Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações"

Transcrição

1 Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Este tutorial apresenta o modelo TMN (Telecommunications Management Network) para gerenciamento de redes de Telecomunicações criado pelo ITU-T (International Telecommunications Union Telecomunications). O modelo TMN é o padrão de gerenciamento mais utilizado pelas ferramentas disponíveis no mercado para redes de telecomunicações. Serão apresentados as áreas funcionais de gerenciamento, os níveis de gerenciamento e a arquitetura TMN para implantação em uma rede. Esdras de Oliveira Eler É Professor da Faculdade de Tecnologia INED (Belo Horizonte, MG). É também Engenheiro Eletrônico e de Telecomunicações pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerias (PucMinas, 2004) e Especialista em Gestão de Negócios pelo Ibmec-MG (2006). Atuou durante 4 anos no Centro de Gerência de Redes da Telemar-MG (CGR-MG) e durante 5 anos como Gerente de Implantação de serviços de Telecomunicações para o mercado corporativo da Embratel em Minas Gerais. Atualmente é coordenador de projetos de Serviço de Valor Agregado (SVA) para Telefonia Celular e Professor do curso de Redes de Computadores da Faculdade de Tecnologia Ined em Belo Horizonte, MG. Categoria: Operação e Gestão Nível: Intermediário Enfoque: Técnico Duração: 20 minutos Publicado em: 21/01/2008 1

2 Modelo TMN: Introdução Uma rede de computadores necessita ser monitorada para aumentar a produtividade e a eficiência do sistema, a fim de evitar que possíveis falhas ou interrupções possam afetar o core business de uma organização. Existem várias ferramentas disponíveis no mercado que permitem o gerenciamento de redes locais, analisando o tráfego da rede e o status de todos os equipamentos nela instalados. São exemplos de ferramentas gratuitas disponíveis o MRTG e Nagios. Da mesma forma, um sistema de telecomunicações precisa ser gerenciado. Centrais telefônicas, equipamentos SDH, roteadores, sistema de rádio enlace, etc. necessitam de monitoramento com o objetivo de alcançar os requisitos de desempenho operacional e de qualidade de serviço, que muitas vezes estão especificados em contratos através de um SLA (Service Level Agreemment). Por sua vez, um sistema de gerenciamento de redes de computadores ou de telecomunicações, não se resume apenas à tecnologia capaz de colher dados dos vários recursos da rede. Ela está relacionada também a transformação destes dados em conhecimento e a transformação do conhecimento em ações, que podem ser corretivas ou pró-ativas. Por exemplo, ao detectar uma situação de congestionamento em uma rede devemos buscar alternativas para solucionar o problema (ações) como aumentar os recursos da rede ou diminuir a carga (tráfego). Assim quando se fala em gerenciamento de sistemas, estamos nos referindo também ao gerenciamento e coordenação das ações humanas que são realizadas a fim de alcançar os objetivos propostos, o gerenciamento dos recursos físicos nela instalados, entre outras funções. E para realizar este gerenciamento, normalmente existe implantado nas empresas prestadoras de serviços de Telecomunicações, Internet ou TI, um centro de operações de gerenciamento denominado CGR (Centro de Gerência de Rede) ou NOC (Network Operation Center) que é responsável por centralizar as ações de gerenciamento da rede, utilizando ferramentas de gerência que podem ser proprietárias ou padronizadas. Uma solução de gerência proprietária apresenta interfaces e protocolos que são utilizados somente por aquele fabricante em específico e são incompatíveis com sistemas de outros fabricantes. O cenário atual das redes de telecomunicações apresenta equipamentos de diferentes tecnologias e diferentes fabricantes que muitas vezes atuam isoladamente em uma rede. Fica fácil observar que quando são utilizas soluções proprietárias e existem vários sistemas de diferentes fabricantes instalados é necessário implantar vários sistemas de gerência em uma mesma rede. O grande impacto gerado por está situação é, com certeza, o aumento do custo de implantação e manutenção desses sistemas de gerência, contradizendo com o objetivo inicial que é a redução dos custos de manutenção e das perdas geradas pelas possíveis interrupções de uma rede, ao detectar com antecedência os problemas e reduzir o tempo de manutenção. Soma-se a este problema principal, outras conseqüências não desejadas como base de dados redundantes e inconsistentes, gerenciamento isolado e ineficiente, presença de múltiplas interfaces no centro de gerência, necessidade de treinamento em várias interfaces para área técnica, entre outras. 2

3 Figura 1: NOC utilizando ferramentas de gerenciamento proprietárias. Para resolver este problema, surgem as ferramentas que seguem normas padronizadas por algum modelo de gerenciamento com o objetivo de resolver os problemas citados anteriormente. Através desses sistemas é possível gerenciar equipamentos de vários fabricantes e várias tecnologias através de uma única ferramenta, pois todos os equipamentos seguirão o padrão proposto, permitindo assim a integração das informações de gerência. Como exemplos desses padrões, podemos citar o Modelo OSI de gerenciamento, Modelo SNMP e Modelo TMN. O Modelo TMN é o modelo desenvolvido pela ITU-T (International Telecommunications Union Telecomunications) para padronizar as informações de gerência de uma rede de telecomunicações. Veremos a seguir detalhes deste modelo e uma introdução sobre o Modelo SNMP e o Modelo OSI. Figura 2: NOC utilizando ferramentas de gerenciamento padronizadas. 3

4 Modelo TMN: SNMP x OSI Existem dois modelos comumente utilizados para gerenciamento de redes de computadores atualmente: o modelo SNMP e o Modelo OSI. O modelo SNMP (Simple Network Management Protocol) foi o primeiro modelo não proprietário desenvolvido pelo IETF (Internet Engineering Task Force) apresentando facilidade de implementação e possibilitando o gerenciamento de sistemas heterogêneos. Consiste em um esquema centralizado de gerência baseado num modelo Agente/Gerente, utilizando o protocolo de gerenciamento SNMP. Desde o lançamento da primeira versão na década de 80, o SNMP mantém-se como um protocolo simples e eficaz de gerenciamento e é amplamente utilizado no gerenciamento de sistema da Internet, por isso este modelo também é denominado de Modelo da Internet de Gerenciamento. O modelo SNMP, e a maior parte dos sistemas de gerenciamento disponíveis, é baseado no modelo Agente/Gerente, que normalmente é formado pelos seguintes elementos: Agente: É um programa que é executado nos elementos que serão gerenciados. Tem como função responder as solicitações vindas do Gerente e gerar mensagens a cada alteração de status de um determinado objeto; Gerente: É um programa que é executado em um elemento de rede que realiza a interface entre o usuário final é os o sistema de gerenciamento, ou seja, realiza a conversão das solicitações do usuário em ações que serão executadas na rede; Protocolo de Gerenciamento: É o protocolo que normaliza a troca de informações entre um gerente e um agente. É o elemento principal de uma rede de gerenciamento. Esta troca de informações pode acontecer de duas formas: Interações comando/resposta do Gerente para o Agente (o Gerente faz uma solicitação e o Agente responde) e apenas envio de informações do Agente para o Gerente sem a solicitação prévia (também conhecido como mensagens do tipo TRAP); MIB: Por último, a MIB é uma base de dados localizada no Agente que contém as informações e a estrutura dos objetos que podem ser gerenciados pelo Gerente. Esses objetos a serem gerenciados podem ser, por exemplo, uma interface serial ou uma Fonte em um roteador. Com o desenvolvimento e o crescimento das redes, surgiu a necessidade de criação de protocolos mais complexos para realizar o gerenciamento de redes de mais robustas, que até então não poderiam ser atendidos pelo SNMP. O SNMP na sua versão inicial (SNMPv1) possuía algumas limitações, como por exemplo, problemas de segurança, ineficiência de aquisição de grandes quantidades de informações de gerência e era baseado somente em redes TCP/IP. Nesse contexto, surgiram duas novas versões do protocolo SNMP e um novo modelo de gerenciamento, desenvolvido pela ISO (Internation Organization for Standardization), o modelo OSI de gerenciamento. O SNMPv2 apresentou principalmente a possibilidade de gerenciar redes não baseadas em TCP/IP e o SNMPv3, lançado em Abril de 1999 e atualizado em Dezembro de 2002 (RFC 3410) resolveu problemas de segurança das versões anteriores. Em paralelo ao desenvolvimento do protocolo SNMP, o modelo OSI de gerenciamento também é baseado no modelo Agente/Gerente e utiliza o protocolo CMIP (Common Management Information Protocol), que é 4

5 um protocolo mais complexo e robusto se comparado ao SNMP. Comparando os dois modelos, podemos levantar as seguintes características principais de cada um deles: Tabela 1: Modelo SNMP x Modelo OSI. Quesito Modelo SNMP Modelo OSI Complexidade Simples Complexa Tipos de Redes em que é implantado Padrão de Gerenciamento de Redes Redes mais simples Internet Redes mais complexas Base do Modelo TMN Utilização Amplamente utilizado Pouca utilização Transporte Não orientado a conexão (utiliza o UDP) Orientado a conexão Arquitetura Modelo Agente Gerente Modelo Agente Gerente Operação Comando/Resposta e Trap Comando/Resposta e Trap Os dois modelos vistos até aqui, não podem ser utilizados diretamente em redes de Telecomunicações, por um motivo bem simples: as redes de Telecomunicações não estão preparadas para tráfego de gerenciamento. As redes de computadores permitem através da arquitetura TCP/IP, por exemplo, transportar facilmente os protocolos SNMP e CMIP, que atuam na camada de aplicação do modelo OSI em paralelo com o transporte de outras aplicações. Uma central telefônica, por exemplo, não está preparada para tráfego IP e consequentemente, não está preparada para tráfego de gerenciamento (a não ser as centrais telefônicas VOIP, mais recentes). Assim, surge o modelo TMN, padrão de gerenciamento de redes de telecomunicações. Como veremos a seguir, o modelo TMN segue algumas normas definidas pelo modelo OSI. 5

6 Modelo TMN: Rede de Telecomunicações Uma rede de telecomunicação pode ser apresentada sendo constituída de rede principal, redes de acesso e de equipamentos terminais conforme figura 3. Figura 3: Partes principais de uma Rede de Telecomunicações. A Rede principal é formada pelos equipamentos centrais, do núcleo da rede, normalmente presentes nas empresas prestadoras de serviço de Telecomunicações. Por exemplo, em uma rede de telefonia, a rede principal é formada por todas as centrais telefônicas (por exemplo, as CPA s Centrais de Processamento Armazenado) e os sistemas e meios de transmissão necessários para interligar esses equipamentos. As Redes de Acessos são formadas por todos os meios de transmissão que interligam a rede principal e o usuário final representado pelos equipamentos principais. Fazem parte deste item, as linhas ISDN, ADSL, Sistemas Wireless, Linhas Telefônicas, Sistemas PLC, etc. Por fim, os Equipamentos Terminais realizam a interface final entre o usuário e o sistema de telecomunicações responsável pela prestação do serviço. Como exemplos, fazem parte deste item o Telefone, um modem de acesso, um computador, etc. Nenhum desses elementos está preparado para o transporte de informações de gerência de rede, apenas para realizar a função de transporte de tráfego de Telecomunicações. Assim, para implantar uma gerência de redes de telecomunicações torna-se necessário implementar uma rede de gerência à parte da rede principal de telecomunicações e definir as interfaces para acesso a essa rede. O padrão TMN define como realizar a implantação e manutenção de forma padronizada dessa rede de Gerência paralela. Ele é baseado em interfaces padronizadas (Q, F, X, M, G) para permitir o acesso às redes de telecomunicações que incluem a definição de Protocolos e a sintaxe e semântica da informação tratada entre os componentes. Veremos a seguir a função e a definição de cada uma dessas interfaces. 6

7 Figura 4: Implantação de Rede de Gerência em Redes de Telecomunicações. O fato do modelo TMN definir interfaces padronizadas permite a integração de diferentes fabricantes, tecnologias, áreas funcionais e níveis de gerenciamento. Os níveis de gerenciamento e áreas funcionais foram definidos pelo Modelo OSI de gerenciamento e seguidos pelo Modelo TMN. 7

8 Modelo TMN: Áreas Funcionais e Níveis de Gerência Podemos relacionar cinco áreas funcionais de gerenciamento presentes no modelo de gerenciamento TMN. Estas áreas funcionais foram desenvolvidas pelo IOS e estão presentes no modelo OSI de gerenciamento e são seguidas pelo modelo TMN. A função destas áreas funcionais é definir o que deve ser monitorado em uma rede e qual a profundidade do gerenciamento a ser executado em cada área. São elas: Gerenciamento de Falhas: Tem a função de monitorar os estados dos recursos verificando em qual ponto da rede e quando uma falha ou um erro pode ocorrer. Uma falha é uma condição anormal persistente que requer uma ação de reparo imediata. Ex. Interrupção em um link de comunicação. Um erro é uma condição anormal ocasional que pode ser corrigida ou compensada. Ex. Erro de bits ou falha de sincronismo em um link de comunicação. Faz parte do gerenciamento de falhas isolar o ponto da falha, buscar soluções alternativas até a solução do problema com o objetivo de reduzir o impacto no sistema como um todo, e por fim, reparar a falha e retornar a situação inicial; Gerenciamento de Contabilidade: Tem a função de contabilização e verificação de limites de utilização de recursos da rede, com a divisão de contas feita por usuários ou grupos de usuários, podendo inclusive permitir a cobrança diferenciada por tráfego e utilização dos recursos da rede; Gerenciamento de Configuração: Uma rede de computadores ou de telecomunicações está em constante mudança, ou seja, novos equipamentos são retirados ou adicionados à rede a todo o momento. O gerenciamento de configuração permite manter atualizadas as informações de hardware e software de uma rede, incluindo as informações de configurações de todos os equipamentos. Como resultado, por exemplo, é possível reduzir o tempo de substituição de um equipamento defeituoso se existir um backup de configuração desse equipamento; Gerenciamento de Desempenho: É a partir da gerência de desempenho que é possível realizar o planejamento das atividades futuras em uma rede de computadores, cobrar soluções para problemas recorrentes de fornecedores e garantir o cumprimento do SLA, emissão de relatórios sobre o desempenho da rede para demonstração do impacto das interrupções no negócio da empresa, etc. A meta do gerenciamento de desempenho é quantificar, medir, informar, analisar e controlar o desempenho de diferentes componentes da rede; Gerenciamento de Segurança: É responsável pela proteção dos elementos da rede, monitorando e detectando violações da política de segurança estabelecida. Assim, a meta do gerenciamento de segurança é controlar o acesso aos recursos da rede. Figura 5: Áreas de Gerenciamento. Também é muito importante conhecer os níveis de gerenciamento que uma solução de gerenciamento pode 8

9 alcançar. Especificado pelo IOS e presente no modelo OSI e TMN, os níveis de gerenciamento têm a função de definir como será realizada a integração do gerenciamento da rede. Cada nível possui um conjunto de requisitos de gerenciamento que determinam o nível de gerenciamento desejado para a rede. O gerenciamento implantado em uma rede pode atuar e em todos os níveis ou em alguns apenas. São eles: Elemento de Rede: É a base da pirâmide de gerenciamento é corresponde aos componentes da rede de computadores ou telecomunicações que necessitam ser gerenciados, e que possuem funções de gerenciamento. Ex. Roteadores, Mux SDH, etc; Gerência de Elemento de Rede: Neste nível de gerenciamento é possível realizar o gerenciamento dos elementos da rede definidos no nível anterior de forma individual. Ex. configuração de dispositivos, verificação de falhas individuais, etc; Gerência de Rede: É a primeira camada que relaciona os elementos de rede para realizar uma função de gerenciamento. Nesse nível de gerenciamento, as ferramentas de gerenciamento realizam o monitoramento dos elementos de rede e as interligações entre estes elementos, tendo uma cisão integrada da rede; Gerência de Serviços: Composta por sistemas destinados à operação, administração e manutenção de serviços, abrangendo cadastro de usuários, relacionamento com usuários, aprovisionamento e manutenção de serviços, informações de faturamento, dentre outros. É através do gerenciamento no nível de serviço que é possível, por exemplo, assegurar que um SLA está sendo cumprido; Gerência de Negócios: A gerência de negócio trata das questões relativas às finanças, aos interesses dos acionistas, dos clientes, dos empregados e da sociedade, ou seja, trata da visão estratégica da empresa e o relacionamento com a área de TI. A maior parte das empresas vêm a área de TI ou de Telecomunicações como gastos desnecessários, por isso é importante demonstrar a importância da área de TI e do Gerenciamento para a empresa. Infelizmente, pouquíssimas soluções de gerenciamento implementam o gerenciamento no seu nível mais elevado, o nível de negócios. Figura 6: Níveis de Gerenciamento. Poucas implementações no mercado atualmente que seguem o modelo TMN, realizam o gerenciamento de serviço e de negócio. Este fato impede uma adoção maior deste modelo de gerenciamento e redes de telecomunicações. 9

10 Modelo TMN: Arquitetura O modelo TMN está estruturado em três arquiteturas básicas que podem ser trabalhadas separadamente quando da implantação de um sistema de gerenciamento. Essas arquiteturas são apresentadas a seguir. Arquitetura Informacional ou de Informação O modelo de informação TMN tem por objetivo estruturar e representar as informações de gerência trocadas entre gerente e agente através de um protocolo de gerência. Segue o padrão CMIS (Common Management Information Service) do modelo OSI é um serviço totalmente orientado a conexão. A padronização das informações de gerência está relacionado à definição da sintaxe e semântica das informações e a visão de gerência dos recursos gerenciados. O modelo TMN não define um protocolo único para a troca de informações entre Gerente e Agente. Cada interface definida na arquitetura física (que veremos a seguir) pode utilizar um determinado protocolo de gerência. O protocolo CMIP, definido pelo modelo OSI, é o protocolo que normalmente é utilizado pela interface Q3. Arquitetura Funcional O modelo funcional TMN tem como objetivo definir quais serão e qual a função dos objetos implantados na rede de gerência TMN. É baseada em blocos funcionais, que fornecem as funções gerais que possibilitam a uma TMN executar os procedimentos de gerenciamento. Os blocos funcionais definidos nessa arquitetura são: Sistema de Suporte a Operação (OSF): é responsável pelo controle da Gerência das redes (Função de Gerente). Processa as informações relacionadas ao gerenciamento de telecomunicações com o objetivo de monitorar, coordenar e controlar as funções de Telecomunicações; Elemento de Rede (NEF): comunica-se com a TMN para ser monitorado e/ou controlado, provendo as funções de telecomunicações e de suporte que são requeridas pela rede de telecomunicações e funções de gerência requeridas pela rede de gerência TMN (Função de Agente); Estação de Trabalho (WSF): permite o usuário final ter acesso à plataforma de gerência TMN, ou seja, realiza a interface entre o usuário do sistema de gerência e a rede de gerenciamento; Adaptador Q (QAF): Realiza a interface com outros sistemas não padronizados com o padrão TMN; Elemento Mediador (MF): é responsável pela compatibilização da informação trocada pelos blocos funcionais OSF e NEF ou OSF e QAF, quando os mesmos não podem se comunicar diretamente entre si; Rede de Comunicação de Dados (DCN): é a rede que suporte a comunicação entre os diversos blocos funcionais definidos anteriormente. Arquitetura Física A Arquitetura Física provê meios para a implementação dos blocos funcionais definidos pela arquitetura funcional. São definidas várias interfaces que asseguram a compatibilização dos dispositivos interconectados ou blocos funcionais definidos anteriormente. São necessários protocolos de comunicação compatíveis e um método compatível de representação de dados 10

11 para as mensagens, incluindo definições genéricas de mensagens para as funções de gerenciamento da TMN. Um conjunto mínimo de protocolos a ser utilizado nas interfaces padronizadas TMN deve ser determinado. As interfaces definidas pela arquitetura física são: Interface Q: entre os blocos OSF, WSF, QAF, MF, e NEF (interfaces internas da TMN); Interface F: para a ligação de estações de trabalho (WSF); Interface X: entre os blocos OSF ou WSF de TMNs diferentes; Interface G: entre estações de trabalho (WSF) e usuários; Interface M: entre uma QAF (adaptador Q) e entidades gerenciadas não TMN. A interface Q, a mais importante, é dividida em 2 interfaces: A interface Qx e caracterizada pela interface entre Dispositivo de Mediação (MF) e os Elementos de Rede (NEF); A interface Q3 é caracterizada pela interface entre os Sistemas de Suporte as Operações (OSF) ou estações de trabalho (WSF) e os elementos da TMN que realizam interface com eles. Esta interface obrigatoriamente utiliza o protocolo de gerenciamento CMIP. Abaixo um exemplo de uma rede TMN com os seus blocos funcionais e as interfaces de conexão entre eles: Referências Figura 7: Exemplo de Blocos Funcionais e Interfaces TMN. [1] James F. Kurose and Keith W. Ross. Redes de Computadores e a Internet. Addison Wesley, 3º ed., 2006 [2] Cyclades Brasil. Guia Internet de Conectividade. Editora Senac, 7º Ed., [3] Teleco: [4] Willian Stallings. SNMP, SNMPv2 and CMIP, Don Mills: Addison Wesley, [5] Gerenciamento TMN: 11

12 Modelo TMN: Teste seu Entendimento 1. Qual das afirmativas abaixo é falsa? O protocolo SNMP é mais complexo que o protocolo CMIP que é utilizado para o gerenciamento da Internet. O SNMPv3 corrigiu problemas de segurança presentes nas duas versões iniciais desse protocolo de gerenciamento. O CMIP é um protocolo orientado a conexão enquanto que o SNMP é não orientado a conexão é utiliza o UDP na camada de transporte. O SNMP e o CMIP permitem mensagens do tipo TRAP sendo enviadas do Agente para o Gerente. 2. O gerenciamento de falhas não é responsável por: Verificar onde e quando ocorreu uma falha em uma rede. Procurar alternativas de contingência para minimizar os impactos gerados pela interrupção. Controlar o acesso aos recursos da rede. Solucionar o problema e restabelecer o funcionamento da rede. 3. A arquitetura física do modelo TMN define várias interfaces para interligação dos blocos funcionais. Qual das interfaces abaixo é utilizada para interligar uma rede TMN com redes de gerenciamento não TMN? Q3. F. G. M. 12

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos seu proprietários. A sua rede deve está rigorosamente

Leia mais

O que é Gerenciamento de Redes de Computadores? A gerência de redes de computadores consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do

O que é Gerenciamento de Redes de Computadores? A gerência de redes de computadores consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do O que é Gerenciamento de Redes de Computadores? A gerência de redes de computadores consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do hardware, software e usuários para monitorar, configurar, analisar,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Princípios de Gerência de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2011 1 / 13 Introdução Foi mostrado que uma rede de computadores consiste

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

Capítulo 9. Gerenciamento de rede

Capítulo 9. Gerenciamento de rede 1 Capítulo 9 Gerenciamento de rede 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa E-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Site: http://www.ic.uff.br/~lsousa Não deixem a matéria acumular!!! Datas

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009 Faculdade INED Unidade 2.1 Modelos de Referência Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 2 Bibliografia da disciplina Bibliografia

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, julho de 2013 Roteiro PARTE I Apresentação da Disciplina Apresentação do Professor Metodologia

Leia mais

Relatorio do trabalho pratico 2

Relatorio do trabalho pratico 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE5414 REDES I Aluno: Ramon Dutra Miranda Matricula: 07232120 Relatorio do trabalho pratico 2 O protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol - Protocolo

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência

Unidade 2.1 Modelos de Referência Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 Modelos de Referência 2 Bibliografia da disciplina

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Gerência e Administração de Redes

Gerência e Administração de Redes Gerência e Administração de Redes IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm Agenda! Apresentação da disciplina! Introdução! Tipos de Gerência! Ferramentas

Leia mais

Aula 01 Introdução ao Gerenciamento de Redes

Aula 01 Introdução ao Gerenciamento de Redes Aula 01 Introdução ao Gerenciamento de Redes Leonardo Lemes Fagundes leonardo@exatas.unisinos.br São Leopoldo, 15 de outubro de 2004 Roteiro Apresentação da disciplina Objetivos Conteúdo programático Metodologia

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 SNMPv1 Limitações do SNMPv1 Aspectos que envolvem segurança Ineficiência na recuperação de tabelas Restrito as redes IP Problemas com SMI (Structure Management Information)

Leia mais

Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento

Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Sumário Padronizações Gerência OSI Gerência TCP/IP SNMP MIB-II RMON SNMPv2 11/5/2007 Gerência

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Tecnologia em Redes de Computadores 4ª Série Gerência de Redes A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Aula 5 - Projeto de Lei 2126/11 (Marco Civil da Internet). Gerência de Redes de Computadores Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Objetivos Específicos - Entender

Leia mais

Redes de Telecomunicações. Redes de Gestão de Telecomunicações

Redes de Telecomunicações. Redes de Gestão de Telecomunicações Redes de Telecomunicações Redes de Gestão de Telecomunicações (TMN - Telecommunications Management Network) João Pires Redes de Telecomunicações 285 João Pires Redes de Telecomunicações 286 O que é o TMN?

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Gerência de Redes: Modelos de Gerência de Redes: Modelo FCAPS: Ferramentas de Gerência de Redes:

Gerência de Redes: Modelos de Gerência de Redes: Modelo FCAPS: Ferramentas de Gerência de Redes: Gerência de Redes: - Gerência de redes é o monitoramento de qualquer estrutura física e/ou lógica de uma rede. É de extrema importância esse gerenciamento para que se obtenha um bom fluxo no tráfego das

Leia mais

Como manter uma rede com qualidade de serviço? Gerência de Rede. Visão Geral da Gerência de Redes. Importância de gerência de Redes. Cont.

Como manter uma rede com qualidade de serviço? Gerência de Rede. Visão Geral da Gerência de Redes. Importância de gerência de Redes. Cont. Gerência de Rede A importância estratégica crescente das redes envolve: Aplicações indispensáveis à organização Quanto mais complexo o ambiente maior o risco de coisas erradas acontecerem. Como manter

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

Processos Técnicos - Aulas 4 e 5

Processos Técnicos - Aulas 4 e 5 Processos Técnicos - Aulas 4 e 5 Trabalho / PEM Tema: Frameworks Públicos Grupo: equipe do TCC Entrega: versão digital, 1ª semana de Abril (de 31/03 a 04/04), no e-mail do professor (rodrigues.yuri@yahoo.com.br)

Leia mais

Gerência de Redes. Arquitetura de Gerenciamento. filipe.raulino@ifrn.edu.br

Gerência de Redes. Arquitetura de Gerenciamento. filipe.raulino@ifrn.edu.br Gerência de Redes Arquitetura de Gerenciamento filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistema de Gerência Conjunto de ferramentas integradas para o monitoramento e controle. Possui uma interface única e que traz informações

Leia mais

Gerenciamento de Redes Gerenciamento OSI

Gerenciamento de Redes Gerenciamento OSI Gerenciamento de Redes Gerenciamento OSI Disciplina: Gerenciamento e Segurança de Redes Prof.: Edmar Roberto Santana de Rezende Faculdade de Engenharia de Computação Centro de Ciências Exatas, Ambientais

Leia mais

MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata.

MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata. MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata. A MIB é o conjunto dos objetos gerenciados. Basicamente são definidos três tipos de MIBs: MIB II, MIB experimental

Leia mais

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade Projeto de Redes Requisitos Funcionalidade -- A rede precisa funcionar. A rede precisa permitir que os usuários desempenhem os seus deveres profissionais. A rede precisa oferecer conectividade de usuário-para-usuário

Leia mais

ARQUITETURAS DE GERENCIAMENTO. Baseado em slides gentilmente cedidos pelo Prof. João Henrique Kleinschmidt da UFABC.

ARQUITETURAS DE GERENCIAMENTO. Baseado em slides gentilmente cedidos pelo Prof. João Henrique Kleinschmidt da UFABC. ARQUITETURAS DE GERENCIAMENTO Baseado em slides gentilmente cedidos pelo Prof. João Henrique Kleinschmidt da UFABC. Introdução 2 A gerência de redes é decomposta nas tarefas de monitoração e controle das

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Software de rede e Modelo OSI André Proto UNESP - São José do Rio Preto andre.proto@sjrp.unesp.br O que será abordado Hierarquias de protocolos (camadas) Questões de projeto relacionadas às camadas Serviços

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Tópicos Gerencia de Rede Motivação da Gerência Desafios Principais Organismos Padronizadores Modelo Amplamente Adotado As Gerências

Leia mais

Arquitetura de Redes de Computadores. Bruno Silvério Costa

Arquitetura de Redes de Computadores. Bruno Silvério Costa Arquitetura de Redes de Computadores Bruno Silvério Costa Projeto que descreve a estrutura de uma rede de computadores, apresentando as suas camadas funcionais, as interfaces e os protocolos usados para

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Unidade 3 3.1 Introdução 3.2. Definições 3.3. Motivações 3.4. Problemas 3.5. Desafios 3.6. Padronização e Arquitetura 3.7. Gerência

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Gerenciamento de Redes Prof. Thiago Dutra Agenda n Introdução n O que Gerenciar? n Definição n Modelo de Gerenciamento n Infraestrutura de Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 SERVIÇOS BÁSICOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cotec@ifbaiano.edu.br

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo Introdução O que é Protocolo? - Para que os pacotes de dados trafeguem de uma origem até um destino, através de uma rede, é importante

Leia mais

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP 1 INTRODUÇÃO Devido ao crescimento da Internet, tanto do ponto de vista do número de usuários como o de serviços oferecidos, e o rápido progresso da tecnologia de comunicação sem fio (wireless), tem se

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3

PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3 PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3 Gerência de Níveis de Serviço Manter e aprimorar a qualidade dos serviços de TI Revisar continuamente os custos e os resultados dos serviços para garantir a sua adequação Processo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES Filipe Herbert da Silva 1, Marco Aurélio G. de Almeida 1, Jonhson de Tarso Silva 1, Karina Buttignon 1 1 Fatec Guaratinguetá,

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Introdução Projeto de Arquitetura (Cap 11 - Sommerville) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Até agora, estudamos: Os

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO 2 INTRODUÇÃO A cada dia que passa, cresce a pressão pela liberação para uso de novas tecnologias disponibilizadas pela área de TI, sob o argumento

Leia mais

1. Funcionalidades TMN

1. Funcionalidades TMN 1. Funcionalidades TMN Uma TMN pretende suportar uma ampla variedade de áreas gerenciais que abrange o planejamento, instalação, operação, administração, manutenção e provisionamento de serviços de telecomunicações.

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves 1 Aula 03 Redes Industriais Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Plano de aula Tópicos da aula: 1 Introdução 2 Benefícios na utilização de redes 3 Dificuldades na utilização de redes

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Resolução de Problemas

Gerenciamento de Redes de Computadores. Resolução de Problemas Resolução de Problemas É preciso que o tempo médio entre as falhas sejam o menor possível. É preciso que o tempo médio de resolução de um problema seja o menor possível Qualquer manutenção na rede tem

Leia mais

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Arquiteturas de Redes Organizações de padronização Modelos de referência Modelo OSI Arquitetura IEEE 802 Arquitetura

Leia mais

Projeto de Redes Físico e Lógico. Prof. MSc. Jeferson Bussula Pinheiro

Projeto de Redes Físico e Lógico. Prof. MSc. Jeferson Bussula Pinheiro Projeto de Redes Físico e Lógico Prof. MSc. Jeferson Bussula Pinheiro Gerência de redes ou gerenciamento de redes. É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de recursos

Leia mais

Protocolos Hierárquicos

Protocolos Hierárquicos Protocolos Hierárquicos O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio,

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére Planejamento e Projeto de Redes de Computadores Eduardo Barrére Aula Presencial Projeto Lógico Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br O projeto deve conter Topologia da Rede Modelo de nomenclatura

Leia mais

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior Sistemas ERP Introdução Sucesso para algumas empresas: acessar informações de forma rápida e confiável responder eficientemente ao mercado consumidor Conseguir não é tarefa simples Isso se deve ao fato

Leia mais

Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço

Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Gerenciamento de Problemas

Gerenciamento de Problemas Gerenciamento de Problemas O processo de Gerenciamento de Problemas se concentra em encontrar os erros conhecidos da infra-estrutura de TI. Tudo que é realizado neste processo está voltado a: Encontrar

Leia mais

Gerência de Redes NOC

Gerência de Redes NOC Gerência de Redes NOC Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os conceitos fundamentais, assim como os elementos relacionados a um dos principais componentes

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

Gerência e Segurança de Redes

Gerência e Segurança de Redes Gerência e Segurança de Redes Modelos filipe.raulino@ifrn.edu.br SNMP e CMIP SNMP x CMIP O ambiente de gerenciamento OSI é composto por gerentes, agentes e objetos gerenciados. Um gerente transmite operações

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Unidade 2.4 Endereçamento IP

Unidade 2.4 Endereçamento IP Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.4 Endereçamento IP 2 Bibliografia da disciplina

Leia mais

GERENCIAMENTO DE REDES

GERENCIAMENTO DE REDES GERENCIAMENTO DE REDES Professor Victor Sotero Gerenciamento de Redes 1 GERENCIAMENTO DE REDES(1/2) DEFINIÇÃO A gerência de redes consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do hardware,software

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Slide 1 Gerenciamento de Redes Gerenciamento de redes inclui o fornecimento, a integração e a coordenação de hardware, software e elementos humanos para monitorar, testar, configurar,

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 1 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Apresenta a diferença entre dado e informação e a importância

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

Protocolos de gerenciamento

Protocolos de gerenciamento Protocolos de gerenciamento Os protocolos de gerenciamento têm a função de garantir a comunicação entre os recursos de redes homogêneas ou não. Com esse requisito satisfeito, operações de gerenciamento

Leia mais

Introdução à Computação Móvel IP Móvel. Movimentação de Host. Movimentação de Host. Francisco José da Silva e Silva

Introdução à Computação Móvel IP Móvel. Movimentação de Host. Movimentação de Host. Francisco José da Silva e Silva Introdução à Computação Móvel IP Móvel Francisco José da Silva e Silva Francisco Silva 1 Movimentação de Host Francisco Silva 2 Movimentação de Host Se um host não estiver no enlace identificado por seu

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010

BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010 BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010 CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS E PLANOS DE CONTINGÊNCIA Professor: Hêlbert A Continuidade de Negócios tem como base a Segurança Organizacional e tem por objeto promover a proteção

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

No mercado atual, podemos encontrar vários tipos de sistemas operacionais que fazem parte das seguintes classes:

No mercado atual, podemos encontrar vários tipos de sistemas operacionais que fazem parte das seguintes classes: Módulo 4 Sistema Operacional Sistemas Operacionais Neste módulo falaremos sobre alguns sistemas operacionais existentes no mercado, suas características, e conheceremos o básico das redes de computadores.

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro Tecnologia da Informação e Comunicação Douglas Farias Cordeiro O desenvolvimento de um SI Ciclo de desenvolvimento de um SI: O desenvolvimento de um SI Definição do sistema Nessa fase estima-se as dimensões

Leia mais

Gerência de Redes. Introdução. filipe.raulino@ifrn.edu.br

Gerência de Redes. Introdução. filipe.raulino@ifrn.edu.br Gerência de Redes Introdução filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução Sistemas complexos com muitos componentes em interação devem ser monitorados e controlados. 2 Introdução A de gerência de redes surgiu

Leia mais

FIREWALL. Prof. Fabio de Jesus Souza. fabiojsouza@gmail.com. Professor Fabio Souza

FIREWALL. Prof. Fabio de Jesus Souza. fabiojsouza@gmail.com. Professor Fabio Souza FIREWALL Prof. Fabio de Jesus Souza fabiojsouza@gmail.com Professor Fabio Souza O que são Firewalls? Os firewalls são sistemas de segurança que podem ser baseados em: um único elemento de hardware; um

Leia mais

CPD Informática otimiza gestão de serviços de TI com soluções CA Technologies

CPD Informática otimiza gestão de serviços de TI com soluções CA Technologies CUSTOMER SUCCESS STORY CPD Informática otimiza gestão de serviços de TI com soluções CA Technologies EMPRESA A CPD Informática atua com a venda de soluções, serviços, planejamento e gestão de TI, contribuindo

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Motivação Camadas do modelo OSI Exemplos de protocolos IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Para que dois ou mais computadores possam se comunicar, é necessário que eles

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA Através dos elementos que fazem parte do projeto do sistema é que podemos determinar quais as partes do sistema que serão atribuídas às quais tipos

Leia mais

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP Professor Leonardo Larback Protocolo SMTP O SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) é utilizado no sistema de correio eletrônico da Internet. Utiliza o protocolo TCP na camada

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA APLICADA PARA AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE TELEFONIA IP

PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA APLICADA PARA AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE TELEFONIA IP Ministério Público do Estado do Paraná PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA APLICADA PARA AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE TELEFONIA IP ALEXANDRE GOMES DE LIMA SILVA CURITIBA - PR 2012-2013 Ministério

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais