CODIFICAÇÃO DE TUMORES E CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CODIFICAÇÃO DE TUMORES E CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER"

Transcrição

1 CODIFICAÇÃO DE TUMORES E CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER

2 CLASSIFICAÇÕES PADRONIZADAS UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS - 10ª Revisão (CID-10) CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA 2ª Edição (CID-0/2) e 3ª Edição (CID-0/3) CLASSIFICAÇÃO DOS TUMORES MALIGNOS TNM 5ª Edição e 6ª Edição CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRA DE OCUPAÇÃO CBO Edição de 2002 TABELA DE MUNICÍPIOS IBGE Edição de 2005

3 TOPOGRAFIA MORFOLOGIA TOPOGRAFIA E MORFOLOGIA PROCESSO HISTÓRICO DAS CLASSIFICAÇÕES PARA TUMORES UTILIZADAS EM Capítulo II (NEOPLASIAS) Capítulo II (NEOPLASIAS) Capítulo II (NEOPLASIAS) ONCOLOGIA

4 CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS 10ª Revisão (CID-10) Qual a sua utilização nos Registros de Câncer? RHC: Utiliza-se para codificar os óbitos. RCBP: Utiliza-se para fazer correspondência entre o banco de Mortalidade e os casos coletados pelo Registro de Câncer.

5 CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS 10ª Revisão (CID-10) Como se organizam os volumes da CID-10? Volume 1 Lista Tabular (Índice Numérico) Volume 2 Manual de Instrução Volume 3 Índice Alfabético

6 CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS 10ª Revisão (CID-10) Como a CID-10 está organizada? Em capítulos LISTA TABULAR I. Algumas Doenças Infecciosas e Parasitárias II. Neoplasias (Tumores) III. Doenças do Sangue e dos Órgaos Hematopoéticos e alguns Transtornos Imunitários IV. Doenças Endócrinas, Nutricionmais e Metabólicas V. Transtornos Mentais e Comportamentais VI. Doenças do Sistema Nervoso VII. Doenças do Olho e Anexos VIII. Doenças do Ouvido e da Apófise Mastóide IX. Doenças do Aparelho Circulatório X. Doenças do Aparelho Respiratório XI. Doenças do Aparelho Digestivo XII. Doenças da Pele e do Tecido Subcutâneo XIII. Doenças do Sistema Osteomuscular e do Tecido Conjuntivo XIV. Doenças do Aparelho Genitourinário XV. Gravidez, Parto e Puerpério XVI. Algumas Afecções Originadas no Período Perinatal XVII. Malformações Congênitas, Deformidades e Anomalias Cromossômicas XVIII. Sintomas, Sinais e Achados Anormais de exames Clínicos e de Laboratório Não Classificados em outra parte XIX. Lesões, Envenenamento e Algumas Outras Conseqüências de Causas Externas XX. Causas Externas de Morbidade e Mortalidade XXI. Fatores que Influenciam o Estado de Saúde e o Contato com os Serviços de Saúde

7 CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS 10ª Revisão (CID-10) Código Seções do Capítulo II da CID-10 Descrição C00 C Neoplasias malignas C76 C Neoplasias malignas de localizações mal definidas, secundárias e não especificadas C81 C Neoplasias malignas de tecido linfático, hematopoético e de tecidos correlatos C Neoplasias malignas de localizações múltiplas independentes (primárias) D00 D Neoplasias in situ D10 D Neoplasias benignas D37 D Neoplasias de comportamento incerto ou desconhecido

8 CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA 2ª Edição (CID-O/2) e 3ª Edição (CID-O/3) Qual a sua utilização nos Registros de Câncer? RHC: Utiliza-se para codificar a localização primária do tumor e seu tipo histológico. RCBP: Utiliza-se para codificar a localização primária do tumor e seu tipo histológico. Converte-se em CID-10 para fazer correspondência entre o banco de Mortalidade e os casos coletados pelo Registro de Câncer.

9 CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA 2ª Edição (CID-O/2) e 3ª Edição (CID-O/3) TOPOGRAFIA (LOCALIZAÇÃO DO TUMOR PRIMÁRIO) Definição: Topografia é a localização anatômica do tumor, ou seja, a parte do corpo humano em que o tumor se encontra instalado. É uma adaptação do Capítulo II da CID-10 Os Códigos são agrupados de C00.0 a C80.9

10 ONCOLOGIA - 2ª e 3ª Edições (CID-O/2 e CID-O/3) Como se estrutura a topografia do tumor? É composta por 4 dígitos (alfa-numéricos). C - é a letra que inicia o código, indicando que se refere a localização anatômica onde se encontra do tumor ## - os dois dígitos seqüenciais são numéricos e especificam o código da localização anatômica # - o terceiro dígito, após o ponto, indica a especificação da sublocalização anatômica Exemplo: C Terço médio do esôfago C15._ - Esôfago. 4 - Terço médio do esôfago ( melhor especificação)

11 ONCOLOGIA - 2ª e 3ª Edições (CID-O/2 e CID-O/3) - Condição especial para codificar topografia - Sem Outra Especificação (SOE) Significa que a descrição da localização do tumor ficou generalizada ou pouco específica. Não confundir com localizações mal definidas. Possibilidades de especificação da Mama: C mamilo C porção central da mama C quadrante superior interno da mama C quadrante inferior interno da mama C quadrante superior externo da mama C quadrante inferior externo da mama C prolongamento axilar da mama C lesão sobreposta da mama C Mama, SOE Topografia: Mama (Não houve nenhuma especificação mais detalhada da localização do tumor, somente referiu Mama) C Mama, SOE

12 CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA 2ª Edição (CID-O/2) e 3ª Edição (CID-O/3) MORFOLOGIA (TIPO HISTOLÓGICO) Definição: Morfologia (tipo histológico ou histologia) é o tipo de célula que forma o tumor. Os termos morfológicos para a CID-O, 2ª Edição são agrupados de M8000/0 a M9989/1 Os termos morfológicos para a CID-O, 3ª Edição são agrupados de M8000/0 a M9989/3

13 ONCOLOGIA - 2ª e 3ª Edições (CID-O/2 e CID-O/3) Como se estrutura a morfologia do tumor? M é a letra que inicia o código, indicando que se refere a morfologia do tumor (não é utilizado na codificação) É composta por 5 dígitos (numéricos) / ### - os três dígitos iniciais são numéricos e especificam o código do tipo histológico (o tipo do tumor) # - o quarto dígito indica, dentro do grupo histológico, a melhor especificação /# - o quinto dígito indica o comportamento biológico /0 Neoplasias benignas /1 Neoplasias de comportamento incerto se benigno ou maligno /2 Neoplasias in situ, Intraepitelial, Não invasivo /3 Neoplasias malignas declaradas como primárias /6 Neoplasias malignas secundárias ( metástases ) * /9 Neoplasias malignas, incerto se primário ou metastático * * Não utilizadas em RHC

14 ONCOLOGIA - 2ª e 3ª Edições (CID-O/2 e CID-O/3) Como se estrutura a morfologia do tumor? É composta por 5 dígitos (numéricos) / Exemplo: Adenocarcinoma, tipo intestinal de fundo do estômago Morfologia: Adenocarcinoma, tipo intestinal / 3 Topografia: fundo do estômago C

15 ONCOLOGIA - 2ª e 3ª Edições (CID-O/2 e CID-O/3) - Condição especial para codificar morfologia - Sem Outra Especificação (SOE) Significa que a descrição do tipo do tumor ficou pouco específica. Possibilidades de especificação do Sarcoma: 8800/3 Sarcoma, SOE 8801/3 Sarcoma fusocelular 8802/3 Sarcoma de células gigantes 8803/3 Sarcoma de células pequenas 8804/3 Sarcoma epitelióide Exemplo: Sarcoma de fêmur direito Topografia: Fêmur direito Morfologia: Sarcoma C Fêmur (independente de ser direito ou esquerdo) / 3 - Sarcoma, SOE

16 ONCOLOGIA - 2ª e 3ª Edições (CID-O/2 e CID-O/3) - Condição especial para codificar morfologia - Clinicamente Tumor Maligno Utiliza-se, o código morfológico 9990/3 (Clinicamente diagnosticado) - quando somente se tem como base a informação do diagnóstico de tumor maligno proveniente de exames clínicos/físicos, sem confirmação microscópica). Tanto para a CID-O, 2ª Edição quanto para CID-O, 3ª Edição este código permanece existente somente na lista alfabética.

17 ONCOLOGIA - 2ª Edição (CID-O/2) - Condição especial para codificar morfologia - O 6º dígito no código morfológico ŁO 6º dígito, o qual não é utilizado em Registros de Câncer, indica o grau de diferenciação histológica do tumor 1 Grau I Bem diferenciado 2 Grau II Moderadamente diferenciado 3 Grau III Pouco diferenciado 4 Grau IV Indiferenciado 9 Grau de diferenciação não determinado, não estabelecido ou não se aplica ŁO 6º dígito, o qual não é utilizado em Registros de Câncer, para designar células T e B em Linfomas e Leucemias 5 Células T 6 Células B 7 Células nulas, não T- não B (somente para as leucemias) 9 Tipo celular não determinado, não estabelecido ou não se aplica

18 ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3) - Condição especial para codificar morfologia - O 6º dígito no código morfológico ŁO 6º dígito, o qual não é utilizado em Registros de Câncer, indica o grau de diferenciação histológica do tumor 1 Grau I Bem diferenciado 2 Grau II Moderadamente diferenciado 3 Grau III Pouco diferenciado 4 Grau IV Indiferenciado (Anaplásico) 9 Grau de diferenciação não determinado, não mencionado ou não aplicável ŁO 6º dígito, o qual não é utilizado em Registros de Câncer, para designar imunofenótipo para Linfomas e Leucemias 5 Células T 6 Células B 7 Células nulas, não T- não B (somente para as leucemias) 8 Células NK ( natural Killer ) 9 Tipo celular não determinado, não mencionado ou não aplicável

19 ONCOLOGIA - 2ª e 3ª Edições (CID-O/2 e CID-O/3) - Condição especial para codificar morfologia - CARCINOMA in situ e NIC III Exemplo 1: Carcinoma in situ de colo de útero Neoplasia intra epitelial grau III (NIC III) Displasia Grave, Acentuada ou Severa Codificação: Topografia: Colo do útero, SOE C53.9 Morfologia: Neoplasia intra epitelial grau III (NIC III) 8077/2 Exemplo 2: Carcinoma in situ de esôfago Codificação: Topografia: Esôfago, SOE C15.9 Morfologia: Carcinoma in situ 8010/2

20 ONCOLOGIA - 2ª e 3ª Edições (CID-O/2 e CID-O/3) - Condição especial para codificar morfologia - CARCINOMA in situ e NIV III / NIVA III Exemplo 1: Carcinoma in situ de vulva Neoplasia intra epitelial grau III Displasia Grave, Acentuada ou Severa Codificação: Topografia: Vulva, SOE C51.9 Morfologia: Neoplasia intra epitelial grau III 8077/2 Exemplo 2: Carcinoma in situ de vagina Neoplasia intra epitelial grau III Displasia Grave, Acentuada ou Severa Codificação: Topografia: Vagina, SOE C52.9 Morfologia: Neoplasia intra epitelial grau III 8077/2

21 ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3) - Condição especial para codificar morfologia - CARCINOMA in situ e NIA III Exemplo: Carcinoma in situ de ânus Neoplasia intra epitelial grau III Displasia Grave, Acentuada ou Severa Codificação: Topografia: Ânus, SOE C21.0 Morfologia: Neoplasia intra epitelial grau III 8077/2

22 ONCOLOGIA - 2ª e 3ª Edições (CID-O/2 e CID-O/3) - Condição especial para codificar morfologia - TUMORES in situ ( _ _ _ _ / 2 ) Exemplo 1: Adenocarcinoma in situ de estômago Codificação: Topografia: Estômago,SOE C16.9 Morfologia: Adenocarcinoma in situ, SOE 8140/2 Exemplo 2: Doença de Bowen do braço Codificação: Topografia: Pele do membro superior C44.6 Morfologia: Doença de Bowen 8081/2

23 ONCOLOGIA - 2ª e 3ª Edições (CID-O/2 e CID-O/3) Lesões que ultrapassam limites anatômicos (onde o ponto de origem não pode ser determinado) Exemplo 1: Localização Topográfica do Tumor - Reto, Ânus e Canal Anal Morfologia - Carcinoma epidermóide Codificação: T= C21.8 M = 8070/3 Exemplo 2: Carcinoma epidermóide atingindo superfície dorsal da língua e amígdala lingual. Codificação: T= C02.8 M = 8070/3 Exemplo 3: Carcinoma basocelular na asa do nariz e bochecha. Codificação: T= C44.8 M = 8090/3 Exemplo 4: Carcinoma basocelular no nariz, região cervical e braço. Codificação: T= C44.3 M = 8090/3 T= C44.4 M = 8090/3 T= C44.6 M = 8090/3

24 ONCOLOGIA - 2ª e 3ª Edições (CID-O/2 e CID-O/3) Diagnósticos Morfológicos Compostos q O termo composto Fibromixossarcoma é listado nas CID-O - 2ª e 3ª Edições - sob o código morfológico 8811/3. Entretanto, Mixofibrossarcoma possui o mesmo significado (somente os prefixos estão invertidos), portanto também é codificado como 8811/3. q Fibrohistiossarcoma maligno (não aparece esta descrição na CID-O) tem o mesmo significado de Histiocitoma fibroso maligno (forma como aparece descrito na CID-O). Então o código morfológico será 8830/3.

25 ONCOLOGIA - 2ª e 3ª Edições (CID-O/2 e CID-O/3) - Topografias correlacionadas diretamente com Morfologias - Exemplo 1: Adenocarcinoma, tipo difuso (C16._ ) C16._ = Estômago Exemplo 2: Carcinoma ductal infiltrante, SOE (C50._ ) C50._ = Mama OBS: laudo referindo ser de pâncreas, codificar como pâncreas Exemplo 3: Carcinoma lobular, SOE (C50._ ) C50._ = Mama OBS: laudo referindo ser de gl. salivar, codificar como glândula salivar Exemplo 4: Hepatocarcinoma (C22.0) C22.0 = Fígado Exemplo 5: Leucemia aguda, mielóide (C42.1 ) C42.1 = Medula óssea Exemplo 6: Linfoma cutâneo de células T (C44._) C44._ = Pele Exemplo 7: Linfoma Hodgkin não tem localização, provável linfonodo C77._ = Linfonodos

26 ONCOLOGIA - 2ª e 3ª Edições (CID-O/2 e CID-O/3) - Localização Primária Desconhecida - C80.9 Localização Primária Desconhecida, SOE Utiliza-se o C80.9 quando não sabemos onde o tumor primário está localizado. Exemplo 1: Paciente com um adenocarcinoma metastático para fígado. 1- Sabemos qual é a morfologia = adenocarcinoma, SOE 2- Sabemos que ele tem uma metástase no fígado 3- Não sabemos qual foi o local primário do tumor 4- Logo, a codificação correta é: Topografia: C80.9 Localização primária desconhecida, SOE Morfologia: 8140/3 Adenocarcinoma, SOE Exemplo 2 : Paciente com o seguinte laudo: Presença de malignidade, carcinoma epidermóide 1- Sabemos qual é a morfologia = carcinoma epidermóide, SOE 2- Não sabemos qual foi a localização primária do tumor 3- Logo, a codificação correta é: Topografia: C80.9 Localização primária desconhecida, SOE Morfologia: 8070/3 Carcinoma epidermóide, SOE

27 ONCOLOGIA - 2ª e 3ª Edições (CID-O/2 e CID-O/3) CASOS RAROS, MAS POSSÍVEIS 8900/3 Rabdomiossarcoma de pálato e outras partes moles da boca 8520/3 Carcinoma lobular de boca 8550/3 Carcinoma de células acinosas de boca (glândula salivar menor) 9490/3 Ganglioneuroblastoma de coração, mediastino e pleura 9500/3 Neuroblastoma de coração, mediastino e pleura 9714/3 Linfoma de grandes células de coração, mediastino e pleura 8075/3 Carcinoma de células escamosas (escamoso) adenóide de pele 8980/3 Carcinossarcoma de mama

28 ONCOLOGIA - 2ª e 3ª Edições (CID-O/2 e CID-O/3) CASOS POUCOS PROVÁVEIS - NECESSITAM DE REVISÃO 8070/3 Carcinoma epidermóide de glândula salivar Carcinoma epidermóide de estômago - deve ser esôfago Carcinoma epidermóide de mama pele da mama? Carcinoma epidermóide de tireóide Carcinoma epidermóide de reto - deve ser anus e canal anal 8140/3 Adenocarcinoma de esôfago - deve ser de estômago 8040/3 Tumorlet pouco provável ser fora do pulmão, revisar

29 ONCOLOGIA - 2ª e 3ª Edições (CID-O/2 e CID-O/3) CASOS POUCOS PROVÁVEIS - NECESSITAM DE REVISÃO 9071/3 Tumor de seio endodérmico (Tumor de saco vitelino) - são tumores de Gônadas, Retroperitônio, Mediastino ou qualquer outra localização da linha média. Se estiver em outra localização deve ser revisto o laudo para ver se não se trata de tumor de partes moles 8720/3 Melanoma de SNC - deve ser metastático 9500/3 Neuroblastoma que não seja de supra-renal, retroperitônio ou mediastino - investigar

30 ONCOLOGIA - 2ª e 3ª Edições (CID-O/2 e CID-O/3) CÓDIGOS MORFOLÓGICOS CARACTERÍSTICOS PARA CERTAS TOPOGRAFIA 8050/3 8503/3 8380/3 8010/3 Carcinoma papilar que não for de mama Carcinoma papilar de mama (adenocarcinoma papilar intraductal não infiltrante) Carcinoma endometrióide é localizado no ovário Carcinoma de endométrio não é endometrióide 8310/3 8312/3 9240/3 Adenocarcinoma de células claras Carcinoma de células renais Condrossarcoma mesenquimal ocorre em partes moles

31 ONCOLOGIA - 2ª e 3ª Edições (CID-O/2 e CID-O/3) CÓDIGOS MORFOLÓGICOS CARACTERÍSTICOS PARA CERTAS TOPOGRAFIA 8042/3 Carcinoma de pequenas células no pulmão ( oat cell ) 8041/3 Carcinoma de células pequenas nas outras localizações 8920/3 Rabdomiossarcoma alveolar são geralmente de partes moles 9364/3 Tumor neuroectodérmico periférico em geral são de partes moles Linfomas São em geral de linfonodos. Só considerar extranodal e gástrico quando não houver evidência de comprometimento ganglionar (linfonodos) 9731/3 Plasmocitoma são de osso 9732/3 Mieloma múltiplo são de medula óssea

32 ONCOLOGIA - 2ª e 3ª Edições (CID-O/2 e CID-O/3) Como auxiliar na definição de tumor primário entre Fígado x Pâncreas Primário de fígado Situação 1: Hepatomegalia (aumento do fígado) + aumento de alfafetoproteína + óbito Situação 2: aumento de alfafetoproteína + imagem característica em Ultrassom ou Cintigrafia [Imagem (US ou CT)] Metastático de fígado aumento de Antígeno Carcinoembrionário (CEA) + Imagem (US ou CT) Primário de pâncreas Situação 1: Aumento de CA Imagem (US ou CT) Situação 2: Imagem (US ou CT) + óbito Adenocarcinoma hepático Considerar apenas quando não houver evidência de topografia primária e houver evidência clínica do tumor no fígado OBSERVAÇÃO: Marcadores Tumorais são definidos como substâncias produzidas por tecidos neoplásicos que podem ser medidas quantitativamente por meios bioquímicos ou imuno-histoquímicos nos tecidos ou no sangue.

33 CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3) Centro colaborador da OMS para a Família de Classificações Internacionais de Doenças em Português Universidade de São Paulo EDUSP 2005

34 CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3) q Não houve mudança na estrutura da CID-O q Não houve mudança na estruturação das topografias q Termos antigos Novos significados

35 ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3) Não houve mudança na estrutura da CID-O CONSISTE EM 14 SEÇÕES qprefácio da 1ª e 2ª Edições (1976 / 1990) qintrodução q Diferenças entre CID-O e CID-10 q Instruções para o uso da CID-O, 2ª Edição q Topografia q Morfologia q Tumores primários múltiplos q Base do diagnóstico q Resumo das principais regras e convenções usadas na CID-O q Topografia Lista Numérica q Morfologia Lista Numérica q Índice alfabético q Novos códigos de morfologia q Novos termos e sinônimos de morfologias q Termos que foram alterados para malignos CONSISTE EM 10 SEÇÕES E 06 APÊNDICES q Introdução q Revisão Histórica q Diferenças entre CID-O e CID-10 q Estrutura e Forma da CID-O, 3ª Edição q Orientação para Codificação de Topografia e Morfologia q Codificação de Topografia e Morfologia Instruções e Regras q Referência Bibliográfica q Lista Numérica q Índice alfabético q Apêndices qapêndice 1 (Novos Códigos Morfológicos Inexistentes na CID-O, 2ª Edição) qapêndice 2 (Novos Termos e Sinônimos sem mudança dos Códigos da CID-O, 2ª Edição) qapêndice 3 (Termos que mudaram de Código) qapêndice 4 (Termos que mudaram de Lesões semelhante a Tumor para Neoplasias) qapêndice 5 (Termos Eliminados; Mudança de Códigos e Termos; Mudança de Termos com o mesmo Código) qapêndice 6 (Termos que mudaram de Código: /1 para /3; /3 para /1; /0 para /1; /1 para /0. q Neoplasias que sofreram maiores alterações

36 ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3) Não houve mudança na estruturação das topografias Códigos de Esôfago (CID-O/3) C15 ESÔFAGO C15.0 Esôfagfo cervical C15.1 Esôfagfo torácico C15.2 Esôfago abdominal C15.3 Terço superior do esôfago Terço proximal do esôfago C15.4 Terço médio do esôfago C15.5 Terço inferior do esôfago Terço distal do esôfago C15.8 Lesão sobreposta do esôfago C15.9 Esôfago, SOE

37

38 CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3) Códigos antigos Novos termos APÊNDICE 2: NOVOS TERMOS E SINÔNIMOS SEM MUDANÇA DOS CÓDIGOS DA CID-O 2ª Edição 8000/1 Tumor não classificado, malignidade limítrofe 8033/3 Carcinoma sarcomatóide 8040/0 Tumorlet, benigno 8040/1 Tumorlet, SOE 8041/3 Carcinoma neuroendócrino de células pequenas 8045/3 Carcinoma de células pequenas combinado Carcinoma de células pequenas misto Adenocarcinoma de pequenas células, combinado Carcinoma combinado de células pequenas e escamosas 8051/3 Carcinoma condilomatoso Carcinoma verrucoso 8052/2 Carcinoma escamocelular papilífero, não invasivo Carcinoma escamocelular papilífero, in situ 8053/0 Papiloma escamocelular invertido 8060/0 Papilomatose escamosa 8074/3 Carcinoma escamocelular, sarcomatóide 8075/3 Carcinoma escamocelular acantolítico 8077/2 Neoplasia escamosa intra-epitelial, grau III Neoplasia intra-epitelial vaginal, grau III (C52.-) Neoplasia intra-epitelial vulvar, grau III (C51.-) Neoplasia intra-epitelial Anal NIA III (C21.1) 8082/3 Carcinoma tipo linfoepitelial 8091/3 Carcinoma basocelular, superficial multifocal (C44.-) 8092/3 Carcinoma basocelular infiltrativo, SOE (C44.-) Carcinoma basocelular infiltrativo, não esclerosante (C44.-) Carcinoma basocelular infiltrativo, esclerosante (C44.-) Carcinoma basocelular tipo morfea (C44.-) Carcinoma basocelular tipo desmoplásico (C44.-)

39 CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3) q Resumo das principais regras e convenções usadas na CID-O/3 q Códigos novos com seus significados q Lesões não neoplásicas passaram a ser codificadas como neoplasias q Termos eliminados q Mudança de código e termo q Organização das mudanças separadas por topografias

40 ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3) - Principais Regras e Convenções - Correlação e Comparação das Regras utilizadas nas CID-O 2ª e 3ª Edições CID-O CID-O Assunto 3ª edição 2ª edição * Regiões topográficas e localizações mal definidas A 2 Prefixos B 3 Mais de uma categoria/subcategoria topográfica C 4 Código de topografia para Linfomas D 12 Código topográfico para leucemias E 13 Código de comportamento F 5 Graduação ou diferenciação G 6 Morfologia associada a topografia H 8 e 9 Diagnóstico morfológico composto J 10 Codificação de termos morfológicos múltiplos K 11 * Nota: CID-O 2ª edição: regra 1 descreve a estrutura de código de 10 dígitos CID-O 2ª edição: regra 7 descreve as diferenças entre os termos câncer e carcinoma CID-O 2ª edição: regra 14 descreve as situações nas condições de tumores múltiplos CID-O 3ª edição: não existe a regra I para evitar possível confusão com a regra 1

41 CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3) Códigos novos APÊNDICE 1: NOVOS CÓDIGOS MORFOLÓGICOS INEXISTENTES NA CID-O 2ª Edição Um termo sem número é sinônimo do código anterior 8005/0 Tumor de células claras, SOE 8005/3 Tumor maligno tipo células claras 8013/3 Carcinoma neuroendócrino de grandes células 8014/3 Carcinoma de células grandes fenótipo rabdóide 8015/3 Carcinoma de células vítreas (glassy) 8035/3 Carcinoma com células gigantes tipo osteoclasto 8046/3 Carcinoma, células não pequenas (C34.-) 8078/3 Carcinoma de células escamosas corneificadas 8083/3 Carcinoma escamocelular, basalóide 8084/3 Carcinoma escamoso, tipo células claras 8097/3 Carcinoma basocelular nodular (C44.-) Carcinoma basocelular, micronodular (C44.-) 8098/3 Carcinoma basocelular adenóide (C53.-) 8103/0 Tumor pilar (C44.-) Cisto tricolemal proliferante Tumor tricolemal proliferante 8131/3 carcinoma de células transicionais, micropapilífero (C67.-) 8148/2 Neoplasia glandular intraepitelial, grau III Neoplasia protática intraepitelial, grau III (C61.9) PIN III (C61.9) 8149/0 Adenoma canalicular 8156/1 Somatostatinoma, SOE Tumor de células somatostatinoma, SOE

42 Lesões não neoplásicas passaram a ser codificadas como neoplasias CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3) APÊNDICE 4: TERMOS QUE MUDARAM DE LESÕES (SEMELHANTE A TUMOR) PARA NEOPLASIAS CID-O CID-O 2ª edição Termos como aparecem na CID-O 3ª 3ª edição M Reticulohistiocitoma 8831/0 M Papulose linfomatóide (C44.-) 9718/3 M Tumor de células gigantes de bainha tendinosa 9252/0 M Histiocitose X SOE 9751/1 M Granuloma eosinófilo 9752/1 M Doença de Hand-Schüller-Christian 9753/1

43 Termos eliminados CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3) Mudança de códigos e termo APÊNDICE 5 A - TERMOS ELIMINADOS CID-O 2ª edição 8332/3 Estruma de Wuchernde-Langhans (C73.9) 9053/0 Mesotelioma benigno bifásico B MUDANÇA DE CÓDIGOS E TERMOS CID-O CID-O 2ª edição 3ª edição 8152/0 Adenoma de células alfa, SOE, substituído por 8152/1 Tumor de células alfa, SOE 9190/3 Sarcoma osteogênico justacortical (C40.-, C41.-), substituído por 9192/3 Osteossarcoma justacortical 9722/3 Histiocitose aguda diferenciada e progressiva, substituído por 9754/3 Histiocitose X aguda, progressiva 9190/3 Sarcoma osteogênico periostal, substituído por 9193/3 Osteossarcoma periostal

44 ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3) NEOPLASIAS QUE SOFRERAM MAIORES ALTERAÇÕES Para facilitar a codificação foram destacadas as neoplasias que tiveram, no mínimo, seis alterações - com as respectivas mudanças entre CID-O 2ª e CID-O 3ª edições. As listas completas das mudanças são encontradas nos apêndices 1 a 6.

45 ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3) NEOPLASIAS QUE SOFRERAM MAIORES ALTERAÇÕES MAMA C50 APÊNDICE 1: Novos códigos morfológicos inexistentes na CID-O 2ª edição APÊNDICE 2: Novos termos e sinônimos sem mudança de código da CID-O 2ª edição PELE C44 APÊNDICE 1: Novos códigos morfológicos inexistentes na CID-O 2ª edição APÊNDICE 2: Novos termos e sinônimos sem mudança de código da CID-O 2ª edição APÊNDICE 3: Termos que mudaram de código PULMÃO C34 APÊNDICE 1: Novos códigos morfológicos inexistentes na CID-O 2ª edição APÊNDICE 3: Termos que mudaram de código APÊNDICE 6: A - Termos que mudaram de código /1 (Malignidade Limítrofe) para código /3 (Maligno)

46 ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3) NEOPLASIAS QUE SOFRERAM MAIORES ALTERAÇÕES TIREÓIDE C73.9 APÊNDICE 1: Novos códigos morfológicos inexistentes na CID-O 2ª edição APÊNDICE 2: Novos termos e sinônimos sem mudança de código da CID-O 2ª edição APÊNDICE 3: Termos que mudaram de código OVÁRIO C56.9 APÊNDICE 1: Novos códigos morfológicos inexistentes na CID-O 2ª edição APÊNDICE 2: Novos termos e sinônimos sem mudança de código da CID-O 2ª edição APÊNDICE 6: B - Termos que mudaram de código /3 (Maligno) para código /1 (Malignidade Limítrofe)

47 ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3) NEOPLASIAS QUE SOFRERAM MAIORES ALTERAÇÕES OSSOS E CARTILAGEM C40., C41. APÊNDICE 1: Novos códigos morfológicos inexistentes na CID-O 2ª edição APÊNDICE 2: Novos termos e sinônimos sem mudança de código da CID-O 2ª edição APÊNDICE 3: Termos que mudaram de código RIM C64.9 APÊNDICE 1: Novos códigos morfológicos inexistentes na CID-O 2ª edição APÊNDICE 2: Novos termos e sinônimos sem mudança de código da CID-O 2ª edição APÊNDICE 6: D - Termos que mudaram de código /1 (Malignidade Limítrofe) para código /0 (Benigno) PÂNCREAS C25 APÊNDICE 1: Novos códigos morfológicos inexistentes na CID-O 2ª edição APÊNDICE 6: C - Termos que mudaram de código /0 (Benigno) para código /1 (Malignidade Limítrofe)

48 ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3) NEOPLASIAS QUE SOFRERAM MAIORES ALTERAÇÕES SNC C71 APÊNDICE 1: Novos códigos morfológicos inexistentes na CID-O 2ª edição APÊNDICE 2: Novos termos e sinônimos sem mudança de código da CID-O 2ª edição APÊNDICE 3: Termos que mudaram de código APÊNDICE 6: A - Termos que mudaram de código /1 (Malignidade Limítrofe) para código /3 (Maligno) APÊNDICE 6: B - Termos que mudaram de código /3 (Maligno) para código /1 (Malignidade Limítrofe) TIMO C37.9 APÊNDICE 1: Novos códigos morfológicos inexistentes na CID-O 2ª edição APÊNDICE 3: Termos que mudaram de código APÊNDICE 6: C - Termos que mudaram de código /0 (Benigno) para código /1 (Malignidade Limítrofe)

49 ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3) NEOPLASIAS QUE SOFRERAM MAIORES ALTERAÇÕES LINFOMA DE HODGKIN M APÊNDICE 1: Novos códigos morfológicos inexistentes na CID-O 2ª edição APÊNDICE 2: Novos termos e sinônimos sem mudança de código da CID-O 2ª edição APÊNDICE 3: Termos que mudaram de código LINFOMA DE HODGKIN M APÊNDICE 1: Novos códigos morfológicos inexistentes na CID-O 2ª edição APÊNDICE 2: Novos termos e sinônimos sem mudança de código da CID-O 2ª edição APÊNDICE 3: Termos que mudaram de código LEUCEMIA M APÊNDICE 1: Novos códigos morfológicos inexistentes na CID-O 2ª edição APÊNDICE 2: Novos termos e sinônimos sem mudança de código da CID-O 2ª edição APÊNDICE 3: Termos que mudaram de código

50

51 CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3) q Termos que mudaram de código q Mudança de termos com o mesmo código q Termos que tiveram mudança de comportamento

52 ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3)

53 ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3)

54 ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3)

55 ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3)

56 CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA - 3ª Edição (CID-O/3) A utilização será para dados coletados referentes ao ano calendário de 2005 (1ª consulta a partir de 01/01/2005)

COMENTÁRIOS SOBRE A CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA SEGUNDA EDIÇÃO (CID-O/2)

COMENTÁRIOS SOBRE A CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA SEGUNDA EDIÇÃO (CID-O/2) Anexo COMENTÁRIOS SOBRE A CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA SEGUNDA EDIÇÃO (CID-O/2) Os Registros Hospitalares de Câncer utilizam para codificar os tumores (topografia e histologia),

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

Quadro 2. Classificação Internacional do Câncer na Infância, Segunda Edição

Quadro 2. Classificação Internacional do Câncer na Infância, Segunda Edição Anexos Anexo 1. Classificação Internacional do Câncer Infantil segundo Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC) (KRAMÁOVÁ e STILLER, 1996) Quadro 2. Classificação Internacional do Câncer na Infância,

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA Carcinomas Profª. Dra. Maria do Carmo Assunção Carcinoma tipo basal Grau 3 CK14 & CK5 = Positivo P63 pode ser positivo (mioepitelial) Triplo negativo

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

2000 2003 Porto Alegre

2000 2003 Porto Alegre 2000 2003 Porto Alegre 1 Tabela 1- Série histórica do número de óbitos e Coeficientes de Mortalidade Geral (CMG) no Brasil, Rio Grande do Sul e Porto Alegre, 1980-2003 Brasil RS Porto Alegre Ano óbitos

Leia mais

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES BENIGNOS ( classificação de Christensen & Ishate A) TUMORES BENIGNOS VERDADEIROS 1) De origem epitelial adenoma papilar ( papiloma)

Leia mais

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo?

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? BIOLOGIA Cláudio Góes Fundamentos de oncologia 1. Introdução Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? Nesta unidade, você verá que o termo câncer refere-se a uma variedade de

Leia mais

Neoplasias. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias Neo (novo) plasia (crescimento, formação). Crescimento novo Massa anormal de tecido cujo crescimento excede aquele dos tecidos normais e não está coordenado

Leia mais

Agentes... Célula Normal. Causa... Divisão Celular. Célula Neoplásica. Divisão Celular. Físicos Químicos Biológicos. Fatores Reguladores.

Agentes... Célula Normal. Causa... Divisão Celular. Célula Neoplásica. Divisão Celular. Físicos Químicos Biológicos. Fatores Reguladores. Célula Normal Ciclo Celular G 0 /G 1 /S/G 2 /M Divisão Celular Neoplasias Fatores Reguladores Controlada Estimuladores Inibidores Homeostase Célula Neoplásica Divisão Celular Ciclo Celular G 0 /G 1 /S/G

Leia mais

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Patologia Bucal Prof. Patrícia Cé No organismo, verificam-se formas de crescimento celular controladas e não controladas. A hiperplasia,

Leia mais

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis PORTO

Leia mais

Rua Teixeira Soares, 808 - Centro - PASSO FUNDO / RS Telefone: (54)316.4000 e Fax.: (54) 316.4020 End. Eletrônico: http: //www.hsvp.com.

Rua Teixeira Soares, 808 - Centro - PASSO FUNDO / RS Telefone: (54)316.4000 e Fax.: (54) 316.4020 End. Eletrônico: http: //www.hsvp.com. HOSPITAL SÃO VICENTE DE PAULO DA SOCIEDADE HOSPITALAR BENEFICENTE SÃO VICENTE DE PAULO Rua Teixeira Soares, 808 - Centro - PASSO FUNDO / RS Telefone: (54)316.4000 e Fax.: (54) 316.4020 End. Eletrônico:

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ANÁLISE ANÁTOMO-PATOLÓGICA NO CÂNCER GÁSTRICO. Luíse Meurer

SISTEMATIZAÇÃO DA ANÁLISE ANÁTOMO-PATOLÓGICA NO CÂNCER GÁSTRICO. Luíse Meurer SISTEMATIZAÇÃO DA ANÁLISE ANÁTOMO-PATOLÓGICA NO CÂNCER GÁSTRICO Luíse Meurer MANEJO DO CÂNCER GÁSTRICO: PAPEL DO PATOLOGISTA prognóstico Avaliação adequada necessidade de tratamentos adicionais MANEJO

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias NEOPLASIAS Prof. Dr. Fernando Ananias Neoplasia = princípio básico CLASSIFICAÇÃO DOS TUMORES Comportamento Benigno versus Maligno Crescimento lento rápido Semelhança com O tecido de origem (Diferenciação)

Leia mais

Introdução. Métodos Resultados

Introdução. Métodos Resultados GASTO MÉDIO PER CAPITA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE COM MEDICAMENTOS EXCEPCIONAIS Cristina Mariano Ruas Brandão Iola Gurgel Andrade, Mariângela Leal Cherchiglia, Grazielle Dias da Silva, Augusto Afonso Guerra

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT Segundo diretrizes ANS Referencia Bibliográfica: Site ANS: http://www.ans.gov.br/images/stories/a_ans/transparencia_institucional/consulta_despachos_poder_judiciari

Leia mais

Rua Teixeira Soares, 808 - Centro - PASSO FUNDO / RS Telefone: (54)316.4000 e Fax.: (54) 316.4020 End. Eletrônico: http: //www.hsvp.com.

Rua Teixeira Soares, 808 - Centro - PASSO FUNDO / RS Telefone: (54)316.4000 e Fax.: (54) 316.4020 End. Eletrônico: http: //www.hsvp.com. HOSPITAL SÃO VICENTE DE PAULO DA SOCIEDADE HOSPITALAR BENEFICENTE SÃO VICENTE DE PAULO Rua Teixeira Soares, 808 - Centro - PASSO FUNDO / RS Telefone: (54)316.4000 e Fax.: (54) 316.4020 End. Eletrônico:

Leia mais

Biopatologia glossário Neoplasias

Biopatologia glossário Neoplasias NEOPLASIAS/LESÕES NEOPLASIFORMES/LESÕES PRECURSORAS/LESÕES PRÉ-MALIGNAS Adenocarcinoma Adenocarcinoma endometrióide Adenocarcinoma mucinoso Adenocarcinoma seroso Adenoma 1 Adenoma folicular 2 Adenoma pleomórfico

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

Imuno-histoquímica - aplicações

Imuno-histoquímica - aplicações Imuno-histoquímica - aplicações diagnóstico diferencial entre neoplasias indiferenciadas pela histopatologia - casos nos quais a morfologia não permite conclusão da diferenciação do tumor Ex.: carcinoma

Leia mais

CODIFICAÇÃO DE TUMORES E CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER

CODIFICAÇÃO DE TUMORES E CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER CODIFICAÇÃO DE TUMORES E CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER CLASSIFICAÇÕES PADRONIZADAS UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS - 10ª Revisão (CID-10) CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS Scaleti Vanessa Brisch 1 Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira Toso RESUMO: Estudo sobre as causas de internações

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

NEOPLASIAS. MSc. Isabela Brcko

NEOPLASIAS. MSc. Isabela Brcko NEOPLASIAS MSc. Isabela Brcko Proliferações locais de clones celulares cuja reprodução foge ao controle normal, e que tendem para um tipo de crescimento autônomo e progressivo, e para a perda de diferenciação

Leia mais

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV Aspectos Morfológicos das Neoplasias DEFINIÇÕES Neoplasia Tumor Câncer Inflamação/Neoplasia Termo comum a todos tumores malignos. Derivado do grego Karkinos

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

Gradação Histológica de tumores

Gradação Histológica de tumores Gradação Histológica de tumores A gradação histológica é uma avaliação morfológica da diferenciação celular de cada tumor. Baseada geralmente em 03-04 níveis de acordo com o tecido específico do tumor.

Leia mais

REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER DADOS DE 2004

REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER DADOS DE 2004 HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER DADOS DE CURITIBA - PR 8 HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Serviço de

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

ONCOGÊNESE UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES O QUE É O CÂNCER PROCESSO FISIOPATOLÓGICO 16/08/2015

ONCOGÊNESE UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES O QUE É O CÂNCER PROCESSO FISIOPATOLÓGICO 16/08/2015 UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES ONCOGÊNESE O QUE É O CÂNCER Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

Perda da uniformidade nas células e desarranjo estrutural tecidual

Perda da uniformidade nas células e desarranjo estrutural tecidual .Leucoplasia: (grego: leuco = branco - plasis = formação) Transformação metaplásica do epitélio escamoso estratificado não ceratinizado consistindo em aumento das camadas de ceratina. Exemplos: mucosa

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

Departamento de Diagnóstico por Imagem do I.C.A.V.C. TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA

Departamento de Diagnóstico por Imagem do I.C.A.V.C. TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA Tomografia: diagnóstico stico, estadiamento, acompanhamento, prevenção e pesquisa clínica nica; Objetivo da aula; TC Helicoidal X Multi slice Limitações do método. *Ajustes das

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952.

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952. 1 SPCC - Hospital São Marcos Clínica de Ginecologia e Mastologia UICC União Internacional Contra o Câncer - TNM 6ª edição ESTADIAMENTO DOS TUMORES DE MAMA HISTÓRIA DO TNM O sistema TNM para a classificação

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

CÂNCER DE MAMA NA SENILIDADE

CÂNCER DE MAMA NA SENILIDADE CÂNCER DE MAMA NA SENILIDADE ANTOMIA PATOLÓGICA SENILIDADE aos 65? Diminuição da filtração glomerular Aumento de sensibilidade a mielotoxicidade Mucosite Neurotoxicidade Toxicidade cardíaca IDADE COMO

Leia mais

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 2: Conceitos gerais Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Classificação da Quimioterapia Em relação ao número de medicamentos usados; Em relação ao objetivo; Em relação à via de administração;

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014 PORTARIA 13/2014 Dispõe sobre os parâmetros do exame PET-CT Dedicado Oncológico. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL-IPERGS, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis Perfil epidemiológico de mortalidade por

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis Perfil epidemiológico de mortalidade por Perfil epidemiológico de mortalidade por NEOPLASIAS Porto Alegre 1996-2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria

Leia mais

ANO VII NÚMERO 20 Dezembro 2014 Monitoramento do Câncer no Grupo Hospitalar Conceição

ANO VII NÚMERO 20 Dezembro 2014 Monitoramento do Câncer no Grupo Hospitalar Conceição Boletim Epidemiológico Núcleo Hospitalar de Epidemiologia HNSC ANO VII NÚMERO 2 Dezembro 214 Monitoramento do Câncer no Grupo Hospitalar Conceição Ivana R. Santos Varella, Pediatra, Doutora em Epidemiologia

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

Câncer. Claudia witzel

Câncer. Claudia witzel Câncer Claudia witzel Célula Tecido O que é câncer? Agente cancerígeno Órgão Célula cancerosa Tecido infiltrado Ozana de Campos 3 ESTÁGIOS de evolução da célula até chegar ao tumor 1 Célula 2 Tecido alterado

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br C00-D48 CAPÍTULO II : Neoplasmas (Tumores) C00.0 Lábio superior externo C00.1 Lábio inferior externo C00.2 Lábio externo, não especificado C00.3 Lábio superior, face interna C00.4 Lábio inferior, face

Leia mais

Registo Oncológico Nacional 2008

Registo Oncológico Nacional 2008 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado pelo Registo Oncológico Regional do Centro Editado pelo Instituto Português de Oncologia de Coimbra Francisco Gentil EPE 2 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado

Leia mais

Sumário 1. Sistema Cardiovascular...1 2. Sistema Respiratório...27 3. Sistema Linfático e Hematopoético...57 4. Sistema Digestório...

Sumário 1. Sistema Cardiovascular...1 2. Sistema Respiratório...27 3. Sistema Linfático e Hematopoético...57 4. Sistema Digestório... Sumário 1. Sistema Cardiovascular...1 Ivan Damjanov Histologia Normal 1 Aterosclerose 2 Doença Cardíaca Coronariana 2 Hipertensão 3 Doença Cardíaca Reumática 3 Infecções do Coração 4 Cardiomiopatia 5 Tumores

Leia mais

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT Nomenclatura Brasileira Norma Imperio DIPAT O momento mais eletrizante de minha carreira foi quando descobri que era capaz de observar células cancerosas num colo do útero através do esfregaço George Nicholas

Leia mais

Palato duro. Palato, SOE. Palato, lesão sobreposta do

Palato duro. Palato, SOE. Palato, lesão sobreposta do C00 C000 C001 C002 C003 C004 C005 C006 C008 C009 C01 C019 C02 C020 C021 C022 C023 C024 C028 C029 C03 C030 C031 C039 C04 C040 C041 C048 C049 C05 C050 C051 C052 C058 C059 C06 C060 C061 C062 C068 C069 C07

Leia mais

Rede de Teleassistência de Minas Gerais. Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG

Rede de Teleassistência de Minas Gerais. Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG Rede de Teleassistência de Minas Gerais Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG Outubro de 2014 até Setembro/2014 Número de akvidades 50.000 45.000 ECGs (821 pontos) e Teleconsultorias online e

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. O melhor esquema terapêutico para pacientes com neoplasia maligna de bexiga, os quais são clinicamente inelegíveis para cirurgia radical, é: a) Ressecção

Leia mais

SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL

SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL Cecília Fernandes Lorea Julho/2009 EPIDEMIOLOGIA 9000 casos novos/ ano no Brasil Probabilidade de 0,3% de uma criança desenvolver câncer antes dos 20 anos 1/300 indivíduos

Leia mais

Patologia geral. Neoplasias - quarta. Alunos 4º semestre. Prof. Jane Maria Ulbrich. Prof. Adjunta do Departamento de Patologia Famed/Ufrgs

Patologia geral. Neoplasias - quarta. Alunos 4º semestre. Prof. Jane Maria Ulbrich. Prof. Adjunta do Departamento de Patologia Famed/Ufrgs Patologia geral Neoplasias - quarta Alunos 4º semestre Prof. Jane Maria Ulbrich Prof. Adjunta do Departamento de Patologia Famed/Ufrgs Material utilizado em sala de aula com alunos Neoplasia Neoplasia:

Leia mais

Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre

Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre Tabela 1 - Distribuição dos óbitos infantis, segundo a classificação de evitabilidade, Porto Alegre, 1996/1999 ANOS ÓBITOS EVITÁVEIS 1996 1997 1998 1999

Leia mais

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER CITOLOGIA ONCÓTICA Neoplasia: crescimento desordenado de células, originando um tumor (massa de células) Tumor benigno: massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu

Leia mais

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia)

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia) 1 SILVA, M.B..; FONSECA, C.A.; RODRIGUES, A.J.L.; Terapia medicamentosa do câncer. In III SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E I JORNADA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA UEG. 2005, Anápolis. Anápolis: UEG,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO Identificação do animal Nome/número RG do HV Espécie: Raça: Idade: Sexo: Peso: Cor: Data e hora do

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer

Registro Hospitalar de Câncer Registro Hospitalar de Câncer 2010 Passo Fundo / RS - Brasil REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Relatório anual Dados coletados de 2010 2010 PASSO FUNDO / RS - BRASIL Associação Hospitalar Beneficente São

Leia mais

Principais Coordenações da indexação LILACS

Principais Coordenações da indexação LILACS Principais Coordenações da indexação LILACS Objetivo: Aplicar as principais regras de coordenação de descritores Conteúdo desta aula Definição e tipos de coordenação Doenças e Organismos Neoplasias e Tipos

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DO CÂNCER NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO FATORES DE RISCO

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DO CÂNCER NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO FATORES DE RISCO MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER/CONPREV SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE / FUNDAÇÃO ONCOCENTRO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE / PRO-AIM FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

ESTADIAMENTO. 1. Histórico

ESTADIAMENTO. 1. Histórico Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família 68 ESTADIAMENTO O estadiamento tem como objetivo agrupar pacientes segundo a extensão anatômica da doença. Essa normatização tem grande valia

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer

Registro Hospitalar de Câncer HSVP Registro Hospitalar de Câncer 2015 Passo Fundo / RS - Brasil HSVP REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Relatório anual Dados coletados de 2012 2015 PASSO FUNDO / RS - BRASIL Associação Hospitalar Beneficente

Leia mais

Neoplasia Maligna Dos Dois Tercos Anteriores Da Lingua Parte Nao Especificada

Neoplasia Maligna Dos Dois Tercos Anteriores Da Lingua Parte Nao Especificada SÅo Paulo, 20 de setembro de 2011 Protocolo: 0115/2011 Informo que a partir de 20/09/2011 alguns protocolos de atendimento da especialidade Cirurgia PlÑstica do Hospital das ClÖnicas foram desativados,

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS PARA REGISTROS DE CÂNCER DE BASE POPULACIONAL

MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS PARA REGISTROS DE CÂNCER DE BASE POPULACIONAL MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS PARA REGISTROS DE CÂNCER DE BASE POPULACIONAL 2ª edição revista e atualizada Rio de

Leia mais

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Felipe Sodré felipe.b4rros@gmail.com ( PUC-Rio) Felipe Fraifeld felipefrai@gmail.com (PUC-Rio) Leonardo Novaes - Objetivo geral: O

Leia mais

SIM Sistema de Informação sobre Mortalidade

SIM Sistema de Informação sobre Mortalidade SIM Sistema de Informação sobre Mortalidade Porto Alegre RELATÓRIO 2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria

Leia mais

Sumário. Agradecimentos... 5. Prefácio... 7. Apresentação... 9. Introdução... 19

Sumário. Agradecimentos... 5. Prefácio... 7. Apresentação... 9. Introdução... 19 Sumário Agradecimentos............................ 5 Prefácio............................... 7 Apresentação............................. 9 Introdução............................. 19 Incidência...............................................................

Leia mais

QUANDO PEDIR SEGUNDA OPINIÃO OU REPETIR IHQ? QUAL O MÍNIMO DE INFORMAÇÕES QUE O ONCOLOGISTA DEVE DEMANDAR? Dr. Carlos E. Bacchi Patologia 1

QUANDO PEDIR SEGUNDA OPINIÃO OU REPETIR IHQ? QUAL O MÍNIMO DE INFORMAÇÕES QUE O ONCOLOGISTA DEVE DEMANDAR? Dr. Carlos E. Bacchi Patologia 1 QUANDO PEDIR SEGUNDA OPINIÃO OU REPETIR IHQ? QUAL O MÍNIMO DE INFORMAÇÕES QUE O ONCOLOGISTA DEVE DEMANDAR? Dr. Carlos E. Bacchi Patologia 1 QUANDO PEDIR SEGUNDA Dr. Ira Bleiweiss of Mount Sinai OPINIÃO

Leia mais

H Convencionados. Operados e vale cirurgia emitidos por grupo extracção a 30-09-2010. 11 de Fevereiro de 2011

H Convencionados. Operados e vale cirurgia emitidos por grupo extracção a 30-09-2010. 11 de Fevereiro de 2011 H Convencionados Operados e vale cirurgia emitidos por grupo extracção a 30-09-2010 7 11 de Fevereiro de 2011 Título Actividade cirúrgica dos Convencionados Versão V1 Autores Unidade Central de Gestão

Leia mais

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Governo de Alagoas Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Análise da Situação de Saúde Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Maceió AL 2014

Leia mais

Risco de Morrer em 2012

Risco de Morrer em 2012 Risco de morrer 2012 23 de maio de 2014 Risco de Morrer em 2012 As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

SIM - Sistema de Informação sobre Mortalidade. PORTO ALEGRE - Relatório 2007

SIM - Sistema de Informação sobre Mortalidade. PORTO ALEGRE - Relatório 2007 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SIM -

Leia mais

Marcadores tumorais. Carla Almeida Setembro 2010

Marcadores tumorais. Carla Almeida Setembro 2010 Marcadores tumorais Carla Almeida Setembro 2010 Marcadores tumorais Marcadores tumorais Marcadores Tumorais são substâncias que podem ser encontradas em quantidades acima do normal no sangue, urina ou

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Acerca dos tumores benignos que ocorrem na cavidade nasal, julgue os seguintes itens. 41 A maioria dos papilomas invertidos surge da parede lateral da cavidade nasal, sendo comum um envolvimento secundário

Leia mais

TUMORES OSSEOS EM CABEÇA E PESCOÇO

TUMORES OSSEOS EM CABEÇA E PESCOÇO CABEÇA E PECOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ HOSPITAL WALTER CANTÍDIO Residência em Cirurgia de Cabeça e Pescoço TUMORES OSSEOS EM Geamberg Macêdo Agosto - 2006 TUMORES ÓSSEOS BÊNIGNOS OSTEOMA CONDROMAS

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira METÁSTASES CEREBRAIS INTRODUÇÃO O SIMPLES DIAGNÓSTICO DE METÁSTASE CEREBRAL JÁ PREDIZ UM POBRE PROGNÓSTICO.

Leia mais

Gaudencio Barbosa R4 CCP HUWC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço 02-2012

Gaudencio Barbosa R4 CCP HUWC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço 02-2012 Gaudencio Barbosa R4 CCP HUWC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço 02-2012 Abordagens combinadas envolvendo parotidectomia e ressecção do osso temporal as vezes são necessárias como parte de ressecções

Leia mais

GUIA PET-CT DEPARTAMENTO DE MEDICINA MOLECULAR TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA MEDICINA DE EXCELÊNCIA E INOVAÇÃO

GUIA PET-CT DEPARTAMENTO DE MEDICINA MOLECULAR TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA MEDICINA DE EXCELÊNCIA E INOVAÇÃO GUIA PET-CT TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA DEPARTAMENTO DE MEDICINA MOLECULAR MEDICINA DE EXCELÊNCIA E INOVAÇÃO TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA

Leia mais

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013 LINFOMAS GASTROINTESTINAIS Maria Otávia da Costa Negro Xavier Maio -2013 1 INTRODUÇÃO Cerca de 1 a 4% de todas as malignidades gastrointestinais são linfomas. Por definição os linfomas gastrointestinais

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais