GATA - Gestão de Agrupamento de computadores como Tecnologia Aplicada ao projeto Condomínio Virtual

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GATA - Gestão de Agrupamento de computadores como Tecnologia Aplicada ao projeto Condomínio Virtual"

Transcrição

1 GATA - Gestão de Agrupamento de computadores como Tecnologia Aplicada ao projeto Condomínio Virtual Mauro Oliveira 1, Márcia Tonieto 2, Fernando Eryck Costa e Silva 2, Abner Mesquita 2 1 Centro Federal de Educação Tecnológica do Ceará CEFET Ceará Fortaleza Ceará Brasil 2 Laboratório de Redes e Sistemas Multimídia - LAR Fortaleza Ceará Brasil Abstract. GATA (Management Group of computers with Applied Technology) system is a distributed architecture applied to a socio-educational project called Condomínio Virtual. This architecture has been also used in the Pimenter, an environment which proposes to keep the personal computer connected 24 hours a day to the Internet. The Condomínio Virtual is a project of popularization of Internet access in poor communities. It uses innovative strategies in education such as BILA (library integrated to the LAN House) in which one hour of reading allows one hour of computer. The main objective of the project is to provide broadband for the Condomínio Virtual in order to help the Internet inclusion and also to make it self-sustainable, for example, Data Processing Outsourcing Services. Keys-words: Distributed architecture. Internet inclusion. Education and computer. Resumo. Este trabalho apresenta o GATA (Gestão de Agrupamento de computadores com Tecnologia Aplicada), um sistema distribuído aplicado a um projeto sócio-educacional denominado Condomínio Virtual. A arquitetura distribuída do GATA foi importada do Pimenter, um ambiente que propõe a otimização do uso de computadores pessoais, mantendo-os ligados permanentemente e conectados 24 horas/dia à Internet. O Condomínio Virtual é um projeto de popularização de acesso à Internet em comunidades carentes utilizando estratégias inovadoras em educação tais como a BILA (Biblioteca integrada à LAN House), onde uma hora de leitura dá direito à uma hora de uso do computador. Portanto, o principal objetivo do GATA é o provimento de Internet Banda Larga ao Condomínio Virtual seja auto-sustentável com a comercialização de processamento de dados outsourcing a partir dos computadores do projeto. Palavras-chave: Arquitetura distribuída. Inclusão digital. Educação e computador.

2 1. Introdução A exclusão digital aflige a sociedade brasileira, em especial as zonas rurais e as regiões periféricas das grandes cidades do País. Urgem, portanto, mecanismos criativos e eficientes que promovam a integração, em especial, do jovem na sociedade digital, facilitando sua realização pessoal e inserção no mercado de trabalho. Baseada em uma iniciativa bem sucedida denominada Pirambu Digital [PIRAMBU DIGITAL], argumentamos que é viável a inclusão social de jovens [Gil, 2008] de áreas de risco a partir do uso de tecnologia digital. O Condomínio Virtual é uma das atividades do Pirambu Digital que visa integrar comunidades de regiões menos aquinhoadas aos recursos tecnológicos do mundo digital, notadamente o acesso à Internet [Rocha, 2007]. Para dar sustentabilidade técnica e econômica ao Condomínio Virtual é adaptada uma arquitetura distribuída, desenvolvida inicialmente para o projeto PIMENTER [Julião, 2007]. O projeto PIMENTER propõe três cenários [Silva, 2008]: PIMENTER Residencial, PIMENTER Distribuído e PIMENTER Integrado. O cenário Residencial trata de automação e conceitos de domótica [REFERENCIA]. O cenário Distribuído parte do princípio de que é factível imaginarmos dezenas (senão centenas, milhares, etc.) de computadores conectados à Internet, gerenciados sob forma de clusters, grades computacionais [REFERÊNCIAS], ou cloud computing [REFERENCIAS]. O cenário Integrado propõe o uso dos cenários anteriores em áreas sociais e de domínio conexo. A partir da concepção do PIMENTER Distribuído é sugerida uma arquitetura de gestão que permite o uso desses computadores por aplicações alheias ao domínio de interesse dos proprietários. Outsourcing de processamento de dados é um exemplo típico desse cenário. Trata-se de uma espécie de terceirização de processamento. Muitas empresas ou instituições não têm interesse em manter um setor específico para processamento de seus dados e outorgam esta tarefa a empresas especializadas. A arquitetura do PIMENTER Distribuído integra-se ao Condomínio Virtual na gestão de seus computadores pessoais (PCs). A idéia principal está relacionada ao compartilhamento de recursos, usando os PCs em momentos ociosos para processar tarefas (Jobs) alheias ao Condomínio Virtual. Desta forma, é possível gerar renda para a auto-sustentabilidade do Condomínio Virtual, seguindo um modelo de outsourcing de processamento de dados. Este trabalho apresenta o sistema GATA (Gestão de Agrupamento de computadores com Tecnologia Aplicada) [Oliveira, 2008], uma arquitetura distribuída aplicado ao projeto Condomínio Virtual. É importante destacar que a arquitetura do GATA é importada do PIMENTER Distribuído, um protótipo associado à arquitetura de gestão do PIMENTER. 2. Condomínio Virtual O Condomínio Virtual pode ser considerado uma iniciativa sócio-educacional, pois além de proporcionar acesso auto-sustentável à Internet, também proporciona atividades inovadoras na área de informática educativa, como a BILA (Biblioteca Integrada à LAN House), descrita neste trabalho.

3 O Condomínio Virtual consiste em um empreendimento inovador de inclusão sócioeducativa com tecnologia digital, proporcionando aos grupos de comunidades carentes o acesso de baixo custo a computadores pessoais, à Internet e a treinamentos em informática. Assim, os recursos disponibilizados (computador e Internet) são utilizados de forma otimizada. O acesso desses grupos à Internet é viabilizado por um provedor local, baseado na idéia de um condomínio residencial. É identificado um morador da comunidade, de preferência uma liderança local (síndico), que se comprometa em gerenciar seus vizinhos (condôminos) interessados em participar do condomínio virtual. Sendo o responsável pela recepção do sinal (antena receptora) e pelo seu compartilhamento (distribuição do acesso à Internet), o síndico é também o coordenador /mediador das inúmeras situações de relacionamento com seus condôminos. Figura 1 Condomínio Virtual 2.1. Impacto Social Os impactos sociais esperados, no âmbito deste projeto, estão relacionados de forma imediata a uma transformação na realidade dos bairros Pirambu e Titanzinho, locais de realização da pesquisa, e de forma ampla a uma transformação cultural e sócioeconômica na sociedade. Dentre esses impactos, está a democratização do uso de computadores pessoais e o acesso à Internet, permitindo uma efetiva inclusão digital de bairros periféricos e carentes e proporcionando o surgimento de uma comunidade on-line. Por exemplo, endereços eletrônicos dos membros da comunidade, participação em sites de relacionamento, páginas com fins de divulgação de sua atividade econômica, endereços de personalizados, acesso dos moradores aos produtos e serviços de seu bairro, programas de ensino e educação sem sair de casa, etc.

4 A criação de Condomínios Virtuais insere-se neste contexto. É um desafio ousado que tem o anseio de promover uma mudança social e econômica na vida dos envolvidos, na medida em que agrega valores como a solidariedade, o relacionamento saudável entre vizinhos, a consciência da responsabilidade social e também contribui para o desenvolvimento econômico da comunidade. O Condomínio Virtual proporciona, portanto, o compartilhamento de tecnologia, o conhecimento e a solidariedade, contribuindo para a geração de renda e para o crescimento do indivíduo, além do desenvolvimento sócio-econômico local. Nesta perspectiva, pretende-se que o projeto possa ser replicado em outras localidades e se torne, efetivamente, modelo de Inclusão Sócio-Digital. Como conseqüência, possibilitará o acesso a programas de Educação a distância EAD e a disseminação à cultura nas camadas sociais menos favorecidas em todo o país BILA Biblioteca Integrada à LAN House O projeto Condomínio Virtual tem como objetivo o acesso à Internet para comunidades carentes, associadas às atividades educacionais a serem desenvolvidas em escolas, associações comunitárias, etc. Dentre essas atividades, destaca-se a BILA - Biblioteca Integrada a LAN House. Uma biblioteca, embora seja uma instituição milenar, nem sempre atrai a população e cumpre seu papel de incentivar a leitura e transmitir cultura, principalmente num bairro de baixo nível de desenvolvimento humano (IDH) e por conseqüência baixo nível cultural. As Tecnologias da Informação e Comunicação - TICs são atrativas pela repercussão que causam no cotidiano das pessoas, seja pela necessidade e facilidades que proporcionam ou pelo simples entretenimento. A BILA une a atratividade da tecnologia da informação ao mundo da leitura, onde o usuário paga pelo direito ao uso do computador e acesso à internet: Uma hora de leitura dá direito à uma hora de acesso à Internet. A iniciativa visa: - Oferecer oportunidade aos moradores do Condomínio Virtual, crianças, jovens e até mesmo adultos de terem acesso a uma biblioteca local e despertar nestes o gosto pela leitura, promovendo, assim uma nova cultura, tendo como atrativo uma LAN House; - Criar nos bairros periféricos, com alta densidade populacional e falta de espaço destinado à cultura, um ambiente informatizado que proporcione oportunidade aos jovens para atividades culturais, realização de tarefas escolares, comunicação com amigos ou mero entretenimento, capaz de desviar atrativos perigosos; - Dar aos moradores do bairro a oportunidade de usufruírem do mundo da tecnologia, estabelecendo linhas de comunicação, diversão e cultura; - Contribuir para a melhoria da qualidade de vida das pessoas e ser referência na educação alternativa para a comunidade.

5 Ao facilitar o acesso à tecnologia da informação em troca de leitura, espera-se estar estimulando nas crianças e jovens um hábito de leitura e acesso à informação nos adultos de amanhã. A popularização e disseminação da metodologia adotada pretendem fazer com que a BILA faça parte do cotidiano do Condomínio Virtual. 3. O projeto PIMENTER Os computadores pessoais, em sua maioria, ficam desligados na maior parte do tempo, seja nos escritórios, em universidades ou residências. Mesmo quando ligados, os usuários não fazem uso otimizado de todo poder de processamento disponível, desperdiçando assim recursos computacionais e, conseqüentemente, recursos financeiros, investidos na compra de tais equipamentos. O projeto PIMENTER propõe uma mudança de paradigma no uso de computadores pessoais, transformando estes equipamentos ociosos em dispositivos domésticos inteligentes de acesso remoto e prestando numerosos e novos serviços aos usuários, estejam eles próximos ou distantes. O objetivo do Pimenter é, então, manter o computador pessoal permanentemente ligado, a exemplo da geladeira, do celular, etc.. Assim, podemos considerar a existência de um aglomerado (dezenas, centenas, milhares, etc) de computadores pessoais ligados 24h por dia à Internet, seja no âmbito de uma empresa, um bairro, uma cidade, etc. No contexto desse trabalho, iremos considerar um agrupamento de computadores em um Condomínio Virtual. A GATA é uma arquitetura de gestão que objetiva usar o poder de processamento desse aglomerado em outras tarefas computacionais, externas ao universo de seus usuários. Se de um lado o PIMENTER atinge seu objetivo ao motivar usuários a manterem seus PCs ligados ao saírem de casa ou do escritório, devido aos inúmeros serviços pessoais que eles proporcionam, a idéia central da GATA é usufruir da nova estrutura computacional, um agrupamento de PCs que disponibilizam sua capacidade de processamento na consecução de propósitos distribuídos. 4. O PIMENTER distribuído O PIMENTER Share Center PSC é uma aplicação do PIMENTER Distribuído, associada a uma arquitetura de gestão. Um dos objetivos do PSC é realizar o processamento de tarefas para clientes que não possuem grande poder computacional, a partir dos recursos computacionais disponíveis. Tais tarefas podem envolver desde qualquer processamento simples até o cálculo intensivo de aplicações iterativas, que exigem grande poder de processamento e/ou gestão de grandes volumes de dados. Além do aumento do desempenho para o processamento de aplicações de clientes, como justificado acima, o PSC pode trazer benefícios financeiros às organizações ou empresas, disponibilizando para tanto seus recursos computacionais. Esses benefícios seriam baseados no modelo de negócio de processamento de dados outsourcing (Business Process Outsourcing). A Figura 2 ilustra uma utilização simples do PSC. Nela, percebe-se o Cliente Outsourcing, um usuário do sistema com uma determinada demanda de dados a serem processados. Para tanto, por meio de uma interface gráfica (portal do PSC) o Cliente

6 Outsourcing pode enviar tasks (tarefas) para serem processadas nos computadores pessoais da Floresta de PIMENTERS (Condomínio Virtual, por exemplo) que tenham seus recursos subutilizados ou ociosos. Portal PSC PIMENTER Gerente Cliente Outsourcing Floresta PIMENTER Figura 2 Cenário do PIMENTER Share Center (PSC) Uma vez que o cliente outsourcing tenha solicitado a execução da tarefa pelo portal PSC, o PIMENTER Gerente administra essas requisições, distribuindo-as para os computadores com recursos disponíveis na Floresta de PIMENTERS. Após o processamento das tarefas os resultados são devolvidos ao cliente através do Portal PSC. Esse cenário é uma aplicação de outsourcing de processamento, onde as aplicações típicas podem ser: a geração de vídeo 3D de alta resolução em tempo real, a conversão de formatos de vídeo de longa duração e alta qualidade, o processamento e análise de imagens médicas, a prospecção de petróleo, entres outras. 5. Arquitetura de gestão A arquitetura do sistema de gestão do PIMENTER Share Center é composta por dois blocos: Filtro e Escalonador (Figura 3). As camadas contidas no retângulo correspondem ao bloco Escalonador. O bloco superior (Filtro) corresponde ao portal PIMENTER. Este também é responsável por fazer a seleção dos Jobs (trabalhos) que podem ser processados na Floresta PIMENTER (Flop). Situado acima do bloco Filtro está o cliente outsourcing e abaixo do bloco Escalonador aparece a Flop Filtro O bloco denominado filtro é responsável por receber, selecionar, armazenar e atribuir uma marcação para o trabalho submetido pelo cliente. O Filtro está subdividido em quatro camadas, como mostrado na Figura 5.7:

7 Interface de entrada: Consiste em um portal Web onde o cliente efetua seu login e senha. Em seguida, submete o job para o sistema; Análise: Esta camada é subdividida em duas partes (Seleção e Configurações Estáticas CE). Sua função é fazer a classificação do job segundo as regras estabelecidas nas CE; Marcação: Realiza a identificação dos Jobs ao serem aceitos pelo sistema; Buffer: Armazena temporariamente as tarefas enviadas pelos clientes Escalonador Figura 3 Arquitetura de gestão detalhada. Escalonador é o bloco responsável por verificar constantemente o estado da Floresta PIMENTER e selecionar os PIMENTERs adequados para realizar o processamento requerido pelo Cliente Outsourcing. Dentre as funções do bloco escalonador estão às funções das camadas constituídas por este (Figura 5.7): Gerente: Esta camada é responsável por transportar o pacote job entre a camada filtro e o fragmentador. Além disso, é responsável por adicionar ao pacote as informações de quantas tarefas (tasks) o job deve ser dividido e quais os PIMENTERs adequados para realizarem as tasks. Fragmentador: Este bloco consiste em uma camada intermediária, entre o gerente e o Relacionador, responsável pelo particionamento dos jobs. Através da informação fornecida anteriormente pelo gerente, o fragmentador particiona os jobs na quantidade de PIMENTERs informado.

8 Relacionador: O Relacionador corresponde à camada inferior do bloco Escalonador. Este é responsável por garantir que todas as tasks enviadas para a Floresta PIMENTER sejam processadas corretamente. A camada relacionadora também é responsável pela unificação das tasks processadas, resultando em um único job devolvido ao portal Web. 6. Aspectos de implementação O protótipo do PIMENTER Share Center foi desenvolvido como prova de conceito do cenário PIMENTER Distribuído Interface do Sistema A interface consiste de um sistema gerenciador PSC cuja função é disponibilizar algumas informações coletadas pelo PIMENTER Gerente. A partir destas informações é possível identificar o status do PIMENTER (ocioso ou não ocioso), memória disponível, freqüência do processador, nome do PIMENTER (PC do usuário). Estas informações são coletadas periodicamente e enviadas ao PIMENTER Gerente a partir de um agente denominado PIMENTER Manager Control Center. Na Figura 4 pode ser visualizada a interface do agente. Este agente funciona como uma espécie de porta de processamento dos jobs (trabalhos) enviados do PIMENTER Gerente para o cliente. Sua instalação é feita de forma paralela à instalação do PIMENTER Intelligent Home, sistema para monitoramento e controle da casa inteligente no PIMENTER do usuário. Além de servir como porta de processamento, é função também do agente verificar a cada intervalo de tempo o estado atual de cada PIMENTER que compõe a Floresta de PIMENTER. Desta forma, para cada PIMENTER que ingressa na Flop é criado um ID (Identificador) único na rede para sua identificação e comunicação com o PSC Gerente e os demais PIMENTERs na floresta. Figura 4 Tela de login do Agente PIMENTER Manager Control Center. De acordo com o registro de cada PIMENTER junto a Flop é feita a modelagem da comunidade, constituindo os grupos a partir das configurações (processador, memória, etc.) de cada PIMENTER. Os grupos são formados para o posterior envio das tarefas que serão processadas. Por exemplo, um job submetido pelo

9 cliente é filtrado verificando se é possível ou não executar o processamento do job em questão. Sendo possível e se o job exigir alto desempenho da floresta, tempo máximo de processamento, robustez e paralelismo serão selecionados pelo PSC Gerente os PIMENTERs que poderão realmente atender a demanda do cliente em um tempo hábil. Como há uma lista com a relação dos PIMENTERs que compõem a Flop, o PSC Gerente selecionará o grupo formado por PIMENTERs com recursos computacionais ociosos e que poderão dar um melhor desempenho para o processamento do job. Uma vez selecionado o grupo que fará o processamento, o job é enviado e, conseqüentemente, processado. 7. Conclusões A aplicação do GATA no Condomínio Virtual tem a intenção de se tornar fonte de geração de renda para os participantes da comunidade, na medida em que este projeto supõe a possibilidade de negócio com a comercialização do processamento de dados outsourcing nos computadores do Condomínio Virtual. Como já dito, no Condomínio Virtual há de se destacar a idéia intrínseca advinda do conceito de condomínio residencial, onde é identificada uma liderança, o Síndico Virtual, capaz de gerenciar e de convencer seus vizinhos a se tornarem Condôminos Virtuais. Merecem destaque duas conseqüências principais da implantação de Condomínios Virtuais: - A criação de uma rede de informação colaborando para a divulgação das atividades realizadas pelos moradores, sejam comerciais, artesanais ou artísticas. Além disso, ser capaz de dinamizar as relações, a realização de eventos e o comércio local, contribuindo para a geração de renda; - O acesso da comunidade a computadores conectados a Internet banda larga, a inclusão digital, configuram-se como os elementos fundamentais na contribuição para a inserção dos participantes em projetos educacionais ou na propagação de estratégias inovadoras em educação, tal como a BILA (Biblioteca integrada à LAN House). Com a experiência do Pirambu Digital e sua replicação no bairro do Titanzinho em Fortaleza, comunidades com características sócio-econômicas idênticas, é intenção também a replicação do GATA, fazendo com que o projeto possa ser levado a outras localidades, servindo como ferramenta inovadora de desenvolvimento social. A proposta do sistema GATA é também inovadora ao agregar valores como a solidariedade, o relacionamento saudável entre vizinhos, a consciência da responsabilidade. Fazendo uso de estratégias utilizadas na economia solidária e na geração de renda, esta ação proporciona aos residentes do Condomínio Virtual o anseio de promoverem uma mudança social e econômica em suas vidas. 8. Referências GIL, Marta. O que é Inclusão Social. Disponível em: <http://www.tvebrasil.com.br/salto/boletins2002/ede/edetxt1.htm>.

10 JULIÃO, F.E.A. O Uso de WebServices no Ambiente Distribuído do Projeto PIMENTER p. Dissertação (Mestrado Profissional em Ciência da Computação) - Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza - CE. LOPES, Roberta. Pesquisa mostra que cerca de 20% da população brasileira tem computador em casa. Portal Serpro, Agência Brasil, DF 14 novembro Disponível em:< >. OLIVEIRA, A. M, B. GATA: Gestão de Agrupamento de Computadores como Tecnologia Aplicada ao Projeto Condomínio Virtual. Fortaleza: FINEP, p. (Relatório Subvenção Econômica). OLIVEIRA, Mauro; Gonçalvez, Hairon; Franklin, Miguel; Andrade, Rossana. Pimenter: O computador 24 horas. Fortaleza: CEFET-CE, p. PINHEIRO, S. M. J. A Inevitável Convergência das Tecnologias Disponível em: < >. PIRAMBU DIGITAL Cooperativa Pirambu Digital Site. Disponível em:<www.pirambudigital.com.br>. ROCHA, Pedro. Openbusiness: Um condomínio Virtual. Brasília DF Disponível em: <http://www.overmundo.com.br/overblog/openbusinessumcondominio-virtual>. SILVA, F.E.C. Concepção e implementação de cenários de aplicação do PIMENTER O computador 24 h p. Dissertação (Mestrado Profissional em Ciência da Computação) - Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza - CE.

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Agendamento de Atividades e Tarefas Apoiado por Sistemas Multiagente em Ambientes Virtuais de Aprendizagem

Agendamento de Atividades e Tarefas Apoiado por Sistemas Multiagente em Ambientes Virtuais de Aprendizagem Agendamento de Atividades e Tarefas Apoiado por Sistemas Multiagente em Ambientes Virtuais de Aprendizagem Márcia da C. Pimenta 1, José Francisco M. Netto 1 1 Programa de Pós-Graduação em Informática (PPGI)

Leia mais

Anexo II: Especificações da Chamada de Propostas de Pesquisa.

Anexo II: Especificações da Chamada de Propostas de Pesquisa. Anexo II: Especificações da Chamada de Propostas de Pesquisa. Os temas de interesse da Fapesp e da Telesp e que serão objeto de Chamadas de Propostas de Pesquisa para projetos de pesquisa cooperativa entre

Leia mais

O Impacto Sócio-Econômico da Banda Larga

O Impacto Sócio-Econômico da Banda Larga Instituto de Inovação com TIC O Impacto Sócio-Econômico da Banda Larga [ Flávia Fernandes Julho/2010] Banda Larga Internet A Internet supera a produtividade combinada do telefone, transporte e eletricidade

Leia mais

Desenvolvendo aplicações móveis integradas a redes sociais para o suporte de turistas no Brasil

Desenvolvendo aplicações móveis integradas a redes sociais para o suporte de turistas no Brasil Desenvolvendo aplicações móveis integradas a redes sociais para o suporte de turistas no Brasil Rossana M. C. Andrade 1,2, *, Márcio E. F. Maia 1,3, Paulo Henrique M. Maia 1 1 Grupo de Redes de Computadores,

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery Sistemas Operacionais Introdução Professora: Michelle Nery Área de Atuação do Sistema Operacional Composto de dois ou mais níveis: Tipo de Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Monotarefas Sistemas

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO.

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. OneIT A gente trabalha para o seu crescimento. Rua Bento Barbosa, n 155, Chácara Santo

Leia mais

Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro. Tania Regina Tronco

Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro. Tania Regina Tronco Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro Tania Regina Tronco Data: 15/04/2009 Motivadores A evolução da Internet causará um forte impacto

Leia mais

CONCEPÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE CENÁRIOS DE APLICAÇÃO DO PIMENTER O COMPUTADOR 24 h

CONCEPÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE CENÁRIOS DE APLICAÇÃO DO PIMENTER O COMPUTADOR 24 h UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ (UECE) CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA (CCT) CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ (CEFET-CE) DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO (DIPPG) MESTRADO PROFISSIONAL

Leia mais

O conceito de colaboração

O conceito de colaboração O conceito de colaboração O conceito de colaboração está ligado às técnicas que possibilitam que pessoas dispersas geograficamente possam trabalhar de maneira integrada, como se estivessem fisicamente

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

Projeto Blogs! Paraná. Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar).

Projeto Blogs! Paraná. Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar). Projeto Blogs! Paraná Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar). Introdução Enquanto a tecnologia avança vertiginosamente, o problema da exclusão digital persiste

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: AS NOVAS TECNOLOGIAS E O PAPEL DO TUTOR NA PERSPECTIVA DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: AS NOVAS TECNOLOGIAS E O PAPEL DO TUTOR NA PERSPECTIVA DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: AS NOVAS TECNOLOGIAS E O PAPEL DO TUTOR NA PERSPECTIVA DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Campo Grande MS abril de 2011 Ari Gonçalves Silva Universidade Anhanguera Uniderp laquicho13@yahoo.com.br

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

apresentação de serviços

apresentação de serviços apresentação de serviços Nos últimos 50 anos a humanidade gerou mais informações do que em toda sua história anterior. No mercado corporativo, o bom gerenciamento de informações é sinônimo de resultados.

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

Conceitos básicos de comunicação de dados e redes de computadores

Conceitos básicos de comunicação de dados e redes de computadores Conceitos básicos de comunicação de dados e redes de computadores Nesta aula vamos ver o conceito de informática e comunicação de dados, conhecer noções teleprocessamento e de rede de computadores e obter

Leia mais

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet 57 Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet Hoje em dia ter a Internet como aliada é um recurso indispensável para qualquer educador ou responsável por treinamento corporativo que atue em qualquer

Leia mais

POR QUE SUA EMPRESA DEVE SE ASSOCIAR À AURESIDE? Filiação categoria BETA Empresas de projeto, integração e instalação

POR QUE SUA EMPRESA DEVE SE ASSOCIAR À AURESIDE? Filiação categoria BETA Empresas de projeto, integração e instalação POR QUE SUA EMPRESA DEVE SE ASSOCIAR À AURESIDE? Filiação categoria BETA Empresas de projeto, integração e instalação Representatividade A AURESIDE atua no Brasil desde o ano 2000 e tem participado de

Leia mais

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 Daniel de Faveri HONORATO 2, Renato Bobsin MACHADO 3, Huei Diana LEE 4, Feng Chung WU 5 Escrito para apresentação

Leia mais

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 Elaine Turk Faria 1 O site do Ministério de Educação (MEC) informa quantas instituições já estão credenciadas para a Educação

Leia mais

Computação em Nuvem Apresentação Executiva

Computação em Nuvem Apresentação Executiva Expresso em Nuvem - Lançamento 2010 Computação em Nuvem Apresentação Executiva Apresentador: Wilton Mota Março de 2010 Institutional Presentation of SERPRO Agenda Institucional SERPRO; Conceitos de Computação

Leia mais

InteGrade: Middleware para Computação em Grade Oportunista

InteGrade: Middleware para Computação em Grade Oportunista InteGrade: Middleware para Computação em Grade Oportunista Fabio Kon (coordenador) Siang W. Song (vice) Universidades participantes: IME/USP, PUC-Rio, UFMS, UFG, UFMA São Paulo, Fevereiro de 2006 InteGrade

Leia mais

Uso de Softwares Livres para Educação Experiências Metasys. Home

Uso de Softwares Livres para Educação Experiências Metasys. Home Uso de Softwares Livres para Educação Experiências Metasys Experiência Metasys na Educação Projeto Escolas em Rede Pilotos UCA Projetos Internacionais Casos de Sucesso: Escolas em Rede Secretaria de Educação

Leia mais

Estratégia do Projeto Cyberela

Estratégia do Projeto Cyberela Estratégia do Projeto Cyberela 1. Situação antes do começo da iniciativa Apenas 32 milhões dos 180 milhões de brasileiros tem acesso à internet. Neste contexto de exclusão digital, as mulheres se encontram

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

UFF-Fundamentos de Sistemas Multimídia. Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN)

UFF-Fundamentos de Sistemas Multimídia. Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) Objetivos da Apresentação Apresentar as arquiteturas de Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) com a ilustração de aplicações em ambientes corporativos e residenciais.

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

PROCESSAMENTO DE DADOS 15/08

PROCESSAMENTO DE DADOS 15/08 PROCESSAMENTO DE DADOS 15/08 Coletar Informática Armazenar Disseminar Dados DADOS Elementos conhecidos de um problema INFORMAÇÃO Um conjunto estruturado de dados transmitindo conhecimento. Novas Tecnologias

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA IT Asset Manager como gerenciar o ciclo de vida de ativos, maximizar o valor dos investimentos em TI e obter uma exibição do portfólio de todos os meus ativos? agility made possible

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Estrutura do Sistema Operacional Principais Funções do Sistema Operacional Tratamento de interrupções e exceções Criação e

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações Universidade Estácio de Sá Informática e Telecomunicações A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Informatização e software para bibliotecas comunitárias

Informatização e software para bibliotecas comunitárias Informatização e software para bibliotecas comunitárias Lorena Tavares de Paula Diante da configuração social, na qual o acesso ao computador tornou-se um elemento presente na vida cotidiana de um número

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

2 Computação na Nuvem

2 Computação na Nuvem 18 2 Computação na Nuvem 2.1 Definição A ideia essencial da computação na nuvem é permitir um novo modelo onde o consumo de recursos computacionais, e.g., armazenamento, processamento, banda entrada e

Leia mais

Cloud Computing. O modelo no cenário Geoespacial. Technology Session Latin America Geospatial Forum. 15-17 August 2012 Rio de Janeiro

Cloud Computing. O modelo no cenário Geoespacial. Technology Session Latin America Geospatial Forum. 15-17 August 2012 Rio de Janeiro Cloud Computing O modelo no cenário Geoespacial Technology Session Latin America Geospatial Forum 15-17 August 2012 Rio de Janeiro Iara Musse Felix Diretora, Santiago e Cintra Consultoria, Brazil Alguns

Leia mais

Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software

Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software Capítulo 4 Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software 4.1 2007 by Prentice Hall Infra-Estrutura de TI: Hardware Componentes da Infra-Estrutura Hardware Software Tecnologia de gerenciamento de dados Tecnologia

Leia mais

MBA em Engenharia de Computação Avançada (MBCA)

MBA em Engenharia de Computação Avançada (MBCA) MBA em Engenharia de Computação Avançada (MBCA) : CATEGORIA: Curso de Pós-Graduação Latu-Senso - MBA ÁREA BÁSICA: Engenharia de Computação Avançada UNIDADE: CENTRO: Centro de Tecnologia (CT) COORDENADOR:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

Núcleo de Gestão do Porto Digital. Plano Bi-anual 2001-2002

Núcleo de Gestão do Porto Digital. Plano Bi-anual 2001-2002 Núcleo de Gestão do Porto Digital Plano Bi-anual 2001-2002 Identidade Missão A estruturação e gestão sustentável de um ambiente de negócios capaz de criar e consolidar empreendimentos de classe mundial

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM. Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar)

COMPUTAÇÃO EM NUVEM. Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar) COMPUTAÇÃO EM NUVEM Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Mih_nai@hotmail.com juliocesar@unipar.br Resumo. Este artigo contém a definição e citação

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA

Leia mais

gladiador INTERNET CONTROLADA

gladiador INTERNET CONTROLADA gladiador INTERNET CONTROLADA funcionalidades do sistema gladiador sistema Gerenciamento de usuários, gerenciamento de discos, data e hora do sistema, backup gladiador. Estações de Trabalho Mapeamento

Leia mais

Sistemas de Gerência de Bancos de Dados

Sistemas de Gerência de Bancos de Dados Sistemas de Gerência de Bancos de Dados - Módulo 8a - Armazenamento e Recuperação de Dados Geográficos modulo8a.prz 1 29/0 Tópicos Motivação Indexação Espacial Grid files Árvores-R e variantes Armazenamento

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente Documentos formam a grande massa de conhecimentos de uma organização seja ela privada ou pública, esses documentos em sua maioria são parte do seu patrimônio. A Gestão

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Curso Técnico em Informática Estrutura de Endereçamento IP e Mascara de Subrede Endereçamento IP e Classes Autoridade para Atribuição de Números da Internet http://www.iana.org/

Leia mais

Um Modelo de Inclusão Social com Tecnologia da Informação

Um Modelo de Inclusão Social com Tecnologia da Informação Um Modelo de Inclusão Social com Tecnologia da Informação Márcia Terezinha Tonieto João Paulo de Lima Rodrigues Francisco Gildenir Rodrigues da Silva Faculdade Lourenço Filho (FLF) Antônio Mauro Barbosa

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Evolução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Componentes de um sistema computacional Conceituação Características desejáveis Organização

Leia mais

Educação, Tecnologias e Formação de Professores

Educação, Tecnologias e Formação de Professores Educação, Tecnologias e Formação de Professores Luís Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas Coordenadoria Institucional de Educação a Distância Universidade Aberta do Brasil Aula Inaugural

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais UNIPLAC fabiterezo@hotmail.com 1. Introdução Com o advento dos computadores, dos programas de desenho, das impressoras

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Caminhos para as cidades digitais no Brasil. Campinas, 26 de março de 2009

Caminhos para as cidades digitais no Brasil. Campinas, 26 de março de 2009 Caminhos para as cidades digitais no Brasil Campinas, 26 de março de 2009 Atualmente, faz-se necessário o exame de meios que estimulem a difusão de cidades digitais sustentáveis pelo país, porque, além

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Introdução ao. Linux do MEC

Introdução ao. Linux do MEC Introdução ao Linux do MEC Abril/2006 ÍNDICE Software Livre 3 Linux do MEC 4 Inicializando e finalizando o sistema 5 Área de trabalho 6 Operações com arquivos 7 Administração do ambiente 9 Navegador Internet

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Nesse capítulo, apresentamos os trabalhos relacionados ao GridFS, entrando em mais detalhes sobre os sistemas citados durante a introdução e realizando algumas considerações sobre

Leia mais

Pirambu Digital USANDO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA INCLUSÃO SÓCIO-ECONÔMICA DE JOVENS EM UMA COMUNIDADE CARENTE COM BAIXO IDH

Pirambu Digital USANDO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA INCLUSÃO SÓCIO-ECONÔMICA DE JOVENS EM UMA COMUNIDADE CARENTE COM BAIXO IDH Pirambu Digital USANDO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA INCLUSÃO SÓCIO-ECONÔMICA DE JOVENS EM UMA COMUNIDADE CARENTE COM BAIXO IDH Mauro Oliveira & Marcia Tonieto Abril 2009 CENTRO DE PESQUISA E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Projetos de P&D em Tecnologia da Informação e Telecomunicações: A Atuação do Núcleo de Aplicação em Tecnologia da Informação - NATI

Projetos de P&D em Tecnologia da Informação e Telecomunicações: A Atuação do Núcleo de Aplicação em Tecnologia da Informação - NATI Projetos de P&D em Tecnologia da Informação e Telecomunicações: A Atuação do Núcleo de Aplicação em Tecnologia da Informação - NATI Fortaleza, 21 de setembro de 2006 1 15 Universidade de Fortaleza Perfil

Leia mais

Telecomunicações e Teleprocessamento

Telecomunicações e Teleprocessamento Telecomunicações e Teleprocessamento Telecomunicações Telecomunicações podem ser definidas como comunicações por meios eletrônicos, normalmente a grandes distâncias. Como veículos de transmissão podem

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

APOSTILA LINUX EDUCACIONAL

APOSTILA LINUX EDUCACIONAL MUNICÍPIO DE NOVO HAMBURGO DIRETORIA DE INCLUSÃO DIGITAL DIRETORIA DE GOVERNO ELETRÔNICO APOSTILA LINUX EDUCACIONAL (Conteúdo fornecido pelo Ministério da Educação e pela Pró-Reitoria de Extensão da UNEB)

Leia mais

Caso de sucesso. Impacto no Negócio. A Empresa

Caso de sucesso. Impacto no Negócio. A Empresa Escola disponibiliza acesso wireless de qualidade para alunos, funcionários e visitantes, e contribui para um aprendizado cada vez mais dinâmico. Com o objetivo de aperfeiçoar a iniciativa BYOD (Bring

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60

EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60 INTRODUÇÃO REDES EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60 Computadores eram máquinas grandes e complexas, operadas por pessoas altamente especializadas; Não havia interação direta entre usuários

Leia mais

Resumo cap. 4. Tecnologia de rede e telecomunicações - Proporciona a conectividade de dados, voz e vídeo a funcionários, clientes e fornecedores

Resumo cap. 4. Tecnologia de rede e telecomunicações - Proporciona a conectividade de dados, voz e vídeo a funcionários, clientes e fornecedores Resumo cap. 4 4.1) Infra-estrutura de TI: hardware As empresas contemporâneas exigem uma ampla variedade de equipamentos computacionais, software e recusos de comunicação apenas para funcionar e resolver

Leia mais

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Carlos Alberto Ferreira Bispo (AFA) cafbispo@siteplanet.com.br Daniela Gibertoni (FATECTQ) daniela@fatectq.com.br

Leia mais

Da cidade de pedra à cidade virtual

Da cidade de pedra à cidade virtual Cidades Infovia Inteligentes Municipal (Uma nova revolução social) Da cidade de pedra à cidade virtual Prof. Leonardo Mendes Departamento de Comunicações Fac. Engenharia Elétrica e de Computação UNICAMP

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Introdução Um sistema operacional é um programa que atua como intermediário entre o usuário e o hardware de um computador. O propósito

Leia mais

INCLUSÃO TECNOLÓGICA ATRAVÉS DE CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA NA INTERNET

INCLUSÃO TECNOLÓGICA ATRAVÉS DE CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA NA INTERNET 110. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

CURSO TECNOLÓGICO 2008/01 1º SEMESTRE. Programação e Estruturas de Dados Fundamentais

CURSO TECNOLÓGICO 2008/01 1º SEMESTRE. Programação e Estruturas de Dados Fundamentais 1º SEMESTRE Programação e Estruturas de Dados Fundamentais 8 Créditos Desenvolver a lógica de programação através da construção de algoritmos utilizando português estruturado Representar a solução de problemas

Leia mais

TNT Radar Manual do Usuário Versão 2.1 Fevereiro 2015.

TNT Radar Manual do Usuário Versão 2.1 Fevereiro 2015. TNT Radar Manual do Usuário Versão 2.1 Fevereiro 2015. Sumário 1 - Objetivo deste manual.... 3 2 - Bem vindo ao TNT Radar.... 4 3 - Perguntas e respostas sobre a ferramenta TNT Radar.... 5 4 - Acesso a

Leia mais

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0 Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema Inovação e Empreendedorismo Data: 02/04/2014 Versão 1.0 1. INTRODUÇÃO Os relatórios considerados para esta síntese foram: I Fórum

Leia mais

ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Beatriz Regina Tavares Franciosi * bea@inf.pucrs.

ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Beatriz Regina Tavares Franciosi * bea@inf.pucrs. ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Beatriz Regina Tavares Franciosi * bea@inf.pucrs.br * Anamaria Lopes Colla acolla@pucrs.br Marco Aurélio Souza Mangan * mangan@inf.pucrs.br

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Usina de Site em gênero Seus principais valores são: iniciativa, qualidade, criatividade, competência e profissionalismo. Ao adquirir serviços e

Usina de Site em gênero Seus principais valores são: iniciativa, qualidade, criatividade, competência e profissionalismo. Ao adquirir serviços e Usina de Site em número Uma agência, uma equipe, uma unidade. São vários membros, estilos diferentes e inúmeras habilidades que se complementam e dão um novo sentido à publicidade e propaganda, guiados

Leia mais

Grades Computacionais: Uma Introdução Prática

Grades Computacionais: Uma Introdução Prática Grades Computacionais: Uma Introdução Prática Raphael Y. de Camargo Ricardo Andrade Departamento de Ciência da Computação Instituto de Matemática e Estatística Universidade de São Paulo, Brasil São Paulo,

Leia mais

MBA em Tecnologia da Informação: Executivo (MBTI-e)

MBA em Tecnologia da Informação: Executivo (MBTI-e) MBA em Tecnologia da Informação: Executivo (MBTI-e) : CATEGORIA: Curso de Pós-Graduação Lato-Sensu - MBA ÁREA BÁSICA: Tecnologia da Informação ÁREAS DE CONHECIMENTO: Empresaria (EMP); Saúde (SAU); Entretenimento

Leia mais

Biblioteca Virtual de Soluções Assistivas

Biblioteca Virtual de Soluções Assistivas 264 Biblioteca Virtual de Soluções Assistivas Maria Helena Franciscatto 1 Adriana Soares Pereira 1 Roberto Franciscatto 1 Liliana Maria Passerino 2 1 Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Colégio

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Sistemas de Gerência de Bancos de Dados. - Módulo 3 - Sistemas de Armazenamento de Alto Desempenho

Sistemas de Gerência de Bancos de Dados. - Módulo 3 - Sistemas de Armazenamento de Alto Desempenho Sistemas de Gerência de Bancos de Dados - Módulo 3 - Sistemas de Armazenamento de Alto Desempenho Introdução Capacidade e Desempenho processador Kiloflop Megaflop Gigaflop Teraflop armazenam. Megabyte

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais

Kaseya 2. Guia de Início Rápido. para VSA 6.0

Kaseya 2. Guia de Início Rápido. para VSA 6.0 Kaseya 2 Iniciar Guia de Início Rápido para VSA 6.0 June 9, 2010 About Kaseya Kaseya is a global provider of IT automation software for IT Solution Providers and Public and Private Sector IT organizations.

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Proposta para Grupo de Trabalho. GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados. Roberto Samarone dos Santos Araujo

Proposta para Grupo de Trabalho. GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados. Roberto Samarone dos Santos Araujo Proposta para Grupo de Trabalho GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados Roberto Samarone dos Santos Araujo Agosto/2011 1 Título GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais