RAFAEL FRANCISCO THIBES ANÁLISE DE DESEMPENHO DE TRÁFEGO DE REDE IPV4/IPV6 EM UMA INTRANET FAST ETHERNET/GIGABIT ETHERNET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RAFAEL FRANCISCO THIBES ANÁLISE DE DESEMPENHO DE TRÁFEGO DE REDE IPV4/IPV6 EM UMA INTRANET FAST ETHERNET/GIGABIT ETHERNET"

Transcrição

1 RAFAEL FRANCISCO THIBES ANÁLISE DE DESEMPENHO DE TRÁFEGO DE REDE IPV4/IPV6 EM UMA INTRANET FAST ETHERNET/GIGABIT ETHERNET Monografia apresentada ao Departamento de Ciências da Computação da Universidade Federal de Lavras como parte das exigências do curso Administração de Redes Linux para obtenção do título Especialista em Administração de Redes Linux Orientador Ricardo Martins de Abreu Silva LAVRAS MINAS GERAIS BRASIL 2005

2 RAFAEL FRANCISCO THIBES ANÁLISE DE DESEMPENHO DE TRÁFEGO DE REDE IPV4/IPV6 EM UMA INTRANET FAST ETHERNET/GIGABIT ETHERNET Monografia apresentada ao Departamento de Ciências da Computação da Universidade Federal de Lavras como parte das exigências do curso Administração de Redes Linux para obtenção do título Especialista em Administração de Redes Linux Aprovada em de de Prof. Prof. Dr. Ricardo Martins de Abreu Silva UFLA (Orientador) LAVRAS MINAS GERAIS BRASIL

3 AGRADECIMENTOS Gostaria de prestar esta homenagem para as queridos familiares que me acompanharam desde o início. A minha namorada pela sua dedicação e amor durante este percurso. Aos amigos que ajudavam a resfriar a cabeça nos momentos de lazer. Aos companheiros de profissão que com suas dicas muitas vezes iluminaram a escuridão das dúvidas. Ao meu orientador por ajudar a percorrer e traçar novos caminhos e dificuldades neles encontrados, principalmente por ter aceitado e cumprido em curto período o pedido de orientação.

4 RESUMO Este projeto apresentará como integrar uma pequena rede de testes em linux em velocidades de 100Mbps, 1000Mbps, com cabeamentos de categoria 5e, 6 e principalmente com os protocolos em questão: IPv4, dando ênfase ao IPv6. A nova versão do protocolo IP foi desenvolvida pensando nas melhorias a serem realizadas com base na versão atual, tendo em mente que deveria ser um passo evolucionário em relação à versão 4, não um passo radicalmente revolucionário. Funções desnecessárias foram removidas; funções que trabalhavam bem foram mantidas e novas funcionalidades foram acrescentadas. As mudanças nas tecnologias de redes geram expectativas e curiosidades por parte dos principais interessados: os Administradores de Redes. Uma delas é quanto ao desempenho do protocolo IPv6, o ganho com cabeamento cat 6 com velocidades de 1 Gigabit. 4

5 ABSTRACT This project will present how to integrate a small net of tests in linux in speeds of 100Mbps, 1000Mbps, with cables of category 5e, 6 and mainly with the protocols in question: IPv4, giving emphasis to the IPv6. The new version of protocol IP was developed thinking the improvements to be carried through on the basis of the current version, having in mind that would have to be a evolutionary pacing in relation to version 4, not a radix revolutionary pacing. Unnecessary functions had been removed; functions that worked well had been kept and new functionalities had been added. The changes in the technologies of nets generate interested expectations and curiosity on the part of the main ones: the Administrators of Nets. One of them is how much to the performance of the protocol IPv6, the profit in cable cat 6 and with speeds of 1 Gigabit. 5

6 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS...08 LISTA DE FIGURAS...09 LISTA DE TABELAS INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEÓRICO TCP/IP IPV IPV IPV4 VERSUS IPV Cabeamento Categoria 5e e Fast Ethernet (100BaseT) e Gigabit (1000BaseT) METODOLOGIA DA AVALIAÇÃO Características da Rede Método de Coleta RESULTADOS E AVALIAÇÕES

7 5 CONCLUSÃO Perspectivas e propostas para pesquisas futuras REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...76 ANEXO

8 LISTA DE ABREVIATURAS 6Bone ARP DARPA DNS ESP ICMP IPv6 Backbone Address Resolution Protocol Defense Avanced research Projects Agency Domain Name Server Encapasulating Security Payload Internet Control Message Protocol ICMPv6 Internet Control Message Protocol version 6 IETF IP IPng Internet Engeering Task Force Internet Protocol Internet Protocol Next Generation IPv4 Internet Protocol version 4 IPv6 Internet Protocol version 6 LAN RFC RNP TCP UDP WAN WWW Local Área Network Request for Comments Rede Nacional de Pesquisa Transmission Control Protocol User Datagram Protocol Wide Área Network World Wide Web 8

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Todos os registros efetuados de 01/04/1996 a 06/03/ Figura 2 - As quatro camadas do protocolo TCP/IP...24 Figura 3 Protocolos e Aplicações...25 Figura 4 - Cabeçalho IPv Figura 5 - Cabeçalho IPv Figura 6 - Cabeçalho Hop-by-Hop...35 Figura 7 - Cabeçalho de Roteamento...37 Figura 8 - Cabeçalho de Roteamento tipo Figura 9 - Cabeçalho de Fragmentação...39 Figura 10 - Cabeçalho de Autenticação...40 Figura 11 - Cabeçalho de Segurança...42 Figura 12 Encapsulamento IPv Figura 13 Estrutura de Cabos categoria 5e(à esq) e Figura 14 Protocolos de Transmissão Gigabit Ethernet...50 Figura 15 - Entrega do datagrama IP do host para o host

10 Figura 16 - Velocidade de Transmissão com pacotes de 64 bytes...61 Figura 17 - Velocidade de Transmissão com pacotes de 200 bytes...62 Figura 18 - Velocidade de Transmissão com pacotes de 400 bytes...63 Figura 19 - Velocidade de Transmissão com pacotes de 600 bytes...64 Figura 20 - Velocidade de Transmissão com pacotes de 750 bytes...65 Figura 21 - Velocidade de Transmissão com pacotes de 900 bytes...66 Figura 22 - Velocidade de Transmissão com pacotes de 1100 bytes...67 Figura 23 - Velocidade de Transmissão com pacotes de 1300 bytes...68 Figura 24 Velocidade de Transmissão com pacotes de 1500 bytes...69 Figura 25 Médias de todos Modelos de 100 Mhz...71 Figura 26 Médias de todos Modelos de 1000 Mh...72 Figura 27 Desvio Padrão de todos Modelos de 100 Mhz...73 Figura 28 Desvio Padrão de todos Modelos de 1000 Mhz

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Performance TCP...26 Tabela 2 10Mbps Performance Ethernet...27 Tabela 3-100Mbps Performance Fast Ethernet...27 Tabela Mbps Gigabit Performance Ethernet...27 Tabela 5 - Exemplos de tipo de quadro...32 Tabela 6 - Protocolo Overhead...32 Tabela 7 - Tráfego com Ping...57 Tabela 8 Análise de Desempenho...70 Tabela 9 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 64 Bytes, cat6 a 100 MHZ...78 Tabela 10 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 200 Bytes, cat6 a 100 MHZ...78 Tabela 11 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 400 Bytes, cat6 a 100 MHZ...79 Tabela 12 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 600 Bytes, cat6 a 100 MHZ

12 Tabela 13 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 750 Bytes, cat6 a 100 MHZ...79 Tabela 14 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 900 Bytes, cat6 a 100 MHZ...79 Tabela 15 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 1100 Bytes, cat6 a 100 MHZ...72 Tabela 16 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 1300 Bytes, cat6 a 100 MHZ...80 Tabela 17 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 1500 Bytes, cat6 a 100 MHZ...80 Tabela 18 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 64 Bytes, cat5e a 100 MHZ...80 Tabela 19 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 200 Bytes, cat5e a 100 MHZ...81 Tabela 20 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 400 Bytes, cat5e a 100 MHZ...81 Tabela 21 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 600 Bytes, cat5e a 100 MHZ...81 Tabela 22 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 750 Bytes, cat5e a 100 MHZ

13 Tabela 23 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 900 Bytes, cat5e a 100 MHZ...82 Tabela 24 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 1100 Bytes, cat5e a 100 MHZ...82 Tabela 25 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 1300 Bytes, cat5e a 100 MHZ...82 Tabela 26 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 1500 Bytes, cat5e a 100 MHZ...82 Tabela 27 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 64 Bytes, cat6 a 100 MHZ...83 Tabela 28 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 200 Bytes, cat6 a 100 MHZ...83 Tabela 29 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 400 Bytes, cat6 a 100 MHZ...83 Tabela 30 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 600 Bytes, cat6 a 100 MHZ...83 Tabela 31 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 750 Bytes, cat6 a 100 MHZ...84 Tabela 32 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 900 Bytes, cat6 a 100 MHZ

14 Tabela 33 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 1100 Bytes, cat6 a 100 MHZ...84 Tabela 34 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 1300 Bytes, cat6 a 100 MHZ...84 Tabela 35 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 1500 Bytes, cat6 a 100 MHZ...85 Tabela 36 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 64 Bytes, cat5e a 100 MHZ...85 Tabela 37 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 200 Bytes, cat5e a 100 MHZ...85 Tabela 38 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 400 Bytes, cat5e a 100 MHZ...85 Tabela 39 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 600 Bytes, cat5e a 100 MHZ...86 Tabela 40 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 750 Bytes, cat5e a 100 MHZ...86 Tabela 41 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 900 Bytes, cat5e a 100 MHZ...86 Tabela 42 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 1100 Bytes, cat5e a 100 MHZ

15 Tabela 43 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 1300 Bytes, cat5e a 100 MHZ...87 Tabela 44 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 1500 Bytes, cat5e a 100 MHZ...87 Tabela 45 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 64 Bytes, cat MHZ...87 Tabela 46 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 200 Bytes, cat MHZ...87 Tabela 47 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 400 Bytes, cat MHZ...88 Tabela 48 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 600 Bytes, cat MHZ...88 Tabela 49 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 750 Bytes, cat6 a 1000 MHZ...88 Tabela 50 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 900 Bytes, cat6 a 1000 MHZ...88 Tabela 51 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 1100 Bytes, cat6 a 1000 MHZ...89 Tabela 52 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 1300 Bytes, cat6 a 1000 MHZ

16 Tabela 53 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 1500 Bytes, cat6 a 1000 MHZ...89 Tabela 54 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 64 Bytes, cat5e a 1000 MHZ...89 Tabela 55 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 200 Bytes, cat5e a 1000 MHZ...90 Tabela 56 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 200 Bytes, cat5e a 1000 MHZ...90 Tabela 57 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 600 Bytes, cat5e a 1000 MHZ...90 Tabela 58 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 750 Bytes, cat5e a 1000 MHZ...90 Tabela 59 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 900 Bytes, cat5e a 1000 MHZ...91 Tabela 60 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 1100 Bytes, cat5e a 1000 MHZ...91 Tabela 61 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 1300 Bytes, cat5e a 1000 MHZ...91 Tabela 62 Tempo de Propagação do Datagrama IPv6 de 1500 Bytes, cat5e a 1000 MHZ

17 Tabela 63 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 64 Bytes, cat6 a 1000 MHZ...92 Tabela 64 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 200 Bytes, cat6 a 1000 MHZ...92 Tabela 65 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 400 Bytes, cat6 a 1000 MHZ...92 Tabela 66 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 600 Bytes, cat6 a 1000 MHZ...92 Tabela 67 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 750 Bytes, cat6 a 1000 MHZ...93 Tabela 68 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 900 Bytes, cat6 a 1000 MHZ...93 Tabela 69 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 1100 Bytes, cat6 a 1000 MHZ...93 Tabela 70 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 1300 Bytes, cat6 a 1000 MHZ...93 Tabela 71 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 1500 Bytes, cat6 a 1000 MHZ...94 Tabela 72 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 64 Bytes, cat5e a 1000 MHZ

18 Tabela 73 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 200 Bytes, cat5e a 1000 MHZ...94 Tabela 74 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 400 Bytes, cat5e a 1000 MHZ...94 Tabela 75 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 600 Bytes, cat5e a 1000 MHZ...95 Tabela 76 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 750 Bytes, cat5e a 1000 MHZ...95 Tabela 77 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 900 Bytes, cat5e a 1000 MHZ...95 Tabela 78 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 1100 Bytes, cat5e a 1000 MHZ...95 Tabela 79 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 1300 Bytes, cat5e a 1000 MHZ...96 Tabela 80 Tempo de Propagação do Datagrama IPv4 de 1500 Bytes, cat5e a 1000 MHZ...96 Tabela 81 Média de todos os Modelo de Tratamentos...96 Tabela 82 Desvio Padrão de todos os Modelo de Tratamentos

19 1 INTRODUÇÃO Nos últimos anos, a Internet demonstrou uma altíssima taxa de crescimento que superou as mais otimistas expectativas de uma década atrás. Isto, eventualmente, trouxe problemas que não estavam previstos. Com o grande número de hosts conectados, os endereços IP tornaram-se escassos principalmente pela maneira ineficiente como foram divididos em classes. Estes dois fatos contribuíram para gerar um crescimento das tabelas utilizadas para roteamento, o que tornou esta atividade lenta e ineficiente. As redes passaram a ter tráfegos maiores devido ao fato das aplicações tornarem-se mais volumosas. Claramente, o protocolo de rede utilizado, o IPv4 (internet protocol version 4) necessita ser substituído. Assim, em 1990, o Internet Engineering Task Force (IETF) começou a trabalhar no desenvolvimento da nova versão deste protocolo: o IPv6, que foi inicialmente conhecido como IPng (IP Next Generation). Finalmente, em 1995, o IPv6 estava sendo implementado. A rede Ethernet teve mudanças que poderiam ser consideradas como um upgrade nas suas características, pois não foram totalmente remodeladas e sim melhoradas tanto no que diz respeito ao cabeamento quanto ao protocolo mais difundido para estas redes: o TCP/IP. Esta pesquisa abrange testes de velocidade em cabeamento cat 5e e 6 em velocidades de 100 Mbps e 1000 Mbps com os protocolos IPv4 e IPv6. No segundo capítulo será apresentado um breve histórico da Internet, dos protocolos TCP/IP, IPv4, IPv6, Cabeamento Categorias 5e e 6, Fast Ethernet(100Mbps) e Gigabit. 19

20 No terceiro capítulo será mostrada a Metodologia da Avaliação, o laboratório utilizado, as características e configurações da rede. No quarto capítulo serão apresentados os relatórios e avaliações através dos testes realizados, sendo visualizado através de gráficos e tabelas comparativas. O tema deste projeto foi escolhido por se tratar de uma assunto atual, onde há a necessidade do estudo para compreender as diferenças das mudanças no funcionamento de redes de computadores baseadas no conjunto de protocolos TCP/IP, devido ao grande papel que o protocolo desempenha em relação à Internet e a grande maioria das redes mundiais. 20

21 2 REFERENCIAL TEÓRICO Em um mundo onde quem comercializa de forma mais eficiente mantém o cliente gera uma necessidade natural de se traçar estratégias para agilizar, coletar, transportar, armazenar, organizar e processar informações de forma a ganhar mercado. O objetivo inicial da Internet era permitir que pesquisadores acessassem os novos recursos de hardware da época, a Internet demonstrou excelentes níveis de velocidade e de eficiência e acabou transcendendo sua missão original, ela se encaixaria perfeitamente nos quesitos acima citados e viria revolucionar a comunicação. A Internet teve sua origem em meios militares norte-americanos no período da guerra fria, anteriormente chamava-se ARPANET. Apresentando uma estrutura de informação distribuída por múltiplas bases, tinha por finalidade servir de veículo de troca de informações científicas e de segurança nacional capaz de resistir a um ataque nuclear. Com a implantação de novos serviços que deram a feição atual como a World Wide Web (WWW) lançado em 1991, que viabiliza a transmissão de imagens, som e vídeo pela rede. Até então circulavam praticamente só textos pela Internet. Com a WWW, a Internet se populariza entre os usuários comuns de computador. Nesta época surgem os provedores de acesso, empresa comerciais que vendem aos clientes o meio de navegar na Internet. Em 1994 já tinha por volta de 40 mil redes, em 1996 já eram 100 mil redes e daí em diante passou a crescer extraordinariamente e já não dependia mais das Universidades ou dos centros de pesquisa. O site Registro.br, órgão 21

22 responsável pelo registro de domínios para Internet no Brasil disponibiliza mensalmente o crescimento dos domínios no Brasil (Figura 1). A Internet2 foi criada com o objetivo de dinamizar o desenvolvimento de tecnologias e aplicações de redes na Internet para universidades de vários países, centros de pesquisa, além de agências do governo e indústria, tecnologia estas que seriam desenvolvidas, testadas e posteriormente, lançadas no mercado. Entre as principais aplicações de serviços destacam-se: projetos em 3D, Telemedicina, Bibliotecas Digitais com reprodução de imagens de áudio e vídeo, entre outros estudos. 22

23 No Brasil o acompanhamento do desenvolvimento da Internet2 vem sendo realizado através do Ministério da Ciência e Tecnologia MCT e Rede Nacional de Pesquisa RNP. 23

24 2.1 TCP/IP Surgiu com o objetivo de padronizar um protocolo de comunicação para diferentes sistemas operacionais, criados pelo DARPA em meados de O grande destaque do TCP/IP ter se difundido foi a compatibilidade com diversos sistemas operacionais e modelos de hardware, possibilitando a diversidade de várias tecnologias com uma mesma forma de comunicação. Vejamos as quatro camadas do protocolo TCP/IP: Cada camada tem uma diferente aplicação: 1. A camada link, também chamada de camada data-link ou network interface, normalmente inclui os drivers de dispositivos no sistema operacional e corresponde a interface da placa de rede do computador. 2. A camada rede (algumas vezes chamada de Internet layer) negocia o movimento dos pacotes em toda a rede. Roteando os pacotes. 24

25 3. A camada de transporte providencia o controle de dados entre dois hosts, para a camada de aplicação acima. O protocolo TCP/IP tem dois diferentes protocolos de Transporte: TCP e UDP. 4. A camada de aplicação negocia os detalhes em particular de cada aplicação. Para organizar seu livro: TCP/IP Ilustred Vol 1: The Protocols, Richard Stevens ilustra a conexão entre vários protocolos e aplicações(figura 3): Performance TCP O desempenho do TCP é uma medida da habilidade de uma rede de transportar dados do usuário do TCP. Os cálculos do desempenho esclarecem a 25

26 ligação de dados e o protocolo de TCP/IP associados, transportado do usuário do TCP para vários tamanhos do pacote. Seguindo os cálculos de Richard Stevens na Seção 24 podemos ter uma noção da performance do TCP. O volume dos cálculos do desempenho é baseado na operação em uma LAN do Ethernet 10Mbps. Performance para MTU 1500, MSS 1460 Tabela 1: Performance TCP Field Data #bytes ACK #bytes Ethernet preamble 8 8 Ethernet destination address 6 6 Ethernet source address 6 6 Ethernet type field 2 2 IP Header TCP Header User data Pad (to Ethernet minimum) 0 6 Ethernet CRC 4 4 Interpacket gap (9.6 microsecond) (12) (12) Total Supondo que o remetente transmite dois segmentos de dados sem redução back-to-back, e então o receptor emite um ACK para estes dois segmentos. E supondo que se a janela do TCP estiver aberta a seu tamanho máximo (65535, não usando a opção da escala da janela), esta permite uma janela de 44 segmentos 1460-byte. Se o receptor emitir a um ACK cada 22 segmentos o throughput máximo (dados do usuário). 26

27 Throughput=(22*1460 /22* )x( /8)=1,55,063 bytes/seg Abaixo temos uma estimativa da freqüência do pacote que observaria durante um intervalo onde os 22 pacotes dos dados do TCP e o ACK: Throughput=(22+1/22* )*( /8)=848 pacotes/seg Com base nos dados calculados tendo 848 pacotes por segundo para 10 Mbps da tabela 2 podemos fazer uma associação para 100Mbps(tabela 3) de e 1000 Mbps(tabela 4) Tabela 2: 10Mbps Performance Ethernet 10Mbps Ethernet Performance Summary TCP Throughput bytes/sec Packet Frequency Pkt/Sec MTU 1500, MSS A escala usada no sumário é simples, é extrapolado para os 100Mbps Fast Ethernet e a Ethernet LANs do Gigabit 1000Mbps. Tabela 3: 100Mbps Performance Fast Ethernet 100Mbps Ethernet Performance Summary TCP Throughput bytes/sec Packet Frequency Pkt/Sec MTU 1500, MSS Tabela 4: 1000Mbps Gigabit Performance Ethernet 1000Mbps Ethernet Performance Summary TCP Packet 27

28 Throughput bytes/sec Frequency Pkt/Séc MTU 1500, MSS IPv4 É o protocolo responsável pela comunicação entre máquinas em uma estrutura de rede TCP/IP. As funções mais importantes são a atribuição de um esquema de endereçamento independente do endereçamento da rede utilizada abaixo e independente da própria topologia de rede utilizada. Vejamos a estrutura do Cabeçalho IPv4: Existem muitos campos de cabeçalho no cabeçalho IP, cada qual com uma função a ser determinada pela estação de recebimento. O primeiro campo é VERS, ou versão, ele define a versão atual do IP implementado pela estação da rede. O comprimento do cabeçalho do IP (todos os campos, exceto o campo de dados do IP) pode variar. Nem todos os campos no cabeçalho do IP precisam ser usados. Esses campos são medidos na quantidade de palavras de 32 bits. O 28

29 cabeçalho mais curto do IP terá 20 bytes; portanto esse campo conteria um 5(20 bytes = 160 bits; 160 bits/32 bits = 5). Esse campo é necessário para que o cabeçalho varie de comprimento de acordo com o campo chamado options(opções). O campo de serviço trata de uma entrada que permitiria que os aplicativos indicassem o tipo de percurso de roteamento de que gostariam (o ponto principal é que o aplicativo escolhesse o campo). Por exemplo, um protocolo em tempo real escolheria baixo retardo, rendimento alto e confiabilidade alta uma transferência de arquivos não precisa disso. O tipo de serviço (Type of Service) é formado pelos seguintes campos: precedência, retardo, rendimento e confiabilidade. No entanto, aceitar esse campo fez o roteador suportar várias tabelas de roteamento por roteador, e essa complicação nunca evoluiu com os fornecedores de roteadores. O comprimento total é o comprimento do datagrama (e não do pacote) medido em bytes(esse campo designa 16 bits, o que significa que a área de dados do datagrama o IP pode apresentar bytes de comprimento). A fragmentação permite que um datagrama muito grande seja encaminhado para o próximo segmento de LAN a ser dividido em segmentos menores para serem remontados no destino. Um datagrama de IP fragmentado contém os seguintes campos: Identification, Flags, Offset. O campo Identification indica quais fragmentos de datagrama pertencem a determinado datagrama, para que estes não se confundam. A camada IP de recebimento usa esse campo e o endereço IP de origem para identificar quais fragmentados pertencem a determinado datagrama. 29

30 As Flags indicam se mais fragmentos chegarão ou se não serão enviados mais dados para esse datagrama(mais nenhum fragmento). Indicam se o datagrama deve ou não ser fragmentado. Se um roteador receber um pacote que deverá fragmentar para ser encaminhado e se o bit de não-fragmentação for definido, ele descartará o pacote e enviará uma mensagem de erro (através de um protocolo conhecido como ICMP, que será analisado mais adiante) para a estação de origem. No campo Offset todos os cabeçalhos do IP de cada um dos datagramas fragmentados são quase idênticos. Esse campo indica o offset(em bytes) do datagrama anterior que continua o datagrama completo. O campo TTL(Time to Live) indica a quantidade de tempo que um datagrama pode permanecer na rede. Existem duas funções para o campo TTL: limitar o tempo de vida de um segmento TCP(dados transmitidos) e finalizar os loops de roteamento. O campo de protocolo é usado para indicar qual protocolo de nível mais alto deve receber os dados do datagrama(isto é, TCP, UDP, OSPF ou possivelmente outro protocolo). O campo Header Checksum serve para garantir a integridade do cabeçalho. Toda vez que o datagrama é recebido por um roteador, esse roteador recalcula a soma de verificação. Por que alterá-la? Porque o campo TTL é alterado por todo roteador que o datagrama atravessa. Os campos a seguir são os campos Source e Destination Address. Eles são importantes para a identificação da rede e da estação IP individual em uma rede IP. Os usuários irão perceber sua importância quando iniciarem sua estação 30

31 de trabalho ou tentarem acessar outras estações sem usar o servidor de nome de domínio ou um arquivo de host atualizado. Esses campos indicam o originador do datagrama, o endereço IP de destino final para o qual o pacote será transmitido e o endereço IP da estação que transmitiu o pacote originalmente. Todos os hosts em uma ligação entre redes IP serão identificados por esses endereços. O campo IP Options contém informações sobre o roteamento de origem, traçando uma rota, marcando o tempo do pacote à medida que ele atravessa os roteadores e as entradas de segurança. Esses campos podem ou não constar do cabeçalho. Quadro Ethernet Através do quadro ethernet podemos tirar conclusões à respeito do desempenho do protocolo. Não existem quadros ethernet menores que 64 octetos ou maiores que octetos (cabeçalhos, dados e CRC), os campos do frame são: Preâmbulo (8 octetos) - Destino (6 octetos) - Origem (6 octetos) - Tipo de Quadro (2 octetos) - Este campo contém um número inteiro de 16 bits que identifica o tipo de informação que está sendo transportada no quadro. Para a Internet, o campo tipo de quadro é fundamental porque demonstra que os quadros da ethernet são auto-identificáveis. Quando um quadro chega a determinado equipamento, o sistema operacional utiliza o tipo de quadro para determinar qual módulo do 31

32 software do protocolo deve processar o quadro. Podemos ver exemplos de tipos de quadro na tabela 1. Tabela 5: Exemplos de tipo de quadro 0806 ARP - Address Resolution Protocol 8035 RARP - Reverse Address Resolution Protocol 814C SNMP - SNMP Over Ethernet Dados (64 ~ 1500 octetos) - CRC - Cyclic Redundancy Check (4 octetos) Tabela 6: Protocolo Overhead Frame Part Inter Frame Gap (9.6µs) MAC Preamble (+ SFD) MAC Destination Address MAC Source Address MAC Type (or Length) Payload (Network PDU) Check Sequence (CRC) Total Frame Physical Size Minimum Size Frame 12 Bytes 8 Bytes 6 Bytes 6 Bytes 2 Bytes 46 Bytes 4 Bytes 84 Bytes Interframe Gap significa que os dispositivos do Ethernet devem reservar um período inativo mínimo entre a transmissão dos frames descobertos como a abertura interframe (IFG) ou a abertura do interpacket (IPG). A abertura interframe mínima é 96 vezes, que é 9.6 microssegundos para Ethernet de 10 Mb/s, 960 nanossegundos para Ethernet de 100 Mb/s, e 96 nanossegundos para Ethernet de Gb/s. 32

33 Philip Dykstra fez alguns cálculos para determinarmos o overhead que influenciará na largura de banda,: Ethernet overhead bytes: 12 gap + 8 preamble + 14 header + 4 trailer = 38 bytes/packet Ethernet Payload data rates are thus: 1500/( ) = % TCP over Ethernet: Assuming no header compression (e.g. not PPP) Add 20 IPv4 header or 40 IPv6 header (no options) Add 20 TCP header Add 12 bytes optional TCP timestamps Max TCP Payload data rates over ethernet are thus: ( )/( ) = % IPv4, minimal headers ( )/( ) = % IPv4, TCP timestamps ( )/( ) = % IPv6, minimal headers ( )/( ) = % IPv6, TCP timestamps 2.3 IPv6 O protocolo IPv6 ou IPng (Internet Protocol Next Generation) foi projetado principalmente para atuar com melhoras com relação ao IPv4 em redes de alta performance mantendo-se eficiente em redes de baixa performance. Entre 33

34 outros fatores está a escassez de endereços para as atuais redes, questões não projetadas no IPv4 como a segurança e Qualidade de Serviço. O IPv6 vem sendo estudado e implementado em redes de testes. A rede global 6Bone é responsável pela ligação de redes independentes, a primeira conexão foi estabelecida em 1998 com a Cisco System, nos EUA. Segundo ALVES, o projeto IPng sofreu várias evoluções de diferentes propostas da IETF juntamente com diversos grupos de trabalho. Diversos esforços paralelos começaram então explorar maneiras resolver estas limitações do endereço ao mesmo tempo fornecer a funcionalidade adicional SIP e PIP, deram origem à proposta. Em 1994 é aprovado o documento The Recommendation for the IP Next Generation Protocol como norma oficial de desenvolvimento do IPNG(ALVES, Marcos Vinicius B). A IETF criou o Backbone IPv6, ou 6Bone que consiste em criar pequenas redes IPv6 e conectar estas redes entre si através de túneis, ou links virtuais, sobre as redes IPv4 existentes. No Brasil foi criado o Br6Bone, um backbone nacional que interligaria todas as instituições dentro do Brasil e que desejassem participar do projeto. A coordenação do 6Bone é de responsabilidade do CEO (Centro de Engenharia e Operações) da RNP, é ele responsável pela distribuição de endereços e a interligação do Br6Bone com o 6Bone, feito através de um túnel IPv4 com a Cisco no Estados Unidos. O datagrama IPv6 possui um cabeçalho(header) com menos campos, cabeçalhos estendidos(opcionais) e campos para dados. O menor datagrama tem o cabeçalho base seguido dos dados (Figura 5). 34

35 Version- Versão do cabeçalho, o valor padrão é 0110, 4 bit. Prioriy Valor da prioridade. Nela estão protocolos capazes de diminuir o fluxo de envio caso ocorra congestionamento, 4 bit. Flow Label Está à informação se o datagrama deve ou não ser tratado de maneira especial, reservando o recurso que exija uma alta qualidade de serviço, 24 bit. Payload length, É o tamanho do pacote sem contar o campo header, pode ter até 8 bit. Next header Identifica o próximo cabeçalho 8bit. Hop Limit Número máximo de hops pelos quais o pacote pode trafegar. Decrementando em 1 a cada nó que repassa o pacote. Quando seu valor for igual a 0 o pacote é descartado, 8 bit. Source Address Endereço origem do pacote, 128 bit. 35

36 Destination Address Endereço destino do pacote 128 bit. Mecanismos adicionais são suportados mas incluídos em cabeçalhos extras somente quando necessários. Para seguir a seqüência, cada cabeçalho de extensão deve ter o campo next header. Nunca há ambigüidade em relação ao próximo cabeçalho, pois existe um identificador único para cada tipo. Cabeçalhos Hop-by-Hop e Destination Os cabeçalhos Hop-by-Hop e Destination têm o mesmo formato. No Hop-by-Hop estão informações que precisam ser processadas por cada roteador intermediário (Figura 6). Cabeçalho Genérico de Roteamento Possui uma lista de um ou mais nodos que devem ser percorridos no caminho para o destino. Os cabeçalhos de roteamento sempre começam com um bloco de 32 bit divididos em 4 campos de 8 bit cada (Figura 7). 36

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Protocolo IP (Internet Protocol) Características do

Protocolo IP (Internet Protocol) Características do Protocolo IP (Internet Protocol) Características do Protocolo IP Serviço de datagrama não confiável Endereçamento Hierárquico Facilidade de Fragmentação e Remontagem de pacotes Identificação da importância

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet)

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet) Protocolos da Camada de Inter- (Internet) IP Protocolo da Internet. Não Confiável; Não Orientado à conexão; Trabalha com Datagramas; Roteável; IPv 4 32 bits; IPv 6 128 bits; Divisão por Classes (A,B,C,D,E);

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Rede Redes de Computadores 2 1 Nível de Rede Internet Nível de Rede na Internet O ambiente inter-redes: hosts conectados a redes redes interligam-se

Leia mais

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1.1 IP - Internet Protocol RFC 791 Esse protocolo foi introduzido na ARPANET no início dos anos 80, e tem sido utilizado juntamente com o TCP desde então. A principal característica

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Protocolos ARP e ICMP Aula 18 A camada de rede fornece um endereço lógico Uniforme, independente da tecnologia empregada pelo enlace

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP

Introdução ao Protocolo TCP/IP Introdução ao Protocolo TCP/IP Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento na Rede

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Conceitos Pacote (ou datagrama) IP Formato Campos do cabeçalho Encapsulamento Fragmentação e

Leia mais

18/05/2014. Problemas atuais com o IPv4

18/05/2014. Problemas atuais com o IPv4 Problemas atuais com o IPv4 Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Falhas de segurança: A maioria dos ataques contra computadores hoje na Internet só é possível devido a falhas

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 1 / 68 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte Cab

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores TCP/IP Fabricio Breve Fundamentos Atualmente é o protocolo mais usado em redes locais Principal responsável: Popularização da Internet Mesmo SOs que antigamente só suportavam seu

Leia mais

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores.

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores. HISTÓRICO! 1969, Defense Advanced Research Projects Agency (DARPA) cria um projeto de pesquisa para criar uma experimental de comutação de pacotes ARPANET que deveria prover: robustez; confiabilidade;

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Software de IP nos hosts finais O software de IP consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores.

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores. HISTÓRICO 1969, Defense Advanced Research Projects Agency (DARPA) cria um projeto de pesquisa para criar uma rede experimental de comutação de pacotes ARPANET que deveria prover: robustez; confiabilidade;

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Regras de funcionamento (Unreliable Delivery, etc.) Método de roteamento (Sem conexão) Formato dos dados em um datagrama

Regras de funcionamento (Unreliable Delivery, etc.) Método de roteamento (Sem conexão) Formato dos dados em um datagrama IP - Internet Protocol Histórico O protocolo internet (IP), definido e aprovado pelo DoD (Departamento de Defesa Americano), foi concebido para uso em sistemas de computação interconectados através de

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

IPv6. Clécio Oliveira Pinto. cleciooliveira at gmail com

IPv6. Clécio Oliveira Pinto. cleciooliveira at gmail com IPv6 Clécio Oliveira Pinto Segurança e Integração em Redes de Computadores para Ambientes Corporativos Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás cleciooliveira at gmail com Abstract. The Internet Protocol version

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

IPv6 - Características do IP Next Generation

IPv6 - Características do IP Next Generation IPv6 - Características do IP Next Generation 1 - Introdução As três das principais motivações que conduziram à necessidade de superar as limitações de crescimento da versão atual do protocolo IP (Internet

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 4 - A CAMADA DE REDE (Parte 2) 1. Flooding (Inundação) Outro algoritmo estático é o algoritmo de inundação, no qual cada pacote de entrada é enviado para todas as linhas de saída, exceto para aquela

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

CAMADA DE REDES PARTE II. Fabrício Pinto

CAMADA DE REDES PARTE II. Fabrício Pinto CAMADA DE REDES PARTE II Fabrício Pinto Interligação de Redes 2 Supomos até agora uma única rede homogênea Máquinas usando o mesmo protocolo Suposição muito otimista Existe muitas redes diferentes LANs,

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Apresentar a nova forma de endereçamento lógico, o endereço IP versão 6 (IPv6). No começo da década de 1990, a IETF começou o estudo para desenvolver o sucessor do

Leia mais

Visão geral da arquitetura do roteador

Visão geral da arquitetura do roteador Visão geral da arquitetura do roteador Duas funções-chave do roteador: Executar algoritmos/protocolos (RIP, OSPF, BGP) Comutar os datagramas do link de entrada para o link de saída 1 Funções da porta de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores CAMADA DE REDE DHCP NAT IPv6 Slide 1 Protocolo DHCP Protocolo de Configuração Dinâmica de Hospedeiros (Dynamic Host Configuration Protocol DHCP), RFC 2131; Obtenção de endereço de

Leia mais

IPSec. IPSec Internet Protocol Security OBJETIVO ROTEIRO ROTEIRO

IPSec. IPSec Internet Protocol Security OBJETIVO ROTEIRO ROTEIRO OBJETIVO Internet Protocol Security Antonio Abílio da Costa Coutinho José Eduardo Mendonça da Fonseca Apresentar conceitos sobre segurança em redes de comunicação de dados, relacionados ao Protocolo (Internet

Leia mais

Internet e TCP/IP. Camada de Rede: Objetivos. Encapsulamento. Redes de Computadores. Internet TCP/IP. Conceitos Básicos Endereçamento IP

Internet e TCP/IP. Camada de Rede: Objetivos. Encapsulamento. Redes de Computadores. Internet TCP/IP. Conceitos Básicos Endereçamento IP Camada de Rede Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br Redes de Computadores Conceitos Básicos Endereçamento IP Internet e TCP/IP Internet Conjunto de redes de escala mundial, ligadas pelo protocolo IP TCP/IP

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Camada de rede: IP. Cabeçalho IP, encaminhamento de pacotes IP, sub-redes, máscara de sub-redes e processos de cálculo, NAT e PAT, futuro do IPv4.

Camada de rede: IP. Cabeçalho IP, encaminhamento de pacotes IP, sub-redes, máscara de sub-redes e processos de cálculo, NAT e PAT, futuro do IPv4. Camada de rede: IP Cabeçalho IP, encaminhamento de pacotes IP, sub-redes, máscara de sub-redes e processos de cálculo, NAT e PAT, futuro do IPv4. Internet Rede 2 Rede 1 Internet Rede 4 Rede 3 Rede 5 O

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet Arquitetura TCP/IP Filosofia da Internet foi projetada p/: ser aberta o bastante p/ permitir a execução em uma grande variedade de equipamentos de resistir a possíveis danos que prejudicassem seu funcionamento

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO PROJECTO E INSTALAÇÃO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES O Modelo TCP/IP: Camada Internet Discentes: Ricardo Alexandre Revez Costa, nº5963 Manuel José Terlica Revés,

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas. Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. TCP/IP x ISO/OSI

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas. Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. TCP/IP x ISO/OSI Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas TCP/IP x ISO/OSI A Internet não segue o modelo OSI. É anterior a ele. Redes de Computadores

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolo TCP/IP Profa. Priscila Solís Barreto

Redes de Computadores. Protocolo TCP/IP Profa. Priscila Solís Barreto Redes de Computadores Protocolo TCP/IP Profa. Priscila Solís Barreto Internet G G G Introdução Protocolo: Conjunto de regras que determinam como o hardware e o software de uma rede devem interagir para

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

A Internet e o TCP/IP

A Internet e o TCP/IP A Internet e o TCP/IP 1969 Início da ARPANET 1981 Definição do IPv4 na RFC 791 1983 ARPANET adota o TCP/IP 1990 Primeiros estudos sobre o esgotamento dos endereços 1993 Internet passa a ser explorada comercialmente

Leia mais

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico Com a explosão da Internet e com o surgimento constante de mais e mais serviços e aplicações, os atuais endereços IP (IPv4) estão se tornando um recurso escasso. Estima-se que, em aproximadamente dois

Leia mais

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico Com a explosão da Internet e com o surgimento constante de mais e mais serviços e aplicações, os atuais endereços IP (IPv4) estão se tornando um recurso escasso. Estima-se que, em aproximadamente dois

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes IP Os endereços IP são números com 32 bits, normalmente escritos como quatro octetos (em decimal), por exemplo 128.6.4.7. A primeira parte do endereço identifica uma rede especifica na interrede, a segunda

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

Aula 3. Objetivos. A internet.

Aula 3. Objetivos. A internet. Aula 3 Objetivos A internet. Uma rede é... usando Um ambiente onde pessoas se comunicam e trocam idéias que requerem Um conjunto de aplicações e serviços distribuídos criando realizada através de Uma disciplina

Leia mais

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo:

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo: DIRETORIA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DA ÁREA DE INFORMÁTICA! Atividade em sala de aula. 1) A respeito de redes de computadores, protocolos TCP/IP e considerando uma rede

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Redes de Computadores II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

Redes de Computadores II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Redes de Computadores II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br PROTOCOLO MAC (Media Access Control) Não existe controlador central Entrega por broadcast Canal compartilhado CSMA/CD Carrier

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança Protocolos de Segurança A criptografia resolve os problemas envolvendo a autenticação, integridade

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

identificar e localizar um ao outro computador pode estar conectado a mais de uma rede mais de um endereço

identificar e localizar um ao outro computador pode estar conectado a mais de uma rede mais de um endereço Endereçamento Endereçamento IP Para que dois sistemas quaisquer comuniquem-se, eles precisam ser capazes de se identificar e localizar um ao outro. Um computador pode estar conectado a mais de uma rede.

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

3. Arquitetura TCP/IP

3. Arquitetura TCP/IP 3. Arquitetura TCP/IP A arquitetura internet foi criada pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos, com o objetivo de se ter uma rede interligando várias universidades e órgãos do governo de maneira

Leia mais

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 TCP-IP - Introdução Aula 02 Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 História 1969 - Advanced Research Project Agency (ARPA) financia a pesquisa e o

Leia mais

IP Móvel, v4 FEUP MPR. Encaminhamento tradicional de datagramas IP

IP Móvel, v4 FEUP MPR. Encaminhamento tradicional de datagramas IP MIPv4 1 IP Móvel, v4 FEUP MPR MIPv4 2 Motivação Encaminhamento tradicional de datagramas IP Baseado em endereço IP de destino, prefixo de rede Endereço de rede IP Rede física Mudança de rede mudança de

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Prof.: Roberto Franciscatto TCP/IP, endereçamento e portas TCP/IP? Dois protocolos TCP = Transfer Control Protocol IP = Internet Protocol

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

Interconexão de Redes de Comutadores

Interconexão de Redes de Comutadores IPv6 - Introdução Interconexão de Redes de Comutadores Parte 3.5: TCP / IPv6 Em 1992 uma Internet Engineering Task Force (IETF) cria o grupo IPng (IP next generation) para a criação de um novo protocolo

Leia mais

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Segurança em Redes Prof. Rafael R. Obelheiro Semestre: 2009.1 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Endereçamento IP Endereços IP possuem 32 bits, o que possibilita 2 32 = 4.294.967.296 endereços Na

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais