ESTRUTURA ORGANIZACIONAL. ÓRGÃOS DELIBERATIVOS Conselho Superior de Administração Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão Colegiado de Curso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRUTURA ORGANIZACIONAL. ÓRGÃOS DELIBERATIVOS Conselho Superior de Administração Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão Colegiado de Curso"

Transcrição

1

2 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ÓRGÃOS DELIBERATIVOS Conselho Superior de Administração Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão Colegiado de Curso ÓRGÃOS EXECUTIVOS Maria Sônia Rodrigues Lobo Gluck Paul Direção Geral Mauro dos Santos Leonidas Diretor Acadêmico Ana Carolina Miranda de Figueiredo Administrativo/Financeiro José Antonio Becker Fank Coordenação de Administração Aldemira Drago Coordenação de Administração - Marketing Ana Maria Barata Coordenação de Direito Justiniano Alves Júnior Coordenação Adjunta de Direito Marise Rocha Morbach Coordenação de Área de Comunicação Social Hélcio de Castro Monteiro Coordenação de Pós-graduação Alessandro de Castro Correa Coordenação de Pesquisa João Cláudio Tupinambá Arroyo Coordenação de Extensão Mauro Seabra Dias Coordenação do Programa de Treinamento Pessoal Ana Carolina Lobo Gluck Paul Coordenação de Atividades Complementares ÓRGÃOS SUPLEMENTARES Roseane Reis Núcleo de Apoio Psicopedagógico Alexandre Souza da Fonseca Núcleo de Tecnologia da Informação Rosangela Goulart Núcleo de Estágios Amanda Barcelos Secretaria Geral de Alunos Odailma Maria de Queiroz Pinheiro Biblioteca 1

3 MENSAGEM AO ALUNO Prezado aluno, é com grande satisfação que a Faculdade do Pará - FAP o recebe e retoma suas atividades acadêmicas. Esperamos que neste ano, quando comemoramos o reconhecimento do curso de Administração, com conceituação muito bom, possamos avançar ainda mais em direção ao aperfeiçoamento de nossa proposta pedagógica e na qualidade de nosso ensino. Temos a certeza de que aqui, na FAP, você construirá uma formação técnico-humanista, em condições de atuar com ética, solidariedade, conhecimento atualizado, princípios necessários para viver numa sociedade em constante mudança. Essa é a nossa missão. Neste Manual do Aluno, você encontrará todas as informações e orientações indispensáveis para a sua trajetória acadêmica. A sua leitura permitirá uma visão geral da estrutura e funcionamento da FAP, ficará sabendo sobre os Cursos de Graduação, bem como a comprovação da diversidade de oportunidades oferecidas aos alunos por nossa Instituição, tendo em vista que as atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão se desenvolvem, efetivamente, de forma integrada. No ano que decorre esperamos contar com sua presença nas atividades acadêmicas. Tal privilégio coroará seus esforços e o fará participante do empenho desta Faculdade em buscar a melhoria da educação e das condições sociais, econômicas e éticas de seus futuros profissionais. Sucesso! Maria Sônia Rodrigues Lobo Gluck Paul DIRETORA GERAL 2

4 SUMÁRIO MENSAGEM AO ALUNO...2 A INSTITUIÇÃO...4 QUANDO RESUMO DOS CURSOS...6 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESCOLAR...9 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL...12 REGULAMENTO FINANCEIRO...12 BIBLIOTECA...13 TAXAS COBRADAS E PRAZOS PARA A EMISSÃO DE DOCUMENTOS...15 CORPO DISCENTE...18 CURSOS DE GRADUAÇÃO OFERECIDOS PROGRAMA DAS DISCIPLINAS...26 CALENDÁRIO ACADÊMICO

5 A INSTITUIÇÃO A Sociedade de Ensino Superior do Pará SESPA é uma sociedade civil, sem fins lucrativos, com sede e foro à Rua Municipalidade, 839 Bairro Reduto Belém - PA. Tem seus atos constitutivos (Ata de Fundação e Estatutos) registrados sob o nº , em 27 de outubro de 2000, no Cartório de Registro Civil das Pessoas Jurídicas de Belém. A SESPA coloca como meta a ser atingida a médio prazo a persecução da integração e harmonia entre sua direção, alunos, professores e funcionários, oferecendo qualidade e excelência em seus produtos e seus serviços, para atender às necessidades de uma sociedade em transformação. A SESPA, visando aperfeiçoar e difundir a educação e a cultura no Estado do Pará, tem por objetivos: organizar e manter estabelecimentos de ensino; promover iniciativas filantrópicas e gratuitas de assistência à comunidade, nas áreas da saúde, dos serviços jurídicos e sociais, da recreação, do esporte e da cultura. A SESPA é constituída por profissionais com vasta experiência na manutenção e administração do ensino, nos diversos níveis, estando, desta forma, habilitada a desenvolver o presente projeto, no que tange a seus aspectos pedagógico e institucional. A SESPA, mantenedora da FACULDADE DO PARÁ FAP, funcionará com cursos superiores de tecnologia, pós-graduação e extensão, iniciando suas atividades com o Curso Superior de Tecnologia em Recursos Humanos e hoje conta com Redes de Computadores. DA INSTITUIÇÃO MANTIDA DENOMINAÇÃO E OBJETIVO Faculdade do Pará FAP. Rua Municipalidade, 839 Bairro Reduto Belém Pará CEP: A Faculdade do Pará FAP.se propõe a ministrar cursos superiores de Tecnologia (graduação), cursos de pós-graduação e cursos de extensão, a desenvolver pesquisas e programas de extensão, e a estabelecer uma filosofia educacional sob a égide da identificação com os problemas da região norte. Isso conduz à formação de recursos humanos conscientes da realidade sócioeconômica da região. Desta forma, pretendem conquistar amplo reconhecimento por parte dos alunos e da comunidade. Com esta proposta, a FAP espera poder contribuir para satisfazer parte da demanda por formação de profissionais que cresce com o número de alunos que concluem o ensino médio e pretende ingressar no mercado de trabalho. 4

6 São muitas as possibilidades sócio-econômicas criadas no atual momento por que passa a sociedade paraense. Como sempre, tais possibilidades precisam orientarse a partir de referências científicas e culturais que abram novos horizontes de desenvolvimento auto-sustentado. Para tanto, as instituições de ensino desempenham papel único e insubstituível, como, aliás, tem sido amplamente reconhecido pela sociedade brasileira. A Faculdade do Pará FAP, como instituição de ensino superior e educação, tem por objetivos nas áreas dos cursos que ministra: I - promover a transição entre a escola e o mundo do trabalho, capacitando jovens e adultos com conhecimentos e habilidades gerais e específicas para o exercício de atividades produtivas; II - proporcionar a formação de profissionais, aptos a exercerem atividades específicas no trabalho, com escolaridade correspondente ao nível médio, superior e de pós-graduação; III - especializar, aperfeiçoar e atualizar o trabalhador em seus conhecimentos tecnológicos; IV - qualificar, reprofissionalizar e atualizar jovens e adultos trabalhadores, com qualquer nível de escolaridade, visando a sua inserção e melhor desempenho no exercício do trabalho. Nesse contexto, os cursos serão concebidos para oferecer aos alunos uma sólida formação técnica, amparada por um embasamento humanístico que lhes proporcione condições de adquirir uma visão abrangente da realidade brasileira. Assim, a Faculdade do Pará espera poder contribuir com o projeto pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores para o melhor desenvolvimento de pessoal desta área. 5

7 Administração com Hab. em Administração Geral 300 vagas totais anuais para os turnos matutino e noturno Administração com Hab. em Marketing 300 vagas totais anuais para os QUADRO RESUMO DOS CURSOS Curso Ato Legal Conceito Portaria MEC nº 1.827, de 20/06/2002, publicada no B D.O.U Nº 118, de 21 de junho de 2002 turnos matutino e noturno Administração com Hab. em Sistemas de Informação 300 vagas totais anuais para os turnos matutino e noturno Bacharelado em Direito 200 vagas totais anuais para os turnos vespertino e noturno Bacharelado em Comunicação Social (Publicidade e Propaganda, Jornalismo) 200 vagas totais anuais para os turnos vespertino e noturno. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores INFORMAÇÕES ACADÊMICAS Portaria MEC nº 1.827, de 20/06/2002, publicada no D.O.U Nº 118, de 21 de junho de 2002 Portaria MEC nº 1.827, de 20/06/2002, publicada no D.O.U Nº 118, de 21 de junho de 2002 Portaria MEC nº 3.684, de 09/12/2003, publicada no D.O.U Nº 240, de 10 de dezembro de Portaria MEC nº 4.166, de 15/12/2004, publicada no D.O.U Nº 19, de 27 de Janeiro de Portaria MEC nº 3.815, de 15/12/2003, publicada no D.O.U Nº 245, de 17 de dezembro de Portaria MEC nº , de 27/05/2004, publicada no D.O.U de 31 de maio de ANO LETIVO O ano letivo regular, independentemente do ano civil, abrange no mínimo 200 (duzentos) dias letivos de trabalho acadêmico efetivo, distribuídos em dois períodos letivos regulares, cada um com, no mínimo 100 (cem) dias, não computados os dias reservados aos exames finais. Ressaltamos que o sábado é dia letivo na IES, podendo ser usado para aulas, reposições e atividades complementares quando estas se fizerem necessárias. PROCESSO SELETIVO B B A B 6

8 O processo seletivo abrangerá os conhecimentos comuns às diversas formas de ensino, sem ultrapassar este nível de complexidade. As vagas oferecidas para cada curso são as autorizadas pelo MEC. As inscrições serão abertas em edital, no qual constarão os critérios para a seleção, de acordo com as orientações do C.N.E. MATRÍCULA Classificado no processo seletivo, o candidato à matrícula deverá, além do requerimento, apresentar os documentos discriminados no edital: Certificado ou diploma de ensino médio ou equivalente; Histórico escolar de ensino médio ou equivalente; Prova de quitação da 1ª parcela da semestralidade; Documento de identidade; Duas fotos 3 x 4 recentes. A matrícula é renovada semestralmente, em prazos estabelecidos no calendário acadêmico. A não renovação de matrícula implica abandono do curso e desvinculação do aluno da Faculdade do Pará FAP. DA TRANSFERÊNCIA E DO APROVEITAMENTO DE ESTUDOS É concedida, mediante processo seletivo, matrícula ao aluno transferido de curso superior de instituição congênere, nacional ou estrangeira, na estrita conformidade das vagas existente e requerida nos prazos fixados que seguem abaixo: I SEMESTRE: 05/01 à 9/03/06. II SEMESTRE: 05/07 à 2/09/06. PROCEDIMENTO: Preencher o requerimento específico na Secretaria Geral de Alunos (SGA) indicando curso e turno pretendidos, observando os prazos estabelecidos pelo calendário Escolar. Apresentar documentação específica da IES de origem. Aguardar deferimento, pelo coordenador do Curso, que ocorrerá após estudo curricular, obedecendo ao controle de vagas por curso. A transferência ex-offício será aceita em qualquer época, independente de vaga, em conformidade com a legislação vigente. TRANSFERÊNCIA DE TURNO Em casos especiais e devidamente justificados e comprovados, a exclusivo critério da FAP poderá ser concedida a transferência de turno, observada a existência de vaga, a disponibilidade de infra-estrutura e/ou outros parâmetros que julgar convenientes. PROCEDIMENTO: Preencher requerimento na Secretaria Geral de alunos fundamentando a razão do pedido. Apresentar documentação comprobatória de jornada de trabalho incompatível com o horário escolar, para suporte de análise do pedido. 7

9 OBSERVAÇÃO: Alunos do primeiro período não terão direito a transferência de turno. TRANCAMENTO DE MATRÍCULA Para TRANCAMENTO DE MATRÍCULA o aluno deverá estar regularmente matriculado e estar em dia com suas parcelas vencidas e estar cursando a partir do segundo período podendo solicitar via requerimento seu trancamento até o dia 9 (nove) de março no primeiro semestre e 02 (dois) de setembro para o segundo semestre do período letivo de O trancamento parcial, em uma ou duas disciplinas deverá ser solicitado dentro do prazo estabelecido acima. PROCEDIMENTO: Preencher requerimento na Secretaria Geral fundamentando a razão do pedido. CANCELAMENTO DE MATRÍCULA O aluno deve estar em dia com as parcelas vencidas. O aluno deverá ficar ciente de que ao cancelar a matrícula todos os atos acadêmicos tornam-se nulos, encerrando definitivamente o vínculo com o curso e a Faculdade. PROCEDIMENTO: Preencher requerimento na Secretaria Geral fundamentando a razão do pedido. CRÉDITO DE DISCIPLINA Para solicitação de crédito de disciplina já cursadas o aluno deverá observar os prazos abaixo e anexar Histórico Escolar original, programas das disciplinas cursadas, sistemas de avaliação da IES de origem e aguardar decisão do coordenador do curso, após estudo curricular. O aluno deverá cursar a disciplina de solicitação até parecer final da instituição. I SEMESTRE: até 21/02/06 II SEMESTRE: até 14/08/06 PROCEDIMENTO: Preencher requerimento na Secretaria Geral fundamentando a razão do pedido. AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESCOLAR A avaliação do desempenho escolar é feita por disciplina, incidindo sobre a freqüência e o aproveitamento acadêmico. Independente dos demais resultados obtidos é considerado reprovado na disciplina o aluno que não obtenha freqüência de, no mínimo, 75%(setenta e cinco por cento) nas aulas e demais atividades programadas. Não haverá abono de faltas, qualquer que tenha sido a razão do impedimento. O aluno deverá administrar suas prováveis faltas dentro do limite de 25% previsto em lei. Somente se concede abono de faltas na FAP em virtude de doenças infecto-contagiosa, por força de determinação legal, ou, em conseqüência de acidente no curso da gestação ou do parto. Os pedidos devem ser instruídos com documentação hábil e devem ser solicitados até três (3) dias após a ocorrência do primeiro dia de falta - 8

10 contar o sábado como dia letivo. No caso de doença ou de gestação ou parto é necessária a fiel indicação do CID pelo profissional com registro no Conselho Regional competente. A verificação e o registro da freqüência é de responsabilidade do professor. Haverá em cada período, obrigatoriamente, duas verificações de aprendizagem (PR I) e (PR II) e uma prova final (PF). A avaliação do rendimento será expressa em grau numérico de zero (0) a dez (10) pontos, permitindo-se o fracionamento em décimos. O aluno que obtiver média aritmética nas provas parciais (PR1 e PR2) iguais ou maior que 7,0 (sete) será considerado aprovado. Exemplos: a) PR 1 = 6,0 PR 2 = 8,0 então, 6,0 + 8,0 = 14 = 7,0 (aprovado) 2 2 b) PR 1 = 7,0 PR 2 = 10,0 então, 7,0 + 10,0 = 17 = 8,5 (aprovado) 2 2 Prova Final Realizará prova final o aluno que obtiver média aritmética igual ou maior que 4,0(quatro) e menor que 7,0 (sete). Exemplos: a) PR 1 = 6,0 PR 2 = 7,0 então, 6,0 + 7,0= 13 = 6,5 (realizará prova final) 2 2 b) PR 1 = 3,0 PR 2 = 5,0 então, 3,0 + 5,0 = 8 = 4,0 (realizará prova final) 2 2 Grau final (aluno que prestou prova final): Média apurada entre a média aritmética da PR1 e PR2 e a Prova Final, cujo resultado deverá ser igual ou maior do que 5,0 (cinco) para obter aprovação. Exemplos: a) Média da prova PR 1 + PR 2 = 6,5 Prova final = 2,0 então, 6,5 + 2,0 = 8,5 = 4,25(reprovado) 2 2 b)média da prova PR 1 +PR 2= 4,0 Prova final = 6,0 então, 4,0 + 6,0 = 10 = 5(aprovado) 2 2 Resumo: 9

11 Fica aprovado o aluno que: Obtiver freqüência igual ou superior a 75% das aulas ministradas; Obtiver média aritmética entre PR 1 e PR 2 igual ou maior que 7,0; Obtiver grau final igual ou maior que 5,0. Fica reprovado o aluno que: Obtiver freqüência inferior a 75% das aulas ministradas; Obtiver média aritmética entre PR 1 e PR 2 menor que 4,0; Obtiver grau final menor que 5,0. A avaliação do processo ensino-aprendizagem da FAP, também, está ancorado numa organização curricular por competências que supõe uma mudança na postura metodológica da ação pedagógica docente que engloba novas estratégias e metodologias de ensino e também o foco na construção de competências, na avaliação por competências e por adoção de um contexto interdisciplinar do ensino. Pauta-se num currículo por competências que parte fundamentalmente da análise de situações, da ação, e daí, derivar-se conhecimentos, ou seja, por uma via de mão dupla que parte das teorias para a prática, e vice-versa, como também do concreto para o abstrato, do real para o conceitual. É dessa forma que se estabelece um currículo por competências. Uma reformulação curricular por competências implica, portanto, em um desenho curricular que ultrapasse programas ainda tradicionais em sua práxis, que apenas utilizam um verbo de ação no início da descrição dos conteúdos disciplinares para indicar uma suposta mudança. O enfrentamento de um projeto educacional que proporcione o educador criar, planejar, realizar, gerir e avaliar situações didáticas eficazes para o processo de aprendizagem e para o desenvolvimento dos alunos, utilizando o conhecimento das áreas a serem ensinadas, das temáticas sociais transversais e transdisciplinares no currículo da FAP. Dessa forma, o aluno irá ser avaliado utilizando-se de estratégias metodológicas de trato qualitativo, em que possam desenvolver as competências necessárias para o profissional em Redes através de trabalhos de cunho interventivo, trabalhos em grupos, atividades extra-classe, aulas práticas e por projetos interdisciplinares de estudo. 2ª CHAMADA DE PROVAS O aluno que deixar de comparecer à verificação na data fixada, pelos seguintes motivos: a) doença grave; b) em virtude de acidente ou intervenção cirúrgica; c) acidente durante a gravidez ou parto; d) prorrogação da jornada de trabalho, comprovada pela empresa através de declaração, poderá requerer, na Secretaria Geral de Alunos, no prazo de três (3) dias úteis da data da realização da prova contando o sábado como dia letivo, uma nova prova (2ª chamada) para cada disciplina, de acordo com as datas previstas no calendário escolar. A 2ª chamada das duas avaliações (PR1 e PR2) deverá ser realizada após a PR2, envolvendo o conteúdo ministrado para as duas avaliações, ou a critério do professor. 10

12 REVISÃO DE PROVA Pode ser concedida revisão da nota atribuída à verificação de aproveitamento, quando requerida no prazo de 24h (vinte e quatro) da sua divulgação (lançamento no sistema acadêmico), por meio de requerimento na SGA. O professor responsável pela revisão da nota poderá mantê-la ou alterá-la, devendo sempre, fundamentar sua decisão. Não concordando com a nota do professor, o aluno desde que justifique, poderá solicitar ao Conselho que submeta seu pedido de revisão à apreciação de dois outros professores da mesma área de conhecimento. Se ambos concordarem em alterar a nota, esta decisão é a que prevalecerá mas, não havendo unanimidade, prevalecerá a nota atribuída pelo professor da disciplina que avaliou a prova. AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Uma vez por semestre os alunos da FAP têm a oportunidade de avaliar a Faculdade, por meio de dinâmicas específicas para este fim. Sedimenta-se no processo de auto-avaliação de todos os segmentos (envolvendo alunos, professores, gestores, funcionários) da Instituição, estando este pautado nas diretrizes do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. Esta avaliação é fundamental para que a direção do Faculdade possa buscar, permanentemente, o aperfeiçoamento de seu corpo docente, de suas práticas acadêmicas e administrativas. Os resultados são amplamente divulgados à comunidade acadêmica. REGULAMENTO FINANCEIRO A semestralidade escolar corresponde à prestação de serviços educacionais oferecidos aos alunos regularmente matriculados. O valor da semestralidade será desdobrado em 6 (seis) parcelas ou, a critério do aluno, em número inferior de parcelas. Os valores dos encargos educacionais para cada ano letivo serão divulgados de acordo com a legislação vigente. As parcelas terão seus vencimentos estipulados para o dia 5 de cada mês. As mensalidades não quitadas até o dia do vencimento serão cobradas com os devidos acréscimos legais. A ausência ou abandono do aluno não dará direito à restituição de importâncias pagas e nem o eximirá do pagamento das mensalidades vincendas. O aluno para efetuar a rematrícula deverá estar sem débitos anteriores. Os débitos existentes terão quer ser pagos integralmente no ato da matrícula, devidamente corrigidos com os acréscimos legais. No ato da matrícula, o aluno pagará o valor equivalente a uma parcela da semestralidade. O trancamento de matrícula não isenta o aluno do pagamento da mensalidade subseqüente à data do requerimento, conforme parecer nº 44/79, do Conselho Federal de Educação. 11

13 O aluno que trancar a matrícula por incorporação (comprovada) ao Serviço Militar ficará isento do pagamento das mensalidades subseqüentes à data do requerimento. No caso do aluno estar devidamente matriculado e requerer trancamento ou cancelamento de matrícula não haverá crédito dos valores pagos, exceto aos vestibulandos que requererem o cancelamento da matrícula até o 1º dia de aula (inclusive), com direito a crédito de 80% do valor pago. A solicitação da Guia de Transferência não exime o aluno da responsabilidade pelo pagamento das mensalidades vencidas até o dia em que solicitar sua transferência para outra Instituição de Ensino Superior. REAJUSTES Os reajustes das mensalidades e taxas de expediente são efetuados de acordo com as planilhas de custos ou reajustes previstos em lei. BIBLIOTECA O espaço físico é de 358,30m2, com capacidade de atendimento para 130 pessoas, distribuídos em: salão de leitura, 03 salas de estudo em grupo, 01 sala de projeção de vídeos e 01 sala de internet. O atendimento às solicitações e pesquisas dos usuários é realizado no horário de 7h30 às 22h, de segunda a sexta-feira, e aos sábados de 8h às 16h. EMPRÉSTIMO CONSULTA LOCAL: O usuário faz a pesquisa nos terminais de consulta e se dirige ao acervo para localizar a obra. A biblioteca oferece livre acesso ao acervo em grupos de até 06 (seis) usuários por vez. A consulta só será efetuada mediante apresentação de um documento de identificação com foto e assinatura do usuário, permitindo-se a consulta de até 3 (três) livros de cada vez. EMPRÉSTIMO DOMICILIAR: A biblioteca coloca à disposição dos alunos, professores e funcionários um sistema de empréstimo totalmente informatizado. 1. QUANTIDADE DE LIVROS E PRAZO USUÁRIO QUANTIDADE PRAZO Aluno Professor Funcionário RESERVA: O usuário poderá reservar a obra mesmo que não se encontre na biblioteca. 3. RENOVAÇÃO: O empréstimo poderá ser renovado até a data do vencimento, com apresentação do livro desde que não esteja reservada para outro usuário. 12

14 4. ATRASO DE DEVOLUÇÃO: O atraso na entrega da publicação implicará na suspensão do serviço de empréstimo domiciliar pelo dobro de dias em atraso. Após o 7º dia (sétimo) dia de atraso, além da suspensão de empréstimo será cobrado multa diária de R$ 1,00 (Hum real) por obra. O pagamento da multa não libera o usuário da suspensão. 5. EXTRAVIO DA OBRA: Será solucionada com a aquisição imediata de novo exemplar, que será debitado no carnê do usuário, se aluno, ou contra cheque, se funcionário administrativo ou professor. VÍDEOS: As fitas de vídeos somente poderão ser locadas para serem assistidas na sala de vídeo da biblioteca da Faculdade, ou seja, não será permitido o empréstimo domiciliar. A projeção dos vídeos deverá ser previamente marcada, com o mínimo de um dia de antecedência. Será especificado o dia, hora, vídeo e o nome do aluno responsável pela sala de vídeo e sua projeção. SALA DE INTERNET: O usuário poderá permanecer na sala por 60 minutos após preenchimento de ficha e reserva de horário e entrega de documento de identificação com foto e assinatura. Será permitido o acesso a internet e base de dados, exclusivamente para pesquisas acadêmicas. CONVÊNIOS: Comut on-line: Permite que qualquer pessoa possa solicitar e receber cópias de artigos publicados em periódicos técnico-científicos (revistas, jornais, boletins, etc.), teses e anais de congressos existentes nas melhores bibliotecas do país. INFOTRAC on file: A base de dados Infotrac One file, produto multidisciplinar, possui mais de títulos de periódicos internacionais com artigos na integra e cerca de títulos indexados. Ao todo, oferece por volta de de artigos científicos provenientes das diversas áreas do conhecimento. Apresenta publicações com cobertura retroativa (back files), sendo grande parte de 1980 até o presente. OBSERVAÇÃO 1. A desobediência às regras de utilização do acervo da biblioteca importará no impedimento de acesso do usuário aos serviços da biblioteca. 2. Todo usuário deverá, ao cadastrar-se na biblioteca, declarar ter pleno conhecimento destas normas. SECRETARIA GERAL DOS ALUNOS Órgão de apoio à Diretoria Geral, Acadêmica e à Diretoria Administrativa- Financeira, responsável pelos serviços de registros, controle acadêmico e atendimento aos alunos. 13

15 TAXAS COBRADAS E PRAZOS PARA EMISSÃO DE DOCUMENTOS PELA SECRETARIA GERAL DOS ALUNOS Documentos e serviços que os alunos da FAP poderão solicitar na Secretaria Geral, mediante requerimento e pagamento de taxa, quando for o caso: DOCUMENTOS VALOR PRAZO DE EMISSÃO COBRADO Declaração de Aprovação no R$2,00 3 dias úteis vestibular Declaração de Cancelamento R$2,00 3 dias úteis Declaração de Colação de Grau R$2,00 3 dias úteis Declaração de Conclusão de Curso R$2,00 3 dias úteis Declaração de Estágio Grátis 3 dias úteis Declaração de Matrícula R$2,00 3 dias úteis Declaração de Subjudice R$2,00 3 dias úteis Declaração de Conduta Escolar R$2,00 3 dias úteis Declaração de Reconhecimento do R$2,00 3 dias úteis Curso Declaração de comparecimento a R$2,00 3 dias úteis prova e trabalhos Declaração de freqüência, solicitado R$2,00 3 dias úteis no decorrer do período letivo Expedição de diploma de graduação R$80,00 15 dias úteis Requerimento de registro de diploma R$10,00 Imediato Requerimento de Transferência R$5,00 5 dias úteis Externa Requerimento de Transferência Grátis 5 dias úteis Interna Guia de Transferência (expedição) R$ 10,00 20 dias úteis Histórico Escolar R$5,00 10 dias úteis Portaria 515 Grátis 2 dias úteis Requerimento de trancamento de R$5,00 Imediato matrícula Requerimento de cancelamento de R$5,00 Imediato matrícula Programa de Disciplinas R$3,00 2 dias úteis Req. para Trancamento de disciplinas R$3,00 2 dias úteis Requerimento para Justificativa de Grátis 3 dias úteis Faltas Requerimento para de 2ª Chamada R$10,00 Imediato de prova 2ª Via de Carnê R$5,00 2 dias úteis Requerimento para alteração de Grátis Imediato Endereço Requerimento para Revisão de Prova R$5,00 2 dias úteis 14

16 Requerimento para Verificação de Grátis 2 dias úteis Notas 2ª Via de Requerimento de Matrícula R$3,00 Imediato Isenção de Disciplina Requerimento de Reabertura de R$,5,00 Imediato Matrícula Requerimento para Re-estudo de Currículo Grátis 5dias úteis LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FAP disponibiliza aos alunos e professores três laboratórios de informática, equipados com computadores de última geração e softwares necessários ao pleno desenvolvimento das atividades de ensino. Os equipamentos do Laboratório de Informática estão à disposição de TODOS os alunos da Faculdade do Pará, exclusivamente para fins acadêmicos. Colabore para o bom funcionamento dos mesmos, observando as seguintes normas: NORMAS DE UTILIZAÇÃO Direitos dos Usuários O Acesso aos laboratórios é permitido aos alunos, professores e funcionários da FAP. Ter acesso aos recursos computacionais existentes nos laboratórios de acordo com as regras acima estabelecidas. Ter acesso à Internet (exceto em casos de problemas técnicos e/ou outro de força maior). Elaborar trabalhos diretamente relacionados às disciplinas e/ou projetos de pesquisa da FAP. A impressão de trabalhos acadêmicos e currículos em horários préestabelecidos pela Gerência do NTI. Cada aluno terá uma cota para impressão e é de sua responsabilidade a aquisição de papel para impressão (A4 cor branca), os trabalhos não poderão ser alterados, modificados ou corrigidos pelo pessoal do suporte de laboratório, qualquer alteração deverá ser feita no laboratório. Obrigações dos Usuários 15

17 Zelar pelo estado de conservação dos laboratórios e dos equipamentos, e manter a limpeza das salas. Notificar aos técnicos ou a Gerencia do NTI qualquer ocorrência que possa por em perigo os usuários e/ou a instalações dos laboratórios, bem como, a qualquer mau funcionamento das máquinas. Comunicar aos funcionários dos laboratórios caso algum estranho esteja na área dos mesmos. Não é permitido o acesso de pessoas não autorizadas aos equipamentos. Durante a utilização dos equipamentos você pode vir a ser solicitado a se identificar. Não facilitar o acesso às pessoas não autorizadas. Não modificar a disposição dos microcomputadores. Não fazer qualquer trabalho que não esteja relacionado às atividades acadêmicas desenvolvidas na FAP. Não usar travamento de janelas (lockscreen) ou qualquer processo de bloqueio de terminal. Não instalar softwares sem autorização por escrito do professor ou da Gerência do NTI. Não alterar a configuração dos microcomputadores. Não abrir ou mexer em qualquer equipamento e/ou periférico dos laboratórios. Não ingerir e portar alimentos ou bebidas nos laboratórios. Não fazer uso da rede para fins comerciais e/ou ilegais e/ou imorais. Não utilizar a Internet para ter acesso à sites eróticos / pornográficos ou de conteúdos similares. Não fazer uso de jogos. Não fazer download de material que não seja para utilização em disciplinas ou projetos de pesquisa da FAP. Não é permitida a entrada de qualquer equipamento de informática pessoal nos laboratórios. Manter silêncio. Não fumar. Não utilizar celular dentro dos laboratórios para não perturbar os demais usuários. Não deixar lixo sobre as mesas. Desligar os microcomputadores corretamente. 16

18 Respeitar os horários de aula dos laboratórios e desocupá-lo, quando solicitado. Os arquivos armazenados nos computadores poderão ser removidos em qualquer momento e sem prévio aviso. O backup dos dados é de inteira responsabilidade do usuário. DANIFICAÇÃO PUNIÇÕES A danificação de equipamentos e/ou material será solucionada com a aquisição imediata de novo equipamento ou material, com débito no carnê do usuário se aluno, ou contra-cheque, se professor. A não observância das regras acima implicará em penalidades. As punições seguirão os seguintes critérios: 1ª ocorrência: Advertência. 2ª ocorrência: Advertência e registro do ocorrido. 3ª ocorrência: Suspensão do uso do laboratório. EQUIPAMENTOS Não modificar a disposição dos micros. Não alterar as configurações padrões dos micros. Não instalar, sob qualquer pretexto, programas protetores de tela ou jogos. Não utilizar os equipamentos para fins particulares, exceto currículo. Para imprimir seus trabalhos e/ou currículo, o aluno deverá trazer folha tamanho A4, na cor branca. INTERNET É expressamente proibido visitar sites pornográficos, eróticos ou de conteúdos similares. Não baixar programas, jogos, plug-ins, etc. Não acessar sites de bate-papo (chat). CORPO DISCENTE DIREITOS DOS ALUNOS Ter conhecimento do regimento da FAP (encontra-se à disposição na Biblioteca). Participar, como representante estudantil, dos órgãos colegiados da FAP na forma prevista na legislação em vigor e no regimento. Recorrer das decisões dos órgãos deliberativos ou executivos. 17

19 Promover atividades ligadas aos interesses da vida acadêmica. Votar e ser votado nas eleições do órgão de representação estudantil. Obs: Para integrar qualquer órgão colegiado da FAP, o aluno deverá estar regularmente matriculado em qualquer dos seus cursos regulares. DEVERES DOS ALUNOS Diligenciar no aproveitamento máximo de ensino. Atender aos dispositivos regulamentares, no que diz respeito à orientação didática, à freqüência às aulas, à execução dos trabalhos acadêmicos e ao pagamento das taxas acadêmicas. Observar o regimento disciplinar instituído. Abster-se de atos que possam importar em perturbação da ordem, ofensa aos bons costumes, desrespeito às autoridades públicas e às da FAP, aos professores, aos integrantes do corpo técnico-administrativo e aos próprios colegas. Cooperar com a administração para realização dos objetivos da FAP. Manter em dia suas mensalidades e demais taxas acadêmicas. 18

20 PRÊMIO FAP DE EXCELÊNCIA EDUCACIONAL REGULAMENTO 1. O prêmio principal será outorgado ao melhor aluno da FAP - Faculdade do Pará, em cada Curso e, se constitui um subsídio parcial, ou seja, equivalente a 70% do valor das mensalidades no semestre seguinte; 2. Para o segundo lugar haverá um prêmio de 50% de subsídio no mesmo período do item 1 deste regulamento; 3. Para o terceiro lugar haverá um prêmio de 40% de subsídio no mesmo período do item 1 deste regulamento 4. Para o quarto lugar um prêmio de 30% de subsídio no mesmo período do item 1 deste regulamento. 5. Para o quinto lugar um prêmio 20% de subsídio no mesmo período do item 1 deste regulamento; 6. O critério de julgamento será baseado na maior média relativa ao desempenho acadêmico, considerando-se a PRI (primeira avaliação) e PRII ( segunda avaliação); 7. Em caso de empate, serão considerados os seguintes itens para a escolha final de um único vencedor de cada premiação: 7.1. Melhor média acadêmica de PRI (primeira avaliação) ; Melhor média de freqüência nos semestres anteriores; 7.2. Melhor média acadêmica de PRII (segunda avaliação) 7.3. Índice de freqüência no semestre; 7.4. Melhor média acadêmica de PRII (segunda avaliação) 7.5.Se persistir o empate, serão utilizadas as médias do semestre anterior para desempate; 7.6. Se ainda persistir o empate, o subsídio será dividido entre os vencedores. 8. Para concorrer, o aluno precisa estar regularmente matriculado na FAP, com 18 créditos, no mínimo, estar em dia com suas obrigações contratuais e com o pagamento das mensalidades, no final do semestre que está cursando. OBSERVAÇÕES 1. Os prêmios não são cumulativos e serão renovados a cada semestre letivo; 19

FACULDADE DARCY RIBEIRO. Manual do Aluno FTDR. Fortaleza Ceará

FACULDADE DARCY RIBEIRO. Manual do Aluno FTDR. Fortaleza Ceará FACULDADE DARCY RIBEIRO Manual do Aluno FTDR Fortaleza Ceará SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 5 2. CURSOS... 5 3. PROCEDIMENTOS... 5 4. CARTEIRAS ESTUDANTIS... 12 5. DIREITOS E DEVERES DO ALUNO... 13 6. REGIME

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 2014

MANUAL DO ALUNO 2014 MANUAL DO ALUNO 2014 APRESENTAÇÃO Caro Acadêmico, Agradecemos por você ter escolhido o IESG para sua formação profissional. No Manual do Aluno você encontrará informações importantes e necessárias para

Leia mais

FACULDADE DARCY RIBEIRO. Manual do Aluno FADR

FACULDADE DARCY RIBEIRO. Manual do Aluno FADR FACULDADE DARCY RIBEIRO Manual do Aluno FADR Fortaleza Ceará SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. CURSOS... 3 2. PROCEDIMENTOS... 3 3. CARTEIRAS ESTUDANTIS... 10 4. DIREITOS E DEVERES DO ALUNO... 11 5. REGIME

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL. ÓRGÃOS DELIBERATIVOS Conselho Superior de Administração Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão Colegiado de Curso

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL. ÓRGÃOS DELIBERATIVOS Conselho Superior de Administração Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão Colegiado de Curso ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ÓRGÃOS DELIBERATIVOS Conselho Superior de Administração Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão Colegiado de Curso ÓRGÃOS EXECUTIVOS Maria Sônia Rodrigues Lobo Gluck Paul Direção

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 1. Admissão aos Cursos 2. Matrícula Inicial 3. Matrícula em Disciplinas 4. Alteração de Matrícula em Disciplinas 5. Progressão nas Séries 6. Coeficiente de Rendimento

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO - FACEB

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO - FACEB EDITAL CURSOS TÉCNICOS Instituto Bondespachense Presidente Antônio Carlos - IBPAC FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO - FACEB BOM DESPACHO 2013 SUMÁRIO 1 EDITAL... 03 2. HISTÓRICO... 04 3. APRESENTAÇÃO...

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADE SÃO PAULO. Ingressantes 2010. Junho/2010 Página 1 de 14

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADE SÃO PAULO. Ingressantes 2010. Junho/2010 Página 1 de 14 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADE SÃO PAULO Ingressantes 2010 Página 1 de 14 SUMÁRIO 1. OBJETIVO DO CURSO 2. ESTRUTURA DO CURSO 2.1) Visão geral 2.2) Pré-requisitos 2.3) Critérios de contagem

Leia mais

RESPOSTAS RÁPIDAS A PERGUNTAS FREQUENTES INSCRIÇÕES E MATRÍCULA

RESPOSTAS RÁPIDAS A PERGUNTAS FREQUENTES INSCRIÇÕES E MATRÍCULA RESPOSTAS RÁPIDAS A PERGUNTAS FREQUENTES INSCRIÇÕES E MATRÍCULA 1. Como fazer para me inscrever num dos Programas de Pós-graduação Lato Sensu da FADBA? Basta consultar nossa página através do site www.adventista.edu/pos.

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

FACULDADE DIREÇÃO GERAL NORMA 029 1/5

FACULDADE DIREÇÃO GERAL NORMA 029 1/5 1. Dos Requisitos e Documentos para o Ingresso Para ingressar nos cursos de ensino superior o candidato deve ter concluído o Ensino Médio, prestar processo seletivo da IES ou ingressar por uma das formas

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015 1 A Coordenação do Curso de Administração, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições e em cumprimento ao Art. 5 o do Regulamento de Monitoria, Anexo da Resolução de 21 de dezembro

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

FACULDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS AVANÇADOS FABEA

FACULDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS AVANÇADOS FABEA FACULDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS AVANÇADOS FABEA VESTIBULAR 2012.1 MANUAL DO CANDIDATO CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO 1 MANUAL DO CANDIDATO VESTIBULAR 2012.1 Prezado candidato: A Faculdade Brasileira

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE (UNIBH)

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE (UNIBH) CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE (UNIBH) Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão (PGPE) Coordenação Geral do Programa de Pós-Graduação Lato Sensu (CGPPGL) Edital do processo seletivo referente

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA orientam-se pelas normas especificadas neste Regulamento e estão sujeitos ao

Leia mais

Regulamento Biblioteca

Regulamento Biblioteca Regulamento Biblioteca 2012 A Diretora Geral do Colégio e, no uso de suas atribuições regimentais, estabelece o presente regulamento da Biblioteca da Instituição. A Biblioteca do Colégio e, denominada

Leia mais

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - Este REGULAMENTO rege as normas e disciplina, nos planos pedagógico, didático, científico, administrativo, disciplinar

Leia mais

EDITAL VESTIBULAR FLORENCE AGENDADO SEMESTRE LETIVO 2016.1

EDITAL VESTIBULAR FLORENCE AGENDADO SEMESTRE LETIVO 2016.1 EDITAL VESTIBULAR FLORENCE AGENDADO SEMESTRE LETIVO 2016.1 EDITAL N 15 2016 PROCESSO SELETIVO 2016.1 A Diretora Geral do Instituto Florence de Ensino Superior, no uso de suas atribuições regimentais, torna

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Empresa / Turma: Curso: Aluno (a): Declaro ter recebido, estar ciente e concordar com as normas estabelecidas pela documentação abaixo citada.

Empresa / Turma: Curso: Aluno (a): Declaro ter recebido, estar ciente e concordar com as normas estabelecidas pela documentação abaixo citada. Empresa / Turma: Curso: Aluno (a): Declaro ter recebido, estar ciente e concordar com as normas estabelecidas pela documentação abaixo citada. Regulamento Acadêmico dos cursos do FGV in company Código

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACTHUS E D I T A L PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 14/NOVEMBRO/2015 INGRESSO 2016/1

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACTHUS E D I T A L PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 14/NOVEMBRO/2015 INGRESSO 2016/1 FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACTHUS E D I T A L PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 14/NOVEMBRO/2015 INGRESSO 2016/1 UBERABA-MG 6/10/2015 1 BREVE HISTÓRICO DA FACTHUS Ensino Superior acessível, com qualidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO Belém-PA, janeiro/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições do

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

Título I Das Disposições Preliminares. TÍTULO II Do Processo Seletivo. TÍTULO III Da matrícula

Título I Das Disposições Preliminares. TÍTULO II Do Processo Seletivo. TÍTULO III Da matrícula Regulamento do Processo Seletivo para ingresso nos cursos de Graduação Bacharelado e Licenciatura e Graduação Tecnológica da Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação. Missão Institucional Promover

Leia mais

FACULDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS AVANÇADOS FABEA

FACULDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS AVANÇADOS FABEA FACULDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS AVANÇADOS FABEA VESTIBULAR 2013.1 MANUAL DO CANDIDATO CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO 1 MANUAL DO CANDIDATO VESTIBULAR 2013.1 Prezado candidato: A Faculdade Brasileira

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 84, DE 23 DE JULHO DE

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 84, DE 23 DE JULHO DE O Diretor Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Campus São Luís Centro Histórico, no uso de suas atribuições, torna público que estarão abertas no período de 24/07/2014

Leia mais

CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO RESOLUÇÃO CONSU Nº 031 - A/2009, DE 01 DE SETEMBRO DE 2009, A Reitora do Centro Universitário Euro - Americano no, no uso de suas atribuições estatutárias, considerando a necessidade de atualizar as normas

Leia mais

SUMÁRIO. Regimento da Matrícula...03. Reingresso do Aluno por Processo Seletivo Especial...04. Trancamento e Cancelamento de Matrícula...

SUMÁRIO. Regimento da Matrícula...03. Reingresso do Aluno por Processo Seletivo Especial...04. Trancamento e Cancelamento de Matrícula... SUMÁRIO Regimento da Matrícula...03 Reingresso do Aluno por Processo Seletivo Especial...04 Trancamento e Cancelamento de Matrícula...05 Transferências e Aproveitamento de Estudos...05 Critérios de Avaliação

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA ITEPA FATEPA. Mantida pelo Instituto Técnico de Educação Porto Alegre Ltda

FACULDADE DE TECNOLOGIA ITEPA FATEPA. Mantida pelo Instituto Técnico de Educação Porto Alegre Ltda FACULDADE DE TECNOLOGIA ITEPA FATEPA Mantida pelo Instituto Técnico de Educação Porto Alegre Ltda CURSO DE GRADUAÇÃO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA/MEC DE AUTORIZAÇÃO Nº 468, D.O.U.

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS Uni-ANHANGUERA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS Uni-ANHANGUERA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS Uni-ANHANGUERA CAPÍTULO I DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O Centro Universitário de Goiás Uni-ANHANGUERA, sempre sincronizado

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1. Os Cursos de Pós-Graduação Lato sensu do Instituto Federal de Rondônia

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 068/2012-UAB-UEM A Coordenadora da UAB da Universidade Estadual de Maringá, no uso das atribuições, TORNA PÚBLICO A abertura de inscrições do processo seletivo para contratação de TUTOR (A DISTÂNCIA)

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES 2012

REGULAMENTO PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES 2012 REGULAMENTO PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES 2012 1) Constitui pré requisito para o ingresso no Programa Especial de Formação Pedagógica de Docentes 2012 UNINOVE a apresentação de Diploma

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO CLASSIFICATÓRIO 2012/2

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO CLASSIFICATÓRIO 2012/2 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO CLASSIFICATÓRIO 2012/2 A Diretora Geral da Escola Superior de Propaganda e Marketing Unidade Rio de Janeiro, de acordo com o regimento interno, torna pública as normas do Processo

Leia mais

Edital Processo Seletivo - 2º semestre de 2011

Edital Processo Seletivo - 2º semestre de 2011 Edital Processo Seletivo - 2º semestre de 2011 O Instituto de Ensino Superior João Alfredo de Andrade, por sua Comissão Organizadora do Processo Seletivo, instituída em caráter permanente pela Portaria

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CÂMPUS SANTA HELENA DE GOIÁS REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CÂMPUS SANTA HELENA DE GOIÁS REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CÂMPUS SANTA HELENA DE GOIÁS REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA JUNHO 2014 2 COMISSÃO DE ELABORAÇÃO Adriano Ferraz da Costa Edmar Augusto Yokome Filipe

Leia mais

EDITAL PRAC 04/2015 INSCRIÇÕES

EDITAL PRAC 04/2015 INSCRIÇÕES EDITAL PRAC 04/2015 PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO EM CURSOS DE GRADUAÇÃO NAS MODALIDADES PRESENCIAL E EAD DA UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO, PARA ESTUDANTES PROVENIENTES DE TRANSFERÊNCIAS EXTERNAS,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Pós-graduação lato sensu da FAZU - Faculdades Associadas de Uberaba, tem por objetivo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CARIOCA EDITAL PROCESSO SELETIVO JORNAL EXTRA 5ª EDIÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CARIOCA EDITAL PROCESSO SELETIVO JORNAL EXTRA 5ª EDIÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CARIOCA EDITAL PROCESSO SELETIVO JORNAL EXTRA 5ª EDIÇÃO O Centro Universitário Carioca UniCarioca, recredenciado através da Portaria MEC Nº 1.565/04 torna públicas as normas a seguir,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 098/2012-UAB-UEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 098/2012-UAB-UEM EDITAL Nº 098/2012-UAB-UEM A Coordenadora da UAB da Universidade Estadual de Maringá, no uso das atribuições, TORNA PÚBLICO: A abertura de inscrições do processo seletivo para contratação de TUTOR (PRESENCIAL)

Leia mais

REGIMENTO TÍTULO I DOS FINS

REGIMENTO TÍTULO I DOS FINS TÍTULO I DOS FINS Programa de Pós-Graduação em Odontologia / PPgO Áreas de concentração em Estomatologia, Clínica Odontológica, Periodontia e Implantodontia, em nível de Mestrado Profissional. REGIMENTO

Leia mais

REGULAMENTO MBA EM GESTÃO DE CRÉDITO DESTE REGULAMENTO

REGULAMENTO MBA EM GESTÃO DE CRÉDITO DESTE REGULAMENTO REGULAMENTO MBA EM GESTÃO DE CRÉDITO DESTE REGULAMENTO O Regulamento de Pós-Graduação da Fundação Getulio Vargas é um instrumento normativo, destinado ao corpo discente, que descreve os padrões de qualidade

Leia mais

REGULAMENTO ACADÊMICO DOS CURSOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO DO IFGOIAS

REGULAMENTO ACADÊMICO DOS CURSOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO DO IFGOIAS REGULAMENTO ACADÊMICO DOS CURSOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO DO IFGOIAS Goiânia 2010 REGULAMENTO ACADÊMICO DOS CURSOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. TERMO ADITIVO PROCESSO SELETIVO 2º/2015- Vagas Remanescentes

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. TERMO ADITIVO PROCESSO SELETIVO 2º/2015- Vagas Remanescentes CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL TERMO ADITIVO PROCESSO SELETIVO 2º/2015- Vagas Remanescentes 1 PROVA TRADICIONAL 1.1 Dos Períodos de Inscrição, Horários e Locais: O Processo Seletivo do Centro

Leia mais

MANUAL DISCENTE 2012

MANUAL DISCENTE 2012 MANUAL DISCENTE 2012 SUMARIO 1. Apresentação da Instituição 02 2. Organização Institucional 03 3. Missão, Visão, Princípios e Valores 04 4. Procedimentos Acadêmicos 05 5. Estágio Supervisionado e Trabalho

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Até 15 dias letivos após o início das aulas disciplinas

Até 15 dias letivos após o início das aulas disciplinas EDITAL DE RENOVAÇÃO DE MATRÍCULA PARA O SEGUNDO SEMESTRE DE 2010 O Diretor da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA, no uso da suas atribuições, torna público o calendário e as normas para renovação de matrícula

Leia mais

EDITAL PRÓ-REITORIA PD Nº 01 DE 09 DE OUTUBRO DE 2014 CAPÍTULO I DOS CURSOS

EDITAL PRÓ-REITORIA PD Nº 01 DE 09 DE OUTUBRO DE 2014 CAPÍTULO I DOS CURSOS EDITAL PRÓ-REITORIA PD Nº 01 DE 09 DE OUTUBRO DE 2014 Re-ratifica as disposições do Edital do Processo Seletivo 2015 publicado em dia 28 de fevereiro de 2014. A Presidente da Comissão Permanente de Processos

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU)

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) MESTRADO TÍTULO I DOS FINS Art. 1 o O curso de Pós-Graduação Mestrado em Tecnologias em Saúde, da Fundação Bahiana para Desenvolvimento

Leia mais

O presente processo terá validade para matrícula no primeiro semestre de 2015, através de ingresso por:

O presente processo terá validade para matrícula no primeiro semestre de 2015, através de ingresso por: EDITAL DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA E PORTADORES DE DIPLOMA PARA 2015/1 Os Diretores Executivo e Técnico do SENAI CETIQT, no uso das atribuições que lhes conferem o Regimento Interno do SENAI CETIQT, tornam

Leia mais

1. Objetivo. 2. Elegíveis

1. Objetivo. 2. Elegíveis 1. Objetivo Estabelecer diretrizes, critérios e condições para a concessão de bolsa integral das mensalidades para cursar 1 (um) semestre, por meio de intercâmbio em uma das instituições de Ensino Superior

Leia mais

PORTARIA Nº 1015/GAB, DE 21 DE JULHO DE 2008.

PORTARIA Nº 1015/GAB, DE 21 DE JULHO DE 2008. PORTARIA Nº 1015/GAB, DE 21 DE JULHO DE 2008. O DIRETOR GERAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições legais, resolve: Art. 1º - Aprovar as Normas Acadêmicas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Processo Seletivo 2016 1.º semestre

MANUAL DO CANDIDATO. Processo Seletivo 2016 1.º semestre MANUAL DO CANDIDATO Processo Seletivo 2016 1.º semestre A UNIVERSIDADE PAULISTA faz saber que estão abertas as inscrições, nos locais e horários indicados no item DAS INSCRIÇÕES do presente manual, para

Leia mais

ANO 2014 2º SEMESTRE

ANO 2014 2º SEMESTRE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS EDITAL Nº 095/2014, de 25/04/2014 PROCESSO SELETIVO E MATRÍCULA DOS CANDIDATOS APROVADOS NO PROGRAMA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 114/2014-UAB-UEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 114/2014-UAB-UEM EDITAL Nº 114/2014-UAB-UEM A Coordenadora da UAB da Universidade Estadual de Maringá, no uso das atribuições, TORNA PÚBLICO: A abertura de inscrições do processo seletivo para contratação de TUTOR (PRESENCIAL)

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I DO OBJETIVO E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1.º - Este regimento estabelece as normas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria 3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria RESOLUÇÃO N.º 06/2006 - CONSUN APROVA O SISTEMA DE AVALIAÇÃO E PROMOÇÃO PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO E CURSOS SEQÜENCIAIS DA PUCPR INGRESSANTES A PARTIR DE 2000. O Presidente

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para

Leia mais

Federação de Escolas Faculdades Integradas Simonsen Edital 2º semestre 2015

Federação de Escolas Faculdades Integradas Simonsen Edital 2º semestre 2015 Federação de Escolas Faculdades Integradas Simonsen Edital 2º semestre 2015 De conformidade com o disposto no Art. 7º do Regimento das Faculdades Integradas Simonsen, aprovado pela portaria MEC 634 de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 079/2014-UAB-UEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 079/2014-UAB-UEM EDITAL Nº 079/2014-UAB-UEM A Coordenadora da UAB da Universidade Estadual de Maringá, no uso das atribuições, TORNA PÚBLICO: A abertura de inscrições do processo seletivo para contratação de TUTOR (PRESENCIAL)

Leia mais

Edital do Processo Seletivo de Transferência entre Faculdades 2014/1

Edital do Processo Seletivo de Transferência entre Faculdades 2014/1 Edital do Processo Seletivo de Transferência entre Faculdades 2014/1 A Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) de São Paulo, sob a responsabilidade do diretor-geral de graduação, professor Luiz

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE SANTARÉM ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LUTERANA DO BRASIL Portaria Ministerial nº 1992 D.O.U.

CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE SANTARÉM ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LUTERANA DO BRASIL Portaria Ministerial nº 1992 D.O.U. CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE SANTARÉM ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LUTERANA DO BRASIL Portaria Ministerial nº 1992 D.O.U. de 20/12/06 ATO EDITAL Nº 07/2014 Nos termos do Art. 54 do Regimento do Centro Universitário

Leia mais

FEFISA Faculdades Integradas de Santo André CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (AACC)

FEFISA Faculdades Integradas de Santo André CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (AACC) FEFISA Faculdades Integradas de Santo André CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (AACC) 2012 / 2013 Prezado(a) aluno(a), É com muito orgulho e satisfação que oferecemos

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DIREITO PENAL 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DIREITO PENAL 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DIREITO PENAL 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para inscrição e matrícula

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI PRÓ-REITORIA DE ENSINO EDITAL Nº 16/15/PROEN TRANSFERÊNCIA INTERINSTITUCIONAL E ADMISSÃO DE GRADUADOS 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI PRÓ-REITORIA DE ENSINO EDITAL Nº 16/15/PROEN TRANSFERÊNCIA INTERINSTITUCIONAL E ADMISSÃO DE GRADUADOS 2016. EDITAL Nº 16/15/PROEN TRANSFERÊNCIA INTERINSTITUCIONAL E ADMISSÃO DE GRADUADOS 2016.1 A Pró-Reitoria de Ensino (PROEN) da Universidade Federal do Cariri (UFCA) faz saber que estão abertas no período de

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA BARRETOS 2010 REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA Art. 1 - O Programa de Monitoria da Faculdade Barretos, destinado a alunos regularmente matriculados, obedecerá às normas

Leia mais

3 DAS CONDIÇÕES DA MATRÍCULA ESPECIAL E TRANSFERÊNCIA EXTERNA

3 DAS CONDIÇÕES DA MATRÍCULA ESPECIAL E TRANSFERÊNCIA EXTERNA EDITAL DE MATRÍCULA ESPECIAL E TRANSFERÊNCIA EXTERNA PARA 2015.2 Edital de 01 de junho de 2015 O Instituto Mantenedor de Ensino Superior - IMES, de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS (Regimento Interno aprovado pela Comissão de Pós-graduação do IPEC em 25/08/2010 e pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 1º Sem/2016 Graduação Presencial Manual do Candidato PROVA AGENDADA

PROCESSO SELETIVO 1º Sem/2016 Graduação Presencial Manual do Candidato PROVA AGENDADA PROCESSO SELETIVO 1º Sem/2016 Graduação Presencial Manual do Candidato PROVA AGENDADA A Universidade Cidade de São Paulo UNICID, atendendo a Portaria Normativa MEC n o 40, de 12/12/2007, republicada em

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA R E S O L U Ç Ã O N o 119/2005-CEP CERTIDÃO Certifico que a presente Resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia 1º/9/2005. Esmeralda Alves Moro, Secretária. Aprova normas para organização

Leia mais

Regulamento Geral de Cursos de Direito do IICS

Regulamento Geral de Cursos de Direito do IICS Regulamento Geral de Cursos de Direito do IICS TÍTULO I - DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Art. 1º. Os Cursos oferecidos pelo CEU-IICS Escola de Direito são destinados a graduados e estudantes que buscam ampliar

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 061/2014-UAB-UEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 061/2014-UAB-UEM EDITAL Nº 061/2014-UAB-UEM A Coordenadora da UAB da Universidade Estadual de Maringá, no uso das atribuições, TORNA PÚBLICO: A abertura de inscrições para o processo seletivo de TUTORIA (A Distância) para

Leia mais

RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA

RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA O Presidente do CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO - FADISA, Professor Ms. ANTÔNIO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº. 07/2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO Aprova a criação do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível

Leia mais

OBJETIVO: 1 - GERAL 2 - ESPECÍFICOS

OBJETIVO: 1 - GERAL 2 - ESPECÍFICOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS PRÓ-REITORIA DE ENSINO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO INFORMAÇÕES PARA DIVULGAÇÃO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA INTERNET Curso de Especialização Lato Sensu

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 50, DE 27 DE AGOSTO DE

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 50, DE 27 DE AGOSTO DE O Diretor Geral Pró-Tempore do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Campus São Luís Centro Histórico, no uso de suas atribuições, torna público que estarão abertas no período

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV Dispõe da aprovação do Regimento Geral de Pós- Graduação Lato Sensu. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2º Sem/2014 Graduação Presencial Manual do Candidato PROVA AGENDADA

PROCESSO SELETIVO 2º Sem/2014 Graduação Presencial Manual do Candidato PROVA AGENDADA PROCESSO SELETIVO 2º Sem/2014 Graduação Presencial Manual do Candidato PROVA AGENDADA A Universidade Cidade de São Paulo UNICID, atendendo a Portaria Normativa MEC n o 40, de 12/12/2007, resolve promover

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03/2015

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03/2015 1 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03/2015 A Coordenação do Curso de Ciências Contábeis, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 1º Sem/2014 Graduação Presencial Manual do Candidato Ingresso Via ENEM

PROCESSO SELETIVO 1º Sem/2014 Graduação Presencial Manual do Candidato Ingresso Via ENEM PROCESSO SELETIVO 1º Sem/2014 Graduação Presencial Manual do Candidato Ingresso Via ENEM A Universidade Cidade de São Paulo UNICID, atendendo a Portaria Normativa MEC n o 40, de 12.12.2007, resolve promover

Leia mais

UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO. TERMO ADITIVO PROCESSO SELETIVO 2º/2015- Vagas Remanescentes

UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO. TERMO ADITIVO PROCESSO SELETIVO 2º/2015- Vagas Remanescentes UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO TERMO ADITIVO PROCESSO SELETIVO 2º/2015- Vagas Remanescentes 1 PROVA TRADICIONAL 1.1 Dos Períodos de Inscrição, Horários e Locais: O Processo Seletivo da Universidade Cidade

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE MINAS GERAIS - FAMIG DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE MINAS GERAIS - FAMIG DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE MINAS GERAIS - FAMIG DOS OBJETIVOS Art. 1º. A Biblioteca tem por objetivos gerais: 1º. Coletar, organizar e difundir a documentação bibliográfica necessária aos programas

Leia mais

PROCESSO SELETIVO ENEM EDITAL 2016-1

PROCESSO SELETIVO ENEM EDITAL 2016-1 PROCESSO SELETIVO ENEM EDITAL 2016-1 Dúvidas mais Frequentes 1. O que é Processo Seletivo ENEM? É o processo que oferece vagas aos candidatos que pretendem cursar a Faculdade a partir de Fevereiro/2016,

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO AGENDADO2015/2

EDITAL PROCESSO SELETIVO AGENDADO2015/2 EDITAL PROCESSO SELETIVO AGENDADO2015/2 CONSOLIDADO O Diretor da Faculdade Cenecista de Itaboraí FACNEC e Faculdade Itaboraí, com sede no município de Itaboraí, Estado do Rio de Janeiro, torna público,

Leia mais

EDITAL Nº. 71/2013 PROCESSO SELETIVO 2014/1

EDITAL Nº. 71/2013 PROCESSO SELETIVO 2014/1 EDITAL Nº. 71/2013 PROCESSO SELETIVO 2014/1 O Diretor Superintendente das Faculdades Alves Faria ALFA, no uso de suas atribuições regimentais e em acordo com a Lei nº. 9394/1996 das Diretrizes e Bases

Leia mais

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Geral da Pós Lato Sensu da Universidade Estadual de Roraima. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO E REITOR PRO TEMPORE DA - UERR, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO JORGE AMADO MANUAL DO CANDIDATO

CENTRO UNIVERSITÁRIO JORGE AMADO MANUAL DO CANDIDATO CENTRO UNIVERSITÁRIO JORGE AMADO MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO GRADUAÇÃO EAD ENEM 2015.1 Corpo Diretivo - Mantenedora ASBEC - Soc. Baiana de Educação e Cultura Presidência do Conselho de Administração

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO O Conselho de Administração, Ensino, Pesquisa e Extensão Consaepe, considerando as suas atribuições RESOLVE aprovar o Regulamento dos

Leia mais