Capítulo 12. Potência em Regime Permanente C.A.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo 12. Potência em Regime Permanente C.A."

Transcrição

1 Capítulo Potência em Regime Permanente C.A.

2 . Potência Média Em circuitos lineares cujas entradas são funções periódicas no tempo, as tensões e correntes em regime permanente produzidas são periódicas. Potência instantânea: p vi onde v e i possuem período T. Assim, p ( t + T ) v( t + T ) i( t + T ) v( t ) i( t ) p( t ) Potência instantânea é também periódica com período T.

3 Período fundamental T de p é o mínimo tempo no qual esta potência se repete. T não é necessariamente igual a T mas deve ser seu divisor, isto é, para um dado n positivo: T nt Exemplo: Resistor R percorrido por uma corrente i I m cos(ωt) de período T π/ω. Então, p Note que T π/ω T T. Ri RI RI m m cos ( ωt) [ + cos( ωt )] Relação trigonométrica usada: cos ( α) [ + cos( α) ]

4 i(t), p(t) T T p(t) t i(t)

5 Se a corrente agora é i I m [ + cos(ωt)] de período T π/ω. Então, p Note que T π/ω T T. i(t), p(t) p(t) Ri RI [ + cos( ωt) ] m T T i(t) t

6 Potência média para uma potência instantânea periódica p é dada por: onde t é arbitrário. P T t + T t p dt Potência instantânea periódica p: p(t) Assim, podemos escrever: t t + T t P t + mt t mt p dt

7 Se m é selecionado de tal forma que T mt (período de v ou i), então P T t + T t Portanto, a potência média pode ser obtida por integração no período de v ou i. Integrais para funções senoidais e seus produtos: p dt f(t) π ω f 0 sen(ωt + α), cos(ωt + α) 0 sen(nωt + α), cos(nωt + α) 0 ( t) dt, ω 0 sen (ωt + α), cos (ωt + α) π/ω sen(mωt + α) cos(nωt + α) 0 cos(mωt + α) cos(nωt + β) 0, m n πcos (α - β)/ω, m n

8 Considere o seguinte bipolo genérico em regime permanente: I + V Bipolo Impedância de entrada do dispositivo, no domínio da freqüência: Z Z θ Se v Vm cos t ( ω + φ) Então temos: i Im cos t ( ω + φ θ ) onde I V m m Z A potência média entregue ao dispositivo, tomando t 0 é P t T t + T ωv I π ω p dt m m π cos 0 ( ωt + φ ) cos( ωt + φ θ ) dt

9 Mas, da tabela temos que: 0 π ω cos( mωt + α ) cos( nωt + β ) dt 0 π cos β ω Fazendo m n, α φ e β φ θ, obtemos: ( α ) para m n para m n ωvmim π V P cos π ω I ( θ ) m m cos( θ ) ou seja, a potência absorvida pelo bipolo é determinada pelas amplitudes V m e I m e pelo ângulo θ pelo qual a tensão v antecede a corrente i.

10 Em termos de fasores: V V φ V φ m então ( φ θ ) ( φ θ ) I I I P m V I cos ( ang V angi) onde ang V φ e ang I φ θ. Se o bipolo é um resistor, então θ 0 e V m RI m, assim: P R RI m Note que se i I dc (corrente constante), então ω φ θ 0 e I m I dc, então, P R RI dc

11 Se o bipolo é um indutor, então θ 90º. Se o bipolo é um capacitor, então θ 90º. Assim, para ambos temos: P V m I m cos ( ± 90 ) 0 ou seja, a potência média dissipada em um indutor ideal ou em um capacitor ideal é zero. ( ) Forma alternativa de P V mi m cos θ muito útil, pode ser obtida lembrando: Z { Z} + j Im{ Z} θ Re Z e, portanto, ( θ ) cos Re Z { Z} Im {Z} Z θ como V m Z I m, podemos re-escrever P como: Re{Z}

12 { Z} VmIm Z I Re cos( ) mi P θ m Z Se o dispositivo é uma carga passiva, então a energia entregue a esta carga é não negativa, logo: Re { Z( jω) } 0 π π ou de modo equivalente, θ Se θ 0, o dispositivo é equivalente a um resistor. Se θ π/, o dispositivo é equivalente a uma indutância. I m Re { Z} Se θ π/, o dispositivo é equivalente a uma capacitância. Para π/ < θ < 0, o dispositivo é equivalente a um circuito RC. Para 0 < θ < π/, o dispositivo é equivalente a um circuito RL. Para θ > π/, então P < 0, o dispositivo atua como uma fonte (ativo).

13 Exemplo: Cálculo da potência entregue pela fonte. i 00 Ω v g 00cos(00t) [V] + H Impedância sobre a fonte: Corrente máxima: Potência entregue a Z: I V m m Z Z 00 + j A 45 Ω 00 P V m I m cosθ cos45 5 Ou de outro modo: P I m Re Z 00 5 W { } W

14 Potência dissipada pelo resistor R 00 Ω: P R m RI 00 5 W Portanto, o indutor não dissipa potência. A potência consumida pela fonte é: PR V mim cosθ 5 W Sinal negativo: corrente sai pelo terminal positivo da fonte. Ou seja, fonte entrega 5 W para Z.

15 . Superposição e Potência Circuitos com mais de uma fonte: i R v g + + v g Por superposição, temos i i + i, onde i e i são as correntes em R devido a v g e v g, respectivamente. Potência instantânea: p R ( i + i ) Ri + Rii + Ri p + p + Rii Assim, a superposição não pode ser aplicada diretamente para potência instantânea.

16 No caso de p ser periódica com período T, a potência média é: P T T 0 pdt T T 0 ( p + p + Ri i ) dt P + P + R T T ii 0 dt onde P e P são as potências médias de v g e v g, respectivamente, atuando isoladamente. A superposição para a potência média só se aplica se: T i idt 0 0 o que faz com que: P P + P

17 Caso importante: i ( ω + ) Im cos t φ Assumindo que i i + i é periódica com período T, temos: I Para que a igualdade da equação seja válida devemos ter que: m e n inteiros positivos. ( ω + ) i Im cos t φ [ ( t T ) + φ ] + I cos ω ( t + T ) [ + φ ] I cos( ω t + φ ) + I ( ω φ ) m cos m m m cos ω + t + ω T π m ω T π n Portanto, se ω é um número tal que T π/ω, então ω mω e ω nω.

18 Então, T ii 0 dt ImI m I 0 m I m cos ω ω cos ( φ φ ) ( mωt + φ ) cos( nωt + φ ) m n m n Se m n ω ω a superposição não pode ser aplicada. Se m n a superposição pode ser aplicada. π 0 dt Generalização para o caso de senóide periódica com qualquer número de componentes senoidais de diferentes freqüências: A potência média devida à soma das componentes é a soma das potências médias devida a cada componente atuando isoladamente.

19 Pode ser mostrado que a superposição da potência média é mantida para senóides cujas freqüências não são múltiplos inteiros de uma freqüência ω: Generalização da definição de potência média: P τ lim τ τ pdt 0 que pode ser aplicada também para o caso i i + i, onde i cost i cosπt Neste caso i não é periódica, pois ω /ω /π não é um número racional, mas τ lim i idt τ τ 0 0

20 Exemplo: i 00 Ω 00 cos(377t + 60º) [V] cos(377t) [V] ω ω não se pode usar a superposição para a potência. Superposição para calcular a corrente: I 60 I 0,5 [ A] [ A] I I I + j 0,866 [ A] I m 0,866 [ A] P RIm 00 ( 0,866) 37,5 [ W]

21 Exemplo: i 00 Ω 00 cos(377t + 60º) [V] [V] ω 377 rad/s e ω 0 rad/s pode-se usar a superposição para a potência. [ A] para ω 377 I 60 [ A] para ω 0 I 0,5 P m RI 00 P RIm 00 ( ) 50 [ W] ( 0,5) 5 [ W] P P P + 75 [ W]

22 Estendendo o procedimento do exemplo anterior para uma corrente periódica que é a soma de N + senóides de diferentes freqüências, i dc ( ω t + φ ) + I cos( ω t + φ ) I ( ω t + φ ) I + I cos m cos m mn N N Encontra-se a potência média entregue ao resistor R: ( ) I + I +... I R P RI dc + m m + mn Assim, temos a superposição das potências: P P + P + P dc P N

23 .3 Valores Eficazes Método de comparação da potência entregue por diferentes formas de onda. Valor de uma tensão ou corrente periódica é sempre uma constante igual à tensão ou corrente c.c., respectivamente, que iria entregar a mesma potência média para uma resistência R. Se I é o valor de i, podemos escrever: P RI De onde se tira a corrente : T T 0 Ri dt I T T i dt 0

24 De modo similar, a tensão é: V T T v dt 0 Termo é a tradução da abreviatura de root-mean-square (rms). Valor rms raiz quadrada da média do valor ao quadrado da corrente (tensão). ( ) Considerando uma corrente senoidal i Im cos ω t + φ, a corrente é I ω π ω π 0 I m [ I cos( ωt + φ) ] m dt Assim, uma corrente senoidal de amplitude I m entrega a mesma potência média a uma resistência R, que uma corrente c.c. de valor igual a. I m

25 De modo similar, para uma tensão senoidal com amplitude V m, a tensão é: V ω π ω π 0 V m [ V cos( ωt + φ) ] m dt Note que tanto a corrente como a tensão são independentes da freqüência ω e da fase φ. Assim, a potência média para um bipolo é dada por: ou P V I cosθ P I Re{ Z}

26 Exemplo: Valores es são empregados normalmente nas geração e distribuição de potência. Uma rede com valor de tensão nominal de 7 V, é um valor. A potência que é fornecida em 60 Hz às residências vem através de uma tensão que tem o valor máximo igual a 7 80 V. Valores máximos são geralmente empregados em eletrônica e telecomunicações.

27 Valor da corrente composta de senóides com diferentes freqüências: Potência média: Portanto, o valor da corrente senoidal composta de diferentes freqüências é De forma análoga, ( ω t + φ ) + I cos( ω t + φ ) I ( ω t + φ ) i Idc + Im cos m mn cos ( ) I + I + I + I P R dc... + N dc I I + I + I IN N N dc V V + V + V VN

28 .4 Fator de Potência Potência média entregue a uma carga em regime permanente c.a. é: P V I cosθ O produto V I é denominado de potência aparente. Unidade da potência aparente voltamperes (VA) ou kilovoltamperes (kva). Potência média potência aparente Fator de potência f p no caso senoidal: f p V P I cosθ

29 Cargas puramente resistivas tensão e corrente em fase θ 0 f p potência média potência aparente. Cargas indutivas e capacitivas onde as reatâncias se cancelam tensão e corrente em fase θ 0 f p potência média potência aparente. Carga puramente reativa tensão e corrente a 90º θ ±90º f p 0 potência média 0. Carga onde 90º < θ < 0 é equivalente a um circuito RC. Carga onde 0 < θ < 90º é equivalente a um circuito RL. Como cos θ cos θ, então f p é o mesmo para um circuito RC ou RL com mesmo θ. Para diferenciar: f p é caracterizado como adiantado ou atrasado pela fase da corrente com relação à da tensão (referência).

30 Exemplo: Freqüência 60 Hz 00 Ω v g + 0, H Z 00 + j37,7 06,9 0,66 Ω Fator de potência: f p cos 0,66 0,936 atrasado

31 Exemplo: O fator de potência afeta grandemente a conta de eletricidade. Suponha que um moinho consome 00kW de uma linha de 0 V es, com f p 0,85 atrasado. Corrente do moinho: I V P f p ,8 0 0,85 [ A] Potência aparente fornecida: V I 0 534,8 7,66 [ kva] Suponha que f p é aumentado para 0,95 atrasado, então: P 0 5 I 478,5 V f p 0 0,95 Assim, a potência aparente é reduzida para: V I 0 478,5 05,3 [ A] [ kva]

32 Note que I foi reduzida de 56,3 A. Portanto, a usina precisa gerar uma corrente maior para f p menor. Como as linhas de transmissão têm resistência, a usina precisa produzir uma potência média maior para fornecer os 00 kw à carga. Se a resistência for 0, Ω, então a potência gerada pela fonte deve ser: Portanto, g 5 0 0,I P + P g 8,6,9 kw kw f f p p 0,85 0,95 A usina deve produzir 5,7 kw a mais de potência para fornecer a carga de f p mais baixo.

33 Método de correção do fator de potência de uma carga: Pode-se alterar o fator de potência conectando uma impedância Z em paralelo com a carga Z R + jx. I I Z T Z Z R + jx Note que apenas a corrente I fornecida pelo gerador muda. Associação das impedâncias: Z T ZZ Z + Z

34 Selecionamos Z tal que: Z absorva potência média 0; Z T tenha o fator de potência desejado f p FP. A primeira condição requer que Z seja puramente reativa: A segunda condição requer que: Z jx cos tan Im Re { Z } { Z } T T FP Substituindo Z T em termos de R, X e X, obtemos: X R R tan cos + X [ ( )] FP X [ ( )] FP tan cos > 0 < 0 se FP é atrasado se FP é adiantado

35 Exemplo: Fator de potência alterado para 0,95 atrasado no circuito: i 00 Ω v g 00cos(00t) [V] + H Z 00 + j Ω Fator de potência: f p cos θ cos45 0,707 atrasado Desejamos fator de potência de 0,95, então tan(cos - FP) é positiva: X R R tan cos + X [ ( )] [ ] FP X 00tan cos 0, ,9 Ω

36 Como X < 0, a reatância é uma capacitância C -/ωx 33,6 µf. Impedância de carga torna-se: Z T Potência para a carga corrigida: que é a mesma entregue a Z. ( 00 + j00)( j97,9) ( 00 + j00) + ( j97,9) ZZ 90,0 8, Z + Z 00 P cos 90,0 ( ) ( 8, ) 5 W Corrente atual: I ,37 A Corrente sem correção do fator de carga: corrente reduzida de 0,8 A (5,6%) I I m 0,5 A

37 .5 Potência Complexa Potência complexa em regime permanente c.a. Útil para determinação e a correção de fatores de potência associados a cargas interconectadas. v m cos ( ) ( ) Representações fasoriais para V ω t + φ e i Im cos ωt + φ θ : V V m exp( jφ) Fasores es: V I I m exp j V [ ( φ θ )] V exp ( jφ ) I I I exp j [ ( φ θ )]

38 Potência média: P V I Euler { V I exp( )} cos θ Re jθ mas V I * V I exp ( jθ ) onde I* é o complexo conjugado de I. Logo, P Re { * } V I V I* potência complexa cuja parte real é a potência média: S * V I P + jq onde Q é a potência reativa (unidade: V-A reativo var). Módulo da potência complexa potência aparente: * * S VI V I V I

39 Assim, Q { S} V I θ Im sen Para uma impedância Z, temos que senθ Im{Z}/ Z, logo ou, de forma análoga: { Z} Im V Q V I I Im Z Z Im Im Q V Z { Z} V { Z} I Im{ Z} Componente em fase de I Produz a potência ativa P I cosθ θ I senθ I Re Componente em quadratura de I Produz a potência reativa Q

40 Potência complexa em termos de um diagrama: Carga indutiva (f p atrasado) 0 < θ 90º, Q > 0: Im S θ Q Re Carga capacitiva (f p adiantado) 90º θ < 0, Q < 0: P θ tan Q P Im S P θ Q Re Carga com f p requer Q 0, pois θ 0.

41 Potência complexa associada a uma carga composta de duas impedâncias: I + I, I, V Z Z S ( I + ) I V I V,, S V I, + VI, A potência complexa entregue pela fonte às cargas interconectadas é igual a soma das potências entregues a cada carga individual. Princípio da conservação de potência!

42 A conservação de potência complexa pode ser usada para corrigir o fator de potência. Exemplo: I I Z T Z Z R + jx Potência complexa entregue à carga original Z: S P + jq Conectando uma reatância pura Z em paralelo com Z resulta: S jq Pela conservação de potência complexa, para a carga resultante, temos: S ( Q ) T S + S P + j + Q A potência média P entregue a carga não se altera com o acréscimo de Z.

43 Exemplo: Mudar o fator de potência para FP 0,95 (atrasado). i 00 Ω v g 00cos(00t) [V] + H V 70,7 [ V] Z 00 + j Ω V I 0,3535( j) [ A] Z Potência complexa para a carga não corrigida: S V I P + jq 5 + j5 Temos que Q T Q + Q, então θ tan Q T P

44 Portanto, FP cosθ Q cos tan T P e QT P tan cos [ ( FP )] O valor de Q é: 5tan cos 5tan 8, [ ( )] 0,95 ( 8, ) [ vars] Q QT Q 8, 5 6,78 [ vars] ( ) Im Z Como Q V e Z temos: jx Z Q V X

45 Resolvendo para X obtemos: X V Q ( 70,7) 6,78 97,9 Ω Que representa uma capacitância C /(ωx ) 33,6 µf. i 00 Ω v g 00cos(00t) [V] + 33,6 µf H

46 Exemplo: Z representa uma carga de 0 kw com f p 0,9 (atrasado) e Z representa uma carga de 5 kw com f p 0,95 (adiantado): I + I, I, V Z Z Para Z, temos: S P + jq onde P 04 - [ W] θ cos f p 5, 84 Q P tan θ ( ) 4843 [ vars]

47 Para Z, temos: onde 3 P 5 0 [ W] - θ cos f p 8, S P + jq Q P tan θ ( ) 643 [ vars] A potência complexa total é: ST S + S 4,5 0 + ( 4 ) ( 3 ) 0 + j j643 j300 Portanto, para as cargas associadas: tan, 04 4,5 0 θ f cos θ cos(,04 ) 0,978 ( atrasado) p

48 .5 Medição de Potência Dispositivo que mede a potência média que é entregue a uma carga wattímetro. Wattímetro: possui uma bobina rotativa de alta resistência de tensão conectada em paralelo com a carga e uma bobina fixa de baixa resistência de corrente, que é conectada em série com a carga. Conexão típica: I Bobina de corrente Bobina de tensão ± ± + V Carga

49 Tensão na bobina de corrente 0 Corrente na bobina de tensão 0 Um terminal de cada bobina é marcado com o símbolo ± tal que, se a corrente entra no terminal ± da bobina de corrente e o terminal ± da bobina de tensão é positivo com relação ao outro terminal, então o medidor dá uma medida positiva. Na figura anterior, isto corresponde a carga absorvendo potência. Se a conexão dos terminais ou da bobina de corrente ou da bobina de tensão (mas não ambas) for invertida a leitura será negativa.

50 O wattímetro abaixo está conectado para indicar: P V I cosθ I Bobina de corrente Bobina de tensão ± ± + V Carga Um medidor de potência aparente ou VA simplesmente mede o produto da tensão pela corrente. O varímetro mede a potência reativa.

Aquino, Josué Alexandre.

Aquino, Josué Alexandre. Aquino, Josué Alexandre. A657e Eletrotécnica para engenharia de produção : análise de circuitos : corrente e tensão alternada / Josué Alexandre Aquino. Varginha, 2015. 53 slides; il. Sistema requerido:

Leia mais

ELETROTÉCNICA ENGENHARIA

ELETROTÉCNICA ENGENHARIA Aquino, Josué Alexandre. A657e Eletrotécnica : engenharia / Josué Alexandre Aquino. Varginha, 2015. 50 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Eletrotécnica.

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry.

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry. Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Retificadores Potência em CA Triângulo das Potências e Correção de Fator de Potência Prof. Clóvis Antônio Petry.

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II Módulo IV POTÊNCIA E VALOR EFICAZ UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Potência Instantânea Potência entregue a um elemento em um

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá EEL 012 Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia

Universidade Federal de Itajubá EEL 012 Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia Universidade Federal de Itajubá EEL 012 Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia Guia da 2 a aula prática 2014 Carga RLC Monofásica Assunto: - Medição de potência em carga RLC monofásica e correção

Leia mais

Lista de exercícios ENG04042 Tópicos 3.1 a 5.3. a corrente se atrasa em relação a v.

Lista de exercícios ENG04042 Tópicos 3.1 a 5.3. a corrente se atrasa em relação a v. 1) Um indutor de 10 mh tem uma corrente, i = 5cos(2000 t ), obtenha a tensão vl. V = 100 sen(2000 t ) V L 2) Um circuito série com R=10 Ω e L=20 mh, tem uma corrente de i = 2s en(500 t ). Calcule a tensão

Leia mais

Circuitos Elétricos. Dispositivos Básicos e os Fasores. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Circuitos Elétricos. Dispositivos Básicos e os Fasores. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Circuitos Elétricos Dispositivos Básicos e os Fasores Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Fasores Método válido porém longo é somar algebricamente as ordenadas em cada ponto ao longo da abscissa.

Leia mais

Circuitos Elétricos I

Circuitos Elétricos I Universidade Federal do ABC Eng. De Instrumentação, Automação e Robótica Circuitos Elétricos I Prof. Dr. José Luis Azcue Puma Excitação Senoidal e Fasores Impedância Admitância 1 Propriedades das Senóides

Leia mais

Fundamentos de Eletrônica

Fundamentos de Eletrônica 6872 - Fundamentos de Eletrônica Lei de Ohm Última Aula Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Associação de Resistores Análise

Leia mais

POTÊNCIA EM CIRCUITOS SENOIDAIS.

POTÊNCIA EM CIRCUITOS SENOIDAIS. POTÊNCIA EM CIRCUITOS SENOIDAIS. EXERCÍCIO 1: Um transformador com capacidade para fornecer a potência aparente máxima de 25kVA está alimentando uma carga, constituída pelo motor M1 que consome 4.8kW com

Leia mais

ELETROTÉCNICA. Impedância

ELETROTÉCNICA. Impedância ELETROTÉCNICA Impedância 1 Números complexos As equações algébricas do tipo x =-3não possuem soluções no campo dos números reais. Tais equações podem ser resolvidas somente com a introdução de uma unidade

Leia mais

Resistores e CA. sen =. logo

Resistores e CA. sen =. logo Resistores e CA Quando aplicamos uma voltagem CA em um resistor, como mostrado na figura, uma corrente irá fluir através do resistor. Certo, mas quanta corrente irá atravessar o resistor. Pode a Lei de

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry.

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry. Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores Correção de Fator de Potência Prof. Clóvis Antônio Petry. Florianópolis, agosto de 2007. Nesta aula Capítulo

Leia mais

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 04 Correção de Fator de Potência

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 04 Correção de Fator de Potência ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 04 Correção de Fator de Potência NOME TURMA DATA 1. OBJETIVOS Compreender na prática os conceitos de potência aparente (S), potência ativa (P) e potência reativa

Leia mais

Potência e Fator de Potência. Fernando Soares dos Reis, Dr. Eng.

Potência e Fator de Potência. Fernando Soares dos Reis, Dr. Eng. Potência e Fator de Potência, Dr. Eng. Sumário Introdução; Objetivos; Revisão de Conceitos Fundamentais de Potência C.C. Potência Instantânea; Potência Média ou Ativa; Transferência Máxima de Potência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANA CAARINA DEPARAMENO DE ENGENHARIA ELÉRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório AULA 07 POÊNCIA MONOFÁSICA E FAOR DE POÊNCIA 1 INRODUÇÃO A análise de circuitos em corrente

Leia mais

Eletrotécnica. Potência aparente, fator de potência Potência complexa. Joinville, 21 de Março de 2013

Eletrotécnica. Potência aparente, fator de potência Potência complexa. Joinville, 21 de Março de 2013 Eletrotécnica Potência aparente, fator de potência Potência complexa Joinville, 21 de Março de 2013 Escopo dos Tópicos Abordados Potência aparente e fator de potência; Potência Complexa 2 Potência Aparente

Leia mais

Retificadores com tiristores

Retificadores com tiristores Retificadores com tiristores 5 O retificador controlado trifásico de meia onda Os retificadores trifásicos são alimentados pela rede de energia trifásica cujas tensões podem ser descritas pelas expressões

Leia mais

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Introdução Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Potência é a quantidade de maior importância em

Leia mais

Cálculos para Reticação de Onda

Cálculos para Reticação de Onda Cálculos para Reticação de Onda Prof. Dr. Marcelo de Oliveira Rosa 1 de agosto de 11 Resumo Este documento objetiva fornecer um material documentado das equações envolvidas na determinação de tensões DC,

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Departamento de Engenharia Elétrica Aula 6.1 Máquinas Síncronas Prof. João Américo Vilela Bibliografia FITZGERALD, A. E., KINGSLEY Jr. C. E UMANS, S. D. Máquinas Elétricas: com Introdução à Eletrônica

Leia mais

Experimento 10 Circuitos RLC em corrente alternada: ressonância

Experimento 10 Circuitos RLC em corrente alternada: ressonância Experimento 10 Circuitos RLC em corrente alternada: ressonância 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento de circuitos RLC em presença de uma fonte de alimentação de corrente alternada.

Leia mais

Noções de corrente alternada

Noções de corrente alternada Noções de corrente alternada Corrente alternada, ou CA (em inglês AC) é uma corrente elétrica cuja intensidade e sentido variam periodicamente, ao contrário da corrente contínua cuja direção permanece

Leia mais

Regime Permanente Senoidal

Regime Permanente Senoidal egime Permanente Senoidal onceito Em regime permanente senoidal U ( t) U máx. sen( t) ( t) máx. sen( t) egime Permanente Senoidal apacitor Em egime Permanente Senoidal Para um circuito em regime permanente

Leia mais

1. Sistemas Trifásicos

1. Sistemas Trifásicos Sistemas Elétricos de Potência 1. Sistemas Trifásicos Professor: Dr. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:raphaelbenedito@utfpr.edu.br disponível em: http://paginapessoal.utfpr.edu.br/raphaelbenedito

Leia mais

Eletricidade Aula 7. Circuitos de Corrente Alternada Parte 2

Eletricidade Aula 7. Circuitos de Corrente Alternada Parte 2 Eletricidade Aula 7 Circuitos de Corrente Alternada Parte 2 Expressão matemática mais usual da força eletromotriz de uma fonte alternada. Sendo E o valor da amplitude da fem, expressa-se usualmente seu

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO EAOEAR 2002 05 No circuito mostrado na figura abaixo, determine a resistência

Leia mais

Eletrônica Geral Curso Técnico de Automação Industrial Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a.

Eletrônica Geral Curso Técnico de Automação Industrial Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. Eletrônica Geral Curso Técnico de Automação Industrial Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. 1. A Figura abaixo apresenta o oscilograma da forma de onda de tensão em um determinado nó de um circuito

Leia mais

Prof. Fábio de Oliveira Borges

Prof. Fábio de Oliveira Borges Exercícios Prof. Fábio de Oliveira Borges Curso de Física II Instituto de Física, Universidade Federal Fluminense Niterói, Rio de Janeiro, Brasil http://cursos.if.uff.br/fisica2-2015/ Exercício 01 01)

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 4: Transformadores de potência Exercícios 4.1 Um transformador monofásico de dois enrolamentos apresenta os seguintes valores nominais: 20 kva, 480/120 V,

Leia mais

campo em 2 A e a velocidade em 1500 rpm. Nesta condição qual o valor do torque

campo em 2 A e a velocidade em 1500 rpm. Nesta condição qual o valor do torque Um alternador síncrono de pólos lisos possui quatro pólos, está ligado em estrela e apresenta potência nominal igual a 20kVA. Em vazio a tensão entre os terminais é igual a 440 V, quando o rotor da máquina

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II Módulo V CIRCUITOS ACOPLADOS MAGNETICAMENTE INTRODUÇÃO AOS TRANSFORMADORES UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Campo Magnético Linhas de fluxo

Leia mais

Aula-11 Corrente alternada

Aula-11 Corrente alternada Aula-11 orrente alternada urso de Física Geral F-38 1º semestre, 014 F38 1014 1 Oscilações forçadas ( com fem) As oscilações de um circuito não serão totalmente amortecidas se um dispositivo de fem externo

Leia mais

Experiência Nº Definição de potência ativa, potência reativa, potência aparente e fator de potência.

Experiência Nº Definição de potência ativa, potência reativa, potência aparente e fator de potência. 3.1 Experiência Nº 3 1 Assunto Correção do fator de potência. Objetivo Entendimento dos conceitos de potência ativa e reativa. ostrar a importância de um fator de potência alto nas instalações elétricas.

Leia mais

Abra o arquivo ExpCA05. Identifique o circuito da Fig12a. Ative-o. Anote o valor da corrente no circuito.

Abra o arquivo ExpCA05. Identifique o circuito da Fig12a. Ative-o. Anote o valor da corrente no circuito. Curso CA Parte3 a) Primeiramente deveremos calcular a reatância X C = 1 / (..60.0,1.10-6 ) =6.55 Agora poderemos calcular a impedância. Z = 40 6,5 = 48K b) = U / Z = 10V / 48K =,5 ma c) V C = X C. = 6,5K.,5mA

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE BÁSICA Exercícios Eletricidade Básica

EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE BÁSICA Exercícios Eletricidade Básica EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE BÁSICA Exercícios Eletricidade Básica Q1) Qual o valor de energia convertida por um ferro de passar roupas, de 600W, ligado por 2min? ( 2min=120s E=P*t=600*120= 72000J ) Q2)

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/16

CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/16 CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/16 - Introdução - Método de avaliação - Data das provas: P1: 04/10/16 P2: 08/11/16 P3: 22/11/16 (somente para faltosos) - Suspensão de aulas: 09/08/16, 16/08/16, 15/11/16

Leia mais

Lista de Exercícios Amplificadores Operacionais

Lista de Exercícios Amplificadores Operacionais Lista de Exercícios Amplificadores Operacionais Para solução dos exercícios, suponha o amplificador operacional ideal e a alimentação simétrica de 12V. 1- Para os circuitos abaixo, diga qual configuração

Leia mais

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada ELETRICIDADE Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Associação de impedâncias As impedâncias

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/15

CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/15 CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/15 Aula 1 04/08/15 - Introdução - Método de avaliação - Data das provas: P1: 29/09/15 P2: 03/11/15 P3: 10/11/15 (somente para faltosos) - Suspensão de aulas: Não há

Leia mais

O símbolo usado em diagramas de circuito para fontes de tensão é:

O símbolo usado em diagramas de circuito para fontes de tensão é: Circuitos Elétricos Para fazer passar cargas elétricas por um resistor, precisamos estabelecer uma diferença de potencial entre as extremidades do dispositivo. Para produzir uma corrente estável é preciso

Leia mais

Experimento 9 Circuitos RLC em série e em paralelo em corrente alternada: ressonância e filtros passa-banda e rejeita-banda

Experimento 9 Circuitos RLC em série e em paralelo em corrente alternada: ressonância e filtros passa-banda e rejeita-banda Experimento 9 Circuitos C em série e em paralelo em corrente alternada: ressonância e filtros passa-banda e reeita-banda. OBJETIO Parte A:Circuitos C em série Circuitos contendo indutores e capacitores

Leia mais

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 2. Adrielle C. Santana

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 2. Adrielle C. Santana PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 2 Adrielle C. Santana Medição de Corrente Alternada Medidor Alicate Vídeo (26 min) Impedância Indutiva Quando num mesmo circuito de corrente alternada tem-se uma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO 1- VISÃO GERAL DO SISTEMA ELÉTRICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO 1- VISÃO GERAL DO SISTEMA ELÉTRICO UNERSDADE FEDERAL DO PARÁ NSTTUTO DE TECNOLOGA FACULDADE DE ENGENHARA ELÉTRCA DSCPLNA: NSTALAÇÕES ELÉTRCAS Prof.a : CARMNDA CÉLA M. M. CARALHO CAPÍTULO - SÃO GERAL DO SSTEMA ELÉTRCO.- NTRODUÇÃO A energia

Leia mais

CAPÍTULO V I APLICAÇÕES DOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS

CAPÍTULO V I APLICAÇÕES DOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS CAPÍTULO V I APLICAÇÕES DOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS Neste capítulo, o objetivo é o estudo das aplicações com os Amplificadores Operacionais realizando funções matemáticas. Como integração, diferenciação,

Leia mais

Revisão de Circuitos Monofásicos

Revisão de Circuitos Monofásicos UNERSDADE ESTADUA PAUSTA JUO DE MESQUTA FHO FACUDADE DE ENGENHARA - DEP. DE ENGENHARA EÉTRCA EE-0941 EETROTÉCNCA Revisão de Circuitos Monofásicos 1.0 ntrodução O intuito desta revisão é recordar as noções

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCICIOS #8 (1) FONTE DE CORRENTE a) Determine Io. b) Calcule

Leia mais

CF360 - Resumo Experimentos Prova 2

CF360 - Resumo Experimentos Prova 2 CF360 - Resumo Experimentos Prova 2 Fabio Iareke 19 de dezembro de 2011 1 Força Magnética sobre Condutores de Corrente 1.1 Roteiro de Estudos 1. Qual é a expressão para o campo magnético

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETROTÉCNICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETROTÉCNICA UNIVERIDADE ETADUAL AULITA JÚLIO DE MEUITA FILHO FAULDADE DE ENGENHARIA - DEARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRIA ELETROTÉNIA Experiência 01: Meição a potência e correção o fator e potência em circuitos monofásicos

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Princípios de Comunicações

Prof. Daniel Hasse. Princípios de Comunicações Prof. Daniel Hasse Princípios de Comunicações AULA 3 Análise de Fourier Prof. Daniel Hasse Sinais e espectros Os sinais são compostos de várias componentes senoidais (Série de Fourier) Generalização ransformada

Leia mais

Apostila do experimento CORRENTE ALTERNADA. Unesp - Faculdade de Ciências Departamento de Física Campus de Bauru

Apostila do experimento CORRENTE ALTERNADA. Unesp - Faculdade de Ciências Departamento de Física Campus de Bauru Apostila do experimento CORRENTE ALTERNADA Unesp - Faculdade de Ciências Departamento de Física Campus de Bauru Disciplina - Laboratório de Física III Autores: Carlos Alberto Fonzar Pintão Momotaro Imaizumi

Leia mais

Circuitos Elétricos I EEL420 16/04/2015

Circuitos Elétricos I EEL420 16/04/2015 Circuitos Elétricos I EE420 16/04/2015 Nome: 1) COOQUE SEU NOME E NUMERE AS FOHAS DOS CADERNOS DE RESPOSTA 2) RESPONDA AS QUESTÕES EM ORDEM UTIIZANDO ATÉ 2 PÁGINAS POR QUESTÃO (NO MÁXIMO 3) 3) REDESENHE

Leia mais

Indução Magnética. E=N d Φ dt

Indução Magnética. E=N d Φ dt Indução Magnética Se uma bobina de N espiras é colocada em uma região onde o fluxo magnético está variando, existirá uma tensão elétrica induzida na bobina, e que pode ser calculada com o auxílio da Lei

Leia mais

NÚMEROS COMPLEXOS EM ELETRÔNICA

NÚMEROS COMPLEXOS EM ELETRÔNICA NÚMEOS OMPEOS EM EEÔNA É uma forma na qual se inclui ângulo de fase e magnitude de uma ou mais grandezas. Uma expressão complexa compreende uma parte real e uma parte imaginária, conforme mostra a figura

Leia mais

1) A corrente que atravessa um condutor é de 12 A. Qual o valor da carga que atravessa o condutor em um intervalo de 1,5 min? Resp.: 1080 C.

1) A corrente que atravessa um condutor é de 12 A. Qual o valor da carga que atravessa o condutor em um intervalo de 1,5 min? Resp.: 1080 C. Faculdades de Jorge Aado urso: Engenharia de Telecounicações Professor: lovis Aleida Disciplina: ircuitos Elétricos Assunto: Lista de exercícios 1) A corrente que atravessa u condutor é de 12 A Qual o

Leia mais

Capítulo 8. Potência e Energia

Capítulo 8. Potência e Energia Capítulo 8 Potência e Energia Sumário Potência média e valores eficazes Potência no Estado Permanente em Corrente Alternada A Conservação das Potências Real e Reativa Armazenamento de Energia em Circuitos

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL 420. Módulo 10

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL 420. Módulo 10 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL 40 Módulo 10 Drawing of Michael Faraday's 1831 experiment showing electromagnetic induction between coils of wire, using 19th century apparatus,

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Introdução 5 O circuito série em corrente alternada 6 Impedância e corrente no circuito série em corrente alternada 8 As tensões no circuito série em corrente alternada 11 ede de defasagem 14 Apêndice

Leia mais

Medição da Potência Harmônica

Medição da Potência Harmônica Medição da Potência Harmônica Sinais Senoidais i(t) Exemplos Potências v(t) Carga Linear v t) m sen( ) ( t i ( t) I m sen( t ) Onde: Θ = Ângulo de deslocamento fundamental, e rms m I rms I I m Sinais Senoidais

Leia mais

Aula 6 Circuitos em Corrente Alternada Prof. Marcio Kimpara

Aula 6 Circuitos em Corrente Alternada Prof. Marcio Kimpara ELETRICIDADE Aula 6 Circuitos em Corrente Alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Tensão (e/ou corrente) contínua Corrente contínua CC (ou DC - do inglês direct current)

Leia mais

Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição)

Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição) Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia Elétrica Disciplina: Conversão da Energia Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição) 5.3) Cálculos

Leia mais

Cap. 9 - Medição de Potência Ativa CC Cap. 10 Medição de Potência Ativa CA

Cap. 9 - Medição de Potência Ativa CC Cap. 10 Medição de Potência Ativa CA Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap. 9 - Medição de Potência Ativa CC Cap. 10 Medição de Potência Ativa CA Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com

Leia mais

Retificadores Monofásicos Não-Controlados (Onda Completa com Carga Resistiva)

Retificadores Monofásicos Não-Controlados (Onda Completa com Carga Resistiva) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Eletrônica de Potência Retificadores Monofásicos Não-Controlados (Onda Completa com Carga Resistiva)

Leia mais

FNT AULA 6 FUNÇÃO SENO E COSSENO

FNT AULA 6 FUNÇÃO SENO E COSSENO FNT AULA 6 FUNÇÃO SENO E COSSENO CIRCUNFERÊNCIA TRIGONOMÉTRICA Chama-se circunferência trigonométrica a circunferência de raio unitário (R=1), com centro na origem de um sistema cartesiano. +1 R = 1 360º

Leia mais

EPO Eletrônica de Potência. Capítulo 2 - Retificadores não controlados 2.1-Retificador monofásico de meia onda

EPO Eletrônica de Potência. Capítulo 2 - Retificadores não controlados 2.1-Retificador monofásico de meia onda UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EPO Eletrônica de Potência Capítulo 2 - Retificadores não controlados 2.1-Retificador monofásico

Leia mais

a) Circuito RL série b) Circuito RC série c) Circuito RLC série

a) Circuito RL série b) Circuito RC série c) Circuito RLC série Teoria dos Circuitos 1. Determine a evolução temporal das tensões e corrente em cada um dos elementos dos circuitos especificados, quando aplica uma fonte de tensão constante. Considere 5, 10 mh e C 10

Leia mais

Figura 1 Várias formas de ondas repetitivas: (a) onda cosseno, (b) onda seno, (c) onda triangular (d) onda quadrada

Figura 1 Várias formas de ondas repetitivas: (a) onda cosseno, (b) onda seno, (c) onda triangular (d) onda quadrada ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO FACULDADE DE ENGENHARIA DE RESENDE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA Disciplina: Laboratório de Circuitos Elétricos Corrente Alternada 1. Objetivo Uma medida elétrica é a

Leia mais

FILTRO PASSA ALTAS (FPA) FILTRO PASSA BAIXAS (FPB)

FILTRO PASSA ALTAS (FPA) FILTRO PASSA BAIXAS (FPB) FILTRO PASSA ALTAS (FPA) FILTRO PASSA BAIXAS (FPB) A figura a seguir mostra dois circuitos RC que formam respectivamente um filtro passa altas (FPA) e um filtro passa baixas (FPB). Observa-se que a caracterização

Leia mais

AULA LAB 03 ELEMENTOS PASSIVOS (R, L E C) EM CORRENTE ALTERNADA 2 DEFASAGEM ENTRE TENSÃO E CORRENTE NOS ELEMENTOS PASSIVOS

AULA LAB 03 ELEMENTOS PASSIVOS (R, L E C) EM CORRENTE ALTERNADA 2 DEFASAGEM ENTRE TENSÃO E CORRENTE NOS ELEMENTOS PASSIVOS CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Retificadores (ENG - 20301) AULA LAB 03 ELEMENTOS PASSIVOS (R, L E C) EM CORRENTE ALTERNADA 1 INTRODUÇÃO Nesta aula de

Leia mais

Sistemas e Sinais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia Elétrica

Sistemas e Sinais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia Elétrica Propriedades das Representações de Fourier Sinais periódicos de tempo contínuo ou discreto têm uma representação por série de Fourier, dada pela soma ponderada de senoides complexas com frequências múltiplas

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA. Excitação CA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA. Excitação CA Os circuitos magnéticos dos transformadores e das máquinas CA são excitados por fontes CA. Com excitação CA, a indutância influi no comportamento do regime permanente. Joaquim Eloir Rocha 1 Com excitação

Leia mais

METAHEURO TECNOLOGIA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

METAHEURO TECNOLOGIA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA METAHEURO TECNOLOGIA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA Projetos de retificadores não controlados Caso trifásico de meia onda com carga muito indutiva PROJETO RETIFICADOR TRIFÁSICO DE MEIA ONDA José Roberto Marques

Leia mais

Filtro passa-baixa e passa-alta

Filtro passa-baixa e passa-alta Exper. 5 Filtro passa-baixa e passa-alta Objetivos Verificar, experimentalmente, o funcionamento de um circuito RC atuando como filtro passa-baixa. Verificar, experimentalmente, o funcionamento de um circuito

Leia mais

NÚMEROS COMPLEXOS. Prof. Edgar Zuim (*)

NÚMEROS COMPLEXOS. Prof. Edgar Zuim (*) NÚMEROS COMPLEXOS Prof. Edgar Zuim (*) 1 Conteúdo 1 - Introdução... 3 - Relações do fasor com a forma retangular... 4 3 - Operações com números complexos... 5 4 - Conversões de forma retangular/polar e

Leia mais

Conversores Estáticos

Conversores Estáticos Conversores Estáticos Circuitos Retificadores Monofásicos 08/03/2009 www.corradi.junior.nom.br Sinal Senoidal Os circuitos eletrônicos podem trabalhar com tensões e correntes continuas e alternadas. Um

Leia mais

CET ENERGIAS RENOVÁVEIS ELECTROTECNIA

CET ENERGIAS RENOVÁVEIS ELECTROTECNIA CET ENERGIAS RENOVÁVEIS ELECTROTECNIA CADERNO DE EXERCÍCIOS 1. Duas cargas pontuais q1 = 30µ C e q2 = 100µ C encontram-se localizadas em P1 (2, 0) m e P2 (0, 2) m. Calcule a força eléctrica que age sobre

Leia mais

Amplificadores de Potência Classe A

Amplificadores de Potência Classe A Universidade do Estado de Santa Catarina CCT Centro de Ciências Tecnológicas Amplificadores de Potência Classe A Professor: Disciplina: Celso José Faria de Araújo Eletrônica Analógica I Joinville SC Introdução

Leia mais

Método das Malhas. Abordagem Geral

Método das Malhas. Abordagem Geral Método das Malhas Abordagem Geral Método das Malhas 1. Associe uma corrente no sentido horário a cada malha fechada e independente do circuito. Não é necessário escolher o sentido horário para todas as

Leia mais

Eletrônica de Potência. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Eletrônica de Potência. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Eletrônica de Potência Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Conversores CA / CC Conversores CA /CC O fornecimento de energia elétrica é feito, essencialmente,

Leia mais

f = 1MHz ε rms = 10V C = 220pF V Lrms = 39,1V V Crms = 30,0V V Rrms = 4,15V

f = 1MHz ε rms = 10V C = 220pF V Lrms = 39,1V V Crms = 30,0V V Rrms = 4,15V 1 Circuito RLC série Quando adicionamos uma resistência ao circuito LC série, como mostrado no diagrama ao lado, o comportamento do circuito é similar ao comportamento do circuito LC sem a resistência,

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE. Fluxos de Potência entre dois Barramentos

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE. Fluxos de Potência entre dois Barramentos LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE Fluxos de Potência entre dois Barramentos Tópicos da Aula (parte 1) Modelos de Linhas de Transmissão Linhas Curtas: Fluxos da LT sem perdas ativas Diagrama Fasorial

Leia mais

Representação de Fourier para Sinais 1

Representação de Fourier para Sinais 1 Representação de Fourier para Sinais A representação de Fourier para sinais é realizada através da soma ponderada de funções senoidais complexas. Se este sinal for aplicado a um sistema LTI, a saída do

Leia mais

Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada

Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento de indutores associados a resistores em circuitos alimentados com onda quadrada. 2.

Leia mais

Aula Prática 01. O Amplificador Diferencial e Aplicações

Aula Prática 01. O Amplificador Diferencial e Aplicações Aula Prática 01 I - Objetivos O objetivo desta aula prática é estudar o amplificador diferencial, suas propriedades e aplicações. A técnica adotada é reforçar a noção de associação de amplificadores em

Leia mais

Compensação de Reativos e Harmônicas

Compensação de Reativos e Harmônicas Compensação de Reativos e Harmônicas O que é Potência Reativa Como compensar e o que compensar Como especificar um Banco de Capacitores O que são harmônicas O que é ressonância. Apresentação das medições

Leia mais

INDUÇÃO MAGNÉTICA (2)

INDUÇÃO MAGNÉTICA (2) INDUÇÃO MAGNÉTICA Material Utilizado: - uma bobina de campo (l = 750 mm, n = 485 espiras / mm) (PHYWE 11006.00) - um conjunto de bobinas de indução com número de espiras N e diâmetro D diversos (N = 300

Leia mais

Aula 2 por fase e Sistema pu

Aula 2 por fase e Sistema pu Proteção de istemas Elétricos (PE) Proteção de istemas Elétricos Aula Análise por fase e istema pu Proteção de istemas Elétricos (PE) Análise por fase e diagrama unifilar No estudo do RP do EE, utiliza-se

Leia mais

Aula 8.2 Conteúdo: Associação de resistores em paralelo, potência elétrica de uma associação em paralelo de resistores. INTERATIVIDADE FINAL

Aula 8.2 Conteúdo: Associação de resistores em paralelo, potência elétrica de uma associação em paralelo de resistores. INTERATIVIDADE FINAL Aula 8.2 Conteúdo: Associação de resistores em paralelo, potência elétrica de uma associação em paralelo de resistores. Habilidades: Diferenciar as formas de associação de resistores, bem como determinar

Leia mais

Lab.04 Osciloscópio e Gerador de Funções

Lab.04 Osciloscópio e Gerador de Funções Lab.04 Osciloscópio e Gerador de Funções OBJETIVOS Capacitar o aluno a utilizar o osciloscópio e o gerador de funções; Usar o osciloscópio para observar e medir formas de onda de tensão e de corrente.

Leia mais

1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação

1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação Lista de exercícios 9 - Indução e Indutância 1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação φ B = 6,0t2 + 7,0t, onde φb está em miliwebers e t em segundos. (a) Qual

Leia mais

Em um circuito DC, seja ele resistivo ou não, a corrente varia somente no instante em que o circuito é aberto ou fechado.

Em um circuito DC, seja ele resistivo ou não, a corrente varia somente no instante em que o circuito é aberto ou fechado. Em um circuito DC, seja ele resistivo ou não, a corrente varia somente no instante em que o circuito é aberto ou fechado. Quando o circuito é puramente resistivo essas variações são instantâneas, porém

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica COB781. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica COB781. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica COB781 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1

Leia mais

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010 3 - Sistemas em Corrente Alternada Carlos Marcelo Pedroso 18 de março de 2010 1 Considerações sobre Potência e Energia A potência fornecida a uma carga à qual está aplicada um tensão instantânea u e por

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP FUNDAMENTOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS INTRODUÇÃO CIRCUITOS SÉRIE DE CORRENTE CONTÍNUA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP FUNDAMENTOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS INTRODUÇÃO CIRCUITOS SÉRIE DE CORRENTE CONTÍNUA UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP FUNDAMENTOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS INTRODUÇÃO CIRCUITOS SÉRIE DE CORRENTE CONTÍNUA Um circuito série é aquele que permite somente um percurso para a passagem da corrente. Nos

Leia mais

A geração e transmissão de energia eléctrica é mais eficiente em sistemas polifásicos que empregam combinações de 2, 3 ou mais tensões sinusoidais.

A geração e transmissão de energia eléctrica é mais eficiente em sistemas polifásicos que empregam combinações de 2, 3 ou mais tensões sinusoidais. Circuitos Polifási Enquanto num circuito monofásico existe apenas uma fonte de energia A.C. ou árias fontes fornecendo energia em fase à carga, nos circuitos polifási existem ou mais fontes de tensão iguais

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 2 Conceitos básicos de eletricidade voltados às instalações elétricas.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 2 Conceitos básicos de eletricidade voltados às instalações elétricas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 2 Conceitos básicos de eletricidade voltados às instalações

Leia mais

Cap Medição de Potência Reativa

Cap Medição de Potência Reativa Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap. 11 - Medição de Potência Reativa Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br 5. MEDIÇÃO D POTÊNCI RETlV Universidade Federal

Leia mais

ELETRICIDADE I NOTAS DE AULA

ELETRICIDADE I NOTAS DE AULA ELETRICIDADE I NOTAS DE AULA Prof. Antonio J. da S. Baptista 2012.1 ÍNDICE 1-CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA (REVISÃO) 2-DISPOSITIVOS QUE ARMAZENAM ENERGIA 3-CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA 4-TRANSFORMADORES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCICIOS #8 (1) FONTE DE CORRENTE COM CARGA ATERRADA (A) Encontre

Leia mais

Uma onda se caracteriza como sendo qualquer perturbação que se propaga no espaço.

Uma onda se caracteriza como sendo qualquer perturbação que se propaga no espaço. 16 ONDAS 1 16.3 Uma onda se caracteriza como sendo qualquer perturbação que se propaga no espaço. Onda transversal: a deformação é transversal à direção de propagação. Deformação Propagação 2 Onda longitudinal:

Leia mais