CAPITAL SOCIAL, ETHOS E GERENCIAMENTO DE IMPRESSÕES EM REDES SOCIAIS TEMÁTICAS: O CASO SKOOB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPITAL SOCIAL, ETHOS E GERENCIAMENTO DE IMPRESSÕES EM REDES SOCIAIS TEMÁTICAS: O CASO SKOOB"

Transcrição

1 CAPITAL SOCIAL, ETHOS E GERENCIAMENTO DE IMPRESSÕES EM REDES SOCIAIS TEMÁTICAS: O CASO SKOOB Fernanda Ariane Silva Carrera 1 e Mônica de Sá Dantas Paz 2 Resumo: O trabalho visa discutir o fenômeno da especialização das redes sociais no ciberespaço, aqui chamadas de redes sociais temáticas, compreendendo o capital social como recurso estratégico fundamental para o gerenciamento de impressões nestes ambientes. Admitindo especificidades a respeito dos subsídios tecnológicos disponíveis aos atores que nelas interagem, considera-se aqui que estas redes assumem dinâmicas de sociabilidade diferenciadas em relação aos sites de redes sociais genéricos, uma vez que buscam unir redes de relacionamento com propagação de conteúdos específicos e funcionalidades afins. Buscase entender, portanto, a partir de um estudo de caso do Skoob, como estes recursos podem ser úteis para o sujeito como forma de construção do ethos; do seu capital social dentro da rede que participa; e da eficácia das impressões que gerencia em contextos peculiares de interação. Palavras-chave: Redes Sociais Segmentadas; Skoob; Capital Social; Ethos; Gerenciamento de Impressões Abstract: The paper aims to discuss the phenomenon of specialization of social networks in cyberspace, here called social networks segmented, including social capital as a strategic resource vital to the impression management in these environments. Assuming specifics about the technology grants available to the actors in their interactions, it is assumed here that these dynamic networks of sociability differentiated in relation to generic social networking sites, as seek to unite networks with propagation of specific content and features like. We seek to understand, therefore, from a case study of Skoob, as these resources may be helpful for the subject as a way of constructing the ethos, of their capital within the network involved, and the effectiveness of the impressions that manages peculiar contexts of interaction. Keywords: Social Networks Segmented; Skoob; Social Capital; Ethos; impressions management Apresentação O Brasil tem se destacando no rank mundial no uso de sites de redes sociais (SRS) 3. Se de um lado evidencia-se o declínio ou o crescimento dos SRS já implantados, de outro há o 1 Fernanda Ariane Silva Carrera é doutoranda do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense (UFF) e mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia (UFBA). 2 Mônica de Sá Dantas Paz é doutoranda e mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia (UFBA). 3 Como se pode ver através das pesquisa realizadas pela ComScore, relatadas em: INFO Online, Brasil é o 5º em uso de redes sociais, disponível em sh; Techlider, Uso de redes sociais cresce no Brasil e apresenta 23% de crescimento, disponível em ambas acessadas em 13 ago 2012.

2 surgimento de novos sites dessa categoria. Muitos desses sites têm se especializado por temas, serviços ou recursos compartilhados, segmentando em nichos o público adepto desse tipo de ambiência digital. Essas redes especializadas 4 suportadas por ferramentas digitais serão aqui chamadas de redes sociais de nicho ou redes sociais segmentadas, sites que apresentam certa oposição estratégica às redes sociais genéricas ou de propósito geral. São exemplos de tais redes genéricas as que focam no relacionamento em um aspecto amplo, fornecendo especialização através de funcionalidades, como comunidades e fóruns, para segmentar por interesses o seu vasto público, como o que se ver no Orkut e no Facebook. Assim, as redes sociais de nicho (ou redes sociais segmentadas) (CADÉ, 2009, online), e sua tendência pela segmentação, estão inseridas no que Anderson (2006) considera ser a cultura de nicho ou a cultura do e em sua discussão sobre a cauda longa: A mudança do genérico para o específico não significa o fim da atual estrutura de poder ou uma migração em grande escala para uma cultura amadora ou portátil. Ao contrário, trata-se apenas do reequilíbrio da equação, uma evolução de uma era ou. De hits ou nichos (cultura dominante vs. Subculturas) para uma era e. Hoje, nossa cultura é cada vez mais uma mistura de cabeça e cauda, hits e nicho, instituições e indivíduos, profissionais e amadores. A cultura de massa não deixará de existir, ela simplesmente se tornará menos massificada. E cultura de nicho já não será tão obscura. (ANDERSON, 2006, p. 180). São muitas as redes sociais na internet que se podem citar no âmbito da segmentação: o site de relacionamentos de pessoas de carreira acadêmica, o ebah 5 ; rede de pesquisa acadêmica internacional com funcionalidades de gerenciamento e compartilhamento de bibliografias de pesquisa, o Mendeley 6 ; rede para acadêmicos na qual se pode seguir o trabalhos de outros pesquisadores e monitorar o acesso a suas publicações, o Academia.edu 7 ; a rede de relacionamentos Shelfari 8, para interessados em literatura; e com o mesmo foco, também há o site Skoob 9, que se intitula a primeira e maior rede de leitores do Brasil. Com foco na cultura digital, há a rede Cultura Digital Brasileira, espaço público e aberto voltado 4 Uma outra forma de especialização encontrada por algumas redes para se destacar dentre as inúmeras existentes na internet, é a que busca circular uma forma em particular de mídia como músicas, fotografias ou vídeos. É o que se pode ver em redes como o MySpace, Flickr e YouTube, que em alguns casos acabam evidenciando mais o produto circulado do que a rede de relacionamentos em si. Esta especialização é diferente da tratada aqui por focar no tipo de conteúdo circulado e não no tema do conteúdo e interesse geral do seu público. 5 Site disponível em 6 Site disponível em 7 Site disponível em 8 Site disponível em 9 Site disponível em

3 para a formulação e a construção democrática de uma política pública de cultura digital, integrando cidadãos e instituições governamentais, estatais, da sociedade civil e do mercado 10 e a Finggers 11, para compartilhamento de informações sobre aplicativos móveis, dentre outros exemplos que pertencem a mais diversas temáticas. As redes de nicho também podem ser consideradas como uma possível solução publicitária que podem jogar em paralelo às grandes redes, por este ser um campo que ainda tem muito a ser explorado. Ou seja, há redes que objetivam a promoção de marcas, que buscam aproveitar a colaboração e menções espontâneas de seus clientes para fidelizá-los e promover-se 12. Algumas dessas podem ser chamadas de redes sociais corporativas que fomentam a proximidade de relacionamento, benefícios para seus participantes, além do gerenciamento de informações desses, como cita Oliveira (2010), nos casos das redes: IdeaStorm da Dell, empresa de equipamentos de informática, a My Starbucks Idea da rede de cafeterias, e a Viajamos da empresa aérea Azul. Além de SRSs isolados, diferentes instância do software e servidores que os suportam, tem-se também plataformas web que provêm a construção de diversas redes sociais. Este é o caso do Ning 13, um site que possibilita a criação de redes sociais temáticas ou de nicho que servem, não apenas para a união de pessoas acerca de um determinado assunto, mas também possibilita a geração e difusão de conteúdo pelos usuários. Explorando a possibilidade de interligação de redes sociais independente da plataforma ou do servidor no qual está instalado, Evan Prodromou 14 apresentou o termo redes sociais federadas para designar a possibilidade de se desenvolver sites de redes sociais que possam se interligar. Dessa forma, os membros de diferentes das redes sociais federadas podem se relacionar, sem precisar de inúmeros cadastros de perfis. Talvez estes sejam reflexos desse consumo de SRSs cada vez maior e encerrados em temas, que causo impacto também no desenvolvimento de plataformas Web 2.0 que precisam comportar esta e novas tendências dessa área. 10 Disponível em 11 Site disponível em 12 Como é o caso do empregado na INFO Online, matéria Redes sociais de nicho também dão lucros, disponível em: acessado em 13 set Site disponível em 14 Criador da plataforma de microblog Identica em software livre, publicou o artigo What is the federated social web? em 13 jul 2010, disponível em

4 Analisando redes de consumo musical, como o MySpace, Amaral (2010, online) aponta algumas características, que talvez possam ser estendidas às demais redes temáticas, como a criação de bancos de dados de consumo, de memória, de organização social, de crítica e classificação e de constituição de reputação e autoridade sobre o conhecimento acerca do tema, além da fruição de bens simbólicos, compartilhamento de preferências e traçado simbólico de relacionamentos. A rede Skoob, por exemplo, também utiliza destes referenciais simbólicos para guiar as expectativas e as interações. A classificação é indicada por meio de ícones que orientam os usuários em relação às categorias apresentadas. Como exemplo, o livro desejado aparece ao lado do ícone do presente, simbolizando as expectativas do internauta em relação às obras que deseja ler. Podemos notar que essa classificação aponta para as relações entre autores, livros e leitores, proporcionando a ampliação de uma rede de interações e trocas de experiências de leituras. (SILVA, 2011, p. 37). O Academia.edu já oferece outros artifícios tecnológicos, que inclusive se vale de outras redes, para a construção de um ambiente único de conexão. Nele, os pesquisadores podem adicionar seu currículo específico para a pesquisa, reunir em um só lugar todas as suas publicações e palestras. Dentro do site, podem ser seguidos e seguir outros pesquisadores. Além disso, a rede ajuda no monitoramento de quanto o conteúdo individual tem sido visitado, pesquisado em sites de busca como o Google etc. Dessa forma, nota-se que as redes temáticas estão atreladas à exposição mais elaborada de um aspecto, interesse ou habilidade do indivíduo, quantificando os seus conteúdos e qualificando a sua produção e relacionamento. Com o apresentado até então, é considerável a emergência de redes sociais com a agregação de outras mídias sociais que possibilitam uma maior interação e participação dos usuários, principalmente com conteúdo de diversos formatos (textos, vídeos, fotografia, etc). Diante da tendência de especialização ao redor de um tema e de união com a publicação e produção de conteúdo, várias questões surgem em relação a estas redes sociais. Neste artigo, focaremos as que também serão chamadas de redes sociais temáticas, por lidarem prioritariamente com temas ou produtos de interesses, como o que ocorre com o Skoob. As Redes Sociais Temáticas e suas Propriedades

5 Ao que se refere às propriedades das redes em relação às redes sociais temáticas, algumas considerações conceituais podem ser feitas. Uma delas é a possível existência de laços fortes (GRANOVETTER, 1983; RECUERO 2009), seja entre pessoas que já se conhecem, seja por pessoas com alta afinidade decorrentes dos interesses expressados na rede. Estes laços acarretam na existências de clusters, comunidades dentro da comunidade geral, na qual todos se conhecem em compartilham vários interesses comuns (BUCHANAN, 2003). Já os laços fracos são responsáveis pelo fenômeno do mundo pequeno (WATTS, 1999; BUCHANAN, 2003; RECUERO 2009) conectando pessoas com poucos interesses comuns. Visto que há um tema comum que guia as relações e conteúdos compartilhados na rede, espera-se que os relacionamentos sejam incentivados em sua criação e manutenção, diminuindo o mundo, ou seja, aumentando as chances dessas relações serem estabelecidas. No entanto, espera-se que usuários avançados e pessoas mais conhecidas estejam mais suscetíveis a criarem mais relações, tornando-se cada vez mais conectados. Seriam os chamados hubs, que podem possuir maior influência sobre os conteúdos e marcas circuladas pela rede, em decorrência da premissa ricos ficam mais ricos que também é chamada de preferential attachment (BUCHANAN, 2003; RECUERO 2009). Esses modos interacionais, portanto, servem como possibilidades sociais para os atores que ali se encontram, fornecendo meios de conexão constante mesmo com aqueles com os quais não há relação através de outros ambientes. Dessa forma, cada rede social temática oferece recursos de interação diferenciados, construindo um certo lugar peculiar que reconfigura os processos sociais e de comunicação. Capital Social e Ethos no Gerenciamento de Impressões Das trocas e valores gerados e circulados na rede, principalmente de forma espontânea e orientada para a coletividade, o conceito de capital social torna-se útil para entender as relações criadas e a sua manutenção. Existem muitos autores que conceituaram capital social levando em conta diferentes aspectos, como Bourdieu (1983), Coleman (1988) e Putnam (2000). Baseando-se nos trabalhos desses autores, Recuero (2009) considera que tanto as

6 relações sociais quanto o conteúdo das mensagens trocadas no ciberespaço são importantes para o estudo de redes sociais na internet. Para Bourdieu (1983), quem primeiro conceituou capital social, este é relativo aos recursos efetivos ou potenciais adquiridos nas relações sociais e que encerram um sentido de reconhecimento mútuo entre as partes de uma rede social, que pode resultar em benefícios adquiridos nesta participação e, além disso, pertencimento a grupos valorizados positivamente. Dessa forma, este conceito encerra uma perspectiva de vantagem individual de acordo com a utilização de recursos coletivos. Enquanto este conceito está sustentado em questões de pertencimento e de conhecimento e reconhecimento mútuo, o de Putnam (2000) trata-o em relação à confiança e reciprocidade, considerando-o como de natureza individual e coletiva na construção do valor social. Para Rocha (2009), o capital social é concebido em um aspecto relacional, ou seja, a inter-relação entre agendas sociais ou entre um agente social/indivíduo e um grupo. No campo comunicacional, sobretudo o digital, tal relação pode sustentar-se na aplicação dos conceitos [...] relativos à sociabilidade, visto que a sociabilidade, a temporalidade e a espacialidade são pontos importantes para se analisar redes sociais (WARREN, 2006 apud ROCHA, 2009). Já Reis (2003) analisou o capital social no que diz respeito ao sentimento de confiança traçado entre as partes da relação, como indicado por Putnam. Contudo, o mútuo reconhecimento e pertencimento vivenciado dentro de grupos e o capital simbólico proveniente dessas relações são pertinentes aos estudos dentro de comunidades que se relacionam no ciberespaço através das TICs, estes estudos devem levar em conta as relações e as práticas sociais de seus membros, devendo-se avaliar também o conteúdo das trocas interacionais e assim buscar entender as dinâmicas dessa comunidade: As novas tecnologias de comunicação e informação serão vetores de agregação social, de vínculo comunicacional e de recombinação de informações as mais diversas sobre formatos variados, podendo ser textos, imagens fixa e animada e sons. A cultura pós-massiva das redes, em expansão com sites, blogs, redes de relacionamento como o Orkut, troca de fotos, vídeos e música em sistemas como o Flickr, YouTube e redes p2p mostra muito bem esse movimento de recombinação cultural em um território eletrônico em crescimento planetário. (LEMOS, 2006, p. 36). Nesse contexto, portanto, a tecnologia por trás dos sites de redes sociais proporcionaria também a facilidade de manutenção das conexões, aumentando o acesso ao capital social

7 (RECUERO e ZAGO, 2009). É em virtude destes artifícios tecnológicos que as práticas interacionais fazem emergir tipos de capital social específicos, os quais, ademais, servem para a construção de um ethos discursivo dentro destes ambientes que legitima as ações individuais. O enunciador deve legitimar seu dizer: em seu discurso, ele se atribui uma posição institucional e marca sua relação a um saber (...) ele se deixa apreender também como uma voz e um corpo (CHARAUDEAU e MAINGUENEAU, 2004, p. 220). Em outras palavras, em sites de redes sociais temáticas, com o intuito de construir referenciais identitários, os indivíduos se valem dos recursos disponíveis para gerenciar a imagem de si dentro do grupo que participa. Isto é, todos os atores interagentes produzem a sua fachada social e esperam ser acreditados a partir de estratégias discursivas que corroboram o ethos que desejam representar e o seu capital social dentro do grupo. Da mesma forma, precisam considerar o olhar do outro generalizado (MEAD, 1972, p. 171) nesta criação e, sobretudo, não permitir que este tenha acesso aos bastidores da representação. Garantindo, assim, a sua circunspecção dramatúrgica, os atores evitam as chamadas intromissões inoportunas e os possíveis faux pas da interação (GOFFMAN, 1985). Corroborando uma tendência da contemporaneidade (e característica da cibercultura) que reside na atualização permanente e sempre recente das informações, por meio de fragmentos de conteúdo adicionados a todo o momento (SIBÍLIA, 2008, p. 116), os indivíduos produzem e compartilham conteúdo com o objetivo de construir a sua imagem de si, ou seja, aquela instância subjetiva que confere autoridade ao autor da enunciação. Isto é, no ato da comunicação, o enunciador busca mostrar ao seu interlocutor os traços de caráter que a ele trazem boa impressão, e é esse conjunto de idealizações imagéticas que não necessariamente está relacionado à sinceridade que constitui o seu ethos. Assim, como afirma Roland Barthes: o orador enuncia uma informação, e ao mesmo tempo diz: eu sou isto, eu não sou aquilo (BARTHES, 1966, p. 212). Assim, é na qualidade de fonte da enunciação que ele se vê revestido de determinadas características que, por ação reflexa, tornam essa enunciação aceitável ou não (DUCROT, 1987, p. 201). Essas características, por sua vez, se constituem a partir de estereótipos culturais que circulam no seio social e abastecem os grupos de componentes classificatórios.

8 Ethos implica, com efeito, uma disciplina do corpo, apreendido por intermédio de um comportamento global. O caráter e a corporalidade do fiador provêm de um conjunto difuso de representações sociais valorizadas ou desvalorizadas, sobre as quais se apóia a enunciação e que, por sua vez, pode confirmá-las ou modificá-las (PALÁCIOS, 2004, p. 164). Neste sentido, a imagem de si que os atores buscam fazer os interlocutores acreditarem existir, ou, especificamente, o ethos construído a partir da postagem de imagens, vídeos ou textos em sites de redes sociais, edifica-se, também, a partir de um habitus de classe, isto é, de subjetividades socializadas (LANDINI e PASSIANI, 2007, p. 5) que determinam os gostos e o valor dado a cada comportamento, atitude ou escolha evidenciados pelo conteúdo posto em público. O habitus, portanto, adicionado a outros referenciais socioculturais e simbólicos, serve ao indivíduo como matéria-prima para a construção da sua subjetividade no ciberespaço, corroborando sua identificação a gostos que atestam a suposta veracidade do ethos que deseja representar. O habitus apreende as diferenças de condição captadas por ele sob a forma de diferenças entre práticas classificadas e classificantes enquanto produtos do habitus - segundo princípios de diferenciação que, por serem eles próprios de produto de tais diferenças, estão objetivamente ajustados a elas e, portanto, tendem a percebê-las como naturais (BOURDIEU, 2007, p. 164). Assim, o gosto é um dos elementos do habitus que classifica os sujeitos sociais, e estes distinguem-se pelas distinções que eles operam entre o belo e o feio, o distinto e o vulgar; por seu intermédio, exprime-se ou traduz-se a posição desses sujeitos nas classificações objetivas (BOURDIEU, 2007, p. 14). Ou seja, as informações absorvidas, os gestos adquiridos, a forma de andar, o talento, a preferência por produtos culturais diversos etc., em outras palavras, a maneira de ser e estar no mundo que se confunde com uma predisposição natural, na verdade, obedece a este habitus previamente construído, socialmente produzido, que, por fim, dá origem ao que se chama subjetividade. Essa subjetividade, portanto, nada mais é do que uma objetividade assimilada, interiorizada (ORTIZ, 1983). Dentro dessa perspectiva, a utilização de determinadas ferramentas dentro dos sites de redes sociais permite a adequação a determinados padrões de comportamento que são atrelados a grupos sociais valorizados positivamente, revelando o ator como detentor de

9 elevado capital social e legítimo representante do ethos desejado na construção da sua fachada pessoal (GOFFMAN, 1985, p. 29). Isso porque as possibilidades de representação do self nestes ambientes fazem emergir processos de gerenciamento de impressões específicas, nos quais é possível fazer uso de artifícios materiais pouco utilizados nas interações face a face. Os vídeos musicais, por exemplo, sejam eles clipes, vídeos de shows ou de momentos intimistas com os artistas, servem como publicização de interesses e construção de fachadas pessoais que subsidiam o processo interacional. Entendendo, portanto, a existência do self como um produto da interação, estes artifícios disponíveis nos sites de redes sociais ajudam a construir referenciais identitários que visam ao gerenciamento das impressões produzidas pelo e para o outro. Dentro dessa perspectiva, não só o ato de compartilhar, mas a atribuição de valor que o outro agente da interação constrói para cada mensagem posta em evidência, é o que completa a comunicação propriamente dita, o sucesso do ethos enunciativo e o ganho de capital social. Isto é, virtualmente, é importante que o outro entre no jogo pretendido pelo usuário para que seja possível o exercício das características e das práticas comportamentais escolhidas (RIBEIRO, 2003, p. 94), criando-se assim as redes sociais. Capital Social e Ethos como Estratégias de Gerenciamento de Impressões no Skoob O site de rede social temática Skoob é uma rede destinada a pessoas aficionadas pelo mundo dos livros e da leitura. Mantendo um perfil nesse site, o usuário denominado de leitor, pode compartilhar e gerenciar suas leituras e impressões sobre as mesmas, além de se relacionar com pessoas que também se interessam por livros. Dessa forma, atrelados ao registro, uma pessoa pode manter um perfil, uma estande, uma lista de amigos, uma lista de seguidores e de seguidos, além da enumerar seus autores e editoras preferidos. O cenário, portanto, proposto pelo Skoob, é direcionado formalmente ao enfoque temático que apresenta. Segundo Goffman (1985), o cenário faz parte dos aspectos cênicos da região de fachada, ou seja, aqueles que devem ser arrumados antes da representação e que, fora deles, os atores possam despir-se daquela performance. O cenário nestes ambientes, portanto, serve ao ator também como elemento de construção de sentido. Apropriando-se das suas características, arrumando o seu cenário de acordo com as representações que deseja

10 produzir, o ator organizacional pode interagir com os seus interlocutores de forma diferenciada. O cenário, portanto, é uma instância fixa que, somente em circunstância excepcionais, pode acompanhar os atores. No Skoob, assim, o usuário se vê diante de estantes de livros e de várias etiquetas de classificação, demonstrando os livros lidos, os em andamento na leitura, os que estão sendo relidos etc.. Além disso, é evidente que o tema direciona até mesmo a forma de existir como sujeito dentro do site, quando a frase de descrição do eu se vê em destaque e entre aspas, numa tentativa de instituir o ator no universo literário dos autores. Figura 01: página inicial do site Skoob que apresenta um exemplo de estante, neste caso dos livros lançamentos em agosto de Para dar conta, contudo, de alguns elementos que são identificados com o próprio ator e espera-se que o sigam para onde quer que ele vá, Goffman introduz a noção de fachada pessoal do indivíduo. Nesta perspectiva, existem partes cênicas que se referem ao seu equipamento de expressão pessoal que podem ser fixas ou transitórias (GOFFMAN, 1985, p. 31). Dentro dessa perspectiva, tanto a imagem escolhida para representar o sujeito (leitor), bem como as fotografias relacionadas aos seus amigos, servem como elementos identitários, que constroem sentido para a relação com o outro e produz a sua imagem de si. Esta mesma imagem do perfil é usada em associação aos comentários e demais atividades realizadas pelo leitor dentro da rede.

11 Construindo a sua fachada pessoal, portanto, o indivíduo no Skoob faz uso de certos artefatos enunciativos disponíveis que ajudam a representar o ethos desejado no ambiente e, além disso, a expor elementos discursivos que adicionam capital social à sua existência ali. Assim, o Skoob oferece o paginômetro, medidor de páginas lidas pelo indivíduo, que encontra-se bem destacado no topo superior direito do perfil, de forma que pode ser considerado a principal forma de classificação e diferenciação do usuário diante dos demais leitores. O recurso depende, portanto, de uma autoalimentação, na medida em que o próprio indivíduo, ao identificar o andamento da sua leitura, faz aumentar os números de páginas lidas. Dessa forma, este artifício serve ao ator como importante material para o gerenciamento de impressões específicas no site. Entende-se, assim, que o Skoob, ao oferecer destaque para as estatísticas do ator - algo comum em sites de redes sociais -, as supervaloriza visualmente e de forma facilmente acessível, em virtude da expectativa de se conhecer o ator com o qual se interage. No caso das redes temáticas, entretanto, este destaque é adaptado e extrapolado de acordo com a sua temática, permitindo acesso ao capital social especificamente relacionado àquele universo de sentido. Ou seja, no Skoob, os livros são a matéria-prima para a construção do self, já que a sua fachada é engendrada a partir da adição de livros lidos, adquiridos ou desejados, além de resenhas, avaliações de livros, etc.. Dessa forma, são estas as pistas disponíveis para o outro no processo interacional. Nesse contexto, entende-se que a construção da fachada pessoal no Skoob utiliza de diversos referenciais simbólicos já estabelecidos em práticas socioculturais anteriores, tradicionais, uma vez que a comunicação mediada demonstra muitas qualidades novas, mas continua a apresentar e reforçar forças culturais que influenciam as mensagens em todos os contextos (BAYM, 2012, p. 71 tradução nossa 15 ). Comportamentos comuns da interação face a face, como a exposição da estante de livros como forma de mostrar erudição, portanto, são deslocados para aquele ambiente, expondo a característica fundamental que, ali, especificamente, é o artefato principal para o aumento do capital social, para a legitimação do ethos enunciativo e para a manutenção da fachada. Desse modo o usuário pode corroborar para que a percepção dos outros lhe associe aos esteriótipos culturais dos bons leitores. 15 Texto original: mediated communication demonstrates many new qualities, but continues to display and reinforce the broader cultural forces that influences messages in all contexts.

12 Ademais, elementos fundamentais para a constância do relacionamento e para o desejo de continuidade da interação tanto online quanto offline, como a confiança, também se sustentam a partir de recursos discursivos oferecidos pelo site. Assim, é possível realizar trocas de livros, mas, por meio de um indicador de reputação, o indivíduo pode escolher acreditar ou não naquele que deseja realizar, com ele, alguma transação. Nesse contexto, interessante perceber que outros fatores demonstram esse suposto deslocamento de práticas já conhecidas para o ambiente digital, novo, que se estabelece no Skoob, peculiarmente. A possibilidade de o mesmo usuário estabelecer o seu lugar de autor e de leitor, sem que os dois estejam relacionados um com o outro, permite que haja um certo controle da representação. Desse modo, o indivíduo pode gerenciar a sua fachada de acordo com as expectativas de plateias, muitas vezes, diferenciadas, garantindo que ambientes da sua região de fundo não sejam acessados como forma de desacreditar a representação. A vida passada e o curso habitual das atividades de determinado ator contêm tipicamente alguns fatos que, se fossem introduzidos durante a representação, desacreditariam ou, no mínimo, enfraqueceriam as pretensões relativas à sua personalidade(...). Estes fatos podem envolver segredos escusos bem guardados ou características negativas, que todo mundo vê mas às quais ninguém se refere. Quando tais fatos são apresentados, o resultado comum é o constrangimento. (GOFFMAN, 1985, p. 192). Entretanto, é possível, se for do interesse do ator, extrapolar os limites daquela rede temática, uma vez que o Skoob permite a publicação de conteúdos gerados pelo ator resenhas, sugestão de leitura, quantificação de livros lidos etc. para o ambiente de outras redes das quais participa, como as que foram construídas no Facebook ou no Twitter. Desse modo, o gerenciamento das suas relações e daquilo que deseja expor como referencial da sua identidade é de responsabilidade do indivíduo que constrói a sua representação. A despeito dessa possibilidade de se relacionar a partir de alguns mecanismos de controle, o site tem como finalidade principal o oferecimento de um ambiente de interação, tornando-o um site de rede social propriamente dito. Há, de diversas formas, um incentivo ao relacionamento, oferecendo mecanismos de busca por novos atores que construirão a rede do indivíduo, um grupo que se une para processos relacionais. Assim como faz possível a manutenção de laços fracos, inclusive ao transpor conhecidos de outras redes para este

13 ambiente, o site permite que haja o interesse por laços fortes, uma vez que incentiva a conexão por meio de busca pelo índice de compatibilidade, por gostos específicos e por grupos que compartilham interesses pelos mesmos gêneros literários. Considerações Finais Entendemos que a participação em sites redes sociais temáticas tende a ser diferenciada em comparação com as interações constituídas em sites mais genéricos, no que se refere a proporcionar recursos e ambiência para o gerenciamento de impressões e a criação de relacionamentos. A presença de um tema de interesse comum aos usuários pode causar uma interferência na adesão e formação de laços sociais, uma vez que a possibilidade de produção de conteúdo ligados ao tema e a exposição de habilidades e pistas sobre si busca influenciar, além das variáveis técnicas, o capital social de acordo com os valores circulados na rede. Por fim, devemos destacar a relação entre os perfis em redes segmentadas e as redes mais hegemônicas, visto que aquelas geram conteúdos e recursos da exposição de si também paras estas últimas. Dessa forma, concluímos que a importância das redes sociais temáticas não concorre com as redes sociais generalistas, mas as complementam, destacando aspectos, habilidades e recursos do usuários, contribuindo assim com formação de um ethos, no caso do Skoob, o ethos de leitor. Referências AMARAL, Adriana. Redes sociais de música: segmentação, apropriações e práticas de consumo. In: Revista Eletrônica de Jornalismo Científico. No /09/2010. ANDERSON, Chris. A cauda longa. A nova dinâmica de marketing e vendas: como lucrar com a fragmentação de mercados. 5.ed. Rio de Janeiro: CAMPUS/Elsevier, BARTHES, Roland. L ancienne rhétorique. In: Communications, 16, 1966 BAYM, Nancy K. Personal connections in the digital age. Malden: Polity Press, 2010.

14 BOURDIEU, P. The forms od Capital. Originalmente publicado em "Okonomisches Kapital, kulturelles Kapital, soziales Kapital In: Soziale Ungleichheiten Disponível em <http://www.pontomidia.com.br/raquel/resources/03.html>. CADÉ, Charles. Comunicação em rede - A informação na era digital. Disponível em: <http://www.comunicacaoemrede.com/>. Acessado em 28 de setembro de CHARAUDEAU, Patrick & MAINGUENEAU, Dominique. Dicionário de Análise do Discurso. São Paulo: Contexto, 2004 COLEMAN, J. S. Social Capital and the Creation of Human Capital. American journal of Sociology. n 94, p.s95-s120, DUCROT, O. O dizer e o dito. Campinas: Pontes, 1987 GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Tradução de Maria Célia Santos Raposo. Petrópolis: Vozes, GRANOVETTER, Mark. The Strength of weak ties: A network theory revisited LANDINI, T. e PASSIANI, E. Jogos habituais: sobre a noção de habitus em Pierre Bourdieu e Norbert Elias. In: X Simpósio Internacional Processo Civilizador, Campinas SP, 2007 LEMOS, A. Cibercultura como território recombinante. In: MARTINS, C.; SILVA, D.; MOTTA, R. (orgs.). Territórios Recombinantes. São Paulo: Cadernos Instituto Sérgio Motta, MEAD, G.H. Mind, self and society: from the standpoint of a social behaviorist. Chicago: University of Chicago Press; OLIVEIRA, Mariana. Redes Sociais Corporativas: relacionamento e gestão de conhecimento na web. In: MidiasSociais: Perspectivas, Tendências e Reflexões. Disponível em <http://www.issuu.com/papercliq/docs/ebookmidiassociais>. p , 2010 ORTIZ, Renato (Org.). Pierre Bourdieu: sociologia. Tradução de Paula Montero e Alícia Auzmendi. São Paulo: Ática, PALÁCIOS, A. J. As marcas na pele, as marcas no texto: sentidos de tempo, juventude e saúde na publicidade de cosméticos, em revistas femininas durante a década de 90. Tese de doutorado em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Universidade Federal da Bahia, PUTNAM, R. D. Bowling Alone: The collapse and Revival of American Community. New York: Simon e Schuster, RECUERO, Raquel. Redes Sociais na Internet. Editora Sulina, 2009a.

15 REIS, Bruno Pinheiro W. Capital Social e Confiança: questões de teoria e método. Revista de Sociologia e Política. Curitiba, 21, p , nov RIBEIRO, José Carlos. Um olhar sobre a sociabilidade no ciberespaço: aspectos sóciocomunicativos dos contatos interpessoais efetivados em uma plataforma interacional online. Tese (doutorado) Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas, Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, ROCHA, Jorge. Como fazer amigos e influenciar pessoas 2.0: quando o capital social desvia para o capital de influência. Intercom. Curitiba SIBÍLIA, Paula. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008 SILVA, Ivanda Maria Martins Silva. Tecnologias e Letramento Digital: navegando rumo aos desafios. In: ETD Educ. Tem. Dig., Campinas, v.13, n.1, p.27-43, jul./dez ISSN WATTS, Ducan. Small Worlds The Dynamic of Networks between Order and Randomness

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil Samira NOGUEIRA 2 Márcio Carneiro dos SANTOS 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA

Leia mais

A Sociabilidade na Rede Social Segmentada Skoob: O Papel dos Laços Fracos para a Agregação de Conhecimento 1

A Sociabilidade na Rede Social Segmentada Skoob: O Papel dos Laços Fracos para a Agregação de Conhecimento 1 A Sociabilidade na Rede Social Segmentada Skoob: O Papel dos Laços Fracos para a Agregação de Conhecimento 1 Raquel Costa de FARIAS 2 Adriana Alves RODRIGUES 3 Universidade Estadual da Paraiba Resumo O

Leia mais

A Construção do Ethos nos Sites de Redes Sociais 1. Grazielle Santos Silva 2. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

A Construção do Ethos nos Sites de Redes Sociais 1. Grazielle Santos Silva 2. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. A Construção do Ethos nos Sites de Redes Sociais 1 Grazielle Santos Silva 2 Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Resumo Sabe-se que, diante da expansão do uso da internet e o aparecimento de

Leia mais

FACEBOOK MARKETING: UMA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOS EM RELAÇÃO AO PROCESSO COMUNICATIVO COMO MÍDIA NA REDE SOCIAL

FACEBOOK MARKETING: UMA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOS EM RELAÇÃO AO PROCESSO COMUNICATIVO COMO MÍDIA NA REDE SOCIAL FACEBOOK MARKETING: UMA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOS EM RELAÇÃO AO PROCESSO COMUNICATIVO COMO MÍDIA NA REDE SOCIAL Carolina Reine de Paiva Clemente carolreine@gmail.com Claudia Bordin Rodrigues

Leia mais

Resenha. Fernanda Gabriela Gadelha ROMERO 1

Resenha. Fernanda Gabriela Gadelha ROMERO 1 Resenha As redes sociais na internet: instrumentos de colaboração e de produção de conhecimento (Redes Sociais na Internet. Raquel Recuero. Porto Alegre: Sulina, 2009) Fernanda Gabriela Gadelha ROMERO

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

Cooperação na Internet: motivações e efeitos 1. Karina PERES 2 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS

Cooperação na Internet: motivações e efeitos 1. Karina PERES 2 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS Cooperação na Internet: motivações e efeitos 1 Karina PERES 2 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS Resumo Com o advento e popularização da Internet, se observou uma postura solidária das pessoas

Leia mais

Redes sociais online como espaço de conscientização ambiental: uma análise de conteúdo do site O Eco 1

Redes sociais online como espaço de conscientização ambiental: uma análise de conteúdo do site O Eco 1 Redes sociais online como espaço de conscientização ambiental: uma análise de conteúdo do site O Eco 1 Ligia Couto Gomes 2 Universidade Estadual de Londrina Rodolfo Rorato Londero 3 Universidade Estadual

Leia mais

INTELIGÊNCIA COLETIVA NA CONSTRUÇÃO DO SABER: aprendizagem em ambientes virtuais. 1

INTELIGÊNCIA COLETIVA NA CONSTRUÇÃO DO SABER: aprendizagem em ambientes virtuais. 1 INTELIGÊNCIA COLETIVA NA CONSTRUÇÃO DO SABER: aprendizagem em ambientes virtuais. 1 Laís Tolentino Muniz CAMPOS 2 Fernanda Gabriela Gadelha Romero 3 Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB RESUMO

Leia mais

3º Encontro Nacional de Produção Cultural: Website 1. Caio Amaral da CRUZ 2. Sérgio Sobreira ARAUJO 3. Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA

3º Encontro Nacional de Produção Cultural: Website 1. Caio Amaral da CRUZ 2. Sérgio Sobreira ARAUJO 3. Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA 3º Encontro Nacional de Produção Cultural: Website 1 Caio Amaral da CRUZ 2 Sérgio Sobreira ARAUJO 3 Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA RESUMO Com o objetivo de divulgar informações e ações importantes

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2 ABRIL 2010 Redes Sociais: revolução cultural na Internet Ano 2 Número 2 SUMÁRIO EXECUTIVO As redes sociais: revolução cultural na Internet Apresentação Definindo as redes sociais As redes sociais formam

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

Resenha Internet e Participação Política no Brasil

Resenha Internet e Participação Política no Brasil Resenha Internet e Participação Política no Brasil (Orgs. MAIA, Rousiley Celi Moreira; GOMES, Wilson; MARQUES, Paulo Jamil Almeida. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2011.) Átila Andrade de CARVALHO 1 A democracia

Leia mais

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR josuevitor16@gmail.com @josuevitor Marketing Digital Como usar a internet

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto 1333 USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto Discente do curso de Ciências Contábeis da UNOESTE.

Leia mais

Mídias Sociais. Fatos e Dicas para 2013. Esteja preparado para um ano digital, social e interativo

Mídias Sociais. Fatos e Dicas para 2013. Esteja preparado para um ano digital, social e interativo Mídias Sociais Fatos e Dicas para 2013 Esteja preparado para um ano digital, social e interativo NESTE E-BOOK VOCÊ VAI ENCONTRAR: 1 - Porque as mídias sociais crescem em tamanho e em importância para o

Leia mais

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda.

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo Copyright 2015 Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Todos os direitos reservados. Pode ser compartilhado com conteúdo,

Leia mais

Web site Espia Amazonas 1

Web site Espia Amazonas 1 1 Web site Espia Amazonas 1 Lidiane CUNHA 2 Adália CORDEIRO 3 Breno CABRAL 4 Iara RODRIGUES 5 Marcela MORAES 7 Gabrielle NASCIMENTO 8 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM RESUMO O web site Espia Amazonas foi

Leia mais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Penélope da Silva Almeida SANTOS Universidade Sagrado Coração

Leia mais

O BLOG NUMA PERSPECTIVA EDUCOMUNICATIVA

O BLOG NUMA PERSPECTIVA EDUCOMUNICATIVA O BLOG NUMA PERSPECTIVA EDUCOMUNICATIVA SANTOS, Suara Macedo dos 1 - UFPE Grupo de Trabalho Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo O trabalho apresentado resulta

Leia mais

O Uso das Redes Sociais Como Método Alternativo de Ensino

O Uso das Redes Sociais Como Método Alternativo de Ensino O Uso das Redes Sociais Como Método Alternativo de Ensino As Redes Sociais Virtuais são grupos ou espaços específicos na Internet, que permitem partilhar dados e informações, sendo estas de caráter geral

Leia mais

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015.

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é estipular um plano de ação para criar e gerenciar perfis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Marcel Ayres Diretor de Planejamento. Twitter @MarcelAyres Linkedin Meadiciona Renata Cerqueira Diretora de Monitoramento Online. Twitter @renatacbc

Marcel Ayres Diretor de Planejamento. Twitter @MarcelAyres Linkedin Meadiciona Renata Cerqueira Diretora de Monitoramento Online. Twitter @renatacbc Marcel Ayres Diretor de Planejamento. Também faz parte, como pesquisador, do Grupo de Pesquisa em Interações, Tecnologias Digitais e Sociedade. Desenvolve pesquisas sobre Realidade Aumentada, Mídias Digitais

Leia mais

CONTEÚDOS. Blog REDES SOCIAIS VIDEOS ONLINE PARTILHA DE FOTOGRAFIAS PARTILHA DE APRESENTAÇÕES

CONTEÚDOS. Blog REDES SOCIAIS VIDEOS ONLINE PARTILHA DE FOTOGRAFIAS PARTILHA DE APRESENTAÇÕES CONTEÚDOS ANTES DE INICIAR A SUA AVENTURA NAS REDES, TENHA EM CONTA AS SEGUINTES DICAS: Atribua a administração de cada canal e/ou estratégia a alguém que faça parte da sua empresa; Dê formação à sua equipa

Leia mais

USUÁRIOS GERANDO CONTEÚDO PARA UM SITE

USUÁRIOS GERANDO CONTEÚDO PARA UM SITE USUÁRIOS GERANDO CONTEÚDO PARA UM SITE www.espm.br/centraldecases USUÁRIOS GERANDO CONTEÚDO PARA UM SITE Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM-SP. Recomendado para as disciplinas de:

Leia mais

MARKETING NAS REDES SOCIAIS. Carlos Henrique Cangussu (Discente do 2º ano do curso de Administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS)

MARKETING NAS REDES SOCIAIS. Carlos Henrique Cangussu (Discente do 2º ano do curso de Administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) 1 MARKETING NAS REDES SOCIAIS Angela de Souza Brasil (Docente Esp. Faculdades Integradas de Três Carlos Henrique Cangussu Daniel Barbosa Maia Elisandra Inês Peirot Schneider Marcelo Da Silva Sivestre Tiago

Leia mais

Mídias Sociais e Marketing Digital: um novo modelo de comunicação entre empresa e consumidor 1

Mídias Sociais e Marketing Digital: um novo modelo de comunicação entre empresa e consumidor 1 Mídias Sociais e Marketing Digital: um novo modelo de comunicação entre empresa e consumidor 1 Anadelly Fernandes Pereira ALVES 2 Universidade de Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN RESUMO O artigo

Leia mais

Redes sociais x mídias sociais

Redes sociais x mídias sociais INTRODUÇÃO Esse workshop tem como objetivo de organizar o uso das redes sociais no Santuário Nacional e Rede Aparecida, de forma a facilitar o trabalho de monitoramento e de produção de conteúdo para as

Leia mais

Museu virtual e redes sociais: Uma possibilidade de interação com a comunidade

Museu virtual e redes sociais: Uma possibilidade de interação com a comunidade 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Uma reflexão sobre os processos de mediação em um fórum de discussão a partir da análise de redes sociais. São Leopoldo RS maio 2011

Uma reflexão sobre os processos de mediação em um fórum de discussão a partir da análise de redes sociais. São Leopoldo RS maio 2011 1 Uma reflexão sobre os processos de mediação em um fórum de discussão a partir da análise de redes sociais São Leopoldo RS maio 2011 Patrícia B. Scherer Bassani Feevale patriciab@feevale.br Setor Educacional:

Leia mais

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 Bruna Mayara de Lima Cibotto 2 ; Patrícia Marques da Silva Prado 2 ; Ana Paula Machado Velho 3. RESUMO: O presente

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2B

Mídias sociais como apoio aos negócios B2B Mídias sociais como apoio aos negócios B2B A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

A TERMINOLOGIA EM TUTORIAIS DE REDES SOCIAIS: RESULTADOS PRELIMINARES

A TERMINOLOGIA EM TUTORIAIS DE REDES SOCIAIS: RESULTADOS PRELIMINARES Bloco 01 Tema: 7. Terminologia e estudos de linguagens técnicas e científicas: aspectos linguísticos, textuais, gramaticais e socioculturais. A TERMINOLOGIA EM TUTORIAIS DE REDES SOCIAIS: RESULTADOS PRELIMINARES

Leia mais

PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI LAUREATE INTERNACIONAL EDUCATION Klaibert Miranda Jacqueline Cícera Florêncio dos Santos Valter Garoli Mariana Estima do Nascimento PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Monitoramento de Marcas no Twitter: Instituições de Ensino Superior Privadas de Salvador. Monitoramento de Marcas no Twitter: Inst.

Monitoramento de Marcas no Twitter: Instituições de Ensino Superior Privadas de Salvador. Monitoramento de Marcas no Twitter: Inst. Monitoramento de Marcas no Twitter: Instituições de Ensino Superior Privadas de Salvador Introdução A web contemporânea nos revela aspectos importantes no comportamento de seus usuários: produção e compartilhamento

Leia mais

HASHTAGS: ROMPIMENTOS COM DIZERES SEDIMENTADOS* Autora: Vânia Lúcia Coelho- Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto- FFCLRP/USP

HASHTAGS: ROMPIMENTOS COM DIZERES SEDIMENTADOS* Autora: Vânia Lúcia Coelho- Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto- FFCLRP/USP 1 HASHTAGS: ROMPIMENTOS COM DIZERES SEDIMENTADOS* Autora: Vânia Lúcia Coelho- Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto- FFCLRP/USP RESUMO: Há muito que áreas como a Biblioteconomia e

Leia mais

A construção do self marcário em sites de redes sociais à luz do modelo de habilidade social de Michael Argyle

A construção do self marcário em sites de redes sociais à luz do modelo de habilidade social de Michael Argyle A construção do self marcário em sites de redes sociais à luz do modelo de habilidade social de Michael Argyle The construction of self trademarks on social networking sites in the light of Michael Argyle

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação REDES SOCIAIS: DETERMINANDO UMA ORDEM PARCIAL DE INFORMAÇÕES RELEVANTES ATRAVÉS DE UM TWEET

9º Congresso de Pós-Graduação REDES SOCIAIS: DETERMINANDO UMA ORDEM PARCIAL DE INFORMAÇÕES RELEVANTES ATRAVÉS DE UM TWEET 9º Congresso de Pós-Graduação REDES SOCIAIS: DETERMINANDO UMA ORDEM PARCIAL DE INFORMAÇÕES RELEVANTES ATRAVÉS DE UM TWEET Autor(es) MARCOS ANTONIO DOS ANJOS Co-Autor(es) HAMILTON MACHITI DA COSTA PLÍNIO

Leia mais

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Até agora: redes onde unidades eram pessoas ou entidades sociais, como empresas e organizações Agora (Cap 13, 14 e

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA A IMPORTÂNCIA DAS REDES SOCIAIS PARA A COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL

Leia mais

Planejamento de Comunicação em Meios Digitais

Planejamento de Comunicação em Meios Digitais Planejamento de Comunicação em Meios Digitais Mídia Sociais - objetivos estratégicos e etapas de planejamento Training Program 30 e 31 de Janeiro de 2015 Planejamento de Comunicação em Meios Digitais Mídia

Leia mais

REDES COMUNITÁRIAS: PARCERIAS PARA FORMAÇÃO DE CAPITAL SOCIAL

REDES COMUNITÁRIAS: PARCERIAS PARA FORMAÇÃO DE CAPITAL SOCIAL REDES COMUNITÁRIAS: PARCERIAS PARA FORMAÇÃO DE CAPITAL SOCIAL GILBERTO FUGIMOTO 1 LUIZ FERNANDO SARMENTO 2 1 Engenheiro. Agrônomo - UFV e Assessor de Projetos Comunitários - SESC / RJ 2 Economista e Técnico

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

Resenha do livro Comportamentos em Lugares Públicos Notas sobre a organização social dos ajuntamentos, de Erving Goffman (Petrópolis: Vozes, 2010).

Resenha do livro Comportamentos em Lugares Públicos Notas sobre a organização social dos ajuntamentos, de Erving Goffman (Petrópolis: Vozes, 2010). PITANGA, Carolina Vasconcelos. Resenha do livro Comportamentos em lugares públicos Notas sobre a organização social dos ajuntamentos, de Erving Goffman (Petrópolis: Vozes, 2010). RBSE Revista Brasileira

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

Planejamento de Comunicação em Meios Digitais

Planejamento de Comunicação em Meios Digitais Planejamento de Comunicação em Meios Digitais Mídia Sociais - objetivos estratégicos e etapas de planejamento Training Program 24 e 25 Julho de 2015 Planejamento de Comunicação em Meios Digitais Mídia

Leia mais

MUSICALIZAÇÃO DA UFPB: CONTRIBUIÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL

MUSICALIZAÇÃO DA UFPB: CONTRIBUIÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL MUSICALIZAÇÃO DA UFPB: CONTRIBUIÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL Centro de Comunicações Turismo e Artes / PROBEX BEZERRA 1, Igor de Tarso Maracajá Resumo: O atual trabalho apresenta um estudo preliminar

Leia mais

SEMINÁRIO ABMES BASES DO MARKETING DIGITAL. Expositor. Júlio César de Castro Ferreira julio.ferreira@produtoranebadon.com.

SEMINÁRIO ABMES BASES DO MARKETING DIGITAL. Expositor. Júlio César de Castro Ferreira julio.ferreira@produtoranebadon.com. SEMINÁRIO ABMES BASES DO MARKETING DIGITAL Expositor Júlio César de Castro Ferreira julio.ferreira@produtoranebadon.com.br (61) 9613-6635 5 PILARES DO MARKETING DIGITAL 1 2 3 4 5 Presença digital: Ações

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

Prefácio. Eliane Schlemmer

Prefácio. Eliane Schlemmer Prefácio Eliane Schlemmer SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SCHLEMMER, E. Prefácio. In: PORTO, C., and SANTOS, E., orgs. Facebook e educação: publicar, curtir, compartilhar [online]. Campina

Leia mais

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes FLORIANÓPOLIS 2014 2 RESUMO: O projeto apresentado é resultado

Leia mais

Introdução redes sociais mulheres Digg

Introdução redes sociais mulheres Digg O século XIX ficou conhecido como o século europeu; o XX, como o americano. O século XXI será lembrado como o Século das Mulheres. (Tsvi Bisk, Center for Strategic Futurist Thinking, 2008) A Sophia Mind,

Leia mais

Rede Teatro d@ Floresta: Por Uma Biopolítica Construída por Artistas/ Articuladores do Teatro da Amazônia

Rede Teatro d@ Floresta: Por Uma Biopolítica Construída por Artistas/ Articuladores do Teatro da Amazônia Rede Teatro d@ Floresta: Por Uma Biopolítica Construída por Artistas/ Articuladores do Teatro da Amazônia Wlad Lima 1 Programa de Pós-graduação em Arte do Instituto de Ciências da Arte ICA \ UFPA. Professora-pesquisadora

Leia mais

Capítulo 8 - Perspectivas de Estudo das Redes Sociais na Internet

Capítulo 8 - Perspectivas de Estudo das Redes Sociais na Internet Capítulo 8 - Perspectivas de Estudo das Redes Sociais na Internet Um dos elementos práticos mais importantes do estudo das redes sociais na Internet atualmente são os modos de mapeamento dessas redes.

Leia mais

União Rede Social e Marketing Viral para ampliação da concorrência em processo seletivo (vestibular) de uma Instituição de Ensino Superior

União Rede Social e Marketing Viral para ampliação da concorrência em processo seletivo (vestibular) de uma Instituição de Ensino Superior União Rede Social e Marketing Viral para ampliação da concorrência em processo seletivo (vestibular) de uma Instituição de Ensino Superior Heitor de Sousa Miranda, Parcilene Fernandes de Brito, Fabiano

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

Programa do Curso. Cultura da mobilidade e Educação: desvendando possibilidades pedagógicas

Programa do Curso. Cultura da mobilidade e Educação: desvendando possibilidades pedagógicas UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS I MESTRADO EM EDUCAÇÃO E CONTEMPORANEIDADE LINHA DE PESQUISA: JOGOS ELETRÔNICOS E APRENDIZAGEM GRUPO DE PESQUISA: COMUNIDADES VIRTUAIS

Leia mais

EDITAL PRG nº/22/2013/prg/ufla

EDITAL PRG nº/22/2013/prg/ufla UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Caixa Postal 3037 - Lavras - MG - 37200-000 (35) 3829 1113 http://www.prg.ufla.br prg@ufla.br EDITAL PRG nº/22/2013/prg/ufla EDITAL PARA O PROGRAMA

Leia mais

Práticas de Linguagem e Design: algumas questões de usabilidade no contexto da web social

Práticas de Linguagem e Design: algumas questões de usabilidade no contexto da web social Práticas de Linguagem e Design: algumas questões de usabilidade no contexto da web social Fernanda Maria Pereira Freire ffreire@unicamp.br Núcleo de Informática Aplicada à Educação (NIED) André Constantino

Leia mais

Apresentação. Oque é Marca. Multimedia Branding Designer

Apresentação. Oque é Marca. Multimedia Branding Designer Oque é Marca Marca é toda representação simbólica de uma entidade, individuo ou elemento. Uma pegada, uma impressão digital, ou mesmo o meu ou seu nome podem ser caracterizados como marca. Quando nos referimos

Leia mais

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Aline Silveira SANTOS 2 Lorena PADRINI 3 Maria Claudia COSTA 4 João de CASTRO 5 Centro Universitário

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS EM SALA DE AULA: REFERÊNCIAS AO MODELO SÓCIO INTERACIONISTA PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM

O USO DAS REDES SOCIAIS EM SALA DE AULA: REFERÊNCIAS AO MODELO SÓCIO INTERACIONISTA PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM 1 O USO DAS REDES SOCIAIS EM SALA DE AULA: REFERÊNCIAS AO MODELO SÓCIO INTERACIONISTA PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM Lygia de Assis Silva (lygia1@hotmail.com) - UFPE Rayanne Angela Albuquerque dos Santos

Leia mais

PUC Minas Abril / Maio de 2009. Marketing. Digital. Prof. Caio Cesar (caiocgo@pucminas.br)

PUC Minas Abril / Maio de 2009. Marketing. Digital. Prof. Caio Cesar (caiocgo@pucminas.br) PUC Minas Abril / Maio de 2009 Marketing Digital Prof. Caio Cesar (caiocgo@pucminas.br) Caio Cesar? Ensino / Pesquisa / Consultoria Marketing de Varejo Comunicação Online Design de Interação caiocgo@pucminas.br

Leia mais

ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM

ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM INTRODUÇÃO/DESENVOLVIMENTO Bruna Vieira de Oliveira Ricardo Rigaud Salmito 1 Esta pesquisa pretende analisar se a criação do site da rádio São Francisco

Leia mais

REDES SOCIAIS CONHEÇA A HISTÓRIA DAS. Professor Carlos Muniz

REDES SOCIAIS CONHEÇA A HISTÓRIA DAS. Professor Carlos Muniz CONHEÇA A HISTÓRIA DAS REDES SOCIAIS Nesse artigo você vai conhecer com detalhes a História das Redes Sociais. Leia esse artigo até o final e você irá conferir os seguintes tópicos: As redes sociais antecedem

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

Commonwealth Human Resources and ICT 2015 Maputo, Moçambique, 6 e 7 de Julho de 2015 Naima Valigy

Commonwealth Human Resources and ICT 2015 Maputo, Moçambique, 6 e 7 de Julho de 2015 Naima Valigy Commonwealth Human Resources and ICT 2015 Maputo, Moçambique, 6 e 7 de Julho de 2015 Naima Valigy 1 O ser humano é um ser social A prática de socializar, formar grupos e trocar informações é milenar. 2

Leia mais

Dicas de Marketing Pessoal utilizando as Mídias Sociais. Mídias Sociais e Marketing Pessoal

Dicas de Marketing Pessoal utilizando as Mídias Sociais. Mídias Sociais e Marketing Pessoal Dicas de Marketing Pessoal utilizando as Mídias Sociais Mídias Sociais Sites de Redes Sociais são serviços de web que permitem aos usuários (1) construir um perfil público ou semipúblico dentro de um sistema

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

Conceitos Fundamentais

Conceitos Fundamentais 19 Capítulo 1 Conceitos Fundamentais Para compreendermos este livro, há que se entender alguns conceitos-chave que vão permear a sua leitura. O blog hoje é o melhor mecanismo para construir relacionamentos

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

RELACIONAMENTO E POSTURA NA ATIVIDADE PÚBLICA

RELACIONAMENTO E POSTURA NA ATIVIDADE PÚBLICA XXX CONGRESSO BRASILEIRO DE SERVIDORES DE CÂMARAS MUNICIPAIS X ENCONTRO NACIONAL DE VEREADORES - ABRASCAM. RELACIONAMENTO E POSTURA NA ATIVIDADE PÚBLICA Adriana Nóbrega Comunicação e Marketing Político

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Estudo Hábitos. Hábitos de uso e comportamento dos internautas nas mídias sociais e como as empresas podem melhorar sua atuação nas redes

Estudo Hábitos. Hábitos de uso e comportamento dos internautas nas mídias sociais e como as empresas podem melhorar sua atuação nas redes Estudo Hábitos 2012 Hábitos de uso e comportamento dos internautas nas mídias sociais e como as empresas podem melhorar sua atuação nas redes O estudo O Estudo Hábitos é realizado anualmente pela E.life

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE Bruna Mayara de Lima Cibotto 1 ; Patrícia Marques Silva Prado 2 ; Ana Paula Machado Velho 3 ; Veridiana de Vasconcelos

Leia mais

Curso de Sustentabilidade em Projetos Culturais.

Curso de Sustentabilidade em Projetos Culturais. Curso de Sustentabilidade em Projetos Culturais. Sustentabilidade em Projetos Culturais: Criação e Dinamização de Redes e Mobilização de Recursos para a Cultura. 1 Diogo Reyes da Costa Silva. 2 Apresentação:

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL E CRÍTICA DE ARTE NA WEB. ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL E PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO EM SITES

JORNALISMO CULTURAL E CRÍTICA DE ARTE NA WEB. ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL E PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO EM SITES Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 01 06 JORNALISMO CULTURAL E CRÍTICA DE ARTE NA WEB. ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL E PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO EM SITES AGUIRRE, Alexandra 1 BASÍLIO,

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS NA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: O caso Lollapalooza Brasil

O USO DAS REDES SOCIAIS NA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: O caso Lollapalooza Brasil O USO DAS REDES SOCIAIS NA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: O caso Lollapalooza Brasil Samira NOGUEIRA 41 RESUMO: O presente trabalho visa descrever como as redes sociais podem auxiliar uma empresa a implementar

Leia mais

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Curso de Marketing Disciplina: Web Marketing Professor: Roberto Marcello Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Web Marketing Web Marketing é qualquer esforço promocional realizado

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Violência Discursiva: O poder simbólico na conversação sobre Dominação e Gênero nos sites de rede sociais

Violência Discursiva: O poder simbólico na conversação sobre Dominação e Gênero nos sites de rede sociais Violência Discursiva: O poder simbólico na conversação sobre Dominação e Gênero nos sites de rede sociais Suélen A. Freda 1 1 Centro de Educação e Comunicação - Universidade Católica de Pelotas (UCPel)

Leia mais

COMMUNITY MANAGER CERTIFICAÇÃO LISBOA E PORTO: 3 DE FEVEREIRO DE 2015 A 7 DE JULHO DE 2015 LISBOA: 18 DE SETEMBRO DE 2015 A 15 ABRIL DE 2016

COMMUNITY MANAGER CERTIFICAÇÃO LISBOA E PORTO: 3 DE FEVEREIRO DE 2015 A 7 DE JULHO DE 2015 LISBOA: 18 DE SETEMBRO DE 2015 A 15 ABRIL DE 2016 COMMUNITY MANAGER CERTIFICAÇÃO LISBOA E PORTO: 3 DE FEVEREIRO DE 2015 A 7 DE JULHO DE 2015 LISBOA: 18 DE SETEMBRO DE 2015 A 15 ABRIL DE 2016 18 DIAS / 90 HORAS MAXIMIZAR A SUA COMUNIDADE E ANIMAR EM COERÊNCIA

Leia mais

Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas

Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO ACADÊMICO: O BLOG COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA E SUPORTE TEXTUAL Márcia de Souza LUZ-FREITAS 1 RESUMO Os problemas relatados nas atividades de leitura e produção de textos na

Leia mais

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Ana Beatriz Mesquita (CPTEC/INPE) ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Metodologia do trabalho realizado referente a gravação e expansão dos vídeos

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais