CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2º PERÍODO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2º PERÍODO"

Transcrição

1 1

2 CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2º PERÍODO 2

3 BIOINFORMÁTICA É a junção da ciência computacional e da biologia molecular. Para tal associação utiliza conhecimentos: Da física; Biologia; Química; INFORMÁTICA; CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO; Matemática. Prof. Marcelo Xavier Travassos - Curso: Ciências Biológicas UNIMONTES 3

4 PORQUÊ O USO DA INFORMÁTICA NO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS? Por que a bioinformática tem o conhecimento essencial para a construção e a análise das bases de dados genômicas e de proteínas, a descoberta de novos genes, de novas moléculas de atividade terapêutica, e de muitas outras aplicações de alta tecnologia. O verdadeiro oceano de dados que está sendo gerado por projetos como o Genoma Humano, e a expansão no setor de biotecnologia médica, são os principais responsáveis por esta explosão na demanda por bioinformatas. Prof. Marcelo Xavier Travassos - Curso: Ciências Biológicas UNIMONTES 4

5 O que é um Bioinformata? Geralmente é um biólogo ou médico que tem altos conhecimentos: De informática; De Genética; De bioquímica; Característica básica: É preciso ter uma cabeça interdisciplinar, ser polímata (ter múltiplos talentos, tais como matemática, estatística, computação, instrumentação e bioengenharia, genética, biologia, etc.) e ter gosto por trabalhar em equipes multidisciplinares. Prof. Marcelo Xavier Travassos - Curso: Ciências Biológicas UNIMONTES 5

6 PENSANDO E ENSINANDO: BIOLOGIA Prof. Marcelo Xavier Travassos - Curso: Ciências Biológicas UNIMONTES 6

7 O que diz a LDB(9.394/96) sobre os objetivos gerais do Ensino Médio? A educação básica tem por finalidade desenvolver o educando, assegurar-lhe a formação comum indispensável para o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos superiores. Logo, cabe ao Ensino Médio: Retomar, ampliar e aprofundar a aprendizagem desenvolvida pelo educando no E.F., diminuindo o degrau existente entre este nível e o E.M. Com isso, procura-se garantir uma continuidade natural no processo de aprendizagem. Preparar o educando para um eventual ingresso no mundo do trabalho. Contribuir para o desenvolvimento ético, humano e social do educando, favorecendo a aquisição de conhecimentos socialmente relevantes e pertinentes para exercer plenamente sua cidadania. Prof. Marcelo Xavier Travassos - Curso: Ciências Biológicas UNIMONTES 7

8 Em resumo o que a LDB, sugere é que o Ensino Médio, como parte da Educação Básica, seja desenvolvido de forma CONTEXTUALIZADA e INTERDISCIPLINAR. Prof. Marcelo Xavier Travassos - Curso: Ciências Biológicas UNIMONTES 8

9 Propõe que a organização e o tratamento dos conteúdos do ensino e as situações de aprendizagem sejam feitos de modo a destacar as múltiplas interações entre as várias disciplinas do currículo, superando sempre que possível a fragmentação entre elas. Tratar os conteúdos de ensino de forma contextualizada significa aproveitar ao máximo as relações existentes entre esses conteúdos e o contexto pessoal ou social do educando, de modo a dar significado ao que está sendo aprendido, levando-se em conta que todo conhecimento envolve uma relação ativa entre o sujeito e o objeto do conhecimento. Prof. Marcelo Xavier Travassos - Curso: Ciências Biológicas UNIMONTES 9

10 1.- OS PRINCÍPIOS NORTEADORES PARA O ENSINO DA BIOLOGIA 1º As diferentes especialidades da Biologia, como a Bioquímica, Ecologia, Genética, Evolução, Zoologia, Botânica, entre outras, incorporam um debate filosófico sobre origem e significado da vida, assim como fundamenta saberes práticos, próprios da medicina, pecuária, agricultura, engenharia sanitária, industrialização de alimentos, para isso precisa-se: Saber informar-se, comunicar-se, argumentar, compreender e agir; Enfrentar problemas de diferentes naturezas; Participar de um convívio social de forma prática e solidária; Ser capaz de elaborar críticas, fazer escolhas e proposições; Tomar gosto pelo conhecimento e adquirir uma atitude de permanente aprendizado. 2º O educando conseguindo perceber isso, tem condições de compreender o mundo à sua volta, podendo atuar nele. Logo devemos diminuir a distância do educando com a compreensão da. Prof. Marcelo Xavier Travassos - Curso: Ciências Biológicas UNIMONTES 10

11 3º A Biologia pode e deve ser trabalhada em parceria, de preferência em dupla. Onde os educandos colocaram o que pensam respeitando o pensamento do seu colega. 4º Os conteúdos ministrados, necessitam terem uma relevância social, propiciando conhecimentos básicos essenciais para qualquer cidadão. É necessário haver a interdisciplinaridade. 5º Aprender Biologia é aprender a resolver problemas. Para tanto torna-se necessário ter conhecimento sobre o significado de conceitos e suas aplicações em situações novas. 6º A didática do professor é de suma importância, com certeza é o maior dos norteadores. 7º Por fim saber estipular uma avaliação equilibrada, junto aos educandos, não ficar preso a mecanismos ultrapassado e conservadores. Prof. Marcelo Xavier Travassos - Curso: Ciências Biológicas UNIMONTES 11

12 2.- OBJETIVOS GERAIS DO ENSINO DA BIOLOGIA NO ENSINO MÉDIO 1º Em pleno séc.xxi tido como a era da informação globalizada, torna-se de suma importância que se desenvolva no educando a capacidade de: Comunicar-se em várias linguagens; Investigar, resolver e elaborar problemas; Tomar decisões, fazer conjecturas, hipóteses e inferências; Criar estratégias e procedimentos; Adquirir e aperfeiçoar conhecimentos e valores; Trabalhar solidária e cooperativamente; E estar sempre aprendendo. Prof. Marcelo Xavier Travassos - Curso: Ciências Biológicas UNIMONTES 12

13 2º No E.M. o educando deverá ter uma ampliação e aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no E.F.: Em resumo: Estudar outros temas; Desenvolver ainda mais a capacidade de raciocinar, de resolver problemas, generalizar, abstrair; Interpretar a realidade que nos cerca, usando para isso o instrumental que lhe é colocado. A Biologia no Ensino Médio tem um caráter tanto formativo, que auxilia a estruturação do pensamento, assim como a Matemática, do raciocínio lógico, quanto instrumental, utilitário, de aplicação no dia-a-dia, em outras áreas do conhecimento e nas atividades profissionais. Prof. Marcelo Xavier Travassos - Curso: Ciências Biológicas UNIMONTES 13

14 3.- RECURSOS DIDÁTICOS AUXILIARES Ao trabalhar com a Biologia o professor deverá de observar os seguintes aspectos didáticos: 1º O conteúdo trabalhado com o educando seja significativo, que ele sinta que é importante saber aquilo para a sua vida em sociedade ou que lhe será útil para entender o mundo em que vive; 2º Valorizar a experiência acumulada pelo educando fora da escola; 3º Estimular o educando a fazer cálculo mental, estimativa e arredondamentos, obtendo resultados aproximados; 4º Considerar mais o processo do que o produto da aprendizagem aprender a aprender mais do que resultados prontos e acabados; 5º Compreender a aprendizagem da Biologia como um processo ativo; 6º Permitir o uso adequado das calculadores e computadores; 7º Utilizar a história da Biologia como um excelente recurso didático; 8º Utilizar jogos. Prof. Marcelo Xavier Travassos - Curso: Ciências Biológicas UNIMONTES 14

15 4.- RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Ao ter como prioridade a construção do conhecimento pelo fazer e pensar, o papel da resolução de problemas é fundamental para auxiliar o educando na apreensão dos significados. SUGESTÕES: 1.- OBJETIVOS A resolução de problemas deve ter por meta: Fazer o educando pensar; Desenvolver o raciocínio lógico do educando; Ensinar o educando a enfrentar situações novas; Levar o educando a conhecer as primeiras aplicações da Biologia; Tornar as aulas mais interessantes e motivadoras; Prof. Marcelo Xavier Travassos - Curso: Ciências Biológicas UNIMONTES 15

16 5.- As fases da resolução de um problema 5.1- Compreensão do problema; 5.2- Elaboração de um plano de solução; 5.3- Execução do plano; 5.4- Verificação ou retrospectiva; 5.5- Emissão da resposta; Prof. Marcelo Xavier Travassos - Curso: Ciências Biológicas UNIMONTES 16

17 FIM DA PRIMEIRA FASE Prof. Marcelo Xavier Travassos - Curso: Ciências Biológicas UNIMONTES 17

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM)

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) 1 REDEENSINAR JANEIRO DE 2001 ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Diretora de Conteúdos da

Leia mais

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS 01. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) são referências para o ensino fundamental e médio de todo Brasil, tendo como objetivo: (A) Garantir, preferencialmente,

Leia mais

LDB Lei de Diretrizes e Bases

LDB Lei de Diretrizes e Bases PEDAGOGIA LDB Lei de Diretrizes e Bases Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional O pedagogo estuda as teorias da ciência da educação e do ensino É

Leia mais

A coleção está organizada em cinco séries temáticas, por faixa etária:

A coleção está organizada em cinco séries temáticas, por faixa etária: Coleção GIRA MUNDO Educação Infantil Na coleção Gira Mundo o brincar, o cantar e o fazer artístico são os eixos que atuam como forma de expressão da cultura da infância. São os grandes articuladores do

Leia mais

PROJETO ROBÓTICA EDUCACIONAL

PROJETO ROBÓTICA EDUCACIONAL PROJETO ROBÓTICA EDUCACIONAL A vida tem mais imaginação do que carregamos dentro dos nossos sonhos. Cristóvão Colombo APRESENTAÇÃO O crescimento atual da robótica tanto educacional como competitiva, nos

Leia mais

Pontos importantes da metodologia - EI e EF I

Pontos importantes da metodologia - EI e EF I Pontos importantes da metodologia - EI e EF I Cada segmento tem sua característica Educação Infantil: - desenvolvimento dos padrões de aprendizagem. Ensino Fundamental: - domínio de conceitos essenciais

Leia mais

Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE. Disciplina: Projetos Educacionais para o Ensino de Biologia

Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE. Disciplina: Projetos Educacionais para o Ensino de Biologia Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Disciplina: Projetos Educacionais para o Ensino de Biologia Professor(es): Rosana dos Santos Jordão Carga horária:

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O CONHECIMENTO COMPUTACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE RIACHÃO PB

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O CONHECIMENTO COMPUTACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE RIACHÃO PB LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O CONHECIMENTO COMPUTACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE RIACHÃO PB Autor Ginaldo Ribeiro da Silva Graduando de Lic. Computação e Informática IFPB Campus Cajazeiras/PB

Leia mais

Metodologia Científica. Aula 2

Metodologia Científica. Aula 2 Metodologia Científica Aula 2 Proposito da aula Conhecer a definição de Metodologia Científica; A importância da Metodologia Científica; Objetivos da Metodologia Científica enquanto disciplina; Divisão

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2013 Reformulada em abril º ANO

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2013 Reformulada em abril º ANO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2013 Reformulada em abril 2015 1º ANO 1º Semestre Produção de Texto 02 40 Didática:Fundamentos da Educação 04 80 História e Filosofia da

Leia mais

3ª Eduardo e Ana. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

3ª Eduardo e Ana. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Matemática 3ª Eduardo e Ana 8 Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Competência 3 Foco: Espaço e Forma Utilizar o conhecimento geométrico para realizar a leitura e a representação da realidade

Leia mais

PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FISCAL. PROJETO: CIDADANIA: APRENDENDO PARA A VIDA Profª Medianeira Garcia Geografia

PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FISCAL. PROJETO: CIDADANIA: APRENDENDO PARA A VIDA Profª Medianeira Garcia Geografia PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FISCAL PROJETO: CIDADANIA: APRENDENDO PARA A VIDA Profª Medianeira Garcia Geografia INTRODUÇÃO O projeto foi organizado por acreditarmos que o papel da escola e sua função

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 60h CH Teórica Formação Básica. CH Prática. 10h. Trabalho Efetivo Discente

PLANO DE ENSINO. 60h CH Teórica Formação Básica. CH Prática. 10h. Trabalho Efetivo Discente PLANO DE ENSINO Escola ENGENHARIA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (EETI) Engenharias: Ambiental; Civil; de Computação; de Petróleo; de Produção; Elétrica; Curso(s) Mecânica; Mecatrônica e Química Disciplina

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ ORIGEM DO UNIVERSO, FORMAÇÃO DA VIDA NA TERRA ESTUDANDO FÓSSEIS: O CAMINHO DA EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES 1º semestre de 201 3ª feira, das 13h30 às 17h30 SANTO ANDRÉ

Leia mais

PLANEJAMENTO 1º TRIMESTRE/2015

PLANEJAMENTO 1º TRIMESTRE/2015 PLANEJAMENTO 1º TRIMESTRE/2015 TURMA: Nível 1 PERÍODO: 23/02 a 22/05 DISCIPLINA/PROFESSOR/A OBJETIVO CONTEÚDOS Viviane Bhoes Identidade e Autonomia * Reconhecer colegas e professores pelo nome; * Ampliar

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área de conhecimento: Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Ciências da Natureza Componente Curricular: Química Série: 1º Eixo Tecnológico:

Leia mais

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO:

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PIBID- Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: Ensino Fundamental I- TURMA: 3º

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS OLIVIA EVANGELISTA BENEVIDES THIANE ARAUJO COSTA TRABALHANDO A MATEMÁTICA DE FORMA DIFERENCIADA A

Leia mais

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC. Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC. Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik O ensino de ciências segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais O ensino de Ciências tem

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ 13 específica, de segunda-feira a sexta-feira e aos sábados, caso seja necessário para complementação do período letivo e/ou carga horária curricular. Cada aula tem durafao de 50min (cinquenta minutos),

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área de conhecimento: Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área de conhecimento: Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Leia mais

Matriz Curricular Curso de Licenciatura em Computação Habilitação: Licenciatura em Computação

Matriz Curricular Curso de Licenciatura em Computação Habilitação: Licenciatura em Computação Matriz Curricular Curso de Licenciatura em Habilitação: Licenciatura em LC101 Leitura e produção textual 30-10 40 2 - LC102 Informática e sociedade 30-10 40 2 - LC103 Inglês básico 50-10 60 3-1º LC104

Leia mais

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código.

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código. Projecto/Serviços/ Código N.ºA1/A2 Actividade Nº 1 Reuniões de docentes do pré-escolar, 1º e 2º Ciclos. A1 Promover a sequencialidade coerente e estruturada entre a educação préescolar, o 1º Ciclo e o

Leia mais

Programa de Matemática 1.º ano

Programa de Matemática 1.º ano Programa de Matemática 1.º ano Introdução A Matemática é uma das ciências mais antigas e é igualmente das mais antigas disciplinas escolares, tendo sempre ocupado, ao longo dos tempos, um lugar de relevo

Leia mais

PLANO DE ENSINO. TURMA: Formação mista, envolvendo acadêmicos da Católica de SC que cumprem os requisitos dispostos no Regulamento

PLANO DE ENSINO. TURMA: Formação mista, envolvendo acadêmicos da Católica de SC que cumprem os requisitos dispostos no Regulamento CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA SETOR DE EXTENSÃO COMUNITÁRIA PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: PROJETO COMUNITÁRIO PROFESSORES(AS): FASE: Constituída a partir da conclusão de 30% DIVA SPEZIA

Leia mais

Palavras-chave: TIC; experimento; espaço amostral; evento.

Palavras-chave: TIC; experimento; espaço amostral; evento. UMA INTRODUÇÃO À TEORIA DA PROBABILIDADE: O USO DE AULAS MULTIMÍDIAS COMO FACILITADOR DO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM Diánis Ferreira Irias dianis.irias@hotmail.com Laura Lima Dias laura_limadias@hotmail.com

Leia mais

Israel 1994 mundo 2004 Brasil 2006

Israel 1994 mundo 2004 Brasil 2006 AS ORIGENS Os primeiros estudos e aplicações de uma metodologia para desenvolvimento de habilidades cognitivas, sociais, emocionais e éticas por meio de jogos de raciocínio foram iniciados em Israel em

Leia mais

Laboratórios de Centros e Faculdades da UECE

Laboratórios de Centros e Faculdades da UECE Laboratórios de Centros e Faculdades da UECE CENTRO/ FACULDADE CCS CH Laboratório de Análise de Alimentos Laboratório de Avaliação Nutricional Laboratório de Bioenergética Laboratório de Bioinformática

Leia mais

DESVENDANDO O INTERESSANTE MUDO DA LÓGICA RESUMO

DESVENDANDO O INTERESSANTE MUDO DA LÓGICA RESUMO DESVENDANDO O INTERESSANTE MUDO DA LÓGICA Daniela Batista Santos - UNEB Laion Augusto Correa Silva UESB Rafael Souza Barros UESB RESUMO A busca constante pela melhora do ensino de matemática tem que a

Leia mais

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Licenciatura em Educação Básica - 1º Semestre O jogo é

Leia mais

Fundamentos Metodologia do Ensino dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental III (Educação Física/Ciências) (Educação Física): (Ciências):

Fundamentos Metodologia do Ensino dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental III (Educação Física/Ciências) (Educação Física): (Ciências): Disciplina: Fundamentos Metodologia do Ensino dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental III (Educação Física/Ciências) Código da Disciplina: EDU333 Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 6º P

Leia mais

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

Fundação Darcy Ribeiro

Fundação Darcy Ribeiro I Fundação Darcy Ribeiro ATUAÇÃO DOS EDUCADORES PONTOS ESSENCIAIS DA PROPOSTA Vídeo 05 Coordenação Nacional Formação Inicial e Continuada do Educador do ProJovem: o especialista, o pensador, o cidadão

Leia mais

GINCAMÁTICA. Marília Zabel 1 Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC CCT

GINCAMÁTICA. Marília Zabel 1 Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC CCT GINCAMÁTICA Marília Zabel 1 Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC CCT mari_lia_zabel@hotmail.com Airton Camilo Côrrea Júnior 2 E.E.B. Professor Rudolfo Meyer airtonjr80@gmail.com Regina Helena

Leia mais

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia Tema 6: Ciência e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Ciência e Filosofia Ciência: vem do latim scientia. Significa sabedoria, conhecimento. Objetivos: Conhecimento sistemático. Tornar o mundo compreensível.

Leia mais

CIÊNCIA & CONHECIMENTO CIENTÍFICO

CIÊNCIA & CONHECIMENTO CIENTÍFICO CIÊNCIA & CONHECIMENTO CIENTÍFICO A CIÊNCIA E O CONHECIMENTO CIENTÍFICO Ciência propõe a aquisição sistemática de conhecimentos sobre a natureza com a finalidade de melhoria da qualidade de vida, intelectual

Leia mais

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR ANEXO 5.2.2. PLANO DE AÇÃO PROFESSOR Rua Bruxelas, nº 169 São Paulo - SP CEP 01259-020 Tel: (11) 2506-6570 escravonempensar@reporterbrasil.org.br www.escravonempensar.org.br O que é o plano de ação? O

Leia mais

Algumas definições sobre Projetos

Algumas definições sobre Projetos Algumas definições sobre Projetos...entende-se por projeto um modo de agir do ser humano que define quem ele pretende ser e como se lançar em busca de metas (Machado, 2000). Não se faz projeto quando só

Leia mais

ADITAMENTO N.º 1 AO EDITAL N.º 1/2013 UAB/UNEMAT SELEÇÃO DE DOCENTES 2013

ADITAMENTO N.º 1 AO EDITAL N.º 1/2013 UAB/UNEMAT SELEÇÃO DE DOCENTES 2013 ADITAMENTO N.º 1 AO EDITAL N.º 1/2013 UAB/UNEMAT SELEÇÃO DE DOCENTES 2013 A Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT, através da Diretoria de Gestão a Educação a Distância e Coordenação da Universidade

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário

Cursos Profissionais de Nível Secundário Cursos Profissionais de Nível Secundário Técnico de Apoio à infância e Técnico de Turismo Ano Letivo: 2014/2015 Matemática (100 horas) 10º Ano PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO A1 Geometria Resolução de problemas

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013

Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013 Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de BIOLOGIA Dinâmica Eu não sou eu.sou o momento:passo. Mario Quintana Objetivos: Interpretar os resultados da avaliação

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Plano de Curso nº 213 aprovado pela portaria Cetec nº 134 de 04/10/2014 Etec: ERMELINDA GIANNINI TEIXEIRA Código: 0187 Município: SANTANA

Leia mais

VISÃO GERAL DA DISCIPLINA

VISÃO GERAL DA DISCIPLINA VISÃO GERAL DA DISCIPLINA Antes eu não gostava de Matemática, mas agora a professora joga, conta história e deixa a gente falar né? Então é bem mais divertido, eu estou gostando mais. Pedro, 9 anos. Neste

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS/PORTUGUÊS Gêneros textuais como ferramenta para o ensino de Língua Portuguesa INTRODUÇÃO De acordo com os objetivos do programa, conforme portaria 096/2013 Capes, essa proposta de

Leia mais

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h:

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h: ARTES ENSINO FUNDAMENTAL Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Artes e educação, concepções teóricas. Histórico

Leia mais

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é um requisito obrigatório para a conclusão do curso, realizada no final do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

PROJETO: SOU LETRANDO.

PROJETO: SOU LETRANDO. PROJETO: SOU LETRANDO. Acadêmicos: Thainara Lobo e Ailton Ourique Escola Estadual de Ensino Fundamental Dr Mário Vieira Marques (CIEP) São Luiz Gonzaga, 2016 1.TEMA Projeto de Leitura: Sou Letrando. 2.PROBLEMA

Leia mais

Horário de Aulas C. Biológicas (1º Período)

Horário de Aulas C. Biológicas (1º Período) Horário de Aulas C. Biológicas (1º Período) 2011.1 16:00 18:30 BIOL0006 MATEMÁTICA TURMA - BU BIOL0002 - QUÍMICA BIOL0006 MATEMÁTICA BIOL0002 - QUÍMICA BIOL0006 MATEMÁTICA BIOL0002 - QUÍMICA BIOL0006 MATEMÁTICA

Leia mais

QUE RECURSOS PODEM CONTRIBURIR PARA OTIM IZAR A APRENDIZAGEM. 1. O projeto Tele-ambiente estado da arte O que é o projeto Tele-Ambiente

QUE RECURSOS PODEM CONTRIBURIR PARA OTIM IZAR A APRENDIZAGEM. 1. O projeto Tele-ambiente estado da arte O que é o projeto Tele-Ambiente QUE RECURSOS PODEM CONTRIBURIR PARA OTIM IZAR A APRENDIZAGEM EM UM AMBIENTE VIRTUAL? 1 Márcia Campos Hermínio Borges Neto José Rogério Santana 1. O projeto Tele-ambiente estado da arte 1.1. O que é o projeto

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS O curso objetiva a formação de docentes capacitados para atuar no ensino

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 CURSO OBJETIVOS Oferecer aos alunos e profissionais interessados no assunto, subsídios

Leia mais

Ciências Naturais 5º ano

Ciências Naturais 5º ano Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Escola E.B.,3 Dr. António Chora Barroso Ciências Naturais 5º ano Planificação a Longo Prazo 013/014 Planificação, finalidades e avaliação Grupo Disciplinar

Leia mais

As primeiras noções de mapa e a importância da Geografia nas séries iniciais

As primeiras noções de mapa e a importância da Geografia nas séries iniciais As primeiras noções de mapa e a importância da Geografia nas séries iniciais Ler e buscar informações Nas aulas de Geografia, é importante que a criança tenha espaço para desenhar e representar as situações,

Leia mais

EDUCAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA

EDUCAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA EDUCAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA Dra. Maria Antonia Malajovich Coordenadora de Biotecnologia Instituto de Tecnologia ORT MariaAntonia@ort.org.br WORLD ORT Organização filantrópica judaica com sede em Londres.

Leia mais

Resolução de problemas não numéricos

Resolução de problemas não numéricos Resolução de problemas não numéricos Ler e buscar informações Em Panizza (2006), a didática da matemática define os problemas como aquelas situações que criam um obstáculo a vencer, que promovem a busca

Leia mais

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR Profª. Carla Verônica AULA 03 SUPERVISÃO E PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO Identificar os princípios da gestão participativa; Analisar a dialética do ambiente escolar; Perceber

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO viver fazer MÓDULO 1 Conhecimentos / Capacidades Instrumentos de Avaliação Conhecer o funcionamento lógico de um programa, estimulando o raciocínio lógico para a resolução de problemas de programação (algoritmos)

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO TÍTULO: MATERIAIS BOTÂNICOS COMO INSTRUMENTOS DE ENSINO DE BIOLOGIA: UMA ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO DE GRADUAÇÃO E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. AUTORES: Marsílvio Gonçalves Pereira 1, Zoraida M. de Medeiros Gouveia

Leia mais

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens Movimento humano e linguagens A linguagem está envolvida em tudo o que fazemos, ela é peça fundamental para a expressão humana. Na Educação

Leia mais

Ponderação dos domínios por disciplina

Ponderação dos domínios por disciplina Critérios de Avaliação - 1º ciclo Domínio Instrumentos de avaliação Peso % Cognitivo Trabalhos individuais e de grupo 15% Participação e intervenção 15% Fichas de avaliação 50 % Socioafetivo Registos 20%

Leia mais

O uso de histórias em quadrinhos na aula de Língua Inglesa: um relato do projeto Histórias em Quadrinhos - Leitura e Ação.

O uso de histórias em quadrinhos na aula de Língua Inglesa: um relato do projeto Histórias em Quadrinhos - Leitura e Ação. O uso de histórias em quadrinhos na aula de Língua Inglesa: um relato do projeto Histórias em Quadrinhos - Leitura e Ação. Évelyn Nagildo Souza O presente artigo é uma breve exposição do Estágio de Docência

Leia mais

Inteligência Lingüística:

Inteligência Lingüística: Inteligência Lingüística: Capacidade de lidar bem com a linguagem, tanto na expressão verbal quanto escrita. A linguagem é considerada um exemplo preeminente da inteligência humana. Seja pra escrever ou

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL TENENTE JOSÉ LUCIANO Projeto: JOGAR, DIVERTIR E APRENDER COM A DONA MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL TENENTE JOSÉ LUCIANO Projeto: JOGAR, DIVERTIR E APRENDER COM A DONA MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL TENENTE JOSÉ LUCIANO Projeto: JOGAR, DIVERTIR E APRENDER COM A DONA MATEMÁTICA - 2015...o brinquedo desperta interesse e curiosidade... Rubem Alves Autora: Rita Siqueira Público alvo: alunos

Leia mais

Proposta de Oficina de Formação (OF) Bio(in)formação Biologia com apoio de ferramentas bioinformáticas livres

Proposta de Oficina de Formação (OF) Bio(in)formação Biologia com apoio de ferramentas bioinformáticas livres Proposta de Oficina de Formação (OF) Bio(in)formação Biologia com apoio de ferramentas bioinformáticas livres Nome do proponente: Rita Margarida Teixeira Ascenso Departamento: DEI ESTG-IPL Proposta de

Leia mais

Contribuições dos Mestrados Profissionais em ensino para a formação de professores em Física

Contribuições dos Mestrados Profissionais em ensino para a formação de professores em Física Contribuições dos Mestrados Profissionais em ensino para a formação de professores em Física Mesa redonda 04 XXI SNEF Uberlândia, 27/01/2015 Profa. Eliane A. Veit, UFRGS Vivemos num país com dimensões

Leia mais

Ana Maria de Jesus Ferreira DINÂMICA GRUPAL. No processo ensino-aprendizagem

Ana Maria de Jesus Ferreira DINÂMICA GRUPAL. No processo ensino-aprendizagem Ana Maria de Jesus Ferreira DINÂMICA GRUPAL No processo ensino-aprendizagem Rio de Janeiro 2005 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE DINÂMICA GRUPAL OBJETIVOS: Estudar

Leia mais

APRENDENDO COM O LUDO AÇÃO E RADICAL

APRENDENDO COM O LUDO AÇÃO E RADICAL ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES IPEZAL/ANGÉLICA- MS APRENDENDO COM O LUDO AÇÃO E RADICAL Ipezal/Angélica MS Abril 2012 ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES IPEZAL/ANGÉLICA- MS APRENDENDO COM O LUDO AÇÃO

Leia mais

APLICAÇÃO DE EQUAÇÃO DO SEGUNDO GRAU COM MATERIAIS MANIPULÁVEIS: JOGO TRILHA DAS EQUAÇÕES

APLICAÇÃO DE EQUAÇÃO DO SEGUNDO GRAU COM MATERIAIS MANIPULÁVEIS: JOGO TRILHA DAS EQUAÇÕES APLICAÇÃO DE EQUAÇÃO DO SEGUNDO GRAU COM MATERIAIS MANIPULÁVEIS: JOGO TRILHA DAS EQUAÇÕES Rafael Pereira da Silva Universidade Estadual da Paraíba rafaelpereira.jt@hotmail.com Jailson Lourenço de Pontes

Leia mais

Portanto, a atividade de monitoria visa fornecer elementos que colaborem na formação de profissionais na área de Gastronomia.

Portanto, a atividade de monitoria visa fornecer elementos que colaborem na formação de profissionais na área de Gastronomia. PROJETO DE MONITORIA 2014 Centro Universitário SENAC: Águas de São Pedro Curso: Gastronomia Disciplina: Cozinha fria Professor responsável: Fabio Stoco Período letivo: 2 Período 1. Justificativa A monitoria

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

sistematização dos eixos temáticos trabalhados na unidade escolar desde o início do Projeto Proeja-FIC/Pronatec

sistematização dos eixos temáticos trabalhados na unidade escolar desde o início do Projeto Proeja-FIC/Pronatec sistematização dos eixos temáticos trabalhados na unidade escolar desde o início do Projeto Proeja-FIC/Pronatec Escola Municipal Pedro Costa de Medeiros Maryanne Veloso maryanneveloso@gmail.com Quando

Leia mais

INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA. O conhecimento científico é uma forma específica de conhecer e perceber o mundo!!! 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: Modelos

INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA. O conhecimento científico é uma forma específica de conhecer e perceber o mundo!!! 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: Modelos INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: 1. INTRODUZINDO A QUESTÃO: O QUE É CIÊNCIA, AFINAL????? Modelos Leis Por que estudar natureza da ciência???? Qual a importância desses conhecimentos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE. 2. CONTEÚDOS BÁSICOS Empuxo, Densidade, Flutuação de Corpos, Pressão, O Princípio de Pascal, Vazão.

PLANO DE TRABALHO DOCENTE. 2. CONTEÚDOS BÁSICOS Empuxo, Densidade, Flutuação de Corpos, Pressão, O Princípio de Pascal, Vazão. Colégio Estadual São José Ensino Fundamental e Médio. Professor.: José Renato Batista Área de Conhecimento.: Física Série.: 1º Ano do Ensino Médio Período.: 2º Semestre 2010 PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1.

Leia mais

A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS.

A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS. A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS. Luciana Barros Farias Lima Instituto Benjamin Constant Práticas Pedagógicas Inclusivas

Leia mais

Operações com Números Naturais Multiplicação e Divisão

Operações com Números Naturais Multiplicação e Divisão Operações com Números Naturais Multiplicação e Divisão Resumo Iconográfico Duração Pré-requisitos Pré-requisitos técnicos Estratégias Avaliação LEGENDA Uma hora-aula de 45 minutos Conhecimentos adquiridos

Leia mais

A Educação Profissional e Tecnológica. Conceituação Princípios Objetivos Características

A Educação Profissional e Tecnológica. Conceituação Princípios Objetivos Características A Educação Profissional e Tecnológica Conceituação Princípios Objetivos Características Conceituação A educação profissional tecnológica, integrada às diferentes formas de educação, ao trabalho, a ciência

Leia mais

Estatística Básica. Introdução à Análise Exploratória de Dados. Renato Dourado Maia. Instituto de Ciências Agrárias

Estatística Básica. Introdução à Análise Exploratória de Dados. Renato Dourado Maia. Instituto de Ciências Agrárias Estatística Básica Introdução à Análise Exploratória de Dados Renato Dourado Maia Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Pergunta Inicial O que é Estatística? 2/26 Contexto

Leia mais

Consumo e Educação Financeira como tema integrador na BNCC Profa. Erondina Barbosa da Silva

Consumo e Educação Financeira como tema integrador na BNCC Profa. Erondina Barbosa da Silva Consumo e Educação Financeira como tema integrador na BNCC Profa. Erondina Barbosa da Silva 1988 Constituição Federal Conteúdos Mínimos 1996 LDB (Lei 9394/1996) - BNCC 1997 a 2000 PCN 2008 a 2010 Currículo

Leia mais

POC - JANEIRO/2017 OFERTA DE DISCIPLINAS

POC - JANEIRO/2017 OFERTA DE DISCIPLINAS POC - JANEIRO/2017 OFERTA DE S CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Contabilidade Gerencial Fundamentos da Ciência Administrativa I Gestão em Serviços de Saúde Fundamentos

Leia mais

Projeto Jogos. A importância de conhecer a história dos Jogos

Projeto Jogos. A importância de conhecer a história dos Jogos Projeto Jogos A importância de conhecer a história dos Jogos Introdução Este projeto consiste em um desenvolvimento de comunicação entre jogos e computadores voltado para entretenimento e aprendizagem.

Leia mais

Operações com Números Decimais

Operações com Números Decimais Operações com Números Decimais Resumo Iconográfico Duração Pré-requisitos Pré-requisitos técnicos Estratégias Avaliação LEGENDA Uma hora-aula de 45 minutos Livro Didático Conhecimentos adquiridos em aaulas

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 3ª Série Programação Estruturada II A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

O USO DO JOGO CORRIDA DAS FUNÇÕES E A RELAÇÃO ENTRE A FUNÇÃO LOGARÍTMICA E FUNÇÃO EXPONENCIAL

O USO DO JOGO CORRIDA DAS FUNÇÕES E A RELAÇÃO ENTRE A FUNÇÃO LOGARÍTMICA E FUNÇÃO EXPONENCIAL O USO DO JOGO CORRIDA DAS FUNÇÕES E A RELAÇÃO ENTRE A FUNÇÃO LOGARÍTMICA E FUNÇÃO EXPONENCIAL Amanda Gonçalves Figueiredo Instituto Federal do Rio de Janeiro - IFRJ leona_shyla@hotmail.com 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

HORÁRIO - 2º SEMESTRE DE 2011

HORÁRIO - 2º SEMESTRE DE 2011 1º PERÍODO Campus I 7:00-8:40 Metodologia Científica GAAV Inglês Instrumental I GAAV Laboratório de Química Básica - L1 8:50-10:30 Cálculo I Cálculo I Desenho I*- T1/T2 Cálculo I Laboratório de Química

Leia mais

Ensinar e aprender História na sala de aula

Ensinar e aprender História na sala de aula Ensinar e aprender História na sala de aula Séries iniciais do Ensino Fundamental Ensino de História nas séries iniciais do Ensino Fundamental Por que estudar História? Quais ideias os educandos possuem

Leia mais

Objeto de aprendizagem

Objeto de aprendizagem 3ª Ciências 4º Ano E.F. Objeto de aprendizagem O que é eletricidade? - Interação entre ímãs e entre cargas elétricas forças de atração e de repulsão. Perceber a existência de cargas elétricas. Objetivos

Leia mais

PROJETO BRINCANDO SE APRENDE

PROJETO BRINCANDO SE APRENDE PROJETO BRINCANDO SE APRENDE COLÉGIO ESTADUAL PROFESSOR EDGARD SANTOS APRESENTAÇÃO A Matemática e a Língua Portuguesa são vistas como disciplinas de difícil aprendizagem, muitas vezes até rejeitada pelos

Leia mais

PROJETO: OPERAÇÕES COM NÚMEROS DECIMAIS

PROJETO: OPERAÇÕES COM NÚMEROS DECIMAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) ESCOLA MUNICIPAL HERMANN GMEINNER Bolsistas: Jacqueline Cristina de Medeiros Supervisora: Patrícia

Leia mais

Mind Lab. Rua Humberto I, 220 Conj 22 São Paulo SP

Mind Lab. Rua Humberto I, 220 Conj 22 São Paulo SP Mind Lab Rua Humberto I, 220 Conj 22 São Paulo SP www.mindlab-brasil.com.br Mind Lab 15 anos mais de 34 países + de 1 Milhão de alunos Brasil, Estados Unidos, Grã-Bretanha, Espanha, Itália, Hungria, Turquia,

Leia mais

Foucault e a educação. Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil

Foucault e a educação. Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil Foucault e a educação Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil Prefácio A educação abrange os processos de ensinar e de aprender e se desenvolve em todos os espaços possíveis:

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

Jardim de Infância Professor António José Ganhão

Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância da Lezíria Jardim de Infância do Centro Escolar de Samora Correia Jardim de Infância do Centro Escolar de Porto Alto Jardim de Infância

Leia mais

RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR Este documento é referente à conclusão dos grupos de trabalho do 3º turno do Seminário Estadual de GOIÁS, no dia 03/08/2016, com aproximadamente

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. As Diretrizes Curriculares Nacionais para EJA (CNE,2000) preconizam princípios norteadores da ação pedagógica da escola: (A) éticos, políticos e estéticos; (B)

Leia mais

Como usar os recursos e o website da Maior Lição do Mundo

Como usar os recursos e o website da Maior Lição do Mundo Guia do Educador Como usar os recursos e o website da Maior Lição do Mundo Na sexta-feira, 25 de setembro, as Nações Unidas anunciarão os Objetivos Globais para o Desenvolvimento Sustentável. A ideia da

Leia mais

Programa MenteInovadora. Introdução à Metodologia Mind Lab

Programa MenteInovadora. Introdução à Metodologia Mind Lab Programa MenteInovadora Introdução à Metodologia Mind Lab Bem-vindos ao Programa MenteInovadora! Sobre a Mind Lab A missão da Mind Lab é preparar as próximas gerações para os complexos desafios do século

Leia mais