Economia ou economia política da sustentabilidade?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Economia ou economia política da sustentabilidade?"

Transcrição

1 Economia ou economia política da sustentabilidade? Ademar Ribeiro Romeiro Texto para Discussão. IE/UNICAMP n. 102, set

2

3 Economia ou economia política da sustentabilidade? Ademar Ribeiro Romeiro 1 Resumo O objetivo principal do trabalho é o de mostrar como o desafio da sustentabilidade não tem como ser enfrentado a partir de uma perspectiva teórica que desconsidera as dimensões culturais e éticas no processo de tomada de decisão o qual, por sua vez, será supra-individual. Sua estrutura analítica é composta de uma seção onde se discute a capacidade de intervenção humana na natureza e a noção de limites. Outra seção apresenta uma análise das duas principais correntes teóricas em economia sobre a questão ambiental. Em seguida se discute as dificuldades de mudança em função da contradição existente entre padrão de consumo e padrão de acumulação. O trabalho termina com uma análise do processo de tomada de decisão sob incerteza, que inclui uma apresentação do Princípio da Precaução e de uma proposta metodológica de classificação e hierarquização dos problemas ambientais (ciência pós-normal). Palavras-chave : Economia política; Economia ecológica; Economia; Economia do meio ambiente; Sustentabilidade; Ciência pós-normal. Abstract The paper aims at showing that sustainability can not be achieved in a individualistic basis, nor without taking into account the political and ethical dimensions involved in the decision processes. That is what separates the standard approach of environmental economics (the economics of sustainability) from the alternative one of ecological economics (the political economy of sustainability). It discusses also the human capacity of intervention in nature and the notion of limits and the difficulties of changing consume habits as they are connected with the accumulation patterns of the system. Finally, it presents an analysis of the decision process under uncertainty, including a presentation of the Precautionary Principle and a methodological proposal to classify environmental problems according to the decision stakes and systemic uncertainty (Pos-Normal Science). Key words: Political economy; Ecological economics; Economics; Environmental economics; Sustainability; Pos-normal science. Introdução Tradicionalmente, o adjetivo política ao substantivo economia indica uma visão teórica que se distingue por incluir em seu esquema analítico considerações (1) Professor do Instituto de Economia da Unicamp. Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas, n. 102, set

4 de ordem política em seu sentido amplo, isto é, inclui considerações morais e éticas em contraposição à economia sem adjetivo (economics), cuja visão teórica subjacente (neoclássica) pressupunha ser uma exigência científica a exclusão deste tipo de considerações. 2 Entretanto, como dizia Myrdal (1978), a economia é sempre economia política na medida em que todo ser humano pensa e age a partir de uma escala de valores. É ilusória a idéia positivista de que as proposições podem ser divididas claramente entre positivas e normativas. Existe sempre algum julgamento de valor ou aspecto ideológico em todos os conceitos, afirmações e teorias em economia. Nesse sentido, como observa Soderbaum (1991), o hábito da economia convencional de olhar os valores e as preferências como exógenamente dados não é algo que decorre de uma posição cientificamente neutra. No esquema analítico convencional, o que seria uma economia da sustentabilidade é visto como um problema, em ultima instância, de alocação intertemporal de recursos entre consumo e investimento por agentes econômicos racionais, cujas motivações são fundamentalmente maximizadoras de utilidade. A ação coletiva (através do Estado) se faz necessária apenas para corrigir as falhas de mercado que ocorrem devido ao fato de boa parte dos serviços ambientais se constituir de bens públicos (ar, água, capacidade de assimilação de dejetos, etc.) não tendo, portanto, preços. Uma vez corrigidas estas falhas, de modo a garantir a correta sinalização econômica da escassez relativa destes serviços ambientais, a dinâmica de alocação intertemporal de recursos tenderia a se processar de modo eficiente, não havendo problemas de incerteza e de risco de perdas irreversíveis. No esquema analítico proposto, o proble ma da economia política da sustentabilidade é visto como um problema de distribuição intertemporal de recursos naturais finitos, o que pressupõe a definição de limites para seu uso (escala). Além disso, trata-se de um processo envolvendo agentes econômicos cujo comportamento é complexo em suas motivações (as quais incluem dimensões sociais, culturais, morais e ideológicas) e que atuam num contexto de incertezas e de riscos de perdas irreversíveis que o progresso da ciência não tem como eliminar. Desse modo, tanto a natureza como o papel da ação coletiva são completamente (2) Em sua exortação pela volta à tradição ética em economia, Sen (1987) observa que desde Adam Smith duas tradições em economia se firmaram: uma, preocupada com a moral e a ética [que além dos autores clássicos como o próprio Smith, Marx, Ricardo, Stuart Mill, inclui autores como Veblen, Myrdal, entre outros, e toda a escola institucionalista contemporânea]; a outra (neoclássica), que ele classifica como uma espécie de engenharia econômica, onde esta preocupação não existiu. 2 Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas, n. 102, set

5 distintos daqueles pressupostos no esquema analítico convencional. Trata-se de um processo de escolha pública onde caberá à sociedade civil, em suas várias formas de organização (o Estado entre outras), decidir, em ultima instância, com base em considerações morais e éticas. Desse modo, o objetivo principal do trabalho é o de mostrar como o desafio da sustentabilidade não tem como ser enfrentado a partir de uma perspectiva teórica que desconsidera as dimensões culturais e éticas no processo de tomada de decisão o qual, por sua vez, será supra-individual. Para atingir este objetivo, o texto se divide em mais 4 seções além desta introdução. A primeira seção apresenta uma breve digressão sobre a evolução histórica da capacidade das sociedades humanas de transformar a natureza, marcada pelas revoluções agrícola e industrial. Busca-se deixar claro que embora esta evolução tenha sido marcada cada vez mais por desequilíbrios ecológicos, isto não é inevitável. É possível transformar radicalmente a natureza, como quando se faz agricultura sem, no entanto, desrespeitar as regras ecológicas básicas. Outro ponto a notar refere-se à magnitude da escala atual das atividades humanas o que, independentemente destas atividades respeitarem ou não as regras ecológicas básicas, levanta o problema do limite da capacidade de suporte do planeta terra. Nesse sentido, se enfatiza a necessidade de não apenas buscar-se uma melhor eficiência na utilização dos recursos naturais, reduzindo drasticamente e/ou eliminando a poluição, como também a necessidade de estabilizar os níveis de consumo de recursos naturais per capita dentro dos limites da capacidade de suporte do planeta. Na seção seguinte discute -se a questão do desenvolvimento sustentável de uma perspectiva teórica. São apresentados os fundamentos das duas principais correntes teóricas em economia que tratam dos problemas de sustentabilidade: a economia ambiental (neoclássica) e a economia ecológica. As diferenças entre as duas abordagens são assinaladas não apenas do ponto de vista teórico, como também daquele das implicações concretas destas duas visões analíticas em termos das políticas ambientais que inspiram e suas conseqüências. A seção 3 apresenta uma análise dos limites à mudança decorrente das características próprias da dinâmica de acumulação de capitalista e do padrão de consumo correspondente, marcado pela criação incessante de novas necessidades de consumo. Nesse sentido, a estabilização do consumo de recursos naturais per capita Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas, n. 102, set

6 dependerá de uma mudança de valores. São apresentadas também as condições objetivas que podem contribuir para o sucesso de um movimento de educação ambiental visando esta mudança de valores com base, em ultima instância, em considerações de ordem ética. Finalmente, na ultima seção, são brevemente sumariadas as condições históricas que explicam o surgimento de um instrumento jurídico, o Princípio de Precaução, que se configura como um importante inovação institucional aplicável em processos de tomada de decisões sob incerteza. Apresenta -se também uma proposta metodológica de classificação e hierarquização dos problemas ambientais segundo os níveis de incerteza sistêmica e de risco de perdas irreversíveis. 1 Desenvolvimento sustentável Perspectiva histórica Num passado distante, antes do controle do fogo pela espécie humana, a interação desta com a natureza era semelhante àquela dos animais mais próximos na cadeia evolutiva, como os grandes primatas. O controle do fogo abriu caminh o para que esta interação assumisse características próprias cada vez mais distintas. Sobrevivem, entretanto, ainda hoje, amostras de povos, como os Yanomamis, vivendo no neolítico, testemunhos vivos de que o controle do fogo por si só pode não levar a mudanças radicais e progressivas no modo de inserção da espécie humana na natureza. Do ponto de vista ecológico, o modo de vida de povos como os Yanomamis, ou mesmo de outros povos indígenas mais evoluídos no sentido de usar mais largamente o fogo como técnica agroflorestal e outros instrumentos, não provoca nenhum desequilíbrio comprometedor do ecossistema, embora o modifique. Seu modo de vida conduz a transformações na paisagem florestal que, embora não facilmente perceptíveis para olhos não treinados, são reais e bastante marcadas em determinados locais. Mas são transformações de tal modo integradas com o ambiente florestal que não se diferenciam muito do tipo de transformações que certas espécies animais podem causar no ecossistema onde estão inseridas. Portanto, um ecossistema em equilíbrio não quer dizer um ecossistema estático. É um sistema dinâmico, que se modifica, embora lentamente, graças à interações entre as diversas espécies nele contidas, num processo conhecido como coevolução. 4 Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas, n. 102, set

7 Com a invenção da agricultura há cerca de dez mil anos atrás, a humanidade deu um passo decisivo na diferenciação de seu modo de inserção na natureza em relação àquela das demais espécies animais. A agricultura provoca uma modificação radical nos ecossistemas. A imensa variedade de espécies de um ecossistema florestal, por exemplo, é substituída pelo cultivo/criação de umas poucas espécies, selecionadas em função de seu valor seja como alimento, seja como fonte de outros tipos de matérias-primas que os seres humanos considerem importantes. Entretanto, apesar de modificar radicalmente o ecossistema original, a agricultura não é necessariamente incompatível com a preservação dos equilíbrios ambientais fundamentais. É possível construir um ecossistema agrícola baseado em sistemas de produção que preservem certos mecanismos básicos de regulação ecológica. Por exemplo, pode-se reduzir a infestação de pragas nas culturas com a alternância do cultivo de espécies distintas numa mesma área (rotações de culturas). Este resultado é obtido na medida em que a rotação de culturas é uma forma de garantir um mínimo de biodiversidade, que é o principal mecanismo da natureza para manter o equilíbrio do ecossistema. Do mesmo modo, pode-se obter efeito semelhante através da manutenção de uma paisagem agrícola diversificada, entremeada de bosques e matas, de áreas de aguadas, etc. Em relação à manutenção da fertilidade do solo, para garantir a sustentabilidade é preciso não apenas repor os nutrientes exportados com as culturas, mas fazê-lo de modo equilibrado, isto é, de acordo com os processos naturais de reciclagem de nutrientes. Uma fertilização química desequilibrada tem impactos negativos no próprio solo, bem como sobre os recursos hídricos do ecossistema. Enfim, é possível, em princípio, transformar radicalmente um dado ecossistema natural, substituindo-o por outro, artificial, mas também equilibrado do ponto de vista ecológico. A diferença fundamental neste ultimo caso é que a manutenção do equilíbrio terá que contar com a participação ativa dos seres humanos, agindo com base em certos princípios básicos de regulação ecológica (diversidade biológica, reciclagem de nutrientes, etc.). Com a Revolução Industrial a capacidade da humanidade de intervir na natureza dá um novo salto colossal e que continua a aumentar sem cessar. É interessante notar que esta enorme capacidade de intervenção ao mesmo tempo em que provocou grandes danos ambientais, também ofereceu em muitas situações os Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas, n. 102, set

8 meios para que a humanidade afastasse a ameaça imediata que estes danos pudessem representar para sua sobrevivência e, com isso, retardasse a adoção de técnicas e procedimentos mais sustentáveis. Um exemplo significativo neste sentido foi o uso intensivo de fertilizantes químicos baratos que, em muitas regiões, mascarou o efeito da erosão dos solos sobre a produtividade agrícola. Para além dos desequilíbrios ambientais decorrentes desta maior capacidade de intervenção, a Revolução Industrial baseada no uso intensivo de grandes reservas de combustíveis fósseis, abriu caminho para uma expansão inédita da escala das atividades humanas, que pressiona fortemente a base de recursos naturais do planeta. Ou seja, mesmo se todas as atividades produtivas humanas respeitassem princípios ecológicos básicos, sua expansão não poderia ultrapassar os limites ambientais globais que definem a capacidade de carga (carrying capacity) do planeta. A magnitude da punção exercida pelas sociedades humanas sobre o meio ambiente, sua pegada ecológica (ecological footprint Box 1), resulta do tamanho da população multiplicado pelo consumo per capita de recursos naturais, dada a tecnologia. O progresso técnico pode atenuar relativamente esta pressão, mas não eliminá-la. A capacidade de carga do planeta terra não poderá ser ultrapassada sem que ocorram grandes catástrofes ambientais. Entretanto, como não se conhece qual é esta capacidade de carga, e que será muito difícil conhecê-la com precisão, é necessário adotar uma postura precavida que implica agir sem esperar para ter certeza. Nesse sentido, é preciso criar o quanto antes as condições socioeconômicas, institucionais e culturais que estimulem não apenas um rápido progresso tecnológico poupador de recursos naturais, como também uma mudança em direção a padrões de consumo que não impliquem o crescimento contínuo e ilimitado do uso de recursos naturais per capita. Como veremos mais adiante, é mais fácil atingir boa parte do primeiro destes objetivos do que o segundo. Em relação a este ultimo, a grande dificuldade está em que a estabilização dos níveis de consumo per capita pressupõe uma mudança de atitude, de valores, que contraria aquela prevalecente ligada à lógica do processo de acumulação de capital em vigor desde a ascensão do capitalismo, que se caracteriza pela criação incessante de novas necessidades de consumo. Haveria, portanto, que se passar de uma civilização do ter para uma civilização do ser (Sachs, 1993). 6 Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas, n. 102, set

9 Box 1 Pegada Ecológica (Ecological Footprint) O conceito de pegada ecológica é baseado na idéia de que para a maioria dos tipos de consumo material e energético corresponde uma área mensurável de terra e de água nos diversos ecossistemas que deverá fornecer os fluxos de recursos naturais necessários para cada tipo de consumo, bem como a capacidade de assimilação dos rejeitos gerados. Desse modo, para se estimar a pegada ecológica de uma determinada sociedade é preciso considerar as implicações (coeficientes técnicos) de cada tipo de consumo em termos de demanda por recursos naturais. Atualmente existem estimativas com base em 6 categorias de uso da terra: terra degradada ou consumida (por exemplo, aquela sob áreas construídas), terra sob jardins, terra agrícola, pastagens, florestas plantadas e terra de energia. As áreas sob águas, notadamente o oceano, ainda coloca dificuldades importantes para sua avaliação. A terra de energia pode ser definida de dois modos: a-) como a área média necessária para produzir um determinado fluxo de energia de biomassa equivalente ao fluxo atual obtido com a queima de combustíveis fósseis; b-) como a área média de florestas sequestradoras de carbono necessária para absorver as emissões atuais de dióxido de carbono. A primeira seria a escolhida no caso de abandono do uso de combustíveis fósseis. A segunda no caso de se continuar queimando estes combustíveis fósseis. É claro que estes são exercícios ainda bastante precários e que, provavelmente, não poderão superar todos os obstáculos metodológicos para se obter uma medida acurada da punção exercida pelas sociedades humanas sobre o meio ambiente. No entanto, apesar das controvérsias, são exercícios úteis que, juntamente com outras medidas agregadas de impactos ambientais (indicadores de sustentabilidade e contas ambientais) podem ter um papel importante tanto do ponto de vista pedagógico, de conscientização ecológica, como também para orientar a definição de políticas ambientais. Para uma discussão mais detalhada, ver o número especial dedicado a este tema da revista Ecological Economics, v. 32, n. 3, Mar Desenvolvimento sustentável Perspectiva teórica O conceito de desenvolvimento sustentável é um conceito normativo que surgiu com o nome de ecodesenvolvimento no início da década de Ele surgiu (3) A autoria do termo não é bem estabelecida, mas existe concordância geral em atribuir a Ignacy Sachs, da Escola de Altos em Ciências Sociais de Paris, uma preeminência nas suas qualificações conceituais. Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas, n. 102, set

10 num contexto de controvérsia sobre as relações entre crescimento econômico e meio ambiente, exacerbada principalmente pela publicação do relatório do Clube de Roma que pregava o crescimento zero como forma de evitar a catástrofe ambiental. Ele emerge deste contexto como uma proposição conciliadora, onde se reconhece que o progresso técnico efetivamente relativiza os limites ambientais, mas não os elimina e que o crescimento econômico é condição necessária, mas não suficiente para a eliminação da pobreza e disparidades sociais. O tempo jogou a favor de uma ampla aceitação desta proposição mas que, por esta ser basicamente normativa, não foi capaz de eliminar as divergências quanto à sua interpretação. As dificuldades desse entendimento revelam-se não apenas nas incontáveis definições de desenvolvimento sustentável, como também nas diferenças de interpretação de uma mesma definição. No Relatório Brundtland (CMMAD, 1988), por exemplo, ele é definido basicamente como aquele que satisfaz as necessidades atuais sem sacrificar a habilidade do futuro satisfazer as suas. Mas o que isso quer dizer exatamente? Como se traduz em termos de políticas públicas? No debate acadêmico em economia do meio ambiente as opiniões se dividem entre duas correntes principais de interpretação 4 : (a) A primeira corrente é representada principalmente pela chamada Economia Ambiental (o main stream neoclássico) e considera que os recursos naturais (como fonte de insumos e como capacidade de assimilação de impactos dos ecosistemas) não representam, a longo prazo, um limite absoluto à expansão da economia. Pelo contrário, inicialmente estes recursos sequer apareciam em suas representações analíticas da realidade econômica como, por exemplo, na especificação de função de produção onde entravam apenas o capital e o trabalho. A economia funcionava sem recursos naturais (Figura 1A). Esta visão implícita de infinitude dos recursos naturais na análise neoclássica foi objeto de crítica pioneira e sistemática por Nicolas Georgescu-Roegen (Box 2). 4 Uma primeira versão desta visão crítica foi publicada em Romeiro,A.R.(1999). 8 Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas, n. 102, set

11 Box 2 Nicolas Georgescu-Roegen Nicolas Georgescu-Roegen, matemático e economista de origem romena, ocupa uma posição singular na história do pensamento econômico. Economista reconhecido por suas contribuições ao main-stream, publicou em 1971 a obra seminal intitulada The Entropy Law and the Economic Process que, embora saudada por Paul Samuelson como uma obra revolucionária, passou todos esses anos sob o silencio da maioria dos economistas convencionais, incluindo os trabalhos posteriores do próprio Samuelson! A razão deste silencio na verdade não é difícil de entender. A consideração da Lei da Entropia no raciocínio econômico forçaria a revisões profundas no corpo teórico convencional. A começar pela representação básica do funcionamento da economia através do diagrama do fluxo circular entre firmas e unidades de consumo onde não há lugar para os recursos naturais como insumos e como rejeitos lançados ao meio ambiente. Aparentemente seria fácil incluir o meio ambiente nesta representação analítica. No entanto, como observa Daly (1996), esta representação de fluxo circular é inerente à epistemologia mecanicista do paradigma teórico neoclássico, onde existem apenas movimentos reversíveis e qualitativamente neutros. O que é importante ressaltar da obra de Georgescu é a introdução da idéia de irreversibilidade e de limites na teoria econômica, que decorre da segunda lei da termodinâmica (lei da entropia) em contraposição à primeira lei da termodinâmica (sobre a transformação da matéria), onde esta idéia não faz sentido e sobre a qual se baseia implicitamente a teoria econômica convencional. Para maiores detalhes da obra de Georgescu-Roegen ver o número especial da revista Ecological Economics, v. 22, n. 3, Sept. 1997, que lhe foi dedicado. Com o tempo, os recursos naturais passaram a ser incluídos nas representações de função de produção, mas mantendo a sua forma multiplicativa, o que significa a substitubilidade perfeita entre capital, trabalho e recursos naturais 5 e, portanto, a suposição de que os limites impostos pela disponibilidade de recursos naturais podem ser indefinidamente superados pelo progresso técnico que os substitui por capital (ou trabalho). Em outras palavras, o sistema econômico é visto como suficientemente grande para que a disponibilidade de recursos naturais (RN) se torne uma restrição à sua expansão, mas uma restrição apenas relativa, superável indefinidamente pelo progresso científico e tecnológico (Figura 1B). (5) Y= f(k,l,r), o que significa que a quantidade de recursos naturais (R) requerida pode ser tão pequena quanto se deseja desde que a quantidade de capital (K) seja suficientemente grande. Georgescu-Roegen criticou essa nova versão da função de produção neoclássica (que ele batiza de variante Solow-Stiglitz) chamando -a de passe de mágica. Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas, n. 102, set

12 Tudo se passa como se o sistema econômico fosse capaz de se mover suavemente de uma base de recursos para outra à medida que cada uma é esgotada, sendo o progresso científico e tecnológico a variável chave para garantir que esse processo de substituição não limite o crescimento econômico a longo prazo. Para esta corrente, os mecanismos através dos quais se dá esta ampliação indefinida dos limites ambientais ao crescimento econômico devem ser principalmente mecanismos de mercado. No caso dos bens ambientais transacionados no mercado (insumos materiais e energéticos), a escassez crescente de um determinado bem se traduziria facilmente na elevação de seu preço, o que induz a introdução de inovações que permitem poupá-lo, substituindo-o por outro recurso mais abundante. Em se tratando dos serviços ambientais em geral não transacionados no mercado devido sua natureza de bens públicos (ar, água, ciclos bioquímicos globais de sustentação da vida, capacidade de assimilação de rejeitos, etc.), este mecanismo de mercado falha. Para corrigir esta falha é necessário intervir para que a disposição à pagar por esses serviços ambientais possa se expressar à medida em que sua escassez aumenta. Empiricamente teria sido observado que a evolução natural das preferências dos indivíduos em função do próprio processo de crescimento econômico seria no sentido de uma menor tolerância à esta escassez crescente desses serviços devido à poluição, configurando o que pode ser expresso como uma curva de Kuznets 6 ambiental: à medida que a renda per capita se eleva com o crescimento econômico a degradação ambiental aumenta até um certo ponto, a partir do qual a qualidade ambiental começa a melhorar. A explicação para este fato estaria em que nos estágios iniciais do processo de desenvolvimento econômico a crescente degradação do meio ambiente é aceita como um efeito colateral ruim, mas inevitável. Entretanto, a partir de certo nível de bem estar econômico a população torna-se mais sensível e disposta a pagar pela melhoria da qualidade do meio ambiente, o que teria induzido a introdução de inovações institucionais e organizacionais necessárias para corrigir as falhas de mercado decorrentes do caráter público da maior parte dos serviços ambientais. (6) A expressão curva de Kuznets ambiental tem sua origem num trabalho de Kuznets onde este mostrava empiricamente a existência de uma curva com a forma de U invertido correlacionando crescimento econômico e distribuição de renda. 10 Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas, n. 102, set

13 As soluções ideais seriam aquelas que de algum modo criassem as condições para o livre funcionamento dos mecanismos de mercado: seja diretamente eliminando o caráter público desses bens e serviços através da definição de direitos de propriedade sobre eles (negociação coaseana); seja indiretamente através da valoração econômica da degradação destes bens e da imposição desses valores pelo Estado através de taxas (taxação pigouviana). A primeira implicaria a privatização de recursos como a água, o ar, etc. o que, entre outros obstáculos, esbarraria no elevado custo de transação decorrente de processos de barganha que envolveriam centenas ou mesmo milhares de agentes. A segunda pressupõe ser possível calcular estes valores a partir de uma curva marginal de degradação ambiental. Desse modo, criaria-se para o agente econômico um trade off entre seus custos (marginais) de controle da poluição e os custos (marginais) dos impactos ambientais (externalidades) provocados por suas atividades produtivas, que ele seria forçado a internalizar através do pagamento das taxas correspondentes (Gráfico 1): o agente econômico vai procurar minimizar seu custo total que resulta da soma do quanto vai gastar para controlar a poluição (custo de controle) com a quantia a ser gasta com o pagamento de taxas por poluir (custo da degradação). O ponto de equilíbrio é chamado de poluição ótima. Gráfico 1 Custos marginais custos marginais Custos de controle da degradação Poluição ótima produção/poluição Reconhece-se, entretanto, que é uma ficção a concepção de uma curva suave de custos marginais da degradação, que ignora o fato de que os impactos ambientais evoluem de modo imprevisível devido a existência de efeitos sinérgicos, Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas, n. 102, set

14 de tresholds e de reações defasadas. 7 Mas permanece o princípio de que a política ambiental mais eficiente é aquela que cria as condições, através da precificação, para que os agentes econômicos internalizem os custos da degradação que provocam. Figura 1A Figura 1B Figura 2 RN RN Economia Economia Economia (b) A segunda corrente de interpretação é representada principalmente pela chamada Economia Ecológica, que vê o sistema econômico como um subsistema de um todo maior que o contém, impondo uma restrição absoluta à sua expansão (Figura 2). Capital e recursos naturais são essencialmente complementares. O progresso científico e tecnológico é visto como fundamental para aumentar a eficiência na utilização dos recursos naturais em geral (renováveis e não renováveis) e, nesse aspecto, esta corrente partilha com a primeira a convicção de que é possível instituir uma estrutura regulatória baseada em incentivos econômicos capaz de aumentar imensamente esta eficiência (ve r Box 3). Permanece, entretanto, a discordância fundamental em relação à capacidade de superação indefinida dos limites ambientais globais. A longo prazo, portanto, a sustentabilidade do sistema econômico não é possível sem estabilização dos níveis de consumo per capita de acordo com a capacidade de carga do planeta. (7) Dasgupta & Maler (1995: 2378) observam que os ecossistemas evoluem constantemente mudando também sua capacidade de carga e de modo essencialmente imprevisível. 12 Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas, n. 102, set

15 Box 3 Eficiência ecológica Atualmente, numa economia como a americana apenas 6% de todo o fluxo de materiais que consome resulta em produtos. Em termos de bens duráveis esta relação cai para 1%. Estima-se que cientifica e tecnologicamente se poderia hoje reduzir imensamente esta ineficiência ecológica através de uma elevação radical da produtividade no uso dos recursos naturais, bem como na redução não menos radical na geração de resíduos. Em relação à primeira, a perspectiva é de que esta elevação poderia ser de no mínimo um fator 4 podendo atingir um fator 10. Não seria impossível, por exemplo, construir um motor de automóvel capaz de fazê-lo rodar até 200 Km com um litro de gasolina. Em relação à segunda, existe a perspectiva de construção de sistemas produtivos alternativos que mimetizam os processos biológicos (biomimicry) pelos quais a natureza produz uma grande diversidade de produtos altamente resistentes, maleáveis, etc. Além disso, engenheiros meta-industriais estão criando parques industriais com emissão quase zero através da integração das industrias em um complexo onde cada empresa usa como insumo os resíduos de outra. Os investimentos necessários para esta revolução de produtividade seriam não apenas pagos com o tempo pela economia de recursos que propiciam como também, em muitos casos, podem reduzir os investimentos iniciais de capital. A enorme ineficiência que está causando degradação ambiental quase sempre custa mais do que as medidas que iriam reverter a situação. O grande obstáculo à sua implementação está no fato de que os governos não só não acabaram, como continuam a criar e administrar leis, políticas, taxas e subsídios que tornam estas medidas antieconômicas. Entretanto, em alguns países este quadro começa a ser revertido através, por exemplo, de reformas tributárias que aliviam a tributação sobre a renda das pessoas aumentando, em contrapartida, a taxação sobre o uso de recursos naturais. Para uma exposição detalhada destas perspectivas ver Hawken, Lovins & Lovins (1999). A questão central para esta corrente de análise é, neste sentido, como fazer com que a economia funcione considerando a existência destes limites. O mecanismo de ajuste proposto pelo esquema analítico neoclássico por definição desconsidera, como foi visto, a existência destes limites, supondo a possibilidade de substituição ilimitada dos recursos que se tornam escassos por recursos abundantes. No caso dos bens ambientais transacionados no mercado (insumos materiais e energéticos), o esquema analítico convencional pressupõe que a escassez crescente de um determinado bem eleva seu preço, o que induz a introdução de inovações que permitem poupá -lo, substituindo-o por outros recursos mais abundantes cujos estoques os agentes econômicos são supostos conhecer, juntamente com o conhecimento das diferenças de qualidade, do curso futuro do progresso tecnológico e da própria demanda. Na verdade, como assinala Daly (1996), os preços refletem a disponibilidade de cada recurso independentemente do estoque total de recursos, o que impede que eles possam servir para sinalizar um processo de extração ótima do ponto de vista da sustentabilidade. Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas, n. 102, set

16 No caso dos serviços ambientais não transacionados no mercado devido sua natureza de bens públicos, o mecanismo de ajuste proposto não leva em conta princípios ecológicos fundamentais para garantir a sustentabilidade, na medida em que este mecanismo é baseado no cálculo de custo e benefício feito pelos agentes econômicos visando a alocação de recursos entre investimentos em controle da poluição e pagamentos de taxas por poluir de modo a minimizar o custo total. O cálculo das taxas, por sua vez, será baseado num conjunto de metodologias de valoração econômica que mensuram direta ou indiretamente a disposição à pagar dos indivíduos por bens e serviços ambientais. Portanto, o ponto de equilíbrio, chamado de poluição ótima, é de equilíbrio econômico e não ecológico pois, como observa Godard (1992), ecologicamente não se pode falar em equilíbrio quando a capacidade de assimilação do meio é ultrapassada, como é o caso uma vez que a poluição permanece. O fato da capacidade de assimilação ser ultrapassada em um dado período (t), reduz a capacidade de assimilação no período seguinte e, assim, sucessivamente podendo resultar numa perda irreversível. Existe, portanto, uma destruição líquida, sendo que somente suas conseqüências de segunda ordem são levadas em conta, isto é, aquelas que afetam o nível de bem estar, a curto prazo, de outros agentes. Este mecanismo de ajuste implica que a tecnologia e as preferências (e, implicitamente, a distribuição de renda) são tomadas como parâmetros não físicos que determinam uma posição de equilíbrio onde se ajustam as variáveis físicas das quantidades de bens e serviços ambientais usados (a escala) quando o correto seria, ao contrário, tomar estas quantidades como os parâmetros físicos aos quais deverão se ajustar as variáveis não físicas da tecnologia e das preferências. Estes parâmetros de sustentabilidade, por sua vez, só podem ser socialmente definidos. A determinação de uma escala sustentável, da mesma forma que uma distribuição justa de renda, envolve valores outros que a busca individual de maximização do ganho ou do bem estar, como a solidariedade inter e intra-gerações, valores estes que têm que se afirmar num contexto de controvérsias e incertezas cientificas decorrentes da complexidade dos problemas ambientais globais. São por estas razões, portanto, que a determinação da escala que se considere sustentável só pode ser realizada através de processos coletivos de tomada de decisão. Desse modo, sem uma intervenção coletiva que defina a escala que a sociedade considere sustentável, a melhoria da qualidade ambiental induzida pela degradação ambiental (a curva de Kuznets ambiental) tende a se limitar àquela degradação que afeta a curto prazo o nível de bem estar dos agentes (como a provocada pelas emissões de gazes sulfurosos, de particulados, o despejo de esgoto doméstico, etc.), deixando de lado aquela cujos efeitos envolvem custos mais dispersos e de longo prazo, como é o caso por exemplo da degradação provocada 14 Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas, n. 102, set

17 pela emissão de dióxido de carbono causadora do efeito estufa (ver Arrow et al. 1995). De modo geral, portanto, o declínio da poluição associado ao aumento da renda se deveu a reformas institucionais locais, tais como legislação ambiental e incentivos baseados em mecanismos de mercado, que não consideram suas conseqüências internacionais e intergeracionais. Em outras palavras, essas reformas não contribuem para evitar os problemas quando seus custos são suportados pelas populações (via de regra pobres) de outros países ou pelas futuras gerações, ou seja, não levam em conta os problemas relacionados à justiça distributiva e à escala. 3 Capitalismo e meio ambiente Como foi mencionado, a grande dificuldade para a adoção de uma atitude precavida de buscar estabilizar o nível de consumo de recursos naturais está em que esta estabilização pressupõe uma mudança de atitude que contraria a lógica do processo de acumulação de capital em vigor desde a ascensão do capitalismo. Para melhor compreender esta dificuldade é preciso ter em mente o que representou a ascensão do sistema capitalista, comparado com o sistema feudal anterior, em relação à atitude da sociedade face à produção e ao consumo. Sob muitos aspectos, pode-se dizer que as organizações e instituições feudais representavam uma espécie de expressão organizacional e institucional de motivações não econômicas e/ou altruístas da sociedade. Isto porque através destas instituições e organizações a sociedade feudal buscava submeter as atividades produtivas a minuciosas regulações que refletiam o que ela entendia ser justo, de acordo como uma determinada ordem considerada ideal: desde regras detalhadas de apropriação dos recursos naturais e especificações técnicas sobre como produzir para garantir uma determinada qualidade, passando pela regulação da quantidade a ser produzida, até a determinação da distribuição do excedente e/ou do preço que seria justo. Ou seja, era uma sociedade que buscava submeter a racionalidade econômica a um conjunto de restrições de ordem não econômica e/ou altruísta. O que caracteriza a ascensão das sociedades capitalistas modernas é, como assinala Gorz (1991), precisamente a abolição destas restrições (de caráter religioso, estético, cultural e social) às quais a racionalidade econômica estava subordinada. Com o capitalismo, portanto, o uso dos recursos tanto os humanos como os naturais passa a ter quase nenhum controle social. Esta liberação de todo tipo de restrição regulatória da atividade econômica teve o efeito positivo de intensificar fortemente o dinamismo tecnológico já presente na sociedade feudal (Box 4). O lado negativo, entretanto, foi a enorme exploração do trabalho que se seguiu e que atingiu níveis hoje inimagináveis, dando margem a uma grande reação intelectual e organizacional expressa principalmente pelos movimentos socialistas e sindicais. Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas, n. 102, set

18 Em razão destes movimentos, pouco a pouco uma série de restrições à exploração do trabalho foram sendo introduzidas, na forma de leis e regulações diversas (limitação da jornada de trabalho, proibição do trabalho infantil, salário mínimo, férias remuneradas, etc.). Como observa Daly (1996), algumas destas leis e regulações são baseadas em princípios medievais, tais como o princípio escolástico do preço justo. Box 4 Tecnologia e civilização ocidental O dinamismo tecnológico do Ocidente embora tenha se amplificado imensamente com a ascensão do sistema capitalista baseado na propriedade privada dos meios de produção, decorre de certos valores e instituições peculiares à Civilização Ocidental, presentes também desde o início do feudalismo. De um lado encontra-se sua visão antropocêntrica sobre o sentido da presença humana na terra derivada da cosmologia judaico-cristã, na qual os seres humanos foram criados por Deus à sua imagem e semelhança e aos quais toda a terra e seus recursos estão submetidas. Como assinalam vários historiadores, esta visão representou uma extraordinária mudança de mentalidade na história da humanidade e contribuiu para uma atitude fortemente pró-ativa no sentido de manipular e transformar a natureza, inventando novos métodos e procedimentos. De outro lado situa-se a fragmentação territorial e, dentro das regiões, a divisão de poder entre o centro (a coroa) e o senhor feudal local, implicando a existência de multiplos centros de decisão. Este fato representou um estímulo à inovação na medida em que tornou possível para os agentes inovadores barganhar suas idéias com dirigentes em competição mútua. Estas especificidades da Civilização Ocidental explicam o fato de que já durante o feudalismo havia uma estrutura singular de incentivos para realizar o potencial de ganhos do progresso técnico quando comparada com as civilizações contemporâneas, que não apenas estimulava a criatividade tecnológica (invenções) como também o tipo de criatividade que tinha expressão econômica (inovações), reduzindo o desgaste do trabalho e elevando o bem estar material da população em geral. Na antiguidade clássica as estruturas institucionais e organizacionais foram suficientes para promover as condições para a expansão comercial. Mas o crescimento econômico resultante foi relativamente limitado e beneficiou apenas uma pequena elite. As evidências provam que esta civilização possuía potencial intelectual para criar aparelhos e instrumentos complicados, mas apenas uma fração deste potencial se traduziu em progresso econômico. A Civilização Islâmica, por sua vez, absorveu e aplicou as realizações culturais de outras civilizações, mas não foi capaz desenvolve-las, transformando-as em fonte de dinamismo tecnológico com expressão econômica. Ou ainda a Civilização Chinesa, onde a sofisticação intelectual e estrutura institucional foram eficientes em prover os incentivos para uma expansão econômica regular através do crescimento populacional, mas que também beneficiou apenas uma pequena minoria. Sua grande inventividade também não teve muita expressão econômica. Ver Jones (1993), Mokyr (1990), Landes (1997), Rosenberg & Birdsell (1986), White (1968), entre outros. 16 Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas, n. 102, set

19 Em relação aos recursos naturais só muito recentemente os agentes econômicos passaram a sofrer restrições em relação à forma como os vinham usando. Ainda assim, como foi visto, estas restrições regulatórias se concentraram fundamentalmente sobre aquelas atividades cujos efeitos degradantes atingia m a qualidade de vida das populações em seus locais de origem. A aceitação, por parte destas populações (concentrada nos países afluentes), de restrições ambientais que envolvam algum tipo de sacrifício em benefício de populações de outros países e/ou de um futuro longínquo implica, forçosamente, uma certa dose de altruísmo. 8 No esquema analítico convencional este tipo de altruísmo não existe, dado seu postulado sobre o comportamento humano (como egoísta e maximizador de utilidade). Nesse contexto analítico, a atitude da presente geração em relação ao futuro é vista fundamentalmente como um problema de alocação intertemporal de recursos entre gerações, a qual é regulada pelo que Howard & Norgaard (1995) chamam de laissez-faire altruísta, onde cada geração busca deixar uma herança para a geração seguinte. Os modelos de gerações entrelaçadas (overlaping generations), por exemplo (Figura 3), consideram que a convivência em cada momento de várias gerações (pais, filhos e netos) permitiria o estabelecimento de uma cadeia altruísta entre gerações, através da qual as gerações futuras poderiam ter seu padrão de vida preservado das conseqüências da degradação ambiental provocada por seus antepassados. Figura O problema destes modelos é que eles ignoram o fato básico de que as conseqüências dos problemas ambientais globais recairão muito mais à frente no tempo, sobre uma descendência remota de cada família. 9 Portanto, o sentimento altruísta necessário para induzir atitudes solidárias em relação a gerações tão distantes no tempo (e tão diferentes geneticamente) só pode ser um sentimento não (8) Parte desta seção se baseia em Romeiro (2000). (9) Daly & Cobb (1988) observam que em 5 gerações cada membro da ultima será um descendente de 16 pessoas de diferentes origens. Desse modo, não faz muito sentido alguém se preocupar e tomar alguma atitude em relação a deixar uma herança para descendentes longinquos (contendo apenas 1/16 de sua herança genética). Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas, n. 102, set

20 filial de desprendimento. No entanto, se este sentimento existe, então o bem estar das gerações futuras se torna um bem público e, como tal, exige uma ação coletiva da sociedade organizada para evitar que esta transferência de recursos entre gerações venha a ser considerada injusta (Marglin, 1963 e Sen, 1982). Para Daly (1996), este sentimento existe nos seres humanos e pode ser estimulado através de ações culturais/educacionais, principalmente (mas não exclusivamente) com o apoio das grandes tradições religiosas, uma vez que todas possuem um conteúdo importante em relação a uma gestão cuidadosa e responsável dos recursos naturais. O progresso científico e tecnológico na avaliação dos impactos ambientais e sua contabilização monetária são elementos importantes neste processo de educação e conscientização ecológica. Para autores como Siebenhuener (1999), a educação ambiental poderia também ser programada para despertar sentimentos amigáveis em relação à natureza que foram geneticamente condicionados. Segundo ele, a psicologia evolucionária mostrou que a constituição biológica e, em grande medida, a psicológica também, do homem moderno foi formada há cerca de 40 mil anos atrás, quando os seres humanos eram caçadores e coletores. O modo como os seres humanos reagem emocionalmente, sua sexualidade, seu desejo de exercer atividades que tenham algum significado, bem como seus sentimentos em relação à natureza, evoluíram e se estabilizaram até esta época. Estes sentimentos, juntamente certos programas mentais que regulam reações imediatas em casos de perigo, fome, sede, desejo sexual, etc., não estão submetidos ao controle consciente, e foram importantes para a sobrevivência da espécie humana e se transmitem geneticamente através das gerações. Em relação à natureza, a sensação de simpatia, beleza e paz que esta desperta em muitas pessoas refletiria, portanto, um sentimento geneticamente condicionado, o qual se encontra amortecido pelo peso de um determinado desenvolvimento cultural, mas que poderia ser reativado através da educação. Existe também um conjunto de fatores, não estritamente ecológicos, que podem ter um papel coadjuvante importante numa mudança de valores sócio - culturais que permita a adoção de padrões de consumo mais equilibrados ecologicamente. Como chama a atenção Abramovitz (1993), estes fatores têm contribuído para abalar a firme convicção, prevalecente até os anos 60, de que o crescimento econômico era condição necessária e suficiente para o bem estar. Destes fatores vale ressaltar três em especial: os riscos ligados à qualidade de produtos essenciais (como os alimentos), a própria idéia de que o aumento da 18 Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas, n. 102, set

A rtigo. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável: perspectivas para uma Nova Extensão Rural *

A rtigo. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável: perspectivas para uma Nova Extensão Rural * Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável: perspectivas para uma Nova Extensão Rural * Caporal, Francisco Roberto** Costabeber, José Antônio*** Entramos numa época de ilimitação e é nisso que temos

Leia mais

Claude RAYNAUT * RESUMO ABSTRACT

Claude RAYNAUT * RESUMO ABSTRACT Meio ambiente e desenvolvimento: construindo um novo campo do saber a partir da perspectiva interdisciplinar The environment and development: building a new field of knowledge based on the interdisciplinary

Leia mais

ESTUDO DOS FATORES CONDICIONANTES DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARANÁ: INSTRUMENTO DE

ESTUDO DOS FATORES CONDICIONANTES DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARANÁ: INSTRUMENTO DE ESTUDO DOS FATORES CONDICIONANTES DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARANÁ: INSTRUMENTO DE CONTROLADORIA PARA A TOMADA DE DECISÕES NA GESTÃO GOVERNAMENTAL Tema 3: Tributação,

Leia mais

A Revolução Científico- Tecnológica, a Nova Divisão Internacional do Trabalho e o Sistema Econômico Mundial Theotônio Dos Santos

A Revolução Científico- Tecnológica, a Nova Divisão Internacional do Trabalho e o Sistema Econômico Mundial Theotônio Dos Santos A Revolução Científico- Tecnológica, a Nova Divisão Internacional do Trabalho e o Sistema Econômico Mundial Theotônio Dos Santos 1 ÍNDICE: A Teoria Econômica e a Mudança Tecnológica 3 Comércio Internacional

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES Currso:: Gesttão de Prrojjettos APOSTIILA maio, 2006 Introdução Conseguir terminar o

Leia mais

O DISCURSO DA SUSTENTABILIDADE E

O DISCURSO DA SUSTENTABILIDADE E O DISCURSO DA SUSTENTABILIDADE E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A EDUCAÇÃO GUSTAVO O DA A COSTA A LIMA * CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES As duas últimas décadas testemunharam a emergência do discurso da sustentabilidade

Leia mais

Água: um bem econômico de valor para o Brasil e o mundo 1

Água: um bem econômico de valor para o Brasil e o mundo 1 Água: um bem econômico de valor para o Brasil e o mundo 1 Fernanda Gene Nunes Barros 2 Mário M. Amin (PHD) 3 Resumo A poluição e o uso desordenado dos recursos hídricos, aos poucos, estão tornando a água

Leia mais

MUITO ALEM DA ECONOMIA VERDE RICARDO ABRAMOVAY

MUITO ALEM DA ECONOMIA VERDE RICARDO ABRAMOVAY MUITO ALEM DA ECONOMIA VERDE RICARDO ABRAMOVAY Iniciais 1 a 32.indd 1 5/22/12 2:25 PM Iniciais 1 a 32.indd 2 5/22/12 2:25 PM Fundación Avina MUITO ALEM DA ECONOMIA VERDE RICARDO ABRAMOVAY São Paulo, 2012

Leia mais

EVOLUÇÃO E CONDICIONANTES DA GESTÃO AMBIENTAL NAS EMPRESAS

EVOLUÇÃO E CONDICIONANTES DA GESTÃO AMBIENTAL NAS EMPRESAS EVOLUÇÃO E CONDICIONANTES DA GESTÃO AMBIENTAL NAS EMPRESAS Renato Santos de Souza 1 Prédio 40 - Campus Camobi CEP: 97105-900 Santa Maria/RS Brasil E-mail: renatoss@ccr.ufsm.br 1 Universidade Federal de

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO X AUTO- REALIZAÇÃO HUMANA

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO X AUTO- REALIZAÇÃO HUMANA ICPG Instituto Catarinense de Pós-Graduação www.icpg.com.br 1 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO X AUTO- REALIZAÇÃO HUMANA Silvinha Moretti Instituto Catarinense de Pós-Graduação ICPG Gestão Estratégica de

Leia mais

MACROCAMPO EDUCAÇÃO AMBIENTAL MAIS EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO INTEGRAL EM ESCOLAS SUSTENTÁVEIS

MACROCAMPO EDUCAÇÃO AMBIENTAL MAIS EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO INTEGRAL EM ESCOLAS SUSTENTÁVEIS MACROCAMPO EDUCAÇÃO AMBIENTAL MAIS EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO INTEGRAL EM ESCOLAS SUSTENTÁVEIS Se planejar para um ano, plante arroz! Se planejar para 10 anos, plante árvores! Se planejar para 100 anos, eduque

Leia mais

Professor Eiiti Sato

Professor Eiiti Sato Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa Textos de Conferências 2 OS PAÍSES EMERGE TES E O BRASIL DIA TE DA FORMAÇÃO DE UMA OVA ORDEM ECO ÓMICA I TER ACIO AL Professor Eiiti

Leia mais

O Futuro da Alimentação: Ambiente, Saúde e Economia

O Futuro da Alimentação: Ambiente, Saúde e Economia O Futuro da Alimentação: Ambiente, Saúde e Economia O Futuro da Alimentação: Ambiente, Saúde e Economia Autores Arlindo Cunha, Armando Sevinate Pinto, Augusto Manuel Correia, Benoît Miribel, Carlos Cardoso,

Leia mais

Entendendo o conceito de sustentabilidade nas organizações

Entendendo o conceito de sustentabilidade nas organizações Entendendo o conceito de sustentabilidade nas organizações Priscila Borin de Oliveira Claro Danny Pimentel Claro Robson Amâncio RESUMO As empresas encontram dificuldades em associar discursos e práticas

Leia mais

A ideia de ciclo na análise de políticas públicas

A ideia de ciclo na análise de políticas públicas A ideia de ciclo na análise de políticas públicas Tatiana Wargas de Faria Baptista Mônica de Rezende Este texto integra o material Caminhos para análise de políticas de saúde, produzido com apoio da Faperj,

Leia mais

Mineração, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - Aspectos Jurídicos e Sócio-Econômicos -

Mineração, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - Aspectos Jurídicos e Sócio-Econômicos - Mineração, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - Aspectos Jurídicos e Sócio-Econômicos - Paulo Henrique Faria Nunes Bacharel em Direito; Especialista em Relações Internacionais; Mestre em Geografia;

Leia mais

Gênese, evolução e universalidade dos direitos humanos frente à diversidade de culturas

Gênese, evolução e universalidade dos direitos humanos frente à diversidade de culturas Gênese, evolução e universalidade dos direitos humanos frente à diversidade de culturas ETIENNE-RICHARD MBAYA EM VISTA DO tempo acadêmico de uma hora, que me foi concedido, e no intuito de clareza na apresentação

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL E SEUS EFEITOS NO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO BRASIL JOÃO MARCUS SAMPAIO GUEIROS JUNIOR

PROPRIEDADE INTELECTUAL E SEUS EFEITOS NO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO BRASIL JOÃO MARCUS SAMPAIO GUEIROS JUNIOR Análise da Relação entre o Desenvolvimento Tecnológico Sustentável do Brasil Folha i PROPRIEDADE INTELECTUAL E SEUS EFEITOS NO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO BRASIL JOÃO MARCUS SAMPAIO GUEIROS JUNIOR UNIVERSIDADE

Leia mais

2º Bimestre. Disciplina: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO

2º Bimestre. Disciplina: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA EM PRODUÇÃO DE MODA CAMPUS V - DIVINÓPOLIS CURSO TÉCNICO EM PRODUÇÃO

Leia mais

A RELAÇÃO DO HOMEM COM O MEIO AMBIENTE: O QUE DIZEM AS LEIS E AS PROPOSTAS DE EDUCAÇÃO PARA O MEIO AMBIENTE

A RELAÇÃO DO HOMEM COM O MEIO AMBIENTE: O QUE DIZEM AS LEIS E AS PROPOSTAS DE EDUCAÇÃO PARA O MEIO AMBIENTE A RELAÇÃO DO HOMEM COM O MEIO AMBIENTE: O QUE DIZEM AS LEIS E AS PROPOSTAS DE EDUCAÇÃO PARA O MEIO AMBIENTE THE RELATIONSHIP OF MAN AND THE ENVIRONMENT: WHAT DO THE LAWS AND PROPOSALS OF EDUCATION FOR

Leia mais

SOCIEDADE CIVIL: SUA DEMOCRATIZAÇÃO PARA A REFORMA DO ESTADO *

SOCIEDADE CIVIL: SUA DEMOCRATIZAÇÃO PARA A REFORMA DO ESTADO * SOCIEDADE CIVIL: SUA DEMOCRATIZAÇÃO PARA A REFORMA DO ESTADO * Luiz Carlos Bresser-Pereira In Luiz Carlos Bresser-Pereira, Jorge Wilheim and Lourdes Sola, orgs., Sociedade e Estado em Transformação. UNESP/ENAP,

Leia mais

RELAÇÕES INTERGERACIONAIS E RECONSTRUÇÃO DO ESTADO DE BEM-ESTAR. POR QUE SE DEVE REPENSAR ESSA RELAÇÃO PARA O BRASIL?*

RELAÇÕES INTERGERACIONAIS E RECONSTRUÇÃO DO ESTADO DE BEM-ESTAR. POR QUE SE DEVE REPENSAR ESSA RELAÇÃO PARA O BRASIL?* CAPÍTULO 7 RELAÇÕES INTERGERACIONAIS E RECONSTRUÇÃO DO ESTADO DE BEM-ESTAR. POR QUE SE DEVE REPENSAR ESSA RELAÇÃO PARA O BRASIL?* Ana Maria Goldani Da Universidade da Califórnia (UCLA) e da Escola Nacional

Leia mais

EMPREGO NO BRASIL NOS ANOS 90

EMPREGO NO BRASIL NOS ANOS 90 TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 468 EMPREGO NO BRASIL NOS ANOS 90 Lauro Ramos * José Guilherme Almeida Reis ** Rio de Janeiro, março de 1997 * Da Diretoria de Pesquisa do IPEA e da Universidade Santa Úrsula (USU).

Leia mais

Evolução dos Recursos Humanos nas Empresas? Da Retórica às Práticas Antigas com Novas Roupagens

Evolução dos Recursos Humanos nas Empresas? Da Retórica às Práticas Antigas com Novas Roupagens Evolução dos Recursos Humanos nas Empresas? Da Retórica às Práticas Antigas com Novas Roupagens Autoria: Carolina Goyatá Dias, Fernanda Tarabal Lopes, Werner Duarte Dalla Resumo: Busca-se analisar como

Leia mais

O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as organizações no Brasil

O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as organizações no Brasil O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as organizações no Brasil anos Sumário Sobre a pesquisa...04 Tendências transformadoras para os negócios...07 Mudanças no perfil do trabalho e nas expectativas

Leia mais

Bases conceituais de uma política externa nacional

Bases conceituais de uma política externa nacional Bases conceituais de uma política externa nacional Paulo Roberto de Almeida Doutor em Ciências Sociais, diplomata de carreira. (pralmeida@mac.com; www.pralmeida.org) In: Estevão C. de Rezende Martins e

Leia mais

PCN. Ciências Humanas e suas Tecnologias. Ensino Médio. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais

PCN. Ciências Humanas e suas Tecnologias. Ensino Médio. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais PCN Ensino Médio Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais Ciências Humanas e suas Tecnologias Sumário A reformulação do ensino médio e as áreas do conhecimento 7 A

Leia mais

TRABALHO CONSUMO TRABALHO E CONSUMO APRESENTAÇÃO DOS TEMAS TRANSVERSAIS APRESENTAÇÃO DOS TEMAS TRANSVERSAIS

TRABALHO CONSUMO TRABALHO E CONSUMO APRESENTAÇÃO DOS TEMAS TRANSVERSAIS APRESENTAÇÃO DOS TEMAS TRANSVERSAIS TRABALHO E CONSUMO 337 APRESENTAÇÃO TRABALHO DOS TEMAS E CONSUMO TRANSVERSAIS APRESENTAÇÃO DOS TEMAS TRANSVERSAIS 338 APRESENTAÇÃO Este tema incorpora no currículo escolar demandas sociais urgentes, de

Leia mais

O PARADIGMA EDUCACIONAL EMERGENTE

O PARADIGMA EDUCACIONAL EMERGENTE O PARADIGMA EDUCACIONAL EMERGENTE Maria Cândida Moraes 1 PUC/SP/Brasil Depois de mais de 20 anos participando de processos de planejamento e de coordenação de políticas públicas relacionadas ao uso das

Leia mais

VIVERBEM.VIVERVERDE DIRETRIZES PROGRAMÁTICAS PARA O PARTIDO VERDE 2014

VIVERBEM.VIVERVERDE DIRETRIZES PROGRAMÁTICAS PARA O PARTIDO VERDE 2014 VIVERBEM.VIVERVERDE DIRETRIZES PROGRAMÁTICAS PARA O PARTIDO VERDE 2014 INTRODUÇÃO Tratamos aqui das diretrizes para elaboração de um programa do PV para o Brasil/2014. Pedimos que sejam avaliadas, criticadas,

Leia mais