PLANETLAB: UM LABORATÓRIO VIRTUAL PARA DESENVOLVIMENTO DE NOVAS APLICAÇÕES PARA A INTERNET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANETLAB: UM LABORATÓRIO VIRTUAL PARA DESENVOLVIMENTO DE NOVAS APLICAÇÕES PARA A INTERNET"

Transcrição

1 PLANETLAB: UM LABORATÓRIO VIRTUAL PARA DESENVOLVIMENTO DE NOVAS APLICAÇÕES PARA A INTERNET Etienne César Ribeiro de Oliveira 1-2, Célio Vinicius Neves de Albuquerque 1-2 Abstract The development of new Internet applications require a structure that allows for the creation of a test environment with the same characteristics of the real environment. This work aims at presenting PlanetLab and describing its functionalities. PlanetLab is a virtual laboratory designed to help the development of computer network applications, such as distance education frameworks, network management frameworks, network services, distributed systems, etc, in a geographically distributed platform. PlanetLab features, that are not present in most educational and research institutions, are an aid to the learning process, providing access to more than 700 nodes (computers) previously configured with the Linux Fedora Core 2 operating system via Internet. Making use of virtual machines, users can install programming environments using such as Perl, Python and C and test their applications, designing their own networks and potentially establishing connections to other nodes spread all over the world. Index Terms PlanetLab, Internet Applications Development. INTRODUÇÃO O desenvolvimento de novas aplicações para a Internet ou que apresentem uma forte dependência de redes de computadores requer, cada vez mais, um ambiente capaz avaliar o impacto das aplicações sobre as redes de computadores e, principalmente, o comportamento das aplicações em um ambiente tipicamente instável como das redes de computadores. O aprovisionamento de recursos de hardware, de software e de telecomunicações apropriados para testar e avaliar componentes em desenvolvimento requer uma infraestrutura complexa, de alto custo e de difícil manutenção. E, como essa infra-estrutura não encontra-se disponível para a maioria das instituições de pesquisa, de ensino, do governo, industriais etc, soluções alternativas que se aproximem da realidade têm sido propostas [2]. Em função destas preocupações, inúmeros simuladores para redes de computadores têm sido desenvolvidos com intuito de possibilitar a avaliação de novas aplicações, novos protocolos e o desempenho das soluções propostas. Apenas como exemplo, o ns-2 [1] é um simulador para redes de computadores, baseado em eventos, capaz de efetuar simulações com os principais protocolos para redes de computadores existentes, e ainda possibilita o desenvolvimento de novos protocolos para redes de computadores, assim como o desenvolvimento de módulos adicionais, que podem atuar na camada de aplicação. Embora os simuladores para redes de computadores demandem uma infra-estrutura infinitamente inferior à infraestrutura do mundo real, esses simuladores apresentam algumas desvantagens, como, por exemplo, a dificuldade de modelar tempos de processamentos, entre outras. O PlanetLab, inaugurado em 2002, apresenta-se como uma solução para os problemas evidenciados. O PlanetLab é um laboratório virtual para o desenvolvimento de novas aplicações que incluem distribuição de conteúdo, análise de anomalias e diagnósticos de falhas, serviços multicast, mobilidade, entre tantas novas aplicações. Atualmente, o PlanetLab dispõe de 718 computadores, hospedados em 345 sites e espalhados em 25 países. A maioria destes computadores encontra-se em instituições de pesquisa, embora alguns estejam localizados em centros de roteamento, como no backbone da rede norte-americana Abilene, integrante do projeto Internet2 [1]. A seção Estrutura e Terminologia do PlanetLab apresenta os princípios, os principais termos e suas respectivas definições e a estrutura organizacional do PlanetLab. Já a seção Utilização do PlanetLab descreve os passos necessários para prover o acesso ao PlanetLab e para definir um cenário capaz de permitir o desenvolvimento de novas aplicações. A seção Desenvolvimento de uma Aplicação especifica uma aplicação de roteamento baseado no RTT (Round Trip Time) sobre a rede overlay do PlanetLab. Por fim, a seção Conclusões tece considerações acerca da arquitetura PlanetLab. ESTRUTURA E TERMINOLOGIA DO PLANETLAB Como o PlanetLab é resultado de um consórcio de inúmeras instituições, para que usuários possam acessar os recursos disponibilizados pelo PlanetLab é necessário obter, junto a uma das instituições participantes deste consórcio, uma autorização para usufruir a plataforma PlanetLab. Da mesma forma, existem regras definidas para que instituições possam se vincular ao consórcio. No caso específico do Brasil, a autorização de acesso pode ser provida através da RNP (Rede Nacional de Ensino e Pesquisa), a UFCG (Universidade Federal de Campina Grande), UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), Hewlett-Packard Brasil etc. 1 Universidade Federal Fluminense, Centro Tecnológico Rua Passo da Pátria, 156, bloco E, 3º andar, São Domingos, CEP , Niterói, RJ, Brasil, {eoliveira, 2 Os autores agradecem à RNP (Rede Nacional de Ensino e Pesquisa) pelo criação do slice rnp_icece, sem o qual este trabalho não poderia ter sido realizado.

2 O entendimento da terminologia descrita a seguir é primordial para o perfeito entendimento da estrutura do PlanetLab [1]. Node É um servidor dedicado à plataforma PlanetLab, que executa os serviços necessários à sua participação; Site Pode ser definido como um local onde encontram-se nodes do PlanetLab. Existem, no Brasil, nodes localizados no Ceará, no Rio de Janeiro, na Paraíba, no Rio Grande do Sul etc; Slice É um conjunto de recursos alocados e distribuídos entre vários servidores do PlanetLab. Pode ser explicado, de forma mais simplista, como o acesso a uma interface Shell Unix de alguns nodes do PlanetLab. Os Slices têm um tempo de vida limitado (2 meses) e devem ser periodicamente renovados para que permaneçam válidos; Sliver Um conjunto de recursos alocados em um servidor do PlanetLab; Virtual Server (VServer) Os Slivers são implementados como Linux VServers [3] e os recursos são alocados de forma diferenciada para os usuários através do CKRM (Class-based Kernel Resource Management) [4]. A virtualização do acesso através da rede é implementada através do VNET [5]; Users Um usuário pode ser qualquer pessoa que desenvolva ou avalie aplicações sobre a arquitetura PlanetLab; Principal Invertigator (PI) - Os PIs são responsáveis pelo gerenciamento dos slices e dos usuários de cada site, ou seja, cabe ao PI as tarefas de criação de slices e a respectiva associação aos usuários. Os usuários somente são capazes de adicionar nodes aos seus slices após a realização desta tarefa pelo PI responsável; Technical Contact (Tech Contact) Cada site deve ter ao menos um contato técnico, que é responsável pela instalação, manutenção e monitoração dos nodes. O PlanetLab encontra-se estruturado em uma rede overlay sobre as principais redes ao redor do mundo, tais como a Internet, a Abilene etc. Ou seja, como a comunicação entre os nodes ocorre através desta rede overlay, a realidade necessária para a avaliação de novas aplicações sobre a Internet é provida, automaticamente, pelo PlanetLab. Essa característica oferece aos seus usuários um nível de realidade e de imprevisibilidade indisponível nos simuladores de rede. Atualmente, a arquitetura PlanetLab provê aos seus usuários mecanismos de controle de admissão para um conjunto de recursos (CPU, memória, banda de rede etc), tais como o Sirius (PlanetLab Sirius Calendar Service) e o Bellagio [1]. Esse controle permite que aplicações que requisitem uma maior dedicação de recursos possam ser executadas sem comprometimento, independente da existência de outras aplicações, através de agendamento [6]. Os slices são criados com uma configuração básica do sistema operacional Linux Fedora Core 2. No entanto, após efetuar o login em um node, os usuários podem se transformar em root e efetuar a instalação de pacotes, criar novos usuários etc UTILIZAÇÃO DO PLANETLAB Conforme descrito anteriormente, após terem os slices criados e as respectivas senhas definidas, os usuários encontram-se prontos para se autenticar no web site do PlanetLab (http://www.planet-lab.org) e iniciar o uso dos recursos disponíveis. O processo de autenticação requer que o usuário informe o e a senha cadastrados. As subseções a seguir descrevem as tarefas que devem ser executadas para se ter acesso ao Shell Unix dos nodes do PlanetLab. Listagem dos Nodes Existentes Após o processo de autenticação no web site do PlanetLab, o usuário pode listar os nodes disponíveis clicando na aba Nodes e, em seguida, em View All Nodes. Esta ação provocará a exibição de uma lista com todos os nodes. Informações detalhadas sobre cada um dos nodes podem ser obtidas clicando-se, especificamente, sobre um node. A FIGURA 1 apresenta um resumo das principais informações disponibilizadas pelo PlanetLab. FIGURA 1 INFORMAÇÕES DETALHADAS DOS NODES [1] Associação de Nodes aos Slices A próxima etapa é a associação de nodes aos seus respectivos slices. Deve-se, então, clicar na aba Slices e, em seguida, em View Slices, quando serão relacionados os slices associados aos usuários, conforme ilustra a FIGURA 2. O

3 slice rnp_icece foi criado especificamente para o desenvolvimento deste trabalho. FIGURA 2 INFORMAÇÕES DETALHADAS DOS SLICES [1] Clicando-se sobre o slice selecionado (rnp_icece, no exemplo), serão exibidos detalhes sobre o slice, tais como nome, descrição, data de expiração, do usuário etc. Além destas informações, as opções Renew this slice (permite a renovação do prazo de expiração do slice), Delete this slice (remove definitivamente o slice) e Manage Nodes (permite a inclusão e exclusão de nodes no slice) são apresentadas conforme a FIGURA 3. FIGURA 4 INFORMAÇÕES PARA GERÊNCIA DE NODES[1] Acesso aos Nodes do PlanetLab O processo de autenticação do PlanetLab requer o uso de chaves SSH (Secure Shell) que podem ser geradas, em ambiente Unix, através do comando (1). ssh-keygen t rsa f id_rnp_icece (1) FIGURA 3 INFORMAÇÕES DETALHADAS DO SLICE RNP_ICECE [1] Selecionando a opção Manage Nodes será exibida uma tela com os requerimentos necessários à inclusão e exclusão de nodes do slice selecionado, conforme pode ser observado na FIGURA 4. Os nodes associados ao site RNP Rio Grande do Sul foram selecionados a partir do menu drop-down. A partir deste menu drop-down é possível visualizar todos os sites do PlanetLab e efetuar inclusões à lista de nodes pertencentes ao slice. Os processos de inclusão e de exclusão podem ser facilmente executados: para efetuar estas ações, ou seja, é necessário apenas clicar sobre os nodes exibidos, selecionando-os e, em seguida, sobre o botão responsável pela ação desejada (Add Selected ou Remove Selected). Deve-se considerar que o processo de criação ou remoção dos nodes nos servidores selecionados não é instantâneo. E, dependendo da situação do servidor, este processo pode demorar muitas horas. Após a execução do comando (1), serão criados 2 arquivos: id_rnp_icece (chave privada) e o arquivo id_rnp_icece.pub (chave pública). A chave pública, ou seja, o arquivo id_rnp_icece.pub no exemplo formulado deve ser armazenado no PlanetLab. Para executar esta tarefa é necessário clicar na aba User, depois selecionar a opção Manage My Account e, por fim, Manage Keys. A FIGURA 5 exemplifica esta tarefa. FIGURA 5 GERENCIAMENTO DE CHAVES [1] Após a propagação da chave, pode-se acessar qualquer um dos nodes previamente adicionados (ver FIGURA 4). A partir do servidor Unix onde foram criadas as chaves pública e privada, deve-se executar o comando (2).

4 ssh v l rnp_icece i id_rnp_ icece.pub planetlab1.poprj.rnp.br (2) Para a opção l (nome de login) deve ser informado o nome do slice criado e para a opção i (chave privada) deve ser informado o nome do arquivo que armazena a chave privada criada com o comando (1). A opção v ativa o modo verbose da negociação que pode ser útil para o processo de depuração, caso ocorra algum problema durante a autenticação. Transferência de Arquivos no PlanetLab A transferência de arquivos entre os nodes do PlanetLab e demais servidores na Internet é possível através do comando scp. Supondo a necessidade de transferência do arquivo pgm1.c, localizado no diretório bin, para o servidor planetlab1.pop-rj.rnp.br, devemos executar o comando (3). configurações obtidas pelo protocolo de roteamento. A aplicação foi desenvolvida na linguagem C, em um servidor externo ao PlanetLab, instalado com Linux Fedora Core 3, compilado com gcc e instalada em todos os nodes criados. O protocolo NetAlive troca mensagens periodicamente com os demais nodes, enviando e recebendo informações acerca da tabela de roteamento de cada um dos nodes aos quais ela mantém uma conexão direta sobre a rede overlay, ou seja, com apenas 1 hop. Com base nestas informações, cada um dos nodes será capaz de apresentar uma visão particular da rede. A tabela de roteamento contém o endereço IP de todos os nodes, o estado de comunicação (up, warning, critical, ou down), o menor tempo de atraso registrado, o tempo médio de atraso, o tempo máximo de atraso e a quantidade de hops até o nó. A FIGURA 6 apresenta a topologia preparada para a avaliação do NetAlive. scp i id_rnp_icece.pub bin/ pgm1.c planetlab1.pop-rj.rnp.br: (3) O comando rsync pode ser utilizado caso haja necessidade de sincronização de diretórios entre diferentes nodes do PlanetLab. Supondo a sincronização do diretório fontes com o servidor planetlab2.lsd.ufcg.edu.br, devemos executar o comando (4). rsync rvaz e ssh progress delete fontes planetlab2.lsd.ufcg.edu.br (4) Instalação de Pacotes nos Nodes do PlanetLab Como os nodes são criados com uma configuração básica, é provável que haja necessidade de instalação de algum pacote específico. Neste caso, basta executar o comando sudo para que comandos responsáveis pela instalação de pacotes, tais como yum <opções> install <nome(s) do(s) pacote(s)>, sejam executados como superusuário (root). Como exemplo, a instalação do compilador gcc e do make seria possível através do comando (5). sudo yum -y -t install gcc make (5) DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO Com intuito de avaliarmos os recursos disponibilizados pelo PlanetLab, foi desenvolvida uma aplicação de roteamento baseado no RTT sobre a rede overlay do PlanetLab denominada NetAlive. Um console simples foi implementado com intuito de extrair as informações e FIGURA 6 TOPOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DO NETALIVE] Para avaliar o comportamento do NetAlive foram adicionados 18 nodes ao slice, sendo 7 nodes no Brasil, 2 nodes na China, 1 node no Canadá, 1 node na França, 5 nodes nos EUA, 1 node na Índia e 1 node no Reino Unido. Dos 18 nodes incluídos, 6 não estavam operacionais. O estado da comunicação entre os nodes foi discretizado a partir do cálculo do atraso médio, com intuito de simplificar a representação valores, e representado da seguinte forma: [U] Up - de 0 até 150 ms; [W] Warning - de 151 até 450 ms; [C] Critical - acima de 451 ms; [D] Down - sem resposta. Apenas como exemplo, a FIGURA 7 exibe o console do node planetlab1.pop-rj.rnp.br.

5 CONCLUSÃO O PlanetLab é resultado de um consórcio de inúmeras instituições, idealizado com intuito de prover aos seus usuários uma laboratório virtual para o desenvolvimento de novas aplicações. As vantagens de ter acesso a este ambiente diferenciado possibilitam o desenvolvimento de aplicações apropriadas para a Internet. Podemos relacionar, entre as inúmeras vantagens existentes, as seguintes: Ambiente Escalável A estrutura de comunicação de dados do PlanetLab possibilita a adição constante do novos servidores, possibilitando aos usuários um serviço com maior capilaridade e sem comprometido dos recursos existentes; Ambiente de Avaliação Real O fato do PlanetLab utilizar a Internet como forma de comunicação, possibilita a avaliação e depuração de aplicações em um ambiente real; Simplicidade de acesso O acesso aos recursos disponibilizados pelo PlanetLab é bem simples, sendo desnecessário o aprendizado de linguagens de scripts proprietárias para a realização dos experimentos. Entre os problemas identificados durante o uso do Planetlab podemos relacionar os seguintes: Tempo de Criação dos Nodes Durante os testes realizados, o tempo de criação de nodes manteve-se totalmente irregular. Em algumas tentativas, poucos minutos após a criação do node, o acesso estava disponível. No entanto, ocorreram situações de demora excessiva, permanecendo o node criado inacessível por um período inaceitável (superior a 24 horas); Acesso aos Nodes Alguns nodes permaneceram inacessíveis durante todo o tempo de confecção deste trabalho; Cópia de Segurança Como os nodes do PlanetLab podem ser regerados a qualquer momento, sem aviso prévio, o ideal é manter cópias dos dados em múltiplos nodes ou em servidores externos ao PlanetLab que disponham de mecanismos eficientes para realizar uma cópia de segurança; Devido à limitação da quantidade de páginas, algumas FIGURA 7 CONSOLE DO NETALIVE características, facilidades, vantagens, desvantagens foram suprimidas. No entanto, visando a melhoria do PlanetLab, as seguintes sugestões foram relacionadas: Carga dos Nodes Evidentemente que, por ser tratar de servidores compartilhados, não existem mecanismos que possam assegurar o padrão de comprometimento dos recursos por um longo período de tempo. Entretanto, a disponibilidade de um histórico do comprometimento dos recursos (CPU, memória, banda de rede etc) possibilitaria aos usuários do PlanetLab um nível de informação diferenciada no momento da inclusão dos nodes; Padronização dos Nomes O fato de não existir uma regra clara e bem definida para a definição dos nomes dos sites faz com que sejam necessárias consultas constantes ao web site do PlanetLab. A padronização dos nomes dos sites seria uma tarefa simples e influenciaria positivamente na organização da estrutura do PlanetLab. A experiência obtida durante o uso do PlanetLab ratifica a importância deste ambiente para o desenvolvimento de aplicações voltadas para a Internet, proporcionando mecanismos de avaliação fundamentais e inexistentes nos simuladores de rede. REFERÊNCIAS [1] PlanetLab Consortium, PlanetLab: Home, acessado em Novembro de [2] Peterson, L., Anderson, T., Culler, D. Roscoe, T., A Blueprint for Introducing Disruptive Technology into the Internet, Proceedings of ACM HotNets-I Workshop, Princeton, New Jersey, USA, October [3] Linux VServer, Welcome to Linux-VServer.org Linux-VServer, acessado em Novembro de [4] CKRM, Class-based Kernel Resource Management, acessado em Novembro de [5] VNET, PlanetLab: VNET: PlanetLab Virtualized Network Access, acessado em Novembro de [6] Peterson, L., Pai, V., Spring, N., Bavier, A., Using PlanetLab for Network Research: Myths, Realities, and Best Practices, acessado em Novembro de 2006.

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008

Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008 Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008 ÍNDICE 3 4 RECOMENDAÇÕES DE HARDWARE PARA O TRACEGP TRACEMONITOR - ATUALIZAÇÃO E VALIDAÇÃO DE LICENÇAS 2 1. Recomendações de Hardware para Instalação do TraceGP Este

Leia mais

Manual de Utilização do Citsmart Remote

Manual de Utilização do Citsmart Remote 16/08/2013 Manual de Utilização do Citsmart Remote Fornece orientações necessárias para utilização da aplicação Citsmart Remote. Versão 1.1 10/12/2013 Visão Resumida Data Criação 10/12/2013 Versão Documento

Leia mais

Controle de congestionamento em TCP

Controle de congestionamento em TCP Controle de congestionamento em TCP Uma das funções principais do TCP é gerenciar o fluxo de mensagens entre origem e destino, adaptando a taxa de transmissão da origem à taxa de recepção no destino de

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

Manual de Administração

Manual de Administração Manual de Administração Produto: n-server Versão: 4.9 Versão do Doc.: 1.0 Autor: Glauber Luiz Dias Barbara Data: 22/07/2011 Aplica-se à: Clientes e Revendas Alterado por: Release Note: Detalhamento de

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Configuração de acesso VPN

Configuração de acesso VPN 1. OBJETIVO 1 de 68 Este documento tem por finalidade auxiliar os usuários na configuração do cliente VPN para acesso a rede privada virtual da UFBA. 2. APLICAÇÃO Aplica-se a servidores(técnico-administrativos

Leia mais

Instalação e personalização do Debian Etch para servidores LDAP e Shibboleth.

Instalação e personalização do Debian Etch para servidores LDAP e Shibboleth. Instalação e personalização do Debian Etch para servidores LDAP e Shibboleth. Éverton Foscarini, Leandro Rey, Francisco Fialho, Carolina Nogueira 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Centro de Processamento

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

Fox Gerenciador de Sistemas

Fox Gerenciador de Sistemas Fox Gerenciador de Sistemas Índice 1. FOX GERENCIADOR DE SISTEMAS... 4 2. ACESSO AO SISTEMA... 5 3. TELA PRINCIPAL... 6 4. MENU SISTEMAS... 7 5. MENU SERVIÇOS... 8 5.1. Ativação Fox... 8 5.2. Atualização

Leia mais

Secure Client. Manual do Usuário. IPNv2. Secure Client IPNv2

Secure Client. Manual do Usuário. IPNv2. Secure Client IPNv2 Secure Client Manual do Usuário IPNv2 Índice 2 de 23 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO, APLICAÇÃO E DEFINIÇÕES... 4 a. Objetivos... 4 b. Aplicação... 4 c. Regras do sistema... 4 d. Configuração de hardware

Leia mais

Gerência de Segurança

Gerência de Segurança Gerência de segurança envolve a proteção de dados sensíveis dos dispositivos de rede através do controle de acesso aos pontos onde tais informações se localizam Benefícios do processo de gerência de segurança

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Produto: n-control MSI Versão: 4.6 Versão do Doc.: 1.0 Autor: Aline Della Justina Data: 17/06/2011 Público-alvo: Clientes e Parceiros NDDigital Alterado por: Release Note: Detalhamento

Leia mais

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MANUAL

Leia mais

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com Servidor IIS Servidor IIS IIS Serviço de informação de Internet; É um servidor que permite hospedar um ou vários sites web no mesmo computador e cria uma distribuição de arquivos utilizando o protocolo

Leia mais

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução Autor Público Alvo Rodrigo Cristiano dos Santos Suporte Técnico, Consultoria e Desenvolvimento. Histórico Data 13/06/2012 Autor Rodrigo Cristiano Descrição

Leia mais

Manual de Administração

Manual de Administração Manual de Administração Produto: n-mf Lexmark Versão: 4.0.3 Versão do Doc.: 1.0 Autor: Bruno Nercolini Ceron Data: 22/11/2010 Aplica-se à: Clientes e Revendas Alterado por: Release Note: Detalhamento de

Leia mais

Instalador/Atualizador PIMS Multicultura Manual de Referência. Versão 12.1.4

Instalador/Atualizador PIMS Multicultura Manual de Referência. Versão 12.1.4 Instalador/Atualizador PIMS Multicultura Manual de Referência Versão 12.1.4 Sumário 1. Descrição... 3 2. Pré-requisitos... 4 3. Etapas da instalação/atualização... 8 1. Iniciando a aplicação de instalação/atualização...

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões Prof. MSc. Hugo Souza Se você precisar manter informações sobre seus usuários enquanto eles navegam pelo seu site, ou até quando eles saem

Leia mais

LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER

LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER V14 de BricsCAD vem com um novo sistema de licenciamento, com base na tecnologia de licenciamento de Reprise Software. Este novo sistema oferece um ambiente

Leia mais

Atualizado em 9 de outubro de 2007

Atualizado em 9 de outubro de 2007 2 Nettion R Copyright 2007 by Nettion Information Security. Este material pode ser livremente reproduzido, desde que mantidas as notas de copyright e o seu conteúdo original. Envie críticas e sugestões

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Produto: NDDigital n-access Embedded for Lexmark FRM4x Versão do produto: 1..5 Autor: Glauber Dias Barbara Versão do documento: 1 Versão do template: Data: 1/06/013 Documento destinado

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Ferramenta de Backup

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Ferramenta de Backup MANUAL DO USUÁRIO Software de Ferramenta de Backup Software Ferramenta de Backup Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para

Leia mais

Sistema de Chamados Protega

Sistema de Chamados Protega SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZANDO ACESSO AO SISTEMA DE CHAMADOS... 4 2.1 DETALHES DA PÁGINA INICIAL... 5 3. ABERTURA DE CHAMADO... 6 3.1 DESTACANDO CAMPOS DO FORMULÁRIO... 6 3.2 CAMPOS OBRIGATÓRIOS:...

Leia mais

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes 1. Quais os fatores que contribuem para o sucesso de uma operação de gerenciamento? O sucesso de uma operação de Gerenciamento depende dos seguintes fatores: O sistema de gerenciamento invocador deve ter

Leia mais

Projeto OBAA. Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias. Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais.

Projeto OBAA. Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias. Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais. Edital MCT/FINEP/MC/FUNTTEL Plataformas para Conteúdos Digitais 01/2007 Projeto OBAA Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO MÓDULO DE TRANSFERÊNCIA DE ARQUIVOS APLICATIVO UPLOAD /DOWNLOAD VERSÃO 1.1 BRASÍLIA DF Agosto/2015 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM...

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM... 1 de 30 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 3.1. ONDE SE DEVE INSTALAR O SERVIDOR BAM?... 4 3.2. ONDE SE DEVE INSTALAR O PROGRAMADOR REMOTO BAM?... 4 3.3. COMO FAZER

Leia mais

Índice. Manual Backup Online. 03 Capítulo 1: Visão Geral

Índice. Manual Backup Online. 03 Capítulo 1: Visão Geral Índice 03 Capítulo 1: Visão Geral 04 Capítulo 2: Conta de Usuário 04 Criação 08 Edição 09 Grupo de Usuários 10 Informações da Conta 12 Capítulo 3: Download do Backup Online Embratel 16 Capítulo 4: Cópia

Leia mais

Comunicação via interface SNMP

Comunicação via interface SNMP Comunicação via interface SNMP 1 - FUNCIONAMENTO: Os No-breaks PROTEC possuem 3 interfaces de comunicação: Interface RS232, interface USB e interface SNMP. Todas elas permitem o controle e o monitoramento

Leia mais

Guia rápido do usuário. Cliente de Web

Guia rápido do usuário. Cliente de Web Guia rápido do usuário Cliente de Web Sumário O que é o cnccloud?... 3 Como obter acesso ao cnccloud?... 3 Acessando sua conta do cnccloud via Web... 4 Funcionalidades do cnccloud... 4 Configurações de

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

INFORMES MANUAL DO APLICATIVO

INFORMES MANUAL DO APLICATIVO INFORMES MANUAL DO APLICATIVO APRESENTAÇÃO Este aplicativo é um dos recursos mais importantes que o Portal disponibiliza, pois é a partir dele que são feitas a publicação de informativos nas seções que

Leia mais

Secure Client. Manual do Usuário. Versão 6.2. Procedimento para Instalação e configuração do Secure Client 6.1. Secure Client versão 6.

Secure Client. Manual do Usuário. Versão 6.2. Procedimento para Instalação e configuração do Secure Client 6.1. Secure Client versão 6. 1 de 19 Secure Client Manual do Usuário Versão 6.2 Versão Revisor Camila Lira Índice 2 de 19 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO, APLICAÇÃO E DEFINIÇÕES... 4 a. Objetivos... 4 b. Aplicação... 4 c. Regras

Leia mais

SERVICE DESK MANAGER SDM. Manual do Sistema - DPOI

SERVICE DESK MANAGER SDM. Manual do Sistema - DPOI SERVICE DESK MANAGER SDM Manual do Sistema - DPOI Conteúdo SERVICE DESK MANAGER SDM... 1 Manual do Sistema - DPOI... 1 INTRODUÇÃO... 4 ACESSO AO SISTEMA... 5 OPÇÕES DO SISTEMA... 6 SISTEMA... 7 Pesquisar

Leia mais

ESET Remote Administrator ESET EndPoint Solutions ESET Remote Adminstrator Workgroup Script de Logon

ESET Remote Administrator ESET EndPoint Solutions ESET Remote Adminstrator Workgroup Script de Logon AGENDA 1. Download dos pacotes de instalação ESET Remote Administrator 2. Download dos pacotes de instalação ESET EndPoint Solutions 3. Procedimento de instalação e configuração básica do ESET Remote Adminstrator

Leia mais

O TRAFip é uma poderosa ferramenta de coleta e caracterização de tráfego de rede IP, que vem resolver esse problema de forma definitiva.

O TRAFip é uma poderosa ferramenta de coleta e caracterização de tráfego de rede IP, que vem resolver esse problema de forma definitiva. Não há dúvida de que o ambiente de rede está cada vez mais complexo e que sua gestão é um grande desafio. Nesse cenário, saber o que está passando por essa importante infraestrutura é um ponto crítico

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Segurança em Sistemas de Informação. Agenda. Conceitos Iniciais

Segurança em Sistemas de Informação. Agenda. Conceitos Iniciais Segurança em Sistemas de Informação Agenda 1. Conceitos Iniciais; 2. Terminologia; 3. Como funcionam; 4. : 1. Cache; 2. Proxy reverso; 5. Exemplos de Ferramentas; 6. Hands on; 7. Referências; 2 Conceitos

Leia mais

Copyright 2015 Mandic Cloud Solutions - Somos Especialistas em Cloud. www.mandic.com.br

Copyright 2015 Mandic Cloud Solutions - Somos Especialistas em Cloud. www.mandic.com.br Sumário 1. Boas vindas... 4 2. Dashboard... 4 3. Cloud... 5 3.1 Servidores... 5 o Contratar Novo Servidor... 5 o Detalhes do Servidor... 9 3.2 Cloud Backup... 13 o Alteração de quota... 13 o Senha do agente...

Leia mais

Manual de configuração de clientes de email para o novo serviço de email da Ufersa baseado na plataforma Google/Gmail

Manual de configuração de clientes de email para o novo serviço de email da Ufersa baseado na plataforma Google/Gmail Universidade Federal Rural do Semi-árido Superintendência de Tecnologia da Informação e comunicação Manual de configuração de clientes de email para o novo serviço de email da Ufersa baseado na plataforma

Leia mais

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Talles

Leia mais

Manual do Usuário ZKPatrol1.0

Manual do Usuário ZKPatrol1.0 Manual do Usuário ZKPatrol1.0 SOFTWARE Sumário 1 Introdução de Funções... 3 1.2 Operação Básica... 4 1.3 Seleção de idioma... 4 2 Gerenciamento do Sistema... 5 2.1 Entrar no sistema... 5 2.2 Sair do Sistema...

Leia mais

Instalação do TOTVS ESB. Guia de Instalação do TOTVS ESB

Instalação do TOTVS ESB. Guia de Instalação do TOTVS ESB Guia de Instalação do TOTVS ESB Copyright 2011 TOTVS S.A. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste documento pode ser copiada, reproduzida, traduzida ou transmitida por qualquer meio eletrônico

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

Instalação do software e de opções da Série Polycom RealPresence Group e acessórios. Visão geral

Instalação do software e de opções da Série Polycom RealPresence Group e acessórios. Visão geral Instalação do software e de opções da Série Polycom RealPresence Group e acessórios Visão geral Quando você atualiza o software Polycom ou adquire opções adicionais do sistema, sua organização pode continuar

Leia mais

HP Mobile Printing para Pocket PC

HP Mobile Printing para Pocket PC HP Mobile Printing para Pocket PC Guia de Iniciação Rápida O HP Mobile Printing para Pocket PC permite imprimir mensagens de e-mail, anexos e arquivos em uma impressora Bluetooth, de infravermelho ou de

Leia mais

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive Google Drive um sistema de armazenagem de arquivos ligado à sua conta Google e acessível via Internet, desta forma você pode acessar seus arquivos a partir de qualquer dispositivo que tenha acesso à Internet.

Leia mais

MANUAL VOIP VOIP. Coordenação Tecnológica. Manual de Instalação de Softphones. Voice Over Internet Protocolo

MANUAL VOIP VOIP. Coordenação Tecnológica. Manual de Instalação de Softphones. Voice Over Internet Protocolo MANUAL o Este documento definirá como é feita a instalação e utilização de clientes VoIP na plataforma PC, operando sobre Windows e Linux, e em dispositivos móveis funcionando sobre a plataforma Android

Leia mais

Guia de instalação Command WorkStation 5.5 com o Fiery Extended Applications 4.1

Guia de instalação Command WorkStation 5.5 com o Fiery Extended Applications 4.1 Guia de instalação Command WorkStation 5.5 com o Fiery Extended Applications 4.1 Sobre o Fiery Extended Applications O Fiery Extended Applications (FEA) 4.1 é um pacote dos seguintes aplicativos para uso

Leia mais

Novidades do AVG 2013

Novidades do AVG 2013 Novidades do AVG 2013 Conteúdo Licenciamento Instalação Verificação Componentes Outras características Treinamento AVG 2 Licenciamento Instalação Verificação Componentes do AVG Outras características Treinamento

Leia mais

Textos Legais. TL Internet. Legislativa. Manual de Implantação

Textos Legais. TL Internet. Legislativa. Manual de Implantação Textos Legais TL Internet Legislativa Manual de Implantação Copyright GOVERNANÇABRASIL 2012 PRONIM TL INTERNET SUMÁRIO 1. REQUISITOS MÍNIMOS DE SISTEMA... 4 2. INSTALAÇÃO... 4 2.1. INSTALAÇÃO DO IIS 7.0...

Leia mais

Processo de Envio de email

Processo de Envio de email Processo de Envio de email Introdução O envio de documentos de forma eletrônica vem sendo muito utilizado, assim o envio de arquivos, relatórios, avisos, informações é realizado via e-mail. O sistema disponibiliza

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ. Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0. www.spider.ufpa.br

Manual do Usuário. Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ. Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0. www.spider.ufpa.br Manual do Usuário Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0 www.spider.ufpa.br Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 27/05/2011 1.0 Criação da seção de instalação/configuração

Leia mais

SISTEMA DISTRIBUÍDO DE MONITORAMENTO/DETERMINAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DIPONÍVEIS DE UM AMBIENTE DE GRID COMPUTACIONAL

SISTEMA DISTRIBUÍDO DE MONITORAMENTO/DETERMINAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DIPONÍVEIS DE UM AMBIENTE DE GRID COMPUTACIONAL SISTEMA DISTRIBUÍDO DE MONITORAMENTO/DETERMINAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DIPONÍVEIS DE UM AMBIENTE DE GRID COMPUTACIONAL Thais Cabral de Mello, Bruno Schulze, Luis Rodrigo de Oliveira Gonçalves 1 Laboratório

Leia mais

Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal

Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada nos Estados Unidos da Microsoft Corporation.

Leia mais

1. Escritório Virtual... 5. 1.1. Atualização do sistema...5. 1.2. Instalação e ativação do sistema de Conexão...5

1. Escritório Virtual... 5. 1.1. Atualização do sistema...5. 1.2. Instalação e ativação do sistema de Conexão...5 1 2 Índice 1. Escritório Virtual... 5 1.1. Atualização do sistema...5 1.2. Instalação e ativação do sistema de Conexão...5 1.3. Cadastro do Escritório...5 1.4. Logo Marca do Escritório...6...6 1.5. Cadastro

Leia mais

Por: Rafael Nink de Carvalho www.linuxeducacional.com www.rafaelnink.com

Por: Rafael Nink de Carvalho www.linuxeducacional.com www.rafaelnink.com L I N2 U0 X0 9 Manual de Instalação do Linux Educacional 3.0 Por: Rafael Nink de Carvalho ü Configurando o SETUP do computador ü Rodando a versão Live CD ü Instalando o Linux www.linuxeducacional.com Educacional

Leia mais

Imóvel Mix SGI. 1. Acesso ao Sistema 2. Aspectos Gerais 3. Configuração da Empresa 4. Cadastro de Usuários

Imóvel Mix SGI. 1. Acesso ao Sistema 2. Aspectos Gerais 3. Configuração da Empresa 4. Cadastro de Usuários Imóvel Mix SGI Imóvel Mix SGI 1. Acesso ao Sistema 2. Aspectos Gerais 3. Configuração da Empresa 4. Cadastro de Usuários 5. Controle de Acesso 6. Cadastro de Clientes 7. Cadastro de Imóveis 8. Vistoria

Leia mais

Guia de instalação Command WorkStation 5.6 com o Fiery Extended Applications 4.2

Guia de instalação Command WorkStation 5.6 com o Fiery Extended Applications 4.2 Guia de instalação Command WorkStation 5.6 com o Fiery Extended Applications 4.2 O Fiery Extended Applications Package (FEA) v4.2 contém aplicativos do Fiery para realizar tarefas associadas a um Fiery

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

KalumaFin. Manual do Usuário

KalumaFin. Manual do Usuário KalumaFin Manual do Usuário Sumário 1. DICIONÁRIO... 4 1.1 ÍCONES... Erro! Indicador não definido. 1.2 DEFINIÇÕES... 5 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 7 3. ACESSAR O SISTEMA... 8 4. PRINCIPAL... 9 4.1 MENU

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Manual da Aplicação Water Monitor

Manual da Aplicação Water Monitor Manual da Aplicação Water Monitor 1. Descrição da Aplicação 2. Pré-Requisitos de Instalação 3. Passos para Execução 4. Instruções de Uso das Funcionalidades 5. Observações 1. Descrição da Aplicação A aplicação

Leia mais

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Visão geral do Serviço Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Os Serviços de gerenciamento de dispositivos distribuídos ajudam você a controlar ativos

Leia mais

Manual do usuário. Mobile Auto Download

Manual do usuário. Mobile Auto Download Manual do usuário Mobile Auto Download Mobile Auto Download Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para a sua instalação e

Leia mais

Manual de Utilização de Webcams no. Desenvolvimento de Aplicativos Java

Manual de Utilização de Webcams no. Desenvolvimento de Aplicativos Java Manual de Utilização de Webcams no Desenvolvimento de Aplicativos Java Coordenador: Hemerson Pistori Manual desenvolvido no âmbito do projeto Plataforma de Apoio ao Desenvolvimento de Sistemas para Inclusão

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3. 3. Configurações... 6. 4. Relacionamento... 8. 5. Folha de Pagamento esocial...

1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3. 3. Configurações... 6. 4. Relacionamento... 8. 5. Folha de Pagamento esocial... 1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3 1.1. Conhecendo a Plataforma... 4 1.2. Seleção da Empresa de Trabalho... 4 1.3. Sair do Sistema... 5 1.4. Retornar a tela principal... 5 3. Configurações...

Leia mais

Manual de Administração

Manual de Administração Manual de Administração Produto: n-host Versão do produto: 4.1 Autor: Aline Della Justina Versão do documento: 1 Versão do template: Data: 30/07/01 Documento destinado a: Parceiros NDDigital, técnicos

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO Aplicativo Controle de Estoque Desktop

MANUAL DE UTILIZAÇÃO Aplicativo Controle de Estoque Desktop MANUAL DE UTILIZAÇÃO Aplicativo Controle de Estoque Desktop 1 1 INICIANDO O APLICATIVO PELA PRIMEIRA VEZ... 3 2 PÁGINA PRINCIPAL DO APLICATIVO... 4 2.1 INTERFACE INICIAL... 4 3 INICIANDO PROCESSO DE LEITURA...

Leia mais

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Roteiro 5: Responsabilidades do AD / Gerenciamento de usuários

Roteiro 5: Responsabilidades do AD / Gerenciamento de usuários Roteiro 5: Responsabilidades do AD / Gerenciamento de usuários Objetivos: Detalhar e Definir responsabilidades em controladores de domínio; Configurar propriedades de contas de usuários; Gerenciar perfis

Leia mais

Curso de Introdução ao Plone. Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Erick Gallani

Curso de Introdução ao Plone. Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Erick Gallani Curso de Introdução ao Plone Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Erick Gallani Conteúdo Parte I - Conceitos básicos Parte II - Interface do Plone Parte III - Gerenciamento de usuários Parte IV - Criação

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet 1. Autores Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet Luciano Eugênio de Castro Barbosa Flavio Barbieri Gonzaga 2. Resumo O custo de licenciamento

Leia mais

Documentação Symom. Agente de Monitoração na Plataforma Windows

Documentação Symom. Agente de Monitoração na Plataforma Windows Documentação Symom de Monitoração na Plataforma Windows Windows Linux Windows Linux Plataforma Windows Instalação A instalação do de Monitoração do Symom para Windows é feita através do executável setup.exe

Leia mais

Manual de Instalação do Servidor Orion Phoenix Versão 1.0 - Novembro/2010

Manual de Instalação do Servidor Orion Phoenix Versão 1.0 - Novembro/2010 Manual de Instalação do Servidor Orion Phoenix Versão 1.0 - Novembro/2010 Manual de Instalação do Sistema Orion Phoenix 1.0 - Novembro/2010 Página 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. VISÃO GERAL...3 3. PROCEDIMENTOS

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Compra Direta - Guia do Fornecedor PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Página As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis referências a web sites, estão sujeitas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E O que é roteamento e acesso remoto? Roteamento Um roteador é um dispositivo que gerencia o fluxo de dados entre segmentos da rede,

Leia mais

IBM SPSS Modeler - Princípios Básicos do R: Instruções de Instalação

IBM SPSS Modeler - Princípios Básicos do R: Instruções de Instalação IBM SPSS Modeler - Princípios Básicos do R: Instruções de Instalação Índice IBM SPSS Modeler - Essentials for R: Instruções de Instalação....... 1 IBM SPSS Modeler - Essentials for R: Instruções de Instalação...............

Leia mais

ROTEIRO PARA TREINAMENTO DO SAGRES DIÁRIO Guia do Docente

ROTEIRO PARA TREINAMENTO DO SAGRES DIÁRIO Guia do Docente Conceito ROTEIRO PARA TREINAMENTO DO SAGRES DIÁRIO Guia do Docente O Sagres Diário é uma ferramenta que disponibiliza rotinas que facilitam a comunicação entre a comunidade Docente e Discente de uma instituição,

Leia mais

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 3

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 3 REFLEXÃO 3 Módulos 0771, 0773, 0774 e 0775 1/5 18-02-2013 Esta reflexão tem como objectivo partilhar e dar a conhecer o que aprendi nos módulos 0771 - Conexões de rede, 0773 - Rede local - instalação,

Leia mais

Instalação - SGFLeite 1

Instalação - SGFLeite 1 Instalação SGFLeite Sistema Gerenciador de Fazenda de Leite Instalação - SGFLeite 1 Resumo dos Passos para instalação do Sistema Este documento tem como objetivo auxiliar o usuário na instalação do Sistema

Leia mais

System Handle ou Referência de Conta de Suporte: Identificação de Contrato de Serviço:

System Handle ou Referência de Conta de Suporte: Identificação de Contrato de Serviço: HP 690 East Middlefield Road Mt. View, CA 94043, EUA Resposta de Clientes N.º (650) 960-5040 System Handle ou Referência de Conta de Suporte: Identificação de Contrato de Serviço: IMPORTANTE: Todos os

Leia mais

Controle de robôs industriais via Labview

Controle de robôs industriais via Labview Leonel Lopes Lima Neto Instituto Tecnológico de Aeronáutica Rua H20B, casa, nº 114, Campus do CTA São José dos Campos São Paulo 12.228-460 Bolsista PIBIC-CNPq leonel@aluno.ita.br Emilia Villani Instituto

Leia mais

Sistema de Supervisão de Mercados 17.06.2015

Sistema de Supervisão de Mercados 17.06.2015 Sistema de Supervisão de Mercados 7.06.205 AGENDA Modelo de Autorregulação da ANBIMA Descrição da ferramenta e seus principais módulos Módulo I Cadastro de Usuários Módulo II Solicitação de Informações

Leia mais

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD)

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD) ******* O que é Internet? Apesar de muitas vezes ser definida como a "grande rede mundial de computadores, na verdade compreende o conjunto de diversas redes de computadores que se comunicam e que permitem

Leia mais

Treinamento. Módulo. Escritório Virtual. Sistema Office. Instruções para configuração e utilização do módulo Escritório Virtual do sistema Office

Treinamento. Módulo. Escritório Virtual. Sistema Office. Instruções para configuração e utilização do módulo Escritório Virtual do sistema Office Treinamento Módulo Escritório Virtual Sistema Office Instruções para configuração e utilização do módulo Escritório Virtual do sistema Office 1. Atualização do sistema Para que este novo módulo seja ativado,

Leia mais