ERELYN LUÍS GONÇALVES ALVES JOÃO PAULO FERREIRA DOS SANTOS ANÁLISE DE DESEMPENHO DE MÁQUINAS VIRTUAIS USANDO BENCHMARK.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ERELYN LUÍS GONÇALVES ALVES JOÃO PAULO FERREIRA DOS SANTOS ANÁLISE DE DESEMPENHO DE MÁQUINAS VIRTUAIS USANDO BENCHMARK."

Transcrição

1 ERELYN LUÍS GONÇALVES ALVES JOÃO PAULO FERREIRA DOS SANTOS ANÁLISE DE DESEMPENHO DE MÁQUINAS VIRTUAIS USANDO BENCHMARK. BELÉM/PA 2011

2 ERELYN LUIS GONÇALVES ALVES JOÃO PAULO FERREIRA DOS SANTOS ANÁLISE DE DESEMPENHO DE MÁQUINAS VIRTUAIS USANDO BENCHMARK. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da UNAMA - Universidade da Amazônia, como exigência parcial para obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação. Elaborado sobre orientação do Prof. MSc. Ananias Pereira Neto. BELÉM/PA 2011

3 ERELYN LUÍS GONÇALVES ALVES JOÃO PAULO FERREIRA DOS SANTOS ANÁLISE DE DESEMPENHO DE MÁQUINAS VIRTUAIS USANDO BENCHMARK. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do grau de Bacharelado em Ciência da Computação. Data da Defesa: / / Conceito: Banca Examinadora: Orientador: Prof. MSc. Ananias Pereira Neto Membro: Prof. MSc. Max Trindade Membro: Prof. MSc. Ricardo Ferreira BELÉM/PA 2011

4 AGRADECIMENTOS Agradecemos, em primeiro lugar, a Deus, por estar presente nos momentos alegres e difíceis de nossa caminhada, dando-nos forças e sabedoria para superarmos os embaraços e alcançarmos o nosso objetivo: concluirmos a nossa graduação. Eu (Erelyn Luis) agradeço ao Prof. Dr. Mauro Margalho Coutinho e ao Prof. Dr. Afonso Jorge Ferreira Cardoso, por disponibilizarem seu tempo para avaliar o trabalho que agora apresentamos. Agradeço também as minhas tias Alvina e Ana Lúcia, pelo incentivo e apoio que sempre me deram para cursar e concluir o curso superior que escolhi. Agradeço ainda à minha mãe pela ajuda que me prestou na elaboração do TCC. E, finalmente, agradeço a companhia de minha filha Ana Clara, cuja presença alegra minha vida, especialmente, nos finais de semana que partilhamos. Eu (João Paulo) agradeço à minha mãe, Ray Santos, mulher guerreira, grande educadora que me deu a vida, pelo amor que me dedica, que desde cedo mostrou o valor da vida e o compromisso de vivê-la de forma intensa, com dignidade, com vigor e com a sabedoria de um peregrino que sempre está em busca de novos caminhos. A senhora é e sempre será a base de tudo em minha vida; e ao meu padrasto Moura, que jamais mediu esforços para que esta conquista fosse realizada. Agradecemos ainda aos nossos familiares, que tanto nos incentivaram e nos deram o suporte necessário para seguirmos na vida acadêmica. Ao nosso orientador, Prof. Msc. Ananias Pereira Neto, por sua compreensão e sua enorme paciência em poder nos ajudar em nossas dúvidas ao longo do curso. Aos professores do curso de Bacharelado da Universidade da Amazônia (UNAMA), os quais, durante o período do curso da graduação, oportunizaram o aprimoramento de conhecimentos e contribuíram positivamente para desenvolvermos habilidades no curso de Ciências da Computação. A todos o nosso muito obrigado!

5 O tempo não perdoa os erros que cometemos... Ele é implacável: passado é passado, e não há nada que possamos fazer diante desse fato. Mas, a cada dia, temos a oportunidade de mudar e recomeçar devido a um presente divino: o hoje! Niara De Sousa Almeida

6 RESUMO Este trabalho apresenta uma análise comparativa entre dois sistemas operacionais anfitriões: o Windows Server 2008 x64 e o Linux CentOS x64. Nessa comparação foram utilizadas duas ferramentas virtualizadoras: a VirtualBox4.1.6 e a VMWare Workstattion8. Observamos as características gerais, o desempenho e os recursos de cada um desses sistemas anfitriões para que pudéssemos encontrar a melhor aplicação para cada um deles, bem como verificar a eficiência de cada sistema, individualmente, desenvolvendo os gráficos de desempenho de cada máquina virtual e sua plataforma. O objetivo do estudo foi identificar o sistema anfitrião de melhor desempenho, seja com o virtualizador VirtualBox4.1.6, seja com o virtualizador VMWare Workstattion8. Foram abordados temas como a virtualização, as vantagens e os tipos de virtualização, a paravirtualização e o conceito de benchmark. Concluímos, neste estudo, que o melhor sistema operacional anfitrião encontrado, mediante os testes realizados, foi o sistema Linux. PALAVRAS-CHAVE: Sistemas operacionais anfitriões; Virtualização; Benchmark; Compactação.

7 ABSTRACT Our objective with this research, a comparative analysis between two host operating systems: Windows Server 2008 x64 and x64 CentOS Linux. In this comparison, we used two virtualization tools: VMWare and the VirtualBox4.1.6 Workstattion8. In this context, we note the general characteristics, performance and resources of each of these host systems so that we could find the best application for each, as well as verify the efficiency of each system individually, developing the graphics performance of each machine and its virtual platform to identify the best performing host system, either with the virtualizer VirtualBox4.1.6, either with the VMware virtualized Workstattion8. Topics covered in virtualization, the benefits and types of virtualization, paravirtualization and the concept of benchmarks. In conclusion, this study, the best host operating system found by the tests performed, the system was Linux. KEY-WORDS: Operating Systems hosts. Virtualization. Benchmarks. Compaction.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Organograma do ambiente de teste...14 Figura 2: Modelo de Virtualização...18 Figura 3: Tela da ferramenta VMWare executando o SO Windows...24 Figura 4: Tela da ferramenta VirtualBox...25 Figura 5: Operação com números inteiros...28 Figura 6: Operação com números fracionários...29 Figura 7: Operação com números dobrados...30 Figura 8: Teste de latência de comunicação local...31 Figura 9: Teste de processador...34 Figura 10: Teste virtual machine...35 Figura 11: Controle de memória...36 Figura 12: Stoprege device...38 Figura 13: Redes locais...39 Figura 14: Compactação 7z em segundos...40 Figura 15: Compactação usando p Figura 16: Resultado da Codificação de áudio usando Windows...42 Figura 17: Resultado Codificação de áudio usando Linux...43 Figura 18: Codificação de vídeo no Linux...44 Figura 19: Codificação de vídeo usando Windows...45

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Resultado dos teste com números...28 Tabela 2: Resultado dos testes com números fracionários...29 Tabela 3: Resultado dos testes com números dobrados...30 Tabela 4: Resultado do teste de latência de memória...32 Tabela 5: Resultado dos testes de processador...34 Tabela 6: Resultado dos testes de máquina virtual...35 Tabela 7: Resultado dos testes de controle de memória...36 Tabela 8: Resultado dos testes de disco...38 Tabela 9: Resultado do teste de rede local...

10

11 13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO VISÃO GERAL OBJETIVO METODOLOGIA DO ESTUDO Trabalhos relacionados Características do estudo ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO O PROCESSO DE VIRTUALIZAÇÃO VANTAGENS DO PROCESSO DE VIRTUALIZAÇÃO TIPOS DE VIRTUALIZAÇÃO A Emulação de Hardware Virtualização Completa Paravirtualização Virtualização de Instruções (Instruction Set Virtualization) FERRAMENTAS DE VIRTUALIZAÇÃO VMWare Workstation Virtual Box EXPERIMENTOS E RESULTADOS DESCRIÇÃO DO AMBIENTE ANÁLISE DE DESEMPENHO SOBRE O LMBENCH Operações com Números Inteiros (Integer) Operações com Números fracionários (Floats) Operações com Números Dobrados (Double) Latência para a Comunicação Local SOBRE O SISOFTWARE SANDRA Testes de processamento da CPU Testes com máquinas virtuais Testes com o controlador de memória Testes de Disco Teste de Rede Local...38

12 COMPACTAÇÃO DE ARQUIVOS CODIFICAÇÃO DE ÁUDIO CODIFICAÇÃO DE VÍDEO CONSIDERAÇÕES FINAIS...46 REFERÊNCIAS...48 APÊNDICES INTRODUÇÃO 1.1 VISÃO GERAL Este trabalho foi desenvolvido com o propósito de verificar se há diferença de desempenho na utilização de diferentes tipos de sistema operacionais anfitriões. Escolheu-se o Windows e o Linux como sistemas anfitriões a serem testados. O primeiro, por ser o mais utilizado; e o segundo; por ser um software livre. Outro motivo importante foi o fato de existirem virtualizadores compatíveis com ambos os sistemas (multiplataforma), a saber o VirtualBox4.1.6 e VmWare Worksattion8. Existem tipos e técnicas de virtualização. Os tipos são a virtualização do hardware, do sistema operacional e das linguagens de programação; as técnicas são a virtualização total e a paravirtualização. No caso deste estudo, optou-se pela virtualização total do sistema operacional, tendo em vista os recursos materiais disponíveis na universidade para desenvolver os testes necessários. Utilizou-se a técnica denominada benchmark, que, segundo Scalzo et al (2007), é o ato de executar um programa de computador ou um conjunto de programas, ou sequências operacionais, a fim de avaliar a performance de um processador, memória, código de programação etc., quando são realizados uma série de testes que possibilitam avaliar de forma consistente o desempenho de determinado sistema operacional. Por meio do benchmark, é possível definir qual ferramenta se encaixa melhor para cada tipo de situação de trabalho. As empresas proprietárias do sistema anfitrião executam uma série de testes-padrão e ensaios nos seus produtos (sistema operacional), mas o método utilizado para os testes não estão disponíveis ao usuário e só divulgam os resultados que lhes são favoráveis.

13 15 Por outro lado, o usuário não detém o conhecimento necessário ou disponibilidade de tempo para fazer testes comparativos entre sistemas operacionais. Recorre, via de regra, apenas aos manuais (feitos com base em princípios científicos) e ao conhecimento empírico que detém quanto ao funcionamento do sistema (hardware e software), e, especialmente, quanto ao contexto de aplicação a que se destinam os dados. Portanto, as análises que aqui serão apresentadas, poderão contribuir com informações detalhadas sobre o desempenho dos sistemas operacionais Windows e Linux diante de situações similares às testadas neste trabalho. 1.2 OBJETIVO Realizar a análise comparativa entre dois sistemas operacionais anfitriões, o Windows Server 2008 x64 e o Linux CentOS x64, utilizando duas ferramentas virtualizadoras: a VirtualBox e a VMWare Workstattion METODOLOGIA DO ESTUDO Após o levantamento bibliográfico, iniciou-se a execução dos testes. Utilizouse o hardware com 8GB de memória RAM, sendo que dessa memória, 4GB foram destinados inteiramente para executar a máquina virtual. O processador utilizado foi um Intel Core 2 Quad Q9550S, sendo disponibilizados apenas dois núcleos para as máquinas virtuais. Instalou-se primeiramente o sistema anfitrião; sobre ele, os virtualizadores; e sobre estes, as máquinas virtualizadas, com dois processadores, 4 GB de memória e 40 GB de HD, conforme Figura 1.

14 16 W L W L W L W L VMWare VirtualBox VMWare VirtualBox Windows (sistema anfitrião) Linux (sistema anfitrião) HARDWARE Figura 1: Organograma do ambiente de teste Os sistemas anfitriões usados foram o Windows Server 2008 x64 e o Linux CentOS x64; os vitualizadores, o VirtualBox e o VMWare Workstattion 8; e as máquinas virtualizadas, o Windows Server 2008 x64 e o Linux Debian x64. Optou-se por essa versão do Linux por proporcionar maior facilidade na aplicação dos testes. Para os testes não terem problemas cada máquina virtual foi executada individualmente. Os detalhes de cada teste estão comentados no Capítulo Trabalhos relacionados Na revisão bibliográfica, encontrou-se poucos trabalhos acadêmicos disponíveis sobre testes em máquinas virtuais. Assim, nossa referência foi centrada em dois artigos, por estes se aproximarem do estudo que se queria empreender, os quais foram: Virtualização como alternativa para ambiente de servidores, de Silva et al (2008) e Comparativo entre ferramentas de virtualização, de Baruchi (2008). No primeiro estudo, de Silva et al (2008), foram realizados testes de desempenho para comparar três virtualizadores: o KVM, Xen e VMware Server 2. Os virtualizadores foram executados em um sistema anfitrião Linux CentOS 5.6 com kernel , com máquinas virtualizadas Linux e testes em Linux, em todos os casos. Foram executados testes de beachmark com LMBench, codificação de vídeo no Linux e testes no servidor Web Apache; o teste transferência de arquivos foi realizado tanto com cópia de um arquivo de 4 GB para o Windows quanto com o Linux. Em todas as máquinas virtuais foi alocado somente um processador para realizar os referidos testes. A análise de Baruchi (2008) foi efetuada através de testes de desempenho que compararam três virtualizadores: o VMware Server 1.7, VirtualBox 2.0 e o

15 17 VirtualServer Baruchi (2008) utilizou o Windows 2003 Server R2 SP2 como sistema anfitrião e virtualizou o sistema operacional de Desktop Windows XP Profissional SP2. Os testes foram realizados sobre o sistema operacional Windows XP, além dos testes de comparação com o sistema desktop sem estar virtualizado. Entende-se que os testes aplicados por Baruchi (2008) podem ter alguns problemas de confiabilidade, devido à utilização de um sistema operacional desktop que tem algumas limitações quanto a conexões simultâneas de rede e um pior gerenciamento entre os processos do sistema operacional. Os testes aplicados em ambas as situações foram de Benchmark com PCMark 2005, teste com banco de dados e teste de transferência de arquivos por FTP Características do estudo Neste trabalho, utilizou-se dois virtualizadores multiplataforma: o VirtualBox e o VMware Worstation 8.0, em suas versões atualizadas até 11 de novembro de As análises aqui realizadas avançam em quatro aspectos com relação aos trabalhos anteriores: 1. Utilizou-se mais de um sistema anfitrião para realizar os testes Windows e Linux, sendo este o principal escopo do estudo; 2. Virtualizou-se dois sistemas também para realização de testes, tanto no Windows como no Linux; 3. foram usados somente sistemas 64 bits por tornar possível alocar 4GB de memória entre as maquinas, que também só utilizavam SO 64 bits; 4. alocou-se dois processadores para máquinas virtualizadas para realizar os testes com multithreading. 1.4 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO O presente trabalho foi estruturado em quatro capítulos. No primeiro capítulo, apresenta-se as informações gerais a respeito do estudo. No segundo capítulo, comenta-se acerca dos principais conceitos e da situação atual do processo de virtualização, bem como suas vantagens e os tipos de virtualização. No terceiro capítulo, detalha-se a metodologia empregada para a aplicação dos testes escolhidos, bem como as características gerais, o desempenho e os

16 18 recursos de cada um dos sistemas operacionais anfitriões analisados. Também, nesse capítulo, discute-se os resultados obtidos, ilustrados com os gráficos de desempenho. Por fim, apresenta-se as conclusões a que se chegou após a realização dos testes e a análise dos resultados. Esclarece-se que este estudo foi desenvolvido de forma independente, visto que não há vínculo de qualquer espécie entre o pesquisador-analista e as empresas proprietárias. Dessa forma, a sociedade tem ao seu alcance um resultado sem induções comerciais, que expõe as características reais de cada máquina estudada, minimizando as falhas na hora da escolha.

17 19 2 O PROCESSO DE VIRTUALIZAÇÃO Para se compreender o processo de virtualização, faz-se necessário apresentar o que são sistemas operacionais. Na perspectiva do usuário ou programador (visão top-down), é uma abstração do hardware, que faz o papel de intermediário entre o aplicativo (programa) e os componentes físicos do computador (hardware). Na visão bottom-up, de baixo para cima, é um gerenciador de recursos, que controla quais e quando aplicações (processos) podem ser executadas e que recursos (memória, disco, periféricos) podem ser utilizados. Portanto, Sistema Operacional (SO ou OS, do inglês Operating System) são programas complexos, cuja atribuição é responder por todo o funcionamento de uma máquina a partir dos comandos impostos pelo usuário. Um sistema operacional possui as seguintes funções: gerenciamento de processos; gerenciamento de memória; sistema de arquivos; entrada e saída de dados Coelho (2009). Dentre os sistemas operacionais existentes, podemos citar Windows, Linux e Mac OS X, mais conhecidos por serem utilizados em computadores pessoais. Esses sistemas operacionais podem ser virtualizados, isto é, passar por um processo de virtualização. De acordo com Coelho (2009), virtualização é o processo de executar diferentes sistemas operacionais dentro de uma mesma máquina, aproveitando ao máximo a capacidade do hardware, através da emulação de ambientes isolados, isto é, fornecendo ambientes de execução independentes a diferentes sistemas em um mesmo equipamento físico, concomitantemente. Com essa técnica, aumenta-se a quantidade de softwares que podem ser utilizados sobre um mesmo hardware. Os ambientes assim criados são chamados de máquinas virtuais. Portanto, máquinas virtuais são computadores fictícios elaborados por programas de simulação, com memória, processador e outros recursos virtualizados. A sua existência de máquinas virtuais não é recente. Segundo Jones (2006), foi nos anos 60, do século XX, que se fez referência à realização de um processo virtualização, utilizando-se o equipamento IBM 7044 Compatible Time-Share System (CTSS) 1. A figura 2 mostra uma melhor compreensão: 1 Em uma tradução livre, Sistema Compatível com Compartilhamento de Tempo. O equipamento, denominado "Projeto Atlas", resultou de um estudo conjunto entre o MIT (Massachusetts Institute of Technology Instituto

18 20 Fonte: ITconsultoria. Figura 2: Modelo de Virtualização. À época, o chamado Supervisor, sistema operacional do mainframe IBM 704 M44/44X, executava duas máquinas virtuais, uma para o sistema; e outra para a execução de programas. Essa tecnologia serviu de base para outros computadores, como o mainframe IBM System/360 modelo 67, lançado em 1966, no qual o hardware do equipamento era inteiramente acessado por meio de uma interface chamada Virtual Machine Monitor (VMM), o qual funcionava diretamente no hardware básico do equipamento, permitindo a execução de máquinas virtuais. Assim, cada máquina virtual passava a ser uma nova instância do mesmo sistema operacional-base que estivesse em execução. Por esse fato, o antigo termo "Supervisor" foi substituído por Hypervisor, por ter se tornado um software que provê ambiente de virtualização para o sistema operacional rodando acima dele (SILVA et al, 2008). A partir da década de 1970, a IBM lançou uma série de mainframes. Dentre elas, criou o System/370 e, logo após, o sistema operacional VM/370, o qual permitia a criação de múltiplas máquinas virtuais para os mainframes dessa série. O VM/370, hoje, é conhecido como IBM z/vm e mantém compatibilidade total com os aplicativos desenvolvidos ainda para o System/370, bem como com sistemas operacionais para os mainframes da série System/Z. de Tecnologia do Massachusetts), a Ferranti Ltd. e a University of Manchester (universidade de Manchester), no qual foi utilizado um mainframe com implementação de chamadas supervisoras (SILVA et all, 2008).

19 21 Nas décadas de 80/90, no entanto, a virtualização perdeu forças devido à criação de novas aplicações cliente-servidor, provocando, dessa forma, o declínio da plataforma mainframe. Acredita-se que o alto custo inicial de um mainframe incentivou as empresas a investirem em servidores de plataforma 2 x86. Por esse motivo, a plataforma X86 consolidou-se como recurso interessante para o uso da virtualização. De acordo com a empresa VMware Inc apud, Baruchi (2008), pode-se citar três situações que contribuíram para a consolidação da plataforma X86: 1. a larga ascensão da plataforma Linux nos servidores; 2. a adoção do sistema operacional Windows em desktops; 3. A disseminação do sistema operacional Windows nos anos 90. Os mainframes tinham grande capacidade de processamento, ao contrário da fase inicial da plataforma x86, haja vista que esta não era projetada visando a virtualização, como os mainframes sempre o foram, já que visavam a virtualização. Portanto, em cada implementação de algum servidor x86 típico, o teto de uso das CPUs acabava sempre entre 10 a 15% da capacidade total desse servidor. Isso acontecia porque, para cada servidor x86, geralmente se utilizava uma única determinada aplicação, cujo objetivo era o de garantir boa margem de risco contra problemas que pudessem comprometer a produção VMware Inc apud, Baruchi (2008). Todavia, quando, em 1999, a VMware Inc. focalizou a virtualização para o uso da plataforma x86, potencializou a eficiência dos equipamentos dessa plataforma. Esse procedimento possibilitou o aproveitamento de servidores x86, de propósito geral, para prover uma estrutura compartilhada, oferecendo ainda isolamento completo, mobilidade e liberdade de escolha para sistemas operacionais em ambientes de servidores. Baruchi ( 2008). 2.1 VANTAGENS DO PROCESSO DE VIRTUALIZAÇÃO A grande vantagem oferecida pela virtualização se dá por esta suportar várias aplicações em um só sistema físico, quebrando o paradigma vigente até a 2 Na informática, o termo plataforma designa a tecnologia utilizada na Tecnologia da Informação, que facilita a integração dos diversos elementos dessa estrutura. Pode ser compreendida como um processo operacional.

20 22 década de 70 de uma aplicação, um servidor. Ao virtualizar determinado número de sistemas subutilizados em um único servidor físico, a empresa economiza espaço em estrutura física, espaço em disco, refrigeração, energia e tem a possibilidade de centralizar o gerenciamento. Na Consolidação de Servidores, é necessário determinar quais os servidores podem ou não ser virtualizados, fazendo uma avaliação dos recursos existentes. Para tanto, pode-se utilizar ferramentas como MRTG ou Cacti (ambos utilizam SNMP4) para monitorar a performance e o uso de recursos em cada servidor. Uma vez virtualizado, é preciso fazer um acompanhamento do desempenho para verificar se o novo servidor físico ficou sobrecarregado. Caso isso ocorra, é possível migrar determinado servidor virtual para outro servidor físico com o mesmo em operação, sem necessidade de reboot. Dessa forma, faz-se o balanceamento de carga entre vários servidores físicos hospedeiros sem afetar o funcionamento das máquinas virtuais. A virtualização também é importante para se analisar a redundância em data centers, procedimento indispensável em ambientes 24 x 7 (24 horas por dia, sete dias da semana). Com a migração em tempo real, uma vez identificada a possibilidade de falha de determinada máquina física hospedeira (quebra de espelhamento, fonte queimando, memória despejando etc), basta migrarmos as máquinas virtuais para outros servidores físicos. Porém, se acontecer alguma falha não esperada em algum servidor hospedeiro, todas as máquinas virtuais daquele equipamento podem ser afetadas. Por exemplo, caso todas as fontes de um servidor queimem ao mesmo tempo, todas as máquinas virtuais dele desligarão. Ou, caso aconteça alguma falha nos discos do servidor ou na storage de armazenamento, todas as máquinas virtuais poderão ser corrompidas. Daí a importância do monitoramento do sistema e do tipo de virtualização a ser aplicada. 2.3 TIPOS DE VIRTUALIZAÇÃO Existem vários usos e maneiras de proceder a virtualização. Escolheu-se quatro delas para se comentar, por serem as mais utilizadas, a saber: Emulação de hardware; Virtualização Completa;

21 23 Paravirtualização; Instruction Set Virtualization (Virtualização de Instruções) A Emulação de Hardware Segundo Jones (2006), a emulação de hardware é atualmente a forma mais complexa de virtualização. Devido a sua complexidade, gera grandes overheads, prejudicando o desempenho do sistema operacional guest 3. Nesse método, todo o hardware de uma máquina virtual é criado via software no sistema hospedeiro para emular o hardware proposto. Ou seja, até o processador da máquina virtual precisa ser criado via software, o que é feito geralmente em assembly. Para emulações de alta-fidelidade, incluindo transições de informação entre registradores para memória cache e criação de pipelines na CPU, a performance pode ser, facilmente, mil vezes menor (JONES, 2006). A emulação de hardware, entretanto, também tem vantagens, por exemplo, com ela é possível rodarmos um sistema operacional guest sem qualquer modificação ou adaptação Virtualização Completa A virtualização completa, também conhecida como "virtualização nativa", é outro método utilizado para a virtualização. Esse modelo usa uma máquina virtual através da mediação entre o sistema operacional hospedeiro (host) e o guest 4. A palavra "mediação" é utilizada, pois o VMM faz a troca entre o sistema operacional virtualizado e o hardware do equipamento. A virtualização completa é mais rápida que a emulação de hardware, mas a performance também é menor do que a do mesmo sistema operacional rodando nativamente. Nesse aspecto, a grande vantagem da virtualização completa é que o sistema operacional pode rodar sem modificações e a desvantagem é que a máquina guest não pode rodar em host de arquitetura diferente. 3 Tipo de máquina virtual em que o monitor é implementado entre o hardware e os sistemas convidados (guest system). 4 Tipo de máquina virtual em que o monitor é implementado como um processo de um sistema operacional real, denominado sistema anfitrião (host system)

22 24 Um grande obstáculo para a virtualização completa foi o fato de que, em dezessete instruções específicas dos processadores da plataforma x86, geravam erros quando essa camada de interpretação era criada, o que fazia o sistema operacional guest gerar erros críticos durante sua execução Baruchi (2008). Esses erros variavam desde informações no sistema operacional, até a finalização inesperada da aplicação. Assim, essas dezessete instruções foram apontadas como um importante marco para a criação do primeiro ambiente de virtualização completa da plataforma x86, o VMware Workstation, cuja primeira edição ocorreu em Paravirtualização A paravirtualização é uma técnica que tem poucas semelhanças com a virtualização completa. Esse método usa o hypervisor para acesso compartilhado ao hardware do equipamento, e também integra códigos de virtualização dentro do sistema operacional nativo, agregando, nele, as funções de gerenciamento do hypervisor. Baruchi (2008) explica que por meio da paravirtualização, o hypervisor é criado como uma camada abaixo do sistema operacional, o qual por sua vez, multiplexa o acesso dos guests ao hardware do equipamento. Assim, o próprio sistema operacional nativo (e, nesse caso, de gerenciamento) é transformado em máquina virtual 5. Dessa maneira, uma vez que os sistemas operacionais sejam adaptados, a interação entre as máquinas virtuais e a máquina física é otimizada, o que aumenta o desempenho. Porém, a grande desvantagem desse modelo continua sendo a dependência da alteração do sistema operacional de gerenciamento e dos guests, para que possam interagir com o hypervisor ao invés do hardware físico. 5 Segundo SIQUEIRA (apud BARUCHI, 2008), este modelo como hypervisor obtém preferência para os ambientes virtualizados, pois, os hóspedes sabem perfeitamente que rodam em um ambiente virtual. Para isso, os guests precisam ser corrigidos, o que só é possível conseguir em sistemas de código aberto

23 Virtualização de Instruções (Instruction Set Virtualization) Outro aspecto mais recente da virtualização é chamado Instruction Set Virtualization (Virtualização de Instruções). Nesse modelo, um conjunto de instruções virtuais é traduzido para uma instrução física destinada à camada de hardware do equipamento. Assim, com o código original sendo executado dentro de uma máquina virtual, a tradução ocorre do primeiro (set de instruções) para um segundo seguimento de código, efetuando a mediação entre a aplicação e o sistema operacional,um exemplo recente desse modelo é utilizado no processador Crusoe, da Transmeta, (empresa que criou esse processador). A arquitetura desse processador implementa tradução binária com o nome Code Morphing. O mesmo processo também é utilizado para a execução de binários de diferentes arquiteturas em um sistema operacional de outra plataforma, como, por exemplo, para rodar binários de um sistema Linux plataforma PowerPC, em um Linux plataforma x86, com o software nspluginwrapper. 2.3 FERRAMENTAS DE VIRTUALIZAÇÃO As ferramentas de virtualização, conhecidas como Máquinas Virtuais (Virtual Machine - VM), são softwares que representam as funcionalidades de um hardware (LAURENO et al., 2006). Os recursos dessas VMs, referentes à memória, processador etc., são virtualizados quando em execução em um computador. Dessa forma, os recursos do computador ficam divididos em vários ambientes de execução. As Máquinas Virtuais podem executar softwares tanto como sendo servidores como clientes. Entretanto, o sistema de virtualização não depende apenas do software, é necessário que o hardware seja capaz de suportar o processo de virtualização. Esse processo é uma tecnologia que cria uma camada de software que faz uma comunicação direta com o hardware, fazendo com que haja a possibilidade de que mais de um sistema operacional seja executado em um mesmo computador. Atualmente, existem várias ferramentas que permitem o processo de virtualização. A seguir, apresenta-se duas ferramentas de virtualização bastante utilizadas nos dias de hoje.

24 VMWare Workstation VMware Workstation é uma máquina virtual da VMware feita para desktops que permite a utilização de um sistema operacional dentro de outro. É executado como um programa dentro de um sistema operacional hospedeiro, o qual é responsável pela abstração dos dispositivos disponibilizados para o sistema operacional que será executado dentro da máquina virtual. Essa Virtual Machine é como um aplicativo visto pelo sistema anfitrião, ou seja, cria um hypervisor que tem a capacidade de traduzir o sistema guest para o host. Essa ferramenta é utilizada em ambientes de desenvolvimento, no qual se necessita testar uma aplicação em várias plataformas; em testes de sistemas operacionais, por exemplo, podemos usar para executar o Windows dentro do Linux, ou vice-versa, um de seus usos mais comuns; dentre outras aplicações. A Figura 3 apresenta a tela da ferramenta que mostra o sistema operacional Windows sendo executado no sistema hospedeiro Linux. Figura 3: Tela da ferramenta VMWare executando o SO Windows.

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Máquinas Virtuais Agenda Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Histórico Mainframe É um computador de grande porte, dedicado

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II *Créditos: baseado no material do Prof. Eduardo Zagari Virtualização - Introdução Introduzido nos anos 60 em Mainframes Em 1980 os microcomputadores

Leia mais

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com VIRTUALIZAÇÃO Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com Virtualização o que é? É uma forma de esconder as características físicas de uma plataforma computacional dos usuários, emulando

Leia mais

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil.

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil. Virtualização Meu nome: Nome de guerra: Meu e-mail: Marcos Vinicios Bueno Marques Professor Cidão marcos@cidao.com.br Quem sou? Professor e coordenador de cursos de TI do Senac Informática em Porto Alegre,

Leia mais

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Tecnologias WEB Virtualização de Sistemas Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Conceitos Virtualização pode ser definida como técnica que combina ou divide recursos computacionais para prover

Leia mais

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Introdução a Virtualização Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Por que virtualizar? Descentralização de recursos computacionais Cloud computing Plena utilização de recursos físicos

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Virtualização de Software

Virtualização de Software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE BACHARELADO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Virtualização de Software Luana Sandrini Saft Trabalho de conclusão de curso

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com Análise de Desempenho e Viabilidade do Raspberry Pi como um Thin Client utilizando o Protocolo SPICE Luiz Alberto Alves Baltazar 1, João Paulo de Lima Barbosa 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Curso de Ciência

Leia mais

Virtualização - VMWare e Xen

Virtualização - VMWare e Xen Virtualização - VMWare e Xen A virtualização consiste na emulação de ambientes isolados, capazes de rodar diferentes sistemas operacionais dentro de uma mesma máquina, aproveitando ao máximo a capacidade

Leia mais

INE651600 Sistemas Operacionais I

INE651600 Sistemas Operacionais I INE651600 Sistemas Operacionais I Thiago Machado Seminário sobre Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização Definição: Permite abstrair os recursos de hardware que uma máquina possui. Criando

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES

ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES Vitor Rodrigues Tanamachi 1, Weber Poli de Oliveira 1, Alexandre Galvani 1. 1 Departamento de Informática Faculdade de Tecnologia de Bauru (FATEC)

Leia mais

Xen e a Arte da Virtualização

Xen e a Arte da Virtualização Xen e a Arte da Virtualização Paul Barham, Boris Dragovic, Keir Fraser, Steven Hand, Tim Harris, Alex Ho, Rolf Neugebauer, Ian Pratt, Andrew Warfield University of Cambridge Computer Laboratory Microsoft

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Virtualização: VMWare e Xen

Virtualização: VMWare e Xen Virtualização: VMWare e Xen Diogo Menezes Ferrazani Mattos Professor: Otto Carlos Disciplina: Redes I Universidade Federal do Rio de Janeiro POLI/COPPE 1 Introdução Virtualização Divisão da máquina física

Leia mais

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento Introdução Embora o conceito de virtualização, não seja um conceito novo, o uso desta tecnologia vem crescendo exponencialmente nas infra-estruturas de TI. Este crescimento deve-se sobretudo aos benefícios

Leia mais

Consolidação de Servidores com VMware

Consolidação de Servidores com VMware Herles da Silva Rangel Curso de Especialização em Redes e Segurança Pontifica Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) Curitiba, Maio de 2009 Resumo O presente trabalho trata da implementação de uma proposta

Leia mais

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe.

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtualização Virtualização? A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtual: Segundo o Dicionário da Língua Portuguesa, significa: adj (lat virtuale) 1- Que não existe como realidade,

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM. André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares

Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM. André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares Agenda Overview Histórico Abordagens Desafios em x86 Snapshots Virtualização de Hardware/Plataforma/Sevidor:

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO NComputing Brasil - #110502 Instalando o Oracle Virtualbox 4.0.2 e Criando uma VM Windows Server 2008 no Virtualbox O que é virtualbox? O virtualbox é um aplicativo de virtualização multi-plataforma

Leia mais

Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes

Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes 3 MÁQUINAS VIRTUAIS Em nossa aula anterior, fizemos uma breve introdução com uso de máquinas virtuais para emularmos um computador novo

Leia mais

01/04/2012. Voltar. Voltar

01/04/2012. Voltar. Voltar Introdução à Informática Capítulo 3 Sistemas Operacionais: Software em Segundo Plano Objetivos Descrever as funções de um sistema operacional. Explicar os fundamentos do sistema operacional de um computador.

Leia mais

Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar. UFF - Universidade Federal Fluminense

Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar. UFF - Universidade Federal Fluminense Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar 1 Introdução Mododelo: Hardware -> Sistema Operacional -> Aplicações Aplicação desenvolvida para um SO. Capacidade de processamento aumentando bastante

Leia mais

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro Virtualização Prof. Emiliano Monteiro Conceitos Virtualização significa criar uma versão virtual de um dispositivo ou recurso, como um servidor, dispositivo de armazenamento, rede ou até mesmo um sistema

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO EM SERVIDORES DE BANCO DE DADOS. Resumo: A estratégia de virtualização de servidores de banco de dados é uma tendência

VIRTUALIZAÇÃO EM SERVIDORES DE BANCO DE DADOS. Resumo: A estratégia de virtualização de servidores de banco de dados é uma tendência VIRTUALIZAÇÃO EM SERVIDORES DE BANCO DE DADOS Igor Lucas Coelho Santos 1 Iremar Nunes de Lima 2 Resumo: A estratégia de virtualização de servidores de banco de dados é uma tendência recente em Tecnologia

Leia mais

TUTORIAL VMWARE WORKSTATION 8. Aprenda a instalar e configurar corretamente uma máquina virtual utilizando VMware Workstation com este tutorial

TUTORIAL VMWARE WORKSTATION 8. Aprenda a instalar e configurar corretamente uma máquina virtual utilizando VMware Workstation com este tutorial TUTORIAL VMWARE WORKSTATION 8 Aprenda a instalar e configurar corretamente uma máquina virtual utilizando VMware Workstation com este tutorial INTRODUÇÃO O uso de máquinas virtuais pode ser adequado tanto

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores Aula 04: Sistema Operacional Material Didático do Livro: Introdução à Informática Capron,, H. L. e Johnson, J. A Pearson Education Sistemas Operacionais: Software Oculto Serve

Leia mais

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com Virtualização Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com O problema...... os departamentos de TI passaram a ter consciência de que os recursos como

Leia mais

VirtualBox Mario Hato Instituto de Computação UNICAMP VirtualBox

VirtualBox Mario Hato Instituto de Computação UNICAMP VirtualBox Mario Hato Instituto de Computação UNAMP 1 Motivação Infraestrutura de computação - 2000 1 PC 1 SO Vários Aplicativos Utilização Baixa < 25% App App App App App App App App X86 Windows XP X86 Windows 2003

Leia mais

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1 Sistema Operacional Slide 1 Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos do computador (CPU, dispositivos periféricos). Estabelece

Leia mais

GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira

GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira 1 of 6 23/6/2010 22:40 GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira Autor: Paulo Roberto Junior - WoLF Data: 13/04/2009 O que é GINGA Posso falar com minhas próprias indagações

Leia mais

TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO E SUAS IMPLEMENTAÇÕES

TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO E SUAS IMPLEMENTAÇÕES 1 MEC SETEC SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO CAMPUS CUIABÁ DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO E SUAS IMPLEMENTAÇÕES

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MO809L. Tópicos em Sistemas Distribuídos 1 semestre, 2015

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MO809L. Tópicos em Sistemas Distribuídos 1 semestre, 2015 MO809L Tópicos em Sistemas Distribuídos 1 semestre, 2015 Virtualização Virtualização Threads/processos: Modo de fazer mais coisas ao mesmo tempo. Concorrência - impressão de execução paralela em computador

Leia mais

Máquinas Virtuais. Virtualização Tornar virtual. Exemplo comum de Virtualização PORTABILIDADE

Máquinas Virtuais. Virtualização Tornar virtual. Exemplo comum de Virtualização PORTABILIDADE Virtual: Existente apenas em potência ou como faculdade, não como realidade ou com efeito real Dicionário Houaiss Virtualização Tornar virtual Exemplo comum de Virtualização PORTABILIDADE Java Virtual

Leia mais

Visão do Sistema Operacional

Visão do Sistema Operacional Visão do Sistema Operacional programadores e analistas usuários programas, sistemas e aplicativos Usuários Sistema Operacional memória discos Hardware UCP fitas impressoras monitores O que é um Sistema

Leia mais

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Sumário Introdução... 3 Windows Server 2008 R2 Hyper-V... 3 Live Migration... 3 Volumes compartilhados do Cluster... 3 Modo de Compatibilidade de Processador...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Xen Hypervisor Glauco Neves 07132022 Guilherme Pacheco 07232063 INE 5412-0432

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC. Prof. Almeida Jr

ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC. Prof. Almeida Jr ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC Prof. Almeida Jr ESTRUTURA DE SISTEMA COMPUTACIONAL 2 O QUE FAZ UM SISTEMA OPERACIONAL? Ponto de Vista

Leia mais

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Anatomia de uma máquina virtual Cada máquina virtual é um sistema completo encapsulado em um

Leia mais

Análise Comparativa de Desempenho do Hipervisor Xen: Paravirtualização versus Virtualização Total

Análise Comparativa de Desempenho do Hipervisor Xen: Paravirtualização versus Virtualização Total de Desempenho do Hipervisor Xen: Paravirtualização versus Total Andrea Schwertner Charão e Ronaldo Canofre M. dos Santos LSC - Laboratório de Sistemas de Computação Curso de Ciência da Computação UFSM

Leia mais

Xen Cloud Platform Xen descomplicado

Xen Cloud Platform Xen descomplicado Xen Cloud Platform Xen descomplicado CAPA A Xen Cloud Platform facilita muito a criação e o gerenciamento de máquinas virtuais sobre o hypervisor Xen. por Boris Quiroz e Stephen Spector A revolução da

Leia mais

Hypervisor. Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007

Hypervisor. Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007 Hypervisor Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007 Resumo As máquinas virtuais envolvem a criação de um sistema de computador totalmente em software. Usando-as, é possível hospedar vários computadores virtuais

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Análise Comparativa entre Sistemas Operacionais Virtualizados

Análise Comparativa entre Sistemas Operacionais Virtualizados FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Trabalho de Diplomação Felipe Machado da Costa de Andrade 061247 Andre Marcos Silva (Orientador) Trabalho de Diplomação Análise Comparativa

Leia mais

Máquinas Virtuais E eu com isso???

Máquinas Virtuais E eu com isso??? E eu com isso??? IV Ciclo de Palestras sobre Software Livre Daniel Antonio Fenrnandes Bojczuk Slide 1 de 27 Virtual: Existente apenas em potência ou como faculdade, não como realidade ou com efeito real

Leia mais

Virtualização. Roberto de Beauclair Seixas rbs@impa.br

Virtualização. Roberto de Beauclair Seixas rbs@impa.br Virtualização Roberto de Beauclair Seixas rbs@impa.br News De acordo com a IDC, ela está a caminho de se tornar uma prática padrão entre as mil maiores empresas do mundo, listadas no ranking Fortune 1000.

Leia mais

Como criar máquinas virtuais no VMware ESXi

Como criar máquinas virtuais no VMware ESXi Como criar máquinas virtuais no VMware ESXi A virtualização de desktops pode ser trabalhada sobre servidores virtuais e esta técnica torna nossa tecnologia ainda mais atraente. Certifique-se que o seu

Leia mais

Virtualização de desktop da NComputing

Virtualização de desktop da NComputing Virtualização de desktop da NComputing Resumo Todos nos acostumamos ao modelo PC, que permite que cada usuário tenha a sua própria CPU, disco rígido e memória para executar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

Sistemas Virtualizados

Sistemas Virtualizados Sistemas Virtualizados Julio Cesar S. Anjos 1, Mariano Nicolao 2 1 Laboratório de Inteligência Artificial e Computação em Grid Legere Sistemas Dinâmicos Pesquisa e Desenvolvimento - Campus ULBRA/Guaíba

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG CURSO SUPERIOR EM TECNOLOGIA EM REDE DE COMPUTADORES

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG CURSO SUPERIOR EM TECNOLOGIA EM REDE DE COMPUTADORES FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG CURSO SUPERIOR EM TECNOLOGIA EM REDE DE COMPUTADORES Diogo Ezídio da Silva Gilberto Lima de Oliveira Leandro de Sousa Rangel Lucas Timm

Leia mais

- Aula 1 - ARQUITETURA DE COMPUTADORES

- Aula 1 - ARQUITETURA DE COMPUTADORES - Aula 1 - ARQUITETURA DE COMPUTADORES Em arquitetura de computadores serão estudados aspectos da estrutura e do funcionamento dos computadores. O objetivo é apresentar de forma clara e abrangente a natureza

Leia mais

Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar

Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar David Beserra 1, Alexandre Borba¹, Samuel Souto 1, Mariel Andrade 1, Alberto Araujo 1 1 Unidade Acadêmica de Garanhuns

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Leandro Brito 1, Linsmar Pinheiro 1, Roberto Carlos Santana 1, Thiago Vasconcelos 1, Vanessa Ferraz 1 1 Curso de Sistemas de Informação na Faculdade Integrada da

Leia mais

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007 Roteiro Serviços Estrutura dos Sistemas Operacionais Funções do Sistema Operacional Chamadas do Sistema

Leia mais

Virtualização de Máquinas Uma experiência baseada em ferramentas livres

Virtualização de Máquinas Uma experiência baseada em ferramentas livres Virtualização de Máquinas Uma experiência baseada em ferramentas livres Carlos A. M. dos Santos echo unixmania at gmail dot com sed 's/ at /@/;s/ dot /./g' 1º Seminário de Software Livre Tchelinux Porto

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos FTIN Formação Técnica em Informática Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos Aula 01 SISTEMA OPERACIONAL PROPRIETÁRIO WINDOWS Competências do Módulo Instalação e configuração do

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Benefícios da Virtualização as para empresas

Benefícios da Virtualização as para empresas Benefícios da Virtualização as para empresas Os investimentos no processo de Virtualização na área de Tecnologia da Informação (TI) aumentaram cerca de 80% nos últimos três anos, segundo informações da

Leia mais

Máquinas Virtuais com o VirtualBox

Máquinas Virtuais com o VirtualBox Máquinas Virtuais com o VirtualBox Marcos Elias Picão www.explorando.com.br No exemplo: Windows XP dentro do Windows 7 Você pode compartilhar livremente sem interesses comerciais, desde que não modifique.

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1 O que é um sistema operacional 1.2 História dos sistemas operacionais 1.3 O zoológico de sistemas operacionais 1.4 Revisão sobre hardware de computadores 1.5 Conceitos sobre sistemas

Leia mais

O EMPREGO DA VIRTUALIZAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O APRENDIZADO EM EAD

O EMPREGO DA VIRTUALIZAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O APRENDIZADO EM EAD 1 O EMPREGO DA VIRTUALIZAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O APRENDIZADO EM EAD Cachoeiro de Itapemirim ES 04/2015 João Paulo Gonçalves Instituto Federal do ES jpaulo@ifes.edu.br Filipe Heringer Garruth Instituto

Leia mais

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado de TI. Apresentar alguns conceitos e técnicas sobre a tecnologia

Leia mais

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 SERVIÇOS BÁSICOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cotec@ifbaiano.edu.br

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação

Departamento de Tecnologia da Informação Xen - O case de virtualização da Alergs XIII Enial - Brasília Novembro/2010 DTI Superintendência Administrativa e Financeira Assembleia Legislativa do RS Tópicos abordados: A infraestrutura de TI Alergs

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Felipe Antonio de Sousa 1, Júlio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipeantoniodesousa@gmail.com, juliocesarp@unipar.br Resumo.

Leia mais

Virtualização de Máquinas Uma experiência baseada em ferramentas livres

Virtualização de Máquinas Uma experiência baseada em ferramentas livres Virtualização de Máquinas Uma experiência baseada em ferramentas livres Carlos A. M. dos Santos echo unixmania at gmail dot com sed 's/ at /@/;s/ dot /./g' 1º Seminário de Software Livre Tchelinux Pelotas,

Leia mais

Curso de Engenharia de Computação VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES UTILIZANDO XEN

Curso de Engenharia de Computação VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES UTILIZANDO XEN i Curso de Engenharia de Computação VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES UTILIZANDO XEN Tiago Schievenin Gonçalves Itatiba São Paulo Brasil Dezembro de 2008 ii Curso de Engenharia de Computação VIRTUALIZAÇÃO DE

Leia mais

Virtualização de Desktops NComputing

Virtualização de Desktops NComputing NComputing Resumo Todos já nos acostumamos ao formato do PC, que permite que cada usuário tenha sua própria CPU, seu próprio disco rígido e sua própria memória para rodar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

Virtualização: Uma análise de desempenho das soluções mais utilizadas do mercado.

Virtualização: Uma análise de desempenho das soluções mais utilizadas do mercado. Virtualização: Uma análise de desempenho das soluções mais utilizadas do mercado. Marcelo Maior¹, Thyago Cortêz¹, Filipe Cabral¹, Hugo Leonardo¹, Breno Leitão¹ e Luciano Cabral 1,2,3 1 Centro Superior

Leia mais

Virtualização para facilitar o gerenciamento

Virtualização para facilitar o gerenciamento Virtualização para facilitar o gerenciamento O atual desafio enfrentado pela indústria de tecnologia da informação (TI) é o de continuar produzindo sistemas menores, mais leves e mais rápidos e, ao mesmo

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

23/05/2013. Partes do Sistema Computacional. Hardware. Ciclo do Processamento de Dados HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS. Hardware Software Dados Usuários

23/05/2013. Partes do Sistema Computacional. Hardware. Ciclo do Processamento de Dados HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS. Hardware Software Dados Usuários 2 Partes do Sistema Computacional HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS Software Dados Usuários Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional Sistemas Operacionais Conceitos de um Sistema Operacional Modo usuário e Modo Kernel Como já vimos são ambientes de execução diferentes no processador Há um conjunto de funções privilegiadas acessadas

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Computação em Nuvem Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente Computadores

Leia mais

Prof. Sandrina Correia

Prof. Sandrina Correia Tecnologias de I informação de C omunicação 9º ANO Prof. Sandrina Correia TIC Prof. Sandrina Correia 1 Objectivos Definir os conceitos de Hardware e Software Identificar os elementos que compõem um computador

Leia mais

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO OBJETIVO Objetivo do deste trabalho é o autoaprendizado e a disseminação do conhecimento empregado no conceito de virtualização. Assim como a demostração de seu uso em conjunto

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Introdução a microinformática William S. Rodrigues HARDWARE BÁSICO O hardware é a parte física do computador. Em complemento ao hardware, o software é a parte lógica, ou seja,

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Introdução. Sistemas Operacionais

Introdução. Sistemas Operacionais FATEC SENAC Introdução à Sistemas Operacionais Rodrigo W. Fonseca Sumário Definição de um S.O. Características de um S.O. História (evolução dos S.O.s) Estruturas de S.O.s Tipos de Sistemas Operacionais

Leia mais

Marcos Vinicios Marques Professor Cidão. Professor Marcelo Neves

Marcos Vinicios Marques Professor Cidão. Professor Marcelo Neves Virtualização Marcos Vinicios Marques Professor Cidão Professor Marcelo Neves Virtualizar??? Executar várias instâncias de um sistema operacional, ou vários sistemas operacionais em instâncias distintas,

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE REDES DE COMPUTADORES MÁRCIO DA SILVA KLAUCK

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE REDES DE COMPUTADORES MÁRCIO DA SILVA KLAUCK ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE REDES DE COMPUTADORES MÁRCIO DA SILVA KLAUCK VIRTUALIZAÇÃO DE SISTEMAS: Implementação com o VMware no Ambiente Servidor do Frigorífico Excelência VILA VELHA

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização Básica B de Computadores

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores 3º Ano Sistemas de Informação 2008 Aula 05A: Hub/Switch/Gateway Servidores e Virtualização Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br Roteiro Pedagógico HUB Switch Bridge

Leia mais