MICROBIOLOGIA. Profa. Dra. Paula A. S. Bastos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MICROBIOLOGIA. Profa. Dra. Paula A. S. Bastos"

Transcrição

1 MICROBIOLOGIA Profa. Dra. Paula A. S. Bastos

2 MICROBIOLOGIA Ementa O curso de Microbiologia destina-se ao auxílio do conhecimento básico e aplicado, colaborando na formação acadêmica e profissional do futuro Médico Veterinário. Objetivos gerais Estudo dos principais microrganismos de interesse em Medicina Veterinária (bactérias, fungos e vírus), enfocando, essencialmente, taxonomia, características morfo-tintoriais e culturais, fatores de virulência, ecologia, sensibilidade e resistência e identificação laboratorial.

3 MICROBIOLOGIA Objetivos específicos Capacitar o aluno a: 1 Conhecer os princípios taxonômicos e a classificação atualizada dos microrganismos; 2 Conhecer as características morfológicas e a biologia dos principais agentes microbianos de interesse em Medicina Veterinária; 3 Conhecer e executar em laboratório as técnicas básicas de isolamento e identificação dos microrganismos; 4 Conhecer os princípios fundamentais e processos de antissepsia, desinfecção e esterilização, aplicando estes conceitos na rotina das aulas práticas e a rotina profissional do médico veterinário; 5 Analisar de forma crítica a sensibilidade e resistência dos microrganismos aos principais antimicrobianos; 6 Aplicar todos os conhecimentos gerais aprendidos em Microbiologia aos principais microrganismos de interesse em Medicina Veterinária.

4 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Introdução Bacteriologia Micologia Virologia Relação hospedeiro-parasita Bactérias Fungos Vírus Básica Importância médico veterinária ria

5

6

7 Importância da estudo da Microbiologia MICROBIOLOGIA e o: Ciclo da matéria orgânica Ciclo do nitrogênio Alimentos Indústria de fármacos e vacinas Microrganismos como agentes de doenças Saúde animal Clínica cirúrgica Produção animal Saúde pública

8 Microbiologia e evolução biológica ORIGEM DA VIDA PROCARIOTAS E EUCARIOTAS; CLASSIFICAÇÃO DOS ORGANISMOS VIVOS (WITTAKER, Reinos) Procaryotae (Monera): procariotas; Protista: eucariotas e 3 tipos de nutrição (fotossíntese, absorção e ingestão); Fungi: eucariota (absorção); Plantae: eucariota (fotossíntese); Animalia : eucariota (ingestão) ORGANISMOS ACELULARES - vírus

9 Controle microbiológico: antissepsia, desinfecção e esterilização Prevenção e controle de doenças Prevenção da deteriorização MICROBICIDA X MICROBIOSTÁTICO Métodos: físicos e químicos

10 Cuidados e segurança em laboratórios de microbiologia Laboratórios segundo os níveis de segurança; Procedimentos e atitudes dentro de um laboratório de aula prática

11

12 BACTERIOLOGIA Morfologia e citologia bacteriana Relação entre estrutura e função na célula bacteriana Fatores de virulência Metabolismo bacteriano Crescimento e reprodução bacterianos Diagnóstico bacteriológico Resistência no ambiente

13 Bacteriologia -aulas práticas BACTERIOLOGIA BÁSICA Características morfo-tintoriais técnica de Gram; Formas de incubação e nutrição bacteriana; Bioquimismo bacteriano; BACTERIOLOGIA APLICADA Prática de semeadura, identificação e confecção e leitura do antibiograma

14

15 MICOLOGIA Morfologia e citologia de fungos Crescimento e reprodução de fungos Metabolismo fúngico Dimorfismo fúngico Principais métodos de diagnóstico de fungos

16 MICOLOGIA aulas práticas Visualização macro e microscópica de fungos; Microcultivo em lâmina;

17

18 VIROLOGIA Características fundamentais dos vírus Multiplicação viral Relação célula-vírus Principais métodos de diagnóstico

19

20 RELAÇÃO PARASITA-HOSPEDEIRO Ecologia de microrganismos - microrganismos saprófitas, patogênicos e oportunistas Genética bacteriana Antibacterianos, antifúngicos e antivirais

21 Relação parasita-hospedeiro aula prática Ação de agentes físicos e químicos sobre bactérias e fungos; Microrganismos ambientais e corpóreos.

22

23 BACTERIOLOGIA APLICADA Cocos Gram positivos. Gêneros Staphylococcus e Streptococcus. Bastonetes Gram positivos. Gêneros Corynebacterium e Bacillus. Bastonetes Gram positivos anaeróbicos. Gênero Clostridium. Bastonetes Gram negativos anaeróbios facultativos. Família Enterobacteriacea. Bastonetes Gram negativos aeróbios. Gêneros Pseudomonas e Brucella. Bactérias Gram negativas vibrióides. Gênero Campylobacter. Espiroquetídeos. Gênero Leptospira. Actinomicetos. Gêneros Mycobacterium e Dermatophilus. Gêneros Mycoplasma, Rickettsia e Chlamydia.

24 Gêneros Staphylococcuse Streptococcus Esquema de abordagem de cada gênero Morfologia e caracteres culturais Metabolismo Ecologia Fatores de virulência Enfermidades (para associar aos FV) Resistência e sensibilidade Diagnóstico laboratorial

25

26 MICOLOGIA APLICADA Leveduras de interesse veterinário. Gênero Candida, Cryptococcus e Malassezia. Fungos dermatófitos. Gêneros Microsporum e Trichophyton. Fungos causadores de micoses profundas. Gêneros Histoplasma e Sporothrix. Fungos oportunistas. Gêneros Penicillium, Aspergillus, Mucor e Rhizopus. Fungos produtores de micotoxinas.

27 Gênero Cryptococcus Esquema de abordagem de cada gênero Taxonomia Principais características Fatores de virulência e patogenicidade Doença (para associar aos FV) Ecologia Resistência e sensibilidade Diagnóstico laboratorial

28

29 VIROLOGIA APLICADA RNA-vírus Família Picornaviridae Família Rhabdoviridae Família Paramyxoviridae Família Togaviridae Família Flaviviridae Família Retroviridae Família Coronaviridae DNA-vírus Família Herpesviridae e Adenoviridae Família Papovaviridae Família Poxviridae Família Parvoviridae

30 Família Picornaviridae Esquema de abordagem de cada gênero Estrutura viral Variação antigênica Multiplicação viral e patogenicidade Doença (para associar à patogenicidade) Resistência e sensibilidade Diagnóstico laboratorial Sorotipo s Subtipo s A 32 O 11 C 5 SAT1 7 SAT2 3 SAT3 4 ASIA1 1 Não há imunidade cruzada 6 a 8 horas: até partículas virais

31 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO (resumido) PARTE BÁSICA Importância da estudo da Microbiologia História da Microbiologia Microbiologia e evolução biológica Cuidados e segurança em laboratórios de microbiologia Controle microbiológico: antissepsia, desinfecção e esterilização Bacteriologia: Morfologia e citologia bacteriana Relação entre estrutura e função na célula bacteriana Fatores de virulência Metabolismo bacteriano Crescimento e reprodução bacterianos Micologia: Morfologia e citologia de fungos Crescimento e reprodução de fungos Metabolismo fúngico Dimorfismo fúngico Principais métodos de diagnóstico de fungos Virologia: - Características fundamentais dos vírus - Multiplicação viral - Relação célula-vírus - Principais métodos de dignóstico em virologia Relação Hospedeiro-Parasita: Ecologia de microrganismos Genética bacteriana Microrganismos saprófitas, patogênicos e oportunistas Antibacterianos, antifúngicos e antivirais. PARTE APLICADA Bacteriologia: Cocos Gram positivos. Gêneros Staphylococcus e Streptococcus. Bastonetes Gram positivos. Gêneros Corynebacterium e Bacillus Bastonetes Gram positivos anaeróbicos. Gênero Clostridium Bastonetes Gram negativos anaeróbios facultativos. Família Enterobacteriacea. Bastonetes Gram negativos aeróbios. Gêneros Pseudomonas e Brucella. Bactérias Gram negativas vibrióides. Gênero Campylobacter. Espiroquetídeos. Gênero Leptospira. Actinomicetos. Gêneros Mycobacterium e Dermatophilus Gêneros Mycoplasma, Rickettsia e Chlamydia. Micologia Leveduras de interesse veterinário. Gênero Candida, Cryptococcus e Malassezia. Fungos dermatófitos. Gêneros Microsporum e Trichophyton. Fungos causadores de micoses profundas. Gêneros Histoplasma e Sporothrix,. Fungos oportunistas. Gêneros Penicillium, Aspergillus, Mucor e Rhizopus. Fungos produtores de micotoxinas Virologia RNA-vírus Família Paramyxoviridae. Família Picornaviridae Família Rhabdoviridae Família Togaviridae Família Flavivirida Família Retroviridae Família Coronaviridae DNA-vírus Família Herpesviridae e Adenoviridae Família Papovaviridae Família Poxviridae Família Parvoviridae.

32 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARTE (total) BÁSICA Importância da estudo da Microbiologia História da Microbiologia Microbiologia e evolução biológica Cuidados e segurança em laboratórios de microbiologia Controle microbiológico: antissepsia, desinfecção e esterilização Bacteriologia: Morfologia e citologia bacteriana Relação entre estrutura e função na célula bacteriana Fatores de virulência Metabolismo bacteriano Crescimento e reprodução bacterianos Micologia: Morfologia e citologia de fungos Crescimento e reprodução de fungos Metabolismo fúngico Dimorfismo fúngico Principais métodos de diagnóstico de fungos Virologia: - Características fundamentais dos vírus - Multiplicação viral - Relação célula-vírus - Principais métodos de dignóstico em virologia Relação Hospedeiro-Parasita: Ecologia de microrganismos Genética bacteriana Microrganismos saprófitas, patogênicos e oportunistas Antibacterianos, antifúngicos e antivirais. PARTE APLICADA Bacteriologia: Cocos Gram positivos. Gêneros Staphylococcus e Streptococcus. Bastonetes Gram positivos. Gêneros Corynebacterium e Bacillus Bastonetes Gram positivos anaeróbicos. Gênero Clostridium Bastonetes Gram negativos anaeróbios facultativos. Família Enterobacteriacea. Bastonetes Gram negativos aeróbios. Gêneros Pseudomonas e Brucella. Bactérias Gram negativas vibrióides. Gênero Campylobacter. Espiroquetídeos. Gênero Leptospira. Actinomicetos. Gêneros Mycobacterium e Dermatophilus Gêneros Mycoplasma, Rickettsia e Chlamydia. Micologia Leveduras de interesse veterinário. Gênero Candida, Cryptococcus e Malassezia. Fungos dermatófitos. Gêneros Microsporum e Trichophyton. Fungos causadores de micoses profundas. Gêneros Histoplasma. Sporothrix, Blastomyces e Coccidioides. Fungos oportunistas. Gêneros Penicillium, Aspergillus, Mucor e Rhizopus. Fungos produtores de micotoxinas Virologia RNA-vírus Família Paramyxoviridae. Família Picornaviridae Família Rhabdoviridae Família Togaviridae Família Flaviviridae Família Reoviridae Família Retroviridae Família Coronaviridae DNA-vírus Família Herpesviridae e Adenoviridae Família Papovaviridae Família Poxviridae Família Parvoviridae. Alga de interesse médico veterinário. Gênero Prototheca.

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de SP Curso de Graduação em Enfermagem Autorização em 04/12/00 Parecer No. 1115/00

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de SP Curso de Graduação em Enfermagem Autorização em 04/12/00 Parecer No. 1115/00 PROGRAMA DA DISCIPLINA DE MICROBIOLOGIA Plano de Ensino Ano Letivo 2012 1º Semestre CHEFE DA DISCIPLINA: Profª Dra. Lycia Mara Jenné Mímica COORDENADOR DO CURSO: CORPO DOCENTE: Profª. Alessandra Navarini

Leia mais

Prof. Maria Alice Z. Coelho www.eq.ufrj.br/biose/courses.html

Prof. Maria Alice Z. Coelho www.eq.ufrj.br/biose/courses.html Prof. Maria Alice Z. Coelho www.eq.ufrj.br/biose/courses.html MICRO microscópio de Robert Hooke (1635-1703) microscópios primitivos de uma lente feitos por van Leeuwenhoek (1632-1723) Fatia fina de cortiça,

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

EXERCÍCIOS DE CIÊNCIAS (7 ANO)

EXERCÍCIOS DE CIÊNCIAS (7 ANO) EXERCÍCIOS DE CIÊNCIAS (7 ANO) 1- Uma das etapas do ciclo de vida é o processo da reprodução. O comportamento reprodutivo varia muito entre os seres vivos e é por meio dele que uma espécie de ser vivo

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO EDITAL FMRP-USP Nº 006/2015

FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO EDITAL FMRP-USP Nº 006/2015 FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO EDITAL FMRP-USP Nº 006/2015 ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO CONCURSO DE TÍTULOS E PROVAS PARA O PROVIMENTO EFETIVO DE 01 (UM) CARGO DE PROFESSOR TITULAR, REFERÊNCIA MS-6,

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA AMBIENTAL MATRIZ 202

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA AMBIENTAL MATRIZ 202 Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA AMBIENTAL MATRIZ 2 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DISCIPLINA/UNIDADE CURRICULAR Resolução 075/09

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 93-CEPE/UNICENTRO, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2009. Aprova o Curso de Especialização em Saúde Pública com Ênfase em Doenças Infecciosas e Parasitárias, modalidade regular, a ser ministrado no Campus

Leia mais

Curso: Biomedicina PROGRAMA DE APRENDIZAGEM

Curso: Biomedicina PROGRAMA DE APRENDIZAGEM Curso: Biomedicina 1º. Semestre: DISCIPLINA: Anatomia Humana I SUPERINTEDÊNCIA B108508 04 1º 80 Estruturas anatômicas. Posição anatômica: planos, eixos e conceitos. Estruturas aplicadas às situações em

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

b) Explique por que eles são considerados parasitas intracelulares obrigatórios.

b) Explique por que eles são considerados parasitas intracelulares obrigatórios. 1º BIM P2 LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS 7º ANO Aluno (a): Professor: Turma: Turno:... Data: / /2014 Unidade: ( ) Asa Norte ( ) Águas Lindas ( )Ceilândia ( ) Gama ( )Guará ( ) Pistão Norte ( ) Recanto das

Leia mais

Instituto Politécnico de Leiria Escola Superior de Saúde

Instituto Politécnico de Leiria Escola Superior de Saúde Instituto Politécnico de Leiria Escola Superior de Saúde Licenciatura em Enfermagem Unidade Curricular de Microbiologia e Doenças Infeciosas Ano letivo 2014-2015 1º Semestre Curso 9500 http://ead.ipleiria.pt/

Leia mais

CITOLOGIA E FISIOLOGIA DA CÉLULA BACTERIANA. Prof a. Dr a. Vânia Lúcia da Silva

CITOLOGIA E FISIOLOGIA DA CÉLULA BACTERIANA. Prof a. Dr a. Vânia Lúcia da Silva CITOLOGIA E FISIOLOGIA DA CÉLULA BACTERIANA Prof a. Dr a. Vânia Lúcia da Silva A primeira pessoa a relatar a observação de estruturas com um microscópio foi o inglês Robert Hooke em 1665 - microscópio

Leia mais

Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Como controlar a mastite por Prototheca spp.? novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP www.marcosveiga.net O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp.

Leia mais

DISCIPLINAS CHP CHS CHST CHSP

DISCIPLINAS CHP CHS CHST CHSP MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA (Bacharelado) Aplicada aos Ingressantes a partir de 2011/1 Turnos Integral Matutino/Vespertino e Integral Vespertino/Noturno 1 o Período BIOLOGIA CELULAR

Leia mais

Esquema de um protozoário Estrutura básica de um Vírus

Esquema de um protozoário Estrutura básica de um Vírus Esquema de uma bactéria Microbiologia Prof. Carlos Jr. A. de Brito Enfermeiro Microbiologia: é o estudo do microrganismos. Microrganismos: são formas de vida, que originalmente, só podem ser vistas com

Leia mais

Raniê Ralph Microbiologia Quarta-feira, 13 de dezembro de 2006. Profa Mariceli. Introdução à Micologia. Características gerais dos fungos

Raniê Ralph Microbiologia Quarta-feira, 13 de dezembro de 2006. Profa Mariceli. Introdução à Micologia. Características gerais dos fungos Quarta-feira, 13 de dezembro de 2006. Profa Mariceli. Introdução à Micologia. Características gerais dos fungos Seres heterotróficos, constituídos por células eucarióticas, não fotossintetizantes e que

Leia mais

Parede celular. Membrana celular

Parede celular. Membrana celular 1. A célula como Unidade Básica de Vida A célula é a unidade básica da vida, uma vez que todos os seres vivos são formados por células. De acordo com o número de células, os seres vivos podem classificar-se

Leia mais

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA TÍTULO: ANÁLISE DE RASPADOS CUTÂNEOS PARA DIAGNÓSTICO DE DERMATOFITOSES EM ANIMAIS ATENDIDOS PELO HOSPITAL VETERINÁRIO (UFRPE) AUTORES: R. F. C. VIEIRA; L. B. G. SILVA; M. L. FIGUEIREDO; R. A. MOTA; A.

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Autorizado pela Portaria no 135, de 29/01/09, publicada no DOU no 21, de 30/01/09, seção 1, pág.

CURSO DE ENFERMAGEM Autorizado pela Portaria no 135, de 29/01/09, publicada no DOU no 21, de 30/01/09, seção 1, pág. CURSO DE ENFERMAGEM Autorizado pela Portaria no 135, de 29/01/09, publicada no DOU no 21, de 30/01/09, seção 1, pág. Componente Curricular: MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Código: ENF - 104 Pré-requisito: ENF

Leia mais

BIOMEDICINA. 1. TURNO: Integral HABILITAÇÃO: Bacharelado em Biomedicina

BIOMEDICINA. 1. TURNO: Integral HABILITAÇÃO: Bacharelado em Biomedicina BIOMEDICINA 1. TURNO: Integral HABILITAÇÃO: Bacharelado em Biomedicina GRAU ACADÊMICO: Biomédico PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 6 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO O curso de Biomedicina tem uma

Leia mais

CONCEITOS GERAIS DE MICROBIOLOGIA

CONCEITOS GERAIS DE MICROBIOLOGIA CONCEITOS GERAIS DE MICROBIOLOGIA Prof. Sharline Florentino de Melo Santos UFPB CT - DEQ PRINCIPAIS ESQUEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DOS ORGANISMOS VIVOS Esquema de classificação Reinos Linnaeus (1753) Plantae

Leia mais

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. N O. DE VAGAS POR PERFIL PERFIL

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. N O. DE VAGAS POR PERFIL PERFIL ANEXO I DEMOSTRATIVO DE CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO,, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. CARGO: TECNOLOGISTA JUNIOR Cód. ÁREA DE ATUAÇÃO N O DE ÁREA 32 Arquitetura 12 Conservação e restauração de conjuntos

Leia mais

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: MEDICINA DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA DISCIPLINA: MICROBIOLOGIA CARGA HORÁRIA: 150 HORAS CRÉDITOS: 07 CÓDIGO: SMP0002 PROFESSOR: CARMEN SARAMAGO

Leia mais

DIAGNÓSTICO CLÍNICO E LABORATORIAL DE OTITE EM CÃO: METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM

DIAGNÓSTICO CLÍNICO E LABORATORIAL DE OTITE EM CÃO: METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM DIAGNÓSTICO CLÍNICO E LABORATORIAL DE OTITE EM CÃO: METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM COSTA 1, Jackeline de Sousa, BERTOLINO 1, Jessica Fernanda, ALVES 2, Luciano Marra, OLIVEIRA 3, Helton Freires, BRAGA 4,

Leia mais

Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior

Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior ESPECIALIZAÇÃO EM MICROBIOLOGIA APLICADA CASCAVEL - 2009 Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior Profa. Vera Lucia Dias Siqueira Bacteriologia Clínica DAC - UEM Sistema Respiratório Pneumonias

Leia mais

Distribuidor: Rua 1º de Dezembro, 1-2625-451 Forte da Casa Tel.: +351 21 956 79 16 - Fax: +351 21 9567915 E-Mail: geral@avizoon.pt

Distribuidor: Rua 1º de Dezembro, 1-2625-451 Forte da Casa Tel.: +351 21 956 79 16 - Fax: +351 21 9567915 E-Mail: geral@avizoon.pt Distribuidor: Rua 1º de Dezembro, 1-2625-451 Forte da Casa Tel.: +351 21 956 79 16 - Fax: +351 21 9567915 E-Mail: geral@avizoon.pt V irkon S Primeiro Desinfetante Veterinário de Amplo Espectro para uso

Leia mais

a) ÁREA DE CONHECIMENTO BÁSICO: História do Pensamento Econômico/História Econômica.

a) ÁREA DE CONHECIMENTO BÁSICO: História do Pensamento Econômico/História Econômica. Campus Governador Valadares Concurso 106: Departamento de Economia Proc. nº 23071.009825/2013-25 Vaga(s): 01(uma) Classe A: Professor Assistente A a) ÁREA DE CONHECIMENTO BÁSICO: Econometria. DAS PROVAS:

Leia mais

MICOLOGIA. Mycos = fungos/cogumelos

MICOLOGIA. Mycos = fungos/cogumelos Micologia ramo da biologia que estuda os fungos. Componente Curricular: Microbiologia e Parasitologia I Profª Mônica I. Wingert Módulo II Turma 201E MICOLOGIA Mycos = fungos/cogumelos FUNGOS Os fungos

Leia mais

INTRODUÇÃO À VIROLOGIA MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO VIRAL. Larissa dos Santos Professora Auxiliar de Virologia larissa.ss@gmail.com

INTRODUÇÃO À VIROLOGIA MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO VIRAL. Larissa dos Santos Professora Auxiliar de Virologia larissa.ss@gmail.com INTRODUÇÃO À VIROLOGIA MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO VIRAL Larissa dos Santos Professora Auxiliar de Virologia larissa.ss@gmail.com APRESENTAÇÃO Site: virologia UFF http://www.proac.uff.br/virologia/ Livros:

Leia mais

Exame de Papanicolaou. para Diagnóstico da Flora. Vaginal

Exame de Papanicolaou. para Diagnóstico da Flora. Vaginal Exame de Papanicolaou para Diagnóstico da Flora Vaginal Meio Vaginal Sistema ecológico em equilíbrio ( @ 10 5-10 7 bact/g secreção) VAGINA Incubadora natural Condições de umidade, temperatura e nutrientes

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS MICRORGANISMOS

CLASSIFICAÇÃO DOS MICRORGANISMOS CONSULTAR Disciplina: Microbiologia Geral CLASSIFICAÇÃO DOS MICRORGANISMOS Microbiologia Tortora, G. J.; Funke, B. R.; Case, C. L.. Capítulo 1 Pag. 2-6 Capítulo 2 Pag. 276-284 Classificação dos microrganismos

Leia mais

Unidade I Energia: Transformação e Conservação Aula 4.2 Conteúdo: O Reino Monera

Unidade I Energia: Transformação e Conservação Aula 4.2 Conteúdo: O Reino Monera A A Unidade I Energia: Transformação e Conservação Aula 4.2 Conteúdo: O Reino Monera A A Habilidades: Identificar as características gerais dos representantes do Reino Monera. Reconhecer a importância

Leia mais

PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS Perceber e utilizar os códigos intrínsecos da Biologia. Relacionar o conhecimento das diversas disciplinas para o entendimento

Leia mais

Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP

Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP Programa Semana Aberta 2011 Organização: Ana Morais, Ana Rito, Ana Filipa Pires, Rita Cordeiro, Marta Barreto, Deborah Penque, Luciana Costa @: info@insa.min-saude.pt

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÙDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÙDE PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÙDE Ensaio para Controle das Doenças Respiratórias Agudas Graves PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA MICROBIOLÓGICA DA QUALIDADE DO AR Protocolo

Leia mais

VÍRUS E BACTÉRIAS. Disciplina: Ciências Série: 6ª série EF - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Vírus e Bactérias

VÍRUS E BACTÉRIAS. Disciplina: Ciências Série: 6ª série EF - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Vírus e Bactérias Disciplina: Ciências Série: 6ª série EF - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Vírus e Bactérias VÍRUS E BACTÉRIAS Vírus e bactérias foram, por muito tempo, juntamente com seres unicelulares

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

CURSO DE BIOMEDICINA TURMA 380116

CURSO DE BIOMEDICINA TURMA 380116 CURSO DE BIOMEDICINA TURMA 380116 MATEMÁTICA APLICADA 25/05 14h00 às 15h40 ANATOMIA HUMANA 26/05 14h00 às 15h40 QUÍMICA GERAL & FÍSICO-QUÍMICA 27/05 14h00 às 15h40 Até dia 10/06 BIOMEDICINA, ÉTICA &LEGISLAÇÃO

Leia mais

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal Você éo que você come(u)! Esta éuma visão do passado Vamos prever o futuro? Você

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA

MEDICINA VETERINÁRIA MEDICINA VETERINÁRIA 1. TURNO: Integral GRAU ACADÊMICO: Médico Veterinário PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Para a boa formação

Leia mais

CIÊNCIAS DESCRITORES

CIÊNCIAS DESCRITORES CIÊNCIAS DESCRITORES 1. BIMESTRE - 2015 4.º ANO Identificar a permeabilidade nos diferentes tipos de solo. Identificar a presença de água no interior do corpo dos seres vivos. Identificar as condições

Leia mais

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS Apesar da diversidade entre os seres vivos, todos guardam muitas semelhanças, pois apresentam material genético (DNA) em que são encontradas todas as informações

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR. Patologia Clínica Veterinária

MATRIZ CURRICULAR. Patologia Clínica Veterinária MATRIZ CURRICULAR No Quadro II está apresentada a estrutura curricular do Curso de Medicina Veterinária da FATENE, distribuída de acordo com os conteúdos essenciais profissionais, definidos pelo Parecer

Leia mais

Microbiologia Clínica

Microbiologia Clínica Microbiologia Clínica A descoberta dos microrganismos Lentes 200 a 300 X As primeiras observações: Leeuwenhoek (em 1677) 1 Leeuwenhoek: microrganismos ("animálculos ) Pasteur (1822-1895) 2 A geração espontânea

Leia mais

Manual de Microbiologia Clínica para o Controle de Infecção em Serviços de Saúde

Manual de Microbiologia Clínica para o Controle de Infecção em Serviços de Saúde Manual de Microbiologia Clínica para o Controle de Infecção em Serviços de Saúde Edição Comemorativa para o IX Congresso Brasileiro de Controle de Infecção e Epidemiologia Hospitalar Salvador, 30 de agosto

Leia mais

DuPontTM Virkon S Definindo a biosseguridade na criação de aves há mais de 25 anos.

DuPontTM Virkon S Definindo a biosseguridade na criação de aves há mais de 25 anos. DuPontTM Virkon S Definindo a biosseguridade na criação de aves há mais de 25 anos. ORIENTAÇÃO PARA APLICAÇÃO E USO DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES E EQUIPAMENTOS Desinfecção de Superfícies Taxa de Diluição

Leia mais

DISCIPLINA: Biologia dos Vegetais Inferiores? O que são VEGETAIS INFERIORES???

DISCIPLINA: Biologia dos Vegetais Inferiores? O que são VEGETAIS INFERIORES??? DISCIPLINA: Biologia dos Vegetais Inferiores? O que são VEGETAIS INFERIORES??? Vegetais inferiores? Vegetais inferiores Classificação dos organismos em cinco Reinos: Reino no. de espécies Monera bactérias

Leia mais

Fatores intrínsecos e extrínsecos que interferem no crescimento microbiano em alimentos

Fatores intrínsecos e extrínsecos que interferem no crescimento microbiano em alimentos Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Fatores intrínsecos e extrínsecos que interferem no crescimento microbiano

Leia mais

BIOLOGIA NO ENEM: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

BIOLOGIA NO ENEM: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BIOLOGIA NO ENEM: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO O ENEM, Exame Nacional do Ensino Médio, em sua versão 2012, apresentará uma redação e 180 questões objetivas, divididas nas quatro áreas do conhecimento: - Ciências

Leia mais

FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS EM ONICOMICOSES

FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS EM ONICOMICOSES Anais da Academia de Ciências e Tecnologia de São José do Rio Preto. 2008: 1(1): FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS EM ONICOMICOSES FERNANDA CRISTOVÂO CATTÂNEO Resumo. As micoses superficiais de pele são

Leia mais

Boas-Vindas aos Novos Alunos de Biologia 2014/2015

Boas-Vindas aos Novos Alunos de Biologia 2014/2015 Boas-Vindas aos Novos Alunos de Biologia 2014/2015 Departmentos Biologia (DBA,) > DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL http://www.fc.ul.pt/pt/dbv http://www.fc.ul.pt/pt/dba > DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE BIOMEDICINA. Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE BIOMEDICINA. Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE BIOMEDICINA Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Fase Cod. Disciplina P.R Carga Horária Teórica Prática

Leia mais

O reino moneraé composto pelas bactériase cianobactérias(algas azuis). Elas podem viver em diversos locais, como na água, ar, solo, parasitas.

O reino moneraé composto pelas bactériase cianobactérias(algas azuis). Elas podem viver em diversos locais, como na água, ar, solo, parasitas. Reino Monera O reino moneraé composto pelas bactériase cianobactérias(algas azuis). Elas podem viver em diversos locais, como na água, ar, solo, dentro de animais e plantas, ou ainda, como parasitas. Existem

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657 TEMAS DE BIOLOGIA MAIS FREQUENTES NO PROCESSO SELETIVO SERIADO (PSS) DA UFPB E OS CONTEÚDOS DE ENSINO DE BIOLOGIA, SEGUNDO OS ORIENTADORES CURRICULARES Alessandro Tomaz Barbosa 1, Marsílvio Gonçalves Pereira

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS Características fisiológicas das bactérias Oxigênio Temperatura Água Concentração hidrogênionica do meio (ph) Oxigênio Temperatura ambiental Grupo Temp. Temp.

Leia mais

Maria Augusta Soares. 15-16 de Dezembro 2010

Maria Augusta Soares. 15-16 de Dezembro 2010 Maria Augusta Soares F ld d de Faculdade d Farmácia F á da d Universidade U d d de d Lisboa L b 15-16 de Dezembro 2010 Panorama Farmacêutico em Portugal Ensino em Ciências i Farmacêuticas Pré graduado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Técnico de Laboratório / Análises Clínicas B D E C B D C B D B D A D C E C A D A E C A B E A C A D E B E B E C C B A E A D Técnico de Laboratório / Química D C A B B B C D A D E B E A E C A D A B E A A

Leia mais

1. Programa Sanitário

1. Programa Sanitário Com metodologia baseada nos princípios da Medicina Veterinária Preventiva, este plano de trabalho foi estruturado para a implantação do Monitoramento Sanitário para Tilapicultura. 1. Programa Sanitário

Leia mais

1 DEFERIDO 1 INDEFERIDO São Luís, 29 de fevereiro de 2008

1 DEFERIDO 1 INDEFERIDO São Luís, 29 de fevereiro de 2008 Edital nº 001/2007, de 21/12/2007. CARGO: PROFESSOR ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIES FINAIS CIÊNCIAS QUESTÃO: 31 O conteúdo referente a esta questão não consta no conteúdo programático do edital. Que seria referente

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : MEDICINA VETERINÁRIA. CRÉDITOS Obrigatórios: 249 Optativos: 12.

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : MEDICINA VETERINÁRIA. CRÉDITOS Obrigatórios: 249 Optativos: 12. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:10:25 Curso : MEDICINA

Leia mais

SELEÇÃO EXTERNA DE PROFESSORES. Cursos de Ciências Biológicas, Engenharia de Alimentos, Farmácia, Fisioterapia e Nutrição EDITAL DE SELEÇÃO

SELEÇÃO EXTERNA DE PROFESSORES. Cursos de Ciências Biológicas, Engenharia de Alimentos, Farmácia, Fisioterapia e Nutrição EDITAL DE SELEÇÃO SELEÇÃO EXTERNA DE PROFESSORES Cursos de Ciências Biológicas, Engenharia de Alimentos, Farmácia, Fisioterapia e Nutrição EDITAL DE SELEÇÃO Os (as) coordenadores (as) dos cursos de Ciências Biológicas,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE BIOLOGIA 1º SEMESTRE

PLANO DE TRABALHO DOCENTE BIOLOGIA 1º SEMESTRE PLANO DE TRABALHO DOCENTE BIOLOGIA 1º SEMESTRE Estabelecimento: Colégio Estadual Cecília Meireles Ensino Médio e Normal Curso: Ensino Médio Professora: Maria Anita dos Santos Série: 1ª Turma: A Ano: 2011

Leia mais

ANEXO I. ÁREAS, FORMAÇÃO, LOTAÇÃO, Nº VAGAS, REGIME DE TRABALHO e CLASSE. A. CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE (Campo Grande - MS)

ANEXO I. ÁREAS, FORMAÇÃO, LOTAÇÃO, Nº VAGAS, REGIME DE TRABALHO e CLASSE. A. CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE (Campo Grande - MS) ANEXO I ÁREAS, FORMAÇÃO, LOTAÇÃO, Nº VAGAS, REGIME DE TRABALHO e CLASSE A. CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE (Campo Grande - MS) (593) Grande Área/ Área: Ciências Biológicas/ Morfologia/ Citologia

Leia mais

Como preparar. Meios comerciais devem ser hidratados. Primeiramente devem ser pesados. Tansferir para um frasco

Como preparar. Meios comerciais devem ser hidratados. Primeiramente devem ser pesados. Tansferir para um frasco MEIOS DE CULTURA Como preparar Meios comerciais devem ser hidratados Primeiramente devem ser pesados Tansferir para um frasco Hidratar em pequena quantidade e misturar Depois deve-se acrescentar o restante

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS Projetos que utilizem microorganismos (bactérias, vírus, viróides, fungos, parasitas, etc.), tecnologias com DNA recombinante (rdna) ou tecidos,

Leia mais

2º ANO PLANO DE DISCIPLINA (PLADIS) PELO ADT BOL INTR / DEP, DE

2º ANO PLANO DE DISCIPLINA (PLADIS) PELO ADT BOL INTR / DEP, DE Fl-1 SISTEMA COLÉGIO MILITAR DO BRASIL COLÉGIO MILITAR DE CURITIBA ENSINO MÉDIO ELABORADO EM 2007 BIOLOGIA 2º ANO CARGA HORÁRIA: 90 HORAS Nr SESSÕES: 120 HORAS-AULA PLANO DE DISCIPLINA (PLADIS) PELO ADT

Leia mais

Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 54 TEÓRICA 36. Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 36. Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 18. Natureza - OBRIGATÓRIA TEÓRICA 36

Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 54 TEÓRICA 36. Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 36. Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 18. Natureza - OBRIGATÓRIA TEÓRICA 36 1 de 6 Nível:BACHARELADO 01 VET101 - Anatomia Veterinária I - Ativa VET102 - Biologia Celular - Ativa desde: VET103 - Bioquímica e Biofísica - Ativa VET104 - Técnica Hospitalar - Ativa desde: VET105 -

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO EM CURSO DE MESTRADO EM 2015/2016 BIBLIOGRAFIA INDICADA PARA

Leia mais

Onde os Biomédicos atuam?

Onde os Biomédicos atuam? Onde os Biomédicos atuam? Os profissionais Biomédicos estão distribuídos por todas as esferas científicas públicas e privadas das universidades, faculdades, centros universitários, institutos de pesquisas,

Leia mais

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Microbiologia Aula 8 1.

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Microbiologia Aula 8 1. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Microbiologia Aula 8 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Vírus:

Leia mais

Editais da FIOCRUZ com oportunidades que incluem Enfermeiros divulgados no Diário Oficial da União

Editais da FIOCRUZ com oportunidades que incluem Enfermeiros divulgados no Diário Oficial da União Editais da FIOCRUZ com oportunidades que incluem Enfermeiros divulgados no Diário Oficial da União Classificação dos Cargos Tecnologista Requisito: Graduação ou Graduação com Especialização, Residência

Leia mais

Procedimento da Higiene das Mãos

Procedimento da Higiene das Mãos HIGIENE DAS MÃOS Pág. 1/7 Objetivo Melhorar as práticas de higiene das mãos dos profissionais de saúde. Reduzir a transmissão cruzada de microrganismos patogénicos. Âmbito Todos os serviços clínicos e

Leia mais

SAÚDE E BEM ESTAR HUMANO E ANIMAL: AÇÕES EM COMUNIDADES CARENTES COMBATENDO A DESIGUALDADE SOCIAL

SAÚDE E BEM ESTAR HUMANO E ANIMAL: AÇÕES EM COMUNIDADES CARENTES COMBATENDO A DESIGUALDADE SOCIAL SAÚDE E BEM ESTAR HUMANO E ANIMAL: AÇÕES EM COMUNIDADES CARENTES COMBATENDO A DESIGUALDADE SOCIAL Área Temática: Saúde Marlete Brum Cleff 1 Tassiane Brasil de Moraes 2 Gabriela de Almeida Capella 2 Débora

Leia mais

MICRORGANISMOS DE INTERESSE EM ALIMENTOS

MICRORGANISMOS DE INTERESSE EM ALIMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA MICROBIOLOGIA DE ALIMENTOS MICRORGANISMOS DE INTERESSE EM ALIMENTOS Profª. Drª. Caroline Costa Moraes BAGÉ 2010 Técnicas microbiológicas aplicadas a microbiologia de alimentos.

Leia mais

Dados a serem fornecidos para inclusão de novas bibliotecas

Dados a serem fornecidos para inclusão de novas bibliotecas Dados a serem fornecidos para inclusão de novas bibliotecas Para exemplos, consulte Serviços>Guia> em: http://www.apcisrj.org Nome da instituição/sigla Nome da biblioteca Endereço completo, com CEP Telefone,

Leia mais

1º PERÍODO A: MEDICINA VETERINÁRIA HORA 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA. Citologia e Histologia

1º PERÍODO A: MEDICINA VETERINÁRIA HORA 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA. Citologia e Histologia 1 1º PERÍODO A: MEDCNA VETERNÁRA HORA 2ª FERA 3ª FERA 4ª FERA 5ª FERA 6ª FERA Anatomia descritiva Citologia e Histologia ntrod. à Med. Vet. e Ciências Humanas e Deontologia Sociais domésticos Anatomia

Leia mais

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp.

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Síntese das investigações desde a descoberta de novos antimicrobianos Final do século XIX: Pasteur efetuou relatos sobre antagonismo entre diferentes

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LABORATÓRIOS ECOLYZER LTDA QUÍMICOS COSMÉTICOS, VETERINÁRIOS,

Leia mais

AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVOS. OBJETIVO GERAL: Especializar, atualizar, aprimorar metodologia e gestão em ambiente e saúde. OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVOS. OBJETIVO GERAL: Especializar, atualizar, aprimorar metodologia e gestão em ambiente e saúde. OBJETIVOS ESPECÍFICOS: AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVOS OBJETIVO GERAL: Especializar, atualizar, aprimorar metodologia e gestão em ambiente e saúde. OBJETIVOS ESPECÍFICOS: 1. Sensibilizar a integração e interdependência saúde /

Leia mais

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica. Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica. Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias SEGURANÇA ALIMENTAR Prevenir a presença de agentes patogénicos nos alimentos agentes biológicos microrganismos parasitas agentes tóxicos origem microbiana origem no

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 6 Preparação aquosa para uso Preparação para uso Contagem de Microrganismos Mesófilos Aeróbios Totais edição, 2010. 5.5.3.1.2 Preparação aquosa para uso Preparação para uso Contagem de Fungos

Leia mais

Por: Leonardo Alex Passo de Paulo PLANO DE ENSINO 1 - INSTITUIÇÃO DE ENSINO: SOLVET DIAGNÓSTICOS VETERINÁRIOS

Por: Leonardo Alex Passo de Paulo PLANO DE ENSINO 1 - INSTITUIÇÃO DE ENSINO: SOLVET DIAGNÓSTICOS VETERINÁRIOS Por: Leonardo Alex Passo de Paulo PLANO DE ENSINO 1 - INSTITUIÇÃO DE ENSINO: SOLVET DIAGNÓSTICOS VETERINÁRIOS Estilo do curso: Curso de extensão para capacitação profissional CURSO: Título do curso: "Curso

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCB UFV MEDICINA VETERINÁRIA. COORDENADORA DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA Paula Dias Bevilacqua paula@ufv.

Currículos dos Cursos do CCB UFV MEDICINA VETERINÁRIA. COORDENADORA DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA Paula Dias Bevilacqua paula@ufv. 88 Currículos dos Cursos do CCB UFV MEDICINA VETERINÁRIA COORDENADORA DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA Paula Dias Bevilacqua paula@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 89 ATUAÇÃO O(a) Médico(a) Veterinário(a)

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina Unidade Curricular: Microbiologia Curso Técnico em Biotecnologia

Instituto Federal de Santa Catarina Unidade Curricular: Microbiologia Curso Técnico em Biotecnologia Instituto Federal de Santa Catarina Unidade Curricular: Microbiologia Curso Técnico em Biotecnologia VIROLOGIA Prof. Me Leandro Parussolo Introdução à Virologia Vírus (latim = veneno ); Classe de agentes

Leia mais

Princ ipa is funç õe s dos mic rorga nis mos na na tureza

Princ ipa is funç õe s dos mic rorga nis mos na na tureza PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL MICROBIOLOGIA APLICADA Princ ipa is funç õe s dos mic rorga nis mos na na tureza Profa.Ana Maria Curado

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

V i a g e m d o á t o m o d e N i t r o g ê n i o

V i a g e m d o á t o m o d e N i t r o g ê n i o V i a g e m d o á t o m o d e N i t r o g ê n i o - c o n s t r u i n d o o c i c l o d o N i t r o g ê n i o - Manual do Professor Atividade adaptada e traduzida da versão original em inglês Voyage of

Leia mais

LOCERYL cloridrato de amorolfina 5%

LOCERYL cloridrato de amorolfina 5% Esmalte Terapêutico para Unhas LOCERYL cloridrato de amorolfina 5% FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO: esmalte terapêutico em frascos com 2,5 ml. A embalagem do produto contém: 1 frasco de vidro âmbar contendo

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLÓGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11

CURSO SUPERIOR DE TECNOLÓGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11 CURSO SUPERIOR DE TECNOLÓGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11 Componente Curricular: Microbiologia e Imunologia Código: --- Pré-requisito: -- Período

Leia mais

Estudo macro e microscópico de fungos filamentosos e leveduriformes

Estudo macro e microscópico de fungos filamentosos e leveduriformes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Estudo macro e microscópico de fungos filamentosos e leveduriformes Objetivos

Leia mais

Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: FARMÁCIA

Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: FARMÁCIA Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: FARMÁCIA Disciplina: MICROBIOLOGIA CLÍNICA Professor: Teresa Gomes de Oliveira Carga horária Ementa 72 HA Código da Disciplina 061.1705.8

Leia mais

1º ANO MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS NATURAIS. Eu um ser no ambiente

1º ANO MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS NATURAIS. Eu um ser no ambiente 1º ANO MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS NATURAIS Eu um ser no ambiente Higiene Corporal Os cinco sentidos Corpo humano Perceber a importância do cuidado com o corpo, da vacinação e da prevenção de acidentes.

Leia mais

Figura 1. Árvore filogenética dos seres vivos

Figura 1. Árvore filogenética dos seres vivos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha Núcleo de Educação a Distância EAD Curso Técnico em Agroindústria Disciplina de Microbiologia de Alimentos Professora Daiane Franchesca Senhor

Leia mais

Turma(s): A11, A12, A13, A14, A21, A22, A23, A24, B11, B12, B13, B14, B21, B22, B23, B24

Turma(s): A11, A12, A13, A14, A21, A22, A23, A24, B11, B12, B13, B14, B21, B22, B23, B24 AULA n.º: 1 Dia 19-02-2016 das 08:00 às 11:00 Apresentação da unidade curricular de Bioquímica e Microbiologia. Organização da disciplina, suas normas pedagógicas e de avaliação. Base Química da Vida:

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS Novembro de 2009 PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS ÍNDICE Pág. I. INTRODUÇÃO... 2 II. ENQUADRAMENTO...

Leia mais

CARGO 89: TERAPEUTA DE FAMÍLIA REQUISITOS

CARGO 89: TERAPEUTA DE FAMÍLIA REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DA ÁREA DE SAÚDE DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LUÍS EDITAL N.º 13/2006 PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LUÍS, DE 29 DE

Leia mais