ASSOCIAÇÃO DE PAIS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CONCELHO DE VALENÇA DO MINHO ESTATUTOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSOCIAÇÃO DE PAIS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CONCELHO DE VALENÇA DO MINHO ESTATUTOS"

Transcrição

1 ASSOCIAÇÃO DE PAIS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CONCELHO DE VALENÇA DO MINHO ESTATUTOS ARTIGO I A associação denomina-se por ASSOCIAÇÃO DE PAIS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CONCELHO DE VALENÇA DO MINHO, e representa todos os níveis de Ensino da rede pública do Concelho. É uma Associação voluntária, sem fins lucrativos e tem a sua sede na Escola EB23+S de Valença, freguesia de Valença, concelho de Valença. ARTIGO II A Associação tem por finalidade essencial a de contribuir através de estreita e permanente colaboração com alunos, as Direcções das Escolas e respectivos Corpos Docentes, Pais e Encarregados de Educação para a melhoria do labor educativo que em comum lhe compete na formação e preparação dos Educandos e na ocupação dos seus tempos livres. ARTIGO III Tem direito a ser associados, o pai e a mãe ou o encarregado de educação dos alunos do Agrupamento de Escolas de VALENÇA, havendo apenas a categoria de sócios efectivos. PARÁGRAFO ÚNICO - Todos os sócios ficam obrigados ao pagamento das quotas que venham a ser fixadas. ARTIGO IV Constituem os Corpos Gerentes da Associação: a Assembleia Geral, a Direcção e o Conselho Fiscal, sendo o respectivo mandato pelo período de um ano coincidente com o ano escolar. ARTIGO V A competência e forma de funcionamento da Assembleia Geral são os prescritos pelas disposições legais aplicáveis, nomeadamente os Artigos cento e setenta e quatro e cento e setenta e nove do Código Civil. ARTIGO VI A mesa da Assembleia Geral é constituída por três membros: um Presidente, um Vice-presidente e um Secretário, competindo ao Presidente convocar e dirigir as respectivas sessões, por sua iniciativa ou a pedido da Direcção ou de um décimo dos associados. ARTIGO VII A Direcção é composta por nove membros: um Presidente, um Vice-presidente, um Secretário, um Tesoureiro e cinco Vogais, competindo-lhe a gerência social, administrativa, financeira e disciplinar. ARTIGO VIII O Conselho Fiscal ê composto por três membros: um Presidente, um Secretário e um Relator, competindolhe fiscalizar os actos administrativos da direcção, verificar as suas contas e relatórios e dar parecer sobre eles. ARTIGO IX No que estes Estatutos sejam omissos, rege o Regulamento Geral Interno, cuja aprovação e alterações são da competência da Assembleia Gera

2 REGULAMENTO GERAL INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS/ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CONCELHO DE VALENÇA DO MINHO CAPÍTULO I (Denominação, sede, duração, natureza e fins) ARTIGO 1º A Associação de Pais/Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas do Concelho de Valença do Minho é uma associação voluntária e sem fins lucrativos, tem a sua sede na Escola EB23+S de Valença, freguesia de Valença, concelho de Valença. ARTIGO 2º A Associação tem como finalidade essencial assegurar a efectivação dos direitos e deveres que assistem aos pais e encarregados de educação de participarem na instrução, educação e formação moral dos filhos e educandos. Compete nomeadamente à Associação: ARTIGO 3º 1 - Zelar pelos interesses morais e educacionais dos alunos e contribuir para a promoção das condições mais propícias ao pleno desenvolvimento da sua personalidade; 2 - Colaborar com os pais e encarregados de educação no cumprimento da sua missão de educadores; 5 - Cooperar com todos os sectores da Escola, com todos os organismos e entidades públicas ou privadas na defesa de uma política de ensino, que contribua para uma melhor preparação humana e cívica dos alunos, num contexto de ensino livre, democrático, independente e acessível a todos. ARTIGO 4º Para a efectivação dos fins previstos são atribuições da Associação, designadamente: 1 - Avaliar as situações lesivas dos interesses dos alunos denunciando-as e dando a colaboração para a respectiva resolução, devendo tomar as providências que entender adequadas; 2 - Colaborar nas iniciativas da Escola e dar sugestões para as mesmas, nomeadamente em matéria de utilização de tempos livres e relativamente a actividades circum-escolares de carácter cultural, desportivo, educativo e formativo; 3 - Promover, dentro do seu âmbito, a realização de festejos culturais, reuniões, colóquios, conferências, cursos, etc.; 4 - Representar os pais e encarregados de educação junto do Órgão Directivo do Agrupamento, de outros órgãos da Escola, dos Professores, do Ministério respectivo, e do Concelho.

3 CAPÍTULO II (Dos Associados) ARTIGO 5º Podem ser sócios da Associação, os pais e encarregados de educação dos alunos inscritos no Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho -Valença, mediante preenchimento e assinatura da proposta de admissão renovável em cada ano lectivo. Constituem direitos dos associados: ARTIGO 6º a) Participar nas Assembleias Gerais, eleger e ser eleito para os órgãos da Associação; b) Utilizar os serviços da Associação para resolver problemas dos filhos ou educandos, dentro do âmbito previsto no artigo 2º deste Regulamento; c) Ser mantido ao corrente das actividades da Associação; d) Solicitar à Direcção a intervenção desta na defesa dos interesses dos seus filhos e educandos. Constituem deveres dos associados: a) Pagar as quotas estipuladas; ARTIGO 7º b) Cooperar nas actividades da Associação e contribuir, na medida das suas possibilidades, para a realização dos seus objectivos; c) Exercer com zelo e diligência os cargos para que for eleito. Perde-se a qualidade de sócio: ARTIGO 8º a) No caso do Associado deixar de ter inscrito na Escola qualquer filho ou educando; b) A pedida do associado, feito por escrito, em qualquer altura do ano; c) Por falta de pagamento da quota; d) Por expulsão; ARTIGO 9º Serão expulsos os associados que violem grave e dolosamente as normas estatutárias, incluindo as do regulamento interno, ou lesem gravemente os interesses ou fins da Associação; único - A expulsão é da competência da Assembleia Geral, por proposta da Direcção.

4 ARTIGO 10º Podem ser suspensos, pela Direcção, pelo prazo máximo de 30 dias, os associados: a) Que violem intencionalmente as normas estatutárias e regulamentares ou que lesem os interesses ou fins da Associação, não sendo as faltas cometidas de tal gravidade que motivem as expulsão; b) Que não liquidarem sem motivo justificado os seus débitos à Associação, no prazo de trinta dias, após a notificação por escrito efectuada pela Direcção; único - Da resolução da Direcção cabe recurso para a Assembleia Geral, a interpor no prazo de oito dias, a contar da data da recepção da carta registada com aviso de recepção, na qual se comunique a decisão. CAPÍTULO III (Dos Órgãos Sociais) ARTIGO 11º São órgãos da Associação: A Assembleia Geral, a Direcção e o Conselho Fiscal; único - Os mandatos dos Corpos Gerentes terão a duração de um ano; ARTIGO 12º A Assembleia Geral é constituída por todos os sócios, no pleno gozo dos seus direitos; 1 - Consideram-se no pleno gozo dos seus direitos os associados que não estejam suspensos e que tenham pago a quota respeitante a cada ano; 2 - A Mesa da Assembleia Geral é constituída por: um Presidente, um Vice-presidente e um Secretário, eleitos por um ano. Compete à Assembleia Geral, designadamente: ARTIGO 13º a) Apreciar e votar as propostas de alteração dos Estatutos e do Regulamento Geral Interno; b) Eleger e demitir os membros dos órgãos sociais; c) Discutir e deliberar sobre as actividades da Associação e recomendar à Direcção o que entender por conveniente para a prossecução dos interesses da associação; d) Discutir e aprovar o relatório e contas anuais; e) Fixar a quota anual a pagar pelos associados sob proposta da Direcção; 1º - A Assembleia Geral reunirá ordinariamente duas vezes por ano, a primeira na 2ª quinzena de Outubro, para eleição dos Corpos Gerentes e aprovação do relatório e contas de gerência do ano transacto. A segunda na 2ª quinzena de Junho, para apreciação ao modo de funcionamento das actividades escolares e discussão de assunto de interesse para a Associação.

5 2º - A Assembleia Geral poderá reunir extraordinariamente sempre que a direcção, o Conselho Fiscal ou dez por certo dos associados o solicitem por escrito ao Presidente da Mesa, fundamentando as razões e indicando a ordem de trabalhos, devendo a Assembleia ser convocada nos cinco dias imediatos a entrega do pedido ao Presidente da Mesa. 3º - A Assembleia Geral só poderá funcionar com a presença de mais de metade dos associados inscritos, no pleno gozo dos seus direitos. Em segunda convocação, meia hora depois, a Assembleia funcionará com qualquer numero de sócios presentes. 4º - As reuniões da Assembleia Geral serão convocadas com a antecedência mínima de dez dias, mediante avisos onde conste o dia, hora e local da sua realização, bem como a respectiva ordem de trabalhos que, obrigatoriamente, constará no aviso. Para além dos avisos afixados na Escola ou outros locais entendidos por convenientes, será também remetido aos pais ou encarregados de educação um aviso individual a ser entregue pelos filhos ou educandos através da colaboração a solicitar ao Órgão Directivo de cada Escola e Professores para a sua distribuição pelos alunos. Entregar-se-á ainda um convite ao Órgão Directivo do Agrupamento que será extensivo aos Professores em especial aos Directores de Turma. 5º - As deliberações da Assembleia Geral serão tomadas por maioria dos votos expressos, salvo quando a Lei, os Estatutos ou o Regulamento Interno exigirem maioria qualificada. ARTIGO 14º Cada associado tem direito apenas a um voto, seja qual for o número de filhos ou educandos, podendo ter mais outro voto por delegação; 1º - Os associados podem fazer-se representar por outro sócio, mediante delegação feita por escrito. 2º - Para votação das propostas, moções, requerimentos, etc., será usado o processo determinado pela Mesa ou pela Assembleia se esta o decidir. 3º - A eleição dos Corpos Gerentes ou votações em que estejam em causa pessoas, será obrigatória a utilização do escrutínio secreto. ARTIGO 15º A associação será gerida por uma Direcção, constituída por nove membros: um Presidente, um Vice-presidente, um Secretário, um Tesoureiro e cinco Vogais; 1º - À Direcção compete: a) Fazer o necessário para que se cumpram as finalidades da Associação; b) Orientar, administrar e representar a Associação; c) Executar as deliberações da Assembleia Geral; d) Suspender sócios, pelo prazo máximo de trinta dias; e) Escolher um substituto, em caso de impedimento permanente ou demissão ou expulsão de algum dos seus membros, até ao máximo de três, devendo as designações serem sujeitas a ratificação da Assembleia Geral, no prazo máximo de dois meses;

6 2º - A direcção terá uma reunião ordinária mensal e reunirá extraordinariamente sempre que o Presidente ou a maioria dos seus membros o solicite verbalmente; 3º - As deliberações serão tomadas por maioria dos seus elementos presentes, tendo o Presidente voto de qualidade em caso de empate; ARTIGO 16º 1 - Compete especialmente ao Presidente: Representar a Associação em juízo e fora dele, presidir às reuniões da Direcção e coordenar de uma maneira geral todas as actividades da responsabilidade e competência da Direcção; 2 - Compete especialmente ao Vice-presidente: Substituir o Presidente nas suas faltas e impedimentos; 5 - Compete especialmente ao Secretário elaborar as actas das reuniões da Direcção, receber a correspondência, submetê-la a apreciação da Direcção e, de um modo geral, dar seguimento ao expediente; 4 - Compete especialmente ao Tesoureiro: Receber as receitas e liquidar os débitos, efectuando ainda a contabilidade da Associação; 5 - A Direcção poderá efectuar depósitos e levantamentos em contas que, em nome da Associação, venha a abrir em qualquer instituição de crédito autorizada. A movimentação das contas será feita com documentação assinada conjuntamente pelo Presidente e pelo Tesoureiro ou na falta da assinatura de um destes elementos pela assinatura conjunta de três elementos da Direcção; ARTIGO 17º O Conselho Fiscal é constituído por três membros; um Presidente, um Secretário e um Relator; 1 - Compete ao Conselho Fiscal: a) Dar parecer sobre o relatório e contas da Direcção b) Fiscalizar a escrituração e exigir que ela esteja sempre em ordem em cada momento, de modo a explicitar claramente a situação económico-financeira da Associação; 2 - O Conselho Fiscal reúne ordinariamente na primeira quinzena de Outubro para dar parecer sobre o relatório e contas da Direcção e extraordinariamente por convocação do seu Presidente, da maioria dos seus membros ou dos restantes órgãos sociais; CAPÍTULO IV ( Das Receitas) ARTIGO 18º Constituem receitas da Associação: As quotizações dos associados, subsídios, doações ou donativos e quaisquer outras receitas angariadas pela Associação; 1º - As quotas a pagar pelos associados serão fixadas anualmente nos termos da alínea e) do artigo 13º.

7 CAPÍTULO V (Disposições Gerais) ARTIGO 19º A Associação poderá, por deliberação da Direcção, federar-se ou unir-se com outras associações congéneres a nível regional ou nacional, sem perda da sua independência, identidade ou personalidade jurídica; ARTIGO 20º A Associação será dissolvida por deliberação da Assembleia Geral, em reunião extraordinária, expressamente convocada para o efeito, devendo esta deliberação ser aprovada pela maioria de dois terços dos associados no pleno gozo dos seus direitos, que determinará o destino a dar ao activo da Associação; único - Aprovada a dissolução, nos termos do anteriormente previsto, a Assembleia Geral nomeará uma comissão liquidatária, que procederá ao pagamento do passivo, tendo o activo destino que haja sido determinado pela Assembleia Geral. ARTIGO 21º As alterações dos Estatutos e do Regulamento geral Interno só podem ser efectivadas em Assembleia Geral, expressamente convocada para o efeito, sendo obrigatório que as propostas de alteração sejam aprovadas pela maioria qualificada de dois terços dos associados presentes; ARTIGO 22º Os órgãos sociais manter-se-ão em funções até à tomada de posse dos novos corpos gerentes eleitos, posse esta que se processará imediatamente a seguir à eleição. ESTES ESTATUTOS E REGULAMENTO GERAL INTERNO, FORAM APROVADOS EM ASSEMBLEIA GERAL POR UNANIMIDADE EM, 25 DE OUTUBRO DE 2OO7.

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO CAPITULO I ARTIGO 1.º (Denominação, natureza, sede e âmbito) 1. A Associação adopta a designação de Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos dos Louros. 2. É uma

Leia mais

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Sede e Duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de Alentejo de Excelência - Associação para a Competitividade,

Leia mais

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA E.B MARCO DE CANAVESES CAPITULO PRIMEIRO

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA E.B MARCO DE CANAVESES CAPITULO PRIMEIRO Estatutos ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA E.B. -2.3 MARCO DE CANAVESES CAPITULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, NATUREZA, FINS E DIREITOS ARTIGO PRIMEIRO NUMERO UM A Associação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DA BOBADELA. Estatutos. CAPÍTULO I Constituição, sede, natureza, objectivo

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DA BOBADELA. Estatutos. CAPÍTULO I Constituição, sede, natureza, objectivo ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DA BOBADELA Estatutos CAPÍTULO I Constituição, sede, natureza, objectivo ARTIGO 1º Constituição A Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM DE ARAÚJO - PENAFIEL ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM DE ARAÚJO - PENAFIEL ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM DE ARAÚJO - PENAFIEL ESTATUTOS A Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Joaquim de Araújo

Leia mais

Estatutos para associações, clubes e colectividades

Estatutos para associações, clubes e colectividades Estatutos para associações, clubes e colectividades Artigo 1.º Designação e Objectivos O/A (nome da colectividade ou associação), adiante designada por (sigla) é uma associação de fins (concretização dos

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação, sem fins lucrativos, adota a denominação ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. 2. A

Leia mais

EMPRESAS. Estatutos n.º 1616/2005 de 17 de Outubro de 2005 ASSOCIAÇÃO PAIS ENSINO BÁSICO INTEGRADO RIBEIRA GRANDE

EMPRESAS. Estatutos n.º 1616/2005 de 17 de Outubro de 2005 ASSOCIAÇÃO PAIS ENSINO BÁSICO INTEGRADO RIBEIRA GRANDE EMPRESAS Estatutos n.º 1616/2005 de 17 de Outubro de 2005 ASSOCIAÇÃO PAIS ENSINO BÁSICO INTEGRADO RIBEIRA GRANDE Élia da Conceição Borges Correia de Medeiros Duarte, 2.ª ajudante do Cartório Notarial de

Leia mais

Estatutos da Associação de Estudantes

Estatutos da Associação de Estudantes Estatutos da Associação de Estudantes Escola Básica e Secundária de Melgaço A.E.E.B.S.M. CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Designação 1 A associação denomina-se A.E.E.B.S.M. e é uma coletividade

Leia mais

REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA. Proposta

REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA. Proposta ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA Proposta ****** Art. 1 Denominação e natureza 1. É constituída A Rede de Parlamentares

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA MANUEL ANTÓNIO PINA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA MANUEL ANTÓNIO PINA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA MANUEL ANTÓNIO PINA Capítulo I Da Denominação, Objeto, Natureza, Sede, e Fins Artigo 1º - Denominação A ASSOCIAÇÃO DE PAIS E

Leia mais

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos.

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos. Regulamento Interno do Conselho Pedagógico da ESAP (Nº de Membros para o biénio 2013/2015: 14) Aprovado por unanimidade na reunião de 27.02.2014 1. Funcionamento a. O Conselho Pedagógico é composto por

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA SECUNDÁRIA STUART CARVALHAIS

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA SECUNDÁRIA STUART CARVALHAIS REGULAMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO Índice Capítulo Primeiro1 - Constituição, Objectivo, Designação e Afins Artigo 1º... 3 Artigo 2º... 3 Capítulo Segundo - Dos Sócios, Seus

Leia mais

ESTATUTOS DA DELEGAÇÃO NACIONAL PORTUGUESA DA CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ARTIGO 1º

ESTATUTOS DA DELEGAÇÃO NACIONAL PORTUGUESA DA CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ARTIGO 1º ESTATUTOS DA DELEGAÇÃO NACIONAL PORTUGUESA DA CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Fundada em 1934 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ARTIGO 1º 1. A Delegação Nacional Portuguesa da Câmara de Comércio

Leia mais

Estatutos. Capítulo I Disposições fundamentais. Art.1º (Denominação)

Estatutos. Capítulo I Disposições fundamentais. Art.1º (Denominação) Estatutos Capítulo I Disposições fundamentais Art.1º (Denominação) A Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragem e Circulação, abreviadamente designada por APCT, é uma associação que se rege pelos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DA DOR-APED. ESTATUTOS (aprovados em Assembleia Geral de 25 de Janeiro de 2002)

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DA DOR-APED. ESTATUTOS (aprovados em Assembleia Geral de 25 de Janeiro de 2002) ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DA DOR-APED ESTATUTOS (aprovados em Assembleia Geral de 25 de Janeiro de 2002) OBJECTIVOS e SEDE Artigo 1º Parágrafo 1. A Associação Portuguesa para o Estudo da Dor,

Leia mais

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais.

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais. ESTATUTO DA AAPCEU TÍTULO I - DA ENTIDADE Capítulo Único - Da Denominação, Sede e Objeto ART. 1º - A Associação dos Aposentados e Pensionistas da Caixa dos Empregados da Usiminas, doravante denominada

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO "AMIGOS DO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO" CAPÍTULO I. Designação, Fins, Sede e Duração. Artigo 1.º

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO CAPÍTULO I. Designação, Fins, Sede e Duração. Artigo 1.º ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO "AMIGOS DO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO" CAPÍTULO I Designação, Fins, Sede e Duração Artigo 1.º Com a designação de "Amigos do Museu Nacional do Azulejo" é constituída uma associação

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE DIRECÇÃO REG.03_

REGULAMENTO DO CONSELHO DE DIRECÇÃO REG.03_ REG.03_13.07.011 INTRODUÇÃO O Estatuto da Escola Superior de Enfermagem S. Francisco das Misericórdias, determina que cada órgão aprova o respectivo regulamento interno. Como este, tem por base as competências

Leia mais

ESTATUTOS DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE ALCOOLOGIA. Capítulo 1

ESTATUTOS DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE ALCOOLOGIA. Capítulo 1 ESTATUTOS DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE ALCOOLOGIA Capítulo 1 Denominação, sede, duração, constituição e afins Artigo 1.º - (Denominação, sede e duração) A Sociedade adopta a designação de Sociedade Portuguesa

Leia mais

A associação tem como fim...

A associação tem como fim... ASSOCIAÇÃO Artigo 1.º Denominação, sede e duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação, e tem a sede na, freguesia de, concelho de e constitui-se por. 2. A associação tem o número

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA GRANDE IDADE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO REGISTADA SOB O Nº527/2008 CARTÓRIO NOTARIAL DE LOURES 1

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA GRANDE IDADE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO REGISTADA SOB O Nº527/2008 CARTÓRIO NOTARIAL DE LOURES 1 ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA GRANDE IDADE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO REGISTADA SOB O Nº527/2008 CARTÓRIO NOTARIAL DE LOURES 1 CAPITULO I Princípios Gerais Artigo 1º (Natureza e Sede) 1.

Leia mais

FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ

FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ ESTATUTOS: DA FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ Da Denominação, Natureza e Fins CAPITULO I Artigo 1º - 1 A Fundação Aurélio Amaro Diniz é uma Fundação de Solidariedade Social,

Leia mais

CAIS ASSOCIAÇÃO DE SOLIDADRIEDADE SOCIAL ESTATUTOS CAPITULO I GENERALIDADES ARTIGO 1º (DESIGNAÇÃO, DIURAÇÃO E SEDE)

CAIS ASSOCIAÇÃO DE SOLIDADRIEDADE SOCIAL ESTATUTOS CAPITULO I GENERALIDADES ARTIGO 1º (DESIGNAÇÃO, DIURAÇÃO E SEDE) VERSÃO ACTUALIZADA DOS ESTATUTOS DEPOIS DA ALTERAÇÃO DA SEDE SOCIAL, DELIBERADA PELA ACTA Nº 22, DE 26 DE ABRIL DE 2005. ---------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo 2013-2017 O departamento curricular do 1º ciclo, nos termos do Regulamento Interno, aprova o seguinte regimento, definindo as respetivas regras de organização

Leia mais

ESTATUTOS. Secção de Pediatria Ambulatória. da Sociedade Portuguesa de Pediatria

ESTATUTOS. Secção de Pediatria Ambulatória. da Sociedade Portuguesa de Pediatria ESTATUTOS Secção de Pediatria Ambulatória da Sociedade Portuguesa de Pediatria Braga 2009 Artigo 1º Designação Secção de Pediatria Ambulatória da Sociedade Portuguesa de Pediatria (SPA-SPP). Artigo 2º

Leia mais

Clube de Golfe dos Engenheiros

Clube de Golfe dos Engenheiros REGULAMENTO INTERNO Artigo 1.º (Objectivos) Para atingir os objectivos previstos no Artigo 2º dos Estatutos, a Direcção do Clube promoverá: 1. A organização de torneios de golfe em conformidade com as

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Quadriénio 2009/2013 ÍNDICE PREÂMBULO...3 Artigo 1º OBJECTO E ÂMBITO...4 Artigo 2º -COMPOSIÇÃO...4 Artigo 3º -QUADRO DE COMPETÊNCIAS...4 Artigo

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014)

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014) ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo Primeiro A Fundação dos Lions de Portugal é uma

Leia mais

ESTATUTOS LIONS CLUBE DE LISBOA - SETE COLINAS

ESTATUTOS LIONS CLUBE DE LISBOA - SETE COLINAS ESTATUTOS LIONS CLUBE DE LISBOA - SETE COLINAS Capítulo I Princípios Gerais ARTIGO 1 (denominação, sede e objectivos) UM A Associação adopta a denominação LIONS CLUBE DE LISBOA- SETE COLINAS, sendo de

Leia mais

EDUCATIVO DO JUNCAL AVISO

EDUCATIVO DO JUNCAL AVISO AVISO PUBLICAÇÃO DOS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES A Associação de Estudantes dos alunos do Instituto Educativo do Juncal é uma organização que representa os alunos desta escola e defende os interesses

Leia mais

Associação de Atletismo Lebres do Sado

Associação de Atletismo Lebres do Sado Associação de Atletismo Lebres do Sado REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Para orientação, disciplina, actividade e orgânica interna, todos os associados e Orgãos Sociais da Associação de Atletismo Lebres

Leia mais

Estatutos da Associação Casa da Comunidade Portuguesa em Angola

Estatutos da Associação Casa da Comunidade Portuguesa em Angola Estatutos da Associação Casa da Comunidade Portuguesa em Angola Capítulo I Artigo 1.º (Denominação) Com a designação de Associação CASA DA COMUNIDADE PORTUGUESA EM ANGOLA é criada uma Associação, sem fins

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES ESCOLA BÁSICA DOS 2.º E 3.º CICLOS COM ENSINO SECUNDÁRIO DA GUIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GUIA-POMBAL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES ESCOLA BÁSICA DOS 2.º E 3.º CICLOS COM ENSINO SECUNDÁRIO DA GUIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GUIA-POMBAL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES ESCOLA BÁSICA DOS 2.º E 3.º CICLOS COM ENSINO SECUNDÁRIO DA GUIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GUIA-POMBAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Denominação, âmbito

Leia mais

ÍNDICE Duração, denominação e sede 3 Diversificação dos Sócios 3 Órgão da Associação 4,5 Sanções e Recompensas 5,6 Processo de Eleição dos Corpos

ÍNDICE Duração, denominação e sede 3 Diversificação dos Sócios 3 Órgão da Associação 4,5 Sanções e Recompensas 5,6 Processo de Eleição dos Corpos ESTATUTOS ÍNDICE Duração, denominação e sede 3 Diversificação dos Sócios 3 Órgão da Associação 4,5 Sanções e Recompensas 5,6 Processo de Eleição dos Corpos Directivos 6 Disposições Gerais e Transitórias

Leia mais

PARALISIA CEREBRAL-ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DESPORTO ESTATUTOS

PARALISIA CEREBRAL-ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DESPORTO ESTATUTOS P C A N D PP AA RR AA LL I SS I AA CC EE RR EE BB RR AA L AA SS SS OO CC I AA ÇÇ ÃÃ OO NN AA CC I OO N AA LL DD EE DD EE SS PP OO RR TT OO ESTATUTOS Coimbra, Dezembro 2000 1 PARALISIA CEREBRAL-ASSOCIAÇÃO

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Deliberação nº8/vi/01 de 31 de Maio da Mesa da Assembleia Nacional. Artº. 1º (Aprovação) Artº. 2º (Entrada em vigor)

ASSEMBLEIA NACIONAL. Deliberação nº8/vi/01 de 31 de Maio da Mesa da Assembleia Nacional. Artº. 1º (Aprovação) Artº. 2º (Entrada em vigor) ASSEMBLEIA NACIONAL Deliberação nº8/vi/01 de 31 de Maio da Mesa da Assembleia Nacional Artº. 1º (Aprovação) É aprovado ao abrigo da alínea c) do nº 1 do artº. 30º do Regimento da Assembleia Nacional o

Leia mais

EMPRESAS/ASSOCIAÇÕES Constituição de Associação n.º 6/2008 de 7 de Fevereiro de 2008

EMPRESAS/ASSOCIAÇÕES Constituição de Associação n.º 6/2008 de 7 de Fevereiro de 2008 EMPRESAS/ASSOCIAÇÕES Constituição de Associação n.º 6/2008 de 7 de Fevereiro de 2008 AGIRA ASSOCIAÇÃO DE GUIAS INTÉRPRETES REGIONAIS DOS AÇORES Certifico que a presente cópia composta por seis folhas,

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL Proposta de adequação ao novo EOE (Lei n.º 123/2015, de 2 de Setembro) PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL

Leia mais

SOCIEDADE PORTUGUESA DE ESTUDOS EM PSICOLOGIA ONCOLÓGICA REGULAMENTO INTERNO

SOCIEDADE PORTUGUESA DE ESTUDOS EM PSICOLOGIA ONCOLÓGICA REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE PORTUGUESA DE ESTUDOS EM PSICOLOGIA ONCOLÓGICA DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE ESTUDOS EM PSICOLOGIA ONCOLÓGICA PREÂMBULO O presente Regulamento Interno da Sociedade Portuguesa de Estudos em Psicologia

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS

ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA REDE DE MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS REGULAMENTO INTERNO DA REDE DE MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1 (Âmbito)

Leia mais

Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora

Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora O Conselho Geral da Universidade de Évora, adiante designado por Conselho Geral, é o órgão de governo previsto no n.º 1 da alínea a) do artigo 11.º

Leia mais

DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º. Denominação e Duração A CONFECOOP Confederação Cooperativa Portuguesa, CCRL, constituída por escritura de 14 de Abril

DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º. Denominação e Duração A CONFECOOP Confederação Cooperativa Portuguesa, CCRL, constituída por escritura de 14 de Abril ESTATUTOS ALTERAÇÃO TOTAL APROVADA NA ASSEMBLEIA GERAL DE 29 DE DEZEMBRO DE 2015, REGISTADA EM 23 DE FEVEREIRO DE 2016 E PUBLICADA EM HTTP://WWW.MJ.GOV.PT/PUBLICACOES. L Av. Santos Dumont,57, 2º Dtº.,

Leia mais

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Denominação, natureza, duração, sede e fins. Artigo 1º

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Denominação, natureza, duração, sede e fins. Artigo 1º ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, natureza, duração, sede e fins Artigo 1º A Associação Portuguesa para a Protecção dos Arquivos Privados (APPAP) é uma associação sem fins lucrativos, dotada de personalidade

Leia mais

Regimento dos Grupos de Recrutamento 300 e 320 Português e Francês

Regimento dos Grupos de Recrutamento 300 e 320 Português e Francês Regimento dos Grupos de Recrutamento 300 e 320 Português e Francês Art.º 1º Composição e competências O Grupo de Recrutamento tem a composição e as competências determinadas pelo Decreto-lei 75/2008 de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA PRINCÍPIOS GERAIS O presente regulamento define as normas de funcionamento da Assembleia de Parceiros do Grupo de

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º - Denominação e regime jurídico

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º - Denominação e regime jurídico ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Denominação e regime jurídico 1. É constituída a InComunidade Cooperativa de Solidariedade Social CRL, doravante designada como Cooperativa,

Leia mais

ESTATUTOS DA COMISSÃO NACIONAL PORTUGUESA

ESTATUTOS DA COMISSÃO NACIONAL PORTUGUESA ESTATUTOS DA COMISSÃO NACIONAL PORTUGUESA DO ICOM Capítulo I Da origem e dos fins da Comissão Nacional Artigo 1º A Comissão Nacional Portuguesa do ICOM (International Council of Museums), adiante designada

Leia mais

DEPARTAMENTO ENGENHARIA MECÂNICA

DEPARTAMENTO ENGENHARIA MECÂNICA REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO ENGENHARIA MECÂNICA Setembro 2001 REGULAMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CAPÍTULO I Natureza e objectivos Artigo 1º O Departamento de Engenharia Mecânica,

Leia mais

COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO

COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO Regimento Interno Art. 1 º A Comissão de Direito Securitário é composta de: I Membros Efetivos, dentre eles o Presidente, o Vice-Presidente, Secretário e Membros Consultores;

Leia mais

CONSELHO GERAL - REGIMENTO -

CONSELHO GERAL - REGIMENTO - CONSELHO GERAL - REGIMENTO - 2013-2017 Aprovado em reunião plenária de 30 de outubro de 2013 Preâmbulo O Regimento do Conselho Geral do Agrupamento de Escolas de Carcavelos tem por objetivo definir os

Leia mais

ESTATUTOS DO CLUB DESPORTIVO O MACULUSSO

ESTATUTOS DO CLUB DESPORTIVO O MACULUSSO ESTATUTOS DO CLUB DESPORTIVO O MACULUSSO CÁPITULO I ARTIGO 1º CONSTITUIÇÃO, DENOMINAÇÃO, FINS E SEDE O Clube desportivo O Maculusso, designado abreviadamente O MACULUSSO, fundado a 15 de Agosto de 1982

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE APOIO À INFÂNCIA E À TERCEIRA IDADE

ESTATUTOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE APOIO À INFÂNCIA E À TERCEIRA IDADE ESTATUTOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE APOIO À INFÂNCIA E À TERCEIRA IDADE CAPÍTULO I Art.º 1.º O Centro Universitário de Apoio à Infância e à Terceira Idade é uma Associação com fins sociais com sede em

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE MENTAL. Regulamento Interno

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE MENTAL. Regulamento Interno Aprovadoo na Reunião de 24.set.2014 Por unanimidade dos presentes CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE MENTAL Regulamento Interno Artigo 1º Composição do Conselho Nacional de Saúde Mental 1 O Conselho Nacional de

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO EQUESTRE DE SANTO ANDRÉ (CESA) Estatutos do Centro Equestre de Santo André Área de Sines (CESA-AS)

ESTATUTOS DO CENTRO EQUESTRE DE SANTO ANDRÉ (CESA) Estatutos do Centro Equestre de Santo André Área de Sines (CESA-AS) ESTATUTOS DO CENTRO EQUESTRE DE SANTO ANDRÉ (CESA) Estatutos do Centro Equestre de Santo André Área de Sines (CESA-AS) CAPÍTULO UM Da denominação e fins Artº.1º Denomina-se Centro Equestre de Santo André

Leia mais

Regimento do Observatório da Qualidade da Escola (OQE) para o quadriénio 2013/ /17

Regimento do Observatório da Qualidade da Escola (OQE) para o quadriénio 2013/ /17 /3 Regimento do Observatório da Qualidade da Escola (OQE) para o quadriénio 2013/14 2016/17 outubro de 2013 SECÇÃO I OBJETO E ÂMBITO Artigo 1 Objeto e âmbito 1. O Observatório da Qualidade da Escola (OQE)

Leia mais

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art.1 - O GRUPO DO LEITE, da Universidade Federal de Lavras (UFLA), entidade civil, apartidária, sem fins lucrativos,

Leia mais

Agrupamento de Escolas Júdice Fialho Portimão Conselho Geral REGIMENTO. Artigo 1º Objeto Artigo 2º Definição Artigo 3º Composição...

Agrupamento de Escolas Júdice Fialho Portimão Conselho Geral REGIMENTO. Artigo 1º Objeto Artigo 2º Definição Artigo 3º Composição... Agrupamento de Escolas Júdice Fialho Portimão Conselho Geral REGIMENTO Índice Artigo 1º Objeto... 2 Artigo 2º Definição... 2 Artigo 3º Composição... 2 Artigo 4º Eleição... 2 Artigo 5º Competências... 3

Leia mais

REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA

REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DO CENFORMA 2 Artigo 1.º Definição 1. O Regimento Interno da Secção de Formação e

Leia mais

DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL

DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL Aprovado a 29 de Outubro de 2010 CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Objecto 1. O presente Regulamento estabelece os princípios reguladores do processo

Leia mais

Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação. Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal

Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação. Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal CAPÍTULO I Disposições Gerais (Artigo 1º) Definição O Departamento

Leia mais

Código Cooperativo. CAPÍTULO V - Dos Órgãos das Cooperativas. Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro

Código Cooperativo. CAPÍTULO V - Dos Órgãos das Cooperativas. Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Código Cooperativo CAPÍTULO V - Dos Órgãos das Cooperativas Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Alterada pelos DL n.º 343/98 de 6 de Nov., DL n.º 131/99 de 21 de Abril e DL n.º 108/2001 de 6 de Abril. Secção

Leia mais

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS)

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) Preâmbulo De acordo com a legislação em vigor e o regulamento

Leia mais

ESTATUTOS DA PREVENÇÃO RODOVIÁRIA AÇOREANA

ESTATUTOS DA PREVENÇÃO RODOVIÁRIA AÇOREANA ESTATUTOS DA PREVENÇÃO RODOVIÁRIA AÇOREANA Publicados em Jornal Oficial, II Série Número 85, 03/05/2011 CAPÍTULO I Denominação, Sede, Natureza e Objectivos Artigo 1º Sede e duração A Prevenção Rodoviária

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE VISEU. Artigo 1.º Disposições gerais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE VISEU. Artigo 1.º Disposições gerais REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE VISEU Artigo 1.º Disposições gerais O presente regulamento completa as disposições dos estatutos da Escola Superior Agrária

Leia mais

Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná

Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná 1 Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná Capítulo I A Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná e seus Fins Artigo 1º. A Associação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO MAIS CIDADANIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO. (Da denominação, sede, objecto e fins) ARTIGO PRIMEIRO

ASSOCIAÇÃO MAIS CIDADANIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO. (Da denominação, sede, objecto e fins) ARTIGO PRIMEIRO ASSOCIAÇÃO MAIS CIDADANIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO (Da denominação, sede, objecto e fins) ARTIGO PRIMEIRO (Da denominação, natureza jurídica, lei aplicável e duração) UM- A Associação adopta a designação

Leia mais

Associação de Pais Encarregados de Educação dos Alunos da Escola Básica D. Dinis, Odivelas

Associação de Pais Encarregados de Educação dos Alunos da Escola Básica D. Dinis, Odivelas Estatutos Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1º Denominação A APEEDDINIS - Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica D. Dinis, Odivelas, também designada abreviadamente

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS)

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS) Preâmbulo A Resolução do Conselho de Ministros nº197/97 de 18 de Novembro, visa a criação e implementação do Programa. Esta é uma mediada da política social activa, que tem como objectivo desenvolver parcerias

Leia mais

CAPÍTULO I. Artigo 1.º

CAPÍTULO I. Artigo 1.º CAPÍTULO I Artigo 1.º Pelos presentes estatutos é criada a associação de estudantes denominada Associação de Estudantes do Centro de Estudos de Fátima, designado abreviadamente por AECEF, que reger-se-á

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO (Denominação, Natureza e Duração) 1 - A Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome é uma Associação sem fins lucrativos que

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS I DEFINIÇÃO Este Regimento Interno, organizado em conformidade com o Estatuto Social da Ser Educacional S.A. ( Companhia ), estabelece procedimentos a serem observados

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE DOS CURSOS TÉCNICOS DO IFPE RECIFE, 2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO TURISMO DE CASCAIS, VISITORS AND CONVENTION BUREAU CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, FINS, SEDE E DURAÇÃO. Artº 1º

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO TURISMO DE CASCAIS, VISITORS AND CONVENTION BUREAU CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, FINS, SEDE E DURAÇÃO. Artº 1º ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO TURISMO DE CASCAIS, VISITORS AND CONVENTION BUREAU CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, FINS, SEDE E DURAÇÃO Artº 1º Denominação, Natureza, Sede e Duração 1. A associação denomina-se Associação

Leia mais

ESTATUTOS DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO

ESTATUTOS DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO Art. 1 o A Associação Luso-Brasileira de Arabistas (ALBA) é uma sociedade civil, de caráter exclusivamente cultural, com sedes e foros nas cidades do

Leia mais

ESTATUTOS CENTRO SOCIAL DE AZURVA. Capítulo 1. Da denominação, sede e âmbito de acção e fins

ESTATUTOS CENTRO SOCIAL DE AZURVA. Capítulo 1. Da denominação, sede e âmbito de acção e fins ESTATUTOS CENTRO SOCIAL DE AZURVA Capítulo 1 Da denominação, sede e âmbito de acção e fins Artigo 1º - A Associação, denominada Centro Social de Azurva, é uma instituição particular de solidariedade social

Leia mais

Para conhecimento dos Clubes, Árbitros filiados e demais interessados se. informa que a Direção da A.F. Leiria aprovou em sua reunião do dia

Para conhecimento dos Clubes, Árbitros filiados e demais interessados se. informa que a Direção da A.F. Leiria aprovou em sua reunião do dia ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE LEIRIA COMUNICADO OFICIAL N.º 155 Data: 09.12.2015 Para conhecimento dos Clubes, Árbitros filiados e demais interessados se informa que a Direção da A.F. Leiria aprovou em sua

Leia mais

ESTATUTOS DO VOLUNTARIADO TERESA DE SALDANHA. CAPÍTULO I Designação e Sede

ESTATUTOS DO VOLUNTARIADO TERESA DE SALDANHA. CAPÍTULO I Designação e Sede ESTATUTOS DO VOLUNTARIADO TERESA DE SALDANHA CAPÍTULO I Designação e Sede Artigo1º - O Voluntariado Teresa de Saldanha (VTS) é uma Associação formada por jovens e adultos, que se constituiu ao abrigo da

Leia mais

ESTATUTOS DA SOCIEDADE ANÓNIMA Capitulo I. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º

ESTATUTOS DA SOCIEDADE ANÓNIMA Capitulo I. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º ESTATUTOS DA SOCIEDADE ANÓNIMA Capitulo I Firma, sede, objecto e duração Artigo 1º Firma A Sociedade adopta o tipo de Sociedade anónima, com a firma EDAB Empresa de Desenvolvimento do Aeroporto de Beja,

Leia mais

NÚCLEO DE ACTIVIDADES SUBAQUÁTICAS E AR LIVRE ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DOS AÇORES

NÚCLEO DE ACTIVIDADES SUBAQUÁTICAS E AR LIVRE ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DOS AÇORES NÚCLEO DE ACTIVIDADES SUBAQUÁTICAS E AR LIVRE ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DOS AÇORES 30 de Novembro de 2010 NÚCLEO DE ACTIVIDADES SUBAQUÁTICAS E AR LIVRE DA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

APQ ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A QUALIDADE (APQ) CAPÍTULO I Denominação, Duração, Sede, Âmbito e Objeto

APQ ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A QUALIDADE (APQ) CAPÍTULO I Denominação, Duração, Sede, Âmbito e Objeto APQ ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A QUALIDADE (APQ) CAPÍTULO I Denominação, Duração, Sede, Âmbito e Objeto ARTIGO 1º (Denominação, duração, sede e âmbito) A Associação Portuguesa para a Qualidade

Leia mais

Regimento do Conselho Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa

Regimento do Conselho Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa Regimento do Conselho Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza O Conselho Geral é o órgão deliberativo intermédio do Fórum Académico

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA REGULAMENTO INTERNO DA ESCOLA DE MUSICA Artigo 1º Objecto A Associação Cultural Musimax é uma Escola do Ensino Artístico Especializado em Música, e tem como principal objecto o ensino da música. Artigo

Leia mais

3 Consideram -se qualificados para o exercício de funções de administração e gestão os docentes que preencham uma das seguintes condições:

3 Consideram -se qualificados para o exercício de funções de administração e gestão os docentes que preencham uma das seguintes condições: Concurso para Director (a) Agrupamento Vertical de escolas de ferreira de Aves Procedimento concursal: 1 Nos termos do disposto nos artigos 21.º e 22.º, do Decreto Lei n.º 75/2008, de 22 de Abril, e da

Leia mais

Conselho das Comunidades Portuguesas

Conselho das Comunidades Portuguesas Regulamento Interno do Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na América do Norte Aprovado nos termos do número 3 do artigo 39.º-A e do número 1 do artigo 39.º-C da Lei n.º 66- A/2007, de 11 de

Leia mais

Regimento. Conselhos de Turma dos Cursos Profissionais e CEF. Capítulo I Enquadramento, composição e competências. Artigo 1º. Enquadramento.

Regimento. Conselhos de Turma dos Cursos Profissionais e CEF. Capítulo I Enquadramento, composição e competências. Artigo 1º. Enquadramento. Capítulo I Enquadramento, composição e competências Artigo 1º Enquadramento 1. O presente documento estabelece o Regimento Interno de funcionamento dos Profissionais e dos Cursos de Educação e Formação.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO DECISÃO Nº 88/96 D E C I D E TÍTULO I DO CONSELHO TÍTULO II DO FUNCIONAMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO DECISÃO Nº 88/96 D E C I D E TÍTULO I DO CONSELHO TÍTULO II DO FUNCIONAMENTO DECISÃO Nº 88/96 O, em sessão de 18.10.96, D E C I D E aprovar o seu Regimento Interno, como segue: TÍTULO I DO CONSELHO Art.1º- O Conselho Universitário - CONSUN - é o órgão máximo de função normativa,

Leia mais

ESTATUTOS SECÇÃO DE INTERNOS SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANESTESIOLOGIA PORTUGUESE TRAINEE NETWORK (SI/SPA-PTN) Artigo 1º Definição e símbolo

ESTATUTOS SECÇÃO DE INTERNOS SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANESTESIOLOGIA PORTUGUESE TRAINEE NETWORK (SI/SPA-PTN) Artigo 1º Definição e símbolo ESTATUTOS SECÇÃO DE INTERNOS SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANESTESIOLOGIA PORTUGUESE TRAINEE NETWORK (SI/SPA-PTN) Artigo 1º Definição e símbolo 1 - A Seção de Internos da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia

Leia mais

REGULAMENTO DA SECÇAO REGIONAL DO NORTE (SRN) (Artigo 3 do Decreto-Lei nº. 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DA SECÇAO REGIONAL DO NORTE (SRN) (Artigo 3 do Decreto-Lei nº. 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DA SECÇAO REGIONAL DO NORTE (SRN) (Artigo 3 do Decreto-Lei nº. 487/99, de 16 de Novembro) Publicado no Diário da República, m Série, n."26l, de 11 de Novembro de 2003 ÍNDICE Artigo 1º. - Criação,

Leia mais

ESTATUTOS DA A.I.P.I.C.A.

ESTATUTOS DA A.I.P.I.C.A. AI.P.I.C.A ESTATUTOS DA A.I.P.I.C.A. ASSOCIAÇÃO DE INICIATIVAS POPULARES PARA A INFÂNCIA DO CONCELHO DE ALMADA 5 de Novembro de 2012 Instituição Particular de Solidariedade Social Pessoa Colectiva de Utilidade

Leia mais

COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM

COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM 2009 SUMÁRIO TÍTULO I Da denominação, caráter, duração, sede, foro e finalidades... 3 Capítulo I Da denominação,

Leia mais

ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES 1º CEB

ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES 1º CEB ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES 1º CEB 1 Preâmbulo O Conselho de Docentes do 1.º ciclo do ensino básico é uma estrutura constituída para efeitos de avaliação dos alunos. Artigo 1.º

Leia mais

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma.é nomeado/eleito na primeira reunião de Pais e Encarregados de Educação da Turma; Tem participação nos Conselhos de Turma; É a

Leia mais

Aprovado por: Unanimidade Data: 18/02/2010

Aprovado por: Unanimidade Data: 18/02/2010 DELIBERAÇÃO CTC 2/2010 ASSUNTO Aprovação do Regimento Interno do CTC da Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Portalegre Aprovado por: Unanimidade Data: 18/02/2010 Considerando o disposto:

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB SECÇÃO I Definições Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as normas de organização e funcionamento do Conselho Pedagógico da Escola Superior Agrária

Leia mais

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS LEGENDA Texto em NEGRITO: Claúsulas que devem necessariamente constar do Estatuto, por força da Lei nº 9.790/99. Texto em Itálico: observações pertinentes ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CINFÃES Ano Letivo 2012/2013 REGIMENTO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CINFÃES Ano Letivo 2012/2013 REGIMENTO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA REGIMENTO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA Regimento da Comissão de Avaliação Interna Preâmbulo O conteúdo do presente Regimento resulta do desenvolvimento de uma conceção de avaliação justa e cooperativa

Leia mais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Escola Básica 2/3 Martim de Freitas. Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Escola Básica 2/3 Martim de Freitas. Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Escola Básica 2/3 Martim de Freitas Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais 2009/2013 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS REGIMENTO

Leia mais

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO FERNANDO NAMORA DE CONDEIXA-A-NOVA

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO FERNANDO NAMORA DE CONDEIXA-A-NOVA CÓDIGO DA ESCOLA 404457 CONTRIBUINTE Nº: 600074129 RUA LONGJUMEAU 3150-122 CONDEIXA-A-NOVA Telf.: 239940200 Fax: 239941090 Email: info@eps-condeixa-a-nova.rcts.pt REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR

Leia mais