1. INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA..."

Transcrição

1 1

2 SUMÁRIO 1. INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA Secretaria de Estado de Obras Públicas e de Transportes e Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos de MS Secretaria de Estado de Habitação e das Cidades Agência de Habitação Popular de MS Superintendência das Cidades Governadoria Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul Companhia de Gás do Estado de Mato Grosso do Sul DESENVOLVIMENTO E FINANÇAS Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Agrário Indústria, Comércio e Turismo e Serviços Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural Agência Estadual de Defesa Sanitária, Animal e Vegetal Junta Comercial de Mato Grosso do Sul Agência Estadual de Metrologia/MS Secretaria de Estado de Meio Ambiente, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia Superintendência de Ciência e Tecnologia Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia de MS Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Fazenda Auditoria-Geral do Estado Superintendência da Gestão da Informação PLANEJAMENTO, GESTÃO E CONTROLE Secretaria de Estado de Meio Ambiente, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia Planejamento Orçamento e Programas Secretaria de Estado de Administração Fundação Escola de Governo de MS Secretaria de Estado de Gestão de Recursos Humanos Secretaria de Estado de Governo Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado Extraordinária de Articulação, de Desenvolvimento Regional e dos Municípios Procuradoria-Geral do Estado

3 4. SOCIAL Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social Fundação do Trabalho de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Fundação Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Saúde Fundação Serviços de Saúde de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Governo Subsecretaria da Mulher e da Promoção da Cidadania Coordenadoria de Políticas para a Promoção da Igualdade Racial Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul Fundação Estadual Luiz Chagas de Rádio e TV Educativa de Mato Grosso do Sul Fundação de Desporto e Lazer de Mato Grosso do Sul Defesa Civil Secretaria de Estado Extraordinária da Juventude JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública Comando-Geral do Corpo de Bombeiros Militar de MS Comando-Geral da Polícia Militar de MS Diretoria-Geral da Polícia Civil de MS Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul Autoridades Elaboração

4 1. Infraestrutura e Logística 1.1 SECRETARIA DE ESTADO DE OBRAS PÚBLICAS E DE TRANSPORTES (SEOP) E AGÊNCIA ESTADUAL DE GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS (AGESUL) Com o compromisso de dotar o Estado de Mato Grosso do Sul de infraestrutura logística eficiente e permanente, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Obras e de Transportes e de suas vinculadas, elaborou uma programação para definir as obras prioritárias dentro das diversas regiões do Estado, contemplando a recuperação, a pavimentação e a manutenção de rodovias, e também a recuperação e a manutenção de pontes. Dentro das atividades do órgão, no período de janeiro a novembro de 2014, foram desenvolvidas as seguintes obras: Tabela Relatório resumido das obras em execução/concluídas OBRA VALOR (R$) Implantação e pavimentação asfáltica de rodovias ,06 Manutenção permanente de rodovias não pavimentadas ,80 Restauração asfáltica de rodovias ,52 Manutenção permanente de rodovias pavimentadas inclusive fornecimento de CBUQ ,14 Serviços técnicos especializados, estudos e projetos ,00 Infraestrutura urbana - Implantação e restauração asfáltica de vias urbanas pavimentadas ,79 Manutenção permanente de pontes de madeira e concreto ,46 Reforma e construção de pontes de madeira e concreto ,60 Contorno ferroviário de Três Lagoas ,54 Manutenção e recuperação do parque de máquinas da Agesul ,06 Contenção de erosão ,01 Implantação do PELT e SGP ,93 Sinalização viária em rodovias ,96 Melhorias no Aeroporto Municipal de Três Lagoas ,08 Total ,95 Fonte: Agesul Obras de pavimentação No ano de 2014 o Governo do Estado desenvolveu um conjunto de obras de pavimentação, onde foram concluídas e entregues 749,503 km de rodovias que já vinham sendo executadas no exercício anterior, com investimento de R$ ,53. Encontra-se em execução ainda a pavimentação de 291,446 km de rodovias, com investimento aplicado no período de R$ ,53, com conclusão prevista para o segundo semestre do exercício de No Governo André (2007 a 2014) foram firmados 102 contratos de implantação e pavimentação asfáltica de rodovias, atendendo um total de 1.889,799 km com custo contratual de R$ ,83. Deste total foram concluídos, até novembro do corrente ano, 1.555,781 km com custo de R$ ,33. Encontra-se ainda em fase de execução 104,075 km com custo estimado de R$ ,50. Tabela Pavimentação de rodovias - (Em km) (Continua) ITEM RODOVIA OBRA / LOCAL EXTENSÃO CONCLUÍDA 1 Acesso Pavimentação do acesso ao Aeródromo Santa Maria em Campo Grande 5,700 2 Anel Viário Pavimentação asfáltica do Anel Viário de Caarapó 3,777 3 MS 010 Pavimentação asfáltica na MS ,418 4 MS 040 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote 5 22,900 5 MS 040 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote 4 20,003 6 MS 040 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote 3 20,000 1

5 Tabela Pavimentação de rodovias - (Em km) (Conclusão) ITEM RODOVIA OBRA / LOCAL EXTENSÃO CONCLUÍDA 7 MS 040 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote 7 19,560 8 MS 040 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote 8 24,800 9 MS 040 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote 9 18, MS 040 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote 2 20, MS 040 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote 1 20, MS 040 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote 6 19, MS 080 Implantação e pavimentação de Rodovia MS , MS 112 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote II 29, MS 112 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote III 28, MS 162 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote I 28, MS 162 Pavimentação asfáltica na Rodovia MS Lote 01 16, MS 165 Pavimentação asfáltica da Rodovia MS 165, Lote , MS 178 Pavimentação e melhoria da Rodovia MS Lote II A. 22, MS 178 Pavimentação e melhoria da Rodovia MS Lote II B. 18, MS 180 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote II 26, MS 180 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote IV 22, MS 274 Pavimentação asfáltica na Rodovia MS , MS 289 e MS 180 Implantação e pavimentação da Rodovia MS 289 E MS Lote 1 27, MS 316 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote 2 21, MS 316 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote 1 23, MS 316/BR 158 Pavimentação asfáltica, na BR 158, interseção acesso Aparecida do Taboado com a MS , MS 320 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote 7 16, MS 320 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote 4 16, MS 320 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote 8 15, MS 324 Pavimentação asfáltica da MS , MS 430 Implantação e pavimentação da MS , MS 430 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote III 10, MS 430 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote IV 12, MS 430 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote I 17, MS 436 Pavimentação da rodovia MS ,700 Total executado 749,503 Fonte: Agesul Tabela Pavimentação de rodovias em execução- (Em km) ITEM RODOVIA OBRA / LOCAL EXTENSÃO % CONTRATADA EXECUTADA 1 Acesso Pavimentação asfáltica do acesso a usina Adecoagro em Angélica 15,500-2 Acesso Pavimentação asfaltica do acesso ao Frigorífico Frango Bello em Itaquiraí 3,800-3 MS 040 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote 10 23, MS 156 Pavimentação asfáltica da MS ,028-5 MS 162 Pavimentação asfáltica na Rodovia MS Lote 02 16, MS 162 Adequação da capacidade de tráfego na MS , MS 165 Pavimentação asfáltica da Rodovia MS 165, Lote II. 10, MS 165 Implantação e pavimentação asfáltica da MS , MS 178 Obra de pavimentação da MS , MS 180 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote III 22, MS 320 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote 3 23, MS 320 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote 5 16, MS 320 Implantação e pavimentação da Rodovia MS Lote 6 16, MS 382 Pavimentação asfáltica da Rodovia MS 382-1º etapa 23, MS 382 Pavimentação asfáltica da Rodovia MS , MS 425 Pavimentação asfáltica da Rodovia MS , MS 450 Travessia urbana do distrito de Piraputanga 3, MS 460 Pavimentação asfáltica da Rodovia MS ,000 - Total em Execução 291,446 Fonte: Agesul 2

6 Obras de recuperação e manutenção de rodovias pavimentadas Durante o exercício de 2014, além da manutenção permanente de rodovias pavimentadas do Estado de Mato Grosso do Sul realizada numa malha de 4.325,600 km, com recursos do Fundersul, foram concluídos 997,640 km de restauração asfáltica sendo investidos durante este exercício R$ ,18. Encontram-se ainda em execução as obras de recuperação com soluções técnicas que visam a devolver ao pavimento condições adequadas de segurança e de trafegabilidade, incluindo serviços de limpeza de dispositivos de drenagem, roçada e limpeza da faixa de domínio, sinalização e dispositivos de segurança, com R$ ,34 investidos no exercício 2014 em 271,450 km de rodovias pavimentadas. São essas as rodovias: Tabela Recuperação de rodovias concluídas- (Em km) ITEM RODOVIA OBRA / LOCAL EXTENSÃO CONCLUÍDA 1 MS 147 Restauração asfáltica da MS ,000 2 MS 156 Restauração asfáltica da MS 156 no trecho Amambai - Tacuru 64,640 3 MS 156 Restauração asfáltica da Rodovia MS 156 6,200 4 MS 157 Restauração asfáltica da MS ,100 5 MS 160 Restauração asfáltica da Rodovia MS 160, trecho: Tacuru - Sete Quedas 47,200 6 MS 162 e MS 470 Restauração asfáltica de trecho das Rodovias MS 162 E MS ,910 7 MS 164 Restauração asfaltica da Rodovia MS ,200 8 MS 164 Restauração asfaltica da Rodovia MS ,000 9 MS 240 Restauração asfáltica da Rodovia MS 240 trecho: Inocência - Paranaíba 85, MS 270, MS 444, MS 473. Recuperação da faixa de rolamento da MS 270, MS 444 E MS , MS 276 Reajustamento da restauração asfaltica da MS MS 295 Restauração asfáltica da MS 295 no trecho Tacuru - Iguatemi - Eldorado 82, MS 306 Restauração asfáltica da Rodovia MS , MS 339 Restauração asfáltica da MS 339 e do acesso a Bodoquena 59, MS 386 Restauração asfáltica da MS 386 no trecho: Sanga Puitã - Amambai 81, MS 395 Restauração asfáltica da MS 395 no trecho Anaurilandia - Bataguassu 66, MS 497 Restauração asfáltica da Rodovia MS ,150 Total executado 997,640 Fonte: Agesul Tabela Recuperação de rodovias em execução- (Em km) ITEM RODOVIA OBRA / LOCAL EXTENSÃO CONTRATADA % EXECUTADA 1 MS 141 Restauração asfáltica da Rodovia MS 141 6,950-2 MS 270 Restauração asfáltica da MS lote 01 38, MS 276, MS 480. Revitalização (recuperação, restauração e manutenção)- Crema 76, MS 316/BR 436 Restauração asfáltica e manutenção da Rodovia MS 316/BR ,100-5 MS 338 Restauração asfáltica da Rodovia MS lote 02 32,000-6 MS 338 Restauração asfáltica da Rodovia MS lote 01 32,000-7 MS 395 Restauração asfáltica da Rodovia MS lote 01 34,000-8 MS 395 Restauração asfáltica da Rodovia MS lote 02 33,000 - Total em Execução 271,450 Fonte: Agesul Infraestrutura urbana Com vistas à melhoria das condições de vida da população, o Governo do Estado contratou serviços no valor de R$ ,83 e aplicou durante o ano de 2014 o valor de R$ ,79, na implantação e conservação de infraestrutura urbana e drenagem de águas pluviais em diversos municípios de Mato Grosso do Sul, conforme demonstrado na tabela a seguir: 3

7 Tabela 1.6 Pavimentação, restauração asfáltica e drenagem de vias urbanas (Continua) ITEM MUNICÍPIO TRECHO VALOR INVESTIDO (R$) 1 Água Clara Pavimentação asfáltica e drenagem urbana na Rua Osmar Cardoso Da Silva ,87 2 Água Clara Pavimentação asfáltica de área urbana em Água Clara - 3 Alcinópolis Pavimentação asfáltica de área urbana em Alcinópolis - 4 Anastácio Restauração asfáltica de área urbana em Anastácio - 5 Antônio João Pavimentação asfáltica de área urbana em Antônio João - 6 Aparecida do Taboado Pavimentação urbana do acesso à margem do Rio Paraná em Aparecida do Taboado ,88 7 Aquidauana Pavimentação asfáltica do acesso ao Instituto Federal de MS - IFMS ,39 8 Aquidauana Restauração asfáltica de área urbana em Aquidauana - 9 Aral Moreira Restauração asfáltica de área urbana de Aral Moreira ,49 10 Bandeirantes Convênio com prefeitura para pavimentação asfáltica e drenagem de águas pluviais em área urbana de Bandeirantes Bela Vista Adequação da pavimentação asfáltica na Rua Rosalino Lino, no Município de Bela Vista ,81 12 Bela Vista Pavimentação asfáltica e drenagem de águas pluviais, na Rua Rosalino Lino - 13 Bela Vista Restauração asfáltica de área urbana em Bela Vista Caarapó Pavimentação asfáltica da Avenida Duque de Caxias em Caarapó ,91 15 Campo Grande Pavimentação asfáltica no Bairro Coopharádio em Campo Grande ,90 16 Campo Grande Pavimentação asfáltica e drenagem urbana na UEMS em Campo Grande ,64 17 Campo Grande Pavimentação asfáltica e drenagem de águas pluviais no complexo Aero Rancho - etapa F em Campo Grande ,26 18 Campo Grande Pavimentação asfáltica e drenagem de águas pluviais no complexo Aero Rancho - etapa E em Campo Grande ,25 19 Campo Grande Pavimentação asfáltica e drenagem de águas pluviais no complexo Aero Rancho - etapa G em Campo Grande ,07 20 Campo Grande Reestruturação do estacionamento e vias de acesso ao Parque das Nações Indígenas - 21 Campo Grande Pavimentaçãoasfáltica e drenagem urbana de ruas no complexo Aero Rancho em Campo Grande - etapa F - 22 Caracol Pavimentação asfáltica de área urbana em Caracol - 23 Corguinho Pavimentação asfáltica urbana em Corguinho - 24 Coronel Sapucaia Restauração asfáltica de área urbana em Coronel Sapucaia - 25 Costa Rica Convênio para recapeamento asfáltico em área urbana de Costa Rica ,22 26 Coxim Restauração asfáltica de área urbana em Coxim ,97 27 Deodápolis Restauração asfáltica de área urbana em Deodápolis - 28 Dois Irmãos do Buriti Pavimentação asfáltica de área urbana em Dois Irmãos do Buriti - 29 Douradina Restauração asfáltica de área urbana em Douradina - 30 Dourados Pavimentação asfáltica e drenagem urbana no Jardim Vista Alegre em Dourados - 31 Dourados Pavimentação e drenagem urbana- em vilas e bairros de Dourados ,89 32 Eldorado Restauração asfáltica de área urbana em Eldorado - 33 Fátima do Sul Restauração asfáltica de área urbana em Fátima do Sul Figueirão Pavimentação asfáltica de área urbana em Figueirão ,77 35 Glória de Dourados Pavimentação asfáltica de área urbana em Glória de Dourados - 36 Guia Lopes da Laguna Pavimentação asfáltica de área urbana em Guia Lopes da Laguna - 37 Itaporã Restauração asfáltica de área urbana em Itapora - 38 Itaquiraí Restauração asfáltica de área urbana de Itaquiraí Ivinhema Pavimentação asfáltica de área urbana em Ivinhema - 40 Japorã Pavimentação asfáltica de área urbana em Japorã - 41 Jardim Restauração asfáltica de área urbana em Jardim ,47 42 Juti Pavimentação asfáltica de área urbana em Juti - 43 Laguna Carapã Restauração asfáltica urbana em Laguna Carapã - 44 Laguna Carapã Pavimentação asfáltica de área urbana em Laguna Carapã - 45 Miranda Restauração asfáltica de área urbana em Miranda - 46 Mundo Novo Restauração asfáltica de área urbana em Mundo Novo - 47 Nova Alvorada do Sul Restauração asfáltica urbana em Nova Alvorada do Sul - 48 Paranaíba Restauração asfáltica de área urbana em Paranaíba - 49 Paranhos Restauração asfáltica de área urbana em Paranhos - 50 Pedro Gomes Pavimentação asfáltica de área urbana em Pedro Gomes - 51 Ponta Porã Restauração asfáltica de área urbana em Ponta Porã - 4

8 Tabela 1.6 Pavimentação, restauração asfáltica e drenagem de vias urbanas (Conclusão) ITEM MUNICÍPIO TRECHO VALOR INVESTIDO (R$) 52 Porto Murtinho Pavimentação asfáltica de área urbana em Porto Murtinho - 53 Porto Murtinho Implantação de rampa de acesso ao dique frente a Prefeitura e no Atracadouro MunicipaL em Porto Murtinho - 54 Rio Negro Pavimentação asfáltica de área urbana em Rio Negro - 55 Rochedo Pavimentação asfáltica de área urbana em Rochedo - 56 Sidrolândia Restauração asfáltica de área urbana em Sidrolandia - 57 Tacuru Pavimentação asfáltica de área urbana em Tacuru - 58 Taquarussu Pavimentação asfáltica de área urbana em Taquarussu - 59 Terenos Restauração asfáltica de área urbana em Terenos - Total investido ,79 Fonte: Agesul Contenção de erosão Foi realizado em 2014 o serviço de contenção e controle de erosão e drenagem na margem de rodovias e cabeceiras de córregos para garantir a recuperação do terreno protegendo a qualidade da pavimentação asfáltica das vias, sendo investidos para isto R$ ,01 no período. Tabela 1.7 Contenção de erosão ITEM RODOVIA/MUNICÍPIO TRECHO VALOR INVESTIDO (R$) 1 BR/359 Contenção de erosão e drenagem na margem direita da Rodovia BR-359/MS ,16 2 Campo Grande Controle de erosão na região da cabeceira do Córrego Prosa ,55 3 MS 145 Contenção de erosão e drenagem na Rodovia MS ,30 Total investido ,01 Fonte: Agesul Construção e reforma de pontes de madeira e concreto Como forma de garantir a boa circulação entre os municípios e assegurar o transporte da produção estadual, o Governo do Estado, por intermédio da Agesul/SEOP, realizou em 2014 a reforma e a construção de 112 pontes de madeira, com extensão de 2.667,30m, investindo R$ ,10. Também foi investido neste mesmo período R$ ,50 em construção de 06 pontes de concreto com extensão de 284,00m. O investimento total em reforma e construção de pontes foi de R$ ,60 e beneficiou diretamente os 79 municípios do Estado. Conservação e manutenção permanente de pontes de madeira e concreto Pequeno reparo em pontes que incluem serviços no assoalho, rodeiro, guia de rodas, guarda corpo, sinalização e limpeza das pontes, além da roçada e capina manual. Esses serviços são realizados sempre que necessário nos ,00 m de pontes situadas em rodovias estaduais. Foram investidos, até o final de 2014, recursos da ordem de R$ ,46. Manutenção e recuperação de rodovias não pavimentadas e de revestimento primário A malha rodoviária não pavimentada em Mato Grosso do Sul que tem extensão de 8.967,200km, recebeu investimentos de R$ ,80 no exercício 2014, para execução de serviços de manutenção permanente de rodovias não pavimentadas visando às boas condições de tráfego e à melhoria no escoamento da produção sul-mato-grossense. Manutenção permanente de rodovias pavimentadas e fornecimento de CBUQ A malha rodoviária pavimentada em Mato Grosso do Sul recebeu investimentos de R$ ,14, no exercício Investiu-se também no fornecimento e aplicação de concreto betuminoso usinado a quente (CBUQ) para realização deste serviço. Este investimento foi realizado 5

9 visando manter as boas condições de tráfego e foi destinado a atender toda a malha viária estadual pavimentada que é de 4.325,600 km. Sinalização de rodovias Com o objetivo de melhorar as condições de tráfego e aumentar a segurança nas rodovias estaduais de Mato Grosso do Sul, a Secretaria de Estado de Obras Públicas e de Transportes, por meio da Agesul, implantou e revitalizou pórticos metálicos, realizou sinalizações vertical e horizontal nas principais rodovias do Estado. A importância desse tipo de atividade está diretamente ligada à redução do número de acidentes. Os investimentos de R$ ,96 garantem aos motoristas uma viagem mais segura por nossas rodovias. Implantação do PELT e do SGP O Governo do Mato Grosso do Sul esta desenvolvendo com recursos do BIRD, o Plano Estadual de Logística e Transportes (PELT) e o Sistema de Gerenciamento de Pavimentos (SGP), com a finalidade de otimizar o planejamento e os investimentos nas modalidades de transporte do Estado de MS. Os contratos foram firmados no valor de R$ ,49 e deste montante foi investido em 2014 R$ ,93. Manutenção e recuperação do parque de máquinas Para garantir a capacidade operacional da Secretaria de Estado de Obras Públicas e de Transportes, foram aplicados R$ ,06 em manutenção e recuperação do parque de máquinas das unidades regionais da Agesul. Os investimentos incluem a manutenção de equipamentos, o fornecimento de peças e serviços, a aquisição de óleos lubrificantes e combustíveis e o repasse de verba para as regionais da Agesul. Infraestrutura aeroportuária A infraestrutura de aeródromos e aeroportos tem importância estratégica no desenvolvimento do Estado. Os aeródromos contribuem como via de acesso às regiões, trazendo benefícios em diversos setores da economia, principalmente ao turístico. O aeroporto do município de Três Lagoas recebeu investimentos no valor de R$ ,08 no exercício 2014, em obras que buscam adequar às normas exigidas pela ANAC. Serviços técnicos, estudos e projetos Visando aprimorar a qualidade dos serviços e a redução nos custos finais das obras, o Governo do Estado contratou cerca de 45 milhões de reais para executar os seguintes serviços: Projetos executivos de obras, estudos de viabilidade técnica e impacto ambiental, gerenciamento e supervisão de obras, plano básico ambiental, contratação de consultores e auditoria de projetos. Desde montante R$ ,00 foram investidos em Contorno ferroviário de Três Lagoas A obra do contorno ferroviário de Três Lagoas tem prazo de execução previsto para maio de 2015 e é uma obra de extrema importância para garantir a segurança no trânsito desviando o tráfego da cidade. Trata-se de um contrato de R$ ,70 dos quais foram investido R$ ,54 apenas em

10 1.2 SECRETARIA DE ESTADO DE HABITAÇÃO E DAS CIDADES (SEHAC) AGÊNCIA DE HABITAÇÃO POPULAR DE MS (AGEHAB) No setor de habitação, o governo estadual avança com suas ações para ampliar o atendimento dentro do compromisso de garantir moradia digna às famílias sul-mato-grossenses mais necessitadas. Tabela 1.8 Situação das Operações em 2014 SITUAÇÃO Nº DE UN INVESTIMENTO DE RECURSOS POR FONTE (R$) ESTADUAL FEDERAL MUNICIPAL Aprovados na Caixa, aguardando MCidades , ,00 - Contratadas não iniciadas em , , , Em Execução em , , ,32 Contratadas não iniciadas referentes a 2007 a , , ,56 Em Execução em 2014 referentes a 2007 a , , ,87 Concluídas em 2014 referentes a 2007 a , , ,00 Total: , , , ,69 Fonte: Agehab/Sehac Tabela Relatório de Obras Habitacionais Resumo Garantidas DESCRIÇÃO URBANO RURAL QUILOMBOLA INDÍGENA TOTAL Total Concluídas Em Andamento Valor Estadual (R$) , , , , ,42 Valor Federal (R$) , , , , ,29 Valor Municipal (R$) , , , ,74 Valor Total (R$) , , , , ,45 Fonte: Agehab/Sehac Tabela Resumo Operações em Análise PROJETO EM ANÁLISE VALOR ESTADUAL (R$) VALOR FEDERAL (R$) VALOR TOTAL (R$) Urbano , , ,96 Rural , , ,00 Quilombola , , ,00 Indígena , , ,00 Total , , ,96 Fonte: Agehab/Sehac Tabela Total Geral DESCRIÇÃO URBANO RURAL QUILOMBOLA INDÍGENA TOTAL Total Garantido Em Análise Total Geral Valor Estadual (R$) , , , , ,38 Valor Federal (R$) , , , , ,29 Valor Municipal (R$) , , , , ,74 Valor Total (R$) , , , , ,41 Fonte: Sehac 7

11 1.2.2 SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES Controle social da política urbana Conselho Estadual das Cidades de Mato Grosso do Sul (CEC-MS) Posse dos conselheiros para o mandato de 2014/2016. Sendo em 2014 realizadas 10 Reuniões Ordinárias (62ª a 72ª), no período de fevereiro a novembro, sendo 08 na Capital e 02 no interior do Estado, nos município de Costa Rica e Chapadão do Sul. Neste ano foram discutidas e encaminhadas varias questões e temas dentre os quais destacamos: Assinatura, pelo Governador do Estado André Pucinelli e Secretário de Estado de Habitação e das Cidades Carlos Marun do Decreto que estabelece Critérios Estadual para Seleção das Famílias para o Programa Minha Casa Minha Vida e entrega dos exemplares do Plano de Habitação Estadual de Mato Grosso do Sul (PHE-MS) aos conselheiros, prefeitos municipais e demais autoridades (63ª Reunião Ordinária); criação do Grupo de Trabalho (GT) para apresentar parecer sobre a proposta da Secretaria de Estado Extraordinária da Juventude sobre a inclusão de jovem Primeira Moradia nos Critérios Adicionais para a Seleção de Beneficiários para Programas Habitacionais com Participação do Estado de Mato Grosso do Sul, Decreto de n , de 28 de fevereiro de 2014 (64ª Reunião Ordinária 20 de março de 2014); constituição das câmaras técnicas setoriais do Conselho Estadual das Cidades de habitação, trânsito, transporte e mobilidade urbana, saneamento básico e programas urbanos e políticas territoriais; levantamento do número de municípios com Conselhos Municipais das Cidades criados, para avaliação das legislações; palestra sobre tecnologias inovadoras para contenção de encostas apresentada pela Engenheira Nathalia Paiva Barbosa de Castro da Strata Global GeoSolutions e, ainda, apresentação das ações para a contenção da erosão no município no Costa Rica, (66ª Reunião Ordinária 16 de Maio de 2014 em Costa Rica); discussão e aprovação dos conteúdos sobre campanhas educativas de trânsito com o tema: trânsito, transporte e mobilidade urbana. Em andamento a discussão do tema programas urbanos e políticas territoriais (Plano Diretor e outros) para a elaboração da Política Estadual de Desenvolvimento Urbano e Regional; apresentação da situação da elaboração dos planos municipais de saneamento básico dos 49 municípios de MS, pela Empresa de Saneamento Básico de Mato Grosso do Sul (Sanesul) e Superintendência Regional da Fundação Nacional de Saúde (Funasa),. Como resultado dessa discussão foi recomendada à criação do Núcleo Estadual de Saneamento Básico, para acompanhar e orientar os municípios. Também foram apresentadas as ações do município de Chapadão do Sul relacionadas a implementação do Plano Municipal de Saneamento Básico, e as atividades de planejamento urbano e investimento em infraestrutura no Município, (70ª Reunião Ordinária, em 18 de setembro de 2014, Câmara Municipal de Chapadão do Sul); apresentação e aprovação de duas Moções: para liberação das 2ª e 3ª parcelas dos recursos destinados à continuidade da execução dos serviços de contenção de erosões e para aprovação dos projetos de moradias através do Programa Minha Casa Minha Vida - Entidades os municípios de Costa Rica (174 unidades), Figueirão (100 unidades) e Paraíso das Águas (200 unidades). (66ª Reunião Ordinária do Conselho Estadual das Cidades realizada no município de Costa Rica-MS). Conselho Gestor do Fundo de Habitação e das Cidades (CONGFEHIS) As reuniões deste Conselho ocorrem bimestralmente e no ano de 2014 foram realizadas quatro Reuniões Ordinárias, das quais uma em conjunto com o Conselho Estadual das Cidades, com as mesmas pautas, as demais reuniões abordaram temas específicos: posse dos conselheiros para o período de 2014 a 2016; discussão e aprovação do Relatório de Gestão do ano de 2013 do Fundo Estadual de Habitação de Interesse Social; propostas das ações a serem executadas no ano de 2014, na área habitacional e de planejamento urbano pela Secretaria de Estado de Habitação e das Cidades; 8

12 balanço da aplicação dos recursos do Fundo Estadual de Habitação de Interesse Social no período de 2008 a 2013; o déficit habitacional dos municípios de MS, segundo os estudos da Fundação João Pinheiro; a situação de regularidade dos municípios de MS, quanto a criação dos fundos e conselhos gestores dos respectivos fundos municipais de habitação de interesse social em atendimento ao Termo de Adesão ao Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social (SNHIS) do Ministério das Cidades. Implementação do Programa MS Cidadão - Desenvolvimento Urbano e Regional - Projeto apoio à elaboração ou revisão de Planos Diretores Participativos (PDPs) Esse projeto prevê a implantação de um conjunto de ações, visando melhoria e fortalecimento do planejamento municipal, com ordenamento e controle do uso e ocupação do solo, bem como, a garantia da qualidade de vida à população, conforme estabelece o Estatuto da Cidade, Lei Federal nº , de 10 de junho de 2001, e a Constituição Estadual em seu art e 214. A meta do Governo do Estado é que todos os 79 municípios sul mato-grossense tenham seus planos diretores elaborados e efetivamente implantados, refletindo os anseios da comunidade e indicando os caminhos para cidades melhores. Em 2014, o Governo do Estado optou por atender a todos os municípios que não possuíam planos diretores e, ainda, a revisão em seis municípios. Para efetivar este processo foram publicadas duas chamadas públicas para adesão, tendo aderido ao processo de elaboração vinte e oito (28) municípios das seguintes regiões de Planejamento: Campo Grande; Grande Dourados; Cone-Sul; Leste; Sul-Fronteira; Bolsão e Norte e seis municípios para a revisão, sendo eles: Bodoquena; Cassilândia; Nova Andradina; Naviraí; Rio Brilhante e Sidrolândia. Para a elaboração dos PDP S, foi efetuada a contratação de empresa especializada por meio de processo licitatório, sendo vencedora a Alto Uruguai Soluções Ambientais Ltda-ME, e para a revisão a Instituição de Ensino Superior, Fundação de Apoio a Pesquisa, ao Ensino e a Cultura de Mato Grosso do Sul (FAPEMS). Com aporte de recursos pelo Governo do Estado na ordem de R$ ,67, para a execução destas duas ações, elaboração e revisão de Planos Diretores. Para a elaboração ou revisão dos PDP s foi garantido o processo democrático e participativo, sendo constituídas Coordenações Municipais, composta por representantes do Poder Público e da sociedade civil organizada, para apoiar os trabalhos das contratadas, que estão executando as atividades das quatro etapas: Definição de Metodologia e Estruturação dos Trabalhos; Diagnóstico; Plano Base (estratégias, diretrizes e macrozoneamento) e a Minuta do Projeto de Lei do Plano Diretor Participativo. Sendo incluindo como meta o nivelamento conceitual das coordenações municipais e da comunidade em geral. Como forma preliminar aos estudos, as Coordenações Municipais efetuaram levantamento de dados e elaboração de mapeamentos temáticos. Como forma de divulgação dos trabalhos em todos os municípios, houve ao total 43 lançamentos da elaboração ou revisão do PDP s, no período de maio a agosto, onde participaram aproximadamente pessoas. Este evento foi organizado pelas prefeituras com a participação da Secretaria de Estado de Habitação e das Cidades, visando sensibilizar e orientar a comunidade e, em especial, sobre os temas relacionados a importância de se planejar, noções sobre o histórico e conceitos da política urbana, etapas e prazos do processo de elaboração ou revisão dos PDP s. E, conforme o cronograma estabelecido no Termo de Referência do processo de elaboração dos PDP s, até a presente data foram concluídas a 1ª etapa (Definição da Metodologia e Organização dos Trabalhos) e a 2ª etapa (Diagnóstico), que está em fase de análise pela Superintendência Estadual das Cidades. Os produtos das etapas de elaboração ou revisão foram discutidos com a comunidade local em oficinas e audiência publica, garantindo assim, o processo democrático e participativo, conforme prevê o Estatuto das Cidades. 9

13 1.3 GOVERNADORIA EMPRESA DE SANEAMENTO DE MATO GROSSO DO SUL S.A (SANESUL) A Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul Sanesul foi criada em 1979 para melhorar a qualidade de vida da população sul-mato-grossense através de ações de abastecimento de água e esgotamento sanitário. Com isso, o compromisso da Sanesul em relação à sociedade é manter a universalização do abastecimento de água nas localidades operadas e elevar progressivamente o índice de esgotamento sanitário alinhado com o desenvolvimento sustentável, assegurando a saúde, elevando a qualidade de vida e o bem-estar da população. O Mapa Estratégico da Sanesul - parte integrante do Plano Estratégico 2011 a foi desenhado para comunicar os principais objetivos da empresa, distribuindo-os nas perspectivas Mercado, Finanças, Processos Internos Críticos e Aprendizado. Essas dimensões se interrelacionam e convergem para o atendimento da Missão Institucional que é gerir serviços de qualidade em abastecimento de água e esgotamento sanitário, contribuindo para a saúde pública, a preservação ambiental e o desenvolvimento social e econômico do Estado; e da Visão de Futuro que é ser a melhor opção em soluções de saneamento básico no Estado, focando sempre a melhoria contínua das atividades organizacionais. Os resultados de 2014 mais relevantes são apresentados na sequência, conforme a ordem do Mapa Estratégico. Universalização no Atendimento de Água Praticamente toda a população urbana das 123 localidades operadas é atendida com água tratada. De janeiro a setembro de 2014, a rede de abastecimento de água expandiu-se em 230 km e totalizou km. O número de ligações avançou 13 mil unidades, alcançando 512,5 mil ligações. Ampliação no Atendimento com Esgotamento Sanitário A Sanesul cumpre a legislação ao acompanhar sua eficiência no tratamento de esgoto e monitorar os corpos receptores quanto ao impacto do lançamento do efluente. Em 2014, a maioria dos recursos investidos destinou-se aos sistemas de esgotamento sanitário, em obediência à diretriz estratégica de se ampliar de forma significativa o atendimento no Estado, bem como a Lei do Saneamento nº /07. As ligações de esgoto cresceram 16%, representando 15,7 mil novas ligações, atingindo 116 mil unidades implantadas, com expansão de 262 km, resultando em km de rede de esgoto, na área de concessão da Sanesul no Estado. Política Ambiental O Mato Grosso do Sul é um Estado rico em disponibilidade de recursos hídricos, possuindo 2/3 de área do Pantanal e sendo banhado pelas bacias do rio Paraguai e do rio Paraná, com isso, a Sanesul considera a necessidade de compatibilizar suas ações com a conservação do meio ambiente e está engajada para que suas atividades empresariais estejam em harmonia com o desenvolvimento sustentável para garantir a qualidade de vida também das gerações futuras. Esse compromisso com o futuro está representado na Política Ambiental da Sanesul que possui diretrizes que determinam a conduta da empresa e tem o objetivo de aliar preservação, educação e soluções modernas para o saneamento. Observa-se a evolução nas relações das atividades produtivas com o meio ambiente, especialmente no que tange à recuperação dos passivos ambientais, regularização dos empreendimentos existentes e das novas propostas derivadas dos projetos de engenharia. Os poços tubulares em operação estão regularizados mediante a Resolução Semac n 21, de 23 de outubro de 2014, pois todos possuem efetivo registro no Cadastro Estadual de Usuários de Recursos Hídricos CEURH/MS. Quanto a outorga de uso de recursos hídricos, quase todas as unidades de tratamento de água e de esgoto, localizadas em rios de jurisdição federal, possuem 10

14 outorga emitida pela Agência Nacional de Águas (ANA), as restantes possuem protocolo de tramitação. Quanto à educação ambiental, até novembro de 2014 foram realizadas palestras. O concurso de redação - em parceria com a Caixa Econômica Federal e a Secretaria de Educação - e dirigido aos alunos do 8º e 9º anos das escolas estaduais - teve neste ano como tema Saneamento Básico é Saúde e envolveram aproximadamente estudantes, das 10 sedes regionais. Os prêmios abrangem Caderneta de Poupança da Caixa Econômica Federal, no valor de R$ mil para os vencedores de cada cidade (R$ para os primeiros colocados, R$ 800 para os segundos lugares e R$ 600 para os terceiros finalistas), além de uma TV 43 para as escolas e um tablet para o professor dos estudantes que alcançaram a primeira colocação. Nas atividades de educação ambiental, são realizadas palestras e divulgação alusiva através da cartilha educativa infantil, nas quais são abordados temas referentes à água e preservação do meio ambiente, e há ainda, o projeto Saneamento Básico é Saúde, desenvolvido pela Regional de Dourados, no qual os empregados realizam trabalhos educativos ambientais. Foram distribuídos 115 mil materiais educativos, entre cartilhas, folders, lixo, canetas, marcas páginas entre outros. A quantidade de visitas recebidas na empresa, seja nas ETAs, ETEs ou poços, aproxima-se de alunos da Educação Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Médio e Universitário, já as atividades como blitz educativas no Dia Mundial da Água e Semana do Meio Ambiente atingiram aproximadamente 26,5 pessoas. Em 2014, a Empresa fez um trabalho de plantio de árvores nativas com 22 tipos de espécies e mudas de árvores plantadas no mês de setembro em comemoração ao Dia da Árvore. Os empregados da Sanesul, por iniciativa própria, realizam todos os anos a Campanha do Agasalho, a empresa colabora na divulgação da iniciativa. No ano corrente, a campanha arrecadou peças de roupas, calçados e cobertores, que foram doados para entidades de assistência social. Neste ano também foram realizadas ações sociais de conscientização dos empregados e da população em geral, como a Campanha do Outubro Rosa, que tem como objetivo principal alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama, e Campanha contra a Dengue, em diversos municípios do Estado. A população atendida com essas ações atingiu um total de mil pessoas. Neste ano a Sanesul aderiu à campanha Novembro Azul que tem como objetivo orientar e conscientizar a população sobre os cuidados com a saúde do homem. Durante todo o mês de novembro, estão sendo distribuídos folhetos informativos nos escritórios da Sanesul, bem como realizadas palestras em algumas unidades da empresa. A Sanesul por meio de seu corpo técnico, também participa ativamente de diversos conselhos relacionados à educação ambiental e meio ambiente, entre eles o Conselho Interinstitucional de Educação Ambiental, Conselho Estadual de Recursos Hídricos, Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Miranda, Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Ivinhema, Comissão de Acompanhamento para Efetivação do Enquadramento do Rio Anhanduí entre outros. Por fim, a Sanesul também tomou parte da V Feira Socioambiental de Bonito; do I Seminário de Conservação Ambiental da Serra da Bodoquena; VI Conferência Internacional de Educação Ambiental e Sustentabilidade Melhor de Ambos os Mundos em Bertioga SP (com a apresentação do artigo Educação Ambiental em Saneamento Básico para Desenvolvimento Sustentável ); da avaliação dos 10 anos de Conferência Nacional Infanto-Juvenil pelo Meio Ambiente CNIJMA, além de diversas feiras e exposições agropecuárias com a montagem de stand e distribuição de material relacionado à educação ambiental. 11

15 Concessões Municipais Em 2014, foi firmado o contrato programa com o município de Miranda e agora a SANESUL pode investir no saneamento do município com segurança contratual. O contrato programa é regido sob as diretrizes estabelecidas pela Lei Federal nº /07, considerado o Marco Regulatório do Saneamento Básico do Brasil. Nesses contratos, constam entre outros pontos, valores anuais de investimentos e indicadores de resultados ao longo dos anos de concessão, importando em segurança jurídica para todas as partes interessadas, de tal forma a garantir os serviços de água e esgoto à população. Hoje, a Sanesul possui 62% de suas concessões asseguradas pela Lei do Saneamento. Imagem da Empresa A Assessoria de Comunicação da empresa organiza entrevistas, produz e fornece informações para rádios, jornais, TVs e internet sobre assuntos ligados à atuação da Sanesul. Nesse contexto, produziu-se aproximadamente 470 matérias entre janeiro e outubro de 2014 que geraram 397 notícias veiculadas em jornais impressos (sendo 361 positivas e 36 negativas), além de notícias em sites regionais (sendo positivas e 151 negativas). Neste ano, a empresa patrocinou 18 eventos públicos entre feiras, caminhadas, conferências, festas culturais e outras ações ligadas às questões ambientais e sociais. De igual modo, houve a participação em audiências públicas, seminários e palestras institucionais para promover a aproximação com a população e divulgar resultados para a sociedade. Plano de Investimentos O Plano de Investimento de 2014 (até outubro) apresenta R$ 53,5 milhões investidos nos sistemas de água e esgoto, sendo que 42% deste montante são recursos provenientes diretamente da SANESUL em forma de contrapartidas. Os recursos adquiridos de terceiros foram captados por meio de convênios (Funasa, Ministério das Cidades e Focem), operações de crédito (Caixa Econômica Federal) ou recursos do Tesouro Estadual (contrapartidas do PAC/Governo Federal). Além dos valores financiados, a Sanesul executou obras com recursos próprios (R$ 68 milhões) e outros recursos (R$ 15 milhões) nos sistemas de água, de esgoto e desenvolvimento operacional e administrativo. Desse total investido - R$ 136,5 milhões R$ 49 milhões (36% do total) foram destinados para sistemas de abastecimento de água, R$ 74 milhões (54% do total) para sistemas de esgotamento sanitário e R$ 13,5 milhões (10% do total) investidos em bens de uso geral, adiantamentos a terceiros e estoques de obras. Todas as 123 localidades operadas foram beneficiadas de alguma ação de melhoria, ampliação ou implantação de novos sistemas. Resultados Financeiros O Fluxo de Caixa manteve-se com saldo positivo devido ao permanente esforço comercial e administrativo que propicia arrecadação em bons níveis, baixa inadimplência dos clientes e o pagamento dos fornecedores sem atrasos. Com base nisso, o índice de arrecadação é acompanhado diariamente e demonstra arrecadação acima de 100% do faturamento particular devido à recuperação de débitos em atraso. Vale ressaltar que o reajuste tarifário de energia, segunda maior despesa da Sanesul, ficou acima do esperado, subindo 2,5% na Enersul (principal fornecedora de energia) e 37,8% na Elektro que atende algumas localidades operadas pela empresa, tornando o custo específico (R$/kWh) 18% maior. Operação de Sistema Atualmente, a Sanesul opera com 364 poços e 18 captações superficiais (Estações de Tratamento de Água - ETAs). Para manter o controle da qualidade da água, todos os municípios operados são monitorados. O Laboratório Central em Campo Grande analisa as amostras de águas nos parâmetros mais complexos como agrotóxicos, metais, substâncias orgânicas e cianos bactérias, 12

16 seguindo padrões exigidos pela Portaria 2914/11. O Laboratório da Administração Central recebeu o diploma de Acreditação do Inmetro. Há outros dez Laboratórios Regionais nos quais são analisados parâmetros de média complexidade. Em 2014, o Índice de Qualidade da Água (IQA) está em 97,62%, considerado ótimo. A Sanesul está investindo na melhoria do controle operacional e com isso, atualmente, os quatro maiores sistemas (Ponta Porã, Dourados, Corumbá e Três Lagoas) possuem a telemetria implantada, proporcionando a análise de dados em tempo real. Na Central de Controle, os técnicos podem monitorar a produção, reservação e a distribuição de água das localidades. O trabalho de combate às perdas de água engloba ações coordenadas entre as áreas comercial e operacional focando: o aumento da confiabilidade na macromedição, pesquisas e reparos de vazamentos, padronização de ligações, substituição de redes e ramais, implantação de sistemas de supervisão e controle operacional, reabilitação de unidades operacionais, aquisição de equipamentos de automação e equipes capacitadas. O programa de redução das despesas de energia elétrica priorizou em 2014 a implantação de capacitores para correção de baixos fatores de potência; a revisão, adequação e enquadramento de grupos tarifários; a adoção de equipamentos mais eficientes nos aspectos hidráulicos e energéticos, bem como o uso de rádios transmissores para automatização de sistemas em substituição à linha de boia por fios de automatização. Comercialização dos Serviços As melhorias na eficiência comercial e no atendimento ao cliente são objetivos permanentes da Sanesul. Do volume total consumido, praticamente 100% são medidos por meio de hidrômetros. Para melhor conforto no atendimento ao cliente foram reformados e construídos diversos escritórios de atendimento ao cliente. É realizada a Pesquisa de Satisfação dos Clientes, aplicada nos escritório de atendimento das localidades, para conhecer suas necessidades e sugestões a fim de aprimorar os serviços prestados e produtos oferecidos. Além disso, há o serviço de Pós-venda em que uma amostragem dos serviços de campo é avaliada pelos clientes. Está em fase de implantação a OS Eletrônica, a partir dela todo o gerenciamento dos serviços de campo serão registrados utilizando-se o palm que alimentará diretamente o sistema comercial, atendendo ao cliente de forma mais rápida e eficiente e ainda, dando aos supervisores maior controle sobre suas equipes e serviços executados. Metodologia de Gestão (PNQS) O Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS Reconhecido pela International Water Association (IWA) como a mais importante ferramenta de gestão dos serviços de saneamento ambiental, o PNQS estimula a adoção de modelos gerenciais compatíveis com os melhores exemplos mundiais, atendendo aos critérios de Liderança, Estratégias e Planos, Clientes, Sociedade, Informações e Conhecimento, Pessoas, Processos e Resultados. Provando que a Sanesul se preocupa em manter uma gestão de qualidade, desde 2012 a companhia participa dessa premiação e em 2014, se candidatou com 02 unidades Coxim e Naviraí e pela primeira vez com uma regional (Regional de Corumbá). Com muita alegria todas foram premiadas, sendo que Coxim foi premiada com o troféu Bronze, nível I; Naviraí conquistou o inédito troféu Prata, nível II e Corumbá conseguiu o troféu Cobre nível básico. Desenvolvimento de Pessoal A Sanesul possui em seu quadro de empregados empregados de carreira e comissionados (dados Caged out/2014). Nos Concursos Públicos, homologados em 2014, para empregos de nível médio e superior, foram oferecidas 552 vagas, sendo contratados até o mês de outubro 234 empregados, principalmente para suprir demandas de pessoal nos sistemas de 13

17 abastecimento de água e esgotamento sanitário, de engenharia e apoio como encanador, operador de equipamentos automotivos, eletromecânicos. Dentre as ações estratégicas que visam o desenvolvimento e motivação de seus empregados, a Sanesul além de manter ações já estabelecidas, tais como, a capacitação, incentivo aos estudos e avaliação de desempenho dos empregados, tem buscado inserir novas práticas, como a pesquisa de satisfação dos empregados e o sistema de sugestões (Canal de Ideias). Nos dez primeiros meses de 2014, foram realizados 171 treinamentos, gerando oportunidades e totalizando horas de treinamento, para isso, foram investidos cerca de R$ 397 mil, priorizando principalmente o treinamento de novos empregados através de Treinamentos no Local de Trabalho TLT e cursos presenciais teóricos e práticos, principalmente para encanadores, operadores de equipamentos automotivos, eletromecânicos e assistente/atendente comercial. Também para os novos empregados foram realizadas as Integrações, com apresentação da empresa, incluindo sua estrutura organizacional, benefícios, normas de administração de pessoal. Alguns treinamentos realizados: Operação e Manutenção de Retroescavadeira e Caminhão Valetadeira, Epanet, Combate a Perdas e Macromedição, Reciclagem de Procedimentos para Processos de Aquisições e Gestão de Contratos, Operação e Manutenção de Sistemas de Esgoto Sanitário, Noções Básicas de Comercialização, Introdução a Manutenção Eletromecânica. Com objetivo de apoiar e estimular os empregados que tem interesse em continuar os estudos, a Empresa mantém, através de Acordo Coletivo de Trabalho, o Auxílio Educação para estimular a continuidade dos estudos dos seus empregados, incluindo incentivos para conclusão de ensino médio, para cursos profissionalizantes, graduação, pós-graduação e mestrado, custeando até 50% em cursos correlatos aos empregos de carreira. Esse programa, desde seu inicio beneficiou 38 empregados, investindo R$ ,25, sendo que em 2014, o valor do investimento foi de R$ ,59 até o mês de setembro de A empresa, em cumprimento ao Plano de Empregos, Carreiras e Salários (PECS), implantou em 2012 uma metodologia de avaliação de desempenho individual que permite aos empregados e gestores a oportunidade de melhor direcionar e aprimorar, continuadamente, os esforços individuais para o alcance dos resultados organizacionais. Desde a implantação, já se cumpriram 3 ciclos de avaliação de desempenho dos empregados da carreira técnica que não ocupam empregos comissionados e 2 ciclos da avaliação de desempenho gerencial que abrangem os empregos comissionados. A cada ciclo, a empresa realiza sistematicamente oficinas gerenciais, envolvendo gestores e empregados no tratamento dos resultados produzidos nas avaliações e no refinamento da prática da avaliação de desempenho para a construção de uma cultura de reconhecimento do mérito através de critérios objetivos, tornando cada vez mais "tangíveis" os elementos avaliáveis. O Programa de Sugestões Canal de Ideias foi implantado em seis Unidades Regionais (Ponta Porã, Dourados, Nova Andradina, Naviraí, Coxim e Corumbá), candidatas ao PNQS Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento, visando incentivar a participação dos empregados na busca da melhoria contínua dos processos de trabalho, do ambiente de trabalho, segurança e outros temas relacionados à Empresa. Até outubro de 2014, de 205 sugestões dadas 13% estão implantadas e 44% em fase de implantação. A Pesquisa de Satisfação de Empregados (Clima Organizacional), aplicada anualmente desde 2012, objetiva identificar os pontos que precisam ser melhorados na Empresa quanto aos fatores Liderança, Carreira, Ambiente de Trabalho e Motivação, resultando em ações que geram ganhos para a empresa e melhoria na satisfação dos empregados. O índice de satisfação geral (somatória de bom + ótimo) em 2012 foi de 58%, em 2013 foi 66% e em 2014 atingiu 73%. Tecnologia da Informação Com a determinação da Diretoria para a continuidade dos projetos de melhorias e modernização da Infraestrutura de TI prevista no PDTI em 2013, os investimentos realizados em 2014 tornaram os processamentos dos sistemas significativamente mais ágeis, o que influenciou 14

18 diretamente no atendimento aos clientes internos e externos, constatando grande melhoria no tempo de resposta. A área de armazenamento foi expandida em 200%, o que possibilitou a implantação de: fotos dos serviços de campo executados; fotos dos hidrômetros cujas leituras estão fora de faixa; a implantação da ferramenta de Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED, onde todos os processos administrativos, a partir da gestão de 2007, foram digitalizados e disponíveis eletronicamente. Outro investimento importante foi a aquisição de Robô de backup (LTO) que com o auxilio do SW de Serviços de Proteção a Informação, reduziu significativamente a janela de backup. Também foram investidos na aquisição de 250 Monitores LCD 19 polegadas contemplando a substituição de todos os equipamentos CRT, esses novos equipamentos ocupam menos espaço, consomem menos energia, possuem tela realmente plana e principalmente, não emitem raios nocivos à saúde da visão de nossos usuários. Na questão política de segurança, foram investidos na aquisição de 11 Servidores físicos, onde possuem a função de AD (Active Directory) e Servidores Arquivos nas sedes Regionais, foram criadas áreas especificas aos funcionários com espaços para copia de todos os arquivos de trabalho, com isso, evita-se a perda de informações em caso de problemas nos discos locais das estações de trabalho, visto que, são feitos Backups diários de todos os documentos armazenados no servidor e replicado para o Data Center. Com relação a investimentos em Software, foi implantando o Serviço de Proteção a Informação (backup) Symantec, esta solução de gerenciamento de Serviços, visa licenciar e reestruturar os procedimentos de backup e recuperação de dados. Com esta implantação a janela de backup passou de 8 para 4 horas, garantindo maior confiabilidade na segurança das informações da empresa. Outros investimentos que valem ser destacados são: a implantação da solução System Center SCCM (System Center Configuration Manager) que possibilita a avaliação, a implantação e atualização dos servidores, computadores clientes e dispositivos - em ambientes físicos, virtuais, distribuídos e móveis, ou seja, é o controle sobre os sistemas de TI e; SCSM (System Center Service Manager) que fornece poderosos recursos para o gerenciamento de incidentes, problemas, ativos e mudanças, o System Center Service Manager auxilia a Sanesul a melhorar o serviço fornecido a seus usuários. Já para a área de desenvolvimento e manutenção de sistemas, foi efetuado o licenciamento do Visual Studio e Team Foundation Server, que visam à implantação de uma plataforma que abrange o desenvolvimento de Software, fator este fundamental para que os técnicos da área de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas possam criar aplicativos gerenciáveis e confiáveis, com rapidez e segurança. O sistema de Gestão de Ordem de Serviço Projeto OS Eletrônica está em fase de implantação e proporcionará a execução e baixa de Ordens de Serviços (OSs) de forma on-line na grande maioria dos casos. Isso otimizará os custos de mão de obra, insumos, materiais e tempo de execução, possibilidade de avaliação sistêmica e periódica dos serviços prestados o que certamente esta melhorando de forma qualitativa os atendimentos aos clientes externos COMPANHIA DE GÁS DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL (MSGÁS) A Companhia de Gás do Estado de Mato Grosso do Sul tem por missão planejar, criar e implementar a infraestrutura necessária para a distribuição de Gás Natural no Estado de Mato Grosso do Sul, expandindo seu uso de maneira eficiente, segura e econômica, oferecendo uma alternativa energética viável e competitiva, assegurando a qualidade dos bens produzidos, promovendo a preservação do meio ambiente e contribuindo para o desenvolvimento da matriz energética do Estado. Dentro da sua missão de difundir o consumo do gás natural nas diversas áreas, em 2014 a MSGÁS atuou principalmente nas seguintes linhas: 15

19 Comercialização de Gás Natural A MSGÁS consolidou projetos de expansão da Rede de Distribuição de Gás Natural, com foco no atendimento aos segmentos industrial, em Três Lagoas e residencial e comercial, em Campo Grande, o que vai garantir um incremento em volume e quantidade de clientes. Com unidades consumidoras utilizando gás natural em Mato Grosso do Sul, até setembro/2014, a MSGÁS incrementou em 4,4% a sua carteira de clientes e vislumbra finalizar o ano de 2014 com unidades consumidoras, o que representará um acréscimo de 40% na sua carteira de clientes, com significativo crescimento no segmento residencial, aproximadamente 42,4%. Expansão da Rede de Fornecimento de Gás A expansão de rede foi de aproximadamente 9,11 km (até setembro/2014), em Polietileno de Alta Densidade - PEAD para atender principalmente aos Segmentos Residencial e Comercial em Campo Grande e Três Lagoas. A expansão da rede de distribuição de gás natural concretiza um total de 213,52 km. Investimentos Até setembro/2014, a MSGÁS investiu R$ 4,59 milhões, em linha com a estratégia de ampliação e fortalecimento da participação da empresa no mercado sul-mato-grossense, sendo que, do valor acima, foram aplicados R$ 4,28 milhões na expansão dos negócios, abrangendo a construção de rede de distribuição de Gás Natural e a aquisição de materiais para implantação de novos ramais de distribuição de gás natural. Importantes Projetos em Desenvolvimento a) Projeto Eldorado Fornecimento de Gás Natural à indústria Eldorado Celulose e Papel S.A., localizada no Município de Três Lagoas-MS, com investimento realizado de R$ 13,53 milhões até setembro de 2014 referentes à aquisição de parte do material (tubos de AC) objetivando a implantação de Ramal de Distribuição de Gás Natural. A assinatura do contrato para execução das obras foi realizada em agosto de 2014, numa extensão de aproximadamente 42 km em duto de Aço Carbono - AC de 10 polegadas com pressão de operação de 50,0 kgf/cm² e volume de consumo de m³/dia, com previsão de mais 02 ampliações, atingindo ao final, um consumo estimado de m³/dia. Parte dos recursos foi obtida por meio do FCO Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste. b) Expansão de Rede em Campo Grande e Três Lagoas-MS Ramal de Distribuição de Gás Natural para atender aos clientes comerciais e residenciais em Campo Grande e Três Lagoas. Constituído por redes em PEAD com diâmetro variando de 32 mm a 200 mm, composto por pequenos trechos, localizados predominantemente no centro urbano totalizando uma extensão de rede em entorno de 9,11 km para atender aproximadamente 710 unidades usuárias, com investimentos realizados de R$ 4,14 milhões até setembro de

20 2. Desenvolvimento e Finanças 2.1 SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVOMENTO AGRÁRIO, DA PRODUÇÃO, DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO (SEPROTUR) A Seprotur, órgão de indução do desenvolvimento sustentável do Estado, mediante o fortalecimento das Cadeias Produtivas existentes e a atração de novos empreendimentos produtivos para Mato Grosso do Sul, orienta os agentes públicos e privados em suas atividades, utilizando sua estrutura de Órgão Central e de suas vinculadas, bem como as parcerias com instituições afins. Vinculados à Seprotur e apoiados por ela, atuam os Conselhos, Comitês, Comissões, Câmaras Setoriais e o Núcleo Estadual de APL's, colegiados que têm sua composição, competência e normas de funcionamento estabelecidas por legislação pertinente. As Câmaras Setoriais, instrumentos auxiliares de gestão da Secretaria, identificam as demandas das Cadeias Produtivas, priorizadas pelo Governo do Estado e propõem ações a serem implementadas nos diversos programas, projetos e atividades estratégicas do setor produtivo sulmato-grossense. As Câmaras Setoriais, atualmente em número de treze: Leite, Bovinocultura/Bubalinocultura, Piscicultura, Suinocultura, Ovinocaprinocultura, Avicultura/Estrutiocultura, Florestas, Mandioca, Horticultura, Algodão, Setor Sucroalcooleiro, Biodiesel e Logística de Armazenagem e de Transporte, atuam como fórum de apoio no direcionamento e na operacionalização das ações desenvolvidas. A Seprotur desenvolve suas ações centradas principalmente em quatro Programas: MS Competitivo - Adensamento de Cadeias Produtivas e Diversificação da Base Econômica do Estado; MS Competitivo - Turismo; MS Competitivo - Desenvolvimento da Região de Fronteira e MS Cidadão/Desenvolvimento Agrário. Além desses Programas, a Seprotur tem sob sua responsabilidade administrativa e gestão: o Fórum Deliberativo do MS-Indústria; o Fundo de Desenvolvimento Industrial FAI; o Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis pelo Fundo Constitucional de Financiamento do Centro- Oeste CEIF/FCO; o Fundo para o Desenvolvimento das Culturas de Milho e Soja (Fundems); o Fundo de Desenvolvimento Agrário - Funter, e o Fundo Estadual de Terras Indígenas - Fepati AGRICULTURA, PECUÁRIA E DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO À Superintendência de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Agrário, compete elaborar estudos e propor políticas de orientação para os setores públicos e privados, voltados às principais cadeias produtivas e ao fortalecimento de seus agentes, de forma integrada, e sua inserção e permanência nos mercados local, nacional e internacional, com aumento de emprego e renda, visando ao desenvolvimento econômico-sustentável. Em ação conjunta com a Secretaria de Fazenda (Sefaz) são implementados programas de incentivos fiscais, associados ao desenvolvimento tecnológico da produção agropecuária, que vêm sendo executados em parceria com as instituições integrantes do setor produtivo por meio da operacionalização de Câmaras Setoriais Consultivas, visando ao fortalecimento e à sustentabilidade das principais cadeias produtivas do Estado, como descrito a seguir: MS Competitivo - Adensamento de Cadeias Produtivas e Diversificação da Base Econômica do Estado Programa de Avanços da Pecuária (Proape) O Programa visa à expansão e ao fortalecimento da produção de carnes, e é composto por subprogramas voltados ao aumento do desfrute, ao incremento e à diversificação da produção de carnes de qualidade e de conformidade. 17

Pacto de Aprimoramento do SUAS Mato Grosso do Sul

Pacto de Aprimoramento do SUAS Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social www.setas.ms.gov.br Pacto de Aprimoramento do SUAS Mato Grosso SETAS Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social Governadoria ANDRÉ PUCCINELLI

Leia mais

MUNICÍPIOS SELECIONADOS PARA O MINHA CASA MINHA VIDA - SUB 50 PRÉ-REQUISITOS PARA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA SIMPLIFICADO RECURSO PRÓPRIO RECURSO FNHIS

MUNICÍPIOS SELECIONADOS PARA O MINHA CASA MINHA VIDA - SUB 50 PRÉ-REQUISITOS PARA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA SIMPLIFICADO RECURSO PRÓPRIO RECURSO FNHIS MUNICÍPIOS SELECIONADOS PARA O MINHA CASA MINHA VIDA - SUB 50 PRÉ-REQUISITOS PARA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA PRÉ-REQUISITOS FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E CONSELHO GESTOR PRAZOS MUNICÍPIOS

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PLANO DE TRABALHO DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PEE-MS

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PLANO DE TRABALHO DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PEE-MS GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PLANO DE TRABALHO DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PEE-MS Campo Grande-MS Abril 2014 1 1 JUSTIFICATIVA Este Plano objetiva

Leia mais

CBMMS DECRETO Nº 14.089, 27 NOV 14

CBMMS DECRETO Nº 14.089, 27 NOV 14 0/26 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO-GERAL ESTRUTURA OPERACIONAL DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO

Leia mais

Índice de Responsabilidade Social de Mato Grosso do Sul

Índice de Responsabilidade Social de Mato Grosso do Sul ÍNDICE DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DE MATO GROSSO DO SUL ISSN 1984-8285 GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL Secretaria de Estado de Meio Ambiente, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia (SEMAC) ASSEMBLEIA

Leia mais

GEOGRAFIA DE MATO GROSSO DO SUL

GEOGRAFIA DE MATO GROSSO DO SUL MARCUS CAVALCANTE GEOGRAFIA DE MATO GROSSO DO SUL TEORIA 70 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS, VESTIBULARES E EXERCÍCIOS PROPOSTOS GABARITADOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Marcus Cavalcante Organização

Leia mais

UFGD, UM NOVO TEMPO. Senhoras e Senhores Deputados,

UFGD, UM NOVO TEMPO. Senhoras e Senhores Deputados, DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO GERALDO RESENDE (PPS/MS), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM 13/07/2005. UFGD, UM NOVO TEMPO Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados, Uma boa notícia finalmente

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 APRESENTAÇÃO A Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul - SANESUL S.A. foi criada em 1979 para garantir, prioritariamente, a qualidade de vida da população sul-mato-grossense nas atividades de abastecimento

Leia mais

Acesso à Educação Infantil da Pré-Escola Estudo e Análise da Realidade do Estado de Mato Grosso do Sul 2015 - Meta PNE 2016

Acesso à Educação Infantil da Pré-Escola Estudo e Análise da Realidade do Estado de Mato Grosso do Sul 2015 - Meta PNE 2016 Acesso à Educação Infantil da Pré-Escola Estudo e Análise da Realidade do Estado de Mato Grosso do Sul 2015 - Meta PNE 2016 Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Campo Grande, MS Editado e

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E REGIONALIZAÇÃO NO CENTRO-OESTE BRASILEIRO PELA E PARA A ATIVIDADE TURÍSTICA.

POLÍTICAS PÚBLICAS E REGIONALIZAÇÃO NO CENTRO-OESTE BRASILEIRO PELA E PARA A ATIVIDADE TURÍSTICA. POLÍTICAS PÚBLICAS E REGIONALIZAÇÃO NO CENTRO-OESTE BRASILEIRO PELA E PARA A ATIVIDADE TURÍSTICA. Edvaldo Cesar Moretti 1 Introdução A atividade turística no Centro-Oeste brasileiro a partir da década

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO FUNÇÃO: 01 - LEGISLATIVA 31 Ação Legislativa 0001- Execução da Ação Legislativa 2001 - Manutenção das Atividades Legislativas da Câmara Municipal FUNÇÃO: 02 - JUDICIÁRIA 122 Administração Geral 0006- Defesa

Leia mais

1.2 - Implantação do programa de habitação rural (construção de casas de qualidade nas propriedades rurais).

1.2 - Implantação do programa de habitação rural (construção de casas de qualidade nas propriedades rurais). PLANO DE GOVERNO - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARTICIPATIVA PARA 2013/2016 COLIGAÇÃO O PRESENTE NOS PERMITE SEGUIR EM FRENTE - CANDIDATO A PREFEITO PEDRINHO DA MATA 11 Ações a serem realizadas por Secretarias:

Leia mais

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

Acompanhamento de ATER da Associação de Apicultores da Região do Pantanal Sulmatogrossense

Acompanhamento de ATER da Associação de Apicultores da Região do Pantanal Sulmatogrossense Acompanhamento de ATER da Associação de Apicultores da Região do Pantanal Sulmatogrossense Outubro, 2015 DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: AGRAER-MS Endereço: Av. Desembargador José Nunes da Cunha Bloco 12, Parque

Leia mais

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZ DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL TÍTULO PRODUTO TIPO DE META 2013 2001 Administração Legislativa Serviços Realizados ORÇAMENTÁRIA 95% 0001 GESTÃO

Leia mais

X PRÊMIO SUL-MATO-GROSSENSE DE GESTÃO PÚBLICA CATEGORIA PRÁTICAS E IDEIAS INOVADORAS NA GESTÃO ESTADUAL

X PRÊMIO SUL-MATO-GROSSENSE DE GESTÃO PÚBLICA CATEGORIA PRÁTICAS E IDEIAS INOVADORAS NA GESTÃO ESTADUAL X PRÊMIO SUL-MATO-GROSSENSE DE GESTÃO PÚBLICA CATEGORIA PRÁTICAS E IDEIAS INOVADORAS NA GESTÃO ESTADUAL 1. Nome da prática ou ideia inovadora: Programa Canal de Ideias, sistema de sugestões. 2. Caracterização

Leia mais

ENCONTRO ESTADUAL DE PREFEITOS: PERSPECTIVAS DO PAC PARA SERGIPE

ENCONTRO ESTADUAL DE PREFEITOS: PERSPECTIVAS DO PAC PARA SERGIPE ENCONTRO ESTADUAL DE PREFEITOS: PERSPECTIVAS DO PAC PARA SERGIPE INVESTIMENTO, CRESCENDO MAIS QUE O CONSUMO, FOI O GRANDE MOTOR DO CRESCIMENTO 200 190 PIB Consumo das Famílias e Investimento (FBKF) Índice

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente Natal, 2011 1. Quem somos 2. Histórico da Gestão Estratégica 3. Resultados práticos 4. Revisão

Leia mais

Ministério das Cidades MCidades

Ministério das Cidades MCidades Ministério das Cidades MCidades Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS São Paulo, 02 de junho de 2014 Roteiro 1. O processo de urbanização no Brasil: histórico. 2. Avanços institucionais na promoção

Leia mais

Programa Mínimo de Governo de João Pavinato

Programa Mínimo de Governo de João Pavinato Programa Mínimo de Governo de João Pavinato João Pavinato e Cidinha Pascueto, candidatos a prefeito e vice-prefeita, respectivamente, da coligação A Vitória do Povo, formada pela união dos partidos PSDB,

Leia mais

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS Agência de Fomento e Desenvolvimento do Estado do Piauí S.A PIAUÍ FOMENTO Águas e Esgotos do Piauí S/A AGESPISA Companhia Administradora da Zona de Processamento

Leia mais

TERRA ROXA. OBRAS E AÇÕES Gestão 2007-2010 2010 R$ 6.020.000,00

TERRA ROXA. OBRAS E AÇÕES Gestão 2007-2010 2010 R$ 6.020.000,00 TERRA ROXA OBRAS E AÇÕES Gestão 2007-2010 2010 R$ 6.020.000,00 AGRICULTURA: Distribuição de leite: distribuídos 37.474 litros de leite, no período de Jan/2007 a Jul/2009 Custo: R$ 47 mil, beneficiando

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro. Gustavo Guerrante. 30 de novembro de 2015

Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro. Gustavo Guerrante. 30 de novembro de 2015 Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro Gustavo Guerrante 30 de novembro de 2015 Prefeitura do Rio de Janeiro Secretaria Especial de Concessões e Parcerias Público-Privadas Em 2009, institucionalizou-se

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

24ª Região - Mato Grosso do Sul

24ª Região - Mato Grosso do Sul 24ª Região - Mato Grosso do Sul FORO TRABALHISTA SENADOR RAMEZ TEBET (CAMPO GRANDE) Diretor (a) do Foro: RENATO LUIZ MIYASATO DE FARIA Endereço: Rua João Pedro de Souza, 1025 3º Andar CEP: 79.004-914 Diretoria

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

EMPRESA DE SANEAMENTO DE MATO GROSSO DO SUL S.A.-SANESUL

EMPRESA DE SANEAMENTO DE MATO GROSSO DO SUL S.A.-SANESUL RELATÓRIO ANUAL DA ADMINISTRAÇÃO Submetemos, para apreciação e aprovação dos acionistas e da sociedade, o Relatório Anual da Administração e as Demonstrações Contábeis de 2005 da Empresa de Saneamento

Leia mais

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini A Gestão de Recursos Hídricos H e a Regulação da Medição de Água Situação

Leia mais

IDEB - ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E GASTOS EM EDUCAÇÃO

IDEB - ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E GASTOS EM EDUCAÇÃO - ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E GASTOS EM EDUCAÇÃO CONTRIBUIÇÕES PARA ANÁLISE DAS CONTAS MUNICIPAIS DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL 2005/2013 SÉRIETRANSPARÊNCIA 2 Índice de Desenvolvimento

Leia mais

ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014

ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 CULTURA: Pólo do Projeto Guri: O Projeto Guri tem como objetivo resgatar a auto-estima dos adolescentes, utilizando a música como agente transformador. Pólo Rua

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO 2014 GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE O modelo de Gestão da Sustentabilidade do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE é focado no desenvolvimento de

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL Considerações Gerais Para comemorar os cinco anos do Programa de Regionalização

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS 1. Objeto: 1.1.1. Contratação de empresa para prestação, sob demanda, de serviços de planejamento, organização, coordenação, execução, fiscalização e avaliação de eventos com a viabilização de infra-estrutura

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Valério da Silva Ramos (*) Administrador de Empresas, pós-graduado em Gestão Econômica e Financeira

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

Programa de Governo. Chiara Prefeita. Bauru 2013-2016. Vice Gilson. Coligação BAURU MERECE MUITO MAIS DEM-PSDB

Programa de Governo. Chiara Prefeita. Bauru 2013-2016. Vice Gilson. Coligação BAURU MERECE MUITO MAIS DEM-PSDB Programa de Governo Bauru 2013-2016 Chiara Prefeita Vice Gilson Coligação BAURU MERECE MUITO MAIS DEM-PSDB APRESENTAÇÃO As eleições de 2012 vão definir o dia a dia de cada um dos eleitores bauruenses pelos

Leia mais

ESPORTE, LAZER E JUVENTUDE:

ESPORTE, LAZER E JUVENTUDE: MONÇÕES OBRAS E AÇÕES - GESTÕES 2011-2014 DEFESA CIVIL: Obra programada: Construção de travessia em aduelas de concreto no córrego do Cachorro, estrada MON-164 Custo: R$ 214 mil. DESENVOLVIMENTO SOCIAL:

Leia mais

PODER EXECUTIVO - PROGRAMAS ESTRUTURADORES PLANO PLURIANUAL - 2010/2013 - Lei 6.716, de 22 de dezembro de 2010.

PODER EXECUTIVO - PROGRAMAS ESTRUTURADORES PLANO PLURIANUAL - 2010/2013 - Lei 6.716, de 22 de dezembro de 2010. 2001 Administração Legislativa Serviços Realizados Percentual 95% 0001 GESTÃO LEGISLATIVA E CIDADANIA 2002 Processamento Legislativo Ações Realizadas Percentual 95% 2003 Modernização Administrativa Gestão

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público

NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público Instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente e de longo

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

IBATÉ OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 5.816.5 6.500,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite:

IBATÉ OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 5.816.5 6.500,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: IBATÉ OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 5.816.5 6.500,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: distribuídos 31.760 litros de leite, de Jan/2007 a Mar/2009 Custo: R$ 39 mil, beneficiando 80 famílias carentes,

Leia mais

10TT - Monitoramento da Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera de Santa Catarina. Unidade de Medida: % de execução física Especificação do Produto

10TT - Monitoramento da Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera de Santa Catarina. Unidade de Medida: % de execução física Especificação do Produto Programa 2067 - Resíduos Sólidos 10TT - Monitoramento da Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera de Santa Catarina Tipo: Projeto Número de Ações 10 Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função: 18 - Gestão

Leia mais

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL 6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL O processo de implantação do Plano de Articulação Institucional (PAI) foi objeto de releitura, a partir da emissão do Ofício 02001.009795/2013-60 GABIN/PRESI/IBAMA,

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI Nº 2.073, DE 30 DE JULHO DE 2014. **Altera a Lei Ordinária nº 2.021, de 8 de Janeiro de 2014. Altera a Lei 2.021, de 08 de janeiro de 2014, que dispõe sobre o Plano Plurianual PPA 2014-2017, na forma

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

PLANO DE AÇÕES NA REGIÃO DO PANTANAL

PLANO DE AÇÕES NA REGIÃO DO PANTANAL Luis Carlos Morente 1 PLANO DE AÇÕES NA REGIÃO DO PANTANAL 1 Gerente de Políticas e Programas de Desenvolvimento do Turismo da Fundação de Turismo, MS - FUNDTUR. Rua desembargador Leão Neto do Carmo, s/nº,

Leia mais

SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO

SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO COORDENADORIA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA INTEGRAL (CATI) PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL MICROBACIAS II ACESSO AO MERCADO SELEÇÃO DE CONSULTORES PELOS

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Matriz de Transporte Brasil Estado de São Paulo Modal Participação Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

CEDRAL OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014

CEDRAL OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 CEDRAL OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 DESENVOLVIMENTO SOCIAL: Distribuição de Leite: distribuídos 22.532 litros de leite, no período de Jan/2011 a Set/2011 Custo: R$ 30 mil, beneficiando 272 famílias

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO FUNÇÃO: 01 - LEGISLATIVA 031 Ação Legislativa 0001 - Execução da Ação Legislativa Manutenção das Atividades Legislativas FUNÇÃO: 02 - JUDICIÁRIA 122 Administração Geral 0006 - Defesa Jurídica do Município

Leia mais

PROGRAMA COMPROMISSO META INICIATIVA

PROGRAMA COMPROMISSO META INICIATIVA Secretaria de 1 Produtivo 1. Ampliar a oferta de infraestrutura adequada para promover a segurança no consumo de gêneros alimentícios em mercados municipais 1. Oferecer espaços adequados para comercialização

Leia mais

QUEM SOMOS NOSSO NEGÓCIO

QUEM SOMOS NOSSO NEGÓCIO QUEM SOMOS Somos uma empresa brasileira dedicada a construir e prover soluções que empregam tecnologias inovadoras, combinadas com a identificação por rádio frequência (RFID), análise de imagens (imagens

Leia mais

Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade

Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade SANEPAR Curitiba (PR) Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade Categoria Controle da Poluição 1. Sobre a organização participante: Razão social: - 76484013000145 Nome fantasia: - SANEPAR Setor

Leia mais

ANEXO VI 3583 REAPARELHAMENTO, ATUALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO TECNOLÓGICO DOS POSTOS ADUANEIROS 2247 SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR- SISCOMEX

ANEXO VI 3583 REAPARELHAMENTO, ATUALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO TECNOLÓGICO DOS POSTOS ADUANEIROS 2247 SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR- SISCOMEX PROGRAMA: 0910 ADEQUAÇÃO DE RODOVIAS FEDERAIS 5850 ADEQUAÇÃO DE RODOVIAS FEDERAIS 5851 ADEQUAÇÃO DE TRECHOS RODOVIÁRIOS NA REGIÃO SUDESTE 5868 ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE CAPACIDADE DE RODOVIAS PROGRAMA:

Leia mais

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente p Relatório Consulta Bico do Papagaio Oficinas 279 pessoas se credenciaram para participar das oficinas na cidade de Tocantinópolis. Foi solicitado à elas que elencassem as demandas e problemas regionais.

Leia mais

BÁLSAMO OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014

BÁLSAMO OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 BÁLSAMO OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 AGRICULTURA E ABASTECIMENTO: Programa Melhor Caminho: recuperação de 4,00 km da estrada BSM-420, BSM-010 e BSM-020 - BH Turvo Grande (3ª fase) - Custo: R$ 300 mil.

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

V - Modelo de Gestão, Planejamento e Acompanhamento

V - Modelo de Gestão, Planejamento e Acompanhamento 24 V - Modelo de Gestão, Planejamento e Acompanhamento Orçamento Participativo e demais fóruns de planejamento e gestão O Planejamento e a Gestão do município do Recife estão hoje apoiados por um sistema

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere.

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. Março de 2015 DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA HISTÓRICO

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul O emprego formal na Indústria sul-mato-grossense encerrou mais um mês com redução liquida de postos de trabalho. Em maio, o conjunto das

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010 PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS Propósito da Coopaer Identificar problemas oriundos da Cadeia produtiva leite;

Leia mais

Propostas da LDO 2013

Propostas da LDO 2013 Propostas da LDO 2013 Secretaria Municipal de Educação Complementação da Merenda Escolar; Reforma de Escolas; Construção de Escolas; Reparos em Escolas; Construção de Espaços para prática de Educação Física;

Leia mais

Reestruturação hospitalar é a prioridade

Reestruturação hospitalar é a prioridade Campo Grande, MS Quarta-Feira, 25 de maio de 2016 INFORME PUBLICITÁRIO www.midiamax.com.br Ano 4 - Edição 950 Distribuição Gratuita Victor Chileno AÇÃO DE GOVERNO Fila zerada e meta superada em Mato Grosso

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEAS

SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEAS SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEAS VISÃO Ser referência na região norte na efetivação de políticas sociais que promovam o desenvolvimento regional com inclusão social. MISSÃO Contribuir

Leia mais

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico.

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico. Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico. EIXO1: Monitoramento de possibilidades de captação de convênios para melhoria nos serviços e infraestruturas de saneamento básico. PRODUTO

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS.

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA 2016 A Política de Responsabilidade Social da AngloGold Ashanti define como um de seus princípios que a presença de nossa

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PROGRAMA DE METAS Gestão 2013/2016 APRESENTAÇÃO... 2 I - VISÃO DO MUNICÍPIO... 3 II COMPROMISSO... 3 III PRINCÍPIOS DE GESTÃO... 3 IV DIRETRIZES ESTRATÉGIAS... 4 PROGRAMA DE METAS DESENVOLVIMENTO URBANO...

Leia mais

Pira 21 Piracicaba Realizando o Futuro

Pira 21 Piracicaba Realizando o Futuro Pira 21 Piracicaba Realizando o Futuro AGENDA 21 DE PIRACICABA E SUA RELAÇÃO COM O PLANO DIRETOR Revisão dos Planos Diretores - 09/10/2013 Pauta: Apresentação da Oscip Pira 21 O que é a OSCIP Pira 21?

Leia mais

SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005

SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005 NOVO MODELO DE GESTÃO 1 ANO DE GOVERNO SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005 DIAGNÓSTICO POSIÇÃO EM 31/12/2004 Dívidas de curto prazo 175,8 MILHÕES Disponibilidades

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO PARA 2012

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO PARA 2012 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO PARA 2012 O planejamento não diz respeito a decisões futuras, mas às implicações futuras de decisões presentes (Peter Drucker) 2 I. SUMARIO II. APRESENTAÇÃO III. BASE ESTRATÉGICA

Leia mais

Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS. Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013

Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS. Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013 Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013 RELATÓRIO DE DESCRIÇÃO DE PRÁTICA DE GESTÃO: FROTA AZUL Setembro/2013 1 Estrutura Organizacional da OC 2 A Organização

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO

CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO Marco regulatório Financiamento para o setor público marco regulatório O crédito para o setor público é regulado pela Resolução BACEN nº 2.827. Há duas formas de operar

Leia mais

03 eixos de atuação: ENSINO PESQUISA - EXTENSÃO

03 eixos de atuação: ENSINO PESQUISA - EXTENSÃO A Universidade de Cruz Alta, possui uma área construída de 35.785,92m² em seu Campus Universitário, abrigando, nesse espaço, 26 cursos de graduação, cursos de especialização e mestrado, 119 laboratórios,

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS OFERTADOS ANEXO III MODELO DE PROPOSTA DETALHADA PREGÃO 41/2013. Item 01: Link dedicado Secretarias do TRE/MS

DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS OFERTADOS ANEXO III MODELO DE PROPOSTA DETALHADA PREGÃO 41/2013. Item 01: Link dedicado Secretarias do TRE/MS IDENTIFICAÇÃO DA PROPONENTE Nome Fantasia: EMBRATEL Razão Social: Empresa Brasileira de Telecomunicação - EMBRATEL CNPJ: 33.530.486/0001-29 Endereço: Avenida Presidente Vargas, 1012 ANEXO III MODELO DE

Leia mais

Foco: sustentabilidade com ações na área de educação.

Foco: sustentabilidade com ações na área de educação. GOVERNANÇA A Fundação Bunge é uma organização comprometida com o desenvolvimento sustentável. Foco: sustentabilidade com ações na área de educação. Missão: contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Terça-feira, 27.07.10

Terça-feira, 27.07.10 Terça-feira, 27.07.10 Pensamento do dia: A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado, se foi triste. John Ruskin A dúvida é: Incluso ou inclusas seguem as notas

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Prevenção e Mediação de Conflitos Fundiários Urbanos

Prevenção e Mediação de Conflitos Fundiários Urbanos Prevenção e Mediação de Conflitos Fundiários Urbanos O que é a SEDUR A Secretaria de Desenvolvimento Urbano - SEDUR, foi criada pela Lei nº 8.538, de 20 de dezembro de 2002, e tem por finalidade formular

Leia mais

Programas e Ações VALOR DO PROGRAMA NO ANO 2016 2017 2018 2019 ORÇAMENTO FISCAL 131.747.455 6.000 6.000 6.000

Programas e Ações VALOR DO PROGRAMA NO ANO 2016 2017 2018 2019 ORÇAMENTO FISCAL 131.747.455 6.000 6.000 6.000 PROGRAMA : 016 - DESENVOLVIMENTO DA INFRAESTRUTURA GOVERNAMENTAL PROGRAMA : UNISSETORIAL EIXO : INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA UNIDADE RESPONSÁVEL : OBJETIVO DO PROGRAMA : 2141 - DEPARTAMENTO DE OBRAS PÚBLICAS

Leia mais

Sugestões do CREA-BA e Entidades Profissionais para os candidatos ao Governo do Estado, gestão 2015-2018.

Sugestões do CREA-BA e Entidades Profissionais para os candidatos ao Governo do Estado, gestão 2015-2018. Sugestões do CREA-BA e Entidades Profissionais para os candidatos ao Governo do Estado, gestão 2015-2018. 1. Considerações iniciais. O Sistema CONFEA/CREA. O Sistema CONFEA/CREA é constituído por um Conselho

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze)

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) *C0051416A* C0051416A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) Institui isenção da contribuição para o PIS/PASEP, COFINS e CIDE- Combustíveis incidente sobre o óleo

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC 2 SELEÇÃO 2013 ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

Leia mais