Desenvolvimento de um Cluster de Alto Desempenho com PVM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento de um Cluster de Alto Desempenho com PVM"

Transcrição

1 Desenvolvimento de um Cluster de Alto Desempenho com PVM Daniel Cândido de Oliveira 1, Yzaac Gonçalves da Silva 1, Madianita Bogo 1 1 Centro Universitário Luterano de Palmas Universidade Luterana do Brasil (CEULP/ULBRA) Av. Teotônio Segurado, 1501 sul Palmas TO Brasil. Abstract. The clusters use, with communication mechanisms as the PVM, has been an viable alternative to supply the increasing number of applications that need high computational performance. Thus, the objective of this work is to present the motivations for clusters construction and present an environment of parallel processing that is in development. Resumo. A utilização de clusters, com mecanismos de comunicação como o PVM, tem sido uma alternativa cada vez mais viável para suprir a demanda do crescente número de aplicações que exigem alto desempenho computacional. Assim, o objetivo deste trabalho é apresentar as motivações para a construção de clusters e a arquitetura de um ambiente de processamento paralelo que está em desenvolvimento. 1. Introdução A cada dia cresce o número de aplicações que exigem um grande poder computacional, entre as quais podemos encontrar exemplos nas áreas de multimídia, cálculos, gerenciamento de grandes volumes de dados, entre outros. Uma boa alternativa para suprir essa demanda tem sido a utilização de clusters de computadores construídos com máquinas comuns e sistemas operacionais abertos e de distribuição livre, como o Linux. Essa alternativa tem sido viável, pois apresenta um desempenho satisfatório e um custo baixo se comparada a outras alternativas como máquinas multiprocessadas e supercomputadores. Existem vários mecanismos que podem ser utilizados na construção de clusters, alguns deles distribuição livre como o PVM (Paralell Virtual Machine), que é um pacote de software que apresenta um conjunto de máquinas trabalhando como um único recurso computacional paralelo [Lourenço, 2002]. Neste trabalho, são apresentadas as motivações para a construção de clusters de computadores e a arquitetura de um ambiente de processamento paralelo que está sendo construído para conseguir alto desempenho, com a utilização do PVM sobre o Linux. 2. Clusters de Computadores

2 Uma forma de proporcionar alto poder computacional é a utilização de Máquinas Paralelas, que utilizam mais de um processador para executar uma mesma tarefa e, assim, conseguir um desempenho melhor. Os tipos mais comuns de Máquinas Paralelas são: supercomputadores e os clusters de computadores. Os Supercomputadores são máquinas desenvolvidas com tecnologias proprietárias e, geralmente, possuem finalidades pré-definas que acabam gerando desvantagens [Pitanga, 2004], como: - utilização de softwares proprietários e caros; - alto custo de manutenção; - total dependência de fornecedores; e - dificuldade de atualização. Os Clusters de Computadores são máquinas construídas com utilização de dois ou mais microcomputadores comuns interligados por uma rede de interconexão, que trabalham juntos para resolver um problema. Nessa arquitetura, cada um dos equipamentos interligados é chamado de nó e, normalmente, existe um nó mestre que gerencia e/ou divide as tarefas entre os demais nós, chamados de escravos. Utilizar este tipo de máquina tem sido uma saída para substituir os supercomputadores, pois podem oferecer desempenho semelhante e com um custo mais baixo. Algumas vantagens dos clusters são [Pitanga, 2004]: - escalabilidade: é possível aumentar o desempenho do mesmo adicionando ou trocando os microcomputadores que compõem o cluster; - Tolerância à falhas: o cluster mantém o funcionamento mesmo com a paralisação de alguns nós; - Baixo custo: utilizam recursos de fácil acesso e de uso comum; - Independência de fornecedores: principalmente por utilizar microcomputadores comuns (inclusive de plataformas heterogêneas) e sistemas operacionais de livre distribuição, não estão presos a uma tecnologia específica; Um cluster pode possuir vários tipos de configurações diferentes, tanto em relação ao hardware quanto à configuração do sistema, de acordo com a finalidade do mesmo [Zacharias, 2004]. Alguns exemplos são: - Cluster de alta performance de computação: cada vez que o cluster recebe uma tarefa para executar, como a renderização de um filme, divide os pedaços da mesma tarefa para cada um dos nós realizar parte da execução. O principal objetivo desse tipo cluster é aumentar o desempenho da execução da tarefa através do balanceamento da carga entre os nós. - Cluster de alta disponibilidade: esse tipo de cluster tem como principal funcionalidade manter um sistema ou recuso sempre ativo, mesmo que um nó deixe de executar, ou seja, a maior preocupação é com a confiabilidade e o tratamento de falhas. Esse tipo de configuração é utilizada em aplicações que executam tarefas críticas.

3 Um cluster típico é o da classe Beowulf, muito usado em pesquisas de universidades, visando principalmente alta performance. Esse tipo de cluster tem como característica chave o uso do Linux e de bibliotecas para troca de mensagens de livre distribuição, permitindo assim alterações no sistema operacional [Zacharias, 2004] Clusters Beowulf Em 1994, a NASA, agência espacial norte-americana, necessitava de um equipamento com poder de processamento da ordem de um gigaflop. Como uma máquina com esse desempenho custava em torno de um milhão de dólares, Os pesquisadores Thomas Sterling e Donald J. Becker interligaram 16 computadores pessoais, cada um com um microprocessador 486, usando Linux e uma rede Ethernet, visando alcançar o desempenho desejado com um custo menor. Este cluster atingiu a marca de 70 megaflops, que era uma velocidade comparável à de pequenos supercomputadores comerciais. O custo total do sistema foi dez por cento do preço de uma máquina equivalente para a época. Assim, começaram os projetos com os clusters Beowulf que, além das características comuns a um cluster, deve seguir as seguintes características: - nenhum componente feito sob encomenda; - independência de fornecedores de hardware e software; - periféricos escaláveis; - software livre de código aberto; - uso de ferramentas de computação distribuída disponível livremente com alterações mínima; - retorno à comunidade do projeto e melhorias. Nos Clusters Beowulf os computadores, denominados de nós, são ligados por uma rede de computadores qualquer, sendo que uma nó controla o funcionamento do clusters como, por exemplo, a distribuição da carga pelo mesmo. A figura 1 apresenta um Cluster Beowulf típico.

4 Figura 1. Cluster Beowulf Típico, retirado de [Pitanga, ] A utilização de Clusters Beowulf tem se mostrado uma boa alternativa em relação a custo desempenho, se comparado a muitos dos supercomputadores. Isso se deve, principalmente, ao contínuo aumento na velocidade e capacidade de processamento dos PC's e a diminuição do custo dos mesmos. Um sistema operacional que atende as características exigidas por esse tipo de máquina é o Linux, por ser um sistema de distribuição livre e código aberto, permitindo alterá-lo e dotá-lo de novas características que facilitam a implementação de aplicações paralelas. Além disso, para a comunicação é necessário utilizar bibliotecas para troca de mensagens, como PVM e MPI (Interface de Passagem de Mensagens). 3. Utilização do Linux na Construção de Clusters O UNIX começou a ser desenvolvido em 1970 nos laboratórios da AT&T, e é conhecido por ser extremamente robusto. É um sistema operacional multitarefa e multiusuário extremante poderoso. Todas as versões do UNIX padrão estão convencionadas nas especificações do POSIX. Existem versões de UNIX para muitos sistemas, sendo normalmente proprietárias e com custos bastante elevados. O Linux é uma versão gratuita de UNIX desenvolvida inicialmente por um estudante da Universidade de Helsinquía (Finlândia), chamado Linus Torvalds. O Linux foi inspirado no sistema operacional MINIX, uma pequena versão do UNIX criada por Andrew Tannembaum [Bogo, 2002] O Linux está disponível na forma de código objeto bem como em código fonte. Pode ser livremente distribuído nos termos da GNU (General Public License), ou seja, o usuário pode alterar o seu núcleo (kernel) de acordo com as suas necessidades.

5 As vantagens de se utilizar o Linux na implantação de clusters são diversas, entre elas destacam-se o fato do Linux ser um sistema robusto, que dá suporte desde aplicações simples até aplicações extremamente complexas, e por ser possível dotá-lo de novas características que facilitam a implementação para aplicações paralelas. Além disso, em específico para clusters Beowulf, o Linux atende uma das suas principais características que é ser um sistema operacional de código aberto e de distribuição livre [Pitanga, 2004]. Assim, tem-se um sistema extremamente flexível e robusto sem nenhum ônus adicional, que permite qualquer alteração que se fizer necessária para melhor adaptação a um ambiente paralelo e de alto desempenho. 4. PVM O PVM é um pacote de software que permite o funcionamento de um conjunto de máquinas mono-multiprocessadoras e/ou paralelas, como um único recurso computacional paralelo [Lourenço, 2002]. Com a utilização do PVM consegue-se uma forma eficiente e transparente de distribuir tarefas entre máquinas ligadas em rede, conseguindo um bom desempenho na gerencia dos recursos computacionais, através da configuração de uma máquina paralela virtual Características O PVM habilita uma coleção de computadores heterogêneos a se comportar como um único recurso computacional expansível e concorrente, o que contribuiu para torná-lo um padrão de fato [Freitas, 2004]. É um mecanismo de distribuição livre que oferece bastante recursos para computação paralela com uma utilização simples e de fácil compreensão. Algumas características do PVM são: possibilita a atribuição das subtarefas de uma aplicação, de forma otimizada, aos nós que compõem o ambiente paralelo; apresenta uma interface de programação intuitiva e consistente; oferece suporte para tolerância à falhas, monitoração e profiling; e é altamente portável. Com isso, através da agregação e compartilhamento de processadores e memórias de computadores heterogêneos, problemas que exigem grande poder computacional podem ser resolvidos sem a necessidade de comprar um supercomputador. Assim, utilizar o PVM é uma forma de aumentar o desempenho, com um custo efetivo menor Funcionamento Básico O PVM é composto de duas partes. A primeira parte é um daemon, chamado pvmd3, que é executado em todos os computadores que vão formar a máquina virtual paralela [Moretti, 2004]. Esse programa roda em background em cada um dos nós formando a maquina virtual, sendo responsável pela troca de mensagens entre eles além da coordenação das tarefas em execução.

6 Eu já tinha te pedido isso antes. Para que Serve esse programa??? A segunda parte é uma biblioteca de rotinas de interface, na qual se encontra um conjunto completo de primitivas, necessárias para a interação entre as tarefas de uma aplicação[moretti, 2004]. As rotinas responsáveis pela comunicação entre os computadores interligados, gerência de processos, coordenação das tarefas, além da verificação e manutenção de estado da máquina virtual, estão contidas nessa biblioteca. As tarefas executadas através do PVM utilizam um número inteiro como identificador, o task identifier (TID), que são utilizados nas mensagens que são trocadas entre os computadores que formam a máquina virtual paralela [Moretti, 2004]. Como esse identificador deve ser único na maquina virtual ele é definido pelo daemon local, e não pelo usuário. A identificação das tarefas pela aplicação do usuário é possível através de diversas rotinas, que o PVM oferece, que retornam valores de TID, possibilitando a identificação das tarefas pela aplicação do usuário. Os programas paralelos que utilizam o PVM fazem uso das rotinas disponibilizadas na biblioteca de interface do PVM. Para programação, essas bibliotecas são distribuídas em linguagens como Java, Python, Perl, além das linguagens tradicionais como C, C++ e Fortran. Conforme apresentado, o PVM apresenta se como uma ferramenta que pode oferecer grandes vantagens na implementação de máquinas paralelas e também satisfaz as características de cluster beowulf, o que levou a escolha do mesmo para a implementação de cluster que está sendo desenvolvido. 5. Cluster em Desenvolvimento Está sendo construída uma máquina paralela, seguindo as características de um cluster Beowulf, na qual serão executados programas paralelos, inicialmente encontrados na internet ou em livros, para realizar análises em relação ao desempenho e ao funcionamento deste tipo de ambiente. Mais especificamente, esse projeto visa realizar um estudo sobre a configuração, utilização e funcionamento básico de um cluster configurado com o PVM. O ambiente projetado é um cluster de alto desempenho, pois será utilizado para executar tarefas de forma otimizada através do balanceamento de carga entre os nós, além de permitir trabalhos com algoritmos de processamento paralelo, assim como a construção e uso de aplicações paralelas com o PVM. A estrutura do cluster em desenvolvimento é formada por um nó controlador (mestre) e no mínimo dois nós escravos, interligados por uma rede ethernet. É importante lembrar não há uma limitação de número máximo para nós escravos. A figura 2 apresenta a arquitetura do cluster em questão Nó Controlador Nó Escravo1 Nó Escravo2 Barramento Ethernet

7 Figura 2: Arquitetura do Cluster. Em todas as máquinas que vão compor o cluster será utilizado o sistema operacional Linux, além do pvmd3 que é o componente do PVM responsável pela formação da máquina virtual. Será criado um relacionamento de confiança entre as máquinas para permitir o acesso entre elas sem a utilização de senhas. Em particular, no mestre serão instaladas as principais bibliotecas de passagem de mensagem: PVM e MPI, além de uma aplicação que permita o gerenciamento dos nós e seus recursos, como também geração de gráficos de desempenho. Também será instalada no mestre uma aplicação paralela para testar o desempenho do cluster. O cluster proposto ainda está em fase de construção e, portanto, não foram realizados testes de funcionamento ou desempenho. Espera-se com a conclusão do mesmo realizar testes utilizando programas paralelos já existentes na internet, mostrando diferenças de desempenho com a utilização de uma, duas e três máquinas, para verificar na prática os conceitos estudados. Através dos resultados, pretende-se mostrar na prática a viabilidade do uso de cluster para aplicações paralelas de alto desempenho. Obtendo resultados positivos, serão implementadas aplicações paralelas com fins específicos que serão executadas no cluster construído. 6. Conclusões De acordo com as pesquisas realizadas percebe-se que os clusters têm proporcionado uma alternativa viável com alto poder computacional e baixo custo, tornando o processamento de alto desempenho acessível a instituições com poucos recursos financeiros, possibilitando aproveitar o hardware existente. Este fato estimula a realização de pesquisas nessa área. O cluster beowulf tem se mostrado uma boa alternativa frente a outras arquiteturas, pois além de acessível devido suas características de utilizar microcomputadores comuns e sistemas e aplicações de livre distribuição, é bem simples e permite a montagem de um ambiente dedicado, exclusivo e confiável para os usuários do sistema. Um mecanismo que apresenta uma alternativa viável para a construção de clusters é o PVM, tanto na área cientifica como comercial, suportando diversas arquiteturas e redes de trabalho e oferecendo a capacidade de utilização efetiva de computação paralela, escalável e dinâmica. Entre suas aplicações estão multimídia, simulações moleculares dinâmicas, estudos de supercondutividade, computações fractais distribuídas, algoritmos matriciais e como base para o ensino de computação concorrente, ou ainda qualquer aplicação que requer grande poder computacional e ambiente paralelo. A realização deste projeto, abre margem para diversos outros na área de computação paralela e de alto desempenho, tais como a utilização e estudos de aplicações existentes que exigem um ambiente de alto desempenho ou ainda a implementação de aplicações específicas como, por exemplo, realização de cálculos na área de engenharia civil, que é um curso existente no CEULP.

8

9 7. Referências [Bogo, 2002] [Freitas, 2004] Bogo, Madianita. Interface da rede de controle do cluster clux, Dissertação submetida à Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, Freitas, Evandro Luiz de. Uma comparação entre os modelos de Message Passing MPI e PVM, Disponível em Acessado em setembro de [Lourenço, 2004] Lourenço, João. Introdução ao PVM, Disponível em PVM.pdf Acessado em setembro de 2004 [Moretti, 2004] [Pitanga, 2004] Moretti, Célio Oda e Bittencourt, Tulio Nogueira. Aspectos Gerais da Computação Paralela e do Sistema PVM, Disponível em BT_PEF_9709.pdf Acessado em setembro de 2004 Pitanga, Marcos. Construindo supercomputadores com Linux. 2ª ed. Editora Brasport. Rio de Janeiro, [Pitanga, ] Pitanga, Marcos. Computação em cluster. Disponível em Acessado em setembro 2004 [Zacharias, 2004] Zacharias, Daniel Constantino. Funcionamento de um cluster Linux, Disponível em codigo=733&phpsessid=e082a7c4a7b294cdcc986adbdbcc1235 Acessado em setembro de 2004

Cluster HPC High Performance Computing.

Cluster HPC High Performance Computing. Faculdade de Tecnologia de Guaratinguetá. doze, março de 2009. Cluster HPC High Performance Computing. Diogo Salles, Thiago Pirro, Camilo Bernardes, Paulo Roberto, Ricardo Godoi, Douglas, Fauzer. Sistemas

Leia mais

hvbacellar@gmail.com Palavras-chave Cluster; Beowulf; OpenMosix; MPI; PVM.

hvbacellar@gmail.com Palavras-chave Cluster; Beowulf; OpenMosix; MPI; PVM. Cluster: Computação de Alto Desempenho Hilário Viana Bacellar Instituto de Computação, Universidade Estadual de Campinas Av. Albert Einstein 1251, Cidade Universitária, CEP 13083-970 Campinas, SP, Brasil

Leia mais

4 Computação Paralela 4.1. Introdução

4 Computação Paralela 4.1. Introdução 4 Computação Paralela 4.1. Introdução Nos últimos anos observa-se uma tendência cada vez maior do aumento da demanda computacional na resolução de grandes problemas. Exemplos de aplicações que exigem alto

Leia mais

DANIEL CÂNDIDO DE OLIVEIRA IMPLEMENTAÇÃO DE APLICAÇÕES PARALELAS COM O PACOTE JPVM

DANIEL CÂNDIDO DE OLIVEIRA IMPLEMENTAÇÃO DE APLICAÇÕES PARALELAS COM O PACOTE JPVM DANIEL CÂNDIDO DE OLIVEIRA IMPLEMENTAÇÃO DE APLICAÇÕES PARALELAS COM O PACOTE JPVM Palmas 2005 DANIEL CÂNDIDO DE OLIVEIRA IMPLEMENTAÇÃO DE APLICAÇÕES PARALELAS COM O PACOTE JPVM Trabalho apresentado ao

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 4 - CLUSTER DE COMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO Grande parte do tempo, os computadores que utilizamos encontram-se ociosos, ou seja, sem nada para processar. Isso se deve, em grande parte, pelas aplicações

Leia mais

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Cluster Resumo Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Introdução Sua empresa esta precisando fazer um grande processamento; As Nuvens existentes não são suficientes para sua empresa;

Leia mais

Computação em cluster

Computação em cluster Computação em cluster Por Marcos Pitanga em 30 de maio de 2003 Introdução Este artigo tem por finalidade dar ao leitor uma visão mais integrada do que vem a ser a computação em cluster e como esta a cada

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa Prof. Marcelo de Sá Barbosa CLUSTER: Um cluster é um conjunto de computadores independentes conectados por rede que formam um sistema único através do uso de software. Um cluster, ou aglomerado de computadores,

Leia mais

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede.

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Aula 2 Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Sistema Operacional de Rede Definição: Conjunto de módulos que ampliam as tarefas dos sistemas operacionais locais, complementando-os

Leia mais

Supercomputadores dominavam o mercado

Supercomputadores dominavam o mercado Clusters e Grids Introdução Supercomputadores dominavam o mercado Alto custo Requerem mão de obra muito especializada Desenvolvimento de microprocessadores poderosos a um baixo custo Desenvolvimento de

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

} Monolíticas Aplicações em um computador centralizado. } Em Rede Aplicações com comunicação em rede. } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede

} Monolíticas Aplicações em um computador centralizado. } Em Rede Aplicações com comunicação em rede. } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede Prof. Samuel Souza } Monolíticas Aplicações em um computador centralizado } Em Rede Aplicações com comunicação em rede } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede } Aplicações que são funcionalmente

Leia mais

Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar

Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar David Beserra 1, Alexandre Borba¹, Samuel Souto 1, Mariel Andrade 1, Alberto Araujo 1 1 Unidade Acadêmica de Garanhuns

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Trabalho elaborado por: 980368 - Sérgio Gonçalves Lima 1010949 - Nisha Sudhirkumar Chaganlal Clusters O que é

Leia mais

ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS - Computação e Informática ESTUDO DE APLICABILIDADE DE SISTEMAS FRACAMENTE ACOPLADOS UTILIZANDO HARDWARE DE BAIXO CUSTO

ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS - Computação e Informática ESTUDO DE APLICABILIDADE DE SISTEMAS FRACAMENTE ACOPLADOS UTILIZANDO HARDWARE DE BAIXO CUSTO ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS - Computação e Informática ESTUDO DE APLICABILIDADE DE SISTEMAS FRACAMENTE ACOPLADOS UTILIZANDO HARDWARE DE BAIXO CUSTO Autor: HILÁRIO VIANA BACELLAR Co-autor: Matheus de Paula

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Comparação SDs X Scs

Comparação SDs X Scs Prof. Alexandre Lima Sistemas Distribuídos Cap 9 1/7 Comparação SDs X Scs Distribuição inerente Economia Velocidade Confiabilidade Crescimento incremental Descrição Algumas aplicações envolvem máquinas

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 4 - INTRODUÇÃO A SUPERCOMPUTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO Atualmente cientistas brasileiros usam supercomputadores para pesquisar desde petróleo até mudanças climáticas. Um grande exemplo é o supercomputador

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Processamento Paralelo Aplicado à Análise de Contingências de Sistemas Elétricos de Potência

Processamento Paralelo Aplicado à Análise de Contingências de Sistemas Elétricos de Potência Processamento Paralelo Aplicado à Análise de Contingências de Sistemas Elétricos de Potência Marco Aurélio de Souza Birchal + Luciano de Errico* Maria Helena Murta Vale * + DCC- Departamento de Ciência

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Sistemas Paralelos e Distribuídos. Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN

Sistemas Paralelos e Distribuídos. Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN Sistemas Paralelos e Distribuídos Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN Conceitos preliminares Paralelismo refere-se a ocorrência simultânea de eventos em um computador Processamento

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL LINUX Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL Para que o computador funcione e possibilite a execução

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Sistema Operacional LINUX

Sistema Operacional LINUX SISTEMA OPERACIONAL Sistema Operacional LINUX Para que o computador funcione e possibilite a execução de programas é necessária a existência de um sistema operacional. O sistema operacional é uma camada

Leia mais

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn OBJETIVO: definir computação paralela; o modelo de computação paralela desempenhada por computadores paralelos; e exemplos de uso da arquitetura

Leia mais

Introdução a Computação Paralela e a Montagem de Clusters.

Introdução a Computação Paralela e a Montagem de Clusters. Introdução a Computação Paralela e a Montagem de Clusters. Marcelo Souza (marcelo@cebacad.net) Granduando em Sistema da Informação CEBACAD Centro Baiano de Computação de alto Desempenho Introdução a Computação

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Linux. Guia do Administrador do Sistema. Rubem E. Ferreira. Novatec Editora Ltda. www.novateceditora.com.br

Linux. Guia do Administrador do Sistema. Rubem E. Ferreira. Novatec Editora Ltda. www.novateceditora.com.br Linux Guia do Administrador do Sistema Rubem E. Ferreira Novatec Editora Ltda. www.novateceditora.com.br 1 O início de tudo Entre os vários sistemas operacionais existentes, o Unix é um exemplo de maturidade

Leia mais

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software; Sistemas Operacionais: Evolução; Conceitos Básicos; Tipos; Exemplos. DEINFO/UFRPE

Leia mais

Tecnologias da Informação

Tecnologias da Informação Introdução a Sistemas de Informação Tecnologias da Informação Introdução a Sistemas de Informação Software Categorias de Software Software Software Aplicativo Software de Sistemas Programas Aplicativos

Leia mais

Software de sistema Software aplicativo

Software de sistema Software aplicativo SOFTWARE O que é Software? Software, logicial ou programa de computador é uma sequência de instruções a serem seguidas e/ou executadas, na manipulação, redireccionamento ou modificação de um dado/informação

Leia mais

Aula 01. Introdução ao Linux

Aula 01. Introdução ao Linux Aula 01 Introdução ao Linux Introdução Objetivos aprender a usar um novo sistema aprender a usar uma nova interface Como no Windows navegar pela internet (e-mails, facebook, etc) criar pastas e arquivos

Leia mais

Computação de Alta Perfomance com Software Livre (Clusters)

Computação de Alta Perfomance com Software Livre (Clusters) Computação de Alta Perfomance com Software Livre (Clusters) 3º Seminário de Tecnologia da Informação UCSal Marcelo Soares Souza (marcelo@cebacad.net) CEBACAD Centro Baiano de Computação de alto Desempenho

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS 1. Histórico Primeiros computadores Computadores dos anos 50 e 60 Primeiros computadores com sistemas operacionais Surgimento das redes de computadores Nos anos 70 início das pesquisas

Leia mais

SISTEMA OPERACIONAL & SOFTWARE LIVRE

SISTEMA OPERACIONAL & SOFTWARE LIVRE Curso Técnico em Redes de Computadores Disciplina de Sistemas Operacionais Livres SISTEMA OPERACIONAL & SOFTWARE LIVRE Professora: Juliana Cristina dos Santos E-mail: professora@julianacristina.com Site:

Leia mais

Apresentação. Ementa da Disciplina. Objetivo da Disciplina. DCA-108 Sistemas Operacionais

Apresentação. Ementa da Disciplina. Objetivo da Disciplina. DCA-108 Sistemas Operacionais DCA-108 Sistemas Operacionais Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Apresentação Disciplina básica do curso de Engenharia de Computação Carga-horária: 60h teóricas Associadas

Leia mais

Cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas - UnP

Cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas - UnP Cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas - UnP Professor Nielsen Castelo Damasceno E-mail: nielsen.castelo@unp.br Web: http://ncdd.com.br Sala de Aula Online Curso Sistemas distribuídos (CH Total

Leia mais

Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Operacionais Histórico e Estruturas Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Histórico de SOs Tipos de SOs Estruturas de SOs 2 Histórico de SOs Baseado em Francis Machado e Luiz

Leia mais

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves 1 Introdução ao Linux e Instalação do Ubuntu Linux História Em 1973, um pesquisador da Bell Labs, Dennis Ritchie, reescreveu todo o sistema Unix numa

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Objetos distribuídos e invocação remota Introdução Comunicação entre objetos distribuídos Chamada de procedimento remoto Eventos e notificações Objetos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) 1 Noções de Software; Sistemas Operacionais: Evolução; Conceitos Básicos; Tipos; Exemplos. DEINFO/UFRPE

Leia mais

Conhecer as características e possibilidades do SO GNU Linux como servidor em uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema em OM do

Conhecer as características e possibilidades do SO GNU Linux como servidor em uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema em OM do OBJETIVOS Conhecer as características e possibilidades do SO GNU Linux como servidor em uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema em OM do Exército Brasileiro. SUMÁRIO 1. Introdução 2.

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Introdução Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Agenda Definição de Sistemas Distribuídos Evolução Histórica Exemplos Comparação com Sistemas Centralizados Conclusão 2 Definição

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1. Introdução a supercomputação 2. Visão geral de Mainframe 3. Cluster de computadores 4. Cluster Beowulf considerações de projeto 5. Cluster x Grid 6.

Leia mais

Profs. Deja e Andrei

Profs. Deja e Andrei Disciplina Sistemas Distribuídos e de Tempo Real Profs. Deja e Andrei Sistemas Distribuídos 1 Conceitos e Projetos de Sistemas Distribuídos Objetivos: Apresentar uma visão geral de processamento distribuído,

Leia mais

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Diego Luís Kreutz, Gabriela Jacques da Silva, Hélio Antônio Miranda da Silva, João Carlos Damasceno Lima Curso de Ciência da Computação

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery Sistemas Operacionais Introdução Professora: Michelle Nery Área de Atuação do Sistema Operacional Composto de dois ou mais níveis: Tipo de Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Monotarefas Sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Parte 1 Um pouco de Historia Fatos e Geraram tendencias Prof. Marcos Monteiro Conceitos básicos Computador é... Conceitos básicos Computador é... Maquina que processa dados? Que tem:

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Ferramentas de Renderização de Imagens em Clusters openmosix e Arquiteturas Multicore

Avaliação de Desempenho de Ferramentas de Renderização de Imagens em Clusters openmosix e Arquiteturas Multicore Avaliação de Desempenho de Ferramentas de Renderização de Imagens em Clusters openmosix e Arquiteturas Multicore Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia da Computação Péricles da Silva Bastos Sales Orientador:

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DISTRIBUÍDOS 1. INTRODUÇÃO Nos primeiros momentos os computadores eram máquinas grandes e caras. Ao longo do tempo dois avanços tecnológicos mudaram os sistemas informatizados:

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II Servidores Definição Servidores História Servidores Tipos Servidores Hardware Servidores Software Evolução do Windows Server Windows Server 2003 Introdução Windows Server

Leia mais

05/08/2013. Sistemas Distribuídos Cluster. Sistemas Distribuídos Cluster. Agenda. Introdução

05/08/2013. Sistemas Distribuídos Cluster. Sistemas Distribuídos Cluster. Agenda. Introdução Sistemas Distribuídos Cluster Originais gentilmente disponibilizados pelos autores em http://www.cdk4.net/wo/ Adaptados por Társio Ribeiro Cavalcante Agenda 1. Introdução 2. O que é um cluster 3. Alta

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

Arquiteturas de Software Problemas e soluções

Arquiteturas de Software Problemas e soluções Arquiteturas de Software Problemas e soluções Marcos Monteiro, MBA, ITIL V3 http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br Cliente - Servidor Cada instância de um cliente pode enviar requisições

Leia mais

slide 0 Algoritmos Paralelos

slide 0 Algoritmos Paralelos slide 0 Algoritmos Paralelos Slide 2 Demanda por Velocidade Computational Demanda contínua por maior rapidez computational das máquinas que as atualmente disponíveis. As áreas que exigem maior rapidez

Leia mais

Classificação de SO (Sistemas Operacionais) Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.

Classificação de SO (Sistemas Operacionais) Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu. Classificação de SO (Sistemas Operacionais) Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.br Agenda Classificação de SO quanto a: Interface Processamento Tarefas

Leia mais

Administração de Sistemas Livres. Prof. Lais Farias Alves

Administração de Sistemas Livres. Prof. Lais Farias Alves Administração de Sistemas Livres Prof. Lais Farias Alves Administração de Sistemas Livres Software e Suas Licenças O que é um Software Livre? Software Livre x Software Proprietário Software e Suas Licenças

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com O que veremos hoje... Evolução Histórica Motivação Conceitos Características

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional Sistemas Operacionais Conceitos de um Sistema Operacional Modo usuário e Modo Kernel Como já vimos são ambientes de execução diferentes no processador Há um conjunto de funções privilegiadas acessadas

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com Análise de Desempenho e Viabilidade do Raspberry Pi como um Thin Client utilizando o Protocolo SPICE Luiz Alberto Alves Baltazar 1, João Paulo de Lima Barbosa 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Curso de Ciência

Leia mais

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Segurança Internet Fernando Albuquerque fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Tópicos Introdução Autenticação Controle da configuração Registro dos acessos Firewalls Backups

Leia mais

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE TECNOLOGIA DA BAIXADA SANTISTA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA GESTÃO DE NEGÓCIOS Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf ALEXANDRE

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão Prof. Kleber Rovai 1º TSI 22/03/2012 Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão 1. Como seria utilizar um computador sem um sistema operacional? Quais são suas duas principais funções? Não funcionaria.

Leia mais

Manifesto Software Livre

Manifesto Software Livre Manifesto Software Livre Histórico iniciou com a elaboração de um documento denominado: " Manifesto GNU " por Richard Stallman 1.984; marco histórico do surgimento de uma nova forma de criação de Software;

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Apresentação da disciplina. Sistemas Operacionais I N. A disciplina. O Professor. Áreas de atuação na pesquisa. Referências bibliográficas básicas

Apresentação da disciplina. Sistemas Operacionais I N. A disciplina. O Professor. Áreas de atuação na pesquisa. Referências bibliográficas básicas 1 Apresentação da disciplina Sistemas Operacionais I N Prof. Marcelo Johann 2009/2 O professor A disciplina Bibliografia Cronograma Avaliação Trabalhos Regras do jogo Introdução: Sistemas Operacionais

Leia mais

Introdução. O que vimos. Infraestrutura de Software. (cont.) História dos Sistemas Operacionais. O que vimos 12/03/2012. Primeira geração: 1945-1955

Introdução. O que vimos. Infraestrutura de Software. (cont.) História dos Sistemas Operacionais. O que vimos 12/03/2012. Primeira geração: 1945-1955 O que vimos Infraestrutura de Software Introdução (cont.) Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma

Leia mais

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Introdução. Prof. MSc. Hugo Souza

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Introdução. Prof. MSc. Hugo Souza Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Introdução Prof. MSc. Hugo Souza Começando nossa disciplina sobre os sistemas operacionais modernos iremos abordar inicialmente

Leia mais

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Nyl Marcos Soares Barbosa, Moisés Lima dos Anjos, Madianita Bogo Curso de Sistemas de Informação Centro universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Teotônio

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

Resumo. Prof. Alejandro - Introdução à Sistemas Operacionais Resumo Informativo, complemente o material assistindo as Aulas 19/08/2015 1

Resumo. Prof. Alejandro - Introdução à Sistemas Operacionais Resumo Informativo, complemente o material assistindo as Aulas 19/08/2015 1 Resumo 19/08/2015 1 1. Tipos de Software 2. Introdução aos Sistemas Operacionais 3. Os Arquivos 4. Funções do Sistema Operacional 5. Programas Utilitários do Sistema Operacional 6. Termos Básicos 7. Tipos

Leia mais

Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta

Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta Dailson Fernandes www.dailson.com.br contato@dailson.com.br Facebook: dailson.fernandes Twitter: @dailson_ Habilidades Instalar o sistema operacional; Instalar

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Eriko Carlo Maia Porto UNESA Universidade Estácio de Sá eriko_porto@uol.com.br Última revisão Julho/2003 REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Década de 50 introdução dos

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007 Roteiro Serviços Estrutura dos Sistemas Operacionais Funções do Sistema Operacional Chamadas do Sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Caracterização de Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Caracterização de Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Caracterização de Sistemas Distribuídos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais