Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO"

Transcrição

1 o

2 Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO O intuito deste estudo é analisar os critérios de avaliação da viabilidade técnica e econômica dos projetos apoiados pelos Programas de Apoio à Pesquisa em Empresas (PAPPE s). Em 1997 a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) criou o Programa de Apoio à Inovação nas Empresas (PIPE). Desde 2003, as Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (FAP s) têm implantado os PAPPE s, programa desenvolvido pela FINEP, espelhada na experiência da FAPESP. Por intermédio da interação entre empresários e pesquisadores, estes programas suprem uma carência comum às empresas de base tecnológica, sobretudo às pequenas, no que toca a obtenção de recursos financeiros para o desenvolvimento de inovações tecnológicas. A fim de orientar a atuação das FAP s, a Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) definiu um conjunto de critérios para avaliação da viabilidade técnica e econômica dos projetos apoiados pelos PAPPE s. No entanto, uma análise da utilização desses critérios revela que os mesmos não são seguidos em sua totalidade e existe pouca clareza sobre alguns deles, dando margem à subjetividade na avaliação atual. Pôde ser observado também que o estágio de desenvolvimento dos projetos não é considerado e que nem todos os projetos estão alinhados com os objetivos do programa. Diante disso, este estudo está estruturado da seguinte forma. Em seu primeiro tópico são apresentadas as características do programa PIPE, o qual é a base dos demais programas PAPPE s. Em seguida são analisados os critérios de avaliação da viabilidade técnica e econômica dos projetos apoiados por este programa. No terceiro tópico, são apresentadas sugestões aos agentes de fomento à inovação tecnológica, em relação aos critérios avaliados. E, por fim, serão apresentadas as conclusões.

3 Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 3 de SUPORTE ÀS EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA: A EXPERIÊNCIA DO PIPE Mais de 620 projetos já receberam financiamento do Programa PIPE em São Paulo As Empresas de Base Tecnológica (EBT s) se destacam pelos produtos, serviços e/ou processos produtivos desenvolvidos. Esses, muitas vezes, são resultantes da combinação e utilização de tecnologias desenvolvidas e/ou adquiridas pelas empresas. Essas empresas possuem também outras duas características peculiares: i) a qualificação de sua mão de obra é, em geral, predominantemente técnica e ii) essas empresas necessitam constantemente desenvolver inovações tecnológicas, que envolvem alto risco e investimento financeiro. Nesse sentido, é natural encontrar EBT s demandando recursos financeiros para o desenvolvimento de seus projetos de inovação tecnológica. Para suprir essa necessidade, existem diversas fontes de recursos, desde os fundos de capital de risco até o capital dos próprios empreendedores e/ou de seus familiares e amigos. Uma das fontes de recursos para o desenvolvimento de projetos de base tecnológica nos últimos anos no Brasil é proveniente de instituições públicas de fomento como as FAP s. Essas instituições criaram programas específicos para o fomento e desenvolvimento de inovações tecnológicas, principalmente quando os projetos estão em suas fases iniciais de desenvolvimento. Isto é, quando ainda devem ser elaborados os estudos de viabilidade técnica e econômica do projeto e realizados os primeiros testes. A experiência das FAP s, no entanto, ainda é recente. Desde o ano de 2003, sob a iniciativa da FINEP, os PAPPE s vem sendo implantados, espelhados na experiência da FAPESP e, desde então, as FAP s tem se deparado com problemas relacionados à avaliação dos projetos a serem apoiados na primeira fase do programa. Diante disso, esse estudo visa analisar os critérios de avaliação da viabilidade técnica e econômica dos projetos apoiados por programas dessa natureza. O programa PIPE elaborado e implementado, desde junho de 1997, pela FAPESP inspirou a criação do PAPPE. Em linhas gerais, tanto o PIPE quanto o PAPPE buscam financiar atividades de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) de produtos e processos inovadores empreendidos por pesquisadores que atuem diretamente ou em cooperação com empresas de base tecnológica. O programa PIPE encontra-se em seu 19º edital de seleção de projetos de inovação tecnológica. Até o ano 2003 sua periodicidade era de duas vezes ao ano; atualmente passou para três. O intuito é fomentar a inovação tecnológica, por intermédio da injeção de recursos financeiros ao longo de 3 fases subseqüentes. Inicialmente a seleção dos projetos apoiados na primeira fase ocorre via editais públicos. Em seguida o projeto, caso atenda às exigências, pode passar por 3 fases de suporte financeiro, como apresenta a tabela 1. Na primeira fase do PIPE, os projetos selecionados recebem até R$ para elaborar o estudo de viabilidade técnica e econômica do projeto proposto. Em seguida, os classificados podem receber até R$ para desenvolver e testar os protótipos. Por fim, tem-se a fase 3. Nessa fase, os projetos selecionados, caso atendam as exigências, podem receber até R$ Quando o programa PIPE foi criado, os valores para as duas primeiras fases eram, respectivamente, R$ e R$ , enquanto que na terceira fase não envolvia nenhum apoio financeiro. Em junho de 2004, os valores para as duas primeiras fases foram de R$ e R$ , respectivamente.

4 Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 4 de 11 Tabela 1: Características do programa PIPE FASES RECURSO CRITÉRIOS I R$ 100 mil Objetivos compatíveis com o prazo; Metodologia adequada aos objetivos; Grau de inovação comercial e social; Capacidade da empresa de desenvolver ou negociar a inovação; Competência e experiência do pesquisador e da equipe para viabilizar o projeto; Justificativa do orçamento. II III R$ 400 mil R$ 500 mil Apresentar projetos de pesquisas; Plano de negócios. O atual estágio de desenvolvimento da inovação; Projeto de desenvolvimento de produto: A viabilidade técnica para produção em escala de seus produtos; Condições de atender o mercado em termos de qualidade; Capacidade de produção em prazo e custo competitivos. O plano de negócios para comercialização da inovação; Fonte: Fapesp Até o ano de 2004 foram selecionados projetos para as fases I e II do programa e no final de 2004 a FAPESP e a FINEP criaram uma parceria e lançaram o edital PAPPE-PIPE III. Este edital destinou os recursos do PAPPE ao financiamento de projetos que já haviam recebido financiamento para as fases I e II. Os resultados apurados até julho de 2005 mostram que mais de 620 projetos já receberam financiamento do Programa PIPE em São Paulo. Sendo que 20 deles encontram-se na terceira fase do programa (PAPPE-PIPE III). Aumenta-se a oferta recursos financeiros por projetos de forma gradativa, ao passo que a quantidade de projetos a serem apoiados diminui. Nesse sentido, a figura 1 faz uma alusão a essa idéia. Figura 1: Projetos financiados pelo Programa PIPE Chamada Fase I Aprovados: 393 Aprovados: 210 Aprovados: 20 Fonte: Fapesp; Análise Instituto Inovação

5 Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 5 de 11 Embora programas como esse sejam de grande importância, existem alguns pontos que devem ser observados para uma melhor avaliação dos projetos. Na primeira fase encontra-se a maioria dos projetos e a seleção dos mesmos para a segunda fase ainda não é uma tarefa clara para as FAP s. Diante disso, a seguir analisam-se os critérios utilizados pelas FAP s para avaliar os projetos de inovação tecnológica a serem apoiados pelos PAPPE s após a primeira fase do programa. Nessa fase são disponibilizados recursos financeiros para a elaboração do estudo de viabilidade técnica e econômica enquanto que nas duas fases posteriores o apoio financeiro concentra-se, sobretudo, no desenvolvimento e testes da inovação tecnológica. 2. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DO PAPPE Nem todos os critérios recomendados pela FINEP foram adotados Para que as FAP s possam avaliar a viabilidade técnica e econômica dos projetos a serem apoiados pelos PAPPE s, a FINEP recomenda nove critérios que podem ser complementados de acordo com as condições específicas de cada estado. Tabela 2: Critérios de avaliação recomendados pela FINEP CRITÉRIOS RECOMENDADOS PELA FINEP NÚMERO DE FAP S QUE ADOTARAM NÚMERO DE FAP S QUE ADOTARAM (%) Adequação da metodologia % Grau de inovação do projeto 10 83% Impacto da inovação (social e 10 83% econômico) Contrapartida da empresa 7 58% Adequação do orçamento 6 50% Capacidade gerencial 3 25% Propriedade dos resultados 3 25% Potencial mercadológico 2 17% Consistência do plano de préincubação ou transferência de tecnologia apresentado Fonte: Finep; Análise Instituto Inovação Como pôde ser visto na tabela 2, percebe-se que, dos critérios recomendados, apenas um foi adotado por todos os programas estaduais analisados 2. A tabela 3, por sua vez, apresenta todos os critérios utilizados pelos 12 programas estudados, que foram classificados da seguinte forma: Empresa Pesquisador Características do Projeto (compreendo os aspectos relacionados à Tecnologia, ao Mercado e à avaliação econômica) Recursos financeiros Uma análise crítica dessa tabela também permite fazer constatações importantes; Existe uma grande diversidade dos critérios adotados, o que revela uma heterogeneidade dos mesmos; 2 19 FAP s implantaram programas PAPPE s em seus estados, porém não foi possível obter dados de 7 deles.

6 Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 6 de 11 Não existe uma clareza dos critérios de avaliação da viabilidade técnica e econômica dos projetos. Isso tem gerado dois fatos: i) existem critérios que não são de fácil entendimento e ii) em outras situações a dificuldade está em compreender quais seriam os indicadores mais apropriados de avaliação; Existem critérios que dificilmente seriam aplicáveis à avaliação da viabilidade técnica e econômica, dado as características dos projetos apoiados; Existem critérios que são específicos à avaliação de projetos de pesquisa científica e que podem não se aplicar em casos de projetos de desenvolvimento de novos produtos ou processos; Por outro lado, não é considerado o estágio de desenvolvimento do projeto, uma questão importante a ser avaliada; e Ainda não existe uma conformidade total dos projetos com o objetivo do programa. Tabela 3: Critérios utilizados pelas FAP s CATEGORIAS EMPRESA PESQUISADOR CARACTERÍSTICAS DO PROJETO RECURSOS FINANCEIROS CRITÉRIOS UTILIZADOS PELAS FAP S NÚMERO DE FAP S QUE ADOTARAM NÚMERO DE FAP S QUE ADOTARAM (%) Capacidade gerencial (empresa) 5 42% Qualificação da empresa 7 58% Infra-estrutura 2 17% Tipo de empresa: base tecnológica Porte da empresa (pequeno ou médio) Consistência do plano de pré-incubação ou transferência de tecnologia apresentado Qualificação do proponente (pesquisador) % Grau de envolvimento com instituições de pesquisa Adequação da metodologia % Impacto da inovação (social e econômico) 10 83% Grau de inovação do produto 10 83% Relevância/objetivo da proposta 5 42% Viabilidade técnicaeconômica-comercial 4 33% Propriedade dos resultados 3 25% Potencial mercadológico 2 17% Adequação dos objetivos em 2 17% relação ao prazo Estratégias de comercialização Biosegurança e ética Contrapartida da empresa 7 58% Adequação do orçamento 6 50% Necessidade real dos recursos PAPPE, face aos recursos recebidos (ou solicitados) de outras fontes Retorno financeiro potencial do projeto para a empresa. Fonte: Site das FAP s; Análise Instituto Inovação

7 Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 7 de 11 Verificou-se considerável heterogeneidade dos critérios adotados pelas FAP s. É preciso refletir se há razão para essa significativa variação encontrada. Uma das prováveis justificativas para a heterogeneidade dos critérios seria a necessidade de se criar critérios específicos às características particulares de um determinado estado. Porém, isso só foi verificado em um único caso: o critério biosegurança e ética adotado pela FAP do estado do Pará, que tem em sua biodiversidade uma de suas características. É possível notar também que existe uma dificuldade de compreensão de alguns critérios adotados, sendo preciso interpretá-los, às vezes, de maneira arbitrária. Alguns critérios adotados como a capacidade gerencial da empresa e relevância/objetivo da proposta, são exemplos de critérios que não são de fácil entendimento. Existem outros casos em que a dificuldade está no entendimento dos indicadores de avaliação dos critérios. Ainda não existe uma definição clara dos indicadores apropriados para avaliar alguns critérios como o grau de inovação do produto, o impacto da inovação, a capacidade gerencial da empresa. Além desses critérios, foram observados ainda critérios específicos à avaliação de projetos de pesquisa, principal objeto das FAP s como, por exemplo, contribuição para formação de recursos humanos, benefícios para respectivas áreas do conhecimento e multidisciplinariedade da proposta. [ver ANEXO] Alguns critérios adotados são difíceis de serem compreendidos e pouco aplicáveis, como a consistência do plano de pré-incubação ou transferência tecnológica. Seria muito pouco provável, por exemplo, que os projetos avaliados na primeira fase do PAPPE estejam maduros o suficiente para ter um plano de transferência da tecnologia e de pré-incubação consistente. Somado a isso, um outro critério, a estratégia comercial, não se aplicaria principalmente para projetos em fases iniciais de desenvolvimento. Como pode ser visto na tabela 4, a maioria dos projetos ainda estão nos estágios iniciais considerados aqui de desenvolvimento da idéia e produção laboratorial. Projetos em estágios iniciais dificilmente possuiriam claramente definidas as estratégias de comercialização dos produtos. Nesse sentido, observa-se também que nenhum dos critérios adotado avalia o estágio de desenvolvimento dos projetos. A fim de ilustrar essa questão, definiu-se 4 classificações para o estágio de desenvolvimento, conforme consta na tabela 4.

8 Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 8 de 11 Tabela 4: Características dos objetivos e estágio de desenvolvimento dos projetos apoiados OBJETIVOS Transferir a tecnologia Criar uma empresa Desenvolver nova linha de produto/processo ESTÁGIO DE DESENVOLVIMENTO Alavancar vendas Desenvolvimento da idéia 0% 3,4% 44,8% 3,4% Produção laboratorial 3,4% 3,4% 31,0% 3,4% Transposição para escala industrial 0% 0% 3,4% 0% Produção em larga escala 0% 0% 0% 0% Fonte: Análise Instituto Inovação O estágio mais preliminar refere-se ao desenvolvimento da idéia - nesse caso, os proponentes do projeto somente desenvolveram o conceito do projeto. O segundo referente à produção em escala laboratorial - nesse estágio os proponentes já estão realizando os primeiros testes em laboratório. O terceiro referente à transposição para a escala industrial - nessa oportunidade estuda-se como passar de um volume de produção laboratorial para industrial. Por fim, o quarto estágio de desenvolvimento refere-se à produção em larga escala - os proponentes do projeto visam ser apoiados na produção de um volume de produção industrial. Paralela a essa classificação, elaborou-se uma outra. Essa segunda classificação refere-se aos objetivos dos proponentes dos projetos. Nesse sentido, analisou-se 29 projetos apoiados pela primeira fase do programa do PAPPE, em 3 estados diferentes Minas Gerais, Sergipe e Alagoas, no ano de , classificando-os conforme o estágio de desenvolvimento do projeto e os objetivos da equipe proponente 3. Observou-se que os projetos em sua maioria cerca de 75% - estão alinhados com os estágios iniciais desenvolvimento da idéia e produção em escala laboratorial e com os objetivos de desenvolver uma nova linha de produtos ou um novo processo de produção. Isso vem ao encontro dos propósitos dos programas PAPPE s, contribuindo para o desenvolvimento de inovações tecnológicas que ainda estejam em seus estágios iniciais, necessitando de recursos financeiros para o desenvolvimento e testes do protótipo e elaboração do estudo de viabilidade técnica e econômica. Por outro lado a amostra pesquisada, revela que cerca de 20% dos projetos selecionados possuem propósitos diferentes dos objetivos dos PAPPE s, conforme demonstra a tabela 4, com destaque para a criação de uma empresa, a transferência da tecnologia e alavancagem de vendas. Essa proporção, embora minoritária, não pode ser desprezada. Nesse caso, 20% trata-se de uma quantia significativa. Ou seja, de cada 5 projetos apoiados na fase 3 A classificação, tanto em relação ao estágio de desenvolvimento quanto aos objetivos, foi realizada pela equipe de analistas que elaborou o Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica dos 29 projetos.

9 Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 9 de 11 I de um programa PAPPE, provavelmente, 1 possui objetivos diferentes dos almejados por esse programa, o que pode também indicar que existe oportunidade de criação de outros programas para acolher esses objetivos. 3. SUGESTÕES AOS AGENTES DE FOMENTO Os projetos apoiados pelos PAPPE s não estão completamente em conformidade com os objetivos do Programa. O primeiro ponto importante para a criação de editais de fomento à inovação para pequenas empresas está na identificação dos objetivos desses projetos. O primeiro desses objetivos visa a criação de uma empresa de base tecnológica. Essa empresa normalmente pode surgir, apoiada em algum centro de pesquisa, incluindo as universidades, ou pode ser criada a partir de uma empresa já existente, constituindo-se em ambos os casos um spin-off 4. O segundo objetivo aqui destacado refere-se ao desenvolvimento de uma nova linha de produtos. Neste caso, já existe a empresa e ela deve conseguir provar o quanto ela já investe em P&D e a formação e experiência de sua equipe. Um terceiro objetivo, e que por muitos pode ser questionado, é o de alavancagem das vendas de produtos inovadores de base tecnológica. E, por fim, um quarto objetivo refere-se à transferência tecnológica. Entenda-se esse quarto objetivo, como o intuito dos proponentes dos projetos em transferir a uma empresa o direito de comercialização e/ou utilização da inovação tecnológica desenvolvida. Diante disso, a avaliação da viabilidade técnica e econômica dos projetos deve ser condizente com os objetivos de seus proponentes. Não seria interessante adotar os mesmo critérios para projetos com propósitos diferentes. Diante disso, acredita-se que seria interessante desenvolver formas de apoio específicas aos projetos com objetivos diversos e com estágios de desenvolvimento diferentes. Fora a distinção dos objetivos, pode-se ainda chamar atenção para outros pontos relativos aos programas PAPPE s: Visibilidade da chamada: informações relativas aos editais precisam ser disponibilizados nos principais portais que tratam o tema inovação tecnológica. Instituições e empresas que já participaram de alguma das etapas de chamadas anteriores precisam ser comunicadas. Periodicidade das chamadas: preferencialmente, as chamadas deveriam ocorrer em meses do ano previamente determinados, para que se criasse uma cultura nas instituições e empresas que poderiam se planejar melhor. Definição de prazos: os prazos devem ser exeqüíveis e, em hipótese alguma, deveriam ser revistos, como forma de privilegiar a qualidade gerencial dos que cumprem os prazos. Cronograma de trabalho: fundamental na avaliação da viabilidade técnica e econômica dos projetos e já praticado por alguns estados. Exigi-se a elaboração de um cronograma que descreva todas as atividades que devem ser executadas até a conclusão do projeto. Este cronograma é importante para que o pesquisador/empresa planeje suas ações e demonstre domínio sobre o caminho crítico do desenvolvimento que está sendo proposto, além de se tornar um eficiente meio de acompanhamento da execução do projeto, que, por sua vez, poderá se tornar um dos principais critérios de avaliação durante a fase seguinte. 4 No primeiro caso trata-se de um spin-off acadêmico (geração de empresas a partir de resultado de pesquisas desenvolvidas em laboratório) e no segundo de um spin-off corporativo (grande empresa que cria uma empresa com o intuito de atender mercado específico, que não seria suficientemente grande para o negócio fim da empresa, mas que possui potencial de inovação).

10 Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 10 de CONSIDERAÇÕES FINAIS As discussões sobre os critérios para avaliar a viabilidade técnica e econômica dos projetos devem continuar. A análise realizada procurou demonstrar que os critérios para avaliação da viabilidade técnica e econômica dos projetos apoiados pelos PAPPE s pode ser melhorada. Certamente, a avaliação da viabilidade técnica e econômica de projetos de inovação tecnológica não é uma tarefa simples e deve-se reconhecer o esforço das FAP s, FINEP e demais instituições em desenvolver programas como os PAPPE s. Os pontos aqui levantados são sugestões orientadoras aos agentes do governo e que visam estimular a discussão sobre o assunto. Em virtude da abrangência do tema, não pretende-se esgotá-lo, nem tão pouco estabelecer princípios inquestionáveis ou isentos de restrições. Obviamente, mais estudos sobre este tema levantarão outras questões a serem analisadas.

11 Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 11 de ANEXO OUTRAS CATEGORIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ADOTADOS PELAS FAP S CATEGORIAS EXEMPLO DE CRITÉRIOS DE PESQ. CIENTÍFICA EQUIPE EXECUTORA DO EVTEC CRITÉRIOS UTILIZADOS PELAS FAP S Contribuição p/ formação de RH Resultados esperados e benefícios potenciais para a respectiva área de conhecimento Multidisciplinariedade da proposta Qualificação do proponente (pesquisador) Grau de envolvimento com instituições de pesquisa NÚMERO DE FAP S QUE ADOTARAM NÚMERO DE FAP S QUE ADOTARAM (%) Fonte: Análise Instituto Inovação

Programa FAPESP. Pesquisa Inovativa EM. Pequenas Empresas

Programa FAPESP. Pesquisa Inovativa EM. Pequenas Empresas Programa FAPESP Pesquisa Inovativa EM Pequenas Empresas Foto CAPA: LÉO ramos Objetivos Criado em 1997, o Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE) apoia a execução de pesquisa científica

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

Inovação, ação inovadora e financiamento à inovação. IEL/ES junho de 2009 INOVA FINDES

Inovação, ação inovadora e financiamento à inovação. IEL/ES junho de 2009 INOVA FINDES Inovação, ação inovadora e financiamento à inovação IEL/ES junho de 2009 INOVA FINDES Inovação introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente produtivo ou social que resulte em novos produtos, processos

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 Regulamenta a concessão de Auxílio para Apoio a Incubadoras

Leia mais

Respostas às perguntas frequentes: Chamada Pública MCT/FINEP/AT Inova Empresa PNI/Parques Tecnológicos 02/2013

Respostas às perguntas frequentes: Chamada Pública MCT/FINEP/AT Inova Empresa PNI/Parques Tecnológicos 02/2013 Respostas às perguntas frequentes: Chamada Pública MCT/FINEP/AT Inova Empresa PNI/Parques Tecnológicos 02/2013 Parte 1: Objetivos, instrumentos de apoio e quem pode participar Geral 1.1 Qual o objetivo

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques

Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques Pesquisa FAPESP - Maio 2008 - Edição 147 Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques Quatro grandes

Leia mais

FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas

FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas Diálogo sobre apoio à Inovação na Pequena Empresa São Paulo, 18 de dezembro de 2013 Agenda da reunião Apresentação 1. Palavra da

Leia mais

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação da Finep São Paulo, 28/04/2009 O desenvolvimento das economias modernas demonstra o papel fundamental que, nesse processo, compete

Leia mais

EDITAL - INCUBADORA BASE-MISTA CEET VASCO COUTINHO PROGRAMA DE PRÉ-INCUBAÇÃO DE EMPRESAS

EDITAL - INCUBADORA BASE-MISTA CEET VASCO COUTINHO PROGRAMA DE PRÉ-INCUBAÇÃO DE EMPRESAS EDITAL - INCUBADORA BASE-MISTA CEET VASCO COUTINHO PROGRAMA DE PRÉ-INCUBAÇÃO DE EMPRESAS O CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TÉCNICA VASCO COUTINHO convida pessoas físicas ou jurídicas a apresentarem propostas

Leia mais

Prêmio Inovação UP 2012 Manual de Preenchimento do Formulário

Prêmio Inovação UP 2012 Manual de Preenchimento do Formulário ORIENTAÇÕES GERAIS Considerando que projeto deverá ser executado de agosto de 2012 a janeiro de 2013, avaliar a viabilidade de execução e finalização no prazo. Para preencher o formulário, observar as

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

Formulário de Apresentação da Proposta Simplificada

Formulário de Apresentação da Proposta Simplificada Formulário de Apresentação da Proposta Simplificada A. Dados Cadastrais A.1. Informações para contato Endereço Completo: Bairro: Cidade: UF: CEP: Telefone: e-mail: Página na Internet: A.2. Caracterização

Leia mais

Edital PIICT / CNPq / Fucapi 2015-2016

Edital PIICT / CNPq / Fucapi 2015-2016 Fundação Centro de Análise Pesquisa e Inovação Tecnológica FUCAPI Faculdade Fucapi Instituto de Ensino Superior Fucapi Coordenação de Pesquisa CPESQ Programa Institucional de Iniciação Científica e Tecnológica

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA E EMPRESARIAL UnC - CONCÓRDIA Parceria: Universidade do Contestado UnC Fundação de Apoio à Pesquisa de Santa Catarina FAPESC

INCUBADORA TECNOLÓGICA E EMPRESARIAL UnC - CONCÓRDIA Parceria: Universidade do Contestado UnC Fundação de Apoio à Pesquisa de Santa Catarina FAPESC INCUBADORA TECNOLÓGICA E EMPRESARIAL UnC - CONCÓRDIA Parceria: Universidade do Contestado UnC Fundação de Apoio à Pesquisa de Santa Catarina FAPESC CHAMADA DE PROJETOS DE INOVAÇÃO INCUBADORA TECNOLÓGICA

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Justificativa da iniciativa

Justificativa da iniciativa Sumário Justificativa da iniciativa O que é o Framework? Apresentação básica de cada ferramenta Quais projetos serão avaliados por meio do Framework? Fluxo de avaliação Expectativas Justificativa da iniciativa

Leia mais

Apresentação Programa de Apoio à Pesquisa em Parceria para Inovação Tecnológica (PITE) Diego Felipe Muñoz Assessor Técnico da Diretoria Científica

Apresentação Programa de Apoio à Pesquisa em Parceria para Inovação Tecnológica (PITE) Diego Felipe Muñoz Assessor Técnico da Diretoria Científica Apresentação Programa de Apoio à Pesquisa em Parceria para Inovação Tecnológica (PITE) Diego Felipe Muñoz Assessor Técnico da Diretoria Científica Data: 23/04/2014 Sobre a FAPESP Fundação de Amparo à Pesquisa

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA FUNDAÇÃO CERTI 01/2009 SUBVENÇÃO ECONÔMICA À INOVAÇÃO PROGRAMA PRIME - PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA

SELEÇÃO PÚBLICA FUNDAÇÃO CERTI 01/2009 SUBVENÇÃO ECONÔMICA À INOVAÇÃO PROGRAMA PRIME - PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA SELEÇÃO PÚBLICA FUNDAÇÃO CERTI 01/2009 SUBVENÇÃO ECONÔMICA À INOVAÇÃO PROGRAMA PRIME - PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA 1. APRESENTAÇÃO O Programa Prime - Primeira Empresa Inovadora - visa apoiar empresas nascentes

Leia mais

AYTY-INCUBADORA DE EMPRESAS DO IFAM EDITAL Nº 003/2014 INCUBADORA DE EMPRESAS

AYTY-INCUBADORA DE EMPRESAS DO IFAM EDITAL Nº 003/2014 INCUBADORA DE EMPRESAS AYTY-INCUBADORA DE EMPRESAS DO IFAM EDITAL Nº 003/2014 INCUBADORA DE EMPRESAS Parceria Instituição Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas IFAM, Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa, Extensão

Leia mais

12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015

12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015 12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO A ABRH-ES (Associação Brasileira de Recursos Humanos Seccional Espírito Santo) é integrante do Sistema Nacional ABRH e configura-se como instituição

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Christimara Garcia CEO Inventta+bgi São Paulo, 29 de abril de 2015 CONTEXTO BRASILEIRO APOIO DIRETO Captação de Recursos Evolução dos desembolsos

Leia mais

Consulta Pública RESOLUÇÃO DA CPP N. 000/2011

Consulta Pública RESOLUÇÃO DA CPP N. 000/2011 Consulta Pública O Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP), por intermédio de sua Diretoria de Fomento à niciação Científica (Diric), encaminha à comunidade acadêmica da Universidade de Brasília consulta

Leia mais

Dicas para Projetos de Financiamento em Inovação

Dicas para Projetos de Financiamento em Inovação Dicas para Projetos de Financiamento em Inovação Formulação de Projetos de Inovação Tecnológica Não se formulam projetos apenas para obter benefício de mecanismos públicos de estímulo

Leia mais

Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX

Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX QUALIFICACAO DE PROFISSIONAIS NO MODELO SEI/CMMI CHAMADA PÚBLICA SOFTEX No. CPS/01/2004 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTA PARA IMPLANTACAO

Leia mais

Programas de Pesquisa para Inovação Tecnológica e de apoio à Propriedade Intelectual da FAPESP

Programas de Pesquisa para Inovação Tecnológica e de apoio à Propriedade Intelectual da FAPESP Programas de Pesquisa para Inovação Tecnológica e de apoio à Propriedade Intelectual da FAPESP GT de PD&I do IPD Eletron 15/5/12 Sérgio Queiroz Professor Associado DPCT/IG/Unicamp Coordenador Adjunto de

Leia mais

Programa de Incubação de Empresas de Inovação Tecnológica/UNIFRA. Prof.º Lissandro Dorneles Dalla Nora Coordenador Incubadora UNIFRA

Programa de Incubação de Empresas de Inovação Tecnológica/UNIFRA. Prof.º Lissandro Dorneles Dalla Nora Coordenador Incubadora UNIFRA Programa de Incubação de Empresas de Inovação Tecnológica/UNIFRA Prof.º Lissandro Dorneles Dalla Nora Coordenador Incubadora UNIFRA Roteiro Incubadora Histórico / UNIFRA Programa de Incubação UNIFRA Organograma

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Questionamentos Chamada Pública de P&D Programa 2012

Questionamentos Chamada Pública de P&D Programa 2012 Questionamentos Chamada Pública de P&D Programa 2012 1. Para onde devo encaminhar as propostas de projetos? As propostas devem ser enviadas para o email ped@ceee.com.br 2. Onde buscar maiores informações

Leia mais

O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora de Empresas INDETEC/UFSJ.

O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora de Empresas INDETEC/UFSJ. EDITAL DE CONCURSO DE IDEIAS INOVADORAS Nº 01/2010. PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DA UFSJ DE SÃO JOÃO DEL REI (INDETEC) O presente edital regulamenta o processo de recrutamento,

Leia mais

Inova Pequena Empresa RS

Inova Pequena Empresa RS Inova Pequena Empresa RS 1 Bloco: : Conceituando Inovação; 2 Bloco: : Programa Inova Pequena Empresa RS / Chamada Pública P Nº N 01/2009; 3 Bloco: : Estruturação do projeto no Sistema de Gestão de Projetos

Leia mais

PRÉ-INCUBADORA SENAI/SC 2014 - REGULAMENTO

PRÉ-INCUBADORA SENAI/SC 2014 - REGULAMENTO PRÉ-INCUBADORA SENAI/SC 2014 - REGULAMENTO SUMÁRIO 1. OBJETIVO GERAL...2 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS...2 3. METODOLOGIA...2 4. FASES...3 5. INCRIÇÃO DE IDEIAS...4 6. EQUIPES...4 7. PREMIAÇÃO...5 8. QUEM PODE

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB TERMO ADITIVO AO EDITAL nº 02/2013 PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS ALTERAÇÃO DE DATAS E FORMA DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Apoio: Brasília, 28 de agosto de 2013.

Leia mais

Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB

Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB EDITAL FAPESB 021/2014 APOIO A INOVAÇÃO EM COMÉRCIO E SERVIÇOS http://www.fapesb.ba.gov.br Salvador-BA, 25 de novembro de 2014 Geração de Empregos

Leia mais

EDITAL CHAMADA DE NEGÓCIOS FIAM2009 SELEÇÃO DE PROPOSTAS SALÃO DE NEGÓCIOS E EMPREENDEDORISMO INOVADOR

EDITAL CHAMADA DE NEGÓCIOS FIAM2009 SELEÇÃO DE PROPOSTAS SALÃO DE NEGÓCIOS E EMPREENDEDORISMO INOVADOR EDITAL CHAMADA DE NEGÓCIOS FIAM2009 SELEÇÃO DE PROPOSTAS SALÃO DE NEGÓCIOS E EMPREENDEDORISMO INOVADOR A Superintendência da Zona Franca de Manaus SUFRAMA e o Centro de Biotecnologia da Amazônia CBA selecionarão

Leia mais

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

FUMSOFT SOCIEDADE MINEIRA DE SOFTWARE PROGRAMAS DE APOIO E INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO ABERTO EM 10/02/2012

FUMSOFT SOCIEDADE MINEIRA DE SOFTWARE PROGRAMAS DE APOIO E INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO ABERTO EM 10/02/2012 FUMSOFT SOCIEDADE MINEIRA DE SOFTWARE PROGRAMAS DE APOIO E INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO EDITAL DE SELEÇÃO SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS E PROJETOS PARA OS PROGRAMAS DE PRÉ-INCUBAÇÃO DE PROJETOS E PROGRAMA

Leia mais

Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1

Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1 Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1 No mundo atual, um dos campos prioritários de intervenção do Estado está sendo a promoção do desenvolvimento tecnológico,

Leia mais

APRESENTAÇÃO. PAULO CÂMERA Secretário -1-6

APRESENTAÇÃO. PAULO CÂMERA Secretário -1-6 APRESENTAÇÃO Pretende-se, neste documento, analisar, saber a dimensão da proposta de pesquisa aplicada do proponente. Entende-se que dada à dimensão das atuais propostas este Roteiro busca ser abrangente,

Leia mais

GUIA PARA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS COMPONENTE 4

GUIA PARA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS COMPONENTE 4 FUNDO MULTILATERAL DE INVESTIMENTOS PROGRAMA REGIONAL DE FORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL COM INCLUSÃO SOCIAL- CONECTADEL GUIA PARA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS COMPONENTE 4 1. Objetivo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 41ª Reunião Ordinária, realizada no dia 23 de maio de 2013, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

Empreendedorismo de Inovação em TI: Caminhos e oportunidades. Rodrigo Franco Gonçalves

Empreendedorismo de Inovação em TI: Caminhos e oportunidades. Rodrigo Franco Gonçalves Empreendedorismo de Inovação em TI: Caminhos e oportunidades Rodrigo Franco Gonçalves Apresentação Rodrigo Franco Gonçalves Físico. Mestre e Doutor em Engenharia de Produção Professor de mestrado e doutorado

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009.

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. A Fundação Universidade do Tocantins UNITINS torna público

Leia mais

Formulário de Apresentação de Proposta - TECNOVA PB

Formulário de Apresentação de Proposta - TECNOVA PB Formulário de Apresentação de Proposta - TECNOVA PB Secretaria de Recursos Hídricos, Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia - SERHMACT Fundação de Apoio à Pesquisa - FAPESQ Setembro/Outubro de 2013 TECNOVA

Leia mais

CHAMADA PARA PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO

CHAMADA PARA PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO CHAMADA PARA PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO RAIAR Incubadora Multissetorial de Empresas de Base Tecnológica e Inovação da PUCRS TECNOPUC Parque Científico e Tecnológico da PUCRS Porto Alegre,

Leia mais

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio:

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio: EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS Apoio: Recife, 2015 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVOS... 3 3. PUBLICO ALVO... 3 4. ATORES... 3 5. ESPAÇO FÍSICO... 4 6. SERVIÇOS OFERECIDOS...

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação 01/2009 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

SELEÇÃO PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação 01/2009 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES SELEÇÃO PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação 01/2009 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES É obrigatório oferecer contrapartida? Em caso afirmativo, quanto devo oferecer de contrapartida? Sim. O

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos DE E DE Elaboração de Projetos PROGRAMAÇÃO DA AULA Estrutura de projetos de inovação Avaliação de projetos de inovação DE E DE Características dos Projetos de P&D DE E DE OPORTUNIDADES Parceiros Recursos

Leia mais

CARTILHA DO PROGRAMA DE INCUBAÇÃO

CARTILHA DO PROGRAMA DE INCUBAÇÃO CARTILHA DO PROGRAMA DE INCUBAÇÃO MOD.INC. Data:/ / Rev.:01 1 Introdução O que é uma Incubadora de Empresas? Incubadora de empresas é uma estrutura disponibilizada a empreendedores para auxiliar na criação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2108 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2108 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 20/03/2013-17:37:38 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2108 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS O QUE É UM PROJETO? É um documento que organiza idéias para se realizar um empreendimento, explicitando o motivo de realizá-lo, as etapas de trabalho, as

Leia mais

FICHA DE INSCRIÇÃO EDITAL 001/2008. Nome do Empreendimento: Como tomou conhecimento do Edital? INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO

FICHA DE INSCRIÇÃO EDITAL 001/2008. Nome do Empreendimento: Como tomou conhecimento do Edital? INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO FICHA DE INSCRIÇÃO EDITAL 001/2008 Nome do Empreendimento: Como tomou conhecimento do Edital? INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO Área do Conhecimento (ver tabela CNPq) Tem empresa constituída? ( ) sim

Leia mais

- ATENÇÃO PESQUISADORES -

- ATENÇÃO PESQUISADORES - - ATENÇÃO PESQUISADORES - Informamos abaixo os últimos editais para fomento à pesquisa divulgados pela FAPESB e CNPQ, para conhecimento e possível envio de propostas de projetos: Órgão Responsável: FAPESP

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS

EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS Objetivos da apresentação Exposição dos principais detalhes do edital,

Leia mais

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos.

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. 12.08.2015 Henrique Frizzo 2015 Trench, Rossi e Watanabe Advogados 1 Conceitos Gerais da Lei de Inovação Conceitos Gerais da Lei de Inovação

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para credenciamento de Unidades EMBRAPII (UE)

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 2º Workshop Platec E&P Onshore - Sondas de Perfuração e Workover - Equipamentos

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

EDITAL UnC REITORIA - 031/2015

EDITAL UnC REITORIA - 031/2015 EDITAL UnC REITORIA - 031/2015 Dispõe sobre a chamada de Projetos de Inovação para ingresso nas Incubadoras Tecnológicas e Empresariais da UnC. A Reitora da Universidade do Contestado - UnC, no uso de

Leia mais

Assessoria Consultoria Treinamento F I N A N C E I R A - E M P R E S A R I A L

Assessoria Consultoria Treinamento F I N A N C E I R A - E M P R E S A R I A L Assessoria Consultoria Treinamento F I N A N C E I R A - E M P R E S A R I A L Quem somos Bem vindo à Nord. Formada por profissionais oriundos do mercado financeiro, com formações multidisciplinares e

Leia mais

INCUBADORA RINETEC. Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC. Edital 001 2014

INCUBADORA RINETEC. Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC. Edital 001 2014 INCUBADORA RINETEC Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC Edital 001 2014 1. APRESENTAÇÃO 1.1 Este edital estabelece formas, condições e critérios para que a Associação

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 1. Contextualização

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 1. Contextualização Pesquisa de Mercado Aula 1 Prof. Me. Ricieri Garbelini Tópicos Abordados 1. Identificação do problema ou situação 2. Construção de hipóteses ou determinação dos objetivos 3. Tipos de pesquisa 4. Métodos

Leia mais

SECRETARIA DE INOVAÇÃO

SECRETARIA DE INOVAÇÃO SECRETARIA DE INOVAÇÃO EDITAL Nº 01, DE 30 DE JANEIRO DE 2013 SEGUNDA CHAMADA PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA ENTRE BRASIL E ISRAEL O SECRETÁRIO DE INOVAÇÃO DO MINISTÉRIO DO

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PARA 1ª MOSTRA DE PROJETOS DO EMPRENDE LITORAL

EDITAL DE CHAMAMENTO PARA 1ª MOSTRA DE PROJETOS DO EMPRENDE LITORAL EDITAL DE CHAMAMENTO PARA 1ª MOSTRA DE PROJETOS DO EMPRENDE LITORAL A DINÂMICA CONSULTORIA, com a oportunidade do 2º EMPREENDE LITORAL, convida todos os interessados, a participarem da 1ª MOSTRA DE PROJETOS

Leia mais

Análise da operação do instrumento de subvenção econômica à inovação no Brasil Ana Czeresnia Costa Marina Szapiro José Eduardo Cassiolato

Análise da operação do instrumento de subvenção econômica à inovação no Brasil Ana Czeresnia Costa Marina Szapiro José Eduardo Cassiolato Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Análise da operação

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA ITSM/UFSM - INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UFSM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA ITSM/UFSM - INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UFSM UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA ITSM/UFSM - INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UFSM EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA INGRESSO NA ITSM/UFSM INCUBADORA DE EMPRESAS,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PROPOSTAS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UNICAMP - INCAMP

EDITAL DE SELEÇÃO PROPOSTAS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UNICAMP - INCAMP EDITAL DE SELEÇÃO PROPOSTAS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UNICAMP - INCAMP REALIZAÇÃO Fone (19)3521-5012 E-mail INCAMP@unicamp.br - Site: http://www.incamp.unicamp.br 1.

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

EDITAL ITA DE EMPREENDEDORISMO. São José dos Campos

EDITAL ITA DE EMPREENDEDORISMO. São José dos Campos EDITAL ITA DE EMPREENDEDORISMO 2013 São José dos Campos 2013 SUMÁRIO 1 DENOMINAÇÃO, OBJETIVO E GOVERNANÇA... 4 1.1 Denominação... 4 1.2 Objetivo do Desafio... 4 1.3 Conceito... 4 1.3.1 Desenvolvimento

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

COMITÊ EXECUTIVO PARA A FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS EM CIÊNCIAS DO MAR - PPG-Mar PLANO NACIONAL DE TRABALHO 2012-2015

COMITÊ EXECUTIVO PARA A FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS EM CIÊNCIAS DO MAR - PPG-Mar PLANO NACIONAL DE TRABALHO 2012-2015 CIRM PSRM 180/ 120/8 9 COMITÊ EXECUTIVO PARA A FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS EM CIÊNCIAS DO MAR - 1.1. Apoiar, incentivar e promover a 1. Melhorar a qualificação do corpo qualificação do corpo docente da

Leia mais

EMPREENDEDORISMO TECNOLÓGICO

EMPREENDEDORISMO TECNOLÓGICO EMPREENDEDORISMO TECNOLÓGICO Prof. LIN CHIH CHENG, PhD. XXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃ ÇÃO Porto Alegre 01 de Novembro, 2005 Departamento EMPREENDE Engenharia / UFMG de Produçã ção 1 AGENDA

Leia mais

Edital CECOMPI PI-004/2014 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos

Edital CECOMPI PI-004/2014 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos Edital CECOMPI PI-004/2014 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos O Centro para a Competitividade e Inovação do Cone Leste Paulista- CECOMPI, na qualidade de entidade gestora do Programa

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO. Modalidade Associada

PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO. Modalidade Associada Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO Modalidade Associada Incubadora Multissetorial de Empresas de Base Tecnológica e Inovação da PUCRS RAIAR

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

ANEXO IV TERMO DE REFERÊNCIA E ELABORAÇÃO DO PROJETO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA CIÊNCIA, DA TECNOLOGIA E DA INOVAÇÃO

ANEXO IV TERMO DE REFERÊNCIA E ELABORAÇÃO DO PROJETO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA CIÊNCIA, DA TECNOLOGIA E DA INOVAÇÃO ANEXO IV TERMO DE REFERÊNCIA E ELABORAÇÃO DO PROJETO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA CIÊNCIA, DA TECNOLOGIA E DA INOVAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL 01/2013 PROPOSTA / ELABORAÇÃO DE PROJETOS

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PROJETOS EMPRESARIAIS INOVADORES PARA INGRESSO E PARTICIPAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ IESJ. A INCUBADORA

Leia mais

XIX Workshop Anprotec. Sapiens Parque

XIX Workshop Anprotec. Sapiens Parque XIX Workshop Anprotec $ustentabilidade dos Parques Tecnológicos: Sustentabilidade financeira e competitividade do território 24 e 25 de outubro de 2011 Porto Alegre/RS Sapiens Parque PARQUE COPYRIGHT TECNOLÓGICO

Leia mais

EDITAL Nº 010 /2015 APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO

EDITAL Nº 010 /2015 APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL Nº 010 /2015 APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO A DA FACAPE, com base na deliberação do Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão - CEPE, no uso de suas atribuições previstas no Decreto Lei 085/2009, torna

Leia mais

Objetivo do curso: Formar profissionais qualificados na gestão comercial, possibilitando assim o crscimento individual e corporativo.

Objetivo do curso: Formar profissionais qualificados na gestão comercial, possibilitando assim o crscimento individual e corporativo. O Curso de Tecnologia em Gestão Comercial tem por finalidade formar profissionais na área de Gestão Comercial, embasando-os de conhecimentos técnicos, científicos e gerenciais. Desenvolvendo capacidades

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA EDITAL 04/2009 IDÉIA FLUXO CONTÍNUO INCUBADORA MULTI-SETORIAL DE BASE TECNOLÓGICA E INOVAÇÃO Novembro de 2009. PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 08/2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 08/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 08/2009 O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico FUNCAP, na pessoa de seu Presidente, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

IERA um projeto gerador de oportunidades. 30 de junho de 2015 celso guedes de carvalho

IERA um projeto gerador de oportunidades. 30 de junho de 2015 celso guedes de carvalho IERA um projeto gerador de oportunidades 30 de junho de 2015 celso guedes de carvalho um projeto da Região A criação da IERA foi um desafio estratégico assumido por 14 parceiros comprometidos com a promoção

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA ANEEL / BNDES / FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR ELÉTRICO INOVA ENERGIA 01/2013 Modelo de Plano de Negócios Junho - 2013-1 - Introdução Este documento tem

Leia mais