PREVALÊNCIA DE CARCINOMA IN SITU EM MULHERES COM NEOPLASIA CERVICAL INTRA-EPITELIAL ASSISTIDAS NO MUNICÍPIO DE CACOAL RO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREVALÊNCIA DE CARCINOMA IN SITU EM MULHERES COM NEOPLASIA CERVICAL INTRA-EPITELIAL ASSISTIDAS NO MUNICÍPIO DE CACOAL RO"

Transcrição

1 344 Revista Eletrônica da Facimed, v.3,n.3, p , jan/jul.2011 ISSN ARTIGO ORIGINAL PREVALÊNCIA DE CARCINOMA IN SITU EM MULHERES COM NEOPLASIA CERVICAL INTRA-EPITELIAL ASSISTIDAS NO MUNICÍPIO DE CACOAL RO Patricia Lopes de Freitas Siqueira [1] Suelen Araujo Leite [2] Talita Yasmin Toledo [3] Tânia Roberta Pereira Furtado [4] Resumo: O Câncer de colo do útero é uma das principais causas de morte no mundo, consolidandose como um grave problema de saúde pública, ao mesmo tempo, é o câncer que apresenta maior potencial de prevenção e cura quando diagnosticado precocemente. É de grande importância a obtenção de informações epidemiológicas sobre a prevalência da doença na população, buscando assim uma melhor qualidade no programa saúde da mulher. O estudo tem caráter transversal descritivo, de cunho quantitativo, que teve por objetivo avaliar a prevalência de carcinoma In Situ em mulheres com diagnóstico prévio de neoplasia cervical intra-epitelial de grau II e III em um município do estado de Rondônia, no período de 2005 a A amostra estudada foi de 156 mulheres, onde foram analisados os dados que constavam no livro de atendimento do profissional ginecologista. Conclui-se que houve uma alta prevalência de Carcinoma In Situ e um o aumento de mais de 100% dos casos de Carcinoma In Situ entre os anos de 2005 e 2009, sendo que a faixa etária de maior predominância foi em mulheres jovens em idade reprodutiva. Um ponto positivo constatado no estudo foi a baixa taxa de abandono do tratamento. Palavras-chave: Prevalência, Neoplasia intra-epitelial cervical, Câncer cervical. 1 Enfermeira pela Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal - FACIMED, Enfermeira pela Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal - FACIMED, Enfermeira pela Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal - FACIMED, Professora Especialista do curso de graduação em enfermagem da Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal FACIMED. PREVALENCE OF CARCINOMA IN SITU IN WOMEN WITH CERVICAL INTRAEPITHELIAL NEOPLASIA IN CACOAL CITY - RO

2 Abstract: Cancer of the cervix is a major cause of death worldwide, establishing itself as a serious public health problem at the same time, it is the cancer that has great potential for prevention and cure if diagnosed early. It is very important to obtain epidemiological information on disease prevalence in the population, seeking a better quality program in women's health. The study has a cross sectional focused on quantity, which aimed to assess the prevalence of carcinoma in situ in women with previous diagnosis of cervical intraepithelial neoplasia grade II and III in a municipality in the state of Rondonia, in the period The sample was 156 women, analyzing the data contained in the book of professional care gynecologist. It is concluded that there was a high prevalence of carcinoma in situ and an increase of more than 100% of cases of carcinoma in situ between the years 2005 and 2009, being the most predominant age group was in young women of reproductive age. One positive found in the study was the low rate of treatment dropout. Key-words: Prevalence, Cervical Intraepithelial Neoplasia, Cervix neoplasms INTRODUÇÃO O câncer, hoje, é uma das principais causas de morte no mundo, consolidando-se cada vez mais, como um problema de saúde pública (NOGUEIRA & SILVA, 2008), (KLIGERMAN, 2001), (FERREIRA & OLIVEIRA, 2005). Ximenes Neto & Cunha (2006) ressaltam que a prevenção e detecção precoce, podem reduzir seus efeitos danosos. O Câncer de colo do útero é o segundo tipo de câncer mais frequente entre as mulheres. Estima-se que a incidência seja de aproximadamente 500 mil casos novos por ano no mundo, sendo responsável pelo óbito de aproximadamente 230 mil mulheres por ano. No Brasil, o Ministério da Saúde estima que para o ano de 2010 o número de casos novos de câncer do colo do útero esperado é de Ao mesmo tempo, depois do câncer de pele, é o câncer que apresenta maior potencial de prevenção e cura quando diagnosticado precocemente (INCA, 2009). Segundo Porto et al. (2006) O colo uterino é revestido por várias camadas de células epiteliais pavimentosas, arranjadas de forma bastante ordenada. Um desarranjo dessas células epiteliais caracteriza as neoplasias intra-epiteliais cervicais. Cardoso & Lippaus (2008), afirmam que a Neoplasia Intra-epitelial Cervical (NIC) não é câncer e sim uma lesão precursora, que dependendo de sua gravidade, poderá ou não evoluir para câncer. Estudo fornecido pelo Instituto Nacional do Câncer (2000), afirma que em cerca de 90% dos casos, o câncer do colo uterino evolui a partir de lesões intra-epiteiais cervicais que são lesões precursoras e apresentam-se em graus evolutivos, do ponto de vista cito-histopatológico, podendo ser classificadas em três estágios: NIC de grau I (lesão de baixo grau), e NIC de grau II e III (lesões de alto grau). BRASIL (2002) define Neoplasia Intra-epitelial Cervical da seguinte forma:

3 346 Neoplasia Intra-epitelial Cervical de grau I (NIC I): Alteração celular que acomete as camadas mais basais do epitélio estratificado do colo do útero, sendo considerada uma displasia leve. Cerca de 80% das mulheres com esse tipo de lesão apresentarão regressão espontânea. Neoplasia Intra-epitelial Cervical de grau II (NIC II): Desarranjo celular em até três quartos da espessura do epitélio, preservando as camadas mais superficiais sendo considerada uma displasia moderada. Neoplasia Intra-epitelial Cervical de grau III (NIC III): Desarranjo em todas as camadas do epitélio sem invasão do tecido conjuntivo subjacente, sendo considerada uma displasia acentuada. O Instituto Nacional do Câncer (2002) ressalta que quando as alterações celulares se tornam mais intensas e o grau de desarranjo é tal que as células invadem o tecido conjuntivo do colo do útero abaixo do epitélio, temos o carcinoma invasor ou Carcinoma In Situ. Adverte também que para chegar a câncer invasor, a lesão não tem, obrigatoriamente, que passar por todas estas etapas. Existem vários fatores de risco para o câncer de colo de útero. O Instituto Nacional do Câncer (2010), afirma que os principais estão associados às baixas condições sócio-econômicas, ao início precoce da atividade sexual, à multiplicidade de parceiros sexuais, ao tabagismo, à higiene íntima inadequada e ao uso prolongado de contraceptivos orais. O papilomavírus humano (HPV) está ligado no desenvolvimento da neoplasia das células cervicais e na sua transformação em células cancerosas. De acordo com Brasil, (2006), o HPV possui mais de 100 tipos, sendo que 20 podem infectar o trato genital. Por se tratar de uma doença de evolução lenta, ou seja, no período médio de 5 a 6 anos podem se transformar em processo invasor, é possível a investigação e diagnóstico antes do estabelecimento do câncer; e o tratamento, quando implantado a tempo (ainda nas lesões precursoras) pode chegar à cura de praticamente 100% dos casos (INCA, 2000), e apresenta um baixo custo (BRENNA, 2001). Nesse contexto, Derchain et al. (2005) afirma que, embora o câncer do colo do útero seja doença passível de prevenção primária, a detecção e o tratamento adequado das lesões precursoras é atualmente a base para o controle da doença. Dada a alta taxa de prevalência do câncer de colo do útero no Brasil, principalmente na região Norte (onde ocupa a primeira posição de incidência) e devido à falta de levantamento de dados epidemiológicos em Cacoal, é de grande importância a obtenção de informações epidemiológicas sobre a prevalência da doença na população, a fim de subsidiar uma avaliação dos programas de prevenção do município buscando uma melhor qualidade no programa saúde da mulher. O estudo teve por objetivo avaliar a prevalência de carcinoma In Situ em mulheres com neoplasia cervical intra-epitelial de grau II e III assistidas no município de Cacoal, estado de Rondônia, no período de 2005 a 2009; assim como, identificar o percentual de mulheres que

4 347 desenvolveram Carcinoma In Situ e que apresentaram infecção prévia pelo HPV, apontar o número de pacientes que abandonaram o acompanhamento/tratamento após diagnóstico de NIC e detectar a faixa etária mais acometida pelo carcinoma In Situ. 2. METODOLOGIA Foi realizada uma pesquisa de campo de caráter descritivo, transversal, com abordagem documental, de cunho quantitativo, desenvolvida no Centro de Saúde da Mulher, no município de Cacoal-RO. A população estudada foi o número de mulheres encaminhadas e/ou diagnosticadas no centro de saúde da Mulher, com diagnóstico prévio de NIC II e/ou III que desenvolveram carcinoma In Situ que constavam no livro de atendimento do profissional ginecologista do ano de 2005 á 2009, no qual são registradas as alterações citopatológicas neoplásicas; esses dados foram analisados em um programa de computador (Excel). A amostra foi selecionada por conveniência, não aleatória. O estudo obteve uma amostra de 156 mulheres que atenderam a todos os critérios de inclusão e de exclusão. O projeto foi aprovado pelo comitê de ética e pesquisa da FACIMED sob no número 634/10 onde foi enviada uma copia deste termo para o gerente do Centro de Saúde da Mulher e para Secretaria de Saúde do município, os quais autorizaram a coleta de dados. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO A avaliação da faixa etária de maior prevalência de Carcinoma In Situ em mulheres acometidas por NIC II e NIC III no período de 2005 a 2009, não foi possível devido à falta dos dados correspondentes aos anos 2008 e Sendo assim, foi feita uma análise da faixa etária mais acometida por NIC II e III e Carcinoma In Situ nas mulheres atendidas entre os anos de 2005 e 2007, com uma amostra de 101 e 38 mulheres, respectivamente, como ilustrado na Tabela 1. Tabela 1. Prevalência de NIC II, NIC III e Carcinoma In Situ, por faixa etária, em um conjunto de mulheres com NIC II e III em Centro de referência do município de Cacoal/RO, entre 2005 e IDADE NIC II e NIC III Nº % CARCINOMA IN SITU Nº % ,8 3 7, , , , , , ,3

5 ,9 1 2, , ,9 2 5,3 TOTAL Verifica-se na tabela 1 que a média de idade das mulheres com NIC II, NIC III que apresentam prevalência de Carcinoma In Situ foi de 38 anos. Valores muito próximos ao reportado por Veiga et al. (2006), onde a média de idade da população da cidade do Rio de Janeiro foi de 36 anos. Pedrosa (2003), em um estudo semelhante, obteve uma idade média equivalente a 35 anos. A faixa etária de maior predominância foi de 25 a 33 anos, corroborando com os dados fornecidos pelo INCA, (2009) que afirma que a incidência de câncer do colo do útero evidencia-se na faixa etária de 20 a 29 anos. Na Tabela 2, são apresentados o número total de casos de NIC II e NIC III e a prevalência de Carcinoma In Situ registrados na rede pública, no município de Cacoal/RO, no período de 2005 a Tabela 2. Número de casos de Carcinoma In Situ em mulheres com NIC II e NIC III atendidas no município de Cacoal/RO, entre 2005 e ANO Número de NIC II e III Número de Ca In Situ TOTAL % Observa-se na tabela 2, que há uma elevada prevalência de Carcinoma In Situ nas mulheres acometidas por NIC II e NIC III no município de Cacoal, com um índice de 38% dos casos. Uma análise em separado mostra que houve uma maior prevalência de Carcinoma In Situ no ano de 2006, om acometimento de 55% dos casos, seguido dos anos de 2008, 2007 e O ano de 2005 apresentou a menor prevalência, com uma taxa de 18% dos casos. Uma análise total dos dados demonstra que, ao comparar o percentual de Carcinoma In Situ dos anos pesquisado, houve um acréscimo substancial na prevalência de Carcinoma In Situ entre os anos de 2005 e 2009, com aumento de mais de 100% dos casos. De acordo com as estimativas do INCA para os anos pesquisados, o índice estimado para os anos de 2005, 2006, 2008 e 2009 foi de 11% (2004), 19% (2005), 18 e 18% (2007),

6 respectivamente, sendo que para o ano de 2007 o INCA não realizou publicação. Ao comparar as estimativas do INCA com os dados encontrados, observa-se que houve um aumento expressivo em todos os anos. Na figura 1, encontra-se o percentual de mulheres que desenvolveram Carcinoma In Situ e que apresentaram infecção pelo HPV. Pode-se constatar que dos 60 casos de Carcinoma In Situ encontrados, 6,6% tinham registro de infecção pelo HPV, ou seja, 4 casos. Figura 1. Percentual de mulheres que desenvolveram Carcinoma In Situ e que apresentaram infecção pelo HPV no município de Cacoal/RO, entre 2005 e Pedrosa (2003), realizando um estudo com 223 mulheres na cidade do Rio de Janeiro, chegou a um resultado de índice de infecção por HPV de 21,79% dos casos. O autor afirma que a infecção pelo HPV é o principal fator associado ao desenvolvimento de lesões intra-epiteliais cervicais e carcinoma do colo uterino (PEDROSA et al., 2008). A diferença entre os resultados observados referente a infecção pelo HPV e os resultados relatados por Pedrosa (2003), possivelmente está relacionado a uma deficiência na detecção da infecção pelo vírus HPV por parte dos programas de prevenção do município, ou por um comportamento diferente da imunologia nas mulheres estudadas em relação a população citada na literatura, sendo a primeira hipótese mais provável. Na figura 2, está ilustrado o percentual de pacientes que abandonaram o acompanhamento e tratamento após diagnóstico de NIC II e III. Verifica-se que no decorrer dos cinco anos analisados, houve uma taxa de abandono de 10% de um total de 60 casos de câncer. Figura 2. Percentual de mulheres que abandonaram o acompanhamento e tratamento após diagnóstico de NIC II e III no município de Cacoal/RO, entre 2005 e 2009.

7 350 Um estudo realizado por Hernándes-Alemán et al. (2006), na cidade do México, no ano de 2006, com 525 mulheres acometidas pela Neoplasia Intra-epitelial Cervical, aponta um índice de abandono de 20,6% tendo este abandono ocorrido desde a fase diagnóstica até o controle após tratamento. O número de abandono relativamente baixo em relação ao encontrado por Hernándes-Alemán et al. (2006) pode ser justificado por um aumento na conscientização e na procura do serviço por parte da população; ou decorrente a uma melhora na assistência, com uma melhor organização do serviço, referenciando os casos de NIC, resultando em uma avaliação/tratamento mais ágil. No entanto, essa taxa de abandono mostra que, algumas mulheres ainda deixam de ser assistidas por especialistas da área, correndo um sério risco de vida. Vale salientar que os motivos que levam as mulheres a abandonarem o tratamento não foram avaliados. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS A alta taxa de prevalência do câncer de colo do útero no Brasil, principalmente na região Norte, associada à falta de levantamento de dados epidemiológicos no município motivou a realização da pesquisa. Uma análise total dos dados demonstra que houve um acréscimo substancial na prevalência de Carcinoma In Situ entre os anos de 2005 e A pesquisa demonstrou ainda que, a média de idade das mulheres que apresentaram prevalência de NIC II, NIC III e Carcinoma In Situ foi de 38 anos, sendo que a faixa etária de maior predominância foi em mulheres jovens em idade reprodutiva; já o índice de infecção pelo HPV foi inferior aos relatos bibliográficos. Um ponto positivo constatado no estudo foi referente à baixa taxa de abandono do tratamento. Observa-se a importância do exame citopatológico na prevenção do câncer do colo do útero. Neste âmbito, o profissional da saúde tem responsabilidade na elaboração e execução de estratégias que aumentem a cobertura do exame na tentativa de diminuir a mortalidade por esse tipo de câncer.

8 Este estudo pode servir de análise para profissionais de saúde a fim de subsidiar um novo planejamento, buscando uma melhor qualidade no programa saúde da mulher, especificamente na prevenção do câncer de colo uterino. 5- REFERÊNCIAS BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis. 4ª edição. Brasília, p , Prevenção do câncer do colo do útero. Manual Técnico. Brasília, Brenna S.M.F., Hardy E.E., Zeferino LC, Namura I. Conhecimento, atitude e prática do exame de papanicolaou em mulheres com câncer de colo uterino. Caderno de Saúde Pública, Cardoso, E.J.F., Lippaus, R. A enfermagem na prevenção do câncer do colo de útero. Revista de Enfermagem do Centro Universitário Campos de Andrade, Página Online. Disponível em: Acessado em: Derchain, S.F.M.; Longatto Filho, A; Syrjanen, K.J. Neoplasia intra-epitelial cervical: diagnóstico e tratamento. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. vol.27 no.7 Rio de Janeiro July Ferreira, Maria de Lourdes Marques; Oliveira, Cristiane. Conhecimento e significado para funcionárias de indústrias têxteis sobre prevenção do câncer do colo-uterino e detecção precoce do câncer da mama. Revista Brasileira de Cancerologia Hernándes-Alemán et al. Motivos de abadono em el proceso de atención médica de lesiones precursoras de câncer cervicouterino. Revista de Investigación Clínica. v.58, n.3, p INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER (INCA). Câncer de colo do útero. Disponível em: <http://www.inca.gov.br/conteudo_view.asp?id=326> Acessado em: Kligerman J. Estimativas sobre a incidência e mortalidade por câncer no brasil: Rev Bras Cancerol. 2001;47(2): Nogueira, Ana Claudia Correia; Silva, Letícia Batista. As desigualdades de gênero: um enfoque na questão da saúde pública. Trabalho apresentado no XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, realizado em Caxambú- MG Brasil, de 29 de setembro a 03 de outubro de PEDROSA, Michele Lopes. Perfil epidemiológico de mulheres portadoras de atipias escamosas de significado indeterminado atendidas pelo programa de controle do câncer de colo uterino no município do rio de janeiro. Dissertação (mestrado em Ciências na Área de Saúde Pública. Rio de Janeiro Porto, T.P.V.; Queiroz, M.A.F.; Ribeiro, R.I.M.A. Incidência de alterações no colo uterino em mulheres do município de Ituiutaba/MG na rede pública de saúde. Anais da 58ª Reunião Anual da SBPC - Florianópolis, SC - Julho/2006.

9 352

Pesquisa epidemiológica retrospectiva no programa de prevenção de câncer cérvico-uterino no município de Sarandi -PR

Pesquisa epidemiológica retrospectiva no programa de prevenção de câncer cérvico-uterino no município de Sarandi -PR Pesquisa epidemiológica retrospectiva no programa de prevenção de câncer cérvico-uterino no município de Sarandi -PR ADRIANA DE SANT ANA GASQUEZ (UNINGÁ)¹ EVERTON FERNANDO ALVES (G-UNINGÁ)² RESUMO Este

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Sintoma. Neoplasias do Colo. Enfermagem. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Sintoma. Neoplasias do Colo. Enfermagem. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

EXAME CITOPATOLÓGICO: A NÃO ADESÃO E A OCORRÊNCIA DE CÂNCER DE COLO UTERINO ENTRE AS MULHERES PERTENCENTES À TERCEIRA IDADE

EXAME CITOPATOLÓGICO: A NÃO ADESÃO E A OCORRÊNCIA DE CÂNCER DE COLO UTERINO ENTRE AS MULHERES PERTENCENTES À TERCEIRA IDADE EXAME CITOPATOLÓGICO: A NÃO ADESÃO E A OCORRÊNCIA DE CÂNCER DE COLO UTERINO ENTRE AS MULHERES PERTENCENTES À TERCEIRA IDADE Lizandra de Farias Rodrigues Queiroz; Juliana Meira de Vasconcelos Xavier Universidade

Leia mais

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES IDOSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA/PB

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES IDOSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA/PB RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES IDOSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA/PB Fernanda Laísy Pereira de Sousa Graduanda do curso de Enfermagem; Bolsista do Programa de Educação pelo Trabalho

Leia mais

CANCÊR DE COLO UTERINO: FATORES ASSOCIADOS EM MULHERES ACOMETIDAS NO NOROESTE PARANAENSE

CANCÊR DE COLO UTERINO: FATORES ASSOCIADOS EM MULHERES ACOMETIDAS NO NOROESTE PARANAENSE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CANCÊR DE COLO UTERINO: FATORES ASSOCIADOS EM MULHERES ACOMETIDAS NO NOROESTE PARANAENSE Willian Augusto de Melo 1 ; Márcia Glaciela da Cruz Scardoelli

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 09 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Índice de seguimento / levantamento de doenças intra-epiteliais previsto para 2013 no município de Salvador e ações

Leia mais

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Profissionais de Saúde

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Profissionais de Saúde Prevenção do Câncer do Colo do Útero Manual Técnico Profissionais de Saúde Ministério da Saúde Brasília, 2002 Apresentação No Brasil existem cerca de seis milhões de mulheres entre 35 a 49 anos que nunca

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

FATORES RELACIONADOS A NÃO REALIZAÇÃO DO EXAME PREVENTIVO DE PAPANICOLAOU EM MULHERES NA FAIXA-ETÁRIA DE 25 A 60 ANOS.

FATORES RELACIONADOS A NÃO REALIZAÇÃO DO EXAME PREVENTIVO DE PAPANICOLAOU EM MULHERES NA FAIXA-ETÁRIA DE 25 A 60 ANOS. FATORES RELACIONADOS A NÃO REALIZAÇÃO DO EXAME PREVENTIVO DE PAPANICOLAOU EM MULHERES NA FAIXA-ETÁRIA DE 25 A 60 ANOS. Ana Maria de Araújo Dias Delcilene de Freitas Teles Kárita Tuanny Coêlho Castro Leonardo

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER CITOLOGIA ONCÓTICA Neoplasia: crescimento desordenado de células, originando um tumor (massa de células) Tumor benigno: massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu

Leia mais

TÍTULO: DADOS EPIDEMIOLÓGICOS OBRE CÂNCER DE MAMA E COLO UTERINO ENTRE MULHERES DE BAIXA RENDA DA CIDADE DE LINS SP

TÍTULO: DADOS EPIDEMIOLÓGICOS OBRE CÂNCER DE MAMA E COLO UTERINO ENTRE MULHERES DE BAIXA RENDA DA CIDADE DE LINS SP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DADOS EPIDEMIOLÓGICOS OBRE CÂNCER DE MAMA E COLO UTERINO ENTRE MULHERES DE BAIXA RENDA DA CIDADE

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SENA AIRES MARLIENE ROSA DE SOUZA

FACULDADE DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SENA AIRES MARLIENE ROSA DE SOUZA FACULDADE DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SENA AIRES MARLIENE ROSA DE SOUZA PREVENÇÃO DO CANCÊR DO COLO DO ÚTERO: CONHECIMENTO DAS MULHERES ASSISTIDAS NO MUNICÍPIO DE VALPARAÍSO DE GOIÁS. PREVENTION OF CERVICAL

Leia mais

PREVALÊNCIA DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO EM MULHERES INDÍGENAS ATENDIDAS PELA CASA DE SAÚDE DO ÍNDIO DE PORTO VELHO (RO), BRASIL

PREVALÊNCIA DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO EM MULHERES INDÍGENAS ATENDIDAS PELA CASA DE SAÚDE DO ÍNDIO DE PORTO VELHO (RO), BRASIL PREVALÊNCIA DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO EM MULHERES INDÍGENAS ATENDIDAS PELA CASA DE SAÚDE DO ÍNDIO DE PORTO VELHO (RO), BRASIL CERVICAL CANCER IN BRAZILIAN INDIGENOUS WOMEN AT PORTO VELHO, RONDÔNIA, BRAZIL

Leia mais

Análise e discussão: O câncer do colo uterino é uma doença de evolução lenta. Na grande maioria dos casos, esta neoplasia é precedida por estágios

Análise e discussão: O câncer do colo uterino é uma doença de evolução lenta. Na grande maioria dos casos, esta neoplasia é precedida por estágios PREVENÇÃO DE LESÕES EPITELIAIS DE COLO UTERINO EM GESTANTES ATENDIDAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE SANTA MARIA Área Temática: Saúde Thissiane de Lima Gonçalves 1 Leidiane de Lucca 2, Leiticia B. Jantsch³,

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE DA MULHER EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E INTERVENÇÕES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO

DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE DA MULHER EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E INTERVENÇÕES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Denise Silveira, Anaclaudia Gastal Fassa, Maria Elizabeth Gastal Fassa, Elaine Tomasi, Luiz Augusto Facchini BLOCO A - IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA

Leia mais

Fatores associados à realização dos exames preventivos de câncer de mama e de colo uterino, pelas mulheres brasileiras.

Fatores associados à realização dos exames preventivos de câncer de mama e de colo uterino, pelas mulheres brasileiras. Fatores associados à realização dos exames preventivos de câncer de mama e de colo uterino, pelas mulheres brasileiras. Luiza de Marilac de Souza Edwan Fioravente Palavras-chave: Neoplasias, exames preventivos,

Leia mais

Cancer de Colo do Útero

Cancer de Colo do Útero Cancer de Colo do Útero Câncer de colo do útero são alterações celulares que tem uma progressão gradativa e é por isto que esta é uma doença curável quando descoberta no início. Esta é a razão do exame

Leia mais

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Características principais Agente etiológico das verrugas (tumores epiteliais benignos) Infectam epitélio de

Leia mais

ITINERÁRIO TERAPÊUTICO DAS MULHERES COM ALTERAÇÕES CERVICAIS NO CITOPATOLÓGICO EM RIO GRANDE

ITINERÁRIO TERAPÊUTICO DAS MULHERES COM ALTERAÇÕES CERVICAIS NO CITOPATOLÓGICO EM RIO GRANDE ITINERÁRIO TERAPÊUTICO DAS MULHERES COM ALTERAÇÕES CERVICAIS NO CITOPATOLÓGICO EM RIO GRANDE Alessandra Mendes de Barros 1 Anne Cristine Dal Bosco 2 Clarissa Giannichini 3 Nalú Pereira da Costa Kerber

Leia mais

Patologia do colo uterino I-Citopatologia Profa. Sônia Maria Neumann Cupolilo Dra. em Patologia FIOCRUZ/RJ Especialista em Patologia SBP Especialista em Citopatologia SBC HPV Objetivos Conhecer o Programa

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PERFIL DAS

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Exame Papanicolaou. Câncer do Colo do Útero. Resultados.

PALAVRAS-CHAVE Exame Papanicolaou. Câncer do Colo do Útero. Resultados. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

HPV. Câncer do Colo do Útero Verrugas Genitais. G u i a d e P ediatria

HPV. Câncer do Colo do Útero Verrugas Genitais. G u i a d e P ediatria HPV Câncer do Colo do Útero Verrugas Genitais G u i a d e P ediatria Você tenta fazer tudo que é possível para proteger sua filha, para garantir que tudo dê certo hoje e amanhã. Ela confia em você. Essa

Leia mais

RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS

RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS Maria José de Camargo IFF / FIOCRUZ CERVIX www.cervixcolposcopia.com.br Gestantes Pós-menopausa Histerectomizadas Imunossuprimidas Adolescentes Mulheres sem história de

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VÁRZEA GRANDE

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VÁRZEA GRANDE TÍTULO: RASTREAMENTO DE CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES COM ALTERAÇÕES CITOLÓGICAS DIAGNOSTICADAS NO CENTRO INTEGRADO DA MULHER EM VÁRZEA GRANDE- MT CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73 PARECER CTSAB Nº 02/2013 Porto Alegre, 08 de julho de 2013. Aplicação de nitrogênio líquido em lesões genitais a partir de prescrição médica por profissional enfermeiro. I - Relatório Trata-se de um Parecer

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM MULHERES INDÍGENAS.

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM MULHERES INDÍGENAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM MULHERES INDÍGENAS. Franciéle Marabotti Costa Leite emaildafran@ig.com.br Laysa Pignaton

Leia mais

ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO DA ATENÇÃO BÁSICA FRENTE AO CONTROLE DO CÂNCER UTERINO: revisão de literatura

ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO DA ATENÇÃO BÁSICA FRENTE AO CONTROLE DO CÂNCER UTERINO: revisão de literatura ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO DA ATENÇÃO BÁSICA FRENTE AO CONTROLE DO CÂNCER UTERINO: revisão de literatura Camila Gomes de Paula 1 Luciene Barra Ribeiro 2 Maíra Cardoso Pereira 3 Tatiana Bedran 4 RESUMO: A incidência

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

Marisa Cristina Preifz 1 Eliane Pinto de Góes 2

Marisa Cristina Preifz 1 Eliane Pinto de Góes 2 ANÁLISE DOS RESULTADOS DE EXAMES COLPOCITOLÓGICOS REALIZADOS EM MULHERES COM IDADE ENTRE 20 E 60 ANOS NO PERÍODO DE 2006 E 2007, EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DO PARANÁ Marisa Cristina Preifz 1 Eliane Pinto

Leia mais

Citologia ou teste de HPV no rastreio primário?

Citologia ou teste de HPV no rastreio primário? UNICAMP Citologia ou teste de HPV no rastreio primário? Luiz Carlos Zeferino Professor Titular em Ginecologia Departamento de Tocoginecologia Faculdade de Ciências Médicas CAISM - UNICAMP Clique para editar

Leia mais

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT Nomenclatura Brasileira Norma Imperio DIPAT O momento mais eletrizante de minha carreira foi quando descobri que era capaz de observar células cancerosas num colo do útero através do esfregaço George Nicholas

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

Vacinação contra o HPV

Vacinação contra o HPV Vacinação contra o HPV Meleiro, março de 2014 Enfermeira Cristiane Sec Mun Saúde de Meleiro. ESF Papiloma Vírus Humano - HPV O HPV é um vírus (papilomavírus humano) transmitido pelo contato direto com

Leia mais

PANORAMA DO CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AVANÇOS E DIFICULDADES TROCANDO IDEIAS XVII 30/08/2013

PANORAMA DO CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AVANÇOS E DIFICULDADES TROCANDO IDEIAS XVII 30/08/2013 PANORAMA DO CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AVANÇOS E DIFICULDADES TROCANDO IDEIAS XVII 30/08/2013 Vânia Stiepanowez de Oliveira Rocha Dados epidemiológicos Incidência

Leia mais

POLÍTICA DE SAÚDE PÚBLICA E PREVENÇÃO DE CÂNCER CÉRVICO- UTERINO NA REDE BÁSICA DE SAÚDE DE SÃO LUÍS

POLÍTICA DE SAÚDE PÚBLICA E PREVENÇÃO DE CÂNCER CÉRVICO- UTERINO NA REDE BÁSICA DE SAÚDE DE SÃO LUÍS 1 POLÍTICA DE SAÚDE PÚBLICA E PREVENÇÃO DE CÂNCER CÉRVICO- UTERINO NA REDE BÁSICA DE SAÚDE DE SÃO LUÍS Aline Sharlon Maciel Batista Ramos * Cláudia Varão da Cunha Elba Gomide Mochel ** Sergiane Maia Maciel

Leia mais

Knowledge of students about HPV and uterine cervical cancer in a private university located on Pernambuco s backwoods

Knowledge of students about HPV and uterine cervical cancer in a private university located on Pernambuco s backwoods 50 Conhecimento dos universitários sobre HPV e câncer de colo uterino em uma Faculdade privada localizada no sertão de Pernambuco. Knowledge of students about HPV and uterine cervical cancer in a private

Leia mais

Papilomavirus Humano (HPV)

Papilomavirus Humano (HPV) Papilomavirus Humano (HPV) Introdução O HPV é uma doença infecciosa, de transmissão freqüentemente sexual, cujo agente etiológico é um vírus DNA não cultivável do grupo papovírus. Atualmente são conhecidos

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

SISCOLO RELATÓRIO 2008. PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2008

SISCOLO RELATÓRIO 2008. PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2008 1 SISCOLO RELATÓRIO 2008 2 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO N.º,DE 2011

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO N.º,DE 2011 REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO N.º,DE 2011 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Requer informações ao Senhor Ministro de Estado da Saúde a respeito das estimativas das despesas orçamentárias para o qüinqüênio

Leia mais

PREVALÊNCIA DE MULHERES QUE REALIZARAM MAMOGRAFIA EM TRÊS UNIDADES DE SAÚDE DECRUZ ALTA - RS

PREVALÊNCIA DE MULHERES QUE REALIZARAM MAMOGRAFIA EM TRÊS UNIDADES DE SAÚDE DECRUZ ALTA - RS PREVALÊNCIA DE MULHERES QUE REALIZARAM MAMOGRAFIA EM TRÊS UNIDADES DE SAÚDE DECRUZ ALTA - RS CERBARO, Kamila 1 ; ROSA, Jéssica 2 ; CARVALHO, Lidiane 3 ; HANSEN, Dinara 4 ; COSER, Janaina 5 Palavras-Chave:

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

Citologia oncótica pela Colpocitologia

Citologia oncótica pela Colpocitologia ALTERAÇÕES ESCAMOSAS NÃO-REATIVAS NILM = negativo p/ lesão intra-epitelial cervical ASCUS e ASCH = células escamosas atípicas de significado indeterminado SIL = lesão intra-epitelial escamosa LSIL e HSIL

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E PREVALÊNCIA DO CÂNCER DE PÊNIS.

CARACTERÍSTICAS E PREVALÊNCIA DO CÂNCER DE PÊNIS. CARACTERÍSTICAS E PREVALÊNCIA DO CÂNCER DE PÊNIS. Kamylla Sejane Pouso Freitas; Ângela karina da Costa Silva; Arinah Lopes; Núbia Aguiar Marinho; Mônica de Oliveira Santos (mosbio@hotmail.com) FACULDADE

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse

Declaração de Conflitos de Interesse Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Elias Fernando Miziara - DF MR A biologia viral na indução do câncer por HPV Epidemiologia no Brasil Dr. Elias Fernando Miziara Lesâo provocada por

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE DA MULHER NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO: PROJETO DE EXTENSÃO

A IMPORTÂNCIA DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE DA MULHER NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO: PROJETO DE EXTENSÃO A IMPORTÂNCIA DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE DA MULHER NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO: PROJETO DE EXTENSÃO The Importance of the Health Care of Women on the Prevention of Cervical Cancer: Extension Project

Leia mais

Vacinas Bivalente e Quadrivalente: Prós e contras

Vacinas Bivalente e Quadrivalente: Prós e contras IX S impós io de Atualização em G inecolog ia Oncológ ica III S impós io de G enitos copia do DF AB PTG IC C apítulo DF 12-14 de Maio de 2011 Vacinas Bivalente e Quadrivalente: Prós e contras Fábio Russomano

Leia mais

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe Saúde Informa Nº 2 Distrito Sanitário Centro DSCe Agosto/211 Apresentação Esta é a segunda edição do informativo do DSCe e o dedicamos a discussão das atividades de educação permanente, ao monitoramento

Leia mais

RAFAELA VIEIRA LOPES. Concordância do Papanicolaou e do exame colposcópico com a histologia no rastreamento de câncer de colo uterino

RAFAELA VIEIRA LOPES. Concordância do Papanicolaou e do exame colposcópico com a histologia no rastreamento de câncer de colo uterino RAFAELA VIEIRA LOPES Concordância do Papanicolaou e do exame colposcópico com a histologia no rastreamento de câncer de colo uterino BELO HORIZONTE 2010 RAFAELA VIEIRA LOPES Concordância do Papanicolaou

Leia mais

HOSPITALIZAÇÕES POR CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NA REDE PÚBLICA DO BRASIL, 2002 2004

HOSPITALIZAÇÕES POR CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NA REDE PÚBLICA DO BRASIL, 2002 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Fernanda Crossetti Cunha HOSPITALIZAÇÕES POR CÂNCER DE COLO DE ÚTERO

Leia mais

RESUMO. Marly Agripina Gonçalves Vieira Cunha 1 Daniel Gomes de Alvarenga 2 Gulnara Patrícia Borja Cabrera 3

RESUMO. Marly Agripina Gonçalves Vieira Cunha 1 Daniel Gomes de Alvarenga 2 Gulnara Patrícia Borja Cabrera 3 Prevalência de diagnósticos microbiológicos e de anormalidades de células epiteliais em laboratório de referência do SUS em Governador Valadares - MG, período 9-. Marly Agripina Gonçalves Vieira Cunha

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Adenocarcinoma. Neoplasia do Colo do Útero. Qualidade de Assistência à Saúde.

PALAVRAS-CHAVE Adenocarcinoma. Neoplasia do Colo do Útero. Qualidade de Assistência à Saúde. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

O primeiro passo para evitar o câncer do colo do útero é se informar. Que tal começar agora?

O primeiro passo para evitar o câncer do colo do útero é se informar. Que tal começar agora? O primeiro passo para evitar o câncer do colo do útero é se informar. Que tal começar agora? Folheto Consumidora 9x15cm.indd 1 7/21/08 6:07:48 PM A cada ano, 500.000 mulheres no mundo têm câncer do colo

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS

O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS 1 O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS THE KNOWLEDGE OF FAMILY HEALTH PROGRAM NURSES ABOUT PERFORMING CLINICAL BREAST EXAMINATIONS KÊNIA

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

Instituto Nacional de Câncer Fisioterapia HCII/INCA

Instituto Nacional de Câncer Fisioterapia HCII/INCA Instituto Nacional de Câncer Fisioterapia HCII/INCA QUALIFICAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NOS SERVIÇOS ASSISTENCIAIS DO SUS PARA CÂNCER DE MAMA E CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Fátima Bussinger Chefe da Fisioterapia

Leia mais

O teste do HPV contribui na triagem para a colposcopia?

O teste do HPV contribui na triagem para a colposcopia? Trocando Ideias XIX 06 de agosto de 2015 Lesão de Baixo Grau O teste do HPV contribui na triagem para a Clique para editar o estilo do subtítulo mestre colposcopia? Flávia de Miranda Corrêa Epidemiologia

Leia mais

Técnicas Moleculares

Técnicas Moleculares Biologia Molecular no Diagnóstico de Infecção :HPV Maria Elizabeth Menezes,MSc;Ph.D e-mail:melmenezes@dnanalise.com.br DNAnálise Laboratório Técnicas Moleculares HIBRIDIZAÇÃO IN SITU SEQÜENCIAMENTO PCR

Leia mais

CÂNCER DO COLO UTERINO: AÇÕES PREVENTIVAS REALIZADAS PELA EQUIPE DE SAÚDE NA ATENÇÃO BÁSICA

CÂNCER DO COLO UTERINO: AÇÕES PREVENTIVAS REALIZADAS PELA EQUIPE DE SAÚDE NA ATENÇÃO BÁSICA 0 UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL - UNIJUI DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA VIDA DCVIDA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ONCOLOGIA BIANCA SCHNEIDER DE JESUS CÂNCER DO COLO UTERINO:

Leia mais

ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM OBSTÉTRICA TAÍS GONZAGA TAVARES

ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM OBSTÉTRICA TAÍS GONZAGA TAVARES ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM OBSTÉTRICA TAÍS GONZAGA TAVARES IMPORTÂNCIA DA ASSISTÊNCIA DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE COLO UTERINO. SALVADOR BAHIA 2012 TAÍS GONZAGA TAVARES IMPORTÂNCIA

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES Boletim ano 6, n.1 janeiro/abril de 2015 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/Ministério da Saúde MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES do colo do útero e de mama Apresentação

Leia mais

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Fabiana Medeiros de Brito (NEPB/UFPB). E-mail: fabianabrito_@hotmail.com Eveline de Oliveira Barros (NEPB/UFPB). E-mail: evinhabarros@gmail.com

Leia mais

National Cervical Cancer Screening Program: the contribution of anatomic pathology laboratory of Santa Casa de Misericórdia de Passos (MG)

National Cervical Cancer Screening Program: the contribution of anatomic pathology laboratory of Santa Casa de Misericórdia de Passos (MG) Artigo Original Combate ao câncer de colo uterino Recebido em julho de 2002 Campanha Nacional de Combate ao Câncer do Colo Uterino: a contribuição do laboratório de anatomia patológica da Santa Casa de

Leia mais

RASTREAMENTO DO PAPILOMA VÍRUS HUMANO (HPV) EM MULHERES COM MAIS DE 25 ANOS

RASTREAMENTO DO PAPILOMA VÍRUS HUMANO (HPV) EM MULHERES COM MAIS DE 25 ANOS 1043 RASTREAMENTO DO PAPILOMA VÍRUS HUMANO (HPV) EM MULHERES COM MAIS DE 25 ANOS HUMAN PAPILOMA VIRUS TRACKING IN WOMEN OLDER THAN TWENTY FIVE (25) YEARS OLD Lilian Luiza Passos das Chagas Enfermeira.

Leia mais

JULEIDE PIROCA SIMONE BOITT

JULEIDE PIROCA SIMONE BOITT JULEIDE PIROCA SIMONE BOITT O CONHECIMENTO DAS MULHERES SOBRE O HPV, CÂNCER DO COLO UTERINO E CÂNCER DE MAMA: UMA PESQUISA NAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS - SANTA CATARINA PALMITOS-SC

Leia mais

ABORDAGEM DO ADENOCARCINOMA IN SITU

ABORDAGEM DO ADENOCARCINOMA IN SITU Yara Furtado Professora Assistente da UNIRIO Chefe Ambulatório de Patologia Vulvar e Cervical do HUGG Comissão de Título de Qualificação ABPTGIC Descrito em 1952 (Hepler) Laudos citológicos Sistema Bethesda

Leia mais

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 38/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 22/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

HPV em mulheres infectadas pelo HIV Goldman ARNP, MPH

HPV em mulheres infectadas pelo HIV Goldman ARNP, MPH Welcome to I-TECH HIV/AIDS Clinical Seminar Series 30 de Agosto de 2012 HPV em mulheres infectadas pelo HIV Goldman ARNP, MPH Objectivos 1. Discutir a epidemiologia do HPV entre mulheres infectadas pelo

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

O desafio feminino do câncer

O desafio feminino do câncer Tumores de mama e colo de útero contam com a oportunidade de rastreamento e têm altas chances de sucesso no tratamento O desafio feminino do câncer O controle dos cânceres de mama e de colo do útero é

Leia mais

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA 1. Renata Emanuela de Queiroz Rêgo. Faculdade Santa Maria/FSM. Email: renata-emanuela@hotmail.com 2. Ankilma do Nascimento Andrade. Faculdade Santa Maria/FSM.

Leia mais

O QUE REVELA O CITOPATOLÓGICO DE COLO UTERINO DE UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA

O QUE REVELA O CITOPATOLÓGICO DE COLO UTERINO DE UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA 0 UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DCVida DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA VIDA CURSO DE ENFERMAGEM O QUE REVELA O CITOPATOLÓGICO DE COLO UTERINO DE UMA UNIDADE DE SAÚDE

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE GAI informa junho/2009 ano 1 nº2 BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE Editorial Neste segundo número do Boletim Gais Informa apresenta-se um resumo das principais discussões

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SENA AIRES- FACESA ENFERMAGEM BACHARELADO MARINA MORAIS GERMANO

FACULDADE DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SENA AIRES- FACESA ENFERMAGEM BACHARELADO MARINA MORAIS GERMANO FACULDADE DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SENA AIRES- FACESA ENFERMAGEM BACHARELADO MARINA MORAIS GERMANO UTILIZAÇÃO DA VACINA CONTRA O HPV NA PREVENÇÃO DO CÂNCER UTERINO VALPARAÍSO DE GOIÁS DEZEMBRO, 2013 MARINA

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA Práticas do Técnico de Enfermagem no Atendimento ao Paciente Oncológico Tratamento Cirúrgico - Ginecologia Téc. de Enfermagem Juliana

Leia mais

Papanicolaou na terceira idade: um desafio para a enfermagem

Papanicolaou na terceira idade: um desafio para a enfermagem 78 Papanicolaou na terceira idade: um desafio para a enfermagem (Papanicolaou in the elderly: a challenge for nursing) Luisa Olhê¹; Rafaela Cristina de Oliveira¹; Rafaela Fukuda Campanelli¹; Lilian Donizete

Leia mais

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 Talita da Conceição de Oliveira Fonseca. Economista Doméstica. Endereço: Rua João Valadares Gomes nº 210, bairro JK, Viçosa-MG. E-mail:

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Abril a Junho/ 2010/ n 2 MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Apresentação Neste segundo boletim de 2010, são apresentados os dados parciais para acompanhamento dos

Leia mais

PREVALÊNCIA DO VÍRUS HPV NO CÂNCER DE COLO UTERINO

PREVALÊNCIA DO VÍRUS HPV NO CÂNCER DE COLO UTERINO PREVALÊNCIA DO VÍRUS HPV NO CÂNCER DE COLO UTERINO Mayara Nascimento Majevski 1 Juliana Ollé Mendes da Silva 2 RESUMO Introdução: O câncer de colo uterino é o tipo mais comum nos países em desenvolvimento

Leia mais

COBERTURA DE MAMOGRAFIAS REALIZADAS NO MUNICÍPIO DE SOUSA PARAÍBA COM REGISTRO NO SISMAMA

COBERTURA DE MAMOGRAFIAS REALIZADAS NO MUNICÍPIO DE SOUSA PARAÍBA COM REGISTRO NO SISMAMA COBERTURA DE MAMOGRAFIAS REALIZADAS NO MUNICÍPIO DE SOUSA PARAÍBA COM REGISTRO NO SISMAMA 1 Introdução/ Desenvolvimento Alinne Vieira Alves 1 Ana Claudia Moreira Santaba 2 Ana Janielli de Souza 3 Juliana

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal.

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

Universidade. Federal do. Pampa

Universidade. Federal do. Pampa 1 Universidade Federal do Pampa Camila Lara Ibarra Helena Piegas Rodrigues Neriete da Silveira Pires AS PERCEPÇÕES E A PRÁTICA PREVENTIVA DE UNIVERSITÁRIAS DOS CURSOS DE ENFERMAGEM, FARMÁCIA E FISIOTERAPIA

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

OCÂNCER DE COLO UTERINO ÉOSEGUNDO TU-

OCÂNCER DE COLO UTERINO ÉOSEGUNDO TU- colo uterino Rastreamento do câncer de colo uterino: desafios e recomendações Arquivo pessoal Evandro Sobroza de Mello * Médico patologista, coordenador do Laboratório de Anatomia Patológica do Instituto

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA MARIA GORETTI ELISEU

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA MARIA GORETTI ELISEU UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA MARIA GORETTI ELISEU COBERTURA DO PREVENTIVO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO NA REDE BÁSICA DE SAÚDE (SUS)

Leia mais

VACINA CONTRA O HPV: UMA TECNOLOGIA A FAVOR DA SAÚDE

VACINA CONTRA O HPV: UMA TECNOLOGIA A FAVOR DA SAÚDE VACINA CONTRA O HPV: UMA TECNOLOGIA A FAVOR DA SAÚDE DANIELE DOMICIANO SILVA 1 INAYANA ALMEIDA DE BARROS LIMA 2 VALERIA ADRIANA DE OLIVEIRA 3 RESUMO: INTRODUÇÃO: o papiloma vírus humano (HPV) é responsável

Leia mais