UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA PARA ARMAZENAMENTO DE EXPERIÊNCIAS PESSOAIS BASEADO EM COMPUTAÇÃO MÓVEL Área de Sistemas Embarcados por Elias de Oliveira Costa Rafael Luiz Cancian, M.Sc. Orientador São José (SC), i

2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA PARA ARMAZENAMENTO DE EXPERIÊNCIAS PESSOAIS BASEADO EM COMPUTAÇÃO MÓVEL Área de Sistemas Embarcados por Elias de Oliveira Costa Relatório apresentado à Banca Examinadora do Trabalho de Conclusão do Curso de Ciência da Computação para análise e aprovação. Orientador: Rafael Luiz Cancian, M.Sc. São José (SC), ii

3 DEDICATÓRIA Aos meus pais, Edvaldo Carneiro da Costa e Maria Geny de Oliveira Costa, por todo o amor, carinho e principalmente pela educação que me deram. À minha irmã Eliane de Oliveira Costa, pelas palavras de força que recebi. iii

4 AGRADECIMENTOS Aos meus pais, Edvaldo Carneiro da Costa e Maria Geny de Oliveira Costa, pelos ensinamentos, carinho, amor e por nunca deixarem de acreditar em mim. A minha irmã Eliane de Oliveira Costa, por todos os momentos de apoio. A Ana Paula da Silva Melo, por toda a ajuda e paciência que demonstrou durante esse último ano. Obrigado por todos os momentos de apoio e carinho. Ao meu orientador Rafael Luiz Cancian, pelo incentivo, conhecimento e principalmente por esta oportunidade que me foi dada para a realização deste trabalho. Foi um enorme prazer desenvolver este projeto. Muito obrigado. Aos professores que fizeram parte da banca examinadora, pelos elogios e valiosas sugestões e críticas que fortaleceram o desenvolvimento deste trabalho. A coordenadora do curso Anita Maria da Rocha Fernandes, que colaborou direta e indiretamente na realização deste com todas as palavras de apoio. Aos meus antigos professores, que me ensinaram com prazer e dedicação parte do que sei e, o que é mais importante, me ensinaram a aprender sozinho. A todos os meus verdadeiros amigos que me deram força e ajudaram para a realização deste trabalho. iv

5 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS...vii LISTA DE FIGURAS... ix RESUMO...x ABSTRACT... xi 1 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO PROBLEMATIZAÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivo Específico Metodologia Estrutura do Trabalho FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA MEMÓRIA HUMANA MEMÓRIA DIGITAL EXPANDIDA Projeto MyLifeBits MULTIMÍDIA Arquivos de Imagem Arquivos de Vídeo Arquivos de Áudio MULTIMÍDIA BASEADA EM CELULARES TECNOLOGIA DE REDES MÓVEIS E CELULARES Telefonia Móvel Tecnologia de Redes de Celulares GERAÇÃO DAS REDES CELULARES Primeira Geração de Sistemas Móveis Segunda Geração de Sistemas Móveis (2G) Sistemas Móveis de 2.5G e 2.7G Terceira Geração de Sistemas Móveis (3G) GPS TECNOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO SuperWaba Visual Studio NetBeans Wap Brew Symbian Java Micro Edition (JME) Desenvolvimento JME com Multimídea e GPS Segurança de Aplicações JME DISCUSSÃO DESENVOLVIMENTO...54 v

6 3.1 VISÃO GERAL ARQUITETURA DO SISTEMA MODELAGEM DO SISTEMA Análise de Requisitos Requisitos Funcionais Requisitos Não-Funcionais Regras do negócio Diagrama de casos de uso Diagrama Classe Diagrama de Seqüência IMPLEMENTAÇÃO PROTOTIPAÇÃO DE TELAS TESTES E AVALIAÇÕES RESULTADOS CONCLUSÕES...72 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...74 APÊNDICES A MODELAGEM DO SISTEMA...79 A1 CASOS DE USO...79 A.1.1 UC 01 Gerenciar Categorias...79 A.1.2 UC 02 Incluir Categorias...79 A.1.3 UC 03 Editar Categorias...80 A.1.4 UC 04 Excluir Categorias...80 A.1.5 UC 05 Iniciar Gravação...81 A.1.6 UC 06 Parar Gravação...81 A.1.7 UC 07 Gerenciar Experiência...81 A.1.8 UC 08 Visualizar Mídia...82 A.1.9 UC 09 Excluir Mídia...82 A.1.10 UC 10 Enviar Mídia...83 A2 CLASSES DO SISTEMA...84 A.2.1 Pacote Mobilelife.business...84 A.2.2 Pacote Mobilelife.persistence...85 A.2.3 Pacote Mobilelife.beans...86 A.2.4 Pacote Mobilelife.connection...88 A.2.5 Pacote Mobilelife.utility...88 ANEXOS...89 AI Descrição do Dispositivo Móvel Utilizado...90 AII Especificações Técnicas da Plataforma S AIII Especificações Técnicas da Plataforma S AIV Netbeans UML Modeling...93 vi

7 LISTA DE ABREVIATURAS AAC ADS AMPS API AuC AVI BMP BREW BTS CCC CCD CDMA CLDC D-AMPS EDGE DOS EIR EM ERB ETSI FDMA GIF GPRS HLR HSCSD IMEI IMTS JAD JME JPEG JVM LZW MID MMAPI MMS MPEG MTSO OEMS OPL PCS PDA PDC PNG PROM PSTN QIS Advanced Audio Coding Application Download Server Advanced Mobile Phone System Application Programming Interface Authentication Center Áudio-vídeo-interleaved BitMap Binary Runtime Environment for Wireless Base Transceiver Station Central de Comutação e Controle Connected Device Configuration Code Division Multiple Access Connected Limited Device Configuration Digital-Advanced Mobile Phone Service Enhanced Data rates for GSM Evolution Disk Operating System Equipament Identity Register Estação Móvel Estação Rádio Base European Telecommunications Standards Institute Frequency Division Multiple Access Graphics Interchange Format General Packet Radio Service Home Location Register Hig-Speed Circuit-Switched Data International Mobile Equipment Identity Improved Mobile Telephone System Java Application Descriptor Java Micro Edition Joint Photographic Experts Group Java Virtual Machine Lempel-Ziv-Welch Musical Instrument Digital Interface Mobile Media API Multimedia Messaging Service Motion Picture Experts Group Mobile Telephone Switching Office Original Equipment Manufacture Open Programming Language Personal Communications Services Personal Digital Assistant Personal Digital Cellular Portable Network Graphics Programmable Read-Only Memory Rede de Telefonia Pública Comutada Qualcomm Internet Services vii

8 RGB SCPC SMC SMS TACS TDMA TGA TIFF TXN UAM UMTS UML VGA VLR WAP WAV WML Red-green-blue Single Channel per Carrier Serviço Móvel Celular Short Message Service Total Access Communication System Time Division Multiple Access Targa Tagged Image File Format Transaction Manger Unified Application Manager Universal Mobile Telecommunications System Unified Modeling Language Video Graphics Array Visitor Location Register Wirelless Application Protocol Waveform Wireless Markup Language viii

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Memex...18 Figura 2. Nokia N Figura 3. SenseCam...20 Figura 4. Ilustração dos arquivos em forma de gráfico...21 Figura 5. Modelo da Nokia com recursos multimídia...26 Figura 6. Topologia de uma rede celular...29 Figura 7. Evolução dos padrões celulares...33 Figura 8. Netbeans Mobility Pack Figura 9. Processo de distribuição do Brew...43 Figura 10. Ericsson R Figura 11. Nokia Figura 12. Edições da plataforma Java...45 Figura 13. Arquitetura do perfil MID...48 Figura 14. Hierarquia de classes de MIDP...50 Figura 15. Processo de funcionamento da MMAPI...51 Figura 16. Ciclo de vida de um Player...51 Figura 17. Arquitetura MIDP...55 Figura 18. Arquitetura do Sistema...56 Figura 19. Diagrama de casos de uso...59 Figura 20. Diagrama de classe do sistema...60 Figura 21. UC 02:Diagrama de seqüência Incluir Categoria...62 Figura 22. UC 02: Diagrama de seqüência Incluir Categoria Continuação...62 Figura 23. UC 05: Diagrama de seqüência Iniciar Gravação...63 Figura 24. Tela Iniciar Gravação...65 Figura 25. Tela Nova Categoria...66 Figura 26. Tela Gerenciar Experiências...67 Figura 27. Tela Gerenciar Categorias...68 Figura 28. Imagens Capturadas...70 Figura 29. Trajeto Percorrido...71 Figura 30. Classes Regra de Negócio...84 Figura 31. Classes Regra de Negócio Continuação...85 Figura 32. Classes Persistência...86 Figura 33. Classes Entidades...87 Figura 34. Classes Entidades Continuação...87 Figura 35. Classe Conexão...88 Figura 36. Classe Utilidade...88 ix

10 RESUMO COSTA, Elias de Oliveira. Desenvolvimento de um sistema para armazenamento de experiências pessoais baseado em computação móvel. 2008, 93. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciência da Computação)-Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar, Universidade do Vale do Itajaí, São José, Em um mundo onde o ser humano cada vez mais realiza diariamente atividades distintas, torna-se difícil recordar grande parte dos fatos ocorridos. Muitas vezes quando são recordados, não são com grandes detalhes. Além disso, a cada ano aumenta o uso de dispositivos móveis em todo o mundo. Celulares fáceis de transportar e com recursos multimídia cada vez mais se tornam comum no cotidiano das pessoas. Nesse sentido, o presente texto apresenta o desenvolvimento de um sistema multimídia para armazenamento de experiências pessoais baseado em computação móvel. Com a finalidade de enriquecer e complementar o tema sobre computação móvel, foram pesquisados conceitos sobre o funcionamento da comunicação via rede celular e as diferentes gerações tecnológicas celulares. Além disso, o texto apresenta algumas das principais tecnologias para desenvolvimento de aplicações móveis, dando-se maior destaque para a JME (Java Micro Edition). O sistema tem como finalidade capturar o ambiente em volta do usuário da aplicação. Portanto, é realizada a captura periódica de recursos multimídia como áudio, vídeo e imagem. Além disso, com o objetivo de capturar em quais locais o indivíduo esteve, o sistema coleta dados de posicionamento global (GPS). Todas essas informações ficam armazenadas no próprio sistema de arquivos do celular, para, posteriormente, o usuário visualizar, excluir e/ou enviar as mídias para um servidor web. Todo o desenvolvimento do projeto, tanto a diagramação como a codificação, foi desenvolvido utilizando como IDE o Netbeans 6.1. Palavras-chave: Computação Móvel. JME. MyLifeBits. x

11 ABSTRACT In a world where human beings increasingly different activities taking place daily, it is difficult to remember much of events occurred. Often when they are reminded, are not in great detail. Moreover, every year increases the use of mobile devices worldwide. Cell phones are easy to carry and with multimedia features become increasingly common in the daily lives of people. In that sense, this paper presents the development of a multimedia system for storing personal experiences based on mobile computing. In order to enrich and complement the theme on mobile computing, were investigated concepts on the operation of mobile communication and the different generations cellular technology. Moreover, the text presents some of the key technologies for development of mobile applications, with greater emphasis on JMe (Java Micro Edition). The system aims to capture the environment around the user's application. Therefore, it is carried out periodically capture of multimedia resources such as audio, video and image. Moreover, aiming to capture at which locations the individual was, the system collects data from global positioning (GPS). All these information are stored in the phone's file system, to, later, the user view, delete and / or send the media to a web server. The entire development project, both the layout such as encryption, was developed using the NetBeans IDE 6.1. Keywords: Mobile Computing. JME. MyLifeBits. xi

12 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO Por toda sua vida, a memória humana adquire muitos dados. Porém, o ser humano não é capaz de recuperá-los em sua totalidade. Quando recorda acontecimentos, muitas vezes isso ocorre com poucos detalhes e sem muita precisão. Há raros casos de pessoas que conseguem lembrar com precisão acontecimentos vividos anos antes. De acordo com Marshall (2008), uma moradora da Califórnia de 42 anos, consegue lembrar cada dia da sua vida desde a adolescência com muitos detalhes. Batizada de hipertimésica (do grego timesis, lembrar), os neurocientistas já identificaram outras pessoas com características similares. Tal fato pode ser explicado por causa de uma falha das estratégias do cérebro para ajudar a esquecer fatos irrelevantes. Grande parte das pessoas não consegue lembrar com precisão acontecimentos vividos muito tempo atrás. Schacter (2008), chefe do Departamento de Psicologia da Universidade de Harvard, diz que o cérebro desenvolveu estratégias para eliminar fatos de menor importância ou ultrapassados. Chamada de esquecimento eficiente, essa característica é crucial para uma memória funcional. Porém, segundo Schacter (2008), esquecer reuniões, não lembrar onde guardou os óculos ou chaves e não recordar o nome de pessoas conhecidas são problemas que vem se tornando corriqueiros para muitos adultos ocupados que tentam conciliar a vida profissional e familiar. Nessa mesma linha de raciocínio, uma equipe de pesquisadores da Microsoft iniciou um projeto de memória digital e expandida. Esse projeto, intitulado MyLifeBits, tem como objetivo armazenar quase todo tipo de informação experimentada por uma pessoa. Um dos autores do projeto, Gordon Bell, foi o pioneiro a experimentar essa idéia. Quando Gordon Bell trabalha em seu computador, por exemplo, o sistema registra uma cópia de cada página visitada, músicas tocadas, buscas realizadas e até mesmo que janelas estão em primeiro plano e a atividade do mouse e do teclado. Com o projeto MyLifeBits, pesquisadores da Microsoft desenvolveram uma câmera com um sensor capaz de registrar momentos apropriados para fotos. Chamada de SenseCam, ela registra imagens quando detecta a proximidade de um corpo pelo calor ou quando detecta que houve mudança significativa no nível de luminosidade em um ambiente. Além disso, ela é capaz de registrar imagens fotográficas periodicamente, como por exemplo, a cada 30 segundos.

13 Além de suas características tecnológicas, a SenseCam é pequena e compacta o suficiente para ser usada ao redor do pescoço, como se fosse um colar. Um equipamento compacto e fácil de transportar pode ser bastante útil e fornecer diversas funcionalidades. Nesse sentido, os dispositivos móveis, principalmente os celulares, tornam-se cada vez mais parte do cotidiano das pessoas. Segundo dados coletados do portal Teleco 1, o Brasil iniciou 2006 com crescimento para um número de celulares recorde para um mês de janeiro. Foram 1,26 milhões de novos celulares, patamar alcançado em anos anteriores a partir do mês de março. Isto demonstra que o usuário final cada vez mais busca novos recursos e funcionalidades nos aparelhos, além dos mais básicos (serviço de voz, mensagem SMS). E muitas das funcionalidades incorporadas nos celulares são recursos multimídia, como por exemplo, envio de mensagens contendo imagens e áudio e celulares com câmeras embutidas para captura de imagens. De acordo com Vaughan (1994), multimídia é qualquer combinação de texto, arte gráfica, som, animação e vídeo transmitido pelo computador. Segundo Bell e Gemmel (2007), na medida em que melhora o hardware para gravação digital, as pessoas cada vez mais tendem a criar registros digitais pessoais de suas vidas em forma de multimídia, como arquivos de imagem, áudio ou vídeo. Além disso, o advento de câmeras digitais baratas e de alta qualidade, principalmente as incorporadas nos celulares, provocou um grande aumento no hábito de fotografar. Neste contexto, torna-se viável o desenvolvimento de um protótipo de aplicação multimídia para armazenamento de experiências pessoais baseado em computação móvel, tendo como foco aparelhos celulares com suporte a aplicações Java, de modo similar a SenseCam do projeto MyLifeBits. 1.2 PROBLEMATIZAÇÃO Todo ser humano diariamente recebe uma grande quantidade de informação, seja esta auditiva ou visual, entre outras. Muitas dessas informações são irrelevantes, ou seja, não há a necessidade do cérebro armazenar tais informações por um longo período de tempo. Porém, há informações muito úteis, e que precisarão ser lembradas com detalhes em algum momento futuro. Contudo, o ser humano não é capaz de relembrar muitos desses registros diários. De acordo com Schacter (2008), quando o ser humano esquece de algo útil, significa simplesmente que o 1 Teleco. Disponível em <http://www.teleco.com.br/comentario/com145.asp>. Acesso em: 15 Março

14 sistema de abstração do cérebro está trabalhando bem demais. Portanto, esquecer informações úteis é algo bastante comum e que acontece com qualquer ser humano. Hoje é comum notar pessoas segurando celulares ou os carregando nos bolsos de suas vestimentas. Conforme aumenta a aquisição de aparelhos móveis, principalmente celulares, surge a viabilidade do desenvolvimento de um sistema multimídia para armazenamento de experiências pessoais baseado em dispositivos móveis. Com o desenvolvimento desse sistema, fatos importantes que aconteceram no passado poderão ser facilmente acessados e conseqüentemente relembrados. 1.3 OBJETIVOS Objetivo Geral O objetivo deste trabalho é o desenvolvimento de uma aplicação para telefone celular para a captura de imagem, vídeo, áudio e coordenadas GPS (Global Positioning System) visando arquivar digitalmente a experiência pessoal de uma pessoa ao longo do tempo Objetivos Específicos São objetivos específicos deste trabalho: adquirir conhecimento sobre APIs (Aplication Programming Interface) Java Micro Edition e demais tecnologias necessárias para o desenvolvimento do sistema; modelar a aplicação proposta; implementar a aplicação; testar e avaliar a aplicação; e documentar o desenvolvimento e os resultados da pesquisa. 1.4 METODOLOGIA Para a Fundamentação Teórica primeiramente foram realizadas pesquisas para a compreensão das características da memória do ser humano, pesquisa essa que teve como principal fonte de informação matérias publicadas em revistas científicas conceituadas. Em seguida, foram pesquisados projetos para uma parcial solução do esquecimento enfrentado por uma pessoa. 14

15 Para adquirir um conhecimento mais aprofundado sobre dispositivos móveis, foram realizadas pesquisas direcionadas à tecnologia de comunicação de redes celulares e as gerações tecnológicas enfrentadas pelos mesmos. Além disso, com o intuito de adquirir conhecimento e competência para o desenvolvimento do trabalho proposto, foram coletadas informações importantes sobre JME e APIs usadas na codificação do sistema. Buscou-se também entender o funcionamento de tecnologias para o desenvolvimento de aplicações móveis que não serão iaplicadas ao projeto atual. Para essas pesquisas, foram utilizados materiais disponíveis na internet e revistas, além de informações coletadas em livros. O desenvolvimento do projeto foi iniciado com uma descrição geral sobre as principais funcionalidades da aplicação. Em seguida, foram descritos os requisitos funcionais, não funcionais e regras de negócio do sistema. Os requisitos funcionais foram identificados visando obter mais de um tipo de mídia centrada numa pessoa, como imagem, áudio e vídeo e coordenadas GPS. Na modelagem do sistema foi elaborado o diagrama de casos de uso e em seguida o diagrama de classe com todas classes que fizeram parte do desenvolvimento do projeto. Ainda na modelagem, foi feito o diagrama de seqüências para as principais funcionalidades do sistema, conforme a linguagem UML (Unified Modeling Language). Na seqüência foi feita toda a codificação das classes identificadas na modelagem do sistema, testes, avaliações e conclusões. 1.5 ESTRUTURA DO TRABALHO Este trabalho está estruturado em quatro capítulos. O primeiro capítulo, Introdução, apresenta uma breve descrição geral do que vem a ser o trabalho. No Capítulo dois, Fundamentação Teórica, é apresentado os principais conceitos sobre computação móvel e questões tecnológicas que estão envolvidas direta e indiretamente com este trabalho, além de ser documentado características relacionadas à memória humana. No Capítulo 3, Desenvolvimento, é realizada toda a documentação do desenvolvimento do projeto implantado no celular, como diagramas, requisitos e apresentação das telas, além de ser mostrado os resultados alcançados. Por fim, nas Conclusões, são abordadas questões apresentadas em todo o trabalho, problemas encontrados, entre outros. 15

16 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 MEMÓRIA HUMANA Ao longo de sua vida, a memória humana armazena diversas informações. Apesar da capacidade em armazenar grande quantidade de dados, o ser humano não é capaz de recordar todas essas informações armazenadas. Quando consegue recordar alguns acontecimentos, muitas vezes é com poucos detalhes e sem muita precisão. Há raros casos de pessoas que conseguem relembrar com muita precisão acontecimentos vividos muitos anos antes. É o caso de A. J., uma mulher de 42 anos moradora da Califórnia. Ela se lembra de cada dia da usa vida desde a adolescência com extraordinário detalhe. Quando alguém menciona qualquer data desde 1980 é como se A. J. fosse imediatamente transportada de volta no tempo, descrevendo onde estava, o que estava fazendo e quais foram as notícias daquele dia. Nos primeiros testes feitos com ela, descobriram que ela era capaz de identificar corretamente a data de todas as Páscoas dos últimos 24 anos. (MARSHALL, 2008). A maioria das pessoas não carrega esse fardo de relembrar com muita precisão acontecimentos vividos muito tempo atrás. De acordo com Schacter (2008), chefe do Departamento de Psicologia da Universidade Harvard, o ser humano deixa de recordar porque o cérebro desenvolveu estratégias para eliminar fatos irrelevantes ou ultrapassados. Essa característica, chamada de esquecimento eficiente, é crucial para uma memória funcional. Jacob Filho (2006) cita que: Não conheço ninguém que esteja satisfeito com a própria memória. Embora o esquecimento faça parte do processo de aprendizagem, todos nos revoltamos contra essa traição do cérebro, às vezes, nas horas mais inconvenientes. É o menino que esqueceu quanto é nove vezes oito bem na hora da prova de matemática, o adolescente que não se lembrou de levar o material para o trabalho de grupo, o marido que deixou passar a data do aniversário de casamento, o adulto que largou a chave do carro e a carteira não sabe onde. Quanto ao tempo de armazenamento, a memória pode ser classificada em memória de curto prazo e memória de longo prazo. No mesmo momento em que a informação está sendo recebida, a memória de curto prazo está sendo processada. Nesta, a informação pode ser armazenada por períodos mais longos ou descartada logo em seguida. Já na memória de longo prazo, segundo Godoy (2004), estão contidos dados autobiográficos e nela a informação é retida de forma definitiva. 16

17 De acordo com o neurocirurgião Godoy (2004), o esquecimento é uma falha na retenção ou na evocação dos dados da memória. É um fenômeno comum que ocorre com qualquer pessoa. Nesse sentido, as pessoas procuram combater o esquecimento de várias maneiras, como por exemplo, fazendo anotações em cadernos ou até mesmo deixando recados de seus compromissos na própria secretária eletrônica. Mas mesmo assim não há como deixar de escapar algumas informações relevantes. Além disso, cada vez mais aumentam as buscas para a solução desse problema. 2.2 MEMÓRIA DIGITAL E EXPANDIDA Uma equipe de pesquisadores da Microsoft deu início a um projeto de memória digital e expandida, em que quase todo o tipo de informação centrada numa pessoa é gravado. Este projeto, chamado MyLifeBits, teve início através da vida de um dos próprios funcionários e autores do projeto. Durante alguns anos, todos os documentos e interações de áudio, imagens e/ou vídeo adquirida por Gordon Bell foi gravada em um arquivo pessoal. Bell e Gemmel (2007) citam: As memórias digitais podem fazer mais do que apenas auxiliar na lembrança de eventos passados, conversas e projetos. Sensores portáteis podem até realizar leituras impercebíveis pelos seres humanos, como o nível de oxigênio no sangue ou a quantidade de dióxido de carbono no ar. Computadores podem então analisar esses dados para identificar padrões: por exemplo, que condições ambientais agravam a asma de uma criança. Sensores também poderiam registrar os cerca de três bilhões de batimentos cardíacos na vida de uma pessoa, juntamente com outros indicadores fisiológicos, e alertar sobre um possível ataque cardíaco. Mas assim como muitas tecnologias hoje utilizadas, a idéia de gravar digitalmente toda interação de uma pessoa não é recente. No final da Segunda Guerra Mundial, Vannevar Bush, diretor da agência do governo americano, apresentou um dispositivo intitulado Memex (Figura 1), em um artigo de 1945 chamado As We May Think. 17

18 Figura 1: Memex. Fonte: Scielo (1999). Baseado em microfilmes, o Memex (memory extender ou extensor de memória) armazenaria uma biblioteca multimídia, como livros, fotos, gravações e comunicações de um indivíduo. Este seria montado em uma mesa e equipado com um teclado, um microfone e vários visores. A pessoa sentada à mesa poderia usar uma câmera para fazer cópias em microfilme de fotos e papéis, ou criar novos documentos escrevendo em uma tela sensível ao toque (BELL e GEMMEL, 2007). Apesar de algumas das idéias de Bush terem sido desenvolvidas, o Memex não se concretizou, pois este estava tecnologicamente fora de alcance para a época. Porém, nos últimos anos, vários avanços tecnológicos se concretizaram, como o aumento da capacidade das mídias de armazenamento e do desempenho de processadores, o desenvolvimento de sensores e dispositivos portáteis. Com isso, permitiu-se ir além da idéia que Vannevar Bush teve décadas atrás. O avanço tecnológico na capacidade de armazenamento de arquivos digitais foi e é intenso. Hoje é comum encontrar no mercado discos rígidos para computadores pessoais de 160 gigabytes, 500 gigabytes e até mesmo de um terabyte. Com esse crescimento, torna-se possível armazenar durante vários anos s lidos, páginas da internet, livros e fotografias tiradas. É tão notável o avanço que até mesmo dispositivos móveis estão cada vez suportando maiores capacidades de armazenamento. O aparelho N96 da fabricante Nokia (Figura 2), com capacidade de 16 gigabytes é um bom exemplo do avanço tecnológico nesse setor. E com todos esses bytes incorporados, as mídias de armazenamento tornam-se mais acessíveis financeiramente para seus usuários finais. 18

19 Figura 2: Nokia N96. Fonte: Forum Nokia (2008). Além disso, pode-se encontrar no mercado sensores que futuramente se tornarão mais comuns no cotidiano das pessoas. Dentre outros, há sensores de luz, capazes de detectar mudanças de luminosidade no ambiente, sensores de som, capazes de detectar mudanças sonoras, etc. Alguns sensores podem ser usados no corpo, outros são projetados para ser colocados em recintos ou incorporados a aparelhos domésticos, como refrigeradores. E microfones e câmeras agora são tão baratos que estão sendo instalados virtualmente em todos os lugares (BELL e GEMMEL, 2007). Empresas como VivoMetrics, da Califórnia, e BodyMedia, da Pensilvânia, já comercializam sensores que podem ser usados no corpo, para por exemplo, monitorar o batimento cardíaco e a respiração de uma pessoa. O aumento do desempenho dos processadores é outro item que vem crescendo radicalmente. Mais uma vez, os dispositivos móveis merecem destaque. Tais aparelhos eletrônicos, que antes apenas serviam para conversação e mandar mensagens, hoje são capazes de executar vídeos e jogos cada vez mais robustos e bem elaborados. Muitas pessoas atualmente tiram mais fotografias quando comparado ao passado. Até a invenção das câmeras digitais e de dispositivos móveis com tais recursos, a maioria das pessoas tirava fotos apenas em ocasiões especiais, como no período de férias ou em eventos familiares. Com todos esses avanços no mundo da tecnologia, mais e mais pessoas tendem a criar registros digitais de suas vidas. Segundo Bell e Gemmel (2007), o interesse crescerá na medida em que o processo de gravação digital se tornar mais fácil e mais amplo Projeto MyLifeBits Em 1998, Gordon Bell decidiu desfazer-se de qualquer tipo de documentação pessoal e 19

20 profissional não digital, eliminando com isso pilhas de livros, memorandos, artigos, etc. Para isso, ele escaneou toda essa montanha caótica de documentos e digitalizou suas gravações de vídeos e outros tipos de mídia. Porém, após ter arquivado digitalmente todos os seus pertences, não obteve bons resultados ao pesquisar tais documentos utilizando softwares disponíveis na época. Assim surgiu o projeto MyLifeBits, que tem como objetivo registrar em multimídia tudo sobre a vida de um indivíduo e dispor tais registros de forma organizada para posteriores consultas. Bell e Gemmell (2007) citam que: O projeto também forneceu a Gordon Bell uma variedade de ferramentas para capturar suas interações com outras pessoas e máquinas. O sistema registra seus telefonemas e seus programas de rádio e televisão. Quando trabalha em seu computador, o MyLifeBits armazena automaticamente uma cópia de cada página de internet que ele visita e uma transcrição de toda mensagem instantânea que ele envia ou recebe. Dentre outras funcionalidades, o sistema monitora até mesmo que janelas estão em primeiro plano em sua tela e a atividade do mouse e do teclado. Além disso, um grupo de pesquisadores da Microsoft em Cambridge desenvolveu uma câmera digital usada a partir das próprias vestimentas da pessoa, mais especificamente, ao redor do pescoço como se fosse um colar. Essa câmera, chamada SenseCam, é capaz de tirar fotos a cada 30 segundos e em momentos propícios, como na mudança de luminosidade. Na Figura 3, é apresentado a SenseCam. O IDGNOW (2008) cita que: Figura 3: SenseCam desenvolvida pela Microsoft. Fonte: MailOnline (2007). Com um cartão de memória SD de 1 GB, o SenseCam pode tirar até trinta mil imagens com resolução de 640 x 480 pixels. A especificação não é muito impressionante frente à resolução das câmeras digitais atuais, mas é suficiente para recordar, afirmou Steve 20

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA Tecnologia de redes celular GSM X CDMA GSM (Global Standard Mobile) GSM (Global Standard Mobile) Também baseado na divisão de tempo do TDMA, o GSM foi adotado como único sistema europeu em 1992, e se espalhou

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila Comunicações móveis 2 Definição antiga: dispositivo móvel Definição atual: alta velocidade Exemplos Pager

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Tecnologias de telefonia celular GSM (Global System for Mobile Communications) Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

A telefonia celular. CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004. André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1

A telefonia celular. CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004. André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1 CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004 A telefonia celular André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1 Resumo Com o avanço das tecnologias dos sistemas de comunicação

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Evolução Telefonia Móvel

Evolução Telefonia Móvel 1 Evolução Telefonia Móvel RESUMO De modo geral o artigo visa esclarecer formas de comunicações utilizadas no passado e atualmente em celulares, tablets, modens portáteis entre outras aparelhos de comunicação

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR

HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR Antes de qualquer coisa é preciso apresentar o conceito de telefone celular. Este conceito pode ser definido como um transmissor de baixa potência onde freqüências podem

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Este tutorial apresenta uma visão geral da arquitetura para implantação de aplicações móveis wireless. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME

Leia mais

Figura 1 - Arquitectura do GSM

Figura 1 - Arquitectura do GSM GSM O aparecimento das redes de comunicações no século passado veio revolucionar o nosso mundo. Com os primeiros telefones surgiu a necessidade de criar redes que os suportassem. Começaram a surgir as

Leia mais

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio,

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio, INTRODUÇÃO Para que o Guia Médico de seu Plano de Saúde esteja disponível em seu celular, antes de mais nada, sua OPERADORA DE SAÚDE terá de aderir ao projeto. Após a adesão, você será autorizado a instalar

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. Telefonia Celular no Brasil Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 09/12/2002).

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16 Informática Prof. Macêdo Firmino Representação da Informação Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16 Introdução Estamos acostumados a pensar nos computadores como mecanismos complexos,

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas Mídias Contínuas Processamento da Informação Digital Mídias Contínuas Mídias Contínuas (dinâmicas ou dependentes do tempo) Digitalização de Sinais Áudio Vídeo 1 Digitalização de Sinais Codificadores de

Leia mais

Introdução a Computação Móvel

Introdução a Computação Móvel Introdução a Computação Móvel Computação Móvel Prof. Me. Adauto Mendes adauto.inatel@gmail.com Histórico Em 1947 alguns engenheiros resolveram mudar o rumo da história da telefonia. Pensando em uma maneira

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Aluno: Fábio Bicalho de Araujo Orientador: Marco Antonio Grivet Matoso Maia Introdução Um fato da atualidade: o mundo está se tornando cada vez mais

Leia mais

GSM: Terceira Geração de Telecomunicações

GSM: Terceira Geração de Telecomunicações UFSM Artigo Científico GSM: Terceira Geração de Telecomunicações Carlos Renan Silveira Ciência da Computação Santa Maria, RS, Brasil 2003 GSM: Terceira Geração de Telecomunicações por Carlos Renan Silveira

Leia mais

Nokia E5 (E5-00) GSM GPRS EDGE (850/900/1800/1900 MHZ) WCDMA HSDPA 10.2 / HSUPA 2.0 (850/1900/2100) GPS

Nokia E5 (E5-00) GSM GPRS EDGE (850/900/1800/1900 MHZ) WCDMA HSDPA 10.2 / HSUPA 2.0 (850/1900/2100) GPS Última versão de software homologada pela VIVO: 042.010 DESTAQUES DO APARELHO Nome Comercial: Nokia E5 (Número do Modelo: E5-00) Smartphone com sistema operacional: Symbian OS v9.3 e plataforma: S60 v3.2;

Leia mais

TELEFONIA CELULAR. Roteiro: História Como funciona WAP

TELEFONIA CELULAR. Roteiro: História Como funciona WAP TELEFONIA CELULAR Roteiro: História Como funciona WAP Milhões de pessoas em todo o planeta utilizam a telefonia celular, tecnologia que, atualmente, se tornou popular e barata. Muitas são as coisas que

Leia mais

Nokia 7230 GSM GPRS EDGE (850/900/1800/1900 MHz) WCDMA (850/1900/2100MHZ)

Nokia 7230 GSM GPRS EDGE (850/900/1800/1900 MHz) WCDMA (850/1900/2100MHZ) Última versão de software homologada pela VIVO: V10.81 DESTAQUES DO APARELHO Bluetooth para conectividade sem fio; Câmera digital integrada (3.2M Pixel) com captura de vídeo (zoom 4 vezes); Display colorido

Leia mais

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

Conceitos Básicos de Telefonia Celular

Conceitos Básicos de Telefonia Celular O curso foi elaborado especialmente para atender o profissional que atua no mercado varejista de aparelhos celulares e quer atender seus clientes com rapidez e qualidade. O treinamento é direcionado ao

Leia mais

Anexo I - DEFINIÇÕES. Em relação ao presente Acordo, os seguintes termos terão os significados expressos em suas respectivas definições:

Anexo I - DEFINIÇÕES. Em relação ao presente Acordo, os seguintes termos terão os significados expressos em suas respectivas definições: Anexo I - DEFINIÇÕES Em relação ao presente Acordo, os seguintes termos terão os significados expressos em suas respectivas definições: 1. 3G: terceira geração; 2. AA.13: documento da GSMA que contém os

Leia mais

Módulo I - Introdução. Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010. Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres.

Módulo I - Introdução. Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010. Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres. Módulo I - Introdução Aula 2 Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres.com Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010 Graduado em Ciência da Computação pela UFC, Brasil

Leia mais

Comunicações a longas distâncias

Comunicações a longas distâncias Comunicações a longas distâncias Ondas sonoras Ondas electromagnéticas - para se propagarem exigem a presença de um meio material; - propagam-se em sólidos, líquidos e gases embora com diferente velocidade;

Leia mais

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br CDMA, 3G e Aplicações Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br Tópicos da apresentação História CDMA Padrões 3G Aplicações História Conceito básico: reuso de frequência 1969 Primeiro sistema celular com

Leia mais

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA.

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA. GERAÇÕES DA TELEFONIA MÓVEL A Telefonia móvel iniciou no final dos anos 70. A 1ª geração de telefonia era a analógica. O serviço padrão era o AMPS (Advanced Mobile Phone System). Esse sistema tinha como

Leia mais

Introdução à multimídia na Web

Introdução à multimídia na Web Aplicações Multimídia Aplicações Multimídia para Web Introdução à multimídia na Web Co-autoria com Profº. Diogo Duarte Aplicações Multimídia para Web Multimídia Multimídia é tudo que você ouve ou vê. Textos,

Leia mais

Samsung GT-E2550L GSM GPRS EDGE*** (850/900/1800/1900 MHZ)

Samsung GT-E2550L GSM GPRS EDGE*** (850/900/1800/1900 MHZ) Última versão de software homologada pela VIVO: E2550LVIJG1 DESTAQUES DO APARELHO Nome comercial: Samsung GT-E2550L Câmera digital integrada (1.3M Pixel) com captura de vídeo (zoom 2 vezes); Display colorido

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Roteiro de Estudo: Telefonia Celular - Tecnologias Básicas I O Portal Teleco passa a apresentar periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO Fred Paulino Ferreira, Leonardo Couto, Renato Maia, Luiz G. Montanha Departamento

Leia mais

Telefonia Móvel. Leandro H. Shimanuki

Telefonia Móvel. Leandro H. Shimanuki Telefonia Móvel Leandro H. Shimanuki Índice Motivação História Funcionamento Gerações G s Curiosidades Telefonia Móvel 2 Motivação Contato maior com telefonia no Projeto Aplicativo para Mobilidade Urbana;

Leia mais

Samsung GT-E2530 GSM GPRS EDGE*** (850/900/1800/1900 MHZ)

Samsung GT-E2530 GSM GPRS EDGE*** (850/900/1800/1900 MHZ) Última versão de software homologada pela VIVO: E2530VIKA1 DESTAQUES DO APARELHO Nome comercial: Samsung GT-E2530 Câmera digital integrada (1.3M Pixel) com captura de vídeo (zoom 2 vezes); Display interno

Leia mais

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO)

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) Há vários tipos de sistemas de gravações digitais. Os mais baratos consistem de uma placa para captura de vídeo, que

Leia mais

ferramentas da imagem digital

ferramentas da imagem digital ferramentas da imagem digital illustrator X photoshop aplicativo ilustração vetorial aplicativo imagem digital 02. 16 imagem vetorial X imagem de rastreio imagem vetorial traduz a imagem recorrendo a instrumentos

Leia mais

Conexão Sem Fio Guia do Usuário

Conexão Sem Fio Guia do Usuário Conexão Sem Fio Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. Bluetooth é marca comercial dos respectivos

Leia mais

LG MG 110 Tela colorida. Agenda com 200 posições de memória no TIMChip + 500 registros no aparelho. Jogos. Calculadora, calendário, conversor de moedas, despertador, data e hora e alerta vibratório. TIM

Leia mais

LG Wink Style T310 GSM GPRS EDGE*** (850/900/1800/1900 MHZ)

LG Wink Style T310 GSM GPRS EDGE*** (850/900/1800/1900 MHZ) Última versão de software homologada pela VIVO: LGT310AT-01-V10b-724-06-OCT-24-2010 DESTAQUES DO APARELHO Nome comercial: LG Wink Style T310 Display Full Touchscreen de 2.8" polegadas de TFT com 262 mil

Leia mais

INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO

INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO Ramon R. Rabello, Pedro J. Treccani, Thienne M Johnson Universidade da Amazônia, Av Alcindo Cacela, 287, Belém, PA CEP 66092-010 ramon.rabello@gmail.com,

Leia mais

Aprenda a Trabalhar com Telemensagens

Aprenda a Trabalhar com Telemensagens Aprenda a Trabalhar com Telemensagens 1 Incluindo dicas de Cestas, Flores, Presentes e Internet Do Iniciante ao Profissional www.as2.com.br 1 Aprenda a Trabalhar com Telemensagens FASCÍCULO 1 Adquira o

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Tópicos Especiais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Tópicos Especiais Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao Tópicos Especiais Evolução da Convergência Digital

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Redes Sem Fio e Móveis

Redes Sem Fio e Móveis Telecomunicação Redes Sem Fio e Móveis Geraldo Robson. Mateus Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Belo Horizonte - MG Tecnologia de comunicação à distância que possibilita

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Formatos de Imagens

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Formatos de Imagens IntroduçãoàTecnologiaWeb HTML HyperTextMarkupLanguage XHTML extensiblehypertextmarkuplanguage FormatosdeImagens ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger FormatosdeImagens Índice 1 FORMATOS

Leia mais

Nokia C2 (C2-01) GSM GPRS EDGE (850/900/1800/1900 MHZ) WCDMA (850/1900/2100)

Nokia C2 (C2-01) GSM GPRS EDGE (850/900/1800/1900 MHZ) WCDMA (850/1900/2100) Última versão de software homologada pela VIVO: 10.50 DESTAQUES DO APARELHO Nome Comercial: Nokia C2 (Número do Modelo: C2-01) Tecnologia Bluetooth 2.1 + EDR estéreo; Display LCD de 2.0 polegadas com 262

Leia mais

Cap. 3 Redes sem fios

Cap. 3 Redes sem fios Sistemas de Telecomunicações 2 Sistemas Avançados de Telecomunicações (2004/2005) Cap. 3 Redes sem fios 3.1 Introdução às redes celulares 1 Sumário Conceito de sistema celular Sistemas celulares 1G Sistemas

Leia mais

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Fabrício Brasiliense Departamento de Informática e Estatística(INE) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Campus Universitário Trindade-

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Transmissão de seqüências de imagens através da rede celular GSM/EDGE

Transmissão de seqüências de imagens através da rede celular GSM/EDGE Transmissão de seqüências de imagens através da rede celular GSM/ Cleimar José Salvador (1), Patrick Hedlund Rosa (2), Diego da Silva de Medeiros (3) Fabrício Emydio da Silva (4), Mario Noronha Neto (5),

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social O SISTEMA DE RÁDIO DIGITAL: A MODERNIZAÇÃO DO M.C.M. MAIS POPULAR DO PLANETA Texto redigido para embasar apresentação de seminário na

Leia mais

Entenda os formatos mais populares de vídeo

Entenda os formatos mais populares de vídeo Entenda os formatos mais populares de vídeo Com o grande crescimento da internet banda larga no país muitos internautas estão cada vez mais tendo contato com arquivos de vídeo, tanto na visualização online

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

3 Apresentação do caso

3 Apresentação do caso 3 Apresentação do caso Neste capítulo será contextualizado o mercado de telefonia móvel no Brasil, com a descrição dos principais concorrentes e a participação de mercado de cada um deles, a apresentação

Leia mais

A Plataforma Java 2 Micro Edition Aplicada em Dispositivos Móveis: Sistemas Embarcados para Telefones Celulares

A Plataforma Java 2 Micro Edition Aplicada em Dispositivos Móveis: Sistemas Embarcados para Telefones Celulares Engineering for a better life Universidade Federal do Maranhão A Plataforma Java 2 Micro Edition Aplicada em Dispositivos Móveis: Sistemas Embarcados para Telefones Celulares Monografia BRUNO FERNANDES

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 7 Na minha opinião o telemovél na sociedade tem uma boa vantagem porque com tem uma grande mobilidade (pode-se levar para todo o lado), através dele podemos entrar em contacto com amigos ou familiares

Leia mais

BlackBerry 8520 (Curve) GSM GPRS EDGE (850/900/1800/1900 MHZ)

BlackBerry 8520 (Curve) GSM GPRS EDGE (850/900/1800/1900 MHZ) Última versão de software homologada pela VIVO: 5.0.0.592 DESTAQUES DO APARELHO Câmera digital integrada (2.0M Pixel) zoom 5 vezes; Smartphone com sistema operacional RIM OS Java based 4.6.1; WIFI (WLAN

Leia mais

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo Programação para Dispositivos Móveis Prof. Wallace Borges Cristo Acesso a informação Notícias, Ringtones, Vídeos Messenger/Chat Jogos Acesso a instituições financeiras M-commerce (Mobile Commerce) Aplicações

Leia mais

Rádio WAP: Você já ouviu?

Rádio WAP: Você já ouviu? Rádio WAP: Você já ouviu? Este tutorial apresenta os conceitos e características da aplicação Rádio WAP, serviço que pode ser oferecido pelas operadoras de Telefonia Celular para seus assinantes. Ricardo

Leia mais

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital Sistema de rádio bidirecional digital profissional Mude para digital Por que o rádio bidirecional digital? Mais capacidade do sistema Melhor Produtividade Excelente desempenho em comunicações bidirecionais

Leia mais

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006)

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) Marcelo Santos Daibert Juiz de Fora Minas Gerais Brasil

Leia mais

MICROSOFT POWER POINT 2003

MICROSOFT POWER POINT 2003 MICROSOFT POWER POINT 2003 APOSTILA PAGINAS.TERRA.COM.BR/EDUCACAO/INFOCAO 1 Sumário Software de Apresentação 03 Exemplos de Software de Apresentação 04 Considerações para uma boa Apresentação 05 Apresentações

Leia mais

NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T

NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T ANEXO 5 NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T Uma das vantagens mais marcantes do ISDB-T é a sua flexibilidade para acomodar uma grande variedade de aplicações. Aproveitando esta característica única do ISDB-T, vários

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA 1. TENDÊNCIAS EM SISTEMAS DE MICROCOMPUTADORES Existem várias categorias principais de sistemas de computadores com uma diversidade de características e capacidades. Consequentemente, os

Leia mais

7 Introdução ao uso do LibreOffice Impress

7 Introdução ao uso do LibreOffice Impress Introdução a Informática - 1º semestre AULA 04 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Criar apresentações básicas com uso do LibreOffice Impress; o Manipular a estrutura de tópicos para a digitação de

Leia mais

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. Bluetooth

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia Prof. Daniel Hasse Multimídia e Hipermídia AULA 02 Agenda: Algoritmos de Codificação/Decodificação; Codec de Áudio. Atividade complementar. Algoritmos de Codificação/Decodificação - Comunicação tempo real,

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS A Internet global A World Wide Web Máquinas de busca Surgiram no início da década de 1990 como programas de software relativamente simples que usavam índices de palavras-chave.

Leia mais

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME Java para Dispositivos Móveis Desenvolvendo Aplicações com J2ME Thienne M. Johnson Novatec Capítulo 1 Introdução à computação móvel 1.1 Computação móvel definições Computação móvel está na moda. Operadoras

Leia mais

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4)

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) 1 Classificação da imagem Em relação à sua origem pode-se classificar uma imagem,

Leia mais

CÓDIGO DE MÁQUINA, LINGUAGEM DE MÁQUINA

CÓDIGO DE MÁQUINA, LINGUAGEM DE MÁQUINA MACHINE CODE MACHINE-LEGIBLE MACRO MAGNETO RESISTIVE HEAD MAIL BOMBING MAIL SERVER MAN (METROPOLITAN AREA NETWORK) MAP CÓDIGO DE MÁQUINA, LINGUAGEM DE MÁQUINA 83 O resultado final da compilação de um assembly

Leia mais

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08 Wireless Sistemas de Informação Crescimento da Rede Wireless 1 Caso de Estudo: Intel, etc. Tempo dispendido por ligação em média m 5 minutos para cada nova ligação; Independência do local de trabalho dentro

Leia mais

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Mauro Nacif Rocha DPI/UFV 1 Conceitos Básicos Sistema móvel celular (SMC) Estrutura em célula. Célula é uma área geográfica coberta por um transmissor de baixa

Leia mais

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Olá, seja bem-vindo à primeira aula do curso para desenvolvedor de Android, neste curso você irá aprender a criar aplicativos para dispositivos

Leia mais

Formação Movie Maker. FORMAÇÃO PERMANENTE PARA PROFESSORES DO LEI Dias 18 e 19 de setembro de 2014

Formação Movie Maker. FORMAÇÃO PERMANENTE PARA PROFESSORES DO LEI Dias 18 e 19 de setembro de 2014 Formação Movie Maker FORMAÇÃO PERMANENTE PARA PROFESSORES DO LEI Dias 18 e 19 de setembro de 2014 Sobre mim Antônio José Instrutor de Informática Desenvolvedor web Técnico em Informática Contatos: http://www.conceitomaster.com.br

Leia mais

ESTUDO PARA MONITORAR A POTÊNCIA DO SINAL RECEBIDO EM DISPOSITIVOS COMPATÍVEIS COM A TERCEIRA GERAÇÃO EM UMA ÁREA URBANA

ESTUDO PARA MONITORAR A POTÊNCIA DO SINAL RECEBIDO EM DISPOSITIVOS COMPATÍVEIS COM A TERCEIRA GERAÇÃO EM UMA ÁREA URBANA ESTUDO PARA MONITORAR A POTÊNCIA DO SINAL RECEBIDO EM DISPOSITIVOS COMPATÍVEIS COM A TERCEIRA GERAÇÃO EM UMA ÁREA URBANA Heitor Ferreira Camargos Silva, Diego de Brito Piau, Caio Matheus Pereira Braga,

Leia mais

NTT Docomo, KDDI, Softbank. MAC 0463/5743 Computação Móvel Marcelo de Rezende Martins

NTT Docomo, KDDI, Softbank. MAC 0463/5743 Computação Móvel Marcelo de Rezende Martins NTT Docomo, KDDI, Softbank MAC 0463/5743 Computação Móvel Marcelo de Rezende Martins Introdução Japão é líder em tecnologia móvel de telefone; Aproximadamente 85% da população possue celular; 40% dos investimentos

Leia mais

Pré-Projeto do Trabalho de Conclusão de Curso Tiago Garcia Pereira 1. INTRODUÇÃO

Pré-Projeto do Trabalho de Conclusão de Curso Tiago Garcia Pereira 1. INTRODUÇÃO UM PADRÃO ABERTO DE SOFTWARE PARA COMPUTAÇÃO MÓVEL: UM ESTUDO SOBRE GOOGLE ANDROID 1. INTRODUÇÃO O aumento do número usuários de dispositivos móveis atrai cada vez os desenvolvedores a produzir aplicações

Leia mais

A mobilidade da HP em suas mãos

A mobilidade da HP em suas mãos Pocket PCs HP ipaq e Smartphones A mobilidade da HP em suas mãos A mobilidade em suas mãos Hoje em dia, os negócios exigem que você fique o tempo todo conectado. Mas não basta ficar conectado, é preciso

Leia mais

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long 16 1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long Term Evolution) e WiMAX [11]. A tecnologia LTE é um

Leia mais

Banco de Dados Multimídia

Banco de Dados Multimídia Banco de Dados Multimídia Nomes: Ariane Bazilio Cristiano de Deus Marcos Henrique Sidinei Souza Professor Mauricio Anderson Perecim Conteúdo Banco de Dados Multimídia... 3 Conceitos... 3 Descrição... 3

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

1.0 Apresentação. 2.0 O que é o produto? 3.0 Do que é composto? 4.0 Como funciona? 5.0 Instalando a interface da Rec-All mono (Hardware)

1.0 Apresentação. 2.0 O que é o produto? 3.0 Do que é composto? 4.0 Como funciona? 5.0 Instalando a interface da Rec-All mono (Hardware) 1.0 Apresentação 2.0 O que é o produto? 3.0 Do que é composto? 4.0 Como funciona? 5.0 Instalando a interface da Rec-All mono (Hardware) 6.0 Instalando o Software Rec-All mono 7.0 Configuração do Software

Leia mais

Utilização do Sistema Multimédia. 2. Formatos de ficheiros 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens. 2. Formatos de ficheiros

Utilização do Sistema Multimédia. 2. Formatos de ficheiros 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens. 2. Formatos de ficheiros Utilização do Sistema Multimédia 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens 2.1. Compressão Formatos com e sem compressão Técnicas de compressão (reduzem tamanho) de 2 tipos: Compressão

Leia mais

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS GAME OF MEMORY TO MOBILE DEVICES

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS GAME OF MEMORY TO MOBILE DEVICES JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS GAME OF MEMORY TO MOBILE DEVICES Célia Hirata Aoki - celia@unisalesiano.edu.br Prof. M.Sc. Anderson Pazin - pazin@unisalesiano.edu.br RESUMO As fortes expansões

Leia mais

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25 Mestre em Informática Página 1 de 25 Roteiro Introdução Definição História Requerimentos IMT-Advanced Padrões 4G LTE Advanced Padrões 4G WirelessMAN Advanced 4G no Brasil Perguntas Página 2 de 25 Introdução

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

Redes de Telefonia Móvel Celular. Sumário. Introdução

Redes de Telefonia Móvel Celular. Sumário. Introdução Redes de Telefonia Móvel Celular $OXQR &DUORV $OEHUWR 9LHLUD &DPSRV 2ULHQWDGRU /XtV )HOLSH 0DJDOKmHV GH 0RUDHV Sumário Introdução Evolução das redes celulares Comparação entra algumas tecnologias Arquitetura

Leia mais

1.0 Apresentação. 2.0 O que é o produto? 3.0 Do que é composto? 4.0 Como funciona? 5.0 Instalando a interface da Call Rec (Hardware)

1.0 Apresentação. 2.0 O que é o produto? 3.0 Do que é composto? 4.0 Como funciona? 5.0 Instalando a interface da Call Rec (Hardware) 1.0 Apresentação 2.0 O que é o produto? 3.0 Do que é composto? 4.0 Como funciona? 5.0 Instalando a interface da Call Rec (Hardware) 6.0 Instalando o Software Call Rec 7.0 Configuração do Software Call

Leia mais