EMPREGO DO PROGRAMA COMPUTACIONAL ENERGYPLUS NA ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE PROJETO DE HABITAÇÃO VISANDO O CONFORTO TÉRMICO DO USUÁRIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPREGO DO PROGRAMA COMPUTACIONAL ENERGYPLUS NA ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE PROJETO DE HABITAÇÃO VISANDO O CONFORTO TÉRMICO DO USUÁRIO"

Transcrição

1 EMPREGO DO PROGRAMA COMPUTACIONAL ENERGYPLUS NA ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE PROJETO DE HABITAÇÃO VISANDO O CONFORTO TÉRMICO DO USUÁRIO Adriana Camargo de Brito a, Maria Akutsu a, Arlindo Tribess b a Laboratório de Conforto Ambiental e Sustentabilidade do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo, Av. Prof. Almeida Prado, 532, Cidade Universitária, , São Paulo, SP, b Departamento de Engenharia Mecânica da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, Av. Prof. Mello Moraes 2231, Cidade Universitária, , São Paulo, SP, Brasil, Palavras Chave: Simulação computacional, Conforto ambiental, Desempenho térmico Resumo. Atualmente é crescente o uso de ferramentas computacionais para a modelagem do desempenho térmico e energético de edificações. Programas que levam em conta o regime transiente das trocas de calor entre o edifício e o ambiente exterior permitem modelar fenômenos relativos aos ganhos e perdas de calor pelos componentes da edificação, ventilação dos ambientes, trocas de calor por radiação entre as superfícies internas, com resultados bastante confiáveis quanto à resposta térmica da edificação. No Brasil, estas ferramentas são utilizadas, geralmente, para a avaliação do desempenho térmico e energético de edifícios em fase final de projeto ou já concluídos. Essas avaliações visam verificar o atendimento de exigências relacionadas à eficiência energética de edifícios em certificações ambientais ou para a obtenção de financiamentos, no caso de edifícios habitacionais. A avaliação tardia do desempenho dos edifícios torna difícil a possibilidade de alterar o projeto quando são constatados resultados desfavoráveis nas simulações. Este artigo apresenta um estudo de caso ilustrando impactos das decisões do projetista no desempenho térmico de habitação não climatizada evidenciando-se a influência de diferentes opções de projeto no conforto térmico do usuário, utilizando-se o programa EnergyPlus. Verificou-se que a edificação com o sistema construtivo com maior inércia térmica possui melhor desempenho térmico e propicia melhores condições de conforto térmico ao usuário em comparação com a edificação com o sistema construtivo com baixa inércia térmica. Para as condições climáticas da cidade de São Paulo, atingir o nível mínimo de desempenho térmico (NBR ) não garante o conforto térmico (ISO 7730), o que se consegue apenas com o atendimento dos níveis intermediário e superior.

2 1 INTRODUÇÃO Dependendo das características arquitetônicas e dos materiais empregados em uma edificação, a sua interação com o clima do local pode produzir impactos negativos no consumo de energia de edifícios climatizados e no conforto térmico dos usuários em edifícios não climatizados (Brito et. al., 2010a). Em um edifício sem grandes fontes internas de geração de calor a envoltória é a principal responsável pela demanda de carga térmica dos sistemas de climatização e em edifícios não climatizados, pelas condições internas que irão repercutir no conforto térmico do usuário. Dentre as variáveis climáticas que interferem na resposta térmica de um edifício, as mais importantes são a temperatura, a umidade relativa e a velocidade do ar e a radiação solar global. Entre estas, destaca-se a amplitude diária da temperatura do ar por estar relacionada à demanda por capacidade térmica da edificação, tendo em vista a obtenção de melhores condições de conforto térmico. Em locais com amplitude diária da ordem de 10 o C, como ocorre em parte considerável do território brasileiro, para que o edifício tenha um desempenho térmico adequado é necessário que os componentes da envoltória possuam capacidade térmica apropriada (Brito et. al., 2010b; Brito et. al., 2011). Nos edifícios brasileiros construídos após a década de 1970, há uma tendência de utilização de sistemas construtivos racionalizados com componentes leves. No setor habitacional esse fator é ainda mais evidente devido à necessidade de se construir muitas unidades rapidamente para suprimir parte do déficit habitacional de 5,8 milhões de unidades (Ministério das Cidades, 2010). Embora possua vantagens construtivas, a baixa capacidade térmica dos componentes requer maiores cuidados no projeto dos edifícios, dependendo do clima do local de sua implantação. A fase de projeto é decisiva para a determinação do desempenho térmico do edifício e do seu reflexo no consumo de energia e no conforto térmico do usuário. Todavia, nem sempre são considerados os fatores relativos à adequação dos materiais e da geometria da edificação ao clima do local. É freqüente priorizar aspectos estéticos ou os que facilitam a execução em detrimento de questões relacionadas ao desempenho térmico da edificação. Esta negligência no desenvolvimento do projeto pode repercutir em maiores dispêndios financeiros para a correção de problemas no edifício construído. Dessa forma, é importante o conhecimento do desempenho térmico potencial da edificação ainda na fase do projeto, identificando-se os fatores que precisam ser aprimorados antes da sua finalização (Ochoa e Capelutto, 2009; Petersen e Svendsen, 2010). Nesse sentido, as ferramentas de simulação computacional do desempenho térmico e energético de edifícios podem auxiliar na tomada de decisões durante o desenvolvimento do projeto (Ellis e Mathews, 2001; Struck e Hensen, 2007; Wilde, et al., 2001). Há diversas ferramentas computacionais para a avaliação do desempenho térmico e energético de edifícios, das quais é importante selecionar a que irá fornecer resultados mais confiáveis de acordo com os fenômenos que se pretende simular. Para a escolha da ferramenta mais adequada é necessário ter conhecimento sobre o modelo matemático utilizado na determinação das trocas de calor entre o edifício e o meio exterior. O modelo matemático está diretamente relacionado às condições climáticas e de ocupação que se deseja simular. Em locais com clima tropical é necessário que o modelo matemático considere as condições dinâmicas de troca de calor entre os elementos da edificação e o meio exterior (Akutsu e Vittorino, 1999), abordando detalhadamente as variações da temperatura do ar e da radiação solar incidente nas superfícies. O programa EnergyPlus (USDOE, 2010), por exemplo, cumpre satisfatoriamente esta função e permite a obtenção de resultados bastante confiáveis,

3 possibilitando analisar e comparar várias soluções de projeto, durante o seu desenvolvimento. Contudo, ferramentas como esta ainda não estão sendo empregadas em larga escala pelos arquitetos durante o desenvolvimento do projeto. No Brasil, é mais freqüente o uso destes programas para a avaliação do desempenho energético de grandes edifícios comerciais climatizados, visando a obtenção de certificações ambientais como o LEED (USGBC, 2011) e para a avaliação do desempenho térmico de edifícios habitacionais não climatizados, no âmbito do SINAT, para a obtenção de financiamentos por órgãos governamentais (Cleto et. al., 2008). Neste trabalho é evidenciado o potencial do emprego do programa EnergyPlus no auxílio à tomada de decisões durante o desenvolvimento de um projeto habitacional em São Paulo, ilustrando os impactos da escolha do sistema construtivo e de diferentes opções de projeto no conforto térmico do usuário. 2 MÉTODO O objeto de estudo deste trabalho é um sobrado não climatizado em fase de projeto. Foi empregado o Programa EnergyPlus para a determinação dos valores horários da temperatura do ar e das temperaturas superficiais com determinação das temperaturas radiantes médias que interferem no conforto térmico do usuário no interior dos recintos (Fanger, 1972). Nas simulações foram utilizados dados climáticos dos dias típicos de projeto de verão e de inverno da cidade de São Paulo (Tabela 1) (ABNT, 2007). 2.1 Descrição da edificação A habitação analisada consiste em um sobrado, com sala de estar, sala de jantar e cozinha no pavimento térreo e três dormitórios no pavimento superior, conforme projeto apresentado na Fig. 1. Considerou-se o emprego de dois sistemas construtivos, cujas características mais relevantes para a análise do desempenho térmico da edificação estão descritas a seguir: Sistema 1 (denominado S1 nos gráficos e tabelas): o Paredes externas: tijolo cerâmico maciço, assentado na maior dimensão, com dimensões 10,0 cm x 6,0 cm x 22,0 cm, com as faces revestidas com argamassa com espessura de 2,5 cm e acabamento na cor branca. A espessura total da parede é de 27,0 cm; o Paredes internas compostas por tijolo cerâmico maciço, assentado na menor dimensão, com dimensões 10,0 cm x 6,0 cm x 22,0 cm, com as faces revestidas com argamassa com espessura de 2,5 cm. A espessura total da parede é de 15,0 cm; o Cobertura constituída por forro horizontal de concreto tradicional, com espessura de 15,0 cm, e telhado com telhas cerâmicas com espessura de 2,0 cm, com face inferior com subcobertura com baixa emissividade; o Piso do pavimento superior, constituído por laje de concreto tradicional, com espessura de 15,0 cm e revestimento com placas cerâmicas; o Piso do pavimento térreo composto por contra-piso de argamassa com espessura de 5,0 cm e revestimento com peças cerâmicas. o Janelas com dimensões 1,0 m x 1,0 m, com vidro simples, transparente, com espessura de 3,0 mm, sem venezianas e portas de madeira.

4 Tabela 1: Dados de temperatura do ar e radiação solar global incidente em superfície horizontal, para os dias típicos de verão e de inverno na cidade de São Paulo. São Paulo Temperatura máxima diária ( o C) Amplitude térmica diária ( o C) Temperatura de bulbo úmido ( o C) Radiação solar global diária (Wh/m 2 ) Verão 31,8 9,2 21, Inverno 16,2 10,0 13, Fonte: ABNT, 2007 Figura 1: Projeto arquitetônico do sobrado (Fonte: Modificado de CDHU, 1997) Sistema 2 (denominado S2 nos gráficos e tabelas): o Paredes externas: face voltada para o exterior composta por placa cimentícia, com espessura de 3,0 cm e acabamento na cor branca, espaço de ar confinado com espessura de 9,0 cm e placa de gesso acartonado com espessura de 1,2 cm; o Paredes internas compostas por placas de gesso acartonado, com espessura de 1,2 cm, separadas por espaço de ar confinado com espessura de 9,0 cm; o Cobertura constituída por forro horizontal de gesso acartonado, com espessura de 1,2 cm, com lã de rocha com espessura de 5,0 cm sobre o forro e telhado com telhas cerâmicas com espessura de 2,0 cm, com face inferior com subcobertura com baixa emissividade; o Piso do pavimento superior, constituído por contra-piso de argamassa com 5 cm de espessura, revestido com placas cerâmicas, sobre placas de madeira prensada com espessura de 2,0 cm, apoiadas em vigas metálicas; o Piso do pavimento térreo composto por contra-piso de argamassa com espessura de 5,0 cm e revestimento com placas cerâmicas. o Janelas com dimensões 1,0 m x 1,0 m, com vidro simples, transparente, com espessura de 3,0 mm, sem venezianas e portas de madeira. As propriedades térmicas dos materiais estão apresentadas na Tabela 2.

5 Tabela 2: Propriedades térmicas dos materiais utilizados na habitação Material Massa específica (kg/m 3 ) Condutividade (W/(m.K)) Calor Específico (kj/(kg.k)) Argamassa ,15 1,0 Cerâmica ,90 0,9 Concreto ,75 1,0 Gesso Acartonado ,35 0,8 Lã de rocha 100 0,04 0,8 Madeira 700 0,12 1,6 Fonte: ABNT, 2005 No presente trabalho serão analisados os ambientes de longa permanência, sala e dormitório, conforme especificado na Norma ABNT NBR (2008). Dentre os dormitórios e salas, foram considerados aqueles com condições térmicas mais críticas, ou seja, com maior área de exposição à radiação solar direta. Estes ambientes estão indicados como Dormitório 1 e Sala de Estar no projeto apresentado na Fig Condições analisadas A edificação foi simulada com e sem fontes internas de calor. Na Tabela 3 são apresentadas as fontes de calor consideradas por ambiente, indicando a atividade metabólica das pessoas e horários de permanência e a potência dos equipamentos e horários de funcionamento. Na Tabela 4 é indicado o isolamento da vestimenta nos períodos de verão e inverno conforme as atividades metabólicas das pessoas. Na Tabela 5 é apresentado um resumo das tipologias arquitetônicas consideradas nas simulações e as condições de sombreamento, ventilação (renovação de ar), velocidade do ar no interior dos ambientes e presença de fontes internas de calor. Tabela 3: Fontes de calor nos ambientes Sala Quantidade [W] Horário Dormitório Quantidade [W] Horário Pessoas 2 120* 24h 80** 21h-07h Pessoas 2 Iluminação h-06h 120* 08h-20h Televisão h-24h Iluminação h-20h *pessoa em atividade leve; **pessoa dormindo Tabela 4: Atividade metabólica das pessoas e isolamento da roupa Isolamento da roupa [Clo] Metabolismo [W] Verão Inverno 120 0,5 1,5 80 1,0 2,5

6 Tabela 5: Resumo das tipologias arquitetônicas e condições analisadas Tipologias consideradas Sombreamento das janelas Condições analisadas Ventilação dos ambientes [Ren/h] Velocidade do ar nos ambientes [m/s] Fontes internas de calor S1 S2 Beirais 1 0,1 Não S1 F S2 F Beirais 1 0,1 Sim S1 SOMB S2 SOMB Beirais + venezianas 1 0,1 Não S1 SOMB F S2 SOMB F Beirais + venezianas 1 0,1 Sim S1 SOMB VENT S2 SOMB VENT Beirais + venezianas 5 1,0 Não S1 SOMB VENT F S2 SOMB VENT F Beirais + venezianas 5 1,0 Sim 2.3 Critérios de avaliação Os resultados das simulações foram analisados com base nas Normas ISO 7730 (2005), referente ao conforto térmico humano, e ABNT NBR (2008), que estabelece critérios mínimos de desempenho para habitações de até cinco pavimentos. Na Norma ISO 7730 (2005) são apresentados critérios para a avaliação do conforto térmico fundamentados no método de Fanger (1972), que estabelece a relação entre o ambiente térmico e a sensação térmica humana, quantificada por meio do PMV - Predicted Mean Vote (Voto Médio Estimado) e do PPD Predicted Percentage of Dissatisfied (Porcentagem de Pessoas Insatisfeitas), onde: PMV é um índice baseado no balanço térmico do corpo humano e no voto dado por um grupo de pessoas de acordo com a sensação térmica propiciada pelas condições ambientais (Tabela 6); O PPD corresponde à porcentagem de pessoas insatisfeitas com as condições térmicas relacionadas aos valores do PMV. Tabela 6: Escala de sensação térmica Valor do voto Sensação Térmica + 3 Muito quente +2 Quente +1 Leve sensação de calor 0 Neutro -1 Leve sensação de frio -2 Frio -3 Muito frio No anexo A da Norma ISO 7730 (2005) também são apresentadas exigências segundo três categorias de ambientes térmicos: A, com porcentagem de pessoas insatisfeitas PPD < 6%, que corresponde a valores de PMV entre -0,2 e +0,2; B, com porcentagem de pessoas insatisfeitas PPD < 10%, que corresponde a valores de PMV entre -0,5 e +0,5; C, com porcentagem de pessoas insatisfeitas PPD < 15%, que corresponde a valores de PMV entre -0,7 e +0,7.

7 No presente trabalho são abordados apenas os aspectos referentes às condições térmicas do corpo como um todo, devido às características da habitação avaliada, cujos recintos não apresentam assimetrias significativas quanto ao ambiente térmico, sendo considerados homogêneos. Os valores de PMV foram utilizados como referência para a comparação das diferentes soluções de projeto da habitação, descritas nos itens 2.1 e 2.2 e para a verificação do atendimento dos requisitos de conforto térmico. Foram determinados os valores horários do PMV para o Dormitório 1 e para a Sala de estar, nos dias típicos de verão e de inverno, calculados pelo programa EnergyPlus, de acordo com a Norma ISO 7730 (2005), conforme as tipologias e condições apresentadas no item 2.2. Na Norma ABNT NBR (2008), utilizada como referência para a avaliação do desempenho térmico da edificação, são apresentados requisitos para avaliação do desempenho de edifícios habitacionais não climatizados de até cinco pavimentos. Nesta norma a edificação pode ser avaliada por meio de simulações computacionais com uso de programas que considerem condições dinâmicas de trocas de calor entre a edificação e o ambiente externo. A edificação deve ser simulada sem fontes internas de calor. No caso de projeto de habitação devem ser considerados os dias típicos de projeto de verão e de inverno do local onde a edificação será construída. Devem ser consideradas condições de ventilação com 1 ou 5 Ren/h (renovações do volume de ar do ambiente por hora). Para estas condições considerou-se velocidades do ar correspondentes, respectivamente a 0,1 e 1,0 m/s nos ambientes interiores. Quanto ao sombreamento das janelas, pode ser utilizado elemento que permita diminuir a radiação solar incidente em 50%, como veneziana ou cortina por exemplo. O nível de desempenho térmico da edificação é indicado em função do seu comportamento nos dias típicos de verão e de inverno, segundo três níveis: M (Mínimo), I (Intermediário) ou S (Superior), adotando-se como parâmetro de avaliação a temperatura do ar interior. Para a cidade de São Paulo, os critérios referem-se aos períodos de verão e inverno, conforme disposto a seguir: Verão: o Nível "M": quando o valor máximo diário da temperatura do ar interior é menor ou igual ao valor máximo diário da temperatura do ar exterior e maior que o valor limite estipulado para o nível I ; o Nível "I": quando o valor máximo diário da temperatura do ar interior é pelo menos 2 o C menor que o valor máximo diário da temperatura do ar exterior e maior que o valor limite estipulado para o nível S ; o Nível "S": quando o valor máximo diário da temperatura do ar interior é pelo menos 4 o C menor que o valor máximo diário da temperatura do ar exterior; Inverno: o Nível "M": quando o valor mínimo diário da temperatura do ar interior é pelo menos 3 o C maior que o valor mínimo diário da temperatura do ar exterior e menor que o valor limite estipulado para o nível I ; o Nível "I": quando o valor mínimo diário da temperatura do ar interior é pelo menos 5 o C maior que o valor mínimo máximo diário da temperatura do ar exterior e menor que o valor limite estipulado para o nível S ; o Nível "S": quando o valor mínimo diário da temperatura do ar interior é pelo menos 7 o C maior que o valor mínimo diário da temperatura do ar exterior.

8 3 ANÁLISE DOS RESULTADOS Na Figura 2 são apresentados os resultados referentes às temperaturas do ar interno e externo nos dias típicos de verão e inverno, com o sistema construtivo S1 e diferentes condições de sombreamento, ventilação e fontes internas de calor. Na Figura 3 são apresentadas as mesmas propriedades, com o uso do sistema construtivo S2. Observa-se que nas situações apresentadas nas Fig. 2, há uma tendência de diminuição das amplitudes térmicas diárias das temperaturas do ar interior em relação ao exterior, fator que ressalta as propriedades de inércia térmica da edificação. Na Figura 3, as amplitudes diárias das temperaturas do ar interior são muito próximas às do ar exterior, o que indica baixa inércia térmica da edificação. Figura 2: Temperaturas do ar no inverno para a tipología S1 com fontes internas de calor ( F ), com e sem sombreamento ( Somb ) e sem ventilação, no verão e inverno

9 Figura 3: Temperaturas do ar no verão para a tipología S2 com fontes internas de calor ( F ), com e sem sombreamento ( Somb ), com e sem ventilação ( Vent ), no verão e inverno. Nas Figuras 4 e 5 são apresentados os resultados referentes ao Voto Médio Estimado (PMV) para os ambientes Dormitório 1 e Sala de Estar, com emprego dos sistemas construtivos S1 e S2.

10 Horário [h] Verão: S1 F Inverno: S1 F Verão: S2 F Inverno: S2 F Legenda 13 Verão Inverno Dorm.: Met Met. 80 W = Clo 80W, 1 1 Clo Dorm.: Met Met. 80 W = Clo 80W, 1 2,5 Clo 11 Dorm.: Met Met. 110 = W 110W, Clo 0,5 0,5 Clo Dorm.: Met Met. 110 = W 110W, Clo 0,51,5 Clo S2 9Sala: F 110 Met. W 0,5 = 120W, Clo 0,5 Clo S2 Sala: F 110 Met. W 0,5 = 120W, Clo 1,5 Clo 7 Figura 4: Voto Médio Estimado Horário PMV das tipologias S1 e S Voto Médio Estimado - PMV Voto Médio Estimado - PMV

11 Horário [h] Verão: S1 Somb Vent F Inverno: S1 Somb F Verão: S2 Somb Vent F Inverno: S2 Somb F Legenda Verão 13 Dorm.: Met Met. 80 W = Clo 80W, 1 1 Clo 11 Dorm.: Met Met. 110 = W 110W, Clo 0,5 0,5 Clo S2 9Sala: F 110 Met. W 0,5 = 120W, Clo 0,5 Clo Inverno 7 Figura 5: Voto Médio 5 Estimado Horário PMV das tipologias S1 Somb e S2 Somb A Figura 4 indica que 1 os valores do PMV são menores na tipologia S1 F em comparação com -3a S2 F tanto -1 no período 1 de verão quanto 3 no período de inverno. Estes resultados demonstram que Voto a edificação Médio Estimado com - PMVo sistema construtivo que possui maior inércia térmica (S1) propicia um ambiente com melhores condições de conforto do que o edifício com baixa inércia térmica. Com o sombreamento das janelas e a ventilação dos ambientes no período de verão (Fig. 5), são obtidos melhores resultados quanto ao conforto térmico com o emprego do sistema construtivo S1. O elemento externo de sombreamento das janelas não produz Voto Médio Estimado - PMV Dorm.: Met Met. 80 W = Clo 80W, 1 2,5 Clo Dorm.: Met Met. 110 = W 110W, Clo 0,51,5 Clo S2 Sala: F 110 Met. W 0,5 = 120W, Clo 1,5 Clo

12 efeitos negativos expressivos no conforto térmico do usuário no período de inverno. Com o emprego do sistema construtivo S2 é produzido um maior desconforto ao usuário, em comparação com a edificação com o sistema construtivo S1 tanto no verão quanto no inverno. Na Tabela 7 são mostrados os resultados referentes ao desempenho térmico da habitação, segundo a Norma ABNT NBR (2008), com as temperaturas máximas diárias do ar no interior dos ambientes no dia típico de verão, as temperaturas mínimas diárias do ar interior no dia típico de inverno e os respectivos níveis de desempenho térmico alcançados pela edificação. A indicação dos níveis de desempenho térmico atingidos é feita por meio das hachuras das células das tabelas onde estão contidos estes valores, a saber: linhas diagonais : nível de desempenho térmico abaixo do Mínimo ; linhas verticais : nível de desempenho térmico Mínimo ; sem hachura : nível de desempenho térmico Intermediário. A edificação com o sistema construtivo S1 alcançou o nível intermediário, na sala e dormitório. As situações somente com sombreamento das janelas produziram melhores resultados. Com o sistema construtivo S2, a edificação atende ao nível Mínimo no verão na sala e dormitório, apenas com emprego de sombreamento das janelas e ventilação dos ambientes e não atende as exigências para atendimento do nível Mínimo no período de inverno. Os resultados da avaliação do desempenho térmico por meio deste método mostraram-se compatíveis com os resultados da análise do conforto térmico dos usuários com base na Norma ISO 7730 (2005). Tabela 7: Temperaturas máximas diárias do ar no período de verão, temperaturas mínimas diárias no período de inverno e níveis de desempenho alcançados por tipologia, sem fontes internas de calor (ABNT NBR ) Verão Inverno Tipologia Temp. Máx. Ar Interior [ o C] Temp. Mín. Ar Interior [ o C] Sala Dormitório Sala Dormitório S1 28,4 28,5 12,4 11,6 S1 Somb 27,6 27,9 12,0 11,3 S1 Somb Vent 28,6 28,7 não avaliado não avaliado S2 32,4 33,0 9,1 7,6 S2 Somb 31,5 31,9 9,0 7,5 S2 Somb Vent 31,4 31,6 não avaliado não avaliado 4 CONCLUSÕES O emprego do programa EnergyPlus foi fundamental para a comparação entre as soluções de projeto e a escolha do sistema construtivo mais adequado do ponto de vista do conforto térmico do usuário. Destacam-se os potenciais do programa como ferramenta para análise, não somente quanto aos componentes empregados na edificação, como também na definição de detalhes da geometria e impactos das variáveis de projeto, como elementos de sombreamento e refletância das superfícies, além de possibilitar a verificação da influência da ventilação dos ambientes. Neste estudo de caso, ficou evidente que a edificação com o sistema construtivo com maior inércia térmica, indicado como S1, apresenta melhor desempenho térmico e propicia melhores condições de conforto térmico ao usuário, em comparação com a edificação com o sistema construtivo com baixa inércia térmica, indicado como S2. As análises mostraram também que a avaliação da edificação conforme a Norma ABNT

13 NBR (2008) fornece informações importantes quanto ao desempenho térmico potencial da edificação, que estão diretamente relacionados ao conforto do usuário (ISO 7730). É importante observar também que, para as condições climáticas da cidade de São Paulo, atingir o nível Mínimo de desempenho térmico não garante que as condições de conforto térmico serão plenamente satisfatórias, mas apenas que as condições de conforto térmico no interior dos ambientes não serão piores que no ambiente externo. REFERÊNCIAS Akutsu, M.; Vittorino, F. V.; The use of Simulation Software to Evaluate the Thermal Performance of Buildings in Brazil In Sixth International IBPSA Conference, PB19: , Associação Brasileira de Normas Técnicas. ABNT NBR Desempenho térmico de edificações. ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. ABNT. Projeto de Norma Edifícios Habitacionais até Cinco Pavimentos Desempenho. ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. ABNT NBR Edifícios Habitacionais de até Cinco Pavimentos Desempenho. ABNT, Brito, A. C; Akutsu, M.; Vittorino, F. V.; Aquilino, M. M. Sustentabilidade e conforto ambiental em edificações. Revista Techne, 162: 62-65, 2010a. Brito, A. C; Akutsu, M.; Vittorino, F. V.; Aquilino, M. M. Sugestões para revisão da Norma ABNT NBR :2008, referentes ao desempenho térmico. In Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído ENTAC CD-Rom, 2010b. Brito, A. C; Akutsu, M.; Vittorino, F. V.; Aquilino, M. M.; Tribess, A. Efeito da utilização de vedações internas leves na inércia térmica de edifício com sistema construtivo em concreto. In XI Encontro Nacional de Conforto no Ambiente Construído ENCAC CD-Rom, Cleto, F. R.; Mitidieri Filho, C. V.; Weber, M. S. Implantação e Consolidação do Sistema Nacional de Avaliações Técnicas. In XII Encontro Nacional de Tecnologia no Ambiente Construído ENTAC CD-Rom, Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano CDHU. Caderno de Tipologias Ellis, M. W. and Mathews, E. H. A new simplified thermal design tool for architects. Building and Environment, 36: , Fanger, P. O. Thermal Comfort: Analysis and Applications in Environmental Engineering. McGraw Hill, New York, International Organization for Standardization. ISO 7730: Ergonomics of the thermal environment Analytical determination and interpretation of thermal comfort using calculation of the PMV and PPD indices and local thermal comfort criteria Ministério das Cidades. Ministro Anuncia Novo Déficit Habitacional Durante FUM5. Disponível em: <http://www.cidades.gov.br/noticias/ministro-anuncia-novo-deficithabitacional-de-5-8-durantefum5/?searchterm=deficit%20 habitacional%202009>. Acesso em: 21 jun Ochoa, C. E. and Capeluto, G. I. Advice tool for early design stages of intelligent facades based on energy and visual comfort approach. Energy and Buildings, 41: , Petersen, S. and Svendsen, S. Method and simulation program informed decisions in the early stages of building design. Energy and Buildings, 42: , United States Department of Energy. Energy Simulation Software Energy Efficiency and

14 Renewable Energy Building Technologies Program. Disponível em: < Acesso em 05/05/2010. United States Green Building Concil. Disponível em: Acesso em 08/08/2011. Struck, C. and Hensen, J. On supporting design decisions in conceptual design addressing specification uncertainties using performance simulation. In 10th Building Simulation Conference, , Wilde, P.; Voorden, M.; Brouwer, J.; Augenbroe, G. The need for computacional support in energy efficient design project in the Netherlands. In 7th Building Simulation Conference, , 2001.

SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO

SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Arquitetura e Urbanismo Café com Pesquisa SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

Análise crítica dos métodos de avaliação de desempenho térmico da ABNT NBR para a Zona Bioclimática 8

Análise crítica dos métodos de avaliação de desempenho térmico da ABNT NBR para a Zona Bioclimática 8 1º. Workshop de Integração da rede de Pesquisa INOVATEC FINEP [Polo USP] 9 e 10 de Agosto de 2012 Pirassununga, SP Brasil Análise crítica dos métodos de avaliação de desempenho térmico da ABNT NBR 15.575

Leia mais

ABNT NBR (2008) Edifícios Habitacionais de Até Cinco Pavimentos Desempenho. Resumo dos itens relacionados ao Desempenho Térmico

ABNT NBR (2008) Edifícios Habitacionais de Até Cinco Pavimentos Desempenho. Resumo dos itens relacionados ao Desempenho Térmico ABNT NBR 15575 (2008) Edifícios Habitacionais de Até Cinco Pavimentos Desempenho Resumo dos itens relacionados ao Desempenho Térmico SUMÁRIO Assunto pg. Parte 1: Requisitos Gerais 1 Anexo A (Informativo):

Leia mais

Telefones: (48) / Apoio:

Telefones: (48) / Apoio: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural Leve CADEX

Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural Leve CADEX UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO Relatório Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural

Leia mais

Laboratório de Eficiência Energética em Edificações

Laboratório de Eficiência Energética em Edificações UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-970 Caixa Postal 476 Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR 15575

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR 15575 Desempenho Térmico de edificações NBR 15575 Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + objetivos + NBR 15575 + procedimentos de avaliação + prescritivo + simulação computacional + medição + prescritivo

Leia mais

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores 1. HISTÓRIA O Concreto Celular Autoclavado foi desenvolvido na Suécia em 1924 por Joahan Axel Erickon, que buscava por um produto com características semelhantes à da madeira, com estrutura sólida, bom

Leia mais

O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características:

O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características: 6. SIMULAÇÃO 6.1. Pré-requisitos específicos 6.1.1. Programa de simulação O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características: ser um programa para

Leia mais

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 1 Quem deve atender é o sistema construtivo como um todo (paredes,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DAS SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DAS SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DAS SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Ivan Sanchez Malo Rossiti (1); Léa Cristina Lucas de Souza (2) (1) Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, e-mail:

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR15220

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR15220 Desempenho Térmico de edificações NBR15220 PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + objetivos + requisitos usuários + NBR 15220 + NBR 15220-3 + parâmetros e condições de contorno + estratégias

Leia mais

Eficiência Energetica em edificações

Eficiência Energetica em edificações MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Eficiência Energetica em edificações 1 Alexandra Albuquerque Maciel alexandra.maciel@mma.gov.br SECRETARIA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E QUALIDADE AMBIENTAL Diretoria de licenciamento

Leia mais

Narrativa RTQ-R 1. INFORMAÇÕES GERAIS 2. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO 1.1. INFORMAÇÕES DO SOLICITANTE 1.2. DADOS GERAIS

Narrativa RTQ-R 1. INFORMAÇÕES GERAIS 2. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO 1.1. INFORMAÇÕES DO SOLICITANTE 1.2. DADOS GERAIS Narrativa RTQ-R 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. INFORMAÇÕES DO SOLICITANTE Nome: Rogério de Souza Versage Telefone: 48 8888-8888 / 48 8888-8888 E-mail: versage@labeee.ufsc.br 1.2. DADOS GERAIS Objeto de avaliação:

Leia mais

eco-eficiência: conforto ambiental e energia na arquitetura de menor impacto ambiental CENPES II

eco-eficiência: conforto ambiental e energia na arquitetura de menor impacto ambiental CENPES II eco-eficiência: conforto ambiental e energia na arquitetura de menor impacto ambiental CENPES II o novo centro de pesquisas da Petrobras Rio de Janeiro LABAUT Laboratório de Conforto Ambiental e Eficiência

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO EM ÁREAS DE TRANSIÇÃO COM DIFERENTES TIPOS DE COBERTURA

CONFORTO TÉRMICO EM ÁREAS DE TRANSIÇÃO COM DIFERENTES TIPOS DE COBERTURA CONFORTO TÉRMICO EM ÁREAS DE TRANSIÇÃO COM DIFERENTES TIPOS DE COBERTURA Lígia Parreira Muniz (1) ; Claudia Cotrim Pezzuto (2) (1) Graduanda da Faculdade de Engenharia Civil, PUC Campinas, e-mail: lpm_max@hotmail.com

Leia mais

CÁLCULO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE LAJES PRÉ- MOLDADAS COM TAVELAS CERÂMICAS E BLOCOS DE EPS

CÁLCULO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE LAJES PRÉ- MOLDADAS COM TAVELAS CERÂMICAS E BLOCOS DE EPS CÁLCULO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE LAJES PRÉ- MOLDADAS COM TAVELAS CERÂMICAS E BLOCOS DE EPS Daniel Barp Crema (1), Fernando Pelisser (2) RESUMO UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1) daniel@cremaengenharia.com.br,

Leia mais

PROJETO E SIMULAÇÃO DE UM ESCRITÓRIO E DE UMA CASA COM ENERGIA LÍQUIDA ZERO ( NZEB) Paulo Otto Beyer - UFRGS

PROJETO E SIMULAÇÃO DE UM ESCRITÓRIO E DE UMA CASA COM ENERGIA LÍQUIDA ZERO ( NZEB) Paulo Otto Beyer - UFRGS PROJETO E SIMULAÇÃO DE UM ESCRITÓRIO E DE UMA CASA COM ENERGIA LÍQUIDA ZERO ( NZEB) Paulo Otto Beyer - UFRGS 1 www.energyplus.gov 2 3 4 Faixa de conforto = de 19,5 à 28 C, máximo 300 h/ano fora da faixa

Leia mais

Análise do método de simulação de desempenho térmico da norma NBR

Análise do método de simulação de desempenho térmico da norma NBR XII Encontro Nacional e VIII Latinoamericano de Conforto no Ambiente Construído - ENCAC/ELACAC Brasília 2013 Análise do método de simulação de desempenho térmico da norma NBR 15.575 SORGATO, Márcio José

Leia mais

RESULTADOS DE ENSAIOS DE DESEMPENHO DE ALVENARIAS DE BLOCOS DE CONCRETO

RESULTADOS DE ENSAIOS DE DESEMPENHO DE ALVENARIAS DE BLOCOS DE CONCRETO Em parceria com: Prof.Daniel Tregnago Pagnussat, Dr. UFRGS/CLN RESULTADOS DE ENSAIOS DE DESEMPENHO DE ALVENARIAS DE BLOCOS DE CONCRETO 1 Prof. Daniel Tregnago Pagnussat, Dr. PROFESSOR UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade

CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade Parte 1 - Conforto higrotérmico dirigido à concepção arquitetônica (continuação) Arq. Cláudia Barroso-Krause, D.Sc. DTC PROARQ FAU/UFRJ Roteiro O conforto,

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS ELEMENTOS DA ENVOLTÓRIA NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES

INFLUÊNCIA DOS ELEMENTOS DA ENVOLTÓRIA NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES INFLUÊNCIA DOS ELEMENTOS DA ENVOLTÓRIA NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES Verônica Stefanichen Monteiro Faculdade de Arquitetura e Urbanismo CEATEC veronica.sm@puccampinas.edu.br Cláudia Cotrim Pezzuto

Leia mais

Materiais de Construção Sustentáveis

Materiais de Construção Sustentáveis Materiais de Construção Sustentáveis Volume 3 Edição Universidade do Minho Editores Barroso Aguiar, Aires Camões, Raul Fangueiro, Rute Eires, Sandra Cunha e Mohammad Kheradmand ISSN 2183-1866 Março de

Leia mais

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA ENTECA 2003 625 ANÁLISE DE DESEMPENHO TÉRMICO DE TRÊS PROTÓTIPOS HABITACIONAIS NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA Emydio Silingovschi Junior Miriam Jeronimo Barbosa Cássio Kaminagakura Eduardo Mesquita

Leia mais

ANÁLISE DE ALTERNATIVAS PARA A REDUÇÃO DO CONSUMO ENERGÉTICO EM EDIFICAÇÕES CLIMATIZADAS

ANÁLISE DE ALTERNATIVAS PARA A REDUÇÃO DO CONSUMO ENERGÉTICO EM EDIFICAÇÕES CLIMATIZADAS ANÁLISE DE ALTERNATIVAS PARA A REDUÇÃO DO CONSUMO ENERGÉTICO EM EDIFICAÇÕES CLIMATIZADAS Markus Kirst Hahm markus.hahm@gmail.com Resumo. Este trabalho tem como objetivo a análise de diferentes soluções

Leia mais

EQUILIBRIO TÉRMICO ENTRE O HOMEM E O MEIO

EQUILIBRIO TÉRMICO ENTRE O HOMEM E O MEIO EQUILIBRIO TÉRMICO ENTRE O HOMEM E O MEIO Conforto térmico conforto térmico de um ambiente pode ser definido como a sensação de bem-estar experimentada por uma e/ou pela maioria das pessoas. Está relacionada

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO OBJETIVO DA DISCIPLINA: Fornecer ao aluno as informações necessárias sobre a constituição,

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 11

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 11 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 11 USO RACIONAL DA ENERGIA Identificar onde, na edificação, ocorrem os maiores gastos. Geralmente consegue-se reduzir o gasto energético reduzindo

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM STELL FRAME FICHA CATALOGRÁFICA-4 DATA: DEZEMBRO/2010.

SISTEMA CONSTRUTIVO EM STELL FRAME FICHA CATALOGRÁFICA-4 DATA: DEZEMBRO/2010. Tecnologias, sistemas construtivos e tipologias para habitações de interesse social em reassentamentos. SISTEMA CONSTRUTIVO EM STELL FRAME FICHA CATALOGRÁFICA-4 DATA: DEZEMBRO/2010. Tecnologias, sistemas

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA Marco Antônio Vecci Local: EXPOMINAS BH Data: 08/08/2016 FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO ESTUDO PRELIMINAR Consultoria e Ensaios Consultoria: Análise preliminar entre

Leia mais

Desempenho térmico. Paredes e Coberturas

Desempenho térmico. Paredes e Coberturas Desempenho térmico Paredes e Coberturas ECV 5161: Desempenho térmico de Edificações Engenharia Civil Prof. Roberto Lamberts (elaborado por Juliana Batista) Transferência de calor T1 > T2 q T1 T2 T1 = T2

Leia mais

Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura. Prof a : Ana Cecília Estevão

Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura. Prof a : Ana Cecília Estevão Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura Prof a : Ana Cecília Estevão Desenvolvimento sustentável Aquele que busca um equilíbrio entre

Leia mais

também de acordo com o Sistema Métrico Internacional e conforme exigência da norma ABNT

também de acordo com o Sistema Métrico Internacional e conforme exigência da norma ABNT STEEL FRAME O Steel Frame é uma alternativa já consolidada e amplamente usada há dezenas de anos em países desenvolvidos. Ao contrário das estruturas convencionais de construção, são usados perfis de aço

Leia mais

Benchmarking de consumo energético em edificações

Benchmarking de consumo energético em edificações Benchmarking de consumo energético em edificações Edward Borgstein CT Energia, CBCS BENCHMARKING E DESEMPENHO ENERGÉTICO OPERACIONAL (DEO) Consumos de projeto Consumo de energia Etiqueta de projeto/construção

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS SIMULAÇÃO DINÂMICA

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS SIMULAÇÃO DINÂMICA Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Rosário Fino

Leia mais

DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICAÇOENS RESUMO ABSTRACT

DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICAÇOENS RESUMO ABSTRACT DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICAÇOENS Pereira, Natael José¹ Bilesky, Luciano² Discente¹ da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva Docente² da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva.

Leia mais

ProAcústica 24.Abril.13. Dia Internacional de Conscientização Sobre o Ruído

ProAcústica 24.Abril.13. Dia Internacional de Conscientização Sobre o Ruído As expectativas da nova norma no mercado imobiliário Eng. Carlos Alberto Moraes Borges NORMALIZAÇÃO Na ultima década, diversas norma quem implicam na acústica das edificações foram atualizadas, criadas,

Leia mais

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas.

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas. Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar Boas práticas O sistema de aquecimento solar e seus componentes O que é sistema de aquecimento solar (SAS) A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas)

Leia mais

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos A carga térmica é a quantidade de calor

Leia mais

O que são os revestimentos verticais??? REVESTIMENTO: Cartão de visitas da empresa!!! que cobre uma superfície

O que são os revestimentos verticais??? REVESTIMENTO: Cartão de visitas da empresa!!! que cobre uma superfície Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Construção Civil PCC-2436 Tecnologia da Construção de Edifícios II Aula 05: Revestimentos Verticais Conceituação e Classificação

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações

Desempenho Térmico de edificações Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts ALEJANDRO NARANJO Unidade deportiva Atanasio Girardot - Medellín ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura introdução isolantes cálculos exemplos

Leia mais

Normas Ensaios e Verificações de Desempenho de Esquadrias. Enga. Michele Gleice ITEC Instituto Tecnológico da Construção Civil

Normas Ensaios e Verificações de Desempenho de Esquadrias. Enga. Michele Gleice ITEC Instituto Tecnológico da Construção Civil Normas Ensaios e Verificações de Desempenho de Esquadrias Enga. Michele Gleice ITEC Instituto Tecnológico da Construção Civil NBR 15575 Edificações Habitacionais 2000 2013 2008 ABNT NBR 15575-4 NBR 15575:2013

Leia mais

Desempenho Térmico de Edificações: Parte 1: Definições, Símbolos e

Desempenho Térmico de Edificações: Parte 1: Definições, Símbolos e Janeiro 2003 Projeto 02:135.07-001 Desempenho térmico de edificações Parte 1: Definições, Símbolos e Unidades. Origem: 02:135.07-001:1998 CB-02- Comitê Brasileiro de Construçãivil CE-02:135.07 - Comissão

Leia mais

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda.

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda. 1 Dados climáticos de referência para a região do Porto: Inverno: Região climática I1, número de graus dias = 1610 (º dias), duração da estação de aquecimento = 6,7 meses. Verão: Região climática V1, Temperatura

Leia mais

APLICAÇÃO DA TERMOFISIOLOGIA HUMANA NA AVALIAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO. Eusébio Conceição

APLICAÇÃO DA TERMOFISIOLOGIA HUMANA NA AVALIAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO. Eusébio Conceição APLICAÇÃO DA TERMOFISIOLOGIA HUMANA NA AVALIAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO Eusébio Conceição FCT - Universidade do Algarve - Faro OBJECTIVOS Desenvolvimento de um novo sistema de controlo de sistemas AVAC baseados

Leia mais

EDIFÍCIO DE ESCRITÓRIOS EM BRASÍLIA, UMA ANÁLISE BIOCLIMÁTICA

EDIFÍCIO DE ESCRITÓRIOS EM BRASÍLIA, UMA ANÁLISE BIOCLIMÁTICA EDIFÍCIO DE ESCRITÓRIOS EM BRASÍLIA, UMA ANÁLISE BIOCLIMÁTICA Alexandra A. Maciel (1), Roberto Lamberts (2) (1) LabEEE, Departamento de Engenharia Civil/UFSC, end: UFSC, c. postal 476, Florianópolis- SC-

Leia mais

Física da edificação - Térmica -

Física da edificação - Térmica - Física da edificação - Térmica - Física da Edificação Calor Luz Natural Umidade Conforto Térmico Estrutura da disciplina Físicia da Edificação F.E. 2014/1 Exercício Aula Introdução Planejamento Integrado

Leia mais

VANTAGENS DOS CONSTRUTIVOS ISOTÉRMICOS NA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA

VANTAGENS DOS CONSTRUTIVOS ISOTÉRMICOS NA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA VANTAGENS DOS CONSTRUTIVOS ISOTÉRMICOS NA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA O isolamento térmico proporcionado pelos Construtivos Isotérmicos reduz significativamente o custo de aquisição do sistema de climatização

Leia mais

QUALIDADE TÉRMICA AMBIENTAL EM SALAS DE AULA

QUALIDADE TÉRMICA AMBIENTAL EM SALAS DE AULA QUALIDADE TÉRMICA AMBIENTAL EM SALAS DE AULA Celestino Rodrigues Ruivo Armando Costa Inverno António Hugo Lamarão Área Eng. Mecânica EST/UAlg Resumo A qualidade ambiental nos espaços interiores dos edifícios

Leia mais

ISOLAMENTO DE TELHADOS COM ESPUMA DE POLIURETANO

ISOLAMENTO DE TELHADOS COM ESPUMA DE POLIURETANO ISOLAMENTO DE TELHADOS COM ESPUMA DE POLIURETANO A Aplitek desenvolveu no Brasil uma tecnologia para recuperação e isolamento de telhados, esta extraordinária solução teve sucesso no mundo nos últimos

Leia mais

Sumário. NESTE DOCUMENTO: Introdução. Metodologia. Vantagens & Benefícios. Dúvidas Frequentes dos Clientes. Bem-vindo ao Informativo da Empresa!

Sumário. NESTE DOCUMENTO: Introdução. Metodologia. Vantagens & Benefícios. Dúvidas Frequentes dos Clientes. Bem-vindo ao Informativo da Empresa! I N F O R M A T I V O S T E E L F R A M E Guia Rápido Sumário Bem-vindo ao Informativo da Empresa! NESTE DOCUMENTO: Introdução Metodologia Vantagens & Benefícios Dúvidas Frequentes dos Clientes Introdução

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL PROVA 1. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

CONFORTO AMBIENTAL PROVA 1. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira CONFORTO AMBIENTAL PROVA 1 M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira QUESTÃO 1 Classifique as alternativas abaixo em verdadeiras (V) ou falsas (F), corrigindo as falsas e justificando as verdadeiras: a ( F ) Para

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira Diferença entre Tempo e Clima TEMPO: Variações diárias das condições atmosféricas. CLIMA: É a condição média

Leia mais

INFLUÊNCIA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL NO AMBIENTE INTERNO: ESTUDO EXPERIMENTAL EM CÉLULAS DE TESTE

INFLUÊNCIA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL NO AMBIENTE INTERNO: ESTUDO EXPERIMENTAL EM CÉLULAS DE TESTE INFLUÊNCIA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL NO AMBIENTE INTERNO: ESTUDO EXPERIMENTAL EM CÉLULAS DE TESTE Grace T. C. de Seixas; Francisco Vecchia INTRODUÇÃO O presente artigo procura mostrar de forma experimental

Leia mais

Desempenho térmico de materiais e componentes construtivos

Desempenho térmico de materiais e componentes construtivos Desempenho térmico de materiais e componentes construtivos Profa. Dra. Denise Duarte Prof. Dr. Leonardo Marques Monteiro Modelo de cálculo de desempenho térmico da edificação 1 caracterizar ambiente Renovação:

Leia mais

CARTA SOLAR LUZ E SOMBRA

CARTA SOLAR LUZ E SOMBRA Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO CARTA SOLAR LUZ E SOMBRA Aplicação da Carta Solar para Sombreamento Docente: Claudete Gebara J. Callegaro 2º semestre

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Professor: João Carmo INTRODUÇÃO O TELHADO é uma categoria de COBERTURA, em geral caracterizado por possuir um ou mais planos

Leia mais

TUTORIAL MINHA CASA MINHA VIDA. Fone: FEVEREIRO

TUTORIAL MINHA CASA MINHA VIDA. Fone: FEVEREIRO TUTORIAL MINHA CASA MINHA VIDA O Template MCMV O Template MCMV Minha Casa Minha Vida tem como objetivo fornecer um arquivo BIM (Building Information Modeling) com Famílias e Famílias de Sistemas adaptados

Leia mais

Resultados de um monitoramento térmico em telhados de fibrocimento

Resultados de um monitoramento térmico em telhados de fibrocimento Hugo Sefrian Peinado 1 ; Douglas Lautenschlager Peres 2 ; Marcela Paula Maria Zanin Meneguetti 3 1 Graduando do Curso de Engenharia Civil da Universidade Estadual de Maringá. E-mail: hugo.civil@hotmail.

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

Aplicação das normas ABNT NBR Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR Esquadrias

Aplicação das normas ABNT NBR Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR Esquadrias Aplicação das normas ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR 10821 - Esquadrias Enga. Fabiola Rago Beltrame Coordenadora da CEE-191 (ABNT) Esquadrias Diretora do IBELQ Instituto

Leia mais

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS Marieli Azoia Lukiantchuki (1); Monica Faria de Almeida Prado (2); Rosana Maria Caram (3) (1) Departamento de Arquitetura

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA CARLOS MALHEIRO DIAS, 128, 2º Localidade PORTO.

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA CARLOS MALHEIRO DIAS, 128, 2º Localidade PORTO. Válido até 02/03/2026 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA CARLOS MALHEIRO DIAS, 128, 2º Localidade PORTO Freguesia BONFIM Concelho PORTO GPS 41.160805, -8.594971 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

OBTENÇÃO DE COORDENADAS DA GEOMETRIA DE UMA EDIFICAÇÃO PARA ARQUIVO DO ENERGYPLUS UTILIZANDO O REVIT

OBTENÇÃO DE COORDENADAS DA GEOMETRIA DE UMA EDIFICAÇÃO PARA ARQUIVO DO ENERGYPLUS UTILIZANDO O REVIT OBTENÇÃO DE COORDENADAS DA GEOMETRIA DE UMA EDIFICAÇÃO PARA ARQUIVO DO ENERGYPLUS UTILIZANDO O REVIT COORDINATE GEOMETRY OF PROCUREMENT OF A BUILDING FOR ENERGYPLUS FILE USING REVIT GOUVEIA, Ana Clara

Leia mais

Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário...

Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário... ÍNDICE Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário... XXIV CAPÍTULO 1 1.1. - Introdução... 1 1.2. - Metodologia

Leia mais

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA COMO EXEMPLO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO CLIMA QUENTE E ÚMIDO

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA COMO EXEMPLO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO CLIMA QUENTE E ÚMIDO APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA COMO EXEMPLO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO CLIMA QUENTE E ÚMIDO RESUMO Aldomar Pedrini, PhD PPGAU - UFRN Sileno Cirne Trindade, MSc Labcon - UFRN A arquitetura

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR15220

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR15220 Desempenho Térmico de edificações NBR15220 PROFESSOR Roberto Lamberts ALEJANDRO NARANJO ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura introdução parte 3 NBR15220 exemplo 2 x Normas de Desempenho Buscam atender

Leia mais

O CONTEXTO DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO NO RIO GRANDE DO SUL "

O CONTEXTO DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO NO RIO GRANDE DO SUL O CONTEXTO DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO NO RIO GRANDE DO SUL " Major Eduardo Estevam Rodrigues Msc. Engenheiro de Segurança do Trabalho Chefe da Divisão de Operações e Defesa Civil Corpo de Bombeiros Militar

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE CARACTERÍSTICAS DE MATERIAIS TRANSPARENTES DE MESMA COLORAÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA DE CARACTERÍSTICAS DE MATERIAIS TRANSPARENTES DE MESMA COLORAÇÃO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 24, São Paulo. ISBN 85-89478-8-4. ANÁLISE COMPARATIVA DE CARACTERÍSTICAS DE

Leia mais

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico Página 1 de 7 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

O Edifício Solar XXI um exemplo de sustentabilidade na construção. João Mariz Graça, Arq.

O Edifício Solar XXI um exemplo de sustentabilidade na construção. João Mariz Graça, Arq. O Edifício Solar XXI um exemplo de sustentabilidade na construção João Mariz Graça, Arq. joao.mariz@lneg.pt Introdução conceito de sustentabilidade Bom desempenho Ambiental ciclo de vida do edifício; Fase

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE FACHADA COM PAINÉIS LEVES EM EDIFICAÇÃO DE MÚLTIPLOS PAVIMENTOS 1

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE FACHADA COM PAINÉIS LEVES EM EDIFICAÇÃO DE MÚLTIPLOS PAVIMENTOS 1 XVI ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO Desafios e Perspectivas da Internacionalização da Construção São Paulo, 21 a 23 de Setembro de 2016 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE FACHADA

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA EXPOSIÇÃO A AMBIENTES TÉRMICOS QUENTES (CALOR) 2 DESCRIÇÃO A existência de calor no ambiente de trabalho constitui frequentemente uma fonte de

Leia mais

Coberturas em Telhados TC-038

Coberturas em Telhados TC-038 Coberturas em Telhados TC-038 Cobertura Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura, em geral caracterizado

Leia mais

O PAPEL DA INÉRCIA TÉRMICA COMO TÉCNICA DE RESFRIAMENTO PASSIVO PARA RESIDÊNCIAS EM CLIMA QUENTE E ÚMIDO ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS.

O PAPEL DA INÉRCIA TÉRMICA COMO TÉCNICA DE RESFRIAMENTO PASSIVO PARA RESIDÊNCIAS EM CLIMA QUENTE E ÚMIDO ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS. O PAPEL DA INÉRCIA TÉRMICA COMO TÉCNICA DE RESFRIAMENTO PASSIVO PARA RESIDÊNCIAS EM CLIMA QUENTE E ÚMIDO ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS. RESUMO Solange Goulart Environmental & Energy Studies Programme

Leia mais

REVESTIMENTOS. Curso Técnico em Edificações Disciplina: Técnicas de Construção Civil 3 Profª Nayra Y. Tsutsumoto

REVESTIMENTOS. Curso Técnico em Edificações Disciplina: Técnicas de Construção Civil 3 Profª Nayra Y. Tsutsumoto REVESTIMENTOS Curso Técnico em Edificações Disciplina: Técnicas de Construção Civil 3 Profª Nayra Y. Tsutsumoto REVESTIMENTOS O que é revestimento? Revestimentos mais comuns Argamassas Cerâmicos Pedra

Leia mais

1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO Sistema para Observação Didática das Correntes de Fluxo de Ar no Efeito Chaminé

1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO Sistema para Observação Didática das Correntes de Fluxo de Ar no Efeito Chaminé 1 RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE TRABALHO Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação, Extensão e Cultura - ProPPEC Departamento de Pesquisa Programa de Bolsas do Artigo 170 1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. Estratégias por TRY e Normais Climatológicas. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. Estratégias por TRY e Normais Climatológicas. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA Estratégias por TRY e Normais Climatológicas M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira CARTA PSICROMÉTRICA CARTA BIOCLIMÁTICA CARTA BIOCLIMÁTICA CARTA

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE TRÊS AMBIENTES RESIDENCIAIS NATURALMENTE VENTILADOS EM FLORIANÓPOLIS, SUL DO BRASIL

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE TRÊS AMBIENTES RESIDENCIAIS NATURALMENTE VENTILADOS EM FLORIANÓPOLIS, SUL DO BRASIL COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE TRÊS AMBIENTES RESIDENCIAIS NATURALMENTE VENTILADOS EM FLORIANÓPOLIS, SUL DO BRASIL Ana Lígia Papst (1); Roberto Lamberts (1) LabEEE / NPC Departamento de Engenharia

Leia mais

6. RESULTADOS DAS SIMULAÇÕES E SOFTWARE DE APOIO À CONCEPÇÃO

6. RESULTADOS DAS SIMULAÇÕES E SOFTWARE DE APOIO À CONCEPÇÃO 134 6. RESULTADOS DAS SIMULAÇÕES E SOFTWARE DE APOIO À CONCEPÇÃO O presente capítulo tem a finalidade de apresentar as REGRAS INTELIGENTES e o PROGRAMA COMPUTACIONAL DE AUXÍLIO À CONCEPÇÃO ARQUITETÔNICA.

Leia mais

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL Priscila Besen (1) ; Fernando Simon Westphal (2) (1) Universidade

Leia mais

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE DO FATOR S2 UTILIZADO NO CÁLCULO DA VELOCIDADE CARACTERÍSTICA DO VENTO, SEGUNDO A NORMA

Leia mais

ERGONOMIA. Variáveis ambientais: CALOR RUÍDOS UMIDADE VIBRAÇÕES LUZ CORES

ERGONOMIA. Variáveis ambientais: CALOR RUÍDOS UMIDADE VIBRAÇÕES LUZ CORES ERGONOMIA AULA 8: O O Ambiente de Trabalho Variáveis ambientais: CALOR RUÍDOS UMIDADE VIBRAÇÕES LUZ CORES Estas condições influenciam o desempenho humano e a saúde dos trabalharores. TEMPERATURA TEMPERATURA

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE COMPÓSITOS PARA REFORÇO ESTRUTURAL E ISOLAMENTO TÉRMICO NA CONSTRUÇÃO CIVIL FEICON

UTILIZAÇÃO DE COMPÓSITOS PARA REFORÇO ESTRUTURAL E ISOLAMENTO TÉRMICO NA CONSTRUÇÃO CIVIL FEICON UTILIZAÇÃO DE COMPÓSITOS PARA REFORÇO ESTRUTURAL E ISOLAMENTO TÉRMICO NA CONSTRUÇÃO CIVIL FEICON - 2014 VISTA AÉREA DA UNIDADE FABRIL DA TEXIGLASS VINHEDO SP 2 POR QUE UTILIZAR REFORÇOS DE FIBRA DE VIDRO

Leia mais

Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico

Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico Professores: Ana Cristina Hillesheim Karina Colet Marcela Cebalho Michelle de Almeida Costa TRATAMENTO ACÚSTICO Os sons classificam-se, segundo sua origem,

Leia mais

Desempenho acústico de esquadrias e NBR

Desempenho acústico de esquadrias e NBR Desempenho acústico de esquadrias e NBR 15.575 Deixe o Excesso de Barulho do Lado de Fora A NBR 15.575 é a norma da ABNT com orientações referentes ao desempenho de edificações. A qualidade acústica das

Leia mais

FACHADAS DE DUPLA PELE e REABILITAÇÃO DE CAIXILHARIAS DE EDIFÍCIOS ANTIGOS

FACHADAS DE DUPLA PELE e REABILITAÇÃO DE CAIXILHARIAS DE EDIFÍCIOS ANTIGOS FACHADAS DE DUPLA PELE e REABILITAÇÃO DE CAIXILHARIAS DE EDIFÍCIOS ANTIGOS Vasco Peixoto de Freitas Prof. Catedrático Laboratório de Física das Construções FACULDADE DE ENGENHARIA - UNIVERSIDADE DO PORTO

Leia mais

Saiba como adequar sua edificação à NBR 15575/2013.

Saiba como adequar sua edificação à NBR 15575/2013. Ensaios de Desempenho. Saiba como adequar sua edificação à NBR 15575/2013. CONCREMAT INSPEÇÓES E LABORATÓRIOS. UMA MARCA DAS EMPRESAS CONCREMAT. Com mais de 60 anos de experiência no mercado nacional e

Leia mais

O POTENCIAL DOS CAPTADORES DE VENTO PARA INCREMENTAR A VENTILAÇÃO NATURAL EM EDIFICAÇÕES LOCALIZADAS EM CLIMAS QUENTES E ÚMIDOS

O POTENCIAL DOS CAPTADORES DE VENTO PARA INCREMENTAR A VENTILAÇÃO NATURAL EM EDIFICAÇÕES LOCALIZADAS EM CLIMAS QUENTES E ÚMIDOS O POTENCIAL DOS CAPTADORES DE VENTO PARA INCREMENTAR A VENTILAÇÃO NATURAL EM EDIFICAÇÕES LOCALIZADAS EM CLIMAS QUENTES E ÚMIDOS BITTENCOURT, Leonardo S. (1); LÔBO, Denise G. F. (2) (1) Arquiteto, Doutor

Leia mais

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico Iluminação natural zenital Conforto ambiental lumínico Objetivos Visibilidade no plano de trabalho Eficiência energética Uso das paredes Satisfação do usuário Introdução A ILUMINAÇÃO ZENITAL (IZ) é uma

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO. Engº Fabricio Bolina

PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO. Engº Fabricio Bolina PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO Engº Fabricio Bolina Edifício Andraus 31 Pavimentos 1972 (incêndio) 16 mortos 375 feridos Duração: 4h (sem colapso) Edifício Joelma 26 Pavimentos

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA DE ROMA, 31 A 31D, 1ºP4 Localidade LISBOA.

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA DE ROMA, 31 A 31D, 1ºP4 Localidade LISBOA. Válido até 15/10/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVENIDA DE ROMA, 31 A 31D, 1ºP4 Localidade LISBOA Freguesia AREEIRO Concelho LISBOA GPS 38.745097, -9.139833 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz

Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET0043 - Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz Aula 4 : Planta Baixa Planta Baixa: A planta baixa é a

Leia mais

6. CAPÍTULO 6 CASO DE ESTUDO

6. CAPÍTULO 6 CASO DE ESTUDO Análise do Comportamento Térmico de Construções não Convencionais através de Simulação em VisualDOE 6. CAPÍTULO 6 CASO DE ESTUDO 6.1. INTRODUÇÃO AO CASO DE ESTUDO O Caso de Estudo proposto é a análise

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE Válido até 15/10/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA Freguesia ALVALADE Concelho LISBOA GPS 38.754048, -9.138450 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios Lisboa, 8 de Maio de 2012 ADENE Agência para a Energia sce@adene.pt ÍNDICE A Directiva Europeia EPBD Sistema de Certificação Energética

Leia mais

ANEXO V DESCRIÇÃO DO PADRÃO DAS EDIFICAÇÕES Padrão Baixo

ANEXO V DESCRIÇÃO DO PADRÃO DAS EDIFICAÇÕES Padrão Baixo ANEXO V DESCRIÇÃO DO PADRÃO DAS EDIFICAÇÕES Padrão Baixo Edificações térreas ou assobradadas, podendo ser geminadas, inclusive em ambos os lados, satisfazendo a projeto arquitetônico simples, geralmente

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA O APRIMORAMENTO DA NORMA REGULAMENTADORA NR 15 PARA AVALIAÇÃO DA SOBRECARGA TÉRMICA DE TRABALHADORES 1

CONTRIBUIÇÕES PARA O APRIMORAMENTO DA NORMA REGULAMENTADORA NR 15 PARA AVALIAÇÃO DA SOBRECARGA TÉRMICA DE TRABALHADORES 1 XVI ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO Desafios e Perspectivas da Internacionalização da Construção São Paulo, 21 a 23 de Setembro de 2016 CONTRIBUIÇÕES PARA O APRIMORAMENTO DA NORMA

Leia mais

DESCONFORTO / STRESS TÉRMICO NO COMBATE A INCÊNDIO FLORESTAL

DESCONFORTO / STRESS TÉRMICO NO COMBATE A INCÊNDIO FLORESTAL DESCONFORTO / STRESS TÉRMICO NO COMBATE A INCÊNDIO FLORESTAL UMA AVALIAÇÃO NUM CASO DE ESTUDO Valente Ferreira 1 e Mário Talaia 1,2 Licenciatura em Segurança Comunitária 1 ISCIA Instituto Superior de Ciências

Leia mais