VIRTUALIZAÇÃO OPEN SOURCE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIRTUALIZAÇÃO OPEN SOURCE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO Engenharia da Computação LEANDRO SOUZA CARNEIRO VIRTUALIZAÇÃO OPEN SOURCE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Itatiba 2012

2 2 LEANDRO SOUZA CARNEIRO R.A VIRTUALIZAÇÃO OPEN SOURCE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Monografia apresentada ao Curso de Engenharia de Computação, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Engenharia de Computação. Orientador: Prof. Ms. Rodrigo Luis Nolli Brossi Itatiba 2012

3 3 A memória de meu pai, exemplo de sucesso, homem e pai de família.

4 4 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente ao meu pai, Jurandir de Souza Carneiro, que infelizmente não está mais neste mundo, pela dedicação e incentivo dados a mim. A minha mãe, Roseli Maria Del Roy Carneiro, que continuou forte e me apoiando nesta trajetória. A minha namorada, Carla Ribeiro Babo, por me ajudar e apoiar durante esses anos. Ao Fábio Roberto Oliveira, amigo e tutor profissional, que está sempre ao meu lado ensinando-me e encaminhando-me, o qual foi responsável pelo interesse no assunto pesquisado. Ao Prof. Rodrigo Luis Nolli Brossi, orientador, professor e amigo, que ajudou com que este estudo fosse bem elaborado. Agradeço finalmente aos amigos de classes, que por todos estes anos sempre compartilharam conhecimento sobre diversos assuntos.

5 5 "Limitações são fronteiras criadas apenas pela nossa mente." Provérbio Chinês

6 6 RESUMO Nos dias de hoje, virtualização é um tema muito abrangente que se tornou, de certa forma, comum. Atualmente, podem-se encontrar máquinas virtuais em notebooks de uso pessoal, estações de trabalho e em servidores, isso devido sua alta empregabilidade, seja em aproveitar recursos de outro sistema operacional para uso doméstico, interpretação de bytecodes Java em uma fábrica de software, ou ainda para fornecer servidores virtualizados. Para as empresas, a virtualização de servidores é uma solução que gera economia de espaço físico, diminui custos com o resfriamento dos servidores físicos, e ainda, faz melhor uso do hardware adquirido, maximizando seus recursos. Porém, para realizar um projeto desses é necessário pensar em custos, um dos fatores críticos para o impedimento da implantação em pequenas e médias empresas é o preço de licenças dos softwares de virtualização. Por esse motivo, este trabalho visa apresentar, com base em estudos bibliográficos, conceitos de virtualização de servidores, bem como os softwares geralmente empregados e algumas de suas características. Também serão demonstrados os benefícios e problemas de projetos de virtualização através de casos de mercado. Ainda, o trabalho consta com a apresentação de um ambiente de virtualização open source através da solução KVM, que é a resposta para a implantação de projetos em empresas que não disponibilizam de verba para investimento e aquisição de softwares proprietários. Palavras-chave: virtualização. servidores. KVM.

7 7 ABSTRACT Nowadays, virtualization is a very embracing theme which, in some ways, common. Presently, virtual machines can be found in personal use notebooks, workstation and servers, due to the high employability to utilize resources of other operational systems for domestic use, to interpretation of bytecodes or to provide virtual servers. For companies, the server virtualization is a solution which generates saving of space, decreases costs with cooling and makes better use of the hardware purchased. However, to realize a project like these is necessary to analyze the costs, one of the critical factors for implantation impediment in small and medium companies is the software virtualization license price. Therefore, this study aims to present, based on bibliographical studies, concepts of server virtualization, also the softwares usually used and some propriets of these. Besides, will be demonstrated the benefits and problems of a virtualization project through cases. The work also includes a presentation of an open source virtualization environment based KVM solution, which is the answer to the implantation of projects in companies which do not provide the budget for invest and acquisition proprietary softwares. Key words: virtualization. servers. KVM.

8 8 LISTA DE SIGLAS ACPI AMD AMD-V API APIC AT&T BSD CD CIDR CPU DHCP DNS DVD GB GE GHz HP HTTP IAAS IBM ICMP IP ISA iscsi IVT JVM KVM LUN Advanced Configuration and Power Interface Advanced Micro Devices AMD Virtualization Application Program Interface Advanced Programmable Interrupt Controller American Telephone & Telegraph Berkeley Software Distribution Compact Disc Classless Inter-Domain Routing Central Processing Unit Dynamic Host Configuration Protocol Domain Name System Digital Versatile Disc Gigabyte General Eletric GigaHertz Hewlett-Packard Hypertext Transfer Protocol Infrastructure as a Service International Business Machines Internet Control Message Protocol Internet Protocol Instruction Set Architecture Internet Small Computer System Interface Intel Virtualization Technology Java Virtual Machine Kernel-based Virtual Machine Logical Unit Number

9 9 MAC Mbps MV NAT QEMU RAM RFB RHEV SAAS SO SSH TB TI USB VLAN VM VMM VNC VPS Media Access Control Megabits Per Second Máquina Virtual Network Address Translation Quick Emulator Random Access Memory Remote Framebuffer Red Hat Enterprise Virtualization Software as a Service Sistema Operacional Secure Shell Terabyte Tecnologia da Informação Universal Serial Bus Virtual Local Area Network Virtual Machine Virtual Machine Monitor Virtual Network Computing Virtual Private Server

10 10 v LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 - Interfaces de um SO FIGURA 2 - Máquina Virtual de Processo FIGURA 3 - Tipos de Máquina Virtual de Sistema FIGURA 4 - Virtualização Total FIGURA 5 - Paravirtualização FIGURA 6 - vsphere Web Client FIGURA 7 - Hyper-V Manager FIGURA 8 - XenCenter FIGURA 9 RHEV Manager FIGURA 10 - Virtualização com KVM...29 FIGURA 11- Migração ao vivo FIGURA 12 - Verificação das flags do processador FIGURA 13 - Instalação dos pacotes FIGURA 14 - Verificação do Módulo kvm FIGURA 15 - Interface de rede 'virbr0' FIGURA 16 - Criação e configuração das interfaces virtuais FIGURA 17 - Interfaces de rede FIGURA 18 - Virt-Manager ao fundo, com mouse destacando o botão de criação de máquina virtual e o assistente de criação frente FIGURA 19 - Criação da Máquina Virtual FIGURA 20 - Instalação do Sistema Operacional em máquina virtual através de VNC FIGURA 21 - Adicionar Servidor I FIGURA 22 - Adicionar servidor II FIGURA 23 - Tela geral de criação de MV FIGURA 24 - Tela de parametrização de disco e drive virtual FIGURA 25 - Configurações da placa de rede FIGURA 26 - Máquina virtual criada com sucesso FIGURA 27 - Opções de gerenciamento de máquina virtual FIGURA 28 - Confirmação de migração da máquina virtual FIGURA 29 - Migração e requisições ICMP... 53

11 11 SUMÁRIO INTRODUÇÃO OBJETIVOS METODOLOGIA CONCEITOS CONCEITOS BÁSICOS INTERFACES TIPOS DE MÁQUINAS VITUAIS O HARDWARE MODOS DE VIRTUALIZAÇÃO EMULAÇÃO E SIMULAÇÃO VIRTUALIZAÇÃO PARCIAL, PARAVIRTUALIZAÇÃO E VIRTUALIZAÇÃO COMPLETA O MERCADO E A VIRTUALIZAÇÃO VIRTUALIZADORES VMware Microsoft Hyper-V Citrix XenServer Red Hat Enterprise Virtualization CLOUD COMPUTING e VPS CASES VIRTUALIZAÇÃO EMPRESARIAL KVM (KERNEL-BASED VIRTUAL MACHINE) HISTÓRIA FUNCIONAMENTO RECURSOS INSTALAÇÃO... 31

12 Sistemas Operacionais Pacotes da Instalação GERENCIADORES DE MÁQUINAS VIRTUAIS PARA KVM IMPLEMENTAÇÃO DO AMBIENTE DE VIRTUALIZAÇÃO DEFINIÇÕES DO AMBIENTE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS SERVIDORES KVM Instalação do KVM Configuração da Rede A CRIAÇÃO DE UMA MÁQUINA VIRTUAL GERENCIAMENTO DO AMBIENTE VIA CONVIRT Instalação do ConVirt Adicionar servidores KVM Criação de uma máquina virtual pelo ConVirt Gerenciamento de uma máquina virtual pelo ConVirt BENEFÍCIOS E RISCOS DA VIRTUALIZAÇÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXOS ANEXO A Histórico De Comandos Executados No Servidor KVM-HP ANEXO B Histórico De Comandos Executados No Servidor KVM-AVELL ANEXO C Histórico De Comandos Executados No Servidor Virtual CONVIRT... 67

13 13 INTRODUÇÃO A virtualização é um dos assuntos mais discutidos atualmente na área de tecnologia da informação (TI), porém o conceito de máquina virtual é antigo. De acordo com CARISSIMI, na década de 60, os grandes e caros mainframes necessitavam serem compartilhados entre os usuários que desejavam acessá-los simultaneamente, este seria o primeiro passo para a virtualização, porém a motivação maior para o estudo da tecnologia era a incompatibilidade entre as aplicações que deveriam ser executadas nos mainframes. Nos anos 70 a IBM desenvolveu um mainframe capaz de juntar a multiprogramação e máquina estendida, a qual uma máquina virtual espelha exatamente o hardware verdadeiro. Segundo VERAS, ao passar dos anos os computadores foram se tornando menores e mais comuns, os sistemas operacionais também evoluíram e convergiram em três linhagens (Unix, Macintosh e Microsoft) que contemplavam públicos alvos distintos, sendo assim, softwares distintos, tornando a virtualização um tema pouco abordado. O avanço dos processadores, interfaces de redes e plataformas de desenvolvimento, tornaram os sistemas distribuídos cada vez mais comuns. Ainda por VERAS, máquinas virtuais se tornaram mais conhecidas com o aparecimento da linguagem Java, na qual os softwares não são desenvolvidos para uma linhagem de sistema operacional mencionado a cima, mas para a Java Virtual Machine (JVM), uma máquina virtual que funciona como interpretador de bytecodes, forma intermediaria de código, Java. A JVM pode ser instalada em sistemas operacionais que se tornaram padrões nos servidores, Unix-like, Solaris e Microsoft. Hoje em dia empresas mostram-se interessadas pela virtualização por questões físicas, financeiras e de aproveitamento de recursos. Porém, ao pensar na solução de virtualização é necessário o estudo de fatores importantes como gastos para implementação do projeto, desde a compra de servidores e storages á licenças para os softwares de virtualização. Por esta razão, há no mercado soluções livres, ou seja, que podem ser utilizadas corporativamente sem que haja gastos, diminuindo assim o preço do projeto. Desta maneira, este trabalho apresenta solução de virtualização para pequenas e medias empresas, que não dispõem de grande verba para a implantação de soluções de virtualização, através de conceitos teóricos e práticos.

14 14 OBJETIVOS Este trabalho tem por objetivo explicar, de forma perfunctória, os conceitos de virtualização, bem como os tipos de virtualizadores e seus recursos, sempre com foco na virtualização de servidores. Demonstrar os benefícios e problemas em um projeto de virtualização, elucidar sobre contingência na virtualização e comentar as tendências do mercado sobre o assunto. Criar um ambiente de virtualização totalmente open source baseado em Linux e Kernel-based Virtual Machine (KVM), concentrando os dados dos discos rígidos virtuais em storage.

15 15 METODOLOGIA Para conhecer o conceito e os recursos da virtualização será realizado estudo bibliográfico sobre o assunto. Também serão apresentados tipos de virtualizadores e como eles atuam. Em seguida será estudado através de referências bibliográficas e cases de mercado a importância da virtualização e o beneficio para as empresas. Será apresentada a solução KVM com um detalhamento maior, da história à instalação, com intuito de preparar o ambiente de virtualização, baseado em referências bibliográficas. Este trabalho também realizará pesquisa bibliográfica sobre os benefícios e problemas em adotar a virtualização.

16 16 1 CONCEITOS 1.1 Conceitos Básicos É importante entender que, segundo VIEIRA, há dois tipos de máquinas virtuais, uma destinada a aplicações, chamada máquina virtual de processos e outra à sistemas, o monitor de máquinas virtuais, ou hypervisor. Com tudo, também é relevante conhecer que o hypervisor pode fornecer virtualização total ou para-virtualização. Como mencionado, a virtualização começou nos anos 60 e 70 em grandes computadores da época que geravam cópias fieis ou distintas do seu ambiente de forma virtual, com o conceito de máquina estendida. TANENBAUM (2007) conceitua virtualização pela possibilidade de estender ou comutar um recurso, ou uma interface, existente por outro, a fim de obter comportamento semelhante. Assim sendo, a partir de um hardware real vários hardwares virtuais podem ser disponibilizados, possibilitando a criação de várias máquinas virtuais. Para entender o que é máquina virtual é importante relembrar dois conceitos, processos e hierarquia. Processo, segundo TANENBAUM (2003), é a abstração de um programa em execução em um ambiente compartilhado, composto por memória e registradores lógicos. A constante troca de contexto, dado pelo salvamento do estado da memória e pela alternância entre os registradores lógicos nos registradores físicos, da impressão de todos os programas serem executados ao mesmo tempo. Logo, pode-se assumir que um processo é um tipo de máquina virtual que executa um único programa. Para CARISSIMI, hierarquia pode ser definida em computação como a estruturação em camadas com níveis desiguais de abstrações e interfaces.

17 Interfaces Em um sistema computacional, CARISSIMI afirma que geralmente se encontram três tipos de interfaces: instruções de máquina privilegiadas; instruções de máquina não privilegiadas; e a interface aplicativa de programação, como ilustrado pela FIGURA 1. Fonte: CARISSIMI, A. Virtualização: da teoria a soluções. FIGURA 1 - Interfaces de um SO Ainda por CARISSIMI, os processadores detém um conjunto de instruções de máquina, divididas em privilegiadas e não privilegiadas, chamado de Instruction Set Architecture (ISA), o qual gera a interface entre software e hardware. Esta subdivisão cria níveis que separam os programas entre o nível usuário, aquele em que o software pode apenas executar instruções não privilegiadas, e o nível de programas com privilégios especiais, como um sistema operacional, que pode executar qualquer tipo de instrução. Seguindo a linha de raciocínio de CARISSIMI, outra interface é dada pelas instruções de máquina não privilegiadas e as chamadas do sistema. Nesta, é possível que os programas de usuários acessem de forma indireta e supervisionada os recursos de hardware, possibilitando a execução de instruções não privilegiadas direto no processador. A terceira interface relata CARISSIMI, é chamada de interface aplicativa de programação, Application Program Interface (API), é dada pela chamada a funções de bibliotecas que ocultam as chamadas de sistema.

18 Tipos de Máquinas Virtuais SEO afirma que as máquinas virtuais podem ser concebidas de duas formas. A máquina virtual de processo, ou seja, um programa que fornece um ambiente de execução de outras aplicações, como a JVM, ou que emule chamadas de sistemas operacionais, representada na FIGURA 2. Ou então a máquina virtual de sistema, uma camada de software, denominada de monitor de máquina virtual, Virtual Machine Monitor (VMM). Fonte: CARISSIMI, A. Virtualização: da teoria a soluções. FIGURA 2 - Máquina Virtual de Processo Ainda segundo SEO, esta nova camada pode estar acima da camada de hardware, criando o conceito de Bare-Metal, ou seja, a virtualização que está antes da camada do sistema operacional, ou então em seu núcleo. Em algumas literaturas o VMM neste modo é nomeado hypervisor tipo 1, ou então nativo. Há a possibilidade do monitor de máquina virtual ser criado a cima de um sistema operacional. Nesta maneira é chamado de hypervisor tipo 2. Porém, como não há padrões definidos de nomenclatura, muitos autores abstraem os termos e tratam o monitor de máquina virtual apenas como hypervisor, a seguir FIGURA 3 ilustrando os dois tipos de hypervisor.

19 19 Fonte: software.intel.com FIGURA 3 - Tipos de Máquina Virtual de Sistema CARISSIMI relata que o VMM é fornecido toda vez que o computador estiver ligado, realizando a proteção do sistema operacional ao acesso direto dos recursos físicos e possibilitando que seja consumida simultaneamente por diferentes programas. Ao se tratar de máquinas virtuais, surge o conceito simples de hóspede e hospedeiro. O hospedeiro é a máquina física onde as máquinas virtuais, chamadas de hóspedes, estão sendo executadas. 1.4 O Hardware Para haver virtualização é imprescindível que o processador auxilie o software na execução de tarefas. Nos anos 70, POPEK e GOLDBERG (1974), afirma que foram introduzidas três propriedades necessárias para o suporte a virtualização: eficiência, controle de recursos e equivalência. Estas propriedades têm por característica assegurar o isolamento, a estabilidade e legitimidade de uma máquina virtual. Para garantir que os processadores pequenos, de arquitetura x86 de 32 ou 64 bits, fossem capazes de suportar a virtualização os fabricantes Advanced Micro Devices (AMD) e Intel os aprimoraram criando a tecnologia AMD Virtualization (AMD-V) e Intel Virtualization Technology (Intel VT), que embora tenham as mesmas funcionalidades não são compatíveis.

20 20 2 MODOS DE VIRTUALIZAÇÃO 2.1 Emulação e Simulação As técnicas de simulação, por LOTTI e PRADO, são baseadas em manter modelos matemáticos que dadas as entradas e condições de funcionamento de um sistema, os resultados esperados de retorno seja semelhante ao de um ambiente real, por exemplo, em um simulador de voo. Já as técnicas de emulação consistem em criar uma camada de software, que segundo MARSHALL, REYNOLDS, e MCCRORY (2006), faz a tradução de todas as instruções da máquina emulada para a máquina hospedeira, por exemplo, a emulação de uma plataforma de 8 bits, no caso de um emulador de videogame antigo. 2.2 Virtualização Parcial, Virtualização Completa e Paravirtualização A virtualização parcial, segundo LOTTI e PRADO, foi um marco histórico da virtualização, este tipo consiste em promover a virtualização por espaços de endereçamento em que a máquina virtual simula várias instâncias de um hardware abaixo dela. A partir deste modelo surgiu a virtualização completa. CARISSIMI afirma que, a virtualização total, apresentada na FIGURA 4, promove uma cópia virtual da camada de hardware, desta maneira, as aplicações são executadas exatamente como seriam em um hardware original. Assim, o sistema operacional virtualizado não necessita ser modificado para executar sobre um monitor de máquinas virtuais. Porém há custos para este modelo, como todas as instruções não serão modificadas, deve-ser haver o teste destas para identificar se são ou não sensíveis, consumindo processamento. Também há o fator de que a imitação do exato comportamento de cada dispositivo é complicada, sendo necessário criar um VMM que suporte genericamente um conjunto de dispositivos. Ainda há a

21 21 questão de que cada sistema operacional é implementado de uma forma e o hypervisor deve ser flexível a ponto superar estes desencontros, por exemplo, em uma paginação de memória, isto contribui para a queda do desempenho. Fonte: CARISSIMI, A. Virtualização: da teoria a soluções. FIGURA 4 - Virtualização Total No caso da paravirtualização, representada na FIGURA 5, o objetivo é apresentar técnicas para solucionar os problemas da virtualização total. Segundo LAUREANO e MAZIERO o sistema virtualizado é modificado a cada instrução sensível, logo o teste de cada instrução que poderia acessar diretamente os recursos físicos e abalar a integridade das máquinas virtuais não se torna mais necessário. Também há drivers na VMM que facilitam a comunicação aos dispositivos de hardware real. Fonte: CARISSIMI, A. Virtualização: da teoria a soluções. FIGURA 5 - Paravirtualização

22 22 3 O MERCADO E A VIRTUALIZAÇÃO A terceirização nas empresas faz-se presente em diversos setores, a principal vantagem desta se da pelo fato de não ser necessário manter funcionários próprios no seu quadro, basta contratar o serviço em questão, explica GIOSA. Na TI a terceirização também é frequente, BERNSTORFF e CUNHA apresentam em seu estudo que empresas como Settle fornecem serviços de banco de dados aos seus clientes. Neste caso não seria necessário a presença de um administrador de banco de dados na folha e pagamento das empresas clientes. Porém não são apenas pessoas que são terceirizadas, atualmente as empresas buscam reduzir custos também na compra de equipamentos e softwares, um exemplo de software como um serviço (SaaS) é a solução Google Docs, do Google, no qual é possível fazer uso de editores de texto ou criar planilhas, sem a necessidade de adquirir ou instalar alguma solução. Para equipamentos a empresa Locaweb, por exemplo, especialista em hospedagem e armazenamento, tem soluções do tipo infraestrutura como um serviço, Infraestructure as a Service (IaaS) em inglês, ou seja, as empresas não necessitam comprar servidores e switches, basta apenas contratar o serviço. 3.1 Virtualizadores Dentre as soluções disponibilizadas no mercado para virtualização de servidores destacam-se as empresas VMware, Microsoft, Citrix e Red Hat, com os produtos vsphere, Hyper-V, XenServer e Red Hat Enterprise Virtualization (RHEV) respectivos. Este estudo apresentará de forma perfunctória as características destas soluções.

23 VMware As soluções corporativas da empresa VMware são as mais conhecidas, são totalmente bare-metal e dotada de vários recursos, porém são soluções proprietárias e caras. Atualmente foi lançado o vsphere 5, uma plataforma completa de virtualização que, segundo a própria VMware, converge na arquitetura ESX de hypervisors para virtualização de computadores, esta arquitetura também é proprietária e foi desenvolvida pela VMware. Para realizar o gerenciamento do ambiente a VMWare disponibiliza o gerenciador vsphere Client, exemplificado na FIGURA 6. As versões mais novas deste gerenciador são web. Esta solução destaca-se por ter suporte a novas tecnologias como USB 3.0 e smartcards, também por prover suporte a gráficos avançados, além de suportar máquinas virtuais extremamente potentes com mais de 32 CPUs e 1TB de RAM. Fonte: vmware.com FIGURA 6 vsphere Web Client

24 Microsoft Hyper-V O Hyper-V é a solução da Microsoft para virtualização de computadores. Este produto utiliza a técnica de bare-metal. Segundo a Microsoft, a última versão disponível no mercado é o Hyper-V Server 2008 R2, que para ser acessado é necessário uma licença do Windows Server Para o gerenciamento das máquinas virtuais, utiliza-se o Hyper-V Manager, exemplificado na FIGURA 7, uma aplicação que está presente nos recursos do Windows e pode ser ativado no servidor ou em computadores clientes que executam o Windows 7. A solução é bem completa, porém como os produtos Microsoft, é proprietária e de custo elevado. Contudo, pode ser bem aceita por empresas parceiras a este fornecedor ou para aquelas que não detêm de expertise em ambientes Unix-like. Fonte: microsoft.com FIGURA 7 Hyper-V Manager

25 Citrix XenServer Em 2007, segundo o site da Citrix, a empresa comprou a XenSource, a qual desenvolvia softwares para virtualização. Hoje o XenServer é uma forte solução de virtualização para servidores no mercado. Este produto opera adicionando um módulo Xen para virtualização no kernel do Linux, categorizando assim a virtualização bare-metal. O XenServer conta com o XenCenter, FIGURA 8, uma solução web para o gerenciamento do ambiente, porém, por se tratar de XEN, outras ferramentas podem ser utilizadas. Atualmente o XenServer é disponibilizado no mercado nas modalidades gratuita e Premium, esta ultima é paga. Fonte: citrix.com FIGURA 8 XenCenter

26 Red Hat Enterprise Virtualization A empresa Red Hat, especialista em soluções envolvendo distribuição Linux para empresas desenvolveu o Red Hat Enterprise Virtualization, uma ferramenta de virtualização baseada em KVM. Segundo a Red Hat, o RHEV suporta máquinas virtuais com mais de 64 CPUs virtuais e 512GB de RAM. O gerenciamento pode ser feito através do RHEV Manager, exemplificado na FIGURA 9. Esta solução esta tem bastante espaço no mercado, principalmente naquelas que usam o Red Hat Enterprise Linux, a distribuição Linux deste fornecedor. Fonte: redhat.com FIGURA 9 RHEV Manager

27 Cloud Computing e VPS No mercado atual, o conceito de IaaS está bem consolidado e significa a contratação de uma empresa para disponibilizar servidores, ao invés de compra-los e armazena-los. A vantagem desta alternativa é o fato de que a empresa contratante não precisa se preocupar em criar salas especiais para manter os servidores resfriados e com alta disponibilidade, basta apenas um link de internet para conseguir acessar o servidor contratado. Ao solicitar um serviço de IaaS, há as opções de ser ou um servidor virtual privado, Virtual Private Server (VPS) em inglês, ou em nuvem, Cloud, ou ainda um servidor físico alocado no DataCenter do fornecedor do serviço. Segundo a empresa Locaweb do ramo de virtualização e hospedagem, o VPS, como o próprio nome informa, é um servidor virtual, porém este está sendo executado sobre uma máquina física conhecida, caso aconteça falha no servidor hóspede as máquinas virtuais serão afetadas. Ainda de acordo com a Locaweb, na modalidade Cloud o servidor virtual contratado está em uma floresta de servidores de virtualização e é difícil de saber ao certo onde está sendo executado, pois há dinamismo e a máquina virtual migra entre os servidores físicos, ao acontecer falha em um destes, a máquina virtual pode ser movimentada a outro servidor sem que haja perdas. 3.3 Cases Virtualização Empresarial Segundo a COMPUTERWORLD, a virtualização em corporações está bem difundida, um exemplo é a General Eletric (GE) que criou uma unidade global de integração e gerenciamento da infraestrutura de TI, aponta que 60% dos servidores na américa latina são virtualizados. A GE economiza 1.4 milhões de dólares com a virtualização de seus servidores. Além do mercado mundial, o setor de pesquisa também utiliza do recurso de consolidação de servidores, a Organização Europeia de Pesquisa Nuclear, de acordo com GREENEMEIER, planeja dividir quatro mil servidores físicos em trinta e cinco mil servidores virtuais, economizando energia e resfriamento.

28 28 4 KVM (KERNEL-BASED VIRTUAL MACHINE) O Kernel-based Virtual Machine, ou KVM como é conhecido, foi desenvolvido primeiramente pela empresa Qumranet Technologies, segundo KIVITY, líder dos desenvolvedores do projeto, KVM é um sistema de virtualização para arquitetura x86 baseada em Linux capaz de executar várias máquinas virtuais isoladamente, semelhante as soluções de virtualização e emulação concorrentes. 4.1 História No começo dos anos 2000, a Qumranet Technologies começou a desenvolver a solução de virtualização KVM, um projeto que segundo KIVITY era simples e relativamente pequeno, contendo apenas, aproximadamente, dez mil linhas de código, diferentemente das soluções concorrentes da época, como o VMware ou XEN. Em 2008, a Red Hat adquiriu a Qumranet visando dar continuidade aos projetos de virtualização e ofertar o KVM em sua distribuição Linux, o Red Hat Enterprise Linux, segundo o site da própria Red Hat. 4.2 Funcionamento Para compreender o funcionamento do KVM é necessário entender que este utiliza um software chamado QEMU. De acordo com o site do QEMU, este é um software de código aberto que pode trabalhar como emulador ou virtualizador. Segundo a Red Hat, o módulo do KVM foi incluído ao kernel do Linux desde a versão A IBM menciona que este módulo transforma o kernel Linux em um hypervisor.

29 29 TANEMBAUM diz que um processo tem dois modos de execução: O modo kernel,o qual pode ser executado instruções de máquina privilegiadas e o modo usuário, onde apenas instruções não privilegiadas são aceitas. Porém, como uma máquina virtual é um processo mais complexo que um processo comum e necessita de maior prioridade além da garantia de integridade, de acordo com a IBM, ao adicionar o módulo KVM ao kernel é criado um terceiro modo, o modo convidado. Neste novo modo, é adicionado o dispositivo kvm, em /dev/kvm, que permite que cada máquina virtual tenha seu próprio espaço de endereço de memória separado do kernel ou de qualquer outra máquina virtual que esteja sendo executada. Ainda pela IBM, os dispositivos em /dev são comuns a todos os usuários, mas não em /dev/kvm, neste cada processo de máquina virtual abre um mapa diferente, suportando assim o isolamento. O modo convidado, explica a IBM, serve para executar algumas instruções dos sistemas operacionais convidados, ou seja, dos sistemas operacionais que estão sendo executados em uma máquina virtual. Segundo a IBM, o KVM trabalha com um QEMU levemente modificado para virtualizar a entrada e saída. Cada requisição de entrada e saída de um sistema operacional convidado é interceptada e redirecionada ao modo de usuário para que o QEMU as emule, a FIGURA 10 demonstra a virtualização de uma máquina virtual através do KVM. Fonte: Adaptado de IBM. Discover the Linux Kernel Virtual Machine. FIGURA 10 - Virtualização com KVM

30 Recursos Dentre os recursos do KVM destaca-se sua alta capacidade de virtualizar máquinas muito potentes com dezenas de CPUs virtuais e muita RAM. Porém, um recurso interessante do KVM é a possibilidade tanto da migração offline quanto da migração ao vivo. A Red Hat diz que a migração consiste em transferir uma máquina virtual de um servidor para outro, porém para que isso ocorra o disco virtual deve estar em uma área compartilhada entre ambos servidores. A migração ao vivo, ou live migration em inglês, segundo a Red Hat é a transferência da memória da máquina virtual que está em execução para outro servidor de virtualização, a FIGURA 11 faz uma representação esquemática do processo. Toda modificação nas páginas de memória da máquina virtual são monitoradas ao iniciar a migração. De acordo com a Red Hat, numa primeira iteração é enviado ao servidor destino todas as informações memória da máquina virtual, porém ao passo que as informações trafegam para outro servidor, há alteração nas páginas de memória, então há mais iterações entre os servidores para o envio da memória alterada. Estas iterações acontecem até que as duas máquinas estejam completamente sincronizadas, após isto a máquina virtual é suspensa no servidor que estava sendo executada, após isto é carregado o valor dos registradores na máquina virtual no outro servidor e então passa a ser executada normalmente. O interessante, ainda de acordo com a Red Hat, é o fato de que a máquina virtual fica totalmente operante enquanto está migrando de servidores, ou seja, nenhuma informação é perdida. Porém este método é mais lento do que a migração com a máquina virtual desligada ou suspensa. De acordo com o site do KVM, a migração de máquinas virtuais pode ser feita entre servidores com processadores Intel e AMD, respeitando o fato de que servidores com processadores 32bits somente serão capazes de receber máquinas virtuais vindas de servidores com processadores com palavra de igual tamanho. Desta maneira, ao criar um ambiente de virtualização não é necessário manter a fidelidade em uma linha especifica de processadores.

31 31 Fonte: Adaptado de technet.microsoft.com FIGURA 11 - Migração ao vivo 4.4 Instalação A instalação do KVM e a execução das máquinas virtuais, como aponta a IBM, não tem um requisito mínimo quanto a hardware, exceto possuir um processador dotado das tecnologias para a virtualização mencionadas nesta monografia, porém como este servidor será utilizado para executar máquinas virtuais com sistemas operacionais completos é recomendado que possua pelo menos 2GB de memória RAM e um processador Dual Core 1,5GHz. Atualmente o KVM pode ser instalado em processadores 32 e 64 bits além de alguns modelos de PowerPC, informa o site do KVM Sistemas Operacionais O Kernel-based Virtual Machine, como o próprio nome sugere, é baseado no Kernel do Linux, porém este não é o único sistema operacional onde se pode ser instalado, no site do KVM há a informação de esta solução é suportada em BSD s.

32 32 No tópico 4.2 foi explicado que os módulos do KVM são nativos em Linux kernel ou superiores, no entanto, não há problemas em instalar estes módulos em kernel mais antigo como utilizado no Red Hat Enterprise Linux 5. São muitas as distribuições onde se pode instalar o KVM, porém as mais utilizadas no mercado para este fim são a OpenSUSE, Debian, Fedora e Red Hat Enterprise Linux, ou sua versão da comunidade, o CentOS Pacotes da Instalação A instalação é, comumente, realizada através dos pacotes encontrados nos repositório da distribuição emprega como servidor, estes são facilmente adquiridos e instalados pelo gerenciador de pacotes. Para agilizar a instalação, é possível instalar o grupo de pacotes KVM que já inclui tudo que é necessário ou então instalar oito pacotes, sendo eles kmod-kvm, kvm, kvmqemu-img, kvm-tools, python-virtinst, virt-manager, uml_utilities e bridge-utils, segundo a NixCraft. Ainda segundo a equipe NixCraft, o kmod-kvm é responsável pelo adicionamento do módulo kvm ao kernel, já o pacote kvm é a própria solução KVM, o pacote kvm-qemuimg contém o utilitário do QEMU para as imagens do disco, kvm-tools são ferramentas para debug e diagnostico do KVM, módulos Python e utilitários para a instalação de máquinas virtuais são adicionados ao instalar o python-virtinst, virt-manager contém ferramentas para gerenciamento das máquinas virtuais, uml_utilities e bridge-utils contém as ferramentas necessárias para criar bridges entre placas de rede, esta ponte é responsável por fazer a comunicação entre a placa de rede física com as placas de redes virtuais.

33 Gerenciadores de Máquinas Virtuais para KVM Ao instalar o KVM, é instalado um gerenciador de máquinas virtuais chamado Virtual Machine Manager ou simplesmente Virt-Manager, este gerenciador também se faz presente quando instalado o XEN. Segundo o site do Virt-Manager, este programa é escrito em Python e tem como base a API LibVirt, cuja funcionalidades são capazes de interagir com os mais diversos hypervisors do mercado. No entanto, o Virt-Manager é uma aplicação desktop, o que pode gerar alguns problemas para os administradores, pois seria necessário tê-lo instalado para gerenciar os servidores. Entretanto, no momento da instalação, também é adicionada ao servidor a ferramenta virsh, que segundo a Red Hat, trata-se de um gerenciador texto baseado na API mencionada acima, ajudando assim, os administradores visto que pode ser acessado através de qualquer SSH. Porém com o avanço e a tendência a migração a Web, os gerenciadores de máquinas virtuais mais utilizados no mercado, atualmente, são no formato Web. No site do KVM há uma tabela com todos os gerenciadores compatíveis com este hypervisor. Dentre as soluções open-source de gerenciamento, destacam-se o Eucalyptus, ovirt e Convirt, sendo os dois primeiros capazes de construir e servir Clouds, já o último só apresenta este recuso na versão proprietária.

34 5 IMPLEMENTAÇÃO DO AMBIENTE DE VIRTUALIZAÇÃO 34 Com base na pesquisa realizada, este trabalho irá contar com a implementação de um ambiente de virtualização totalmente open-source visando pequenas e médias empresas, a fim de tentar demonstrar que não é necessário investimento alto para obter resultados consideráveis para realização do projeto. 5.1 Definições do Ambiente Para simular os servidores de uma empresa serão utilizados computadores portáveis, sendo dois Notebooks para representação dos servidores KVM e um Netbook para representar um storage iscsi o qual concentrará as imagens dos discos virtuais. O primeiro Notebook, da marca Avell, tem 8GB de memória RAM e processador Intel i7, o segundo, da marca HP, conta com processador Intel i3 e 4GB de RAM. O Netbook tem disponível 50GB de espaço em disco. Todos os dispositivos serão conectados via cabo de rede, para chegar o mais próximo possível a ambientes coorporativos. Para representação do storage foi selecionado a distribuição Linux OpenFiler na modalidade gratuita, a qual é capaz de prover serviços de armazenamento de dados e transferências com tecnologia iscsi. O sistema operacional escolhido para os servidores KVM foi o CentOS 6.3 com arquitetura de 64 bits, pelo fato de ser uma distribuição gratuita e com licença para fins comerciais, além de ser a mais próxima do Red Hat Enterprise Linux, distribuição empresarial utilizada em grandes corporações. O nome dado aos Notebooks com KVM foi atribuído conforme suas marcas, sendo o primeiro Notebook nomeado como KVM-Avell e o segundo KVM-HP. Para o storage o nome dado foi OpenFiler. Todos os computadores fazem parte do domínio fictício lcarneiro.com.br. A configuração do storage e seus serviços não fazem parte do escopo deste projeto,

35 35 será adotado que os servidores entenderão que se trata de um storage já implementado e que basta mapear e montar os LUN s deste. Por conveniência o /mnt dos servidores será destinado somente a esta finalidade, e todos os dados dentro desta pasta fazem referência aos dados no storage. Por se tratar de um ambiente com finalidade apenas de pesquisa e demonstração de recursos, não será implementado um servidor de DHCP, logo todos os computadores terão IP fixo com na faixa e máscara CIDR /24. Será utilizada a ferramenta Putty para Windows para realizar a conexão aos servidores via SSH a fim de realizar a configuração dos mesmos. Para acesso gráfico via VNC será utilizado o software UltraVNC. 5.2 Instalação e Configuração dos servidores KVM Instalação do KVM Ao começar a instalação do KVM, muitos tutoriais fazem questão da verificação das flags vmx ou svm nas informações do processador, como é o caso do tutorial disponibilizado no Wiki do CentOS, estas flags são os identificadores das tecnologias de virtualização nos processadores, sendo vmx referencia ao Intel-VT e svm para AMD-V explica a IBM. Caso efetuada a verificação e não se obtiver retorno, o processador não tem tais tecnologias, sendo descartado na empregabilidade de servidor de máquinas virtuais. Como os processadores empregados nesta pesquisa são novos, a verificação retorna com resultado, como ilustrado na FIGURA 12.

36 36 Fonte: Autoria própria FIGURA 12 - Verificação das flags do processador Depois de realizada a constatação que o processador é compatível para a finalidade desejada, é necessário realizar a instalações dos pacotes apresentados no item desta monografia. Na distribuição utilizada, o gerenciador de pacotes é o Yum. A FIGURA 13 a seguir exemplifica essa instalação.

37 37 Fonte: Autoria própria FIGURA 13 - Instalação dos pacotes Com a instalação completa, deve-se reiniciar o servidor e então verificar se o módulo do kvm está presente no kernel. Fonte: Autoria própria FIGURA 14 - Verificação do Módulo kvm Como observado na FIGURA 14, está presente o módulo kvm no kernel do servidor, desta forma, tudo que é necessário para o ambiente estar funcional se faz presente. É necessário ativar o serviço libvirtd, baseado na API libvirt apresentada anteriormente, que é responsável pela comunicação com o hypervisor e gerenciamento. É muito importante que este serviço sempre esteja ativo, explica a Red Hat.

38 Configuração da Rede Ao instalar o KVM uma interface de rede virtual, virbr0, é automaticamente adicionada, como apresentado na FIGURA 15, esta interface é responsável pelo Network Address Translation (NAT) no dispositivo de Ethernet padrão, relata a Red Hat. Porém máquinas virtuais criadas com placas de rede em modo NAT recebem um IP fora da faixa de utilização pelos demais computadores da rede em questão, logo a máquina virtual fica isolada apenas a faixa de NAT, segundo a VMWare. Ainda de acordo a VMWare, para resolver este problema existem as pontes, conhecidas pelo seu nome em inglês, Bridges. Estas bridges são responsáveis por fazer a comunicação do dispositivo Ethernet físico com as placas de rede virtuais, desta forma, as máquinas virtuais criadas com placas de rede em bridge recebem IP na mesma faixa dos demais computadores na rede. Fonte: Autoria própria FIGURA 15 - Interface de rede 'virbr0' Para configurar a bridge, é necessário entender o que é TUN e TAP. Ambos são dispositivos de rede virtual, TAP é a simulação de um dispositivo na camada 2, de enlace, onde trafegam-se os frames, TUN é simula o dispositivo que trabalha na camada 3, de rede,

39 39 onde trafegam-se os pacotes, explica CASSIMIRI. TAP é utilizado para a construção de pontes, para ligar dois MACs e TUN para é utilizado para o roteamento, visto que basta endereçar o pacote ao seu destino, relata a VMWare. Logo, para que a máquina virtual tenha comunicação com a rede em que o servidor se encontra, sua placa de rede virtual deve ter uma ponte com a placa de rede do servidor através do MAC. Para criar a bridge, é utilizado o pacote instalado anteriormente, o bridge-utils, neste se encontra a ferramenta brclt capaz de gerenciar interfaces ponte. Então, se cria a ponte br0 entre a interface física eth0 e a interface TAP tap0, de acordo com o Wiki do CentOS. A interface tap0 ficará fixa e iniciará com as demais, ao iniciar uma máquina virtual, automaticamente é criada uma interface tap exclusiva para ela de acordo com seu endereço MAC. Ainda concordando com o Wiki, deve-se garantir que o diretório /dev/net/tun seja lido e escrito pelo usuário root e pelo grupo kvm, como a FIGURA 16 ilustra. Fonte: Autoria própria FIGURA 16 - Criação e configuração das interfaces virtuais Neste momento, ao executar a ferramenta ifconfig para consultar a rede, serão exibidas as placas br0 e tap0 além das já existentes, desta forma, as máquinas virtuais poderão trabalhar com sua placa de rede virtual em modo bridge, demonstrado na FIGURA 17.

40 40 Fonte: Autoria própria FIGURA 17 - Interfaces de rede 5.3 A Criação de uma Máquina Virtual Com o ambiente completamente configurado é possível criar de uma máquina virtual com disponibilidade de comunicação com outras máquinas da rede, visto que sua faixa de IP será a mesma que as demais. A criação será feita através da ferramenta de linha de comando virt-install contida no virt-manager instalado anteriormente, pois o acesso ao servidor, como mencionado, é feito através de SSH. No entanto, a criação pode ser feita de forma gráfica através da interface do virt-manager e o assistente de criação, FIGURA 18.

41 41 Fonte: Autoria própria FIGURA 18 - Virt-Manager ao fundo, com mouse destacando o botão de criação de máquina virtual e o assistente de criação à frente. Será criado uma imagem de um disco virtual de 10GB em branco, nomeado VM- Linux.img. Depois de criado o disco, é necessário iniciar a máquina virtual para a instalação do sistema operacional. Com a ferramenta virt-install conectada ao Qemu-KVM local do servidor são passados os parâmetros para criação da VM como nome, arquitetura do processador, total de processadores e memórias virtuais, entre outros. É possível configurar os parâmetros --vnc --vncport e --vnclisten para que o virtinstall juntamente ao Qemu-KVM crie um servidor Virtual Network Computing (VNC) para realizar a comunicação gráfica com a máquina virtual. Segundo a AT&T, este protocolo é baseado no conceito remote framebuffer (RFB), capaz de ler remotamente o buffer de saída do vídeo e realizar interação com mouse e teclado.

42 42 Na FIGURA 19 abaixo, é representada a criação do disco e da máquina virtual através do virt-install. Foi parametrizado o VNC na porta 5900 do servidor de virtualização KVM-HP, também foi parametrizado a imagem de um CD de instalação do CentOS no CDROM da máquina virtual. Fonte: Autoria própria FIGURA 19 - Criação da Máquina Virtual Para realizar a instalação do sistema operacional nesta máquina virtual, basta conectar via VNC no servidor utilizando as configurações parametrizadas acima e realizar o processo da instalação, como representado na FIGURA 20. Nesta máquina virtual será instalado a solução de o gerenciador de máquinas virtuais da empresa Convirture, o ConVirt. Por se tratar de um gerenciador Web, a administração fica mais acessível o usuário. Esta solução foi adotada pela razão de ser open-source e simples. O fato de não ter a possibilidade de criar Clouds, como citado acima, não atrapalhará sua empregabilidade, visto que o projeto é destinado a empresas de porte pequeno à médio.

43 43 Fonte: Autoria própria FIGURA 20 - Instalação do Sistema Operacional em máquina virtual através de VNC 5.4 Gerenciamento do ambiente via ConVirt O ConVirt é uma solução de gerenciamento de ambientes de virtualização desenvolvido pela empresa Convirture e atualmente a versão gratuita mais recente é a Esta solução foi desenvolvida para tornar a administração mais simples, com a interface parecida com a solução do VMWare Infrastructure Client, o ConVirt conta com funcionalidades interativas, histórico de tarefas e dashboards para análise e monitoramento do ambiente, informa a empresa que desenvolveu o produto. Ainda de acordo com a Convirture, este produto conta com a funcionalidade de criação de modelos para pré-definição das máquinas virtuais, tornando mais eficiente sua

44 44 utilização. Também é possível criar snapshots da máquina virtual com apenas alguns cliques. Para a funcionalidade de migração da máquina virtual entre os servidores, basta clicar e arrastar Instalação do ConVirt A instalação desta solução se dá em duas partes, sendo a primeira no servidor onde o gerenciador será executado e a outra nos servidores de virtualização gerenciados pelo ConVirt. Nos servidores de virtualização, é necessário instalar o pacote chamado convirt-tool e dependendo do servidor, será necessário instalar algumas dependências para que o pacote funcione normalmente. O ConVirt pode ser instalado em um servidor de virtualização ou então em uma máquina virtual, para este projeto será utilizada a máquina virtual criada acima. A instalação é feita através dos pacotes convirt-install e convirt. Depois de instalado o ConVirt pode ser acessado via protocolo HTTP utilizando a porta 8081 e o IP da máquina onde foi instalado. Pode ser configurada uma regra de firewall para que as requisições na porta 80 sejam encaminhas a porta 8081, tornando mais confortável seu uso, também é recomendado criar entradas no servidor DNS para apontar para o ConVirt. Para realizar o login é necessário utilizar uma conta com credenciais pré-configurada no pacote de instalação com usuário e senha sendo admin, informa a Convirture. Nesta versão do ConVirt é possível a criação de novos usuários e grupos, no entanto não é possível definir papeis a estes o que torna a funcionalidade não muito utilizável. As configurações e o gerenciamento do ambiente desenvolvido neste projeto serão apresentados de forma perfunctória, visando às tarefas do cotidiano da administração.

45 Adicionar servidores KVM Após realizar o primeiro login no ConVirt é necessário adicionar os servidores de virtualização, para isto, basta clicar em Servers no menu lateral e então selecionar a opção de adicionar novo servidor na combo-box de ações no canto superior direito. Ou então, como mostra a FIGURA 21, há uma maneira mais próxima ao ambiente do usuário, basta clicar em Servers no menu lateral com o botão direito do mouse e selecionar Add Server. O assistente solicitará a plataforma utilizada para virtualização, neste caso será o KVM, porém o produto suporta também o XEN. O próximo passo, FIGURA 22, é completar as informações necessárias para a comunicação via SSH com o servidor, para isso é necessário passar o IP do servidor no campo do nome do host e a senha do usuário root. Fonte: Autoria própria FIGURA 21 - Adicionar Servidor I

46 46 Quanto o servidor adicionado estiver fora do alcance para o gerenciamento ele será listado normalmente, porém seu ícone será representado em tons de cinza. Para os nós KVM ativos o ícone é um servidor com um símbolo K em azul. As máquinas virtuais que não foram criadas pelo ConVirt, como é o caso da máquina criada no item 5.3 desta monografia, não serão listadas e não poderão ser gerenciadas por esta solução. Fonte: Autoria própria FIGURA 22 - Adicionar servidor II Criação de uma máquina virtual pelo ConVirt Com os servidores adicionados é possível criar máquinas virtuais, para acessar esta funcionalidade se deve clicar em cima do servidor desejado para ser o hospedeiro e selecionar Provision Virtual Machine em Ações.

47 47 A interface de criação da máquina virtual é completa, bem divida e de fácil entendimento. Todas as configurações de uma máquina real podem ser configuradas na virtual. Há também opção para que a máquina virtual seja automaticamente iniciada quando o servidor ficar disponível, esta é uma função que pode ser estratégica. Para o ambiente em questão é necessário estipular que os discos virtuais das máquinas sejam criados no ponto de montagem onde se encontra o storage, desta forma ambos servidores terão acesso. Outro ponto importante na criação é que a placa de rede seja adicionada se baseando na bridge criada anteriormente, é recomendado que o modelo da placa de rede virtual seja rtl8139, pois as distribuições comuns do mercado trazem o driver deste modelo por padrão. O problema da utilização desta placa é que ela trabalha em 100Mbps, caso o usuário desejar maior performance, recomenda-se o modelo virtio, porém é necessário a instalação de driver em alguns sistemas operacionais. Este trabalho demonstrará a configuração de uma máquina virtual para o Windows Server Esta terá 1GB de memória RAM, 14GB de disco e 1 processador. A primeira tela de configuração ficará como apresentado na FIGURA 23 a seguir, não foi alterada a opção de grupo de template, porém foi selecionado o modelo Windows_CD_Install. O nome atribuído foi Windows-2008 e não foi alterado o caminho para o arquivo de configuração da máquina. Em memória, foi estipulado 1024, pois estão em Mega Bytes. Foi configurado 1 CPUs virtual. Nas opções do sistema operacional do visitante foi configurado para trabalhar como tipo Windows, nome Windows 2008 e foi atribuído SP2 na versão. Não foram selecionadas as opções de iniciação da máquina virtual assim que ela for provida e nem que esta máquina deve ser iniciada assim que o servidor estiver ligado.

48 48 Fonte: Autoria própria FIGURA 23 - Tela geral de criação de MV Fonte: Autoria própria FIGURA 24 - Tela de parametrização de disco e drive virtual

49 49 Na FIGURA 24 acima, foram editadas as configurações, através do botão Edit, do disco virtual para que este tenha capacidade de 14GB e criado em /mnt. Foi editado o drive virtual de CD para que seja utilizada uma imagem de um DVD de instalação do Windows Server Fonte: Autoria própria FIGURA 25 - Configurações da placa de rede Como apresentado na FIGURA 25, foi selecionada a placa de rede virtual br0 anteriormente configurada. Não foi preenchido um endereço MAC, desta forma será atribuído automaticamente. No modelo da placa de rede foi selecionado rtl8139 pelo motivo apresentado acima. Não foi alterado nada na tela de configuração de boot nem na tela dos parâmetros do modelo. Em miscelâneas foi alterado o campo plataforma para KVM, pois este estava constando Xen. Foi ativado, trocando o valor de 0 para 1, o APIC e o ACPI.

50 50 Após confirmar a tarefa, será processado e assim que concluído será apresentada a máquina virtual numa hierarquia abaixo ao servidor selecionado para prove-la. No inferior da tela, o histórico apresentará o status da tarefa, como demonstrado na FIGURA 26. Fonte: Autoria própria FIGURA 26 - Máquina virtual criada com sucesso Gerenciamento de uma máquina virtual pelo ConVirt A interface intuitiva do ConVirt deixa o usuário a vontade para trabalhar com segurança. Na a FIGURA 27, são mostradas as funcionalidades para o gerenciamento de uma máquina virtual, ao clicar com o botão direito do mouse em cima de seu nome. A seguir, breve apresentação das funcionalidades segundo o Convirture. A primeira opção refere-se à tela de edição das configurações, esta tela é a mesma utilizada na criação da VM, porém preenchida com seus respectivos dados. A segunda opção da lista são as configurações da máquina em modo texto, pode ser útil para edição rápida.

51 Ambas as configurações são carregadas quando a máquina é iniciada, logo qualquer alteração não será interpretada no ato. 51 Fonte: Autoria própria FIGURA 27 Opções de gerenciamento de máquina virtual A opção View Console concede acesso ao console da máquina virtual, ou seja, tudo que é mostrado na saída pode ser acessado com esta opção, além da possibilidade de entrada de dados utilizando protocolo VNC. Para utilizar esta opção é necessário que o navegador tenha habilitado o Java Plugin, pois o ConVirt conta com um cliente VNC é plataforma, não sendo necessário a instalação de algum outro programa na máquina. Migrar máquina virtual é a próxima opção, esta foi discutida ao decorrer da pesquisa e consiste em transmitir os dados de configuração e da memória de uma máquina virtual para outro servidor. Esta função, como discutido anteriormente, pode ser realizada com a máquina virtual ligada sem que haja perdas ou então com a esta desligada, sendo a primeira forma descrita mais lenta devido as iterações para envio do estado da memória e a segunda mais

52 rápida. O usuário pode utilizar este recurso simplesmente clicando e arrastando a máquina virtual para o novo nó. Será necessária a confirmação da ação, como exibido na FIGURA Fonte: Autoria própria FIGURA 28 - Confirmação de migração da máquina virtual Na FIGURA 29 é demonstrado que a migração a quente, sem haver perda de informações ou, no caso, de pacotes em requisições ICMP.

53 53 Fonte: Autoria própria FIGURA 29 - Migração e requisições ICMP A opção Start tem a funcionalidade de iniciar uma máquina virtual. Para a funcionalidade Start and View Console inicia a máquina e automaticamente abre o cliente VNC. A função de pausar faz com que o servidor congele e pare de processar a memória virtual, porém o processo de virtualização da mesma não é retirado da memória do servidor. Ao realizar a função de resumir o servidor continuará a processar a máquina do estado em que parou. Shutdown é utilizado para desligar a máquina de forma ordenada sem que haja perda de dados, enviando um sinal de desligamento. Caso haja a necessidade de desligar a máquina de forma imediata, há a opção Kill, porém esta não da segurança sobre os dados. Para reiniciar a máquina basta utilizar a função Reboot. A função de hibernar faz com que o servidor mantenha uma imagem da máquina virtual armazenada, para que possa ser restaurada caso haja alguma falha. Em alguns gerenciadores de máquina virtual esta funcionalidade se chama snap-shot.

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Introdução a Virtualização Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Por que virtualizar? Descentralização de recursos computacionais Cloud computing Plena utilização de recursos físicos

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Xen Cloud Platform Xen descomplicado

Xen Cloud Platform Xen descomplicado Xen Cloud Platform Xen descomplicado CAPA A Xen Cloud Platform facilita muito a criação e o gerenciamento de máquinas virtuais sobre o hypervisor Xen. por Boris Quiroz e Stephen Spector A revolução da

Leia mais

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Máquinas Virtuais Agenda Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Histórico Mainframe É um computador de grande porte, dedicado

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

As ferramentas certas para a virtualização eficiente Ferramentas virtuais. Helmuth Castillo - www.sxc.hu. e não gerem trabalho ou preocupações

As ferramentas certas para a virtualização eficiente Ferramentas virtuais. Helmuth Castillo - www.sxc.hu. e não gerem trabalho ou preocupações As ferramentas certas para a virtualização eficiente Ferramentas virtuais CAPA As boas tecnologias já existem. Conheça agora as ferramentas mais adequadas para gerenciar cada solução de virtualização.

Leia mais

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Tecnologias WEB Virtualização de Sistemas Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Conceitos Virtualização pode ser definida como técnica que combina ou divide recursos computacionais para prover

Leia mais

HOW TO Procedimento para instalar Aker Firewall virtualizado no ESXi 5.0

HOW TO Procedimento para instalar Aker Firewall virtualizado no ESXi 5.0 Procedimento para instalar virtualizado no Página: 1 de 15 Introdução Este documento abordará os procedimentos necessários para instalar o (AFW) virtualizado em um servidor ESXi. Será compreendido desde

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

Online Help StruxureWare Data Center Expert

Online Help StruxureWare Data Center Expert Online Help StruxureWare Data Center Expert Version 7.2.7 Appliance virtual do StruxureWare Data Center Expert O servidor do StruxureWare Data Center Expert 7.2 está agora disponível como um appliance

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES

ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES Vitor Rodrigues Tanamachi 1, Weber Poli de Oliveira 1, Alexandre Galvani 1. 1 Departamento de Informática Faculdade de Tecnologia de Bauru (FATEC)

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Um guia para pequenas empresas Conteúdo Seção 1: Introdução ao Modo Windows XP para Windows 7 2 Seção 2: Introdução ao Modo Windows XP 4 Seção 3: Usando

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO NComputing Brasil - #110502 Instalando o Oracle Virtualbox 4.0.2 e Criando uma VM Windows Server 2008 no Virtualbox O que é virtualbox? O virtualbox é um aplicativo de virtualização multi-plataforma

Leia mais

INE651600 Sistemas Operacionais I

INE651600 Sistemas Operacionais I INE651600 Sistemas Operacionais I Thiago Machado Seminário sobre Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização Definição: Permite abstrair os recursos de hardware que uma máquina possui. Criando

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva Sumário Introdução Trabalhos Correlatos Eucalyptus Design Conclusões Visão Geral Introdução:

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO E SUAS IMPLEMENTAÇÕES

TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO E SUAS IMPLEMENTAÇÕES 1 MEC SETEC SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO CAMPUS CUIABÁ DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO E SUAS IMPLEMENTAÇÕES

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com Análise de Desempenho e Viabilidade do Raspberry Pi como um Thin Client utilizando o Protocolo SPICE Luiz Alberto Alves Baltazar 1, João Paulo de Lima Barbosa 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Curso de Ciência

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MO809L. Tópicos em Sistemas Distribuídos 1 semestre, 2015

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MO809L. Tópicos em Sistemas Distribuídos 1 semestre, 2015 MO809L Tópicos em Sistemas Distribuídos 1 semestre, 2015 Virtualização Virtualização Threads/processos: Modo de fazer mais coisas ao mesmo tempo. Concorrência - impressão de execução paralela em computador

Leia mais

Virtualização - VMWare e Xen

Virtualização - VMWare e Xen Virtualização - VMWare e Xen A virtualização consiste na emulação de ambientes isolados, capazes de rodar diferentes sistemas operacionais dentro de uma mesma máquina, aproveitando ao máximo a capacidade

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação

Departamento de Tecnologia da Informação Xen - O case de virtualização da Alergs XIII Enial - Brasília Novembro/2010 DTI Superintendência Administrativa e Financeira Assembleia Legislativa do RS Tópicos abordados: A infraestrutura de TI Alergs

Leia mais

HOW TO Alterando o tipo de interface de rede na VmWare para uso no Aker Firewall 6.7

HOW TO Alterando o tipo de interface de rede na VmWare para uso no Aker Firewall 6.7 Página: 1 de 6 Introdução Este documento auxiliará na configuração das interfaces do VmWare. Solução Por padrão ao adicionar uma interface na VmWare ele configura como E1000 ou E1000e, mas em alguns casos

Leia mais

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Anatomia de uma máquina virtual Cada máquina virtual é um sistema completo encapsulado em um

Leia mais

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro Virtualização Prof. Emiliano Monteiro Conceitos Virtualização significa criar uma versão virtual de um dispositivo ou recurso, como um servidor, dispositivo de armazenamento, rede ou até mesmo um sistema

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM. André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares

Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM. André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares Agenda Overview Histórico Abordagens Desafios em x86 Snapshots Virtualização de Hardware/Plataforma/Sevidor:

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05 Prof. André Lucio Competências da aula 5 Backup. WSUS. Serviços de terminal. Hyper-v Aula 04 CONCEITOS DO SERVIÇO DE BACKUP

Leia mais

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip Se, assim como a maioria, você possui um único PC ou notebook, uma opção para testar as distribuições Linux sem precisar mexer no particionamento do HD e instalar o sistema em dualboot, é simplesmente

Leia mais

AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX

AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX 1 Sumário Tutorial VirtualBox - Configurações e Utilização... 3 Requisitos Mínimos... 3 Compatibilidade... 3 Download... 3 Instalação do VirtualBox... 4 Criando a Máquina Virtual

Leia mais

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers Guia de Instalação Rápida 13897290 Instalação do Backup Exec Este documento contém os seguintes tópicos: Requisitos do sistema Antes de instalar Sobre a conta

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1 O que é um sistema operacional 1.2 História dos sistemas operacionais 1.3 O zoológico de sistemas operacionais 1.4 Revisão sobre hardware de computadores 1.5 Conceitos sobre sistemas

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos FTIN Formação Técnica em Informática Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos Aula 01 SISTEMA OPERACIONAL PROPRIETÁRIO WINDOWS Competências do Módulo Instalação e configuração do

Leia mais

Virtualização: VMWare e Xen

Virtualização: VMWare e Xen Virtualização: VMWare e Xen Diogo Menezes Ferrazani Mattos Professor: Otto Carlos Disciplina: Redes I Universidade Federal do Rio de Janeiro POLI/COPPE 1 Introdução Virtualização Divisão da máquina física

Leia mais

Máquinas Virtuais com o VirtualBox

Máquinas Virtuais com o VirtualBox Máquinas Virtuais com o VirtualBox Marcos Elias Picão www.explorando.com.br No exemplo: Windows XP dentro do Windows 7 Você pode compartilhar livremente sem interesses comerciais, desde que não modifique.

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br CLOUD COMPUTING Andrêza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil.

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil. Virtualização Meu nome: Nome de guerra: Meu e-mail: Marcos Vinicios Bueno Marques Professor Cidão marcos@cidao.com.br Quem sou? Professor e coordenador de cursos de TI do Senac Informática em Porto Alegre,

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Fiery Network Controller para Xerox WorkCentre 7800 Series. Bem-vindo

Fiery Network Controller para Xerox WorkCentre 7800 Series. Bem-vindo Fiery Network Controller para Xerox WorkCentre 7800 Series Bem-vindo 2013 Electronics For Imaging. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto.

Leia mais

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 2007 2012 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Prof. Victor Halla. Unidade IV FUNDAMENTOS DE SISTEMAS

Prof. Victor Halla. Unidade IV FUNDAMENTOS DE SISTEMAS Prof. Victor Halla Unidade IV FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Conteúdo Estudo de Casos; Linux e Windows; Características; VMware e Xen; Características; Ferramentas; Custo total de posse TCO = Total

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

Tutorial de Instalação do CentOS Versão 3.3

Tutorial de Instalação do CentOS Versão 3.3 Tutorial de Instalação do CentOS Versão 3.3 Jamilson Dantas (jrd@cin.ufpe.br) Maria Clara Bezerra (mcsb@cin.ufpe.br) Rosângela Melo (rmm3@cin.ufpe.br) Recife, outubro de 2013. Finalidade do Tutorial O

Leia mais

João Víctor Rocon Maia Engenharia de Computação - UFES

João Víctor Rocon Maia Engenharia de Computação - UFES João Víctor Rocon Maia Engenharia de Computação - UFES Agenda Quem usa? Conceito Ilustração Vantagens Tipologia Topologia Como fazer? O que é preciso? Infraestrutura Sistema Operacional Software Eucalyptus

Leia mais

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1 Sistema Operacional Slide 1 Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos do computador (CPU, dispositivos periféricos). Estabelece

Leia mais

Fiery Network Controller para a série WorkCentre 7700. Bem-vindo

Fiery Network Controller para a série WorkCentre 7700. Bem-vindo Fiery Network Controller para a série WorkCentre 7700 Bem-vindo 2009 Electronics for Imaging, Inc. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto.

Leia mais

Procedimento de gravação da imagem em Pen Drive e instalação do AFW 6.8.

Procedimento de gravação da imagem em Pen Drive e instalação do AFW 6.8. Procedimento de gravação da imagem em Pen Drive e instalação do AFW 6.8. Este documento exibe o procedimento de criação da imagem do AFW 6.8 em Pen Drive para Linux e Windows: 1.1. Requisitos de hardware

Leia mais

Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar. UFF - Universidade Federal Fluminense

Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar. UFF - Universidade Federal Fluminense Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar 1 Introdução Mododelo: Hardware -> Sistema Operacional -> Aplicações Aplicação desenvolvida para um SO. Capacidade de processamento aumentando bastante

Leia mais

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO OBJETIVO Objetivo do deste trabalho é o autoaprendizado e a disseminação do conhecimento empregado no conceito de virtualização. Assim como a demostração de seu uso em conjunto

Leia mais

Guia de Introdução ao Symantec Protection Center. Versão 2.0

Guia de Introdução ao Symantec Protection Center. Versão 2.0 Guia de Introdução ao Symantec Protection Center Versão 2.0 Guia de Introdução ao Symantec Protection Center O software descrito neste documento é fornecido sob um contrato de licença e pode ser usado

Leia mais

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Aviso sobre direitos autorais 2004 Copyright Hewlett-Packard Development Company, L.P. A reprodução, adaptação ou tradução sem permissão

Leia mais

EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA

EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA QUALQUER TIPO DE USUÁRIO Gustavo Henrique Rodrigues Pinto Tomas 317624 AGENDA Introdução: Cloud Computing Modelos de Implementação Modelos de Serviço Eucalyptus

Leia mais

Bem-vindo. Fiery Network Controller para DocuColor 240/250

Bem-vindo. Fiery Network Controller para DocuColor 240/250 Fiery Network Controller para DocuColor 240/250 Bem-vindo Neste documento, referências à DocuColor 242/252/260 devem ser referências à DocuColor 240/250. 2007 Electronics for Imaging, Inc. As informações

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Fiery Server para igen3. Bem-vindo

Fiery Server para igen3. Bem-vindo Fiery Server para igen3 Bem-vindo 2007 Electronics for Imaging, Inc. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto. 45066174 19 de outubro de 2007

Leia mais

Virtualização de Software

Virtualização de Software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE BACHARELADO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Virtualização de Software Luana Sandrini Saft Trabalho de conclusão de curso

Leia mais

Symantec Backup Exec 2010. Guia de Instalação Rápida

Symantec Backup Exec 2010. Guia de Instalação Rápida Symantec Backup Exec 2010 Guia de Instalação Rápida 20047221 Instalação do Backup Exec Este documento contém os seguintes tópicos: Requisitos do sistema Antes da instalação Sobre a conta de serviço do

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Felipe Antonio de Sousa 1, Júlio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipeantoniodesousa@gmail.com, juliocesarp@unipar.br Resumo.

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep Secure em um

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

Apresentação resumida

Apresentação resumida New Generation Data Protection Powered by AnyData Technology Apresentação resumida Para obter apresentação completa ou mais informações ligue (11) 3441 0989 ou encaminhe e-mail para vendas@dealerse.com.br

Leia mais

Virtualização. Conceitos e Prática. Tópicos em Sistemas de Computação 2014. Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.

Virtualização. Conceitos e Prática. Tópicos em Sistemas de Computação 2014. Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity. Virtualização Conceitos e Prática Tópicos em Sistemas de Computação 2014 Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Estagiário Docente: Vinícius Oliveira viniciusoliveira@acmesecurity.org

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Consolidação de Servidores com VMware

Consolidação de Servidores com VMware Herles da Silva Rangel Curso de Especialização em Redes e Segurança Pontifica Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) Curitiba, Maio de 2009 Resumo O presente trabalho trata da implementação de uma proposta

Leia mais

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com Virtualização Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com O problema...... os departamentos de TI passaram a ter consciência de que os recursos como

Leia mais

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Sumário Introdução... 3 Windows Server 2008 R2 Hyper-V... 3 Live Migration... 3 Volumes compartilhados do Cluster... 3 Modo de Compatibilidade de Processador...

Leia mais

Realizando o P2V - Online

Realizando o P2V - Online Realizando o P2V - Online O recurso P2V (Physical-to-Virtual) existente no System Center Virtual Machine Manager, permite a conversão de uma maquina física em virtual. Este processo pode ser realizado

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Fiery Network Controller para Xerox WorkCentre 7500 Series. Bem-vindo

Fiery Network Controller para Xerox WorkCentre 7500 Series. Bem-vindo Fiery Network Controller para Xerox WorkCentre 7500 Series Bem-vindo 2010 Electronics for Imaging, Inc. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto.

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

Seu computador na nuvem Sol em dia de nuvens

Seu computador na nuvem Sol em dia de nuvens Seu computador na nuvem Sol em dia de nuvens CAPA Se você está pensando em migrar seu computador para a nuvem, conheça algumas formas de aproveitar a tecnologia. por Marcel Gagné Jeff Hire sxc.hu A computação

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores Aula 04: Sistema Operacional Material Didático do Livro: Introdução à Informática Capron,, H. L. e Johnson, J. A Pearson Education Sistemas Operacionais: Software Oculto Serve

Leia mais

Hypervisor. Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007

Hypervisor. Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007 Hypervisor Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007 Resumo As máquinas virtuais envolvem a criação de um sistema de computador totalmente em software. Usando-as, é possível hospedar vários computadores virtuais

Leia mais

TUTORIAL VMWARE WORKSTATION 8. Aprenda a instalar e configurar corretamente uma máquina virtual utilizando VMware Workstation com este tutorial

TUTORIAL VMWARE WORKSTATION 8. Aprenda a instalar e configurar corretamente uma máquina virtual utilizando VMware Workstation com este tutorial TUTORIAL VMWARE WORKSTATION 8 Aprenda a instalar e configurar corretamente uma máquina virtual utilizando VMware Workstation com este tutorial INTRODUÇÃO O uso de máquinas virtuais pode ser adequado tanto

Leia mais

Soluções IBM SmartCloud. 2014 IBM Corporation

Soluções IBM SmartCloud. 2014 IBM Corporation Soluções IBM SmartCloud Estratégia de Cloud Computing da IBM Business Process as a Service Software as a Service Platform as a Service Infrastructure as a Service Design Deploy Consume Tecnologias para

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

poupar o meio ambiente. O Gartner declarou que a TI verde é a tendência do ano em 2008. Se a questão for virtualizar aplicações

poupar o meio ambiente. O Gartner declarou que a TI verde é a tendência do ano em 2008. Se a questão for virtualizar aplicações Cenários de aplicação e tendências na área de virtualização CAPA São tantas opções... Apresentamos os principais fornecedores de soluções de virtualização em e examinamos detalhadamente suas características.

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

Xen e a Arte da Virtualização

Xen e a Arte da Virtualização Xen e a Arte da Virtualização Paul Barham, Boris Dragovic, Keir Fraser, Steven Hand, Tim Harris, Alex Ho, Rolf Neugebauer, Ian Pratt, Andrew Warfield University of Cambridge Computer Laboratory Microsoft

Leia mais

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Olá, seja bem-vindo à primeira aula do curso para desenvolvedor de Android, neste curso você irá aprender a criar aplicativos para dispositivos

Leia mais

Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia Elaborado por: Alexandre Faria de Oliveira Março de 2013 1 P á g i n a Sumário 1. Introdução... 3 2. Visão Geral...

Leia mais