EMBRIOLOGIA. Profa. Dra. Milena Flória-Santos ERM 0104 e O111 BCHE - DMISP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMBRIOLOGIA. Profa. Dra. Milena Flória-Santos ERM 0104 e O111 BCHE - DMISP"

Transcrição

1 EMBRIOLOGIA Profa. Dra. Milena Flória-Santos ERM 0104 e O111 BCHE - DMISP 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE Fascination 1998 Sandra Bierman, Do not duplicate 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 2 1

2 ü Ocorre na ampola da tuba uterina Fecundação Útero Óvulo Espermatozóides Vagina Ovulação ü 100 milhões de espermatozóides/ejaculado ü ph ü Muco cervical 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 3 Quais as qualidades e os papéis que diferenciam o ovócito do espermatozoide? 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 4 2

3 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 5 Esse é o momento em que cada pessoa é uma totalidade! Momento de Inteireza, de integração plena, dura aproximadamente 24 hs! Slow tempo and a dynamic stillness = Movimento Rítmico Lento e uma Quietude Dinâmica (Shea, M., 2010) 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 6 3

4 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 7 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 8 4

5 Stages of human pre-implantation embryo development. Kathy K. Niakan et al. Development 2012;139: /06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 9 Imaging human embryo development and predicting developmental potential. Kathy K. Niakan et al. Development 2012;139: /06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 10 5

6 Genetic networks of human pre-implantation development. Kathy K. Niakan et al. Development 2012;139: /06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 11 1a. Semana do Desenvolvimento Embrionário 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 12 6

7 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 13 1ª. Mitose - clivagem Mórula - Não há crescimento, somente aumento do número de células. O organismo não tem movimento por si pp. Toda atividade agora é bioquímica. 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 14 7

8 27/06/17 Formação da mórula ocorre na tuba uterina Estágio de 2-32 células Estágio 1 1º. dia Formação do blastocisto no útero da fertilização ao zigoto Estágio 2 2-3ºdia estágios iniciais da clivagem até mórula Estágio 3 4-5º. dia Blastocisto livre Estágio 4 5-6º. dia Blastocisto aderido parte posterior do útero 27/06/17 Resumo do ciclo ovariano, fertilização Flória-Santos, M. - humano BCHE 15 e desenvolvimento durante a 1a semana. Esquema ilustrando a clivagem (série de divisões mitóticas) do zigoto e formação do blastocisto ü O embrião não cresce, mas várias células menores são formadas: 12 ou mais blastômeros ü Mórula Inicia-se no estágio de células Embrioblasto massa celular interna dará origem ao embrião 5 dias 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 16 Gr. Trophe = nutrição Trofoblasto formará parte embrionária da placenta 8

9 Disponível em: o-uma-nova-esperanca.html. Ac ess o em jan /06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 17 Aderência do blastocisto ao epitélio endometrial durante os primeiros estágios da implantação Trofoblasto prolifera e se diferencia 6 dias após a fertilização 20º dia do ciclo menstrual de 28 dias Blastocisto adere ao epitélio endometrial pelo polo embrionário 7 dias Em 2 camadas ü Sinciotrofoblasto ü Citotrofoblasto 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 18 9

10 2a. Semana do Desenvolvimento Embrionário 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 19 Sinciotrofoblasto é a camada de células que invade o tecido conjuntivo endometrial, o blastocisto consegue se afundar no endométrio. Ele também dá origem aos anexos embrionários, e fica secretando muitas enzimas de lise, para facilitar a implantação. Citotrofoblasto parede do blastocisto A implantação do blastocisto completa-se durante a segunda semana do desenvolvimento, por volta do 12º dia. Enquanto flutua no útero, o embrião recebe nutrição da secreção das glândulas uterinas. 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 20 10

11 A implantação do blastocisto completa-se durante a segunda semana do desenvolvimento. À medida que este processo prossegue, ocorrem no embrioblasto mudanças morfológicas que produzem um disco embrionário bilaminar composto de epiblasto e hipoblasto. 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 21 Implantação do blastocisto no endométrio e formação dos 4 envoltórios (embrião + membranas extra-embrionárias = 0,1mm). 8 dias Estruturas exocelômicas vão formar o saco vitelínico primitivo Disco embrionário bilaminar dará origem ao corpo do embrião 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 22 11

12 8 dias Implantação do blastocisto no endométrio Tamanho do concepto (embrião + membranas extra-embrionárias) 0,1mm. 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 23 Circulação útero placentária primitiva 9 dias 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 24 12

13 Blastocistos implantados 10 dias 12 dias Circulação útero placentária primitiva 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE dias Desenho de corte através de embrião humano implantado 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 26 13

14 14 dias Desenho de corte através de embrião humano implantado 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 27 Principais eventos Término da implantação do blastocisto Formação do disco embrionário bilaminar - epiblasto e hipoblasto Formação de estruturas extra-embrionárias: a cavidade amniótica, o âmnio, o saco vitelino, o pedúnculo de conexão e o saco coriônico. 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 28 14

15 Quatro envoltórios embrionários 1. Saco vitelino - denso, turvo, quimicamente ativo, delimitado pelo endoderma do disco germinativo. Função = nutrição e metabolismo 2. Âmnion - transparente, rico em silícia, inativo quimicamente, portador de atividade de forma, delimitado pela outra camada do disco germinativo ectoderma. Função = transporte e forma 3. Alantoide forma-se a partir do saco vitelino Função = excreção, depuração, desintoxicação 4. Cório relações de intercâmbio entre organismo materno e fetal Função = placenta (proteção e calor ) 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 29 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 30 15

16 Quatro orgãos envoltórios Formam um organismo completo com as quatro funções sistêmcias: 1. Saco vitelino nutrição, mtabolismo 2. Âmnion transparência e forma 3. Alantoide excreção, depuração, desintoxicação 4. Córion/placenta intercâmbio com o ambiente, circulação Falta o sistema locomotor, presente no embrião como disposição e vai se desenvolver e maturar após o parto em confronto com as forças da gravidade. 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 31 Parto empelicado 1: /06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 32 16

17 3a. Semana do Desenvolvimento Embrionário 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 33 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 34 17

18 Até o 17º dia o disco germinativo está em repouso e a atividade de formação se encontra nos envoltórios. 1º gesto indicativo de transformação (17º dia), Forma-se um pequeno orifício no local que será a região cefálica. Surge a linha primitiva. Camada superior do epiblasto = ectododerma Camada inferior do hipoblasto = endoderma 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 35 Membrana bucofaríngea + sulco neural = direções espaciais Tridimensionalidade do embrião Simetria lateral (direita-esquerda) Céfalo-caudal Dorsal-ventral 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 36 18

19 Nos vertebrados, a notocorda se origina do organizador dorsal, que aparece durante a gastrulação e tem um papel essencial na determinação do eixo embrionário. 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 37 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 38 19

20 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 39 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 40 20

21 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 41 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 42 21

22 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 43 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 44 22

23 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 45 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 46 23

24 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 47 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 48 24

25 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 49 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 50 25

26 O coração tubular une-se a vasos sanguíneos do embrião, do pedículo, do córion e do saco vitelino, para formar o sistema 27/06/17 cardiovascular primitivo. No Flória-Santos, fim da 3M. a semana - BCHE o sangue circula e o 51 coração começa a bater no 21 o ou 22 o dia. 16 dias 21 dias 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 52 26

27 Âmnio Fluido amniótico Trato digestório Coração Corion Pele Medula espinhal Prega caudal Vilosidades coriônicas Pedículo de ligação Cérebro Saco vitel. Endoderma Ectoderma 27/06/17 Flória-Santos, Mesoderma M. - BCHE 53 Terceira semana do desenvolvimento embrionário 1. Gastrulação: formação das camadas germinativas (ectoderma, mesoderma, endoderma) 2. Neurulação: formação do tubo neural 3. Formação da notocorda 4. Desenvolvimento dos somitos 5. Desenvolvimento do celoma intra-embrionário 6. Desenvolvimento do sistema cardiovascular primitivo 7. Desenvolvimento das vilosidades coriônicas terciárias 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 54 27

28 Organogênese, período fetal e nascimento A Embriologia a partir de uma Perspectiva Antroposófica Parte 6 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 55 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 56 28

29 Não confundir: A origem embrionária das estruturas anatômicas do nosso corpo, com o local onde elas se desenvolvem no corpo do embrião. Sistema neuro-sensorial Pele Memória ótica (músculos) rim Intestino pulmão Sistema digestivo-metabólico Duas tendências formativas: Ectodérmica: exterior, linear, alongada Endodérmica: interiorizante, esférica, arredondada Mesoderma: intermediar, disposição rítmica, ondulante, entre o linear e o 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 57 esférico Âmnio Fluido amniótico Trato digestório Coração Corion Pele Medula espinhal Prega caudal Vilosidades coriônicas Pedículo de ligação Cérebro Saco vitel. Endoderma Forma o tubo digestivo, órgãos pertinentes, líquido Forma o tubo neural e a pele vitelínico Formação do tecido conjuntivo, Ectoderma músculos, cartilagens 27/06/17 Flória-Santos, Mesoderma M. - BCHE PREENCHE o Sist. Nervoso, 58 órgãos dos sentidos e pele 29

30 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 59 Organogênese Período de organogênese 4ª - 8ª do desenvolvimento embrionário. Final da 8ª semana funcionamento mínimo da maioria dos principais sistemas de órgãos, com exceção do sistema cardiovascular. No término desse período, o embrião terá aspecto humano. Disponível em: https://www.famema.br/ensino/embriologia/organogenes e.php. Acesso Jan /06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 60 30

31 Organogênese 1. Dobramentos do embrião a) Dobramentos do embrião no plano mediano: prega cefálica, prega caudal Prosencéfalo, tubos cardíacos, intestino delgado b) Dobramento lateral no plano horizontal: pregas laterais Fusão dos tubos cardíacos 2. Derivados dos folhetos germinativos 3. Estágios de Carnegie Disponível em: https://www.famema.br/ensino/embriologia/organogenes e.php. Acesso Jan /06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 61 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 62 31

32 a) Dobramentos do embrião no plano mediano: prega cefálica, prega caudal Prosencéfalo, tubos cardíacos, intestino delgado 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 63 4ª semana dias 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 64 32

33 Coração 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 65 Intestino Pulmão 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 66 33

34 Sistema Urogenital e reprodutor (alantoide, saco vitelínico e endoderma) 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 67 Rins Exceção!!- SNC Cordão nefrogênico pérolas cefálicas involuem e as lombares se enrolam. 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 68 34

35 6ª semana As placas das mãos se desenvolvem nos membros superiores. Os raios digitais (primórdio dos dedos) começam a se desenvolver. Os membros inferiores se desenvolvem um pouco mais tarde que os membros superiores. Os embriões nessa semana já apresentam movimentos espontâneos como contrações bruscas do tronco e dos membros. Saliências auriculares se formam em torno do sulco branquial faríngeo, entre os dois primeiros arcos. Esse sulcoformará o meato auditivo externo e as saliências se fundem para formar a aurícula. Olho é bem evidente e o pigmento retiniano já se formou. A cabeça é muito maior que o tronco e se dobra sobre a grande saliência cardíaca. O embrião nessa fase apresenta resposta 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 69 reflexa ao toque. 7ª semana Rápido crescimento do encéfalo e proeminências faciais, fazendo com que o crescimento da cabeça exceda o crescimento de outras regiões e a face fica em contato com a eminência cardíaca. 52 dias - 2cm. Pálpebra do olho. Diferenciação sexual ainda não é reconhecível. 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 70 35

36 8ª semana Os dedos das mãos estão separados, mas unidos por membranas. São vistas depressões entre os raios digitais dos pés. A cauda ainda está presente mas é curta e rombuda. O plexo vascular do couro cabeludo apareceu e forma uma faixa característica em torno da cabeça. Ao final da oitava semana todas as regiões dos membros estão aparentes, os dedos se alongaram e estão completamente separados. Ocorrem os primeiros movimentos propositados dos membros. (Figura 7) Ossificação começa nos membros inferiores. Todos os sinais da caudadesapareceram. Ao final da oitava semana o embrião tem feições nitidamente humanas; entretanto a cabeça é proporcionalmente grande 27/06/17 Flória-Santos, (metade do M. -corpodo BCHE embrião). 71 As pálpebras estão se fechando por fusão epitelial. Apoptose ou morte celular programada 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 72 36

37 27/06/17 2 meses grão de feijão Início da fisiologia 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 73 Flória-Santos, M. - BCHE 74 3 meses 7-8 cm Impressões digitais Fechamento dos olhos Adormecimento 27/06/17 37

38 27/06/17 4 meses 13 cm Ossificação Imunidade Fechar-se, isolar-se do ambiente 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 75 Flória-Santos, M. - BCHE 76 5 meses 27 cm Cílios e sobrancelhas Preenchimento do interior do organismo Região TORÁCICA desenvolvida 27/06/17 38

39 6 meses 35 cm Importantes maturações Depósito de gordura iniciado Já é capaz de sobreviver sem grandes dificuldades 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 77 7 meses 40 cm Reabre os olhos Exercita equilíbrio e posicionamento 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 78 39

40 8 meses Tecido adiposo Pulmões desenvolvidos 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 79 9 meses 51 cm 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 80 40

41 SNC não se desenvolve da mesma maneira e nem no mesmo tempo 80 obervações, 20 fetos, 4 intervalos semanas Atraso na fala 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 81 https://embryology.med.unsw.edu.au/embr yology/index.php/embryonic_development https://syllabus.med.unc.edu/coursewa re/embryo_images/unitwelcome/welcome_htms/akgs.htm 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 82 41

42 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 83 Mother & Child 2009 Sandra Bierman, Do not duplicate 42

Porque EMBRIOLOGIA? 02-Sep Malformações craniofaciais tem origem embriológica. 2. Vão achar que você saberá responder:

Porque EMBRIOLOGIA? 02-Sep Malformações craniofaciais tem origem embriológica. 2. Vão achar que você saberá responder: 1. A interação do EPITÉLIO com o MESÊNQUIMA é necessária para odontogênese Porque EMBRIOLOGIA? 2. Malformações craniofaciais tem origem embriológica 2. Vão achar que você saberá responder: O que é placenta?

Leia mais

01/06/2014. Deve ser: - Escrita a mão. - Incluir bibliografia (preferencialmente LIVRO).

01/06/2014. Deve ser: - Escrita a mão. - Incluir bibliografia (preferencialmente LIVRO). Trabalho a ser entregue no dia da prova (escrita a mão): Este trabalho terá valor de 3,0 na prova prática. Deve ser: - Escrita a mão. - Incluir bibliografia (preferencialmente LIVRO). Escolha uma malformação

Leia mais

FIM DA NIDAÇÃO (IMPLANTAÇÃO) E FORMAÇÃO DOS ANEXOS EMBRIONÁRIOS 2ª SEMANA. Valeska Silva Lucena

FIM DA NIDAÇÃO (IMPLANTAÇÃO) E FORMAÇÃO DOS ANEXOS EMBRIONÁRIOS 2ª SEMANA. Valeska Silva Lucena FIM DA NIDAÇÃO (IMPLANTAÇÃO) E FORMAÇÃO DOS ANEXOS EMBRIONÁRIOS 2ª SEMANA Valeska Silva Lucena valeskasl@hotmail.com EMBRIOGÊNESE Zigoto Mórula Blástula Gástrula Nêurula NIDAÇÃO A implantação do blastocisto

Leia mais

Reprodução e Embriologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA

Reprodução e Embriologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Reprodução e Embriologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Ciclo Menstrual Menstruação - fluxo de sangue e restos de mucosa uterina periodicamente eliminados pela vagina. Ciclo Menstrual Menstruação

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS EMBRIOLOGIA

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS EMBRIOLOGIA UFRGS EMBRIOLOGIA 1. (Ufrgs 2012) Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas do enunciado abaixo, na ordem em que aparecem. Em mamíferos, o... e as células trofoblásticas interagem com

Leia mais

Embriologia Geral BMH-120. Clivagem e Implantação

Embriologia Geral BMH-120. Clivagem e Implantação Embriologia Geral BMH-120 Clivagem e Implantação Rodrigo A. P. Martins ICB -UFRJ A fertilização é só o começo Fertilização Clivagem Gastrulação Organogênese Determinação/Formação de eixos AP antero-posterior

Leia mais

Disco embrionário bilaminar

Disco embrionário bilaminar Origem do embrião 1 Disco embrionário bilaminar 2 3 GASTRULAÇÃO - 3 a semana Aparecimento da linha primitiva Desenvolvimento da notocorda Diferenciação das três camadas germinativas (disco bilaminar trilaminar)

Leia mais

REPRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO. Professor Heverton Alencar

REPRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO. Professor Heverton Alencar REPRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO Professor Heverton Alencar Sistema reprodutor masculino Testículo - produção de espermatozoides e também a produção de testosterona (hormônio sexual masculino);

Leia mais

Biologia do desenvolvimento: Gastrulação, indução e neurulação

Biologia do desenvolvimento: Gastrulação, indução e neurulação Faculdade Maurício de Nassau Curso: Odontologia Disciplina: Formação e concepção do ser Biologia do desenvolvimento: Gastrulação, indução e neurulação Prof. MSc.: Luiz Eduardo Lacerda Setembro/2016 Desenvolvimento

Leia mais

Embriogênese. Natália A. Paludetto

Embriogênese. Natália A. Paludetto Embriogênese Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Embriogênese Após fusão dos núcleos durante a fecundação, formase uma célula ovo ou zigoto. Zigoto primeira célula de um novo ser vivo (2n).

Leia mais

ACERVO DIGITAL FASE II. Embriologia. I Anfíbios. Lâmina F Mórula da Rã

ACERVO DIGITAL FASE II. Embriologia. I Anfíbios. Lâmina F Mórula da Rã ACERVO DIGITAL FASE II Embriologia I Anfíbios Lâmina F2-01 1.Mórula da Rã de 40x: Observar os macrômeros (células maiores) e os micrômeros (células menores). Nesta fase ainda não há cavidade na figura

Leia mais

Embriologia. Prof. César Lima

Embriologia. Prof. César Lima Embriologia A embriologia é a parte da Biologia que estuda o desenvolvimento dos embriões animais. Há grandes variações, visto que os animais invertebrados e vertebrados apresentam muitos diferentes aspectos

Leia mais

Noções de Embriologia Geral

Noções de Embriologia Geral Noções de Embriologia Geral EMBRIOLOGIA É o estudo do desenvolvimento de um ser pluricelular desde o estágio de uma célula (zigoto) até a diferenciação e especialização das células, tecidos e órgãos que

Leia mais

ACERVO DIGITAL FASE II. Embriologia I GALINHA. Lâmina F3-01. Tempo do desenvolvimento 24h em corte transversal

ACERVO DIGITAL FASE II. Embriologia I GALINHA. Lâmina F3-01. Tempo do desenvolvimento 24h em corte transversal ACERVO DIGITAL FASE II Embriologia I GALINHA Lâmina F3-01 Tempo do desenvolvimento 24h em corte transversal de 100x: É possível observar-se os três folhetos embrionários, ectoderme, mesoderme e endoderme

Leia mais

REPRODUÇÃO. Prof. Edgard Manfrim - Biologia

REPRODUÇÃO. Prof. Edgard Manfrim - Biologia REPRODUÇÃO Prof. Edgard Manfrim - Biologia REPRODUÇÃO ASSEXUADA BROTAMENTO OU GEMIPARIDADE ESPONGIÁRIO E CELENTERADO ESTROBILIZAÇÃO MEDUSAS REGENERAÇÃO PLANÁRIAS Prof. Edgard Manfrim - Biologia Prof. Edgard

Leia mais

Desenvolvimento Embrionário e Anexos Embrionários. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Desenvolvimento Embrionário e Anexos Embrionários. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Desenvolvimento Embrionário e Anexos Embrionários Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto 1 a Semana de Desenvolvimento embrionário Massa Celular Interna Blastocisto Blastocele Trofoblasto 2 a Semana de Desenvolvimento:início

Leia mais

ANEXOS EMBRIONÁRIOS EMBRIOLOGIA

ANEXOS EMBRIONÁRIOS EMBRIOLOGIA ANEXOS EMBRIONÁRIOS EMBRIOLOGIA Embriologia A embriologia é a parte da Biologia que estuda o desenvolvimento dos embriões animais. Há grandes variações, visto que os animais invertebrados e vertebrados

Leia mais

Início do Desenvolvimento Humano: 1ª Semana

Início do Desenvolvimento Humano: 1ª Semana Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Início do Desenvolvimento Humano: 1ª Semana Prof. Msc. Macks Wendhell Gonçalves mackswenedhell@gmail.com Fertilização Normalmente o local

Leia mais

02)(UFPEL-2007) O desenvolvimento embrionário dos vertebrados é dividido nas seguintes etapas: segmentação, gastrulação e organogênese.

02)(UFPEL-2007) O desenvolvimento embrionário dos vertebrados é dividido nas seguintes etapas: segmentação, gastrulação e organogênese. COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO REVISÃO DE EMBRIOLOGIA PROFESSOR NANNI (TERCEIRÃO 2012) 01)(UFPR-modificado) Os diferentes modos

Leia mais

EMBRIOLOGIA. Prof. Leonardo F. Stahnke. Embriologia (Ontogênese)

EMBRIOLOGIA. Prof. Leonardo F. Stahnke. Embriologia (Ontogênese) EMBRIOLOGIA Prof. Leonardo F. Stahnke Embriologia (Ontogênese) São os processos de transformação que ocorrem no zigoto após a fecundação e que levam à formação de um indivíduo. 1 Embriologia (Ontogênese)

Leia mais

Prof. MSc MARCOS FABIO DE LIMA

Prof. MSc MARCOS FABIO DE LIMA PRINCÍPIOS BÁSICOS DE INCUBAÇÃO Prof. MSc MARCOS FABIO DE LIMA marcosfabiovet@uol.com.br 01.INTRODUÇÃO: O desenvolvimento do embrião no interior do ovo se dá em duas etapas, a saber: Desenvolvimento antes

Leia mais

Tipos de Ovos ou. óvulos ou. ovócitos ou. gametas femininos. Onde Ficam?

Tipos de Ovos ou. óvulos ou. ovócitos ou. gametas femininos. Onde Ficam? Tipos de Ovos ou óvulos ou ovócitos ou gametas femininos Onde Ficam? Nos ovários ou gônadas (glândulas) das fêmeas. artropodes Total blastômeros Holoblástica ocorre em todo o ovo; Meroblástica ocorre em

Leia mais

Unidade I - Embriologia Geral

Unidade I - Embriologia Geral Unidade I - Embriologia Geral 1.1 - Noções de aparelho reprodutivo e ciclo estral; 1.2 - Fertilização, formação do disco embrionário; 1.3 - Tipos de implantação; 1.4 - Desenvolvimento embrionário; 1.5

Leia mais

Ano Lectivo 2009/2010

Ano Lectivo 2009/2010 Ano Lectivo 2009/2010 Feito por: Carlos Grilo Caracteres sexuais primários e secundários.3 Sistema reprodutor masculino.4 Sistema reprodutor feminino.5 Ciclo ovário.5 Ciclo uterino.7 Fecundação 9 Caracteres

Leia mais

PLACENTA E ANEXOS EMBRIONÁRIOS

PLACENTA E ANEXOS EMBRIONÁRIOS EMBRIONÁRIOS Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Prof. Adjunto da Disciplina de Embriologia Início da implantação embrioblasto trofoblasto 1 -Após a adesão, o trofoblasto se diferencia em: Citotrofoblasto

Leia mais

9/11/2010. Prof. MSc. Weverson Pires. wlp_cell@yahoo.com.br pirescell@gmail.com. 3 meses - O sexo já pode ser identificado externamente;

9/11/2010. Prof. MSc. Weverson Pires. wlp_cell@yahoo.com.br pirescell@gmail.com. 3 meses - O sexo já pode ser identificado externamente; Desenvolvimento Humano Prof. MSc. Weverson Pires wlp_cell@yahoo.com.br pirescell@gmail.com Eventos Importantes do Desenvolvimento do Embrião Humano. 24 horas - Primeira divisão do zigoto, com formação

Leia mais

Utilize-se das informações acima e de seus conhecimentos sobre esse assunto e assinale a melhor resposta a ser fornecida pelo ginecologista:

Utilize-se das informações acima e de seus conhecimentos sobre esse assunto e assinale a melhor resposta a ser fornecida pelo ginecologista: Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Biologia Questão 1 A questão da fertilização é muito discutida hoje na mídia, principalmente em programas que visam a informação para leigos interessados

Leia mais

EMBRIOLOGIA. Prof. André Maia. Conceito. 1. Ovos Isolécitos

EMBRIOLOGIA. Prof. André Maia. Conceito. 1. Ovos Isolécitos EMBRIOLOGIA Prof. André Maia Conceito É a parte da Biologia que estuda os processos através dos quais se forma o embrião, a partir da célula ovo ou zigoto (embriogênese). Períodos de desenvolvimento Clivagem

Leia mais

O CÉREBRO DA CONCEPÇÃO AO ENVELHECIMENTO. Rui Vasconcelos Embriologia do SNC

O CÉREBRO DA CONCEPÇÃO AO ENVELHECIMENTO. Rui Vasconcelos Embriologia do SNC O CÉREBRO DA CONCEPÇÃO AO ENVELHECIMENTO Rui Vasconcelos 2013 Embriologia do SNC Embriologia Estudo da origem e desenvolvimento de um organismo Período pré-natal 38 sem. da concepção ao nascimento (idade

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 46 ANEXOS EMBRIONÁRIOS

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 46 ANEXOS EMBRIONÁRIOS BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 46 ANEXOS EMBRIONÁRIOS Como pode cair no enem? (PUC) O desenvolvimento embrionário nos vertebrados leva à formação, em determinado estágio, de certas estruturas que não

Leia mais

Disciplina Embriologia Humana FAMEMA

Disciplina Embriologia Humana FAMEMA EMBRIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR: Teoria e Plano de Estudo Prático Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA SISTEMA CARDIOVASCULAR CRONOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO ESTABELECIMENTO

Leia mais

EMBRIOLOGIA. M.Sc. Prof.ª Viviane Marques

EMBRIOLOGIA. M.Sc. Prof.ª Viviane Marques EMBRIOLOGIA M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar Chefe da Equipe de Fonoaudiologia do Hospital

Leia mais

Embriologia: É a parte da Biologia que estuda as transformações que se tem no embrião, desde a formação da célula-ovo até o nascimento.

Embriologia: É a parte da Biologia que estuda as transformações que se tem no embrião, desde a formação da célula-ovo até o nascimento. Embriologia Embriologia: É a parte da Biologia que estuda as transformações que se tem no embrião, desde a formação da célula-ovo até o nascimento. Fecundação Mitoses sucessivas; Crescimento celular: Zigoto:

Leia mais

6/18/2015 ANATOMIA DO OLHO ANATOMIA DO OLHO CÓRNEA CRISTALINO RETINA EPITÉLIO PIGMENTAR NERVO ÓPTICO

6/18/2015 ANATOMIA DO OLHO ANATOMIA DO OLHO CÓRNEA CRISTALINO RETINA EPITÉLIO PIGMENTAR NERVO ÓPTICO ANATOMIA DO OLHO CÓRNEA CRISTALINO RETINA EPITÉLIO PIGMENTAR NERVO ÓPTICO CÂMARA ANTERIOR IRIS CORPO CILIAR ANATOMIA DO OLHO CÓRNEA CRISTALINO RETINA EPITÉLIO PIGMENTAR NERVO ÓPTICO CÂMARA ANTERIOR IRIS

Leia mais

01) (UFRRJ/2003) Os óvulos apresentam diferentes quantidades e distribuição do vitelo ou deutoplasma (substância de reserva).

01) (UFRRJ/2003) Os óvulos apresentam diferentes quantidades e distribuição do vitelo ou deutoplasma (substância de reserva). 01) (UFRRJ/2003) Os óvulos apresentam diferentes quantidades e distribuição do vitelo ou deutoplasma (substância de reserva). Considerando-se o vitelo das aves, podemos afirmar que, ao longo do desenvolvimento

Leia mais

Esplancnologia. Sentido restrito Digestivo Respiratório Urinário Genital masculino Genital feminino. Sentido lato Vascular endócrino

Esplancnologia. Sentido restrito Digestivo Respiratório Urinário Genital masculino Genital feminino. Sentido lato Vascular endócrino Esplancnologia Estudo das vísceras: órgãos internos ( splanchnon) Sentido restrito Digestivo Respiratório Urinário Genital masculino Genital feminino + Sentido lato Vascular endócrino Arquitetura funcional

Leia mais

Placenta e Membranas Fetais. Prof. Daniela B. Hara

Placenta e Membranas Fetais. Prof. Daniela B. Hara Placenta e Membranas Fetais Prof. Daniela B. Hara 2009/2 Anexos embrionários no desenvolvimento humano Placenta e o cordão umbilical O córion O âmnio O saco vitelínico O alantóide Membranas fetais A parte

Leia mais

Exercícios de Embriogênese e Anexos

Exercícios de Embriogênese e Anexos Exercícios de Embriogênese e Anexos Material de apoio do Extensivo 1. (VUNESP) Uma senhora deu à luz dois gêmeos de sexos diferentes. O marido, muito curioso, deseja saber informações sobre o desenvolvimento

Leia mais

a) multiplicação de células, através de mitoses sucessivas.

a) multiplicação de células, através de mitoses sucessivas. Embbr ri iiool llooggi iiaa Huumaannaa... 1 Introdução... 1 Gastrulação... 1 Tipos de óvulos (ovos): classificação e ocorrência.... 2 Tipos de clivagem:... 2 Fases do Desenvolvimento... 3 Destino dos Folhetos

Leia mais

Em Biologia, o desenvolvimento envolve diversos aspectos:

Em Biologia, o desenvolvimento envolve diversos aspectos: Embriologia A embriologia é a parte da Biologia que estuda o desenvolvimento dos embriões animais. Há grandes variações, visto que os animais invertebrados e vertebrados apresentam muitos diferentes aspectos

Leia mais

O estudo da gênese embriológica da coluna

O estudo da gênese embriológica da coluna EMBRIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Erasmo Zardo Joel Abramczuk Marcus S. Ziegler 1 O estudo da gênese embriológica da coluna vertebral possibilita a compreensão de muitas doenças e auxilia no diagnóstico

Leia mais

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO GABARITO DISCIPLINA: QUÍ. II/ BIO. II COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 52 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA QUEM NÃO É O MAIOR TEM QUE SER O MELHOR Rua Frei Vidal, 1621 São João do Tauape/Fone/Fax: 3272-1295

Leia mais

2) Observe o esquema. Depois, seguindo a numeração, responda às questões. C) Onde a urina é armazenada antes de ser eliminada do corpo?.

2) Observe o esquema. Depois, seguindo a numeração, responda às questões. C) Onde a urina é armazenada antes de ser eliminada do corpo?. Professor: Altemar Santos. Exercícios sobre os sistemas urinário (excretor), reprodutores masculino e feminino e fecundação para o 8º ano do ensino fundamental. 1) Analise o esquema: Identifica-se pelas

Leia mais

Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre

Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre Módulo 1 EMBRIOLOGIA 1 Atualmente já existem protocolos de pesquisa utilizando células-tronco embrionárias na busca de tratamento para várias doenças humanas,

Leia mais

Tipos de óvulos: os óvulos possuem uma substancia de reserva nutritiva chamada vitelo, de acordo com a quantidade e a distribuição do vitelo, os

Tipos de óvulos: os óvulos possuem uma substancia de reserva nutritiva chamada vitelo, de acordo com a quantidade e a distribuição do vitelo, os Embriologia Embriologia é a parte da Biologia que estuda as transformações que se processa no embrião, desde a formação da célula-ovo até o nascimento. Tipos de óvulos: os óvulos possuem uma substancia

Leia mais

Segmentação ou clivagem; Gastrulação; Organogênese.

Segmentação ou clivagem; Gastrulação; Organogênese. A embriologia é o estudo do crescimento e da diferenciação sofridos por um organismo no curso de seu desenvolvimento, desde o estágio de ovo até o de um ser altamente complexo, de vida independente e semelhante

Leia mais

Período Embrionário 3ª a 8ª semana Terceira Semana

Período Embrionário 3ª a 8ª semana Terceira Semana Período Embrionário 3ª a 8ª semana Terceira Semana É a primeira semana após a não ocorrência da última menstruação normal ou cinco semanas após a data da última menstruação (UM) Vera Andrade Testes de

Leia mais

Profª LETICIA PEDROSO

Profª LETICIA PEDROSO Profª LETICIA PEDROSO É composto por : Dois ovários Sistema reprodutor Duas tubas uterinas Útero Vagina Vulva (órgão genital externo). Tem como função secretar o óvulo (célula sexual) e abrigar e fornecer

Leia mais

Introdução à Biologia. Profª Laís F. O.

Introdução à Biologia. Profª Laís F. O. Introdução à Biologia Profª Laís F. O. SERES VIVOS Organização celular Composição química Reprodução Metabolismo Hereditariedade Adaptação ao meio Variabilidade Excitabilidade... BIOLOGIA CITOLOGIA HISTOLOGIA

Leia mais

O sistema reprodutor feminino. Os ovários e os órgãos acessórios. Aula N50

O sistema reprodutor feminino. Os ovários e os órgãos acessórios. Aula N50 O sistema reprodutor feminino. Os ovários e os órgãos acessórios. Aula N50 Sistema reprodutor feminino Ovários = produz óvulos Tubas uterinas = transportam e protegem os óvulos Útero = prove meio adequado

Leia mais

Fecundação, desenvolvimento embrionário e gestação. Isabel Dias CEI Biologia 12

Fecundação, desenvolvimento embrionário e gestação. Isabel Dias CEI Biologia 12 Fecundação, desenvolvimento embrionário e gestação Formação de um novo ser encontro do oócito II com espermatozóides Fecundação formação de um ovo desenvolvimento contínuo e dinâmico, com a duração em

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 41 EMBRIOLOGIA: FECUNDAÇÃO

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 41 EMBRIOLOGIA: FECUNDAÇÃO BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 41 EMBRIOLOGIA: FECUNDAÇÃO Membrana que impede a penetração de outros espermatozóides Fusão das membranas plasmáticas do óvulo e do espermatozóide Núcleo do espermatozóide no

Leia mais

Desenvolvimento do SISTEMA NERVOSO

Desenvolvimento do SISTEMA NERVOSO Desenvolvimento do SISTEMA NERVOSO INTRODUÇÃO divisões do sistema nervoso DIVISÕES DO SISTEMA NEVOSO Sistema Nervoso Central (SNC): DERIVADO DO TUBO NEURAL consiste em encéfalo e medula espinhal Sistema

Leia mais

Reprodução e Noções de Embriologia. Professora: Emmanuelle Disciplina: Biologia Turma: 2º Médio

Reprodução e Noções de Embriologia. Professora: Emmanuelle Disciplina: Biologia Turma: 2º Médio Reprodução e Noções de Embriologia Professora: Emmanuelle Disciplina: Biologia Turma: 2º Médio São Paulo, 2013 Estrutura da Aula Tipos de Reprodução Processos assexuados de Reprodução Ciclos de vida Gametogênese

Leia mais

Tio Ton Ciências. Cap Gravidez e Parto

Tio Ton Ciências. Cap Gravidez e Parto Tio Ton Ciências Cap. 17 - Gravidez e Parto Reprodução É a capacidade de gerar descendentes, uma propriedade da vida que pode ser realizada de diferentes formas. Reprodução Assexuada Reprodução sexuada

Leia mais

1. (Ufg 2014) Analise a figura a seguir que representa a gástrula, uma estrutura embrionária.

1. (Ufg 2014) Analise a figura a seguir que representa a gástrula, uma estrutura embrionária. 1. (Ufg 2014) Analise a figura a seguir que representa a gástrula, uma estrutura embrionária. Considerando a figura: a) denomine os folhetos embrionários primordiais X, Y e Z, respectivamente, e identifique

Leia mais

Corrida Infernal - Coito

Corrida Infernal - Coito Corrida Infernal - Coito Fecundação origem a nova célula ovo ou zigoto Reprodução ao nascimento Etapa Importante 30-48 - 72 horas Divisão Óvulo segmentação rápida e depois lentas Fenómeno Inesquecível

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR HUMANO. Prof. Me. Cristino Rêgo 8º ANO Ensino Fundamental II

SISTEMA REPRODUTOR HUMANO. Prof. Me. Cristino Rêgo 8º ANO Ensino Fundamental II SISTEMA REPRODUTOR HUMANO Prof. Me. Cristino Rêgo 8º ANO Ensino Fundamental II SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO FUNÇÕES BÁSICAS Produção de gametas (espermatogênese) Produção de hormônio (testosterona) Condução

Leia mais

31. Com relação aos principais componentes orgânicos celulares, assinale a afirmativa INCORRETA.

31. Com relação aos principais componentes orgânicos celulares, assinale a afirmativa INCORRETA. PASES 1 a ETAPA TRIÊNIO 2004-2006 1 o DIA GABARITO 1 19 BIOLOGIA QUESTÕES DE 31 A 40 31. Com relação aos principais componentes orgânicos celulares, assinale a afirmativa INCORRETA. a) Proteínas, quando

Leia mais

OS TECIDOS PROF LUIS BRUNO

OS TECIDOS PROF LUIS BRUNO OS TECIDOS PROF.: LUIS BRUNO HISTOLOGIA E TECIDOS Histologia (do grego hystos = tecido + logos = estudo) é o estudo dos tecidos biológicos, sua formação, estrutura e função. Tecidos, é um conjunto de células

Leia mais

Professor: Fernando Stuchi

Professor: Fernando Stuchi Professor: Fernando Stuchi Reprodução Sexuada Ação de células especiais chamadas de gametas, que possuem em seu núcleo metade do material genético de uma célula normal do indivíduo; Com a união dos gametas

Leia mais

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 2.1 Conteúdo Tecidos 3 CONTEÚDOS E HABILIDADES Habilidade

Leia mais

MAMÍFEROS. 15 Sistema Poliedro de Ensino Professora Giselle Cherutti

MAMÍFEROS. 15 Sistema Poliedro de Ensino Professora Giselle Cherutti MAMÍFEROS Capítulo 15 Sistema Poliedro de Ensino Professora Giselle Cherutti CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MAMÍFEROS Aquáticos: Habitat: Mamíferos podem ser terrestres: Único mamífero que voa: Pelos Estratificada

Leia mais

Sistema reprodutor masculino e feminino: origem, organização geral e histologia

Sistema reprodutor masculino e feminino: origem, organização geral e histologia Sistema reprodutor masculino e feminino: origem, organização geral e histologia CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS TEGUMENTAR, LOCOMOTOR E REPRODUTOR Profa. Msc. Ângela Cristina Ito Sistema reprodutor

Leia mais

Embriologia humana: primeira semana de desenvolvimento embrionário

Embriologia humana: primeira semana de desenvolvimento embrionário Embriologia humana: primeira semana de desenvolvimento embrionário Prof. Dr. Daniel F. P. Vasconcelos (Professor Adjunto de Histologia e Embriologia Colegiado de Biomedicina Campus de Parnaíba - UFPI )

Leia mais

Histologia. Professora Deborah

Histologia. Professora Deborah Histologia Professora Deborah Histologia Histologia (do grego hystos = tecido + logos = estudo) é o estudo dos tecidos biológicos, sua formação, estrutura e função. Tecidos É um conjunto de células que

Leia mais

QUARTA À OITAVA SEMANA, DESENVOLVIMENTO DOS TECIDOS, ÓRGÃOS E FORMA DO CORPO

QUARTA À OITAVA SEMANA, DESENVOLVIMENTO DOS TECIDOS, ÓRGÃOS E FORMA DO CORPO Vera Andrade, 2014 QUARTA À OITAVA SEMANA, DESENVOLVIMENTO DOS TECIDOS, ÓRGÃOS E FORMA DO CORPO Nestas cinco semanas formam-se os principais órgãos e sistemas do corpo, ainda com funções mínimas, o embrião

Leia mais

Sistema Urogenital 9/22/2015. O Sistema Urogenital é um sistema de DUTOS! Sistema Urinário: Rins Ureter Bexiga Uretra

Sistema Urogenital 9/22/2015. O Sistema Urogenital é um sistema de DUTOS! Sistema Urinário: Rins Ureter Bexiga Uretra Sistema Urogenital O Sistema Urogenital é um sistema de DUTOS! Sistema Urinário: Rins Ureter Bexiga Uretra O Sistema Urogenital é um sistema de DUTOS! O Sistema Urogenital é um sistema de DUTOS! Ovário

Leia mais

19/11/2009. Sistema Reprodutor Masculino Adulto. Formação do sistema genital. Sistema reprodutor feminino adulto. 1ª Etapa: Determinação sexual

19/11/2009. Sistema Reprodutor Masculino Adulto. Formação do sistema genital. Sistema reprodutor feminino adulto. 1ª Etapa: Determinação sexual Desenvolvimento do Sistema Sistema Reprodutor Masculino Adulto Reprodutor Masculino e Feminino Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Sistema reprodutor feminino adulto Formação do sistema genital 1ª Etapa:

Leia mais

Curso: CIÊNCIAS BIOMÉDICAS

Curso: CIÊNCIAS BIOMÉDICAS INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS - UNESP - BOTUCATU DEPARTAMENTO DE MORFOLOGIA Curso: CIÊNCIAS BIOMÉDICAS Disciplina: EMBRIOLOGIA HUMANA Docentes da Disciplina: Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano (Responsável)

Leia mais

O humano e o ambiente

O humano e o ambiente Aula 01 O humano e o ambiente O ser humano é formado por um conjunto de células. Um conjunto de células forma os tecidos. Um conjunto de tecidos forma os órgãos. Um conjunto de órgão forma os sistemas.

Leia mais

EXERCÌCIOS GLOBAIS. - as células 3 são duas vezes mais numerosas do que as 2; - as células 4 são duas vezes mais numerosas do que as 3;

EXERCÌCIOS GLOBAIS. - as células 3 são duas vezes mais numerosas do que as 2; - as células 4 são duas vezes mais numerosas do que as 3; EXERCÌCIOS GLOBAIS 1. Atente às figuras 1 e 2 e responda às questões que se seguem: A fig.1 mostra um corte esquemático de uma estrutura estudada e a sua análise mostra que: - as células 3 são duas vezes

Leia mais

03. Uma célula que perdeu grande quantidade de água só poderá se recuperar se colocada em solução

03. Uma célula que perdeu grande quantidade de água só poderá se recuperar se colocada em solução 03. Uma célula que perdeu grande quantidade de água só poderá se recuperar se colocada em solução 01. O esquema a seguir representa o modelo de organização molecular da membrana plasmática. (A) isotônica.

Leia mais

EMBRIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO

EMBRIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO EMBRIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar Chefe da Equipe de Fonoaudiologia

Leia mais

CICLO OVARIANO. Estas alterações estão sob influencia dos hormônios gonadotrópicos da hipófise anterior.

CICLO OVARIANO. Estas alterações estão sob influencia dos hormônios gonadotrópicos da hipófise anterior. CICLO OVARIANO Formado por várias alterações em um ovário, os quais se repetem a intervalos mensais Estas alterações estão sob influencia dos hormônios gonadotrópicos da hipófise anterior. Principais fases

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MORFOLOGIA E GENÉTICA. Calendário

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MORFOLOGIA E GENÉTICA. Calendário UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MORFOLOGIA E GENÉTICA Calendário - 2014 1º e 2º semestres Curso: MEDICINA Unidade Curricular: AS BASES MORFOLÓGICAS DA MEDICINA

Leia mais

Universidade Estadual do Ceará Faculdade de Veterinária EMBRIOLOGIA. Prof. Dra. Janaina Serra Azul Monteiro Evangelista

Universidade Estadual do Ceará Faculdade de Veterinária EMBRIOLOGIA. Prof. Dra. Janaina Serra Azul Monteiro Evangelista Universidade Estadual do Ceará Faculdade de Veterinária EMBRIOLOGIA Prof. Dra. Janaina Serra Azul Monteiro Evangelista Ovócito I e II EMBRIOLOGIA Definições Óvulo ou Ovócito Fecundado ou Ovo Maduro Ovócito

Leia mais

NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS E PRINCIPAIS TIPOS DE TECIDOS

NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS E PRINCIPAIS TIPOS DE TECIDOS NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS E PRINCIPAIS TIPOS DE TECIDOS Profª MSc Monyke Lucena Átomos Compostos químicos Célula Tecidos Órgão Sistema Organismo Os animais apresentam diferentes tipos de tecidos,

Leia mais

10/06/2013 PLACENTA E PLACENTAÇÃO. placenta. placentação. Placenta. Componentes fetais

10/06/2013 PLACENTA E PLACENTAÇÃO. placenta. placentação. Placenta. Componentes fetais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Campus Curitibanos Medicina Veterinária ANATOMIA II Órgão de troca entre a mãe e o feto PLACENTA E PLACENTAÇÃO placenta Organização das membranas com locais para

Leia mais

ULTI RESUMOS BIOLOGIA ULTIRESUMOS.COM.BR - TECIDO CONJUNTIVO PROPRIAMENTE DITO: UltiResumos - Biologia

ULTI RESUMOS BIOLOGIA ULTIRESUMOS.COM.BR - TECIDO CONJUNTIVO PROPRIAMENTE DITO: UltiResumos - Biologia ULTI RESUMOS BIOLOGIA ULTIRESUMOS.COM.BR - TECIDO CONJUNTIVO PROPRIAMENTE DITO: - FROUXO Finalidade: - DENSO + Unir os espaços localizados entre a pele e os órgãos + Apoio aos epitélios + Formam camadas

Leia mais

VÍDEO 1 VÍDEO 2. Fecundação. Fecundação 9/11/2010. Condições de fecundação: O movimento de um espermatozóide

VÍDEO 1 VÍDEO 2. Fecundação. Fecundação 9/11/2010. Condições de fecundação: O movimento de um espermatozóide OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO: INTRODUÇÃO À EMBRIOLOGIA HUMANA Prof. MSc. Weverson Pires wlp_cell@yahoo.com.br pirescell@gmail.com GAMETOGÊNESE FERTILIZAÇÃO CLIVAGEM VÍDEO 1 VÍDEO 2 Fecundação Fecundação

Leia mais

GAMETOGÊNESE. Processo de formação e desenvolvimento das células germinativas especializadas OS GAMETAS.

GAMETOGÊNESE. Processo de formação e desenvolvimento das células germinativas especializadas OS GAMETAS. GAMETOGÊNESE 1 GAMETOGÊNESE Processo de formação e desenvolvimento das células germinativas especializadas OS GAMETAS. Gameta masculino Espermatozóide. Gameta feminino Ovócito. Os gametas possuem metade

Leia mais

Níveis estruturais do corpo humano

Níveis estruturais do corpo humano Níveis estruturais do corpo humano O corpo humano como um sistema aberto SISTEMA Conjunto de componentes que funcionam de forma coordenada. ISOLADO FECHADO ABERTO Não ocorrem trocas de matéria nem energia

Leia mais

Fundação Educacional Lucas Machado - FELUMA Faculdade Ciências Médicas - MG Concurso de Transferência 2016 PROGRAMA DE ANATOMIA (20 QUESTÕES)

Fundação Educacional Lucas Machado - FELUMA Faculdade Ciências Médicas - MG Concurso de Transferência 2016 PROGRAMA DE ANATOMIA (20 QUESTÕES) Fundação Educacional Lucas Machado - FELUMA Faculdade Ciências Médicas - MG Concurso de Transferência 2016 1 PROGRAMAS PARA A 2 ª SÉRIE DO CURSO DE MEDICINA PROGRAMA DE ANATOMIA (20 QUESTÕES) I Anatomia

Leia mais

CÉLULA - TRONCO. São células com capacidade de autorenovação,eficiente

CÉLULA - TRONCO. São células com capacidade de autorenovação,eficiente CÉLULA - TRONCO São células com capacidade de autorenovação,eficiente proliferação, gerando células-filhas com as mesmas características fenotípicas da célula precursora e, ainda, com habilidade de gerar

Leia mais

(O enunciado a seguir serve às questões 3 e 4).

(O enunciado a seguir serve às questões 3 e 4). QiD 2 8º ANO PARTE 4 CIÊNCIAS 1. (1,0) Cite a função dos testículos no aparelho reprodutor masculino. 2. (1,0) Até o fim da gravidez, o bebe fica envolvido por membranas protetoras e permanece mergulhado

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO CORPO HUMANO - CÉLULAS. 8 ano Prof. Jair Nogueira Turma 82 - Ciências

ORGANIZAÇÃO DO CORPO HUMANO - CÉLULAS. 8 ano Prof. Jair Nogueira Turma 82 - Ciências ORGANIZAÇÃO DO CORPO HUMANO - CÉLULAS 8 ano Prof. Jair Nogueira Turma 82 - Ciências O corpo humano apresenta uma estrutura complexa, formada por vários órgãos que realizam suas funções em conjunto. Assim

Leia mais

Introdução ao estudo da. Neuroanatomia. Prof. Musse Jereissati

Introdução ao estudo da. Neuroanatomia. Prof. Musse Jereissati Introdução ao estudo da Neuroanatomia Prof. Musse Jereissati mussejereissati@hotmail.com website: www.mussejereissati.com Feito com Apple Keynote você deverá ser capaz de: Ao final Identificar as principais

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina VET107 Anatomia e Fisiologia Animal

Programa Analítico de Disciplina VET107 Anatomia e Fisiologia Animal Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Veterinária - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas:

Leia mais

REGULAÇÃO E COORDENAÇÃO

REGULAÇÃO E COORDENAÇÃO SISTEMA NERVOSO REGULAÇÃO E COORDENAÇÃO Sistema nervoso x Sistema hormonal Interpretar estímulos e gerar respostas Percepção das variações do meio (interno e externo) Homeostase = equilíbrio Tecido nervoso

Leia mais

TECIDO NERVOSO. Prof. Esp. André Luís Souza Stella

TECIDO NERVOSO. Prof. Esp. André Luís Souza Stella TECIDO NERVOSO Prof. Esp. André Luís Souza Stella TECIDO NERVOSO Tecido de origem ectodérmica sendo caracterizado pela propriedade de reação a estímulos ambientais; Estes estímulos são percebidas pelo

Leia mais

Resoluções de Exercícios

Resoluções de Exercícios Resoluções de Exercícios BIOLOGIA IV 01 Embriologia Humana A espermatogônia é uma célula diploide (2n) e o espermatócito II é uma célula haploide (n), portanto, a espermatogônia terá o dobro do número

Leia mais

Departamento de Biologia Aplicada à Agropecuária FCAV UNESP - Jaboticabal. Tel: (16)

Departamento de Biologia Aplicada à Agropecuária FCAV UNESP - Jaboticabal. Tel: (16) ZOOLOGIA Aula Prática Conceitos Prof a Maria Célia Portella Departamento de Biologia Aplicada à Agropecuária FCAV UNESP - Jaboticabal Tel: (16) 3209.7198 portella@caunesp.unesp.br www.fcav.unesp.br/mariacelia/

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais