GESTÃO DA REDE DE SUPRIMENTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL: INTEGRAÇÃO A UM SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DA REDE DE SUPRIMENTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL: INTEGRAÇÃO A UM SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO"

Transcrição

1 GESTÃO DA REDE DE SUPRIMENTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL: INTEGRAÇÃO A UM SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO Heitor Cesr Riogi Hg Escol de Engenhri de São Crlos - U.S.P. - Áre de Engenhri de Produção Av. Dr. Crlos Botelho, CEP São Crlos - SP - E-mil: Prof. Dr. José Benedito Scomno Escol de Engenhri de São Crlos - U.S.P. - Áre de Engenhri de Produção Av. Dr. Crlos Botelho, CEP Fone: (016) São Crlos - SP ABSTRACT This pper discusses the concept of Supplying Network nd the fctors to develop Production Administrtion System. Some evlution methods described in the bibliogrphy re presented, s well s brief discussion on the typicl suppliers of the construction sector. This rticle will show the results of the services percentge distribution nd some tools of system pplied in medium sized construction compny, with emphsis on its dpttions nd restrictions. The nlysis focuses on the use of Supplying Network s source of competitive dvntge. Keys Words: Supplying Network, Production Administrtion System, civil construction. 1. Introdução Um ds principis dificulddes em se desenvolver tecnologicmente indústri de construção é o cráter frgmentdo do fomento à pesquis nest áre, ssim como inexistênci de um mecnismo de controle integrdo dos trblhos efetudos por diferentes instituições. Observ-se, tmbém, insuficiente integrção entre produtores de pesquis tecnológic e usuários d tecnologi gerd. Além disso, existem váris lcuns neste cmpo de conhecimento, isto é, áres não desenvolvids ns quis o processo de construção bsei-se inteirmente em conhecimentos empíricos ou procedimentos copidos de outros píses (ROSSETTO, 1996). Em um mbiente ltmente competitivo, como o d indústri de construção civil, é de primordil importânci que s empress tenhm bem definids s sus estrtégis pr poderem, no mínimo, continur sobrevivendo. Ests estrtégis devem levr em considerção, tmbém, s peculiriddes do setor, que fzem com que est indústri tenh um comportmento diferencido ds demis (FORMOSO, 1996). Portnto, o se fzer nálise d estrtégi d produção ds empress de construção, deve-se levr em considerção o fto que indústri é frgmentd, pois é compost mjoritrimente por pequens e micro empress que não detêm prte

2 significtiv do mercdo (PORTER, 1991). De cordo com os ddos do censo industril de 1985, 69,2% ds empress podim ser considerds como micro-empress, 21,6% pequens e pens 9,2% médis e grndes. Segundo FORMOSO(1992), este qudro tende se mnter inlterdo durnte est décd. Com diminuição dos investimentos governmentis, s empress pssrm depender de sus própris cpciddes finnceirs ou de investimentos oriundos do próprio cliente. Isto ocsionou um corrid competitiv n busc d sobrevivênci, onde grnde miori desss empress de construção pssrm presentr um excessiv tendênci n busc dos ftores custo e qulidde como fontes únics de vntgens competitivs (LEITÃO & OLIVEIRA, 1995), em detrimento de outros spectos: velocidde de produção, confibilidde de entreg e flexibilidde (CARVALHO, 1996). Isto pode ter contribuído pr usênci de estrtégis explícits ns empress de construção e pr escssez de trblhos e pesquiss que esclreçm melhor o di à di dest tividde dentro d relidde brsileir. A intensificção d competição e s mudnçs n percepção e velocidde de lterção ds perspectivs do cliente germ ns orgnizções necessidde de redefinir sus estrtégis n busc d dequção de um novo contexto mundil. Est dequção drse-í trvés d inserção ds empress em um mbiente competitivo, onde sus dimensões de produtividde: tecnologi, estrtégi e cultur orgnizcionl, ditrão esforços em direção s prioriddes competitivs do setor de construção. TECNOLOGIA ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS CULTURA ORGANIZACIONAL Fig. 1 - As três dimensões de Produtividde Os Sistems de Administrção d Produção têm o objetivo de plnejr e controlr o processo de mnuftur em todos os seus níveis, incluindo mteriis, equipmentos, pessos, fornecedores e distribuidores. É trvés do SAP que orgnizção grnte que sus decisões opercionis sobre o que, qundo, qunto e com o que produzir sejm dequds às sus necessiddes estrtégics. Fornecem tmbém informções que suportm o gerencimento eficz do fluxo de mteriis, utilizção de mão-de-obr e de equipmentos, coordenção ds tividdes interns com s tividdes dos fornecedores e comunicção/interfce com os clientes no que se refere à sus necessiddes opercionis. O ponto chve d definição do SAP é necessidde gerencil de usr informções pr tomr decisões (GIANESI, 1994). Adptndo-se estes conceitos à indústri de construção, GUERRINI (1997) descreve os seguintes critérios competitivos tomdos como bse pr definição de estrtégis do setor: custos (construir por um preço menor), qulidde (construir melhor), velocidde de entreg e confibilidde (entregá-l no przo prometido), flexibilidde (ser cpz de enfrentr dversiddes inerentes o processo), quebr de brreirs orgnizcionis e gestão d rede de suprimentos.

3 A diferencição destes critérios competitivos, vlorizndo cd um ds prioriddes cim citds conforme su importânci, encontr-se n grnti de um mínimo de competênci necessári pr execução de obr em prticulr e no tipo de condições que cd construtor dispõe pr oferecer serviços, sejm ests de cráter culturis, tecnológics ou estrtégics. GESTÃO DA REDE DE SUPRIMENTOS SAP BARREIRAS QUALIDADE ORGANIZACIONAIS VELOCIDADE DE ENTREGA E CUSTOS FLEXIBILIDADE CONFIABILIDADE Fig. 2 - O SAP e os spectos relciondos à competitividde Este trblho enftiz relevnte questão dos mteriis d indústri de construção civil no Brsil, sej pelo seu impcto n qulidde de seus produtos, sej pel cultur do desperdício do setor, ou pel su grnde prticipção nos custos totis de produção, que no cso de um obr civil corresponde lgo em torno de 60% dos custos finis de qulquer empreendimento. GIANESI & CORRÊA (1994) enftizm ind mis questão do gerencimento dos mteriis dentro de um visão sistêmic qundo mencion que o specto integrtivo do SAP fz d quebr de brreirs orgnizcionis e d gestão d rede de suprimentos, se bem gerencidos, mecnismos importntes pr se obter um rede de suprimentos globl coordend e sem brreirs intersetoriis, que consig excelênci nos critérios que o cliente finl vloriz, sem dispersão de esforços. A pesquis bord o gerencimento d rede de suprimentos pr empress de pequeno e médio porte d indústri de construção civil no Brsil, trvés de conceitos de um Sistem de Administrção d Produção empregdos dentro de um novo prdigm produtivo. Estes conceitos estão descritos n dissertção de mestrdo Um propost de Sistem de Administrção d Produção (SAP) pr Empress de Pequeno e Médio Porte d Construção Civil de utori de Fábio Müller Guerrini. O estudo contempl, em linhs geris, os prâmetros de dimensão de produtividde: tecnologi, estrtégi e cultur orgnizcionl - de modo se obter novs dimensões de competitividde pr s empress de construção: qulidde, flexibilidde, custo, confibilidde/velocidde de entreg e integrção. A doção de procedimentos dequdos pr vlição de fornecedores (relção Cliente/Fornecedor) constitui um importnte instrumento de gestão d rede de suprimentos d empres, dentro de um visão pró-tiv decorrente dos objetivos estbelecidos com bse ns decisões estrtégics d empres. No entnto, não grnte por sí subsídios pr s novs dimensões de competitividde devido o complexo mbiente de tomd de decisão que envolve o setor de comprs e os comprdores de mteriis, notdmente queles em empress de pequeno e médio porte, sujeits um série de diferentes influêncis. Ests empress, cuj função

4 comprs é centrlizd, presentm-se crentes de técnics e ferrments dequds de gestão pr o controle e plnejmento de sus tividdes. A gestão d rede de suprimentos, vist segundo um Sistem de Administrção d Produção - SAP, depende tmbém d estruturção orgnizcionl e tecnológic d empres e ds relções dministrtivs existentes entre o escritório e obr no que diz respeito o plnejmento, progrmção e controle ds necessiddes de mteriis, equipmentos e serviços. A pesquis de cmpo pr o presente trblho brnge construção de 28 uniddes de prédios hbitcionis totlizndo-se em 896 prtmentos. Este empreendimento, loclizdo n cidde de Ribeirão Preto-SP, está sendo executdo pel Construtor Perdiz Vills Bôs Ltd. em prceri com Compnhi Hbitcionl e Urbn de Ribeirão Preto - COHAB-RP. Su dimensão físic represent um lbortório de estudo de extrem relevânci à pesquis propost. GUERRINI (1997) obteve resultdos significtivos reltivos à reduções de custo e de przo com implntção de um Sistem de Administrção d Produção proposto pr empress de pequeno e médio porte. Neste trblho pretende-se mplir estes resultdos de melhori trvés de um estudo d gestão d rede de suprimentos com bse nest visão sistêmic. A Fig. 3 destc importânci dos mteriis e suprimentos dentro de sistems de dministrção d produção. Um pequen comprção com o SAP proposto por GUERRINI (1997) e o Sistem de Qulidde proposto por PICCHI (1993) enftiz ind mis o cráter integrtivo d sistemtizção dos mteriis e suprimentos em empress de Construção Civil. ENCOMENDA PROJETO DO Identificção do Sistem Construtivo e dos Subsistems: comptibilizção List de Mteriis Plno do Processo Progrmção ds Atividdes do Processo Compr de Mteriis Projeto Executivo Execução de Atividdes Revisão Finl ENTREGA 3. Plnejmento do Empreendimento 2. Projeto 5. Suprimentos 6. Execução 7. Serviços o cliente e 2. R e c u r s o s H u m n o s 1. O r g n i z ç ã o E m p r e s r i l Fig. 3 - O SAP (GUERRINI, 1997) e o Sistem de Qulidde (PICCHI, 1993) 2. Justifictiv d Pesquis

5 Este trblho vis dr um contribuição à relevnte questão dos mteriis n indústri de Construção Civil trvés de pesquis teóric e pesquis de cmpo. O subsetor de Edificções prece não fzer uso ds principis teoris dministrtivs, não hvendo pels empress um estbelecimento forml de estrtégis, s quis permnecem implícits por não hver conhecimento dos pssos básicos pr formulção de um estrtégi competitiv (BETTS & WOOD-YARPER pud CUNHA, 1995; VILACRESES pud LEITÃO e OLIVEIRA, 1995). Ests empress continum tentndo obter vntgens unilteris n busc dos menores preços, quse sempre desvinculds ds necessiddes do restnte d Cdei de Vlores. Devem, entretnto, não pens procurr melhori de seu desempenho de form isold, ms sim, em concordânci com os outros elementos d cdei, empress que tum desde ofert de mtéri-prim té distribuição o cliente, provocndo nestes o senso de desenvolvimento prtir de objetivos comuns. Assim sendo, introdução de novs forms de gerencimento e tecnologis deve estr de comum cordo com seus elos mis próximos: escritório, fornecedores e obr. A busc d melhori d eficiênci trvés de um visão sistêmic deve ser relizd tnto do ponto de vist externo, qunto do ponto de vist interno à empres, isto é, interrelção em termos de fluxos de bens/serviços e informções entre os mis diversos deprtmentos d empres e seus clientes externos. Pr tl, fz-se necessári definição clr e objetiv ds técnics e ferrments de gestão utilizds pr plnejr e controlr tods s sus tividdes. O tem ser borddo neste trblho, o gerencimento d Rede de Suprimentos e Interfce Cliente/Fornecedor ssocidos um Sistem de Administrção d Produção - SAP, tem função de servir de ferrment d melhori tnto intern qunto externmente à empres. A busc de um fluxo cd vez mis lógico de bens, serviços e informções proporcionrão inerentes benefícios como reduções de custo, melhoris d qulidde ns mis diverss áres (projeto, comprs, execução, distribuição físic dos mteriis, sistems de informções, etc.) e vntgens competitivs à empres e o restnte d cdei em termos de: qulidde, flexibilidde, confibilidde/velocidde de entreg e integrção. 3. Estruturção do Trblho O desenvolvimento do trblho tem como início pesquis bibliográfic ds novs forms de orgnizção d produção direcionds à gestão de mteriis e sus extensões no âmbito do relcionmento Cliente/Fornecedor. Bsendo-se n teori ser levntd e de outros estudos que seguem o contexto de Sistems de Administrção d Produção - SAPs relciondos os spectos de competitividde, definido pr empress de pequeno e médio porte do setor de construção (GUERRINI, 1997), procurr conhecer relidde brsileir optndo pel metodologi do estudo de cso. Num segund fse, de cordo com o projeto definitivo d edificção (objeto de estudo d pesquis), determinr List de Mteriis - Estrutur do Produto - que serão essenciis pr o desenvolvimento correto de necessiddes de mteriis e suprimentos do empreendimento. Bsendo-se no Cronogrm Físico dest edificção, defini-se um Estrutur em Árvore de Execução em seus diversos níveis e etps de construção. Est estrutur será essencil no plnejmento e n elborção de técnics de controle dos mteriis e serviços.

6 LISTA DE MATERIAIS ETAPA - COBERTURA 1. MADEIRA 2. TELHAS OBRA PRONTA $ PROJETO DA LISTA DE MATERIAI NÍVEIS INFERIORES mteriis e tividdes ÁRVORE DE Fig. 4 - Sequênci pr determinção d Curv ABC de Mteriis. Mt. clsse CURVA ABC Definido List de Mteriis, pode-se determinr distribuição dos custos dos mteriis que respondem pel mior porcentgem do custo totl do empreendimento trvés d presentção d curv ABC de mteriis. A Gestão d Rede de Suprimentos priorizrá est quntidde de ítens que representm lgo em torno de 60% do custo totl d obr - clssificção A. Segundo HIROTA (1987), distribuição em percentuis é um importnte ponto de referênci n tomd de decisões e n estimtiv de custos, permitindo destcr o custo referente cd serviço prtir do custo globl. A terceir etp é crcterizd pel implntção de um sistem de gestão dos fornecedores de mteriis. Pode-se, com isso, nlisr relção Cliente/Fornecedor dentro à empres pesquisd. Este sistem se constituiri em um ferrment pr gestão dos fornecedores de mteriis, processndo s informções de modo stisfzer os desejos dos clientes internos e externos. Anexdo este sistem, será implntdo um bnco de ddos que permit documentr os fornecedores e sus respectivs qulificções, que posteriormente serão utilizdos ns provções de futurs comprs e pgmentos. Nest etp, pode-se visulizr o desempenho do escritório d empres qunto compr de mteriis, o desempenho dos fornecedores qunto entreg e o cumprimento de przos, e obr, qunto o recebimento, estoque e utilizção lógic dos mteriis em cnteiro. Pretende-se, nest fse, formulr e implntr procedimentos, técnics e ferrments dministrtivs nos três níveis citdos: escritório d empres, fornecedores e obr, pr obtenção de um fluxo lógico e contínuo dos mteriis e informções correspondentes eles. Portnto, o universo d pesquis de cmpo se bserá nestes três níveis principis: escritório d empres, fornecedores e obr, fechndo-se o ciclo d cdei de suprimentos. ESCRITÓRIO DA EMPRESA SAP-M OBRA FORNECEDORES Fig. 5 - Ciclo Simplificdo d Cdei de Suprimentos

7 O trblho termin com nálise do Sistem de Administrção d Produção direciondo o plnejmento e controle de mteriis (SAP-M) implntdo, e s respectivs conclusões bseds ns condições e modificções encontrds no mbiente do cso estuddo, e tmbém, ns discussões gerds sobre os conceitos emergentes de flexibilidde, integrção e estrtégis competitivs d Indústri de Construção Civil no Brsil. 4. Estudos de Cso O estudo de um cso rel de um empres trdicionl de médio porte do subsetor edificções - Construtor Perdiz Vills Bôs Ltd., que nos últimos nos vem sofrendo profunds modificções estruturis e comportmentis como implntção de técnics rcionis de construção entre outrs, locliz-se n cidde de Ribeirão Preto, estdo de São Pulo, distnte 100 (cem) km d cidde de São Crlos. O principl interesse nest empres reside no tipo de empreendimento tulmente em execução: 28 uniddes de prédios hbitcionis direciondos Clsse C d populção, totlizndo-se em 896 prtmentos serem entregues té o no de 1999, de przo dequdo à um pesquis científic à nivel de mestrdo. A dimensão físic do empreendimento em execução lid bertur d empres pr o desenvolvimento d pesquis, colocm-n como um objeto de estudo de extrem relevânci pr comunidde científic ds áres de engenhri. A relidde ds pequens e médis empress do setor de construção civil brsileirs está muito quém dos níveis de competitividdes necessários pr sobrevivênci em um mercdo globlizdo. Neste sentido, o comportmento dos prticipntes dest relidde devem ser necessrimente estudds e nlisds, pr que o contexto de mudnçs que vêm ocorrendo ns últims dus décds frente s tecnologis emergentes ou já estbelecids com relidde, sejm trnsmitids pr s pequens e médis empress do setor e principlmente, pr s universiddes e instituições de ensino que possuem cpcidde pr rticulr ests mudnçs prdigmátics. O grupo de pesquis de engenhri de produção civil d Escol de Engenhri de São Crlos desenvolve seus trblhos direciondos às empress de pequeno e médio porte do setor de Construção Civil. O desenvolvimento de pesquiss ssocids às empress de construção do setor, sejm els de nível regionl ou ncionl, demostrm não só s necessiddes gerds nests empress pelo efeito d globlizção e umento d competitividde, ms tmbém tem cráter socil, no momento que permitem que novs tecnologis sejm crids e trnsferids às micro empress que sustentrão o posicionmento do trblhdor brsileiro. Resultdos d crição deste grupo, que bord o gerencimento n construção civil de form sistêmic, já form demonstrdos trvés de mudnçs à nível curriculr no curso de engenhri civil dest universidde e pel crição de integrções entre empress do setor e est universidde. Outros projetos de pesquis n áre de ensino já estão em ndmento por este grupo: crição de um sistem multimídi sobre o gerencimento de suprimentos n construção civil e produção de vídeos didáticos que, como o nteriormente desenvolvido por este cndidto: O Gerencimento de um Edificção de Pequeno Porte (HAGA, 1995), produzido com o uxílio à inicição científic pel FAPESP, serão utilizdos no curso de grdução de Engenhri dest Universidde. 5. Bibliogrfi

8 CORRÊA, H. L.; GIANESI, I. G. Just in Time, MRPII e OPT: um enfoque estrtégico. São Pulo, Atls, FORMOSO, C. T. et l. Perds n Construção Civil: conceitos, clssificções e indicdores de controle. Téchne, n.23, p.30-33, jul/ go, FRUET, G. M. & FORMOSO, C. T. Dignóstico ds Dificulddes encontrds por Gerentes Técnicos de Empress de Construção de Pequeno Porte. In: II Seminário Qulidde n Construção Civil - Gestão e Tecnologi. Anis p Porto Alegre: Nórie/UFRGS, Jun, HAGA, H. C. R. Estudo do Gerencimento de um Edificção de Pequeno Porte: produção de um vídeo didático. In: XXIV COBENGE - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO DE ENGENHARIA. Anis. Mnus, Fculdde de Tecnologi d Universidde do Amzons, ISSATO, Edurdo L. Projeto de um Sistem de Avlição de Fornecedores de Mteriis de Construção. In: 2º CONGRESSO INTERNACIONAL DE ENGENHARIA INDUSTRIAL, 16º ENEGEP - ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Anis em CD-ROM. Pircicb, UNIMEP, LEITÃO, E. S. & OLIVEIRA, J. I. R. Anlisndo Formulção d Estrtégi de Produção de Pequens e Micro Empress de Construção. Porto Alegre: NORIE/UFRGS, Dez/1995. PICCHI, F. A. Sistems d Qulidde: uso em empress de construção de edifícios. São Pulo, (Tese de Doutordo), Escol Politécnic, USP, ROSSETO, Crlos R. A competitividde Orgnizcionl trvés de Redes Estrtégics: um Estudo Explortório em Empress de Construção Civil. In: 2º CONGRESSO INTERNACIONAL DE ENGENHARIA INDUSTRIAL, 16º ENEGEP - ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Anis em CD-ROM. Pircicb, UNIMEP, SCHWEDER, Gilberto R. A Contrtção do Gerencimento n Construção Civil: um bordgem sistemátic. São Pulo, (Dissertção de Mestrdo), Escol Politécnic -USP, 1993 SILVA, M. A. C. As Estrtégis Competitivs n Indústri de Construção Civil. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUIDO. Anis, Vol.I, p Rio de Jneiro, UFRJ/ANTAC, nov/1995. VALLE, Rogério. Tecnologi, Estrtégi, Cultur Técnic: três dimensões pr Modernizção d Indústri Brsileir. In: SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR - MODELOS DE ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL E TRABALHO. Anis, VIEIRA, Netto A. Construção Civil & Produtividde: Gnhe pontos contr o desperdício. São Pulo, PINI, 1993.

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Plano de Gestão 2012-2015

Plano de Gestão 2012-2015 Plno de Gestão 202-205 - Cmpus UFV - Florestl - Grdução Missão: Promover polítics de incentivo à pesquis, pós-grdução, inicição científic e cpcitção de recursos humnos, objetivndo excelênci do Cmpus Florestl

Leia mais

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80)

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80) MSc. Pulo Cesr C. Rodrigues pulo.rodrigues@usc.br www.pulorodrigues.pro.br Mestre em Engenhri de Produção MRP Mteril Required Plnning (nos 60) Mnufcturing Resource Plnning (nos 80) MRP = Mteril Requirement

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MISSÃO DO CURSO O Curso Superior de Tecnologi em Automção Industril do Centro Universitário Estácio Rdil de São Pulo tem

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras Gerencimento de Aquisições em Projetos de Obrs Frhd Abdollhyn, MSc., PMP MSP & PRINCE2 Prctitioner frhd@uol.com.br Ptrocindores: Relizção: Frhd Abdollhyn, PMP PRINCE2 Prctitioner Cyrus Associdos Apoio

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC GAE/ 04 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguçu Prná - Brsil GRUPO VI GRUPO DE ASPECTOS EMPRESARIAIS (GAE) REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO Prof. Crlos Rul Borenstein,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: Comercilizr e Vender (10.º Ano) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Mri do Crmo Mendes Ano Letivo 2013/2014 Competêncis Geris

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: ETEC ANHANQUERA Município: Sntn de Prníb Áre de Conhecimento: : Proteção e Prevenção Componente Curriculr: LNR Legislção e Norms Regulmentodors

Leia mais

TÍTULO: MANAGEMENT ACCOUNTING: UMA FERRAMENTA NO DESENVOLVIMENTO GLOBAL DE UMA ORGANIZAÇÃO

TÍTULO: MANAGEMENT ACCOUNTING: UMA FERRAMENTA NO DESENVOLVIMENTO GLOBAL DE UMA ORGANIZAÇÃO TÍTULO: MANAGEMENT ACCOUNTING: UMA FERRAMENTA NO DESENVOLVIMENTO GLOBAL DE UMA ORGANIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO Objetivo 1: Grntir prioridde técnic, polític e finnceir pr ções de enfrentmento do HIV/DST voltds

Leia mais

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem*

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem* Educção Ambientl n Comunid Escolr no Entorno do Prque Nturl Municipl do Prgem* 1 ALMEIDA, Grciel Gonçlves ; ARENDT, Krine Sles; LIRA, Elinlv Silv ; MACEDO, Gbriel Zcris; VIEIRA, An Pul. Plvrs-chve: Meio

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ESOLA SEUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE ARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015-2016 [Escrev texto] Págin 0 B I B L I O T E A E S O L A R PLANO ANUAL DE TRABALHO/ATIVIDADES A urrículo, litercis

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa.

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa. Av. Fernndo Ferrri, 514 Vitóri ES CEP: 29.075-910 Cmpus de Goibeirs Tel/Fx: +55 (27) 4009-7657 E-mil: ppghis.ufes@hotmil.com http://www.histori.ufes.br/ppghis EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS A ALUNO ESPECIAL

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Hbilitção Profissionl: Técnic de nível médio de Auxilir de Contbilidde

Leia mais

Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008

Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008 Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008 Agend Enqudrmento Modelos de gestão estuddos Algums evidencis Impcte de cd modelo de Governânci do Aeroporto FSC 2 Deloitte Consultores,

Leia mais

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação!

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação! O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! Dr() Pesso O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! ORIGEM DO CONCEITO Apesr dos tempos contenção, há de muits empress estão disposts vlorizr

Leia mais

Hydraulics. Unidades Hidráulicas CATÁLOGO 2600-500/NA BR AGOSTO 1996

Hydraulics. Unidades Hidráulicas CATÁLOGO 2600-500/NA BR AGOSTO 1996 Hydrulics Uniddes Hidráulics CATÁLOGO 2600-500/NR AGOSTO 1996 Grnti Certificção Termo de grnti A Prker Hnnifin Ind. e Com. Ltd, Divisão Hidráulic, dorvnte denomind simplesmente Prker, grnte os seus produtos

Leia mais

MARCELO ROCHA MARTINS AS LICITAÇÕES PÚBLICAS DA SABESP NA UNIDADE DE NEGÓCIOS DO ALTO PARANAPANEMA E A PARTICIPAÇÃO DOS FORNECEDORES DA REGIÃO

MARCELO ROCHA MARTINS AS LICITAÇÕES PÚBLICAS DA SABESP NA UNIDADE DE NEGÓCIOS DO ALTO PARANAPANEMA E A PARTICIPAÇÃO DOS FORNECEDORES DA REGIÃO UNVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE GESTÃO E ECONOMIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL MARCELO ROCHA MARTINS AS LICITAÇÕES PÚBLICAS DA

Leia mais

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015 Editl de Processo Seletivo Nº 21/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL NO ESTADO DO PIAUÍ, SENAC-PI, no uso de sus tribuições regimentis, torn público que estão berts

Leia mais

Autor: Carlos Otávio Schocair Mendes

Autor: Carlos Otávio Schocair Mendes Plno de Implntção do no Centro Federl de Educção Tecnológic Celso Suckow d Fonsec CEFET- RJ 1 Autor: Crlos Otávio Schocir Mendes O objetivo desse trblho é fornecer subsídios pr implntção no no CEFET- RJ.

Leia mais

NOVAS FORMAS DE NEGÓCIOS NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA - DIRECT SHIPMENT

NOVAS FORMAS DE NEGÓCIOS NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA - DIRECT SHIPMENT NOVAS FORMAS DE NEGÓCIOS NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA - DIRECT SHIPMENT Eng. Mário Eugênio Longto Universidde Pulist - São Pulo SP Dr. João Pulo Alves Fusco Universidde Pulist São Pulo SP Dr Antonio Roberto

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

Plano Estratégico Modelo de Execução da Estratégia

Plano Estratégico Modelo de Execução da Estratégia Plno Estrtégico Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 1 ÍNDICE 1 Enqudrmento... 3 2 Modelo de Execução d Estrtégi... 5 2.1 Definir estrtégi... 5 2.1.1 Missão... 6 2.1.2 Visão... 6 2.1.3 Atribuições

Leia mais

Rubel, inspirando as pessoas a viverem melhor 1

Rubel, inspirando as pessoas a viverem melhor 1 Rubel, inspirndo s pessos viverem melhor 1 Willim Gbriel Romeo CARRATE 2 Anne Croline Amrl ANDRADE 3 Glucy Stel Cndido TAVARES 4 Fculdde Pulus de Tecnologi e Comunicção, São Pulo, SP RESUMO O plnejmento

Leia mais

André Luís Almeida Bastos (FURB) abastos@furb.br

André Luís Almeida Bastos (FURB) abastos@furb.br XXVI ENEGEP - Fortlez, CE, Brsil, 9 11 de Outubro de 006 FMEA (Filure Mode nd Effect Anlysis) Como Ferrment de Prevenção d Qulidde em Produtos e Processos Um Avlição d Aplicção em um Processo Produtivo

Leia mais

O PERFIL DO PROFISSIONAL ATUANTE EM ENGENHARIA CLÍNICA NO BRASIL

O PERFIL DO PROFISSIONAL ATUANTE EM ENGENHARIA CLÍNICA NO BRASIL XXIV Congresso Brsileiro de Engenhri Biomédic CBEB 2014 O PERFIL DO PROFISSIONAL ATUANTE EM ENGENHARIA CLÍNICA NO BRASIL A. F. Souz*, R. F. More* *ABEClin, São Pulo, Brsil e-mil: lexndre.ferreli@beclin.org.br

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA

ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA NOTA TÉCNICA 07 2013 ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA E SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE DA ATENÇÃO BÁSICA - SISAB Brsíli, 19 de bril de 2013 (tulizd em julho de 2013 com Portri nº 1.412, de 10 de julho de

Leia mais

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de ANEXO II EDITAL Nº 04/2014 2 º PRORROGAÇÃO PARA VAGAS REMANESCENTES QUADRO DE VAGAS REMANESCENTES PARA O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE PROFESSORES PESQUISADORES FORMADORES ÁREA DA PESQUISA EMENTA EIXO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA CAPÃO REDONDO Ru Lubvitch, 64 01123010 Bom Retiro São Pulo SP Tel/Fx: 11 3361 4976 www.poiesis.org.br TRIluminção Técnic ArenCPR ÍNDICE DO TERMO

Leia mais

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Oportunidde de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Mio/2007 1 OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FICHA BÁSICA SEGMENTO: Prestção de Serviço Conversão de motores utomotivos (GNV) DESCRIÇÃO: Oficin pr montgem de Kit

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO LOGÍSTICO DA CADEIA BRASILEIRA DE SUPRIMENTOS DE REFRIGERANTES

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO LOGÍSTICO DA CADEIA BRASILEIRA DE SUPRIMENTOS DE REFRIGERANTES AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO LOGÍSTICO DA CADEIA BRASILEIRA DE SUPRIMENTOS DE REFRIGERANTES Smuel Vieir Conceição Ronn Torres Quintão Deprtmento de Engenhri de Produção, Universidde Federl de Mins Geris, Avenid

Leia mais

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do Reltório de tividdes Abril / 2011 Jneiro / 2014 A d UFG/CAC está vinculd à direção do Câmpus e, posteriormente, o Setor de Convênios e Contrtos do Gbinete d Reitori. Tem como função intermedir s relções

Leia mais

É assim que se faz PLANEJAMENTO DE OBRAS. Novos métodos e ferramentas de controle de obras ajudam empresas a melhorar a performance

É assim que se faz PLANEJAMENTO DE OBRAS. Novos métodos e ferramentas de controle de obras ajudam empresas a melhorar a performance PLANEJAMENTO DE OBRAS É ssim que se fz SÉRGIO COLOTTO Novos métodos e ferrments de controle de obrs judm empress melhorr performnce Reportgem Mriuz Rodrigues 38 Construção Mercdo n o 12 julho 2002 O plnejmento

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Pró-Reitoria de Recursos Humanos EDITAL Nº. 01/2014 - PRORH/CCDP VAGAS EM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO

Pró-Reitoria de Recursos Humanos EDITAL Nº. 01/2014 - PRORH/CCDP VAGAS EM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO Pró-Reitori de Recursos Humnos EDITAL Nº. 01/2014 - PRORH/CCDP VAGAS EM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO A Pró-Reitori de Recursos Humnos d Universidde Federl de Juiz de For, no uso de sus tribuições e, em cumprimento

Leia mais

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR A PROGRAMA PRELIMINAR ALTO PATROCÍNIO ECONOMIA DIPLOMACIA AMBIENTE CIDE ANFITRIÃ PATROCÍNIOS ORGANIZAÇÃO ENQUADRAMENTO Portugl pltform intercontinentl e polo de inovção Portugl tem de conseguir cpitlizr

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE: APLICAÇÃO DA FERRAMENTA 5W2H COMO PLANO DE AÇÃO PARA PROJETO DE ABERTURA DE UMA EMPRESA

GESTÃO DA QUALIDADE: APLICAÇÃO DA FERRAMENTA 5W2H COMO PLANO DE AÇÃO PARA PROJETO DE ABERTURA DE UMA EMPRESA GESTÃO DA QUALIDADE: APLICAÇÃO DA FERRAMENTA 5W2H COMO PLANO DE AÇÃO PARA PROJETO DE ABERTURA DE UMA EMPRESA Alisson O. d Silv (FAHOR) s000699@fhor.com.br Lucs Rortto (FAHOR) lr000807@fhor.com.br Mrcos

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA

CONTABILIDADE ANALÍTICA CONTABILIDADE ANALÍTICA Cpítulo Cpítulo 1. COMPONENTES DO CUSTO DE PRODUÇÃO MATÉRIAS (bens dquiridos pr trnsformção): Prims: quels que são trnsformdos noutros produtos Subsidiáris: quels que poim trnsformção

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA PROPOSTA DO GOVERNO / Prtidos d Bse PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO do Governo (Mensgem Retifictiv) E / OU ATEMPA / SIMPA Vo t ç ão TEXTO DO CONGRESSO Diverss estrtégis pr tingir s mets Emend 1- exclui

Leia mais

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água Divisão de Plnemento Ambientl e Proteção Civil Di 1 de Outubro Di Ncionl d Águ entre 2 mil e 8 mil milhões de pessos té Águ 2050, num momento em que meç do Aquecimento Globl d Terr é um A águ é essencil

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

EDITAL Nº 006/2012 SELEÇÃO DE PESSOAL

EDITAL Nº 006/2012 SELEÇÃO DE PESSOAL EDITAL Nº 006/2012 SELEÇÃO DE PESSOAL O Serviço Socil do Comércio Administrção Regionl no Distrito Federl SESC/DF, instituição privd inscrit no CNPJ 03.288.908/0001-30, por meio d su Divisão de Administrção

Leia mais

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove Aem n S Informe Icesp Semnl Ano IV nº 49 11/04/2014 Vem í, novo curso no Icesp/Promove A prtir do segundo semestre de 2014, o ICESP Promove de Brsíli brirá inscrições pr o curso de Tecnologi em Construção

Leia mais

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010.

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010. DECRETO Nº 27631 de 22 de bril de 2010. Regulment Períci Médic e Ocupcionl dos servidores municipis d Prefeitur de Gurulhos. SEBASTIÃO DE ALMEIDA, PREFEITO DA CIDADE DE GUARULHOS, no uso de sus tribuições

Leia mais

Educação integral/educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira

Educação integral/educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira Educção integrl/educção integrd e(m) tempo integrl: concepções e prátics n educção brsileir Mpemento ds experiêncis de jornd escolr mplid no Brsil UFPR UNB UNIRIO UFRJ UERJ UFMG ULBRA Educção integrl/educção

Leia mais

INSTITUIÇÕES E ORGANIZAÇÕES W. Richard Scott

INSTITUIÇÕES E ORGANIZAÇÕES W. Richard Scott Teori Institucionl Definição Ampl ds Os Três Pilres ds INSTITUIÇÕES E ORGANIZAÇÕES W. Richrd Scott Escols Institucionis: Principis Diferençs Ênfse vriável Suporte vriável Nível de Análise vriável TEORIA

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

Escola SENAI Theobaldo De Nigris

Escola SENAI Theobaldo De Nigris Escol SENAI Theobldo De Nigris Conteúdos borddos nos cursos de Preservção 2011 1) CURSO ASSISTENTE DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA (362h) I Étic e históri n conservção (72h): 1. Étic e históri d Conservção/Resturo

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Proteja o que tem de mais valioso, o resultado das suas ideias! Procure o Gabinete de Apoio Técnico do +Valor PME

Proteja o que tem de mais valioso, o resultado das suas ideias! Procure o Gabinete de Apoio Técnico do +Valor PME Protej o que tem de mis vlioso, o resultdo ds sus ideis! www.misvlorpme.pt VlorPME APOIAR, DIFUNDIR E ORGANIZAR A PROPRIEDADE INDUSTRIAL + futuro + inovção + proteção + competitividde + vlor www.misvlorpme.pt

Leia mais

SIMULAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA UTILIZANDO TEORIA DE JOGOS E AGENTES INTELIGENTES ESTUDOS DE CASO

SIMULAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA UTILIZANDO TEORIA DE JOGOS E AGENTES INTELIGENTES ESTUDOS DE CASO SIMULAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA UTILIZANDO TEORIA DE JOGOS E ENTES INTELIGENTES ESTUDOS DE CASO SILVA, P S, NEPOMUCENO, L Lbortório de Estudos Econômicos em Sistems de Potênci - LEESP UNESP / FE / DEE

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

POSSIBILIDADES DE CONTRIBUIÇÃO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO À ENGENHARIA DE TRANSPORTE NA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS DA MOBILIDADE URBANA

POSSIBILIDADES DE CONTRIBUIÇÃO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO À ENGENHARIA DE TRANSPORTE NA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS DA MOBILIDADE URBANA POSSIBILIDADES DE CONTRIBUIÇÃO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO À ENGENHARIA DE TRANSPORTE NA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS DA MOBILIDADE URBANA Helcio Rymundo (UNIP) helcioru@uol.com.br Joo Gilberto Mendes dos Reis (UNIP)

Leia mais

PAULA et al. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 2. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 3

PAULA et al. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 2. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 3 PAULA et l. 133 ANÁLISE COMPARATIVA DA DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DOS SEGMENTOS DE CALÇADOS E ALIMENTOS DIVERSOS Amnd de Pul 1 Myr Nkok 2 Adlberto Rmon Vlderrm Gerbsi 3 Isbel Cristin Gozer 4 PAULA,

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO RESIDENCIAL EM PEQUENOS NÚCLEOS URBANOS - O CASO DE GRAVATÁ/PE - SUBSÍDIOS PARA A ATUAÇÃO UNIVERSITÁRIA.

INDUSTRIALIZAÇÃO RESIDENCIAL EM PEQUENOS NÚCLEOS URBANOS - O CASO DE GRAVATÁ/PE - SUBSÍDIOS PARA A ATUAÇÃO UNIVERSITÁRIA. INDUSTRIALIZAÇÃO RESIDENCIAL EM PEQUENOS NÚCLEOS URBANOS - O CASO DE GRAVATÁ/PE - SUBSÍDIOS PARA A ATUAÇÃO UNIVERSITÁRIA. Prof. Antonio Nunes Brbos Filho Mário Rodrigo Acioli dos Sntos Sul de Sntn Mendonç

Leia mais

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA Acdêmicos: Adenilton Sntos Moreir 123 RESUMO Este rtigo present um projeto de foss biodigestor, que será executdo pelo utor do mesmo, su principl finlidde é

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais