NDE - NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NDE - NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE"

Transcrição

1 NDE - NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE Formação Continuada para Coordenadores e Assessores Pedagógicos da Universidade Estadual de Goiás (UEG) Câmpus de Laranjeiras de 20 a 22 de janeiro de 2015

2 Lei Federal nº de 14 de abril de 2004, que institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES); Parecer do Comissão Nacional de Avaliação da Educação do Ensino Superior (CONAES) nº 4, de 27 de junho de 2010, que analisa o conceito, objetivos e atribuições do Núcleo Docente Estruturante (NDE); Resolução CONAES nº 1, de 17 de junho de 2010, que normaliza a implantação do NDE; Resolução CsA da UEG nº 11, de 19 de março de 2014, cria o Núcleo Docente Estruturante (NDE)

3 OBJETIVOS Grupo de docentes que atuam no acompanhamento de um curso de graduação, com vistas à sua qualidade e consolidação; Tem função consultiva, propositiva, avaliativa e de assessoramento ao Colegiado de Curso.

4 ATRIBUIÇÕES Integra a estrutura de gestão pedagógica e acadêmica do s cursos de graduação, corresponsável pela elaboração, implementação, atualização e consolidação do Projeto Pedagógico do Curso (PPC): 1. Colaborar construção e reestruturação dos PPCs; 2. Integração curricular interdisciplinar e diálogo entre ensino, pesquisa e extensão; 3. Orientar Colegiado do Curso cumprimento Diretrizes Curriculares Nacionais; 4. Conduzir reestruturação curricular e submete-los aprovação do Colegiado do Curso; 5. Incentivar pesquisa e extensão e politicas públicas da área de conhecimento do curso;

5 ATRIBUIÇÕES (Continuação) Integra a estrutura de gestão pedagógica e acadêmica do s cursos de graduação, corresponsável pela elaboração, implementação, atualização e consolidação do Projeto Pedagógico do Curso (PPC): 6. Estratégias estimulem debates entre os cursos oferecidos nos Câmpus; 7. Contribuir com o perfil do egresso do curso (Resolução nº 1 do Conaes); 8. Assegurar a renovação parcial dos integrantes do NDE de modo assegurar continuidade no processo de acompanhamento do curso (Resolução nº 1 do Conaes).

6 COMPOSIÇÃO Conselhos Acadêmicos das Unidades (CAU) estruturarão o NDE: 1. Indicação do Coordenador do NDE; 2. Permanência dos membros de 3 (três) anos e renovação parcial de 2/3 a cada 3 anos; 3. Participação de docentes envolvidos criação do curso; 4. 1/3 será prorrogada por mais 3 (três) anos, ou seja 6 (seis) anos.

7 COMPOSIÇÃO (Continuação) Núcleo Docente Estruturante (NDE) terá 5 (cinco) membros = 1 (um) Coordenador e 1 (Secretária(o) e 3 (três) docentes efetivos, que obrigatoriamente: 1. Ministrem disciplinas no curso; 2. Regime de Trabalho em Tempo Integral ou Regime de Trabalho Integral de Dedicação à Docência e à Pesquisa; 3. Experiência mínima de 3 (três) anos em ensino superior;

8 COMPOSIÇÃO (Continuação) Núcleo Docente Estruturante (NDE) enquadrem na seguintes proporções: 1. 60% (sessenta por cento) de docentes titulação pós-graduação stritu sensu; 2. 40% (quarenta por cento) docentes atuando ininterruptamente no curso por 1 (um) ano; 3. 60% (sessenta por cento) com formação específica na área do curso;. Não atendem justificativa por escrito ao Conselho Acadêmico da Unidade (CAU) e a Câmara de Graduação da UEG

9 COMPOSIÇÃO (Continuação) Núcleo Docente Estruturante (NDE) reúne-se mensalmente ordinária e extraordinária quando convocado por 2/3 (dois terços) de seus membros. Coordenador será indicado na 1ª seção do NDE e definirá o tempo que exercerá a sua função.

10 ATRIBUIÇÕES DO COORDENADOR 1. Convocar e coordenar reuniões; 2. Representar o NDE; 3. Encaminhar proposições ao Colegiado do Curso; 4. Indicar Secretária(o) para registra frequência e lavrar atas.. Tem direito a voto e no caso de empate, direito ao voto qualificado.. Na sua ausência, a coordenação será indicado por ele, caso não possa faze-lo o docente de maior tempo no curso no Câmpus.

11 AFASTAMENTOS Proposta: 1. Perde o vínculo ou interromper as atividades acadêmicas com a UEG; 2. Assumir cargo de gestão em outra Instituição de Ensino Superior (IES); 3. Deixar de cumprir as tarefas atribuídas que forem designadas; 4. Faltar a 3 (três) reuniões consecutivas, sem justificativa ou com justificativa não aprovada.. Docente afastado será substituído por novo membro designado pelo Colegiado do Curso. Afastamento do Coordenador poderá ser proposto pelos membros do NDE ao Colegiado do Curso, aprovado em maioria simples.

12 Prof. Carlos Alberto Rego Assessor dos Cursos Superiores Tecnológicos UEG - PRG (62)

13 QUAL A IMPORTANCIA DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) PARA A GESTÃO PEDAGÔGICA E ACADÊMICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO?

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Engenharia Agrícola R E S O L U Ç Ã O N.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Engenharia Agrícola R E S O L U Ç Ã O N. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Engenharia Agrícola R E S O L U Ç Ã O N.º 01/2015 Regimentar o Núcleo Docente Estruturante NDE do Curso de Engenharia

Leia mais

FUNDAÇÃO GAMMON DE ENSINO FACULDADES GAMMON

FUNDAÇÃO GAMMON DE ENSINO FACULDADES GAMMON PROPOSTA DE REFORMULAÇÃO DO REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DAS, DE 9 DE JUNHO DE 2015. Dispõe sobre a reformulação do Regulamento do Núcleo Docente Estruturante (TCC) das Faculdades Gammon.

Leia mais

Ciências Biológicas-Modalidade Médica (Biomedicina)

Ciências Biológicas-Modalidade Médica (Biomedicina) REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE DO CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS-MODALIDADE MÉDICA (BIOMEDICINA) Considerando a Resolução nº 01, de 17 de junho de 2010, que normatiza o Núcleo Docente Estruturante

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Curso de Bacharelado em Estatística

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Curso de Bacharelado em Estatística Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Curso de Bacharelado em Estatística RESOLUÇÃO N o 01/2011, DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ESTATÍSTICA Regulamenta a composição, as competências

Leia mais

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA N.6/2014 NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE)

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA N.6/2014 NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) Faculdade Adventista da Bahia Assessoria Pedagógica BR-101, km 197, Capoeiruçu Caixa Postal 18 Cachoeira BA CEP: 44.300-000 Brasil e-mail: selcr25@gmail.com ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA N.6/2014 NÚCLEO DOCENTE

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE - NDE CURSO DE BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL UNIESP - FAPREV

REGIMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE - NDE CURSO DE BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL UNIESP - FAPREV FACULDADE DE PRESIDENTE VENCESLAU Mantenedora: IESP - Instituto Educacional do Estado de São Paulo Credenciamento: Portaria nº. 4.523 de 23/12/2005. Unificação: Portaria nº. 840 de 14/11/2008. REGIMENTO

Leia mais

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel.

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel. Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel Av. Tito Muffato, 2317 Bairro Santa Cruz 85806-080 Cascavel PR Fone: (45) 3036-3636 30363806 http://www.univel.br cpe@univel.br RESOLUÇÃO Nº 01 DE JULHO

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO PREN. CAPÍTULO I - Da Coordenação de Curso

PRÓ-REITORIA DE ENSINO PREN. CAPÍTULO I - Da Coordenação de Curso PRÓ-REITORIA DE ENSINO PREN INSTRUÇÃO NORMATIVA PREN/IFB MINUTA ESTABELECE NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA COORDENAÇÃO DE CURSO, DO COLEGIADO DE CURSO E DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE COMPLEMETARES AO REGIMENTO

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS 2 CAPITULO II 2 DO COLEGIADO DOS CURSOS 2 CAPITULO III 3 MANDATOS DO COLEGIADO DO CURSO 3 CAPÍTULO

Leia mais

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS REGIMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA CAPÍTULO I Das Atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI 1 REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI Outubro/2005 Atualizado em jan.2013 2 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. A Comissão Própria de Avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSOS DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UTFPR-DV

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSOS DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UTFPR-DV Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSOS DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UTFPR-DV APROVADO EM REUNIÃO ORDINÁRIA DO COLEGIADO

Leia mais

REGIMENTO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS COMISSÃO PROPRIA DE AVALIAÇÃO COMISSÃO CENTRAL Avenida Prof.

Leia mais

Consulta Pública - Regimento Interno do Campus Colorado do Oeste. Resposta do questionário 1

Consulta Pública - Regimento Interno do Campus Colorado do Oeste. Resposta do questionário 1 Consulta Pública - Regimento Interno do Campus Colorado do Oeste Resposta do questionário 1 21 página 1 / 9 Resposta do questionário 2 23 página 2 / 9 Resposta do questionário 3 25 página 3 / 9 Resposta

Leia mais

Regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Aprovações CONSEPE 2004-01 de 15/20/20014 CONSU 2008-01 de 02/04/2008 CONSU 2010-01 de 25/03/2010 CONSU 2010-052 de 13/12/2010 CONSU 2013-17 de 26/09/2013 Regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS RESOLUÇÃO Nº 003 DE 13 DE AGOSTO DE 2014 Dispõe sobre a aprovação do Regimento do NDE do curso superior de Tecnologia em Design de Interiores do Instituto Federal Minas Gerais câmpus Santa Luzia. O PRESIDENTE

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E FINALIDADE Art.1º O Núcleo de Microscopia e Microanálise (NMM) caracteriza-se pela reunião

Leia mais

NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE NDE. Susana Maria Werner Samuel

NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE NDE. Susana Maria Werner Samuel NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE NDE Susana Maria Werner Samuel Lei n o 10.861dos SINAES Instituído o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES, para assegurar o processo nacional de avaliação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 033/2014, DE 30 DE ABRIL DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 033/2014, DE 30 DE ABRIL DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Conselho Superior Rua Ciomara Amaral de Paula, 167 Bairro Medicina 37550-000 - Pouso Alegre/MG Fone: (35)

Leia mais

Resolução n 225, de 21 de junho R E S O L V E: Art. 1º - Alterar a redação do parágrafo 2º artigo 12 do Regimento Geral da Universidade:

Resolução n 225, de 21 de junho R E S O L V E: Art. 1º - Alterar a redação do parágrafo 2º artigo 12 do Regimento Geral da Universidade: Resolução n 225, de 21 de junho 2016. Aprova emendas ao Regimento Geral da Universidade, cria setores e dá outras providências. O Conselho Universitário CONSUNI, da Universidade do Planalto Catarinense

Leia mais

9. ORGANIZAÇÂO ADMINISTRATIVA

9. ORGANIZAÇÂO ADMINISTRATIVA 9. ORGANIZAÇÂO ADMINISTRATIVA 9.1 Estrutura Organizacional, Instâncias de Decisão e Organograma Institucional e Acadêmico (conforme Estatuto e Regimento Geral). O Instituto Federal de Ciência e Tecnologia

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2015. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO

Leia mais

FACULDADE BRASILEIRA Credenciada pela Portaria/MEC N o 259 de D.O.U. de

FACULDADE BRASILEIRA Credenciada pela Portaria/MEC N o 259 de D.O.U. de REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE BRASILEIRA Capítulo I Da Comissão Própria de Avaliação CPA Art. 1º - A Comissão Própria de Avaliação CPA rege-se pela legislação vigente, (Lei 10.861/2004,

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CURSO GRADUAÇÃO EM DIREITO CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS E DAS CARACTERÍSTICAS

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CURSO GRADUAÇÃO EM DIREITO CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS E DAS CARACTERÍSTICAS REGULAMENTO DO TRABALHO DE CURSO GRADUAÇÃO EM DIREITO Dispõe sobre a forma de operacionalização do Trabalho de Curso do Curso de Direito da Pontifícia Universidade Católica de Goiás, de acordo com o Regulamento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CINFÃES Ano Letivo 2012/2013 REGIMENTO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CINFÃES Ano Letivo 2012/2013 REGIMENTO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA REGIMENTO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA Regimento da Comissão de Avaliação Interna Preâmbulo O conteúdo do presente Regimento resulta do desenvolvimento de uma conceção de avaliação justa e cooperativa

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE CLASSE

REGULAMENTO DO CONSELHO DE CLASSE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, SOCIAIS E AGRÁRIAS COLÉGIO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS REGULAMENTO DO

Leia mais

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo 2013-2017 O departamento curricular do 1º ciclo, nos termos do Regulamento Interno, aprova o seguinte regimento, definindo as respetivas regras de organização

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE DOS CURSOS TÉCNICOS DO IFPE RECIFE, 2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS APLICADAS E EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS APLICADAS E EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS APLICADAS E EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA Portaria nº. 01/10 - CCE Regulamenta os conteúdos complementares flexíveis, fixados no

Leia mais

MINUTA REGULAMENTO- DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA INCLUSÃO DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS PRESENCIAIS DO IFG

MINUTA REGULAMENTO- DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA INCLUSÃO DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS PRESENCIAIS DO IFG MINUTA REGULAMENTO- DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA INCLUSÃO DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS PRESENCIAIS DO IFG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR Ano Letivo: 2012 / 2013 ÍNDICE CAPÍTULO I PÁG. ÂMBITO 3 CAPÍTULO I I Conselho de Docentes 3 CAPÍTULO III Competências

Leia mais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Escola Básica 2/3 Martim de Freitas. Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Escola Básica 2/3 Martim de Freitas. Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Escola Básica 2/3 Martim de Freitas Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais 2009/2013 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS REGIMENTO

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DE DIAMANTINO. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses.

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DE DIAMANTINO. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DE DIAMANTINO 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica (3) (4) (5) previsão de alunos por turma em disciplina teórica de, no máximo, 80. relação aluno por docente,

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA

PROGRAMA DE MONITORIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL PROGRAMA DE MONITORIA Agosto/2010 2 1. O QUE É MONITORIA A Monitoria é a modalidade de ensino-aprendizagem,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB Pró-Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação PPG Avenida Silveira Martins, nº Cabula

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB Pró-Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação PPG Avenida Silveira Martins, nº Cabula UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB Pró-Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação PPG Avenida Silveira Martins, nº 2555 - Cabula REGIMENTO DO COMITÊ INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Capítulo

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA PRATICA DE DOCÊNCIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PPGEd) DA UNOESC CAPÍTULO I

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA PRATICA DE DOCÊNCIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PPGEd) DA UNOESC CAPÍTULO I MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA PRATICA DE DOCÊNCIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PPGEd) DA UNOESC CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DO OBJETIVO DA PRÁTICA DE DOCÊNCIA Art. 1º A Prática de Docência constitui

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA NORMA PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I - Das Disposições Preliminares Art. 1 - A presente norma tem como objetivo regulamentar a realização de Trabalho

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 906/2012

RESOLUÇÃO N.º 906/2012 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) RESOLUÇÃO N.º 906/2012 Publicada no D.O.E. de 07-06-2012, p. 56/57 Estabelece normas para distribuição da carga horária, acompanhamento

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MS/ME Nº 3.019, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2007

PORTARIA INTERMINISTERIAL MS/ME Nº 3.019, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2007 PORTARIA INTERMINISTERIAL MS/ME Nº 3.019, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2007 Dispõe sobre o Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde - Pró-Saúde - para os cursos de graduação da área

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (CONPPG) TÍTULO I - DO OBJETIVO DO REGIMENTO

REGIMENTO DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (CONPPG) TÍTULO I - DO OBJETIVO DO REGIMENTO REGIMENTO DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (CONPPG) TÍTULO I - DO OBJETIVO DO REGIMENTO Art. 1º. Este Regimento estabelece a constituição, a competência e o funcionamento do Conselho

Leia mais

DELIBERAÇÃO CRF-RJ nº706 / 2010

DELIBERAÇÃO CRF-RJ nº706 / 2010 DELIBERAÇÃO CRF-RJ nº706 / 2010 Aprova o Regulamento das Câmaras Técnicas do CRF-RJ e dá outras providências. O ESTADO DO RIO DE JANEIRO / CRF-RJ, no uso de suas atribuições legais e em conformidade com

Leia mais

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS)

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) Preâmbulo De acordo com a legislação em vigor e o regulamento

Leia mais

ASSUNTO: REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA NEAD.

ASSUNTO: REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA NEAD. Processo CONSUN Nº 009-2011 ASSUNTO: REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA NEAD. PROTOCOLADO EM: 24/03/2011 INTERESSADO: Universidade do Contestado PROCEDÊNCIA: Reitoria COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ Colegiado do Curso de Agronomia. Resolução No.04 de 30 de julho de 2014

Universidade Federal do Rio Grande do Norte ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ Colegiado do Curso de Agronomia. Resolução No.04 de 30 de julho de 2014 Universidade Federal do Rio Grande do Norte ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ Colegiado do Curso de Agronomia Resolução No.04 de 30 de julho de 2014 Dispõe sobre os critérios e funcionamento das atividades integradoras

Leia mais

Orientações para Construção do Projeto Político Pedagógico. Lílian Lessa Andrade Lino

Orientações para Construção do Projeto Político Pedagógico. Lílian Lessa Andrade Lino Orientações para Construção do Projeto Político Pedagógico Lílian Lessa Andrade Lino Objetivos Discutir os objetivos do Projeto Político Pedagógico do Curso (PPC) baseado nas Diretrizes Curriculares do

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO DA UFF OFERECIDO NO ÂMBITO DO CEDERJ

REGULAMENTO GERAL DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO DA UFF OFERECIDO NO ÂMBITO DO CEDERJ COORDENAÇÃO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO A DISTÂNCIA DA UFF OFERECIDO NO ÂMBITO DO CEDERJ INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO GERAL DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS

Leia mais

ROTEIRO PROPOSITIVO Proposta Preliminar de Estrutura e Organização do Documento-Referência

ROTEIRO PROPOSITIVO Proposta Preliminar de Estrutura e Organização do Documento-Referência ROTEIRO PROPOSITIVO Proposta Preliminar de Estrutura e Organização do Documento-Referência Introdução: Proposta preliminar construída a partir do documento final da Conae 2014, do PNE e das contribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 017/ CONSELHO SUPERIOR

RESOLUÇÃO Nº 017/ CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 017/2015 - CONSELHO SUPERIOR Regulamenta o desenvolvimento das Atividades Teórico-Práticas de Aprofundamento em áreas específicas de interesse do estudante dos cursos de licenciatura do IFPI.

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual nº de CONSELHO UNIVERSITÁRIO - CONSU

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual nº de CONSELHO UNIVERSITÁRIO - CONSU O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU, no uso de suas atribuições, em conformidade com a Lei Estadual nº 7.176/97, publicada no D.O.E. de 11 de setembro de 1997, c/c/ o Artigo 6º do Decreto Estadual

Leia mais

RESOLUÇÃO TGT Nº 06/2015

RESOLUÇÃO TGT Nº 06/2015 ANO XLV N. 098 14/07/2015 SEÇÃO IV PÁG. 076 RESOLUÇÃO TGT Nº 06/2015 Niterói, 24 de junho de 2015 O Colegiado do Curso de Graduação em Engenharia de Telecomunicações, em reunião ordinária de 24/06/2015,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/PPGEDU, DE JULHO DE 2013.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/PPGEDU, DE JULHO DE 2013. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/PPGEDU, DE JULHO DE 2013. Define as modalidades de Atividades Curriculares Complementares do Programa de Pós-Graduação em Educação. A Comissão de Pós-Graduação, no uso de suas

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições;

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 08/2012 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

REGULAMENTO DA MONITORIA. para o exercício da Monitoria nos Cursos de Graduação da Universidade Iguaçu. discentes; magistério superior.

REGULAMENTO DA MONITORIA. para o exercício da Monitoria nos Cursos de Graduação da Universidade Iguaçu. discentes; magistério superior. i.e PRÓ-REITORIA ACADÊMICA REGULAMENTO DA MONITORIA Art. 1º. O presente regulamento estabelece as regras para o exercício da Monitoria nos Cursos de Graduação da Universidade Iguaçu UNIG, por meio de programas

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SÃO JUDAS TADEU ISESJT. RESOLUÇÃO CONSUP Nº 03/2014 Floriano, 10 de janeiro de 2014.

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SÃO JUDAS TADEU ISESJT. RESOLUÇÃO CONSUP Nº 03/2014 Floriano, 10 de janeiro de 2014. INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SÃO JUDAS TADEU ISESJT RESOLUÇÃO CONSUP Nº 03/2014 Floriano, 10 de janeiro de 2014. Fixa normas para o Programa de Iniciação Científica, no Instituto Superior de Educação

Leia mais

Art. 1º Aprovar, em extrato, o Instrumento de Avaliação para Reconhecimento de Cursos Superiores de Tecnologia, anexo a esta Portaria.

Art. 1º Aprovar, em extrato, o Instrumento de Avaliação para Reconhecimento de Cursos Superiores de Tecnologia, anexo a esta Portaria. SIC 01/09 Belo Horizonte, 06 de janeiro de 2009. RECONHECIMENTO. CURSOS DE TECNOLOGIA, BACHARE- LADO E LICENCIATURA, E DIREITO. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PORTARIAS Nºs 1, 2 E 3, PUBLICADAS DIA 06/01/09

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CPE/EPSJV

REGIMENTO INTERNO DO CPE/EPSJV REGIMENTO INTERNO DO CPE/EPSJV Das Finalidades Art. 1º. O Conselho de Política Editorial (CPE) da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, da Fundação Oswaldo Cruz (EPSJV/Fiocruz), instituído pela

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAUDE COLEGIADO DE FARMACIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAUDE COLEGIADO DE FARMACIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAUDE COLEGIADO DE FARMACIA INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01/2011 Revoga a resolução 03/2007 e estabelece as normas referentes ao Trabalho de Conclusão

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP ANEXO II REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP CAPÍTULO I DA FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E LETRAS COORDENAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO MANUAL DE MONITORIA

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E LETRAS COORDENAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO MANUAL DE MONITORIA MANUAL DE MONITORIA A Coordenação de Ensino, Pesquisa e Extensão da Faculdade FACEL acredita na importância do processo de monitoria para o desenvolvimento dos acadêmicos, desta forma estabeleceu uma normatização

Leia mais

Art. 1º - Estabelecer as normas para implementação de Cursos e Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu.

Art. 1º - Estabelecer as normas para implementação de Cursos e Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Av. Ville Roy, 5315 Bairro São Pedro 69.301-001 - Boa Vista/RR Fone (095)621-3108 Fax (095)621-3101 Resolução

Leia mais

1º. As AACC, conforme previstas no projeto pedagógico do curso poderão ser desenvolvidas ao longo de todo o percurso formativo.

1º. As AACC, conforme previstas no projeto pedagógico do curso poderão ser desenvolvidas ao longo de todo o percurso formativo. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS DOS CURSOS DE LICENCIATURA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAMPUS BARBACENA Art. 1º. As Atividades

Leia mais

REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA

REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DO CENFORMA 2 Artigo 1.º Definição 1. O Regimento Interno da Secção de Formação e

Leia mais

Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA

Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA 1. Quais são os requisitos para obtenção de bolsa monitoria? a) o discente deve estar regularmente matriculado no período letivo em

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE FARMÁCIA. Seção I Do Colegiado e seus fins

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE FARMÁCIA. Seção I Do Colegiado e seus fins REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE FARMÁCIA Seção I Do Colegiado e seus fins Art. 01. O Colegiado do Curso de Graduação em Farmácia do IMS/UFBA é regido por este Regimento, observadas as disposições

Leia mais

Professores do PED criam Mestrado Profissional em Educação: Formação de Formadores. Marli Eliza Dalmazo Afonso de André

Professores do PED criam Mestrado Profissional em Educação: Formação de Formadores. Marli Eliza Dalmazo Afonso de André Compartilhando... Professores do PED criam Mestrado Profissional em Educação: Formação de Formadores Marli Eliza Dalmazo Afonso de André Com muitos anos de experiência na formação de mestrandos e doutorandos

Leia mais

ANEXO IV FORMULÁRIO DE PONTUAÇÃO POR CRITÉRIO. Fator de pontuação

ANEXO IV FORMULÁRIO DE PONTUAÇÃO POR CRITÉRIO. Fator de pontuação RECONHECIMENTO DE SABERES E COMPETÊNCIAS RSC I ANEXO IV FORMULÁRIO DE PONTUAÇÃO POR CRITÉRIO Fator de pontuação Unidade Quantidade Máximas de unidades Quantidade de unidades comprovadas obtida I - Experiência

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 68ª Reunião Ordinária, realizada no dia 22 de outubro de 2015, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 004, DE 8 DE ABRIL DE 2015. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS

REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS DE TURMA / NÚCLEO ANO LETIVO 2015/ 2016 O Regimento Interno dos Conselhos de Turma/ Núcleo do Ensino Básico, tendo em conta o Regulamento Interno da Escola, define o regime

Leia mais

Avaliação Institucional Docentes

Avaliação Institucional Docentes Avaliação Institucional Docentes A avaliação é um processo fundamental para a qualidade do trabalho desenvolvido nas Instituições de Ensino Superior. Nesse sentido, a Comissão Própria de Avaliação (CPA)

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 22 DE MARÇO DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 22 DE MARÇO DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.262, DE 22 DE MARÇO DE 2012 Institui o Regulamento para a realização dos Estágios Supervisionados,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO NUTRIÇÃO. Seção I Do Colegiado e seus fins

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO NUTRIÇÃO. Seção I Do Colegiado e seus fins Colegiado de Nutrição REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO NUTRIÇÃO Seção I Do Colegiado e seus fins Art. 01. O Colegiado do Curso de Graduação em Nutrição do IMS/UFBA é regido por este Regimento,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CPA/FACHASUL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CPA/FACHASUL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CPA/FACHASUL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este Regimento, disciplina a organização e o funcionamento da Comissão Própria

Leia mais

ORIENTAÇÕES AVALIAÇÃO DA EQUIPE PRONATEC

ORIENTAÇÕES AVALIAÇÃO DA EQUIPE PRONATEC MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO- PRONATEC

Leia mais

Das atividades, atribuições e carga horária

Das atividades, atribuições e carga horária Edital de abertura de inscrições para o processo de qualificação de candidatos à função de Coordenador de Área Responsável pelo Núcleo de Gestão Pedagógica e Acadêmica das Escolas Técnicas do Centro Estadual

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MATO GROSSO CONSELHO ESCOLAR REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MATO GROSSO CONSELHO ESCOLAR REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MATO GROSSO CONSELHO ESCOLAR REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Conselho Escolar da ESP/MT tem por finalidade

Leia mais

FACULDADE FAUC/AUM CURSO EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

FACULDADE FAUC/AUM CURSO EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) 1 FACULDADE FAUC/AUM CURSO EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) 1 DEFINIÇÕES GERAIS 1.1 De acordo com o regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do Projeto

Leia mais

Portaria nº 98, de 11 de outubro de 2007

Portaria nº 98, de 11 de outubro de 2007 Portaria nº 98, de 11 de outubro de 2007 Disciplina as formas de colaboração e os procedimentos de escolha dos consultores científicos para fins do assessoramento tratado no artigo 3º do Estatuto da CAPES.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE PSICOLOGIA. Seção I Do Colegiado e seus fins

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE PSICOLOGIA. Seção I Do Colegiado e seus fins REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE PSICOLOGIA Seção I Do Colegiado e seus fins Art. 01. O Colegiado do Curso de Graduação em Psicologia do IMS/UFBA é regido por este Regimento, observadas as

Leia mais

Regimento. Conselhos de Turma dos Cursos Profissionais e CEF. Capítulo I Enquadramento, composição e competências. Artigo 1º. Enquadramento.

Regimento. Conselhos de Turma dos Cursos Profissionais e CEF. Capítulo I Enquadramento, composição e competências. Artigo 1º. Enquadramento. Capítulo I Enquadramento, composição e competências Artigo 1º Enquadramento 1. O presente documento estabelece o Regimento Interno de funcionamento dos Profissionais e dos Cursos de Educação e Formação.

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO

CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este Regulamento apresenta a definição, os objetivos, a caracterização e a explicitação das condições

Leia mais

ETAPAS E CRONOGRAMA DO PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO

ETAPAS E CRONOGRAMA DO PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO ETAPAS E CRONOGRAMA DO PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO ETAPA ATUAL: PROPOSIÇÕES DATA 12 e 15 de Abril Locais: Paranavaí e Curitiba Maio a julho (em cada Colegiado) ENCONTRO, ATIVIDADE E CONTEÚDOS 2º Encontro

Leia mais

REGIMENTO GERAL DO CENTRO UNIVERSITÁRIO RITTER DOS REIS SUMÁRIO TÍTULO II... 4 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 4 DA ADMINISTRAÇÃO...

REGIMENTO GERAL DO CENTRO UNIVERSITÁRIO RITTER DOS REIS SUMÁRIO TÍTULO II... 4 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 4 DA ADMINISTRAÇÃO... 1 REGIMENTO GERAL DO CENTRO UNIVERSITÁRIO RITTER DOS REIS SUMÁRIO TÍTULO I... 4 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 4 TÍTULO II... 4 DA ADMINISTRAÇÃO... 4 CAPÍTULO I... 5 DO CONSELHO SUPERIOR - CONSUPE...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PORTARIA Nº08/2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PORTARIA Nº08/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS PORTARIA Nº08/2010 Aprovar o Regulamento do Estágio de Prática Jurídica. O Chefe do Departamento de Ciências Jurídicas

Leia mais

COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO

COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO Regimento Interno Art. 1 º A Comissão de Direito Securitário é composta de: I Membros Efetivos, dentre eles o Presidente, o Vice-Presidente, Secretário e Membros Consultores;

Leia mais

LEI MUNICIPAL N 013/97. SÚMULA: Dispõe sobre a Instituição do Conselho Municipal de Saúde e dá outras providencias.

LEI MUNICIPAL N 013/97. SÚMULA: Dispõe sobre a Instituição do Conselho Municipal de Saúde e dá outras providencias. LEI MUNICIPAL N 013/97 SÚMULA: Dispõe sobre a Instituição do Conselho Municipal de Saúde e dá outras providencias. A Câmara Municipal de Carlinda, no uso de suas atribuições legais aprovou e eu, Geraldo

Leia mais

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS Art. 1º. A Rede de Controle da Gestão Pública, constituída como espaço colegiado e permanente no âmbito do Estado do Paraná, formada por órgãos/instituições integrantes

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG CALENDÁRIO DE ATIVIDADES ACADÊMICAS PEDAGÓGICAS 2014 MÊS DIA DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE RESPONSÁVEL JANEIRO 01 CONFRATERNIZAÇÃO UNIVERSAL

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PRPDI Orientação Geral O Plano de Desenvolvimento Institucional -PDI, elaborado para um período de 5

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO. Esse regulamento revoga o que foi estabelecido no mês de março do ano de 2006.

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO. Esse regulamento revoga o que foi estabelecido no mês de março do ano de 2006. TCC TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO O aluno do curso de Nutrição da Anhanguera Brasília, desenvolve o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) nas disciplinas de Projeto e TCC em que o aluno realiza

Leia mais

PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO

PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO DE ESTUDOS DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CEPAC

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH

Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1º O Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH (NAPMED-BH) foi criado

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) DA UNIVERSIDADE

Leia mais

1.5. O candidato deverá indicar, no ato da inscrição, a área a qual está se candidatando.

1.5. O candidato deverá indicar, no ato da inscrição, a área a qual está se candidatando. EDITAL Nº 009/2016 SELEÇÃO DE MEMBROS DA COMISSÃO PERMANENTE DE ASSESSORIA DO ENADE DA FATENE Edital de Seleção de membros que constituirão a Comissão Permanente de Assessoria preparatória para o Exame

Leia mais

Regimento do Curso de Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia de Alimentos. Da Natureza, Finalidades e Objetivos

Regimento do Curso de Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia de Alimentos. Da Natureza, Finalidades e Objetivos Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Campus Rio Pomba Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE GRADUAÇÃO - BACHARELADO EM ESTATÍSTICA

REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE GRADUAÇÃO - BACHARELADO EM ESTATÍSTICA Anexo II REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE GRADUAÇÃO - BACHARELADO EM ESTATÍSTICA Capítulo I Constituição e Objetivos Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso,

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Vitória da Conquista, Sala de Reuniões do CONSU, 14 de agosto de 2013.

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Vitória da Conquista, Sala de Reuniões do CONSU, 14 de agosto de 2013. Salvador, Bahia Quarta-feira 4 de Setembro de 2013 Ano XCVII N o 21.227 RES. RESOLUÇÃO CONSU N.º 07/2013 O Conselho Universitário - CONSU da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, no uso de

Leia mais

PR Ministério da Educação

PR Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Reitoria Diretoria de Gestão da Comunicação REGULAMENTO DA EDITORA DA UTFPR TÍTULO I DA NATUREZA

Leia mais

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO

Leia mais