AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO"

Transcrição

1 COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO (GRUPO 110) 2012/2013 REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES DO 1º CICLO REGIMENTO DO DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1º CICLO REGIMENTO DO CONSELHO DE ANO 1º ANO REGIMENTO DO CONSELHO DE ANO 2º ANO REGIMENTO DO CONSELHO DE ANO 3º ANO REGIMENTO DO CONSELHO DE ANO 4º ANO

2 COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Artigo 1º Âmbito A Coordenação Pedagógica do 1º Ciclo abrange todas as turmas dos anos de escolaridade que integram o 1º Ciclo das escolas de Mogadouro, Bemposta e Castro Vicente. Artigo 2º Objecto O presente documento tem por objeto a Coordenação Pedagógica do 1º Ciclo. Estabelece as formas de participação, competências e organização destas estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica. Estas estruturas colaboram com o Conselho Pedagógico e com o Diretor, no sentido de assegurar a coordenação, articulação e acompanhamento das actividades curriculares e de enriquecimento curricular, desenvolvidas por todas as turmas de 1º Ciclo. A estrutura de Coordenação Pedagógica do 1º Ciclo é constituída pelo: 1- Departamento Curricular (110) coordenadores de cada Conselho de Ano 2- Conselho de Docentes de 1º Ciclo professores titulares de turma, professores das atividades de Enriquecimento Curricular, docentes em apoio educativo e Ensino Especial. Artigo 3º Composição Conselho de 1º Ano Professores Titulares das turmas de 1º ano - Coordenadora: Teresa de Jesus Pereira Conselho de 2º Ano - Professores Titulares das turmas de 2º ano - Coordenadora: Mª Helena Cordeiro Ribeiro Conselho de 3º Ano Professores Titulares das turmas de 3º ano - Coordenador: Eduardo Fernandes Conselho de 4º Ano - Professores Titulares das turmas de 4º ano - Coordenadora: Mª de Lurdes Gonçalo Artigo 4º Coordenação pedagógica A coordenação pedagógica do 1º Ciclo é assegurada por um Coordenador: Maria Teresa Rodrigues França Costa O Coordenador de Departamento é eleito pelos membros do mesmo órgão.

3 REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES DO 1º CICLO (110) Artigo 1º Composição do Conselho de Docentes O Conselho de Docentes do 1º Ciclo é constituído por todos os docentes do 1º Ciclo: Professores Titulares de Turma, Professores de Apoio Educativo, Professora do Ensino Especial e Professores de Enriquecimento Curricular. 1- O Conselho de Docentes reúne ordinariamente com todos os elementos do Conselho de Docentes, no início do ano letivo, após o final do ano letivo e uma vez no final de cada período, em horário pré-estabelecido. 2-Extraordinariamente sempre que seja convocado pela Coordenadora, por sua iniciativa, a pedido de 2/3 dos seus elementos, ou sempre que um pedido de parecer de algum órgão de Direção, administração e gestão o justifique. Artigo 2º Funcionamento 3 As convocatórias serão afixadas na sala de professores com, pelo menos, 48 horas de antecedência; 4- As reuniões de Conselho de Docentes são realizadas na escola de 1º Ciclo e não poderão exceder duas horas, salvo quando o próprio Conselho de Docentes, por maioria simples, decidir o seu prolongamento. O prolongamento não poderá exceder trinta minutos. 5- As reuniões iniciam-se pela verificação de quórum, seguida da leitura e aprovação da acta da reunião anterior. 6- A coordenadora dará cumprimento à ordem de trabalhos. 7- As votações far-se-ão: a) de braço no ar segundo a ordem: quem vota a favor, quem vota contra, sempre que não estejam em causa pessoas (não há direito a abstenção); b) por voto secreto sempre que estejam em causa pessoas e outras situações que o Conselho de Docentes, por maioria, considere

4 pertinentes. 8- As votações serão consideradas válidas sempre que aprovadas por maioria simples. 9- Nas votações, e em caso de empate, a coordenadora tem voto de qualidade. 10- Será considerado faltoso o membro do Conselho de Docentes que compareça depois do início dos trabalhos ou, do mesmo modo, se ausente antes do termo da reunião. 11- Será lavrada ata que registe o que de essencial se tiver passado nas reuniões, nomeadamente, as ausências, as deliberações tomadas e as posições contra elas assumidas, desde que requeridas. As atas poderão ser elaboradas no decorrer da reunião e aprovadas no final ou aprovadas em minuta, sempre que se justifique. Se assim não for, serão elaboradas, no prazo máximo de oito dias. Em todas as situações as atas serão elaboradas pelo secretário, que as assinará juntamente com a coordenadora. 12- As atas serão arquivadas em dossiê estipulado para o efeito. 13- O secretário é designado, em cada reunião, pela coordenadora, seguindo a ordem alfabética dos elementos que compõem o Conselho de Docentes; 14- No caso do secretário, designado de acordo com o exposto no número anterior, faltar, elaborará a acta da reunião seguinte, sendo chamado para o lugar deste, o docente imediatamente a seguir. 1 - Elaborar o seu Regimento Interno de acordo com o Regulamento Interno do Agrupamento. Artigo 3º Competências do Conselho de Docentes 2- Assegurar, de forma articulada com outras estruturas de orientação educativa da escola ou do agrupamento, a adoção de metodologias específicas destinadas ao desenvolvimento quer dos planos de estudo, quer das componentes de âmbito local do currículo. 3- Aprovar as propostas de avaliação do rendimento escolar dos alunos, apresentadas por cada professor titular de turma e pelos

5 professores de enriquecimento curricular, nas reuniões de avaliação, a realizar no final de cada período lectivo, de acordo com os critérios de avaliação definidos. 4- Elaborar e aplicar medidas de reforço no domínio das didáticas específicas das áreas curriculares, sempre que as dificuldades de aprendizagem dos alunos assim o exijam. 5- Acompanhar e avaliar as actividades no âmbito do Plano Anual de Actividades. 1- Representar os docentes do 1º Ciclo; 2- Convocar as sessões ordinárias e extraordinárias do Conselho de Docentes; 3- Dirigir os trabalhos e zelar pelo bom funcionamento das reuniões; Artigo 4º Competências da Coordenadora 4- Garantir o cumprimento de todas as deliberações do Conselho de Docentes; 5- Promover a troca de experiências e a cooperação entre todos os docentes que integram o Conselho de Docentes e a Escola; 6- Promover a articulação com outras estruturas ou serviços de escola ou do Agrupamento de escolas, com vista ao desenvolvimento de estratégias de diferenciação pedagógica; 7- Propor, ao Conselho Pedagógico, o desenvolvimento de componentes curriculares e a adopção de medidas destinadas a melhorar as aprendizagens dos alunos; 8- Promover a realização de actividades de investigação, reflexão e estudo, visando a melhoria da qualidade das práticas educativas; 9- Apresentar, ao Diretor, um relatório crítico, anual, do trabalho desenvolvido;

6 Artigo 5º Competências do Secretário 1- Conferir as presenças e registar as faltas/ausências; 2- Apurar e registar o resultado das votações; 3- Lavrar as atas das reuniões, subscrevendo-as; 1-O presente Regimento deverá constar da ata da reunião que o aprovar e entrará imediatamente em vigor. Artigo6º Disposições Finais 2- Será dado conhecimento do Regimento a todos os membros do Conselho de Docentes. 3- Depois de aprovado, este Regimento será passível de alteração/revisão, por proposta de pelo menos 1/3 (um terço) dos seus membros e em reunião com a presença de 2/3 (dois terços) dos elementos do Conselho de Docentes, ou sempre que a lei a isso obrigue. 4 Nos casos omissos neste Regimento aplicam-se as disposições legais em vigor, às quais este não se pode sobrepor. A Coordenadora do Conselho de Docentes, (Maria Teresa Rodrigues França Costa)

7 REGIMENTO DO DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1º CICLO (110) Artigo 1º Composição do Departamento Curricular O Departamento Curricular do 1º Ciclo do Ensino Básico é constituído pela Coordenadora do 1º Ciclo e pelos Coordenadores de cada Conselho de Ano. 1- O Departamento Curricular do 1º Ciclo, reúne ordinariamente com todos os elementos que o constituem, antes e/ou, pontualmente depois da reunião do Conselho Pedagógico, em horário pré estabelecido; 2-Extraordinariamente sempre que seja convocado pela Coordenadora, por sua iniciativa, a pedido de 2/3 dos seus elementos, ou sempre que ocorra um pedido de parecer de algum órgão de Direcção, administração e gestão o justifique; Artigo 2º Funcionamento 3- As reuniões de Departamento são realizadas na Escola EB1/JI de Mogadouro e não poderão exceder duas horas, salvo quando o próprio Departamento, por maioria simples, decidir o seu prolongamento. O prolongamento não poderá exceder trinta minutos; 4- As reuniões iniciam-se com verificação de quórum, seguida da leitura e aprovação da acta da reunião anterior; 5- A coordenadora dará cumprimento à Ordem de Trabalhos. 6- As votações far-se-ão: a) de braço no ar segundo a ordem: quem vota a favor, quem vota contra, sempre que não estejam em causa pessoas (não há direito a abstenção); b) por voto secreto sempre que estejam em causa pessoas e outras situações que o Departamento, por maioria, considere pertinentes; 7- As votações serão consideradas válidas sempre que aprovadas por maioria simples; 8- Nas votações, e em caso de empate, a coordenadora tem voto de qualidade; 9- Será considerado faltoso o membro do Departamento que compareça depois do início dos trabalhos ou, do mesmo modo, se ausente antes do termo da reunião; 10- Será lavrada ata que registe o que de essencial se tiver passado nas reuniões, nomeadamente, as ausências, as deliberações tomadas e as posições contra elas assumidas, desde que requeridas. As atas poderão ser elaboradas no decorrer da reunião e aprovadas no final ou aprovadas em minuta, sempre que se justifique. Se assim não for, serão elaboradas, no prazo

8 máximo de oito dias. Em todas as situações as atas serão elaboradas pelo secretário, que as assinará juntamente com a coordenadora. 12- As atas serão arquivadas em dossier estipulado para o efeito. 1- Elaborar o seu Regimento de funcionamento; Artigo 3º Competências do Departamento Curricular 2- Assegurar, de forma articulada com outras estruturas de orientação educativa da escola ou do agrupamento, a adoção de metodologias específicas destinadas ao desenvolvimento quer dos planos de estudo, quer das componentes de âmbito local do currículo; 3- Aprovar as propostas de avaliação do rendimento escolar dos alunos, apresentadas por cada professor titular de turma e pelos professores de enriquecimento curricular, nas reuniões de cada Conselho de Ano, de acordo com os critérios de avaliação definidos; 4- Elaborar e aplicar medidas de reforço no domínio das didácticas específicas das áreas curriculares, sempre que as dificuldades de aprendizagem dos alunos assim o exijam; 5- Acompanhar e avaliar as actividades desenvolvidas. 1 - Representar o Departamento Curricular do 1º Ciclo; 2 - Supervisionar a documentação produzida em cada Conselho de Ano; 3- Convocar as reuniões ordinárias e extraordinárias; 4- Dirigir os trabalhos e zelar pelo bom funcionamento das reuniões; Artigo 4º Competências da Coordenadora 5- Promover a troca de experiências e a cooperação entre todos os docentes que integram o Departamento e a Escola; 7- Promover a articulação com outras estruturas ou serviços de escola ou do Agrupamento de escolas, com vista ao desenvolvimento de estratégias de diferenciação pedagógica; 8- Propor, ao Conselho Pedagógico, o desenvolvimento de componentes curriculares e a adopção de medidas destinadas a melhorar as aprendizagens dos alunos; 9- Promover a realização de actividades de investigação, reflexão e estudo, visando a melhoria da qualidade das práticas educativas; 11- Apresentar, ao Diretor, um relatório crítico, anual, do trabalho desenvolvido.

9 Artigo 5º Modo de Designação do secretário 1 O desempenho das funções de secretário é feito pelos docentes, por ordem alfabética; 2 Em caso de falta do secretário resultante da aplicação do estipulado no ponto anterior, as funções são desempenhadas pelo docente seguinte, por ordem alfabética. Artigo 6º Competências do Secretário 1- Conferir as presenças e registar as faltas/ausências; 2- Apurar e registar o resultado das votações; 3- Lavrar as atas das reuniões, assinando-as depois de aprovadas; 1-O presente Regimento deverá constar da ata da reunião que o aprovar e entrará imediatamente em vigor; Artigo 7º Disposições Finais 2- Será dado conhecimento do Regimento a todos os membros do Departamento; 3- Depois de aprovado, este Regimento será passível de alteração/revisão, por proposta de pelo menos 1/3 (um terço) dos seus membros e em reunião com a presença de 2/3 (dois terços) dos elementos do Conselho de Docentes ou sempre que a lei a isso obrigue. 4 Nos casos omissos neste Regimento aplicam-se as disposições legais em vigor, às quais este não se pode sobrepor. A Coordenadora do Departamento Curricular do 1º Ciclo, (Maria Teresa Rodrigues França Costa)

10 REGIMENTO DO CONSELHO DE ANO - 1º ANO Artigo 1º Composição dos Conselhos de Ano Os Conselhos de Ano são estruturas de orientação educativa que apoiam o Conselho de Docentes e que visam a organização, acompanhamento e avaliação das actividades das turmas de um mesmo ano de escolaridade. Cada Conselho de Ano é constituído pelos professores titulares que leccionam as turmas de um mesmo ano de escolaridade. 1- Cada Conselho de Ano reúne ordinariamente com todos os docentes do mesmo ano, antes e/ou, pontualmente depois da reunião do Departamento Curricular, em horário pré - estabelecido. 2-Extraordinariamente sempre que seja convocado pela Coordenadora, por sua iniciativa, a pedido de 2/3 dos seus elementos, ou sempre que ocorra um pedido de parecer de algum órgão de Direcção, administração e gestão o justifique. Artigo 2º Funcionamento 3- As reuniões de Conselho de Ano são realizadas na escola EB1/JI de Mogadouro e não poderão exceder duas horas, salvo quando o próprio Conselho de Ano, por maioria simples, decidir o seu prolongamento. O prolongamento não poderá exceder trinta minutos. 4- O Conselho de Ano realiza reuniões de articulação com os docentes do Pré-Escolar mediante convocatória do Director; 5- As reuniões iniciam-se pela verificação de quórum (terá que estar presente a maioria simples do número legal dos seus membros com direito a voto), seguida da leitura e aprovação da acta da reunião anterior. 6 Quando um docente lecciona vários anos, deve participar nas reuniões de Conselho de Ano que integra a turma que possui com maior número de alunos. 7 Cada Conselho de Ano possui um Coordenador de Ano nomeado pelo Director ; 8 O mandato da coordenação de ano tem a duração de um ano, prorrogável até ao final de ciclo; 9- O coordenador dará cumprimento à ordem de trabalhos. 10- As votações far-se-ão: a) de braço no ar segundo a ordem: quem vota a favor, quem vota contra, sempre que não estejam em causa pessoas (não há direito a abstenção); b) por voto secreto sempre que estejam em causa pessoas e outras situações que o Departamento, por maioria, considere pertinentes. 11- As votações serão consideradas válidas sempre que aprovadas por maioria simples. 12- Nas votações, e em caso de empate, a coordenadora tem voto de qualidade. 13- Será considerado faltoso o membro do Conselho de Ano que compareça

11 depois do início dos trabalhos ou, do mesmo modo, se ausente antes do termo da reunião. 14- Será lavrada ata que registe o que de essencial se tiver passado nas reuniões, nomeadamente, as ausências, as deliberações tomadas e as posições contra elas assumidas, desde que requeridas. As actas poderão ser elaboradas no decorrer da reunião e aprovadas no final ou aprovadas em minuta, sempre que se justifique. Se assim não for, serão elaboradas, no prazo máximo de oito dias. Em todas as situações as actas serão elaboradas pelo secretário, que as assinará juntamente com a coordenadora. 15- As atas serão arquivadas em dossier estipulado para o efeito A organização de dossier de cada Conselho de Ano será da responsabilidade de cada coordenador de ano e deverá ficar permanentemente ao dispor da Coordenadora do conselho de Docentes, no gabinete de Coordenação. Cabe em geral a cada Conselho de Ano: 1- Elaborar e aprovar o seu Regimento Interno de acordo com o Regulamento Interno do Agrupamento. 2 Elaborar e/ou reformular o projeto curricular das respetivas turmas (tendo sempre em atenção a articulação), bem como as planificações das actividades específicas do ano; 3 Analisar a situação das turmas e identificar características específicas dos alunos com relevância para o processo de ensino e aprendizagem; 4 Adoptar estratégias de diferenciação pedagógica que favoreçam a aprendizagem dos alunos; Artigo 3º Competências do Conselho de Ano 5 Assegurar o ajustamento do currículo às características específicas dos alunos, estabelecendo prioridades, níveis de aprofundamento e sequências adequadas; 6 Elaborar os planos de recuperação, de acompanhamento e de desenvolvimento de cada aluno; 7 Dar parecer sobre todas as matérias de natureza pedagógica e disciplinar que à turma digam respeito; 8 Analisar os problemas de integração dos alunos e de relacionamento entre estes e os professores, propondo as soluções apropriadas; 9 Detetar dificuldades de aprendizagem e outras necessidades dos alunos, colaborando com os serviços de apoio existentes na escola, com vista à sua superação; 10 Colaborar em atividades culturais, desportivas e recreativas que envolvam os alunos e a comunidade, de acordo com o projecto educativo e o plano anual de actividades da escola / Agrupamento; 11- Analisar situações de indisciplina ocorridas com alunos da turma e implementar as medidas educativas consideradas ajustadas; 12 Promover ações que estimulem o envolvimento dos pais e encarregados de educação no processo formativo e educativo dos alunos; 13 Proceder à elaboração dos registos de avaliação dos alunos. 14 Elaborar o inventário dos bens agregados ao respectivo ano de

12 escolaridade; 15 Inventariar as necessidades do ano e informar o Coordenador de Docentes; 16- O secretário é designado, em cada reunião, pelo coordenador de ano, seguindo a ordem alfabética dos elementos que compõem o Conselho de Ano; 17- No caso do secretário, designado de acordo com o exposto no número anterior, faltar, elaborará a ata da reunião seguinte, sendo chamado para o lugar deste, o docente imediatamente a seguir. São competências e atribuições dos Coordenadores de cada Conselho de Ano: 1 Convocar e presidir às reuniões de professores de cada Conselho de Ano; 3 Assegurar a coordenação pedagógica no conselho respectivo em articulação com a coordenadora do Departamento/ Conselho de Docentes do 1º Ciclo; 4 Fomentar a troca de experiências e cooperação entre os docentes de ano; Artigo 4º Competências dos Coordenadores de Ano 5- Propor, desenvolver e avaliar as actividades integradoras a implementar, em articulação com as diferentes estruturas; 6 Promover, a realização de acções conducentes à aplicação do Projecto Educativo do Agrupamento, numa perspectiva de envolvimento dos encarregados de educação e de abertura à comunidade; 7 Assegurar a articulação com outras estruturas de orientação educativa no âmbito da elaboração e concretização do Projecto Educativo, do Projecto Curricular de Turma e do Plano Anual de Actividades; 8 Coordenar o desenvolvimento e concretização dos Projectos Curriculares de Turma, das turmas que integram o seu Conselho de Ano; 9 Assegurar a supervisão e avaliação dos Planos de Recuperação, de Acompanhamento e de Desenvolvimento elaborados nos termos da legislação em vigor no âmbito da avaliação das aprendizagens; 10 Promover a articulação entre as diferentes turmas ao nível do desenvolvimento do programa curricular e das actividades de enriquecimento curricular; 11 Apresentar ao Director um relatório crítico do trabalho desenvolvido durante o ano lectivo. Artigo 5º Competências do Secretário 1- Conferir as presenças e registar as faltas/ausências. 2- Apurar e registar o resultado das votações. 3- Lavrar as actas das reuniões, subscrevendo-as.

13 1-O presente Regimento deverá constar da ata da reunião que o aprovar e entrará imediatamente em vigor. Artigo 6º Disposições Finais 2- Será dado conhecimento do Regimento a todos os membros do Conselho de Ano. 3- Depois de aprovado, este Regimento será passível de alteração/revisão, por proposta de pelo menos 1/3 (um terço) dos seus membros e em reunião com a presença de 2/3(dois terços) dos elementos do Conselho de Ano ou sempre que a lei a isso obrigue. 4 Nos casos omissos neste Regimento aplicam-se as disposições legais em vigor, às quais este não se pode sobrepor. O(a) Coordenador(a) de Ano, (Teresa de Jesus Pereira)

14 REGIMENTO DO CONSELHO DE ANO - 2º ANO Artigo 1º Composição dos Conselhos de Ano Os Conselhos de Ano são estruturas de orientação educativa que apoiam o Conselho de Docentes e que visam a organização, acompanhamento e avaliação das atividades das turmas de um mesmo ano de escolaridade. Cada Conselho de Ano é constituído pelos professores titulares que lecionam as turmas de um mesmo ano de escolaridade. 1- Cada Conselho de Ano reúne ordinariamente com todos os docentes do mesmo ano, antes e/ou, pontualmente depois da reunião do Departamento Curricular, em horário pré - estabelecido. 2-Extraordinariamente sempre que seja convocado pela Coordenadora, por sua iniciativa, a pedido de 2/3 dos seus elementos, ou sempre que ocorra um pedido de parecer de algum órgão de Direção, administração e gestão o justifique. Artigo 2º Funcionamento 3- As reuniões de Conselho de Ano são realizadas na escola EB1/JI de Mogadouro e não poderão exceder duas horas, salvo quando o próprio Conselho de Ano, por maioria simples, decidir o seu prolongamento. O prolongamento não poderá exceder trinta minutos. 4- O Conselho de Ano realiza reuniões de articulação com os docentes do Pré-Escolar mediante convocatória do Diretor; 5- As reuniões iniciam-se pela verificação de quórum (terá que estar presente a maioria simples do número legal dos seus membros com direito a voto), seguida da leitura e aprovação da ata da reunião anterior. 6 Quando um docente leciona vários anos, deve participar nas reuniões de Conselho de Ano que integra a turma que possui com maior número de alunos. 7 Cada Conselho de Ano possui um Coordenador de Ano nomeado pelo Diretor; 8 O mandato da coordenação de ano tem a duração de um ano, prorrogável até ao final de ciclo; 9- O coordenador dará cumprimento à ordem de trabalhos. 10- As votações far-se-ão: a) de braço no ar segundo a ordem: quem vota a favor, quem vota contra, sempre que não estejam em causa pessoas (não há direito a abstenção); b) por voto secreto sempre que estejam em causa pessoas e outras situações que o Departamento, por maioria, considere pertinentes. 11- As votações serão consideradas válidas sempre que aprovadas por maioria simples. 12- Nas votações, e em caso de empate, a coordenadora tem voto de qualidade. 13- Será considerado faltoso o membro do Conselho de Ano que compareça

15 depois do início dos trabalhos ou, do mesmo modo, se ausente antes do termo da reunião. 14- Será lavrada ata que registe o que de essencial se tiver passado nas reuniões, nomeadamente, as ausências, as deliberações tomadas e as posições contra elas assumidas, desde que requeridas. As atas poderão ser elaboradas no decorrer da reunião e aprovadas no final ou aprovadas em minuta, sempre que se justifique. Se assim não for, serão elaboradas, no prazo máximo de oito dias. Em todas as situações as atas serão elaboradas pelo secretário, que as assinará juntamente com a coordenadora. 15- As atas serão arquivadas em dossier estipulado para o efeito A organização de dossier de cada Conselho de Ano será da responsabilidade de cada coordenador de ano e deverá ficar permanentemente ao dispor da Coordenadora do conselho de Docentes, no gabinete de Coordenação. Cabe em geral a cada Conselho de Ano: 1- Elaborar e aprovar o seu Regimento Interno de acordo com o Regulamento Interno do Agrupamento. 2 Elaborar e/ou reformular o projeto curricular das respetivas turmas (tendo sempre em atenção a articulação), bem como as planificações das atividades específicas do ano; 3 Analisar a situação das turmas e identificar características específicas dos alunos com relevância para o processo de ensino e aprendizagem; 4 Adotar estratégias de diferenciação pedagógica que favoreçam a aprendizagem dos alunos; Artigo 3º Competências do Conselho de Ano 5 Assegurar o ajustamento do currículo às características específicas dos alunos, estabelecendo prioridades, níveis de aprofundamento e sequências adequadas; 6 Elaborar os planos de recuperação, de acompanhamento e de desenvolvimento de cada aluno; 7 Dar parecer sobre todas as matérias de natureza pedagógica e disciplinar que à turma digam respeito; 8 Analisar os problemas de integração dos alunos e de relacionamento entre estes e os professores, propondo as soluções apropriadas; 9 Detetar dificuldades de aprendizagem e outras necessidades dos alunos, colaborando com os serviços de apoio existentes na escola, com vista à sua superação; 10 Colaborar em atividades culturais, desportivas e recreativas que envolvam os alunos e a comunidade, de acordo com o projeto educativo e o plano anual de atividades da escola / Agrupamento; 11- Analisar situações de indisciplina ocorridas com alunos da turma e implementar as medidas educativas consideradas ajustadas; 12 Promover ações que estimulem o envolvimento dos pais e encarregados de educação no processo formativo e educativo dos alunos; 13 Proceder à elaboração dos registos de avaliação dos alunos. 14 Elaborar o inventário dos bens agregados ao respetivo ano de

16 escolaridade; 15 Inventariar as necessidades do ano e informar o Coordenador de Docentes; 16- O secretário é designado, em cada reunião, pelo coordenador de ano, seguindo a ordem alfabética dos elementos que compõem o Conselho de Ano; 17- No caso do secretário, designado de acordo com o exposto no número anterior, faltar, elaborará a ata da reunião seguinte, sendo chamado para o lugar deste, o docente imediatamente a seguir. São competências e atribuições dos Coordenadores de cada Conselho de Ano: 1 Convocar e presidir às reuniões de professores de cada Conselho de Ano; 3 Assegurar a coordenação pedagógica no conselho respetivo em articulação com a coordenadora do Departamento/ Conselho de Docentes do 1º Ciclo; 4 Fomentar a troca de experiências e cooperação entre os docentes de ano; Artigo 4º Competências dos Coordenadores de Ano 5- Propor, desenvolver e avaliar as atividades integradoras a implementar, em articulação com as diferentes estruturas; 6 Promover, a realização de ações conducentes à aplicação do Projeto Educativo do Agrupamento, numa perspetiva de envolvimento dos encarregados de educação e de abertura à comunidade; 7 Assegurar a articulação com outras estruturas de orientação educativa no âmbito da elaboração e concretização do Projeto Educativo, do Projeto Curricular de Turma e do Plano Anual de Atividades; 8 Coordenar o desenvolvimento e concretização dos Projetos Curriculares de Turma, das turmas que integram o seu Conselho de Ano; 9 Assegurar a supervisão e avaliação dos Planos de Recuperação, de Acompanhamento e de Desenvolvimento elaborados nos termos da legislação em vigor no âmbito da avaliação das aprendizagens; 10 Promover a articulação entre as diferentes turmas ao nível do desenvolvimento do programa curricular e das atividades de enriquecimento curricular; 11 Apresentar ao Diretor um relatório crítico do trabalho desenvolvido durante o ano letivo. Artigo 5º Competências do Secretário 1- Conferir as presenças e registar as faltas/ausências. 2- Apurar e registar o resultado das votações. 3- Lavrar as atas das reuniões, subscrevendo-as.

17 1-O presente Regimento deverá constar da ata da reunião que o aprovar e entrará imediatamente em vigor. Artigo 6º Disposições Finais 2- Será dado conhecimento do Regimento a todos os membros do Conselho de Ano. 3- Depois de aprovado, este Regimento será passível de alteração/revisão, por proposta de pelo menos 1/3 (um terço) dos seus membros e em reunião com a presença de 2/3 (dois terços) dos elementos do Conselho de Ano ou sempre que a lei a isso obrigue. 4 Nos casos omissos neste Regimento aplicam-se as disposições legais em vigor, às quais este não se pode sobrepor. O(a) Coordenador(a) de Ano, (Maria Helena Cordeiro Ribeiro)

18 REGIMENTO DO CONSELHO DE ANO - 3º ANO Artigo 1º Composição dos Conselhos de Ano Os Conselhos de Ano são estruturas de orientação educativa que apoiam o Conselho de Docentes e que visam a organização, acompanhamento e avaliação das atividades das turmas de um mesmo ano de escolaridade. Cada Conselho de Ano é constituído pelos professores titulares que lecionam as turmas de um mesmo ano de escolaridade. 1- Cada Conselho de Ano reúne ordinariamente com todos os docentes do mesmo ano, antes e/ou, pontualmente depois da reunião do Departamento Curricular, em horário pré - estabelecido. 2-Extraordinariamente sempre que seja convocado pela Coordenadora, por sua iniciativa, a pedido de 2/3 dos seus elementos, ou sempre que ocorra um pedido de parecer de algum órgão de Direção, administração e gestão o justifique. Artigo 2º Funcionamento 3- As reuniões de Conselho de Ano são realizadas na escola EB1/JI de Mogadouro e não poderão exceder duas horas, salvo quando o próprio Conselho de Ano, por maioria simples, decidir o seu prolongamento. O prolongamento não poderá exceder trinta minutos. 4- O Conselho de Ano realiza reuniões de articulação com os docentes do Pré-Escolar mediante convocatória do Diretor; 5- As reuniões iniciam-se pela verificação de quórum (terá que estar presente a maioria simples do número legal dos seus membros com direito a voto), seguida da leitura e aprovação da ata da reunião anterior. 6 Quando um docente leciona vários anos, deve participar nas reuniões de Conselho de Ano que integra a turma que possui com maior número de alunos. 7 Cada Conselho de Ano possui um Coordenador de Ano nomeado pelo Diretor; 8 O mandato da coordenação de ano tem a duração de um ano, prorrogável até ao final de ciclo; 9- O coordenador dará cumprimento à ordem de trabalhos. 10- As votações far-se-ão: a) de braço no ar segundo a ordem: quem vota a favor, quem vota contra, sempre que não estejam em causa pessoas (não há direito a abstenção); b) por voto secreto sempre que estejam em causa pessoas e outras situações que o Departamento, por maioria, considere pertinentes. 11- As votações serão consideradas válidas sempre que aprovadas por maioria simples. 12- Nas votações, e em caso de empate, a coordenadora tem voto de qualidade. 13- Será considerado faltoso o membro do Conselho de Ano que compareça

19 depois do início dos trabalhos ou, do mesmo modo, se ausente antes do termo da reunião. 14- Será lavrada ata que registe o que de essencial se tiver passado nas reuniões, nomeadamente, as ausências, as deliberações tomadas e as posições contra elas assumidas, desde que requeridas. As atas poderão ser elaboradas no decorrer da reunião e aprovadas no final ou aprovadas em minuta, sempre que se justifique. Se assim não for, serão elaboradas, no prazo máximo de oito dias. Em todas as situações as atas serão elaboradas pelo secretário, que as assinará juntamente com a coordenadora. 15- As atas serão arquivadas em dossier estipulado para o efeito A organização de dossier de cada Conselho de Ano será da responsabilidade de cada coordenador de ano e deverá ficar permanentemente ao dispor da Coordenadora do conselho de Docentes, no gabinete de Coordenação. Cabe em geral a cada Conselho de Ano: 1- Elaborar e aprovar o seu Regimento Interno de acordo com o Regulamento Interno do Agrupamento. 2 Elaborar e/ou reformular o projeto curricular das respetivas turmas (tendo sempre em atenção a articulação), bem como as planificações das atividades específicas do ano; 3 Analisar a situação das turmas e identificar características específicas dos alunos com relevância para o processo de ensino e aprendizagem; 4 Adotar estratégias de diferenciação pedagógica que favoreçam a aprendizagem dos alunos; Artigo 3º Competências do Conselho de Ano 5 Assegurar o ajustamento do currículo às características específicas dos alunos, estabelecendo prioridades, níveis de aprofundamento e sequências adequadas; 6 Elaborar os planos de recuperação, de acompanhamento e de desenvolvimento de cada aluno; 7 Dar parecer sobre todas as matérias de natureza pedagógica e disciplinar que à turma digam respeito; 8 Analisar os problemas de integração dos alunos e de relacionamento entre estes e os professores, propondo as soluções apropriadas; 9 Detetar dificuldades de aprendizagem e outras necessidades dos alunos, colaborando com os serviços de apoio existentes na escola, com vista à sua superação; 10 Colaborar em atividades culturais, desportivas e recreativas que envolvam os alunos e a comunidade, de acordo com o projeto educativo e o plano anual de atividades da escola / Agrupamento; 11- Analisar situações de indisciplina ocorridas com alunos da turma e implementar as medidas educativas consideradas ajustadas; 12 Promover ações que estimulem o envolvimento dos pais e encarregados de educação no processo formativo e educativo dos alunos; 13 Proceder à elaboração dos registos de avaliação dos alunos. 14 Elaborar o inventário dos bens agregados ao respetivo ano de

20 escolaridade; 15 Inventariar as necessidades do ano e informar o Coordenador de Docentes; 16- O secretário é designado, em cada reunião, pelo coordenador de ano, seguindo a ordem alfabética dos elementos que compõem o Conselho de Ano; 17- No caso do secretário, designado de acordo com o exposto no número anterior, faltar, elaborará a ata da reunião seguinte, sendo chamado para o lugar deste, o docente imediatamente a seguir. São competências e atribuições dos Coordenadores de cada Conselho de Ano: 1 Convocar e presidir às reuniões de professores de cada Conselho de Ano; 3 Assegurar a coordenação pedagógica no conselho respetivo em articulação com a coordenadora do Departamento/ Conselho de Docentes do 1º Ciclo; 4 Fomentar a troca de experiências e cooperação entre os docentes de ano; Artigo 4º Competências dos Coordenadores de Ano 5- Propor, desenvolver e avaliar as atividades integradoras a implementar, em articulação com as diferentes estruturas; 6 Promover, a realização de ações conducentes à aplicação do Projeto Educativo do Agrupamento, numa perspetiva de envolvimento dos encarregados de educação e de abertura à comunidade; 7 Assegurar a articulação com outras estruturas de orientação educativa no âmbito da elaboração e concretização do Projeto Educativo, do Projeto Curricular de Turma e do Plano Anual de Atividades; 8 Coordenar o desenvolvimento e concretização dos Projetos Curriculares de Turma, das turmas que integram o seu Conselho de Ano; 9 Assegurar a supervisão e avaliação dos Planos de Recuperação, de Acompanhamento e de Desenvolvimento elaborados nos termos da legislação em vigor no âmbito da avaliação das aprendizagens; 10 Promover a articulação entre as diferentes turmas ao nível do desenvolvimento do programa curricular e das atividades de enriquecimento curricular; 11 Apresentar ao Diretor um relatório crítico do trabalho desenvolvido durante o ano letivo. Artigo 5º Competências do Secretário 1- Conferir as presenças e registar as faltas/ausências. 2- Apurar e registar o resultado das votações. 3- Lavrar as atas das reuniões, subscrevendo-as.

21 1-O presente Regimento deverá constar da ata da reunião que o aprovar e entrará imediatamente em vigor. Artigo 6º Disposições Finais 2- Será dado conhecimento do Regimento a todos os membros do Conselho de Ano. 3- Depois de aprovado, este Regimento será passível de alteração/revisão, por proposta de pelo menos 1/3 (um terço) dos seus membros e em reunião com a presença de 2/3 (dois terços) dos elementos do Conselho de Ano ou sempre que a lei a isso obrigue. 4 Nos casos omissos neste Regimento aplicam-se as disposições legais em vigor, às quais este não se pode sobrepor. O(a) Coordenador(a) de Ano, (Eduardo Manuel Fernandes)

22 REGIMENTO DO CONSELHO DE ANO - 4º ANO Artigo 1º Composição dos Conselhos de Ano Os Conselhos de Ano são estruturas de orientação educativa que apoiam o Conselho de Docentes e que visam a organização, acompanhamento e avaliação das atividades das turmas de um mesmo ano de escolaridade. Cada Conselho de Ano é constituído pelos professores titulares que lecionam as turmas de um mesmo ano de escolaridade. 1- Cada Conselho de Ano reúne ordinariamente com todos os docentes do mesmo ano, antes e/ou, pontualmente depois da reunião do Departamento Curricular, em horário pré - estabelecido. 2-Extraordinariamente sempre que seja convocado pela Coordenadora, por sua iniciativa, a pedido de 2/3 dos seus elementos, ou sempre que ocorra um pedido de parecer de algum órgão de Direção, administração e gestão o justifique. Artigo 2º Funcionamento 3- As reuniões de Conselho de Ano são realizadas na escola EB1/JI de Mogadouro e não poderão exceder duas horas, salvo quando o próprio Conselho de Ano, por maioria simples, decidir o seu prolongamento. O prolongamento não poderá exceder trinta minutos. 4- O Conselho de Ano realiza reuniões de articulação com os docentes do Pré-Escolar mediante convocatória do Diretor; 5- As reuniões iniciam-se pela verificação de quórum (terá que estar presente a maioria simples do número legal dos seus membros com direito a voto), seguida da leitura e aprovação da ata da reunião anterior. 6 Quando um docente leciona vários anos, deve participar nas reuniões de Conselho de Ano que integra a turma que possui com maior número de alunos. 7 Cada Conselho de Ano possui um Coordenador de Ano nomeado pelo Diretor; 8 O mandato da coordenação de ano tem a duração de um ano, prorrogável até ao final de ciclo; 9- O coordenador dará cumprimento à ordem de trabalhos. 10- As votações far-se-ão: a) de braço no ar segundo a ordem: quem vota a favor, quem vota contra, sempre que não estejam em causa pessoas (não há direito a abstenção); b) por voto secreto sempre que estejam em causa pessoas e outras situações que o Departamento, por maioria, considere pertinentes. 11- As votações serão consideradas válidas sempre que aprovadas por maioria simples. 12- Nas votações, e em caso de empate, a coordenadora tem voto de qualidade. 13- Será considerado faltoso o membro do Conselho de Ano que compareça

23 depois do início dos trabalhos ou, do mesmo modo, se ausente antes do termo da reunião. 14- Será lavrada ata que registe o que de essencial se tiver passado nas reuniões, nomeadamente, as ausências, as deliberações tomadas e as posições contra elas assumidas, desde que requeridas. As atas poderão ser elaboradas no decorrer da reunião e aprovadas no final ou aprovadas em minuta, sempre que se justifique. Se assim não for, serão elaboradas, no prazo máximo de oito dias. Em todas as situações as atas serão elaboradas pelo secretário, que as assinará juntamente com a coordenadora. 15- As atas serão arquivadas em dossier estipulado para o efeito A organização de dossier de cada Conselho de Ano será da responsabilidade de cada coordenador de ano e deverá ficar permanentemente ao dispor da Coordenadora do conselho de Docentes, no gabinete de Coordenação. Cabe em geral a cada Conselho de Ano: 1- Elaborar e aprovar o seu Regimento Interno de acordo com o Regulamento Interno do Agrupamento. 2 Elaborar e/ou reformular o projeto curricular das respetivas turmas (tendo sempre em atenção a articulação), bem como as planificações das atividades específicas do ano; 3 Analisar a situação das turmas e identificar características específicas dos alunos com relevância para o processo de ensino e aprendizagem; 4 Adotar estratégias de diferenciação pedagógica que favoreçam a aprendizagem dos alunos; Artigo 3º Competências do Conselho de Ano 5 Assegurar o ajustamento do currículo às características específicas dos alunos, estabelecendo prioridades, níveis de aprofundamento e sequências adequadas; 6 Elaborar os planos de recuperação, de acompanhamento e de desenvolvimento de cada aluno; 7 Dar parecer sobre todas as matérias de natureza pedagógica e disciplinar que à turma digam respeito; 8 Analisar os problemas de integração dos alunos e de relacionamento entre estes e os professores, propondo as soluções apropriadas; 9 Detetar dificuldades de aprendizagem e outras necessidades dos alunos, colaborando com os serviços de apoio existentes na escola, com vista à sua superação; 10 Colaborar em atividades culturais, desportivas e recreativas que envolvam os alunos e a comunidade, de acordo com o projeto educativo e o plano anual de atividades da escola / Agrupamento; 11- Analisar situações de indisciplina ocorridas com alunos da turma e implementar as medidas educativas consideradas ajustadas; 12 Promover ações que estimulem o envolvimento dos pais e encarregados de educação no processo formativo e educativo dos alunos; 13 Proceder à elaboração dos registos de avaliação dos alunos. 14 Elaborar o inventário dos bens agregados ao respetivo ano de

24 escolaridade; 15 Inventariar as necessidades do ano e informar o Coordenador de Docentes; 16- O secretário é designado, em cada reunião, pelo coordenador de ano, seguindo a ordem alfabética dos elementos que compõem o Conselho de Ano; 17- No caso do secretário, designado de acordo com o exposto no número anterior, faltar, elaborará a ata da reunião seguinte, sendo chamado para o lugar deste, o docente imediatamente a seguir. São competências e atribuições dos Coordenadores de cada Conselho de Ano: 1 Convocar e presidir às reuniões de professores de cada Conselho de Ano; 3 Assegurar a coordenação pedagógica no conselho respetivo em articulação com a coordenadora do Departamento/ Conselho de Docentes do 1º Ciclo; 4 Fomentar a troca de experiências e cooperação entre os docentes de ano; Artigo 4º Competências dos Coordenadores de Ano 5- Propor, desenvolver e avaliar as atividades integradoras a implementar, em articulação com as diferentes estruturas; 6 Promover, a realização de ações conducentes à aplicação do Projeto Educativo do Agrupamento, numa perspetiva de envolvimento dos encarregados de educação e de abertura à comunidade; 7 Assegurar a articulação com outras estruturas de orientação educativa no âmbito da elaboração e concretização do Projeto Educativo, do Projeto Curricular de Turma e do Plano Anual de Atividades; 8 Coordenar o desenvolvimento e concretização dos Projetos Curriculares de Turma, das turmas que integram o seu Conselho de Ano; 9 Assegurar a supervisão e avaliação dos Planos de Recuperação, de Acompanhamento e de Desenvolvimento elaborados nos termos da legislação em vigor no âmbito da avaliação das aprendizagens; 10 Promover a articulação entre as diferentes turmas ao nível do desenvolvimento do programa curricular e das atividades de enriquecimento curricular; 11 Apresentar ao Diretor um relatório crítico do trabalho desenvolvido durante o ano letivo. Artigo 5º Competências do Secretário 1- Conferir as presenças e registar as faltas/ausências. 2- Apurar e registar o resultado das votações. 3- Lavrar as atas das reuniões, subscrevendo-as.

25 1-O presente Regimento deverá constar da ata da reunião que o aprovar e entrará imediatamente em vigor. Artigo 6º Disposições Finais 2- Será dado conhecimento do Regimento a todos os membros do Conselho de Ano. 3- Depois de aprovado, este Regimento será passível de alteração/revisão, por proposta de pelo menos 1/3 (um terço) dos seus membros e em reunião com a presença de 2/3 (dois terços) dos elementos do Conselho de Ano ou sempre que a lei a isso obrigue. 4 Nos casos omissos neste Regimento aplicam-se as disposições legais em vigor, às quais este não se pode sobrepor. O(a) Coordenador(a) de Ano, (Maria de Lurdes Gonçalo)

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo 2013-2017 O departamento curricular do 1º ciclo, nos termos do Regulamento Interno, aprova o seguinte regimento, definindo as respetivas regras de organização

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR Ano Letivo: 2012 / 2013 ÍNDICE CAPÍTULO I PÁG. ÂMBITO 3 CAPÍTULO I I Conselho de Docentes 3 CAPÍTULO III Competências

Leia mais

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS)

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) Preâmbulo De acordo com a legislação em vigor e o regulamento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Quadriénio 2009/2013 ÍNDICE PREÂMBULO...3 Artigo 1º OBJECTO E ÂMBITO...4 Artigo 2º -COMPOSIÇÃO...4 Artigo 3º -QUADRO DE COMPETÊNCIAS...4 Artigo

Leia mais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Escola Básica 2/3 Martim de Freitas. Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Escola Básica 2/3 Martim de Freitas. Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Escola Básica 2/3 Martim de Freitas Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais 2009/2013 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS REGIMENTO

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. Escola Básica de Campelo [REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES]

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. Escola Básica de Campelo [REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES] 2012 Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil Escola Básica de Campelo [REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES] Artigo 1º Âmbito e Aplicação 1. O presente Regimento regulamenta a atividade do Departamento do

Leia mais

Regimento Interno. Departamento da Educação pré escolar

Regimento Interno. Departamento da Educação pré escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE 161718 Regimento Interno do Departamento da Educação pré escolar 2013//2014 Constituição do departamento O departamento curricular da educação pré-escolar é constituído

Leia mais

REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA

REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DO CENFORMA 2 Artigo 1.º Definição 1. O Regimento Interno da Secção de Formação e

Leia mais

Regimento dos Grupos de Recrutamento 300 e 320 Português e Francês

Regimento dos Grupos de Recrutamento 300 e 320 Português e Francês Regimento dos Grupos de Recrutamento 300 e 320 Português e Francês Art.º 1º Composição e competências O Grupo de Recrutamento tem a composição e as competências determinadas pelo Decreto-lei 75/2008 de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS

REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS DE TURMA / NÚCLEO ANO LETIVO 2015/ 2016 O Regimento Interno dos Conselhos de Turma/ Núcleo do Ensino Básico, tendo em conta o Regulamento Interno da Escola, define o regime

Leia mais

Regimento do Observatório da Qualidade da Escola (OQE) para o quadriénio 2013/ /17

Regimento do Observatório da Qualidade da Escola (OQE) para o quadriénio 2013/ /17 /3 Regimento do Observatório da Qualidade da Escola (OQE) para o quadriénio 2013/14 2016/17 outubro de 2013 SECÇÃO I OBJETO E ÂMBITO Artigo 1 Objeto e âmbito 1. O Observatório da Qualidade da Escola (OQE)

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE DIRECÇÃO REG.03_

REGULAMENTO DO CONSELHO DE DIRECÇÃO REG.03_ REG.03_13.07.011 INTRODUÇÃO O Estatuto da Escola Superior de Enfermagem S. Francisco das Misericórdias, determina que cada órgão aprova o respectivo regulamento interno. Como este, tem por base as competências

Leia mais

Regimento. Conselhos de Turma dos Cursos Profissionais e CEF. Capítulo I Enquadramento, composição e competências. Artigo 1º. Enquadramento.

Regimento. Conselhos de Turma dos Cursos Profissionais e CEF. Capítulo I Enquadramento, composição e competências. Artigo 1º. Enquadramento. Capítulo I Enquadramento, composição e competências Artigo 1º Enquadramento 1. O presente documento estabelece o Regimento Interno de funcionamento dos Profissionais e dos Cursos de Educação e Formação.

Leia mais

CAPÍTULO 3 ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA SECÇÃO I ESTRUTURAS DE COORDENAÇÃO EDUCATIVA E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA. Artigo 32.º

CAPÍTULO 3 ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA SECÇÃO I ESTRUTURAS DE COORDENAÇÃO EDUCATIVA E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA. Artigo 32.º CAPÍTULO 3 ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA SECÇÃO I ESTRUTURAS DE COORDENAÇÃO EDUCATIVA E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA Artigo 31.º Definição 1. São estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica as estruturas,

Leia mais

ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES 1º CEB

ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES 1º CEB ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES 1º CEB 1 Preâmbulo O Conselho de Docentes do 1.º ciclo do ensino básico é uma estrutura constituída para efeitos de avaliação dos alunos. Artigo 1.º

Leia mais

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTíFICO-HUMANÍSTICOS)

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTíFICO-HUMANÍSTICOS) REGIMENTO DOS CONSELHOS DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTíFICO-HUMANÍSTICOS) Preâmbulo De acordo com a legislação em vigor e o regulamento interno,

Leia mais

Agrupamento de Escolas Júdice Fialho Portimão Conselho Geral REGIMENTO. Artigo 1º Objeto Artigo 2º Definição Artigo 3º Composição...

Agrupamento de Escolas Júdice Fialho Portimão Conselho Geral REGIMENTO. Artigo 1º Objeto Artigo 2º Definição Artigo 3º Composição... Agrupamento de Escolas Júdice Fialho Portimão Conselho Geral REGIMENTO Índice Artigo 1º Objeto... 2 Artigo 2º Definição... 2 Artigo 3º Composição... 2 Artigo 4º Eleição... 2 Artigo 5º Competências... 3

Leia mais

CONSELHO GERAL - REGIMENTO -

CONSELHO GERAL - REGIMENTO - CONSELHO GERAL - REGIMENTO - 2013-2017 Aprovado em reunião plenária de 30 de outubro de 2013 Preâmbulo O Regimento do Conselho Geral do Agrupamento de Escolas de Carcavelos tem por objetivo definir os

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA A melhoria da eficácia da resposta educativa decorre de uma articulação coerente entre: Projeto Educativo Currículo Plano de Turma Assim, o Plano de Turma, assume a forma

Leia mais

Autonomia e Gestão Novos Desafios

Autonomia e Gestão Novos Desafios Autonomia e Gestão Novos Desafios Francisco Oliveira Reforço da participação das famílias e comunidades na direcção estratégica da Escola Reforçar a liderança das Escolas Reforço da autonomia das Escolas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CINFÃES Ano Letivo 2012/2013 REGIMENTO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CINFÃES Ano Letivo 2012/2013 REGIMENTO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA REGIMENTO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA Regimento da Comissão de Avaliação Interna Preâmbulo O conteúdo do presente Regimento resulta do desenvolvimento de uma conceção de avaliação justa e cooperativa

Leia mais

Manual. Representantes dos pais e encarregados de educação da turma e da sala

Manual. Representantes dos pais e encarregados de educação da turma e da sala Manual Representantes dos pais e encarregados de educação da turma e da sala Reuniões de Turma As reuniões com os diretores de turma (no 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e no ensino secundário) ou com

Leia mais

REGISTO DE ALTERAÇÕES

REGISTO DE ALTERAÇÕES Versão Nº REGISTO DE ALTERAÇÕES Data de elaboração Data de divulgação 1 2008.07.23 2008.08.01 2 2012.02.15 2012.06.01 Elaborado por António Gomes, Celeste Mendes, Carlos Falcão, Ganda Cêncio, Herculana

Leia mais

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma.é nomeado/eleito na primeira reunião de Pais e Encarregados de Educação da Turma; Tem participação nos Conselhos de Turma; É a

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições)

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) 1. A Comissão de Controlo do Governo Societário (CCGS) é designada pelo Conselho de Administração

Leia mais

Agrupamento de Escolas Pedro Eanes Lobato REGIMENTO DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

Agrupamento de Escolas Pedro Eanes Lobato REGIMENTO DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS Agrupamento de Escolas Pedro Eanes Lobato REGIMENTO DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS 2014-2015 Índice Âmbito de aplicação... 3 Composição... 3 Competências... 4 Supervisão do Departamento...

Leia mais

Artigo 1º Composição

Artigo 1º Composição REGIMENTO INTERNO Artigo 1º Composição 1. O Departamento Curricular do Pré-Escolar é constituído pelos Docentes dos Jardins de Infância de A-dos- Negros, Gracieira, Gaeiras, A-da-Gorda, Óbidos, Usseira,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB SECÇÃO I Definições Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as normas de organização e funcionamento do Conselho Pedagógico da Escola Superior Agrária

Leia mais

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores Avaliação de Desempenho Orientações aos relatores 1. Referenciais de avaliação 1.1. Legislação 1. Referenciais de avaliação 1.2. Referentes internos: a. Projeto Educativo do Agrupamento, b. Projeto Curricular

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO CAPITULO I ARTIGO 1.º (Denominação, natureza, sede e âmbito) 1. A Associação adopta a designação de Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos dos Louros. 2. É uma

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS ARTº. 1 (NATUREZA, OBJECTIVOS E ORGANIZAÇÃO) 1. O Departamento de Engenharia

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE CLASSE

REGULAMENTO DO CONSELHO DE CLASSE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, SOCIAIS E AGRÁRIAS COLÉGIO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS REGULAMENTO DO

Leia mais

Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação. Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal

Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação. Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal CAPÍTULO I Disposições Gerais (Artigo 1º) Definição O Departamento

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

REGISTO DE ALTERAÇÕES

REGISTO DE ALTERAÇÕES Versão Nº REGISTO DE ALTERAÇÕES Data de elaboração Data de divulgação 1 2012.06.14 2012.07.10 Elaborado por Ana Jorge; Ana Fazenda; Helena Mira; Manuel Quintãos; Marlene Gonçalves; Nuno Crespo; Rita Fernandes;

Leia mais

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel.

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel. Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel Av. Tito Muffato, 2317 Bairro Santa Cruz 85806-080 Cascavel PR Fone: (45) 3036-3636 30363806 http://www.univel.br cpe@univel.br RESOLUÇÃO Nº 01 DE JULHO

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria Plano de Ações de Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo J. I. da Sobreda 2014/2015 1 INTRODUÇÃO O presente plano de ações de melhoria 2014/15 - resulta da avaliação do plano de ações

Leia mais

ANEXO 18 A Regulamento Interno

ANEXO 18 A Regulamento Interno ANEXO 18 A Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS CIENTÍFICO- HUMANÍSTICOS DE NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO, NA MODALIDADE DE ENSINO RECORRENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA PRINCÍPIOS GERAIS O presente regulamento define as normas de funcionamento da Assembleia de Parceiros do Grupo de

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO DA SOCIEDADE E DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA. Jerónimo Martins SGPS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO DA SOCIEDADE E DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA. Jerónimo Martins SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO DA SOCIEDADE E DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA Jerónimo Martins SGPS, S.A. ARTIGO 1.º (Atribuições) 1. A Comissão de Governo da Sociedade e de Responsabilidade Corporativa

Leia mais

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos.

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos. Regulamento Interno do Conselho Pedagógico da ESAP (Nº de Membros para o biénio 2013/2015: 14) Aprovado por unanimidade na reunião de 27.02.2014 1. Funcionamento a. O Conselho Pedagógico é composto por

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

FUNDAÇÃO GAMMON DE ENSINO FACULDADES GAMMON

FUNDAÇÃO GAMMON DE ENSINO FACULDADES GAMMON PROPOSTA DE REFORMULAÇÃO DO REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DAS, DE 9 DE JUNHO DE 2015. Dispõe sobre a reformulação do Regulamento do Núcleo Docente Estruturante (TCC) das Faculdades Gammon.

Leia mais

REGULAMENTO NOS, SGPS, S.A.

REGULAMENTO NOS, SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA E FINANÇAS NOS, SGPS, S.A. 1/5 O presente instrumento regulamenta o exercício de competências e deveres, e o funcionamento, da Comissão de Auditoria e Finanças da NOS

Leia mais

Deve ser nomeado um Coordenador de Estágio, de preferência o Diretor do Curso, neste caso o Professor José Barros.

Deve ser nomeado um Coordenador de Estágio, de preferência o Diretor do Curso, neste caso o Professor José Barros. REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DE GRAU I (Resumo) 1. Carga Horária O Curso de Treinadores de Atletismo de Grau I passa a englobar na sua componente curricular, para além das matérias gerais do treino desportivo

Leia mais

Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Geral

Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Geral Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Geral Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento aplica-se exclusivamente ao processo eleitoral para os membros do Conselho Geral, de acordo com o regime

Leia mais

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Artigo 1 : O Comitê de Gestão de Pessoas e Governança Corporativa ( Comitê ) é um órgão de apoio ao Conselho de Administração

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA SETEMBRO 2014 Enquadramento O presente documento surge na sequência do processo de Avaliação Externa realizada ao Agrupamento de Escolas Santos Simões

Leia mais

REGULAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA

REGULAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA REGULAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA índice Páginas 5 1. OBJETO E ÂMBITO DO REGULAMENTO 2. COMPOSIÇÃO DO COMITÉ DE ÉTICA 6 7 8 3. COMPETÊNCIAS DO COMITÉ DE ÉTICA 4. FUNCIONAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA 5. SUPERVISÃO

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP Dispõe sobre as atribuições Comissão de Bancas Examinadoras da EPPEN/UNIFESP, sua composição e condução

Leia mais

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. INTRODUÇÃO De acordo com o Projecto Educativo do Colégio de Albergaria e a legislação em vigor sobre a avaliação das aprendizagens dos alunos nos vários

Leia mais

Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora

Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora O Conselho Geral da Universidade de Évora, adiante designado por Conselho Geral, é o órgão de governo previsto no n.º 1 da alínea a) do artigo 11.º

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac 2 TÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Artigo 1º - Os Cursos da FELM mantém estágios curriculares supervisionados que se constituem

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo N. 75 / 2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Inspecção do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º Regulamento de Formação em Contexto de Trabalho (FCT) CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO Artigo 1.º A FCT é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob a coordenação e acompanhamento da escola,

Leia mais

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS Art. 1º. A Rede de Controle da Gestão Pública, constituída como espaço colegiado e permanente no âmbito do Estado do Paraná, formada por órgãos/instituições integrantes

Leia mais

NÚCLEO ESTADUAL DE REGULAMENTAÇÃO DA ANS Regimento Interno

NÚCLEO ESTADUAL DE REGULAMENTAÇÃO DA ANS Regimento Interno NÚCLEO ESTADUAL DE REGULAMENTAÇÃO DA ANS Regimento Interno 1. DAS ATRIBUIÇÕES 1.1. O Núcleo Estadual de Regulamentação da ANS tem por atribuições: a) padronizar ações, modelos e processos que envolvam

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010 Reitoria RT-21/2010 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Mestrado Integrado em Psicologia, anexo a este despacho. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro

Leia mais

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto)

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) (Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) dezembro, 2013 CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome do Diretor Carlos Alberto Martins Carvalho Escalão 9º Unidade Orgânica : Agrupamento

Leia mais

Plano de Melhoria

Plano de Melhoria Plano de Melhoria 1 Enquadramento O presente Plano de Melhoria resulta, simultaneamente, das orientações emanadas da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, que assentam nas sugestões do Conselho Nacional

Leia mais

ASSUNTO: REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA NEAD.

ASSUNTO: REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA NEAD. Processo CONSUN Nº 009-2011 ASSUNTO: REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA NEAD. PROTOCOLADO EM: 24/03/2011 INTERESSADO: Universidade do Contestado PROCEDÊNCIA: Reitoria COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO

Leia mais

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES REGULAMENTO INTERNO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES JANEIRO 2014 Índice Capítulo I... 1 Disposições Gerais... 1 Introdução... 1 Artigo 1.º --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS)

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS) Preâmbulo A Resolução do Conselho de Ministros nº197/97 de 18 de Novembro, visa a criação e implementação do Programa. Esta é uma mediada da política social activa, que tem como objectivo desenvolver parcerias

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

Deliberação n.º 83 /2015. Regulamento Interno da CIC Portugal 2020

Deliberação n.º 83 /2015. Regulamento Interno da CIC Portugal 2020 Deliberação n.º 83 /2015 Regulamento Interno da CIC Portugal 2020 A CIC Portugal 2020, na reunião ordinária de 21 de dezembro de 2015, deliberou, nos temos da alínea q) do n.º 2 do artigo 10.º do Decreto-Lei

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Engenharia Agrícola R E S O L U Ç Ã O N.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Engenharia Agrícola R E S O L U Ç Ã O N. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Engenharia Agrícola R E S O L U Ç Ã O N.º 01/2015 Regimentar o Núcleo Docente Estruturante NDE do Curso de Engenharia

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR NO 1º CICLO (AEC) (Anexo do Regulamento Interno)

REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR NO 1º CICLO (AEC) (Anexo do Regulamento Interno) REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR NO 1º CICLO (AEC) (Anexo do Regulamento Interno) Novembro/2015 Capítulo I Introdução Considerando a importância do desenvolvimento

Leia mais

Plano de melhoria (2015/16)

Plano de melhoria (2015/16) Plano de melhoria (2015/16) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel Quatro domínios de ação da Biblioteca Escolar: A. Currículo, literacias e aprendizagem B. Leitura

Leia mais

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Sede e Duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de Alentejo de Excelência - Associação para a Competitividade,

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo REDE SOCIAL Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo Regulamento Interno [9/04/2014] REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE - NDE CURSO DE BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL UNIESP - FAPREV

REGIMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE - NDE CURSO DE BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL UNIESP - FAPREV FACULDADE DE PRESIDENTE VENCESLAU Mantenedora: IESP - Instituto Educacional do Estado de São Paulo Credenciamento: Portaria nº. 4.523 de 23/12/2005. Unificação: Portaria nº. 840 de 14/11/2008. REGIMENTO

Leia mais

Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural

Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural Decreto executivo n.º 1/06 de 9 de Janeiro Havendo necessidade de regulamentar o funcionamento, estruturação e organização do Secretariado Executivo do

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E FINALIDADE Art.1º O Núcleo de Microscopia e Microanálise (NMM) caracteriza-se pela reunião

Leia mais

Fundação Escola Gest ESCOLA PROFISSIONAL DE HOTELARIA DE MANTEIGAS Centro De Férias Da Sicó - Senhora De Fátima Manteigas

Fundação Escola Gest ESCOLA PROFISSIONAL DE HOTELARIA DE MANTEIGAS Centro De Férias Da Sicó - Senhora De Fátima Manteigas ESTATUTOS DA EPHM Artigo 1.º A Escola Profissional de Hotelaria de Manteigas, adoptou esta designação aquando da sua criação, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 26/89 de 21 de Janeiro, por Contrato Programa

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI 1 REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI Outubro/2005 Atualizado em jan.2013 2 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. A Comissão Própria de Avaliação

Leia mais

Agenda Início do ano letivo

Agenda Início do ano letivo Agenda Início do ano letivo 2016 / 2017 Período de funcionamento das aulas de acordo com o horário normal 1º Período Início : 16 de (Pré-escolar e 1º Ciclo) 19 de (2º e 3º Ciclos e E.S) Termo : 16 de dezembro

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Deliberação nº8/vi/01 de 31 de Maio da Mesa da Assembleia Nacional. Artº. 1º (Aprovação) Artº. 2º (Entrada em vigor)

ASSEMBLEIA NACIONAL. Deliberação nº8/vi/01 de 31 de Maio da Mesa da Assembleia Nacional. Artº. 1º (Aprovação) Artº. 2º (Entrada em vigor) ASSEMBLEIA NACIONAL Deliberação nº8/vi/01 de 31 de Maio da Mesa da Assembleia Nacional Artº. 1º (Aprovação) É aprovado ao abrigo da alínea c) do nº 1 do artº. 30º do Regimento da Assembleia Nacional o

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS I DEFINIÇÃO Este Regimento Interno, organizado em conformidade com o Estatuto Social da Ser Educacional S.A. ( Companhia ), estabelece procedimentos a serem observados

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Santa Maria da Feira

Agrupamento de Escolas de Santa Maria da Feira Agrupamento de Escolas de Santa Maria da Feira - 151660 Regulamento Interno 2015 Capítulo II ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL E ADMINISTRATIVA Artigo 3º ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO Nos termos do regime de autonomia,

Leia mais

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL PREÂMBULO O programa de doutoramento organiza, estrutura e explicita o percurso dos estudantes de doutoramento

Leia mais

b. Na análise e definição das linhas de orientação das políticas de sustentabilidade e de responsabilidade social.

b. Na análise e definição das linhas de orientação das políticas de sustentabilidade e de responsabilidade social. Banif Banco Internacional do Funchal, SA Regulamento da Comissão Interna Especializada de Governo Societário do Conselho de Administração Artigo 1.º Missão: 1. A Comissão Interna Especializada de Governo

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2015. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO

Leia mais

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código.

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código. Projecto/Serviços/ Código N.ºA1/A2 Actividade Nº 1 Reuniões de docentes do pré-escolar, 1º e 2º Ciclos. A1 Promover a sequencialidade coerente e estruturada entre a educação préescolar, o 1º Ciclo e o

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO 2014-2015 1. Enquadramento. O Plano Estratégico apresentado para o ano letivo 2014-2015 e elaborado nos termos do

Leia mais

REGULAMENTO DOS QUADROS DE EXCELÊNCIA E DE MÉRITO INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DOS QUADROS DE EXCELÊNCIA E DE MÉRITO INTRODUÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DA SILVA CORREIA REGULAMENTO DOS QUADROS DE EXCELÊNCIA E DE MÉRITO INTRODUÇÃO O presente Regulamento dos Quadros de Mérito e de Excelência do Agrupamento de Escolas João da

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR. 1º Ciclo do Ensino Básico

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR. 1º Ciclo do Ensino Básico REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR 1º Ciclo do Ensino Básico Considerando a importância do desenvolvimento de Atividades de Enriquecimento Curricular no 1º ciclo do ensino básico para

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS

ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA REDE DE MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS REGULAMENTO INTERNO DA REDE DE MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1 (Âmbito)

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS 2 CAPITULO II 2 DO COLEGIADO DOS CURSOS 2 CAPITULO III 3 MANDATOS DO COLEGIADO DO CURSO 3 CAPÍTULO

Leia mais

Departamento de Educação Especial

Departamento de Educação Especial Índice Artigo 1º (Objeto)...2 Artigo 2º (Âmbito)...2 Artigo 3º (Composição)...3 Artigo 4º (Competências)...3 Artigo 5º (Organização)...5 Artigo 6º (Equipas pluridisciplinares)...5 Artigo 7º (Pedido de

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Monitoria, mantido pela Faculdade de Medicina de Itajubá,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE PLANO DE MELHORIA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA 2015/2017 EqAI - 2015 Página 1 de 6 1. Resultados Em Português: incentivar a leitura; recontar as Académicos: histórias

Leia mais

SUPERVISÃO EDUCACIONAL

SUPERVISÃO EDUCACIONAL SUPERVISÃO EDUCACIONAL OBJETIVO: Subsidiar o trabalho nas Diretorias Regionais da Educação e as Unidades Escolares, de modo a observar, analisar, orientar, intervir e encaminhar as demandas nas seguintes

Leia mais

Interno. Regulamento 2013/2017. Agrupamento de Escolas de Miraflores. J.I. Luísa Ducla Soares. E.B.1/J.I. Alto de Algés. E.B.I.

Interno. Regulamento 2013/2017. Agrupamento de Escolas de Miraflores. J.I. Luísa Ducla Soares. E.B.1/J.I. Alto de Algés. E.B.I. J.I. Luísa Ducla Soares E.B.1/J.I. Alto de Algés E.B.I. Miraflores Escola Sec./3 Miraflores Regulamento Interno Agrupamento de Escolas de Miraflores Ester Maria Antunes Vieira M. E. - GEPE Conteúdo Capítulo

Leia mais

Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE VISEU. Artigo 1.º Disposições gerais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE VISEU. Artigo 1.º Disposições gerais REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE VISEU Artigo 1.º Disposições gerais O presente regulamento completa as disposições dos estatutos da Escola Superior Agrária

Leia mais

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS REGIMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA CAPÍTULO I Das Atribuições

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA REGULAMENTO INTERNO DA ESCOLA DE MUSICA Artigo 1º Objecto A Associação Cultural Musimax é uma Escola do Ensino Artístico Especializado em Música, e tem como principal objecto o ensino da música. Artigo

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL:

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: Domínio Cognitivo e Motor (Código A71) Educadores de Infância e Professores dos 1º, 2º e 3º ciclos do ensino básico e do ensino secundário Curso de

Leia mais