4 Entrevista a Sofia Anexo 5 Mundo dos Empregos 5.1 Entrevista a Amélia 5.2 Entrevista a Isabel 5.3 Entrevista a Rita 5.4 Entrevista a Ana 5.5 Entrevista a Dinis Anexo 6 Mundo dos Projectos 6.1 Entrevista a Marta 6.2 Entrevista a Vera 6.3 Entrevista a Pedro xv

Condição perante a atividade económica dos Jovens Jovens Inativos A população inativa corresponde ao conjunto de indivíduos que, na semana de referência no momento censitário, não são considerados economicamente

Leia mais

INQUÉRITO ao EMPREGO Católica Porto Apresentação síntese de resultados

INQUÉRITO ao EMPREGO Católica Porto Apresentação síntese de resultados INQUÉRITO ao EMPREGO Católica Porto 2014 Apresentação síntese de resultados Escola de Direito [ED] 47% 78% 60% 64% 91% 94% Rigor na informação prestada Elevada taxa de resposta 22% 26% Instituto Superior

Leia mais

^PERFIL DOS ESTUDANTES " DO ENSINO SUPERIOR DESIGUALDADES E DIFERENCIAÇÃO

^PERFIL DOS ESTUDANTES  DO ENSINO SUPERIOR DESIGUALDADES E DIFERENCIAÇÃO Casimira Balsa José Alberto Simões Pedro Nunes Renato do Carmo Ricardo Campos A 356638 ^PERFIL DOS ESTUDANTES " DO ENSINO SUPERIOR DESIGUALDADES E DIFERENCIAÇÃO Edições Colibri CEOS - Investigações Sociológicas,

Leia mais

FÓRUM DE PESQUISAS CIES 2009 OLHARES SOCIOLÓGICOS SOBRE O EMPREGO RELAÇÕES LABORAIS, EMPRESAS E PROFISSÕES

FÓRUM DE PESQUISAS CIES 2009 OLHARES SOCIOLÓGICOS SOBRE O EMPREGO RELAÇÕES LABORAIS, EMPRESAS E PROFISSÕES FÓRUM DE PESQUISAS CIES 2009 OLHARES SOCIOLÓGICOS SOBRE O EMPREGO RELAÇÕES LABORAIS, EMPRESAS E PROFISSÕES 18 de Dezembro de 2009 Rosário Mauritti rosario.mauritti@iscte.pt O EMPREGO COMO OBJECTO DE PESQUISA

Leia mais

REORGANIZAÇÃO DAS LICENCIATURAS DA U. M.

REORGANIZAÇÃO DAS LICENCIATURAS DA U. M. CAc P 1-02/03 REORGANIZAÇÃO DAS LICENCIATURAS DA U. M. 1. Introdução A expansão da rede do Ensino Superior Público e Privado, que ocorreu nas décadas de 80 e 90, trouxe como consequência, aliás previsível,

Leia mais

«Empregabilidade dos Diplomados pelo IPP Ano letivo 2013/2014» Observatório Académico Maio de 2016

«Empregabilidade dos Diplomados pelo IPP Ano letivo 2013/2014» Observatório Académico Maio de 2016 «Empregabilidade dos Diplomados pelo IPP Ano letivo 2013/2014» Observatório Académico Maio de 2016 EMPREGABILIDADE DOS CICLOS DE ESTUDOS DO IPP - Calculada com base na aplicação de um inquérito por questionário

Leia mais

ESTATÍSTICAS DA FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT)

ESTATÍSTICAS DA FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) ESTATÍSTICAS DA FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) EMPREGO CIENTÍFICO Este documento sintetiza a informação sobre as iniciativas promovidas pela FCT para a criação de Emprego Científico para

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE INVESTIMENTOS SOCIAIS

FUNDO MUNICIPAL DE INVESTIMENTOS SOCIAIS a. Quadro Principal DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS : 2015 QUADRO - VARIAÇÕES PATRIMONIAIS QUANTITATIVAS Nota Impostos, Taxas e Contribuições de Melhoria Contribuições Exploração e Venda de Bens,

Leia mais

BALANÇO SOCIAL ANSR

BALANÇO SOCIAL ANSR BALANÇO SOCIAL ANSR 2014 1 Conteúdo I-Introdução... 2 II-Caracterização dos recursos humanos da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária a 31 de dezembro de 2014... 3 1.Relação Jurídica de emprego por

Leia mais

A taxa de desemprego estimada foi 13,5%

A taxa de desemprego estimada foi 13,5% 4 de fevereiro de 2015 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada foi 13,5 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2014 foi 13,5. Este valor é superior em 0,4

Leia mais

A taxa de desemprego estimada para novembro foi 13,9%

A taxa de desemprego estimada para novembro foi 13,9% 06 de janeiro de 2015 Estimativas Mensais de Emprego e Desemprego embro de A taxa de desemprego estimada para novembro foi 13,9% A taxa de desemprego (15 a 74 anos) ajustada de sazonalidade estimada para

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE:

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE: Amâncio Carvalho * Graça Carvalho EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE: CONCEITOS, PRÁTICAS E NECESSIDADES DE FORMAÇÃO LUSOCIÊNCIA Dedico este livro: Ao André e à Nucha pelo seu apoio incondicional A todos os enfermeiros,

Leia mais

A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1%

A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1% 09 de maio de 2014 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1. Este

Leia mais

Emprego. População Empregada, por Sexo Anos de 2001 e 2011

Emprego. População Empregada, por Sexo Anos de 2001 e 2011 População Empregada, por Sexo Anos de 2001 e 2011 População Empregada, por Sexo Total Masculino Feminino 2001 2011 2001 2011 2001 2011 Portugal 4 650 947 4 361 187 2 599 088 2 275 974 2 051 859 2 085 213

Leia mais

Inquérito ao Emprego 2013

Inquérito ao Emprego 2013 Inquérito ao Emprego 2013 Graduados de 1º e 2º ciclo de Som e Imagem Taxa de resposta líquida: 1º ciclo: 65%; 2º ciclo: 48%; Global: 59% 1º ciclo Os graduados em situação de desemprego, são contactados

Leia mais

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Bragança, 29 de setembro de 2012 José António de Barros Presidente de AEP 1 Gráfico I 2 Tabela I 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Exportações Globais (Bens e Serviços),

Leia mais

2.1 As principais características dos desenhos de pesquisa quantitativos. Métodos e Técnicas de Pesquisa I/2015 Márcia Lima

2.1 As principais características dos desenhos de pesquisa quantitativos. Métodos e Técnicas de Pesquisa I/2015 Márcia Lima 2.1 As principais características dos desenhos de pesquisa quantitativos Métodos e Técnicas de Pesquisa I/2015 Márcia Lima Roteiro da Aula Métodos e Técnicas: distinções entre quantitativo e qualitativo

Leia mais

A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9%

A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9% 05 de agosto de 2014 Estatísticas do Emprego 2º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9 A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9.

Leia mais

Instituto Politécnico de Bragança Relatório de concretização do Processo de Bolonha: indicadores de progresso

Instituto Politécnico de Bragança Relatório de concretização do Processo de Bolonha: indicadores de progresso Instituto Politécnico de Bragança Relatório de concretização do Processo de Bolonha: indicadores de progresso Relatórios #1 - #4, 2008-2011 1979 Criação do sistema de Ensino Superior Politécnico em Portugal

Leia mais

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

DIA INTERNACIONAL DA MULHER 4 de Março de 2004 Dia Internacional da Mulher DIA INTERNACIONAL DA MULHER O Instituto Nacional de Estatística não quis deixar de se associar à comemoração do Dia Internacional da Mulher, 8 de Março, apresentando

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 TERRITÓRIO Número de Freguesias Tipologia das Freguesias (urbano, rural, semi urbano) Área Total das Freguesias Cidades Estatísticas Total (2001, 2008, 2009) Freguesias Área Média

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE ENCONTRO DA COMISSÃO SECTORIAL PARA A EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO CS/11 ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES,

Leia mais

Taxa de variação da população residente ( ) (%) por Local de residência

Taxa de variação da população residente ( ) (%) por Local de residência Taxa de variação da população residente (1991-2001) (%) Taxa de variação da população residente (1991-2001) (%) por Local de residência [(População residente 2001 - População residente 1991)/ População

Leia mais

Portugal subiu nove lugares no ranking do desemprego com o Governo PS/ Sócrates. Desemprego aumentou desde que o Governo PS/Sócrates tomou posse

Portugal subiu nove lugares no ranking do desemprego com o Governo PS/ Sócrates. Desemprego aumentou desde que o Governo PS/Sócrates tomou posse Portugal subiu nove lugares no ranking do desemprego com o Governo PS/ Sócrates Desemprego aumentou desde que o Governo PS/Sócrates tomou posse Portugal passou do 14º para o 5º lugar do ranking do desemprego

Leia mais

GEOGRAFIA UNIFAL/MG 2014

GEOGRAFIA UNIFAL/MG 2014 GEOGRAFIA UNIFAL/MG 2014 ETAPAS DO EXAME 19/09 - Divulgação eletrônica da lista de estudantes inscritos e convocados ao Enade 2014 21/10 a 23/11 Período para resposta eletrônica ao Questionário do Estudante

Leia mais

O PODER DAS IDEIAS. CURSO DE FORMAÇÃO AVANÇADA Iª Edição 2015

O PODER DAS IDEIAS. CURSO DE FORMAÇÃO AVANÇADA Iª Edição 2015 DURAÇÃO / COMPONENTE / DIPLOMA O PODER DAS IDEIAS CURSO DE FORMAÇÃO AVANÇADA Iª Edição 2015 30 Horas lectivas / Teórica e Prática / Curso de Formação Avançada COORDENAÇÃO Coordenação Científica Doutora

Leia mais

BALANÇO SOCIAL /19

BALANÇO SOCIAL /19 BALANÇO SOCIAL 2015 1/19 ÍNDICE INTRODUÇÃO. 3 1. Organograma do IDE, IP-RAM 5 2. Distribuição global dos recursos humanos.. 6 3. Estrutura etária dos recursos humanos. 10 4. Estrutura de antiguidades.

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO I - SOCIOLOGIA Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO I - SOCIOLOGIA Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular OPÇÃO I SOCIOLOGIA Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

INSUCESSO E ABANDONO ESCOLARES EM PORTUGAL

INSUCESSO E ABANDONO ESCOLARES EM PORTUGAL INSUCESSO E ABANDONO ESCOLARES EM PORTUGAL O XV Governo Constitucional assumiu como um dos seus objectivos estratégicos o combate ao insucesso e abandono escolares. Os números até então conhecidos eram

Leia mais

Preparados para trabalhar?

Preparados para trabalhar? Preparados para trabalhar? Conheça o que os empregadores valorizam e saiba no que investir durante a formação Diana Aguiar Vieira Politécnico do Porto Portugal UNICAMP, 21 de março de 2016 18.000 estudantes

Leia mais

D Informações particulares sobre a. Economia e a Sociedade Espanhola. e alguns indicadores do mesmo tipo para Portugal

D Informações particulares sobre a. Economia e a Sociedade Espanhola. e alguns indicadores do mesmo tipo para Portugal D Informações particulares sobre a Economia e a Sociedade Espanhola e alguns indicadores do mesmo tipo para Portugal Oferta e Procura de água em Espanha, 1992-2012 1992 2002 2012 Hm 3 /ano % Hm 3 /ano

Leia mais

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO SÍNTESE SETEMBRO-2007 SETEMBRO/06 AGOSTO/07 SETEMBRO/07 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Mês Homólogo Mês Anterior DESEMPREGO REGISTADO 7946

Leia mais

EMENTA ESCOLAR III Trimestre Ano 2016

EMENTA ESCOLAR III Trimestre Ano 2016 EMENTA ESCOLAR III Trimestre Ano 2016 Disciplina: História Professor: Rodrigo Bento Turma: 9º ano Ensino Fundamental II Data Conteúdo 29/agosto CAPITULO XI O SOCIALISMO REAL: CHINA, VIETNA E CUBA 02/setembro

Leia mais

Perfil dos Doutorados em Portugal

Perfil dos Doutorados em Portugal Perfil dos Doutorados em Portugal Rui Banha 11/02/2014 Sumário da apresentação Peso dos Doutorados Inquérito aos Doutorados CDH (Careers on Doctorate Holders) Perfil dos Doutorados (fonte: CDH12) 1 Doutorados

Leia mais

Licenciatura em ESTUDOS EUROPEUS

Licenciatura em ESTUDOS EUROPEUS Licenciatura em ESTUDOS EUROPEUS Regime de transição para o novo plano de estudos da licenciatura em Estudos Europeus No ano letivo de 2016-2017, todos os estudantes matriculados/inscritos na licenciatura

Leia mais

A Madeira no Feminino

A Madeira no Feminino A Madeira no Feminino 2000-2014 ELABORAÇÃO: Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho Direção Regional do Trabalho 2 de março 2015 1 A MADEIRA NO FEMININO (indicadores de evolução 2000-2014) População

Leia mais

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 DMPATO DPU Divisão de Estudos e Planeamento A ALMADA FICHA TÉCNICA Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 Serviço Divisão de Estudos e Planeamento Departamento de Planeamento

Leia mais

Situação profissional dos licenciados em Ortoprotesia pela ESTeSL desde 2004/2005 a 2012/ Retrato sociográfico-

Situação profissional dos licenciados em Ortoprotesia pela ESTeSL desde 2004/2005 a 2012/ Retrato sociográfico- Situação profissional dos licenciados em Ortoprotesia pela ESTeSL desde 2004/2005 a 2012/2013 - Retrato sociográfico- Silva, S.; Rodrigues A.; Ferreira, F.; Pacheco, S.; Matos, J. Silva, S. salome.silva145@gmail.com

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais

PERFIL DOS AUTORES... XVII PREFÁCIO... XIX INTRODUÇÃO... XXI

PERFIL DOS AUTORES... XVII PREFÁCIO... XIX INTRODUÇÃO... XXI Sumário PERFIL DOS AUTORES... XVII PREFÁCIO... XIX INTRODUÇÃO... XXI CAPÍTULO 1 O processo de pesquisa e os enfoques quantitativo e qualitativo rumo a um modelo integral... 2 Que enfoques foram apresentados

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE J ANE I R O DE 2004 REGIÕES METROPOLITANAS DE: RECIFE, SALVADOR, BELO HORIZONTE, RIO DE JANEIRO, SÃO PAULO e PORTO ALEGRE I) INTRODUÇÃO Para o primeiro

Leia mais

LISTA DE FIGURAS... LISTA DE QUADROS... Capítulo 1 INTRODUÇÃO... 1. Capítulo 2 FLEXIBILIDADE E SEGURANÇA: ALGUMAS QUESTÕES CONCEPTUAIS...

LISTA DE FIGURAS... LISTA DE QUADROS... Capítulo 1 INTRODUÇÃO... 1. Capítulo 2 FLEXIBILIDADE E SEGURANÇA: ALGUMAS QUESTÕES CONCEPTUAIS... LISTA DE FIGURAS... LISTA DE QUADROS... x xiii Capítulo 1 INTRODUÇÃO... 1 Capítulo 2 FLEXIBILIDADE E SEGURANÇA: ALGUMAS QUESTÕES CONCEPTUAIS... 3 2.1. Os conceitos de flexibilidade e segurança no emprego

Leia mais

Empregabilidade e Soft Skills na Perspetiva dos Empregadores

Empregabilidade e Soft Skills na Perspetiva dos Empregadores Auditório Nobre do IPS - 29 fevereiro 2016 Empregabilidade e Soft Skills na Perspetiva dos Empregadores Diana Aguiar Vieira Empregabilidade do contexto ou do indivíduo Contexto Empregabilidade Indivíduo

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T17. Bibliografia. Conceitos a reter. Cap. 5 - Orçamento do Estado (OE) Livro EFP, Cap. 12. Orçamento do Estado

Economia e Finanças Públicas Aula T17. Bibliografia. Conceitos a reter. Cap. 5 - Orçamento do Estado (OE) Livro EFP, Cap. 12. Orçamento do Estado Economia e Finanças Públicas Aula T17 Cap. 5 - Orçamento do Estado (OE) 5.1 Noção de orçamento e ciclo orçamental 5.1.1 Noção, âmbito e importância do OE 5.1.2 O conteúdo da Proposta de Lei do OE 5.1.3

Leia mais

PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016

PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016 PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016 Soeli do Rocio Nunes Lechinhoski Pedagoga do Departamento de Ensino Fundamental da Secretaria Municipal de Educação (2013-2016) Secretaria

Leia mais

+ 36% Acima da média da UE e a 6ª taxa de desemprego jovem mais elevada da UE28 1

+ 36% Acima da média da UE e a 6ª taxa de desemprego jovem mais elevada da UE28 1 2 + 36% Simultâneamente um estudo internacional revela que 57% dos empregadores considera que NÃO existem suficientes candidatos a 1º emprego com as competências necessárias 3 Acima da média da UE e a

Leia mais

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 2014 Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 Indicadores Sociais Construção baseada em observações geralmente

Leia mais

ANATOMIA HUMANA EDITAL N. º 011/2015. I. DAS VAGAS, REMUNERAÇÃO, REGIME JURÍDICO E CARGA HORÁRIA.

ANATOMIA HUMANA EDITAL N. º 011/2015. I. DAS VAGAS, REMUNERAÇÃO, REGIME JURÍDICO E CARGA HORÁRIA. CONCURSO DE MONITORIA ANATOMIA HUMANA EDITAL N. º 011/2015. I. DAS VAGAS, REMUNERAÇÃO, REGIME JURÍDICO E CARGA HORÁRIA. 1- Número de vagas: 01 vaga 2- O aluno no exercício da função de monitor receberá

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação Organizacional sobre

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 1 INDICADOR: População residente e taxa de variação, 1991 e 2001 População Variação 1991 2001 Portugal 9867147 10356117 5,0 Alentejo 782331 776585-0,7 Alentejo Litoral

Leia mais

TABELA DE CORRESPONDÊNCIA 1 (Dec.-lei 7.661/1945 e Lei /2005)

TABELA DE CORRESPONDÊNCIA 1 (Dec.-lei 7.661/1945 e Lei /2005) TABELA DE CORRESPONDÊNCIA 1 (Dec.-lei 7.661/1945 e Lei 11.101/2005) TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E DECLARAÇÃO DA FALÊNCIA Da caracterização da falência Art. 1.º... Art. 94 Art. 2.º... Art. 94 Art. 3.º...

Leia mais

FORMAÇÃO CONTÍNUA NO MERCADO REGIONAL DE EMPREGO. RUI BAPTISTA * * Assistente do 1º Triénio

FORMAÇÃO CONTÍNUA NO MERCADO REGIONAL DE EMPREGO. RUI BAPTISTA * * Assistente do 1º Triénio FORMAÇÃO CONTÍNUA NO MERCADO REGIONAL DE EMPREGO RUI BAPTISTA * * Assistente do 1º Triénio A criação de valor é apontada como sendo o primeiro objectivo da actividade empresarial. Porém, tal objectivo

Leia mais

Macroeconomia, FDUNL Exercícios. O Que é a Macroeconomia? Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas.

Macroeconomia, FDUNL Exercícios. O Que é a Macroeconomia? Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas. Macroeconomia, FDUNL Exercícios Miguel St. Aubyn, 18.Fev.2009 O Que é a Macroeconomia? Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas. 1. Qual dos seguintes pontos não é um assunto essencialmente

Leia mais

SUBSÍDIO GOVERNADOR - VICE GOVERNADOR E SECRETÁRIOS DE ESTADO

SUBSÍDIO GOVERNADOR - VICE GOVERNADOR E SECRETÁRIOS DE ESTADO SUBSÍDIO GOVERNADOR - VICE GOVERNADOR E SECRETÁRIOS DE ESTADO CARGO VALOR GOVERNADOR(1) R$ 26.723,13 SUBSÍDIO VICE-GOVERNADOR (2) R$ 25.386,97 SECRETÁRIO DE ESTADO (3) R$ 18.706,19 (1) IGUAL AO SUBSÍDIO

Leia mais

Ciências Genéticas. Atividades Complementares 20. Ciências Humanas Ciências Sociais Ciências Biológicas. Atividades Complementares 20

Ciências Genéticas. Atividades Complementares 20. Ciências Humanas Ciências Sociais Ciências Biológicas. Atividades Complementares 20 MÓDULO I Bases Elementares para o Estudo e Compreensão do Comportamento: Aspectos Históricos INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE LONDRINA - INESUL CARGA HORÁRIATOTAL DO CURSO 4250 horas relógio CARGA HORÁRIA

Leia mais

RELATÓRIO DIFERENCIAÇÃO SALARIAL POR GÉNERO

RELATÓRIO DIFERENCIAÇÃO SALARIAL POR GÉNERO RELATÓRIO DIFERENCIAÇÃO SALARIAL POR GÉNERO APDL 2015 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. METODOLOGIA UTILIZADA... 3 3. DIFERENCIAÇÕES SALARIAIS... 4 3.1. ANÁLISE QUANTITATIVA... 4 3.1.1. CARACTERIZAÇÃO GERAL...

Leia mais

Anexo 1. Objectivo Central, Objectivos Estratégicos (OE) e Linhas de Orientação do PEGC OBJECTIVO CENTRAL

Anexo 1. Objectivo Central, Objectivos Estratégicos (OE) e Linhas de Orientação do PEGC OBJECTIVO CENTRAL ANEXOS Anexo 1. Objectivo Central, Objectivos Estratégicos (OE) e Linhas de Orientação do PEGC OBJECTIVO CENTRAL Desenvolver e criar um espaço dinâmico a nível económico, social e cultural, actuando ao

Leia mais

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR:

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE FUTURO PAULA SANTANA HELENA PEIXOTO 27º Encontro Nacional de Clínica Geral, Vilamoura, Março de 2010 Objectivos do Estudo

Leia mais

População residente por grandes grupos etários, NUTS II, 2007 (em percentagem) Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores

População residente por grandes grupos etários, NUTS II, 2007 (em percentagem) Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores A. Pesquisa Divisões territoriais: http://sig.ine.pt/viewer.htm Indicar os tipos de divisões territoriais (administrativa, estatística, outras); Indicar os itens de cada divisão administrativa (distrito,

Leia mais

Evolução e Padrões de Casamentos Binacionais em Portugal ( ) BIMAR. Sofia Gaspar (coord.) Ana Cristina Ferreira Madalena Ramos

Evolução e Padrões de Casamentos Binacionais em Portugal ( ) BIMAR. Sofia Gaspar (coord.) Ana Cristina Ferreira Madalena Ramos Evolução e Padrões de Casamentos Binacionais em Portugal (1988-2011) BIMAR Sofia Gaspar (coord.) Ana Cristina Ferreira Madalena Ramos Evolução e Padrões de Casamentos Binacionais em Portugal (1988-2011)

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS NATURAIS E MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA PLANO ANALÍTICO DA DISCIPLINA GEOMATRIA EUCLIDIANA

FACULDADE DE CIÊNCIAS NATURAIS E MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA PLANO ANALÍTICO DA DISCIPLINA GEOMATRIA EUCLIDIANA O Regente: Leonardo Simão Competências Os estudantes deverão: FACULDADE DE CIÊNCIAS NATURAIS E MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA PLANO ANALÍTICO DA DISCIPLINA GEOMATRIA EUCLIDIANA

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO. GRÁFICO - Taxa de actividade segundo os Censos (%) nos Municípios - Ranking. Fontes/Entidades: INE, PORDATA

MERCADO DE TRABALHO. GRÁFICO - Taxa de actividade segundo os Censos (%) nos Municípios - Ranking. Fontes/Entidades: INE, PORDATA MERCADO DE TRABALHO O quadro sociodemográfico apresentado tem consequências directas no mercado de trabalho. Segundo os últimos Censos, os concelhos de Penamacor, Idanha-a-Nova e Vila Velha de Ródão surgiam

Leia mais

A Qualidade do Ensino Médio no Brasil: o papel do gestor. Sergio Firpo, Professor Titular da Cátedra Instituto Unibanco do Insper 26 de julho de 2016

A Qualidade do Ensino Médio no Brasil: o papel do gestor. Sergio Firpo, Professor Titular da Cátedra Instituto Unibanco do Insper 26 de julho de 2016 A Qualidade do Ensino Médio no Brasil: o papel do gestor Sergio Firpo, Professor Titular da Cátedra Instituto Unibanco do Insper 26 de julho de 2016 % % Atendimento do Ensino Médio no Brasil Metas do PNE

Leia mais

Universidade de Évora Universidade de Aveiro. Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências e Tecnologias

Universidade de Évora Universidade de Aveiro. Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências e Tecnologias Universidade de Évora Universidade de Aveiro Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências e Tecnologias Edital Abertura do Mestrado Gestão e Poĺıticas Ambientais Ano Letivo 2015/2016 1. O Curso

Leia mais

Métodos Quantitativos Aplicados

Métodos Quantitativos Aplicados Métodos Quantitativos Aplicados Mestrados Economia e Gestão de Ciência, Tecnologia e Inovação, Economia e Políticas Públicas, Economia Internacional e Estudos Europeus Aula 1 Docente: Vítor Escária vescaria@iseg.ulisboa.pt

Leia mais

Identificação. F03 Duração da entrevista 18:12 Data da entrevista Ano de nascimento (Idade) 1974 (36) Local de nascimento/residência

Identificação. F03 Duração da entrevista 18:12 Data da entrevista Ano de nascimento (Idade) 1974 (36) Local de nascimento/residência 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Identificação F03 Duração da entrevista 18:12 Data da entrevista 4-5-2011 Ano de nascimento (Idade) 1974 (36) Local de

Leia mais

Características. Em 2014, foram visitados 151 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Abrangência nacional

Características. Em 2014, foram visitados 151 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Abrangência nacional Rio de Janeiro, 13/11/2015 Abrangência nacional Características Temas investigados no questionário básico Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho e rendimento Trabalho infantil

Leia mais

FICHA TÉCNICA. PROPRIEDADE Reitoria da Universidade de Lisboa

FICHA TÉCNICA. PROPRIEDADE Reitoria da Universidade de Lisboa FICHA TÉCNICA PROPRIEDADE Reitoria da Universidade de Lisboa TÍTULO Trajectórias Académicas e de Inserção Profissional dos Licenciados pela Universidade de Lisboa 1999-2003 AUTOR Natália Alves Faculdade

Leia mais

O nosso tempo é caracterizado por um acelerado processo de transformações e de mudanças, algumas com profundas incidências

O nosso tempo é caracterizado por um acelerado processo de transformações e de mudanças, algumas com profundas incidências O conceito de formação profissional O nosso tempo é caracterizado por um acelerado processo de transformações e de mudanças, algumas com profundas incidências sobre a existência e sobre o futuro da pessoa

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE ECONOMIA E D I T A L

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE ECONOMIA E D I T A L UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE ECONOMIA E D I T A L PROGRAMA DE MESTRADO EM GESTÃO DE POLÍTICAS ECONÓMICAS 4ª EDIÇÃO/2012 BOLSAS DE ESTUDO A Universidade Eduardo Mondlane (UEM), assinou um

Leia mais

LDB Lei de Diretrizes e Bases

LDB Lei de Diretrizes e Bases PEDAGOGIA LDB Lei de Diretrizes e Bases Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional O pedagogo estuda as teorias da ciência da educação e do ensino É

Leia mais

DOSSIER DE APRESENTAÇÃO

DOSSIER DE APRESENTAÇÃO DOSSIER DE APRESENTAÇÃO O índice de desemprego jovem atinge os 34,8% em Portugal, umas das maiores taxas de desemprego jovem na União Europeia. in Tendências Globais de Emprego para a Juventude 2015, Organização

Leia mais

KE PT-C EMPREGADORES. Facilitando o recrutamento de jovens na Europa. O teu primeiro emprego EURES

KE PT-C EMPREGADORES. Facilitando o recrutamento de jovens na Europa. O teu primeiro emprego EURES KE-30-11-253-PT-C EMPREGADORES Facilitando o recrutamento de jovens na Europa O teu primeiro emprego EURES EMPREGADORES É uma empresa legalmente estabelecida num país da UE? uma empresa à procura de trabalhadores

Leia mais

Gerações de desigualdade no Portugal Contemporâneo (Painel) Adultos, literacia e desigualdades

Gerações de desigualdade no Portugal Contemporâneo (Painel) Adultos, literacia e desigualdades CIES, Fórum de Pesquisas 2008 17 de Dezembro Gerações de desigualdade no Portugal Contemporâneo (Painel) Adultos, literacia e desigualdades Patrícia Ávila ISCTE, 17 de Dezembro de 2008 Projectos nacionais

Leia mais

ANEXO I DECLARAÇÃO DE NÃO TER CURSADO ENSINO MÉDIO EM ESCOLA PRIVADA

ANEXO I DECLARAÇÃO DE NÃO TER CURSADO ENSINO MÉDIO EM ESCOLA PRIVADA ANEXO I DECLARAÇÃO DE NÃO TER CURSADO ENSINO MÉDIO EM ESCOLA PRIVADA Eu,, nacionalidade, estado civil, CPF e RG, declaro, para os fins de reserva de vagas no PROCESSO SELETIVO PARA PROVIMENTO DE VAGAS

Leia mais

ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE GRÁFICOS... NOTA INTRODUTÓRIA... 1

ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE GRÁFICOS... NOTA INTRODUTÓRIA... 1 ÍNDICE DE QUADROS ÍNDICE ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE GRÁFICOS... ix xiii xiv NOTA INTRODUTÓRIA... 1 Parte 1O «ACIDENTE TÍPICO» EM TODOS OS SECTORES DE ACTIVIDADE (PERÍODO 2001-2003)...

Leia mais

Edital. Ref. 484.5/2016 Pág. 1/5

Edital. Ref. 484.5/2016 Pág. 1/5 Universidade de Évora Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade de Lisboa - Instituto Superior de Ciências Sociais e Poĺıticas Universidade de Lisboa - Instituto

Leia mais

Demografia e Perspectiva Económica

Demografia e Perspectiva Económica Demografia e Perspectiva Económica Elementos para uma análise de reciprocidade em Portugal e na Europa III CONGRESSO PORTUGUÊS DE DEMOGRAFIA. 2008 FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Demografia População Recursos

Leia mais

Projecto de Lei n.º 620/X

Projecto de Lei n.º 620/X Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 620/X Altera as Regras da Atribuição do Subsídio de Desemprego, introduzindo uma maior justiça social A crise económica e financeira mundial tem vindo a gerar recessão

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE ATIVIDADE DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA - LICENCIATURA

ANEXO III REGULAMENTO DE ATIVIDADE DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA - LICENCIATURA ANEXO III REGULAMENTO DE ATIVIDADE DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA - LICENCIATURA REGULAMENTO DE ATIVIDADE DE CONCLUSÃO DE CURSO SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este dispositivo

Leia mais

Quem dirige a administração pública portuguesa? 1

Quem dirige a administração pública portuguesa? 1 Quem dirige a administração pública portuguesa? 1 Filipe Abreu Nunes 2 São poucos os estudos sobre recrutamento de elites administrativas em Portugal. A revisão do estatuto do pessoal dirigente em 1997,

Leia mais

PARTE I 1. Capítulo 1 3

PARTE I 1. Capítulo 1 3 Agradecimentos... Prefácio... Maria José Morgado Sobre o Livro... XIII XV XVII PARTE I 1 Enquadramento e Fundamentação Teórica Capítulo 1 3 Introdução Profiling... 3 Abordagens metodológicas... 4 Recolha

Leia mais

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO SÍNTESE JANEIRO/07 DEZEMBRO/07 JANEIRO/08 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Mês Homólogo Mês Anterior DESEMPREGO REGISTADO 8895 100,0 8773

Leia mais

60h. 60h. 60h. 60h. 60h. 60h. 60h Desenvolvimen to de Ações. 60h

60h. 60h. 60h. 60h. 60h. 60h. 60h Desenvolvimen to de Ações. 60h UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII GUANAMBI CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM EDUCAÇÃO FÍSICA CARGA HORÁRIA INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR TEMPO MÍNIMO TEMPO MÁXIMO 3.165

Leia mais

Inquérito de Empregabilidade

Inquérito de Empregabilidade Inquérito de Empregabilidade 2014/2015 Qual a situação face ao emprego dos nossos diplomados do ano letivo 2012/2013? Universidade Lusófona do Porto Índice I. O que é o Relatório de Empregabilidade...

Leia mais

ÍNDICE. Efetivos por tipo de contrato. Efetivos por grupos profissionais. Efetivos por níveis de habilitações. Efetivos por níveis salariais

ÍNDICE. Efetivos por tipo de contrato. Efetivos por grupos profissionais. Efetivos por níveis de habilitações. Efetivos por níveis salariais 213 213 ÍNDICE 2 3 5 6 7 8 9 1 11 12 13 1 15 16 17 Evolução de efetivos Efetivos por tipo de contrato Efetivos por grupos profissionais Efetivos por níveis de habilitações Pirâmide etária Pirâmide de antiguidades

Leia mais

Tabela População segundo a existência de plano de saúde - Ceilândia - Distrito Federal Plano de Saúde Nº %

Tabela População segundo a existência de plano de saúde - Ceilândia - Distrito Federal Plano de Saúde Nº % Quanto à existência de Plano de Saúde observa-se em Ceilândia que 80,9% não contam com este serviço, enquanto 11,0% possui plano empresarial, o que é previsível dado o expressivo percentual de domicílios

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE PCCSs - Planos de Cargos Salários. Escritório Regional do DIEESE em Goiás Goiânia 23 de novembro de 2012

CONSIDERAÇÕES SOBRE PCCSs - Planos de Cargos Salários. Escritório Regional do DIEESE em Goiás Goiânia 23 de novembro de 2012 CONSIDERAÇÕES SOBRE PCCSs - Planos de Cargos Salários Escritório Regional do DIEESE em Goiás Goiânia 23 de novembro de 2012 1 PCSS Principais Conceitos 2 Planos de Carreira estão no centro dos debates

Leia mais

Capítulo 2 Transições para a velhice 69 Sofia Aboim, Teresa Amor, Vítor Sérgio Ferreira e Cátia Nunes

Capítulo 2 Transições para a velhice 69 Sofia Aboim, Teresa Amor, Vítor Sérgio Ferreira e Cátia Nunes Os autores 15 Introdução Cursos de vida, padronizações e disritmias 19 José Machado Pais "* Parte I Fases da vida, transições e marcadores de passagem Capítulo 1 Transições para a idade adulta 39 Vítor

Leia mais

produção no Brasil 3. Panorama da formalização nas MPE s 4. Políticas públicas de formalização para o segmento dos micro e pequenos empreendimentos

produção no Brasil 3. Panorama da formalização nas MPE s 4. Políticas públicas de formalização para o segmento dos micro e pequenos empreendimentos Formalização recente em pequenas unidades de 1. Contexto geral 2. Ciclos da formalização produção no Brasil 3. Panorama da formalização nas MPE s 4. Políticas públicas de formalização para o segmento dos

Leia mais

Carla Alexandra Vieira da Silva Pedrosa

Carla Alexandra Vieira da Silva Pedrosa Carla Alexandra Vieira da Silva Pedrosa Assistente Convidada a 30% Habilitações Académicas Formação Pré-Graduada Licenciatura em Ciências da Nutrição FCNAUP (1998) subordinada ao tema Iodo, Tiróide e Insuficiência

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA DEPARTAMENTO DE ARTE E DESIGN

UNIVERSIDADE DA MADEIRA DEPARTAMENTO DE ARTE E DESIGN UNIVERSIDADE DA MADEIRA DEPARTAMENTO DE ARTE E DESIGN REGULAMENTO DA TRANSIÇÃO CURRICULAR ENTRE O CURSO DE LICENCIATURA EM DESIGN / PROJECTAÇÃO (Publicado no Diário da República II Série, nº159 1 de Julho

Leia mais

Diversidade Demográfica

Diversidade Demográfica Municípios de Borda D Água do Tejo Diversidade Demográfica Exposição de Trabalhos 1º Ano, Turma G 2 a 6 de novembro/215 Diversidade demográfica dos municípios borda d água do Tejo Azambuja e Almada Municipio

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Física Eletricidade Ótica Carga Horária: 80h Período: 3º. Ementa

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Física Eletricidade Ótica Carga Horária: 80h Período: 3º. Ementa Disciplina: Física Eletricidade Ótica Carga Horária: 80h Período: 3º Ementa PLANO DE ENSINO Processos de eletrização, carga elétricas, força elétrica, campo elétrico, Lei de Gauss, potencial elétrico,

Leia mais

Proteger e promover o Capital Humano do Serviço Nacional de Saúde

Proteger e promover o Capital Humano do Serviço Nacional de Saúde Proteger e promover o Capital Humano do Serviço Nacional de Saúde Capital humano principal ativo do SNS O Serviço Nacional de Saúde (SNS), apesar de muitas contrariedades, produz resultados de saúde que

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA O REGIME DA FUNÇÃO PÚBLICA À LUZ DA NOVA LEI GERAL DO TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS

CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA O REGIME DA FUNÇÃO PÚBLICA À LUZ DA NOVA LEI GERAL DO TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA O REGIME DA FUNÇÃO PÚBLICA À LUZ DA NOVA LEI GERAL DO TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS I Objetivo pedagógico geral Esta oferta formativa, extracurricular, de preparação e aperfeiçoamento,

Leia mais

E S T A T U T O D O C L U B E D E R E G A T A S B R A S I L

E S T A T U T O D O C L U B E D E R E G A T A S B R A S I L E S T A T U T O D O C L U B E D E R E G A T A S B R A S I L H I N O O F I C I A L J a y m e d e A l t a v i l a I A o r e m o! Po i s n o s s o n o r t e D e g l ó r i a s t r a ç a d o e s t á. F a ç

Leia mais

MEC. Censo Escolar 2015 Notas Estatísticas. Brasília-DF março de 2016

MEC. Censo Escolar 2015 Notas Estatísticas. Brasília-DF março de 2016 MEC Censo Escolar 215 Notas Estatísticas Brasília-DF março de 216 MEC Agenda O desafio da universalização Educação infantil Creche e Pré-escola Ensino fundamental Anos iniciais e anos finais Ensino médio

Leia mais

São Tomé-e-Príncipe Perfil do país EPT 2014

São Tomé-e-Príncipe Perfil do país EPT 2014 São Tomé-e-Príncipe Perfil do país EPT 4 Contexto geral País pequeno de África central, composto de duas ilhas situadas em frente ao Gabão, no Golfo da Guiné, São Tomé e Príncipe tinha cerca de 7 habitantes

Leia mais

Avaliação da Educação Superior SINAES e Indicadores de Qualidade. Brasília-DF 25 de abril de 2016

Avaliação da Educação Superior SINAES e Indicadores de Qualidade. Brasília-DF 25 de abril de 2016 Avaliação da Educação Superior SINAES e Indicadores de Qualidade Brasília-DF 25 de abril de 2016 Indicador de Desempenho no Enade (IDE) 1 - O Conceito Enade, atualmente, é calculado pela metodologia de

Leia mais