DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL"

Transcrição

1 ENTIDADE: [ / ] FUNDACAO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [ ] MISTO ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável JOSE ROBERTO SANTOS MONTELLO MIBA: 426 MTE: 426 DA transmitida à Previc em 31/03/2015 às 15:48:43 Número de protocolo :

2 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: CNPJ: / Sigla: CELOS Razão Social: FUNDACAO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO CNPB: Sigla: MISTO Nome: PLANO MISTO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS Nº 001 Situação: ATIVO / EM FUNCIONAMENTO Característica: PATROCINADOR Modalidade: CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Legislação Aplicável: LC 108/109 ATUÁRIO Nome: JOSE ROBERTO SANTOS MONTELLO MIBA: 426 MTE: 426 Empresa: JESSE MONTELLO SERVICOS TECNICOS EM ATUARIA E ECON LTDA INFORMAÇÕES SOBRE A AVALIAÇÃO ATUARIAL Motivo da Avaliação: ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO Data do cadastro: 31/12/2014 Data da Avaliação: 31/12/2014 Tipo: Observações: Base outubro de 2014, com o reajuste da ordem de 7,30% na Tabela Salarial da CELESC (conforme ACT- 2014/2015), bem como a provisão de 0,93% correspondente ao IPCA do IBGE de outubro a novembro de 2014, para colocar a preços de dezembro de Base outubro de 2014, com o reajuste da ordem de 6,3653% na Tabela Salarial da CELOS (conforme ACT- 2014/2015), bem como a provisão de 0,93% correspondente ao IPCA do IBGE de outubro a novembro de 2014, para colocar a preços de dezembro de Relatórios Complementares apresentados pelo Atuário (não enviados à PREVIC): Preenchimento baseado no expediente JM/0528/2015 de 11/03/2015, que contém as Demonstrações Atuariais completas efetivamente realizadas pelo ATUÁRIO. Quantidade de Grupos de Custeio: 1 INFORMAÇÕES SOBRE A DURATION DO PASSIVO DO PLANO DE BENEFÍCIOS Duration do Passivo (em meses): 133 Observações: Calculado com base no resultado do fluxo probabilístico de receitas e despesas previdenciárias do Plano, considerando a base da Avaliação Atuarial de

3 CARACTERÍSTICAS DOS BENEFÍCIOS Benefício: BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA Benefício Programado: SIM Regime: CAPITALIZAÇÃO Método de Financiamento: Nível Básico do Benefício: CAPITALIZAÇÃO FINANCEIRA ESTE É UM BENEFÍCIO AVALIADO NA MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA DURANTE A FASE DE ACUMULAÇÃO E NA MODALIDADE DE BENEFÍCIO DEFINIDO NA FASE DE CONCESSÃO.O SEU VALOR É CALCULADO ATRAVÉS DA MULTIPLICAÇÃO DO FATOR DE CONVERSÃO PELO SALDO DA CONTA CIAP NA DATA DO REQUERIMENTO, TENDO O PARTICIPANTE ATINGIDO TODAS AS CONDIÇÕES NECESSÁRIAS PARA AUFERIR TAL BENEFÍCIO. NA HORA DO CÁLCULO DO BENEFÍCIO O PARTICIPANTE PODE OPTAR PELA CONVERSÃO DO REFERIDO SALDO EM UMA RENDA MENSAL VITALÍCIA COM OU SEM REVERSÃO EM PENSÃO. Benefício: BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA POR INVALIDEZ Benefício Programado: NÃO Regime: CAPITALIZAÇÃO Método de Financiamento: Nível Básico do Benefício: AGREGADO BENEFÍCIO DE INVALIDEZ COM REVERSÃO EM PENSÃO = MÁX {SRB - INSS, 10% SRB),SENDO A DIFERENÇA ENTRE A MÉDIA ARITMÉTICA SIMPLES DOS ÚLTIMOS 36 (TRINTA E SEIS) MESES DO SALÁRIO REAL DE CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO A (PARCELAS FIXAS) E O VALOR DO BENEFÍCIO PAGO PELO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL, NÃO PODENDO ESSA DIFERENÇA SER INFERIOS A 10% DA REFERIDA MÉSIA.O PARTICIPANTE PODERÁ OPTAR POR SACAR OU CONVERTER NUMA RENDA MENSAL COM OU SEM REVERSÃO EM PENSÃO, O SALDO DE SUA CONTA CIAP, PARTE PARTICIPANTE. Benefício: BENEFÍCIO DE PENSÃO POR MORTE Benefício Programado: NÃO Regime: CAPITALIZAÇÃO Método de Financiamento: Nível Básico do Benefício: AGREGADO - PENSÃO POR MORTE DE PARTICIPANTE ATIVO, CONSISTE NUMA RENDA MENSAL CALCULADA DA SEGUINTE FORMA: MÁX {SRB - INSS, 10% SRB}}, JA DEFINIDA NO BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA POR INVALIDEZ, MULTIPLICADA PELO FATOR P%. OS BENEFICIÁRIOS PODERÃO OPTAR POR RECEBER O SALDO DA CIAP, PARTE PARTICIPANTE, SOB A FORMA DE PECÚLIO OU CONVERTE-LO EM BENEFÍCIO SOB A FORMA DE RENDA MENSAL. - PENSÃO POR MORTE DE PARTICIPANTE ASSISTIDO, O BENEFÍCIO É CALCULADO APLICANDO-SE O P% SOBRE O VALOR DO BENEFÍCIO QUE VINHA RECEBENDO ATÉ A DATA DO SEU FALECIMENTO.O P% EQUIVALE A COTA FAMILIAR, NO CASO DOS PARTICIPANTES NATIVOS ELE SERÁ IGUAL 75%, JA PARA OS MIGRADOS SERÁ O MAIOR PERCENTUAL ENTRE A SEGUINTE RELAÇÃO: (75%; 50% + 10% VEZES Nº DE DEPENDENTES(LIMITADO A CINCO DEPENDENTES)). Benefício: BENEFÍCIO SALDADO 1996 Benefício Programado: SIM Regime: CAPITALIZAÇÃO Método de Financiamento: Nível Básico do Benefício: AGREGADO BENEFÍCIO SALDADO 1996 (BS96) - É O BENEFÍCIO QUE FOI CÁLCULADO EM 01/01/1997,NO ÂMBITO DO PLANO TRANSITÓRIO DE BENEFÍCIOS, TAMBÉM CONHECIDO COMO O BENEFÍCIO SALDADO DAS PARCELAS SALARIAS VARIAVEIS, EM DECORRÊNCIA DE QUE AS MESMAS COMPUNHAM O SALÁRIO REAL DE CONTRIBUIÇÃO, UTILIZADO PARA COMPOR O SALÁRIO REAL DE BENEFÍCIO, O SRB, UTILIZADO PARA O CÁLCULO DO BENEFÍCIO BÁSICO DO REFERIDO PLANO. NESTE CASOS ESSAS PARCELAS INFLUENCIAVAM NEGATIVAMENTE NO CÁLCULO DO SRB. (FORMA DE CÁLCULO VER ART 8º DO REGULAMENTO DO PLANO TRANSITÓRIO). COM AS MIGRAÇÕES EM 01/01/1999 A SEGUNDA EM 01/03/2000, OS PARTICIPANTES TIVERAM SEU BS96 TRASNFERIDO PARA O PLANO MISTO. O BENEFÍCIO DE QUE TRATA ESTE ITEM GARANTE AS COBERTURAS QUANTO A PENSÃO POR MORTE DE PARTICIPANTE ATIVO, APOSENTADORIA (POR TEMPO DE SERVIÇO, VELHICE, ESPECIAL, ANTECIPADA E POR INVALIDEZ)COM REVERSÃO EM PENSÃO POR MORTE DE PARTICIPANTE ASSISTIDO. 3

4 Benefício: BENEFÍCIO SALDADO 1998/2000 Benefício Programado: SIM Regime: CAPITALIZAÇÃO Método de Financiamento: Nível Básico do Benefício: AGREGADO BENEFÍCIO SALDADO 1998/2000, É O BENEFÍCIO CÁLCULADO NO ÂMBITO DO PLANO TRANSITÓRIO DE BENEFÍCIOS, EM DECORRÊNCIA DA MIGRAÇÃO DOS PARTICIPANTES ATIVOS DESTE PARA O PLANO MISTO DE BENEFÍCIOS. A FÓRMULA DE CÁLCULO SE ENCONTRA NOS ANEXOS III E V DO PLANO MISTO DE BENEFÍCIOS. OCORRERAM DUAS MIGRAÇÕES UMA EM 01/01/1999 A SEGUNDA EM 01/03/2000. O BENEFÍCIO DE QUE TRATA ESTE ITEM, NÃO SERÁ DEVIDO DADA A OCORRÊNCIA DO BENEFÍCIO DE RISCO (MORTE E INVALIDEZ DE PARTICIPANTE ATIVO E MORTE DE PARTICPANTE ASSISTIDO POR INVALIDEZ). CONTUDO, ELE GARANTE SUA REVERSÃO EM PENSÃO POR MORTE DE PARTICIPANTE APOSENTADO POR TEMPO DE SERVIÇO, VELHICE, ESPECIAL OU ANTECIPADA, COM A APLICAÇÃO DO P% SOBRE O VALOR DO BENEFÍCIO SALDADO QUE O PARTICIPANTE VINHA RECEBENDO COMO TAL. 4

5 DEMONSTRATIVO DA AVALIAÇÃO ATUARIAL GRUPO DE CUSTEIO: 1 - Custeio Plano Misto Patrocinadores e Instituidores CNPJ Razão Social / FUNDACAO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL * / CELESC DISTRIBUICAO S/A Participantes Ativos: 3730 Tempo médio de contribuição (meses): Folha de Salário de Participação: R$ ,46 Tempo médio para aposentadoria (meses): HIPÓTESES ATUARIAIS Hipótese: Fator de Determinação Valor Real ao Longo do Tempo Salários Valor: 96,97 Quantidade esperada no exercício seguinte: 96,97 Quantidade ocorrida no exercício encerrado: 96,42 Comentário sobre divergência entre esperado e ocorrido: O IPCA do IBGE, aplicado com 1 mês de defasagem, foi em 2014 da ordem de 6,56%, enquanto que o Fator de Determinação do valor real ao longo do tempo dos Salários da Entidade de 97,50% trabalhava com uma inflação média anual de 4,5%. Para esse ano, o Fator de Determinação do valor real ao longo do tempo dos Salários da Entidade passa a trabalhar com uma inflação média anual de 5,5%. Justificativa da EFPC: Observando o histórico da inflação medida pelo IPCA nos últimos onze anos, notamos que a média da inflação esteve em 5,61%. Não obstante, se olharmos as projeções feitas pelo mercado divulgadas no Boletim Focus do Banco Central do Brasil de 30 de janeiro de 2015, considerando o ranking das 5 instituições financeiras de melhores acertos em suas provisões, a mediana para o IPCA é de 7,28% para 2015 e de 5,70% para Considerando a Duration do Passivo do Plano e a meta estabelecida pelo Banco Central do Brasil, acreditamos que uma inflação média anual de longo prazo da ordem de 5,5% ao ano representa uma projeção adequada. Opinião do atuário: O Fator de Determinação do valor real ao longo do tempo dos Salários do Plano tem de se basear na projeção de inflação média ao longo dos anos remanescentes de existência desse Plano (em fase de extinção desde 31/12/1996), e, no longo prazo, se espera que a inflação fique, dentro da atual meta de inflação, estabelecida pelo Banco Central do Brasil (entre 2,5% ao ano a 6,5% ao ano). Hipótese: Fator de Determinação Valor Real Longo do Tempo Ben Entidade Valor: 96,97 Quantidade esperada no exercício seguinte: 96,97 Quantidade ocorrida no exercício encerrado: 96,42 Comentário sobre divergência entre esperado e ocorrido: O IPCA do IBGE, aplicado com 1 mês de defasagem, foi em 2014 da ordem de 6,56%, enquanto que o Fator de Determinação do valor real ao longo do tempo dos Benefícios da Entidade de 97,50% trabalhava com uma inflação média anual de 4,5%. Para esse ano, o Fator de Determinação do valor real ao longo do tempo dos Benefícios da Entidade passa a trabalhar com uma inflação média anual de 5,5%. Justificativa da EFPC: Observando o histórico da inflação medida pelo IPCA nos últimos onze anos, notamos que a média da inflação esteve em 5,61%. Não obstante, se olharmos as projeções feitas pelo mercado divulgadas no Boletim Focus do Banco Central do Brasil de 30 de janeiro de 2015, considerando o ranking das 5 instituições financeiras de melhores acertos em suas provisões, a mediana para o IPCA é de 7,28% para 2015 e de 5,70% para Considerando a Duration do Passivo do Plano e a meta estabelecida pelo Banco Central do Brasil, acreditamos que uma inflação média anual de longo prazo da ordem de 5,5% ao ano representa uma projeção adequada. Opinião do atuário: O Fator de Determinação do valor real ao longo do tempo dos Benefícios do Plano tem de se basear na projeção de inflação média ao longo dos anos remanescentes de existência desse Plano (em fase de extinção desde 31/12/1996), e, no longo prazo, se espera que a inflação fique, dentro da atual meta de inflação, estabelecida pelo Banco Central do Brasil (entre 2,5% ao ano a 6,5% ao ano). 5

6 Hipótese: Hipótese de Entrada em Aposentadoria Valor: Calculado considerando que a entrada em gozo de aposentadoria programada do participante não assistido se dará no 1º momento em que ele preencha as condições para recebimento do benefício pleno, ou seja, sem aplicação de qualquer redução. Quantidade esperada no exercício seguinte: 409,00 Quantidade ocorrida no exercício encerrado: 173,00 Comentário sobre divergência entre esperado e ocorrido: A quantidade esperada de aposentadorias programadas, para o ano de 2014, foi de 322, e a quantidade ocorrida de aposentadorias programadas, ao longo do ano de 2014, foi de 173. Justificativa da EFPC: Concordamos com as colocações apresentadas na opinião do atuário. Opinião do atuário: Na Avaliação Atuarial, se considera que todos os participantes não assistidos, assim que preencham todos os requisitos exigidos para a concessão do benefício pleno programado de aposentadoria, irão requerer tal benefício de aposentadoria programada. Hipótese: Hipótese sobre Composição de Família de Pensionistas Valor: Família Efetiva nos Benefícios Concedidos de Aposentadorias e Pensões por Morte e Experiência Regional atualizada em 2014 nos Benefícios a Conceder aos Participantes Não Assistidos Quantidade esperada no exercício seguinte: 0,98 Quantidade ocorrida no exercício encerrado: 0,98 Comentário sobre divergência entre esperado e ocorrido: Em função da revisão da Composição Média de Família de Dependentes do Plano Misto de Benefícios Previdenciários Nº001 administrado pela CELOS, não há alteração entre a quantidade esperada no exercício seguinte e a ocorrida no exercício encerrado (os valores informados representam a média de dependentes por família). Justificativa da EFPC: A adoção da família efetiva para avaliar os compromissos relativos aos Benefícios de Aposentadorias e Pensões por Morte já Concedidos, mantendo-se a adoção da composição de família correspondente à Experiência CELOS somente para os Benefícios a Conceder aos Participantes Não Assistidos traz maior realismo aos resultados da avaliação atuarial, considerando a recomendação realizada pelo atuário responsável pelo Plano. Ressalta-se que a composição de família correspondente à Experiência CELOS foi atualizada em Opinião do atuário: Desde 31/12/2012, vem se adotando, integralmente, a Família Efetiva nos Benefícios Concedidos de Aposentadorias e Pensões por Morte e Experiência CELOS atualizada em 2014 nos Benefícios a Conceder aos Participantes Não Assistidos. Hipótese: Hipótese sobre Rotatividade (Percentual) Valor: 0,50% ao ano (média ao longo dos próximos 12 meses) Quantidade esperada no exercício seguinte: 27,50 Quantidade ocorrida no exercício encerrado: 44,00 Comentário sobre divergência entre esperado e ocorrido: A quantidade esperada de saídas sem direito a benefício, para o ano de 2014, foi de 21,62, e a quantidade ocorrida de saídas sem direito a benefício, ao longo do ano de 2014, foi de 44, esta diferença é aceita no estudo de atualização da escala de rotatividade média por idade, que reflete a tendência de redução das saídas sem direito a benefícios de participantes ao longo dos últimos anos e a perspectiva da continuidade da sua redução nos anos futuros, num cenário onde o Instituto do Benefício Proporcional Diferido é um Fator Moderador para a ocorrência de saídas do Plano sem direito a benefício. Justificativa da EFPC: O raciocínio do atuário para justificar a manutenção do nível de rotatividade (saída sem direito a benefício), que vinha sendo adotada, está em plena conformidade com a atitude esperada para os empregados participantes que venham a perder vínculo empregatício com a Patrocinadora. Opinião do atuário: A manutenção do nível da Rotatividade, aqui entendida como saída do Plano sem direito a benefício, está em consonância com as expectativas que o Benefício Proporcional Diferido abre para os que deixam de trabalhar no Patrocinador antes de preencher as condições de requerer benefício pelo Plano, configurando-se o Benefício Proporcional Diferido uma alternativa menos onerosa para o Participante permanecer no Plano após a perda do vínculo empregatício. 6

7 Hipótese: Indexador do Plano (Reajuste dos Benefícios) Valor: IPCA (IBGE) Quantidade esperada no exercício seguinte: 5,50 Quantidade ocorrida no exercício encerrado: 6,56 Comentário sobre divergência entre esperado e ocorrido: Considerando o IPCA do IBGE, o indexador do Plano, aplicado com 1 mês de defasagem, este índice acumulado resultou, para o exercício de 2014, em 6,56%, ou seja, acima dos 4,50% esperados para o ano de 2014, sendo que, por tal hipótese estar vinculada a uma inflação de longo prazo, esperamos para o exercício seguinte uma inflação de 5,50% (ao ano). Justificativa da EFPC: Em conformidade com o Regulamento de Benefícios do Plano, o IPCA do IBGE é o Indexador estabelecido para recompor o valor dos benefícios de prestação continuada. Opinião do atuário: O indexador do Plano é o que está estabelecido em Regulamento para reajustar os benefícios de prestação continuada, correspondendo a um nível oficial de inflação, calculado pelo IPCA, que expressa a perda do poder aquisitivo dos trabalhadores. Hipótese: Projeção de Crescimento Real de Salário Valor: 2,86 Quantidade esperada no exercício seguinte: 2,86 Quantidade ocorrida no exercício encerrado: 6,77 Comentário sobre divergência entre esperado e ocorrido: Ao longo de 2014, o Salário Real de Contribuição, dos participantes em atividade do Plano, cresceu 6,77% em termos reais, tendo sido projetado para o ano de 2014 um crescimento real de 1%. Dessa forma, está sendo revista essa hipótese, nessa avaliação atuarial, conforme as colocações apresentadas, a seguir, como Opinião do Atuário e como Justificativa da EFPC. Justificativa da EFPC: Considerando que a Politica de RH praticada pela CELESC, prevê a concessão de um reajuste salarial de 1% a título de anuidade a todos os seus funcionários e a manifestação feita por essa Patrocinadora está em linha com a hipótese de crescimento real de salário de 1% ao ano mais um percentual variável por Antiguidade e Merecimento. Conforme manifestação realizada pela CELOS, e com base na análise histórica desta hipótese onde observamos que a CELESC aplicou um índice médio de reajustes concedidos no período de 2012 a 2014 de 3,30% ao ano, podemos inferir que a estimativa de crescimento real de salário médio de 2,86% ao ano está adequada para o Plano, uma vez que nem todos os participantes ativos estão ligados à CELESC. Opinião do atuário: Com base nos salários de novembro de 2014, se realizou, utilizando uma cross-section da evolução do salário médio em função da idade (havendo alta correlação entre a idade e o tempo de empresa), um ajuste do Salário Médio por Idade através de uma curva logarítmica, que apresentou um alto grau de correlação (da ordem de 0,9915). Tal crescimento, decorrente de Mérito Pessoal, passa a fazer parte da projeção do crescimento real de salário, e está representando, em média, um crescimento real da ordem de 1,84% ao ano. Além do crescimento real por Mérito Pessoal, está se mantendo a variável crescimento real de salário decorrente de Produtividade Geral (anuênio) de 1% ao ano. Em consequência, o crescimento real de salário, por Mérito Pessoal (...) [Texto completo no JM 0528/2015] Hipótese: Taxa Real Anual de Juros Valor: 5,20 Quantidade esperada no exercício seguinte: 5,20 Quantidade ocorrida no exercício encerrado: -1,15 Comentário sobre divergência entre esperado e ocorrido: A rentabilidade real líquida de menos 1,15% ao ano, atingida em 2014, ficou bem abaixo da respectiva meta atuarial de 5,12% ao ano para a taxa real de desconto/juros, sendo que, num período maior, constituído pelos 5 (cinco) anos anteriores a 2014, a rentabilidade real média obtida foi de 6,48% ao ano, superando a meta atuarial de 5,12% ao ano, adotada ao longo de Para a avaliação atuarial do exercício de 2014, a Taxa Real Anual de Juros está sendo ajustada para 5,20% ao ano, observada as colocações apresentadas, a seguir, como Opinião do Atuário e Justificativa da EFPC. Justificativa da EFPC: A área financeira e os consultores financeiros da Fundação, responsáveis pela elaboração e avaliação dos resultados da Política de Investimentos deste Plano Misto da CELOS se posicionaram sobre ser factível, dentro do cenário esperado para os anos futuros, a obtenção de retornos reais compatíveis com a meta atuarial de IPCA + juros reais de 5,20% ao ano, tomando por base o Estudo de ALM elaborado em Dezembro de 2014 pela Consultoria ADITUS e os estudos técnicos realizados em atendimento à Instrução PREVIC Nº 7/2013, que levou em consideração os riscos econômicos e financeiros, bem como os riscos associados ao aumento futuro de longevidade, além da Resolução CNPC N 15/2014, e a Portaria PREVIC Nº 615/2014, que dispõem acerca da definição da Taxa Real de Juros a ser adotada no fim de Opinião do atuário: 7

8 A taxa real de juros está sendo ajustada para 5,20% ao ano, por ter sido verificada a viabilidade de seu alcance, através do Estudo de ALM, elaborado em Dezembro de 2014, pela Consultoria ADITUS, que também levou em consideração os riscos econômicos e financeiros, bem como os riscos associados ao aumento futuro de longevidade. Cabe destacar que, a taxa real de juros de 5,20% ao ano adotada nessa avaliação atuarial é igual à Taxa de Juros Parâmetro referente a uma Duration do Passivo igual a 11,1 anos, conforme a Portaria PREVIC Nº 615, de , para o fim do exercício de Hipótese: Tábua de Entrada em Invalidez Valor: LIGHT Quantidade esperada no exercício seguinte: 24,92 Quantidade ocorrida no exercício encerrado: 5,00 Comentário sobre divergência entre esperado e ocorrido: A quantidade esperada de entradas em gozo de aposentadoria por invalidez, para o ano de 2014, foi de 27,03, e a quantidade ocorrida de entradas em gozo de aposentadoria por invalidez, ao longo do ano de 2014, foi de 5 (além dos 15 que estão em auxílio doença há mais de 24 meses), esta diferença foi considerada no teste de Aderência de Tábua de Entrada em Invalidez, apresentado pelo JM/1393/2014 de 29/05/2014. Justificativa da EFPC: Com base nas razões apresentadas no estudo de aderência apresentado pelo atuário através do JM/1393/2014 de 29/05/2014, nos posicionamos pela adoção da Tábua de Entrada em Invalidez LIGHT-MÉDIA agravada em 15%, reduzindo o agravamento desta hipótese, conforme fora indicado pelo atuário responsável pelo Plano. Opinião do atuário: Foi apresentado através do JM/1393/2014 de 29/05/2014 estudo de aderência de tábuas de entrada em invalidez, que indicou a substituição da Tábua de Entrada em Invalidez LIGHT-MÉDIA agravada em 25% para a LIGHT-MÉDIA agravada em 15%, destacando ser necessário o acompanhamento permanente dos novos casos de entrada em benefício de aposentadoria por invalidez para, quando necessário, ajustar essa hipótese biométrica. Cabe destacar que, no estudo consideramos os participantes em auxílio-doença por mais de 24 meses como uma pré-invalidez, visando ter cautela na adoção de Tábuas de Entrada em Invalidez com níveis menores de entrada em invalidez. Hipótese: Tábua de Mortalidade de Inválidos Valor: AT 49 Quantidade esperada no exercício seguinte: 3,20 Quantidade ocorrida no exercício encerrado: 7,00 Comentário sobre divergência entre esperado e ocorrido: A quantidade esperada de mortes de aposentados por invalidez, para o ano de 2014, foi de 3,03, e a quantidade ocorrida de mortes de aposentados por invalidez, ao longo do ano de 2014, foi de 7, esta diferença é compatível com o teste de Aderência de Tábua de Mortalidade, apresentado pelo JM/1393/2014 de 29/05/2014. Justificativa da EFPC: Com base na indicação do atuário, exposta no estudo de aderência apresentado através do JM/1393/2014 de 29/05/2014, nos posicionamos pela manutenção da Tábua de Mortalidade de Inválidos qxi = qx da AT-49 (masculina), a qual fora indicada pelo atuário responsável pelo Plano, ressaltando que o número de expostos a esta hipótese é baixo, produzindo uma frequência muito baixa de eventos, tanto esperado quanto ocorrido, o que dificulta a obtenção de um resultado estatístico mais significativo. Opinião do atuário: Considerando que a mortalidade de inválidos seja algo mais forte que a dos não inválidos, indicamos a Tábua de Mortalidade de Inválidos qxi = qx da AT-49 (masculina), por ser uma Tábua de Mortalidade da mesma família da AT (masculina), só que com um nível de mortalidade algo mais elevado, além de ter sido aceita no estudo de aderência de tábuas de mortalidade, envolvendo a experiência observada na mortalidade de participantes aposentados por invalidez, apresentado através do JM/1393/2014 de 29/05/2014. Hipótese: Tábua de Mortalidade Geral Valor: AT 2000 Quantidade esperada no exercício seguinte: 20,55 Quantidade ocorrida no exercício encerrado: 14,00 Comentário sobre divergência entre esperado e ocorrido: A quantidade esperada de mortes de aposentados sem ser por invalidez, para o ano de 2014, foi de 20,83, e a quantidade ocorrida de mortes de aposentados sem ser por invalidez, ao longo do ano de 2014, foi de 14, esta diferença é compatível com o teste de Aderência de Tábua de Mortalidade apresentado pelo JM/1393/2014 de 29/05/2014. Justificativa da EFPC: Com base no estudo de aderência de tábuas de mortalidade enviado pelo atuário através do JM/1393/2014 de 29/05/2014, nos posicionamos pela substituição da Tábua de Mortalidade Geral qx da AT-83 (masculina) para a Tábua de Mortalidade Geral qx da AT-2000 (masculina), para projetar a mortalidade dos participantes aposentados sem ser por invalidez e dos pensionistas, a qual fora sugerida pelo atuário responsável pelo Plano. 8

9 Opinião do atuário: Foi apresentado através do JM/1393/2014 de 29/05/2014 estudo de aderência de tábuas de mortalidade, envolvendo a experiência observada na mortalidade de participantes aposentados sem ser por invalidez e dos pensionistas, que sugeriu a adoção da Tábua de Mortalidade Geral qx da AT-2000 (masculina), em substituição à Tábua de Mortalidade Geral qx da AT-83 (masculina), já que apresentou uma aderência mais confortável à mortalidade dos aposentados sem ser por invalidez e dos pensionistas. HIPÓTESES ATUARIAIS NÃO UTILIZADAS NESTA DEMONSTRAÇÃO Fator de Determinação do Valor Real Longo do Tempo Ben INSS Hipótese sobre Gerações Futuras de Novos Entrados Projeção de Crescimento Real do Maior Sal Ben INSS Projeção de Crescimento Real dos Benefícios do Plano Tábua de Morbidez BENEFÍCIOS Benefício: BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA Quantidade de benefícios concedidos: 1549 Valor médio do benefício (R$): 1.272,62 Idade média dos assistidos: 63 Custo do Ano (R$): Custo do Ano (%): Provisões Matemáticas Benefícios Concedidos Saldo de Conta dos Assistidos Benefício Definido Programados Assistidos não Programados Assistidos Benefícios a Conceder Saldo de Contas parcela Patrocinador ou Instituidor Saldo de Contas parcela Participantes Benefício Definido Capitalização Programado ( ) Valor Atual das Contribuições Futuras Patrocinadores ( ) Valor Atual das Contribuições Futuras Participantes Benefício Definido Capitalização não Programado ( ) Valor Atual das Contribuições Futuras Patrocinadores ( ) Valor Atual das Contribuições Futuras Participantes Benefício Definido Capitais de Cobertura Benefício Definido Repartição Simples R$ ,48 R$ ,02 R$ ,02 R$ ,02 R$ ,46 R$ ,28 R$ ,18 R$ ,10 R$ ,18 R$ ,18 9

10 Benefício: BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA POR INVALIDEZ Quantidade de benefícios concedidos: 246 Valor médio do benefício (R$): 1.476,38 Idade média dos assistidos: 57 Benefícios Concedidos Saldo de Conta dos Assistidos Benefício Definido Programados Assistidos não Programados Assistidos Benefícios a Conceder Saldo de Contas parcela Patrocinador ou Instituidor Saldo de Contas parcela Participantes Benefício Definido Capitalização Programado Benefício Definido Capitalização não Programado Benefício Definido Capitais de Cobertura Benefício Definido Repartição Simples R$ ,94 R$ ,94 R$ ,94 R$ ,04 Benefício: BENEFÍCIO DE PENSÃO POR MORTE Quantidade de benefícios concedidos: 193 Valor médio do benefício (R$): 967,43 Idade média dos assistidos: 48 Benefícios Concedidos Saldo de Conta dos Assistidos Benefício Definido Programados Assistidos não Programados Assistidos Benefícios a Conceder Saldo de Contas parcela Patrocinador ou Instituidor Saldo de Contas parcela Participantes Benefício Definido Capitalização Programado Benefício Definido Capitalização não Programado Benefício Definido Capitais de Cobertura Benefício Definido Repartição Simples R$ ,24 R$ ,24 R$ ,35 R$ ,89 R$ ,17 10

11 Benefício: BENEFÍCIO SALDADO 1996 Quantidade de benefícios concedidos: 1933 Valor médio do benefício (R$): 499,54 Idade média dos assistidos: 61 Benefícios Concedidos Saldo de Conta dos Assistidos Benefício Definido Programados Assistidos não Programados Assistidos Benefícios a Conceder Saldo de Contas parcela Patrocinador ou Instituidor Saldo de Contas parcela Participantes Benefício Definido Capitalização Programado Benefício Definido Capitalização não Programado Benefício Definido Capitais de Cobertura Benefício Definido Repartição Simples R$ ,08 R$ ,08 R$ ,78 R$ ,30 R$ ,76 R$ ,80 Benefício: BENEFÍCIO SALDADO 1998/2000 Quantidade de benefícios concedidos: 1631 Valor médio do benefício (R$): 3.276,44 Idade média dos assistidos: 63 Benefícios Concedidos Saldo de Conta dos Assistidos Benefício Definido Programados Assistidos não Programados Assistidos Benefícios a Conceder Saldo de Contas parcela Patrocinador ou Instituidor Saldo de Contas parcela Participantes Benefício Definido Capitalização Programado Benefício Definido Capitalização não Programado Benefício Definido Capitais de Cobertura Benefício Definido Repartição Simples R$ ,30 R$ ,30 R$ ,30 R$ ,48 11

12 BENEFÍCIOS ESTRUTURADOS NO MÉTODO DE FINANCIAMENTO AGREGADO Custo do Ano (R$): ,93 Custo do Ano (%): 20,40 Benefícios a Conceder Benefício Definido Capitalização Programado ( ) Valor Atual das Contribuições Futuras Patrocinadores ( ) Valor Atual das Contribuições Futuras Participantes Benefício Definido Capitalização não Programado ( ) Valor Atual das Contribuições Futuras Patrocinadores ( ) Valor Atual das Contribuições Futuras Participantes R$ ,22 CONSOLIDADO DO GRUPO CUSTEIO 1 - Custeio Plano Misto Custo Normal do Ano (R$) ,93 Custo Normal do Ano (%) 20,40 Provisões Matemáticas Benefícios Concedidos Saldo de Conta dos Assistidos Benefício Definido Programados Assistidos não Programados Assistidos Benefícios a Conceder Saldo de Contas parcela Patrocinador ou Instituidor Saldo de Contas parcela Participantes Benefício Definido Capitalização Programado ( ) Valor Atual das Contribuições Futuras Patrocinadores ( ) Valor Atual das Contribuições Futuras Participantes Benefício Definido Capitalização não Programado ( ) Valor Atual das Contribuições Futuras Patrocinadores ( ) Valor Atual das Contribuições Futuras Participantes Benefício Definido Capitais de Cobertura Benefício Definido Repartição Simples R$ ,07 R$ ,58 R$ ,58 R$ ,45 R$ ,13 R$ ,49 R$ ,28 R$ ,18 R$ ,10 R$ ,42 R$ ,42 R$ ,79 R$ ,01 R$ ,22 12

13 PROVISÕES MATEMÁTICAS A CONSTITUIR E CONTRATOS Contabilizado no Ativo Déficit equacionado Patrocinador (0 meses restantes) Participantes ativos (0 meses restantes) Assistidos (0 meses restantes) Serviço passado Patrocinador (0 meses restantes) Participantes ativos (0 meses restantes) Assistidos (0 meses restantes) Outras finalidades Patrocinador (0 meses restantes) Participantes ativos (0 meses restantes) Assistidos (0 meses restantes) Contabilizado no Passivo Déficit equacionado Patrocinador (0 meses restantes) Participantes ativos (0 meses restantes) Assistidos (0 meses restantes) Serviço passado Patrocinador (0 meses restantes) Participantes ativos (0 meses restantes) Assistidos (0 meses restantes) Outras finalidades Patrocinador (0 meses restantes) Participantes ativos (0 meses restantes) Assistidos (0 meses restantes) PATRIMÔNIO DE COBERTURA Patrimônio de Cobertura: R$ ,91 Insuficiência de cobertura: R$ ,16 FUNDO PREVIDENCIAL DE DESTINAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE RESERVA ESPECIAL PARA REVISÃO DE PLANO Saldo Patrocinador Participantes Ativos Assistidos 13

14 FONTE DOS RECURSOS Participantes Assistidos Patrocinador Valor (R$) Valor (%) Valor (R$) Valor (%) Valor (R$) Valor (%) Total em valores Total de , , , ,51 Contribuições previdenciárias ,46 10, ,59 7, ,46 10, ,51 Normais ,46 10, ,59 7, ,46 10, ,51 Extraordinárias Déficit equacionado Serviço Passado Outras Finalidades Utilização de fundos Exigência regulamentar Destinação de reserva Data Início de Vigência: 01/04/2015 PARECER ATUARIAL DO GRUPO DE CUSTEIO Evolução dos custos: 1)Utilizando as hipóteses atuariais apresentadas nestas Demonstrações Atuariais (D.A.), o cadastro de participantes fornecido pela CELOS e considerando que, entre 14/12/2014 e 23/01/2015, os participantes não assistidos tiveram a opção de definir suas alíquotas para a contribuição normal, respeitando o limite mínimo de 5% e o limite máximo de 10,74%, mantendo-se a paridade na contrapartida patronal, sendo mantidas as alíquotas vigentes para os participantes assistidos. No entanto, tal evento teve impacto irrelevante no custeio dos benefícios de risco dessa avaliação atuarial, pois somente 10 (dez) participantes não assistidos não mantiveram (reduzindo) o percentual contributivo que estava vigente, não se registrando, também, com a adoção das referidas alíquotas, qualquer impacto no custeio das despesas administrativas, visto que, para evitar tal impacto, se passou a aplicar percentuais contributivos, destinados a custear essas despesas, diretamente no Salário Real de Contribuição, conforme JM/0315/2015 de 13/02/2015, a aplicação da metodologia de cálculo atuarial, estabelecida para o Plano Misto de Benefícios Previdenciários Nº 001 da CELOS, resultou no custo total de 20,403% da Folha do Salário de Participação dos Participantes Não Assistidos (excluída a contribuição normal de 7,244% dos participantes aposentados destinada a participar do custeio normal dos benefícios). 2)O custo total reavaliado de 20,403% da Folha dos Salários de Participação dos Participantes Não Assistidos será custeado, no exercício de 2015, pelas contribuições descritas a seguir, dentro dos parâmetros definidos no Regulamento do Plano Misto de Benefícios Previdenciários Nº 001 da CELOS, em que os participantes não assistidos passaram a definir suas alíquotas, anualmente, respeitando o limite mínimo de 5% e o limite máximo de 10,74%, mantendo-se a paridade na contrapartida patronal, sendo mantidas as alíquotas vigentes para os participantes assistidos. 14

15 3) A Contribuição Normal Vigente, atuarialmente determinada, de 20,403% da folha do Salário Real de Contribuição corresponde exatamente ao Custo Normal atuarialmente verificado ao final de 2014, de 20,403% da folha do Salário de Participação dos Participantes Não Assistidos. Variação das provisões matemáticas: A variação do Passivo Atuarial (Provisões Matemáticas) deste Plano, do final do ano de 2013 para o final do ano 2014, é a seguinte: Referência 31/12/ /12/2014 Variação Provisão de Benefícios Concedidos , ,58 13,99% Provisão de Benefícios a Conceder , ,49-1,38% Provisão Matemática a Constituir Provisões Matemáticas (Passivo Atuarial) , ,07 6,52% Principais riscos atuariais: 1) A situação financeiro-atuarial do Plano Misto de Benefícios Previdenciários Nº 001 vigente na CELOS, patrocinado pela CELESC e pela CELOS, avaliado pelos mesmos regimes/métodos adotados na avaliação atuarial do exercício anterior, bem como com as mesmas hipóteses atuariais adotadas na avaliação atuarial do exercício anterior, com exceção da Taxa Real de Juros que passou a ser de 5,20% ao ano, da Mortalidade Geral que passou a ser AT 2000 (masculina), da Entrada em Invalidez que passou a ser LIGHT-MÉDIA agravada em 15%, da adoção de uma projeção de crescimento real de salário anual melhor ajustada à situação dos participantes não assistidos, da Composição de Família correspondente à Experiência CELOS utilizada na avaliação atuarial do benefício de pensão por morte dos participantes não assistidos e do Fator de Capacidade que passou a ser de 96,97%, apresentou um Déficit Técnico Acumulado de R$ ( ,16), equivalente a 8,43% do Patrimônio de Cobertura do Plano, então existente, de R$ ,91. 2) Na Avaliação Atuarial de 2014, o reflexo conjunto das alterações de hipóteses, mencionadas no numeral 1 anterior, representou um aumento nas Provisões Matemáticas de R$ ,06. 3) A manutenção da destinação de 20% da contribuição normal do Patrocinador para a cobertura dos Benefícios de Risco, sendo 18,5%, ou seja, 92,50% (= 18,5% 20%) dessa contribuição para a cobertura direta dos Benefícios de Risco do Plano e sendo 1,5%, ou seja, 7,50% (= 100% - 92,50%) dessa contribuição normal do Patrocinador para constituir um Fundo de Oscilação de Risco, corresponde a uma prudência atuarial decorrente de não basear a suficiente cobertura dos Benefícios de Risco na ocorrência ou não de crescimento real de salário, bem como dar uma margem de cobertura aos desvios de sinistralidade associados aos Benefícios de Risco. 4) Tomando por base a Resolução CNPC Nº 16, de 19/11/2014, que complementa a Resolução CNPC Nº 13, de 04/11/2013, e altera a Resolução CGPC Nº 26, de 29/09/2008, a CELOS apurou um valor positivo de R$ ,58, referente ao ajuste de precificação, restrito aos títulos públicos federais atrelados a índices de preços classificados na categoria títulos mantidos até o vencimento, considerando a taxa real de juros de 5,20% ao ano (adotada nessa avaliação atuarial), para fins de Equacionamento de Déficit, observando o equilíbrio técnico ajustado. 5) Assim, considerando a referida Resolução CNPC Nº 16, de 19/11/2014, o Equilíbrio Técnico Ajustado do Plano Misto da CELOS apresentou um Resultado Deficitário de R$ ( ,58) = R$ ( ,16) + R$ ,58, que corresponde a 11,06% do valor total das Provisões Matemáticas de R$ ,79 (sem considerar a parcela estruturada em, Saldo de Contas parte Patrocinadora e parte Participante), em 31/12/2014. Dessa forma, como, ao final do exercício de 2013 (primeiro exercício de ocorrência de Déficit), o Déficit Técnico Acumulado representava 6,03% das referidas Provisões Matemáticas, e, ao final desse exercício, o referido Déficit ultrapassou 10% das citadas Provisões Matemáticas, tornou-se imperativo o equacionamento, ao longo do exercício de 2015, ao menos do resultado deficitário que ultrapassou o percentual de 10% das mencionadas Provisões Matemáticas do Plano, ou seja, considerando a Resolução CNPC Nº 16, de 19/11/2014, do Déficit Técnico Acumulado (por Equilíbrio Técnico Ajustado) de R$ ( ,58), em 31/12/2014, no mínimo, R$ ,43 (= 1,06% de R$ ,79) deverá ser equacionado, ao longo de 2015, para que o mesmo deixe de exceder a 10% do valor total das Provisões Matemáticas. No entanto, tendo em vista que existem perspectivas concretas de que, ao longo desse ano, a Situação Atuarial 15

16 desse Plano permaneça Deficitária, se faz necessário que sejam estudados ajustes preventivos no Plano de Custeio, visando dar melhores condições para que o Plano Misto da CELOS não encerre o ano de 2015 em Situação Atuarial Deficitária, visto que, na ocorrência de Déficit Técnico ao longo de 3 (três) anos sucessivos, a totalidade do mesmo terá de ser equacionado. 6)A rentabilidade nominal líquida, obtida pela CELOS na aplicação dos recursos garantidores do Ativo Líquido do conjunto dos Planos Previdenciários da CELOS, ao longo de 2014, foi de 5,33% contra uma expectativa atuarial de rentabilidade nominal líquida de 12,02% o que, em termos reais, representou obter menos 1,15%, não alcançando a meta atuarial de rentabilidade real líquida de 5,12% ao ano, aplicando, o IPCA do IBGE, e adotando o método da taxa interna de retorno (TIR), a partir dos fluxos mensais de receitas e despesas, na obtenção dos referidos percentuais de rentabilidade. Soluções para insuficiência de cobertura: Considerando a referida Resolução CNPC Nº 16, de 19/11/2014, o Equilíbrio Técnico Ajustado do Plano Misto da CELOS apresentou um Resultado Deficitário de R$ ( ,58) = R$ ( ,16) + R$ ,58, que corresponde a 11,06% do valor total das Provisões Matemáticas de R$ ,79 (sem considerar a parcela estruturada em, Saldo de Contas parte Patrocinadora e parte Participante), em 31/12/2014. Dessa forma, como, ao final do exercício de 2013 (primeiro exercício de ocorrência de Déficit), o Déficit Técnico Acumulado representava 6,03% das referidas Provisões Matemáticas, e, ao final desse exercício, o referido Déficit ultrapassou 10% das citadas Provisões Matemáticas, tornou-se imperativo o equacionamento, ao longo do exercício de 2015, ao menos do resultado deficitário que ultrapassou o percentual de 10% das mencionadas Provisões Matemáticas do Plano, ou seja, considerando a Resolução CNPC Nº 16, de 19/11/2014, do Déficit Técnico Acumulado (por Equilíbrio Técnico Ajustado) de R$ ( ,58), em 31/12/2014, no mínimo, R$ ,43 (= 1,06% de R$ ,79) deverá ser equacionado, ao longo de 2015, para que o mesmo deixe de exceder a 10% do valor total das Provisões Matemáticas. No entanto, tendo em vista que as perspectivas são de que, ao longo desse ano, a Situação Atuarial desse Plano permaneça Deficitária, se faz necessário que sejam estudados ajustes preventivos no Plano de Custeio, visando dar melhores condições para que o Plano Misto da CELOS não encerre o ano de 2015 em Situação Atuarial Deficitária, visto que, na ocorrência de Déficit Técnico ao longo de 3 (três) anos sucessivos, a totalidade do mesmo terá de ser equacionado. 16

17 INFORMAÇÕES CONSOLIDADAS Participantes ativos do plano: 3730 Tempo médio de contribuição do plano (meses): 220 Tempo médio para aposentadoria do plano (meses): 121 TOTAL DAS RESERVAS Custo Normal do Ano R$ ,93 Provisões Matemáticas R$ ,07 Benefícios Concedidos Saldo de Conta dos Assistidos Benefício Definido Programados Assistidos não Programados Assistidos Benefícios a Conceder Saldo de Contas parcela Patrocinador ou Instituidor Saldo de Contas parcela Participantes Benefício Definido Capitalização Programado ( ) Valor Atual das Contribuições Futuras Patrocinadores ( ) Valor Atual das Contribuições Futuras Participantes Benefício Definido Capitalização não Programado ( ) Valor Atual das Contribuições Futuras Patrocinadores ( ) Valor Atual das Contribuições Futuras Participantes Benefício Definido Capitais de Cobertura Benefício Definido Repartição Simples R$ ,58 R$ ,58 R$ ,45 R$ ,13 R$ ,49 R$ ,28 R$ ,18 R$ ,10 R$ ,42 R$ ,42 R$ ,79 R$ ,01 R$ ,22 17

18 PROVISÕES MATEMÁTICAS A CONSTITUIR E CONTRATOS Contabilizado no Ativo Déficit equacionado Patrocinador Participantes ativos Assistidos Serviço passado Patrocinador Participantes ativos Assistidos Outras finalidades Patrocinador Participantes ativos Assistidos Contabilizado no Passivo Déficit equacionado Patrocinador Participantes ativos Assistidos Serviço passado Patrocinador Participantes ativos Assistidos Outras finalidades Patrocinador Participantes ativos Assistidos RESULTADO DO PLANO Resultado do exercício Déficit Técnico Superávit Técnico Reserva de Contingência Reserva Especial para Revisão de Plano R$ ,08 R$ ,16 18

19 FONTE DOS RECURSOS Participantes Assistidos Patrocinador Valor (R$) Valor (%) Valor (R$) Valor (%) Valor (R$) Valor (%) Total em Valores Total de recursos , , , ,51 Contribuições previdenciárias ,46 10, ,59 7, ,46 10, ,51 Normais ,46 10, ,59 7, ,46 10, ,51 Extraordinárias Déficit equacionado Serviço Passado Outras Finalidades Utilização de fundos Exigência regulamentar Destinação de reserva 19

20 PARECER ATUARIAL DO PLANO Qualidade da base cadastral: Com relação aos valores registrados como Provisões Matemáticas de Benefícios Concedidos e a Conceder, e como Superávit Técnico Acumulado, devidamente registrado como Reserva de Contingência, atestamos que os mesmos foram avaliados por esta Consultoria Atuarial Independente, adotando as hipóteses atuariais relacionadas no numeral 6 do item VI.3. e os regimes / métodos atuariais de financiamento referidos no item VI.7., bem como utilizando os dados contábeis e cadastrais que nos foram enviados pela CELOS, sendo que os dados cadastrais foram objeto de análise de consistência e de comparação com os dados cadastrais do exercício anterior, a qual submetemos à referida Entidade Fechada de Previdência Complementar para os ajustes necessários e posterior validação, tendo sido, tão somente após tal validação, utilizados na elaboração da Avaliação Atuarial de 2014, refletida neste D.A. Regras de constituição e reversão dos fundos previdenciais: Fundo de Oscilação de Risco: Finalidade: Preservar o equilíbrio atuarial do Plano, em relação aos Benefícios de Risco, visando não basear a suficiente cobertura dos Benefícios de Risco, na ocorrência ou não de crescimento real de salário, bem como, dar uma margem de cobertura a desvios de sinistralidade associados aos Benefícios de Risco. Fonte de Custeio: ii) saldo, devidamente atualizado, do excedente das contribuições destinadas à cobertura direta dos Benefícios de Risco, realizadas pelo Patrocinador, incluindo as realizadas por Participantes, na condição de Autopatrocinado, para o custeio desses Benefícios; e ii) outros saldos, devidamente atualizados, existentes e não discriminados anteriormente, compatíveis com a natureza desse Fundo e estabelecidos em Nota Técnica Atuarial. Recursos Recebidos no Exercício: Recursos Utilizados no Exercício: Saldo ao Final do Exercício: Variação do resultado: Déficit Técnico Acumulado registrado ao final do exercício de R$ ( ,08) Parcela, referente à atualização pela meta atuarial de rentabilidade do ano de 2014, do Déficit Técnico Acumulado existente em 31/12/ R$ ( ,54) (*1) Perda decorrente da meta atuarial de rentabilidade de 12,02% não ter sido alcançada em R$ ( ,63) (*2) Em dezembro de 2014, a CELOS provisionou todas as despesas relacionadas a ações judiciais, que ainda não foram transitadas em julgado...r$ ( ,53) Substituição da taxa real de juros de 5,12% ao ano para 5,20% ao ano...r$ ,77 Substituição da Tábua de Mortalidade Geral AT 83 (masculina) para AT 2000 (masculina)...r$ ( ,99) Substituição da Tábua de Entrada em Invalidez LIGHT-MÉDIA agravada em 25% para a LIGHT-MÉDIA agravada em 15%...R$ ,70 Substituição do Fator de Capacidade de 97,50% para 96,97%...R$ ,12 Adoção de uma projeção de crescimento real de salário anual melhor ajustada à situação dos participantes não assistidos...r$ ,67 Adoção de composição de família com base na Experiência CELOS melhor ajustada para os participantes não assistidos...r$ ,88 20

21 Destinação de 1,50% (= 2% - 18,50%), ou seja, 7,50% (= 1,50% 20%) da contribuição destinada ao custeio dos benefícios de risco para o Fundo de Oscilação de Risco...R$ ( ,21) Resultados Atuariais Líquidos de origens diversas e pulverizadas não referidos anteriormente...r$ ,96 (*3) Déficit Técnico Acumulado de 31/12/ R$ ( ,16) Ajuste de Precificação em 31/12/ R$ ,58 Déficit Técnico Acumulado (por Equilíbrio Técnico Ajustado) em 31/12/ R$ ( ,58) (*1): Igual a R$ ( ,08) 12,02%. (*2): A perda decorrente da meta atuarial de rentabilidade de 12,02% não ter sido alcançada em 2014, não leva em consideração a perda financeira obtida pelos recursos alocados na CIAP (estruturados em Contribuição Definida, em que não há imperativo de rentabilidade), dessa forma, da perda financeira total ocorrida no Plano Misto, de R$ ,56, somente R$ ,63 foi decorrente de não se ter alcançada a referida meta atuarial de rentabilidade. (*3): Equivalente a 1,02% do valor total das Provisões Matemáticas obtido na Reavaliação Atuarial de R$ ,79, descontados os Saldos da CIAP (estruturados em ), de R$ ,28, em 31/12/2014. Natureza do resultado: Tomando por base a Resolução CNPC Nº 16, de 19/11/2014, que complementa a Resolução CNPC Nº 13, de 04/11/2013, e altera a Resolução CGPC Nº 26, de 29/09/2008, a CELOS apurou um valor positivo de R$ ,58, referente ao ajuste de precificação, restrito aos títulos públicos federais atrelados a índices de preços classificados na categoria títulos mantidos até o vencimento, considerando a taxa real de juros de 5,20% ao ano (adotada nessa avaliação atuarial), para fins de Equacionamento de Déficit, observando o equilíbrio técnico ajustado. Assim, considerando a referida Resolução CNPC Nº 16, de 19/11/2014, o Equilíbrio Técnico Ajustado do Plano Misto da CELOS apresentou um Resultado Deficitário de R$ ( ,58) = R$ ( ,16) + R$ ,58, que corresponde a 11,06% do valor total das Provisões Matemáticas de R$ ,79 (sem considerar a parcela estruturada em, Saldo de Contas parte Patrocinadora e parte Participante), em 31/12/2014. Dessa forma, como, ao final do exercício de 2013 (primeiro exercício de ocorrência de Déficit), o Déficit Técnico Acumulado representava 6,03% das referidas Provisões Matemáticas, e, ao final desse exercício, o referido Déficit ultrapassou 10% das citadas Provisões Matemáticas, tornou-se imperativo o equacionamento, ao longo do exercício de 2015, ao menos do resultado deficitário que ultrapassou o percentual de 10% das mencionadas Provisões Matemáticas do Plano, ou seja, considerando a Resolução CNPC Nº 16, de 19/11/2014, do Déficit Técnico Acumulado (por Equilíbrio Técnico Ajustado) de R$ ( ,58), em 31/12/2014, no mínimo, R$ ,43 (= 1,06% de R$ ,79) deverá ser equacionado, ao longo de 2015, para que o mesmo deixe de exceder a 10% do valor total das Provisões Matemáticas. No entanto, tendo em vista que existem perspectivas concretas de que, ao longo desse ano, a Situação Atuarial desse Plano permaneça Deficitária, se faz necessário que sejam estudados ajustes preventivos no Plano de Custeio, visando dar melhores condições para que o Plano Misto da CELOS não encerre o ano de 2015 em Situação Atuarial Deficitária. Soluções para equacionamento de déficit: Considerando a referida Resolução CNPC Nº 16, de 19/11/2014, o Equilíbrio Técnico Ajustado do Plano Misto da CELOS apresentou um Resultado Deficitário de R$ ( ,58) = R$ ( ,16) + R$ ,58, que corresponde a 11,06% do valor total das Provisões Matemáticas de R$ ,79 (sem considerar a parcela estruturada em, Saldo de Contas parte Patrocinadora e parte Participante), em 31/12/2014. Dessa forma, como, ao final do exercício de 2013 (primeiro exercício de ocorrência de Déficit), o Déficit Técnico Acumulado representava 6,03% das referidas Provisões Matemáticas, e, ao final desse exercício, o referido Déficit ultrapassou 10% das citadas Provisões Matemáticas, tornou-se imperativo o equacionamento, ao longo do exercício de 2015, ao menos do resultado deficitário que ultrapassou o percentual de 10% das mencionadas Provisões Matemáticas do Plano, ou seja, considerando a Resolução CNPC Nº 16, de 19/11/2014, do Déficit 21

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [01.182.491/0001-00] OABPREV-RS - FUNDO DE PENSAO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECCIONAL DO RIO GRANDE DO SUL [2006.0013-29]

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [07.083.033/0001-91] CABEC-CAIXA DE PREVIDENCIA PRIVADA DO BEC PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1979.0019-11] BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável VICENTE

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.225.861/0001-30] REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2012.0017-18] PB CD-02 ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [00.469.585/0001-93] FACEB - FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS EMPREGADOS DA CEB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2006.0068-11] CEBPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1985.0012-92] PB USIBA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:08:58 Número do protocolo: 005549 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [02.884.385/0001-22] ELETRA FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2000.0069-65] PLANO CELGPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [10.530.382/0001-19] FUNDO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE PERNAMBUCO-ALEPEPREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2008.0048-56] ALEPEPREV ENCERRAMENTO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.541.775/0001-37] HP PREV SOCIEDADE PREVIDENCIARIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1996.0026-19] PLANO HP PREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável MIRIA

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:10:46 Número do protocolo: 005262 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [08.071.645/0001-27] CIASPREV - CENTRO DE INTEGRACAO E ASSISTENCIA AOS SERVIDORES PUBLICOS PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2005.0049-11] PREVINA ENCERRAMENTO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [83.564.443/0001-32] FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0046-92] MULTIFUTURO II ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário Responsável

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1990.0016-29] PLANO DE BENEFÍCIOS BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [29.959.574/0001-73] FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES DO IRB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: TIPO: RETIFICADORA: [1977.0001-18] PLANO A ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2012 COMPLETA

Leia mais

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda.

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda. PARECER ATUARIAL V.1- Custos para o exercício seguinte em relação ao anterior: 1) A aplicação da metodologia de cálculo atuarial estabelecida para o plano de benefícios da FUNCASAL, utilizando as hipóteses

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.020.006-38 - PLANO DE BENEFÍCIOS MULTIFUTURO I 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [02.884.385/0001-22] FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: OUTROS 30/04/2015 Atuário Responsável DANIEL PEREIRA DA SILVA MIBA: 1146 MTE: 1146 DA transmitida à Previc em 29/05/2015

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [05.054.648/0001-64] CX DE PREV E ASSIS AOS FUNC DO B EST DO PARA SA CAFBEP PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0009-56] PREV-RENDA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [02.884.385/0001-22] FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: OUTROS 30/04/2015 Atuário Responsável DANIEL PEREIRA DA SILVA MIBA: 1146 MTE: 1146 DA transmitida à Previc em 29/05/2015

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS ENTIDADE RAZÃO SOCIAL: FUNDAÇÃO BANESTES DE SEGURIDADE SOCIAL 3 DADOS DOS PLANOS NÚMERO DE PLANOS:

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Telest Celular Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento

Leia mais

PARECER ATUARIAL 2014

PARECER ATUARIAL 2014 PARECER ATUARIAL 2014 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro 1. OBJETIVO 1.1. O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre a qualidade da base cadastral, as premissas atuariais,

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.042-11 - PLANO PREVER DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS

Leia mais

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1)

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1) PARECER ATUARIAL PLANO DE BENEFÍCIOS REB 1998 AVALIAÇÃO ANUAL 2005 Fl. 1/6 ENTIDADE SIGLA: FUNCEF 1 CÓDIGO: 01523 2 RAZÃO SOCIAL: FUNCEF-FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS 18 3 PLANO NOME DO PLANO: REB

Leia mais

Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I

Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I Pareceres PARECER ATUARIAL DA AVALIAÇÃO REALIZADA EM 31/12/2009 Considerações iniciais O presente parecer tem por objetivo apresentar nossas considerações

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Telesp Celular Exercício: 203 e 202 dezembro R$ Mil Descrição 203 202 Variação (%) Relatório Anual 203 Visão Prev. Ativos Disponível Recebível

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Vivo Prev Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Disponível Recebível Investimento

Leia mais

Cafbep - Plano Prev-Renda 1

Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2013 do Plano Prev-Renda da Cafbep Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 8 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.810.009-92 - PLANO DE BENEFÍCIOS N.º 001 - BROOKLYN 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA

Leia mais

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC Relatório PREVI 2013 Parecer Atuarial 2013 74 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC 1 OBJETIVO 1.1 O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Multi Exercício: 013 e 01 dezembro R$ Mil Descrição 013 01 Variação (%) Relatório Anual 013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento Ações

Leia mais

Regius - Plano de Benefícios 03 1

Regius - Plano de Benefícios 03 1 Regius - Plano de Benefícios 03 1 Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios 03 da Regius Sociedade Civil de Previdência Privada em 31/12/2010, com o objetivo de identificar sua situação

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [18.465.825/0001-47] FUNDACAO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DO SERVIDOR PUBLICO DO PODER JUDICIARIO - FUNPRESP-JUD PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2013.0017-38] JUSMP-PREV ENCERRAMENTO

Leia mais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano PREV-RENDA da CAFBEP Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do Estado do Pará, patrocinado pelo BANPARÁ com o objetivo de identificar

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

demonstração da Mutação do ativo Líquido

demonstração da Mutação do ativo Líquido Período: dezembro de 2010 R$ mil demonstração da Mutação do ativo Líquido Visão ATelecom Descrição 2010 A) Ativo Líquido - Início do Exercício 2.207 1. Adições 4.979 (+) Contribuições 4.727 (+) Resultado

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT Demonstrações Financeiras Relatório Anual 04 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Celular CRT Período: 04 e 03 dezembro R$ Mil Descrição 04 03 Variação (%). Ativos.85.769

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [06.184.184/000173] SEBRAE PREVIDENCIA INSTITUTO SEBRAE DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2004.002883] SEBRAEPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Benefícios PCD INERGUS Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios PCD INERGUS

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVIC N 12, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014

INSTRUÇÃO PREVIC N 12, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014 INSTRUÇÃO PREVIC N 12, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014 Dispõe sobre as Demonstrações Atuariais - DA dos planos de benefícios administrados pelas entidades fechadas de previdência complementar, e dá outras providências.

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social. Plano de Origem - BD. Março de 2015

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social. Plano de Origem - BD. Março de 2015 PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Origem - BD Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios Previdenciários do

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 1- SIGLA: OABPREV 2- CÓDIGO: 04501 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.070.021-83 - PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS DO ADVOGADO - PREV DADOS

Leia mais

Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2014.

Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2014. Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2014. STEA:- 80/2014/153 Ilma. Sra. Dra. Jussara Carvalho Salustino M.D. Diretora Presidente da ECOS Ref:- Parecer Atuarial sobre o Balanço de 31/12/2013 Plano BD Prezada

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.042-11 - PLANO PREVER DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS. Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS. Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015 156 Relatório Anual de Informações 2014 PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015 1. Considerações Iniciais

Leia mais

Página 1 de 7 Demonstrativo de Resultados da Avaliação Atuarial - 2014 RJ - PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA CNPJ : 32512501000143 SIAFI : 985925 Cadastro de Nome do Plano : Plano Previdenciário QUADRO

Leia mais

Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA).

Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA). Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA). 1. Como proceder para corrigir, nas Demonstrações Atuariais, as informações do campo características dos benefícios?

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015 PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios Previdenciários

Leia mais

SOLVÊNCIA DE PLANOS DE BENEFÍCIOS, COMPARTILHAMENTO DE RISCOS E SEUS EFEITOS NA GESTÃO DAS EFPC. João Marcelo Carvalho

SOLVÊNCIA DE PLANOS DE BENEFÍCIOS, COMPARTILHAMENTO DE RISCOS E SEUS EFEITOS NA GESTÃO DAS EFPC. João Marcelo Carvalho SOLVÊNCIA DE PLANOS DE BENEFÍCIOS, COMPARTILHAMENTO DE RISCOS E SEUS EFEITOS NA GESTÃO DAS EFPC João Marcelo Carvalho Agenda COMPARTILHAMENTO DE RISCOS SOLVÊNCIA CONCLUSÕES 2 Agenda COMPARTILHAMENTO DE

Leia mais

Actuarial Assessoria e Consultoria Atuarial Ltda Benjamin Constant, 67 Cj.404 CEP 80060 020 Curitiba Pr Fone/Fax (41)3322-2110 www.actuarial.com.

Actuarial Assessoria e Consultoria Atuarial Ltda Benjamin Constant, 67 Cj.404 CEP 80060 020 Curitiba Pr Fone/Fax (41)3322-2110 www.actuarial.com. Fundação AMAZONPREV Poder Executivo e Assembléia AVALIAÇÃO ATUARIAL Ano Base: 2014 Data Base: 31/12/2013 Índice 1. Introdução... 02 2. Participantes e Beneficiários... 02 3. Data Base dos Dados e da Avaliação...

Leia mais

Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb.

Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb. Rio de Janeiro, 24 de fevereiro de 2014. Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb. 1- Na estatística de tempo médio de contribuição, teria que colocar observação para os Regulamentos

Leia mais

Introdução à atuária. Universidade de Cuiabá Tangará da Serra Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Noções de Atuária

Introdução à atuária. Universidade de Cuiabá Tangará da Serra Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Noções de Atuária Universidade de Cuiabá Tangará da Serra Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Noções de Atuária Introdução à atuária Aula 01 Prof. Dr. Junio C. Martinez O ATUÁRIO Profissão regulamentada em 03/04/1970

Leia mais

FUNPRESP-JUD. Avaliação Atuarial de 2013 PLANO FUNPRESP-JUD CNPB 2013.0017-38. Parecer Atuarial 041/14

FUNPRESP-JUD. Avaliação Atuarial de 2013 PLANO FUNPRESP-JUD CNPB 2013.0017-38. Parecer Atuarial 041/14 FUNPRESP-JUD Avaliação Atuarial de 2013 PLANO FUNPRESP-JUD CNPB 2013.0017-38 Parecer Atuarial 041/14 FEVEREIRO/2014 PARECER ATUARIAL 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atendendo as disposições da Lei Complementar

Leia mais

Instituto de Previdência e Assistência a Saúde dos Servidores Públicos Municipais

Instituto de Previdência e Assistência a Saúde dos Servidores Públicos Municipais IPASSPSM Instituto de Previdência e Assistência a Saúde dos Servidores Públicos Municipais IPASSPSM SANTA MARIA/RS AVALIAÇÃO ATUARIAL Ano Base: 2013 Data Base:31/12/2012 Índice 1. Introdução... 02 2. Origem

Leia mais

Revisado em 15/08/2011

Revisado em 15/08/2011 CARTILHA DO PLANO MISTO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS Nº 001 Revisado em 15/08/2011 Esta cartilha foi estruturada com perguntas e respostas para apresentar e esclarecer aos Participantes as informações

Leia mais

PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008

PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008 PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008 Dispõe sobre as normas aplicáveis às avaliações e reavaliações atuariais dos Regimes Próprios de Previdência Social - RPPS da União, dos Estados,

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

AVALIAÇÃO ATUARIAL DA CARTEIRA DE PREVIDÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO IPESP

AVALIAÇÃO ATUARIAL DA CARTEIRA DE PREVIDÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO IPESP AVALIAÇÃO ATUARIAL DA CARTEIRA DE PREVIDÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO IPESP Julho de 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. BASE CADASTRAL...4 3. OUTRAS INFORMAÇÕES

Leia mais

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência GLOSSÁRIO ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. ASSISTIDOS. Participante ou Beneficiário(s) em gozo de benefício. ATUÁRIO. Profissional técnico especializado,

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS A Abono Anual: Pagamento da 13ª (décima terceira) parcela anual do benefício de renda continuada. Abono de Natal: (v. Abono Anual). Administrador Especial: Pessoa

Leia mais

15 Disponível. 1. Adições. 4 Recebível. (+) Contribuições. 398 Investimento. -1 Empréstimos e Financiamentos. 2. Destinações - - - (-) Benefícios

15 Disponível. 1. Adições. 4 Recebível. (+) Contribuições. 398 Investimento. -1 Empréstimos e Financiamentos. 2. Destinações - - - (-) Benefícios Demonstração do Ativo Líquido por Plano Benefícios PBS Telemig Celular Período: 015 e 0 zembro R$ Mil Demonstração da Mutação do Ativo Líquido por Plano Benefícios PBS Telemig Celular / Período: 015 e

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL- RA 06/14

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL- RA 06/14 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL- RA 06/14 Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado - Adv-PREV Fundo de Pensão Multipatrocinado da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional de Goiás e da CASAG -

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL RESUMO

RELATÓRIO ANUAL RESUMO RELATÓRIO ANUAL RESUMO 2014 ÍNDICE Despesas Previdenciais e de Investimentos...3 Rentabilidade dos Perfi s de Investimento...3 Investimentos...3 Número de Participantes...4 Resumo do Resultado Atuarial...4

Leia mais

FUNDAÇÃO LIBERTAS. Avaliação Atuarial de 2014. Plano de Benefícios CODEMIG Prev CNPB 2013.0016-65. Parecer Atuarial 057/15

FUNDAÇÃO LIBERTAS. Avaliação Atuarial de 2014. Plano de Benefícios CODEMIG Prev CNPB 2013.0016-65. Parecer Atuarial 057/15 FUNDAÇÃO LIBERTAS Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios CODEMIG Prev CNPB 2013.0016-65 Parecer Atuarial 057/15 Fevereiro/2015 PARECER ATUARIAL 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atendendo as disposições

Leia mais

SOLUÇÕES NA MEDIDA CERTA PARA VOCÊ

SOLUÇÕES NA MEDIDA CERTA PARA VOCÊ SOLUÇÕES NA MEDIDA CERTA PARA VOCÊ PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ATUARIAIS EM PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA E FECHADA REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA PLANOS DE SAÚDE E SERVIÇOS ASSISTENCIAIS SEGUROS DE VIDA

Leia mais

Demonstrações Financeiras. SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA (Em milhares) Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001

Demonstrações Financeiras. SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA (Em milhares) Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001 Demonstrações Financeiras SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Índice Balanço Patrimonial... Quadro 1 Demonstração do

Leia mais

ÍNDICE. Introdução. 1. Demonstração Patrimonial e de Resultados. 2. Política de Investimentos 2010. 3. Distribuição de Investimentos

ÍNDICE. Introdução. 1. Demonstração Patrimonial e de Resultados. 2. Política de Investimentos 2010. 3. Distribuição de Investimentos Relatório Anual 2009 ÍNDICE Introdução 1. Demonstração Patrimonial e de Resultados 2. Política de Investimentos 2010 3. Distribuição de Investimentos 4. Parecer Atuarial 5. Parecer dos Auditores Independentes

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS 1- SIGLA: BUNGEPREV 2- CÓDIGO: 3861 3- RAZÃO SOCIAL: BUNGEPREV - Fundo Múltiplo de Prev idência Priv

Leia mais

PREVIMINAS. Avaliação Atuarial de 2011 PLANO DE BENEFÍCIOS 4 RP4 - PLANO MGS CNPB 1992.0009-56. Parecer Atuarial 008/12

PREVIMINAS. Avaliação Atuarial de 2011 PLANO DE BENEFÍCIOS 4 RP4 - PLANO MGS CNPB 1992.0009-56. Parecer Atuarial 008/12 PREVIMINAS Avaliação Atuarial de 2011 PLANO DE BENEFÍCIOS 4 RP4 - PLANO MGS CNPB 1992.0009-56 Parecer Atuarial 008/12 MARÇO/2012 PARECER ATUARIAL 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atendendo as disposições da Lei

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos para estruturação das demonstrações

Leia mais

FUNDAÇÃO LIBERTAS DE SEGURIDADE SOCIAL

FUNDAÇÃO LIBERTAS DE SEGURIDADE SOCIAL FUNDAÇÃO LIBERTAS DE SEGURIDADE SOCIAL Avaliação Atuarial Especial de Setembro PLANO DE BENEFÍCIOS 2 - RP2 MINASCAIXA CNPB 1979.0034-83 Relatório 119/13 Outubro/2013 1 ÍNDICE 1.1 OBJETIVO DA AVALIAÇÃO

Leia mais

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO Plano de Contas Padrão, contendo alterações pela Instrução SPC nº 34/2009 ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO I CARACTERÍSTICAS 1. O plano de contas é formado por codificação alfanumérica. 2. A parte

Leia mais

Programa de Certificação REGUS Módulo Atuarial. Brasília DF, 24 de maio de 2013 1

Programa de Certificação REGUS Módulo Atuarial. Brasília DF, 24 de maio de 2013 1 Programa de Certificação REGUS Módulo Atuarial Brasília DF, 24 de maio de 2013 1 Programa Definição de Atuária, aplicações na previdência complementar e atuação do atuário Obrigações atuariais estabelecidas

Leia mais

MSD Prev Sociedade de Previdência Privada Relatório de Auditoria Atuarial Plano de Aposentadoria Deloitte Touche Tohmatsu

MSD Prev Sociedade de Previdência Privada Relatório de Auditoria Atuarial Plano de Aposentadoria Deloitte Touche Tohmatsu MSD Prev Sociedade de Previdência Privada Relatório de Auditoria Atuarial I - ÍNDICE INTRODUÇÃO...2 II - ANÁLISE DO PLANO DE BENEFÍCIOS... 2 III - CADASTRO DE PARTICIPANTES... 5 IV - HIPÓTESES BIOMÉTRICAS,

Leia mais

Sumário. Planos instituídos. Plano Aduanaprev. Parecer Atuarial... 85. Parecer Atuarial... 46. Balanço do plano... 59. Balanço do plano...

Sumário. Planos instituídos. Plano Aduanaprev. Parecer Atuarial... 85. Parecer Atuarial... 46. Balanço do plano... 59. Balanço do plano... Sumário Planos instituídos Plano Aduanaprev Parecer Atuarial... 02 Balanço do plano... 07 Demonstrativo de investimentos... 08 Plano ANAPARPREV Parecer Atuarial... 10 Balanço do plano... 12 Demonstrativo

Leia mais

Rendimentos líquidos mensais (R$) Alíquota Deduzir Prazo de acumulação dos recursos Alíquota. 35% Até 1.566,61. 30% De 1.566,62 até 2.

Rendimentos líquidos mensais (R$) Alíquota Deduzir Prazo de acumulação dos recursos Alíquota. 35% Até 1.566,61. 30% De 1.566,62 até 2. 2010 1 Introdução A Resolução CGPC n 23, de 06 de dezembro de 2006, estabeleceu procedimentos básicos para divulgação de informações aos Participantes. Em conformidade com esta resolução, apresentamos

Leia mais

ENTENDA MELHOR! O TAC da tábua de mortalidade e o crédito gerado na conta do Plano B

ENTENDA MELHOR! O TAC da tábua de mortalidade e o crédito gerado na conta do Plano B ENTENDA MELHOR! O TAC da tábua de mortalidade e o crédito gerado na conta do Plano B 1 Relembrando os critérios de cálculo da MAT vitalícia O participante do plano B tem a opção, quando atingidos os critérios

Leia mais

ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015

ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015 ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015 Este parecer tem por objetivo analisar atuarialmente o Projeto de Lei 0252/2015 que Dispõe sobre a Reestruturação do Plano de Custeio

Leia mais

NORMA ATUARIAL Nº. 1

NORMA ATUARIAL Nº. 1 NORMA ATUARIAL Nº. 1 SELEÇÃO DE HIPÓTESES DEMOGRÁFICAS, BIOMÉTRICAS E OUTRAS NÃO-ECONÔMICAS PARA MENSURAÇÃO DE OBRIGAÇÕES DE UM PLANO DE BENEFÍCIOS Versão 001 PARA: Atuários MIBAS e CIBAS e outras Pessoas

Leia mais

9- VALOR 6- 8- ÚLTIMA 7- INÍCIO DE RESGATE SALÁRIO DA 5- PLANOS 19.980.014-74 - PLANO DE 35% DA MEDIA SALARIAL R$ 440.797,11 8.441 R$ 281.990.

9- VALOR 6- 8- ÚLTIMA 7- INÍCIO DE RESGATE SALÁRIO DA 5- PLANOS 19.980.014-74 - PLANO DE 35% DA MEDIA SALARIAL R$ 440.797,11 8.441 R$ 281.990. FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 4- NÚMERO DE PLANOS: 4 5- PLANOS 19.980.014-74 - PLANO DE 35% DA MEDIA SALARIAL 9- VALOR

Leia mais

NOTA TÉCNICA ATUARIAL. Plano Executivo Federal

NOTA TÉCNICA ATUARIAL. Plano Executivo Federal NOTA TÉCNICA ATUARIAL Plano Executivo Federal do Plano Executivo Federal, administrado pela Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo (FUNPRESP-EXE). Julho de

Leia mais

CARTILHA PLANO CELPOS CD

CARTILHA PLANO CELPOS CD CARTILHA PLANO CELPOS CD ORIGINAL PLUS O QUE É O PLANO CELPOS CD? O Plano Misto I de Benefícios CELPOS CD é um plano de previdência complementar cujo benefício de aposentadoria programada é calculado de

Leia mais

CIBRIUS -INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL

CIBRIUS -INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL CIBRIUS -INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL Avaliação Atuarial de 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS CONAB CNPB 1979.0007-19 Parecer Atuarial 010/14 E111111111~11111 Fevereiro/2014 = "" Econsultores assoc iados

Leia mais

PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD

PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado FEAAC Curso de Ciências Atuariais PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD de encerramento do exercício

Leia mais

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL)

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, instituída pela Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. Celesc, nas Assembléias Gerais Extraordinárias AGE de acionistas realizadas

Leia mais

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT CARTILHA DO PLANO D Cartilha - Plano D INTRODUÇÃO Você está recebendo a Cartilha do Plano D. Nela você encontrará um resumo das principais características do plano. O Plano D é um plano moderno e flexível

Leia mais

SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA!

SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA! SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA! Prezado participante, 2 Brasil Foods Sociedade de Previdência Privada Cartilha Plano III Um dos grandes objetivos da política de recursos humanos de

Leia mais

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I)

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Dispõe sobre os procedimentos contábeis das entidades fechadas de previdência complementar,

Leia mais

Previdência Social. Joel Fraga da Silva - Atuário

Previdência Social. Joel Fraga da Silva - Atuário Regime Próprio de Previdência Social Gestão Atuarial Dos RPPS Bento Gonçalves RS Joel Fraga da Silva - Atuário 1 Avaliação Atuarial Calcular as Reservas Matemáticas: representam o compromisso do RPPS Passivo

Leia mais

Introdução. Nesta cartilha, você conhecerá as principais características desse plano. O tema é complexo e,

Introdução. Nesta cartilha, você conhecerá as principais características desse plano. O tema é complexo e, Introdução O Plano Prodemge Saldado está sendo criado a partir da cisão do Plano Prodemge RP5-II e faz parte da Estratégia Previdencial. Ele é uma das opções de migração para participantes e assistidos.

Leia mais

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES ALEGRE. Porto Alegre, novembro de 2010

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES ALEGRE. Porto Alegre, novembro de 2010 DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, novembro de 2010 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Os servidores públicos ocupantes de cargo

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas entidades fechadas de previdência complementar na divulgação de informações aos participantes e assistidos

Leia mais

PORTARIA MPAS Nº 7.796, DE 28 DE AGOSTO DE 2000 - DOU DE 29/08/2000 - Retificação

PORTARIA MPAS Nº 7.796, DE 28 DE AGOSTO DE 2000 - DOU DE 29/08/2000 - Retificação PORTARIA MPAS Nº 7.796, DE 28 DE AGOSTO DE 2000 - DOU DE 29/08/2000 - Retificação Retificação DOU DE 31/08/2000 O MINISTRO DE ESTADO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC TE 11 para ITG 2001 e de outras normas citadas: de NBC T 19.27 para NBC TG 26; de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL.

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

Fundação Previdenciária IBM. Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL. 1 Relatório Anual - IBM

Fundação Previdenciária IBM. Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL. 1 Relatório Anual - IBM Fundação Previdenciária IBM Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL 1 VIVER O PRESENTE, DE OLHO NO FUTURO Caro participante, Muitos dizem que é melhor viver intensamente o presente

Leia mais