Monitor da Taxa Básica de Juro e dos Juros Pagos pelo Setor Público

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Monitor da Taxa Básica de Juro e dos Juros Pagos pelo Setor Público"

Transcrição

1 Monitor da Taxa Básica de Juro e dos Juros Pagos pelo Setor Público Nelson Barbosa Grupo de Economia Política do Departamento de Economia da Universidade de Brasília (UnB) 11 de setembro de 17

2 Evolução da Taxa SELIC fixada pelo BC (%aa),5 1/7/199 13/3/1997 3/11/1997 5//199 17//1999 /1/1999 /9/ 1/5/1 31/1/ 13/1/ 5//3 /3/ 1/11/ 9/7/5 1// 1/1/ /9/7 1/5/ /1/9 /1/9 1//1 //11 1/11/11 /7/1 3//13 1/1/13 //1 /5/15 1/1/ Taxa de juros -Selic -fixada pelo Copom -(% a.a.) Fonte: IPEADATA, elaboração do autor 9/9/1 11//17

3 Dois conceitos de Taxa de Juro Real de Curto Prazo Taxa de juro real esperada: taxa de juro projetada para os próximos 1 meses, descontada a inflação esperada para o mesmo período ( ex-ante ). Essa é a taxa de juro mais relevante para as decisões de gasto. Taxa de juro real efetiva: taxa de juro verificada nos últimos 1 meses, descontada a inflação efetiva no mesmo período ( ex-post ). Essa é a taxa de juro mais relevante para a distribuição de renda. 3

4 jul/1 jan/ jul/ jan/3 jul/3 jan/ jul/ jan/5 jul/5 jan/ jul/ jan/7 jul/7 jan/ jul/ jan/9 jul/9 jan/1 jul/1 jan/11 jul/11 jan/1 jul/1 jan/13 jul/13 jan/1 jul/1 jan/15 jul/15 jan/1 jul/1 jan/17 jul/ Brasil: taxa de juro real esperada para os próximos 1 meses (%aa) Fonte: BCB, IPEADATA e BM&FBovespa, elaboração do autor

5 jul/1 jan/ jul/ jan/3 jul/3 jan/ jul/ jan/5 jul/5 jan/ jul/ jan/7 jul/7 jan/ jul/ jan/9 jul/9 jan/1 jul/1 jan/11 jul/11 jan/1 jul/1 jan/13 jul/13 jan/1 jul/1 jan/15 jul/15 jan/1 jul/1 jan/17 jul/ Brasil: taxa básica de juro real efetiva nos últimos 1 meses, % aa Fonte: BCB, IPEADATA e BM&FBovespa, elaboração do autor 5

6 abr/17 jul/1 fev/ set/ abr/3 nov/3 jun/ jan/5 ago/5 mar/ out/ mai/7 dez/7 jul/ fev/9 set/9 abr/1 nov/1 jun/11 jan/1 ago/1 mar/13 out/13 mai/1 dez/1 jul/15 fev/1 set/1 nov/ Brasil: taxa básica de juro real esperada e efetiva 1 meses à frente, % aa Esperada Efetiva 1 meses a frente Fonte: BCB, IPEADATA e BM&FBovespa, elaboração do autor

7 Contabilidade do pagamento de juros líquidos pelo setor público Com base na taxa básica de juro, é possível obter uma aproximação do custo de carteira do governo = + = + = = ( )+ + = Termo de ª ordem = +! " +# $%&'(% +) *+%, +- (método 1) = +! (. "+# $%&'(% +) *+%, +-/ (método ) 7

8 Brasil: Juros líquidos pagos pelo setor público, em % do PIB 9,, 7 5 7,, 7,3,7, 5,3 5,1 5, 5,,,7 5,,5, * Fonte: BCB e IPEADATA, elaboração do autor, 17=acumulado em 1 meses até julho *17 representa o valor acumulado em 1 meses até julho

9 Brasil: Juros líquidos pagos pelo setor público, em % do PIB ,,1,3 7,1 7,3,1,,1 5,9 5,5,,1 5,1 5,, 5,,,,,3 5,1 1,5,9 7,7 7, , -,1 -,5 -,, -,3-1, Fonte: BCB e IPEADATA, elaboração do autor, 17=acumulado em 1 meses até julho * Juros líquidos sem swaps cambiais Resultado dos swaps cambiais *17 representa o valor acumulado em 1 meses até julho 9

10 Metodologia 1: sem separação da senhoriagem ,1,5 -,7 Brasil: Composição dos Juros Líquidos Pagos pelo Setor Público, excluindo swaps cambiais, valores acumulados em 1 meses, em % do PIB,3 5, -1,9, 3,3 3,5,3 5,,9 1,, 1, 1,7, 1,, 1,,1 1, 1,9, 1,, 1,9 1, 1,,, 1, 1,5,7,, 1,, Fonte: BCB e IPEADATA, elaboração do autor, 17=acumulado em 1 meses até julho * 1,1 3,3,7 3,1,,,1 1,1 3,7 Juros reais Correção monetária Custo de carteira *17 representa o valor acumulado em 1 meses até julho 1

11 Metodologia : com separação da senhoriagem 1 Brasil: Juros Líquidos pagos pelo Setor Público excluindo swaps cambiais valores acumulados em 1 meses, em % do PIB 1 -,5, -,7,7,3-1,9,5 1, 3, 1,9, 1,,,1 1,9 1, 1,7,9 5,5,9,, 1,3 1,,, 1,3 3,,,9 1, 1, 1,9,,,,, -,1,3 1, 3,3,,9,1 3,3 3,1, * Custo de carteira Senhoriagem Juros reais sobre a dívida líquida Correção monetária sobre dívida líquida *17 representa o valor acumulado em 1 meses até julho 11

12 Brasil: contabilidade dos juros líquidos pagos pelo setor público, em % do PIB. Metodologia 1: sem separação da senhoriagem Ano Total Juros reais Correção monetária Custo de carteira Swaps cambiais Efeitos de a ordem 7,1,5, -,7 -,1 -,1 3, 5,,3-1,91,13,,5 3,5 3,3,1 -,9, 5 7, 5,,3 -, -,,,7, 1,5,9,13,1 7 5,9, 1,7 1,5,1,1 5,3,1, 1,39 -,17,1 9 5,13 1,7 1,1 1,9,,1 1 5,3 1,15 1, 1,99,, 11 5,1 1,5 1,9,5,1,1 1,, 1,5, -,1, 13,7,5 1,9,59,3, 1 5,39 1,1 1,1,37,3, 15,3,7,5 3,35 1,9, 1,9,59,5 3,5-1,1,1 17*,9 3,73 1,,15 -,7,1 Fonte: BCB, IPEADATA, elaboração do autor. *17 representa o valor acumulado em 1 meses até julho. 1

13 Brasil: contabilidade do pagamento de juros líquidos pelo setor público, em % do PIB. Metodologia : com separação da senhoriagem Ano Total Juros reais Correção monetária Custo de carteira Swaps cambiais Senhoriagem Efeitos de a ordem 7,1,,51 -,7 -,1 -,3 -,1 3,,9, -1,91,13 -,,,5 3,7 3,59,1 -,9 -,5, 5 7, 5,9,5 -, -, -,5,,7,7 1,37,9,13 -,5,1 7 5,9,91 1, 1,5,1 -,,1 5,3,35, 1,39 -,17 -,5,1 9 5,13 1,9 1,59 1,9, -,,1 1 5,3 1,3,7 1,99, -,, 11 5,1 1,,17,5,1 -,7,1 1,,7 1,1, -,1 -,3, 13,7,5 1,7,59,3 -,3, 1 5,39 1,7 1,,37,3 -,1, 15,3,7 3,5 3,35 1,9 -,5, 1,9,7, 3,5-1,1 -,51,1 17*,9, 1,1,15 -,7 -,7,1 Fonte: BCB, IPEADATA, elaboração do autor. *17 representa o valor acumulado em 1 meses até julho. 13

14 ANEXO I: Contabilidade Mensal dos Juros Líquidos pagos pelo Setor Público 1

15 Metodologia 1: sem separação da senhoriagem Brasil: Composição dos Juros Líquidos Pagos pelo Setor Público valores acumulados em 1 meses, em % do PIB Fonte: BCB e IPEADATA, elaboração do autor Juros reais Correção monetária Custo de carteira Resultado dos swaps cambiais Efeitos de a ordem 15

16 Metodologia : com separação da senhoriagem 1 Brasil: composição dos juros líquidos pagos pelo setor público valores acumulados em 1 meses, em % do PIB dez/ jun/3 dez/3 jun/ dez/ jun/5 dez/5 jun/ dez/ jun/7 dez/7 jun/ dez/ jun/9 dez/9 jun/1 dez/1 jun/11 dez/11 jun/1 dez/1 jun/13 dez/13 jun/1 dez/1 jun/15 dez/15 jun/1 dez/1 jun/17 Resultado dos swaps cambiais Custo de carteira Senhoriagem Juros reais sobre a dívida líquida Correção monetária sobre dívida líquida Fator de a ordem sobre dívida bruta 1

17 ANEXO II: Taxa de Juro Real Efetiva desde

18 jan/5 jan/9 jan/7 jan/71 jan/73 jan/75 jan/77 jan/79 jan/1 jan/3 jan/5 jan/7 jan/9 jan/91 jan/93 jan/95 jan/97 jan/99 jan/1 jan/3 jan/5 jan/7 jan/9 jan/11 jan/13 jan/15 jan/17 TBJR Fipe TBJR IPCA Brasil: taxa básica de juro real, % aa Fonte: BCB e IPEADATA, elaboração do autor

19 ANEXO III: Evolução da inflação efetiva, segundo o IPCA, desde 19

20 Brasil: inflação ao consumidor (IPCA), % acumulado em 1 meses 17, 1,71 Fonte: BCB, elaboração do autor,9, dez/ jun/1 dez/1 jun/ dez/ jun/3 dez/3 jun/ dez/ jun/5 dez/5 jun/ dez/ jun/7 dez/7 jun/ dez/ jun/9 dez/9 jun/1 dez/1 jun/11 dez/11 jun/1 dez/1 jun/13 dez/13 jun/1 dez/1 jun/15 dez/15 jun/1 dez/1 jun/17 IPCA

21 Brasil: inflação ao consumidor (IPCA), % acumulado em 1 meses Fonte: BCB, elaboração do autor dez/ jun/1 dez/1 jun/ dez/ jun/3 dez/3 jun/ dez/ jun/5 dez/5 jun/ dez/ jun/7 dez/7 jun/ dez/ jun/9 dez/9 jun/1 dez/1 jun/11 dez/11 jun/1 dez/1 jun/13 dez/13 jun/1 dez/1 jun/15 dez/15 jun/1 dez/1 jun/17 IPCA Monitorados Livres 1

22 Brasil: inflação ao consumidor (IPCA), % acumulado em 1 meses Fonte: BCB, elaboração do autor dez/ jun/1 dez/1 jun/ dez/ jun/3 dez/3 jun/ dez/ jun/5 dez/5 jun/ dez/ jun/7 dez/7 jun/ dez/ jun/9 dez/9 jun/1 dez/1 jun/11 dez/11 jun/1 dez/1 jun/13 dez/13 jun/1 dez/1 jun/15 dez/15 jun/1 dez/1 jun/17 Comercializáveis Não Comercializáveis Livres

23 Brasil: inflação ao consumidor (IPCA), % acumulado em 1 meses Fonte: BCB, elaboração do autor dez/ jun/1 dez/1 jun/ dez/ jun/3 dez/3 jun/ dez/ jun/5 dez/5 jun/ dez/ jun/7 dez/7 jun/ dez/ jun/9 dez/9 jun/1 dez/1 jun/11 dez/11 jun/1 dez/1 jun/13 dez/13 jun/1 dez/1 jun/15 dez/15 jun/1 dez/1 jun/17 IPCA Bens não duráveis Bens semi-duráveis Bens duráveis 3

24 Brasil: inflação ao consumidor (IPCA), % acumulado em 1 meses Fonte: BCB, elaboração do autor dez/ jun/1 dez/1 jun/ dez/ jun/3 dez/3 jun/ dez/ jun/5 dez/5 jun/ dez/ jun/7 dez/7 jun/ dez/ jun/9 dez/9 jun/1 dez/1 jun/11 dez/11 jun/1 dez/1 jun/13 dez/13 jun/1 dez/1 jun/15 dez/15 jun/1 dez/1 jun/17 IPCA Serviços

25 Brasil: inflação ao consumidor (IPCA), % acumulado em 1 meses Fonte: BCB, elaboração do autor dez/ jun/1 dez/1 jun/ dez/ jun/3 dez/3 jun/ dez/ jun/5 dez/5 jun/ dez/ jun/7 dez/7 jun/ dez/ jun/9 dez/9 jun/1 dez/1 jun/11 dez/11 jun/1 dez/1 jun/13 dez/13 jun/1 dez/1 jun/15 dez/15 jun/1 dez/1 jun/17 IPCA Alimentação e bebidas 5

26 Brasil: inflação ao consumidor (IPCA), % acumulado em 1 meses Fonte: BCB, elaboração do autor dez/ jun/1 dez/1 jun/ dez/ jun/3 dez/3 jun/ dez/ jun/5 dez/5 jun/ dez/ jun/7 dez/7 jun/ dez/ jun/9 dez/9 jun/1 dez/1 jun/11 dez/11 jun/1 dez/1 jun/13 dez/13 jun/1 dez/1 jun/15 dez/15 jun/1 dez/1 jun/17 IPCA Habitação

27 Brasil: inflação ao consumidor (IPCA), % acumulado em 1 meses Fonte: BCB, elaboração do autor dez/ jun/1 dez/1 jun/ dez/ jun/3 dez/3 jun/ dez/ jun/5 dez/5 jun/ dez/ jun/7 dez/7 jun/ dez/ jun/9 dez/9 jun/1 dez/1 jun/11 dez/11 jun/1 dez/1 jun/13 dez/13 jun/1 dez/1 jun/15 dez/15 jun/1 dez/1 jun/17 IPCA Artigos de residência 7

28 Brasil: inflação ao consumidor (IPCA), % acumulado em 1 meses Fonte: BCB, elaboração do autor dez/ jun/1 dez/1 jun/ dez/ jun/3 dez/3 jun/ dez/ jun/5 dez/5 jun/ dez/ jun/7 dez/7 jun/ dez/ jun/9 dez/9 jun/1 dez/1 jun/11 dez/11 jun/1 dez/1 jun/13 dez/13 jun/1 dez/1 jun/15 dez/15 jun/1 dez/1 jun/17 IPCA Vestuário e calçados

29 Brasil: inflação ao consumidor (IPCA), % acumulado em 1 meses Fonte: BCB, elaboração do autor dez/ jun/1 dez/1 jun/ dez/ jun/3 dez/3 jun/ dez/ jun/5 dez/5 jun/ dez/ jun/7 dez/7 jun/ dez/ jun/9 dez/9 jun/1 dez/1 jun/11 dez/11 jun/1 dez/1 jun/13 dez/13 jun/1 dez/1 jun/15 dez/15 jun/1 dez/1 jun/17 IPCA Transportes 9

30 Brasil: inflação ao consumidor (IPCA), % acumulado em 1 meses Fonte: BCB, elaboração do autor dez/ jun/1 dez/1 jun/ dez/ jun/3 dez/3 jun/ dez/ jun/5 dez/5 jun/ dez/ jun/7 dez/7 jun/ dez/ jun/9 dez/9 jun/1 dez/1 jun/11 dez/11 jun/1 dez/1 jun/13 dez/13 jun/1 dez/1 jun/15 dez/15 jun/1 dez/1 jun/17 IPCA Comunicações 3

31 Brasil: inflação ao consumidor (IPCA), % acumulado em 1 meses Fonte: BCB, elaboração do autor dez/ jun/1 dez/1 jun/ dez/ jun/3 dez/3 jun/ dez/ jun/5 dez/5 jun/ dez/ jun/7 dez/7 jun/ dez/ jun/9 dez/9 jun/1 dez/1 jun/11 dez/11 jun/1 dez/1 jun/13 dez/13 jun/1 dez/1 jun/15 dez/15 jun/1 dez/1 jun/17 IPCA Saúde 31

32 Brasil: inflação ao consumidor (IPCA), % acumulado em 1 meses Fonte: BCB, elaboração do autor dez/ jun/1 dez/1 jun/ dez/ jun/3 dez/3 jun/ dez/ jun/5 dez/5 jun/ dez/ jun/7 dez/7 jun/ dez/ jun/9 dez/9 jun/1 dez/1 jun/11 dez/11 jun/1 dez/1 jun/13 dez/13 jun/1 dez/1 jun/15 dez/15 jun/1 dez/1 jun/17 IPCA Despesas pessoais 3

33 Brasil: inflação ao consumidor (IPCA), % acumulado em 1 meses Fonte: BCB, elaboração do autor dez/ jun/1 dez/1 jun/ dez/ jun/3 dez/3 jun/ dez/ jun/5 dez/5 jun/ dez/ jun/7 dez/7 jun/ dez/ jun/9 dez/9 jun/1 dez/1 jun/11 dez/11 jun/1 dez/1 jun/13 dez/13 jun/1 dez/1 jun/15 dez/15 jun/1 dez/1 jun/17 IPCA Educação 33

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO 2014-2015: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ABRIL, 2014 Fabiana D Atri Economista Sênior do Departamento de Pesquisas 1 e Estudos Econômicos - DEPEC 17/04/11 17/05/11 17/06/11

Leia mais

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Barra Bonita, 25 de Novembro de 2016 BRASIL: EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO DO PIB (VAR.

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

Apresentação Semanal. De 21 de março a 01 de abril de Matheus Rosignoli

Apresentação Semanal. De 21 de março a 01 de abril de Matheus Rosignoli 1 Apresentação Semanal De 21 de março a 01 de abril de 2016 Matheus Rosignoli mrosignoli@santander.com.br Indicadores e eventos da última semana Feb-10 Jun-10 Oct-10 Feb-11 Jun-11 Oct-11 Feb-12 Jun-12

Leia mais

Projeto desenvolvido por:

Projeto desenvolvido por: Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Equipe Técnica Kennya Beatriz Siqueira - Pesquisadora Embrapa Gado de Leite Alziro Vasconcelos Carneiro - Analista Embrapa Gado de

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Apresentação Semanal. De 04 a 15 de abril de Matheus Rosignoli

Apresentação Semanal. De 04 a 15 de abril de Matheus Rosignoli 1 Apresentação Semanal De 04 a 15 de abril de 2016 Matheus Rosignoli mrosignoli@santander.com.br Indicadores e eventos da última semana Mar-08 Jul-08 Nov-08 Mar-09 Jul-09 Nov-09 Mar-10 Jul-10 Nov-10 Mar-11

Leia mais

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14 31-jan-14 a - Juros 6.691.919,50 a - Juros 1.672.979,81 b - Amortização 3.757.333,97 b - Amortização 939.333,65 a - Saldo atual dos CRI Seniors (984.936.461,48) b - Saldo atual dos CRI Junior (246.234.105,79)

Leia mais

Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado

Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado Junho de 2010 Wilson R. Levorato Diretor Geral Brasil e a crise internacional: porque nos saímos tão bem? Onde estamos? Cenário

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ).

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ). O Sistema de Metas de Inflação No Brasil - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil (1999-2007). - Desempenho recente: a relação juros-câmbio. - Aceleração do crescimento econômico

Leia mais

Ambiente econômico nacional e internacional

Ambiente econômico nacional e internacional Ambiente econômico nacional e internacional Apresentação para elaboração do documento referencial 2015-19 no Ministério do Turismo Manoel Pires - MF Cenário internacional O mundo se recupera da crise,

Leia mais

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi 2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa Marcello Siniscalchi Ampla liquidez internacional provocada por taxas de juros reais negativas e curvas de juros pouco inclinadas. Taxas de juros Reais G3 Inclinação

Leia mais

Índices de Preços ao Consumidor IPC

Índices de Preços ao Consumidor IPC Índices de Preços ao Consumidor IPC Apesar da desaceleração, inflação em fevereiro permanece muito acima da meta ANDRÉ LUIS SQUARIZE CHAGAS (*) Em fevereiro, o IPC-Fipe registrou alta de 1,22%, com desaceleração

Leia mais

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Diretoria Adjunta de Análise e Disseminação de Informações Gerência de Indicadores Econômicos Em fevereiro de 2016, no acumulado de 12 meses,

Leia mais

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de 2015 5º. PLENAFUP Economia Brasileira I.54 - Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) Período Índice

Leia mais

200 180 Indice (abr/2004=100) 160 140 120 100 80 dez/97 jun/98 dez/98 jun/99 dez/99 jun/00 dez/00 jun/01 dez/01 jun/02 dez/02 jun/03 dez/03 jun/04 dez/04 jun/05 dez/05 jun/06 dez/06 jun/07 dez/07 Faturamento

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 1 Cenário Econômico Regra básica: Cenário Internacional é dominante. Oscilações de curto prazo são determinadas exogenamente. 2 Cenário Internacional União monetária

Leia mais

Perspectivas econômicas

Perspectivas econômicas Perspectivas econômicas 5º seminário Abecip Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Maio, 2015 2 Roteiro Recuperação em curso nas economias desenvolvidas. O Fed vem adiando o início do ciclo

Leia mais

IPES Índice de Preços ao Consumidor

IPES Índice de Preços ao Consumidor IPES Índice de Preços ao Consumidor Publicação mensal do Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais IPC-IPES Índice de Preços ao Consumidor de Caxias do Sul Agosto de 2016 Agosto de 2016 UNIVERSIDADE

Leia mais

Espaço Fiscal e Desenvolvimento Produ6vo. Nelson Barbosa São Paulo, 26 de maio de 2013

Espaço Fiscal e Desenvolvimento Produ6vo. Nelson Barbosa São Paulo, 26 de maio de 2013 Espaço Fiscal e Desenvolvimento Produ6vo Nelson Barbosa São Paulo, 26 de maio de 2013 Mergulho cambial: a taxa de câmbio real caiu substancialmente em 2010-11, o que gerou medidas compensatórias por parte

Leia mais

A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro

A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 1 pico = 100 Valor de Mercado das Bolsas Mundiais pico 100 Atual 80 Japão 60 40 crise 1929 20

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

INDX apresenta alta de 2,67% em março

INDX apresenta alta de 2,67% em março INDX apresenta alta de 2,67% em março Dados de Março/11 Número 51 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de março de 2010,

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Fevereiro Tema: Emprego

Boletim de Conjuntura Econômica Fevereiro Tema: Emprego Boletim de Conjuntura Econômica Fevereiro Tema: Emprego Setor de Serviços lidera a geração de empregos com 48% dos empregos Gerados em Janeiro O setor de Serviços lidera a geração de empregos em 211, começou

Leia mais

1. Atividade Econômica

1. Atividade Econômica Julho/212 O Núcleo de Pesquisa da FECAP apresenta no seu Boletim Econômico uma compilação dos principais indicadores macroeconômicos nacionais que foram publicados ao longo do mês de referência deste boletim.

Leia mais

Inflação CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA. Consultoria Desenvolvendo soluções, alavancando resultados!

Inflação CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA. Consultoria Desenvolvendo soluções, alavancando resultados! Inflação 2 CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA Consultoria Desenvolvendo soluções, alavancando resultados! Antecedentes A história do processo inflacionário brasileiro é longa, e estabelecer um corte cronológico

Leia mais

Política cambial e fluxo de comércio no Brasil: perspectivas para 2013

Política cambial e fluxo de comércio no Brasil: perspectivas para 2013 Política cambial e fluxo de comércio no Brasil: perspectivas para 2013 DEREX Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular Novembro de 2012 DEREX

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO. Outubro 2016

CENÁRIO ECONÔMICO. Outubro 2016 CENÁRIO ECONÔMICO Outubro 2016 CENÁRIO ECONÔMICO Internacional - Destaques Mercados globais: avanço (modesto) da economia americana, bom desempenho(ainda) da China e melhora (discreta) da Zona do Euro

Leia mais

IGP-M. Janeiro/ de janeiro de Secretaria de Política Econômica

IGP-M. Janeiro/ de janeiro de Secretaria de Política Econômica IGP-M Janeiro/2016 28 de janeiro de 2016 jan 99 jul 99 jan 00 jul 00 jan 01 jul 01 jan 02 jul 02 jan 03 jul 03 jan 04 jul 04 jan 05 jul 05 jan 06 jul 06 jan 07 jul 07 jan 08 jul 08 jan 09 jul 09 jan 10

Leia mais

Volume de Vendas do Varejo Ampliado Acumulado em 12 meses em relação aos 12 meses anteriores. dez/14. set/16. mar/14. dez/13.

Volume de Vendas do Varejo Ampliado Acumulado em 12 meses em relação aos 12 meses anteriores. dez/14. set/16. mar/14. dez/13. dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 mar/14 set/14 mar/15 set/15 mar/16 set/16 Monitor Econômico ASSESSORIA ECONÔMICA Dados divulgados entre 09 e 13 de janeiro Comércio (PMC) Entre outubro

Leia mais

EMPREGO E SALÁRIO DE SERVIÇOS DE SALVADOR (BA) - AGOSTO

EMPREGO E SALÁRIO DE SERVIÇOS DE SALVADOR (BA) - AGOSTO EMPREGO E SALÁRIO DE SERVIÇOS DE SALVADOR (BA) - AGOSTO 2010 - Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico AD HOC Revisão Técnica: José Varela Donato SUMÁRIO 1. RESULTADOS SINTÉTICOS

Leia mais

Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada

Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 05 de Outubro de 2015 ECONOMIA INTERNACIONAL: TAXAS DE JUROS DE

Leia mais

Cenário macroeconômico

Cenário macroeconômico Cenário macroeconômico 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016* 2017* TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB DO MUNDO (SOMA DOS PIBs OBTIDA PELA PARIDADE DO PODER DE COMPRA) 1980 - Título 2011 FONTE: FMI. ELABORAÇÃO E

Leia mais

Preço anunciado do m 2 tem queda real no primeiro semestre de 2014

Preço anunciado do m 2 tem queda real no primeiro semestre de 2014 Preço anunciado do m 2 tem queda real no primeiro semestre de 2014 Variação no preço dos imóveis é menor do que a inflação nos seis primeiros meses do ano O aumento anual do preço médio do m 2 anunciado

Leia mais

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ?

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? 1 Secretaria de Acompanhamento Econômico - SEAE BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? Antonio Henrique P. Silveira Secretário de Acompanhamento Econômico 6 de fevereiro de 2010 1 Sumário A Estratégia

Leia mais

Ministério da Fazenda. Junho 20041

Ministério da Fazenda. Junho 20041 Ministério da Fazenda Junho 20041 Roteiro Os avanços do Governo Lula O Brasil está crescendo Consolidando a agenda para o crescimento 2 Os avanços do Governo Lula 3 Consolidando a estabilidade macroeconômica

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Cenários Cenário Internacional. Plano Milênio. sentadas também destacamse. Cenário Nacional

Cenários Cenário Internacional. Plano Milênio. sentadas também destacamse. Cenário Nacional Ano II Novembro/2011 Nº 18 Cenários Cenário Internacional Em outubro o plano de salvação para a Europa mudou o cenário para os mercados. Os líderes europeus conseguiram fechar um acordo para tentar superar

Leia mais

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Maio 2016 Índice 1. Situação Monetária... 1 1.1. Base Monetária (BM)... 1 1.2. Massa Monetária (M3)... 2 1.2.2. Activo Externo Líquido...

Leia mais

INFLAÇÃO - IPCA ANUAL Em % , , , , , , , , , , ,00*

INFLAÇÃO - IPCA ANUAL Em % , , , , , , , , , , ,00* INFLAÇÃO - IPCA ANUAL Em % 1994 916,43 1995 22,41 1996 9,56 1997 5,22 1998 1,66 1999 8,94 2000 5,97 2001 7,67 2002 12,53 2003 9,30 2004 7,00* * Previsão Fonte: Estado de Minas, 1 o Julho de 2004 - Especial

Leia mais

O impacto da crise do subprime nas variáveis macroeconômicas brasileiras

O impacto da crise do subprime nas variáveis macroeconômicas brasileiras PCA 2009 O impacto da crise do subprime nas variáveis macroeconômicas brasileiras Autores: Ariel de Lazari dos Santos (Colégio Salesiano Região Oceânica) Mateus Valim Coutinho de Souza (Colégio Marília

Leia mais

Índice de Preços ao Consumidor - Brasília IPCA - INPC

Índice de Preços ao Consumidor - Brasília IPCA - INPC Índice de Preços ao Consumidor - Brasília IPCA - INPC Agosto de 2016 1 1 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL Rodrigo Rollemberg Governador Renato Santana Vice-Governador SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO

Leia mais

Custo de Vida. Copyright 2004 South-Western

Custo de Vida. Copyright 2004 South-Western Custo de Vida 16 Custo de Vida Inflação é o aumento do nível de preços geral da economia. A taxa de inflação é a mudança percentual do nível de preço em relação ao período anterior. Índice de Preço ao

Leia mais

Curso técnico Integrado de Administração

Curso técnico Integrado de Administração Curso técnico Integrado de Administração Inflação Inflação é a queda do valor de mercado ou poder de compra do dinheiro. Porém, é popularmente usada para se referir ao aumento geral dos preços. Medir a

Leia mais

ÍNDICES DE PREÇOS DO SETOR DE SERVIÇOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - SETEMBRO

ÍNDICES DE PREÇOS DO SETOR DE SERVIÇOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - SETEMBRO Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico ÍNDICES DE PREÇOS DO SETOR DE SERVIÇOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - SETEMBRO 2016 - SUMÁRIO 1. RESULTADOS SINTÉTICOS DA PESQUISA...

Leia mais

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total 10º 11º 11º 11º 11º Patrimônio Líquido 12º 11º 12º 11º 11º Depósitos Totais 8º 8º 8º 8º 7º Nº de Agências 7º 7º 7º 7º 7º Fonte: Banco

Leia mais

CRESCIMENTO DO PIB MUNDIAL (%)

CRESCIMENTO DO PIB MUNDIAL (%) 1 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 CRESCIMENTO DO PIB

Leia mais

2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência. Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005

2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência. Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005 2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005 Cenário Externo Maior crescimento global em 30 anos. Crescimento do PIB em 2004 - Expectativa Área do

Leia mais

Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado

Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado Abril/11 Sumário 1. Características do Fundo Política de Gestão Objetivo do Fundo Público Alvo Informações Diversas Patrimônio Líquido 2. Medidas Quantitativas

Leia mais

Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra

Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra Hildo Meirelles de Souza Filho Ciclos do crescimento 1947-1980, taxas de crescimento do PIB 15,0 10,0 5,0-1948 1950 1952 1954 1956 1958 1960 1962 1964 1966 1968

Leia mais

FEA RP USP. Matemática Financeira e Inflação

FEA RP USP. Matemática Financeira e Inflação FEA RP USP Matemática Financeira e Inflação Prof. Dr. 1 Inflação Definição simplificada de inflação É a elevação generalizada dos preços de bens e serviços em uma economia (processo inflacionário). Pode

Leia mais

Balanço do Tesouro Direto - Fevereiro 2013

Balanço do Tesouro Direto - Fevereiro 2013 Balanço do Tesouro Direto - Fevereiro 2013 1. Vendas e Resgates Em fevereiro, o montante financeiro vendido no Tesouro Direto foi de R$ 236,1 hões, valor 63% inferior ao mês anterior e 18% menor que o

Leia mais

ANÁLISE MENSAL - IPCA

ANÁLISE MENSAL - IPCA ANÁLISE MENSAL - IPCA Fevereiro/ 2015 O índice de fevereiro seguiu a tendência do mês anterior e apresentou crescimento bastante significativo nos preços. Com variação de 1,22%, a taxa supera a expectativa

Leia mais

IGP-M. Abril/ de abril de Secretaria de Política Econômica

IGP-M. Abril/ de abril de Secretaria de Política Econômica IGP-M Abril/2016 28 de abril de 2016 abr 99 out 99 abr 00 out 00 abr 01 out 01 abr 02 out 02 abr 03 out 03 abr 04 out 04 abr 05 out 05 abr 06 out 06 abr 07 out 07 abr 08 out 08 abr 09 out 09 abr 10 out

Leia mais

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

Crescimento e juros. Roberto Padovani Março 2013

Crescimento e juros. Roberto Padovani Março 2013 Crescimento e juros Roberto Padovani Março 2013 jan-91 dez-91 nov-92 out-93 set-94 ago-95 jul-96 jun-97 mai-98 abr-99 mar-00 fev-01 jan-02 dez-02 nov-03 out-04 set-05 ago-06 jul-07 jun-08 mai-09 abr-10

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais

ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR (INPC) E A CESTA BÁSICA MARÇO/2010

ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR (INPC) E A CESTA BÁSICA MARÇO/2010 1. INTRODUÇÃO O Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) apresenta os resultados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor para a Região Metropolitana de Fortaleza. O Índice Nacional

Leia mais

Carta de Conjuntura do Setor de Seguros

Carta de Conjuntura do Setor de Seguros Carta de Conjuntura do Setor de Seguros Número 11, Fevereiro/2015 www.ratingdeseguros.com.br 1 Objetivo: O objetivo desta é ser uma avaliação mensal desse segmento e seus setores relacionados (resseguro,

Leia mais

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar.

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. INTERNA Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. 1 DESAFIOS E INCERTEZAS DO CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO E GLOBAL 2 2 Fabiana

Leia mais

Investimento derrete e leva o PIB junto.

Investimento derrete e leva o PIB junto. Ibovespa 8-6-29:,54% Pontos: 53.63,39 Ibovespa 8-6-9 INTRADAY 545 54 535 53 525 52 515 Indicador Valor Var.% Data Dólar Comercial 1,936-1,63 1h45 Dólar Paralelo 2,3, 8/6 Dólar Turismo 2,9 +,97 8/6 Dólar/Euro

Leia mais

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h;p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da Apresentação Variáveis- instrumentos:

Leia mais

EVOLUÇÃO SALARIAL (Não considerando a incorporação da Gratificação Nova Escola como reajuste)

EVOLUÇÃO SALARIAL (Não considerando a incorporação da Gratificação Nova Escola como reajuste) EVOLUÇÃO SALARIAL (Não considerando a incorporação da Gratificação Nova Escola como reajuste) Categoria: Profissionais da Educação da Rede Estadual de Ensino do Rio de Janeiro (Magistério) Deflatores:

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

IGP-M. Junho/ de junho de Secretaria de Política Econômica

IGP-M. Junho/ de junho de Secretaria de Política Econômica IGP-M Junho/2016 29 de junho de 2016 jun 99 dez 99 jun 00 dez 00 jun 01 dez 01 jun 02 dez 02 jun 03 dez 03 jun 04 dez 04 jun 05 dez 05 jun 06 dez 06 jun 07 dez 07 jun 08 dez 08 jun 09 dez 09 jun 10 dez

Leia mais

A Economia Brasileira e o Governo Dilma: Desafios e Oportunidades. Britcham São Paulo. Rubens Sardenberg Economista-chefe. 25 de fevereiro de 2011

A Economia Brasileira e o Governo Dilma: Desafios e Oportunidades. Britcham São Paulo. Rubens Sardenberg Economista-chefe. 25 de fevereiro de 2011 A Economia Brasileira e o Governo Dilma: Desafios e Oportunidades Britcham São Paulo 25 de fevereiro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe Onde estamos? Indicadores de Conjuntura Inflação em alta

Leia mais

RELATÓRIO QUADRIMESTRAL

RELATÓRIO QUADRIMESTRAL Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação - CCONF Gerência de Normas e Procedimentos de Gestão Fiscal - GENOP RELATÓRIO QUADRIMESTRAL RELATÓRIO QUADRIMESTRAL Proposta de orientação

Leia mais

IGP-M. Fevereiro/ de fevereiro de Secretaria de Política Econômica

IGP-M. Fevereiro/ de fevereiro de Secretaria de Política Econômica IGP-M Fevereiro/2016 26 de fevereiro de 2016 fev 99 ago 99 fev 00 ago 00 fev 01 ago 01 fev 02 ago 02 fev 03 ago 03 fev 04 ago 04 fev 05 ago 05 fev 06 ago 06 fev 07 ago 07 fev 08 ago 08 fev 09 ago 09 fev

Leia mais

Esgotamento do Funding Tradicional?

Esgotamento do Funding Tradicional? Esgotamento do Funding Tradicional? Novos instrumentos vão vigorar no curto prazo? Gueitiro Matsuo Genso 12ª Conferência Internacional da LARES São Paulo 19 a 21 de setembro, 2012 Agenda Relevância no

Leia mais

IGP-M. Outubro/ de outubro de Secretaria de Política Econômica

IGP-M. Outubro/ de outubro de Secretaria de Política Econômica IGP-M Outubro/2015 29 de outubro de 2015 out 98 abr 99 out 99 abr 00 out 00 abr 01 out 01 abr 02 out 02 abr 03 out 03 abr 04 out 04 abr 05 out 05 abr 06 out 06 abr 07 out 07 abr 08 out 08 abr 09 out 09

Leia mais

4. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA

4. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA 81 4. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA Jose Caio Racy INTRODUÇÃO A arrecadação no primeiro trimestre de 2007 comparado com o de 2006 apresenta um crescimento em função aumento de diversas rubricas das

Leia mais

Relatório de Mercado Semanal

Relatório de Mercado Semanal Boletim Focus Relatório de Mercado Focus Fonte:Banco Central Cenário A semana que passou foi marcada pelo forte movimento de correção nas bolsas mundiais ocorrido na sexta-feira (9), após declarações hawkish

Leia mais

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Safra 2015/2016 Mensal Acumulado Cana Campo (1) Cana Esteira (2) R$/Kg ATR R$/Kg ATR R$/Ton. R$/Ton. Abr/15 0,4909

Leia mais

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017 Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017 Henrique Meirelles Ministro da Agosto 2016 Cenário de Referência 2 Foi observado o limite de crescimento da despesa contido na Proposta de Emenda Constitucional 241/2016

Leia mais

RESIDENCIAL - LOCAÇÃO. Outubro/2016

RESIDENCIAL - LOCAÇÃO. Outubro/2016 RESIDENCIAL - LOCAÇÃO Destaques do mês Preço médio do aluguel residencial completa 18 meses de queda Índice FipeZap de Locação cai 0,17% em outubro; nos últimos 12 meses a queda é de 3,80% Os preços de

Leia mais

Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial

Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Índice 1. Situação Monetária... 4 1.1. Base Monetária... 4 1.2. Massa Monetária... 5 1.2.1. Crédito à Economia... 6 1.2.2. Activo Externo

Leia mais

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE DOCUMENTO 2 LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE 100.105.025 644425 10 10 fev/05 fev/10 9660 10/10/2005 13/10/2005

Leia mais

Vênus Em Aquário 25 Dez 1939. Vênus Em Peixes 18 Jan 1940. Vênus Em Áries 12 Fev 1940. Vênus Em Touro 8 Mar 1940. Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940

Vênus Em Aquário 25 Dez 1939. Vênus Em Peixes 18 Jan 1940. Vênus Em Áries 12 Fev 1940. Vênus Em Touro 8 Mar 1940. Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940 Vênus Em Aquário 25 Dez 1939 Vênus Em Peixes 18 Jan 1940 Vênus Em Áries 12 Fev 1940 Vênus Em Touro 8 Mar 1940 Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940 Vênus Em Câncer 6 Maio 1940 Vênus Em Gêmeos 5 Jul 1940 Vênus Em

Leia mais

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 Os sérios desafios da economia Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 1 Os números da economia brasileira que o novo governo precisa enfrentar 11,089 milhões Número de desempregados no Brasil,

Leia mais

Série 108 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-15

Série 108 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-15 31-jan-15 a - Saldo atual dos CRI Seniors (37.502.102,11) c - Saldo devedor total da carteira, encargos e valores a processar 37.502.133,30 f - Excedente / (Falta) 1.034,16 28-fev-15 a - Saldo atual dos

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE JANEIRO DE 2013 PONTA GROSSA Este relatório, referente ao mês de JANEIRO de 2013, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

Dimensão financeira do desequilíbrio fiscal

Dimensão financeira do desequilíbrio fiscal Dimensão financeira do desequilíbrio fiscal Geraldo Biasoto Jr I Jornada de Debates sobre a Dívida Pública 20/10/2105 Ministério Público Federal/Ministério Público de Contas SP Quando o fiscal virou financeiro?

Leia mais

SINCOR-SP 2016 JULHO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 JULHO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Seminário Setorial de Construção Civil. Carlos Antônio Vieira Fernandes Gerente Nacional GECRI 05 OUT 10

Seminário Setorial de Construção Civil. Carlos Antônio Vieira Fernandes Gerente Nacional GECRI 05 OUT 10 Seminário Setorial de Construção Civil Carlos Antônio Vieira Fernandes Gerente Nacional GECRI 05 OUT 10 O papel da CEF como fomentador e financiador do setor; Evolução dos investimentos do setor Perspectivas

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução O presente artigo tem

Leia mais

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Federação dos Trabalhadores da Saúde do Estado de São Paulo. Material de suporte para categorias em data-base INPC-IBGE

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Federação dos Trabalhadores da Saúde do Estado de São Paulo. Material de suporte para categorias em data-base INPC-IBGE EVOLUÇÃO SALARIAL Categoria: Material de suporte para categorias em data-base Deflatores: IPCA-IBGE INPC-IBGE março de 2015 Este trabalho contém o estudo sobre o comportamento dos salários desde 01-março-2014

Leia mais

IPES Índice de Preços ao Consumidor

IPES Índice de Preços ao Consumidor IPES Índice de Preços ao Consumidor Publicação mensal do Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais IPC-IPES Índice de Preços ao Consumidor de Caxias do Sul Março de 2014 Março de 2014 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

Em Busca do Crescimento Perdido

Em Busca do Crescimento Perdido São Paulo - SP / CORECON-SP em 25 de abril de 2003 Em Busca do Crescimento Perdido Paulo Faveret Filho Chefe do Depto. de Planejamento BNDES (com agradecimentos a Fábio Giambiagi) 1. Retrospecto 2. O problema

Leia mais

Publicação mensal do Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais

Publicação mensal do Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais IPES Índice de Preços ao Consumidor Publicação mensal do Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais IPC-IPES Índice de Preços ao Consumidor de Caxias do Sul NOVEMBRO de 2011 Novembro de 2011 UNIVERSIDADE

Leia mais

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Federação dos Trabalhadores da Saúde do Estado de São Paulo INPC-IBGE. março de 2014

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Federação dos Trabalhadores da Saúde do Estado de São Paulo INPC-IBGE. março de 2014 EVOLUÇÃO SALARIAL Categoria: Material de suporte para categorias em data base Deflatores: ICV-DIEESE INPC-IBGE março de 2014 Este trabalho contém o estudo sobre o comportamento dos salários desde 01-março-2013

Leia mais

Divulgação dos Resultados 4T13 e 2013

Divulgação dos Resultados 4T13 e 2013 Divulgação dos Resultados 4T13 e 2013 Market Share Indicadores dez/09 dez/10 dez/11 dez/12 set/13 Ativo Total * 10º 11º 11º 11º 11º Patrimônio Líquido * 11º 12º 11º 11º 11º Depósitos Totais 8º 8º 8º 7º

Leia mais

III. Política Monetária Os sinais contraditórios da política monetária do governo Lula

III. Política Monetária Os sinais contraditórios da política monetária do governo Lula III. Política Monetária Os sinais contraditórios da política monetária do governo Lula José Luís Oreiro No início do segundo semestre de 2004, o Banco Central do Brasil iniciou um processo de elevação

Leia mais