Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica"

Transcrição

1 Direção de Gestão de Informação e Comunicação Centro de Informação e Conhecimento Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Lisboa, janeiro de 2015

2 Introdução O Centro de Documentação Técnica e Científica - Biblioteca, integrado no Centro de Informação e Conhecimento da Direção de Gestão de Informação e Comunicação, procedeu a uma avaliação global junto dos seus utilizadores através de um inquérito de satisfação que avaliou este serviço do INFARMED, I.P. Realizado de forma anónima, o inquérito decorreu entre 16 e 31 de Outubro de 2014, com recurso a 2 vagas, envolvendo 305 utilizadores deste serviço, tanto externos como internos. Realizado de 2 em 2 anos, este inquérito tem como objetivo a recolha de informação essencial para melhoria contínua do serviço prestado pelo CDTC à comunidade. A análise dos resultados deste inquérito permitirá avaliar a imagem da biblioteca junto do seu público, a opinião que este tem sobre o serviço que lhe é prestado e identificar as áreas onde importa implementar melhorias ou aplicar medidas corretivas. Será também possível comparar os dados apurados com os do inquérito efetuado em Para esse efeito, optou-se por repetir as mesmas questões do inquérito anterior (à semelhança do que tinha sido realizado face ao inquérito de 2010). 2/21

3 Dadas as especificidades dos serviços prestados aos utilizadores internos e externos, elaboraram-se dois inquéritos distintos, apesar de muitas das questões serem comuns e permitirem uma leitura global das opiniões manifestadas por ambos os públicos. Foi utilizada a ferramenta Google docs, que permite a total confidencialidade dos inquiridos, facilidade no preenchimento do inquérito e apoio na análise quantitativa das respostas. Os inquéritos foram divididos em quatro áreas de análise distintas: Caracterização dos utilizadores; Caracterização do espaço da biblioteca; Caracterização funcional da biblioteca; Caracterização do fundo documental e recursos eletrónicos. ver Inquérito interno ver Inquérito externo Terminado esse prazo, e num universo de 305 utilizadores, foram validadas 84 respostas (49 internos e 35 externos), o que corresponde a uma taxa de resposta global de 28%. Aumento da taxa de resposta global Face ao inquérito realizado em 2012, houve uma evolução na taxa de resposta global (de 20% para 28%), o que poderá ser justificado pelas datas escolhidas para as 2 vagas e uma melhor predisposição dos utilizadores para a resposta face à familiarização com os inquéritos deste tipo (Google Docs). 3/21

4 Parte A - Caracterização dos Utilizadores 1- Faixa etária 72% dos utilizadores situam-se entre os anos, havendo alguma representatividade nas faixas etárias situadas entre os anos (12%) e uma inexpressividade na faixa etária superior > 61 anos (4%). Comparativamente, regista-se uma média de idades superior nos utilizadores internos face aos utilizadores externos sendo que, nenhum dos grupos (internos e externos) regista utilizadores abaixo dos 21 anos de idade. Tal poderá ser atribuído à fraca adesão de estudantes (enquadráveis nesta faixa etária) aos recursos que o CDTC oferece. Globalmente, comparando com o inquérito de 2012, nota-se um ligeiro aumento da média de idades dos utilizadores verificado pelo decréscimo de utilizadores nas faixas mais jovens (21-30 e 31-40) e um aumento nas faixas etárias mais velhas (41-50 e > 61). Aumento da média de idade dos utilizadores 4/21

5 2- Habilitações literárias A grande maioria dos utilizadores do CDTC tem formação superior (91%), destacando-se 35% com mestrados, 26% com licenciaturas e 18% com pós-graduações ou cursos de especialização. Embora ainda sem expressão significativa, surgem no inquérito de 2014 alguns utilizadores com um Ensino Médio/Bacharelato (5%) e ainda alguns já identificados com Mestrado Integrado (1%). Comparativamente a 2012, nota-se um ligeiro decréscimo no número de utilizadores com formação superior (- 3%) e um aumento significativo de mestrados (+8%). Decréscimo no número de utilizadores com formação superior 5/21

6 3- Frequência de consulta A maioria dos utilizadores (52%) respondeu que recorre aos serviços da biblioteca esporadicamente e 14% fazem-no de 6 em 6 meses. Os utilizadores mas assíduos do CDTC recorrem a este serviço 1 vez por mês em 22% dos casos, uma vez por semana em 7% dos casos e 5% interagem diariamente com a biblioteca. Em 2012 os contactos esporádicos representavam 62% dos contactos o que demonstra uma descida do número de utilizadores esporádicos que poderá significar uma presença mais assídua por parte dos utilizadores. Aumento de utilizadores regulares 6/21

7 4- Perfis de interesse As áreas científicas consideradas de maior interesse para os utilizadores internos são a Saúde (48%), a Medicina (45%) e a Farmacologia (43%). Já as áreas dos Produtos de Saúde e da Farmácia representam um nível de interesse médio por parte dos utilizadores (26%). A Economia e as Medicinas Paralelas são as áreas de menor interesse para os utilizadores internos (6%) Relativamente a 2012, nota-se um significativo aumento do interesse pela área da Saúde e Farmacologia (de 31% para 48% e de 34% para 43%, respetivamente). Regista-se também um decréscimo acentuado pela área da Normalização com uma descida de 20% face a Descida acentuada de interesse pela área de Normalização 7/21

8 Aos utilizadores externos, sem livre acesso à biblioteca, foi questionado qual o tipo de documentação que solicitam habitualmente. Destacam-se os Resumos das Características do Medicamento (RCM) e Folhetos Informativos (FI) com 49% e os artigos científicos com 46%. As Monografias de Farmacopeia e as Informações em Base de Dados representam 26% e 14%, respetivamente, do tipo de documentação solicitada pelos utilizadores externos junto do CDTC. Relativamente a 2012, nota-se um ligeiro decréscimo do número de pedidos de artigos científicos (de 52% para 49%) e um acréscimo considerável dos pedidos de monografias de farmacopeias (de 14% para 26%). Aumento de pedidos de Monografias de farmacopeias 8/21

9 Parte B - Caracterização do Espaço da Biblioteca 1- Identificação do local (sinalização) Aos utilizadores internos, com livre acesso às instalações da biblioteca, foi pedido que classificassem a forma como acham que se identifica o local onde funciona a biblioteca. Numa escala de 1 a 5, em que 1 corresponde a Muito Dificilmente e 5 a Muito Facilmente, a média das respostas situou-se nos 3,18 valores. Registou-se ligeiro decréscimo face ao apurado em 2012 (3,26 valores). 2- Consulta presencial Dos utilizadores internos, 23% afirmaram já ter utilizado a sala de leitura. Quanto aos utilizadores externos, apenas 14% responderam afirmativamente. Face a 2012, registase uma acentuada quebra do número de visitas de colaboradores internos ao espaço do CDTC (de 43% para 23%). Descida acentuada do n.º de visitas ao CDTC 2.1 As condições da sala de leitura, foram classificadas pelos utilizadores, numa escala de 1 a 5, em que 1 corresponde a Insatisfatórias e 5 a Muito Boas. A média das respostas situou-se nos 4,0 valores para os utilizadores internos o que representa uma ligeira melhoria da classificação das condições de leitura face a 2012 (com 3,5 valores) 3 Postos de consulta (PC) Para os utilizadores internos que já utilizaram a sala de leitura, apenas 1 considerou insuficiente o número de computadores disponíveis. Para os utilizadores externos, a taxa de satisfação neste aspeto, é de 100% (resultados idênticos face a 2012). 9/21

10 Parte C - Caracterização funcional da Biblioteca 1- Regulamento da Biblioteca Dos utilizadores internos, 38% afirmaram conhecer o regulamento da biblioteca, o que representa um decréscimo significativo em relação a 2012 (60%) facto que também se regista no caso dos utilizadores externos (de 18% em 2012 para 9% em 2014). 2- Horário da Biblioteca (9:00 17:00) O horário de funcionamento da biblioteca obteve uma média de 3,6 valores para os utilizadores internos e 3,6 valores para os externos (numa escala de 1 a 5, em que 1 corresponde a Insatisfatório e 5 a Muito Bom). Em relação a 2012, os valores mantêm-se sensivelmente iguais em ambos os públicos (3,8 e 3,6 respetivamente). 3- Consulta das publicações À pergunta como é que tenta, em primeiro lugar, encontrar as publicações que lhe interessam?, a maioria dos utilizadores (74%) afirmou que prefere dirigir-se aos técnicos da biblioteca. Em 2012, a taxa de utilizadores escolher esta opção era de 60% o que representa um acréscimo pela confiança no conhecimento técnico dos colaboradores. Aumento acentuado do desconhecimento do regulamento 4- Localização das publicações Relativamente ao grau de facilidade com que os utilizadores identificam as publicações que pretendem no fundo documental da Biblioteca, e usando uma escala de 1 a 5, em que 1 corresponde a Muito dificilmente e 5 a Muito Facilmente, a média das respostas situou-se nos 3,48 valores. Exatamente a média observada em /21

11 5- Formação 78% dos inquiridos considerou útil a organização de sessões de formação de utilizadores. Em 2012, esta taxa de interesse era mais elevada (83%). 5.1 Destes, 29% afirmaram preferir formação genérica, 26% formação especializada de acordo com determinadas especificidades e 45% apresentações de demonstração (elearning) disponíveis online. 6- Empréstimo temporário de publicações 59% dos utilizadores já recorreram ao serviço de empréstimo temporário de publicações (apenas disponível para utilizadores internos). Este tipo de empréstimos registou uma queda acentuada face a 2012, ano que registou uma taxa de utilização de 77%. Descida acentuada da utilização do serviço de empréstimos 6.1 Destes, o grau de satisfação com os prazos estabelecidos foi de 4,32 valores, numa escala de 1 a 5, em que 1 corresponde a Insatisfatório e 5 a Muito Bom. Esta média revela uma ligeira melhoria face a 2012, ano em que o grau de satisfação foi de 4,22 valores. 11/21

12 7- Qualidade do atendimento Foi pedido aos utilizadores para classificarem, numa escala de 1 a 5, em que 1 corresponde a Insatisfatório e 5 a Muito Bom, o atendimento prestado pelos técnicos da biblioteca em relação aos seguintes aspetos: 7.1 Cordialidade e disponibilidade. A média das respostas situou-se nos 4,78 valores para os utilizadores internos e 4,40 valores para os externos. A média global neste ponto é de 4,59 valores. A média subiu ligeiramente face a 2012 em que se registou 4,56 valores. 7.2 Tempo de resposta A média das respostas situou-se nos 4,80 valores para os utilizadores internos e 4,46 valores para os externos. A média global é de 4,63 valores. A média subiu ligeiramente face a 2012 em que se registou 4,48 valores. 7.3 Conhecimentos revelados pelos técnicos A média das respostas situou-se nos 4,63 valores para os utilizadores internos e 4,43 valores para os externos. A média global é de 4,53 valores. Apesar de os valores registados para os dois públicos serem inferiores comparativamente a 2012, a média global entre os dois inquéritos não sofreu qualquer alteração significativa (4,52 valores em 2012). Ligeiro aumento nas médias globais 7.4 Utilidade das respostas A média das respostas situou-se nos 4,73 valores para os utilizadores internos e 4,43 valores para os externos. A média global é de 4,58 valores. Face a 2012 a média não sofreu qualquer alteração. 12/21

13 8- Sugestões de melhoria As melhorias que os utilizadores internos mais vezes assinalaram foram: o acesso remoto (fora do Infarmed) aos recursos eletrónicos disponibilizados pela Biblioteca (71%); mais publicações em livre acesso (54%); horário mais alargado (28%). Relativamente a 2012, destaca-se o acréscimo de utilizadores que preferem um acesso remoto aos recursos eletrónicos do CDTC fora das instalações do Infarmed (71% em 2014 face a 61% em 2012) e ainda a maior preocupação com o acesso livre a um maior leque de publicações (54% em 2014 face a 42% em 2012). Maior preocupação em soluções de acesso livre e remoto 13/21

14 No caso dos utilizadores externos, destaca-se um horário mais alargado (31%) e a existência de mais revistas (30%). Em comparação com o inquérito realizado em 2012, reduziu substancialmente a preocupação com um horário mais alargado (de 84% para 31%) e da existência de mais revistas (de 48% para 30%). Menor preocupação com um horário mais alargado 14/21

15 Parte D - Caracterização do fundo documental e recursos eletrónicos da Biblioteca 1- Catálogo bibliográfico eletrónico 49% dos utilizadores internos afirmaram conhecer o catálogo bibliográfico, disponível através da Intranet, valor idêntico ao verificado no inquérito de No caso dos utilizadores externos, 23% afirmaram conhecer a ferramenta, disponível através da Internet, representando um decréscimo em relação ao inquérito anterior (30% verificado em 2012). Aos utilizadores que conhecem a ferramenta, foi pedida a sua avaliação, numa escala de 1 a 5, em que 1 corresponde a Insatisfatório e 5 a Muito Bom, em relação aos seguintes aspetos: 1.1 Grau geral de satisfação com a ferramenta: A média das respostas situou-se nos 4,08 valores para os utilizadores internos e 4,00 valores para os externos Pertinência dos documentos resultantes da pesquisa: A média das respostas situou-se nos 4,08 valores para os utilizadores internos e 4,00 valores para os externos Grau de satisfação com o conjunto das obras existentes na Biblioteca, face às suas necessidades: A média das respostas situou-se nos 4,13 valores para os utilizadores internos e 3,60 valores para os externos. Acentua-se desconhecimento pelo catálogo Em todos estes parâmetros registou-se uma ligeira subida em relação aos resultados de /21

16 2 - Tipologia da documentação consultada Verifica-se um equilíbrio no tipo de documentação consultada, tendo os recursos eletrónicos em linha sido assinalados por 57% dos utilizadores, os livros por 54% e as revistas por 47%. Relativamente a 2012, há a salientar o alinhamento uniforme de preferência pela maioria dos suportes e o ressurgimento, embora inexpressivo, da consulta de CD-ROM. 3 - Página da biblioteca online 71% dos utilizadores internos afirmaram conhecer a página da biblioteca disponível na Intranet. Destes, 55% afirmaram já ter utilizado os recursos aí disponíveis. Relativamente à qualidade da informação aí disponibilizada, a média das respostas situou-se nos 4,00 valores, numa escala de 1 a 5, em que 1 corresponde a Insatisfatório e 5 a Muito Bom. Ressurgimento da consulta de CD-ROM Comparando com os resultados de 2012, a página do CDTC na Intranet passou a ter menor visibilidade (de 83% para 71%), um menor grau de utilização (de 63% para 55%) mas um maior nível de satisfação com a informação disponibilizada (de 3,71 para 4,00 valores). Dos utilizadores externos, 37% afirmaram conhecer a página da biblioteca na Internet, o que representa um decréscimo bastante significativo em relação a 2012 (52%). 16/21

17 Avaliação global Finalmente, foi pedido para avaliar, na globalidade, o serviço prestado pela biblioteca, usando uma escala de 1 a 5, em que 1 corresponde a Insatisfatório e 5 a Muito Bom. A média das respostas, englobando utilizadores externos e internos, situou-se nos 4,37 valores. Face a 2012, ressalva-se uma ligeira subida na avaliação global ao CDTC, dado que nesse ano a média foi de 4,31 valores. Esta subida confirma a evolução em 2012 face a 2010 (ano de inicio da realização deste inquérito), o que demonstra uma evolução contínua e sólida da satisfação global dos utilizadores face aos serviços prestados pelo CDTC. 17/21

18 Sugestões e comentários Na área do inquérito destinada às sugestões e comentários, ficaram registados os seguintes testemunhos: Utilizadores internos - Essencialmente, tenho-me limitado a consultar revistas selecionadas, que me enviam por . Sempre que pedi um artigo por a resposta foi muito rápida. - Como referi acima considero o serviço muito bom mas menos utilizado do que poderia ser. Pensar numa forma de "levar a biblioteca aos serviços", nomeadamente mostrando livros de cada área com visitas físicas periódicas aos serviços por parte de um colaborador da biblioteca + manhã informativa sobre os serviços disponíveis e possibilidade de requisitar e entregar diretamente ao colaborador da biblioteca que fizesse a visita talvez ajudasse pois reduziria a barreira da distância física. Utilizadores externos - Excelente disponibilidade e colaboração assertiva e breve. - Alargamento das bases de dados e fontes de informação para obter respostas para assuntos mais específicos. - Têm um excelente serviço - Parabéns Paulo Duarte, um exemplo de dedicação e empenho profissional. - Excelente capacidade de resposta aos pedidos solicitados por . - Devido a não ser uma utilizadora assídua desta biblioteca, não tenho comentários ou sugestões a fazer, uma vez que sempre que requisitei documentação esta me foi entregue rapidamente. 18/21

19 Conclusões Analisando em pormenor os diferentes resultados obtidos no inquérito realizado em 2014, e comparando em alguns aspetos com o realizado em 2012, podemos extrair as seguintes conclusões: Verifica-se um aumento da taxa de resposta, que poderá ser explicado por uma melhor predisposição dos utilizadores para responder a inquéritos deste tipo; Aumento da idade média dos utilizadores e uma fraca expressividade junto das camadas mais jovens, pelo que deverá ser repensada a forma de abordagem a este público; Mantém-se a maioria dos utilizadores com formação superior, o que demonstra uma fraca adesão por parte dos estudantes aos serviços prestados pelo CDTC. Tal, aliado com as idades médias de utilizadores identificado no ponto anterior, reforçam a ideia da necessidade de uma comunicação que cative este público; Nota-se um maior nível de assiduidade por parte dos utilizadores, recorrendo mais vezes aos serviços. No entanto, o nível de utilizadores esporádicos mantém-se bastante elevado; Como expectável, as áreas que revelam maior interesse por parte dos utilizadores são as que se enquadram com o espectro de atividade no Infarmed, nomeadamente as do sector da saúde; Para além dos artigos científicos e RCM/FI, os utilizadores externos procuram cada vez mais o CDTC para solicitar monografias de farmacopeias, revelando a mais-valia deste serviço para a sua atividade profissional; 19/21

20 Embora o número de solicitações tenha aumentado (nº de pedidos), regista-se uma quebra acentuada de visitas ao espaço do CDTC. Tal pode ser justificado com a cada vez maior disponibilização de informação em formato eletrónico; Verifica-se que o desconhecimento do regulamento do CDTC é cada vez mais acentuado nos dois tipos de utilizadores, embora este documento esteja disponível através dos recursos eletrónicos do CDTC (catálogo e página da Internet/intranet do Infarmed) e remetido em diferentes comunicações com os utilizadores; A maioria dos utilizadores recorre mais vezes aos técnicos do CDTC para assistência na sua interação com o CDTC, o que poderá significar um acréscimo de confiança no profissionalismo dos colaboradores; Esta confiança é também demonstrada nos indicadores da qualidade de atendimento que, embora já de um nível bastante elevado (perto da máxima classificação), registam um ligeiro aumento no inquérito deste ano; Face a 2012, a utilização do serviço de empréstimos para os utilizadores internos sofreu uma queda acentuada que, na ausência de um motivo verificável, necessitará de uma avaliação consistente; No âmbito das sugestões de melhoria, os utilizadores internos manifestaram grande interesse pelo acesso a um maior número de publicações de acesso livre e/ou remoto, face às existentes (fora do Infarmed); Da conjugação dos dois últimos pontos poder-se-á depreender que existe vontade em consultar as diferentes publicações existentes no CDTC (e outras) mas através de outros suportes (eletrónicos) e sem recorrer a empréstimos; 20/21

21 Já os utilizadores externos, como sugestões de melhoria, evidenciaram a necessidade de uma maior oferta de revistas e, apesar de substancialmente reduzido face a 2012, apontaram o horário de funcionamento como um dos aspetos a melhorar; Os recursos eletrónicos do Infarmed, embora tenham registado níveis de consulta e utilização inferiores face a 2012, registam uma ligeira melhoria nos indicadores de qualidade, nomeadamente os respeitantes aos conteúdos gerados pelas pesquisas e informação disponibilizada; Muito Bom foi a avaliação global que os utilizadores fizeram do CDTC, resultado que, recorde-se, é determinante no âmbito do BSC do Infarmed. O resultado obtido face a 2012 demonstra ainda uma ligeira subida nesta avaliação; Esta subida confirma a evolução em 2012 face a 2010 (ano de inicio da realização deste inquérito), o que demonstra uma evolução contínua e sólida da satisfação global dos utilizadores face aos serviços prestados pelo CDTC. Considerações finais Algumas conclusões confirmam as necessidades identificadas no Plano de Marketing (apresentado anteriormente), cujas ações aí apresentadas visam precisamente colmatar os aspetos menos positivos que resultam deste inquérito; Contudo, a classificação obtida este ano permite ao CDTC consolidar os resultados obtidos em inquéritos anteriores, reforçar o seu posicionamento como um serviço de qualidade e utilidade para os seus utilizadores e contribuir para a consolidação da imagem institucional do Infarmed. 21/21

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet)

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet) S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES (canal internet) Março 2012 Índice 1 ENQUADRAMENTO...5 2 INTRODUÇÃO... 6 3 IDENTIFICAÇÃO E

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA DO INFARMED, I.P.

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA DO INFARMED, I.P. REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA DO INFARMED, I.P. 1. ÂMBITO E MISSÃO... 2 2. LOCALIZAÇÃO... 2 3. HORÁRIO... 2 4. ACESSO... 2 5. LEITORES... 3 6. SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 (canal internet)

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 (canal internet) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 Março 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 Autoridade Tributária e Aduaneira Ministério das Finanças Classificação: 010.10.01 Rua da Prata nº

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E BIBLIOTECA

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E BIBLIOTECA Divisão do Centro de Documentação e Biblioteca 214 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E BIBLIOTECA REALIZAÇÃO MARIA JOÃO T.M.BARREIRO COORDENAÇÃO NATÉRCIA GODINHO APOIO

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Setembro 2013 Agradecimentos

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

Estudos de Imagem e Notoriedade

Estudos de Imagem e Notoriedade Estudos de Imagem e Notoriedade 1- Enquadramento O Serviço: Relatórios Avaliação da Imagem e Notoriedade das organizações, bem como da força de marca e posicionamento face à concorrência. Para que Serve:

Leia mais

Análise do Questionário 2008 NOTÁRIOS

Análise do Questionário 2008 NOTÁRIOS Análise do Questionário NOTÁRIOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. NÍVEIS DE SERVIÇO PRESTADOS POR CANAL DE ACESSO 4 2.1. Serviço prestado no canal internet 4 2.1.1. Apreciação global do serviço 4 2.1.2. Qualidade

Leia mais

Prémio Excelência no Trabalho 2015

Prémio Excelência no Trabalho 2015 FAQ Frequently Asked Questions Índice Prémio Excelência no Trabalho 2015 INSCRIÇÃO... 2 COMUNICAÇÃO INTERNA... 4 QUESTIONÁRIO DIRIGIDO AOS COLABORADORES... 5 INQUÉRITO À GESTÃO DE TOPO... 7 TRATAMENTO

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MURALHAS DO MINHO, VALENÇA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO Ano Letivo 2013/2014 Equipa de auto-avaliação 10-07-2014 (Critério 9 Desempenho-Chave) INDÍCE INTRODUÇÃO... 3 EVOLUÇÃO

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 38% DAS PESSOAS COM IDADE ENTRE 16 E 74 ANOS CONTACTAM COM ORGANISMOS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Março 2015 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES CANAL INERNET AT AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Autoridade

Leia mais

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 INTRODUÇÃO A Sociedade Portuguesa para a Qualidade na Saúde (SPQS) executou, em 2014, um Plano de Formação dirigido aos seus associados e outros profissionais

Leia mais

BIBLIOTECA ANACOM MANUAL DO UTILIZADOR

BIBLIOTECA ANACOM MANUAL DO UTILIZADOR BIBLIOTECA ANACOM MANUAL DO UTILIZADOR ÍNDICE Biblioteca ANACOM - Manual do utilizador... 2 Página de entrada... 3 Barra de menus da Biblioteca ANACOM... 3 Tipos de pesquisa... 3 Pesquisa simples... 3

Leia mais

Inquérito de Empregabilidade

Inquérito de Empregabilidade Inquérito de Empregabilidade / Qual a situação face ao emprego dos nossos diplomados do ano letivo 2012/2013? Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Índice I. O que é o Relatório de Empregabilidade...2

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE Relatório de Apreciação Ref.ª IT 08/82/2007 1. Introdução No Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio (COTR) a qualidade é encarada como

Leia mais

MANUAL DO CURSO Normas Internacionais de Auditoria

MANUAL DO CURSO Normas Internacionais de Auditoria MANUAL DO CURSO ÍNDICE ENQUADRAMENTO DESCRIÇÃO DESTINATÁRIOS OBJETIVOS ESTRUTURA E DURAÇÃO AUTORES FUNCIONAMENTO E METODOLOGIA DO CURSO AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO PORTAL E CONTEÚDOS MULTIMÉDIA PORTAL ORDEM

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL 2012-2013. IPAM Aveiro

RELATÓRIO ANUAL 2012-2013. IPAM Aveiro RELATÓRIO ANUAL 2012-2013 IPAM Aveiro Índice Nota Introdutória... 3 1. Do grau de cumprimento do plano estratégico e do plano anual... 4 2. Da realização dos objetivos estabelecidos;... 4 3. Da eficiência

Leia mais

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015)

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique, de 1 (mais importante)

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO Introdução O presente Regulamento foi concebido a pensar em si, visando o bom funcionamento da formação. Na LauTraining Formação e Consultoria, vai encontrar um ambiente de trabalho e de formação agradável

Leia mais

ESTUDO DE AVALIAÇÃO DO GABINETE DE AÇÃO SOCIAL 2013

ESTUDO DE AVALIAÇÃO DO GABINETE DE AÇÃO SOCIAL 2013 ESTUDO DE AVALIAÇÃO DO GABINETE DE AÇÃO SOCIAL 2013 RELATÓRIO Realização: Alexandre Boavida Vicente Ana Cristina Santos Ana Paula Fontinha Bruno Miguel Ramos Coordenação: Alexandra Tavares de Moura 1)

Leia mais

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2005/2006 Resumo

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2005/2006 Resumo Análise do Questionário aos Utentes Internet 2005/2006 Resumo À semelhança de 2005, a Administração Fiscal encontra-se a realizar um diagnóstico da sua relação com os utentes, cidadãos e empresas, com

Leia mais

PROCESSO DE AUDITORIA DE SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE

PROCESSO DE AUDITORIA DE SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE PROCESSO DE AUDITORIA DE SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE Exercício Experimental ASIGQ 2012 Análise Crítica do Processo e Medidas de Melhoria Março 2013 2 1. Introdução A Agência de Avaliação

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO 2014-15

MANUAL DO CANDIDATO 2014-15 MANUAL DO CANDIDATO 2014-15 1.1 Candidaturas Online Para iniciar o processo de candidatura o candidato deverá aceder ao portal do IGOT http://www.igot.ulisboa.pt e clicar no separador «CANDIDATURAS»: Para

Leia mais

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Responsabilidade Social em Portugal 2013 Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos ÍNDICE Sumário Executivo Introdução Caracterização Social Vínculo laboral dos

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

MANUAL DO CURSO. Direito Penal Tributário 2.ª Edição

MANUAL DO CURSO. Direito Penal Tributário 2.ª Edição MANUAL DO CURSO Direito Penal Tributário 2.ª Edição ÍNDICE ENQUADRAMENTO DESCRIÇÃO DESTINATÁRIOS OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM ESTRUTURA E DURAÇÃO AUTOR METODOLOGIA PEDAGÓGICA AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO PORTAL

Leia mais

Relatório da Avaliação pela CPA

Relatório da Avaliação pela CPA 1 Relatório da Avaliação pela CPA 10 de outubro 2011 Visando atender a abrangência necessária no que tange à Avaliação Institucional da AJES, conforme Sistema elaborado pela CPA, este Relatório busca aliar

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2006/2007. Resumo

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2006/2007. Resumo Análise do Questionário aos Utentes Internet 2006/2007 Resumo Nos três últimos anos a Administração Fiscal tem vindo a efectuar estudos qualitativos de periodicidade anual com o objectivo de conhecer o

Leia mais

Análise do Questionário aos Notários 2006/2007. Resumo

Análise do Questionário aos Notários 2006/2007. Resumo Análise do Questionário aos Notários 2006/2007 Resumo Nos três últimos anos a Administração Fiscal tem vindo a efectuar estudos qualitativos de periodicidade anual com o objectivo de conhecer o grau de

Leia mais

Conhecimentos essenciais na utilização de software PRIMAVERA Guia do curso

Conhecimentos essenciais na utilização de software PRIMAVERA Guia do curso Conhecimentos essenciais na utilização de software PRIMAVERA Guia do curso Pág. 1 Índice Índice... 2 Dados Gerais da formação... 3 Objetivos da formação... 3 Estrutura e desenvolvimento da formação...

Leia mais

Questionário Parte I: Informação Pessoal Parte II: Utilização das Tecnologias Educativas (TE)

Questionário Parte I: Informação Pessoal Parte II: Utilização das Tecnologias Educativas (TE) Questionário Este questionário destina-se a avaliar, a nível nacional, as atitudes e perceções dos professores e formadores de cursos de Nível Secundário sobre a utilização de recursos computacionais na

Leia mais

RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES

RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES ANO LECTIVO 2011/2012 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Avaliação do Funcionamento das Unidades Curriculares... 4 1º Semestre - Resultados

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

O desemprego dos diplomados da Universidade do Minho

O desemprego dos diplomados da Universidade do Minho O desemprego dos diplomados da Universidade do Minho Situação em junho de 2014 Trabalho realizado por: José Pedro Ferreira, Elisabete Pacheco e Isabel Santos Serviços para a Garantia da Qualidade Miguel

Leia mais

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO 2010 Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. METODOLOGIA... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS... 4 1. RESULTADOS

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

QUESTIONÁRIO FORMAÇÃO ON LINE

QUESTIONÁRIO FORMAÇÃO ON LINE O CDL enviou em finais de Março um inquérito sobre formação On Line à Classe para questionar se utilizam e conhecem a plataforma do Centro de Formação On Line e se já frequentaram cursos line promovidos

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade e Inovação 2014

Barómetro Regional da Qualidade e Inovação 2014 Barómetro Regional da 2014 RESUMO EXECUTIVO O constitui um mecanismo de avaliação periódica dos níveis de na Região Autónoma da Madeira (RAM). Para o efeito baseia-se no paradigma e lógica subjacente aos

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE JOSEFA DE ÓBIDOS RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 P á g i n a 2 34 Índice 1. Introdução. 4 2. Sucesso Escolar...6 2.1-1.º

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Maio de 2012. Relatório de Avaliação da Aula Comunicação Oral de Escrita da Unidade Curricular Competências Transversais II. Ano Letivo 2011/2012

Maio de 2012. Relatório de Avaliação da Aula Comunicação Oral de Escrita da Unidade Curricular Competências Transversais II. Ano Letivo 2011/2012 Maio de 2012 Relatório de Avaliação da Aula Comunicação Oral de Escrita da Unidade Curricular Competências Transversais II Ano Letivo 2011/2012 Gabinete de Apoio ao Tutorado ÍNDICE 1. Introdução... 3 2.

Leia mais

GUIA DO FORMANDO. Ética e Deontologia Profissional do Psicólogo

GUIA DO FORMANDO. Ética e Deontologia Profissional do Psicólogo GUIA DO FORMANDO Índice Enquadramento... pág. 3 Descrição do Curso... Destinatários... Objetivos de aprendizagem... Estrutura e Duração do Curso... Autor... Metodologia Pedagógica... Avaliação e Certificação...

Leia mais

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente O Serviço: Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente 1- Enquadramento Avaliar a Qualidade Percecionada dos produtos e serviços e a Satisfação dos Clientes da organização

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

Mobilidade por Doença

Mobilidade por Doença MANUAL DE INSTRUÇÕES Candidatura Eletrónica Mobilidade por Doença Tipo de candidato Docentes de carreira dos estabelecimentos de ensino da rede pública de Portugal Continental e das Regiões Autónomas nos

Leia mais

O Público dos Blogues

O Público dos Blogues O Público dos Blogues em Portugal Universidade Católica Portuguesa Comunicação Social e Cultural Variante Digital Interactiva Públicos e Audiências Dezembro 2005 Dinis Correia 130301088 Filipa Manha 130301505

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes do Serviço de Apoio Domiciliário da ABLA

Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes do Serviço de Apoio Domiciliário da ABLA Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes do Serviço de Apoio Domiciliário da ABLA Junho 3 Página de Introdução Entre os dias e 3 de Maio de 3, foi aplicado o Questionário de Avaliação

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA IDENTIFICAÇÃO Data da auditoria 23-02-2015 24-02-2015 Organização Morada Sede Representante da Organização Câmara Municipal de Santa Maria da Feira - Biblioteca Municipal Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa

Leia mais

Regulamento da Biblioteca e Gestão da Informação nos campi da Foz e Asprela

Regulamento da Biblioteca e Gestão da Informação nos campi da Foz e Asprela Regulamento da Biblioteca e Gestão da Informação nos campi da Foz e Asprela Campus Foz Rua Diogo Botelho, 1327 4169-005 Porto, Portugal t: 226196241 Campus da Asprela Rua Arquiteto Lobão Vital Apartado

Leia mais

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Número de Alunos Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Susana Justo, Diretora Geral da Qmetrics 1. Formação em ensino superior, graduada e pós graduada. Em Portugal continua

Leia mais

Relatório - Inquérito info-ciências digital

Relatório - Inquérito info-ciências digital Relatório - Inquérito info-ciências digital Elaborado por: Rebeca Atouguia e Miguel Cardoso Gabinete de Planeamento e Controlo da Gestão Núcleo de Planeamento, Avaliação e Gestão da Qualidade Maio 11 Índice

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DO KOHA. Luísa Maria Lousã Marques Bibliotecária da Escola Superior de Teatro e Cinema luisamarques@estc.ipl.pt

A IMPLEMENTAÇÃO DO KOHA. Luísa Maria Lousã Marques Bibliotecária da Escola Superior de Teatro e Cinema luisamarques@estc.ipl.pt A IMPLEMENTAÇÃO DO KOHA Luísa Maria Lousã Marques Bibliotecária da Escola Superior de Teatro e Cinema luisamarques@estc.ipl.pt Questões iniciais após a tomada de decisão de instalar o sistema KOHA: O que

Leia mais

Regulamento da Rede de Mentores

Regulamento da Rede de Mentores Regulamento da Rede de Mentores 1. Enquadramento A Rede de Mentores é uma iniciativa do Conselho Empresarial do Centro (CEC) e da Associação Industrial do Minho (AIMinho) e está integrada no Projeto Mentor

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS RELATÓRIO ESTATÍSTICO 2013

REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS RELATÓRIO ESTATÍSTICO 2013 REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS RELATÓRIO ESTATÍSTICO 2013 O presente relatório estatístico decorre do inquérito que, desde 1993, é feito anualmente às bibliotecas que integram a Rede Nacional de

Leia mais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais Oficina de Formação O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais (Data de início: 09/05/2015 - Data de fim: 27/06/2015) I - Autoavaliação

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI

PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI APRESENTAÇÃO Este documento fornece um resumo do relatório da pesquisa de satisfação que foi realizada no Tribunal de Justiça de Pernambuco

Leia mais

Contratação Inicial e Reserva de Recrutamento

Contratação Inicial e Reserva de Recrutamento MANUAL DE INSTRUÇÕES Manifestação de Preferências Contratação Inicial e Reserva de Recrutamento Concurso 2012/2013 Julho de 2012 Índice 1 ENQUADRAMENTO... 5 Aspetos gerais... 5 Normas Importantes para

Leia mais

Janeiro Junho de 2013 Relatório de análise dos resultados do inquérito ao nível de satisfação

Janeiro Junho de 2013 Relatório de análise dos resultados do inquérito ao nível de satisfação Carta de Qualidade (I):Recepção das consultas, opiniões, queixas e participações apresentadas pelos cidadãos, no âmbito das FSM enviados: 50 recolhidos: 7 Percentagem de recolha: 14% 1. Por onde sabia

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

GUIÃO COMO FAZER UM TRABALHO

GUIÃO COMO FAZER UM TRABALHO GUIÃO COMO FAZER UM TRABALHO BE-CRE 2012/2013 1ª Etapa Penso sobre o tema 2ª Etapa Onde vou encontrar a informação? 3ª Etapa Seleciono os documentos 4ª Etapa Recolho a informação 5ª Etapa Trato a informação

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO O presente Regulamento pretende enquadrar as principais regras e linhas de orientação pelas quais se rege a atividade formativa da LEXSEGUR, de forma a garantir

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Pretende se com este questionário conhecer a sua opinião sobre o (Ensino do) Português no Estrangeiro. Não existem respostas certas ou erradas.

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

- Guia do Curso. Contencioso e Processo Administrativo

- Guia do Curso. Contencioso e Processo Administrativo - Guia do Curso Contencioso e Processo Administrativo 1 Guia do Curso O presente guia é um documento que a(o) ajudará na orientação sobre metodologias que serão aplicadas no curso, enunciando objetivos

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO DE MONUMENTOS,

Leia mais

Considerações Finais 17 13

Considerações Finais 17 13 . Inquérito Online de Necessidades Formativas Relatório Final maio de 2015 ÍNDICE Introdução Página Resultados Globais obtidos 2 Caraterização amostra e perfil dos indivíduos 1.1. 1.2. Representatividade

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Dezembro 2012 Índice

Leia mais

Dos 173 questionários devolvidos pelos(as) trabalhadores(as), 169 foram preenchidos ou parcialmente preenchidos e 5 foram devolvidos em branco.

Dos 173 questionários devolvidos pelos(as) trabalhadores(as), 169 foram preenchidos ou parcialmente preenchidos e 5 foram devolvidos em branco. QUESTIONÁRIO DE SATISFAÇÃO APLICADO AOS(ÀS) TRABALHADORES(AS) DA DRAP ALGARVE RELATÓRIO CICLO DE GESTÃO 2012 I. Nota Introdutória Com o presente documento pretendem apurar-se os resultados do questionário

Leia mais

REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS RELATÓRIO ESTATÍSTICO 2011

REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS RELATÓRIO ESTATÍSTICO 2011 REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS RELATÓRIO ESTATÍSTICO 2011 No âmbito do Programa da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas (RNBP) realiza-se, desde 1993, um inquérito anual por questionário às bibliotecas

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS Documento aprovado por deliberação do Conselho Superior em 16 de julho de 2014 P á g i n a 0 REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORIZAÇÃO PROFISSIONAIS

Leia mais

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias BANDA LARGA

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias BANDA LARGA 03 DE DEZZEMBRO 2007 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007 77% DOS AGREGADOS DOMÉSTICOS COM LIGAÇÃO À INTERNET

Leia mais

C O N V I T E 1. A PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 1 BENCHMARKING DO DESEMPENHO DE EMPRESAS CONSTRUTORAS SESSÃO DE APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 2

C O N V I T E 1. A PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 1 BENCHMARKING DO DESEMPENHO DE EMPRESAS CONSTRUTORAS SESSÃO DE APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 2 1 BENCHMARKING DO DESEMPENHO DE EMPRESAS CONSTRUTORAS SESSÃO DE APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 2 C O N V I T E 1. A PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 1 Com o apoio do InCI, a FEUP desenvolveu um projeto

Leia mais

AVALIAÇÃO GLOBAL DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES - 2006 -

AVALIAÇÃO GLOBAL DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES - 2006 - AVALIAÇÃO GLOBAL DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES - 2006 - JUNHO 2007 AVALIAÇÃO GLOBAL DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES - 2006 De modo a automatizar de forma simples a realização da Avaliação da Satisfação de Clientes,

Leia mais

2014 RELATÓRIO DE ATIVIDADES PROVEDOR DO CLIENTE ENERGY THAT MAKES A DIFFERENCE

2014 RELATÓRIO DE ATIVIDADES PROVEDOR DO CLIENTE ENERGY THAT MAKES A DIFFERENCE 01 02 2014 RELATÓRIO DE ATIVIDADES PROVEDOR DO CLIENTE É com muita satisfação que apresento o Relatório de Atividades em relação ao ano de 2014, o qual ilustra bem os desafios crescentes inerentes ao processo

Leia mais

Promotores da Iniciativa. Marca Registada

Promotores da Iniciativa. Marca Registada Promotores da Iniciativa Marca Registada 2 Índice Introdução 4 Metodologia 6 Resultados da Empresa 10 Benchmarking 19 Caracterização do Entrevistado Comentários dos Entrevistados Anexos 23 25 27 3 Introdução

Leia mais

Orientação Metodológica nº 1. 07/outubro/2015

Orientação Metodológica nº 1. 07/outubro/2015 Implementação de Sistemas de Garantia da Qualidade em linha com o Quadro de Referência Europeu de Garantia da Qualidade para a Educação e Formação Profissionais (Quadro EQAVET) Orientação Metodológica

Leia mais

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço.

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço. ESTATÍSTICAS e m SÍNTESE Quadros de Pessoal O Relatório Único referente à informação sobre a atividade social da empresa, constitui uma obrigação anual, a cargo dos empregadores, com conteúdo e prazo de

Leia mais

AVALIAÇÃO DE COMPETÊNCIAS EM LITERACIA DA INFORMAÇÃO

AVALIAÇÃO DE COMPETÊNCIAS EM LITERACIA DA INFORMAÇÃO Preencha o questionário de acordo com o exemplo, utilizando caneta azul ou preta Preencha assim preencha assim AVALIAÇÃO DE COMPETÊNCIAS EM LITERACIA DA INFORMAÇÃO O presente questionário é anónimo e tem

Leia mais

Preparação para a Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Olá, Matemática! 6.º Ano

Preparação para a Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Olá, Matemática! 6.º Ano Organização e tratamento de dados Representação e interpretação de dados Formulação de questões Natureza dos dados Tabelas de frequências absolutas e relativas Gráficos de barras, circulares, de linha

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013 GUIA DE APOIO Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013 Gabinete de Qualificação Avenida António Augusto de Aguiar, 3D 1069-030 Lisboa

Leia mais

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Censos 2011 Resultados Preliminares 30 de Junho de 2011 Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Cem dias após o momento censitário

Leia mais

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015)

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique,

Leia mais

ANEXO I - GRELHA DO QUESTIONÁRIO MATRIZ DE ARTICULAÇÃO OBJETIVOS/CONTEÚDO/QUESTÕES. Objetivos Específicos Tópicos/Conteúdos Questões

ANEXO I - GRELHA DO QUESTIONÁRIO MATRIZ DE ARTICULAÇÃO OBJETIVOS/CONTEÚDO/QUESTÕES. Objetivos Específicos Tópicos/Conteúdos Questões ANEXO I - GRELHA DO QUESTIONÁRIO MATRIZ DE ARTICULAÇÃO OBJETIVOS/CONTEÚDO/QUESTÕES Objetivos Específicos Tópicos/Conteúdos Questões Caraterização da empresa (dados gerais) 1.1/1.2/1.3/1.4/1.5/1.6 1. Identificar,

Leia mais

INQUÉRITO AOS ESTUDANTES DO IST QUE REALIZARAM UM PERÍODO DE ESTUDOS FORA DA ESCOLA. Área de Estudos e Planeamento (AEP) Alexandra Sevinate Pontes

INQUÉRITO AOS ESTUDANTES DO IST QUE REALIZARAM UM PERÍODO DE ESTUDOS FORA DA ESCOLA. Área de Estudos e Planeamento (AEP) Alexandra Sevinate Pontes INQUÉRITO AOS ESTUDANTES DO IST QUE REALIZARAM UM PERÍODO DE ESTUDOS FORA DA ESCOLA INQUÉRITOS AOS ESTUDANTES EM MOBILIDADE histórico Designação interna Objetivos População alvo Serviço Modalidade Responsável

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL

ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL Duarte Albuquerque Carreira, Coordenador editorial da revista Pessoal (da.carreira@moonmedia.info) João d Orey, Diretor Executivo da

Leia mais

Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes da Creche, do Pré-escolar e do CATL da ABLA

Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes da Creche, do Pré-escolar e do CATL da ABLA Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes da Creche, do Pré-escolar e do CATL da ABLA Junho 2013 Página 1 de 20 Introdução Entre os dias 20 e 31 de Maio de 2013, foi aplicado o Questionário

Leia mais

Fevereiro de 2012. Relatório de Avaliação das Sessões de Relaxamento. Ano Letivo 2011/2012. Gabinete de Apoio ao Tutorado

Fevereiro de 2012. Relatório de Avaliação das Sessões de Relaxamento. Ano Letivo 2011/2012. Gabinete de Apoio ao Tutorado Fevereiro de 2012 Relatório de Avaliação das Sessões de Relaxamento Ano Letivo 2011/2012 Gabinete de Apoio ao Tutorado ÍNDICE 1. Introdução & Enquadramento... 3 2. Avaliação 1º semestre de 2011/2012...

Leia mais