Sistemas para Internet e Software Livre

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas para Internet e Software Livre"

Transcrição

1 Sistemas para Internet e Software Livre

2 Professora conteudista: Ani Sobral Torres

3 Sumário Sistemas para Internet e Software Livre Unidade I 1 PRINCIPAIS TECNOLOGIAS DE REDE DIGITAL Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP e conectividade O que é um sistema de informação? Perspectiva empresarial sobre sistemas de informação Como analisar um problema de sistema de informação na empresa Identificação das estratégias da informação Estratégias genéricas de informação A integridade dos dados Estratégias de processamento Ponto a ponto (peer-to-peer) Processamento distribuído Tecnologias de sistemas distribuídos O que caracteriza os sistemas distribuídos? Critérios para distribuição Computação móvel Ambiente de computação Internet Intranet Extranets...22 Unidade II 2 COMÉRCIO ELETRÔNICO Características distintivas da tecnologia de comércio eletrônico Ubiquidade Alcance global Padrões universais Riqueza Interatividade Densidade de informação Personalização/customização Categorias do comércio eletrônico Comércio eletrônico B2B: novos relacionamentos e eficiências M-commerce Serviços e aplicações de m-commerce...3

4 Unidade III 3 CONCEITOS-CHAVE NO COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS E MERCADORIAS DIGITAIS Mercadorias digitais Modelos de negócios de Internet Comunicação e comunidade Conteúdo digital, entretenimento e serviços E-marketing Marketing interativo e personalização Blogs Autoatendimento do cliente...2 Unidade IV 4 O QUE É SOFTWARE LIVRE Software livre é diferente de software em domínio público O que é copyleft? Software livre e software gratuito: a diferença Uso crescente do software livre Desenvolvimento de software aberto versus proprietário Perspectivas futuras para o software livre...69

5 SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Unidade I 1 PRINCIPAIS TECNOLOGIAS DE REDE DIGITAL As redes digitais contemporâneas e a Internet se baseiam em três principais tecnologias: computação cliente/servidor, uso de comutação de pacotes e desenvolvimento de padrões de comunicação amplamente usados (o mais importante deles é o Transmission Control Protocol/Internet Protocol [TCP/IP]) para conectar redes e computadores diferentes. 1.1 Computação cliente/servidor 1 A computação cliente/servidor é um modelo de computação distribuída em que uma parcela do poder de processamento fica dentro de pequenos e baratos computadores-clientes, sob controle do usuário, e literalmente reside em computadores de mesa, laptops e dispositivos de mão. Esses poderosos clientes estão conectados uns aos outros por meio de uma rede e utilizam os serviços de servidores acessíveis através da rede. A computação cliente/servidor vem substituindo em grande medida a computação centralizada em mainframes, na qual praticamente todo o processamento ocorre em um grande computador mainframe central. A computação cliente/servidor levou a informática a departamentos, grupos de trabalho, chão de fábrica e a outras partes da empresa que não poderiam ser atendidas por uma arquitetura centralizada. A Internet é o maior exemplo de computação cliente/servidor. 1

6 Unidade I 1.2 Comutação de pacotes 1 A comutação de pacotes é um método que consiste em fragmentar mensagens digitais em pequenos pacotes, enviar esses pacotes por vias de comunicação diferentes à medida que eles são disponibilizados e, depois, remontá-los quando tiverem chegado ao seu destino (veja a figura 1). Antes do desenvolvimento da comutação de pacotes, as redes de computadores usavam circuitos telefônicos arrendados e dedicados à comunicação com outros computadores distantes. Em redes comutadas por circuito, como o sistema de telefonia, um circuito completo ponto a ponto é montado e, então, a comunicação pode seguir em frente. Essas onerosas técnicas de comutação por circuito desperdiçavam a capacidade de comunicação disponível, pois o circuito era mantido, independentemente de ter ou não dados sendo enviados. A comutação de pacotes torna o uso da capacidade de comunicação da rede muito mais eficiente. Em redes comutadas por pacote, as mensagens são fragmentadas em pequenos feixes de dados de tamanho fixo chamados de pacotes. O tamanho dos pacotes varia muito, dependendo do padrão de comunicação em uso. Os pacotes incluem informações que servem para dirigi-los ao endereço correto e verificar erros de transmissão juntamente com os dados Os dados são recolhidos de muitos usuários, divididos em pequenos pacotes e transmitidos via vários canais de comunicação. Cada pacote trafega independentemente pela rede. Pacotes de dados originários de uma fonte podem ser roteados por trajetos diferentes da rede antes de serem remontados como a mensagem original ao chegarem ao seu destino. 2

7 SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Número do pacote Número da mensagem Destino Dados Mensagem Pacote 1 Mensagem remontada Redes de comutação de pacotes. Os dados são agrupados em pequenos pacotes, transmitidos independentemente via vários canais de comunicação e remontados no destino final. Pacote 2 Pacote 3 Figura 1: Redes de comutação de pacotes. Fonte: LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane P. Sistemas de informações gerenciais. 7. ed. São Paulo : Pearson Prentice Hall, 07. A comutação de pacotes não exige um circuito dedicado, mas pode fazer uso de qualquer capacidade ociosa disponível. Se alguma linha estiver inoperante ou ocupada demais, os pacotes podem ser enviados por qualquer linha disponível de maneira a alcançar o ponto de destino. 1.3 TCP/IP e conectividade Em uma rede de telecomunicações típica, diversos componentes de hardware e software precisam trabalhar juntos para transmitir informações. Para se comunicar, os diferentes componentes da rede simplesmente aderem a um conjunto de regras em comum chamado protocolo. Protocolo é um conjunto de regras e procedimentos que comanda a transmissão de informações entre dois pontos de uma rede. 1 No passado, a existência de muitos protocolos proprietários e incompatíveis muitas vezes forçava as empresas a adquirir equipamentos de comunicação e informática de um único fornecedor. Hoje, porém, as redes corporativas cada vez mais 3

8 Unidade I utilizam um padrão único, universal e comum chamado Transmission Control Protocol/Internet Protocol (TCP/IP). 1 O TCP/IP oferece um método de consenso universal para fragmentar mensagens digitais em pacotes, rotear esses pacotes até os endereços apropriados e, depois, remontálos em mensagens coerentes. O TCP/IP foi desenvolvido no início da década de 1970 como uma ferramenta da Agência de Pesquisas Avançadas do Departamento de Defesa dos Estados Unidos (Darpa) para ajudar cientistas a transmitir dados entre computadores de diferentes tipos e a longas distâncias. O TCP/IP usa um conjunto de protocolos, sendo os principais deles o TCP e o IP. TCP significa Transmission Control Protocol (TCP), o qual lida com o movimento de dados entre os computadores. O TCP estabelece uma conexão entre os computadores, sequencia a transferência de pacotes e reconhece os pacotes enviados. IP significa Internet Protocol (IP), que é o responsável pela entrega dos pacotes e inclui a desmontagem e a remontagem dos pacotes durante a transmissão. A figura 2 ilustra o modelo de referência, com quatro camadas, do Departamento de Defesa para o TCP/IP. Aplicação Transporte Internet Acesso à rede Figura 2: Modelo de referência TCP/IP. 4

9 SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Camada de aplicação: a camada de aplicação permite aos programas aplicativos-clientes acessar as outras camadas e define os protocolos que os aplicativos usarão para troca de dados. Um desses protocolos de aplicação é o Hypertext Transfer Protocol (HTTP), usado para transferir arquivos de páginas web. Camada de transporte: a camada de transporte é responsável por fornecer à camada de aplicação serviços de empacotamento e comunicação. Essa camada inclui o TCP e outros protocolos. Camada de Internet: a camada de Internet é responsável por endereçar, rotear e empacotar pacotes de dados chamados datagramas IP. O Internet Protocol é um dos protocolos usados nessa camada. 1 2 Camada de interface de rede: situada na base do modelo de referência, a camada de interface de rede é responsável por receber os pacotes de quaisquer meios de rede físicos e colocá-los nesses mesmos meios. Dois computadores usando TCP/IP podem comunicar-se, mesmo que estejam baseados em plataformas de hardware e software diferentes. Dados enviados de um computador para outro seguem para baixo e atravessam todas as quatro camadas, começando pela camada de aplicação do computador remetente e passando pela camada de interface de rede. 30 Após os dados alcançarem o computador hospedeiro receptor, eles viajam para cima pelas camadas e são remontados em um formato que o computador receptor possa usar. Se este encontrar um pacote danificado, solicitará ao computador remetente que o retransmita. Esse processo será revertido quando o computador receptor emitir uma resposta.

10 Unidade I 1.4 O que é um sistema de informação? Pode ser definido tecnicamente como um conjunto de componentes inter-relacionados que coleta (ou recupera), processa, armazena e distribui informações destinadas a apoiar a tomada de decisões. 1 Basicamente, os sistemas formais de informações podem ser manuais ou informatizados. Os manuais usam a tecnologia do lápis e do papel, enquanto os sistemas informatizados dependem da tecnologia dos computadores. Sistemas de informação computacionais são denominados distribuídos quando os componentes de hardware e software, localizados em computadores interligados por uma rede, comunicam e coordenam suas ações somente através de troca de mensagens. Um sistema distribuído é uma coleção de computadores independentes que parecem um sistema único para o usuário Perspectiva empresarial sobre sistemas de informação Os sistemas de informações são a solução organizacional e administrativa baseada na tecnologia da informação para enfrentar um desafio proposto pelo ambiente organizacional. Uma das razões pelas quais os sistemas de informação têm papel tão importante nas organizações e afetam tantas pessoas é o imenso poder e o custo cada vez mais baixo da tecnologia de computadores. Munidos de poderosos softwares fáceis de usar, os computadores podem processar números, analisar vastos conjuntos de dados ou simular complexos processos físicos e lógicos. O imenso poder da tecnologia dos computadores tem gerado poderosas redes de comunicação que as organizações podem utilizar para acessar vastos arquivos de informações no 6

11 SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE mundo inteiro e coordenar atividades independentemente do espaço e do tempo. Essas redes estão transformando o modelo e a forma das empresas, criando as fundações para a empresa digital. 1 2 A maior e mais utilizada rede do mundo é a Internet. Trata-se de uma rede internacional de redes que conecta centenas de milhares de diferentes redes em mais de duzentos países no mundo inteiro. Milhões de pessoas que trabalham com ciência, educação, governo e negócios usam a Internet para trocar informações ou realizar transações de negócios com outras organizações ao redor do globo. A Internet criou uma nova plataforma tecnológica sobre a qual podem ser construídos todos os tipos de novos produtos, serviços, estratégias e organizações. Ela está dando um novo formato ao modo como os sistemas de informação estão sendo usados nos negócios e na vida diária. Por eliminar muitas barreiras técnicas, geográficas e de custo, que obstruem o fluxo global de informações, está inspirando novas utilizações para os sistemas de informação e novos modelos de negócios. A Internet provê a plataforma tecnológica primordial para a empresa digital. Como a capacidade da Internet conhecida como world wide web (www) oferece tantas novas possibilidades para fazer negócios, ela é de especial interesse para organizações e administradores. A www é um sistema de armazenagem, recuperação, formatação e exibição de informações em ambiente de rede com padrões universalmente aceitos. 30 A informação é armazenada e apresentada como páginas eletrônicas que podem conter textos, elementos gráficos, animações, som e vídeo. Essas páginas web podem ser interligadas eletronicamente a outras, independentemente de onde estejam localizadas, e podem ser vistas em qualquer computador. Elas podem servir de alicerce para novos tipos de sistemas de informação. 7

12 Unidade I Como analisar um problema de sistema de informação na empresa 1 Os problemas de sistema de informação no mundo empresarial representam um misto de questões administrativas, organizacionais e tecnológicas. Conheça um processo de cinco estágios para analisar um problema empresarial envolvendo sistema de informação: 1. Identifique o problema. De que tipo é? É um problema administrativo, organizacional, tecnológico ou um misto dos três? Quais são os aspectos administrativos, organizacionais e tecnológicos que contribuíram para ele? 2. Qual é a solução do problema? Quais são os objetivos dessa solução? Há diversas soluções alternativas possíveis? Qual é a melhor delas? Por quê? 3. Quais são as tecnologias que poderiam ser usadas para gerar uma solução? 4. Que mudanças nos processos organizacionais a solução exigirá?. Que política administrativa será necessária para implementar a solução? Identificação das estratégias da informação A informação deve se tratada como recurso importante a ser considerado durante o processo de definição da estratégia, a um nível equivalente a outros elementos tradicionalmente estratégicos, como o posicionamento de produto/serviço, a estratégia de fabricação, a estratégia de preço/custos. Isso significa incluir informação e tecnologia da informação como variáveis no processo de definir uma estratégia. Existem 8

13 SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE três elementos no processo de definição de uma estratégia em um ambiente competitivo, e cada um deles focaliza um aspecto vital diferente: posicionamento/escopo, competências organizacionais e estrutura/administração. Cada um desses elementos é apoiado por uma base em contínua evolução, tanto de pesquisas quanto de experiência prática. Cada um deles possui um grupo estabelecido de conceitos e terminologia que orientam a definição da estratégia. 1. Posicionamentos/Escopo Refere-se à definição de produtos/serviços que possam se diferenciar no mercado, tanto através de características exclusivas quanto através da economia em escala. 2. Estrutura/Administração (governança) 1 Governança é um termo que está ganhando aceitação para exprimir os aspectos de estrutura/administração de uma empresa. Esse termo engloba várias questões vitais na definição da estratégia, relativas à forma como as organizações são estruturadas e controladas para assegurar a execução da estratégia. A governança lida com uma simples questão: Quem é responsável? 2 3. Competências específicas Definem claramente o conhecimento e as habilidades das organizações como elementos essenciais para a definição da estratégia. Competência específica e informação são sinônimos, já que ambas referem-se às habilidades e ao conhecimento que os membros da organização detêm e à capacidade da organização de utilizar esse conhecimento para criar valor. 9

14 Unidade I Estratégias genéricas de informação Da mesma forma que podem ser identificadas abordagens genéricas para estratégias competitivas em seu todo (por exemplo, o menor preço), existem também abordagens generalizáveis em relação ao uso da informação e da tecnologia da informação como recursos estratégicos. Podemos identificar três estratégias genéricas de informação: informação como vantagem competitiva; produtos/serviços de informação; comercialização de informação. No primeiro caso, de uso da informação para obter vantagem competitiva, o enfoque principal é a capacidade de desenvolver internamente informação exclusiva sobre seu segmento de negócios. Essa é uma estratégia que pode e deve ser almejada por qualquer organização. Estratégia genérica Informação como vantagem competitiva Produtos/Serviços de informação Comercialização de informação Características Estratégia fundamental construída em bases tradicionais (ex.: economias de escala, diferenciação de produto etc.). A tecnologia da informação permite inovação significativa dos processos de negócios, com uso de reengenharia de processos. A tecnologia da informação amplia as dimensões competitivas da estratégia básica, possibilitando à empresa ter informação diferencial em relação à concorrência. Processos existentes geram ou captam volumes significativos de informações como um subproduto do processamento de transações. Mercado é identificado ou criado para a informação gerada como subproduto. Oportunidades de produto / serviço geradas a partir do resumo ou do reprocessamento da informação que é subproduto do processamento de transações. Capacidades excedentes em sistemas de informações internas podem ser vendidas para outros participantes do segmento de negócio. Existe demanda clara de mercado para os produtos ou serviços específicos de informação (ex.: boletins de informações para corretores de bolsas etc.).

15 SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE A obtenção de vantagem competitiva é a razão fundamental para o uso estratégico da informação. 1 Estratégias baseadas em informação significam uma grande oportunidade ou ameaça, dependendo da perspectiva, para as empresas radicalmente alterarem sua chance de obter vantagem competitiva. Avanços específicos em tecnologia são muito menos importantes do que o desenvolvimento de uma compreensão clara das alternativas de estratégia da organização e formas pelas quais a tecnologia pode afetar cada dimensão da estratégia. Uma mudança em particular de importância para a definição da estratégia é o aparecimento do comércio eletrônico. À medida que mais empresas utilizam a informação e a tecnologia da informação na implementação de estratégias e para dar suporte a processos críticos da organização, mais e mais transações entre empresas estão ocorrendo através de meios de comunicação eletrônicos A integridade dos dados A importância da segurança dos dados é uma característica especial para os sistemas de informação. Muitas empresas não dão a devida importância a esse fator, até o primeiro acidente que resulta em algum prejuízo considerável. 2 O imenso conjunto de vantagens do uso de dispositivos eletrônicos para o armazenamento de dados pode ser facilmente descartado no momento em que a organização despreza as características básicas de segurança de dados. Os computadores, normalmente, tornam algumas vulnerabilidades da organização mais acentuadas em comparação ao processo manual. O fato de os dados estarem centralizados 11

16 Unidade I e na dependência de um equipamento (servidor) que pode necessitar de manutenção pode gerar sérios prejuízos para uma organização. 1 A segurança é necessária em todo e qualquer computador que possibilite, ou não, acesso a redes externas, como a Internet. A necessidade dessa imposição de segurança se explica pelo alto fator de responsabilidade e pela dependência da organização para com a estrutura de tecnologia de informação, que é meio para o sistema de informações. A segurança é imposta para minimizar os prejuízos da organização por paralisações não esperadas, garantir a qualidade dos dados inseridos e das informações geradas e para assegurar que esses dados não sejam roubados ou alterados sem autorização. Para perceber a necessidade de um esquema de segurança de dados, pode-se ter como base alguns fatos reais ocorridos com empresas de todo o mundo. Um bom exemplo seria o verão de 1994, quando o matemático Vladimir Levin, de São Petersburgo, Rússia, penetrou no sistema do Citibank, obtendo a identidade de alguns usuários válidos e senhas de outros bancos para executar transferências de dinheiro ilegal. Antes de ser preso, ele havia conseguido transferir cerca de US$ milhões para diversas contas bancárias em todo o mundo Com o aumento do uso das telecomunicações e redes para as atividades empresariais, seja em redes privadas, seja pela Internet, a segurança tornou-se o segundo maior projeto em andamento das organizações. O comércio eletrônico e todos os sistemas transacionais que permitem o seu funcionamento necessitam de uma atenção especial com segurança, pelos tipos de dados e pelos negócios executados na rede. 12

17 SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE A Internet está sendo cada vez mais utilizada por empresas e órgãos governamentais para distribuir informações e efetuar transações comerciais. É fácil usar, mas os servidores e navegadores são excessivamente complicados e com falhas de segurança. Uma política de segurança para as informações da organização normalmente está associada à preocupação de ataques externos promovidos pelos crackers, principalmente quando a empresa tem algum ponto de conexão de sua rede com o exterior, como uma Extranet. 1. Estratégias de processamento 1..1 Ponto a ponto (peer-to-peer) 1 Ponto a ponto: tipo de processamento distribuído, baseado em cliente/servidor, que permite que dois ou mais computadores agrupem seus recursos, tornando cada computador um cliente e um servidor. É o tipo de processamento distribuído, baseado em cliente/servidor, que permite que dois ou mais computadores agrupem recursos. Recursos individuais, como unidade de disco, unidades de CD-ROM e impressoras tornam-se recursos compartilhados, acessíveis em cada computador. Ao contrário de redes-padrão, baseadas em cliente/servidor, as informações armazenadas nas redes ponto a ponto são descentralizadas. 2 Exemplos: programas de download de músicas (kazaa etc.) Processamento distribuído As organizações normalmente utilizam vários sistemas de computador. O processamento distribuído divide o trabalho de processamento entre dois ou mais computadores, permitindo que computadores em diferentes locais se comuniquem entre si por meio de enlaces de telecomunicação. Um tipo comum 13

18 Unidade I de processamento distribuído é o processamento cliente/ servidor. Um tipo especial de processamento cliente/servidor é o processamento ponto a ponto. 1 Cliente-servidor: forma de processamento distribuído em que algumas máquinas (servidores) realizam funções de computação para PCs de usuário final (cliente). Algumas vezes, as duas máquinas podem executar o processamento e armazenar os aplicativos. Entretanto, no geral, uma organização faz a maior parte de seu processamento ou armazenamento de aplicativos/dados em servidores com potência adequada, que podem ser acessados por máquinas-clientes menos poderosas. O cliente solicita os aplicativos, dados ou o processamento ao servidor, que age para essas solicitações oferecendo o serviço necessário (solicitado). Em uma abordagem baseada em cliente/servidor, os três componentes de um aplicativo (apresentação, aplicativo e gerenciamento de dados) podem ser distribuídos por toda a empresa, em vez de serem controlados de forma centralizada O componente apresentação é a interface do aplicativo ou o modo como o aplicativo aparece para o usuário. A lógica dos aplicativos é a maior parte do programa de software, criada para executar alguma tarefa empresarial. O componente gerenciamento de dados consiste no armazenamento e gerenciamento dos dados necessários ao aplicativo. A divisão exata das tarefas do processamento depende das exigências de cada aplicativo, incluindo suas necessidades de processamento, o número de usuários e os recursos disponíveis. Estas tarefas podem ser distribuídas em diversos locais, em uma rede de telecomunicações. 14

19 SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE 1..3 Tecnologias de sistemas distribuídos Há diversas definições para o que é um sistema distribuído. Para o nosso contexto, a definição dada por Tanenbaum (08) é satisfatória: Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente. Processador 1 Memória 1 Processador 2 Memória 2 Processador 3 Memória 3 Rede 1 A principal diferença entre os sistemas centralizados e os distribuídos está na forma de comunicação e de sincronização entre os processos. Enquanto nos sistemas centralizados a sincronização é realizada por áreas compartilhadas de memória, nos sistemas distribuídos a sincronização é obtida através da troca de mensagens. Hoje uma pessoa pode se dirigir a um caixa automático em qualquer lugar do mundo e em alguns segundos sair com dinheiro sacado de sua conta bancária em sua cidade de origem, ou poderá fazer compras e pagar com cartão de crédito internacional em poucos segundos. Essas situações já são bastante comuns e não provocam mais nenhuma reação por parte do consumidor. Por trás dos bastidores, entretanto, existe uma complexa rede de tecnologia que movimenta informações de um computador para outro do cliente para o banco, do comerciante para a operadora de cartão de crédito etc., a fim de concluir essas operações. Paralelo a essa rede tecnologia, existe um conjunto de acordos e contratos que integram as empresas nos seus esforços coletivos, no sentido de concluir as transações. 1

20 Unidade I Bastante avançado na área dos serviços bancários e financeiros, esse comércio eletrônico está reformulando a maneira como as empresas conduzem suas transações comerciais. 1 2 Para o sucesso de um sistema de informação distribuído, é necessário que os diversos computadores distribuídos geograficamente possam trabalhar de forma integrada. Não é aceitável que as diversas funções automatizadas sejam isoladas e independentes. Neste caso, a única forma possível de integração seria a transferência dos dados realizada de forma manual, como, por exemplo, pelo envio de uma fita magnética. O processamento de dados centralizado conduz a uma grande transferência física de dados entre a instalação central e os usuários. À medida que a capacidade de computação desenvolveu-se, o volume de dados a serem processados aumentou de forma extremamente rápida. Foi então necessário solucionar o problema de transporte de um grande volume de documentos de entrada e de listagens de saída. O teleprocessamento é uma alternativa para reduzir os custos envolvidos com a transferência de documentos pela substituição do transporte físico do papel pela transmissão de dados. Assim, em vez de transferir o suporte dos dados, o papel impresso, apenas os dados passaram a ser transmitidos. O desenvolvimento do teleprocessamento e a difusão das aplicações com acesso remoto a uma instalação central permitiram deslocar para o usuário as funções de entrada dos dados e de consulta dos dados armazenados O que caracteriza os sistemas distribuídos? Os sistemas distribuídos apresentam três características que os diferenciam dos sistemas de teleprocessamento: distribuição de processamento, distribuição de dados e distribuição de controles. 16

21 SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Distribuição de processamento Significa que deve existir capacidade de processamento independente em cada nó da rede. Este processamento pode ser constituído por um mainframe, por um micro ou por uma estação de trabalho. A característica necessária é a capacidade de executar um processo em cada nó e de gerenciar os recursos locais de forma autônoma. A distribuição de processamento é o componente de mais fácil visualização. Para que um sistema seja distribuído, é necessária a existência de múltiplos processadores Distribuição de dados 1 É a possibilidade de localizar os arquivos ou banco de dados próximos aos locais em que são mais acessados. Para isso, deve existir um gerenciador de arquivos ou de banco de dados local e um mecanismo que permita o acesso remoto a estes recursos. Um sistema distribuído permite que os dados armazenados sejam compartilhados pelos diversos nós em que existe capacidade de processamento. Este compartilhamento pode ser obtido pela transferência de arquivos ou pelo acesso remoto aos dados Distribuição do controle Significa que os processos executados nos diferentes nós interagem de forma cooperativa para satisfazerem um determinado objetivo. Esta cooperação é definida por um protocolo que especifica completamente os serviços a serem executados. 2 O controle é o de mais difícil domínio e, ao mesmo tempo, o de maior importância para o funcionamento de um sistema distribuído. Os diferentes computadores do sistema distribuído podem ser heterogêneos e possuir, cada um, o seu próprio sistema operacional; contudo, o conjunto deve operar como um todo integrado e apresentando um comportamento homogêneo. 17

22 Unidade I A característica essencial do controle de um sistema distribuído é a coordenação entre os diferentes processos por meio de mensagens. Esta característica implica a impossibilidade da manutenção de informação completa e atualizada sobre o processo de um sistema distribuído. O processamento distribuído, assim como foi caracterizado, é mais do que uma tecnologia; é, também, uma metodologia para a concepção e implementação de sistemas de informação. Sua principal característica é possibilitar o particionamento das atividades (e dos dados associados) de acordo com a localização geográfica das aplicações, mantendo, ao mesmo tempo, a integração às necessidades locais. As características mais importantes dos sistemas distribuídos podem ser resumidas em: 1 1. diminuir tráfego de mensagens; 2. processar localmente; 3. manter a integração do sistema de informação; 4. atender as necessidades locais. É possível, assim, otimizar o desempenho e o custo global e aumentar a confiabilidade das aplicações. Um sistema distribuído possui, entretanto, uma maior complexidade que um sistema centralizado e apresenta características funcionais que podem influir nos procedimentos operacionais e de decisão das empresas. 1.. Critérios para distribuição 2 As alternativas básicas para a escolha de critérios de distribuição: a distribuição por áreas geográficas, por grupos funcionais e por funções de processamento de dados. 30 A distribuição geográfica dos dados é um dos critérios fundamentais para o projeto de sistemas distribuídos. Deve haver uma grande parcela de atividade local (dados locais) e pequena 18

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade I Principais tecnologias da rede digital Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP Sistemas de informação

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

Introdução ao Sistema de Informação

Introdução ao Sistema de Informação Introdução ao Sistema de Informação Prof.: Luiz Mandelli Neto Conhecer sistemas de informação é essencial para os administradores. Sobreviver Prosperar O sistema de informação auxilia as empresas: Estender

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Caracterização de Sistemas Distribuídos

Caracterização de Sistemas Distribuídos Aula 1 Caracterização de Sistemas Distribuídos Prof. Dr. João Bosco M. Sobral mail: bosco@inf.ufsc.br - página: http://www.inf.ufsc.br/~bosco Rodrigo Campiolo mail: rcampiol@inf.ufsc.br - página: http://ww.inf.ufsc.br/~rcampiol

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Universidade Federal do Pará Campus Universitário de Marabá Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação Sistemas Distribuídos Prof.: Warley Junior warleyjunior05@gmail.com Plano de Ensino. Turma SI

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS Aulas : Terças e Quintas Horário: AB Noite [18:30 20:20hs] PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS 1 Conteúdo O que Rede? Conceito; Como Surgiu? Objetivo; Evolução Tipos de

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA 1. TENDÊNCIAS EM SISTEMAS DE MICROCOMPUTADORES Existem várias categorias principais de sistemas de computadores com uma diversidade de características e capacidades. Consequentemente, os

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Professora: Sheila Cáceres Computador Dispositivo eletrônico usado para processar guardar e tornar acessível informação. Tópicos de Ambiente

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

AG8 Informática. Esta apostila foi retirada do www.comocriarsites.net. Como Criar Sites HTML - notícia importante! www.comocriarsites.

AG8 Informática. Esta apostila foi retirada do www.comocriarsites.net. Como Criar Sites HTML - notícia importante! www.comocriarsites. Esta apostila foi retirada do www.comocriarsites.net Como Criar Sites HTML - notícia importante! www.comocriarsites.net Venha conhecer o novo Como Criar Sites HTML, agora é um mega portal para webmasters,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA. Curso: Redes de Computadores e Telecomunicações

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA. Curso: Redes de Computadores e Telecomunicações UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA Curso: Redes de Computadores Módulo 2 - Conceitos e Fundamentos Evolução das Redes d LAN, MAN e WAN Material de Apoio 2011 / sem2 Prof. Luiz Shigueru Seo CONCEITOS e FUNDAMENTOS

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo Valor Comercial das Telecomunicações Superar barreiras geográficas Atendimento ao cliente/preenchimento de pedidos Superar barreiras do tempo Consultas de crédito (POS) Superar barreiras de custo Videoconferência

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Evolução histórica das redes de computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Objetivos de Aprendizagem Ao final deste módulo você estará apto a conceituar

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1 Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais slide 1 Nexon Games: o comércio eletrônico torna-se social Problema: concorrência com outras empresas de jogos on-line e off-line; aumentar

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução

Sistemas Distribuídos. Introdução Sistemas Distribuídos Introdução Definição Processos Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados por uma rede de conexão, executando um software distribuído. Executados

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Informática Redes de Computadores e Internet. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc.

Informática Redes de Computadores e Internet. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Informática Redes de Computadores e Internet Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Objetivos Descrever a importância das redes de computadores. Explicar a importância da Internet. Redes de Computadores Rede:

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Exemplos de Sistemas Distribuídos Compartilhamento de Recursos e a Web Principais Desafios para a Implementação

Leia mais

TIC Microempresas 2007

TIC Microempresas 2007 TIC Microempresas 2007 Em 2007, o Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação do NIC.br, no contexto da TIC Empresas 2007 1, realizou pela primeira vez um estudo sobre o uso das

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

Informática Básica. Internet Intranet Extranet

Informática Básica. Internet Intranet Extranet Informática Básica Internet Intranet Extranet Para começar... O que é Internet? Como a Internet nasceu? Como funciona a Internet? Serviços da Internet Considerações finais O que é Internet? Ah, essa eu

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Internet

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Internet André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Internet Noções de Internet: O que é Internet; História da Internet; Recursos da Internet; Serviços não-web.

Leia mais

Objectivos de aprendizagem

Objectivos de aprendizagem Capítulo 6 1 Telecomunicações e redes 2 Objectivos de aprendizagem ƒ Identificar as principais tendências e os grandes desenvolvimentos nas empresas, nas tecnologias e nas aplicações de negócio, das telecomunicações

Leia mais

Noções de redes de computadores e Internet

Noções de redes de computadores e Internet Noções de redes de computadores e Internet Evolução Redes de Comunicações de Dados Sistemas Centralizados Características: Grandes Centros de Processamentos de Dados (CPD); Tarefas Científicas; Grandes

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Introdução Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br SUMÁRIO Definições Características Desafios Vantagens Desvantagens 2 Definições DEFINIÇÕES Um sistema distribuído é uma coleção

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores

Introdução às Redes de Computadores Introdução às Redes de Computadores Evolução na comunicação Comunicação sempre foi uma necessidade humana, buscando aproximar comunidades distantes Sinais de fumaça Pombo-Correio Telégrafo (século XIX)

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ PLANO DE ENSINO - 2º SEMESTRE 2011 Disciplina ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS Professor MSC. ADOLFO FRANCESCO DE OLIVEIRA COLARES Carga Horária Semanal Curso ADMINISTRAÇÃO Carga Horária

Leia mais

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Material de Apoio de Informática - Prof(a) Ana Lucia 53. Uma rede de microcomputadores acessa os recursos da Internet e utiliza o endereço IP 138.159.0.0/16,

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

Telecomunicações e Redes. Objetivos do Capítulo

Telecomunicações e Redes. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as principais tendências e avanços nas indústrias, tecnologias e aplicações de telecomunicações e da Internet nas empresas. Fornecer exemplos do valor comercial de aplicativos

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Abertos Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Caracterização de Sistemas Distribuídos Coulouris, Dollimore and Kindberg. Distributed Systems: Concepts and

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 6 Pág. 167 Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 11 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES (DEFINIÇÕES) Prof. Msc. Hélio Esperidião

INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES (DEFINIÇÕES) Prof. Msc. Hélio Esperidião INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES (DEFINIÇÕES) Prof. Msc. Hélio Esperidião O QUE É? Uma Rede de Computadores é formada por um conjunto de equipamentos(módulos processadores - MPs) capazes de trocar informações

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06. Prof. Fábio Diniz

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06. Prof. Fábio Diniz FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06 Prof. Fábio Diniz Na aula anterior ERP Enterprise Resource Planning Objetivos e Benefícios ERP Histórico e Integração dos Sistemas

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Protocolos de Internet (família TCP/IP e WWW) Primeiro Técnico. Prof. Cesar

Protocolos de Internet (família TCP/IP e WWW) Primeiro Técnico. Prof. Cesar Primeiro Técnico Protocolos de Internet (família TCP/IP e WWW) Prof. Cesar 1 TCP - Transmission Control Protocol Esse protocolo tem como principal objetivo realizar a comunicação entre aplicações de dois

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com O que veremos hoje... Evolução Histórica Motivação Conceitos Características

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Sistemas de Informações e o Uso comercial

Sistemas de Informações e o Uso comercial ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ASI Elabora por Prof.Mestra Rosimeire Ayres Conectan a Empresa à Rede Intranet Internet Extranet B2B B2C B2E C2C As empresas estão se tornan empresas conectadas

Leia mais

Introdução. Página 1 de 9. Trabalho sobre EXTRANET. Universidade de São Paulo Escola Politécnica. Luciano Chede Abad 14/09/2002

Introdução. Página 1 de 9. Trabalho sobre EXTRANET. Universidade de São Paulo Escola Politécnica. Luciano Chede Abad 14/09/2002 Introdução E-business é a nova onda nas empresas. A Internet não permite apenas que as empresas façam negócios de maneiras novas, ela praticamente as obriga a fazer isso, por questões de sobrevivência.

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS. Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011

COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS. Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011 COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011 UM BANHO DE LOJA NOS SITES DA GAP Problema: Concorrência pesada, site difícil de usar (excesso

Leia mais