Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos em uma Distribuidora de Combustíveis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos em uma Distribuidora de Combustíveis"

Transcrição

1 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos em uma Distribuidora de Combustíveis Frederico Sauer Pais Lemes Núcleo de Transportes (Nucletrans) Escola de Engenharia, UFMG Antônio Artur de Souza Departamento de Ciências Contábeis Faculdade de Ciências Econômicas, UFMG Anna Carolina Corrêa Pereira Núcleo de Transportes (Nucletrans) Escola de Engenharia, UFMG Resumo O presente trabalho apresenta um estudo detalhado dos processos da cadeia de suprimentos de uma empresa distribuidora de combustíveis e aponta as principais oportunidades de melhorias que podem ser viabilizadas através da gestão integrada dessa cadeia. A partir de um estudo de caso, com mapeamento dos processos e entrevistas semiestruturadas realizadas junto aos gestores, identificaram-se como potenciais benefícios e, consequentemente, como os requerimentos funcionais mais relevantes que devem ser atendidos pela Supply Chain Management (SCM): a otimização do processo de configuração da malha logística, o aprimoramento do processo de planejamento de demanda, a implementação de um processo integrado de compras, estoques e transferências, a otimização do processo de programação de transportes e a realização da reposição automática de estoques. Os resultados obtidos foram bastante favoráveis e indicam ser viável e primordial a implementação do gerenciamento da cadeia de suprimentos em empresas do setor de distribuição de combustíveis. Palavras-chave: gerenciamento integrado; cadeia de suprimentos; distribuidoras de combustível. Abstract This paper reports a detailed study of the supply chain processes in a fuel distribution company, identifying key improvement opportunities that can be accomplished through the integrated management of the supply chain. This case study involved mapping the processes and carrying out semi-structured interviews with the company s managers. The results point the following as the key improvement opportunities and consequently as the most relevant functional requirements to be pursued by the Administration: optimization of the Logistics Network Configuration, improvement of the Demand Planning Process, implementation of an integrated process of Shopping, Inventories and Transfers, optimization of the Transportation Scheduling and implementation of an Automatic Inventory Replenishment. The results were quite favorable and indicate that the implementation of Supply Chain Management is not only feasible but also crucial in fuel distribution companies. Keyword: integrated management; supply chain; fuel distribution.

2 1. Introdução O mercado de combustíveis sofreu, nos últimos anos, muitos impactos, saindo de um modelo fechado, regulamentado com tabelas e caracterizado por pouco desempenho logístico, e passando para um modelo aberto, sem restrições e padrões, porém marcado por bastante competição. Nesse novo contexto, a implantação de um sistema de gerenciamento da cadeia de suprimentos aponta-se como um movimento importante no sentido de auxiliar nos controles, no acompanhamento e nas tomadas de decisões estratégicas de uma organização inserida no referido mercado. De forma sintetizada, o gerenciamento da cadeia de suprimentos, também chamado em inglês de Supply Chain Management (SCM), foi definido pelo Fórum de SCM, realizado na Ohio State University, como a integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores iniciais, gerando produtos, serviços e informações que agreguem valor para o cliente (cf. NOVAES, 2007). Atualmente, a cadeia de suprimentos ganhou uma nova imagem e deixou de ter um enfoque operacional, obtendo um caráter estratégico, através da interação nos relacionamentos com fornecedores e clientes, o que reduz as incertezas e riscos que possam tornar uma empresa ineficiente em sua competitividade. Uma cadeia de suprimentos bem gerenciada pode proporcionar uma série de importantes benefícios para as empresas do ramo, aumentando sua competitividade e incrementado a rentabilidade de seus negócios. Com o objetivo de identificar melhorias para uma empresa inserida no mercado de combustíveis, esta pesquisa deu enfoque ao gerenciamento da cadeia de suprimentos em uma Distribuidora de Combustíveis, o que envolveu o mapeamento dos processos desde a compra dos produtos até a entrega dos combustíveis aos clientes finais, bem como a realização de entrevistas semiestruturadas junto aos gestores responsáveis pela organização. Por questões comerciais, a empresa, que até então não possuía um gerenciamento adequado da cadeia de suprimentos, teve seu nome verdadeiro aqui omitido e será ficticiamente chamada de empresa Beta. Por ser uma das competências necessárias para a criação de valores para o cliente, a logística evoluiu da sua base conceitual, para a obtenção da vantagem competitiva, sendo parte fundamental das estratégias empresariais. Tendo essa característica da logística em mente, espera-se encontrar respostas para as seguintes questões: (i) Quais benefícios (oportunidades) podem ser obtidos com o gerenciamento da cadeia de suprimentos? (ii) Em que processos da cadeia de suprimentos encontram-se as principais oportunidades de melhorias? e (iii) Quanto pode ser estimada a redução de custos? 2. Revisão da Literatura 2.1 A evolução Logística O conceito de Logística inicialmente estava relacionado à distribuição física de materiais, fazendo com que a maioria das empresas dispensasse à matéria um tratamento puramente funcional (CHING, 2001) e segmentado, sem qualquer integração entre as diferentes atividades envolvidas. Com o passar do tempo, essa visão fragmentada da logística evoluiu, entrando em vigor uma nova concepção, na qual deve existir a integração de todas as atividades envolvidas na cadeia de suprimentos. Em outras palavras, a logística, de meados dos anos 1980 até o momento presente, tem sido identificada como um elemento diferenciador entre as empresas, através do qual é possível explorar novas e importantes vantagens competitivas (COYLE et al., 1996). A ênfase passou a ser a preocupação com as interfaces entre as diferentes funções da empresa, surgindo assim o conceito de logística integrada, que busca a junção das atividades desde a origem até o consumidor final, através do gerenciamento da cadeia de suprimentos. Este

3 termo tem sido utilizado por empresas e acadêmicos como um sinônimo de logística e ultrapassa as atividades diretamente relacionadas com a logística integrada (FLEURY, 2000), pois apresenta uma abordagem bastante ampla da integração dos processos de negócios Logística como diferencial competitivo De acordo com Bowersox e Closs (2001), a logística é muito mais do que um simples processo de distribuição e envolve também a integração de atividades relacionadas com informações, transportes, estoques, armazenamento e manuseio de materiais e embalagens. Complementa-se essa perspectiva com a de Christopher (1999), segundo o qual a crescente competitividade e o aumento de complexidade da área de operações e logística demandam novas abordagens para a gestão da cadeia logística, mostrando-se necessário o alinhamento com a estratégia empresarial com vistas à coordenação e integração entre as atividades e os relacionamentos internos e externos. Bowersox e Closs (2001) entendem que, para alcançar melhorias no atendimento ao mercado, a empresa necessita de funções logísticas formalizadas e participativas, tais como: (i) estoque, (ii) armazenagem e (iii) transporte. A primeira função, o estoque, além de corresponder a determinada quantidade de matéria-prima ou produto para uso ou venda, envolve decisões que são de alto risco e alto impacto nas atividades logísticas e está intimamente relacionado com as vendas e a satisfação dos clientes quando devidamente gerenciado. Já a armazenagem tem como principal papel a estocagem estratégica com vistas a suprimir os furos dos sistemas de distribuição e gerar vantagens econômicas, tais como, em função da quantidade de instalações, de consolidação de cargas e formação de estoque. Por sua vez, o transporte, um dos elementos mais visíveis das operações logísticas, tem como objetivo movimentar produtos até a fase seguinte do processo de fabricação ou até um local mais próximo do cliente final Logística como estratégia fundamental para a satisfação dos clientes Martins et al. (2002) afirmam que o desejo de compra e entrega efetiva dos produtos ou serviços faz parte da logística, a qual, juntamente com a qualidade e o custo, tende a levar qualquer empresa a ter um diferencial competitivo perante os clientes. Segundo Bowersox e Closs (2001), a logística se constitui através de um ciclo que, levando em consideração as variáveis tempo e lugar, busca sanar as necessidades dos clientes. Com isso, garante-se o serviço ao cliente, agregando-se valor e apoiando-se e estimulando-se transações rentáveis para a empresa. Bowersox e Closs (2001) apontam que, para garantir um atendimento básico ao cliente, são necessários três pontos importantes, quais sejam: Disponibilidade: todos os produtos e serviços devem estar disponíveis aos clientes na hora em que eles precisarem. Desempenho operacional: deve-se atentar para questões de velocidade, flexibilidade, consistência, falha e recuperação. Avaliação do ambiente logístico: com vistas à determinação de políticas e à designação de instalações, deve-se observar o comprometimento financeiro em termos de distribuições, recursos humanos e apoio à produção e suprimentos. Tais responsabilidades logísticas fazem parte fundamental do processo de agregação de valores ao serviço ao cliente, mesmo que a empresa não priorize a logística como um diferencial competitivo. Conforme atestam Bowersox e Closs (2001), a logística não é necessariamente parte central da estratégia de marketing, mas é sempre parte integrante dessa estratégia.

4 2.1.3 Necessidade de integração e logística integrada De acordo com Fleury (2000), o conceito de logística integrada pressupõe que a logística deve ser vista como ferramenta gerencial capaz de agregar valor por meio dos serviços prestados. Para alcançar as metas de desempenho, essa abordagem de integração deve ser expandida pela empresa aos seus clientes e fornecedores. Para tal, é necessária uma estrutura organizacional dos processos que seja condizente com a proposta de integração. Consoante Christopher (1999), é importante que o processo comece no topo da pirâmide e que as atividades de gerenciamento logístico estejam integradas às demais atividades da empresa, tendo como objetivo alcançar vantagem de custo/produtividade e, por conseguinte, vantagem em valor. 2.2 Cadeia de Suprimentos A Supply Chain (Cadeia de Abastecimento ou Cadeia de Suprimentos) é parte essencial na vida de qualquer empresa que produza bens ou serviços. Dentre as várias definições para a Cadeia de suprimentos, destacam-se as seguintes: 1. Na visão de Kearney (1994), a Cadeia de suprimentos é uma ligação completa entre um grupo de empresas que, juntas, adquirem bens e serviços e os convertem e distribuem aos consumidores finais. 2. Para Poirier e Reiter (1996), a Cadeia de suprimentos é um sistema através do qual empresas e organizações, em rede, realizam atividades que lhe permitam entregar seus produtos e serviços para seus consumidores. 3. Segundo Chopra (2003), a Cadeia de suprimentos engloba todos os estágios envolvidos, diretos ou indiretamente, no atendimento a um pedido de um cliente, o que inclui não apenas fabricantes e fornecedores, mas também transportadoras, depósitos, varejistas e os próprios clientes. Constata-se, portanto, que a Supply Chain Management é um processo de gestão integrada, que, além de administrar os fluxos das informações e dos produtos, também cuida do atendimento ao cliente e da redução de custos em toda a cadeia de abastecimento (cf. SIMICHI-LEVI et al., 2000). Além disso, Wood e Zuffo (1998) destacam que não basta um fabricante ter buscado a excelência operacional se os distribuidores, os atacadistas e os varejistas continuam operando em condições precárias: diante do consumidor final, o produto (ou serviço) será, sob essas condições, penalizado pela ineficiência sistêmica da cadeia. Um dos maiores desafios do gerenciamento da cadeia de suprimentos é, de acordo com Coyle et al. (1996), manter a visibilidade dos estoques ao longo da cadeia e minimizar as incertezas que resultam em maiores níveis de estoques de segurança ou em práticas ineficientes, como compras antecipadas. Os autores defendem que o gerenciamento eficaz da cadeia de suprimentos se baseia no cumprimento de três grandes objetivos, quais sejam: (i) reconhecer e atender os requerimentos de níveis de serviço dos consumidores finais; (ii) decidir onde manter estoques ao longo da cadeia de suprimentos e quanto estocar em cada ponto; e (c) desenvolver políticas e procedimentos apropriados para gerenciar a cadeia de suprimentos como uma única entidade. 2.3 Transportes dos produtos Segundo Churchill e Peter (2003), o transporte consiste na movimentação dos bens dos vendedores para os compradores. Os principais meios de transportes são: rodoviário, ferroviário, aéreo, dutoviário e aquaviário (fluvial e marítimo através da cabotagem, que é a navegação entre dois portos da costa de um mesmo país ou entre um porto costeiro e um fluvial). Para a escolha de um ou mais desses meios, é necessário levar em consideração não apenas o fator custo, mas também a velocidade e flexibilidade de cada um deles, bem como a

5 demanda e variedade de produtos. No caso do Brasil, também compete observar que o modal de transporte mais comum é o rodoviário (MARTINS et al., 2002), principalmente pela própria facilidade de se chegar a algumas regiões e de se fazerem entregas porta a porta (o que implica relacionamento direto com os clientes na hora da entrega dos produtos). Bowersox e Closs (2001) afirmam que a infraestrutura de transportes se refere tanto aos veículos próprios como às unidades organizacionais de transportes que disponibilizam seus serviços para terceiros mediante o pagamento de uma taxa de serviço. De acordo com Churchill e Peter (2003), a empresa pode optar por vários meios de transportes (multimodalidade ou intermodalidade) para suprir suas necessidades e alcançar o destino com eficácia e qualidade. É vantagem dessa opção o fato de poder proporcionar um grau de flexibilidade e eficiência que nem sempre pode ser encontrado em transportes individuais. A diferença básica entre multimodalidade e intermodalidade está na emissão de documentos de transportes. Na intermodalidade, esses documentos são emitidos de forma independente, isto é, cada transportador emite o seu e assume a responsabilidade pelo seu transporte. Já na multimodalidade, acontece o contrário: existe a emissão de apenas um documento de transporte de ponta a ponta, o qual é emitido pelo Operador de Transporte Multimodal (OTM), que passa a ser o responsável pela carga do ponto de partida até a entrega final ao destinatário. 2.4 Gestão de estoques Em razão dos altos custos associados, um fator de preocupação nos negócios corresponde ao armazenamento e à manutenção do estoque de um produto até a sua distribuição final (CHURCHILL; PETER, 2003). Nesse âmbito, são questões pertinentes a distância em relação ao local de entrega e a necessidade de disponibilidade de produto. Somase a isso o fato de que é importante, de um lado, manter os estoques no ponto médio, para que seja mais fácil lograr sua reposição, garantir qualidade/durabilidade e minimizar custos, e, de outro, buscar a melhor área de estocagem, o que envolve preocupações com dimensões que garantam acesso e praticidade nas manobras (COBRA, 1992). 2.5 Distribuição de Combustíveis Na década de 1990, o mercado nacional de combustíveis se caracterizava por uma forte regulamentação. Como eram obrigadas a operar da mesma forma (em razão de fretes, preços de combustíveis e até níveis de estoques serem determinados pela União), as distribuidoras não eram estimuladas a investir em modernas tecnologias e diferentes formas de estruturação e administração logística. Em 2007/2008, devido às exigências regulamentadoras da ANP (Agência Nacional do Petróleo) e à crise que abalou o setor, diversas distribuidoras tiveram que encerrar suas atividades. Com isso, as empresas adotaram a fusão como uma das principais estratégias para garantir maior abrangência e agressividade comercial no mercado, o que acabou afetando toda a cadeia de suprimentos. Na Figura 1, é apresentada a cadeia de distribuição de combustíveis no Brasil. No país, há dois tipos de base (primária e secundária) que fazem a distribuição de derivados do petróleo, sendo que a maior parte dessa distribuição é realizada através do modal rodoviário. Algumas localidades da região norte do país são abastecidas exclusivamente pelo modal fluvial, em função da inexistência de malha rodoviária local. Já alguns grandes clientes consumidores, como siderúrgicas e termelétricas, estão capacitados para o recebimento de produtos através de dutos e/ou ferrovias (os quais, porém, não são utilizadas pela empresa aqui estudada).

6 Figura 1: Cadeia de suprimentos de uma distribuidora de combustíveis. Fonte: sitio eletrônico do IBP (Instituto Brasileiro de Petróleo). 1 As transferências entre bases, por sua vez, podem ser realizadas através dos modais ferroviário, hidroviário ou rodoviário. No caso da empresa estudada, que utiliza somente modal rodoviário, as transferências entre bases são planejadas e programadas pelas empresas distribuidoras, mas realizadas, em quase sua totalidade, por empresas de transporte contratadas. Já as entregas aos clientes podem ser programadas e realizadas pelos próprios clientes, o que caracteriza a modalidade FOB (Free on Board), ou programadas pelas distribuidoras e realizadas por empresas de transporte por elas contratadas, o que configura a modalidade CIF (Cost-Insurance-Freight, isto é, Custo-Seguro-Frete). A logística do álcool e do biodiesel é um pouco diferente. Esses produtos são fornecidos diretamente pelas usinas produtoras às bases de distribuição (primárias ou secundárias) através do modal rodoviário. Há também a possibilidade de transferência de álcool entre bases, por qualquer um dos modais existentes (dependendo das possibilidades, rodovia, ferrovia, dutovia, hidrovia e/ou cabotagem). O mercado de combustíveis é dinâmico e exigente, o que obriga as companhias distribuidoras a realizar constantes melhorias e ajustes na gestão logística. Dentre essas ações, estão a necessidade constante de negociação e colaboração com fornecedores, automação das unidades operacionais e principalmente a implementação do gerenciamento integrado da cadeia de suprimentos (NOBRE, 2002). A previsão da demanda é fundamental para o gerenciamento da cadeia de suprimentos da distribuição. Uma previsão pouco precisa obriga a distribuidora a manter elevados estoques de segurança ao longo da cadeia e aumenta a possibilidade de transferências e aquisições 1 Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP). Disponível em: Acesso em: 30 jul

7 emergenciais de produtos, resultando em acréscimos nos custos de estoques, transportes e aquisição de produtos. 3. METODOLOGIA Descrevem-se, nesta seção, os métodos adotados para a realização desta pesquisa. Primeiramente, apresenta-se a empresa e, em seguida, explicam-se os métodos utilizados para a coleta de dados e a análise dos benefícios da implantação do gerenciamento integrado da cadeia de suprimentos. 3.1 Apresentação da empresa A Beta é uma empresa de pequeno porte que atua principalmente no mercado spot (clientes sem bandeiras-marca) dos estados de Minas Gerais, Bahia, São Paulo e Goiás. Com venda média anual de m³, ela opera através de uma rede logística formada por sete bases de distribuição (seis primárias e uma secundária) que trabalham através de contratos de cessão de espaço. A Beta possui 60 clientes revendedores (postos de serviços) e terceiriza toda a execução do transporte. São oito empresas transportadoras que realizam aproximadamente 250 movimentações diárias de produtos, fazendo uso de uma frota média de 70 caminhõestanque. Cerca de 15% dos clientes da empresa Beta compram produtos na modalidade FOB, ou seja, são responsáveis pela retirada do produto na base de distribuição, o que dificulta o controle da empresa sobre o planejamento e a programação das entregas e também sobre o planejamento do atendimento aos pedidos. Outra questão importante, comum a todas as empresas do setor, é a quantidade irregular de pedidos colocados para atendimento no mesmo dia, o que prejudica a programação de transportes e a produtividade dos ativos operacionais. 3.2 Mapeamento dos processos O mapeamento envolveu os processos de planejamento e programação da Cadeia de suprimentos, que são os processos estratégicos e tático-operacionais dessa cadeia. Para tal, foram considerados os seguintes itens: (i) descrição de cada processo; (ii) descrição dos principais produtos dos processos; (iii) detalhamento do fluxo das atividades relevantes; e (iv) levantamento das oportunidades de melhoria e benefícios relacionados. O Quadro 1 mostra os processos de planejamento e programação da cadeia de suprimentos da distribuição de combustíveis que foram mapeados para o caso da empresa Beta, a partir do macrofluxograma dos processos (cf. Figura 2). Quadro 1: Processos de Planejamento, por nível NÍVEL ESTRATÉGICO NÍVEL TÁTICO-OPERACIONAL - Planejar a configuração da malha logística. - Programar estoque e suprimento de derivados de petróleo. - Planejar atendimento à demanda. - Programar transferências de derivados de petróleo. - Planejar vendas. - Programar estoques, suprimentos e transferências de álcool. - Programar transporte para coletas e transferências de álcool. - Programar e acompanhar vendas. - Programar entregas. - Programar atendimento a pedidos. - Acompanhar posição de estoques. - Acompanhar execução de transferências e de suprimentos. - Acompanhar carregamentos e entregas. Fonte: elaborado pelos autores.

8 Figura 2: Macrofluxograma dos processos da cadeia de distribuição, por nível. Fonte: Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP)-RJ jan/2007. Observa-se que o fluxo de informações é bidirecional e passa por todos os níveis dos fornecedores, sendo as informações também compartilhadas com os clientes, ao passo que o fluxo de materiais é unidirecional, saindo do nível operacional e chegando até os clientes. Além disso, compete destacar que as atividades de planejamento se situam no nível estratégico; as de programação, no nível tático-operacional; e as de acompanhamento, que são as mais relacionadas à execução, no nível operacional. 3.3 Entrevistas semiestruturadas com os gestores O método da entrevista semiestruturada buscou levantar as principais atividades envolvidas e, a partir da perspectiva dos gestores da empresa, identificar oportunidades de melhoria no gerenciamento da cadeia de suprimentos. Foram abordados os seguintes itens: (i) entendimento do fluxograma do processo; (ii) entendimento do negócio: responsabilidades e objetivos, bem como diretrizes e metas; (iii) desempenho do processo: pontos fortes, principais oportunidades de melhoria e objetivos de desempenho; e (iv) desempenho da Cadeia de suprimentos de distribuição de combustível: pontos fortes e oportunidades de melhoria de desempenho. 4 ANÁLISE E RESULTADOS Realizou-se uma análise dos pontos funcionais dos processos da empresa Beta que deveriam ser atendidos pelo gerenciamento da cadeia de suprimentos, conforme mencionado na Subseção 3.2. Com o mapeamento dos processos de planejamento de suprimento, que seguiu o modelo SCOR (Supply Chain Operations Reference), modelo este que representa uma tentativa de padronização das medições do desempenho de cadeias de suprimentos bem como a análise do estado atual dos processos de uma organização, seus objetivos e oportunidades de melhoria e a quantificação e comparação do seu desempenho a padrões do mercado (SIMCHI-LEVI et al., 2000). O modelo é divido em quatros itens da cadeia de suprimentos: planejamento, fornecimento, produção e distribuição.

9 Dentre os processos mapeados e mencionados na Subseção 3.2, identificaram-se as seguintes atividades que mereceram destaque: (i) Planejar a configuração da malha logística; (ii) Planejar vendas; (iii) Planejar atendimento à demanda; (iv) Programar atendimento a pedidos; (v) Programar entregas; (vi) Programar estoque e suprimento de derivados de petróleo; (v) Programar estoques, suprimentos e transferências de álcool; e (vi) Programar transportes para coleta e transferência de álcool. Para todas essas atividades, foram descritos seus respectivos processos, assim como os Produtos do processo, Fluxo e detalhamento das atividades relevantes e Tecnologia utilizada. Com isso, conseguiu-se identificar e definir as oportunidades de melhorias e os respectivos benefícios que poderiam ser conquistados. Para o processo de Planejar a configuração da malha logística, identificou-se que a integração deste ao processo de programação de estoques, suprimentos e transferências é a oportunidade mais relevante no plano estratégico de gerenciamento da cadeia de suprimentos. Essa integração possibilitaria uma maior agilidade e consistência na obtenção das informações necessárias às análises estratégicas e uma implementação mais eficiente das soluções definidas. Além disso, a integração permitiria uma análise mais ampla para o planejamento da rede, por possibilitar maior visibilidade da demanda e dos estoques ao longo da cadeia de suprimentos. Assim, seria possível considerar, na análise estratégica, aspectos como alternativas de suprimento, questões tributárias, padrão de demanda e disponibilidade efetiva de recursos. Quanto a Planejar vendas e Planejar atendimento à demanda, uma das principais oportunidades identificadas pelo estudo foi a de integrar o conhecimento de mercado das áreas comerciais a uma ferramenta estatística capaz de gerar previsões de demanda e gerenciar esta atividade. A implementação dessa ferramenta garantiria uma maior consistência, assertividade e agilidade na elaboração de estimativas de vendas, além de poder ampliar o horizonte da previsão e auxiliar o planejamento no nível estratégico. No processo de Programar atendimento a pedidos, destaca-se como principal oportunidade a possibilidade de capturar informações de estoques e vendas dos clientes com o objetivo de gerar automaticamente pedidos de reposição. A reposição automática de estoques permitiria um maior controle dos níveis destes ao longo da cadeia de suprimentos e uma utilização mais eficiente dos recursos, reduzindo os custos totais do sistema. Para o processo Programar entregas, a otimização das entregas através de uma programação centralizada e automatizada, realizada com auxílio da Tecnologia da Informação, foi a oportunidade de melhoria que mais se destacou. A otimização do processo de programação de entregas pode gerar grandes reduções de custos, ao permitir uma melhor alocação dos pedidos à frota disponível, aumentando a sua produtividade e tornando a gestão de transporte mais eficiente. Outra oportunidade relevante relacionada a esse processo envolve a maior flexibilidade nos momentos de falta de produto, permitindo a priorização do atendimento de acordo com a segmentação dos clientes e avaliação do abastecimento a partir de bases alternativas de distribuição (filiais alternativas). O processo Programar estoques, suprimentos e transferências de álcool teve como principal oportunidade a possibilidade de criar instrumentos que permitam uma gestão centralizada de estoques. Com isso, seria possível: (i) lograr melhor coordenação operacional; (ii) otimizar os níveis de estoque de cada produto em cada filial, considerando as restrições existentes no sistema; (iii) avaliar as melhores alternativas de suprimento; (iv) identificar antecipadamente a possibilidade de falta ou excesso de estoques; e (v) otimizar a utilização de recursos. No processo de planejamento das entregas Programar transporte para coletas e transferências de álcool, a principal oportunidade identificada consiste na implementação

10 de uma ferramenta que permita a otimização da programação. Neste caso, considerar-se-iam fatores como modais de transporte envolvidos, restrições de capacidades e rotas possíveis e potenciais. A partir dessas análises, percebeu-se que as oportunidades de melhoria poderiam ser viabilizadas através da implementação do Gerenciamento Integrado da cadeia de suprimentos. Definiram-se, então, para os processos identificados como mais relevantes para a empresa Beta: (i) os requerimentos funcionais básicos (cf. Subseção 4.1) que preferencialmente poderiam ser desenvolvidos juntamente com o sistema ERP (Enterprise Resource Planning) atual, evitando assim controles e planilhas em paralelo; e (ii) as estimativas de benefícios (cf. Subseção 4.2) em relação aos custos operacionais, de estoques, de transporte e de aquisição de produtos. 4.1 Requerimentos Funcionais Configurar a malha logística De acordo com as oportunidades de melhoria identificadas, observaram-se os seguintes requerimentos funcionais básicos que podem ser interligados ao sistema ERP atual: Integrar a configuração da malha logística aos sistemas corporativos e à programação operacional, incluindo pedidos de compra, transferências programadas e plano de vendas. Enviar todos os dados para o sistema responsável pelo planejamento de estoques, estoques de segurança, suprimentos e transferências de informações sobre terminais preferenciais e alternativas para sua distribuição. Reconhecer e mapear todos os elos da rede logística, incluindo rotas e possíveis modais de transporte, bases de distribuição e clientes finais. Registrar e utilizar, nas análises e otimizações, os lead-times, as capacidades, os custos e as restrições operacionais da malha logística, além dos níveis de serviços estabelecidos para atendimento a cada cliente ou mercado/região. Avaliar alternativas e propor solução ideal para configuração da malha, considerando os estoques de segurança a serem respeitados e otimizando o custo total da cadeia de suprimentos. Reavaliar dinamicamente os estoques de segurança. Avaliar alternativas e propor soluções para atendimento ao plano operacional (transferências, estoques, demandas planejadas) no caso de problemas com impactos imediatos, como: restrições inesperadas de capacidade e falta de produto Planejar o atendimento à demanda A capacidade de gerar previsões de demanda baseadas em séries históricas, sazonalidades, eventos e outros fatores é a característica principal do módulo de Planejamento da Demanda do Gerenciamento Integrado da cadeia de suprimentos, também interligado ao módulo do sistema atual (ERP). O sistema deve ter a capacidade de agregar e desagregar as previsões de acordo com os níveis hierárquicos das áreas de vendas e com as diversas segmentações possíveis. Mais detalhadamente, em função das características específicas da cadeia de suprimentos da distribuição de combustíveis, o sistema pode e deve suportar os seguintes requerimentos funcionais: Permitir a importação de séries históricas para carga de dados. Enviar automaticamente previsão de vendas para sistema de planejamento de distribuição de estoques e para sistemas coorporativos. Desenvolver previsão de vendas, por cliente e por tipo de produto.

11 Desenvolver previsão de vendas para o curto, médio e longo prazo. Considerar, no cálculo das previsões de venda, os dados históricos de vendas, tendências, eventos, sazonalidades e outros fatores específicos por produto, região e cliente. Selecionar e utilizar os modelos estatísticos mais adequados para previsão da demanda. Gerar relatórios e facilitar consultas pelos gestores relativas à previsão de venda e de seu desempenho Programar estoques, suprimentos e transferências Observou-se que a alocação eficiente de recursos logísticos em função da demanda prevista é a funcionalidade principal do Planejamento de Capacidades e Suprimento. O gerenciamento da cadeia de suprimentos deve ser capaz de permitir a gestão e programação centralizada de estoques e recursos, desenvolvendo um plano de distribuição de estoques que leve em consideração a avaliação de alternativas de compra de produtos (também interligada ao ERP). Sendo assim, foram definidos os principais requerimentos funcionais a serem planejados e avaliados pelos gestores, a saber: Integrar os estoques, suprimentos e transferências aos sistemas corporativos para recebimento e envio de informações. Planejar a distribuição de estoques na malha logística, a partir da previsão de vendas, estoques nas bases e em trânsito e compras programadas, considerando estoques de segurança por produto e filial; Programar a distribuição de estoques para curto, médio e longo prazo. Avaliar as alternativas de suprimento e propor soluções para compra de produtos, considerando os custos totais envolvidos e o atendimento ao programa de suprimento. Planejar ordens de suprimento e transferência para as filiais considerando os leadtimes envolvidos e fontes preferenciais e alternativas de produto. Planejar distribuição de estoques e ordens de transferência considerando as capacidades de armazenagem e transporte. Gerar alertas para situações de falta ou excesso de produto nas filiais para o horizonte de planejamento a ser definido Programar transportes As oportunidades de melhoria identificadas para os processos de programação de transporte para entregas, coletas e transferências de álcool/biodiesel e correspondem à utilização de um gerenciamento capaz de otimizar as necessidades de transporte em função da frota disponível, das restrições existentes no sistema e dos custos totais envolvidos. De acordo com Banks et al. (1999), a capacidade de realizar essa atividade de forma ágil, precisa e centralizada é a funcionalidade principal do planejamento e programação de transporte do sistema de gerenciamento integrado da cadeia de suprimentos. No caso específico da distribuição de combustíveis, além de suas funcionalidades básicas, o gerenciamento deve ser capaz de: Otimizar as entregas múltiplas através da montagem de carregamentos e rotas que minimizem o custo total de transporte. Maximizar o uso de tipos de veículos modais de transporte que gerem o menor custo de transporte.

12 Otimizar o momento de entrega aos clientes de modo a reduzir o custo total de transporte e de operação das bases de distribuição. Preservar as cotas mensais estabelecidas para cada prestador de serviço de transporte. Considerar, na programação de carregamentos, as regras de utilização de compartimentos dos caminhões-tanque. Programar entregas a partir das filiais alternativas em caso de falta de produto na filial preferencial para atendimento ao cliente. Aproveitar oportunidades de movimento contínuo (frete-retorno) de forma a fazer com que o veículo de transferência trafegue totalmente carregado, tanto na viagem de ida quanto na viagem de volta, reduzindo assim o custo total de transporte Repor estoques automaticamente A oportunidade de repor automaticamente os estoques dos clientes, identificada no processo de programar e acompanhar pedidos dos clientes, é tratada especificamente pela Reposição Automática de Estoques dos Sistemas de Gestão Integrada da Cadeia de suprimentos interligados ao ERP. Para isso, o sistema deve ser capaz de: Receber, a partir de sistemas corporativos, dados sobre estoques e vendas nos clientes, integrando-se ao planejamento da demanda para visualizar as previsões de venda a curto prazo. Determinar os momentos e volumes ótimos de ressuprimento para cada cliente ou grupo de clientes. 4.2 Estimativas de benefícios A quantificação dos benefícios estimados com o Gerenciamento da cadeia de suprimentos juntamente com o sistema ERP atual considerou, conforme se pode observar nas subseções a seguir, a redução de custos financeiros de estoque, custos operacionais, custos de transporte e custos de aquisição de produtos Custos de estoques Os níveis de estoque ao longo da cadeia de suprimentos da empresa Beta têm grande potencial de redução com a implementação de um gerenciamento eficaz, haja vista que ele garante melhor previsibilidade e visibilidade da demanda, programação otimizada de estoques, suprimentos e transferências, integração do processo de configuração da rede logística e utilização mais eficiente de recursos. De maneira geral, a melhor coordenação e eficiência do processo de gerenciamento da cadeia de suprimentos podem tornar o sistema mais ágil, reduzindo as necessidades de estoque de segurança decorrentes de incertezas e tempos de resposta elevados. Baseando-se nesses fatores, foi estimada uma redução de 20% nos níveis de estoque e, consequentemente, nos custos financeiros de estoque, o que equivale, para a empresa Beta, a cerca de R$ 1,8 milhão ao ano Custos de transporte As fases de planejamento da rede logística e planejamento de capacidades e suprimentos possibilitam a redução dos custos de coleta e transferências de álcool/biodiesel. Com a melhor coordenação dos níveis de estoque ao longo da cadeia, em função da sinergia entre isso, reduz-se a probabilidade de ocorrências de transferências emergenciais entre bases e diminui-se, por conseguinte, o custo total das transferências. O custo das entregas aos clientes finais é fortemente impactado pela implementação do planejamento e programação de

13 transporte, haja vista a otimização dos carregamentos e o consequente aumento de produtividade da frota. A habilidade de definir os momentos e volumes ótimos de entrega aos clientes está no ressuprimento automático, que também resulta na redução dos custos das entregas por permitir a utilização mais eficiente dos recursos de transporte. A gestão mais eficiente do transporte com a implementação do gerenciamento da cadeia de suprimentos permitiu estimar uma redução de 10 a 15% nos custos de transporte da empresa Beta Custos operacionais O mercado extremamente competitivo obriga as empresas distribuidoras de combustíveis a atender um grande número de pedidos no mesmo dia em que estes são recebidos. Um dos impactos desse cenário é o prolongamento do horário de funcionamento das filias, ocasionando um aumento nos custos com horas-extras dos colaboradores envolvidos. Outro fator causador de prolongamento do horário de funcionamento das bases é a ocorrência de picos de movimentação, resultando em filas de caminhões-tanque para carregamento e na diminuição da produtividade da base. A possibilidade de otimizar o momento da entrega, repondo automaticamente os estoques dos clientes, permite o controle do atendimento e a otimização dos ativos operacionais, reduzindo a ocorrência de horas-extras. A otimização da programação dos carregamentos reduz a ocorrência de picos de movimentação nas filiais, incrementando a produtividade operacional. O custo de horas-extras referentes às bases de distribuição da Beta representa cerca de 5% dos custos operacionais da empresa. As melhorias identificadas em função da implementação do gerenciamento permitiram estimar uma redução de 30% a 50% nas horasextras, resultando em uma redução média de 2% dos custos operacionais da empresa Beta, ou aproximadamente R$ 1,7 milhão por ano Custos de aquisição de produtos Os custos de aquisição de produtos representam os maiores custos das empresas de distribuição de combustíveis. Pequenas reduções percentuais nesses custos podem representar dezenas de milhões de reais de economia, aumentando significativamente a competitividade da empresa. Com a abertura do mercado, os preços nas refinarias foram liberados e a importação de produtos foi permitida, aumentando o número de potenciais fornecedores. Analisar a melhor alternativa de suprimento, levando em consideração todos os fatores envolvidos, tornou-se uma atividade extremamente complexa e decisiva. O gerenciamento alinhado com sistema ERP, através de seu planejamento de capacidades e suprimentos, seria capaz de estimar a otimização da compra de produtos, avaliando os diferentes fornecedores potenciais e as modalidades de suprimentos que cada um oferece. Tal gerenciamento também permitiria uma melhor programação dos níveis de estoque ao longo da cadeia em função da melhor visibilidade e previsibilidade da demanda. Essa programação mostrou que poderia ser capaz de reduzir a probabilidade de compras emergenciais no mercado spot, geralmente efetuadas a maiores preços. Como as empresas do setor têm uma forte preocupação com os custos de aquisição, que têm considerável impacto na competitividade, houve um esforço da coordenação de operações da empresa Beta em realizar, através de estudos e simulações, compras de produtos que possibilitassem a minimização dos custos. Por isso, acreditou-se que poderia haver espaço para uma redução de cerca de 0,5% no custo total de aquisição, o que levou a uma estimativa de redução média de 0,1% (ou seja, R$ ,00 anuais).

14 5. CONCLUSÃO As empresas distribuidoras de combustível de pequeno e médio porte no Brasil possuem características semelhantes à Beta e, por conseguinte, enfrentam desafios análogos relacionados ao gerenciamento da cadeia de suprimentos. Por esse motivo, é razoável supor que os principais resultados encontrados nesta pesquisa, tomando-se por base a empresa Beta, podem ser generalizados (respeitadas as devidas diferenças de escala e outras características específicas às demais empresas representativas do setor). Os métodos propostos por este trabalho para a implementação do gerenciamento da cadeia de suprimentos se mostraram eficientes no sentido de identificar as principais oportunidades de melhoria na sua gestão. Ademais, o mapeamento dos processos constituíram importante forma de determinar os requerimentos funcionais e as estimativas dos benefícios que devem ser suportados pela Supply Chain Management. No entanto, para que o mapeamento dos processos, identificação das oportunidades de melhoria e desenvolvimento das estimativas de benefícios tenham sucesso, é fundamental o envolvimento e participação de todas as áreas que fazem parte da cadeia de suprimentos. Isso pode ser realizado através de entrevistas com os gestores, como no caso desta pesquisa. Também é muito importante para a empresa que o sistema ERP seja corretamente configurado de acordo com os requerimentos da sua cadeia de suprimentos para que todo o sistema fique integrado e haja uma melhoria dos processos como um todo. Compete, por outro lado, salientar que a ausência de integração pode prejudicar e comprometer a obtenção dos benefícios. O mapeamento dos processos de planejamento e programação da cadeia de suprimentos da distribuidora de combustíveis apontou como principais oportunidades de melhoria: o aperfeiçoamento do processo de planejamento de demanda, a coordenação de estoques ao longo da cadeia logística em função da demanda prevista, a otimização e centralização da programação de transporte e a implementação da reposição automática de estoques. A previsão de demanda possui forte impacto sobre o desempenho da cadeia logística, pois previsões imprecisas geram planejamentos de compras e capacidades distorcidos, ocasionando ineficiências e incertezas que elevam os níveis de estoque. A implementação de uma ferramenta capaz de gerenciar o planejamento da demanda permitiria a maior visibilidade da demanda ao longo da cadeia de suprimentos, o que constitui um dos benefícios mais marcantes do conceito de gerenciamento integrado da cadeia logística. Os benefícios de redução média estimados nesta pesquisa foram de cerca de 12,5% nos custos de transporte, 2% nos custos operacionais das filiais, 20% nos custos de estoque e 0,1% nos custos de aquisição de produtos. De forma geral, o trabalho foi conservador na estimativa desses percentuais, que estão abaixo ou na média dos relatados pela literatura ou pelas organizações que já implementaram o gerenciamento eficaz e eficiente da cadeia de suprimentos. Ressalta-se que a estimativa dos benefícios decorrentes da implementação das melhorias viabilizadas pela implementação do gerenciamento integrado da cadeia de suprimentos foi elaborada através da análise de dados e referências da literatura e das entrevistas realizadas com os gestores dos processos de planejamento da cadeia da empresa Beta. Além dos benefícios econômicos, pode-se concluir que outros benefícios podem ser obtidos pelas empresas de distribuição de combustíveis, como a maior coordenação entre as áreas de vendas e planejamento logístico, redução de incertezas e de ocorrências de falta de produto ao longo da cadeia, maior agilidade de planejamento e programação de recursos. Dessa maneira, como consequencia final, pode se obter um melhor nível de serviço aos clientes fator muito importante em um mercado bastante competitivo.

15 A generalização dos resultados e conclusões desta pesquisa às demais empresas do setor de distribuição de combustíveis não prescinde de uma análise criteriosa das características de cada organização. No entanto, os bons resultados encontrados sugerem a implementação do Gerenciamento da cadeia de suprimentos como grande possibilidade de sucesso nas empresas do setor, o que permite concluir que os objetivos propostos neste trabalho foram de fato atingidos. Como sugestões para pesquisas futuras, propõe-se a realização de uma análise dos processos da cadeia de suprimentos desde o ponto de origem das matérias-primas (petróleo, álcool e biodiesel) até a entrega dos produtos aos clientes finais, ampliando o escopo do trabalho e permitindo uma visão ainda mais sistêmica e integrada. Outra possibilidade seria inserir outros produtos, como lubrificantes e solventes, na análise dos benefícios da utilização dos sistemas de gestão integrada da cadeia logística. Uma terceira sugestão seria aplicar os métodos ora utilizados para o estudo de outras empresas do setor de distribuição de combustíveis, verificando-se se são válidas as conclusões referentes à empresa analisada neste trabalho. Por fim, sugere-se também ampliar o mapeamento dos processos de modo a contemplar o nível operacional, incluindo assim as atividades relacionadas à execução de tarefas e transações, o que permitiria explorar mais eficientemente as interfaces e sinergias com o sistema de gestão empresarial (ERP), sistemas de automação e outros softwares disponibilizados no mercado. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BOWERSOX, D.; CLOSS, D. Logística empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimentos. São Paulo: Atlas, CHING, H. Y. Gestão de estoques na cadeia de logística integrada. São Paulo: Atlas, CHOPRA, S.; MEINDL, P. Gerenciamento da cadeia de suprimentos: estratégia, planejamento e operação. São Paulo: Prentice Hall, CHRISTOPHER, M. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos: estratégias para a redução de custos e melhoria. São Paulo: Pioneira, CHURCHILL, G. A.; PETER, J. P. Marketing: criando valor para o cliente. São Paulo: Saraiva, COBRA, M.; RANGEL, A. Serviços ao cliente: uma estratégia competitiva. São Paulo: Marcos Cobra, COYLE, J. J.; BARDI, E. J.; LANGLEY JR, C. J. The management of business logistics. Minneapolis/St.Paul: West Publishing Company, FIGUEIREDO, K.; ARKADER, R. Da Distribuição Física ao Supply Chain Management: o pensamento, o ensino e as necessidades de capacitação em logística. In: FLEURY, P. F.; WANKE, P.; FIGUEIREDO, K. Logística empresarial: perspectiva brasileira. Rio de Janeira: Atlas, FLEURY, P. F. Supply Chain Management: conceitos, oportunidades e desafios da implementação. In: FLEURY, P. F.; WANKE, P.; FIGUEIREDO, K. Logística empresarial: perspectiva brasileira. Rio de Janeiro: Atlas, 2000.

16 KEARNEY, A. T. (Ed.). Partnership or powerplay? Londres: A. T. Kearney, MARTINS, P. G. LAUGENI, F. P. Administração da produção e operações. São Paulo: Saraiva, NOBRE, E. Tem Cliente? Revista Soluções do Mercado Consumidor, Rio de Janeiro, n. 3, p , NOVAES, A. G. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição: estratégia, operação e avaliação. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, POIRIER, C. C.; REITER, S. E. Supply chain optimization, building the strongest total business network. San Francisco: Berrett-Koehler Publishers, SIMCHI-LEVI, D.; KAMINSKY, P.; SIMCHI-LEVI, E. Cadeia de suprimentos: projeto e gestão. Porto Alegre: Bookman, WOOD JUNIOR, T.; ZUFFO, P. K. Supply Chain Management. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 38, n. 3, p , 1998.

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS 46 LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS Leandro Soares Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil Professor

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão da Produção e Logística tem por objetivo fornecer

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Planejamento Integrado da Cadeia de Cimento

Planejamento Integrado da Cadeia de Cimento 01 SISTEMA ANALÍTICO DE PLANEJAMENTO QUE PERMITE OTIMIZAR O ATENDIMENTO DAS DEMANDAS, A PRODUÇÃO DE CIMENTO E SUPRIMENTO DE INSUMOS, MAXIMIZANDO A MARGEM DE CONTRI- BUIÇÃO DA OPERAÇÃO O CILO É uma ferramenta

Leia mais

5. Práticas de SCM na GSK

5. Práticas de SCM na GSK 5. Práticas de SCM na GSK Desde a fusão em 2001, a GSK estima que obteve cerca de 1 bilhão em economias relacionadas à racionalização da sua rede de suprimentos e das atividades de SCM. Além das economias

Leia mais

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS.

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. Carolina Salem de OLIVEIRA 1 Cristiane Tarifa NÉSPOLIS 2 Jamile Machado GEA 3 Mayara Meliso

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Parte 1 Marcos Benzecry e Paulo Nazário Introdução Desde o início de 2008 o mundo vive a mais grave crise dos últimos 80 anos, uma

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Caros alunos, Essa terceira atividade da nossa disciplina de Suprimentos e Logística

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Analista de Logística em Comércio Exterior - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar o participante para trabalhar com as rotinas da logística

Leia mais

Gestão de Estoques. Leader Magazine

Gestão de Estoques. Leader Magazine Gestão de Estoques Leader Magazine Maio 2005 Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Objetivos Implementar e Controlar todos os processos de Compra

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO VILAS BOAS, M. A. A. 1 ; GOMES, E. Y. 2 1- Graduando em Sistemas de Informação na FAP - Faculdade de Apucarana 2- Docente do Curso

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS

FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO Este texto é o segundo de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva diferente da

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

Curso de Logísticas Integrada

Curso de Logísticas Integrada 1 Introdução a Logística; Capítulo 1 - Conceitos de logística; Breve Histórico da Logística; Historia da logística; SCM; Logística Onde estávamos para onde vamos? Estratégia para o futuro; 2 Conceitos

Leia mais

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES ORGANIZACIONAIS Prof. Me. Léo Noronha Objetivos Informação estratégica Sistema de informações como fonte de vantagem competitiva (VC) Conceito de informação estratégica

Leia mais