RESTRIÇÕES PREVISTAS NA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL PARA ÚLTIMO ANO DE MANDATO E NA LEGISLAÇÃO ELEITORAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESTRIÇÕES PREVISTAS NA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL PARA ÚLTIMO ANO DE MANDATO E NA LEGISLAÇÃO ELEITORAL"

Transcrição

1 RESTRIÇÕES PREVISTAS NA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL PARA ÚLTIMO ANO DE MANDATO E NA LEGISLAÇÃO ELEITORAL Especificação Base Prazo LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL Poderes Executivo e Legislativo Proibição de aumento de despesa com pessoal nos 180 dias anteriores ao final do mandato do titular de Poder ou órgão Aplicação imediata das vedações previstas no 3º do art. 23 da LRF, caso a despesa com pessoal exceda aos limites no primeiro quadrimestre do último ano de mandato do titular de Poder ou órgão (art. 23, 3º - proibição de: receber transferência voluntária; obter garantia, direta ou indireta, de outro ente; contratar operações de crédito, ressalvadas as destinadas ao refinanciamento da dívida mobiliária e as que visem à redução das despesas com pessoal) Legal LRF - art. 21, único LRF - art. 23, 4º A partir de Quadrimestre imediatamente seguinte àquele em que ocorrer extrapolação dos limites Proibição ao titular de Poder ou órgão de contrair obrigação de despesa, nos dois últimos quadrimestres do seu mandato, que não possa ser cumprida integralmente dentro dele, ou que tenha parcelas a serem pagas no execício seguinte sem que haja suficiente disponibilidade de caixa. Poder Executivo Aplicação imediata das vedações previstas no 1º do art. 31 da LRF, caso a dívida consolidada exceda o limite no primeiro quadrimestre do último ano de mandato do Chefe do Executivo (art. 31, 1º: proibição de realizar operação de crédito interna ou externa, inclusive por antecipação de receita, ressalvado o refinanciamento do principal atualizado da dívida mobiliária; obrigação de obter resultado primário necessário à recondução da dívida ao limite, promovendo, entre outras medidas, limitação de empenho, na forma do art. 9º) LRF - art. 42 A partir de 1º LRF - art. 31, 3º Quadrimestre imediatamente seguinte àquele em que ocorrer extrapolação do limite Proibição de realização de operação de crédito por antecipação de receita orçamentária no último ano de mandato LRF - art. 38, IV, b A partir de 1º LEI Nº 9.504/97 (NORMAS PARA ELEIÇÕES) CONDUTAS PROIBIDAS AOS AGENTES PÚBLICOS * ceder ou usar, em benefício de candidato, partido político ou coligação, bens móveis ou imóveis pertencentes à administração direta ou indireta, ressalvada a realização de convenção partidária (exceção: uso, em campanha, pelo candidato a reeleição de Governador e Vice-Governador do Distrito Federal, de suas residências oficiais para realização de contatos, encontros e reuniões pertinentes à própria campanha, desde que não tenham caráter de ato público) art. 73, I e 2º art. 36, I e 2º indeterminado

2 usar materiais ou serviços, custeados pelos Governos ou Casas Legislativas, que excedam as prerrogativas consignadas nos regimentos e normas dos órgãos que integram ceder servidor público ou empregado da administração direta ou indireta do Poder Executivo, ou usar de seus serviços, para comitês de campanha eleitoral de candidato, partido político ou coligação, durante o horário de expediente normal, salvo se o servidor ou empregado estiver licenciado fazer ou permitir uso promocional em favor de candidato, partido político ou coligação, de distribuição gratuita de bens e serviços de caráter social custeados ou subvencionados pelo Poder Público nomear, contratar ou de qualquer forma admitir, demitir sem justa causa, suprimir ou readaptar vantagens ou por outros meios dificultar ou impedir o exercício funcional e, ainda, ex officio, remover, transferir ou exonerar servidor público, sob pena de nulidade de pleno direito, ressalvadas: a) a nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança; b) a nomeação para cargos do Poder Judiciário, do Ministério Público, dos Tribunais ou Conselhos de Contas e dos órgãos da Presidência da República; c) a nomeação dos aprovados em concursos públicos homologados até o início daquele prazo; art. 73, II art. 36, II art. 73, III art. 36, III art. 73, IV art. 36, IV art. 73, V art. 36, V indeterminado indeterminado indeterminado nos três meses que antecedem o pleito e até a posse dos eleitos d) a nomeação ou contratação necessária à instalação ou ao funcionamento inadiável de serviços públicos essenciais, com prévia e expressa autorização do Chefe do Poder Executivo; e) a transferência ou remoção ex officio de militares, policiais civis e de agentes penitenciários; realizar transferência voluntária de recursos da União aos Estados e Municípios, e dos Estados aos Municípios, sob pena de nulidade de pleno direito, ressalvados os recursos destinados a cumprir obrigação formal preexistente para execução de obra ou serviço em andamento e com cronograma prefixado, e os destinados a atender situações de emergência e de calamidade pública art. 73, VI, a art. 36, VI, a nos três meses que antecederem as eleições

3 com exceção da propaganda de produtos e serviços que tenham concorrência no mercado, autorizar publicidade institucional dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos federais, estaduais ou municipais, ou das respectivas entidades da administração indireta, salvo em caso de grave e urgente necessidade pública, assim reconhecida pela Justiça Eleitoral (aplica-se apenas aos agentes públicos das esferas administrativas cujos cargos estejam em disputa na eleição, cabendo à Justiça Eleitoral o reconhecimento dessa exceção) art. 73, VI, b e 3º art. 36, VI, b e 5º e 6º nos três meses que antecederem as eleições fazer pronunciamento em cadeia de rádio e televisão, fora do horário eleitoral gratuito, salvo quando, a critério da Justiça Eleitoral, tratar-se de matéria urgente, relevante e característica das funções de governo (aplica-se apenas aos agentes públicos das esferas administrativas cujos cargos estejam em disputa na eleição, cabendo à Justiça Eleitoral o reconhecimento dessa exceção) realizar despesas com publicidade dos órgãos públicos ou das respectivas entidades da administração indireta, que excedam a média dos gastos nos três últimos anos que antecedem o pleito ou do último ano imediatamente anterior à eleição, prevalecendo o que for menor fazer, na circunscrição do pleito, revisão geral da remuneração dos servidores públicos que exceda a recomposição da perda de seu poder aquisitivo ao longo do ano da eleição contratar shows artísticos pagos com recursos públicos na realização de inaugurações aos candidatos a cargos do Poder Executivo, participar de inaugurações de obras públicas Fontes: Lei Complementar nº 101/00 - Lei de Responsabilidade Fiscal Normas para Eleições art. 73, VI, c e 3º art. 36, VI, c e 5º e 6º art. 73, VII art. 36, VII art. 73, VIII art. 36, VIII art. 75 art. 39 art. 77 art. 40 nos três meses que antecederem as eleições 1º de janeiro a 30 de junho A partir de 9 de abril e até a posse dos eleitos a partir de 6 de julho nos três meses que precedem o pleito Propaganda eleitoral e condutas vedadas aos agentes públicos em campanha eleitoral nas eleições de 2002

4 * AGENTE PÚBLICO: quem exerce, ainda que transitoriamente ou sem remuneração, por eleição, nomeação, designação, contratação ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo, mandato, cargo, emprego ou função nos órgãos ou entidades da administração pública direta, indireta ou fundacional ( 9.504/97, art. 73, 1º e /02, art. 36, 1º.

5 2012: mais um ano eleitoral repleto de vedações a agentes públicos À partir de domingo entramos em mais um ano eleitoral o que significa fiscalização acirrada aos homens públicos que precisam respeitar a legislação para não perderem o mandato conquistado nas urnas. Logo no dia 1º. De janeiro as pesquisas de opinião pública de consumo externo são obrigadas a serem registradas no juízo eleitoral e à distribuição gratuita de bens, valores ou serviços por parte da Administração Pública, exceto em casos de calamidade pública, de emergência ou de programas sociais autorizados por lei e já em execução orçamentária no exercício anterior podem ter continuidade. Mas quem deve mesmo se preocupar são os agentes públicos com o manuseio e utilização dos bens públicos. A lei reza que ceder ou usar, em benefício de candidato, partido político ou coligação, bens moveis ou imóveis pertencentes à administração direta ou indireta da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Territórios e dos Municípios é infração ao art. 73, I, da Lei no 9.504/97, e art. 50, I, da TSE no , de 16/12/2009, ou seja, não se pode realizar comícios em bens imóveis do Município; utilizar veículos oficiais para transportar material de campanha eleitoral; ceder repartição pública para atividade de campanha eleitoral; utilizar bens da repartição como celulares e computadores para fazer propaganda eleitoral de candidato, inclusive por meio de correspondência eletrônica ( ) particular. Outro abuso bastante comum é quanto à cessão de servidor público ou empregado da administração direta ou indireta federal, estadual ou municipal do Poder Executivo, para prestarem seus serviços nos comitês de campanha eleitoral de candidato, partido político ou coligação, durante o horário de expediente normal. Também é proibido a nomeação, contratação ou de qualquer forma admissão, demissão sem justa causa, supressão ou readaptação de vantagens ou por outros meios dificultar ou impedir o exercício funcional e, ainda, ex officio, remoção, transferência ou exoneraçãoservidor público, na circunscrição do pleito, nos três meses que o antecedem e até a posse dos eleitos, sob pena de nulidade de pleno direito fatos estes corriqueiros depois das alianças partidárias que acontecem geralmente entre os meses de fevereiro a abril. Os recursos públicos também têm modificações, pois não podem ser transferência voluntária de recursos da União aos Estados e Municípios, sob pena de nulidade de pleno direito, ressalvados os recursos destinados a cumprir obrigação formal preexistente para execução de obra ou serviço em andamento e com cronograma prefixado, e os destinados a atender situações de emergência e de calamidade pública, previsto no art. 73, VI, a, da Lei 9.504/97, e art. 50, VI, a, da TSE no , de 16/12/2009. Os meios de comunicação são os mais fiscalizados pelo ministério público eleitoral. A lei é dura e segundo uma pesquisa é a que mais pune durante o período eleitoral. É proibida veiculação de propaganda institucional nos três meses anteriores ao pleito, ou seja, a aplicação da marca do Governo Federal como aconteceu nas últimas eleições ( Brasil. Um País de Todos ) em placas de obras, placas de inaugurações, postes, cisternas, sacos de leite e ainda em qualquer bem público a marca tem que ser retirada das placas, seja ela colocada até pela iniciativa provada; retira-se também a aplicação de logomarca de programas e ações, slogans e nome de órgãos; nos sítios (sites) dos órgãos e entidade do Poder

6 Executivo Federal deverão retirar a marca do Governo Municipal, slogans e tudo que possa constituir sinal distintivo de ação de publicidade objeto de controle da legislação eleitoral; e quanto aos brindes do tipo chapéu, chaveiro, canetas, camisetas e similares estão proibidos, pois configuram instrumento de propaganda mais utilizado em campanha eleitoral. A severidade da legislação eleitoral impõe a imediata suspensão da conduta vedada, quando for o caso; multa no valor de R$ 5.320,50 a R$ ,00 aos agentes responsáveis, aos partidos políticos, as coligações e aos candidatos beneficiados, sem prejuízo de outras sanções de caráter constitucional, administrativo ou disciplinar fixadas pelas demais leis vigentes; e cassação do registro do candidato ou do diploma do eleito que tenha sido beneficiado, agente publico ou não. Fiquem de olho

7 A Confederação Nacional de Municípios (CNM) lembra aos agentes políticos municipais que em 2012 ano eleitoral alguns procedimentos são proibidos. De acordo com os parágrafos 10 e 11 do artigo 73 da Lei 9.504/1997, a contar de 1.º de janeiro do corrente ano estão proibidas a distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios por parte da Administração Pública. A legislação prevê exceção para os casos de calamidade pública, estado de emergência ou no atendimento a programas sociais autorizados em lei e já em execução orçamentária no exercício anterior Nestes casos, o Ministério Público poderá promover o acompanhamento de sua execução financeira e administrativa. Neste aspecto, a CNM alerta ainda que no ano eleitoral, os programas sociais referidos acima, não poderão ser executados por entidade nominalmente vinculada a candidato ou por ele mantida. É importante ressaltar ainda que as condutas estão vedadas para os agentes políticos que atuam na circunscrição do pleito, ou seja, neste ano de 2012, apenas no âmbito municipal. "Muito cuidado com o desenvolvimento de programas sociais de outras esferas de poder, na jurisdição do Município", lembra o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski.Ziulkoski chama atenção dos agentes políticos locais para os cuidados que deverão ter neste ano de Ele também lembra que a CNM está publicando em seu site, o calendário eleitoral divulgado pelo TSE e que deverá ser seguido a risca, pelos agentes políticos locais, candidatos ou não.

8 A Confederação Nacional de Municípios (CNM) lembra aos agentes políticos municipais que em 2012 ano eleitoral alguns procedimentos são proibidos. De acordo com os parágrafos 10 e 11 do artigo 73 da Lei 9.504/1997, a contar de 1.º de janeiro do corrente ano estão proibidas a distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios por parte da Administração Pública. A legislação prevê exceção para os casos de calamidade pública, estado de emergência ou no atendimento a programas sociais autorizados em lei e já em execução orçamentária no exercício anterior Nestes casos, o Ministério Público poderá promover o acompanhamento de sua execução financeira e administrativa. Neste aspecto, a CNM alerta ainda que no ano eleitoral, os programas sociais referidos acima, não poderão ser executados por entidade nominalmente vinculada a candidato ou por ele mantida. É importante ressaltar ainda que as condutas estão vedadas para os agentes políticos que atuam na circunscrição do pleito, ou seja, neste ano de 2012, apenas no âmbito municipal. "Muito cuidado com o desenvolvimento de programas sociais de outras esferas de poder, na jurisdição do Município", lembra o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski. Ziulkoski chama atenção dos agentes políticos locais para os cuidados que deverão ter neste ano de Ele também lembra que a CNM está publicando em seu site, o calendário eleitoral divulgado pelo TSE e que deverá ser seguido a risca, pelos agentes políticos locais, candidatos ou não. O cumprimento das determinações evitará a cassação de registro de candidaturas ou de diplomas, além do risco de terem condutas caracterizadas como atos de improbidade administrativa a que se refere o artigo 11, inciso I, da Lei 8.429/1992.

9 VEDAÇÕES EM PERÍODO ELEITORAL E OBRIGAÇÕES DE FINAL DE MANDATO A UCMMAT no exercício de sua atividade de orientação as Câmaras Municipais, elaborou o presente Boletim, a fim de orientar os Administradores Públicos Municipais quanto às regras a ser observadas em ano eleitoral e último ano de mandato. As restrições decorrem da Lei de Responsabilidade Fiscal; Lei 9.504/97 (Lei Eleitoral); Lei 4.320/64; Código Penal e legislação esparsa. Regras de final de mandato: 1ª. Não aumentar despesa de pessoal (art. 21): Nos 180 dias que antecedem o término da legislatura ou do mandato, nenhum ato que provoque aumento de despesa com pessoal poderá ser editado, sob pena de ser considerado nulo de pleno direito. Alerta-se, ainda, que de acordo com a Lei /2000, que introduziu alterações no Código Penal Brasileiro, tal conduta é tipificada como crime sujeito à reclusão de 1 a 4 anos (art G). Além da incidência da sanção de ordem pessoal, acima descrita, a inobservância às regras previstas para o último ano de mandato, acarreta a aplicação de sanções institucionais, previstas na própria LRF, como a suspensão de recebimento de transferências voluntárias, de contratação de operações de crédito e de obtenção de garantias, caso a despesa com pessoal exceda o limite no primeiro quadrimestre do último ano de mandato (art. 23, 4º da LRF). 2ª. Não contratar operação de crédito por antecipação da receita - (art. 38, IV, a ): Durante todo o último ano de mandato é vedada a contratação de operação de crédito por antecipação da receita. Acrescente-se, ainda, que tal prática, nos termos da Lei /2000, é tipificada como crime sujeito à reclusão de 1 a 2 anos (art. 359-A). Alerta-se, por fim, que de acordo com a 43/2001 do Senado Federal, alterada pela 03/2002, nos últimos 180 dias de mandato do Chefe do Executivo, é vedada a realização de qualquer operação de crédito.

10 3ª. Exceder o limite da dívida consolidada (art. 31, 3º): O limite máximo para endividamento do ente, estabelecido por do Senado Federal, quando inobservado no primeiro quadrimestre do último ano de mandato, importará na aplicação imediata das restrições descritas no art. 31, 1º da LRF, ou seja, vedação para realização de operações de crédito, inclusive por antecipação da receita, excetuando-se apenas àquelas destinadas ao refinanciamento da dívida, e obrigatoriedade de obtenção de superávit primário para redução do excesso, inclusive por meio de limitação de empenho. 4ª - Não contrair obrigação nos dois últimos quadrimestres (art. 42): Fica proibido assumir obrigação de despesa nos últimos oito meses que antecedem o final de mandato do titular de Poder ou órgão referido no art. 20 da LRF, que não possa ser cumprida integralmente dentro do exercício, ou que se inscrita em restos a pagar não tenha suficiente disponibilidade de caixa para que o sucessor possa atendê-la. Decorre da interpretação do art. 359-F do Código Penal, introduzido pela Lei /2000, a necessidade de cancelamento dos restos a pagar ilegalmente inscritos no exercício, ou seja, aqueles que houverem ultrapassado o valor das disponibilidades financeiras. Nota-se, entretanto, que o cancelamento de despesas inscritas em restos a pagar depende da natureza e estágio de realização dos compromissos assumidos. Portanto, deverá haver respeito aos contratos legalmente realizados, que já tenham ultrapassado a fase de liquidação. Outra importante observação diz respeito à ordem cronológica dos pagamentos dos restos a pagar, que deve ser observada por força do art. 5º da Lei 8.666/93 (Lei de Licitações) e do Decreto-Lei 201/67 (art. 1º, inciso II). Assim, as disponibilidades de caixa servirão para atender os compromissos assumidos até o último ano de mandato, incluindo os dos exercícios anteriores. Há que se destacar, ainda, que a restrição em questão aplica-se ao último ano de mandato, independente de quem seja o sucessor, inclusive nos casos de reeleição. 2. A Lei 4.320/64

11 Regras de final de mandato: 1) Fica vedado, no último mês do mandato, empenhar despesa cujo valor ultrapasse a soma correspondente ao duodécimo da despesa prevista no orçamento vigente (art. 59, 1º). 2) São nulos e de nenhum efeito os empenhos e os atos praticados em desacordo com a regra supracitada, acarretando a responsabilização do Prefeito, nos termos do art. 1º, inciso V do Decreto-Lei 201/ Lei Eleitoral nº 9.504/97 Regras proibitivas de final de mandato, tendo em vista que têm relação direta com os gastos públicos: São vedadas despesas de contratação e nomeação de pessoal (art. 73, V): Não deverão ser realizadas nos três meses que antecedem o pleito eleitoral até a posse dos eleitos, despesas de pessoal com contratação e nomeação, bem como demitir sem justa causa, suprimir ou readaptar vantagens ou por outros meios dificultar ou impedir o exercício funcional, sob pena de nulidade de pleno direito, ressalvadas as seguintes hipóteses: a) a nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança; b) a nomeação para cargos do Poder Judiciário, do Ministério Público, dos Tribunais ou Conselhos de Contas e dos órgãos da Presidência da República; c) a nomeação dos aprovados em concursos públicos homologados até o início do prazo citado acima; d) a nomeação ou contratação necessária à instalação ou ao funcionamento inadiável de serviços públicos essenciais, com prévia e expressa autorização do Chefe do Poder Executivo; e) a transferência ou remoção ex offício de militares, policiais civis e de agentes penitenciários. - Proibição de realizar despesas com publicidade: realizar, em ano de eleição, antes do prazo fixado no inciso anterior (3 meses), despesas com publicidade dos órgãos públicos federais, estaduais ou municipais, ou das respectivas entidades da administração indireta, que excedam a média dos gastos nos três últimos anos que antecedem o pleito ou do último ano imediatamente anterior à eleição. Nos três meses que antecedem o pleito é vedada a publicidade institucional dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos em

12 todos os níveis, ou das respectivas entidades da Administração indireta, salvo nos casos de grave e urgente necessidade pública, assim reconhecida pela Justiça Eleitoral. (Art. 73, VI, b ) - Proibição de realizar revisão geral que exceda a recomposição de perdas (art. 73, VIII): A partir de abril até a posse dos eleitos, é vedada a realização de Revisão Geral da Remuneração dos Servidores Públicos Municipais, que exceda a recomposição de perdas. A Revisão Geral de Remuneração deve ser entendida como sendo o aumento concedido em razão do poder aquisitivo da moeda e que não tem por objetivo corrigir situações de injustiça ou de necessidade de revalorização profissional de carreiras específicas. - Proibição de despesas com shows artísticos (art. 75): Nos três meses que antecederem as eleições é vedada a contratação de shows artísticos pagos com recursos públicos. Observações: Atenção para os prazos da /TSE - Calendário Eleitoral de 2008 Publicidade institucional no período eleitoral. Apenas a propaganda de produtos e serviços que tenham concorrência no mercado, como é o caso de produtos e serviços comercializados pelas empresas estatais. Excepcionalmente, poderá ser admitida a propaganda de atos, programas, obras e serviços públicos, desde que motivada por grave e urgente necessidade pública, assim reconhecida previamente e especificamente pela Justiça Eleitoral. Situação de grave e urgente necessidade pública, para fins de publicidade institucional. A definição das situações de grave e urgente necessidade pública está a cargo da Justiça Eleitoral, dependendo de prévia consulta e autorização específica. Assim, em regra, toda e qualquer publicidade está vedada, salvo autorização específica da Justiça Eleitoral. Realização de concursos públicos. A vedação atinge o ato de admissão de pessoal (nomeação ou contratação). Desse modo, é permitida a publicação de

13 editais e abertura de novos concursos públicos com a realização das etapas posteriores (provas, coleta de documentos, publicação de resultado, etc.), suspendendo-se os atos de nomeação. Realização de licitações. Não há restrição à realização de licitações para obras e serviços em virtude do período eleitoral, desde que exista dotação orçamentária, que não se trate de recursos decorrentes de transferências voluntárias e que se atenda ao disposto no art. 42 da LRF. O descumprimento dos dispositivos precitados acarretará, de acordo com a conduta: suspensão imediata da conduta vedada, multa, ressarcimento do dano, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de 3 a 5 anos e proibição de contratar com o Poder Público ou receber incentivo ou benefício por três anos, sem prejuízo de outras sanções de ordem constitucional ou legal. 4 Quadro de impedimentos e vedações 4.1 Publicidade Institucional IMPEDIMENTOS RELATIVOS À PUBLICIDADE INSTITUCIONAL Descrição Duração Exceções A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores Permanente Não há

14 públicos (CR, Art. 37, 1º) Autorizar publicidade institucional dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos ou das entidades da administração indireta. Nos três meses que antecedem o pleito e até a diplomação dos eleitos. a) Propaganda de produtos e serviços que tenham concorrência no mercado; b) Publicidade motivada por grave e urgente necessidade pública, reconhecida pela Justiça Eleitoral. Realizar despesas com No período publicidade dos órgãos públicos que precede o ou das entidades da administração trimestre indireta, que excedam a média imediatamente dos gastos nos três últimos anos que antecedem o pleito ou do anterior ao pleito. último ano imediatamente anterior à eleição. Não há. Fazer pronunciamento em cadeia de rádio e televisão fora do horário eleitoral gratuito. Nos três meses que antecedem o pleito e até a diplomação dos eleitos. A critério da Justiça Eleitoral, o pronunciamento tratar de matéria urgente e relevante. Em inauguração de obras públicas, proíbem-se: a) a contratação de shows artísticos pagos com recursos públicos; e b) a participação dos candidatos aos Nos três meses que antecedem o pleito e até a diplomação Não há.

15 cargos do Poder Executivo (art. 77, Lei 9.504/97) dos eleitos.

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL VEDAÇÕES EM ÚLTIMO ANO DE MANDATO

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL VEDAÇÕES EM ÚLTIMO ANO DE MANDATO LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL VEDAÇÕES EM ÚLTIMO ANO DE MANDATO 1 ART. 42 - VEDAÇÕES de 1º de maio a 31 de dezembro: Contrair obrigação de despesa, nos últimos 8 meses, que não possa ser cumprida (paga)

Leia mais

Tribunal de Contas do Distrito Federal Luiz Genédio 5ª. Inspetoria de Controle Externo Maio de 2010

Tribunal de Contas do Distrito Federal Luiz Genédio 5ª. Inspetoria de Controle Externo Maio de 2010 Tribunal de Contas do Distrito Federal Luiz Genédio 5ª. Inspetoria de Controle Externo Maio de 2010 Restrições para ano eleitoral Lei de Responsabilidade Fiscal LRF Legislação Eleitoral: Lei nº 9.504/97

Leia mais

GESTÃO RESPONSÁVEL EM FINAL DE MANDATO, COM FOCO NA LRF E NA LEI ELEITORAL

GESTÃO RESPONSÁVEL EM FINAL DE MANDATO, COM FOCO NA LRF E NA LEI ELEITORAL GESTÃO RESPONSÁVEL EM FINAL DE MANDATO, COM FOCO NA LRF E NA LEI ELEITORAL Resolução 002/2016/TCM/PA Analista de Controle Externo CLEBER MESQUITA VEDAÇÕES E PRAZOS EM ÚLTIMO ANO DE MANDATO Analista de

Leia mais

NORMA DE CONDUTA EM PERÍODO ELEITORAL - NOR 317

NORMA DE CONDUTA EM PERÍODO ELEITORAL - NOR 317 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: CONDUTA EM PERÍODO ELEITORAL. APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 080, de 26/05/2014 VIGÊNCIA: 26/05/2014 NORMA DE CONDUTA EM PERÍODO ELEITORAL - NOR 317 1/7 SUMÁRIO

Leia mais

CONDUTAS VEDADAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS

CONDUTAS VEDADAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS CONDUTAS VEDADAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS Elaboração Mauro A. Prezotto OAB/SC 12.082 Renata Guimarães OAB/SC 34.533 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. CONDUTAS VEDADAS... 4 1.1 VISÃO GERAL... 4 1.2. DAS CONDUTAS

Leia mais

Lei /2015: As Regras para a propaganda eleitoral 2016.

Lei /2015: As Regras para a propaganda eleitoral 2016. Lei 13.165/2015: As Regras para a propaganda eleitoral 2016. Calendário eleições 2016. Agosto: -05: último dia para realizações de convenções partidárias. -15: Último dia para os partidos e coligações

Leia mais

ANÁLISE DAS CONTAS DE GOVERNO REGRAS DE FINAL DE MANDATO

ANÁLISE DAS CONTAS DE GOVERNO REGRAS DE FINAL DE MANDATO ANÁLISE DAS CONTAS DE GOVERNO REGRAS DE FINAL DE MANDATO COMPETÊNCIAS DO TCE EMISSÃO DE PARECER PRÉVIO LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL DESPESAS COM PESSOAL A LRF prevê a nulidade do ato que resulte aumento

Leia mais

eleições municipais 2016

eleições municipais 2016 eleições municipais 2016 agente público no período eleitoral: o que pode e o que não pode Governo do Estado de São Paulo Geraldo Alckmin Secretaria de Planejamento e Gestão Marcos Antonio Monteiro Subsecretaria

Leia mais

Condutas Vedadas aos Agentes Públicos em Campanhas Eleitorais

Condutas Vedadas aos Agentes Públicos em Campanhas Eleitorais Condutas Vedadas aos Agentes Públicos em Campanhas Eleitorais Com a proximidade das eleições, a União dos Municípios da Bahia - UPB vem alertar sobre as condutas vedadas prevista na lei 9.504, com o objetivo

Leia mais

CARTILHA ELEITORAL PARA OS AGENTES PÚBLICOS DO ESTADO DA PARAÍBA ELEIÇÕES 2014

CARTILHA ELEITORAL PARA OS AGENTES PÚBLICOS DO ESTADO DA PARAÍBA ELEIÇÕES 2014 CARTILHA ELEITORAL PARA OS AGENTES PÚBLICOS DO ESTADO DA PARAÍBA ELEIÇÕES 2014 Paraíba 2014 cartilha 3.indd 1 04/06/2014 09:43:48 Ricardo Vieira Coutinho Governador do Estado da Paraíba Rômulo Gouveia

Leia mais

Legitimidade passiva refere-se àquele que causou dano ou está prejudicando o direito perseguido na ação

Legitimidade passiva refere-se àquele que causou dano ou está prejudicando o direito perseguido na ação Condutas vedadas Condutas vedadas são normas proibitivas sobre o modo de agir e de se comportar, durante um determinado espaço de tempo, direcionadas exclusivamente aos agentes públicos que se candidatam

Leia mais

28/05/ Trabalho e Previdência - Eleições Considerações

28/05/ Trabalho e Previdência - Eleições Considerações 28/05/2010 - Trabalho e Previdência - Eleições 2010 - Considerações Texto elaborado em 30.04.2010 Sumário 1. Introdução 2. Feriado nacional 2.1 Expediente no dia de eleição 2.2 Empregado - Tempo gasto

Leia mais

Modelo 9 - DEMONSTRATIVO DOS LIMITES - RGF

Modelo 9 - DEMONSTRATIVO DOS LIMITES - RGF Nome da Entidade: CNPJ: 88124961000159 ORGÃO Nº: 57100 ENTIDADES DA ADMINISTRAÇÃO INDIRETA QUE COMPÕEM AS INFORMAÇÕES DO MODELO 9: CNPJ Nome da Entidade Tipo É RPPS? Cód. Barras do RVE 96041330000102 DEP.

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO IV DAS FUNÇÕES ESSENCIAIS À JUSTIÇA Seção I Do Ministério Público Art. 127. O Ministério Público é instituição

Leia mais

- 1 - Segue o parecer sobre o questionamento formulado.

- 1 - Segue o parecer sobre o questionamento formulado. PARECER Nº : 047/2008-1 - Exmo. Sr. Conselheiro: Tratam os autos de consulta formulada pelo Prefeito Municipal de Barra do Bugres, Sr. Aniceto de Campos Miranda, mediante a qual solicita deste Tribunal

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESQUEMATIZADO: ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESQUEMATIZADO: ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESQUEMATIZADO: ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA DE ACORDO COM O EDITAL N 1, DE 24 DE NOVEMBRO DE 201, DO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO, TRE-SP CONHECIMENTOS BÁSICOS

Leia mais

QUESTÕES DE CONCURSOS PÚBLICOS 2016 CONTABILIDADE PÚBLICA. Desejo-lhe sucesso e sorte na conquista de seus sonhos e o pleno alcance de suas metas.

QUESTÕES DE CONCURSOS PÚBLICOS 2016 CONTABILIDADE PÚBLICA. Desejo-lhe sucesso e sorte na conquista de seus sonhos e o pleno alcance de suas metas. QUESTÕES DE CONCURSOS PÚBLICOS 2016 CONTABILIDADE PÚBLICA Prezado estudante, concursando! Desejo-lhe sucesso e sorte na conquista de seus sonhos e o pleno alcance de suas metas. Nunca desista de conquistar

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES DE 2016

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES DE 2016 ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES DE 2016 1. PRAZOS ELEITORAIS PARA OS PARTIDOS: 1.1 ESCOLHA DOS CANDIDATOS: 20.07.2016 a 05.08.2016 (Lei nº 9.504/1997, art. 8º, caput); 1.2 REGISTRO DE CANDIDATURA:

Leia mais

ÚLTIMO ANO DE MANDATO DE PREIFEITO INADIMPLÊNCIA DOS MUNICÍPIOS

ÚLTIMO ANO DE MANDATO DE PREIFEITO INADIMPLÊNCIA DOS MUNICÍPIOS ÚLTIMO ANO DE MANDATO DE PREIFEITO INADIMPLÊNCIA DOS MUNICÍPIOS Luciana Drumond de Moraes Advogada OAB/ES 9.538 No ano de 2016 irão acontecer as eleições municipais, na qual serão eleitos Prefeitos, Vice-Prefeitos

Leia mais

DECRETO Nº 028, DE 04 DE MARÇO DE 2016.

DECRETO Nº 028, DE 04 DE MARÇO DE 2016. DECRETO Nº 028, DE 04 DE MARÇO DE 2016. Aprova o Manual de Comportamento dos Agentes Públicos da Administração Municipal para as Eleições de 2016, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SÃO

Leia mais

Sumário. LRF_Book.indb 15 19/03/ :29:01

Sumário. LRF_Book.indb 15 19/03/ :29:01 Sumário Capítulo 1 Disposições Gerais... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Objetivo da obra... 6 1.3. Apresentando a LRF... 6 1.4. Origem da LRF... 7 1.5. Previsão constitucional para implementação da LRF...

Leia mais

Guia rápido de permissões e proibições pertinentes à propaganda eleitoral

Guia rápido de permissões e proibições pertinentes à propaganda eleitoral Secretaria Judiciária Coordenadoria de Gestão da Informação Guia rápido de permissões e proibições pertinentes à propaganda eleitoral Tipo Regra Referência legislativa Sancionamento em caso de violação

Leia mais

Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública. Magno Subtil

Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública. Magno Subtil Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública Magno Subtil Registro de Preços Decreto Estadual 7.437/2011 Sistema de Registro de Preços é o conjunto de procedimentos para registro

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 2.189, DE 2007 Estabelece normas para a utilização de marca publicitária pelo Governo Federal e para seus investimentos em

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 04 DE 26 DE ABRIL DE A Câmara Municipal de Guaíra resolve:

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 04 DE 26 DE ABRIL DE A Câmara Municipal de Guaíra resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 04 DE 26 DE ABRIL DE 2016 Regulamenta a prestação de contas de adiantamentos para as despesas com viagens dos vereadores e servidores; e dá outras providências. A Câmara Municipal

Leia mais

LIMITES DE GASTOS COM PESSOAL. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado

LIMITES DE GASTOS COM PESSOAL. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado LIMITES DE GASTOS COM PESSOAL Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado LEGISLAÇÃO BÁSICA Constituição Federal: art. 169 LC 101/2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal): Art. 19, inciso III: DP total município = 60%

Leia mais

2012/ Ao presidente do partido e ao juiz eleitoral

2012/ Ao presidente do partido e ao juiz eleitoral 2012/2014 2016 20/07 a 05/08 Data das Convenções Partidárias 10/06 a 30/06 (Art. 8º da Lei nº. 9.504/97 e 93, 2º da Lei 4.737/65) Prazo de filiação partidária Comunicação de desfiliação partidária Janela

Leia mais

O Prefeito Municipal de Charrua, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei:

O Prefeito Municipal de Charrua, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: LEI MUNICIPAL Nº 378, EM 11 DE OUTUBRO DE 2002. DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA 2003 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Charrua, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que

Leia mais

DIREITO ELEITORAL CAMPANHA ELEITORAL, PRINCÍPIOS E VISÃO SIMPLIFICADA DOS PROCEDIMENTOS

DIREITO ELEITORAL CAMPANHA ELEITORAL, PRINCÍPIOS E VISÃO SIMPLIFICADA DOS PROCEDIMENTOS DIREITO ELEITORAL CAMPANHA ELEITORAL, PRINCÍPIOS E VISÃO SIMPLIFICADA DOS PROCEDIMENTOS 1) REFORMA POLÍTICA LEI 13.165/2015 Redução do tempo de propaganda ; Influência da proibição de financiamento de

Leia mais

A propaganda eleitoral no rádio e na televisão restringe-se ao horário gratuito definido na Lei 9.504/97, vedada a veiculação de propaganda paga.

A propaganda eleitoral no rádio e na televisão restringe-se ao horário gratuito definido na Lei 9.504/97, vedada a veiculação de propaganda paga. A propaganda eleitoral no rádio e na televisão restringe-se ao horário gratuito definido na Lei 9.504/97, vedada a veiculação de propaganda paga. Ocorrerá a veiculação apenas nos Municípios em que houver

Leia mais

Reunião COSEMS-CE. Lei /2014. Piso Salarial dos ACS e ACE

Reunião COSEMS-CE. Lei /2014. Piso Salarial dos ACS e ACE Reunião COSEMS-CE Lei 12.994/2014 Piso Salarial dos ACS e ACE O Piso Nacional criado corresponde ao vencimento inicial dos ACS e ACE (Art. 9º-A). Desse modo, o valor fixado não contempla eventuais adicionais

Leia mais

Propaganda Eleitoral na Internet. PODE haver propaganda eleitoral na internet a partir do dia 16/08/2016

Propaganda Eleitoral na Internet. PODE haver propaganda eleitoral na internet a partir do dia 16/08/2016 PODE/NÃO PODE/DEVE Parte IV Propaganda Eleitoral Na Internet, da Resolução nº 23.457, de 15/12/2015, que dispõe sobre propaganda eleitoral, utilização e geração do horário gratuito e condutas ilícitas

Leia mais

Princípios da Administração Pública

Princípios da Administração Pública Princípios da Administração Pública PRINCÍPIO DA LEGALIDADE Conceito: Ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei (art. 5º, II da CF). O Princípio da legalidade

Leia mais

OBRIGAÇÕES NO ÚLTIMO ANO DE MANDATO

OBRIGAÇÕES NO ÚLTIMO ANO DE MANDATO OBRIGAÇÕES NO ÚLTIMO ANO DE MANDATO Tribunal de Contas do Estado do Tocantins Junho/2008 Coordenadoria LRF Obrigações no último ano de mandato 2008 - último ano de mandato municipal. Um ano que prevê uma

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 1.217, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013

LEI COMPLEMENTAR Nº 1.217, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013 LEI COMPLEMENTAR Nº 1.217, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013 Altera a Lei Complementar nº 1.111, de 25 de maio de 2010, que institui o Plano de Cargos e Carreiras dos servidores do Tribunal de Justiça do Estado

Leia mais

Siglas deste documento:

Siglas deste documento: O Serviço Auxiliar de Informações para Transferências Voluntárias (CAUC) possui 13 itens a serem observados para a efetivação de uma transferência voluntária. Veja adiante a legislação relativa a cada

Leia mais

DECRETO Nº 8.598, DE 08 DE NOVEMBRO DE 2016.

DECRETO Nº 8.598, DE 08 DE NOVEMBRO DE 2016. DECRETO Nº 8.598, DE 08 DE NOVEMBRO DE 2016. Dispõe sobre o empenho de despesas, a inscrição de restos a pagar e o encerramento das atividades com repercussão orçamentária, financeira e patrimonial do

Leia mais

LEI Nº 4.249, DE 17 DE DEZEMBRO DE Art. 2º - Considera-se necessidade temporária de. I - assistência a situações de emergência e de

LEI Nº 4.249, DE 17 DE DEZEMBRO DE Art. 2º - Considera-se necessidade temporária de. I - assistência a situações de emergência e de LEI Nº 4.249, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2002. Dispõe sobre a contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público, nos termos do inciso IX do artigo 37 da

Leia mais

PARECER Nº, DE SENADO FEDERAL Gabinete do Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA. RELATOR: Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE SENADO FEDERAL Gabinete do Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA. RELATOR: Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 244, de 2014, que acrescenta incisos ao art. 11 da Lei nº 8.429, de 2 de junho de 1992, para incluir

Leia mais

1. DIREITOS POLÍTICOS (art. 1o, II; artigos 14 a 17, da CF) ESPÉCIES: DIREITOS POLÍTICOS POSITIVOS DIREITOS POLÍTICOS NEGATIVOS

1. DIREITOS POLÍTICOS (art. 1o, II; artigos 14 a 17, da CF) ESPÉCIES: DIREITOS POLÍTICOS POSITIVOS DIREITOS POLÍTICOS NEGATIVOS 1. DIREITOS POLÍTICOS (art. 1o, II; artigos 14 a 17, da CF) ESPÉCIES: DIREITOS POLÍTICOS POSITIVOS DIREITOS POLÍTICOS NEGATIVOS DIREITOS POLÍTICOS e REGIME DEMOCRÁTICO O REGIME DEMOCRÁTICO como princípio:

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 04/ PRE/GO

NOTA TÉCNICA Nº 04/ PRE/GO PR-GO-00032779/2016 MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL NOTA TÉCNICA Nº 04/2016 - PRE/GO O PROCURADOR REGIONAL ELEITORAL EM GOIÁS, no exercício das atribuições previstas nos artigos 127 da Constituição Federal

Leia mais

Sistemas de Controle das empresas estatais

Sistemas de Controle das empresas estatais Sistemas de Controle das empresas estatais Alexandre Luis Bragança Penteado Gerente Setorial do Jurídico Corporativo de Órgãos Externos da Petróleo Brasileiro S.A. - PETROBRAS Sistemas de controle do Estado

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO DE LONGO PRAZO COM ACOES RESTRITAS RAIA DROGASIL S.A.

PROGRAMA DE INCENTIVO DE LONGO PRAZO COM ACOES RESTRITAS RAIA DROGASIL S.A. PROGRAMA DE INCENTIVO DE LONGO PRAZO COM ACOES RESTRITAS DA RAIA DROGASIL S.A. Aprovada na Assembleia Geral Extraordinária realizada em 23 de abril de 2014 1 PROGRAMA DE INCENTIVO DE LONGO PRAZO COM ACOES

Leia mais

RESOLUÇÃO TSE /2008* 1

RESOLUÇÃO TSE /2008* 1 RESOLUÇÃO TSE 22.901/2008* 1 * 1 Resolução alterada pelas Resoluções TSE 23.386/2012, 23.477/2016 e 23.497/2016. PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 18.456 CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO AGENTE PÚBLICO CONDUTAS E VEDAÇÕES A SEREM OBSERVADAS DURANTE O ANO ELEITORAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO AGENTE PÚBLICO CONDUTAS E VEDAÇÕES A SEREM OBSERVADAS DURANTE O ANO ELEITORAL PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO AGENTE PÚBLICO CONDUTAS E VEDAÇÕES A SEREM OBSERVADAS DURANTE O ANO ELEITORAL Natal/RN, 05 de dezembro de 2011. APRESENTAÇÃO

Leia mais

DECRETO N.º DE 15 DE MAIO DE O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas disposições legais, e

DECRETO N.º DE 15 DE MAIO DE O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas disposições legais, e DECRETO N.º 35610 DE 15 DE MAIO DE 2012 Institui o regime FICHA LIMPA como requisito para o ingresso em cargo ou emprego público no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Município do Rio

Leia mais

RESOLUÇÃO 22/ (vinte) horas semanais de trabalho; 40 (quarenta) horas semanais de trabalho;

RESOLUÇÃO 22/ (vinte) horas semanais de trabalho; 40 (quarenta) horas semanais de trabalho; Regulamenta o Regime de Trabalho na UESB, 20(vinte) 40 (quarenta) horas e de Tempo Integral com Dedicação Exclusiva. O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE, no uso de suas atribuições,

Leia mais

4 - A LOA compreende, entre outros, o orçamento de investimento de todas as empresas de que a União participe.

4 - A LOA compreende, entre outros, o orçamento de investimento de todas as empresas de que a União participe. Orçamento Público CF/88 (CESPE SAD/PE Analista de Controle Interno Especialidade: Finanças Públicas/2010) - A seção II do capítulo referente às finanças públicas, estabelecido na CF, regula os denominados

Leia mais

REFLEXOS DA REFORMA POLÍTICA NAS ELEIÇÕES DE 2016

REFLEXOS DA REFORMA POLÍTICA NAS ELEIÇÕES DE 2016 REFLEXOS DA REFORMA POLÍTICA NAS ELEIÇÕES DE 2016 Dr. Felipe Ferreira Lima Diretor do Instituto Egídio Ferreira Lima 1. Introdução: O debate sobre a Reforma Política no Brasil 2. Registro de Candidatura

Leia mais

Assunto: Contabilidade Governamental-Tesouro Nacional - Entendimento sobre a aplicação das penalidades previstas na Lei Complementar nº 101, de 2000.

Assunto: Contabilidade Governamental-Tesouro Nacional - Entendimento sobre a aplicação das penalidades previstas na Lei Complementar nº 101, de 2000. Ministério da Fazenda Secretaria do Tesouro Nacional Subsecretaria de Contabilidade Pública Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação Nota Técnica nº 22/2016/CCONF/SUCON/STN/MF-DF

Leia mais

TERCEIRA e QUARTA AULA Prof. Thais Nunes

TERCEIRA e QUARTA AULA Prof. Thais Nunes TERCEIRA e QUARTA AULA thais.nunes@cursoaprovacao.com.br Das Condutas Vedadas aos Agentes Públicos em Campanhas Eleitorais (art. 73 a 78) Art. 73. São proibidas aos agentes públicos, servidores ou não,

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO ORÇAMENTO PÚBLICO (continuação)

DIREITO FINANCEIRO ORÇAMENTO PÚBLICO (continuação) DIREITO FINANCEIRO ORÇAMENTO PÚBLICO (continuação) III. VEDAÇÕES ORÇAMENTÁRIAS A vedação, tratada pelo art. 167, da CF, é dividida em 2 tópicos: a) Execução Orçamentária (limitações a serem aplicadas no

Leia mais

1. DA PROPAGANDA ELEITORAL

1. DA PROPAGANDA ELEITORAL Período de veiculações de propaganda eleitoral: 06 de julho a 03 de outubro de 2014. 1. DA PROPAGANDA ELEITORAL A propaganda eleitoral não pode ultrapassar, por edição, 35 cm no formato tabloide ou revista

Leia mais

Estado da Bahia PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINA CNPJ: / DECRETO Nº. 90, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012

Estado da Bahia PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINA CNPJ: / DECRETO Nº. 90, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012 DECRETO Nº. 90, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012 Estabelece medidas administrativas de racionalização, controle orçamentário e contenção de despesas no âmbito da Prefeitura Municipal e dá outras providências.

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 Brasília, 26 de junho de 2012. ÁREA: TÍTULO: Contabilidade Pública Restos a Pagar Considerando que, de acordo com o art. 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é vedado ao

Leia mais

D E C L A R A Ç Ã O PARA ELEIÇÕES 2012

D E C L A R A Ç Ã O PARA ELEIÇÕES 2012 D E C L A R A Ç Ã O PARA ELEIÇÕES 2012 Nome do Candidato: Nome do pai: Nome da mãe: Partido Político ou Coligação: Cargo a que concorre: ( ) Prefeito ( ) Vice-Prefeito ( ) Vereador Município: Declaro,

Leia mais

CADERNO DE ESTUDO DIRIGIDO ESTUDO DE LEI

CADERNO DE ESTUDO DIRIGIDO ESTUDO DE LEI CADERNO DE ESTUDO DIRIGIDO ESTUDO DE LEI REGIME JURIDICO ÚNICO LEI 8.112/90 2016 4 ABRANGÊNCIA Disciplina sobre o regime estatutário dos servidores civis (efetivo ou em comissão) da União, Autarquias Federais

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARMO DA CACHOEIRA ESTADO DE MINAS GERAIS GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARMO DA CACHOEIRA ESTADO DE MINAS GERAIS GABINETE DO PREFEITO 1 LEI Nº. 2.232, de 20 de outubro de 2011 Dispõe sobre a criação da Imprensa Oficial do Município de Carmo da Cachoeira-MG, e dá outras providências. A Câmara Municipal de Carmo da Cachoeira, por seus

Leia mais

LEI Nº , DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015

LEI Nº , DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015 Orçamento do Estado 2016 Governo do Estado de São Paulo LEI Nº 16.083, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015 Orça a Receita e fixa a Despesa do Estado para o exercício de 2016. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO:

Leia mais

Advogados Municipais As Proibições do Ano Eleitoral

Advogados Municipais As Proibições do Ano Eleitoral Advogados Municipais As Proibições do Ano Eleitoral Dia 20 - das 9h às 12h Ano Eleitoral: Regras Aplicáveis aos Municípios (parte 1) Dia 20 - das 13h30 às 17h30 Ano Eleitoral: Regras Aplicáveis aos Municípios

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA PORTARIA Nº 23, DE 28 DE AGOSTO DE 2014. Fixa e regulamenta as normas de conduta dos empregados e as regras para o funcionamento do COFECON. O PRESIDENTE DO CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso de suas

Leia mais

Sumário. Serviço Público e Administração Pública

Sumário. Serviço Público e Administração Pública Sumário Capítulo 1 Contabilidade Pública 1.1 Conceito 1.2 Objeto 1.3 Objetivo 1.4 Campo de Aplicação 1.5 Exercício Financeiro 1.6 Regime Orçamentário e Regime Contábil 1.6.1 Regime de Caixa 1.6.2 Regime

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL O DESMANCHE DO SUS

PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL O DESMANCHE DO SUS PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL 241 - O DESMANCHE DO SUS Proposta de Emenda Constitucional - PEC 241 A PROPOSTA OBJETIVO Alterar a Constituição Federal instituindo um novo Regime Fiscal para os Poderes

Leia mais

Cargo: Efetivo (de carreira ou isolado) adquire estabilidade Em comissão livre exoneração Vitalício adquire vitaliciedade

Cargo: Efetivo (de carreira ou isolado) adquire estabilidade Em comissão livre exoneração Vitalício adquire vitaliciedade CAMPUS Capítulo 5 Administração Pública e Servidores Públicos Disposições Constitucionais 189 Servidor público em sentido estrito (regime estatutário) Cargo efetivo Cargo em comissão Adm. Direta, autárquica

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL. Ano PARA CONSELHO DELIBERATIVO CAPÍTULO I DA FINALIDADE

REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL. Ano PARA CONSELHO DELIBERATIVO CAPÍTULO I DA FINALIDADE REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL Ano PARA CONSELHO DELIBERATIVO CAPÍTULO I DA FINALIDADE Artigo 1º - Em observância ao que determina o Estatuto Social da ONG Moradia e Cidadania, o Conselho Deliberativo

Leia mais

O que é orçamento público?

O que é orçamento público? O que é orçamento público? É a previsão de arrecadação de receitas e a fixação de despesas para um período determinado. É computar, avaliar, calcular a previsão da arrecadação de tributos e o gasto de

Leia mais

LEI Nº 9.249, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1995

LEI Nº 9.249, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1995 LEI Nº 9.249, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1995 Altera a Legislação do Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas, bem como da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido, e dá outras providências. Art. 13. Para efeito

Leia mais

Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei: Estima a Receita e fixa a Despesa do Município de Belém, para o exercício de 2016. O PREFEITO MUNICIPAL DE BELÉM, Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º

Leia mais

PARECER JURÍDICO AO PROJETO DE LEI Nº 777/2016

PARECER JURÍDICO AO PROJETO DE LEI Nº 777/2016 Excelentíssimo Sr. Presidente da Câmara de Vereadores do Município de Pouso Alegre, Minas Gerais, Pouso Alegre 12 de abril de 2016. PARECER JURÍDICO AO PROJETO DE LEI Nº 777/2016 Projeto de autoria do

Leia mais

Governo de Mato Grosso Auditoria Geral do Estado CARTILHA DE ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS

Governo de Mato Grosso Auditoria Geral do Estado CARTILHA DE ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS Governo de Mato Grosso Auditoria Geral do Estado CARTILHA DE ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS Eleições 2014 ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DE MATO GROSSO PARA AS ELEIÇÕES

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2016 Funcionamento do comércio e questões trabalhistas 2 7 / 0 9 /

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2016 Funcionamento do comércio e questões trabalhistas 2 7 / 0 9 / ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2016 Funcionamento do comércio e questões trabalhistas 2 7 / 0 9 / 2 0 1 6 ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2016 PRIMEIRO TURNO: 02 de outubro de 2016 (primeiro domingo de outubro) SEGUNDO TURNO:

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO N o 241, DE 2016 Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal. Autor:

Leia mais

O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA

O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA ESTADO Conjunto de regras, pessoas e organizações que se separam da sociedade para organizá-la. - Só passa a existir quando o comando da comunidade

Leia mais

Manual de Direito Administrativo I Gustavo Mello Knoplock

Manual de Direito Administrativo I Gustavo Mello Knoplock Série Provas e Concursos Manual de Direito Administrativo I Gustavo Mello Knoplock ELSEVIER 5.6. Resumo AGENTES PÚBLICOS (segundo Hely Lopes Meirelles): 1. Agentes políticos Aqueles no alto escalão dos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 001/15/2017

PROJETO DE LEI Nº 001/15/2017 PROJETO DE LEI Nº 001/15/2017 Súmula: Institui a Ficha Limpa Municipal na nomeação de secretários, diretores e cargos comissionados para a administração direta (Prefeitura e Câmara Municipal) e na administração

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO

NOTA DE ESCLARECIMENTO NOTA DE ESCLARECIMENTO Flexibilização dos prazos de recondução aos limites de Despesa com Pessoal e Dívida Consolidada Líquida em virtude de baixo crescimento do PIB Art. 66 da Lei Complementar nº 101/2000,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FORMIGA

CÂMARA MUNICIPAL DE FORMIGA CÂMARA MUNICIPAL DE FORMIGA ESTADO DE MINAS GERAIS Praça Ferreira Pires, 04 CNPJ. 20.914.305/0001-16 Fone: (37) 3329-2600 - CEP 35.570-000 www.camaraformiga.mg.gov.br Emenda à Lei Orgânica nº 013/2008

Leia mais

PROJETO DE EMENDA A LEI ORGÂNICA Nº 13/2011

PROJETO DE EMENDA A LEI ORGÂNICA Nº 13/2011 PROJETO DE EMENDA A LEI ORGÂNICA Nº 13/2011 Acrescenta o art. 109-A ao Capítulo II do Título IV da Lei Orgânica do Município. A Câmara Municipal de São Paulo PROMULGA: Art. 1º Fica acrescido o art. 109

Leia mais

PAINEL 3: "Desafios e Perspectivas face a Nova lei de finanças públicas e o processo de Convergência aos padrões internacionais"

PAINEL 3: Desafios e Perspectivas face a Nova lei de finanças públicas e o processo de Convergência aos padrões internacionais PAINEL 3: "Desafios e Perspectivas face a Nova lei de finanças públicas e o processo de Convergência aos padrões internacionais" PLS 229: Inovações, Riscos e oportunidades NATAL - RN 20 de Outubro de 2016

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº. 284/2008 Nova Iguaçu de Goiás-GO,

LEI MUNICIPAL Nº. 284/2008 Nova Iguaçu de Goiás-GO, LEI MUNICIPAL Nº. 284/2008 Nova Iguaçu de Goiás-GO, 09.12.2008 Estima a Receita e fixa a Despesa do município de NOVA IGUAÇU DE GOIÁS, para o exercício Financeiro de 2009 e dá outras providências. A CÂMARA

Leia mais

DESPESAS COM PESSOAL NOS 180 DIAS FINAIS DE MANDATO

DESPESAS COM PESSOAL NOS 180 DIAS FINAIS DE MANDATO COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO - CCONF GERÊNCIA DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE GESTÃO FISCAL - GENOP DESPESAS COM PESSOAL NOS 180 DIAS FINAIS DE MANDATO Art. 21, parágrafo

Leia mais

TRE-SP SUMÁRIO. Gramática e Interpretação de Texto da Língua Portuguesa. Ortografia oficial Acentuação gráfica... 12

TRE-SP SUMÁRIO. Gramática e Interpretação de Texto da Língua Portuguesa. Ortografia oficial Acentuação gráfica... 12 Gramática e Interpretação de Texto da Língua Portuguesa Ortografia oficial... 3 Acentuação gráfica... 12 Flexão nominal e verbal... 15/18/29 Pronomes: emprego, formas de tratamento e colocação... 20 Advérbios...

Leia mais

CONTROLE DE CONTEÚDO CONCURSOS LEGISLATIVOS ÁREA ADMINISTRATIVA

CONTROLE DE CONTEÚDO CONCURSOS LEGISLATIVOS ÁREA ADMINISTRATIVA 1 Domínio da Ortografia Oficial. Emprego das Letras. Emprego da Acentuação Gráfica. 2 Estrutura, Formação e Representação das Palavras. 3 Emprego das Classes de Palavras. 4 Relações de coordenação e de

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 40, DE (Do Poder Executivo)

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 40, DE (Do Poder Executivo) PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 40, DE 2003 (Do Poder Executivo) Modifica os artigos 37, 40, 42, 48, 96, 142 e 149 da Constituição Federal, o artigo 8º da Emenda Constitucional nº 20, de 15 de dezembro

Leia mais

EDITAL Nº 021 / INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE O CURSO

EDITAL Nº 021 / INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE O CURSO EDITAL Nº 021 /2014 CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PARA MAGISTRADOS EM DIREITO ELEITORAL PROPAGANDA POLÍTICA E DIREITO PENAL ELEITORAL PRINCIPAIS INOVAÇÕES LEGAIS E JURISPRUDENCIAIS PARA AS ELEIÇÕES DE 2014.

Leia mais

PGA PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA (REGULAMENTO)

PGA PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA (REGULAMENTO) PGA PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA (REGULAMENTO) Texto aprovado pelo Conselho Deliberativo na 4ª Reunião Ordinária, de 15 de fevereiro de 2013 Resolução CD/Funpresp-Exe nº 07/2013 SUMÁRIO CAPÍTULO I Da

Leia mais

LEI N o 1043/2014 SÚMULA: Estima a Receita e fixa a Despesa para o Exercício Financeiro de 2015.

LEI N o 1043/2014 SÚMULA: Estima a Receita e fixa a Despesa para o Exercício Financeiro de 2015. LEI N o 1043/2014 SÚMULA: Estima a Receita e fixa a Despesa para o Exercício Financeiro de 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE CRUZEIRO DO IGUAÇU - ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2016

PROJETO DE LEI Nº /2016 PROJETO DE LEI Nº 028-03/2016 DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA O EXERCÍCIO DE 2017, e dá outras providências. IRINEU HORST, Prefeito Municipal de Colinas, RS, no uso de suas atribuições e

Leia mais

TRANSPARÊNCIA PÚBLICA: Portal da Transparência dos Poderes Municipais e TAG's. Gestão Responsável em último ano de mandato

TRANSPARÊNCIA PÚBLICA: Portal da Transparência dos Poderes Municipais e TAG's. Gestão Responsável em último ano de mandato TRANSPARÊNCIA PÚBLICA: Portal da Transparência dos Poderes Municipais e TAG's PAOLA CALS A. DAHER Analista de Controle Externo / TCM-PA Diretoria de Planejamento DIPLAN (91) 3210-7814 e 3210-7570 paolacals@gmail.com

Leia mais

TRE/RN CICLO DE PALESTRAS

TRE/RN CICLO DE PALESTRAS 01 Vereador: Papel Constitucional e Sistema de Eleição Juiz JAILSOM LEANDRO DE SOUSA 02 Quem é o vereador? O Vereador é o Membro do Poder Legislativo Municipal. 03 Qual é o papel do Vereador? O papel do

Leia mais

LEI Nº DE 06 DE JANEIRO DE 2010

LEI Nº DE 06 DE JANEIRO DE 2010 LEI Nº 5.639 DE 06 DE JANEIRO DE 2010 DISPÕE SOBRE OS CONTRATOS DE GESTÃO ENTRE O ÓRGÃO GESTOR E EXECUTOR DA POLÍTICA ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS E ENTIDADES DELEGATÁRIAS DE FUNÇÕES DE AGÊNCIA DE ÁGUA

Leia mais

Lei Complementar Municipal Nº , de 28 de maio de 2014.

Lei Complementar Municipal Nº , de 28 de maio de 2014. Lei Complementar Municipal Nº. 1.463, de 28 de maio de 2014. Da nova redação a artigos que menciona e dá outras providências. O Povo do Município de Águas Formosas, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

Princípios Orçamentários via Periscope

Princípios Orçamentários via Periscope Princípios Orçamentários via Periscope AULA GRÁTIS 21 questões comentadas e destrinchadas por Carol Alvarenga, do Esquemaria e Ponto dos Concursos Cespe / MPU / 2010 Errada #1. Um importante princípio

Leia mais

PROPAGANDA INSTITUTIONAL EM ANO DE ELEIÇÃO

PROPAGANDA INSTITUTIONAL EM ANO DE ELEIÇÃO PROPAGANDA INSTITUTIONAL EM ANO DE ELEIÇÃO Constituição Art. 37 A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos

Leia mais

PROPAGANDA ELEITORAL. ARTHUR ROLLO

PROPAGANDA ELEITORAL. ARTHUR ROLLO PROPAGANDA ELEITORAL ARTHUR ROLLO arthur@albertorollo.com.br NA PRÉ-CAMPANHA PODE Dizer que é précandidato; Pedir apoio político; Divulgar ações políticas passadas e futuras. NA PRÉ-CAMPANHA panfletos;

Leia mais

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL E O ÚLTIMO ANO DE MANDATO MUNICIPAL. Janyluce Rezende Gama Simone Velten 2016

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL E O ÚLTIMO ANO DE MANDATO MUNICIPAL. Janyluce Rezende Gama Simone Velten 2016 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL E O ÚLTIMO ANO DE MANDATO MUNICIPAL Janyluce Rezende Gama Simone Velten 2016 PROGRAMA: I. REGRAS ESPECÍFICAS PARA O ÚLTIMO ANO DE MANDATO II. III. RESPONSABILIDADE DO CONTADOR

Leia mais

1ª) A lei de 2011 autorizou a CRIAÇÃO da empresa pública denominada Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares - EBSERH; pelo (a):

1ª) A lei de 2011 autorizou a CRIAÇÃO da empresa pública denominada Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares - EBSERH; pelo (a): 1ª) A lei 12.550 de 2011 autorizou a CRIAÇÃO da empresa pública denominada Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares - EBSERH; pelo (a): A) Poder Legislativo. B) Poder Executivo C) Poder Judiciário D)

Leia mais

Abreviaturas, xvii Nota à 7a edição, xix Prefácio, xxi

Abreviaturas, xvii Nota à 7a edição, xix Prefácio, xxi Abreviaturas, xvii Nota à 7a edição, xix Prefácio, xxi I Direitos políticos, 1 1 Compreensão dos direitos políticos, 1 1.1 Política, 1 1.2 Direito político, direito constitucional e ciência política, 3

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº03/2014. I para a anuidade do ano de inscrição, 50% (cinquenta por cento) = R$ 300,00(Trezentos Reais) ;

RESOLUÇÃO Nº03/2014. I para a anuidade do ano de inscrição, 50% (cinquenta por cento) = R$ 300,00(Trezentos Reais) ; RESOLUÇÃO Nº03/2014 Fixa o valor das contribuições obrigatórias para o ano de 2015 e dá outras providências. O CONSELHO SECCIONAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL EM ALAGOAS, no uso das atribuições legais,

Leia mais

ÚLTIMO ANO DE MANDATO

ÚLTIMO ANO DE MANDATO ÚLTIMO ANO DE MANDATO Tribunal de Contas do Estado do Tocantins Março/2012 Najla Mansur Braga Coordenadoria de Acompanhamento Contábil e Gestão Fiscal 2012 - último ano de mandato municipal. Um ano que

Leia mais