Gerenciamento pelo Lado da Demanda em Redes Inteligentes Utilizando Algoritmos Genéticos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gerenciamento pelo Lado da Demanda em Redes Inteligentes Utilizando Algoritmos Genéticos"

Transcrição

1 1 Gerenciamento pelo Lado da Demanda em Redes Inteligentes Utilizando Algoritmos Genéticos L. C. Siebert, A. R. Aoki, E. K. Yamakawa, F. O. Toledo Resumo Esse artigo descreve um método para o desenvolvimento de propostas de agendamento de consumo de dispositivos residenciais através de algoritmos genéticos. Essa proposta visa auxiliar clientes residenciais a moldarem seus hábitos, para usufruir os benefícios possibilitados pela utilização de tarifas Time-Of-Use e a estrutura de uma rede inteligente. Resultados de simulações e comparações entre uma curva de carga referência e a curva obtida através do método de otimização proposto indicam que o algoritmo é capaz de deslocar cargas de modo eficaz. conservação estratégica, crescimento estratégico e curva de carga flexível [1][4], como pode ser visto na Fig. 1. Palavras Chave Smart Grids, Redes Inteligentes, Gerenciamento pelo Lado da Demanda, Inteligência Artificial, Algoritmos Genéticos. G I. INTRODUÇÃO erenciamento pelo Lado da Demanda (DSM, do inglês Demand-Side Management) é o planejamento e implementação de atividades para influenciar o uso de eletricidade do consumidor de maneira que produza mudanças desejadas na curva de carga da concessionária de energia elétrica [1]. O DSM, embora seja um tema discutido a mais de 2 anos, recebe com o advento do smart grid, através de sistemas automáticos de controle e supervisão e de novas soluções de tecnologia da informação (TI), o impulso necessário para a efetividade de suas ações [2]. Uma rede inteligente de energia, ou smart grid, realiza a integração da TI com o sistema elétrico de potência. Essa integração possibilita uma melhor coordenação e interação entre os diversos agentes do mercado de energia tais como geradores, operadores de rede, clientes, entre outros, causando uma maximização da eficiência, confiabilidade e estabilidade do sistema [3]. A utilização de técnicas de DSM para gestão de cargas possibilita o alívio da rede em horário de pico, aumento da quantidade de geração distribuída que pode ser conectada à rede de distribuição, entre outros benefícios. A gestão das cargas é geralmente tratada em seis categorias: redução do pico, preenchimento de vales, deslocamento de carga, Esse trabalho foi desenvolvido no âmbito do programa Smart Grid Light. L.C. Siebert, A. R. Aoki e E. K. Yamakawa são pesquisadores do LACTEC Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento, Centro Politécnico da UFPR Jardim das Américas, BR Km 98 - S/N, Curitiba - Paraná Brasil ( ). F. O. Toledo é gerente do programa Smart Grid, da Light SA. Fig. 1. Técnicas de gerenciamento de carga O DSM agrega dentro de seu conceito diferentes ações para o gerenciamento de carga, incluindo tarifas variáveis, uso racional de energia, substituição de combustíveis, eficiência energética (através de ações da concessionária) e resposta a demanda. Nesse trabalho será abordada a resposta a demanda, que se refere a mecanismos para gerenciar a demanda de energia elétrica de clientes em resposta a condições de fornecimento, geração, ambientais, econômicas, entre outros [5]. A resposta a demanda pode ser realizada através de tarifas variáveis, tais como a Time-Of-Use (TOU), que varia para diferentes períodos do dia visando refletir situações típicas de fornecimento e demanda de energia, em intervalos fixos, como a tarifa branca, regulamentada em 211 pela ANEEL [6]. As tarifas TOU são classificadas em estáticas e dinâmicas. As estáticas são as usuais, a resposta ao preço depende da alteração discricionária dos hábitos de consumo por parte dos usuários. Nas tarifas TOU dinâmicas, ou Dynamic Teleswitching, o controle da carga depende de sistemas automatizados [7][8]. Na referência [9] foram desenvolvidas propostas de agendamento de consumo, utilizando para isso a técnica de otimização por enxame de partículas com repulsão estocástica entre as partículas. Considera para o agendamento um carro elétrico plug-in (que também pode ser utilizado como um banco de baterias para armazenamento de energia elétrica), aquecedor de água tipo caldeira e bomba de água de piscina,

2 2 com energia elétrica proveniente da rede e de um sistema fotovoltaico local. O presente trabalho se diferencia ao realizar o agendamento dos demais aparelhos eletrodomésticos presentes no ambiente residencial. Em [9] são propostas tarifas fixas de referências do tipo TOU, assim como no presente artigo, porém também são considerados os valores para exportação de energia (tarifa feed-in). Em [1] o agendamento do consumo de dispositivos, incluindo também a utilização de um banco de baterias para armazenamento de energia, é realizado através do algoritmo de agendamento MinMax, onde, a cada iteração, é alocado ao horário com menor custo o dispositivo com maior consumo de energia. Tal algoritmo de agendamento apresentou soluções quase ótimas para o caso proposto. Diferente do realizado em [1], o presente trabalho utiliza algoritmos genéticos para a determinação da proposta de agendamento. Tal método embora implique em um maior esforço computacional, geralmente apresenta melhores soluções. Em [11] é apresentada uma abordagem com algoritmos genéticos para gerenciar o consumo de energia de uma residência através de um sistema SCADA desenvolvido pelos autores. São estabelecidos três cenários de estudos onde dezoito cargas possuem um valor inicial, e a partir disso o algoritmo tenta selecionar quais cargas controlar para respeitar restrições de demanda, entre outras, não sendo proposto um agendamento de consumo para um dia ou outro período de tempo. No item dois será apresentada a formulação matemática para o sistema de propostas de agendamento de consumo de energia em residências, visando auxiliar clientes residenciais a moldarem seus hábitos de consumo, para usufruir os benefícios possibilitados pela utilização de tarifas TOU estáticas. Além disso, são apresentados também dados referentes aos dispositivos e tarifas para as simulações realizadas. No item três algoritmos genéticos serão brevemente conceituados, assim como os parâmetros selecionados. No item quatro são apresentados os resultados para os casos propostos e por fim no item cinco conclusões. II. FORMULAÇÃO MATEMÁTICA Nesse trabalho, a proposta de agendamento do consumo tem como objetivo a minimização do custo com energia elétrica ( ), a suavização da curva de carga ( ) e a diminuição do pico máximo de demanda no período ( ). A função objetivo (FO) é: onde é o horário de início de ciclo dos dispositivos e os pesos que referem à participação de cada parcela na composição da FO, respeitando que: (1) (2) A função do custo com energia é expressa por: Sujeito a: ( ) (3) onde é o vetor contendo as potências médias de cada dispositivo, e a quantidade de ciclos de funcionamento dos dispositivos contemplados. Essa função representa somente os custos com energia elétrica para os dispositivos considerados na tabela 1. Para o cálculo da função que trata da suavização da curva de carga, é necessário obter a curva de carga modificada: Com a curva de carga modificada é possível calcular as funções referentes à suavização da curva de carga ( ) e diminuição do pico máximo ( ): As funções e representam benefícios para a empresa fornecedora de energia quando do gerenciamento pelo lado da demanda, porém, simultaneamente auxiliam na viabilidade da implementação da proposta de agendamento de consumo, ao evitar que diversos dispositivos sejam agendados para o mesmo momento. O algoritmo desenvolvido considera a atomicidade das tarefas, ou seja, se um dispositivo inicia seu funcionamento necessariamente ele deve continuar em funcionamento ininterruptamente até o fim de seu ciclo. Além disso, é garantido no algoritmo que todos os dispositivos serão agendados. Todas as parcelas que compõem a função objetivo do problema de otimização proposto, são normalizadas no algoritmo, ou seja, os valores obtidos nas equações (3), (7) e (8) são divididos pelo valor dessas mesmas equações para o caso proposto de referência a cada iteração, e somente então, multiplicados pelos seus respectivos pesos e somados. Essa normalização proporciona um valor 1 para o agendamento inicial de cada parcela, tendendo, conforme a distribuição dos (4) (5) (6) (7) (8)

3 Valor da tarifa [$/kwh] 3 pesos, a diminuir o valor. A. Caso Proposto O caso proposto para simulação contemplará o agendamento de alguns dos dispositivos típicos utilizados em residências brasileiras que contribuem significativamente para a demanda de horário de pico em dias úteis. A tabela I apresenta a duração de um ciclo de funcionamento, quantidade de ciclos por dia, potência média e o período proposto de referência para o funcionamento dos dispositivos. TABELA I POTÊNCIA, DURAÇÃO E QUANTIDADE DE CICLOS DOS DISPOSITIVOS Lavadora de roupas Secadora de roupas Arcondicionado Bomba d água Chuveiro elétrico Lavadora de louças Potência Média [W] Duração/ciclo [min] Ciclos/dia Período proposto de referência :1-19: :1-22: :1-21: :1-18: :1-2: 2:1-21: 7:1-8: 8:1-9: :1-22: Para o cálculo da função de fitness ou objetivo é necessária a definição da tarifa TOU a ser utilizada. Nesse trabalho será testada a aplicabilidade da tarifa branca para ações de resposta a demanda, utilizando para isso o exposto em [6] e [7] e os horários de pico do sistema considerados na Resolução Normativa nº414 [12]. Foi considerado como custo de energia fora de pico a metade do valor cobrado por uma concessionária de energia elétrica brasileira para o setor residencial, desconsiderando a incidência de ICMS/PIS/COFINS. Para a tarifa intermediária foi estabelecido o triplo da tarifa fora de pico e para a tarifa de pico cinco vezes o valor da tarifa fora de pico, como se pode ver na Fig visando uma melhor compreensão dos possíveis resultados da utilização da mesma. Não é objetivo deste trabalho a determinação de uma estrutura tarifária ótima para o gerenciamento pelo lado da demanda, a qual poderia ser realizada com base em [13]. III. ALGORITMOS GENÉTICOS Os Algoritmos Genéticos (AG) foram originalmente propostos por John Holland [14], e emulam a teoria da evolução biológica para resolver problemas de otimização. Um AG compreende um conjunto de elementos (população) além de um conjunto de operadores inspirados na biologia e definidos sobre a população [15]. O operador de mutação é necessário para a introdução e manutenção da diversidade genética da população, enquanto o cruzamento é responsável pela recombinação de características dos pais durante a reprodução, permitindo que as próximas gerações herdem essas características. Assim como na natureza, a seleção fornece o mecanismo para que as soluções mais aptas sobrevivam. Para isso toma como base o valor da função objetivo para cada indivíduo, que reflete o quão bom é comparado com outras soluções na população atual e anteriores [16]. Nesse trabalho, o indivíduo é uma sequencia de nove números reais que expressam o horário, em minutos, do início do ciclo de funcionamento de cada dispositivo. O tamanho da população foi de 2 indivíduos. Os operadores utilizados foram seleção via roleta (onde os indivíduos são ordenados de acordo com a função objetivo e lhes são atribuídas probabilidades decrescentes de serem escolhidos), mutação uniforme com taxa de 2%, cruzamento com taxa de 8% e elitismo de dois indivíduos. A alta taxa de mutação foi escolhida, após diversos testes, devido ao tamanho das restrições estabelecidas. Todas variáveis se encontram no intervalo de zero a 144. O Critério de Parada (CP) foi o de 1 gerações sem alteração no valor da função objetivo (stall generations), visando garantir assim a melhor solução possível. IV. RESULTADOS Para analisar o funcionamento do algoritmo foram propostos quatro casos, conforme a tabela III, os quais explicam melhor o funcionamento do método proposto. Outros casos com diferentes pesos foram propostos e simulados, e podem ser vistos em anexo, tabela V Fig. 2. Tarifa branca considerada para simulações A tarifa branca será a única considerada nas simulações, TABELA II RESULTADOS DAS PARCELAS DA FUNÇÃO OBJETIVO PARA O AGENDAMENTO INICIAL E OS CASOS PROPOSTOS Caso A 1/2 1/2 Caso B 1 Caso C 2/4 1/4 1/4 Caso D (com restrições para horário de funcionamento) 2/4 1/4 1/4 Para cada um dos casos foram realizadas 1 simulações,

4 Consumo [W] Consumo [W] Consumo [W] 4 sendo os valores referentes à função objetivo e número de gerações com base na média dessas simulações. Os gráficos, os valores percentuais de reduções de demanda de pico, deslocamento de energia e custo apresentam a simulação que apresentou melhor desempenho para cada caso. Todas curvas de carga apresentadas nesse trabalho possuem um período de amostragem de uma hora, portanto os valores em uma determinada hora representam a média das demandas dos últimos 6 minutos. A inteção do caso A foi observar a efetividade da suavização da curva de carga e diminuição do pico máximo no algoritmo proposto. Nessa situação o algoritmo apresentou uma média de 1518 gerações para atingir o critério de parada (CP), com uma função objetivo (FO) média de,49. A Fig. 3 apresenta a curva de carga para o agendamento final proposto com melhor desempenho, onde foi constatada uma redução de 35,77% na demanda máxima, assim como uma suavização significativa na curva de carga. O custo com energia elétrica foi reduzido em 15,73% Fig. 4. Curva de carga para o caso B O caso C, por sua vez, visa reduzir os custos com energia elétrica e, simulataneamente, suavizar a curva de carga e dimunir a demanda máxima. Para isso foram atribuidos pesos iguais para a função do custo com energia e a soma das funções referente à modelagem da curva de carga. Com uma evolução através de 3237 gerações, em média, foi obtida um FO no valor de,477. As Fig. 5 e Fig. 6 apresentam os resultados obtidos Fig. 3. Curva de carga para o caso A 3 2 No caso B a otimização é realizada visando somente a redução dos gastos com energia elétrica. Para atingir o CP foram necessárias 2518 gerações, obtendo uma FO de,46. A demanda máxima, que foi deslocada no tempo, apresentou uma redução de,5%. Ocorreu também um deslocamento de 14,58% da energia consumida em horário de pico (destaque em vermelho) para horários intermediários (destaque em amarelo) ou fora de pico. A redução no gasto com energia elétrica, objetivo do caso, foi de 59,94%, a maior entre todos casos simulados. Na Fig. 4, que apresenta a curva de carga para o agendamento proposto nesse caso, pode-se observar que há um pico no consumo às 18 horas (consumo médio entre 17:1 e 18:). Isso ocorre como um caso especial de CLPU (Cold Load Pick-Up), que é o fato de que carga associadas a programas de resposta a demanda tendem a não retornar a seu nível original de consumo, mas consumir mais do que usualmente durante um período anterior ou posterior ao período de alta tarifação [17] Fig. 5. Curva de carga para o caso C Foi constatado que 9,56% da energia anteriormente consumida em horário de pico foi deslocada do mesmo, o que em larga escala, pode auxiliar significativamente em aliviar a rede em horário de pico. A redução nos gastos com energia elétrica para o período foi de 58,7%, ligeiramente abaixo da obtida no caso B.

5 Consumo [W] Fig. 6. Agendamento proposto para o caso C O caso D possui a mesma divisão dos pesos que o caso C, porém difere ao possuir restrições para o horário de início de funcionamento dos dispositivos. Essas restrições foram inseridas visando que o agendamento proposto seja factível. Em uma aplicação real tais restrições poderiam ser inseridas pelo usuário, conforme sua conveniência. O problema de minimização proposto em (1) deve, para o caso D, respeitar as seguintes inequações: onde e são as restrições para o horário de funcionamento do dispositivo, conforme tabela III Lavadora de Roupas Secadora de Roupas Ar-condicionado Bomba d'água Lavadora de Louças (9) porém a inserção das restrições prejudicou a redução do pico máximo e a suavização da curva de carga Fig. 8. Agendamento proposto para o caso D TABELA III HORÁRIO DE INÍCIO MÍNIMO, MÁXIMO E PROPOSTO INICIALMENTE PARA OS DISPOSITIVOS Lavadora de Roupas Secadora de Roupas Ar-condicionado Bomba d'água Lavadora de Louças Lavadora de roupas 18: 22: Secadora de roupas 18: 22:3 Ar-condicionado 18: 22: Bomba d água 8: 22: 7:/18: 9:3/22: Lavadora de louças 18: 22: A tabela IV apresenta o valor médio das funções, não normalizadas e sem a influência dos pesos, obtidas nas simulações realizadas os quatro casos analisados. TABELA IV VALORES MÉDIOS DAS PARCELAS DA FUNÇÃO OBJETIVO PARA O AGENDAMENTO INICIAL E OS CASOS PROPOSTOS Fig. 7. Curva de carga para o caso D O algoritmo necessitou de 4274 gerações, em média, para atingir o CP e obter a FO, no valor de,789. As Fig. 7 e Fig. 8 apresentam os resultados, sendo que na Fig. 8 as linhas contínuas em preto representam as restrições para início do funcionamento dos dispositivos. Percebe-se que mesmo após a inserção das restrições para o horário de funcionamento (Caso D), o algoritmo foi capaz de reduzir em 41,7% os gastos com energia elétrica dos dispositivos considerados para um cliente com tarifa variável, Agendamento Inicial 4,839 2,443 13,23 Caso A 4,78 1,57 3,951 Caso B 1,938 2,431 13,134 Caso C 1,998 1,57 5,128 Caso D 2,821 2,432 13,18 V. CONCLUSÕES A técnica de algoritmos genéticos se mostrou eficiente para obter uma solução quase ótima para o agendamento de consumo de dispositivos dentro de uma residência, possibilitando uma diminuição bastante significativa do custo com energia elétrica e a suavização da curva de carga. A proposta de agendamento se mostrou bastante valiosa no contexto da infraestrutura a ser construída em residências para possibilitar um gerenciamento ótimo de carga em uma rede inteligente, sobretudo quando considerarmos a futura inserção de eletrodomésticos inteligentes (smart appliances) e a perspectiva de smart grids. A inserção de restrições para o horário de funcionamento dos dispositivos mostrou que o sistema proposto pode ser

6 6... bastante eficiente em uma aplicação real em residências, quando acompanhada de informações suficientes para a.conscientização dos clientes quanto dos benefícios que podem ser obtidos. Percebeu-se também que a inserção das restrições para horário de funcionamento podem reduzir significativamente os ganhos obtidos pela concessionária em relação à suavização da curva de carga e diminuição da demanda máxima. A aplicação de técnicas de inteligência distribuída na elaboração de proposta de agendamento de consumo para vários clientes simultaneamente deve ser futuramente estudada, pois pode possibilitar a maximização das vantagens para as empresas fornecedoras de energia elétrica e ao mesmo tempo manter os ganhos financeiros para os clientes. O método desenvolvido nesse trabalho pode ser estendido para uma análise simultânea de diversas unidades consumidoras, o que poderá possibilitar à concessionária estimar alguns dos efeitos da rede inteligente em larga escala, porém, para isso, estudos comportamentais e sobre a elasticidade do consumidor devem ser realizados. VI. ANEXO TABELA V VALORES MÉDIOS DAS FUNÇÕES, NÃO NORMALIZADAS, PARA CASOS COMPLEMENTARES PROPOSTOS Pesos Parcelas da Função Objetivo 1 4,274 1,5695 4,45,25,75 3,7378 1,5695 5,248,5,5 4,78 1,57 3,951,75,25 4,4298 1,5695 4, ,915 1,5673 9,189,25,75 2,43 1,614 5,1539,25,25,5 2,3184 1,614 5,1612,25,5,25 2,598 1,5695 5,6724,25,75 2,2351 1,614 7,3714,5,5 2,752 1,7789 5,5235,5,25,25 1,998 1,57 5,128,5,5 2,2411 1,614 6,8859,75,25 1,9948 1,879 5,5669,75,25 2,382 1,5695 7, ,938 2,431 13,134 VII. REFERÊNCIAS [1] C. W. Gellings, The Concept of Demand-Side Management for Electric Utilities, Proceedings of the IEEE, v. 73, n. 1, pp , [2] C. W. Gellings, The Smart Grid: Enabling Energy Efficiency and Demand Response, Primeira Edição,. Lilburn, GA, EUA: The Fairmont Press Inc., 29. [3] IEA (Interational Energy Agency), Technology Roadmap Smart Grids, Paris, França, 211. [4] G. Strbac, Demand side management: Benefits and challenges, Energy Policy, v. 36, n. 12, pp , 28. [5] C. W. Gellings, and J. H. Chamberlin, Demand-Side Management: Concepts and Methods, Segunda Edição. Lilburn, GA, EUA: The Fairmont Press Inc., [6] ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica). Tarifa branca ao consumidor de baixa tensão valerá com novo medidor. Disponível em: dade=4921&id_area=9. Acesso em 3/12/211. [7] ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), Nota técnica nº 362/21-SER-SRD/ANEEL Sinal Econômico para baixa tensão,. Brasília, 21. [8] OFGEN (Office of the Gas and Electricity Markets), A Discussion Paper: Demand Side Response, Disponível em: df Acesso em [9] M. A. A. Pedrasa, T. D. Spooner, I. F. MacGill, Coordinated Scheduling of Residential Distributed Energy Resources to Optimize Smart Home Energy Services, IEEE Transactions on Smart Grid, v. 1, n.2, pp , 21. [1] J. Xiao, J. Y. Chung, J. Li, R. Boutaba, J. Won-Ki Hong, Near Optimal Demand-Side Energy Management Under Real-time Demand-Response Pricing, in 21 International Conference on Network and Service Management, Niagara Falls, ON, EUA, pp [11] F. Fernandes, T. Sousa, M. Silva, H. Morais, Z. Vale, P. Faria, Genetic Algorithm Methodology applied to Intelligent House Control, in 211 IEEE Symposium on Computational Intelligence Applications In Smart Grid, Paris, França, pp [12] ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), Resolução Normativa nº 414, de 9 de setembro de 21, Brasília, 21. [13] P. E. S. Santos, Tarifa de distribuição para unidades consumidoras e micro-geradores considerando a elasticidade-preço das cargas, Tese de Doutorado, Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI, 28. [14] J. H. Holland, Adaptation in Natural and Artificial Systems, Univ. of Michingan Press, Ann Arbor, Michigan, EUA, [15] J. L. Ribeiro Filho, Algoritmos Genéticos Tutorial in III Simpósio Brasileiro de Redes Neurais, Recife, [16] S. J. Russell and P. Norvig, Artificial Intelligence: A Modern Approach, Prentice Hall, Englewood Cliffs, New Jersey, EUA, [17] J. Medina, N. Muller, I. Roytelman, Demand Response and Distribution Grid Operations: Opportunities and Challenges, IEEE Transactions on Smart Grid, v. 1, n.2, pp , 21.

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Agenda Os Institutos Lactec Projetos nas áreas de Smart Grids Piloto Programa Smart Grid Light

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Eficiência Energética Smart Grid - Redes Inteligentes Anderson D. Carvalho, Helionay F. Rocha, Jeiza P. Bittencourt, Jéssica M. Ribeiro, Luiz F. Rocha, Wellerson C. Leite, Vinicius M. Pacheco. Centro Universitário

Leia mais

Algoritmos Genéticos

Algoritmos Genéticos UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Laboratório de Computação Natural LCoN I ESCOLA DE COMPUTAÇÃO NATURAL Algoritmos Genéticos Rafael Xavier e Willyan Abilhoa Outubro/2012 www.computacaonatural.com.br

Leia mais

SOLUÇÃO DO PROBLEMA DE SELF-HEALING PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO RADIAIS ATRAVÉS DE OTIMIZAÇÃO VIA ALGORITMO GENÉTICO

SOLUÇÃO DO PROBLEMA DE SELF-HEALING PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO RADIAIS ATRAVÉS DE OTIMIZAÇÃO VIA ALGORITMO GENÉTICO SOLUÇÃO DO PROBLEMA DE SELF-HEALING PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO RADIAIS ATRAVÉS DE OTIMIZAÇÃO VIA ALGORITMO GENÉTICO LUCAS ROBERTO FERREIRA 1, LUCIANO CAVALCANTE SIEBERT 1, HELON AYALA 1, ALEXANDRE RASI

Leia mais

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina A 1ª Cidade Inteligente da América Latina Imagine... gerar somente a energia que precisamos em nossas casas através de fontes renováveis... saber o consumo de energia de cada aparelho elétrico conectado

Leia mais

GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO

GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO STC/ 13 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO

Leia mais

Cap. 14 Medição de Demanda

Cap. 14 Medição de Demanda Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap. 14 Medição de Demanda Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações e

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 6ª Série Classificação e Pesquisa Sistemas de Informação A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido

Leia mais

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento A solução para relacionamento de Smart Grid com os consumidores Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento asmart Grid + Relacionamento ferramenta

Leia mais

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Contexto As pressões do mercado por excelência em qualidade e baixo custo obrigam as empresas a adotarem sistemas de produção automatizados

Leia mais

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4.1. Fator de carga (FC) Segundo a resolução a normativa nº 414 de 9 de setembro de 2010 da ANEEL, o fator de carga é definido como sendo a razão entre

Leia mais

Utilização de grupos geradores diesel em horário de ponta

Utilização de grupos geradores diesel em horário de ponta Utilização de grupos geradores diesel em horário de ponta James Masseroni 1 Cristina Maria de Oliveira 2 Resumo: Como tentativa de reduzir o pico de carga que ocorre no final da tarde e início da noite,

Leia mais

1.2. Estado da arte.

1.2. Estado da arte. 1. Introdução A história recente do Sistema Elétrico Brasileiro é interessante. Depois de um longo período de monopólio estatal, o setor passou por profundas mudanças legais para tentar aumentar a eficiência

Leia mais

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes Djalma M. Falcão Redes Elétricas Inteligentes

Leia mais

AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é

AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é 70 NORMAS ABNT APLICÁVEIS AOS MEDIDORES ELETRÔNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA DISCUTIDAS EM CONSULTA NACIONAL Por Jeferson Marcondes e Marcos Aurélio Ribeiro AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial Edirlei Soares de Lima INF 1771 Inteligência Artificial Aula 04 Algoritmos Genéticos Introdução Algoritmos genéticos são bons para abordar espaços de buscas muito grandes e navegálos

Leia mais

OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA. TEE-04091 Aula 13 Prof. Vitor Hugo Ferreira

OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA. TEE-04091 Aula 13 Prof. Vitor Hugo Ferreira Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA TEE-04091 Aula 13 Pro. Vitor Hugo Ferreira Operação em tempo real e planejamento

Leia mais

SMART GRIDS: PHYSICAL-LAYER SECURITY. Proposta de trabalho de graduação. Aluno: Lucas André Pequeno Paes Orientador: Daniel Carvalho da Cunha

SMART GRIDS: PHYSICAL-LAYER SECURITY. Proposta de trabalho de graduação. Aluno: Lucas André Pequeno Paes Orientador: Daniel Carvalho da Cunha UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO 2012.2 SMART GRIDS: PHYSICAL-LAYER SECURITY Proposta de trabalho de graduação Aluno: Lucas André Pequeno Paes

Leia mais

Plataforma sinap t&d. Geração Distribuída. Análise de Redes Proteção Despacho Confiabilidade Manobras de Redes

Plataforma sinap t&d. Geração Distribuída. Análise de Redes Proteção Despacho Confiabilidade Manobras de Redes Agradecimentos Este trabalho foi desenvolvido no âmbito do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica regulado pela ANEEL e consta dos Anais do VI Congresso de Inovação

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS

CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS Introdução a Engenharia Professores: Márcio Zamboti Fortes e Vitor Hugo Ferreira (UFF) Bruno Henriques Dias e Flávio Gomes (UFJF)

Leia mais

Computação BioInspirada

Computação BioInspirada Computação BioInspirada Os Engenheiros da Natureza Fabrício Olivetti de França The reasonable man adapts himself to the world; the unreasonable one persists in trying to adapt the world to himself. Therefore

Leia mais

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Tadeu Batista Coordenador Projeto Cidades do Futuro tbatista@cemig.com.br cidadesdofuturo@cemig.com.br www.cemig.com.br/smartgrid facebook.com/cemig.energia

Leia mais

SMART GRID EM ESPAÇOS POPULARES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Bolsista do PET EEEC/UFG engenheiralaura1@hotmail.com.

SMART GRID EM ESPAÇOS POPULARES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Bolsista do PET EEEC/UFG engenheiralaura1@hotmail.com. SMART GRID EM ESPAÇOS POPULARES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Rosemar Aquino de Rezende JUNIOR 1 ; Laura Vitória Rezende Dias 2 ; Getúlio Antero de Deus JÚNIOR 3 Grupo PET EEEC (Conexões de Saberes) /UFG

Leia mais

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação Objetivo 0 Conceitos 0 Funcionalidades 0 Desafios 0 Experiências de Implantação Smart Grid Conceitos 0 NÃO é só Medição Eletrônica e Telecom!! 0 Envolve conhecimentos sobre: 0 Tecnologia, Padrões, Normas

Leia mais

MetrixND. especificações. MetrixND - Ferramenta de previsão de energia elétrica

MetrixND. especificações. MetrixND - Ferramenta de previsão de energia elétrica MetrixND especificações MetrixND - Ferramenta de previsão de energia elétrica Visão geral O MetrixND da Itron é uma ferramenta de modelagem flexível, bastante usada pelos principais serviços de previsão

Leia mais

- Computação Evolutiva -

- Computação Evolutiva - - Computação Evolutiva - Prof. Dr. Cícero Garrozi DEINFO - UFRPE PPGIA@UFRPE cicerog@gmail.com Site da disciplina: http://cicerog.blogspot.com Sumário Situando a Computação Evolucionária Metáfora principal

Leia mais

PERSPECTIVAS DO PROJETO SMART GRID EM ESPAÇOS POPULARES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES *

PERSPECTIVAS DO PROJETO SMART GRID EM ESPAÇOS POPULARES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES * PERSPECTIVAS DO PROJETO SMART GRID EM ESPAÇOS POPULARES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES * Rosemar Aquino de Rezende JUNIOR 1 ; Laura Vitória Rezende DIAS 2 ; Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 3. 1 Bolsista do PET

Leia mais

Calculadora de economia de energia do cliente Dell. Descrição geral do consumo de energia em sistemas de computador:

Calculadora de economia de energia do cliente Dell. Descrição geral do consumo de energia em sistemas de computador: Calculadora de economia de energia do cliente Dell Finalidade: A Calculadora de economia de energia do cliente Dell pretende oferecer uma ferramenta que permita aos clientes estimar o consumo de energia

Leia mais

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral Bruno Erik Cabral Smart Grid Agenda Introdução Definição Características Confiabilidade Flexibilidade Eficiência Sustentabilidade Medidores Inteligentes Controle avançado Cenário Internacional Cenária

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída (GD) Estudo de caso: Porto de Santos AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída

Leia mais

Smart Grid e Net Metering no Brasil

Smart Grid e Net Metering no Brasil Smart Grid e Net Metering no Brasil Daniel Vieira Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Cidade do México 30/01/2013 Sistema de Distribuição 63 concessionárias de distribuição

Leia mais

Análise dos Sistemas de Medição do Consumo de Energia Elétrica em Plantas Industriais

Análise dos Sistemas de Medição do Consumo de Energia Elétrica em Plantas Industriais UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA Análise dos Sistemas de Medição do Consumo de Energia Elétrica em Plantas Industriais Proposta de Trabalho

Leia mais

10/10/2012. Motivações sociais: Camada Gestão da Energia. Camada - Gestão de ativos, implantação, operação e manutenção. Camada Gestão da Informação

10/10/2012. Motivações sociais: Camada Gestão da Energia. Camada - Gestão de ativos, implantação, operação e manutenção. Camada Gestão da Informação Utilização de técnicas e métodos da arquitetura Smart Grid para implementar uma solução de gestão de consumo de energia elétrica e água, baseada na coleta de medições e submedições de Unidades Consumidoras

Leia mais

Tópicos. 1. Conceitos Gerais de Smart Grids. 2. Evolução das Redes Inteligentes e Resultados (PDRI) 3. Enerq em Smart Grids

Tópicos. 1. Conceitos Gerais de Smart Grids. 2. Evolução das Redes Inteligentes e Resultados (PDRI) 3. Enerq em Smart Grids IEEE Workshop SMART GRID - Trends & Best Practices Smart Grid no Contexto da Geração e Distribuição 18/10/2013 NAPREI Núcleo de Pesquisas em Redes Elétricas Inteligentes enerq Centro de Estudos em Regulação

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS: UMA VISÃO EXPLANATÓRIA

ALGORITMOS GENÉTICOS: UMA VISÃO EXPLANATÓRIA 136 ALGORITMOS GENÉTICOS: UMA VISÃO EXPLANATÓRIA FILITTO, Danilo 1 Resumo: Os algoritmos Genéticos inspiram-se no processo de evolução natural e são utilizados para resolver problemas de busca e otimização

Leia mais

Gestão de Ativos de Distribuição

Gestão de Ativos de Distribuição Gestão de Ativos de Distribuição Smart Grid na Cemig Denys Cláudio Cruz de Souza Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição O que é Smart Grid? Sistema elétrico inteligente, que integra

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CIAPORTE SOLUÇÕES E SOFTWARE LTDA ME AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010

Leia mais

Inteligência Computacional: resolvendo problemas difíceis da vida real

Inteligência Computacional: resolvendo problemas difíceis da vida real Instituto de Computação Semana Nacional da Ciência e Tecnologia Escola Agrotécnica Federal de Inconfidentes Inteligência Computacional: resolvendo problemas difíceis da vida real Carlos Eduardo de Andrade

Leia mais

Projeto Smart Grid. Visão Geral

Projeto Smart Grid. Visão Geral Projeto Smart Grid Visão Geral Contextualização Sobre o Smart Grid Smart Grid Light Estratégia da Light para os próximos anos 2 3-8 usinas - 98 SE - 111 SE - 7.500 2500 circuitos 19.685 km 1045 Dispositivos

Leia mais

Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas. Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento

Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas. Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento ABIMAQ / SINDESAM ABIMAQ Fundada em 1937, com 4.500 empresas representadas em 26 Câmaras Setoriais.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE AQUECEDORES SOLARES DE BAIXO CUSTO EM PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA (GLD) George Andrew Oliva *

UTILIZAÇÃO DE AQUECEDORES SOLARES DE BAIXO CUSTO EM PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA (GLD) George Andrew Oliva * STC/ 15 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL: CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) UTILIZAÇÃO DE AQUECEDORES SOLARES DE BAIXO CUSTO EM PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO

Leia mais

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*)

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A evolução tecnológica proporcionada pelas Smart Grids já colocou em plena marcha, mundialmente e silenciosamente, uma grande mudança

Leia mais

INTERFACE DE GESTÃO ATIVA DE CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA PARA SMART-GRIDS

INTERFACE DE GESTÃO ATIVA DE CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA PARA SMART-GRIDS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INTERFACE DE GESTÃO ATIVA DE CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA PARA SMART-GRIDS Ian Mauro Concha Chia Vitor Teles Correia

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS UNICAMP

AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS UNICAMP GOP / 3 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS (GOP) AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS Marcelo Augusto

Leia mais

Palavras-chave: Smart Grid. Eficiência energética. Projetos pilotos. Eletricidade.

Palavras-chave: Smart Grid. Eficiência energética. Projetos pilotos. Eletricidade. IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETOS SMART GRID NO BRASIL Marcos Vinicius Nunes Arruda Aluno do IFMT, Campus Cuiabá, voluntário Ruy de Oliveira Prof. Doutor. do IFMT, Campus Cuiabá, orientador Resumo As redes de

Leia mais

BEM-VINDO AO CONFERENCENEWS. Sistemas de Automação e Supervisão Predial - conceito ainda inovador na operação de condomínios residenciais

BEM-VINDO AO CONFERENCENEWS. Sistemas de Automação e Supervisão Predial - conceito ainda inovador na operação de condomínios residenciais BEM-VINDO AO CONFERENCENEWS Sistemas de Automação e Supervisão Predial - conceito ainda inovador na operação de condomínios residenciais Por: José Roberto Muratori Teste de som: Reunião Gerenciar minhas

Leia mais

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA.

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. Uma significativa parcela dos sistemas de automação de grandes empresas são legados de tecnologias de gerações anteriores,

Leia mais

SMART GRID COPA E OLIMPÍADA SUSTENTÁVEL! Paulo Roberto Pedroso de Oliveira (11) 3378 8600 (11) 9935 9080 paulo @ascx.com.br http://www.ascx.com.

SMART GRID COPA E OLIMPÍADA SUSTENTÁVEL! Paulo Roberto Pedroso de Oliveira (11) 3378 8600 (11) 9935 9080 paulo @ascx.com.br http://www.ascx.com. SMART GRID COPA E OLIMPÍADA SUSTENTÁVEL! Paulo Roberto Pedroso de Oliveira (11) 3378 8600 (11) 9935 9080 paulo @ascx.com.br http://www.ascx.com.br É DIFÍCIL FAZER ALGUÉM MUDAR DE COMPORTAMENTO, SE ÊLE

Leia mais

ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA 01: ANÁLISE DA MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ENERGIA VIA PLC

ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA 01: ANÁLISE DA MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ENERGIA VIA PLC PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, AMBIENTAIS E DE TECNOLOGIAS CEATEC PUC-CAMPINAS ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO Motivação O setor elétrico brasileiro tem experimentado a partir da implantação do novo modelo setorial,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ Campus de Jacarezinho

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ Campus de Jacarezinho 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ Campus de Jacarezinho AGNALDO BATISTA NUNES VOCÊ SABE CALCULAR A SUA CONTA DE LUZ? JACAREZINHO, PR 2008 2 AGNALDO BATISTA NUNES VOCÊ SABE CALCULAR A SUA CONTA

Leia mais

O gás natural nas edificações e o futuro dos appliances. Alberto J. Fossa Abrinstal

O gás natural nas edificações e o futuro dos appliances. Alberto J. Fossa Abrinstal O gás natural nas edificações e o futuro dos appliances Alberto J. Fossa Abrinstal Desafios a considerar... o Pensar o uso da energia o Abrir a cabeça sair da mesmice o Revisitar atores projetistas, construtores,

Leia mais

INOVA ENERGIA. Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP

INOVA ENERGIA. Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP INOVA ENERGIA Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP Elementos de Articulação INOVA ENERGIA: Elementos da Proposta Fontes de Recursos Linhas Temáticas Subvenção, Crédito

Leia mais

Demanda e Fator de Potência. Qualidade e Eficiência Energética

Demanda e Fator de Potência. Qualidade e Eficiência Energética Demanda e Fator de Potência Qualidade e Eficiência Energética 4 Agenda Agenda Qualidade e Eficiência Energética 7 Legislação sobre Eficiência Energética Plano Nacional de Energia ISO 51000 Sistemas de

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE VIDA ARTIFICIAL BASEADO EM AGENTES DE COMPORTAMENTOS COMPLEXOS

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE VIDA ARTIFICIAL BASEADO EM AGENTES DE COMPORTAMENTOS COMPLEXOS DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE VIDA ARTIFICIAL BASEADO EM AGENTES DE COMPORTAMENTOS COMPLEXOS RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/INPE) Juliana Martins Maia Pereira (UNIVAP, Bolsista

Leia mais

Smart Grid Advantage

Smart Grid Advantage Smart Grid Advantage A evolução das Redes Inteligentes Ricardo Van Erven Gerente Geral América Latina GE Digital Energy Smart Grid Forum, SP 27 Novembro, 2013 Áreas urbanas de > 10 milhões 53% Áreas rurais

Leia mais

Os desafios da implementação dos projetos-piloto de smart grid no Brasil

Os desafios da implementação dos projetos-piloto de smart grid no Brasil Os desafios da implementação dos projetos-piloto de smart grid no Brasil Luiz Carlos Neves *, Alexandre Bagarolli O conceito de smart grids (redes elétricas inteligentes) vem sendo amplamente discutido

Leia mais

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA Estado da arte Aplicações atuais Perspectivas Landulfo Mosqueira Alvarenga Consultor Técnico Diretoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação CEPEL 1 Seminário Internacional

Leia mais

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Aula 1: Introdução Felipe Campelo http://www.cpdee.ufmg.br/~fcampelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Belo Horizonte Março de 2013 Antes de

Leia mais

Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica

Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

ANÁLISE DA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DA ALFACE (Lactuca Sativa, L) UTILIZANDO O SISTEMA DE APOIO À TOMADA DE DECISÃO BKD

ANÁLISE DA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DA ALFACE (Lactuca Sativa, L) UTILIZANDO O SISTEMA DE APOIO À TOMADA DE DECISÃO BKD ANÁLISE DA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DA ALFACE (Lactuca Sativa, L) UTILIZANDO O SISTEMA DE APOIO À TOMADA DE DECISÃO BKD RESUMO Thereza P. P. Padilha Fabiano Fagundes Conceição Previero Laboratório de Solos

Leia mais

Otimização técnico-econômica de sistemas fotovoltaicos com baterias para armazenamento

Otimização técnico-econômica de sistemas fotovoltaicos com baterias para armazenamento Otimização técnico-econômica de sistemas fotovoltaicos com baterias para armazenamento Aluno: Maria Samara Nascimento Amorim Orientador: Álvaro de Lima Veiga Filho 1. Introdução Geral Energia fotovoltaica

Leia mais

Alocação de Cabos em Redes de Distribuição de Energia Elétrica de Média Tensão (MT) Utilizando Algoritmo Chu-Beasley

Alocação de Cabos em Redes de Distribuição de Energia Elétrica de Média Tensão (MT) Utilizando Algoritmo Chu-Beasley 1 Alocação de Cabos em Redes de Distribuição de Energia Elétrica de Média Tensão (MT) Utilizando Algoritmo Chu-Beasley J. Castilho Neto, A. M. Cossi Resumo-- Neste trabalho é proposta uma metodologia para

Leia mais

Estudo do Impacto de Geradores. Distribuídos em Redes de Distribuição de. Energia Elétrica.

Estudo do Impacto de Geradores. Distribuídos em Redes de Distribuição de. Energia Elétrica. Estudo do Impacto de Geradores Distribuídos em Redes de Distribuição de Energia Elétrica. Oliveira, F. B. R. 1 Cardoso, J. B. 2 Resumo: Os Sistemas Elétricos de Potência se estabelecem como unidades de

Leia mais

Consumo de Energia e Mobile Cloud

Consumo de Energia e Mobile Cloud Consumo de Energia e Mobile Cloud Uma Visão Geral sobre os Tópicos Abertos Rafael Roque de Souza www.ime.usp.br/ rroque/ Disciplina: MAC 0463/5743 - Computação Móvel Prof. Dr. Alfredo Goldman vel Lejbman

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

SLAG - Resolvendo o Problema do Caixeiro Viajante Utilizando Algoritmos Genéticos

SLAG - Resolvendo o Problema do Caixeiro Viajante Utilizando Algoritmos Genéticos SLAG - Resolvendo o Problema do Caixeiro Viajante Utilizando Algoritmos Genéticos Fredson Vieira Costa 1, Fábio Silveira Vidal 1, Claudomiro Moura Gomes André 1 1 Curso de Bacharelado em Ciência da Computação

Leia mais

Análises Geração RI (representação intermediária) Código Intermediário

Análises Geração RI (representação intermediária) Código Intermediário Front-end Análises Geração RI (representação intermediária) Código Intermediário Back-End Geração de código de máquina Sistema Operacional? Conjunto de Instruções do processador? Ambiente de Execução O

Leia mais

Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos

Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos Neide de Oliveira Gomes, M. Sc., nog@inpi.gov.br Prof. Marco Aurélio C. Pacheco, PhD Programa de Doutorado na área de Métodos de Apoio

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática Belo Horizonte, MG, 20 a 24 de Setembro de 2014

Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática Belo Horizonte, MG, 20 a 24 de Setembro de 2014 DETECÇÃO DE EVENTOS BASEADA EM VARIÂNCIA E DESVIO PADRÃO PARA MONITORAMENTO NÃO INTRUSIVO Hader A. D. Azzini, Luiz C. P. da Silva, Jussara F. Fardin Departamento de Sistemas e Energia Universidade Estadual

Leia mais

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power s Totally Integrated Power Ferramentas SIMARIS Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Answers for infrastructure and cities. Planejamento de distribuição de energia mais

Leia mais

Introdução às Redes Neurais Artificiais

Introdução às Redes Neurais Artificiais Introdução às Redes Neurais Artificiais Treinamento via Algoritmos Genéticos Prof. João Marcos Meirelles da Silva http://www.professores.uff.br/jmarcos Departamento de Engenharia de Telecomunicações Escola

Leia mais

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias.

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, a sua conta de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, em todo o país, as bandeiras tarifárias vêm impressas na conta de luz. E, para saber se o valor da sua conta irá

Leia mais

29/09/2010. Carlos Alberto FRÓES Lima, MsC Gilberto De Martino JANNUZZI, PhD FEM- Planejamento Energético Unicamp Brasil

29/09/2010. Carlos Alberto FRÓES Lima, MsC Gilberto De Martino JANNUZZI, PhD FEM- Planejamento Energético Unicamp Brasil Carlos Alberto FRÓES Lima, MsC Gilberto De Martino JANNUZZI, PhD FEM- Planejamento Energético Unicamp Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Metering, smart

Leia mais

Carlos Augusto Del Bel Pamplona Ribeiro Prof. Dr. Gilberto de Martino Jannuzzi FEM/UNICAMP Graduando em Engenharia Mecânica FEM/UNICAMP Professor

Carlos Augusto Del Bel Pamplona Ribeiro Prof. Dr. Gilberto de Martino Jannuzzi FEM/UNICAMP Graduando em Engenharia Mecânica FEM/UNICAMP Professor Carlos Augusto Del Bel Pamplona Ribeiro Prof. Dr. Gilberto de Martino Jannuzzi FEM/UNICAMP Graduando em Engenharia Mecânica FEM/UNICAMP Professor Doutor Associado em Sistemas Energéticos Departamento de

Leia mais

ANAEEL SOFTWARE PARA DIAGNÓSTICO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM AGROINDÚSTRIAS 1 RESUMO

ANAEEL SOFTWARE PARA DIAGNÓSTICO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM AGROINDÚSTRIAS 1 RESUMO ANAEEL SOFTWARE PARA DIAGNÓSTICO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM AGROINDÚSTRIAS 1 RESUMO FÉLIX ABRAO NETO 2 ODIVALDO JOSÉ SERAPHIM 3 JAIR ANTONIO CRUZ SIQUEIRA 4 FERNANDO DE LIMA CANEPPELE 5 JAIR DE JESUS

Leia mais

TOSHIBA INFRAESTRUTURA AMÉRICA DO SUL. Rafaele D. Nicolotti Abril, 2014

TOSHIBA INFRAESTRUTURA AMÉRICA DO SUL. Rafaele D. Nicolotti Abril, 2014 TOSHIBA INFRAESTRUTURA AMÉRICA DO SUL Rafaele D. Nicolotti Abril, 2014 TOSHIBA CORPORATION Fundada em Tóquio, em 1875 Nr. de funcionários: 206.087 Áreas de atuação: - Infraestrutura e energia - Médica

Leia mais

INTRODUÇÃO 12 1 INTRODUÇÃO. 1.1 O despacho hidrotérmico centralizado

INTRODUÇÃO 12 1 INTRODUÇÃO. 1.1 O despacho hidrotérmico centralizado INTRODUÇÃO 12 1 INTRODUÇÃO 1.1 O despacho hidrotérmico centralizado No sistema elétrico brasileiro, assim como em outros países, como Chile, Argentina e Bolívia, a produção de energia de cada usina (termelétrica,

Leia mais

INDICADORES OPERACIONAIS - DISTRIBUIÇÃO 1T15 1T14

INDICADORES OPERACIONAIS - DISTRIBUIÇÃO 1T15 1T14 Rio de Janeiro, 23 de abril de 2015 - A Light S.A. (BMF&BOVESPA: LIGT3) divulga informações prévias operacionais dos segmentos de distribuição, geração e comercialização/serviços de energia do primeiro

Leia mais

CONHECENDO O ALGORITMO GARP. Adair Santa Catarina Curso de Informática Unioeste Campus de Cascavel PR

CONHECENDO O ALGORITMO GARP. Adair Santa Catarina Curso de Informática Unioeste Campus de Cascavel PR CONHECENDO O ALGORITMO GARP Adair Santa Catarina Curso de Informática Unioeste Campus de Cascavel PR INPE Set/2006 Roteiro Introdução Algoritmos Genéticos (AG) GMS e DesktopGARP Avaliação dos Modelos Ajustados

Leia mais

Contextualizando... 42% do consumo de energia em edificações é destinado a operação e manutenção das edificações + promoção de conforto

Contextualizando... 42% do consumo de energia em edificações é destinado a operação e manutenção das edificações + promoção de conforto CASA EFICIENTE Edificações e consumo total de energia elétrica 42% do consumo de energia em edificações é destinado a operação e manutenção das edificações + promoção de conforto Evolução dos Consumos

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 Descrição: Obter subsídios para identificar a necessidade de criação

Leia mais

3 Método de Monte Carlo

3 Método de Monte Carlo 25 3 Método de Monte Carlo 3.1 Definição Em 1946 o matemático Stanislaw Ulam durante um jogo de paciência tentou calcular as probabilidades de sucesso de uma determinada jogada utilizando a tradicional

Leia mais

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Heurísticas e Algoritmos Aproximados

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Heurísticas e Algoritmos Aproximados Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Heurísticas e Algoritmos Aproximados Prof. Humberto Brandão humberto@bcc.unifal-mg.edu.br Universidade Federal de Alfenas Departamento de Ciências

Leia mais

Capítulo VIII. Antecipando o futuro para atender à demanda de smart grid. Smart grids Redes Inteligentes

Capítulo VIII. Antecipando o futuro para atender à demanda de smart grid. Smart grids Redes Inteligentes 40 Apoio Smart grids Redes Inteligentes Capítulo VIII Antecipando o futuro para atender à demanda de smart grid Por Flavio Roberto Antonio* As distribuidoras possuem uma necessidade de modernização não

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

PAPER 1/6. Estudo de Viabilidade Econômica na Utilização de MicroGrid no Sistema de Distribuição Elétrica de Energia de Média Tensão

PAPER 1/6. Estudo de Viabilidade Econômica na Utilização de MicroGrid no Sistema de Distribuição Elétrica de Energia de Média Tensão 1/6 Title Estudo de Viabilidade Econômica na Utilização de MicroGrid no Sistema de Distribuição Elétrica de Energia de Média Tensão Registration Nº: (Abstract) Empresa o Entidad Universidade de São Paulo

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100.

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100. Consumo Consumo refere-se à energia consumida num intervalo de tempo, ou seja, o produto da potência (kw) da carga pelo número de horas (h) em que a mesma esteve ligada. Analisando graficamente o exemplo

Leia mais

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável.

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável. Implementação do modelo de uma turbina eólica baseado no controle de torque do motor cc utilizando ambiente matlab/simulink via arduino Vítor Trannin Vinholi Moreira (UTFPR) E-mail: vitor_tvm@hotmail.com

Leia mais

Conceitos Básicos de Algoritmos Genéticos: Teoria e Prática

Conceitos Básicos de Algoritmos Genéticos: Teoria e Prática Conceitos Básicos de Algoritmos Genéticos: Teoria e Prática Thatiane de Oliveira Rosa 1, Hellen Souza Luz 2 1 Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Caixa

Leia mais