redes empresariais e gestão da qualidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "redes empresariais e gestão da qualidade"

Transcrição

1 Universidade regional do noroeste do estado do rio grande do sul unijuí vice-reitoria de graduação vrg coordenadoria de educação a distância CEaD Coleção Educação a Distância Série Livro-Texto Lucinéia Felipin Woitchunas redes empresariais e gestão da qualidade Ijuí, Rio Grande do Sul, Brasil 2009

2 2009, Editora Unijuí Rua do Comércio, Ijuí - RS - Brasil Fone: (0 55) Fax: (0 55) Editor: Gilmar Antonio Bedin Editor-adjunto: Joel Corso Capa: Elias Ricardo Schüssler Revisão: Véra Fischer Designer Educacional: Liane Dal Molin Wissmann Responsabilidade Editorial, Gráfica e Administrativa: Editora Unijuí da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí; Ijuí, RS, Brasil) Catalogação na Publicação: Biblioteca Universitária Mario Osorio Marques Unijuí W847r Woitchunas, Lucinéia Felipin. Redes empresariais e gestão da qualidade / Lucinéia Felipin Woitchunas. Ijuí : Ed. Unijuí, p. (Coleção educação a distância. Série livro-texto) Administração. 2. Redes de cooperação. 3. Redes empresariais. 4. Redes de cooperação Conceitos. 5. Redes de cooperação Tipologias. 6. Gestão da qualidade. I. Título. II. Série. CDU :

3 Sumário Conhecendo a Professora...5 Apresentação...7 Unidade 1 Redes de Cooperação: conceitos e contextualização...9 Unidade 2 Classificação de redes interorganizacionais...13 Introdução...13 Seção 2.1 Redes verticais de cooperação...14 Seção 2.2 Redes horizontais de cooperação...15 Seção 2.3 O fomento e apoio às redes empresariais como um programa de política pública no Rio Grande do Sul...17 Unidade 3 Tipologias de redes...19 Introdução...19 Seção 3.1 Tipologia de Ernst (1994)...19 Seção 3.2 Tipologia de Lewis (1992)...20 Seção 3.3 Tipologia de Laumann, Galaskiewicz e Mardsen (1978)...21 Seção 3.4 Tipologia de Grandori e Soda (1995)...21 Seção 3.5 Tipologia de Casarotto e Pires (1999)...22 Seção 3.6 Características das três configurações de redes, na ótica de Balestrin e Verschoore...24 Unidade 4 Mecanismos de coordenação em redes...27 Seção 4.1 A importância da gestão da rede...27 Seção 4.2 Estruturas de governança em rede...28 Seção 4.3 Benefícios e dificuldades de estar em rede...32

4 Unidade 5 Marca compartilhada: riscos e benefícios...39 Unidade 6 Gestão da qualidade em redes empresariais...45 Seção 6.1 Qualidade em produtos e serviços...45 Seção 6.2 Modelos de gestão da qualidade de produtos e serviços...47 Padronização e gerenciamento da melhoria...47 O Ciclo PDCA um método para gerenciar processos...48 Seção 6.3 Técnicas e ferramentas para a gestão da qualidade...49 Brainstorming...49 Diagrama de causa e efeito...49 Programa 5 Ss...50 Técnica 5W 2H...51 Folha de Verificação...53 Benchmarking...53 Reengenharia...54 Referências...57 Bibliografia Básica...57 Bibliografia Complementar...57

5 Conhecendo a Professora EaD redes empresariais e gestão da qualidade Lucinéia Felipin Woitchunas Nasci em Ijuí e nesta cidade cursei o Ensino Fundamental em uma escola estadual. Depois concluí o Ensino Médio profissionalizante em um colégio cenecista, onde recebi o título de Técnica em Contabilidade. Graduei-me em Administração no ano de 2000, na Unijuí. Em 2003 concluí o curso de Pós-graduação em Marketing, também na Unijuí, e em 2005 recebi o título de mestre em Desenvolvimento, Gestão e Cidadania, novamente pela Unijuí. Desde jovem sempre conciliei meus estudos à noite com o trabalho durante o dia. Assim, aprendi bastante e fui conquistando meus espaços, acumulando experiências como: gerente de recursos humanos, administradora hospitalar, consultora de empresas (em especial de redes empresariais), coordenadora de projetos de extensão e professora universitária. Minha monografia de Pós-Graduação teve como título: Planejamento Estratégico em redes de pequenas empresas: o processo participativo na Rede Agivest e a dissertação de Mestrado levou um longo título: Fatores críticos de sucesso no processo de formação, desenvolvimento e manutenção de redes horizontais de cooperação: um estudo multicaso. Como podem ver, tenho estreita relação com o tema deste livro. Em 2003 comecei a atuar como professora universitária, na Unijuí e na Uergs (nesta última encerrei atividades em 2007, optando pela Unijuí). Atuo com maior freqüência nas áreas de teorias administrativas, planejamento, estratégias, marketing e administração rural. Mais informações sobre publicações, prêmio recebido e experiências acumuladas podem ser obtidas no meu curriculum lattes acessando a página <www.lattes.cnpq.br>. Em 2008 atuei como supervisora regional do Programa Redes de Cooperação no convênio entre a Unijuí e a Secretaria de Desenvolvimento e dos Assuntos Internacionais do Rio Grande do Sul Sedai. Em 2009 estou coordenando um convênio com foco no Planejamento 5

6 Lucinéia Felipin Woitchunas Estratégico para Redes Empresariais e Empreendimentos Associados, que prevê o desenvolvimento de uma metodologia específica, aplicada, e com publicação dos resultados. Casada desde 1994, em 2006 fui abençoada com um filho lindo que se chama Carlos Arthur (como podem ver, sou mãe coruja também). Ele é a alegria da minha vida. Sempre gostei muito de aprender, ler, investigar, escrever, mas também gosto muito das atividades práticas de gestão, em especial consultoria empresarial. Embora não seja fácil, sempre que posso tento conciliar as duas coisas (aulas e consultorias). Espero que goste do que preparei para você e se sinta muito motivado(a) para iniciarmos logo esta etapa. Desejo que você seja um ótimo aluno(a) virtual e um profissional nota 10. Sucesso! Ah, ia esquecendo... somos todos gremistas lá em casa. 6

7 Apresentação redes empresariais e gestão da qualidade A estruturação organizacional em redes vem sendo apresentada como uma forma de sobrevivência, principalmente para micro, pequenas e médias organizações. Castells (2001) afirma que as redes são e serão os componentes fundamentais das organizações. Continua o autor declarando que a integração em redes tornou-se a chave da flexibilidade organizacional e do desempenho organizacional. Essas redes de cooperação interorganizacional aparecem como exemplos exitosos em diversos países que tiveram sua economia dinamizada a partir da cooperação empresarial entre empreendimentos de pequeno porte. Foi assim na Itália, no México, na Argentina, entre outros. Hoje pode-se dizer que também a Espanha está apostando neste formato de organização buscando maior competitividade para os negócios. No Estado do Rio Grande do Sul, o processo de Redes de Cooperação tomou tal importância que há dez anos o governo estimula as empresas gaúchas a se organizarem e competirem em rede por meio de uma política pública criada especialmente para o fomento e apoio ao desenvolvimento empresarial, em parceria com Instituições de Ensino Superior IES. Entre os resultados possíveis de serem atingidos pelas empresas que se organizam em redes de cooperação estão: maior poder de barganha nas negociações; mais acesso a tecnologias; melhoria nos processos produtivos e de gestão; maior e melhor visibilidade de marca; custos compartilhados; troca de informações, entre outros. A estrutura em rede, porém, também apresenta alguns desafios para as empresas. É preciso construir uma estrutura executiva que dê suporte aos objetivos dos associados e promova uma intensa articulação entre a rede e as empresas. Aproveitar as vantagens possíveis de serem obtidas pela nova estruturação também é fundamental. É importante ressaltar que a qualidade permeia todo o processo de redes, pois a atuação no mercado com uma marca compartilhada, as negociações em conjunto, entre outros benefícios, pressupõem uma intensa padronização de produtos e processos. São muitas as ferramentas da qualidade que podem ser utilizadas pelas redes, mas na prática ainda são pouco aproveitadas. É preciso pensar que a qualidade é tudo e que o foco deve ser sempre o cliente, pois este é o elo final que dá sustentação a toda a cadeia produtiva. Então, estão curiosos(as) para saber um pouco mais sobre as Redes de Cooperação? Então, vamos lá! 7

8

9 Unidade 1 redes empresariais e gestão da qualidade Redes de Cooperação: conceitos e contextualização Nesta Unidade nossos objetivos serão retomar e ver novos conceitos sobre as redes de cooperação empresarial. Vocês já devem ter ouvido falar de alguma Rede Empresarial, ou, até mesmo, devem ser clientes ou fornecedores de empresas que estão ligadas a algumas delas. Diversos segmentos estão se organizando em redes, nos setores (primário, indústria, comércio, serviços e social). Por exemplo: a) comércio: supermercados, farmácias, livrarias e papelarias, confecções, calçados, tintas; b) indústria: confecções, metalmecânica; moveleira; c) serviços: escolas de artes marciais, escolas de cursos livres, restaurantes, hotéis, escolas infantis, jornais, escritórios de contabilidade; d) primário: em 2008 o setor também constituiu uma rede de associações e cooperativas de produtores de leite; e) social: entidades assistenciais e filantrópicas. Enfim, existe uma infinidade de redes nos mais diversos segmentos. Por que você acha que as empresas estão se organizando em rede? Responda esta questão, depois prossiga na leitura. As redes empresariais vêm surgindo como uma alternativa para as pequenas empresas, que apresentam um alto índice de mortalidade ainda nos primeiros dois anos de existência, mas que vêem na atuação conjunta uma estratégia que pode gerar vantagem competitiva na disputa com grandes empresas, garantindo sua sobrevivência e crescimento no mercado. O antigo modelo de organizações baseado na integração vertical, na burocracia weberiana, já não atende mais às necessidades requeridas pelo ambiente e pela gestão de negócios que exige, cada vez mais, estruturas flexíveis e integradas. Para Chiavenato (1996), os três velhos 9

10 Lucinéia Felipin Woitchunas Burocracia weberiana São características pertinentes à burocracia dentro da concepção weberiana: o caráter legal das normas e regulamentos; o caráter formal das comunicações; o caráter racional e divisão do trabalho; a observância da impessoalidade nas relações; hierarquia de autoridade; rotinas e procedimentos padronizados; competência técnica e meritocracia; especialização da administração; profissionalização dos participantes, bem como completa previsibilidade do funcionamento. Dentro do cientificismo estruturado de Max Weber as ações humanas devem obedecer a um rígido e disciplinado princípio hierárquico: nada deve sair daquilo que está previamente determinado. Um dos pontos mais duramente criticados pelos opositores de Weber na chamada burocracia weberiana, analisando-a a partir da Teoria Organizacional, teve como fator determinante a rigidez que Weber tentou impregnar nas ações humanas. Veja mais em org.br/artigos/burocracia-umareflexao Autocracia Literalmente significa, a partir dos radicais gregos autos (por si próprio), e cratos (governo), governo por si próprio. O sentido do termo tem uma denotação histórica concreta e política que converge em muitos pontos. Veja mais em: wiki/autocracia paradigmas culturais: autocracia e desconfiança, conformismo e individualismo têm forte presença na maioria das empresas ocidentais. Esses fatores, aliados à organização funcional, ao caráter burocrático e à organização racional do trabalho constituem barreiras à mudança e à inovação dentro das empresas. Nesse contexto, as empresas têm buscado garantir sua sobrevivência em um mercado competitivo mediante uma nova lógica organizacional. O fato de o mundo dos negócios ser globalizado exige uma mudança no modelo empresarial da pequena empresa, que não pode mais ser individualizado. Num mundo globalizado e altamente competitivo como o atual, o associativismo e a união são o principal caminho para as pequenas empresas conseguirem força competitiva, afirmam Casarotto Filho e Pires (1999). Castells (2001) define a constituição de redes de todos os tipos como a mais importante inovação organizacional associada às tecnologias da informação e do conhecimento, enfatizando a importância da sociedade em rede. Para Ribaut et al (apud Amato Neto, 2000), as redes empresariais, também chamadas de sociedades de empresas, consistem em um tipo de agrupamento de organizações que têm como objetivo principal fortalecer as atividades de cada um dos participantes sem necessariamente existir laços financeiros entre eles. Por meio das redes ocorre uma complementação entre as empresas associadas, tanto nos aspectos técnicos quanto mercadológicos, advindo de trocas de experiências, rateio de custos, inovações, entre outros. Com a rede, é possível estabelecer centrais de compras ou distribuição conjunta, o que pode reduzir significativamente os custos. Thompson e Strickland afirmam que sempre que a tecnologia, instalações, atividades funcionais ou canais de distribuição possam ser compartilhados, pode-se reduzir custos. Sempre que existir uma gerência centralizada de dois ou mais negócios fica menos dispendiosa a operação do que com negócios independentes. Nesse contexto, os autores observam que as redes 10

11 redes empresariais e gestão da qualidade (...) podem surgir das oportunidades de economias de custo pelo compartilhamento de recursos ou combinação de atividades em qualquer ponto da respectiva cadeia de valor do negócio e do compartilhamento de utilização de nome de marca.... quanto maior a economia, maior é o potencial da empresa criar vantagem competitiva baseada em custos mais baixos (2002, p. 259). Juntas, as pequenas e médias empresas (PMEs) podem buscar cooperação, também, com outros elos da cadeia, estabelecendo parcerias com fornecedores, distribuidores, prestadores de serviços e outros. O estudo das redes interempresariais não é recente, porém é de forma geral muito abrangente e complexo, uma vez que compreende vários tipos de redes organizadas e constituídas de formas diferentes. Porter define redes como sendo... o método organizacional de atividades econômicas através da coordenação e/ou cooperação interfirmas (1999). Amato Neto (2000) afirma que as relações intra e interempresas vêm se intensificando na economia moderna como uma das principais tendências, com relevância tanto para as economias dos países industrializados, como Itália, Japão e Alemanha, quanto para países emergentes ou de economias em desenvolvimento como o México, Chile, Argentina e o próprio Brasil. Para o autor, a cooperação interempresarial pode viabilizar o atendimento de diversas necessidades que seriam difíceis de satisfazer em caso de atuações isoladas das pequenas empresas. Para Amato Neto,... as redes estão situadas no âmago da teoria organizacional, e pode-se compreender que uma rede interfirmas constitui-se no modo de regular a interdependência de sistemas complementares (produção, pesquisa, engenharia, coordenação e outros... (2000, p. 46). Dessa forma, as empresas não estão agregadas em uma única firma e as competências e atribuições de uma rede estão ligadas muito mais aos processos de coordenação do que à coalizão interfirmas. Nas palavras de Fayard (2000), as redes intensificam a interação entre atores sociais, promovendo uma redução do tempo e do espaço nas inter-relações, fatores altamente estratégicos para a competitividade das organizações no século 21. Casarotto Filho e Pires (1999) abordam os mecanismos de rede como estratégias empresariais e de competitividade para as pequenas empresas. Apresentam um estudo sobre cadeia de valor e vantagens competitivas, relatando os principais tipos e características de consórcios. Um dado interessante nessa obra é o exemplo de mecanismos de integração na região da Emília 11

12 Lucinéia Felipin Woitchunas Romagna, que relata a experiência italiana, abordando a criação do consórcio para gestão da marca, organização do agricultor, avanços tecnológicos e soluções para o crédito, por meio de cooperativas e consórcios e as comparações do exemplo da Itália com a situação brasileira. Para Barquero (2001, p. 98),... a rede caracteriza-se por um conjunto de vínculos fracos, cuja inter-relação atua no sentido de fortalecê-la com base no acesso à informação, na aprendizagem interativa e na difusão da inovação. Já no entendimento de Balestrin e Werschoore (2008, p. 79),... redes de cooperação constituem grupos de empresas coesas e amplamente inter-relacionadas, orientadas a gerar e oferecer soluções competitivas de maneira coletiva e ordenada. Prosseguem os autores afirmando: As redes de cooperação empresarial podem ser definidas como organizações compostas por um grupo de empresas formalmente relacionadas, com objetivos comuns, prazo de existência ilimitado e escopo múltiplo de atuação. Nelas, cada membro mantém sua individualidade legal, participa diretamente das decisões e divide simetricamente com os demais os benefícios e ganhos alcançados pelos esforços coletivos. Elas são compreendidas como um modelo organizacional dotado de estrutura formal própria, com um arcabouço de coordenação específico, relações de propriedade singulares e práticas de cooperação características. Suas especificidades exigem novas práticas organizacionais e de gestão, encontrando limites a replicação de modelos de gestão vigentes e utilizados nas configurações empresariais tradicionais. Sendo assim, o que se percebe de comum entre os diversos autores citados é a unanimidade em apontar para a importância das redes empresariais como uma alternativa aos pequenos e médios empresários para que possam viabilizar a sua manutenção no mercado. Após termos estabelecido esses conceitos primários e contextualizado algumas experiências em termos de redes empresariais e os benefícios possíveis por meio delas, passaremos à próxima Unidade, na qual avançamos para o tema classificação de redes. 12

13 Unidade 2 redes empresariais e gestão da qualidade Classificação de redes interorganizacionais O objetivo desta Unidade é apresentar possibilidades de classificação de redes interorganizacionais, diferenciando-as em redes verticais e horizontais. Também dá destaque ao apoio do governo de Estado do Rio Grande do Sul no fomento à constituição e desenvolvimento de redes horizontais de cooperação. Introdução O fato de existir uma grande variedade de conceitos e aplicações sobre redes de empresas dificulta a operacionalização de um conceito, no entanto apresentaremos algumas tipologias e classificações propostas por diversos autores. Para Castells (2001), as redes de empresas aparecem sob diferentes formas, em diferentes contextos e a partir de expressões culturais diversas. Redes familiares nas sociedades chinesas e no norte da Itália; redes de empresários oriundos de ricas fontes tecnológicas dos meios de inovação, como o Vale do Silício; redes hierárquicas comunais do tipo Keiretsu japonês; redes organizacionais de unidades empresariais descentralizadas de antigas empresas verticalmente integradas, forçadas a adaptar-se às realidades da época; e redes internacionais resultantes de alianças estratégicas entre empresas (p. 204). Cândido (2001), por seu turno, alerta que as redes organizacionais e as alianças sofrem um grande conjunto de variações e aplicações que dependem do tipo de ambiente em que a empresa ou o conjunto de empresas atue, em termos de pressões ambientais, que envolvem pessoas, estratégias, estrutura organizacional, tecnologia e outros fatores. Para melhor compreendê-las, entretanto, adotaremos a subdivisão em redes verticais e horizontais, conforme explicamos na seqüência. 13

14 Lucinéia Felipin Woitchunas Seção 2.1 Redes verticais de cooperação Para Santos et. al. (1994), numa rede vertical as relações ocorrem entre uma empresa e os componentes dos diferentes elos ao longo de uma cadeia produtiva. As empresas, nesse caso, cooperam com seus parceiros comerciais: produtores, fornecedores, distribuidores e prestadores de serviços. Segundo Lewis (1992), uma rede vertical proporciona mais poder às empresas integradas. É uma cooperação entre parceiros comerciais. Segundo o autor, uma forte rede de alianças entre uma empresa e seus fornecedores simplifica a logística e permite a produção de suprimentos em lotes mais prolongados e em volumes maiores; isso leva a custos menores e estimula a elevação da qualidade. Marques e Aguiar (1993) definem que a integração vertical ocorre no caso de duas ou mais firmas colocadas sob a mesma organização e que atuam em estágios separados do mesmo processo produtivo. Diferentes empresas passam a tomar decisões administrativas conjuntamente, embora mantenham sua individualidade jurídica. Para os autores, a integração vertical pode ser definida como integração para trás (backward-integration) quando se dá na direção dos insumos de produção, e integração para a frente, quando ocorre em direção ao consumidor final do produto. Entre os benefícios que as empresas obtêm com a integração vertical, Marques e Aguiar (1993) citam: 1) redução nos custos pelo ganho de escala; 2) redução dos custos de intermediação; 3) redução do grau de incerteza associado à qualidade e pontualidade, e 4) dificuldade na entrada de novos competidores no mercado. De posse das informações sobre o que é uma rede vertical, elabore um fluxograma, no quadro a seguir, considerando diferentes estágios da cadeia produtiva (elos antecedentes e elos subseqüentes) de um determinado produto ou serviço. 14

15 redes empresariais e gestão da qualidade Após esse esforço intelectual certamente você já consegue definir com precisão o que é uma rede vertical de cooperação. Passaremos, então, para o segundo tipo de rede, dentro das interorganizacionais. Seção 2.2 Redes horizontais de cooperação Uma rede de cooperação horizontal é criada a partir da união de empresas de um mesmo segmento produtivo que decidem, mediante de uma forma associativa, criar e estabelecer estratégias conjuntas, porém mantendo sua individualidade. Entre os vários objetivos conjuntos pode-se citar os mais freqüentes: reduzir custos com o aumento do poder de barganha, compartilhar o marketing, dividir custos com desenvolvimento tecnológico e de produtos, facilitar o acesso ao crédito, estabelecer parcerias com o mercado, criar uma marca forte, entre outros. Uma das situações de mudança organizacional mais notável, ao se constituir uma rede de empresas de um mesmo segmento, é o fato que cada empresa associada passa a ver o seu concorrente como parceiro. Amato Neto (2000, p. 50), no entanto, afirma que as redes horizontais de cooperação merecem mais cuidado, por se tratar de um agrupamento de empresas similares que concorrem acirradamente no mesmo mercado e que, por isso, são concorrentes diretas, diferentemente da relação que se dá nas redes verticais. O autor destaca que na maioria das vezes as redes de cooperação são criadas quando as empresas, isoladamente, apresentam dificuldades em: 15

16 Lucinéia Felipin Woitchunas 1) adquirir e partilhar recursos escassos de produção; 2) atender interna e externamente ao mercado em que atuam; 3) lançar e manter nova linha de produtos. Para Marques e Aguiar (1993), a integração horizontal se verifica quando há a combinação de duas ou mais firmas atuando no mesmo processo produtivo. Vários autores, como Miles e Snow (1992), Perrow (1992) e Casarotto Filho e Pires (1999) desenvolveram modelos de organizações em redes. Dos modelos estudados, talvez o que mais se preste a analisar as redes horizontais de cooperação seja o modelo desenvolvido por Casarotto Filho e Pires (1999), apresentado na Figura 1. FÓRUM DE DESENVOLVIMENTO LOCAL GOVERNOS Instituições de Pesquisa OBSERVATÓRIO ECONÔMICO Instituições de Pesquisa Associação de Pequenas Empresas Centro Catalizador de Tecnologia Instituições de Pesquisa Cooperativ de Garantia de Crédito Bancos Redes de Grandes Empresas Redes de Grandes Empresas Consórcios Consórcios Redes de Grandes Empresas Consórcios Consórcios Figura 1: Modelo Geral de Rede Desenvolvimento de um Sistema Econômico Local Figura 1: Modelo Geral de Rede Desenvolvimento de um Sistema Econômico Local Fonte: adaptado de Casarotto Filho e Pires (1999) Fonte: adaptado de Casarotto Filho e Pires (1999). Casarotto Filho e Pires (1999) apresentam um modelo geral de rede para o desenvolvimento de um sistema econômico local baseado no modelo italiano de desenvolvimento regional por meio da formação de redes interempresariais de PMEs. Nesse modelo existe uma interconexão entre atores diversos: grandes empresas, bancos, institutos de pesquisas, governos, com instrumentos de integração e pequenas e médias empresas, conforme mostra a Figura 1. 16

17 redes empresariais e gestão da qualidade Para estes autores (1999), os novos modelos de desenvolvimento local implicam participação de toda a sociedade. O Fórum deverá ter estreita relação com os chamados mecanismos de articulação, quais sejam, as associações de pequenas e médias empresas, consórcios, centro catalisador de tecnologias, observatórios econômicos e cooperativas de garantia de crédito, entre outros. Diante do exposto, pode-se afirmar que existe um consenso na literatura sobre políticas para geração de competitividade e desenvolvimento regional e a importância da participação das PMEs no processo, pois a partir do modelo de desenvolvimento regional da região norte, chamada terceira Itália, percebe-se a prática de aprendizagem organizacional, troca de informações e conhecimentos como fatores importantes nas redes, consórcios ou agências daquele país e que se refletiram no desenvolvimento daquela região, que hoje aparece como uma das mais ricas do mundo. Seção 2.3 O fomento e apoio às redes empresariais como um programa de política pública no Rio Grande do Sul Falar de redes empresariais no Rio grande do Sul e não mencionar o Programa Redes de Cooperação desenvolvido e executado pela Secretaria de Desenvolvimento e dos Assuntos Internacionais do Rio Grande do Sul Sedai seria um despropósito. O Programa foi desenvolvido por técnicos da Sedai e começou a ser posto em prática em meados de 1999, em parceria com universidades gaúchas. Em 2001 a Unijuí tornou-se parceira na execução do Programa e a partir de 2009 passa a atuar em quase 50% da área geográfica do Estado, abrangendo as regiões: Noroeste Colonial, Fronteira Noroeste, Celeiro, Alto Jacuí, Missões, Central, Fronteira Oeste, Campanha e Produção. Vale ressaltar ainda que só se tem notícia deste Programa como fomento de política pública, no RS, e que o mesmo não tem custo para os empresários, além de já ter sido executado em três governos diferentes (PT, PMDB e PSDB) e, recentemente, foi vinculado a um dos programas estruturantes do governo do Estado: Mais trabalho, mais futuro inovação em setores tradicionais. Desde 2000 já foram criadas, no Estado, mais de 230 Redes Empresariais somente com o fomento do Programa. Empregos gerados, ampliação no faturamento das empresas, redução dos custos, marca compartilhada, aumento na arrecadação de impostos, entre outros, foram alguns dos resultados já apresentados. 17

18 Lucinéia Felipin Woitchunas Nesse contexto, pode-se compreender a aposta do governo gaúcho no fomento às redes horizontais de cooperação como uma proposta coerente, que pode gerar resultados positivos para o desenvolvimento do Estado, potencializando a atuação das empresas de pequeno e médio portes. Para exemplificar claramente o modelo de redes empregado no Estado do Rio Grande do Sul, trata-se de redes horizontais de cooperação; pequenas empresas que se unem em uma associação, com objetivos comuns, para aumentar sua competitividade, ganhando espaço no mercado. Assim, criam uma marca única embora mantenham sua individualidade e compartilham essa marca, conhecimentos, marketing, capacitação, processos inovadores, consultoria. Buscam reduzir os custos de transações e apostam em parcerias com outros atores, como universidades, entidades de apoio, poder público e outros. GOVERNOS SERVIÇOS/ENTIDADES DE APOIO UNIVERSIDADES ASSOCIAÇÃO DE PEQUENAS EMPRESAS REDE COM MARCA PRÓPRIA MERCADO Consumidor/ Fornecedor Empresas que preservam a sua individualidade, mas interagem com a Rede e entre si. Figura 2: Redes horizontais de cooperação e estrutura de articulação Fonte: Woitchunas (2004, p. 151). A Figura 2 expressa, de uma forma bastante simples, o modelo de articulação percebido nas redes horizontais de cooperação. Mostra uma estrutura interativa, em que a rede aparece no centro, interagindo com diversos públicos: com as universidades por meio do apoio técnico gerencial, com os governos por intermédio de programas de políticas públicas e apoio dos poderes públicos locais, com os mercados de consumo e com os fornecedores e, principalmente, com as pequenas empresas do segmento, estabelecendo uma estrutura de coordenação e articulação bastante dinâmica, evidenciando a necessidade de um modelo de gestão prospectora. Na próxima Unidade vamos ampliar nosso leque, das redes interorganizacionais para os demais tipos de redes encontrados na literatura. 18

19 Unidade 3 redes empresariais e gestão da qualidade Tipologias de redes O objetivo nesta Unidade é apresentar diferentes tipos de redes encontrados na literatura, que exibem diferentes formas de estruturação e articulação. Embora existam muitos formatos, será dado destaque a alguns selecionados para nosso estudo. Introdução Existem diversos tipos de redes na literatura atual. Algumas tipologias de redes interempresariais foram selecionadas e serão apresentadas a seguir, a fim de propiciar uma melhor compreensão sobre o tema. Seção 3.1 Tipologia de Ernst (1994) Ernst (1994), após reunir muitas informações disponíveis sobre a formação de redes entre empresas, acredita que a maioria das atividades econômicas é organizada em cinco tipos diferentes de redes: redes de fornecedores: envolvem a subcontratação e acordos entre um cliente e seus fornecedores de insumos intermediários para a produção. Ex.: Sadia com a produção integrada. redes de produtores: abrangem todos os acordos de co-produção que oferecem possibilidade a produtores concorrentes de juntarem suas capacidades de produção e recursos financeiros/ humanos com a finalidade de ampliar seus portfólios de produtos, bem como sua cobertura geográfica. Ex.: rede de cooperativas de produtores de leite que se unem para aumentar o volume de produção e atrair o interesse de compradores. redes de clientes: incluem os encadeamentos à frente entre as indústrias e distribuidores, canais de comercialização, revendedores com valor agregado e usuários finais, nos grandes mercados de exportação ou nos mercados domésticos; 19

20 Lucinéia Felipin Woitchunas redes de coalizões-padrão: são construídas por potenciais definidores de padrões globais com o objetivo explícito de prender tantas empresas quanto possível a seu produto proprietário ou padrões de interface. Redes de cooperação tecnológica têm o objetivo explícito de facilitar a aquisição de tecnologia para projetos e produção de produto, capacitam o desenvolvimento conjunto dos processos e da produção e permitem acesso compartilhado a conhecimentos científicos genéricos e de Pesquisa e desenvolvimento. Nesse tipo de rede as empresas exploram a tecnologia por determinado tempo e depois cada uma cria suas estratégias de competição individual, a partir do conhecimento adquirido. Seção 3.2 Tipologia de Lewis (1992) Lewis (1992) afirma que as empresas, na busca de acelerar os processos para obterem maior vantagem competitiva para sobreviverem no mercado globalizado, têm desenvolvido importantes formas de alianças organizacionais, atuando em redes, das quais define com clareza quatro tipos, com objetivos distintos: redes verticais: formam-se com o objetivo de garantir maior poder às empresas por meio da cooperação entre parceiros comerciais. Uma forte rede de alianças entre uma empresa e seus fornecedores simplifica a logística e permite a produção de suprimentos em lotes mais prolongados e em volumes maiores. Isso leva a custos menores e estimula a elevação da qualidade. Nesse tipo de rede, a cooperação do desenvolvimento de produtos aumenta o poder de inovação conjunta; redes de tecnologia: com o objetivo de obter maior força no mercado, as empresas se aliam com forças externas de conhecimentos técnicos, com outras empresas, universidades e laboratórios do governo. Esse tipo de rede garante uma importante contribuição para aumentar a competência técnica de todas as empresas. Uma rede de vínculo com fontes-chave de tecnologia é vista como uma dimensão básica da estratégia de negócio; redes de desenvolvimento: com o objetivo de criar novo valor, essa rede pode trazer poderosas ferramentas para o desenvolvimento de novos produtos, processos ou tecnologias, porque provê as condições para inovações relevantes. Nessas redes existem fontes múltiplas de conhecimentos diferentes, interligados de forma flexível por intermédio de muitos vínculos, com todos os membros perseguindo os mesmos objetivos; 20

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

Cooperativas articuladas em rede e o mercado: o sucesso das estratégias da Cooperação Cooperativa Mondragón.

Cooperativas articuladas em rede e o mercado: o sucesso das estratégias da Cooperação Cooperativa Mondragón. Cooperativas articuladas em rede e o mercado: o sucesso das estratégias da Cooperação Cooperativa Mondragón. Letícia Cristina Bizarro Barbosa 1. Introdução Com o mercado cada vez mais competitivo, as empresas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Gestão de Competências em Redes de Organizações e Governança de Redes e de Arranjos

Gestão de Competências em Redes de Organizações e Governança de Redes e de Arranjos Gestão de Competências em Redes de Organizações e Governança de Redes e de Arranjos o que se discute na Academia e como usar na prática Sérgio Mecena, DSc. Laboratório Initiä de Inovação e Empreendedorismo

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS 1º MÓDULO: SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS Economia e Sociedade do Conhecimento: Conceitos básicos: economia da informação e conhecimento. Investimentos tangíveis e intangíveis. Gestão do Conhecimento e

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Administração Estratégica Conceitos Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Alternativas Estratégicas É a estratégia que a alta administração formula para toda a empresa. Reestruturação Empresarial

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Apresentação Em uma economia globalizada e extremamente competitiva, torna-se cada vez mais imprescindível a visão estratégica

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA

O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA VAREJO Julho - 2012 O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA Fonte imagem: Disponível em:< http://4.bp.blogspot.com/_caqa6tpillu/tjevn_ah_ei/ AAAAAAAAAAM/3dTp5VPhJ9E/s1600/69589_Papel-de-Parede-Todos-juntos_1280x800.

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO INTEGRADA: PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TURMA V E EIXOS TEMÁTICOS PARA A MONOGRAFIA FINAL Professor Ms. Carlos Henrique

Leia mais

REDEPETRO RN. Grandes Compradores, pequenos fornecedores. M.Sc. Gutemberg Dias

REDEPETRO RN. Grandes Compradores, pequenos fornecedores. M.Sc. Gutemberg Dias REDEPETRO RN Grandes Compradores, pequenos fornecedores M.Sc. Gutemberg Dias MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO BRASIL 5 milhões de empresas formais (99% das empresas formais) e 10 milhões de informais;

Leia mais

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO Contexto e objetivos CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO O desenvolvimento do plano de negócios, como sistematização das idéias

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

Serviços produtivos e redes de cooperação público-privada

Serviços produtivos e redes de cooperação público-privada Serviços produtivos e redes de cooperação público-privada Maria Lucrécia Calandro * O acelerado desenvolvimento do setor serviços e a intensificação da cooperação entre empresas estão associados às transformações

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br

Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br abraman Congresso de Manutenção - 2001 EFEITOS DA TERCEIRIZAÇÃO SOBRE A MANUTENÇÃO Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br Terceirização é a transferência para terceiros de atividades que

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO Dennis Pessoa da Silva 1 RESUMO Ferramentas administrativas são técnicas utilizadas na gestão de empresas para solucionar problemas. Elas controlam

Leia mais

Network and Economic Life

Network and Economic Life Network and Economic Life Powell and Smith Doerr, 1994 Antonio Gilberto Marchesini Doutorado DEP INTRODUÇÃO Antropólogos e sociólogos desde bem antes já buscavam compreender como os indivíduos são ligados

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

Adapte. Envolva. Capacite.

Adapte. Envolva. Capacite. Adapte. Envolva. Capacite. Ganhe produtividade em um Ambiente de trabalho digital #DigitalMeetsWork Os benefícios de um ambiente de trabalho digital têm impacto na competitividade do negócio. Empresas

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

Inovação na cadeia produtiva

Inovação na cadeia produtiva CRI Minas BH, 21 Mar 2013 Inovação na cadeia produtiva Renato Garcia Poli/USP renato.garcia@poli.usp.br Novo paradigma tecnológico Reestruturação das grandes empresas Especialização nas competências centrais

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 GESTÃO PARTICIPATIVA NA CONSTRUÇÃO DA QUALIDADE DE ENSINO EM COOPERATIVAS EDUCACIONAIS DO PIAUÍ Cyjara Orsano

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais