Disciplina: Fundamentos de Hidrologia, Irrigação e Drenagem

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Disciplina: Fundamentos de Hidrologia, Irrigação e Drenagem"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Fundamentos de Hidrologia, Irrigação e Drenagem Apresentação da Disciplina Também disponível no: Site: Prof. JORGE LUIZ MORETTI DE SOUZA

2

3

4 1 Objetivo geral da disciplina Ao término da disciplina, o aluno deverá ser capaz de coletar, processar e analisar dados, bem como entender aspectos fundamentais para realizar as atividades nas áreas de hidrologia, irrigação e drenagem com idoneidade e disposição de melhoramento permanente, mediante suficientes informações teóricas e capacitação prática; e exercer em toda plenitude, as atribuições que a legislação permite.

5 1.1 Objetivos específicos No decorrer das Unidades os alunos estarão capacitados à: Identificar e caracterizar os problemas básicos compreendendo as áreas de hidrologia, irrigação e drenagem para desenvolvimento de projetos na área de engenharia rural; Identificar e caracterizar as componentes do ciclo hidrológico, bem como escolher os melhores materiais e métodos para realizar o levantamento de dados destinados à área de hidrologia, irrigação e drenagem; Identificar e caracterizar as principais variáveis, propriedades e atributos envolvendo a relação água-solo-planta-atmosfera, necessários ao entendimento de como ocorre o armazenamento, equilíbrio e movimento da água no solo; Obter dados, identificar falhas, utilizar métodos de medida e estimava das componentes do ciclo hidrológico, bem como realizar o tratamento matemático e estatístico para obter estimativas prováveis dessas componentes; Caracterizar, diferenciar e calcular balanços hídricos destinados à engenharia rural (do solo, agrícola, irrigacionista, climatológico); Caracterizar e utilizar modelos de produção água-cultura, que considerem variáveis do ciclo hidrológico e condições de campo (irrigação, drenagem), e permitam realizar estimativas de produtividade para diversas condições ambientais.

6 2 Programa da disciplina Unidade 1 Hidrologia, ciclo hidrológico e bacia hidrográfica; Unidade 2 Precipitação; Unidade 3 Infiltração da água no solo; Unidade 4 Escoamento superficial; Unidade 5 Relações massa, área e volume do solo; Unidade 6 A água em equilíbrio no solo; Unidade 7 Movimento da água no solo; Unidade 8 Movimento da água no sistema solo-planta-atmosfera; Unidade 9 Disponibilidade de água no solo às plantas; Unidade 10 Evaporação e evapotranspiração; Unidade 11 Balanço hídrico; Unidade 12 Modelos de produção água-cultura.

7 3 Avaliação Média Geral da disciplina Primeira prova: 19/09/2017 (Valor = 10,0) Segunda prova: 14/11/2017 (Valor = 10,0) Trabalho: atividades realizadas ao longo do semestre (Valor = 10,0) Média Geral ( Nota prova1 2 Nota prova 2) (f) Média Final Para os alunos com 4,0 MG < 7,0 haverá uma Prova Final: Prova Final: 12/12/2017 (Valor = 10,0) Média Final Média Geral Prova 3 Final Trabalhos (g) Verificação do aproveitamento e abono de faltas

8 4 Bibliografia Recomendada TUCCI, C. E. M. Hidrologia: ciência e aplicação. 2.ed. Porto Alegre: ABRH/ Editora da UFRGS, (Col. ABRH de Recursos Hídricos, v.4). REICHARDT, K; TIMM, L. C. Solo, planta e atmosfera: conceitos, processos e aplicações. Barueri: Manole, p. FRIZZONE, J.A.; ANDRADE JÚNIOR, A.S. de; SOUZA, J.L. M.de; ZOCOLER, J.L. Planejamento da Irrigação: análise de decisão de investimento. Brasília: EMBRAPA, p. ALLEN, R. G.; PEREIRA, L. S.; RAES, D.; SMITH. M. Crop evapotranspiration - guidelines for computing crop water requirements. FAO Irrigation and Drainage paper 56. Roma: FAO, p ASSIS, F.N.; ARRUDA, H.V. DE; PEREIRA, A.R. Aplicação de estatística à climatologia. Pelotas: Ed. Universitária/UFPel, p. BERNARDO, S. Manual de irrigação. Viçosa: Imprensa Universitária, p. CAMPBELL, G.S.; NORMAN, J.M. Introduction to environmental biophysics. New York: Springer, p. CHOW, V. T.; MAIDMENT, D. R.; MAYS, L. W. Hidrología aplicada. Tradução de SALDARRIAGA, J. G. São Paulo: McGraw-Hill, p. DOORENBOS, J.; KASSAM, A. H. Yield response to water. FAO Irrigation and Drainage. Rome: FAO, v. 33, p

9 4 Bibliografia Recomendada DOORENBOS, J.; PRUITT, W. O. Crop water requeriments. FAO Irrigation and Drainage. Rome: FAO, v. 24, p KIRKHAM, M. B. Principles of soil and plant water relations. California: Library of Congress Cataloging-in-Publication Data, p. LIBARDI, P. L. Dinâmica da água no solo. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, p. MELLO, C. R. de; SILVA, A. M. Hidrologia: princípios e aplicações em sistemas agrícolas. 1ed. Lavras: Ed. UFLA, p. MIJARES, F. J. A. Fundamentos de hidrología de superficie. Balderas: Limusa, p. NAGHETTINI, M.; PINTO, E. J. A. Hidrologia estatística. Belo Horizonte: CPRM p. PEREIRA, A. R.; ANGELOCCI, L. R.; SENTELHAS, P. C. Agrometeorologia: fundamentos e aplicações práticas. 1. ed. Guaíba: Editora Agropecuária, v p. PEREIRA, A.R.; VILLA NOVA, N.A.; SEDIYAMA, G.C. Evapotranspiração. Piracicaba: FEALQ, p. REICHARDT, K. A água em sistemas agrícolas. São Paulo: Manole, p.

10 FIM

Pressão Atmosférica. Capítulo VIII. Objetivos:

Pressão Atmosférica. Capítulo VIII. Objetivos: Pressão Atmosférica Capítulo VIII Objetivos: 1. Conceituar pressão atmosférica; 2. Citar as unidades de pressão mais comuns com suas equivalências; 3. Explicar a origem das variações de pressão atmosférica;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental - PPGEAmb

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental - PPGEAmb UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental - PPGEAmb DEPARTAMENTO: Engenharia Sanitária e Ambiental IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: CÓDIGO NOME

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA CAMPUS: São Mateus CURSO: Agronomia DEPARTAMENTO: Departamento de Ciências da Saúde, Biológicas e Agrárias PROFESSOR: Fábio Ribeiro Pires CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO PERIODIZAÇÃO

Leia mais

Coeficientes de cultura e evapotranspiração da cultura do alho irrigado

Coeficientes de cultura e evapotranspiração da cultura do alho irrigado Coeficientes de cultura e evapotranspiração da cultura do alho irrigado Márcio José de Santana, Bruno Phelipe M. da Cunha Resende, Othon Carlos da Cruz, Amanda Letícia da Silveira Eng. Agrônomo, Dr. Engenharia

Leia mais

REFERENCE EVAPOTRANSPIRATION ESTIMATE (ETo) THE METHOD OF PENMAN-MONTHEITH FOR DIFFERENT ALAGOAS STATE MUNICIPALITIES

REFERENCE EVAPOTRANSPIRATION ESTIMATE (ETo) THE METHOD OF PENMAN-MONTHEITH FOR DIFFERENT ALAGOAS STATE MUNICIPALITIES ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo) PELO MÉTODO DE PENMAN-MONTHEITH PARA DIFERENTES MUNICÍPIOS DO ESTADO DE ALAGOAS J. C. SILVA 1 ; T. F. CIRILO ; L. A. SANTOS; D. F. LIMA; D. P. dos SANTOS

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO SOFTWARE PARA CÁLCULO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DIÁRIA PELO MÉTODO DE PENMAN-MONTEITH 1

ARTIGO TÉCNICO SOFTWARE PARA CÁLCULO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DIÁRIA PELO MÉTODO DE PENMAN-MONTEITH 1 SOFTWARE PARA CÁLCULO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DIÁRIA PELO MÉTODO DE PENMAN-MONTEITH 1 J.C.Q. MARIANO 2 ; F.B.T. HERNANDEZ 3 ; G.O. SANTOS 4, A.H.C. TEIXEIRA 5 RESUMO: Este trabalho tem como

Leia mais

WATER BALANCE A TOOL FOR PLANNING IN NORTHWAEST OF STATE OF SÃO PAULO

WATER BALANCE A TOOL FOR PLANNING IN NORTHWAEST OF STATE OF SÃO PAULO BALANÇO HÍDRICO COMO FERRAMENTA DE PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO DA REGIÃO DE MARINÓPOLIS, NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 G.O. Santos 2 ; F.B.T. Hernandez 3, J.C.Rossetti 4 RESUMO: Conhecer a disponibilidade

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 06 Ciclo Hidrológico Profª Heloise G. Knapik O Ciclo Hidrológico O Ciclo Hidrológico - Fases Precipitação: retorno da água para

Leia mais

Avaliação de desempenho do modelo SWAT para estimativa da evapotranspiração potencial para a região de Petrolândia, Estado de Pernambuco

Avaliação de desempenho do modelo SWAT para estimativa da evapotranspiração potencial para a região de Petrolândia, Estado de Pernambuco Avaliação de desempenho do modelo SWAT para estimativa da evapotranspiração potencial para a região de Petrolândia, Estado de Pernambuco Mislainy Mayana Moura Araújo Silva 1 Madson Tavares Silva 1 1 Universidade

Leia mais

DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO NO CERRADO - PPGIC DISCIPLINAS CRÉDITOS CH MATRIZ CURRICULAR CARACTERÍSTICA

DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO NO CERRADO - PPGIC DISCIPLINAS CRÉDITOS CH MATRIZ CURRICULAR CARACTERÍSTICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO GERÊNCIA DE PÓSGRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO NO CERRADO DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE BOTUCATU FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA - IRRIGAÇÃO E DRENAGEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE BOTUCATU FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA - IRRIGAÇÃO E DRENAGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA - IRRIGAÇÃO E DRENAGEM PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DISCIPLINA: Estatística Experimental CURSO: Mestrado ( X ) Doutorado ( X ) DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL:

Leia mais

XXV CONIRD Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem 08 a 13 de novembro de 2015, UFS - São Cristóvão/SE

XXV CONIRD Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem 08 a 13 de novembro de 2015, UFS - São Cristóvão/SE Avaliação do manejo de irrigação em pivô central na Região Oeste da Bahia 1 S. O. Dayube 2, M. L. de Jesus 3, S. B. A. Viana 4, L. M. de Araújo Junior 5, J. Silva 6, S. B. da S. Paranhos 7 RESUMO: O desempenho

Leia mais

VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO NA BACIA DO RIO IGUAÇU

VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO NA BACIA DO RIO IGUAÇU VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO NA BACIA DO RIO IGUAÇU Luiz Medeiros de Noronha Pessoa Filho 1 * Alexandre K. Guetter 2 & Heinz Dieter Oskar August Fill 3 Resumo Este artigo apresenta

Leia mais

XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO Eficiência nas cadeias produtivas e o abastecimento global

XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO Eficiência nas cadeias produtivas e o abastecimento global XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO Eficiência nas cadeias produtivas e o abastecimento global Fatores de correção para a evapotranspiração de referência estimada para uso no software IrrigaFácil Paulo

Leia mais

CC54Z - Hidrologia. Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

CC54Z - Hidrologia. Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Definir hidrologia e engenharia hidrológica

Leia mais

CONCEITOS E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

CONCEITOS E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Disciplina: Recursos Hídricos e Manejo de Bacias Hidrográficas Prof a. Dr a. Cristiana do Couto Miranda CONCEITOS E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Hidrologia É a ciência que se ocupa dos processos que regulam o

Leia mais

EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DIÁRIA EM BOA VISTA (RR) COM BASE NA TEMPERATURA DO AR

EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DIÁRIA EM BOA VISTA (RR) COM BASE NA TEMPERATURA DO AR EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DIÁRIA EM BOA VISTA (RR) COM BASE NA TEMPERATURA DO AR W. F. Araújo 1 ; M. A. F. Conceição 2 ; J. B.Venâncio 3 RESUMO: O método padrão de estimativa da evapotranspiração

Leia mais

Hidrologia Aplicada - Profª Ticiana Marinho de Carvalho Studart. Introdução - Aula 02 - Pág. 15

Hidrologia Aplicada - Profª Ticiana Marinho de Carvalho Studart. Introdução - Aula 02 - Pág. 15 Introdução - Aula 02 - Pág. 15 Introdução - Aula 02 - Pág. 14 DIVISORES Primeiro passo - delimitação do seu contorno Linha de separação que divide as precipitações em bacias vizinhas SÃO 3 OS DIVISORES

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO SOFTWARE SMAI 2.0 PARA ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DIÁRIA E HORÁRIA 1

ARTIGO TÉCNICO SOFTWARE SMAI 2.0 PARA ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DIÁRIA E HORÁRIA 1 SOFTWARE SMAI 2.0 PARA ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DIÁRIA E HORÁRIA 1 D.G. FEITOSA 2 J.C.Q. MARIANO 3 ; F.B.T. HERNANDEZ 4 ; G.O. SANTOS 5, A.H.C. TEIXEIRA 6 RESUMO: Este trabalho tem

Leia mais

Jorge Luiz Moretti de Souza 2, José Antônio Frizzone 3, Eliezer Santurbano Gervásio 4

Jorge Luiz Moretti de Souza 2, José Antônio Frizzone 3, Eliezer Santurbano Gervásio 4 SIMULAÇÃO DOS CUSTOS COM ENERGIA E ÁGUA PARA IRRIGAÇÃO DO CAFEEIRO, EM UMA PROPRIEDADE COM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO, SITUADA EM LAVRAS-MG 1 Jorge Luiz Moretti de Souza 2, José Antônio Frizzone

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE Kc DE MELÃO E MELANCIA UTILIZANDO OS SOFTWARES SingleKcSIM E DualKcSIM

DETERMINAÇÃO DE Kc DE MELÃO E MELANCIA UTILIZANDO OS SOFTWARES SingleKcSIM E DualKcSIM DETERMINAÇÃO DE Kc DE MELÃO E MELANCIA UTILIZANDO OS SOFTWARES SingleKcSIM E DualKcSIM Andre Herman Freire Bezerra 1 ; Sérgio Luiz Aguilar Levien 2 ; Tayd Dayvison Custódio Peixoto 3 1 Engenheiro Agrônomo,

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná. CC54Z - Hidrologia. Precipitação: análise de dados pluviométricos. Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014

Universidade Tecnológica Federal do Paraná. CC54Z - Hidrologia. Precipitação: análise de dados pluviométricos. Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Precipitação: análise de dados pluviométricos Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Identificar erros em séries de dados

Leia mais

Balanço Hídrico SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955

Balanço Hídrico SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 Meteorologia e Climatologia - Aula - Balanço Hídrico SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 Capitulo 12 e 13 do PEREIRA, A.R.; ANGELOCCI, L.R.; SENTELHAS, P.C. Agrometeorologia: fundamentos e aplicações práticas.

Leia mais

CC54Z - Hidrologia. Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

CC54Z - Hidrologia. Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Definir a importância

Leia mais

Coeficientes do tanque classe A para estimativa da evapotranspiração de referência na região do Vale do Submédio São Francisco, estado da Bahia

Coeficientes do tanque classe A para estimativa da evapotranspiração de referência na região do Vale do Submédio São Francisco, estado da Bahia 49 Coeficientes do tanque classe A para estimativa da evapotranspiração de referência na região do Vale do Submédio São Francisco, estado da Bahia Class-A pan coefficients for estimating reference evapotranspiration

Leia mais

Engenharia Ambiental. Consolidação da Profissão e Perspectivas. Prof. Marcelo Zaiat EESC-USP

Engenharia Ambiental. Consolidação da Profissão e Perspectivas. Prof. Marcelo Zaiat EESC-USP Engenharia Ambiental Consolidação da Profissão e Perspectivas Prof. Marcelo Zaiat EESC-USP zaiat@sc.usp.br Engenharia Ambiental Que curso é esse? O que faz esse profissional? Qual a estrutura do curso?

Leia mais

Relação Intensidade-Duração-Frequência Da Precipitação Máxima Para Os Municípios De Penedo E Rio Largo

Relação Intensidade-Duração-Frequência Da Precipitação Máxima Para Os Municípios De Penedo E Rio Largo Relação Intensidade-Duração-Frequência Da Precipitação Máxima Para Os Municípios De Penedo E Rio Largo Kaíse Barbosa de Souza¹; Karla Nayara Santos de Ameida 2 ; Gabriel Soares Lopes Gomes 3 ; João Batista

Leia mais

EVAPOTRANSPIRAÇÃO E COEFICIENTE DE CULTIVO DA BANANA COM USO DE MODELO DE BALANÇO DE ENERGIA METRIC

EVAPOTRANSPIRAÇÃO E COEFICIENTE DE CULTIVO DA BANANA COM USO DE MODELO DE BALANÇO DE ENERGIA METRIC EVAPOTRANSPIRAÇÃO E COEFICIENTE DE CULTIVO DA BANANA COM USO DE MODELO DE BALANÇO DE ENERGIA METRIC C. W. Oliveira 1 ; J. A. de Sá 2 ; V. de P. R. Silva 2 ; S. C. Costa 3 RESUMO: No manejo da água, no

Leia mais

Comunicado109 Técnico

Comunicado109 Técnico Comunicado109 Técnico ISSN 1678-1937 Aracaju, SE Dezembro, 2010 Julio Roberto Araujo de Amorim Determinação da Eficiência de Uso da Água na Parcela de Irrigação, no Perímetro Irrigado Califórnia, em Sergipe

Leia mais

EMENTÁRIO. Ementa: Limites. Continuidades de Função. Derivadas. Aplicação de derivadas.

EMENTÁRIO. Ementa: Limites. Continuidades de Função. Derivadas. Aplicação de derivadas. EMENTÁRIO 1º SEMESTRE CALCULO I Limites. Continuidades de Função. Derivadas. Aplicação de derivadas. AGROINFORMÁTICA Conceitos básicos da informação. Organização de máquinas, Sistemas operacionais, Ambiente

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE MÉTODOS DE ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETO) PARA

COMPARAÇÃO ENTRE MÉTODOS DE ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETO) PARA COMPARAÇÃO ENTRE MÉTODOS DE ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETO) PARA Wellington Farias Araújo Prof. Dr. Adjunto da UFRR/CCA.. E-mail: wfaraujo@oi.com.br Sônia Aparecida Antunes Costa Eng.

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DA IRRIGAÇÃO NA CULTURA DO PÊSSEGO NA SERRA GAÚCHA, RS

VIABILIDADE ECONÔMICA DA IRRIGAÇÃO NA CULTURA DO PÊSSEGO NA SERRA GAÚCHA, RS VIABILIDADE ECONÔMICA DA IRRIGAÇÃO NA CULTURA DO PÊSSEGO NA SERRA GAÚCHA, RS R.O.C. MONTEIRO 1 ; A. ZANON 2 ; O. ANZOLIN 2 ; L.F.P. ORTIZ 2 RESUMO: O cultivo do pêssego é uma das atividades agrícolas de

Leia mais

ESTUDO DE CHUVAS INTENSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA DA PRATA - MG

ESTUDO DE CHUVAS INTENSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA DA PRATA - MG ESTUDO DE CHUVAS INTENSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA DA PRATA - MG DANIEL BRASIL FERREIRA PINTO 1, LUIZ FERNANDO COSTA FERREIRA 2, JUCÉLIA CAROLINA DA SILVA 3, LUCAS BERNARDES 4, RAFAEL ALVARENGA ALMEIDA 5

Leia mais

Jorge Luiz Moretti de Souza 2, José Antônio Frizzone 3

Jorge Luiz Moretti de Souza 2, José Antônio Frizzone 3 OPÇÃO DE VENDA TRIMESTRAL DO CAFÉ BENEFICIADO, EM UM MODELO DE SIMULAÇÃO APLICADO AO PLANEJAMENTO DE PROJETOS DE IRRIGAÇÃO PARA A CULTURA DO CAFEEIRO 1 Jorge Luiz Moretti de Souza 2, José Antônio Frizzone

Leia mais

HIDROLOGIA AGRÍCOLA (Moodle)

HIDROLOGIA AGRÍCOLA (Moodle) HIDROLOGIA AGRÍCOLA (Moodle) Shakib Shaidian - shakib@uevora.pt (Gab. 233 Dep. Engenharia Rural) Rita Guimarães - rcg@uevora.pt (Gab. 234 Dep. Engenharia Rural) Gotlieb Basch- gb@uevora.pt (Dep. Fitotecnia)

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO BALANÇO HÍDRICO CLIMATOLÓGICO EM DUAS DECADAS DISTINTAS ( ) E ( ) PARA SOBRAL NO CEARÁ

DETERMINAÇÃO DO BALANÇO HÍDRICO CLIMATOLÓGICO EM DUAS DECADAS DISTINTAS ( ) E ( ) PARA SOBRAL NO CEARÁ DETERMINAÇÃO DO BALANÇO HÍDRICO CLIMATOLÓGICO EM DUAS DECADAS DISTINTAS (1973-198) E (003-01) PARA SOBRAL NO CEARÁ Juarez Cassiano de Lima Junior¹, Antonio Gebson Pinheiro¹, Joaquim Branco de Oliveira²,

Leia mais

09 a 11 de dezembro de 2015 Auditório da Universidade UNIT Aracaju - SE

09 a 11 de dezembro de 2015 Auditório da Universidade UNIT Aracaju - SE 09 a 11 de dezembro de 2015 Auditório da Universidade UNIT Aracaju - SE ESTUDO DO REGIME DAS PRECIPITAÇÕES MÁXIMAS E MÍNIMAS DAS ZONAS CLIMÁTICAS DO LITORAL E SEMIÁRIDO DO ESTADO DE SERGIPE Lucas dos Santos

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL José Carlos Bohnenberger

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL José Carlos Bohnenberger 132 ENGENHARIA AMBIENTAL COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 133 ATUAÇÃO O Engenheiro Ambiental deverá apresentar competência

Leia mais

XL Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola - CONBEA 2011 Cuiabá - MT, Brasil, 24 a 28 de julho 2011

XL Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola - CONBEA 2011 Cuiabá - MT, Brasil, 24 a 28 de julho 2011 XL Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola - CONBEA 2011 Cuiabá - MT, Brasil, 24 a 28 de julho 2011 EFICIÊNCIA DE USO DA ÁGUA EM NÍVEL DE PARCELA NO PERÍMETRO IRRIGADO CALIFÓRNIA, EM SERGIPE JULIO

Leia mais

PRECIPITAÇÃO E EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NO NOROESTE PAULISTA 1

PRECIPITAÇÃO E EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NO NOROESTE PAULISTA 1 PRECIPITAÇÃO E EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NO NOROESTE PAULISTA 1 I.B. AMERICO 2 ; F.B.T. HERNANDEZ 3 ; SILVA, Y.F.³; A.H.C. TEIXEIRA 4 RESUMO:O trabalho teve como objetivo interpolar dados de Evapotranspiração

Leia mais

Estimativa da ETo a partir de duas estações meteorológicas em Ouricuri-PE

Estimativa da ETo a partir de duas estações meteorológicas em Ouricuri-PE Estimativa da ETo a partir de duas estações meteorológicas em Ouricuri-PE Maria Zélia de Souza S. Queiroz 1, Lucas M. Vellame 2 ; Maria do Socorro C. de Freitas 2 ; Geysse Kalynne S. Peixoto 3 1 Bolsista

Leia mais

Método do Balanço Hídrico

Método do Balanço Hídrico Apêndice 3 Método do Balanço Hídrico Ioana Nicoleta Firta e Armando Borges de Castilhos Jr. Histórico do Método do Balanço Hídrico O método do balanço hídrico, um dos modelos mais utilizados atualmente

Leia mais

CHUVA E EVAPOTRANSPIRAÇÃO NO NOROESTE PAULISTA EM I.SCHUTZE 2 ; F.B.T.HERNANDEZ 3 ; A.H.C.TEIXEIRA 4 ; D.G.FEITOSA 5

CHUVA E EVAPOTRANSPIRAÇÃO NO NOROESTE PAULISTA EM I.SCHUTZE 2 ; F.B.T.HERNANDEZ 3 ; A.H.C.TEIXEIRA 4 ; D.G.FEITOSA 5 CHUVA E EVAPOTRANSPIRAÇÃO NO NOROESTE PAULISTA EM 2012 1 I.SCHUTZE 2 ; F.B.T.HERNANDEZ 3 ; A.H.C.TEIXEIRA 4 ; D.G.FEITOSA 5 RESUMO: Analisou-se a distribuição temporal de chuvas e a evapotranspiração ao

Leia mais

EVAPOTRASPIRAÇÃO E COEFICIENTE DE CULTIVO DA VIDEIRA EM AMBIENTE PROTEGIDO

EVAPOTRASPIRAÇÃO E COEFICIENTE DE CULTIVO DA VIDEIRA EM AMBIENTE PROTEGIDO EVAPOTRASPIRAÇÃO E COEFICIENTE DE CULTIVO DA VIDEIRA EM AMBIENTE PROTEGIDO Magna Soelma Beserra de Moura 1, José Monteiro Soares 1, Marcelo Tavares Gurgel 2, Mário de Miranda Villas Boas Ramos Leitão 3,

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA AGRÍCOLA. CRÉDITOS Obrigatórios: 264 Optativos: 6. 1º Semestre

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA AGRÍCOLA. CRÉDITOS Obrigatórios: 264 Optativos: 6. 1º Semestre Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:18:33 Curso : ENGENHARIA

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE CHUVAS INTENSAS OBTIDAS A PARTIR DE IDF S E PELA METODOLOGIA DA RELAÇÃO ENTRE DURAÇÕES

COMPARAÇÃO ENTRE CHUVAS INTENSAS OBTIDAS A PARTIR DE IDF S E PELA METODOLOGIA DA RELAÇÃO ENTRE DURAÇÕES COMPARAÇÃO ENTRE CHUVAS INTENSAS OBTIDAS A PARTIR DE IDF S E PELA METODOLOGIA DA RELAÇÃO ENTRE DURAÇÕES Carlos Augusto Roman 1 ; PPGEC Raviel Eurico Basso 2 ; Daniel Gustavo Allasia Piccilli 2 ; Rutinéia

Leia mais

TENDÊNCIAS DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS PARA ALGUMAS LOCALIDADES DO ESTADO DO CEARÁ 1

TENDÊNCIAS DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS PARA ALGUMAS LOCALIDADES DO ESTADO DO CEARÁ 1 TENDÊNCIAS DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS PARA ALGUMAS LOCALIDADES DO ESTADO DO CEARÁ 1 G. S. Martins 2 ; T. B. Torres 3 ; E. P. de Miranda 2 ; W. M. Maciel 2 ; S. A. de Souza 3 RESUMO: Este trabalho teve como

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Bacias Hidrográficas. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Bacias Hidrográficas. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Bacias Hidrográficas Professora: Mayara Moraes Fase terrestre do ciclo hidrológico Elemento fundamental: Bacia hidrográfica. Definição: Área de

Leia mais

COEFICIENTES DE CULTURA PARA O ALHO IRRIGADO

COEFICIENTES DE CULTURA PARA O ALHO IRRIGADO COEFICIENTES DE CULTURA PARA O ALHO IRRIGADO RESENDE, B.P.M.C. 1 ; SANTANA, M.J. de 2 ; SILVEIRA, A.L. da 3 ; TAVARES, W.A. 1 ; BARRETO, A.C. 2 ; CRUZ, O.C. 2 1 Estudante de Tecnologia de Irrigação e Drenagem

Leia mais

Recursos hídricos. Finalizada em 16/08/16.

Recursos hídricos. Finalizada em 16/08/16. Recursos hídricos Finalizada em 16/08/16. Distribuição da água no mundo Água nossa de cada dia Água nossa de cada dia Somos animais... mas fica difícil beber nessas condições Água nossa de cada dia Migração

Leia mais

O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação:

O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação: SUGESTÃO Nº 113 Autor: MÁRCIA O. KAUFFMAN O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. 22 -... 1º -... 2º - Para a elaboração de Planos de Estruturação Urbana, conforme o estabelecido

Leia mais

Coeficiente de cultivo do milho nos Tabuleiros Litorâneos do Piauí. Palavras-chave: Zea mays L., evapotranspiração, lisímetro de pesagem.

Coeficiente de cultivo do milho nos Tabuleiros Litorâneos do Piauí. Palavras-chave: Zea mays L., evapotranspiração, lisímetro de pesagem. Coeficiente de cultivo do milho nos Tabuleiros Litorâneos do Piauí 1 Edson A. Bastos 1, Milton J. Cardoso 1, Antônio Guaraná Mendes 2 Aderson Soares de Andrade Júnior 1, Francisco José de Seixas Santos

Leia mais

Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica

Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica Water management in organic cultivation of banana nanica PINTO, José Maria. Embrapa Semiárido, Petrolina, PE, jmpinto@cpatsa.embrapa.br; GALGARO, Marcelo.

Leia mais

Estudos dos impactos da agricultura na quantidade e qualidade da água no solo e nos rios

Estudos dos impactos da agricultura na quantidade e qualidade da água no solo e nos rios Estudos dos impactos da agricultura na quantidade e qualidade da água no solo e nos rios Universidade Federal de Santa Maria Professores: Jean P.G. Minella, José Miguel Reichert, Dalvan J. Reinert Universidade

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO COMO FERRAMENTA AO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA A REGIÃO DE MARINÓPOLIS, NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1

BALANÇO HÍDRICO COMO FERRAMENTA AO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA A REGIÃO DE MARINÓPOLIS, NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 142 Revista Brasileira de Agricultura Irrigada v.4, nº. 3, p.142 149, 2010 ISSN 1982-7679 (On-line) Fortaleza, CE, INOVAGRI http://www.inovagri.org.br Protocolo 010.084 10/03/2010 Aprovado em 11/06/2010

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO E EVAPOTRANSPIRAÇÃO, OBTIDAS POR SATÉLITES COM ESTAÇÕES DE SUPERFÍCIE NO ESTADO DE GOIÁS.

AVALIAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO E EVAPOTRANSPIRAÇÃO, OBTIDAS POR SATÉLITES COM ESTAÇÕES DE SUPERFÍCIE NO ESTADO DE GOIÁS. AVALIAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO E EVAPOTRANSPIRAÇÃO, OBTIDAS POR SATÉLITES COM ESTAÇÕES DE SUPERFÍCIE NO ESTADO DE GOIÁS. Victor Hugo Moraes, Pedro Rogerio Giongo Bolsista do programa PIBIC/CNPq, discente de

Leia mais

Apoio Institucional 2

Apoio Institucional 2 Cap-Net Brasil - Rede Brasileira de Capacitação em Recursos HídricosH 2 Apoio Institucional Apresentação 1. Contextualização para GIRH 2. Rede Mundial de Capacitação em GIRH (Cap-Net) 2.1 Estrutura Organizacional

Leia mais

ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA PARA A CIDADE DE MOSSORÓ-RN

ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA PARA A CIDADE DE MOSSORÓ-RN 87 Revista Brasileira de Agricultura Irrigada v.4, n.2, p.87 92, 2010 ISSN 1982-7679 (On-line) Fortaleza, CE, INOVAGRI http://www.inovagri.org.br/rbai Protocolo 110 - W 05/04/2010 Aprovado em 11/06/2010

Leia mais

Avaliação de Elementos Agrometeorológicos e Produtividade de Cana-de-Açúcar

Avaliação de Elementos Agrometeorológicos e Produtividade de Cana-de-Açúcar Avaliação de Elementos Agrometeorológicos e Produtividade de Cana-de-Açúcar Rodollpho A. S. Lima*, Anderson R. A. Gomes*, Leopoldo A. Sá*, Klebson S. Brito*, Marlon da Silva*, Lucas A. Holanda**, Givaldo

Leia mais

A Informação Agrometeorológica e o Manejo de Irrigação na Cultura da Videira

A Informação Agrometeorológica e o Manejo de Irrigação na Cultura da Videira A Informação Agrometeorológica e o Manejo de Irrigação na Cultura da Videira Magna Soelma Beserra de Moura Introdução O paradigma da agricultura x globalização sugere que o setor agrícola seja cada vez

Leia mais

Evapotranspiração e coeficiente de cultivo da bananeira para a região litorânea do Ceará

Evapotranspiração e coeficiente de cultivo da bananeira para a região litorânea do Ceará Rev. Ciên. Agron., Fortaleza, v. 39, n. 02, p. 203-208, Abr.- Jun., 2008 Centro de Ciências Agrárias - Universidade Federal do Ceará www.ccarevista.ufc.br ISSN 1806-6690 Evapotranspiração e coeficiente

Leia mais

ÉPOCA DE SEMEADURA DA SOJA PARA A REGIÃO DE DOURADOS - MS, COM BASE NA DEFICIÊNCIA HÍDRICA E NO FOTOPERÍODO

ÉPOCA DE SEMEADURA DA SOJA PARA A REGIÃO DE DOURADOS - MS, COM BASE NA DEFICIÊNCIA HÍDRICA E NO FOTOPERÍODO ÉPOCA DE SEMEADURA DA SOJA PARA A REGIÃO DE DOURADOS - MS, COM BASE NA DEFICIÊNCIA HÍDRICA E NO FOTOPERÍODO CARLOS R. FIETZ 1, MARCO A. S. RANGEL 2 RESUMO: O objetivo deste trabalho foi definir a época

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO DA REGIÃO DE PATOS DE MINAS - MG

BALANÇO HÍDRICO DA REGIÃO DE PATOS DE MINAS - MG BALANÇO HÍDRICO DA REGIÃO DE PATOS DE MINAS - MG ANDRÊSSA CAIXETA SOUZA¹ DÁCIO JOSÉ CAMBRAIA FILHO² RAFAEL LUIS SILVA³ GUSTAVO RODRIGUES BARBORA 4 Resumo: O objetivo do trabalho foi realizar o balanço

Leia mais

CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO SEMIÁRIDO: CISTERNAS DE PLACA

CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO SEMIÁRIDO: CISTERNAS DE PLACA CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO SEMIÁRIDO: CISTERNAS DE PLACA Ana Cristina de Lima 1, Jógerson Pinto Gomes Pereira 2, Marcia Cristina de Araújo Pereira 3, 1 Universidade Federal de Campina Grande UFCG; E-mail:

Leia mais

DESEMPENHO DO MÉTODO DAS PESAGENS EM GARRAFA PET PARA A DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO

DESEMPENHO DO MÉTODO DAS PESAGENS EM GARRAFA PET PARA A DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO DESEMPENHO DO MÉTODO DAS PESAGENS EM GARRAFA PET PARA A DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO E. D. ARAÚJO 1 ; A. M. A. AVILEZ 1 ; J. M. SANTOS 1 ; E. C. MANTOVANI 2 1 Estudante de Mestrado, Universidade Federal

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. CRÉDITOS Obrigatórios: 254 Optativos: 16.

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. CRÉDITOS Obrigatórios: 254 Optativos: 16. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:19:05 Curso : ENGENHARIA

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FEIS - DEFERS

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FEIS - DEFERS Solteira, região noroeste do Estado de São Paulo. Página 1 de 27 ANÁLISES AGROCLIMÁTICA DA ÁREA DE INFLUÊNCIA DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE ILHA SOLTEIRA, REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO COMO PLANEJAMENTO HORTIFRUTIGRANJEIRO PARA O MUNICIPIO DE LAGOA SECA, VISANDO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

BALANÇO HÍDRICO COMO PLANEJAMENTO HORTIFRUTIGRANJEIRO PARA O MUNICIPIO DE LAGOA SECA, VISANDO MUDANÇAS CLIMÁTICAS BALANÇO HÍDRICO COMO PLANEJAMENTO HORTIFRUTIGRANJEIRO PARA O MUNICIPIO DE LAGOA SECA, VISANDO MUDANÇAS CLIMÁTICAS Oliveira, Roseane Cristina Silva - UNIDERC Medeiros, Raimundo Mainar de - Universidade

Leia mais

O EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS NECESSIDADES HÍDRICAS DO FEIJÃO-CAUPI NO CURU-PENTECOSTE UTILIZANDO O MODELO ISAREG

O EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS NECESSIDADES HÍDRICAS DO FEIJÃO-CAUPI NO CURU-PENTECOSTE UTILIZANDO O MODELO ISAREG Revista Brasileira de Agricultura Irrigada v.6, nº. 1, p. 8-13, 2012 ISSN 1982-7679 (On-line) Fortaleza, CE, INOVAGRI http://www.inovagri.org.br Protocolo 073/11 13/12/2011 Aprovado em 26/03/2012 O EFEITO

Leia mais

SIMULAÇÃO E EFEITO DE VERANICOS EM CULTURAS DESENVOLVIDAS NA REGIÃO DE PALMEIRA D OESTE, ESTADO DE SÃO PAULO 1

SIMULAÇÃO E EFEITO DE VERANICOS EM CULTURAS DESENVOLVIDAS NA REGIÃO DE PALMEIRA D OESTE, ESTADO DE SÃO PAULO 1 1 SIMULAÇÃO E EFEITO DE VERANICOS EM CULTURAS DESENVOLVIDAS NA REGIÃO DE PALMEIRA D OESTE, ESTADO DE SÃO PAULO 1 F.B.T. HERNANDEZ 2, S.A.V. de SOUSA 3, J.L. ZOCOLER 4, J.A. FRIZZONE 5 RESUMO: Foram determinadas

Leia mais

Ecofisiologia da cana-de-açúcar no estado de Alagoas

Ecofisiologia da cana-de-açúcar no estado de Alagoas São Paulo, 19 de março de 2009 Rede Interinstitucional para o Desenvolvimento do Setor Sucroalcooleiro CECA Ecofisiologia da cana-de-açúcar no estado de Alagoas Prof. Dr. Laurício Endres CECA - UFAL PMGCA

Leia mais

ciclo da água ciclo hidrológico

ciclo da água ciclo hidrológico Ciclo Hidrológico A água e seu ciclo A água da Terra - que constitui a hidrosfera - distribui-se por três reservatórios principais: os oceanos, os continentes e a atmosfera, entre os quais existe uma

Leia mais

- Banco de Dados Inglês Técnico 40

- Banco de Dados Inglês Técnico 40 Curso Técnico Subsequente em Meteorologia CÂMPUS FLORIANÓPOLIS MATRIZ CURRICULAR 1 o Semestre Carga horária total: 400h Unidade Curricular C/H Semestral PréRequisito Meteorologia Fundamental 60 Física

Leia mais

RelaçãoSolo-Água. Prof. Vital Pedro da Silva Paz

RelaçãoSolo-Água. Prof. Vital Pedro da Silva Paz Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Centro de Ciência Agrárias, Ambientais e Biológicas Núcleo de Engenharia de Água e Solo Disciplina: CCA 039 - Irrigação e Drenagem RelaçãoSolo-Água Prof. Vital

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA EM HIDROLOGIA

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA EM HIDROLOGIA Introdução 1 PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA EM HIDROLOGIA Fenômeno - MODELO MATEMÁTICO Q = L.H 3/2 F= γ.h.a Ênfase: forma da expressão relação entre : L e H Q γ, h e A F Aula 1 Introdução 2 HIDROLOGIA " É

Leia mais

AVALIAÇÃO DE LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DE PIMENTÃO CULTIVADO EM AMBIENTE PROTEGIDO

AVALIAÇÃO DE LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DE PIMENTÃO CULTIVADO EM AMBIENTE PROTEGIDO AVALIAÇÃO DE LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DE PIMENTÃO CULTIVADO EM AMBIENTE PROTEGIDO M. B. BRAGA 1 ; W.A. MAROUELLI 1 ; I. M. R. GUEDES 1 ; M. CALGARO RESUMO: Este trabalho teve como objetivo determinar

Leia mais

Estimativa da evapotranspiração e coeficiente de cultivo da Heliconia bihai L., cultivada em ambiente protegido (1)

Estimativa da evapotranspiração e coeficiente de cultivo da Heliconia bihai L., cultivada em ambiente protegido (1) ARTIGO CIENTÍFICO Estimativa da evapotranspiração e coeficiente de cultivo da Heliconia bihai L., cultivada em ambiente protegido (1) RUBENS SONSOL GONDIM (2), ANTÔNIA RENATA MONTEIRO GOMES (3), FRED CARVALHO

Leia mais

Análise morfométrica das microbacias do Córrego da Onça, dos Macacos e dos. Dourados na Bacia do Rio Araguari.

Análise morfométrica das microbacias do Córrego da Onça, dos Macacos e dos. Dourados na Bacia do Rio Araguari. 1 Análise morfométrica das microbacias do Córrego da Onça, dos Macacos e dos Dourados na Bacia do Rio Araguari. José Arlindo Braga Neto 1 ; Ana Cláudia Bernardes Brito! ; Kathereyn Jéssica Rosa Fiordelice!

Leia mais

Recursos Hídricos. Racionalização do uso da água no meio rural. Anexo III-f. Prospecção Tecnológica. Síntese de Painel de Especialistas

Recursos Hídricos. Racionalização do uso da água no meio rural. Anexo III-f. Prospecção Tecnológica. Síntese de Painel de Especialistas Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Prospecção Tecnológica Recursos Hídricos Anexo III-f Racionalização do uso da água no meio rural Síntese de Painel de Especialistas

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO FLORÊNCIO, Ágatha Cristine 1 ; VALE, Monnike Yasmin Rodrigues do ²; MORAIS Welmys Magno de³,paula, Heber Martins de 4 Palavras chave:

Leia mais

Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica. Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva

Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica. Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva 1 Ciclo hidrológico global Energia do sol que atua sobre o sistema terrestre: 36% de toda a energia que chega a terra é utilizada

Leia mais

Evapotranspiração e coeficientes de cultivo da melancia sem sementes 1

Evapotranspiração e coeficientes de cultivo da melancia sem sementes 1 Rev. Ciên. Agron., Fortaleza, v. 39, n. 01, p. 53-59, Jan.- Mar., 2007 Centro de Ciências Agrárias - Universidade Federal do Ceará www.ccarevista.ufc.br ISSN 1806-6690 Evapotranspiração e coeficientes

Leia mais

Estimativa do coeficiente de escoamento superficial c da unidade hidrográfica do lago Paranoá, utilizando imagem de média resolução espacial (ALOS).

Estimativa do coeficiente de escoamento superficial c da unidade hidrográfica do lago Paranoá, utilizando imagem de média resolução espacial (ALOS). Estimativa do coeficiente de escoamento superficial c da unidade hidrográfica do lago Paranoá, utilizando imagem de média resolução espacial (ALOS). Daniela Cappellesso Mangoni, Marianne da Silva Santos,

Leia mais

PLANO DE CURSO CURSO: ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

PLANO DE CURSO CURSO: ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CURSO: ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL OBJETIVO DO CURSO: Abordar as principais temáticas relativas à conexão entre Educação, Meio Ambiente e o Desenvolvimento sustentável.

Leia mais

Análise da Precipitação e Interceptação Pluviométrica em Floresta Estacional Decidual, Vitória da Conquista - BA

Análise da Precipitação e Interceptação Pluviométrica em Floresta Estacional Decidual, Vitória da Conquista - BA Análise da Precipitação e Interceptação Pluviométrica em Floresta Estacional Decidual, Vitória da Conquista - BA Francisnei da Silva Brilhante (1) ; Emerson Iuri de Paula Araújo (2) ; Willyan Charles Amaral

Leia mais

Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA. A01 Agricultura - aspectos gerais. A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA.

Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA. A01 Agricultura - aspectos gerais. A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA. Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA A01 Agricultura - aspectos gerais A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA B10 Geografia B50 História C EDUCAÇÃO, EXTENSÃO E INFORMAÇÃO C10 Educação

Leia mais

COEFICIENTES DE CULTURA PARA O TOMATEIRO IRRIGADO

COEFICIENTES DE CULTURA PARA O TOMATEIRO IRRIGADO 11 ISSN 188-3765 COEFICIENTES DE CULTURA PARA O TOMATEIRO IRRIGADO Márcio José de Santana¹; Uander da Costa Pereira²; José Daniel Cambraia Beirigo²; Stefany Silva de Souza³; Talita Melo Campos 4 ; Thiago

Leia mais

AVALIAÇÃO DO VOLUME DE ÁGUA ESCOADO EM DIFERENTES DECLIVES SOB CHUVA SIMULADA 1

AVALIAÇÃO DO VOLUME DE ÁGUA ESCOADO EM DIFERENTES DECLIVES SOB CHUVA SIMULADA 1 AVALIAÇÃO DO VOLUME DE ÁGUA ESCOADO EM DIFERENTES DECLIVES SOB CHUVA SIMULADA 1 FRAGA JUNIOR, E. F. 2 ; VALLE JUNIOR, R.F. 3 ; FERREIRA JUNIOR, J. A. 4 ; CASSIA, M. T. 4 ; BONTEMPO, A.R. 4 ; FERREIRA,

Leia mais

FATOR DE RESPOSTA DA PRODUÇÃO DO CAFEEIRO AO DEFICIT HÍDRICO EM CAMPINAS (1)

FATOR DE RESPOSTA DA PRODUÇÃO DO CAFEEIRO AO DEFICIT HÍDRICO EM CAMPINAS (1) Produção do cafeeiro sob déficit hídrico 139 FATOR DE RESPOSTA DA PRODUÇÃO DO CAFEEIRO AO DEFICIT HÍDRICO EM CAMPINAS (1) FLÁVIO BUSSMEYER ARRUDA (2) ; MARCOS ALEXANDRE GRANDE (3) RESUMO A quantificação

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO, CRESCIMENTO E PRODUTIVIDADE DE CANA-DE- AÇÚCAR EM ALAGOAS

BALANÇO HÍDRICO, CRESCIMENTO E PRODUTIVIDADE DE CANA-DE- AÇÚCAR EM ALAGOAS BALANÇO HÍDRICO, CRESCIMENTO E PRODUTIVIDADE DE CANA-DE- AÇÚCAR EM ALAGOAS Magno L. Abreu 1, Iêdo Teodoro 2, Guilherme B. Lyra 2, Ricardo Araújo Ferreira Junior 3, Rômulo P. Ramos 3, Givaldo Dantas Neto

Leia mais

PROGRAMA E BIBLIOGRAFIA PARA EXAME DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - SELEÇÃO 2009

PROGRAMA E BIBLIOGRAFIA PARA EXAME DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - SELEÇÃO 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERALDE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA PROGRAMA E BIBLIOGRAFIA PARA EXAME DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - SELEÇÃO 2009 Para o mestrado serão exigidos

Leia mais

Roteiro. Definição de termos e justificativa do estudo Estado da arte O que está sendo feito

Roteiro. Definição de termos e justificativa do estudo Estado da arte O que está sendo feito Roteiro Definição de termos e justificativa do estudo Estado da arte O que está sendo feito Definição de termos e justificativa do estudo Hidrossedimentologia O que é? Por que estudar? Como pesquisar?

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DOS TABULEIROS COSTEIROS DO RECÔNCAVO BAIANO. G.L.B. D`Angiolella (1); M.T. Castro Neto; E.F. Coelho

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DOS TABULEIROS COSTEIROS DO RECÔNCAVO BAIANO. G.L.B. D`Angiolella (1); M.T. Castro Neto; E.F. Coelho CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DOS TABULEIROS COSTEIROS DO RECÔNCAVO BAIANO G.L.B. D`Angiolella (1); M.T. Castro Neto; E.F. Coelho (1) Engº. Agrônomo, BSc, Pesquisador FEESC/INMET/Embrapa Mandioca e Fruticultura.

Leia mais

EDITAL Nº 01, DE 03 DE JANEIRO DE ª RETIFICAÇÃO

EDITAL Nº 01, DE 03 DE JANEIRO DE ª RETIFICAÇÃO Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Norte de Minas Gerais Diretora de Educação a Distância EDITAL Nº 01, DE 03 DE JANEIRO DE 2017 2ª RETIFICAÇÃO

Leia mais

CALIBRAÇÃO DO MODELO DA FAO PARA SIMULAÇÃO DA PRODUTIVIDADE POTENCIAL E REAL DO MILHO SAFRINHA

CALIBRAÇÃO DO MODELO DA FAO PARA SIMULAÇÃO DA PRODUTIVIDADE POTENCIAL E REAL DO MILHO SAFRINHA CALIBRAÇÃO DO MODELO DA FAO PARA SIMULAÇÃO DA PRODUTIVIDADE POTENCIAL E REAL DO MILHO SAFRINHA Kleber G. Andrioli 1, Paulo C. Sentelhas 2, Cecília M. T. Soler 3, Fábio R. Marin 4 RESUMO No Brasil, os métodos

Leia mais

TÉCNICAS PARA CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA, PARA REGIÕES SEMIÁRIDAS DO NORDESTE BRASILEIRO.

TÉCNICAS PARA CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA, PARA REGIÕES SEMIÁRIDAS DO NORDESTE BRASILEIRO. TÉCNICAS PARA CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA, PARA REGIÕES SEMIÁRIDAS DO NORDESTE BRASILEIRO. Leandro Duarte Fortaleza¹, Sergio Olinda da Silva², Amanda Cibely Fernandes Casé³, Paula Juliana de Aquino Barbosa

Leia mais

AJUSTE E AVALIAÇÃO DE UM MODELO DE BALANÇO HÍDRICO DECENDIAL E ESTUDO DOS LIMITES DE SUA UTILIZAÇÃO EM ALGUMAS LOCALIDADES NO ESTADO DO PARANÁ

AJUSTE E AVALIAÇÃO DE UM MODELO DE BALANÇO HÍDRICO DECENDIAL E ESTUDO DOS LIMITES DE SUA UTILIZAÇÃO EM ALGUMAS LOCALIDADES NO ESTADO DO PARANÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA AJUSTE E AVALIAÇÃO DE UM MODELO DE BALANÇO HÍDRICO DECENDIAL E ESTUDO DOS LIMITES DE SUA UTILIZAÇÃO

Leia mais

eventos extremos ligados a recursos hídricos

eventos extremos ligados a recursos hídricos Mudanças climáticas e eventos extremos ligados a recursos hídricos JOAQUIM GONDIM SUPERINTENDENTE DE USOS MÚLTIPLOS Brasília, 4 de agosto de 2009 AS INUNDAÇÕES E AS SECAS TÊM CADA VEZ MAIS CHAMADO A ATENÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO E DO NÚMERO DE DIAS DE CHUVA NO MUNICÍPIO DE PETROLINA - PE

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO E DO NÚMERO DE DIAS DE CHUVA NO MUNICÍPIO DE PETROLINA - PE CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA SUSTENTABILIDADE DE ÁREAS RURAIS E URBANAS TECNOLOGIAS E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA TERESINA, PI, DE 11 A 14 DE JULHO DE 2 ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO E DO NÚMERO DE DIAS

Leia mais

MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA

MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BIULCHI, P.A. 2 ; VASCONCELOS, R.F. 3 1 Estudante de Agronomia do CEFET Uberaba MG, bolsista FAPEMIG, e-mail:

Leia mais