FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO HELMER WALTER KEPPKE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO HELMER WALTER KEPPKE"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO HELMER WALTER KEPPKE APLICABILIDADE DOS CONCEITOS DE MANUFATURA ENXUTA E ÁGIL EM SERVIÇOS: CASO DE TELECOMUNICAÇÕES SÃO PAULO 2004

2 HELMER WALTER KEPPKE APLICABILIDADE DOS CONCEITOS DE MANUFATURA ENXUTA E ÁGIL EM SERVIÇOS: CASO DE TELECOMUNICAÇÕES Dissertação apresentada à Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas como requisito para a obtenção do título de mestre em Administração de Empresas. Área de conhecimento: Administração da Produção e Operações Industriais Orientador: Prof. Dr. João Mário Csillag. SÃO PAULO 2004

3 Keppke, Helmer Walter. Aplicabilidade dos conceitos de manufatura enxuta e ágil em serviços : caso de telecomunicações / Helmer Walter Keppke f. Orientador: João Mário Csillag. Dissertação (mestrado) - Escola de Administração de Empresas de São Paulo. 1. Cadeia de suprimentos. 2. Indústria de serviços. 3. Telecomunicações - Indústria. 4. Telecomunicações - Brasil. I. Csillag, João Mário. II. Dissertação (mestrado) - Escola de Administração de Empresas de São Paulo. III. Título. CDU

4 HELMER WALTER KEPPKE APLICABILIDADE DOS CONCEITOS DE MANUFATURA ENXUTA E ÁGIL EM SERVIÇOS: CASO DE TELECOMUNICAÇÕES Dissertação apresentada à Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas como requisito para a obtenção do título de mestre em Administração de Empresas. Área de conhecimento: Administração da Produção e Operações Industriais Data de Aprovação: / / Banca Examinadora: Prof. Dr. João Mário Csillag.(Orientador) FGV-EAESP Prof. Dr. Izak Kruglianskas FEA-USP Prof. Dr. Luiz Carlos DiSerio EAESP-FGV

5 Dedico este trabalho às três mulheres mais importantes de minha vida: a filha Ellen, esposa Rosane e mãe Ruth.

6 AGRADECIMENTOS É uma tarefa árdua poder expressar em palavras os agradecimentos que tenho a fazer por ter tido a oportunidade de realizar este trabalho. A tarefa é árdua pela dificuldade de encontrar palavras para expressar os sentimentos bem como o temor de esquecer alguém. Inicialmente gostaria de agradecer à DEUS por ter me dado a oportunidade de poder concluir este trabalho. Muito agradeço à meus pais, Erwin Walter Keppke e Ruth Campani Keppke que sempre me apoiaram e incentivaram. De maneira especial à minha mãe que me fez ver o conhecimento como um processo contínuo e prazeiroso que se estende pela vida. Agradeço a minha esposa, Rosane Segantin Keppke, que sempre foi uma grande incentivadora neste trabalho nas diversas fases. Suas palavras e ações de apoio foram fundamentais em vários momentos. Não seria possível este trabalho sem a colaboração das empresas COMSAT, INTELIG e VICOM que através de seus profissionais nos propiciaram as condições para a coleta de dados tão importantes à este trabalho. Agradeço a colegas do meio profissional que de diferentes maneiras colaboraram com este trabalho e em especial cito: Laércio Lucchesi e Roberto Cossi Junior. Agradeço ao professor Luiz Carlos DiSerio pelo compartilhamento de seu conhecimento na área de Cadeias de Suprimento, incentivo, orientação e apoio na publicação dos primeiros artigos científicos. Sem dúvida foi um de meus mentores intelectuais. Agradeço aos professores participantes da banca de qualificação, professor Dr. Izak Kruglianskas e professor Dr. Luiz Carlos DiSerio. Finalmente um agradecimento especial ao Professor Dr. João Mário Csillag que além de orientador foi também um incentivador e exemplo na vida e pesquisa acadêmica.

7 RESUMO A área de manufatura tem durante os últimos cem anos se utilizado de uma série de desenvolvimentos técnicos e organizacionais que lhe permitiu aumentos de eficiência. Considerando que manufatura enxuta e ágil são as modalidades de organização mais atuais em termos de gestão para indústrias de manufatura e que elas tem trazido aumento de competitividade das empresas, buscou-se analisar a sua aplicação no ramo de serviços. O objetivo deste trabalho é analisar a aplicabilidade dos conceitos de manufatura enxuta e ágil em serviços e mais especificamente no mercado brasileiro de telecomunicações. Optou-se pelas serviços de comunicação de dados corporativos e escolheram-se empresas prestadoras deste tipo de serviço no Brasil. Para se considerar a aplicabilidade destes conceitos buscou-se respostas às seguintes perguntas: Os conceitos de manufatura enxuta são aplicáveis à indústria de serviços? Caso os conceitos de manufatura enxuta sejam aplicáveis, quais são sugestões para aplicalos formalmente e estruturadamente na indústria de serviços? Os conceitos de manufatura ágil são aplicáveis à indústria de serviços? Caso os conceitos de manufatura ágil sejam aplicáveis, quais são sugestões para aplica-los formalmente e estruturadamente na indústria de serviços? Utilizou-se de três estudos de caso. Através do uso de estudos de caso associados à Técnica de Análise Funcional de Sistemas estruturou-se a pesquisa focando na visão do cliente deste tipo de serviço. A indústria de serviços tem tido um aumento na importância econômica na maioria dos países porém não tem tido a oportunidade de usufruir, ainda que parcialmente, de muitos dos grandes avanços que a indústria de manufatura e processo obtiveram durante sua longa evolução até o estágio atual. Considerando estes fatos é extremamente pertinente prover a indústria de serviços de novos instrumentais para aumentar sua eficiência e eficácia e com isso garantir o aumento da competitividade. Palavras-Chave: Cadeia de Suprimentos, Indústria de Serviços, Telecomunicações Indústria Administração e Telecomunicações Brasil.

8 ABSTRACT During the past hundred years manufacturing carried out a series of technical and organizational development, which strongly increased its efficiency. Insofar as lean and agile manufacturing is the more contemporary organizational structure in terms of manufacturing management, as well as the implementation of such structure is improving enterprise s competitiveness, this paper focuses on its applicability to services supply. Therefore, this work is aimed at analyzing the applicability of the lean and agile manufacturing concepts to the supply chain of services, attention is paid specifically to the Brazilian telecommunications market. Emphasis is given to corporate data communication services focusing on enterprises that supply such services in Brazil. In order to assess the applicability of those concepts, the following questions are to be answered here: Is the concept of lean manufacturing suitable to the services industry? In the case that the concept of lean manufacturing should be applicable, how could it formally and structurally be used to the services industry? Is the concept of agile manufacturing suitable to the services industry? In the case that the concept of agile manufacturing should be applicable, how could it formally and structurally be used to the services industry? Three case studies are to be examined in this paper. Analysis focuses on the point of view of customers of such services through examining case studies associated to the Functional Analysis Systems Technique (FAST). In almost all countries the services industry has significantly improved its economic influence, but it has not had so far, even partially, the opportunity for usufruct the huge development that the manufacturing industry, as well as its processes, witnessed since the early beginning to now. Bearing in mind such facts, providing the services industry with new tools aimed at improving efficiency and effectiveness in order to increase competitiveness is crucial. Keywords: Supply Chain, Services Industry, Telecommunications Industry Management, Brazil Telecommunications.

9 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ANATEL Agência Nacional de Telecomunicações ATM Asyncronous Transfer Mode BT British Telecom CI Comsat International CIH Comsat International Holding CIR Commited Information Rate CPE Customer Premisse Equipment CVM Comissão de Valores Mobiliários DC Data Center DDD Discagem Direta à Distância DDI Discagem Direta Internacional EILD Exploração Industrial de Linha Dedicada ERB Estação Rádio Base ERP - Enterprise Resource Planning FAST Functional Analysis Systems Technique FR Frame relay IMPV - International Motor Vehicle Program IP Internet Protocol ISDN Integrated Services Digital Network ISO International Standards Organization IT Information Technology JIT Just in Time LAN Local Area Network LMGT Lockheed Martin Global Telecommunications MIT - Massachusetts Institute of Technology MRP - Materials Requirement Planning MRP II - Manufacturing Resource Planning MTTR Maximum Time to Repair NMF - Network Management Forum NOC Network Operations Center NYSE New York Stock Exchange PMI Project Manager of Implementation POMS Production and Operations Management Society

10 POP- Point of Presence QFD Quality Function Deployment SCM Serviço de Comunicação Multimídia SCPC Single Channel per Carrier SLDD Serviço de Linha Dedicada Digital SLE Serviço Limitado Especializado SRE Serviço de Rede Especializado TMR Tempo Máximo de Reparo TPS - Toyota Production System VALSAT Value Stream Analysis Tool VPN Virtual Private Network VSAT Very Small Aperture Terminal VSM Value Stream Mapping WAN Wide Area Network

11 RELAÇÃO DE FIGURAS Figura 1 Diagrama dos recursos básicos para a prestação de serviços de telefonia fixa... 8 Figura 2 - Diagrama de recursos básicos para a prestação de serviços de telefonia móvel... 9 Figura 3 - Diagrama da cadeia de infraestrutura de apoio para prover o serviço de comunicação de dados corporativo, incluindo gerenciamento Figura 4 - Diagrama Esquemático de uma rede de comunicação de dados corporativa Figura 5 - Diagrama esquemático com apresentando a questão da distância Figura 6 - Diagrama esquemático de uma rede de comunicação de dados corporativa com uma visão da rede do provedor Figura 7 - Diagrama de comunicação de dados via cabos de cobre e/ou ótico Figura 8 - Diagrama ilustrativo de comunicação de dados via rádio Figura 9 - Diagrama ilustrativo de comunicação de dados via satélite Figura 10 Típica Estrutura de suprimento para a provisão de serviços de telecomunicações corporativos Figura 11 - Citações sobre Manufatura Enxuta Figura 12 - Matriz de variedade de manufatura baseado nas dimensões variedade do produto e rapidez na resposta Figura 13 - Principais trocas ocorridas em um relacionamento de mercado Figura 14 - Modelo de relacionamento de mercado com as variáveis chave de compromisso e confiança Figura 15 - Modelo de rede dinâmica Figura 16 - Modelo de hélice dupla Figura 17 A estrutura de manufatura ágil Figura 18 - Matriz de características qualificadoras x vencedoras para suprimento enxuto e ágil Figura 19 - Diferenças de enfoque entre cadeias de suprimento ágeis e enxutas Figura 20 - Comparação dos atributos distintos de suprimento ágil e enxuto Figura 21 - Abordagens contingênciais para escolha da estratégia de suprimento Figura 22 - Sumário de comentários sobre manufatura ágil Figura 23 - Matriz de Processos de Serviços Figura 24 - Gráfico de Correlação entre volume com algumas características do processo prestador de serviço. 45 Figura 25 - Tipologia de serviços com base nos contínuos de volume e variedade/customização do serviço Figura 26 - Características distintas dos processos de produção Figura 27 - Tipos de pesquisa Figura 28 - Comparação entre concepções básicas de pesquisa Figura 29 - Situações relevantes para diferentes estratégias de pesquisa Figura 30 - Projeto de Pesquisa Figura 31 - Estrutura do trabalho em capítulos Figura 32 - Estrutura básica do diagrama FAST utilizado Figura 33 - Fontes de dados para os estudos de caso Figura 34 - Relação de localidades com assistência técnica avançada da VICOM Figura 35 - Distribuição dos pontos de atendimento avançado da VICOM Figura 36 - Relação de pontos de atendimento NET Figura 37 - Mapeamento das regiões que a NET Serviços dispõe de licenças para operação do serviço de TV à cabo Figura 38 - Serviços corporativos oferecidos pela VICOM Figura 39 - Diagrama de uma solução Supersat - SCPC Figura 40 - Diagrama de uma solução EASYSAT Figura 41 - Visão geral do laboratório de reparo da VICOM Figura 42 - Detalhe de uma bancada de reparo no laboratório VICOM Figura 43 - Relação de fabricantes que tem seus equipamentos reparados pela VICOM Figura 44 - Organograma da VICOM Figura 45 - Principais insumos adquiridos pela VICOM Figura 46 - Diagrama do backbone INTELIG Figura 47 - Insumos produtivos utilizados pela INTELIG Figura 48 - Organograma da INTELIG Figura 49 - Diagrama da Rede Nacional da Comsat Brasil Figura 50 - Diagrama do backbone Internacional da COMSAT Figura 51 - Organograma da Comsat Figura 52 - Insumos produtivos consumidos pela COMSAT Figura 53 - Montagem de uma solução de redes corporativas com soluções modulares Figura 54 - Montagem de uma solução corporativa com itens modulares e outros especiais

12 Figura 55 Montagem de uma de uma solução de redes corporativas com um fornecedor oferecendo mais do um único módulo e sim um subsistema

13 3 SUMÀRIO: 1 INTRODUÇÃO: INTRODUÇÃO AO AMBIENTE DE TELECOMUNICAÇÕES REVISÃO TEÓRICA SOBRE OS FUNDAMENTOS DE PRODUÇÃO ENXUTA, ÁGIL E SERVIÇOS INTRODUÇÃO HISTÓRICO MANUFATURA ENXUTA MANUFATURA ÁGIL SERVIÇOS CONCEITOS DE MANUFATURA ENXUTA E ÁGIL EM SERVIÇOS METODOLOGIA INTRODUÇÃO PROJETO DE PESQUISA ESTRUTURA DO TRABALHO POR CAPÍTULOS ESTUDOS DE CASO INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS DE CASO CASO 1 VICOM LTDA CASO 2 INTELIG TELECOMUNICAÇÕES LTDA CASO 3 COMSAT BRASIL LTDA ANÁLISE CRUZADA DOS DADOS DOS CASOS RESULTADOS E CONCLUSÕES INTRODUÇÃO OS CONCEITOS DE MANUFATURA ENXUTA SÃO APLICÁVEIS INDÚSTRIA DE SERVIÇOS? CASO OS CONCEITOS DE MANUFATURA ENXUTA SEJAM APLICÁVEIS, QUAIS SÃO SUGESTÔES PARA APLICA-LOS NA INDUSTRIA DE SERVIÇOS? OS CONCEITOS DE MANUFATURA ÁGIL SÃO APLICÁVEIS À INDÙSTRIA DE SERVIÇOS? CASO OS CONCEITOS DE MANUFATURA ÁGIL SEJAM APLICÁVEIS, QUAIS AS SUGESTÕES PARA APLICA-LOS DE MANEIRA FORMAL E ESTRUTURADAMENTE NA INDÚSTRIA DE SERVIÇOS? CONCLUSÃO LIMITAÇÔES À PESQUISA PRÓXIMAS PESQUISAS REFERÊNCIAS: GLOSSÁRIO: APÊNDICES

14 4 APLICABILIDADE DOS CONCEITOS DE MANUFATURA ENXUTA E ÁGIL EM SERVIÇOS: CASO DE TELECOMUNICAÇÕES 1 INTRODUÇÃO: A área de manufatura tem durante os últimos cem anos se utilizado de uma série de desenvolvimentos técnicos e organizacionais que lhe permitiu aumentos de eficiência. Considerando que manufatura enxuta e ágil são as modalidades de organização mais atuais em termos de gestão para indústrias de manufatura e que elas tem trazido aumento de competitividade das empresas, buscou-se analisar a sua aplicação no ramo de serviços. O objetivo deste trabalho é analisar a aplicabilidade dos conceitos de manufatura enxuta e ágil em serviços e mais especificamente no mercado brasileiro de telecomunicações. Optou-se pelas serviços de comunicação de dados corporativos e escolheram-se empresas prestadoras deste tipo de serviço no Brasil. Para se considerar a aplicabilidade destes conceitos buscou-se respostas às seguintes perguntas: Os conceitos de manufatura enxuta são aplicáveis à indústria de serviços? Caso os conceitos de manufatura enxuta sejam aplicáveis, quais são sugestões para aplicalos formalmente e estruturadamente na indústria de serviços? Os conceitos de manufatura ágil são aplicáveis à indústria de serviços? Caso os conceitos de manufatura ágil sejam aplicáveis, quais são sugestões para aplica-los formalmente e estruturadamente na indústria de serviços? Utilizou-se de três estudos de caso. Através do uso de estudos de caso associados à Técnica de Análise Funcional de Sistemas estruturou-se a pesquisa focando na visão do cliente deste tipo de serviço. A indústria de serviços tem tido um aumento na importância econômica na maioria dos países porém não tem tido a oportunidade de usufruir, ainda que parcialmente, de muitos dos grandes avanços que a indústria de manufatura e processo obtiveram durante sua longa evolução até o estágio atual. Considerando estes fatos é extremamente pertinente prover a indústria de serviços de novos instrumentais para aumentar sua eficiência e eficácia e com isso garantir o aumento da competitividade.

15 5 2 INTRODUÇÃO AO AMBIENTE DE TELECOMUNICAÇÕES Muito há publicado na literatura sobre os ganhos que as empresas podem obter com novas estratégias de gestão, táticas de produção que agora são possíveis através da utilização de novas ferramentas de informática, telecomunicações e internet. Há uma grande quantidade de estudos sobre como a industria de bens de consumo à grandes fabricantes de bens de capital se utilizam destas novas ferramentas para implantar estratégias porém há muito pouco escrito sobre como as empresas que provêm este tipo de solução usam de estratégia de operações. Por conta disso optamos por explorar empresas de provimento de serviços de telecomunicações e verificar o que dos conceitos de manufatura enxuta e ágil podem ser aplicados neste tipo de indústria. Entre os incentivos que levaram o autor a esta linha de pesquisa estão dois artigos sendo que um explora os conceitos de manufatura enxuta em empresas de Serviços (APTE e GOH 2003) e o de aplicação dos conceitos de manufatura enxuta e ágil em telecomunicações (ROBERTSON e JONES 1999). Ao buscar mais publicações sobre o tema de operações em serviços de telecomunicações verificou-se realmente a lacuna e pelo esforço de instituições internacionais tais como, Production and Operations Management Society, POMS 2003 em focar o tema de serviços o autor sentiu-se incentivado a abordar o tema neste trabalho. Consideradas a complexidade técnica do assunto e a grande taxa de mudanças neste ramo da economia constata-se a dificuldade da análise da questão seja pela dificuldade de compreensão para profissionais não participantes desta indústria seja pela dificuldade em se ter longos períodos de tempo para poderem ser feitas análises mais completas. Há pouca quantidade de publicações sobre operações para empresas de serviços e mais especificamente em telecomunicações. Somente foram encontrados os seguintes materiais abordam os conceitos de manufatura ágil e/ou enxuta relacionados à serviços de telecomunicações: (ROBERTSON e JONES 1999), (LOWE 2003) (WILLETS e LOWE 2003), (ADAMS e WILLETS 1996) e (HOOPER e JONES 1998). Os trabalhos de de Robertson, Jones e Hooper foram produzidos com base nas pesquisas feitas na British Telecom, BT, e buscavam melhorias na sua operação como um todo. A BT por conta disso estruturou um time para elaborar os processos como um todo da empresa. Este estudo foi muito importante pois além de lançar bases em uma pesquisa mais formal sobre a estruturação do processo produtivo em uma empresa de telecomunicações também fortaleceu o Network Managemnet Forum, NMF. O NMF é uma organização internacional que congrega vários integrantes do mercado de telecomunicações que juntos buscam soluções para problemas comuns e desenvolver soluções

16 6 que melhorem as operações e os serviços prestados aos clientes (ADAMS e WILLETS 1996) (WILLETS e LOWE 2003). De modo a tornar o assunto telecomunicações menos árido este trabalho provê uma introdução aos principais conceitos da indústria de telecomunicações. Vale comentar que o termos Operação em telecomunicações em geral se aplica ao gerenciamento, controle e manutenção dos serviços operando ou seja funcionando. O processo completo de entrega de um serviço de telecomunicações de redes corporativas se compõe das seguintes etapas, segundo LOWE (2003): Análise do negócio e desenho da rede Aqui se analisa a oportunidade de negócio e os requerimentos do cliente. Também é elaborada a proposta técnico comercial buscando o atendimentos das necessidades do cliente. Envolve em geral um time técnico e outro comercial caso a solução seja padrão. Caso seja uma solução especial é necessário o envolvimento de outras áreas como engenharia e operações. Interação com o cliente para se fechar o negócio Aqui se realiza a negociação técnico comercial com o cliente até o momento que se chegue à um acordo do que será provido e em que condições. Colocação do pedido na empresa Se refere ao cadastro do cliente, seus endereços e dos serviços vendidos nos sistemas do provedor. Projeto do serviço na rede Aqui se realiza o projeto detalhado dos serviços e dos recursos necessários para atender o cliente em detalhes como equipamento, velocidades, facilidades alocadas, etc. Provisionamento da rede Nesta etapa são disponibilizados os serviços de rede acima detalhados tais como circuitos físicos, lógicos, etc. Teste e ativação da Rede Aqui se testa o resultado do provisionamento e se implantam os serviços que estão em camadas superiores de rede. Monitoração da Rede Acompanha a operação contínua dos serviços tomando ações preventivas e corretivas. Relacionamento e Faturamento Realiza-se o faturamento e cobrança segundo a periodicidade acordada com o cliente e é mantido o relacionamento com o mesmo verificando a sua satisfação com a prestação dos serviços e analisando-se novas oportunidades de negócio. Quanto à categorização dos clientes pode-se separa-los em linhas gerais em: varejo, atacado e corporativo. No varejo atende-se o público em geral e as pequenas empresas. No atacado

17 7 realiza-se a comercialização dos serviços para outras empresas do ramo que vão utiliza-lo como insumos. Entenda-se aqui a Embratel comprando serviços de comunicação de dados da Brasil Telecom por exemplo. Já o corporativo abrange empresas que são usuárias deste serviço porém não o utilizam para revende-lo e sim como consumo. Entenda-se aqui um banco comprando serviços de comunicação de dados da Telemar. Quanto às linhas principais de serviços podemos citar: telefonia fixa, telefonia móvel, acesso IP, Circuitos de comunicação de dados tipo linha dedicada, redes de comunicação de dados, transporte de tráfego de voz, gerenciamento de redes, consultoria de redes, outsourcing de redes de comunicação de dados e acesso à conteúdo. Há muitos outros serviços porém os listados acima sumarizam os mais significativos em termos de receitas e volume prestado. Dada a dinamicidade da tecnologia envolvida e da competição que se dá em vários destes serviços há um desafio grande em categorizar os produtos porém a divisão acima permite uma razoável abrangência para se incluírem os novos serviços que vão surgindo. A seguir listamos de uma maneira bastante superficial os componentes principais de alguns dos serviços acima listados. Na figura 1 a seguir temos uma noção da estrutura dos componentes em forma hierarquizada para a prestação de serviços de telefonia fixa. Com relação à estrutura de prestação de serviços de voz via telefonia celular temos a figura 2 e para o caso de prestação de serviços de comunicação de dados corporativos temos uma estrutura apresentada a seguir na figura 3. Devido ao fato de o mercado de telecomunicações ser bastante regulado buscou-se um segmento dos serviços de telecomunicações onde houvesse mais competidores e competição o que nos provê um ambiente mais variado de casos. Por conta disso optou-se pelo mercado de serviços de comunicação de dados corporativos onde há mais empresas atuando do que no mercado de voz. Entre as empresas deste mercado estão: Telemar, Telefônica, Brasil Telecom, Embratel, Intelig, AT&T LA, Metrored, Vicom, Comsat, Impsat, Compugraph, Primesys, etc.. Uma outra maneira e visualizar uma rede corporativa é segundo a Figura 4. Nesta figura podem ser vistas as unidades da empresa conectadas entre si através de conexões entre suas unidades e a rede do provedor. O provedor dispõe de uma infraestrutura capaz de receber estas informações das unidades de negócio do cliente e através de sua infraestrutura, também chamada de backbone, direcionar ao destino. Um elemento importante nesta configuração é a conexão entre as unidades do cliente, também chamadas de sites do cliente e o ponto de conexão mais próximo do provedor. Este tipo de conexão é usualmente chamada de link ou last mile. Na figura 5 temos uma visualização da rede incluindo a questão da

18 8 distância entre a rede do provedor e os sites dos clientes. Na figura 6 temos mais detalhes de uma rede corporativa e da composição da rede de um provedor. Figura 1 Diagrama dos recursos básicos para a prestação de serviços de telefonia fixa Provimento de Serviço de Telefonia Fixa Conexão da linha telefônica à residência do assinante com o detalhe que a infraestrutura interna é responsabilidade do cliente. Acesso ao Cliente - Alto investimento de infraestrutura de cabos de cobre, fibra ótica, Microondas, equipamentos principalmente em transmissão. Infraestrutura de Rede Lógica - Alto investimento de infraestrutura de rede com equipamentos como Centrais telefônicas, roteadores, switches, servidores e outros. Aqui também se inclui a Interconexão com outras operadoras para a troca de tráfego. Camada de Infraestrutura Física Alto investimento de infraestrutura de cabos de cobre, fibra ótica, Microondas, equipamentos principalmente em transmissão. Fonte: Autor

19 9 Figura 2 - Diagrama de recursos básicos para a prestação de serviços de telefonia móvel Provimento de Serviço de Telefonia Móvel Habilitação do aparelho do cliente Acesso ao cliente - Alto investimento de infraestrutura de cabos de cobre, fibra ótica, torres, ERBs Microondas, equipamentos principalmente em transmissão. Infraestrutura de Rede Lógica - Alto investimento de infraestrutura de rede com equipamentos como Centrais telefônicas, roteadores, switches, servidores e outros. Aqui também inclui a Interconexão com outras operadoras para troca de tráfego. Camada de Infraestrutura - Alto investimento de infraestrutura de cabos de cobre, fibra ótica, Microondas, equipamentos principalmente em transmissão. Fonte: Autor

20 10 Figura 3 - Diagrama da cadeia de infraestrutura de apoio para prover o serviço de comunicação de dados corporativo, incluindo gerenciamento. Gerenciamento da Rede do Cliente Ambiente de alto investimento se usam profissionais especializados com alta interação com o cliente. Provimento de Serviço de Telecomunicações ao Cliente - Configuração dos recursos disponíveis nas camadas anteriores para a demanda do cliente. Acesso ao cliente - Alto investimento de infraestrutura de cabos de cobre, fibra ótica, Microondas, equipamentos principalmente em transmissão. Infraestrutura de Rede Lógica Alto investimento de infraestrutura de rede com equipamentos como roteadores, switches, servidores e outros. Complementação de Rede - Através de uma equipe que identifica, contrata e implementa as facilidades complementares à rede própria do provedor. Camada de Infraestrutura Alto investimento de infraestrutura de cabos de cobre, fibra ótica, Microondas, equipamentos principalmente em transmissão. Fonte: Autor

21 11 Figura 4 - Diagrama Esquemático de uma rede de comunicação de dados corporativa. Escritório Regional 2 Escritório Regional 3 Escritório Regional 1 Rede compartilhada da prestadora de serviços de telecomunicacões Fábrica 2 Matriz Fábrica 1 Depósito Central Fonte: Autor No mercado de telecomunicações em geral caso a distância D1 do link na figura 5 seja maior que D2 na mesma figura o custo do serviço tende a ser maior. Figura 5 - Diagrama esquemático com apresentando a questão da distância. Escritório Regional 1 Escritório Regional 2 D1 D2 Rede compartilhada da prestadora de serviços de telecomunicacões Fonte: Autor

22 12 Na figura 6 há um diagrama esquemático de uma rede de comunicação de dados corporativa com uma visão mais detalhada da rede do provedor. Há dois clientes que são as empresas ABC Ltda e XTC S/A com unidades por todo o Brasil e que se utilizam de soluções de comunicação de dados. As caixas em verde são as unidades, ou sites, da empresa ABC Ltda. e as em amarelo da empresa XTC S/A. Estes sites das empresas ABC Ltda, e XTC S/A não se conectam diretamente entre si para se comunicarem mas sim se conectam à rede do provedor, também chamado de carrier. As linhas em verde representam os links conhecidos como acesso ao cliente ou também como last mile. Estes links conectam os sites dos clientes aos. Ponto de Presença (Points-of-Presence, POPs) da prestadora de serviços que são representados na figura pelas caixas em azul. Figura 6 - Diagrama esquemático de uma rede de comunicação de dados corporativa com uma visão da rede do provedor. XTC S/A Filial NE Belo Horizonte/MG ABC Ltda Escritório Regional 1 Belo Horizonte / BH XTC S/A Filial São Paulo/SP ABC Ltda. Fábrica 2 Betm/MG XTC S/A Matriz - RJ POP5 Belo Horizonte/MG Rede compartilhada da prestadora de serviços de telecomunicacões POP1 São Paulo/SP XTC S/A Fábrica - RJ POP4 Rio de Janeiro/RJ POP3 Curitiba/PR ABC Ltda. Escritório Regional RJ XTC S/A Fábrica 2 Blumenau/ SC ABC Ltda. Escritório Sul Porto Alegre/RS ABC Ltda. Matriz - SP ABC Ltda. Fábrica São Carlos/SP POP2 Campinas/SP ABC Ltda. Depósito Central Campinas/SP XTC S/A Filial Interior / São Paulo Ribeirão Preto/SP ABC Ltda. Filial Sul Curitiba/PR Fonte: Autor.

23 13 Nos POPs há uma série de equipamentos eletrônicos que permitem as atividades de recepção dos dados dos clientes através dos last miles, gerenciamento, transmissão e redundância. Os POPs também tem infraestrutura que permite que se conectem com o restante da rede, ou seja outros POPs. A rede do provedor dispõe de uma infraestrutura capaz de receber as informações originadas recebidas de cada uma dos sites dos clientes e direcionar ao destino correto. Na composição da rede do provedor também há os links de backbone que estão representados em azul escuro no digrama. Já as linhas em vermelho representam os links que provêm redundância através de uma topologia em anel. Os serviços de comunicação de dados tem de estar disponíveis de maneira permanente e ininterrupta e por conta disso as prestadoras deste tipo de serviço tem operação 7 x 24 horas e centros de gerencia e operação destes serviços. Estes centro de operação recebem nomes tais como Centro de Operação de Rede ou Network Operations Center, NOC. A rede de um provedor é bem mais complexa do que o mostrado na Figura 6 porém nela temos elementos importantes à compreensão da composição de uma solução típica de comunicação de dados corporativa. A comunicação de dados pode ser provida por um dos seguintes meios: cabos de cobre ou fibra ótica, rádio e satélite. Nos cabos de cobre a transmissão por ondas elétricas através do cabo tem menor custo, grande planta já instalada com menor capacidade de transmissão. Em geral é o meio mais abundante pois foi a base dos sistemas de telefonia de modo que a sua proliferação foi abundante e em um prazo bastante longo. No Brasil a instalação de cabos de cobre com fins a comunicação de voz tiveram sua instalação iniciada na época do império. Um diagrama simples de como funciona a transmissão via cabos pode ser vista na figura 7 Com cabos de fibra ótica a transmissão por ondas luminosas através do cabo. O custo do cabo de fibra ótica é maior que os de cobre, tem maior capacidade de transmissão de dados e os equipamentos terminais mais caros. Já nos rádios a comunicação se dá por ondas eletromagnéticas através da atmosfera. O rádio tem uma capacidade de transmissão limitada e um custo relativamente elevado. Vide diagrama ilustrativo na figura 8. Já na solução com satélite a informação trafega através de ondas eletromagnéticas através da atmosfera, apresenta capacidade de transmissão limitada e custo elevado. Tem a grande vantagem de poder atingir grandes áreas geográficas e é em muitos casos o único modo viável de comunicação em locais como desertos, florestas e locais afastados nos mares e oceanos. As comunicações por cabos e rádios são ditas terrestres.

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS CAPÍTULO 13 LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS Todos os serviços de conectividade e comunicação de dados oferecidos por qualquer operadora de telecomunicações, devem terminar nos pontos finais de utilização

Leia mais

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Rede Corporativa Introdução Rede corporativa é um sistema de transmissão de dados que transfere informações entre diversos equipamentos de uma mesma corporação, tais

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial REDES CORPORATIVAS Presente no mercado há 31 anos, a Compugraf atua em vários segmentos da comunicação corporativa, oferecendo serviços e soluções de alta tecnologia, com reconhecida competência em diversos

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 02 Segue abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS:

ESCLARECIMENTO Nº 02 Segue abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS: ESCLARECIMENTO Nº 02 Segue abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Item 7.1. do Edital: O PROPONENTE poderá inspecionar

Leia mais

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Comentários MINUTA TERMO DE REFERENCIA Lote 9A ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Resposta: Fica mantido o texto da minuta do TR. 2.2 O provimento

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES DEDICADOS PARA O DESENVOLVIMENTO E ELABORAÇÃO DO MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR (MFV) EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA LEAN PRODUCTION CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

REDES. A Evolução do Cabeamento

REDES. A Evolução do Cabeamento REDES A Evolução do Cabeamento Até o final dos anos 80, todos os sistemas de cabeamento serviam apenas a uma aplicação, isto é, eram sistemas dedicados. Estes sistemas eram sempre associados à um grande

Leia mais

1.264 Aula 23. Trabalhos da Internet: Integração de LANs para WANs

1.264 Aula 23. Trabalhos da Internet: Integração de LANs para WANs 1.264 Aula 23 Trabalhos da Internet: Integração de LANs para WANs Resumo da rede Repetidores, Pontes, Roteadores, Gateways (Centrais de Trânsito Internacional) Os repetidores apenas se estendem para as

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA OTIMIZANDO SEU SERVIÇO DE CALL- CENTER

EMPRESA BRASILEIRA OTIMIZANDO SEU SERVIÇO DE CALL- CENTER EMPRESA BRASILEIRA OTIMIZANDO SEU SERVIÇO DE CALL- CENTER Este documento descreve uma análise executada na infraestrutura de telecomunicações de uma corporação prestadora de serviços líder de mercado no

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

Os Pontos de Troca de Tráfego, o PTTMetro e a Internet Brasileira

Os Pontos de Troca de Tráfego, o PTTMetro e a Internet Brasileira Os Pontos de Troca de Tráfego, o PTTMetro e a Internet Brasileira Por Antonio M. Moreiras e Demi Getschko A Internet é uma construção coletiva que integra milhares de redes pelo mundo afora. Os brasileiros

Leia mais

Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS

Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS Julho/2010 Objetivo Este tutorial tem como objetivo fornecer informações técnicas e recomendações na utilização de roteadores 3G para implantação

Leia mais

ITEM QUESTIONAMENTO DECISÃO JUSTIFICATIVA. Qual o motivo da solicitação desta licença? Ela é compatível / necessária para o serviço?

ITEM QUESTIONAMENTO DECISÃO JUSTIFICATIVA. Qual o motivo da solicitação desta licença? Ela é compatível / necessária para o serviço? EMPRESA 1 ITEM QUESTIONAMENTO DECISÃO JUSTIFICATIVA 5.2 Apresentar o termo de autorização expedido pela Anatel para prestação de serviço de rede de transportes de telecomunicações SRTT e para prestação

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Veremos os seguintes tópicos relacionados ao projeto de redes corporativas: Tecnologias para o Acesso Remoto

Veremos os seguintes tópicos relacionados ao projeto de redes corporativas: Tecnologias para o Acesso Remoto Seleção de Tecnologias e Dispositivos para Redes Corporativas Veremos os seguintes tópicos relacionados ao projeto de redes corporativas: Tecnologias para o Acesso Remoto Tecnologias WAN Sistemas para

Leia mais

Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores

Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores Seleção de Tecnologias e Dispositivos para Redes Corporativas Veremos os seguintes tópicos relacionados ao projeto de redes corporativas: Tecnologias para o Acesso Remoto Tecnologias WAN Sistemas para

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas:

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes Sem Fio Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes sem fio fixa são extremamente bem adequado para implantar rapidamente uma conexão de banda larga, para

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia PROJETO BÁSICO Serviço de Comunicação Multimídia xxxxxxxxxx, xx de xxxxx de 2009 PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. n 272 da Anatel - SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) O B J E T O SOLICITAÇÃO DE

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

Brasília, 19/09/2013. A Rede Nacional do Ministério Público Federal Ref.: Projeto Básico e Especificações Técnicas

Brasília, 19/09/2013. A Rede Nacional do Ministério Público Federal Ref.: Projeto Básico e Especificações Técnicas Brasília, 19/09/2013. A Rede Nacional do Ministério Público Federal Ref.: Projeto Básico e Especificações Técnicas Prezados, A Telemar Norte Leste S/A, pessoa jurídica de direito privado, prestadora de

Leia mais

Embratel como provedora de infraestrutura para Grandes Eventos

Embratel como provedora de infraestrutura para Grandes Eventos I D C C A S E S T U D Y Embratel como provedora de infraestrutura para Grandes Eventos Janeiro, 2015 João Paulo Bruder, Coordenador de Telecomunicações, IDC Brasil Patrocinado pela Embratel A eficiência

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti UNIDADE II Metro Ethernet Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti Metro Ethernet é um modo de utilizar redes Ethernet em áreas Metropolitanas e geograficamente distribuídas. Esse conceito surgiu pois, de

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA. Curso: Redes de Computadores e Telecomunicações

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA. Curso: Redes de Computadores e Telecomunicações UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA Curso: Redes de Computadores Módulo 2 - Conceitos e Fundamentos Evolução das Redes d LAN, MAN e WAN Material de Apoio 2011 / sem2 Prof. Luiz Shigueru Seo CONCEITOS e FUNDAMENTOS

Leia mais

Tabela de Preços MARKETING B2B

Tabela de Preços MARKETING B2B 1. SOLUÇÔES DE DADOS E ACESSO A INTERNET... 2 1.1. TC IP ECONÔMICO SAT... 2 1.2. TC VPN CONNECT... 4 1.3. TC DATA... 4 1.4. TC PAC... 6 1.5. TC PAC DEDICADO... 7 1.6. TC FRAME WAY... 12 1/15 1. SOLUÇÔES

Leia mais

Unidade 1. Conceitos Básicos

Unidade 1. Conceitos Básicos Unidade 1 Conceitos Básicos 11 U1 - Conceitos Básicos Comunicação Protocolo Definição de rede Rede Internet 12 Comunicação de dados Comunicação de dados comunicação de informação em estado binário entre

Leia mais

PTTMetro. 11 Jan 2010

PTTMetro. 11 Jan 2010 PTTMetro 11 Jan 2010 Antonio Galvao de Rezende Filho Eduardo Ascenço Reis Milton Kaoru Kashiwakura PTTMetro http://ptt.br/ Apresentação 1 Sobre o CGI.br

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

MANUAL CLIENTE TODA A

MANUAL CLIENTE TODA A MANUAL CLIENTE TODA A Qualidade GVT AOS OLHOS DOS CLIENTES. TODA A QUALIDADE GVT AOS SEUS OLHOS O Serviço de Gerência é uma ferramenta fundamental para garantir o melhor desempenho dos serviços de telecomunicações

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n 6081/2005/SDE/GAB, de 23 de dezembro de 2005.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n 6081/2005/SDE/GAB, de 23 de dezembro de 2005. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06182/2006/RJ COGAM/SEAE/MF Rio de janeiro, 15 de maio de 2006. Referência: Ofício n 6081/2005/SDE/GAB, de 23 de dezembro de 2005.

Leia mais

Noções de redes de computadores e Internet

Noções de redes de computadores e Internet Noções de redes de computadores e Internet Evolução Redes de Comunicações de Dados Sistemas Centralizados Características: Grandes Centros de Processamentos de Dados (CPD); Tarefas Científicas; Grandes

Leia mais

RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS Nº 01/2015

RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS Nº 01/2015 Serviço Social do Comércio Departamento Regional Minas Gerais Processo nº 11999/14 Folha nº Informações e/ou despachos RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS Nº 01/2015 Licitação: Pregão Eletrônico 0053/2015.

Leia mais

Buscamos sempre a solução mais eficaz, de acordo com o avanço tecnológico dos sistemas de Telecomunicações e Tecnologia da Informação.

Buscamos sempre a solução mais eficaz, de acordo com o avanço tecnológico dos sistemas de Telecomunicações e Tecnologia da Informação. A T7 Solutions Informática e Telecomunicações atua como prestadora de serviços de Infraestrutura de TI e Telecom, com foco no desenvolvimento e implementação de soluções de Infraestrutura, Dados e Voz.

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES. Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão.

INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES. Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão. INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES O que é uma Rede? Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão. Uma Rede de Computadores é constituída por vários computadores conectados

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Apresentação. Redes de Computadores 4o. Semestre 8/16/13 2

Apresentação. Redes de Computadores 4o. Semestre 8/16/13 2 Apresentação Prof. MsC. Robson Velasco Garcia Formação: Engenheiro Eletrônico- Telecomunicações (2000) IMT / EEM Escola de Engenharia Mauá; Mestre em Engenharia da Computação (2009) Redes de Computadores

Leia mais

EMBRATEL WHITE PAPER

EMBRATEL WHITE PAPER EMBRATEL WHITE PAPER CARRIER ETHERNET Neste artigo, a Embratel destaca a história, arquitetura, princípios e serviços que a solução de Carrier Ethernet possui. A tecnologia Ethernet foi concebida na década

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Redes II ISDN e Frame Relay

Redes II ISDN e Frame Relay Redes II ISDN e Frame Relay Súmario 1. Frame Relay 02 1.1 Introdução 02 1.2 Velocidade 03 1.3 A Especificação X.25 03 1.3.1 Nível de Rede ou pacotes 03 1.3.2 Nível de Enlace ou de Quadros 04 1.3.3 Nível

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Introdução a Redes de Computadores Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Novembro de 2012 1 / 25 O que é Redes de Computadores? É a infra-estrutura de hardware

Leia mais

Autor: Patrick Freitas Fures

Autor: Patrick Freitas Fures FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS TÉCNICO EM INFORMÁTICA Conectividade WIMAX Autor: Patrick Freitas Fures Relatório Técnico apresentado ao Profº. Nataniel Vieira com requisito parcial para obtenção

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

TRAJETÓRIA BEM SUCEDIDA

TRAJETÓRIA BEM SUCEDIDA CORPORATE TRAJETÓRIA BEM SUCEDIDA De empresa regional para empresa nacional De 24 cidades em 9 estados para 95 cidades em 17 estados De 800 funcionários em 2000 para 8 mil atualmente Oferta completa de

Leia mais

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO O presente artigo, mostra de forma clara e objetiva os processos da ferramenta Just in time, bem como sua importância para a área de produção.

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios Prof. José Carlos Vaz EACH-USP 1 1. A importância da democratização do acesso à TI A desigualdade no acesso à tecnologia é um fator adicional

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére Planejamento e Projeto de Redes de Computadores Eduardo Barrére Aula Presencial Projeto Físico Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br O projeto deve considerar Seleção de tecnologias (conforme o projeto

Leia mais

PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL IMPLANTAÇÃO DE REDE FTTH E SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET BANDA LARGA E TELEFONIA

PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL IMPLANTAÇÃO DE REDE FTTH E SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET BANDA LARGA E TELEFONIA PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL IMPLANTAÇÃO DE REDE FTTH E SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET BANDA LARGA E TELEFONIA São Paulo, 09 de junho de 2010. Ao A/C.: Condomínio Colinas do Atibaia Jorge Vicente Lopes da

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

1.A HUGHES. 2.Visão geral comunicação por satélite. 3.Aplicações

1.A HUGHES. 2.Visão geral comunicação por satélite. 3.Aplicações COMUNICAÇÃO SATELITAL COMO ALAVANCA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA FÁBIO RICCETTO DIRETOR DE VENDAS HUGHES Agenda 1.A HUGHES 2.Visão geral comunicação por satélite 3.Aplicações A HUGHES Nosso Fundador

Leia mais

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa Introdução UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Com o aparecimento dos sistemas de comunicação móvel como a telefonia celular, o termo telefonia fixa passou a ser utilizado para caracterizar

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

Uma LAN proporciona: Topologias. Tipos de rede:

Uma LAN proporciona: Topologias. Tipos de rede: Tipos de rede: Estritamente falando, uma rede local ou LAN (Local Area Network) é um grupo de computadores que estão conectados entre si dentro de uma certa área. As LANs variam grandemente em tamanho.

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

PIM V e VI Projeto Integrado Multidisciplinar

PIM V e VI Projeto Integrado Multidisciplinar UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PIM V e VI Projeto Integrado Multidisciplinar PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: O projeto descrito abaixo contempla

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Tópicos Gerencia de Rede Motivação da Gerência Desafios Principais Organismos Padronizadores Modelo Amplamente Adotado As Gerências

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA COMUM PARA PROVEDORES DE SERVIÇOS E EMPRESAS. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

INFRA-ESTRUTURA COMUM PARA PROVEDORES DE SERVIÇOS E EMPRESAS. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com INFRA-ESTRUTURA COMUM PARA PROVEDORES DE SERVIÇOS E EMPRESAS Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com No passado, os provedores de serviços de telecomunicações projetavam, implementavam e operavam

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Redes de Computadores Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Classificação de Redes Redes de Computadores Conjunto de nós processadores capazes de trocar informações

Leia mais

Pós-Graduação em Segurança da Informação Exercícios de Redes de Alta Velocidade Professor : Marco Antônio C. Câmara - 15/03/2014. Aluno(a) : Gabarito

Pós-Graduação em Segurança da Informação Exercícios de Redes de Alta Velocidade Professor : Marco Antônio C. Câmara - 15/03/2014. Aluno(a) : Gabarito Aluno(a) : Gabarito 1 a. Questão : Com base no estudo dos aspectos de segurança de redes que afetam a performance, para cada uma das afirmações abaixo, assinale (C)erto ou (E)rrado. No caso da opção estar

Leia mais

XXSNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XXSNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XXSNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA

Leia mais

TECNOLOGIA DE ACESSO A REDES Prof. André Ciriaco andreciriaco@hotmail.com Aula 02 Objetivo da Aula Apresentação da Atividade PO última aula 1.5. Redes WAN Conceitos 1.5.1 Redes Wan -História 1.5.2 Elementos

Leia mais

PTTMetro Informações e Destaques

PTTMetro Informações e Destaques PTTMetro Informações e Destaques 3 o PTT Forum 3 Dez 2009 Antonio Galvao de Rezende Filho Eduardo Ascenço Reis Milton Kaoru Kashiwakura 3o PTT Forum

Leia mais

Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese

Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese Mario Dias Ripper F&R Consultores Brasília, 02 de setembro de 2014. PGMU III Geografia Características do Brasil

Leia mais

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local 1.264 Aula 22 Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local TV a cabo Permite a transferência de voz e dados nos estados permitidos (poucos até o momento) À LEC foi permitida a transferência

Leia mais

redes, infraestrutura e telecom

redes, infraestrutura e telecom redes, infraestrutura e telecom Integração de soluções, projetos, implementação e manutenção de redes, infraestrutura de TI e telecom para empresas de grande e médio portes. SERVIÇOS redes, infraestrutura

Leia mais

Planejamento, Projeto e Gerência

Planejamento, Projeto e Gerência Projeção Planejamento Estratégico Planejamento Tático Projeto Prospecção Complexidade Planejamento, Projeto e Gerência Geraldo Robson. Mateus Novas Tecnologias Novos Serviços Novas Aplicações Telecomunicações

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais

IBM WebSphere Product Center

IBM WebSphere Product Center Soluções de gerenciamento de informação de produto para dar suporte aos seus objetivos de negócios IBM WebSphere Product Center Oferece uma solução abrangente de gerenciamento de informação de produto

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais