Transportes Rodoviários Pesados de Passageiros

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Transportes Rodoviários Pesados de Passageiros"

Transcrição

1 Transportes Rodoviários Pesados de Passageiros Que políticas para o Sector? Seminário Transporte Rodoviário Transportes & Negócios

2 Sumário O sector dos transportes Principais problemas do sector Conclusões

3 O sector dos transportes Na União Europeia: Representa 10% do PIB da UE Volume de Negócios de 1 trilião de euros / ano Emprega mais de 10 milhões de pessoas

4 O sector dos transportes Entre 1998 e 2010: Prevê-se: 40% a 50% de aumento do PIB da UE Há que quebrar a relação entre taxa de crescimento da economia e o crescimento do sector dos transportes Devemos utilizar com maior intensidade as capacidades de transporte e os sistemas existentes Estima-se em 21% o aumento do tráfego de automóvel de passageiros

5 Sumário O sector dos transportes Principais problemas do sector Conclusões

6 Principais problemas do sector Congestionamentos UE > 7500 quilómetros de estrada (10%) diariamente bloqueados UE > 3 milhões de automóveis por ano Mais Poluição, mais demoras, mais desconforto, mais custos e menor qualidade

7 Principais problemas do sector Poluição UE > Os transportes são responsáveis por 28% das emissões de CO2 UE > 84% do CO2 emitido pelos transportes é da responsabilidade dos veículos rodoviários 98% do transporte depende do petróleo (Quadro 1)

8 Principais problemas do sector 1998 Quadro 1 ( Petróleo dependência ) Sector Transportes Transportes Rodoviários Autocarros U E 25% 20% 0,4% Portugal 31,5% 28% 0,7% Fonte: EUROSTAT

9 Principais problemas do sector Poluição Para respeitar o Protocolo de Quioto a EU terá de reduzir as emissão de GEE em 8% até 2010 No entanto, as emissões dos transportes devem crescer cerca de 40% entre 1990 e 2010

10 Principais problemas do sector Segurança Morrem, em média, 112 pessoas por dia nas estradas da UE Em termos económicos, os acidentes rodoviários na UE representam 2% do seu PIB por ano

11 Principais problemas do sector - Portugal Fontes: Ministério das Finanças, Ministério da Economia, Ministério das Obras Públicas, Transportes e Habitação, INE

12 Principais problemas do sector - Portugal 1991 (%) Portugal AML Principais modos de transporte utilizados pelos indivíduos (activos empregados ou estudantes) Movimentos pendulares Modos de transporte 2001 (%) 46 Transporte individual Transporte colectivo Total 100 Fonte: Instituto Nacional de Estatística / GEP Movimentos Pendulares e organização do Território Metropolitano

13 Principais problemas do sector - Portugal 1991 (%) Portugal AMP Principais modos de transporte utilizados pelos indivíduos (activos empregados ou estudantes) Movimentos pendulares Modos de transporte 2001 (%) 42 Transporte individual Transporte colectivo Total 100 Fonte: Instituto Nacional de Estatística / GEP Movimentos Pendulares e organização do Território Metropolitano

14 Sumário O sector dos transportes Principais problemas do sector Conclusões

15 Planeamento coordenado dos investimentos na rede de transportes Articulação entre Governo, Autarquias e Operadores de Transportes

16 Restrição no acesso aos grandes centros urbanos / zonas congestionadas Promoção da utilização de viaturas menos poluentes Incremento da utilização do transporte público

17 Restrição no acesso aos grandes centros urbanos / zonas congestionadas Em 2003 Londres passou a integrar a lista de cidades europeias com sistema electrónico de cobrança durante a hora de ponta UE está a financiar um conjunto de projectos-piloto (Helsínquia, Edimburgo, Génova e Roma) Aplicação óbvia e necessária nas AML e AMP

18 Promover a utilização de viaturas menos poluentes Criar taxas e impostos que induzam opções de mobilidade mais válidas ambientalmente (kms percorridos, tipo de combustível, poluição gerada) Apoiar a utilização de veículos amigos do ambiente Reduzir as fontes de poluição Inovar na utilização de energias alternativas: o biodiesel deverá representar, até 2010, 6% do combustível ( )

19 Incrementar a utilização do transporte público Equilibrar previamente o sector Promover a intermodalidade Melhorar a sua qualidade Aumentar o investimento Dispersar o tráfego nas horas de ponta Adequar a oferta à procura

20 Incrementar a utilização do transporte público Equilíbrio do sector Criar um regime laboral específico Implementar medidas extraordinárias para a renovação da frota Rever a legislação de acesso à actividade Diferenciar positivamente o sector Rever o sistema tarifário

21 Incrementar a utilização do transporte público Promover a intermodalidade Criar as Autoridades Metropolitanas de Transportes Criar verdadeiros interfaces entre os diversos modos de transporte Ajustar à realidade a disposição geográfica das redes de transporte Harmonizar os sistemas de bilhética

22 Incrementar a utilização do transporte público Melhorar a qualidade do transporte público Contratualizar os serviços Renovar as frotas Aumentar o n.º de vias dedicadas (corredores BUS) Restringir a utilização do transporte individual Generalizar o parqueamento pago, com fiscalização e penalizações

23 Incrementar a utilização do transporte público Aumentar o investimento Melhorar as acessibilidades Modernizar a frota Adquirir inovadores sistemas de bilhética Implementar sistemas de ajuda à exploração Continuar a formar os motoristas

24 Incrementar a utilização do transporte público Dispersar o tráfego nas horas de ponta Reorganizar os horários de trabalho e escolares Implementar medidas de carácter político Discriminar positivamente o transporte público Promover a imagem do transporte público

25 Incrementar a utilização do transporte público Adequar a oferta à procura Revitalizar a mobilidade e criar disponibilidades / sinergias Alteração de horários Reduzir / Aumentar a prestação do serviço Eliminar percursos / circulações

26 Sumário O sector dos transportes Principais problemas do sector Conclusões

27 Conclusões Vontade política e determinação para resolver os problemas em cooperação Nova visão dos transportes urbanos que preveja a utilização racional do transporte individual Melhoria da qualidade dos serviços compensando, assim, o crescimento dos custos da mobilidade

28 Conclusões Um modelo adequado para financiar as infra-estruturas e eliminar os estrangulamentos Coerência entre a política de transportes e as outras fundamentais (económica, ambiental, fiscal, social e do ordenamento do território)

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico Projecto Mobilidade Sustentável Tiago Farias 20 de Junho de 2007 DTEA Transportes,

Leia mais

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO NA UE 1. INTRODUÇÃO 2. SITUAÇÃO ACTUAL 3. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 4. TRANSPORTES ENERGIA E AMBIENTE 5. INFRAESTRUTURAS 6. CONCLUSÕES

Leia mais

1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em curso

1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em curso Política de Cidades Polis XXI Acções Inovadoras para o Desenvolvimento Urbano QREN/ POVT/ Eixo IX Desenvolvimento do Sistema Urbano Nacional 1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em

Leia mais

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado Paula Trindade LNEG Conferência Consumo Sustentável e Alterações Climáticas Alfragide, 26 Novembro 2009 Potencial das Compras Públicas Sustentáveis

Leia mais

DTEA Transportes, Energia e Ambiente 1

DTEA Transportes, Energia e Ambiente  1 DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico DTEA Transportes, Energia e Ambiente http://dtea.ist.utl.pt 1 Veículos e

Leia mais

O Mar no próximo QFP

O Mar no próximo QFP O Mar no próximo QFP 2014-2020 Fórum do Mar José Manuel Fernandes Deputado ao Parlamento Europeu Estratégia Europa 2020 A guia das próximas perspectivas financeiras Estratégia Europa 2020 2020 Crescimento

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa

Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa Objectivos Metodologia Casos de Estudo Proposta de Estratégias Conclusões Desenvolvimentos Futuros Definir estratégias que permitam aumentar

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO-43-2016-01 PRIORIDADES DE INVESTIMENTOS: 4.5 (4e) PROMOÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE BAIXO TEOR DE CARBONO

Leia mais

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Workshop Regional U.M. BRAGA 10 ABRIL 2012 SUMÁRIO Compromissos Estudos e avaliação Intervenções Financiamento e Cooperação Institucional Desafios para Municípios COMPROMISSOS A

Leia mais

PROJETO U-BIKE PORTUGAL

PROJETO U-BIKE PORTUGAL PROJETO U-BIKE PORTUGAL Lisboa Auditório do IRHU 28 de janeiro 2016 PROJETO U-BIKE PORTUGAL Auditório do IRHU 28 jan 2016 1. Enquadramento 2. Objetivos 3. Regulamento Geral do Projeto 4. Protocolo IMT

Leia mais

A política ambiental na fiscalidade dos transportes

A política ambiental na fiscalidade dos transportes A política ambiental na fiscalidade dos transportes O papel da regulação pelo IMTT 18-09-2008 1 Missão O IMTT, I. P., tem por missão regular, fiscalizar e exercer funções de coordenação e planeamento do

Leia mais

Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito

Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito As grandes cidades e áreas metropolitanas encaram o aumento da demanda nos sistemas de transportes, especialmente nas regiões

Leia mais

Abordagens Alternativas para Frotas e Logística Urbana

Abordagens Alternativas para Frotas e Logística Urbana Abordagens Alternativas para Frotas e Logística Urbana O teste de novas soluções de mobilidade sustentável é o caminho para fomentar a utilização e o desenho de novos produtos Estrutura da Comunicação

Leia mais

Mobilidade Sustentável em Meio Urbano Quais as medidas para uma mobilidade sustentável?

Mobilidade Sustentável em Meio Urbano Quais as medidas para uma mobilidade sustentável? Mobilidade Sustentável em Meio Urbano Quais as medidas para uma mobilidade sustentável? MIEC Porto Novembro 2013 Grupo: 11MC01_1 Supervisor: Sara Ferreira Monitores: André Lopes Christopher Ribeiro Delcio

Leia mais

GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES

GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES Medidas Propostas Impacto no Município Plano de mobilidade sustentável para os funcionários da autarquia Formação em eco-condução para os gestores de frotas, motoristas

Leia mais

Eficiência dos Transportes Urbanos e Autoridades Metropolitanas de Transporte

Eficiência dos Transportes Urbanos e Autoridades Metropolitanas de Transporte Research Sectorial Eficiência dos Transportes Urbanos e Autoridades Metropolitanas de Transporte Março 17, 2005 Miguel Frasquilho* * Director-Coordenador Espírito Santo Research Eficiência dos transportes

Leia mais

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra WORKSHOP Combustíveis e veículos alternativos Práticas correntes e futuras linhas de orientação política para o transporte de passageiros (Projecto Alter-Motive) Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Leia mais

Economia de Baixo Carbono: Oportunidade na reforma do sector da energia Maria da Graça Carvalho e Ana Pipio

Economia de Baixo Carbono: Oportunidade na reforma do sector da energia Maria da Graça Carvalho e Ana Pipio Introdução É fundamental adaptarmos o debate europeu e global sobre as alterações climáticas e a segurança energética à missão de construir uma sociedade de baixo carbono. A reforma do sector da é uma

Leia mais

A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA

A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA Os Projetos de Lisboa para 2020 Teresa Almeida A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA Os Projetos de Lisboa para 2020 1. O Quadro Europeu 2. O Quadro Municipal 3. As

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

O PAPEL ESTRATÉGICO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA Jaime Ferreira Lisboa, 19 Abril 2013

O PAPEL ESTRATÉGICO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA Jaime Ferreira Lisboa, 19 Abril 2013 O PAPEL ESTRATÉGICO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA Jaime Ferreira Lisboa, 19 Abril 2013 1. Situação de referência A agricultura é produção de alimentos Contribuir para a preservação da biodiversidade e recursos

Leia mais

Cria um regime fiscal de incentivo à aquisição de bicicletas

Cria um regime fiscal de incentivo à aquisição de bicicletas PROJECTO DE LEI Nº 792/X Cria um regime fiscal de incentivo à aquisição de bicicletas A promoção da mobilidade suave tornou-se um imperativo nos dias de hoje. A opção pela pedonabilidade, pela bicicleta

Leia mais

As Empresas de Serviços Energéticos

As Empresas de Serviços Energéticos As Empresas de Serviços Energéticos Lisboa, Março 2013 Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação Urbana In Smart Grids

Leia mais

Evolução das emissões de CO 2. nos automóveis ligeiros de passageiros em Portugal. PCEEE 22 de Junho 2012

Evolução das emissões de CO 2. nos automóveis ligeiros de passageiros em Portugal. PCEEE 22 de Junho 2012 PCEEE 22 de Junho 2012 Evolução das emissões de CO 2 nos automóveis ligeiros de passageiros em Portugal Mafalda Sousa - Quercus A.N.C.N. Laura Carvalho, Ana Rita Antunes - Quercus A.N.C.N. Francisco Ferreira

Leia mais

Atropelamentos no concelho do Seixal Que factores urbanísticos os influenciam?

Atropelamentos no concelho do Seixal Que factores urbanísticos os influenciam? Atropelamentos no concelho do Seixal Que factores urbanísticos os influenciam? Hugo Leandro Instituto de Geografia e Ordenamento do Território UL CEG-IGOT Plano da apresentação 1. Metodologia 2. Saúde

Leia mais

Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil

Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil 1 Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil Estratégia Nacional de Energia Barragens e Mini-Hídricas Luís Braga da Cruz (FEUP) PORTO 21 de Maio de 2011 2 Índice 1. Estratégia Nacional

Leia mais

Projecto de lei nº 325 /X REGIME DE PREÇOS DE ENERGIA PARA O CONSUMO DOMÉSTICO

Projecto de lei nº 325 /X REGIME DE PREÇOS DE ENERGIA PARA O CONSUMO DOMÉSTICO Projecto de lei nº 325 /X REGIME DE PREÇOS DE ENERGIA PARA O CONSUMO DOMÉSTICO Exposição de motivos O anúncio do aumento do preço de electricidade a partir de 1 de Janeiro de 2007 em 15,7%, que está a

Leia mais

O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário

O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário -Sumário O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário 1.ª Convenção SOGILUB Porque o Óleo tem mais Vidas Enquadramento legal Comunitário nacional Mário Grácio 9 de Novembro de 2010 O sector

Leia mais

O Futuro da Mobilidade. Mobilidade e os ITS: estimular a relação simbiótica

O Futuro da Mobilidade. Mobilidade e os ITS: estimular a relação simbiótica O Futuro da Mobilidade Mobilidade e os ITS: estimular a relação simbiótica 1 Mobilidade Sustentável Enquadramento Transportes Urbanos responsáveis por 40% das emissões de CO2 dos transportes rodoviários

Leia mais

Valorizar os Produtos Locais - Importância dos circuitos curtos

Valorizar os Produtos Locais - Importância dos circuitos curtos Valorizar os Produtos Locais - Importância dos circuitos curtos Seminário Pequenos Investimentos Produzir e vender com Qualidade e Segurança Luís Chaves 01 de setembro de 2016 Rio Maior 1. A Federação

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 784/X CRIA INCENTIVOS FISCAIS À AQUISIÇÃO DE BICICLETA

PROJECTO DE LEI N.º 784/X CRIA INCENTIVOS FISCAIS À AQUISIÇÃO DE BICICLETA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 784/X CRIA INCENTIVOS FISCAIS À AQUISIÇÃO DE BICICLETA Exposição de motivos A bicicleta é hoje reconhecida, a nível internacional e europeu, como um meio de transporte

Leia mais

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO A MISSÃO DO REGULADOR FERROVIÁRIO HOJE E NUM CONTEXTO DE UMA REDE ONDE PODERÃO CIRCULAR MÚLTIPLOS OPERADORES FERROVIÁRIOS DECRETO PRESIDENCIAL 195/10 SEMINÁRIO O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DA ESTRADA. Respostas para as suas dúvidas sobre as novas regras do Código da Estrada

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DA ESTRADA. Respostas para as suas dúvidas sobre as novas regras do Código da Estrada 01 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DA ESTRADA Respostas para as suas dúvidas sobre as novas regras do Código da Estrada Índice Introdução 4 Bicicletas 5/6 Transporte de Crianças 7 Documentos 8 Pagamentos de Coimas

Leia mais

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE Luanda 3 de Fevereiro de 2014 2 Novos Hábitos Sustentáveis Quem deve PARTICIPAR? Adquirir Competências. Partilhar Experiências. Decisores, Directores

Leia mais

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro Programa EaSI É um instrumento de financiamento, a nível europeu, gerido diretamente pela Comissão Europeia, para apoiar o emprego, a política social e a mobilidade profissional em toda a UE Visa contribuir

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

Política de Coesão da UE

Política de Coesão da UE da UE 2014 2020 Propostas da Comissão Europeia da União Europeia Estrutura da apresentação 1. Qual é o impacto da política de coesão da UE? 2. A que se devem as alterações propostas pela Comissão para

Leia mais

Anexo I - Notícia: Desde 2004 que não morriam tantas pessoas no trabalho

Anexo I - Notícia: Desde 2004 que não morriam tantas pessoas no trabalho Anexo I - Notícia: Desde 2004 que não morriam tantas pessoas no trabalho Desde 2004 que não morriam tantas pessoas no trabalho Data: 27-01-2012 Fonte: Diário Notícias Desde 2004 que não morriam tantas

Leia mais

Alexandra Santos Bruno Esteves Diogo Cardoso João Megre Jorge Ribeiro Sérgio Vinha

Alexandra Santos Bruno Esteves Diogo Cardoso João Megre Jorge Ribeiro Sérgio Vinha Alexandra Santos Bruno Esteves Diogo Cardoso João Megre Jorge Ribeiro Sérgio Vinha 1 No âmbito da UC Projeto FEUP vamos abordar os seguintes tópicos: Custos energéticos na viagem Porto Vila Real; Meios

Leia mais

O TRÂNSITO É TÃO IMPORTANTE PARA A VIDA NACIONAL QUE COSTITUI UM NOVO DIREITO, FUNDAMENTAIS, QUE DIZEM COM A PRÓPRIA

O TRÂNSITO É TÃO IMPORTANTE PARA A VIDA NACIONAL QUE COSTITUI UM NOVO DIREITO, FUNDAMENTAIS, QUE DIZEM COM A PRÓPRIA A RESPONSABILIDADE DOS PREFEITOS NA MUNICIPALIZAÇÃO DO TRÂNSITO Prof. Dr. José Leles de Souza Cetran/SC 1 O TRÂNSITO É TÃO IMPORTANTE PARA A VIDA NACIONAL QUE COSTITUI UM NOVO DIREITO, CITADO DENTRE OS

Leia mais

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS MAPUTO, 11 DE MARÇO DE 2013 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

2014 Plano de Formação

2014 Plano de Formação 2014 Plano de Formação Escola de Condução Alto Minho Lda. A Escola de Condução Alto Minho Lda. é neste momento uma empresa certificada pela DGERT de que muito se orgulha a sua direcção. No seguimento deste

Leia mais

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE Telma Manjta MICOA Conteúdo da Apresentação Enquadramento da mitigação dos GEE em Moçambique Prioridades de Mitigação identificadas na ENAMMC Emissões GEE em Moçambique Oportunidades

Leia mais

Apresentação Transversal - MPT

Apresentação Transversal - MPT Apresentação Transversal - MPT Acessibilidade de peões/ ciclistas e espaço público Predominância do TI; As deslocações pedonais no território algarvio nem sempre têm posição de destaque; Quota modal das

Leia mais

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 Enquadramento Na Europa, 60% dos acidentes de trabalho de que resultam mortos são acidentes rodoviários, incluindo os acidentes de trajecto para o trabalho. Acidentes

Leia mais

Porto 15/05/2014. Jorge Jacob Presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária

Porto 15/05/2014. Jorge Jacob Presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Porto 15/05/2014 Jorge Jacob Presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária SUMÁRIO: Código da Estrada Revisto principais alterações em vigor desde 1 de janeiro de 2014 Panorâmica da sinistralidade

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 A Estratégia

Leia mais

Apoio à Economia Circular no Portugal 2020. O caso do PO SEUR. Helena Pinheiro de Azevedo

Apoio à Economia Circular no Portugal 2020. O caso do PO SEUR. Helena Pinheiro de Azevedo Apoio à Economia Circular no Portugal 2020 O caso do PO SEUR Helena Pinheiro de Azevedo ECONOMIA CIRCULAR o que é É uma sociedade que privilegia a Eficiência no Uso de Recursos Naturais Evita o uso e desperdício

Leia mais

Carlos Nascimento Lisboa 16 de Fevereiro de 2012

Carlos Nascimento Lisboa 16 de Fevereiro de 2012 Carlos Nascimento Lisboa 16 de Fevereiro de 2012 Situação Energética nacional Entre 1990 e 2005, o Consumo Energia Primária aumentou 54%, situando-se hoje nos 30% face a 1990 (igual a 1998). Em 2010 o

Leia mais

Recomendação de políticas Sustentabilidade ambiental

Recomendação de políticas Sustentabilidade ambiental Recomendação de políticas A oportunidade Considerando que os datacenters estarão entre os principais consumidores mundiais de energia elétrica até meados da próxima década, o desenvolvimento contínuo de

Leia mais

Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A.

Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A. Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A. _Objectivos e Fins Exploração do serviço público aeroportuário de apoio à aviação civil nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro, bem como no terminal civil de Beja,

Leia mais

Apresentação da AMES

Apresentação da AMES Apresentação da AMES = Objectivos, Visão e Missão = Seminário Serviços Energéticos e contratos de Performance de Energia Guimarães, 14 de Fevereiro de 2011 AGÊNCIA MUNICIPAL DE ENERGIA DE SINTRA Associação

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO DA REPUBLICA PORTUGUESA

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO DA REPUBLICA PORTUGUESA MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO DA REPUBLICA PORTUGUESA E O MINISTÉRIO FEDERAL DE TRABALHO E DE ASSUNTOS SOCIAIS DA REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA Considerando a necessidade

Leia mais

Probabilidade de morte (%) <5% Velocidade do veículo na colisão (km/h)

Probabilidade de morte (%) <5% Velocidade do veículo na colisão (km/h) 30 29 28 27 26 25 24 23 22 21 20 19 18 17 16 15 14 13 12 11 10 98 76 54 32 1 30 Probabilidade de morte (%) 1 0.8 0.6 0.4 0.2

Leia mais

Mobilidade Sustentável. Introdução à temática da Eco-Condução

Mobilidade Sustentável. Introdução à temática da Eco-Condução Mobilidade Sustentável Introdução à temática da Eco-Condução 1 Conceito de Mobilidade Sustentável Definição sumária: é a capacidade de dar resposta às necessidades da sociedade em deslocar-se livremente,

Leia mais

Actividades e Realizações da UE. Actividades e Realizações da UE

Actividades e Realizações da UE. Actividades e Realizações da UE Actividades e Realizações da UE Actividades e Realizações da UE Como gasta a UE o seu dinheiro? Orçamento da UE para 2010: 141,5 mil milhões de euros = 1,20% do Rendimento Nacional Bruto Acção da UE na

Leia mais

Planeamento Integrado de Transportes Uma possibilidade ou uma impossibilidade?

Planeamento Integrado de Transportes Uma possibilidade ou uma impossibilidade? Planeamento Integrado de Transportes (paulo.martins@dec.isel.pt) 1/20 Índice 1. Questões prévias 2. Exemplo 3. O Global é melhor do que o Individual? 4. Que tipos de integração podemos ter? 5. Por onde

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Exposição de motivos Existiam 216 milhões de passageiros de carros na UE a 25 em 2004, tendo o número

Leia mais

Queixas dos transportes Operadores aceitam desafio de melhorar serviço

Queixas dos transportes Operadores aceitam desafio de melhorar serviço 4/19/2016 Queixas dos transportes Operadores aceitam desafio de melhorar serviço Um sistema de transportes coletivo eficiente, bem articulado e intermodal, permitiria as deslocações diárias com um custo

Leia mais

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S.

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. Duarte Objeto da pesquisa Relação entre adensamento, multifuncionalidade

Leia mais

Década de Ação pela. Segurança no Trânsito VEÍCULOS SEGUROS

Década de Ação pela. Segurança no Trânsito VEÍCULOS SEGUROS Década de Ação pela Segurança no Trânsito VEÍCULOS SEGUROS Prof. João M. P. Dias jdias@dem.ist.utl.pt www.dem.ist.utl.pt/acidentes NIAR Núcleo de Acidentes Rodoviários IDMEC Instituto de Engenharia Mecânica

Leia mais

Seminário Os Desafios da Mobilidade Urbana

Seminário Os Desafios da Mobilidade Urbana Seminário Os Desafios da Mobilidade Urbana Fontes de Financiamento para Mobilidade Urbana Estudo de Caso: Transporte sobre Pneus em São Paulo 27.janeiro.2015 Campinas, São Paulo, Brasil Perfil do Sistema

Leia mais

RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS

RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS AGENDA 1 2 3 Situação atual Objetivos Benefícios Estratégia Conclusão Situação atual 3 Fabricantes de vagões de carga 2 Fabricantes de Locomotivas 70 Fabricantes

Leia mais

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável.

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável. 5 ao Dia 2008 Enquadramento Mudança de hábitos alimentares das crianças A televisão, os jogos de computador e a internet têm mudado os hábitos das crianças e jovens, tornando-as mais inactivas, com menos

Leia mais

Investimento e financiamento, a relação com a banca. Luís Rêgo, Banco BPI

Investimento e financiamento, a relação com a banca. Luís Rêgo, Banco BPI 0 Investimento e financiamento, a relação com a banca Luís Rêgo, Banco BPI 1 Eficiência Energética Enquadramento Legal (1/2) 2 Mercado de serviços energéticos (Directiva 2006/32/CE, de 05 de Abril*) Metas

Leia mais

SEGUNDA SESSÃO DA CONFERÊNCIA DA UNIÃO AFRICANA DOS MINISTROS DOS TRANSPORTES DE NOVEMBRO DE 2011 LUANDA, ANGOLA AU/TPT/EXP/2A5 (II)

SEGUNDA SESSÃO DA CONFERÊNCIA DA UNIÃO AFRICANA DOS MINISTROS DOS TRANSPORTES DE NOVEMBRO DE 2011 LUANDA, ANGOLA AU/TPT/EXP/2A5 (II) IE 6145 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE SEGUNDA SESSÃO DA CONFERÊNCIA DA UNIÃO AFRICANA DOS MINISTROS DOS TRANSPORTES 21 25 DE NOVEMBRO DE 2011 LUANDA, ANGOLA UNIÃO AFRICANA P. O. Box 3243, Addis Ababa,

Leia mais

Seminário Protecção do Ambiente e Segurança o caso paradigmático das Forças Armadas e Forças de Segurança. Conclusões

Seminário Protecção do Ambiente e Segurança o caso paradigmático das Forças Armadas e Forças de Segurança. Conclusões Seminário Protecção do Ambiente e Segurança o caso paradigmático das Forças Armadas e Forças de Segurança Conclusões Senhor Secretário de Estado da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar, Demais autoridades

Leia mais

A Regulação e o Desenvolvimento das Energias Renováveis em Cabo Verde

A Regulação e o Desenvolvimento das Energias Renováveis em Cabo Verde AGÊNCIA DE REGULAÇÃO ECONOMICA Seminário Boa Governação em Energias Renováveis 29 de Junho 1 de Julho de 2015 São Tomé e Príncipe A Regulação e o Desenvolvimento das Energias Renováveis em Cabo Verde Apresentação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO CONTÍNUA PARA MOTORISTA DE TÁXI PROGRAMA Duração e calendário do curso O Curso de Formação Contínua de Motorista de Táxi ministrado pela Protaxisó é constituído pela Componente Teórica e Componente

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Fevereiro 2016 ISEG Síntese de Conjuntura, fevereiro 2016 1 SUMÁRIO O crescimento em volume da economia portuguesa ao longo de 2015 (1,5%) mostrou sinais de desaceleração na segunda

Leia mais

Projecto CiViTAS ELAN - PORTO Vereador do Pelouro de Urbanismo e Mobilidade Dr. Gonçalo Gonçalves

Projecto CiViTAS ELAN - PORTO Vereador do Pelouro de Urbanismo e Mobilidade Dr. Gonçalo Gonçalves Projecto CiViTAS ELAN - PORTO Vereador do Pelouro de Urbanismo e Mobilidade Dr. Gonçalo Gonçalves www.cm-porto.pt 0 O que é o Civitas? CiViTAS: City + ViTA + Sustentability É um programa comunitário no

Leia mais

DESTINO: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Enquadramento Legal

DESTINO: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Enquadramento Legal DESTINO: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Enquadramento Legal 1 SUMÁRIO 1. Tipos de Sociedades 2. Sociedades de Responsabilidade Limitada e Sociedades Anónimas 3. Constituição de sociedades 4. Regime

Leia mais

Estratégia do Alto Alentejo

Estratégia do Alto Alentejo Por um Crescimento Sustentável nas Regiões Portuguesas Estratégia do Alto Alentejo TIAGO GAIO Director da AREANATejo Porto, 7 de Junho de 2013 Missão e Objectivos Promover e desenvolver actividades que

Leia mais

Prova de conhecimentos específicos de Economia

Prova de conhecimentos específicos de Economia Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência dos Cursos Superiores do Instituto Politécnico de Leiria dos Maiores de 23 Anos 2011 Prova de conhecimentos específicos

Leia mais

Smart Cities Benchmark Portugal 2015

Smart Cities Benchmark Portugal 2015 Smart Cities Benchmark Portugal 2015 Contexto Mais de 50% da população do mundo vive hoje em zonas urbanas (34% em 1960). 1 Mais de 80% da populção da Europa Ocidental irá viver em zonas em 2020. 2 80%

Leia mais

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 ApresentAção A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 apresenta a visão do empresário do transporte rodoviário

Leia mais

NEWSLETTER Março 2014 TRIBUTAÇÕES AUTÓNOMAS

NEWSLETTER Março 2014 TRIBUTAÇÕES AUTÓNOMAS NEWSLETTER Março 2014 TRIBUTAÇÕES AUTÓNOMAS TRIBUTAÇÕES AUTÓNOMAS Índice 1. TA 2013 3 2. TA 2014 5 3 1. Ano 2013 O artigo 88.º do CIRC especifica as taxas de tributação autónomas aplicáveis ao fecho das

Leia mais

Horizonte 2020 Desafio Societal 6: Europa num mundo em mudança: sociedades inclusivas, inovadoras e reflexivas

Horizonte 2020 Desafio Societal 6: Europa num mundo em mudança: sociedades inclusivas, inovadoras e reflexivas Fundação para a Ciência e Tecnologia Agência de Inovação Horizonte 2020 Desafio Societal 6: Europa num mundo em mudança: sociedades inclusivas, inovadoras e reflexivas Ricardo Migueis Marisa Borges Daniela

Leia mais

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola 1.População e Território 2.Modelo de Desenvolvimento 3.O Desafio da Diversificação 4.O Papel da Logística 5.A Rede de Distribuição 6.O Novo Quadro

Leia mais

TRATOLIXO BREVE SÍNTESE DA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS EM PORTUGAL. Workshop Valorização Energética de Resíduos Verdes Herbáceos

TRATOLIXO BREVE SÍNTESE DA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS EM PORTUGAL. Workshop Valorização Energética de Resíduos Verdes Herbáceos Workshop Valorização Energética de Resíduos Verdes Herbáceos Lisboa (LNEG) TRATOLIXO BREVE SÍNTESE DA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS EM PORTUGAL IEE/12/046/SI2,645700 2013-2016 2 Gestão de resíduos Na

Leia mais

Hyundai celebra a abertura da Primeira Linha Mundial de Produção em Série de veículos com Pilha de Combustível a Hidrogénio (Fuel Cell) Emissões Zero

Hyundai celebra a abertura da Primeira Linha Mundial de Produção em Série de veículos com Pilha de Combustível a Hidrogénio (Fuel Cell) Emissões Zero Hyundai celebra a abertura da Primeira Linha Mundial de Produção em Série de veículos com Pilha de Combustível a Hidrogénio (Fuel Cell) Emissões Zero A Hyundai produz o primeiro ix35 com pilha de combustível

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 128/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 128/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 128/XII Exposição de Motivos A presente proposta de lei visa proceder à transposição da Diretiva n.º 2010/40/UE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 7 de julho de 2010, que estabelece

Leia mais

Apresentação de sugestões para o Marco Regulatório do Transporte Rodoviário de Cargas Audiência Pública 19/11/2015

Apresentação de sugestões para o Marco Regulatório do Transporte Rodoviário de Cargas Audiência Pública 19/11/2015 Apresentação de sugestões para o Marco Regulatório do Transporte Rodoviário de Cargas Audiência Pública 19/11/2015 Nossa expectativa com a criação do Marco Regulatório do Transporte Rodoviário de Cargas

Leia mais

Gestão da Demanda. Parauapebas, Novembro de Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. Ministério das Cidades

Gestão da Demanda. Parauapebas, Novembro de Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. Ministério das Cidades Gestão da Demanda Parauapebas, Novembro de 2014. Apoio: Realização: Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades Introdução Atribuição Local Consonância com a PNMU Espaço

Leia mais

Formação Inicial para motorista de táxi

Formação Inicial para motorista de táxi Formação Inicial para motorista de táxi PROGRAMA Duração e calendário do curso O Curso de Formação Inicial de Motorista de Táxi ministrado pela Protaxisó é constituído pela Componente Teórica e Componente

Leia mais

Energias Renováveis:

Energias Renováveis: Energias Renováveis: o contributo da Investigação e Desenvolvimento. António Joyce Departamento de Energias Renováveis INETI - Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação Estrada do Paço do

Leia mais

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 DMPATO DPU Divisão de Estudos e Planeamento A ALMADA FICHA TÉCNICA Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 Serviço Divisão de Estudos e Planeamento Departamento de Planeamento

Leia mais

PACTO DE AUTARCAS. Anexo à carta CdR 29/2008 EN-CP/MS/EP/if/gc.../...

PACTO DE AUTARCAS. Anexo à carta CdR 29/2008 EN-CP/MS/EP/if/gc.../... PACTO DE AUTARCAS CONSIDERANDO que o Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas confirmou que as alterações climáticas são uma realidade e que a utilização de energia relacionada com actividades

Leia mais

CONVERGÊNCIA DOS PREÇOS MAS NÃO DOS SALÁRIOS E DE RENDIMENTOS ENTRE PORTUGAL E A UNIÃO EUROPEIA

CONVERGÊNCIA DOS PREÇOS MAS NÃO DOS SALÁRIOS E DE RENDIMENTOS ENTRE PORTUGAL E A UNIÃO EUROPEIA Convergência de preços mas não dos salários e dos rendimentos entre Portugal e a U.E. Pág. 1 CONVERGÊNCIA DOS PREÇOS MAS NÃO DOS SALÁRIOS E DE RENDIMENTOS ENTRE E A UNIÃO EUROPEIA RESUMO DESTE ESTUDO Em

Leia mais

Território(s) e Convergência Real Rui Monteiro e Vasco Leite

Território(s) e Convergência Real Rui Monteiro e Vasco Leite Território(s) e Convergência Real Rui Monteiro e Vasco Leite 2 a sessão NORTE & TERRITÓRIO 30 setembro Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro www.ccdr-n.pt/norte-territorio Sumário 1. Território(s)

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL Rui D. Camolino Lisboa, 9 de Julho 2008 1 AGENDA Projecto MATISSE Conclusões do Projecto A Contribuição da Associação ITS

Leia mais

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE Inicialmente, o que é BRT? O BRT (Bus Rapid Transit), ou Transporte Rápido por Ônibus, é um sistema de transporte coletivo de passageiros

Leia mais

O Projecto Solvência II

O Projecto Solvência II 8.ª Reunião do Conselho Nacional do Mercado de Valores Mobiliários O Projecto Solvência II Fernando Nogueira Presidente do Instituto de Seguros de Portugal 20/12/2006 Solvência II Objectivos Incrementar

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 58/XIII/1.ª PROMOÇÃO DO ACESSO A PRODUTOS DA AGRICULTURA DE PRODUÇÃO LOCAL ÀS CANTINAS PÚBLICAS

PROJETO DE LEI N.º 58/XIII/1.ª PROMOÇÃO DO ACESSO A PRODUTOS DA AGRICULTURA DE PRODUÇÃO LOCAL ÀS CANTINAS PÚBLICAS Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 58/XIII/1.ª PROMOÇÃO DO ACESSO A PRODUTOS DA AGRICULTURA DE PRODUÇÃO LOCAL ÀS CANTINAS PÚBLICAS Exposição de motivos No universo público existem diversas cantinas que

Leia mais

PROGRAMA POLIS OUTUBRO

PROGRAMA POLIS OUTUBRO OUTUBRO 2008 1 PROGRAMA POLIS OUTUBRO 2008 2 O PROGRAMA POLIS Objectivos Desígnios Tipologias PLANO ESTRATÉGICO MODELO ORGANIZACIONAL GESTÃO DE PROJECTO OUTUBRO 2008 3 Objectivos Desenvolver grandes operações

Leia mais

Os Transportes: privatização, financiamento e sustentabilidade

Os Transportes: privatização, financiamento e sustentabilidade Os Transportes: privatização, financiamento e sustentabilidade Seminário organizado pela Câmara de Comércio Luso-Belga-Luxemburguesa Modernização dos Sistemas de Transportes: Desafios de Futuro Rosário

Leia mais

% 70 54,5. 2 Inclui atividades de inovação abandonadas ou incompletas

% 70 54,5. 2 Inclui atividades de inovação abandonadas ou incompletas Principais resultados do CIS 214 - Inquérito Figura 1 Atividades de, CIS 212 - CIS 214 () Comunitário à Inovação 7 6 54,5 53,8 Setembro de 216 5 4 3 41,2 44,6 25,9 28,3 35,2 33,5 33, 32,6 26,1 2 A Direção-Geral

Leia mais

Apresentação do SGCIE Sistema de Gestão dos Consumos Intensivos de Energia

Apresentação do SGCIE Sistema de Gestão dos Consumos Intensivos de Energia Apresentação do SGCIE Sistema de Gestão dos Consumos Intensivos de Energia Sector Industrial Carlos Pimparel, DGEG Índice Enquadramento do SGCIE Objectivos e âmbito de aplicação do Sistema de Gestão Organização

Leia mais

CALENDÁRIO DE EXAMES ÉPOCA ESPECIAL TRABALHADOR-ESTUDANTE/FINALISTAS 2013/2014 GESTÃO E INFORMÁTICA

CALENDÁRIO DE EXAMES ÉPOCA ESPECIAL TRABALHADOR-ESTUDANTE/FINALISTAS 2013/2014 GESTÃO E INFORMÁTICA GESTÃO E INFORMÁTICA Introdução à Contabilidade 15-Set. 18h00 1 - Ed.1 10-Set. 18h00 1 - Ed.1 Sistemas de Exploração e Aplicações Informáticas 11-Set. 18h00 CI 1 Métodos Matemáticos Gestão e Organização

Leia mais

II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011

II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011 SEMINÁRIO Pólos e Clusters: Oportunidades e Sinergias com o Setor do Turismo O Mar, um recurso a valorizar nas estratégias de promoção do destino Portugal Coimbra, 23 de Outubro de 2012 Rui Azevedo II

Leia mais