PLANETLAB: UM LABORATÓRIO VIRTUAL PARA DESENVOLVIMENTO DE NOVAS APLICAÇÕES PARA A INTERNET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANETLAB: UM LABORATÓRIO VIRTUAL PARA DESENVOLVIMENTO DE NOVAS APLICAÇÕES PARA A INTERNET"

Transcrição

1 PLANETLAB: UM LABORATÓRIO VIRTUAL PARA DESENVOLVIMENTO DE NOVAS APLICAÇÕES PARA A INTERNET Etienne César Ribeiro de Oliveira 1-2, Célio Vinicius Neves de Albuquerque 1-2 Abstract The development of new Internet applications require a structure that allows for the creation of a test environment with the same characteristics of the real environment. This work aims at presenting PlanetLab and describing its functionalities. PlanetLab is a virtual laboratory designed to help the development of computer network applications, such as distance education frameworks, network management frameworks, network services, distributed systems, etc, in a geographically distributed platform. PlanetLab features, that are not present in most educational and research institutions, are an aid to the learning process, providing access to more than 700 nodes (computers) previously configured with the Linux Fedora Core 2 operating system via Internet. Making use of virtual machines, users can install programming environments using such as Perl, Python and C and test their applications, designing their own networks and potentially establishing connections to other nodes spread all over the world. Index Terms PlanetLab, Internet Applications Development. INTRODUÇÃO O desenvolvimento de novas aplicações para a Internet ou que apresentem uma forte dependência de redes de computadores requer, cada vez mais, um ambiente capaz avaliar o impacto das aplicações sobre as redes de computadores e, principalmente, o comportamento das aplicações em um ambiente tipicamente instável como das redes de computadores. O aprovisionamento de recursos de hardware, de software e de telecomunicações apropriados para testar e avaliar componentes em desenvolvimento requer uma infraestrutura complexa, de alto custo e de difícil manutenção. E, como essa infra-estrutura não encontra-se disponível para a maioria das instituições de pesquisa, de ensino, do governo, industriais etc, soluções alternativas que se aproximem da realidade têm sido propostas [2]. Em função destas preocupações, inúmeros simuladores para redes de computadores têm sido desenvolvidos com intuito de possibilitar a avaliação de novas aplicações, novos protocolos e o desempenho das soluções propostas. Apenas como exemplo, o ns-2 [1] é um simulador para redes de computadores, baseado em eventos, capaz de efetuar simulações com os principais protocolos para redes de computadores existentes, e ainda possibilita o desenvolvimento de novos protocolos para redes de computadores, assim como o desenvolvimento de módulos adicionais, que podem atuar na camada de aplicação. Embora os simuladores para redes de computadores demandem uma infra-estrutura infinitamente inferior à infraestrutura do mundo real, esses simuladores apresentam algumas desvantagens, como, por exemplo, a dificuldade de modelar tempos de processamentos, entre outras. O PlanetLab, inaugurado em 2002, apresenta-se como uma solução para os problemas evidenciados. O PlanetLab é um laboratório virtual para o desenvolvimento de novas aplicações que incluem distribuição de conteúdo, análise de anomalias e diagnósticos de falhas, serviços multicast, mobilidade, entre tantas novas aplicações. Atualmente, o PlanetLab dispõe de 718 computadores, hospedados em 345 sites e espalhados em 25 países. A maioria destes computadores encontra-se em instituições de pesquisa, embora alguns estejam localizados em centros de roteamento, como no backbone da rede norte-americana Abilene, integrante do projeto Internet2 [1]. A seção Estrutura e Terminologia do PlanetLab apresenta os princípios, os principais termos e suas respectivas definições e a estrutura organizacional do PlanetLab. Já a seção Utilização do PlanetLab descreve os passos necessários para prover o acesso ao PlanetLab e para definir um cenário capaz de permitir o desenvolvimento de novas aplicações. A seção Desenvolvimento de uma Aplicação especifica uma aplicação de roteamento baseado no RTT (Round Trip Time) sobre a rede overlay do PlanetLab. Por fim, a seção Conclusões tece considerações acerca da arquitetura PlanetLab. ESTRUTURA E TERMINOLOGIA DO PLANETLAB Como o PlanetLab é resultado de um consórcio de inúmeras instituições, para que usuários possam acessar os recursos disponibilizados pelo PlanetLab é necessário obter, junto a uma das instituições participantes deste consórcio, uma autorização para usufruir a plataforma PlanetLab. Da mesma forma, existem regras definidas para que instituições possam se vincular ao consórcio. No caso específico do Brasil, a autorização de acesso pode ser provida através da RNP (Rede Nacional de Ensino e Pesquisa), a UFCG (Universidade Federal de Campina Grande), UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), Hewlett-Packard Brasil etc. 1 Universidade Federal Fluminense, Centro Tecnológico Rua Passo da Pátria, 156, bloco E, 3º andar, São Domingos, CEP , Niterói, RJ, Brasil, {eoliveira, 2 Os autores agradecem à RNP (Rede Nacional de Ensino e Pesquisa) pelo criação do slice rnp_icece, sem o qual este trabalho não poderia ter sido realizado.

2 O entendimento da terminologia descrita a seguir é primordial para o perfeito entendimento da estrutura do PlanetLab [1]. Node É um servidor dedicado à plataforma PlanetLab, que executa os serviços necessários à sua participação; Site Pode ser definido como um local onde encontram-se nodes do PlanetLab. Existem, no Brasil, nodes localizados no Ceará, no Rio de Janeiro, na Paraíba, no Rio Grande do Sul etc; Slice É um conjunto de recursos alocados e distribuídos entre vários servidores do PlanetLab. Pode ser explicado, de forma mais simplista, como o acesso a uma interface Shell Unix de alguns nodes do PlanetLab. Os Slices têm um tempo de vida limitado (2 meses) e devem ser periodicamente renovados para que permaneçam válidos; Sliver Um conjunto de recursos alocados em um servidor do PlanetLab; Virtual Server (VServer) Os Slivers são implementados como Linux VServers [3] e os recursos são alocados de forma diferenciada para os usuários através do CKRM (Class-based Kernel Resource Management) [4]. A virtualização do acesso através da rede é implementada através do VNET [5]; Users Um usuário pode ser qualquer pessoa que desenvolva ou avalie aplicações sobre a arquitetura PlanetLab; Principal Invertigator (PI) - Os PIs são responsáveis pelo gerenciamento dos slices e dos usuários de cada site, ou seja, cabe ao PI as tarefas de criação de slices e a respectiva associação aos usuários. Os usuários somente são capazes de adicionar nodes aos seus slices após a realização desta tarefa pelo PI responsável; Technical Contact (Tech Contact) Cada site deve ter ao menos um contato técnico, que é responsável pela instalação, manutenção e monitoração dos nodes. O PlanetLab encontra-se estruturado em uma rede overlay sobre as principais redes ao redor do mundo, tais como a Internet, a Abilene etc. Ou seja, como a comunicação entre os nodes ocorre através desta rede overlay, a realidade necessária para a avaliação de novas aplicações sobre a Internet é provida, automaticamente, pelo PlanetLab. Essa característica oferece aos seus usuários um nível de realidade e de imprevisibilidade indisponível nos simuladores de rede. Atualmente, a arquitetura PlanetLab provê aos seus usuários mecanismos de controle de admissão para um conjunto de recursos (CPU, memória, banda de rede etc), tais como o Sirius (PlanetLab Sirius Calendar Service) e o Bellagio [1]. Esse controle permite que aplicações que requisitem uma maior dedicação de recursos possam ser executadas sem comprometimento, independente da existência de outras aplicações, através de agendamento [6]. Os slices são criados com uma configuração básica do sistema operacional Linux Fedora Core 2. No entanto, após efetuar o login em um node, os usuários podem se transformar em root e efetuar a instalação de pacotes, criar novos usuários etc UTILIZAÇÃO DO PLANETLAB Conforme descrito anteriormente, após terem os slices criados e as respectivas senhas definidas, os usuários encontram-se prontos para se autenticar no web site do PlanetLab (http://www.planet-lab.org) e iniciar o uso dos recursos disponíveis. O processo de autenticação requer que o usuário informe o e a senha cadastrados. As subseções a seguir descrevem as tarefas que devem ser executadas para se ter acesso ao Shell Unix dos nodes do PlanetLab. Listagem dos Nodes Existentes Após o processo de autenticação no web site do PlanetLab, o usuário pode listar os nodes disponíveis clicando na aba Nodes e, em seguida, em View All Nodes. Esta ação provocará a exibição de uma lista com todos os nodes. Informações detalhadas sobre cada um dos nodes podem ser obtidas clicando-se, especificamente, sobre um node. A FIGURA 1 apresenta um resumo das principais informações disponibilizadas pelo PlanetLab. FIGURA 1 INFORMAÇÕES DETALHADAS DOS NODES [1] Associação de Nodes aos Slices A próxima etapa é a associação de nodes aos seus respectivos slices. Deve-se, então, clicar na aba Slices e, em seguida, em View Slices, quando serão relacionados os slices associados aos usuários, conforme ilustra a FIGURA 2. O

3 slice rnp_icece foi criado especificamente para o desenvolvimento deste trabalho. FIGURA 2 INFORMAÇÕES DETALHADAS DOS SLICES [1] Clicando-se sobre o slice selecionado (rnp_icece, no exemplo), serão exibidos detalhes sobre o slice, tais como nome, descrição, data de expiração, do usuário etc. Além destas informações, as opções Renew this slice (permite a renovação do prazo de expiração do slice), Delete this slice (remove definitivamente o slice) e Manage Nodes (permite a inclusão e exclusão de nodes no slice) são apresentadas conforme a FIGURA 3. FIGURA 4 INFORMAÇÕES PARA GERÊNCIA DE NODES[1] Acesso aos Nodes do PlanetLab O processo de autenticação do PlanetLab requer o uso de chaves SSH (Secure Shell) que podem ser geradas, em ambiente Unix, através do comando (1). ssh-keygen t rsa f id_rnp_icece (1) FIGURA 3 INFORMAÇÕES DETALHADAS DO SLICE RNP_ICECE [1] Selecionando a opção Manage Nodes será exibida uma tela com os requerimentos necessários à inclusão e exclusão de nodes do slice selecionado, conforme pode ser observado na FIGURA 4. Os nodes associados ao site RNP Rio Grande do Sul foram selecionados a partir do menu drop-down. A partir deste menu drop-down é possível visualizar todos os sites do PlanetLab e efetuar inclusões à lista de nodes pertencentes ao slice. Os processos de inclusão e de exclusão podem ser facilmente executados: para efetuar estas ações, ou seja, é necessário apenas clicar sobre os nodes exibidos, selecionando-os e, em seguida, sobre o botão responsável pela ação desejada (Add Selected ou Remove Selected). Deve-se considerar que o processo de criação ou remoção dos nodes nos servidores selecionados não é instantâneo. E, dependendo da situação do servidor, este processo pode demorar muitas horas. Após a execução do comando (1), serão criados 2 arquivos: id_rnp_icece (chave privada) e o arquivo id_rnp_icece.pub (chave pública). A chave pública, ou seja, o arquivo id_rnp_icece.pub no exemplo formulado deve ser armazenado no PlanetLab. Para executar esta tarefa é necessário clicar na aba User, depois selecionar a opção Manage My Account e, por fim, Manage Keys. A FIGURA 5 exemplifica esta tarefa. FIGURA 5 GERENCIAMENTO DE CHAVES [1] Após a propagação da chave, pode-se acessar qualquer um dos nodes previamente adicionados (ver FIGURA 4). A partir do servidor Unix onde foram criadas as chaves pública e privada, deve-se executar o comando (2).

4 ssh v l rnp_icece i id_rnp_ icece.pub planetlab1.poprj.rnp.br (2) Para a opção l (nome de login) deve ser informado o nome do slice criado e para a opção i (chave privada) deve ser informado o nome do arquivo que armazena a chave privada criada com o comando (1). A opção v ativa o modo verbose da negociação que pode ser útil para o processo de depuração, caso ocorra algum problema durante a autenticação. Transferência de Arquivos no PlanetLab A transferência de arquivos entre os nodes do PlanetLab e demais servidores na Internet é possível através do comando scp. Supondo a necessidade de transferência do arquivo pgm1.c, localizado no diretório bin, para o servidor planetlab1.pop-rj.rnp.br, devemos executar o comando (3). configurações obtidas pelo protocolo de roteamento. A aplicação foi desenvolvida na linguagem C, em um servidor externo ao PlanetLab, instalado com Linux Fedora Core 3, compilado com gcc e instalada em todos os nodes criados. O protocolo NetAlive troca mensagens periodicamente com os demais nodes, enviando e recebendo informações acerca da tabela de roteamento de cada um dos nodes aos quais ela mantém uma conexão direta sobre a rede overlay, ou seja, com apenas 1 hop. Com base nestas informações, cada um dos nodes será capaz de apresentar uma visão particular da rede. A tabela de roteamento contém o endereço IP de todos os nodes, o estado de comunicação (up, warning, critical, ou down), o menor tempo de atraso registrado, o tempo médio de atraso, o tempo máximo de atraso e a quantidade de hops até o nó. A FIGURA 6 apresenta a topologia preparada para a avaliação do NetAlive. scp i id_rnp_icece.pub bin/ pgm1.c planetlab1.pop-rj.rnp.br: (3) O comando rsync pode ser utilizado caso haja necessidade de sincronização de diretórios entre diferentes nodes do PlanetLab. Supondo a sincronização do diretório fontes com o servidor planetlab2.lsd.ufcg.edu.br, devemos executar o comando (4). rsync rvaz e ssh progress delete fontes planetlab2.lsd.ufcg.edu.br (4) Instalação de Pacotes nos Nodes do PlanetLab Como os nodes são criados com uma configuração básica, é provável que haja necessidade de instalação de algum pacote específico. Neste caso, basta executar o comando sudo para que comandos responsáveis pela instalação de pacotes, tais como yum <opções> install <nome(s) do(s) pacote(s)>, sejam executados como superusuário (root). Como exemplo, a instalação do compilador gcc e do make seria possível através do comando (5). sudo yum -y -t install gcc make (5) DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO Com intuito de avaliarmos os recursos disponibilizados pelo PlanetLab, foi desenvolvida uma aplicação de roteamento baseado no RTT sobre a rede overlay do PlanetLab denominada NetAlive. Um console simples foi implementado com intuito de extrair as informações e FIGURA 6 TOPOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DO NETALIVE] Para avaliar o comportamento do NetAlive foram adicionados 18 nodes ao slice, sendo 7 nodes no Brasil, 2 nodes na China, 1 node no Canadá, 1 node na França, 5 nodes nos EUA, 1 node na Índia e 1 node no Reino Unido. Dos 18 nodes incluídos, 6 não estavam operacionais. O estado da comunicação entre os nodes foi discretizado a partir do cálculo do atraso médio, com intuito de simplificar a representação valores, e representado da seguinte forma: [U] Up - de 0 até 150 ms; [W] Warning - de 151 até 450 ms; [C] Critical - acima de 451 ms; [D] Down - sem resposta. Apenas como exemplo, a FIGURA 7 exibe o console do node planetlab1.pop-rj.rnp.br.

5 CONCLUSÃO O PlanetLab é resultado de um consórcio de inúmeras instituições, idealizado com intuito de prover aos seus usuários uma laboratório virtual para o desenvolvimento de novas aplicações. As vantagens de ter acesso a este ambiente diferenciado possibilitam o desenvolvimento de aplicações apropriadas para a Internet. Podemos relacionar, entre as inúmeras vantagens existentes, as seguintes: Ambiente Escalável A estrutura de comunicação de dados do PlanetLab possibilita a adição constante do novos servidores, possibilitando aos usuários um serviço com maior capilaridade e sem comprometido dos recursos existentes; Ambiente de Avaliação Real O fato do PlanetLab utilizar a Internet como forma de comunicação, possibilita a avaliação e depuração de aplicações em um ambiente real; Simplicidade de acesso O acesso aos recursos disponibilizados pelo PlanetLab é bem simples, sendo desnecessário o aprendizado de linguagens de scripts proprietárias para a realização dos experimentos. Entre os problemas identificados durante o uso do Planetlab podemos relacionar os seguintes: Tempo de Criação dos Nodes Durante os testes realizados, o tempo de criação de nodes manteve-se totalmente irregular. Em algumas tentativas, poucos minutos após a criação do node, o acesso estava disponível. No entanto, ocorreram situações de demora excessiva, permanecendo o node criado inacessível por um período inaceitável (superior a 24 horas); Acesso aos Nodes Alguns nodes permaneceram inacessíveis durante todo o tempo de confecção deste trabalho; Cópia de Segurança Como os nodes do PlanetLab podem ser regerados a qualquer momento, sem aviso prévio, o ideal é manter cópias dos dados em múltiplos nodes ou em servidores externos ao PlanetLab que disponham de mecanismos eficientes para realizar uma cópia de segurança; Devido à limitação da quantidade de páginas, algumas FIGURA 7 CONSOLE DO NETALIVE características, facilidades, vantagens, desvantagens foram suprimidas. No entanto, visando a melhoria do PlanetLab, as seguintes sugestões foram relacionadas: Carga dos Nodes Evidentemente que, por ser tratar de servidores compartilhados, não existem mecanismos que possam assegurar o padrão de comprometimento dos recursos por um longo período de tempo. Entretanto, a disponibilidade de um histórico do comprometimento dos recursos (CPU, memória, banda de rede etc) possibilitaria aos usuários do PlanetLab um nível de informação diferenciada no momento da inclusão dos nodes; Padronização dos Nomes O fato de não existir uma regra clara e bem definida para a definição dos nomes dos sites faz com que sejam necessárias consultas constantes ao web site do PlanetLab. A padronização dos nomes dos sites seria uma tarefa simples e influenciaria positivamente na organização da estrutura do PlanetLab. A experiência obtida durante o uso do PlanetLab ratifica a importância deste ambiente para o desenvolvimento de aplicações voltadas para a Internet, proporcionando mecanismos de avaliação fundamentais e inexistentes nos simuladores de rede. REFERÊNCIAS [1] PlanetLab Consortium, PlanetLab: Home, acessado em Novembro de [2] Peterson, L., Anderson, T., Culler, D. Roscoe, T., A Blueprint for Introducing Disruptive Technology into the Internet, Proceedings of ACM HotNets-I Workshop, Princeton, New Jersey, USA, October [3] Linux VServer, Welcome to Linux-VServer.org Linux-VServer, acessado em Novembro de [4] CKRM, Class-based Kernel Resource Management, acessado em Novembro de [5] VNET, PlanetLab: VNET: PlanetLab Virtualized Network Access, acessado em Novembro de [6] Peterson, L., Pai, V., Spring, N., Bavier, A., Using PlanetLab for Network Research: Myths, Realities, and Best Practices, acessado em Novembro de 2006.

Controle de congestionamento em TCP

Controle de congestionamento em TCP Controle de congestionamento em TCP Uma das funções principais do TCP é gerenciar o fluxo de mensagens entre origem e destino, adaptando a taxa de transmissão da origem à taxa de recepção no destino de

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

PRÁTICA DE VLAN - LINUX 1. AMBIENTE PARA REALIZAÇÃO DAS PRÁTICAS UTILIZAÇÃO DA IMAGEM NO DVD UTILIZAÇÃO DO SERVIDOR REMOTO ESPEC

PRÁTICA DE VLAN - LINUX 1. AMBIENTE PARA REALIZAÇÃO DAS PRÁTICAS UTILIZAÇÃO DA IMAGEM NO DVD UTILIZAÇÃO DO SERVIDOR REMOTO ESPEC PRÁTICA DE VLAN - LINUX Exercícios práticos sobre VLANs usando Linux. Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais: espec.ppgia.pucpr.br IMPORTANTE: Para facilitar a execução

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

Manual de Utilização do Citsmart Remote

Manual de Utilização do Citsmart Remote 16/08/2013 Manual de Utilização do Citsmart Remote Fornece orientações necessárias para utilização da aplicação Citsmart Remote. Versão 1.1 10/12/2013 Visão Resumida Data Criação 10/12/2013 Versão Documento

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Instalação e personalização do Debian Etch para servidores LDAP e Shibboleth.

Instalação e personalização do Debian Etch para servidores LDAP e Shibboleth. Instalação e personalização do Debian Etch para servidores LDAP e Shibboleth. Éverton Foscarini, Leandro Rey, Francisco Fialho, Carolina Nogueira 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Centro de Processamento

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

HOW TO Procedimento para instalar Aker Firewall virtualizado no ESXi 5.0

HOW TO Procedimento para instalar Aker Firewall virtualizado no ESXi 5.0 Procedimento para instalar virtualizado no Página: 1 de 15 Introdução Este documento abordará os procedimentos necessários para instalar o (AFW) virtualizado em um servidor ESXi. Será compreendido desde

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

IMPORTANTE: Todos os pedidos devem ser recebidos até: 10 de abril de 2005

IMPORTANTE: Todos os pedidos devem ser recebidos até: 10 de abril de 2005 HP 690 East Middlefield Road Mt. View, CA 94043, EUA Resposta de Clientes N.º (650) 960-5040 System Handle ou Referência de Conta de Suporte: Identificação de Contrato de Serviço: IMPORTANTE: Todos os

Leia mais

Manual de Administração

Manual de Administração Manual de Administração Produto: n-mf Lexmark Versão: 4.0.3 Versão do Doc.: 1.0 Autor: Bruno Nercolini Ceron Data: 22/11/2010 Aplica-se à: Clientes e Revendas Alterado por: Release Note: Detalhamento de

Leia mais

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MANUAL

Leia mais

Dell Server PRO Management Pack 4.0 para o Microsoft System Center Virtual Machine Manager Guia de instalação

Dell Server PRO Management Pack 4.0 para o Microsoft System Center Virtual Machine Manager Guia de instalação Dell Server PRO Management Pack 4.0 para o Microsoft System Center Virtual Machine Manager Guia de instalação Notas, avisos e advertências NOTA: uma NOTA indica informações importantes que ajudam você

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

Atualizado em 9 de outubro de 2007

Atualizado em 9 de outubro de 2007 2 Nettion R Copyright 2007 by Nettion Information Security. Este material pode ser livremente reproduzido, desde que mantidas as notas de copyright e o seu conteúdo original. Envie críticas e sugestões

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Serviços DHCP Server: O DHCP ("Dynamic Host Configuration Protocol" ou "protocolo de configuração

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Configuração de acesso VPN

Configuração de acesso VPN 1. OBJETIVO 1 de 68 Este documento tem por finalidade auxiliar os usuários na configuração do cliente VPN para acesso a rede privada virtual da UFBA. 2. APLICAÇÃO Aplica-se a servidores(técnico-administrativos

Leia mais

System Handle ou Referência de Conta de Suporte: Identificação de Contrato de Serviço:

System Handle ou Referência de Conta de Suporte: Identificação de Contrato de Serviço: HP 690 East Middlefield Road Mt. View, CA 94043, EUA Resposta de Clientes N.º (650) 960-5040 System Handle ou Referência de Conta de Suporte: Identificação de Contrato de Serviço: IMPORTANTE: Todos os

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Minicurso Computação em Nuvem Prática: AWS

Minicurso Computação em Nuvem Prática: AWS Grupo de Pesquisa em Software e Hardware Livre Glauber Cassiano Batista Membro Colméia glauber@colmeia.udesc.br Joinville Minicurso Computação em Nuvem Prática: AWS Roteiro Definições Virtualização Data

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

UFBA Universidade Federal da Bahia CPD Central de Processamento de Dados. Rede VPN UFBA. Procedimento para configuração

UFBA Universidade Federal da Bahia CPD Central de Processamento de Dados. Rede VPN UFBA. Procedimento para configuração UFBA Universidade Federal da Bahia CPD Central de Processamento de Dados Rede VPN UFBA Procedimento para configuração 2013 Íncide Introdução... 3 Windows 8... 4 Windows 7... 10 Windows VISTA... 14 Windows

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Kaspersky Administration Kit 8.0 GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO

Kaspersky Administration Kit 8.0 GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO Kaspersky Administration Kit 8.0 GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO V E R S Ã O D O A P L I C A T I V O : 8. 0 Caro usuário. Obrigado por escolher nosso produto. Esperamos que esta documentação lhe ajude em seu trabalho

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05 Prof. André Lucio Competências da aula 5 Backup. WSUS. Serviços de terminal. Hyper-v Aula 04 CONCEITOS DO SERVIÇO DE BACKUP

Leia mais

Manual de Acesso a Servidores SSH

Manual de Acesso a Servidores SSH UFF - Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Curso de Engenharia de Telecomunicações Programa de Educação Tutorial Grupo PET-Tele Manual de Acesso a Servidores SSH Autor : Orientador: Vinicius

Leia mais

Manual STCP Web Admin 27/07/2009, Riversoft Integração e Desenvolvimento

Manual STCP Web Admin 27/07/2009, Riversoft Integração e Desenvolvimento STCP OFTP Web Admin Versão 4.0.0 Riversoft Integração e Desenvolvimento de Software Ltda Av.Dr.Delfim Moreira, 537 Centro Santa Rita do Sapucaí, Minas Gerais CEP 37540 000 Tel/Fax: 35 3471 0282 E-mail:

Leia mais

Manual de Administração

Manual de Administração Manual de Administração Produto: n-mf Xerox Versão do produto: 4.7 Autor: Bárbara Vieira Souza Versão do documento: 1 Versão do template: Data: 04/04/01 Documento destinado a: Parceiros NDDigital, técnicos

Leia mais

Controle de Acesso em Rede

Controle de Acesso em Rede Segurança de Rede Segurança de rede e segurança de sistema (servidor individual) têm muito em comum Há redes onde o usuário faz login no domínio da rede para ter acesso aos recursos; em outras, se conecta

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de conectividade de rede. net_connect série 3.0

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de conectividade de rede. net_connect série 3.0 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Monitoramento de conectividade de rede net_connect série 3.0 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente para

Leia mais

Documentação Symom. Agente de Monitoração na Plataforma Windows

Documentação Symom. Agente de Monitoração na Plataforma Windows Documentação Symom de Monitoração na Plataforma Windows Windows Linux Windows Linux Plataforma Windows Instalação A instalação do de Monitoração do Symom para Windows é feita através do executável setup.exe

Leia mais

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1]

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Introdução O Agente Aranda para sistemas Linux se encarrega de coletar as seguintes informações em cada uma das estações de trabalho

Leia mais

Manual de Utilização de Webcams no. Desenvolvimento de Aplicativos Java

Manual de Utilização de Webcams no. Desenvolvimento de Aplicativos Java Manual de Utilização de Webcams no Desenvolvimento de Aplicativos Java Coordenador: Hemerson Pistori Manual desenvolvido no âmbito do projeto Plataforma de Apoio ao Desenvolvimento de Sistemas para Inclusão

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais

Ferramenta DimDim Web Meeting

Ferramenta DimDim Web Meeting Ferramenta DimDim Web Meeting Rafael N. Folha 1, Nelio T. Neitzke 1 1 Redes de Computadores Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (FATEC) Caixa Postal 96015560 Pelotas RS Brasil rafaelnfolha@hotmail.com,neliotn@gmail.com

Leia mais

Comunicação via interface SNMP

Comunicação via interface SNMP Comunicação via interface SNMP 1 - FUNCIONAMENTO: Os No-breaks PROTEC possuem 3 interfaces de comunicação: Interface RS232, interface USB e interface SNMP. Todas elas permitem o controle e o monitoramento

Leia mais

Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server

Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server Autor: Eder S. G. - edersg@vm.uff.br Versão: 1.2 Data: 21/11/2012 Última atualização: 07/03/2013 Observação: Máquina real: Sistema operacional

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N

Leia mais

Protocolos Telnet e SSH. Professor Leonardo Larback

Protocolos Telnet e SSH. Professor Leonardo Larback Protocolos Telnet e SSH Professor Leonardo Larback Protocolo Telnet O modelo de referência TCP/IP inclui um protocolo simples de terminal remoto: Telnet. O telnet é tanto um programa quanto um protocolo,

Leia mais

Manual da Aplicação Water Monitor

Manual da Aplicação Water Monitor Manual da Aplicação Water Monitor 1. Descrição da Aplicação 2. Pré-Requisitos de Instalação 3. Passos para Execução 4. Instruções de Uso das Funcionalidades 5. Observações 1. Descrição da Aplicação A aplicação

Leia mais

Manual de Instalação do Servidor Orion Phoenix Versão 1.0 - Novembro/2010

Manual de Instalação do Servidor Orion Phoenix Versão 1.0 - Novembro/2010 Manual de Instalação do Servidor Orion Phoenix Versão 1.0 - Novembro/2010 Manual de Instalação do Sistema Orion Phoenix 1.0 - Novembro/2010 Página 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. VISÃO GERAL...3 3. PROCEDIMENTOS

Leia mais

MANUAL DE SUPORTE. Controle de Suporte. Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte.

MANUAL DE SUPORTE. Controle de Suporte. Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte. MANUAL DE SUPORTE Controle de Suporte Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte. SUMÁRIO Considerações Iniciais... 3 Acesso... 4 Controle de Suporte... 5 1. Solicitação de Atendimento...

Leia mais

EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Wireshark Sniffer de rede

EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Wireshark Sniffer de rede EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Wireshark Sniffer de rede Entregar um relatório contendo introdução, desenvolvimento e conclusão. A seção desenvolvimento pode conter

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Manual de Utilização do ELMS. Programa:

Manual de Utilização do ELMS. Programa: Manual de Utilização do ELMS Programa: INTRODUÇÃO Sobre o MSDN AA: A sigla significa: Microsoft Develop Network Academic Alliance em português: Rede de Desenvolvimento Microsoft - Aliança Acadêmica. É

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

LOJA ELETRÔNICA MANUAL DE INSTALAÇÃO

LOJA ELETRÔNICA MANUAL DE INSTALAÇÃO LOJA ELETRÔNICA MANUAL DE INSTALAÇÃO RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de

Leia mais

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados:

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados: Relatório do GPES Relatório referente à instalação dos programas e plugins que estarão sendo utilizados durante o desenvolvimento dos exemplos e exercícios, sendo esses demonstrados nos próximos relatórios.

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP

HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP Obrigado por utilizar os produtos Dimy s. Antes de operar o equipamento, leia atentamente as instruções deste manual para obter um desempenho adequado. Por favor,

Leia mais

LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER

LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER V14 de BricsCAD vem com um novo sistema de licenciamento, com base na tecnologia de licenciamento de Reprise Software. Este novo sistema oferece um ambiente

Leia mais

Avaliação da plataforma de armazenamento multiprotocolo EMC Celerra NS20

Avaliação da plataforma de armazenamento multiprotocolo EMC Celerra NS20 Avaliação da plataforma de armazenamento multiprotocolo EMC Celerra NS20 Relatório elaborado sob contrato com a EMC Corporation Introdução A EMC Corporation contratou a Demartek para realizar uma avaliação

Leia mais

Real Application Cluster (RAC)

Real Application Cluster (RAC) Real Application Cluster (RAC) Anderson Haertel Rodrigues OCE RAC 10g anderson.rodrigues@advancedit.com.br AdvancedIT S/A RAC? Oracle RAC é um banco de dados em cluster. Como assim? São vários servidores

Leia mais

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 Pela grande necessidade de controlar a internet de diversos clientes, a NSC Soluções em Informática desenvolveu um novo produto capaz de gerenciar todos os recursos

Leia mais

ESET Remote Administrator ESET EndPoint Solutions ESET Remote Adminstrator Workgroup Script de Logon

ESET Remote Administrator ESET EndPoint Solutions ESET Remote Adminstrator Workgroup Script de Logon AGENDA 1. Download dos pacotes de instalação ESET Remote Administrator 2. Download dos pacotes de instalação ESET EndPoint Solutions 3. Procedimento de instalação e configuração básica do ESET Remote Adminstrator

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Monitoramento de conectividade de rede net_connect série 2.9 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Snap Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se

Leia mais

INTRODUÇÃO: 1 - Conectando na sua conta

INTRODUÇÃO: 1 - Conectando na sua conta INTRODUÇÃO: Com certeza a reação da maioria dos que lerem esse mini manual e utilizarem o servidor vão pensar: "mas porque eu tenho que usar um console se em casa eu tenho uma interface gráfica bonito

Leia mais

Wireshark Lab: Iniciando

Wireshark Lab: Iniciando Wireshark Lab: Iniciando Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Conte-me e esqueço. Mostre-me e eu lembro. Envolva-me

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts)

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) Gerência de Redes de Computadores 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) UFCG / DSC / JPS * 05 GERÊNCIA DE HOSPEDEIROS 1 TIPOS DE HOSPEDEIROS DOIS TIPOS DE HOSPEDEIROS o Servidores o Estações Clientes HÁ GRANDE

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Turma de Redes AULA 06 www.eduardosilvestri.com.br silvestri@eduardosilvestri.com.br Estrutura do Sistema Operacional Introdução É bastante complexo a estrutura de um sistema operacional,

Leia mais

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva Sumário Introdução Trabalhos Correlatos Eucalyptus Design Conclusões Visão Geral Introdução:

Leia mais

Acesso à Dados ZEOS x Delphi. Professor Anderson

Acesso à Dados ZEOS x Delphi. Professor Anderson Acesso à Dados ZEOS x Delphi Professor Anderson Introdução O ZEOS é uma biblioteca que provê o acesso à uma base de dados em MYSQL. Através dessa Library, podemos realizar operações de manipulação da base

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO MÓDULO DE TRANSFERÊNCIA DE ARQUIVOS APLICATIVO UPLOAD /DOWNLOAD VERSÃO 1.1 BRASÍLIA DF Agosto/2015 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Guia do Laboratório de Teste: Rec ursos Sociais de Demonstração do SharePoint Server 2013

Guia do Laboratório de Teste: Rec ursos Sociais de Demonstração do SharePoint Server 2013 Guia do Laboratório de Teste: Rec ursos Sociais de Demonstração do SharePoint Server 2013 Hal Zucati Microsoft Corporation Publicado em: Setembro de 2012 Atualizado em: Novembro de 2012 Aplica-se a: SharePoint

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS I N F O R M Á T I C A Sistemas Operacionais Campus Itaqui-RS Sistemas Operacionais É o software que gerencia o computador! Entre suas funções temos: inicializa o hardware do computador fornece rotinas

Leia mais

Servidor de email VMware Zimbra

Servidor de email VMware Zimbra Servidor de email VMware Zimbra Instalação, Configuração e Administração Leandro Ferreira Canhada 1 1 Faculdade de Tecnologia SENAC Pelotas Rua Gonçalves Chaves, 602 96.015-560 Pelotas RS Brasil {leandrocanhada@gmail.com}

Leia mais

OpenFlow: abrindo portas para inovações nas redes de nossos campi

OpenFlow: abrindo portas para inovações nas redes de nossos campi 1 OpenFlow: abrindo portas para inovações nas redes de nossos campi Leandro Haruo Aoyagi Universidade Federal de São Carlos, Campus Sorocaba Sorocaba, São Paulo Email: aoyagi.haruo@gmail.com Resumo A comunidade

Leia mais

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Sistemas de Informação - N. 7, JUL/DEZ 2009 O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto

Leia mais

Estudo da Ferramenta Cacti, para análise de desempenho de rede

Estudo da Ferramenta Cacti, para análise de desempenho de rede Estudo da Ferramenta Cacti, para análise de desempenho de rede Eduardo Perez Pereira 1, Rodrigo Costa de Moura 1 1 Centro Politécnico Universidade Católica de Pelotas (UCPel) Félix da Cunha, 412 - Pelotas

Leia mais

Configurando opções do servidor de páginas e do servidor ftp.

Configurando opções do servidor de páginas e do servidor ftp. Configurando opções do servidor de páginas e do servidor ftp. Após ter criado um diretório virtual, quer seja de http ou de ftp, você pode configurar uma série de opções para este diretório. As configurações

Leia mais

MANUAL VOIP VOIP. Coordenação Tecnológica. Manual de Instalação de Softphones. Voice Over Internet Protocolo

MANUAL VOIP VOIP. Coordenação Tecnológica. Manual de Instalação de Softphones. Voice Over Internet Protocolo MANUAL o Este documento definirá como é feita a instalação e utilização de clientes VoIP na plataforma PC, operando sobre Windows e Linux, e em dispositivos móveis funcionando sobre a plataforma Android

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. 01) Considere as seguintes assertivas sobre conceitos de sistemas operacionais:

SISTEMAS OPERACIONAIS. 01) Considere as seguintes assertivas sobre conceitos de sistemas operacionais: SISTEMAS OPERACIONAIS 01) Considere as seguintes assertivas sobre conceitos de sistemas operacionais: I. De forma geral, os sistemas operacionais fornecem certos conceitos e abstrações básicos, como processos,

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 7 Samba, SSH e Backup

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 7 Samba, SSH e Backup Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 7 Samba, SSH e Prof.: Roberto Franciscatto Samba Samba Samba Samba Servidor de compartilhamento de arquivos e recursos de rede É compatível com

Leia mais

Engenharia da Computação. Tópicos Avançados em Engenharia de Software. Aula 3

Engenharia da Computação. Tópicos Avançados em Engenharia de Software. Aula 3 Engenharia da Computação Tópicos Avançados em Engenharia de Software Aula 3 (03/03) mario.godoy@univasf.edu.br http://www.univasf.edu.br/~mario.godoy/ Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

EVILÁCIO RODRIGUES VIEIRA JUNIOR CONSTRUÇÃO DE REDE VPN ATRAVÉS DA FERRAMENTA OPENVPN

EVILÁCIO RODRIGUES VIEIRA JUNIOR CONSTRUÇÃO DE REDE VPN ATRAVÉS DA FERRAMENTA OPENVPN EVILÁCIO RODRIGUES VIEIRA JUNIOR CONSTRUÇÃO DE REDE VPN ATRAVÉS DA FERRAMENTA OPENVPN Palmas 2006 EVILÁCIO RODRIGUES VIEIRA JUNIOR CONSTRUÇÃO DE REDE VPN ATRAVÉS DA FERRAMENTA OPENVPN Trabalho apresentado

Leia mais

Minicurso Computação em Nuvem Prática: AWS

Minicurso Computação em Nuvem Prática: AWS Minicurso Computação em Nuvem Prática: AWS Glauber Cassiano Batista Ricardo Sohn Membros Colméia Roteiro Geral Definições Virtualização Data center Computação em Nuvem Principais classificações: Modelos

Leia mais

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark.

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Wireshark Lab: DNS Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Como descrito na seção 2.5 do livro, o Domain Name

Leia mais

Guia rápido do usuário. Cliente de Web

Guia rápido do usuário. Cliente de Web Guia rápido do usuário Cliente de Web Sumário O que é o cnccloud?... 3 Como obter acesso ao cnccloud?... 3 Acessando sua conta do cnccloud via Web... 4 Funcionalidades do cnccloud... 4 Configurações de

Leia mais

Backup dos Bancos de Dados Interbase

Backup dos Bancos de Dados Interbase Backup dos Bancos de Dados Interbase Interbase... O que é? InterBase é um gerenciador de Banco de dados relacionais da Borland. O Interbase é uma opção alternativa aos bancos de dados tradicionais como

Leia mais

Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG

Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG Abril 2013 Sumário 1. Agente... 1 2. Onde instalar... 1 3. Etapas da Instalação do Agente... 1 a. Etapa de Instalação do Agente... 1 b. Etapa de Inserção

Leia mais

Guia do usuário para o serviço IM e Presence no Cisco Unified Communications Manager, Versão 9.0(1)

Guia do usuário para o serviço IM e Presence no Cisco Unified Communications Manager, Versão 9.0(1) Guia do usuário para o serviço IM e Presence no Cisco Unified Communications Manager, Versão 9.0(1) Primeira publicação: May 25, 2012 Americas Headquarters Cisco Systems, Inc. 170 West Tasman Drive San

Leia mais

Fox Gerenciador de Sistemas

Fox Gerenciador de Sistemas Fox Gerenciador de Sistemas Índice 1. FOX GERENCIADOR DE SISTEMAS... 4 2. ACESSO AO SISTEMA... 5 3. TELA PRINCIPAL... 6 4. MENU SISTEMAS... 7 5. MENU SERVIÇOS... 8 5.1. Ativação Fox... 8 5.2. Atualização

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

SFD 2010. Carla Souza Otacílio Lacerda

SFD 2010. Carla Souza Otacílio Lacerda SFD 2010 Carla Souza Otacílio Lacerda Virtualização "Em computação, é uma forma de esconder as características físicas de uma plataforma computacional dos utilizadores, mostrando outro hardware virtual,

Leia mais

Guia do Laboratório de Teste: Demonstre colaboração de Intranet com SharePoint Server 2013

Guia do Laboratório de Teste: Demonstre colaboração de Intranet com SharePoint Server 2013 Guia do Laboratório de Teste: Demonstre colaboração de Intranet com SharePoint Server 2013 Este documento é fornecido no estado em que se encontra. As informações e exibições expressas neste documento,

Leia mais

Oracle Solaris Studio 12.4: Guia de Segurança

Oracle Solaris Studio 12.4: Guia de Segurança Oracle Solaris Studio 12.4: Guia de Segurança Número do Item: E60510 Outubro de 2014 Copyright 2013, 2014, Oracle e/ou suas empresas afiliadas. Todos os direitos reservados e de titularidade da Oracle

Leia mais