Resumo O rastreamento mamográfico aumentou o número de pacientes em estádios

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resumo O rastreamento mamográfico aumentou o número de pacientes em estádios"

Transcrição

1 REVISÃO Indicações da cirurgia conservadora no câncer de mama Indications for conservative surgery in breast cancer Luiz Henrique Gebrim 1 Jorge Y. Shida 2 André Mattar 3 Marcelo Madeira 4 Palavras-chave Mama Neoplasias Câncer Radioterapia Terapêutica Cirurgia conservadora Linfadenectomia Recidiva Keywords Breast Neoplasms Cancer Radiotherapy Therapeutics Conservative surgery Lymph node excision Recurrence Resumo O rastreamento mamográfico aumentou o número de pacientes em estádios iniciais do câncer de mama, que propiciaram a realização de estudos randomizados sobre cirurgia conservadora. Esses estudos demonstraram que a cirurgia conservadora associada à radioterapia, indicada em tumores com até 3 cm de diâmetro, não modifica a sobrevida após 25 anos de seguimento, apesar de acarretar um aumento significativo de recidiva local. Abstract Screening mammography has increased the number of patients in early stages of breast cancer, which led to randomized studies on conservative surgery. These studies demonstrate that conservative surgery combined with radiotherapy, indicated in tumors with up to 3 cm, does not alter survival after 25 years of follow-up, despite a significant increase of local recurrence. 1 Professor Livre-Docente da Disciplina de Mastologia da Universidade Federal de São Paulo UNIFESP São Paulo (SP); Diretor do Centro de Referência da Saúde de Mulher do Hospital Pérola Byington - São Paulo (SP); Editor da Revista Brasileira de Mastologia. 2 Doutor em Mastologia pela Universidade Federal de São Paulo UNIFESP São Paulo (SP); Chefe do Núcleo de Mastologia do Hospital Pérola Byington. 3 Pós-graduando da Disciplina de Mastologia da Universidade Federal de São Paulo UNIFESP São Paulo (SP); Médico Assistente do Núcleo de Mastologia do Hospital Pérola Byington. 4 Mestre em Mastologia pela Universidade Federal de São Paulo UNIFESP São Paulo (SP) Endereço para correspondência: Luiz Henrique Gebrim Rua Mato Grosso, 366, cj Higienópolis CEP São Paulo (SP), Brasil.

2 Gebrim LH, Shida JY, Mattar A, Madeira M Introdução A cirurgia foi, durante muitas décadas, o principal sustentáculo na terapêutica do câncer de mama, fundamentado na maior radicalidade cirúrgica. Pouco se conhecia a respeito da história natural da neoplasia, prevalecendo, desde o século passado, o conceito de que o câncer da mama era uma doença locorregional com propagação linfática. Estudos experimentais fundamentados em achados clínicos mudaram esse conceito. Os linfonodos, antes considerados filtros naturais de células metastáticas, passaram a representar o grau de disseminação da doença e o prognóstico. Considera-se, assim, o carcinoma da mama como doença de complexa etiologia, evolução longa e metastatização precoce, que ocorre tanto por via linfática como hematogênica já na fase pré-clínica. O rastreamento mamográfico permitiu aumentar o número de casos diagnosticados no estádio I de 15% para até 65%, permitindo uma abordagem menos radical no tratamento cirúrgico das formas iniciais da doença. Estudos randomizados, com mais de 20 anos de seguimento clínico, demonstram, em pacientes selecionadas, que a cirurgia conservadora seguida de radioterapia apresenta resultados semelhantes aos da mastectomia 1 (A). Entende-se por cirurgia conservadora a realização da retirada do tumor circundada por margem de tecido sadio com aceitável resultado estético (setorectomia, ressecção ampliada ou quadrantectomia) seguida de radioterapia. A avaliação cirúrgica da axila é considerada parte da cirurgia conservadora da mama. A presença de comprometimento linfonodal axilar não representa contraindicação à cirurgia conservadora 2 (A). Atualmente, a maioria das mulheres com tumores T1 e T2 (<3 cm) são potenciais candidatas à cirurgia conservadora. Em pacientes com tumores >3 cm, deve-se avaliar a possibilidade de quimioterapia primária para redução do volume tumoral e excisão com margens cirúrgicas adequadas, sem comprometimento da cosmética. A utilização de técnicas oncoplásticas pode facilitar a obtenção de margens livres nessas situações, mas exige equipe com experiência. Na impossibilidade de obtenção de margens livres, com resultado cosmético adequado, deve-se indicar a mastectomia, assim como no caso de dificuldade de acesso da paciente à radioterapia ou seguimento periódico 2 (D). Para fins didáticos, a cirurgia e a radioterapia integrantes da terapêutica locorregional são consideradas indispensáveis para o controle local do câncer. Nas formas iniciais, são capazes de promover a cura das pacientes. Nos tumores avançados, são indispensáveis para o controle locorregional, propiciando melhora na qualidade de sobrevida. O rastreamento mamográfico aumentou o número de casos iniciais de câncer e proporcionou às pacientes uma menor radicalidade da cirurgia, reduzindose não só a morbidade e o linfedema, mas, principalmente, o impacto da mutilação. Outros fatores que contribuíram para consolidar a cirurgia conservadora foram o número crescente de tumores iniciais diagnosticados nos programas de rastreamento e o aprimoramento da radioterapia. Metodologia Descrição do método de coleta de evidência A revisão bibliográfica de artigos científicos dessa diretriz foi realizada nas bases de dados Medline, Cochrane e SciELO. A busca de evidências partiu de cenários clínicos reais com a utilização de palavras-chaves (MeSH terms) agrupadas nas seguintes sintaxes: Breast Neoplasm OR Breast Cancer AND Antineoplastic Combined Chemotherapy AND Radiotherapy, Adjuvant AND Mastectomy, Radical AND Mastectomy, Segmental AND Mastectomy, Subcutaneous AND Mammaplasty AND Neoplasm Staging AND Neoplasm Invasiveness AND Neoplasm Metastasis AND Neoplasm Recurrence AND Axilla AND Nipples AND Lymph Node Excision AND Sentinel Lymph Node Biopsy AND Carcinoma, Ductal, Breast AND Lymphatic Metastasis AND Disease-Free Survival. Grau de recomendação e força de evidência: A: Estudos experimentais ou observacionais de melhor consistência. B: Estudos experimentais ou observacionais de menor consistência. C: Relatos de casos (estudos não controlados). D: Opinião desprovida de avaliação crítica, baseada em consensos, estudos fisiológicos ou modelos animais. Objetivo Verificar o prognóstico após o tratamento cirúrgico do câncer de mama, em especial a chance de recidiva, comparando as cirurgias conservadoras e as radicais. Cirurgia conservadora Entende-se por cirurgia conservadora a realização da retirada do tumor circundada por margem de tecido sadio, com aceitável resultado estético (setorectomia, ressecção ampliada ou quadrantectomia), seguido de radioterapia. O tratamento cirúrgico do câncer inicial da mama modificou-se dramaticamente nas últimas décadas. 594 FEMINA Novembro 2010 vol 38 nº 11

3 Indicações da cirurgia conservadora no câncer de mama Avaliando-se mulheres com idade média de 50 anos (SD= ±10 anos) portadoras de câncer de mama, com tumor 2 cm de diâmetro clínico (T1), sem linfonodos axilares palpáveis (N0), submetidas à mastectomia radical (Halsted) ou à quadrantectomia associada à radioterapia (dose de 50 Gy), ambas combinadas à dissecção axilar completa, observa-se que, no período de seguimento médio de 20 anos, a probabilidade de recorrência do tumor é significativamente maior nas pacientes submetidas à cirurgia conservadora (quadrantectomia): 8,8 versus 2,3% das tratadas pela mastectomia, IC95%: 3% a 10%). Entretanto, considerando-se a incidência de carcinoma na mama oposta (9,7% e 8,2%) e metástases à distância (23,7 e 23,2%), não se observa diferença significativa respectivamente para mastectomia radical e cirurgia conservadora 1 (A). Outros estudos randomizados, com mais de 15 anos de seguimento clínico, demonstraram em pacientes com tumores de até 3 cm de diâmetro que a cirurgia conservadora seguida de radioterapia apresenta sobrevida global semelhante à da mastectomia, apesar da maior incidência de recidiva local 1-3 (A). Atualmente, a maioria das mulheres com tumores T1 e T2 (<3 cm) são potenciais candidatas à cirurgia conservadora, a depender do volume mamário, idade, multicentricidade da neoplasia, achado mamográfico, dentre outros. Os tumores com diâmetro inferior a 1 cm são preferencialmente tratados pela ressecção ampliada, por permitirem, em geral, obter margens livres com mais de 1 cm de extensão, com o mínimo de deformidade estética e, consequentemente, maior segurança oncológica 1,2 (A). Em pacientes com tumores >3 cm e menores que 5 cm, sem comprometimento de pele, deve-se avaliar individualmente a possibilidade de quimio ou hormonioterapias primárias e, caso haja redução do volume tumoral, indica-se a cirurgia conservadora apenas em tumores únicos, bem definidos pela mamografia (mamas gordurosas), sem microcalcificações após a avaliação criteriosa das margens cirúrgicas 3,4 (B). A utilização de técnicas oncoplásticas pode facilitar a reconstrução mamária após ressecções mais amplas em casos em que haja a necessidade de ampliação das margens cirúrgicas, mas exige equipe com experiência. Na impossibilidade de obtenção de margens livres, com resultado cosmético adequado, deve-se indicar a adenectomia ou a mastectomia. Havendo dificuldade no acesso da paciente à radioterapia complementar ou seguimento periódico, deve-se optar pelo tratamento radical 1-4 (A). A avaliação cirúrgica dos linfonodos axilares é considerada parte da cirurgia conservadora da mama no carcinoma invasivo. A presença de comprometimento linfonodal axilar não representa contraindicação à cirurgia conservadora, mas sinaliza maior risco de recidiva local e pior prognóstico 5 (B). A biópsia do linfonodo sentinela (BLS) tornou-se o procedimento padrão para o estadiamento axilar em pacientes com câncer inicial de mama, pela elevada acurácia como preditiva do comprometimento linfonodal axilar 5,6 (A). Estudos prospectivos randomizados com mais de sete anos de seguimento em mulheres submetidas à BLS e/ou à linfadenectomia, com BLS positiva, não observaram diferença significativa na taxa de recidiva local entre os dois procedimentos 5-8 (B). Entretanto, é ligeiramente maior o risco de recidiva em linfonodos axilares. Assim, a biópsia do linfonodo sentinela apresenta-se como alternativa segura e efetiva à linfadenectomia, apresentando reduzida morbidade em membro superior em relação ao linfedema e perda sensorial (RR=0,23 com IC95%: 0,23 a 0,60; e RR=0,37) 6-8 (A). Pela baixa prevalência de comprometimento metastático do linfonodo sentinela em pacientes com carcinoma ductal in situ (CDIS), a biópsia do mesmo não se justifica quando o diagnóstico de CDIS acontecer após o estudo histopatológico da lesão totalmente removida. Nos tumores multicêntricos em que se indica a mastectomia, há maior risco de se detectar focos de invasão. Nesses casos, recomenda-se pesquisa do linfonodo sentinela 9,10 (B). As principais contraindicações à realização da cirurgia conservadora são os tumores multicêntricos, mamas pequenas ou dificuldades de se efetuar a radioterapia, como gravidez, tratamento prévio com radioterapia torácica e doenças do colágeno 1-4 (A). Apesar de haver maior risco de deformidade e encapsulamento, o uso de prótese não contraindica a radioterapia nem a cirurgia conservadora. Inúmeros relatos atestam maior risco (3 a 4 vezes maior) de recidiva local em pacientes jovens submetidas a tratamento conservador. No entanto, não existe contraindicação formal à sua realização 1-3,4 (B). Adenectomia ou adenomastectomia Embora não seja propriamente uma cirurgia conservadora, a adenectomia, ou adenomastectomia, busca a preservação da pele e complexo aréolo-papilar, sendo uma alternativa nos tumores multicêntricos. Tem como fundamento básico apenas a remoção do corpo mamário, sendo que cerca de 10% da glândula permanece junto ao tecido adiposo. Trata-se de um procedimento com menor risco de recidiva local em tumores multicêntricos, nos estádios I e II, principalmente em jovens com mamas pequenas 11 (B). O complexo aréolo-papilar (CAP) era removido na adenomastectomia por acreditar-se que seus ductos adjacentes pudessem conter células tumorais que se disseminariam distalmente ao longo dos ductos a partir do tumor primário. Evidências recentes têm FEMINA Novembro 2010 vol 38 nº

4 Gebrim LH, Shida JY, Mattar A, Madeira M mostrado que o risco de envolvimento do complexo aréolo-papilar por tumor tem sido superestimado, sendo aceito atualmente um comprometimento variando de 5,6% a 10,6% 11 (B). Alguns fatores de risco têm sido associados com o comprometimento do complexo aréolo-papilar por células neoplásicas, tais como comprometimento linfonodal axilar, localização subareolar do tumor, distância entre tumor menor que 2,5 cm, multicentricidade e estadiamento tumoral 11 (B). Avaliandose mulheres pelo período médio de 59 meses, submetidas à adenomastectomia subcutânea e à mastectomia convencional (idade média de 49 e 59 anos, respectivamente) por câncer de mama invasivo ou não-invasivo, observa-se que a preservação do complexo aréolo-papilar nos casos de adenomastectomia subcutânea em que a biópsia de congelação intraoperatória do tecido subareolar apresenta-se negativa demonstra taxas de recorrência na ordem de 5% e 8% respectivamente, não revelando diferença significativa (p=0,666). Com relação às metástases à distância, observa-se ocorrência da ordem de 23% para a adenomastectomia subcutânea e 21% para a mastectomia convencional, não demonstrando diferença significativa (p=0,733) 11 (B). Radioterapia Trabalhos comparando resultados da mastectomia com a cirurgia conservadora e a radioterapia mostraram que a recorrência local foi de 2,3% no grupo da mastectomia e de 8,8% no grupo da radioterapia, sem diferenças na sobrevida atuarial global e livre de doença em 20 anos 1-4 (A). Observou-se, após atualização dos resultados do protocolo NSABP-06, em que pacientes foram randomizadas para mastectomia ou tratamento conservador com ou sem radioterapia, que a sobrevida global em 20 anos foi de 46%, e a sobrevida livre de doença variou de 35% a 38%. Pacientes submetidas ao tratamento conservador exclusivo apresentaram recidiva local de 39,2%, comparado a 14,3% (p<0,001) naquelas submetidas à radioterapia 1,2 (A). Além do NSABP-06, outros estudos também avaliaram o papel da radioterapia após o tratamento conservador. Observa-se redução de recorrência local em dez anos de 24% para 8,5% (p=0,0001) com a adição da radioterapia 8. Análise de quatro estudos randomizados com pacientes com diagnóstico de câncer de mama, estádio I ou II, concluíram que a radioterapia resultou em um aumento significante no controle locorregional, sobrevida livre de doença e uma redução de 17,5% na taxa de mortalidade 1-3,13 (A). Os principais fatores de risco para recorrência após tratamento conservador em tumores iniciais de mama são: tamanho da lesão, comprometimento de linfonodos, idade, grau histológico, margens cirúrgicas, presença de carcinoma intraductal extenso (EIC) e receptores hormonais negativos 1-4 (A). Assim, alguns autores sugerem que, em casos de bom prognóstico, como lesões <1 cm, idade 50 anos, margens >1 cm, em que o índice de recidiva local é baixo, a radioterapia adjuvante poderia ser evitada 1,14 (B). Porém, no estudo conduzido pelo NSABP não foi detectada nenhuma condição clínica ou patológica que permitisse a omissão da radioterapia 2 (B). Outra dúvida em relação ao tratamento de pacientes com diagnóstico de câncer de mama foi esclarecida por meio do estudo NSABP- 21, que comprovou que a cirurgia conservadora com RT e tamoxifeno era mais efetiva do que o tamoxifeno exclusivo, mesmo no grupo de pacientes com receptores positivos e idade 60 anos. Dessa forma, a radioterapia deve ser utilizada como rotina após tratamento conservador 2 (B). A radioterapia deve ser realizada em toda mama com doses de 45 a 50 Gy, com frações de 1,8 a 2 Gy por dia. A utilização do reforço de dose no leito tumoral, também chamado de boost, se baseia no fato de que 65 a 80% das recidivas ocorrem nessa localização. Geralmente, o boost é administrado com doses de 10 a 20 Gy, com a utilização de elétrons ou braquiterapia, que pode ser de baixa ou alta taxa de dose. No estudo conduzido pelo European Organization for Research and Treatment of Cancer (EORTC) houve uma redução de recorrência local de 6,3% para 4,8% com a administração do boost. A técnica da radioterapia parcial vem sendo empregada. Ela consiste no emprego de uma alta dose por fração à cavidade cirúrgica com 1 a 2 cm de margem utilizando a braquiterapia ou feixe de radiação externo. Uma das vantagens seria a menor duração, em vez das seis semanas da radioterapia externa. As pacientes candidatas a esse tratamento seriam aquelas com tumores 3 cm, com linfonodos negativos, com ausência de componente intraductal extenso e margens negativas. Alguns autores também sugerem idade 45 anos 12 (B). Protocolos iniciais mostram o controle local semelhante à técnica convencional, mas maior recidiva (10%) nos demais quadrantes. Relevante crítica à essa técnica de tratamento está nos aspectos radiobiológicos em relação aos parâmetros, redistribuição, reparação e reoxigenação, explorados no fracionamento clássico e anteriormente mencionados. A resposta tardia do tecido normal como pele, tecido adiposo e muscular é também motivo de preocupação. Estudos fase III ainda são necessários para definição da irradiação parcial da mama como rotina no tratamento dessas pacientes. Conclui-se que a radioterapia parcial (intraoperatória) não deve ser indicada na prática clínica 12 (B). 596 FEMINA Novembro 2010 vol 38 nº 11

5 Indicações da cirurgia conservadora no câncer de mama Recidiva local A recidiva local no tratamento conservador ocorre entre 7% e 19%, respectivamente, após 10 e 20 anos. Cerca de 75% das recidivas localizam-se no quadrante operado, sendo diagnosticadas principalmente nos dois primeiros anos do tratamento. O aparecimento em quadrante distinto se relaciona mais com surgimento de novo foco primário, sendo geralmente mais tardias 1-,3,13,14,16 (A). As pacientes submetidas à mastectomia radical não estão isentas de recidivas, que ocorrem respectivamente entre 4 e 14% após 10 e 20 anos de seguimento 1-4,13,16 (A). A recidiva local e/ou locorregional estão associadas a elevado risco para o desenvolvimento de metástases em pacientes tratadas tanto por mastectomia quanto por cirurgia conservadora 1-4,13 (A). A recidiva local associa-se significativamente a um maior risco de morte, sobretudo em tumores negativos para receptores de estrogênio 14, 15 (B). A conduta cirúrgica depende da localização, do tipo da recidiva (nodular ou linfangítica), do tempo de aparecimento e da forma de tratamento prévio. Em geral, recomenda-se novo ciclo de terapêutica sistêmica e, na ausência de doença sistêmica visceral, indica-se a mastectomia em casos de cirurgia conservadora prévia. Na ausência de radioterapia prévia, indica-se a complementação actínica 1-4 (A). Conclusões Conclui-se que pacientes com carcinoma de mama com até 3 cm de diâmetro podem ser submetidas à cirurgia conservadora, desde que as margens cirúrgicas estejam livres. A pesquisa do linfonodo sentinela tem alta acurácia e permite diminuir a morbidade do linfedema sem aumento da recidiva regional. A radioterapia complementar de toda mama deve ser indicada. Apesar de haver maior probabilidade de recorrência do tumor quando comparado à mastectomia radical, a sobrevida é semelhante. Nos tumores multicêntricos ou com margens comprometidas, a mastectomia ou adenectomia deve ser indicada. Leituras suplementares 1. Veronesi U, Cascinelli N, Mariani L, Greco M, Saccozzi R, Luini A, et al. Twenty-year follow-up of a randomized study comparing breast-conserving surgery with radical mastectomy for early breast cancer. N Engl J Med. 2002;347(16): Fisher B, Anderson S, Bryant J, Margolese RG, Deutsch M, Fisher ER, et al. Twentyyear follow-up of a randomized trial comparing total mastectomy, lumpectomy, and lumpectomy plus irradiation for the treatment of invasive breast cancer. N Engl J Med. 2002;347(16): Schwartz GF, Veronesi U, Clough KB, Dixon JM, Fentiman IS, Heywang-Köbrunner SH, et al. Consensus conference on breast conservation. J Am Coll Surg. 2006;203(2): Gentilini O, Intra M, Gandini S, Peruzzotti G, Winnikow E, Luini A, et al. Ipsilateral breast tumor reappearance in patients treated with conservative surgery after primary chemotherapy. The role of surgical margins on outcome. J Surg Oncol. 2006;94(5): Cody HS 3rd. Clinical aspects of sentinel node biopsy. Breast Cancer Res. 2001;3(2): Naik AM, Fey J, Gemignani M, Heerdt A, Montgomery L, Petrek J, et al, The risk of axillary relapse after sentinel lymph node biopsy for breast cancer is comparable with that of axillary lymph node dissection: a follow-up study of 4008 procedures. Ann Surg. 2004;240(3): Canavese G, Catturich A, Vecchio C, Tomei D, Gipponi M, Villa G, et al. Sentinel node biopsy compared with complete axillary dissection for staging early breast cancer with clinically negative lymph nodes: results of randomized trial. Ann Oncol. 2009;20(6): Mansel RE, Fallowfield L, Kissin M, Goyal A, Newcombe RG, Dixon JM, et al. Randomized multicenter trial of sentinel node biopsy versus standard axillary treatment in operable breast cancer: the ALMANAC Trial. J Natl Cancer Inst. 2006;98(9): Pendas S, Dauway E, Giuliano R, Ku N, Cox CE, Reintgen DS. Sentinel node biopsy in ductal carcinoma in situ patients. Ann Surg Oncol. 2000;7(1): Intra M, Rotmensz N, Veronesi P, Colleoni M, Iodice S, Paganelli G, et al. Sentinel node biopsy is not a standard procedure in ductal carcinoma in situ of the breast: the experience of the European institute of oncology on 854 patients in 10 years. Ann Surg. 2008;247(2): Gerber B, Krause A, Reimer T, Müller H, Küchenmeister I, Makovitzky J, et al. Skin-sparing mastectomy with conservation of the nipple-areola complex and autologous reconstruction is an oncologically safe procedure. Ann Surg 2003;238} (1): Valachis A, Mauri D, Polyzos NP, Mavroudis D, Georgoulias V, Casazza G. Partial breast irradiation or whole breast radiotherapy for early breast cancer: a metaanalysis of randomized controlled trials. Breast J. 2010;16(3): Veronesi U, Marubini E, Del Vecchio M, Manzari A, Andreola S, Greco M, et al. Local recurrences and distant metastases after conservative breast cancer treatments: partly independent events. J Natl Cancer Inst. 1995;87(1): Haffty BG, Fischer D, Beinfield M, McKhann C. Prognosis following local recurrence in the conservatively treated breast cancer patient. Int J Radiat Oncol Biol Phys. 1991;21(2): Anderson SJ, Wapnir I, Dignam JJ, Fisher B, Mamounas EP, Jeong JH, et al. Prognosis after ipsilateral breast tumor recurrence and locoregional recurrences in patients treated by breast-conserving therapy in five National Surgical Adjuvant Breast and Bowel Project protocols of node-negative breast cancer. J Clin Oncol. 2009;27(15): Botteri E, Bagnardi V, Rotmensz N, Gentilini O, Disalvatore D, Bazolli B, et al. Analysis of local and regional recurrences in breast cancer after conservative surgery. Ann Oncol. 2010;21(4): FEMINA Novembro 2010 vol 38 nº

Autoria: Sociedade Brasileira de Mastologia Sociedade Brasileira de Cancerologia

Autoria: Sociedade Brasileira de Mastologia Sociedade Brasileira de Cancerologia Autoria: Sociedade Brasileira de Mastologia Sociedade Brasileira de Cancerologia Elaboração Final: 31 de janeiro de 2011 Participantes: Gebrim LH, Elias S, Millen E, Silva BB, Sousa JA, Menke CH, Chagas

Leia mais

Declaro não haver nenhum conflito de interesse.

Declaro não haver nenhum conflito de interesse. Declaro não haver nenhum conflito de interesse. Faculdade de Medicina do ABC Disciplina de Ginecologia Serviço do Prof. Dr. César Eduardo Fernandes Setor de Mastologia IVO CARELLI FILHO Maior dilema da

Leia mais

Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07

Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07 Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07 Tema: Linfonodo sentinela no câncer de mama I Data: 27/09/2007 II Grupo de Estudo: Izabel Cristina Alves Mendonça; Célia Maria da Silva;

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Palavras-chave Esvaziamento axilar, câncer de mama, estadiamento patológico

Palavras-chave Esvaziamento axilar, câncer de mama, estadiamento patológico ARTIGO / Article Estadiamento Patológico Linfonodal versus Níveis de Esvaziamento Axilar no Câncer de Mama Pathological Lymph Node Staging versus Axillary Dissection Levels in Breast Cancer Arthur Leopoldo

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 38/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 22/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

Como tratar o câncer de mama na paciente com mutação genética? Prof. Dr. Giuliano Duarte

Como tratar o câncer de mama na paciente com mutação genética? Prof. Dr. Giuliano Duarte Como tratar o câncer de mama na paciente com mutação genética? Prof. Dr. Giuliano Duarte Quem é a paciente com mutação BRCA1/2? Ansiedade Penetrância dos genes BRCA1 e BRCA 2 até os 70 anos Meta-análise

Leia mais

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA DAS MAMAS DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA A crescente experiência com a Ressonância Nuclear Magnética (RNM) vem trazendo dúvidas pertinentes quanto

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante.

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante. Estudo de sobrevida de mulheres com câncer de mama não metastático tico submetidas à quimioterapia adjuvante Maximiliano Ribeiro Guerra Jane Rocha Duarte Cintra Maria Teresa Bustamante Teixeira Vírgilio

Leia mais

Revista Portuguesa de. irurgia. II Série N. 27 Dezembro 2013. Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia ISSN 1646-6918

Revista Portuguesa de. irurgia. II Série N. 27 Dezembro 2013. Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia ISSN 1646-6918 Revista Portuguesa de irurgia II Série N. 27 Dezembro 2013 ISSN 1646-6918 Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia CADERNO ESPECIAL Editorial Joaquim Abreu de Sousa Serviço de Oncologia Cirúrgica.

Leia mais

Margens cirúrgicas no tratamento conservador do câncer de mama: revisão sistemática

Margens cirúrgicas no tratamento conservador do câncer de mama: revisão sistemática DOI: 10.5327/Z201400030003RBM ARTIGO ORIGINAL Margens cirúrgicas no tratamento conservador do câncer de mama: revisão sistemática Surgical margins in conservative treatment of breast cancer: systematic

Leia mais

Radioterapia Hipofracionada no Câncer de Mama Pode Ser Utilizada em Todas as Pacientes? Eduardo Martella

Radioterapia Hipofracionada no Câncer de Mama Pode Ser Utilizada em Todas as Pacientes? Eduardo Martella Radioterapia Hipofracionada no Câncer de Mama Pode Ser Utilizada em Todas as Pacientes? Eduardo Martella NÃO Fatores de Risco para RL Fator prognóstico Efeito Suporte Comentário Idade Jovens RL Múltiplos

Leia mais

CARCINOMA DUCTAL IN SITU GUILHERME NOVITA SERVIÇO O DE MASTOLOGIA DISCIPLINA DE GINECOLOGIA - HCFMUSP

CARCINOMA DUCTAL IN SITU GUILHERME NOVITA SERVIÇO O DE MASTOLOGIA DISCIPLINA DE GINECOLOGIA - HCFMUSP CARCINOMA DUCTAL IN SITU GUILHERME NOVITA SERVIÇO O DE MASTOLOGIA DISCIPLINA DE GINECOLOGIA - HCFMUSP DEFINIÇÃO Mokbel et Cutulli, Lancet Oncol,, 2006; 7: 756-65 65 TIPOS DE CDIS Gaps > 2 cm Baixo grau

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo?

É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo? É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo? Rosangela Correa Villar Radioterapia Beneficência Portuguesa- Hospital São Jose FMUSP villardias@uol.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

RADIOTERAPIA HIPOFRACIONADA EM MAMA: INDICAÇÕES E RESULTADOS

RADIOTERAPIA HIPOFRACIONADA EM MAMA: INDICAÇÕES E RESULTADOS III ENCONTRO DE RESIDENTES DA SBRT 2012 RADIOTERAPIA HIPOFRACIONADA EM MAMA: INDICAÇÕES E RESULTADOS VINICIUS T. MOSCHINI DA SILVA Residente de Radioterapia HSPE/IAMSPE -SP Introdução O câncer de mama:

Leia mais

Eduardo Henrique Laurindo de Souza Silva¹, João Ricardo Auller Paloschi 1, José Roberto de Fígaro Caldeira 1, Ailton Joioso 1

Eduardo Henrique Laurindo de Souza Silva¹, João Ricardo Auller Paloschi 1, José Roberto de Fígaro Caldeira 1, Ailton Joioso 1 ARTIGO ORIGINAL DOI: 0.527/Z2050002000RBM Estudo comparativo de resposta à quimioterapia neoadjuvante em dose total, entre câncer de mama e metástase axilar, conforme resultados de imunoistoquímica, no

Leia mais

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 47. Recomendação Final

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 47. Recomendação Final LINFADENECTOMIA SELETIVA GUIADA (LINFONODO SENTINELA) EM ONCOLOGIA Demandante: Departamento de Atenção Especializada/Secretaria de Atenção à Saúde DAE/SAS/MS APRESENTAÇÃO Algumas propostas de incorporação

Leia mais

CIRURGIA CONSERVADORA E RADIOTERAPIA NO TRATAMENTO DE CARCINOMA DE MAMA ESTÁDIOS I E II

CIRURGIA CONSERVADORA E RADIOTERAPIA NO TRATAMENTO DE CARCINOMA DE MAMA ESTÁDIOS I E II Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR CIRURGIA CONSERVADORA E RADIOTERAPIA NO TRATAMENTO DE CARCINOMA DE MAMA ESTÁDIOS I E II Painel de Especialistas em Radioterapia Grupo de Trabalho

Leia mais

Resumo O tratamento do câncer de mama inicial começa com a obtenção do controle

Resumo O tratamento do câncer de mama inicial começa com a obtenção do controle Revisão Radioterapia adjuvante no câncer de mama operável Adjuvant radiotherapy in operable breast cancer Palavras-chave Neoplasias da mama Radioterapia Mastectomia segmentar Keywords Breast neoplasms

Leia mais

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 209/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 01/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

Casos Clínicos: câncer de mama

Casos Clínicos: câncer de mama Casos Clínicos: câncer de mama Coordenador: Eder Babygton Alves Clinirad Curitiba PR Comentários: Dr. Alvaro Martinez Oakland University William Beaumont School of Medicine Dr. Robert Kuske MD Scottsdale

Leia mais

TUMORES DO PÉNIS: Cirurgia Minimamente Invasiva. Pedro Eufrásio. Serviço de Urologia Centro Hospitalar Tondela-Viseu

TUMORES DO PÉNIS: Cirurgia Minimamente Invasiva. Pedro Eufrásio. Serviço de Urologia Centro Hospitalar Tondela-Viseu TUMORES DO PÉNIS: Cirurgia Minimamente Invasiva Pedro Eufrásio Serviço de Urologia Centro Hospitalar Tondela-Viseu INTRODUÇÃO Tumor do pénis é raro. Variabilidade geográfica. 95% são carcinomas espinho-celulares.

Leia mais

artigo Original Keywords: Breast malignancies/surgery; Breast malignancies/ radiotherapy

artigo Original Keywords: Breast malignancies/surgery; Breast malignancies/ radiotherapy Uso da radioterapia intra-operatória (IORT) como protocolo de investigação no tratamento do câncer de mama inicial: resultados parciais do Hospital Israelita Albert Einstein 105 artigo Original Uso da

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

ABORDAGEM CIRÚRGICA DO CÂNCER DE MAMA EM ESTÁDIO PRECOCE

ABORDAGEM CIRÚRGICA DO CÂNCER DE MAMA EM ESTÁDIO PRECOCE ABORDAGEM CIRÚRGICA DO CÂNCER DE MAMA EM ESTÁDIO PRECOCE IV JORNADA PAULISTA DE MASTOLOGIA Carlos Alberto Ruiz Assistente Doutor do Serviço de Mastologia - HCFMUSP Diretor Hospital e Maternidade de Vila

Leia mais

Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Avaliação genética e tratamentos preventivos

Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Avaliação genética e tratamentos preventivos Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Avaliação genética e tratamentos preventivos Simône Noronha Hospital São José São Paulo - Brasil Índice: Radioterapia no câncer de mama hereditário (Revisão) Perfil

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA Pinheiro, A.C ¹, Aquino, R. G. F. ¹, Pinheiro, L.G.P. ¹, Oliveira, A. L. de S. ¹, Feitosa,

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

PAPEL DA RESSECÇÃO LIMITADA NA CIRURGIA DO CÂNCER DE PULMÃO Paulo de Biasi

PAPEL DA RESSECÇÃO LIMITADA NA CIRURGIA DO CÂNCER DE PULMÃO Paulo de Biasi PAPEL DA RESSECÇÃO LIMITADA NA CIRURGIA DO CÂNCER DE PULMÃO Paulo de Biasi Introdução Durante muitos anos, a ressecção lobar foi considerada a menor cirurgia possível para tratar adequadamente o câncer

Leia mais

Sobrevida Mediana Classe I: 7,1 meses Classe II: 4,2 meses Classe III: 2,3 meses

Sobrevida Mediana Classe I: 7,1 meses Classe II: 4,2 meses Classe III: 2,3 meses Tratamento das Metástases Cerebrais Eduardo Weltman Hospital Israelita Albert Einstein Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Tratar ou Não Tratar? Piora do prognóstico Déficits neurológicos

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

Resumo da Revisão da Literatura Introdução

Resumo da Revisão da Literatura Introdução Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR CARCINOMA DUCTA L IN SITU E DOENÇA MICROINVASIVA Painel de Especialistas em Radioterapia Grupo de Trabalho de Mama: Rachel Abrams Rabinovitch,

Leia mais

IMPACTO PROGNÓSTICO DA RECORRÊNCIA LOCAL EM PACIENTES COM CÂNCER INICIAL DE MAMA SUBMETIDAS A TRATAMENTO CONSERVADOR

IMPACTO PROGNÓSTICO DA RECORRÊNCIA LOCAL EM PACIENTES COM CÂNCER INICIAL DE MAMA SUBMETIDAS A TRATAMENTO CONSERVADOR Artigo Original ISSN 0100-6991 Rev. Col. Bras. Cir. IMPACTO PROGNÓSTICO DA RECORRÊNCIA LOCAL EM PACIENTES COM CÂNCER INICIAL DE MAMA SUBMETIDAS A TRATAMENTO CONSERVADOR THE PROGNOSTIC IMPACT OF LOCAL RECURRENCE

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

Abstract Resumo. Radioterapia complementar em dose única intra-operatória no tratamento conservador do câncer de mama

Abstract Resumo. Radioterapia complementar em dose única intra-operatória no tratamento conservador do câncer de mama Radioterapia complementar em dose única intra-operatória no tratamento conservador do câncer de mama Full-dose intra operative radiotherapy in the breast cancer conserving treatment at u a l i z a ç ã

Leia mais

Tratamento Conservador do Cancro da Mama

Tratamento Conservador do Cancro da Mama Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca Sessão Clínica Serviço de Ginecologia Diretora de Departamento: Dra. Antónia Nazaré Diretor de Serviço: Dr. Silva Pereira Tratamento Conservador do Cancro da Mama

Leia mais

Radioterapia no cancro da mama

Radioterapia no cancro da mama 39 Radioterapia no cancro da mama Paula Soares 1. INTRODUÇÃO A radioterapia tem um papel bem estabelecido e consolidado no cancro da mama. Diversos estudos têm comprovado a sua eficácia, tanto na terapêutica

Leia mais

Caso Clínico para Site SBM

Caso Clínico para Site SBM Caso Clínico para Site SBM 18/03/13 Primeira consulta Paciente 35 anos Feminino Parda Casada Brasileira Natural de Pacatuba-CE Queixa Principal: Nódulo doloroso em MAMA DIREITA há 2 meses. Refere Ultrasonografia

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

1ª Edição do curso de formação em patologia e cirurgia mamária. Programa detalhado

1ª Edição do curso de formação em patologia e cirurgia mamária. Programa detalhado 15.6.2012 MÓDULO 1 - Mama normal; Patologia benigna; Patologia prémaligna; Estratégias de diminuição do risco de Cancro da Mama. 1 1 Introdução ao Programa de Formação 9:00 9:15 1 2 Embriologia, Anatomia

Leia mais

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais?

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Trocando Idéias XIV - 2009 VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Walquíria Quida Salles Pereira Primo Doutorado e Mestrado UnB Professora da Pós-graduação UnB Unidade de Ginecologia

Leia mais

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS SELMA DI PACE BAUAB Radiologista da Mama Imagem São José do Rio Preto - SP CASO 1 55 anos. Assintomática TOMOSSÍNTESE LESÃO EPITELIAL ESCLEROSANTE (Cicatriz Radial)

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

Câncer de bexiga músculo-invasivo. Limírio Leal da Fonseca Filho

Câncer de bexiga músculo-invasivo. Limírio Leal da Fonseca Filho Câncer de bexiga músculo-invasivo Limírio Leal da Fonseca Filho HSPE-SP HIAE Cistectomia radical + linfadenectomia pelvica é padrão ouro no tratamento dos tumores infiltrativos da bexiga Sobrevida 10 anos

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil.

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. F-FDG PET/CT AS A PREDICTOR OF INVASIVENESS IN PENILE CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY André Salazar e Marcelo Mamede Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. 2014 CÂNCER

Leia mais

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV?

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Controvérsias no Tratamento de Câncer de Cabeça e Pescoço Localmente Avançado Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Oncologista Clínico Onco-Vida,

Leia mais

Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do. Câncer de Cabeça e Pescoço. Contexto da Medicina Baseada em Evidências

Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do. Câncer de Cabeça e Pescoço. Contexto da Medicina Baseada em Evidências CONGRESSO DE AUDITORIA - NATAL - 2015 Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do Câncer de Cabeça e Pescoço Contexto da Medicina Baseada em Evidências Tratamento do Câncer de Cabeça e

Leia mais

Revisão da anatomia e definição dos volumes de tratamento: Câncer de estômago. Mariana Morsch Beier R2 Radioterapia - Hospital Santa Rita

Revisão da anatomia e definição dos volumes de tratamento: Câncer de estômago. Mariana Morsch Beier R2 Radioterapia - Hospital Santa Rita Revisão da anatomia e definição dos volumes de tratamento: Câncer de estômago. Mariana Morsch Beier R2 Radioterapia - Hospital Santa Rita EPIDEMIOLOGIA A estimativa do biênio 2012-2013 para o Brasil é

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas.

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Perguntas que pode querer fazer Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Estas são algumas perguntas

Leia mais

CIRURGIA CITORREDUTORA E NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL. Ademar Lopes

CIRURGIA CITORREDUTORA E NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL. Ademar Lopes CIRURGIA CITORREDUTORA E QUIMIOTERAPIA INTRAPERITONEAL HIPERTÉRMICA NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL Ademar Lopes CÂNCER COLORRETAL SOB mediana em doença avançada versus tratamento sistêmico Meyerhardt

Leia mais

André Luís Montagnini Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo - HC/FMUSP

André Luís Montagnini Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo - HC/FMUSP PODE A RADIOQUIMIOTERAPIA SUBSTITUIR A DISSECÇÃO LINFONODAL ESTENDIDA NO CÂNCER GÁSTRICO? André Luís Montagnini Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo - HC/FMUSP http://www.cancerresearchuk.org/home/

Leia mais

Radioterapia para Metástases em Coluna Eduardo Weltman Hospital Israelita Albert Einstein Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Radioterapia para Metástases em Coluna Aspectos Clínicos Indicações

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

Câncer de mama estádio inicial e radioterapia: atualização

Câncer de mama estádio inicial e radioterapia: atualização ARTIGO DE REVISÃO Câncer de mama estádio inicial e radioterapia: atualização Gustavo Nader Marta 1, Samir Abdallah Hanna 2, Eduardo Martella 3, João Luis Fernandes da Silva 4, Heloisa de Andrade Carvalho

Leia mais

Hipofracionamento de dose pode ser considerado tratamento padrão para todas as pacientes? NÃO. Robson Ferrigno

Hipofracionamento de dose pode ser considerado tratamento padrão para todas as pacientes? NÃO. Robson Ferrigno Hipofracionamento de dose pode ser considerado tratamento padrão para todas as pacientes? NÃ Robson Ferrigno Estudos fase III Estudo N Período Esquema Seguimento Publicação CNDENSE 1224 1993 1996 16 x

Leia mais

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Objetivo: Definir a extensão da doença: Estadiamento TNM (American Joint Committee on Cancer ). 1- Avaliação

Leia mais

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias Rossano Araújo Papiro do Edwin Smith (Egito, 3.000-2.500 A.C.) Papiro Edwin Smith (Egito, 3000 2500 A.C.) Tumores Protuberantes da Mama Se você

Leia mais

Gaudencio Barbosa R4 CCP HUWC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço 02-2012

Gaudencio Barbosa R4 CCP HUWC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço 02-2012 Gaudencio Barbosa R4 CCP HUWC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço 02-2012 Abordagens combinadas envolvendo parotidectomia e ressecção do osso temporal as vezes são necessárias como parte de ressecções

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

ADENDO MODIFICADOR DO EDITAL N.º 13/2015-IEP/HCB

ADENDO MODIFICADOR DO EDITAL N.º 13/2015-IEP/HCB ADENDO MODIFICADOR DO EDITAL N.º 13/2015-IEP/HCB Por este instrumento o Conselho de Pós-Graduação (CPG) do Programa de Pós-Graduação em Oncologia do Hospital de Câncer de Barretos Fundação Pio XII, torna

Leia mais

Cirurgia conservadora no câncer de mama

Cirurgia conservadora no câncer de mama DANIEL GUIMARÃES TIEZZI Cirurgia conservadora no câncer de mama Breast-conserving surgery for breast cancer Revisão Palavras-chaves Doenças mamárias Neoplasias mamárias/terapia Neoplasias mamárias/cirurgia

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Key Words: câncer de mama, quimioterapia neoadjuvante, quimioterapia, resposta patológica, carbopaltina.

Key Words: câncer de mama, quimioterapia neoadjuvante, quimioterapia, resposta patológica, carbopaltina. Alta taxa de resposta completa patológica (prc) em câncer de mama triplo negativo após quimioterapia neoadjuvante sequencial Augusto Ribeiro GABRIEL, MD* Ruffo de FREITAS JÚNIOR, MD, PhD* * Programa de

Leia mais

II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI

II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI T1 ALTO GRAU DOENCA AGRESSIVA 4ª Causa de Óbito oncológico Pouca melhora

Leia mais

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO COMPLICAÇÕES EM ESVAZIAMENTO CERVICAL UBIRANEI O. SILVA INTRODUÇÃO Incidência melanoma cutâneo: 10% a 25% Comportamento

Leia mais

Câncer de Mama. Estadiamento. Tratamento

Câncer de Mama. Estadiamento. Tratamento Câncer de Mama. Estadiamento. Tratamento INTRODUÇÃO Nas últimas décadas têm ocorrido em todo o mundo, significativo aumento da incidência do câncer de mama e conseqüentemente da mortalidade associada à

Leia mais

Editor: José Anacleto Dutra de Resende Júnior

Editor: José Anacleto Dutra de Resende Júnior Editor: José Anacleto Dutra de Resende Júnior Editores associados: Rodrigo Ribeiro Vieiralves Paulo Henrique Pereira Conte Acesse: http://www.sburj.org.br/cursos.php 1 Uro-Oncologia 3 Módulo XI: Pênis

Leia mais

Valor da pesquisa de linfonodo sentinela no câncer de mama: revisão sistemática da literatura

Valor da pesquisa de linfonodo sentinela no câncer de mama: revisão sistemática da literatura I UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA Fundada em 18 de fevereiro de 1808 Monografia Valor da pesquisa de linfonodo sentinela no câncer de mama: revisão sistemática da literatura

Leia mais

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático O tratamento de pacientes com câncer de mama metastático

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952.

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952. 1 SPCC - Hospital São Marcos Clínica de Ginecologia e Mastologia UICC União Internacional Contra o Câncer - TNM 6ª edição ESTADIAMENTO DOS TUMORES DE MAMA HISTÓRIA DO TNM O sistema TNM para a classificação

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata

Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata N o 145 Março/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que

Leia mais

TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto

TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto Médico Assistente do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP) FMUSP Médico Titular

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama 2004 Projeto Núcleo Mama Porto Alegre Estudo com parceria entre Hospital

Leia mais

CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO

CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO CASCAVEL 2010 2 DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO

Leia mais

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT Segundo diretrizes ANS Referencia Bibliográfica: Site ANS: http://www.ans.gov.br/images/stories/a_ans/transparencia_institucional/consulta_despachos_poder_judiciari

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UFU Í

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UFU Í UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UFU Í RECIDIVA CÂNCER DE MAMA EM PLASTRÃO EM MULHERES MASTECTOMIZADAS NA CIDADE DE UBERLÂNDIA ENTRE OS ANOS DE 1999 A 2003 Florença Neves Copati 1, Calil Carvalho Neto

Leia mais

S R E V R I V Ç I O D E E C IR I URGIA I A T O T RÁCIC I A

S R E V R I V Ç I O D E E C IR I URGIA I A T O T RÁCIC I A Neoadjuvância Julio Espinel R2 CIT Cristiano Feijó Andrade Outubro 2009 Importância Estadiamento linfonodal Unificar para discutir e poder propor modificações; Selecionar tratamento multimodais; Discordâncias

Leia mais

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou?

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Ilka Lopes Santoro EPM - Unifesp Conflito de Interesse Nada a declarar For myself I am an optimist it does not seem to be much use being anything else. Sir Winston

Leia mais

Estudo da sobrevida de pacientes com câncer de mama atendidas no hospital da Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil

Estudo da sobrevida de pacientes com câncer de mama atendidas no hospital da Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil ARTIGO ARTICLE 2219 Estudo da sobrevida de pacientes com câncer de mama atendidas no hospital da Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil Survival study of breast cancer patients

Leia mais

Paciente de Alto Risco

Paciente de Alto Risco Paciente de Alto Risco Novas Fronteiras do Bloqueio Estrogênico na Prevenção do Câncer de Mama Não há conflitos de interesse. Nunca recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade

Leia mais

TRATAMENTO SISÊMICO NEOADJUVANTE SEGUIDO DE CITORREDUÇÃO DE INTERVALO. Eduardo Vieira da Motta

TRATAMENTO SISÊMICO NEOADJUVANTE SEGUIDO DE CITORREDUÇÃO DE INTERVALO. Eduardo Vieira da Motta TRATAMENTO SISÊMICO NEOADJUVANTE SEGUIDO DE CITORREDUÇÃO DE INTERVALO Eduardo Vieira da Motta Sobrevida global por doença residual Fatos Citorredução é efetiva porque há quimioterapia Maior volume tumoral,

Leia mais

PELE - MELANOMA PREVENÇÃO

PELE - MELANOMA PREVENÇÃO PREVENÇÃO Use sempre um filtro solar com fator de proteção solar (FPS) igual ou superior a 15, aplicando-o generosamente pelo menos 20 minutos antes de se expor ao sol e sempre reaplicando-o após mergulhar

Leia mais

Programa de Mastologia do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás 74690-000, Brasil. rosraquel@hotmail.com; ruffojr@terra.com.

Programa de Mastologia do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás 74690-000, Brasil. rosraquel@hotmail.com; ruffojr@terra.com. Análise Descritiva de Pacientes Submetidas a Endocrinoterapia Neoadjuvante para Tratamento do Câncer de Mama em Estádios Avançados na Cidade de Goiânia. Raquel Oliveira dos Santos 1, Ruffo de Freitas Junior

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Declaro não haver conflito de interesse Dra Maria Cecília Monteiro Dela Vega Médica Oncologista Clínica- CEBROM e Hospital Araujo Jorge

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Acerca dos possíveis achados ambulatoriais de doenças benignas e malignas da mama, julgue os itens a seguir. 41 A amastia é um processo de má formação caracterizado pela ausência de tecido glandular mamário,

Leia mais

CIRURGIA NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE MAMA

CIRURGIA NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE MAMA Núcleo de Mastologia Hospital Sírio-Libanês Laboratório de Anatomia Médico-Círúrgica (LIM 02) Faculdade de Medicina da USP CIRURGIA NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE MAMA Up to date Alfredo Carlos S.D. Barros

Leia mais

Linfadenectomia em câncer de próstata. Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia

Linfadenectomia em câncer de próstata. Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia Linfadenectomia em câncer de próstata Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia Diagnóstico do acometimento linfonodal em câncer de próstata Tomografia VPP:50% e VPN: 33% Ressonância magnética = TC

Leia mais

Diagnóstico e Tratamento do Câncer de Mama

Diagnóstico e Tratamento do Câncer de Mama Sociedade Brasileira de Mastologia Sociedade Brasileira de Cancerologia Sociedade Brasileira de Patologia Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia Elaboração Final: 15 de Agosto de 2001 Autores:

Leia mais

Perfil clínico, histológico e biológico de pacientes submetidos à biópsia do linfonodo sentinela por câncer de mama

Perfil clínico, histológico e biológico de pacientes submetidos à biópsia do linfonodo sentinela por câncer de mama ARTIGO ORIGINAL Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo 2013;58(3):121-6. Perfil clínico, histológico e biológico de pacientes submetidos à biópsia do linfonodo sentinela por câncer de mama Clinical,

Leia mais