Sistema de Monitoração Remota de Pacientes em Tempo-Real Através da Intranet do Hospital

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Monitoração Remota de Pacientes em Tempo-Real Através da Intranet do Hospital"

Transcrição

1 Sistema de Monitoração Remota de Pacientes em Tempo-Real Através da Intranet do Hospital Rafael Eduardo Ruviaro Christ 1, Marcus Vinícius Mazega Figueredo 2, Thiago Bassani 3, João da Silva Dias 4, Júlio César Nievola 5 2,4 Laboratório de Informática em Saúde, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), Brasil 1,3,5 Laboratório de Sistemas Inteligentes, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), Brasil Resumo - A telemedicina está provocando um grande impacto no monitoramento remoto de pacientes. Atualmente, a disponibilidade de tecnologias sofisticadas de comunicação permite que um número crescente de indivíduos acesse informações e sistemas de controle que melhoram sua qualidade de vida. O advento de equipamentos eletromédicos implicou no aumento de informações médicas disponíveis. Contudo, a maioria desses equipamentos utiliza uma interface serial RS232, tendo a sua conectividade restringida pelas limitações dessa tecnologia. O presente artigo apresenta um sistema de telemedicina que utiliza um monitor de pacientes comercial e o protocolo UDP para permitir a monitoração remota de pacientes em tempo-real através da Intranet de um hospital. A aplicação foi desenvolvida em uma arquitetura cliente-servidor com as linguagens de programação C e Java. Objetivou-se a transmissão e visualização em tempo-real de sinais vitais, definindo-se metodologias de testes baseadas em métodos estatísticos para se determinar a confiabilidade do sistema. Todo o desenvolvimento do sistema é descrito neste artigo, focando-se sempre a importância deste para a informática em saúde e a telemedicina. Palavras-chave: Telemedicina, Monitoração de Pacientes, Tempo-Real, ECG, Sinais Vitais, Intranet, UDP. Abstract The recent advances of telemedicine are increasing the quality of the remote patient monitoring. Nowadays, the availability of sophisticated communication technologies is allowing that a significant number of people access information and systems that improve their life quality. The advent of electromedical devices implicates in the increase of available medical information. Nevertheless, as most of this equipment utilizes RS232 interfaces, there is still low connectivity with telemedical systems. This paper aims to describe a real-time patient monitoring system through the hospital s Intranet. The application was developed in client-server architecture with C and Java programming languages. The system aims the real-time transmission and visualization of vital signals. The reliability of the application is presented through statistics measures. The entire development, involving programming techniques and tests, is described, always focusing the importance of this work to the medical informatics and the telemedicine. Keywords: Telemedicine, Patient Monitoring, Real-Time, ECG, Vital Signals, Intranet, UDP. Introdução A medicina vem sendo profundamente afetada pelas mudanças do mundo. Particularmente, os recentes avanços nas tecnologias de comunicações estimularam o desenvolvimento e a apresentação de projetos de telemedicina [1]. De fato, o termo telemedicina remete à utilização das telecomunicações nos diagnósticos médicos e no atendimento ao paciente [2]. Ela também pode ser descrita como o transporte de informações médicas digitais entre duas locações [3]. Essa última definição possui um significado especial, uma vez que recorre ao conceito da informação médica. O advento dos novos equipamentos eletromédicos (e.g. o monitor de pacientes) implicou no aumento da aquisição dos sinais vitais, que são informação médica. Todavia, esses equipamentos não foram, de maneira geral, projetados visando a sua utilização em sistemas informatizados de monitoração remota. Assim, a sua capacidade de comunicação remota, muitas vezes, resume-se a uma interface RS232. Adicionalmente, não existe, na prática, um padrão de comunicação, de forma que cada fabricante implementa o seu próprio protocolo. Apesar desses

2 obstáculos, a utilização de equipamentos eletromédicos comerciais representa um grande auxílio no projeto de sistemas de telemedicina [4]. A utilização da Internet/Intranet pelos profissionais da saúde e seus pacientes vem aumentando de forma significativa nos últimos anos [5]. Os protocolos da Internet/Intranet, como o TCP/IP e o UDP, são comuns no desenvolvimento de aplicações do dia-a-dia, de forma que representam ferramentas altamente testadas e qualificadas para a transmissão de informações. Os sinais vitais como o sinal de eletrocardiograma (ECG), a freqüência cardíaca e a temperatura, entre outros também podem ser divididos em pacotes e transmitidos com o protocolo UDP, por exemplo. Assim, o presente artigo apresenta o desenvolvimento de um sistema de telemedicina que utiliza um monitor comercial de pacientes e o protocolo UDP para permitir a transmissão de sinais vitais e a monitoração remota de pacientes. São apresentados os desafios encontrados na aquisição dos sinais, a arquitetura utilizada e as metodologias de testes. Finalmente, o trabalho discute os avanços realizados e propõe novos passos para o desenvolvimento de sistemas de telemedicina. Metodologia O sistema foi projetado como uma arquitetura cliente-servidor, conforme esquematizado na Figura 1. Os sinais vitais do paciente são adquiridos pelo monitor de pacientes. O equipamento médico comunica-se com um servidor através de sua Figura 1 Diagrama esquemático do sistema

3 interface serial. O servidor trata essa informação, disponibilizando-a para um cliente remoto. Finalmente, a aplicação cliente permite a visualização dos sinais vitais transmitidos, permitindo também que estes sejam salvos em um arquivo estruturado. Aquisição dos Sinais: O monitor de pacientes é o equipamento mais importante de diagnóstico nas unidades de terapia intensiva (UTIs) dos hospitais, provendo monitoração contínua e interpretação das funções vitais do paciente. A rápida evolução da eletrônica e da tecnologia de informação resulta em monitores capazes de processamento complexo e interpretação dos sinais, além de serem equipados com algum tipo de interface de comunicação [6]. No sistema proposto, utilizou-se o monitor de pacientes Welch Allyn Atlas. O equipamento, além das funções de monitoramento usuais, oferece uma interface serial RS232 com conector RJ45. A arquitetura oferece a possibilidade de dois protocolos de comunicação: o protocolo Welch Allyn e o protocolo Pangea. Nesse projeto, optou-se pela utilização do último, em função da sua melhor documentação. Servidor: O servidor é responsável por adquirir os sinais vitais do monitor de pacientes via interface serial e transmiti-los para o cliente via protocolo UDP. Seu funcionamento é apresentado na Figura 2. Uma vez que a aquisição e a transmissão dos sinais vitais são processos concorrentes, resolveu-se utilizar uma thread para cada tarefa. A Thread I gerencia a comunicação serial entre o servidor e o monitor de pacientes. Primeiramente, ela configura o monitor de pacientes sobre quais sinais vitais deverão ser disponibilizados e a velocidade de transmissão. Com isso, a aquisição de sinais pode ser iniciada. A Thread I trata cada nova informação na porta serial, colocando-a em uma fila circular. A fila circular implementa o algoritmo de exclusão mútua, evitando a sobrescrita de dados. A Thread II controla a comunicação com o cliente. Antes de iniciar a transmissão, ela abre um socket no cliente. Enquanto a fila circular não estiver vazia, a Thread II retira um dado da mesma, inserindo-o em um pacote UDP. Esse pacote é então transmitido ao cliente. Protocolo UDP: O User Datagram Protocol (UDP) é um protocolo de transporte não orientado à conexão, ou seja, ao contrário do Transport Control Protocol (TCP), ele não verifica se o pacote de dados chegou ou não ao seu destino [7]. Ele é bastante útil em ocasiões onde o TCP seria muito complexo, lento ou desnecessário [8]. Em função da característica de tempo-real do escopo do projeto, optou-se pela utilização do UDP. Essa Figura 2 Funcionamento do servidor escolha implicou na necessidade de um método de verificação de perda de pacotes, fazendo-se uma análise estatística dos mesmos, a fim de determinar a probabilidade da ocorrência de erros. Esses dados estão compilados na seção de Resultados. Cliente: O cliente remoto é responsável pela recepção e tradução dos pacotes UDP. O sistema desenvolvido possui uma thread que observa o socket de recepção e armazena os pacotes recebidos em uma fila. Em seguida, esses pacotes são ordenados, detectando-se perdas de dados. Após a verificação, os pacotes são identificados e armazenados em disco. Os sinais contínuos ou discretos são mostrados em uma interface Applet. Pode-se, assim, observar o histórico de sinais discretos ou, então, analisar o eletrocardiograma utilizando o controle de escala. Utilizou-se a linguagem Java por ser uma plataforma

4 erro toda a perda de pacote detectada. Os dados foram compilados em uma análise estatística. Resultados Figura 3 Estrutura da rede independente que facilita o acesso a recursos médicos em ambientes heterogêneos [9]. Testes: O sistema foi testado em uma rede Ethernet de 100Mbps com a arquitetura apresentada na Figura 3. O servidor e o cliente localizam-se em sub-redes distintas, conectadas através dos roteadores A e B. As transmissões foram realizadas por tempos específicos. Nesses períodos, foram mensurados os pacotes transmitidos e os erros ocorridos. Tratou-se como O sistema foi desenvolvido de acordo com as especificações descritas anteriormente. A Figura 4 apresenta a aplicação cliente, desenvolvida em Java. Os sinais vitais que estão disponíveis para monitoração são descritos na Tabela 1. A Tabela 2, por sua vez, apresenta a configuração da comunicação serial. Mediu-se o tráfego da rede durante a execução do sistema. Em média, a comunicação UDP utilizou uma largura de banda de 8,4Kbps durante a transmissão. A Figura 5 apresenta um gráfico com a utilização do meio pela comunicação UDP proveniente do sistema proposto. Foram realizadas 50 amostras de testes. Cada amostra envolveu a transmissão de pacotes de dados. Foi quantificada a ocorrência de erros em cada amostra. Obteve-se 49 erros para cada pacotes, em média. O desvio padrão foi calculado em 2,38. Destes erros, 93,6% ocorreram isoladamente. Discussão e Conclusões A análise da transmissão constatou que o Figura 4 Aplicação cliente monitorando um paciente

5 Figura 5 Largura da banda utilizada. Tabela 1 Sinais Vitais Transmitidos Sinal Vital Unidade Freqüência Cardíaca 1/min Oxigenação Sangüínea % Freqüência Respiratória 1/min Pressão Sistólica mmhg Pressão Diastólica mmhg Pressão Arterial Média mmhg Sinal de ECG (3 derivações) 40 amostras/s Freqüência do Pulso 1/min Temperatura Graus Celsius Tabela 2 Configuração da Interface Serial Parâmetro Configuração Conexão RJ45 Bits por Segundo Bits de Dados 8 Paridade Nenhuma Bits de Parada 1 Controle de Fluxo Nenhum sistema consome uma pequena banda da rede, na ordem de 8,4Kbps. O baixo uso da rede decorre da taxa de transmissão serial fornecida pelo monitor de pacientes (9.600bps). Uma vez que a interface serial representa a fonte dos dados, pode-se assumir que a comunicação pela rede não pode ultrapassá-la. O gasto irrisório de recursos para a transmissão caracteriza um ponto forte do modelo proposto. Em geral, sistemas de telemedicina tendem a sobrecarregar a estrutura de comunicação de que fazem uso. A baixa utilização do meio de comunicação acarreta a pequena ocorrência de erros (0,049%). Para os sinais de ECG, constatou-se que a ocorrência de erros isolados não afeta drasticamente o desenho do sinal na tela. A onda só passa a ser representada de forma errônea, de fato, quando há ocorrência de duas ou mais perdas de pacotes contíguos. Esse evento ocorre em 6,4% dos casos do universo de erros, o que representa 0,003136% do total de pacotes transmitidos. Assim, pode-se afirmar que o sistema é confiável para a transmissão de sinais de ECG. A perda de pacotes de outros sinais vitais não implica em erro, acarretando apenas o atraso da atualização dos dados. É relevante ressaltar que os testes ocorreram em um ambiente controlado e favorável, que não corresponde fielmente ao ambiente da Internet, por exemplo. No contexto da Internet, a perda e o atraso de pacotes UDP tende a ser muito mais comum. Todavia, dentro de um hospital, pode-se projetar um ambiente de rede com condições tão favoráveis quanto às apresentadas durante os testes. Dentro da Intranet do hospital, torna-se possível utilizar os conceitos de qualidade de serviço e de redes virtuais (VLANs) específicas, o

6 que pode reduzir ainda mais as probabilidades de erros na transmissão dos pacotes UDP. A análise da transmissão comprovou a baixa taxa de erros em uma Intranet. O próximo passo do projeto é estender essa qualidade de transmissão para a Internet. Dessa forma, novas pesquisas devem ser realizadas considerando-se outras tecnologias de transmissão, como o Real-Time Protocol (RTP), por exemplo. Esse padrão vem sendo utilizado com ótimo êxito em aplicações de transmissão de voz e vídeo. Uma vez que se comprovou a baixa utilização de recursos da rede, pode-se, inclusive, cogitar a utilização do protocolo TCP, para testes. É possível que, em função da pequena taxa de transmissão, o uso desse protocolo não afete de forma significativa o desempenho da rede, como havia sido suposto anteriormente. A utilização de monitores de pacientes como geradores de dados representa um grande avanço no projeto de sistemas de telemedicina [4]. Uma vez que esses equipamentos são comumente encontrados em hospitais, torna-se menos onerosa a aplicação prática de um projeto. Os monitores possuem qualidade comprovada, o que permite que a equipe de desenvolvimento concentre-se em outras partes críticas do sistema. Atualmente, existem diversos projetos de informática em saúde que necessitam da aquisição automática de sinais vitais. Muitos deles são aplicações de apoio à decisão médica e de monitoramento inteligente de pacientes. Esses sistemas poderiam se aproveitar do projeto proposto através da utilização de padrões de comunicação abertos, como o European Data Format (EDF/EDF+) e a Extensible Markup Language (XML). Esse campo de pesquisa tem obtido ótimos resultados [10]. Agradecimentos Os autores gostariam de agradecer ao Professor Carlos Marcelo Pedroso, MSc, ao Professor Díbio Leandro Borges, PhD e ao Professor Lau Cheuk Lung, PhD pelo apoio oferecido durante a elaboração do presente trabalho. Referências [1] Bai, J., Hu, B., Zhang, Y., Ye D. (1997), "A Communication Server for Telemedicine Applications", IEEE Transactions on Information Technology, v. 1, n. 3, p [2] Lin, J.C. (1999), "Applying Telecommunication technology to Health-Care Delivery: The Current Status and Challenges of Telemedicine", IEEE Engineering in Medicine and Biology, v. 18, n. 4, p , julho/agosto. [3] Hayes, T., Kinsella, A., Brown, N., Perednia, D.A. (1996), "The Telemedicine Information Exchange", J. Telemedicine Health, v. 2, n. 1. [4] Figueredo, M.V.M., Nogueira-Neto, G.N., Dias, J.S., "Challenges Found on Interfacing Software and Electromedical Devices in Telemedicine Applications", não publicado. [5] Siau, K. (2003), "Health Care Informatics", IEEE Transactions on Information Technology in Biomedicine, v.7, n. 1, março. [6] Várady, P., Benyó, Z., Benyó, B. (2002), "An Open Architecture Patient Monitoring System Using Standard Technologies", IEEE Transations on Information Technology in Biomedicine, v. 6, n. 1, março. [7] Torres, G. (2001), Redes de Computadores Curso Completo, Rio de Janeiro: Axel Books. [8] Baccala, Brent (1997). UDP Protocol Overview. [http://www.freesoft.org/cie/topics/85.htm]. Acessado em julho [9] Fedyukin, I.V., Reviakin, Y.G., Orlov, O.I., Doarn, C., Harnett, B.M., Merrell, R.C. (2002), "Experience in the Application of Java Technologies in Telemedicine", Journal of Applied Health Technology ehealth International. [10] Figueredo, M.V.M., Nogueira-Neto, G.N., Dias, J.S., "A Codification Scheme for Vital Signals Exchange and Telemedicine Applications Using EDF+ and XML Standards", não publicado. Contato Os autores são pesquisadores do Laboratório de Informática em Saúde e do Laboratório de Sistemas Inteligentes, ambos na Pontifícia Universidade Católica do Paraná, localizada na Rua Imaculada Conceição, 1155, Prado Velho, Curitiba, PR, CEP: Eles podem ser contatados pelo telefone (41) ou pelos seus s: {rafaelchrist, marcus, tbassani, jdias,

Monitoração de Sinais de ECG pela Internet em Tempo Real

Monitoração de Sinais de ECG pela Internet em Tempo Real Monitoração de Sinais de ECG pela Internet em Tempo Real Samir Bonho 1, Daniel Kolm 1, J.F.R. Baggio 1, Leandro Schwarz 1, Raimes Moraes 1 1 Instituto de Engenharia Biomédica, Universidade Federal de Santa

Leia mais

Middleware para Monitoramento e Envio de Alertas Aplicado ao Ambiente Hospitalar

Middleware para Monitoramento e Envio de Alertas Aplicado ao Ambiente Hospitalar Middleware para Monitoramento e Envio de Alertas Aplicado ao Ambiente Hospitalar Bruno G. de Araújo 13, Cicília R. M. Leite 23, Anna G. C. D. Ribeiro 3, João M. T. Lacerda 3, Ricardo A. de M. Valentim

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Função A camada de Transporte fica entre as camadas de nível de aplicação (camadas 5 a 7) e as de nível físico

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Monitoramento e Controle Remotos do Microclima de uma Adega: Interface Programada em Java

Monitoramento e Controle Remotos do Microclima de uma Adega: Interface Programada em Java Monitoramento e Controle Remotos do Microclima de uma Adega: Interface Programada em Java Anderson P. Colvero 1, Guilherme P. Silva 1, Humberto B. Poetini 1 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores

Leia mais

Proposta de uma técnica de controle para o Monitoramento Remoto de Sinais vitais em sistemas embarcados

Proposta de uma técnica de controle para o Monitoramento Remoto de Sinais vitais em sistemas embarcados 317 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Proposta de uma técnica de controle para o Monitoramento Remoto de Sinais vitais em sistemas embarcados Poliana Francibele de Oliveira Pereira, Alexandre

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1)

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1) Modelo de Referência OSI OSI (Open Systems Interconnection) Criado pela ISO (International Standards Organization) É um modelo abstrato que relaciona funções e serviços de comunicações em sete camadas.

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 5 Conclusões 133

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 5 Conclusões 133 Capítulo 5 Conclusões 133 CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES Neste capítulo são abordadas as conclusões traçadas no desenvolvimento e validação do SMD, e indicação de estudos futuros. Ressalta-se o atendimento aos

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas

Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas Diego Ferreira dos Santos 1, Eduardo Tavares Costa 2, Marco Antônio Gutierrez 3 1,2 Departamento de Engenharia Biomédica (DEB),Faculdade de

Leia mais

Redes 10 Gigabit Ethernet

Redes 10 Gigabit Ethernet Redes 10 Gigabit Ethernet Ederson Luis Posselt 1, Joel Henri Walter 2 1 Instituto de Informática Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) Bairro Universitário na Av. Independência 2293 Santa Cruz do Sul

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Plataforma de Telemedicina para Aplicações de Telemonitoração

Plataforma de Telemedicina para Aplicações de Telemonitoração Plataforma de Telemedicina para Aplicações de Telemonitoração Heloísa Melo Hertzog, Jorge Guedes Silveira Grupo de Pesquisas Avançadas em Redes de Comunicação e Tecnologia da Informação Programa de Pós-Graduação

Leia mais

RECEPTOR SERIAL COM DECODIFICADOR 128 BITS PARA ACIONAMENTO/DESACIONAMENTO REMOTO DE CONSUMIDORES

RECEPTOR SERIAL COM DECODIFICADOR 128 BITS PARA ACIONAMENTO/DESACIONAMENTO REMOTO DE CONSUMIDORES RECEPTOR SERIAL COM DECODIFICADOR 128 BITS PARA ACIONAMENTO/DESACIONAMENTO REMOTO DE CONSUMIDORES Cristiane G. Langner (1,2), Juliano João Bazzo (1,3), Ivan J. Chueiri (1,2) (1)LACTEC Instituto de Tecnologia

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

FieldLogger. Apresentação

FieldLogger. Apresentação Solução Completa Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um módulo de leitura e registro de variáveis analógicas,

Leia mais

SMAD-ECG, UM SOFTWARE PARA AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO ATRAVÉS DE ECG E PRONTUÁRIO

SMAD-ECG, UM SOFTWARE PARA AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO ATRAVÉS DE ECG E PRONTUÁRIO SMAD-ECG, UM SOFTWARE PARA AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO ATRAVÉS DE ECG E PRONTUÁRIO Robson Pequeno de Sousa Doutor em Engenharia Elétrica. Professor do curso de Computação do CCT da Universidade Estadual da

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO Wilker Luiz Machado Barros¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil wilkermachado1@hotmail.com,

Leia mais

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs Rogers Rodrigues Garcia 1, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavai PR Brasil rogersgarcia@live.com, juliocesarp@unipar.br Resumo:

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Criado em 1974 Protocolo mais utilizado em redes locais Protocolo utilizado na Internet Possui arquitetura aberta Qualquer fabricante pode adotar a sua

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

CAMADA DE TRANSPORTE

CAMADA DE TRANSPORTE Curso Técnico de Redes de Computadores Disciplina de Fundamentos de Rede CAMADA DE TRANSPORTE Professora: Juliana Cristina de Andrade E-mail: professora.julianacrstina@gmail.com Site: www.julianacristina.com

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL Adson Diego Dionisio da SILVA 1, Saulo Soares de TOLEDO², Luiz Antonio Costa Corrêa FILHO³, Valderí Medeiros

Leia mais

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN CAMADA DE REDE UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN Modelo de Referência Híbrido Adoção didática de um modelo de referência híbrido Modelo OSI modificado Protocolos

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 PROTOCOLO PPP Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 RESUMO Neste trabalho é apresentado o Protocolo PPP, Suas principais características e seu funcionamento. Suas variações também são enfocadas

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO 1 COMUNICAÇÃO A COMUNICAÇÃO pode ser definida como a transmissão de um sinal através de um meio, de um emissor para um receptor. O sinal contém uma mensagem composta

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Central Controller G-50A LAN Communication Specification

Central Controller G-50A LAN Communication Specification Central Controller G-50A LAN Communication Specification IDENTIFICAÇÃO DOS COMPONENTES (G-50A frente) (G-50A verso) Figura 1.1 Desenho dos componentes Tabela 1.1 Identificação dos componentes IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil IX Seminário Técnico de Proteção e Controle 1 a 5 de Junho de 2008 Belo Horizonte Minas Gerais Brasil Diretrizes para Ensaios de Interoperabilidade e Testes Funcionais em Relés Multifuncionais Baseados

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos RCO2 Redes Locais (LANs): Características e requisitos 1 Aplicações de LANs LANs para computadores pessoais Baixo custo Taxas de transmissão limitadas Redes de conexão Interconexão de sistemas maiores

Leia mais

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes;

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes; 2.3 A CAMADA DE REDE! Fornece serviços para o nível de transporte, sendo, freqüentemente, a interface entre a rede do cliente e a empresa de transporte de dados (p.ex. Embratel).! Sua principal função

Leia mais

A INTERNET 2 NA TELEMEDICINA

A INTERNET 2 NA TELEMEDICINA A INTERNET 2 NA TELEMEDICINA Marco Antonio Gutierrez, Sérgio Shiguemi Furuie, Júlio Figueiredo, Marcos Yamaguti, InCor Instituto do Coração-HC FMUSP, São Paulo, Brasil 1. Introdução A distribuição dos

Leia mais

Conteúdo Programático. Redes de Computadores e a Internet. Avaliação. Bibliografia. Suporte da disciplina. Antônio Abelém abelem@ufpa.br.

Conteúdo Programático. Redes de Computadores e a Internet. Avaliação. Bibliografia. Suporte da disciplina. Antônio Abelém abelem@ufpa.br. Conteúdo Programático Redes de Computadores e a Internet Antônio Abelém abelem@ufpa.br 1. Introdução e Conceitos Básicos 2. Camada de Aplicação 3. Camada de Transporte 4. Camada de Rede 1: Introdução 1

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS PROFESSOR: CARLOS BECKER WESTPHALL Terceiro Trabalho

Leia mais

Redes de Computadores I Internet - Conceitos

Redes de Computadores I Internet - Conceitos Redes de Computadores I Internet - Conceitos Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2012/1 v1-2012.03.29 O que é a Internet Milhões de elementos de computação interligados: Hosts,

Leia mais

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital Histórico IEEE 1394 1986 - primeiras idéias concretas trazidas pela Apple Computers que adotou a denominação FireWire. 1987 - primeira especificação do padrão. 1995 adoção pelo IEEE do padrão IEEE 394.

Leia mais

REDES VIRTUAIS PRIVADAS

REDES VIRTUAIS PRIVADAS REDES VIRTUAIS PRIVADAS VPN Universidade Católica do Salvador Curso de Bacharelado em Informática Disciplina: Redes de Computadores Professor: Marco Antônio Câmara Aluna: Patricia Abreu Página 1 de 10

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

RESULTADOS PRELIMINARES NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA PARA MAPEAMENTO REMOTO DE RADIAÇÃO

RESULTADOS PRELIMINARES NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA PARA MAPEAMENTO REMOTO DE RADIAÇÃO 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 RESULTADOS PRELIMINARES NO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Conversor Ethernet Serial CES-0200-XXX-XX. Manual V3.9

Conversor Ethernet Serial CES-0200-XXX-XX. Manual V3.9 Conversor Ethernet Serial CES-0200-XXX-XX Manual V3.9 Parabéns! Você acaba de adquirir o Conversor Ethernet Serial CES-0200 que orgulhosamente foi desenvolvido e produzido no Brasil. Este é um produto

Leia mais

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS Fabiana Fraga Ferreira Bacharelanda em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 2 INTRODUÇÃO Com a informatização dos sistemas nas empresas veio também o aumento da competitividade e isso fez com que a qualidade dos serviços fosse questionada. O

Leia mais

PRONTUÁRIO ELETRÔNICO DO PACIENTE EM ONCOLOGIA CLINICA/QUIMIOTERAPIA (PEP-Onco)

PRONTUÁRIO ELETRÔNICO DO PACIENTE EM ONCOLOGIA CLINICA/QUIMIOTERAPIA (PEP-Onco) PRONTUÁRIO ELETRÔNICO DO PACIENTE EM ONCOLOGIA CLINICA/QUIMIOTERAPIA (PEP-Onco) Guilherme Vilar, Carlos Antônio Menezes Albuquerque, João Marcos Pedrosa de Vasconcelos, Rafael Marques Universidade Católica

Leia mais

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor Cliente/Servidor Desenvolvimento de Sistemas Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor As metodologias clássicas, tradicional ou orientada a objeto, são aplicáveis

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE Luciana Maria de Castro Mira¹, Bianca Antunes de S. R. Alves 2, Ana Paula Tavares 3, Luíz Henrique

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Lista de exercícios Gerência de Redes,Turma A, 01/2010 Marcelo Vale Asari 06/90708 Thiago Melo Stuckert do Amaral

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

Utilização de agente de software na otimização de redes de Telessaude

Utilização de agente de software na otimização de redes de Telessaude Utilização de agente de software na otimização de redes de Telessaude Abstract. This article describes the use of a software agent built to reduce the rate of errors and rework in their generation of medical

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR SISTEMA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR Raquel K. Stasiu, MSc. Andreia Malucelli, MSc. João da Silva Dias, Dr Grupo de Pesquisa em Tecnologia em Saúde (GTS), Pontifícia Universidade

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES INDUSTRIAIS

AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES INDUSTRIAIS doi: 10.4322/tmm.00303008 AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES INDUSTRIAIS Allan de Oliveira Souto 1 Marcos de Oliveira Fonseca 2 Resumo Este trabalho se refere ao projeto de modernização de uma subestação principal

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações Enlaces de comunicação: fibra, cobre, rádio,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

vmon-mobile: experiência na integração de monitores de sinais vitais ao PEP utilizando tecnologia de redes sem fio

vmon-mobile: experiência na integração de monitores de sinais vitais ao PEP utilizando tecnologia de redes sem fio vmon-mobile: experiência na integração de monitores de sinais vitais ao PEP utilizando tecnologia de redes sem fio Marina Rebelo 1, Pedro Paulo Oliveira 1, Marco Antonio Gutierrez 1, Paulo Pilon 1, Umberto

Leia mais

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco Jonas Odorizzi Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE 1/5 PROTOCOLOS DE O Modelo OSI O OSI é um modelo usado para entender como os protocolos de rede funcionam. Para facilitar a interconexão de sistemas de computadores, a ISO (International Standards Organization)

Leia mais

Ferramentas para Desenvolvimento Web

Ferramentas para Desenvolvimento Web Ferramentas para Desenvolvimento Web Profa. Dra. Joyce Martins Mendes Battaglia Mini Currículo Bel. em Ciência da Computação - Unib Mestre e doutora em Eng. Elétrica USP Professora /Coordenadora Pesquisadora

Leia mais

APLICATIVO AUXILIANDO A MELHORIA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL. APPLICATION TO ASSIST IN IMPROVING OF HEALTH IN BRAZIL s PRIMARY CARE

APLICATIVO AUXILIANDO A MELHORIA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL. APPLICATION TO ASSIST IN IMPROVING OF HEALTH IN BRAZIL s PRIMARY CARE APLICATIVO AUXILIANDO A MELHORIA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL APPLICATION TO ASSIST IN IMPROVING OF HEALTH IN BRAZIL s PRIMARY CARE Édson das Neves Oliveira 1, Jean Carlo Cainelli 2, Carlos Pilz 2, Sílvio

Leia mais

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo Introdução O que é Protocolo? - Para que os pacotes de dados trafeguem de uma origem até um destino, através de uma rede, é importante

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Frame Relay DÉCADA DE 80 Uso do protocolo X.25 (RENPAC) Linhas Analógicas Velocidade baixa Altas taxas de erros Computadores lentos e caros Circuitos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE REDES PARA SISTEMAS EMBARCADOS. Jorge Luis Staub, Cristiano Bonato Both

GERENCIAMENTO DE REDES PARA SISTEMAS EMBARCADOS. Jorge Luis Staub, Cristiano Bonato Both GERENCIAMENTO DE REDES PARA SISTEMAS EMBARCADOS Jorge Luis Staub, Cristiano Bonato Both Departamento de Informática Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) Santa Cruz do Sul RS Brazil jlstaub@gmail.com,

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores SISTEMA SICES Rewind e SI.ces MO.nitoring NE.twork (SI.MO.NE.) Sistema de monitoramento remoto REWIND Rewind é um módulo microprocessado

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Tópicos Gerencia de Rede Motivação da Gerência Desafios Principais Organismos Padronizadores Modelo Amplamente Adotado As Gerências

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE OS SERVIDORES DE E-MAILS MAIS UTILIZADOS ATUALMENTE

COMPARAÇÃO ENTRE OS SERVIDORES DE E-MAILS MAIS UTILIZADOS ATUALMENTE COMPARAÇÃO ENTRE OS SERVIDORES DE E-MAILS MAIS UTILIZADOS ATUALMENTE Mayara Dos Santos Marinho¹, Julio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR - Brasil mayara-marinho@hotmail.com

Leia mais

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação.

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação. Protocolo TCP/IP PROTOCOLO é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas para uma comunicação a língua comum a ser utilizada na comunicação. TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca das características da arquitetura dos computadores que Julgue os itens a seguir, acerca de sistemas operacionais. devem ser consideradas no projeto e na implantação de

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Comunicação- Protocolos, Tipos, RPC Capítulo 4 Agenda Protocolos em Camadas Pilhas de Protocolos em Sistemas Distribuídos Tipos de Comunicação

Leia mais

Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo

Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo Toshi-ichi Tachibana Departamento de Engenharia Naval e Oceânica, Escola Politécnica da Universidade São Paulo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Protocolos: Fundamentos Fabricio Breve Protocolos linguagem utilizada pelos diversos dispositivos para trocar informações Exemplos: TCP/IP, NetBEUI, SPX/IPX Premissas básicas A maioria

Leia mais