Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 10)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 10)"

Transcrição

1 1 Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 10) Helio Marcos Fernandes Viana Tema: Ensaio CBR (California Bearing Ratio) Conteúdo da aula prática 1 Importância do ensaio CBR ou Índice de Suporte Califórnia (ISC), com medida de expansão 2 Tipos de ensaio CBR 3 Principais características do ensaio CBR, com medida de expansão (considerando-se ensaio CBR de 5 pontos) 4 Correção da curva de pressão-penetração do ensaio CBR para 1 (um) corpo-de-prova ensaiado 5 Resultados finais do ensaio CBR (tipo 5 pontos) 6 Relação existente entre a camada do pavimento rodoviário e a energia de compactação usada no ensaio CBR

2 2 1 Importância do ensaio CBR ou Índice de Suporte Califórnia (ISC), com medida de expansão O ensaio CBR (California Bearing Ratio) ou Índice de Suporte Califórnia (ISC) é importante nos seguintes casos: a) Para o dimensionamento do pavimento de estradas (ou rodovias) pelo método do DNER (atual DNIT); b) Para o controle tecnológico dos materiais empregados na construção do pavimento de estradas (ou rodovias); e c) Para o dimensionamento do pavimento de pistas de aeroportos. OBS(s). a) DNIT é o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes; e b) DNER era o Departamento Nacional de Estradas de Rodagem. 2 Tipos de ensaio CBR O ensaio CBR foi introduzido em 1928 pelo Departamento de Estradas e Rodagem do Estado da Califórnia (Estados Unidos). Existem 3 (três) tipos de ensaio CBR, os quais são: i) CBR de 1 ponto ou CBR; ii) CBR de 5 pontos; e iii) CBR completo. O CBR de 1 ponto destina-se geralmente à caracterização do subleito. O CBR de 5 pontos é utilizado no estudo de subleitos, subbases, bases de pavimentos, inclusive no estudo de jazidas; Além disso, é o método do DNER atual DNIT para o dimensionamento de pavimentos rodoviários. O CBR completo destina-se a determinação do CBR de projeto de jazidas de empréstimo. OBS(s). a) Trataremos, apenas, do CBR de 5 pontos, que é o método adotado pelo DNER atual DNIT; b) Maiores informações do CBR de 1 ponto consulte: DNER-ME ou Lima et al. (1985); e c) Maiores informações do CBR completo consulte Lima et al. (1985).

3 3 3 Principais características do ensaio CBR, com medida de expansão (considerando-se ensaio CBR de 5 pontos) As principais características do ensaio CBR de 5 pontos, podem ser divididas em 2(duas) partes, as quais são descritas como se segue: 1. o (primeira) Parte do ensaio CBR: Moldagem dos corpos-de-prova Os principais passos da moldagem dos corpos-de-prova do ensaio CBR são descritos a seguir: i) Para moldar 1 (um) corpo-de-prova do ensaio CBR, deve-se utilizar uma amostra de 7 kg de solo (para solos arenosos), ou de 6 kg de solo (para solos siltosos ou argilosos); Além disso, a amostra de solo deverá estar em um teor de umidade inicial pré-estabelecido; ii) O solo da amostra deve ser compactado em cilindro grande ( = 15,2 cm), em 5 camadas, com uso do soquete grande (4,5 kg) e altura de queda 45,7 cm; iii) O número de golpes dados em cada camada de solo, do corpo-de-prova, depende da energia de compactação de projeto, a qual pode ser: normal, intermediária ou modificada; iv) Uma porção de ± 100 g de solo deve ser retirada do solo da amostra para determinação da umidade; OBS. O símbolo significa diâmetro, e é a letra grega fi. v) Repetem-se os processos descritos no item i a iv, para moldagem de mais alguns corpos-de-prova com teores de umidade crescentes (cerca de 1%, a mais, de umidade de um corpo-de-prova para outro); vi) O número de corpos-de-prova moldados, no ensaio, deve ser o necessário para traçar a curva de compactação do solo, geralmente, utilizam-se 5 (cinco) corpos-deprova; OBS. O procedimento de traçado da curva de compactação no ensaio CBR é semelhante ao traçado da curva de compactação do ensaio de compactação de Proctor. vii) Os procedimentos para calcular e traçar a curva de compactação do solo, através dos corpos-de-prova do ensaio CBR, estão descritos na norma DNER-ME 049/94; e viii) Os corpos-de-prova moldados em teores umidades diferentes, também são usados para os ensaios de expansão e penetração.

4 4 2. o (segunda) Parte do ensaio CBR: Ensaios de expansão e penetração Os ensaios de expansão e penetração devem ser realizados em cada um dos corpos-de-prova moldados em umidades diferentes; As principais características dos ensaios de expansão e penetração são: i) Após a moldagem de um corpo-de-prova, instala-se no corpo-de-prova: o disco perfurado com haste vertical, as sobrecargas e o tripé com o extensômetro; ii) Realiza-se a primeira leitura no extensômetro antes da imersão do corpo-de-prova na água; iii) Na sequência, o corpo-de-prova deve ser imerso por 96 horas (4 dias), e as expansões do solo são medidas, de 24 em 24 horas, através do extensômetro instalado no tripé; OBS(s). a) expansão do solo corresponderá a maior expansão obtida em 96 horas; e b) Após retirar o corpo-de-prova da imersão, o corpo-de-prova é pesado para determinação da água absorvida durante a imersão do corpo-de-prova. iv) Após os 4 dias, o corpo-de-prova é retirado da água. Então, deve-se deixar a água escoar do corpo-de-prova por 15 minutos; v) Após a água escoar do corpo-de-prova; O corpo-de-prova é levado à prensa CBR, onde sofre a penetração com o pistão ( = 4,96 cm); vi) Durante a penetração do pistão, anota-se as leituras no anel dinamométrico, correspondentes às penetrações de: 0,63; 1,27; 1,90; 2,54; 3,81; 5,08; 7,62; 10,16 e 12,70 mm; vii) Na sequência, determinam-se as cargas de penetração, e traça-se a curva pressão aplicada para penetração do pistão (kgf/cm 2 ) versus penetração do pistão (mm); viii) Nesta etapa, deve-se fazer a correção da curva pressão aplicada para penetração do pistão (kgf/cm 2 ) versus penetração do pistão (mm); dando nova origem à curva. ix) Após corrigir a curva do ensaio, determina-se os CBR(s) correspondentes às penetrações de 2,54 mm e 5,08 mm com base nas pressões padrão de referência; x) O CBR do material será o maior dos 2 (dois) valores obtidos com as penetrações de 2,54 mm ou 5,08 mm; e xi) Durante o ensaio, medem-se os tempos de penetração, para verificar a velocidade de penetração do pistão, que deve ser 1,27 mm/min. OBS. As pressões padrão para o cálculo do CBR são: 70 kgf/cm 2 para penetração de 2,54 mm, e 105 kgf/cm 2 para penetração de 5,08 mm, estas pressões correspondem ao CBR de 100 % para o material padrão, que é a brita graduada de alta resistência. A Figura 3.1 ilustra um corpo-de-prova do ensaio CBR submerso na piscina, antes da sua ruptura em uma prensa CBR. Pode-se observar, na Figura 3.1, a presença do tripé com o extensômetro sobre o corpo-de-prova, onde se faz as leituras de expansão do corpo-de-prova de forma indireta pela haste vertical do disco perfurado.

5 5 Figura Um corpo-de-prova do ensaio CBR submerso na piscina, antes da sua ruptura em uma prensa CBR A Figura 3.2 ilustra um corpo-de-prova sendo rompido em uma prensa CBR. Figura Corpo-de-prova sendo rompido na prensa CBR A Tabela 3.1 mostra um exemplo dos resultados de um ensaio CBR, os quais foram obtidos da penetração de 1 (um) corpo-de-prova, do solo da jazida Linhão do Broa (São Carlos - SP). Observa-se que o equipamento de ensaio CBR apresenta as seguintes características: a) K = constante do anel dinamométrico = 45,5; b) D = diâmetro do pistão de penetração = 4,96 cm; e c) A = área da seção do pistão de penetração = 19,32 cm 2.

6 6 OBS. Na Tabela 3.1, as pressões obtidas no ensaio CBR, com o solo da jazida Linhão do Broa, ainda não foram corrigidas. Tabela Exemplo dos resultados da penetração de 1 (um) corpo-de-prova, do solo da jazida Linhão do Broa (São Carlos - SP), durante o ensaio CBR Penetração do pistão (mm) Leitura no anel dinamométrico Ca = Carga aplicada ao corpo-de-prova (kgf) Pn = Pressão aplicada ao corpo-de-prova (não corrigida) (kgf/cm 2 ) Pentra. ( Lt ) ( Ca = Lt x K ) ( Pn = Ca / A ) 0,63 3,5 159,25 8,2 1,27 5,9 268,45 13,9 1,90 8,2 373,1 19,3 2,54 10,5 477,75 24,7 3,81 13,4 609,7 31,6 5,08 16,3 741,65 38,4 7,62 19,5 887,25 45,9 10,16 22,1 1005,55 52,0 12,70 24,4 1110,2 57,5 OBS(s). K = Constante do anel = 45,5 D = Diâmetro do pistão de penetração = 4,96 cm A = área do pistão de penetração = 19,32 cm Cálculo do CBR ou Índice Suporte Califórnia de 1 (um) corpo-de-prova O Valor do CBR ou Índice Suporte Califórnia (ISC) para 1 (um) corpo-deprova será o maior dos 2 (dois) valores obtidos das seguintes equações: pressão corrigida para penetração CBR ISC 2 70 kgf / cm de 2,54 mm x100% (3.1) pressão corrigida para penetração CBR ISC kgf / cm de 5,08 mm x100% (3.2) 4 Correção da curva de pressão-penetração do ensaio CBR para 1 (um) corpode-prova ensaiado Para correção da curva pressão-penetração do ensaio CBR, para 1 (um) corpo-de-prova ensaiado, com base na Figura 4.1, procede-se do seguinte modo: a) Através do ponto inflexão da curva pressão-penetração, traça-se uma tangente nesse ponto, até que a tangente intercepte o eixo das abscissas; b) A nova curva, que corresponde à curva corrigida, será dada pela soma da tangente mais a porção convexa da curva pressão-penetração original;

7 7 c) A origem da curva corrigida será o ponto em que a tangente corta o eixo das abscissas; d) c é a distância entre a nova origem dos eixos e a antiga origem dos eixos, das curvas nova e antiga respectivamente; e e) Para se determinar as novas pressões correspondentes às penetrações de 2,54 mm e 5,08 mm, basta adicionar c aos pontos correspondentes às penetrações de 2,54 mm e 5,08 mm no eixo das abscissas. A Figura 4.1 ilustra a correção da curva de pressão-penetração do ensaio CBR para 1 (um) corpo-de-prova ensaiado. OBS. Ponto de inflexão é o ponto em que uma curva muda de aspecto; por exemplo o ponto em que a curva passa de côncava para convexa. Figura Correção da curva de pressão-penetração do ensaio CBR para 1 (um) corpo-de-prova ensaiado

8 8 5 Resultados finais do ensaio CBR (tipo 5 pontos) 5.1 Determinação do peso específico máximo do solo seco e do teor de umidade ótimo Os valores dos pesos específicos secos e dos teores de umidades de cada corpo-de-prova do ensaio CBR permitirão o traçado da curva de compactação do solo. A ordenada máxima da curva de compactação corresponde ao peso específico máximo do solo seco. A abscissa do peso específico máximo do solo seco corresponde ao teor de umidade ótimo do solo. 5.2 Determinação do CBR ou Índice de Suporte Califórnia final De preferência, uma única folha é usada para representar: a curva de compactação do solo, a curva do o CBR do solo e a curva de expansão do solo. Na folha única, usa-se uma parte inferior da folha para traçar a curva de compactação do solo, e para traçar a curva da expansão do solo. Na folha única, usa-se a parte superior da folha para traçar a curva do CBR do solo, com base no CBR de cada corpo-de-prova. A vertical que passa pela curva CBR, correspondente ao peso específico máximo do solo seco, do ensaio de compactação, fornece o valor do CBR final ou Índice de Suporte Califórnia final do solo. A Figura 5.1 mostra uma folha usada para o ensaio CBR 5 pontos, o qual é normatizado pela DNER-ME 049/94.

9 Figura 5.1- Folha usada para o ensaio CBR 5 pontos, o qual é normatizado pela DNER-ME 049/94 9

10 Expansão O gráfico da expansão do solo pode ser traçado utilizando-se a mesma folha usada para traçar a curva de compactação; Pois, pode ser aproveitado o eixo das ordenadas do lado direito da folha para determinar a expansão de cada corpo-deprova do ensaio. A expansão de cada corpo-de-prova do ensaio CBR pode ser calculada pela seguinte equação: (IF Io ).100 E (5.1) em que: L E = expansão do corpo-de-prova submetido à imersão (%), com aproximação de 0,1%; I F = maior leitura feita no extensômetro durante os 4 dias de imersão (mm), com aproximação de 0,01 mm; I O = leitura do extensômetro antes da imersão do corpo-de-prova na água (mm), com aproximação de 0,01 mm; e L = altura inicial da amostra (ou do corpo-de-prova) (mm), com aproximação de 1 mm. 6 Relação existente entre a camada do pavimento rodoviário e a energia de compactação usada no ensaio CBR i) A camada do pavimento rodoviário, e o tipo de energia usada para compactar os corpos-de-prova do ensaio CBR Geralmente, a energia usada na compactação dos corpos-de-prova do ensaio CBR está relacionada a uma camada do pavimento rodoviário; Assim sendo, tem-se: a) Para solos de subleito de pavimento, usa-se a energia de compactação normal no ensaio CBR; b) Para solos de bases ou subbases, pode-se utilizar a energia de compactação intermediária no ensaio CBR; e c) Para solos de bases e subbases, também, pode-se utilizar a energia de compactação modificada no ensaio CBR. ii) Características de compactação dos corpos-de-prova do ensaio CBR de acordo com a camada do pavimento rodoviário a) As principais características de compactação dos corpos-de-prova do ensaio CBR, na energia normal, para materiais de subleito são: -> Utilização do soquete grande de 4,54 kg; -> Altura de queda do soquete = 45,7 cm; -> Diâmetro do soquete usado = 5,00 cm; -> Número de golpes por camada = 12; -> Número de camadas de solo do corpo-de-prova = 5; e -> Uso do molde cilíndrico de diâmetro = 15,2 cm.

11 11 b) As principais características de compactação dos corpos-de-prova do ensaio CBR, na energia intermediária, para materiais de base e subbase são: -> Utilização do soquete grande de 4,54 kg; -> Altura de queda do soquete = 45,7 cm; -> Diâmetro do soquete = 5,00 cm; -> Número de golpes por camada 26; -> Número de camadas compactadas do corpo-de-prova = 5; e -> Uso do molde cilíndrico de diâmetro = 15,2 cm. c) As principais características de compactação dos corpos-de-prova do ensaio CBR, na energia modificada, para materiais de base e subbase são: -> Utilização do soquete grande de 4,54 kg; -> Altura de queda do soquete = 45,7 cm; -> Diâmetro do soquete = 5,00 cm; -> Número de golpes por camada 56; -> Número de camadas compactadas do corpo-de-prova = 5; e -> Uso do molde cilíndrico de diâmetro = 15,2 cm. OBS(s). a) O esquema de compactação do corpo-de-prova deve ser o mais uniforme possível, distribuindo-se os golpes na periferia e no centro do corpo-de-prova; e b) Por exemplo, para 1 (uma) camada de 56 golpes, tem-se 13 golpes na periferia e 1 golpe no cetro, repetindo-se este processo 4 vezes. Referências Bibliográficas DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS E RODAGEM. DNER-ME Índice de suporte Califórnia de solos DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS E RODAGEM. DNER-ME 049/94. Solos - determinação do índice de suporte Califórnia utilizando amostras não trabalhadas. Rio de Janeiro, FABBRI, G. T. P. Relatório de ensaios da disciplina Laboratório de Infra- Estrutura de Transportes. STT5873-3/2. São Carlos - SP: Escola de engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo FEDERAL AVIATION ADMINISTRATION AC/150/5320-6D - 7/7/95 Airport pavement design and avaluation HORONJEFF, R. Aeroportos planejamento e projeto. Traduzido e adaptado por Heitor Lisboa de Araújo. Rio de Janeiro - RJ: Livro técnico S. A., p. LIMA, D. C.; RÖHM, S. A.; BUENO, B. S. Tópicos em estradas. Viçosa - MG: Universidade Federal de Viçosa, p. LIMA, D. C. Notas de aulas de Pavimentação. CIV-311. Viçosa - MG: Universidade Federal de Viçosa

ENSAIO DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS

ENSAIO DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS ENSAIO DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS 1.Introdução A compactação é um método de estabilização de solos que se dá por aplicação de alguma forma de energia (impacto, vibração, compressão estática ou dinâmica).

Leia mais

Compactação Exercícios

Compactação Exercícios Compactação Exercícios 1. Num ensaio de compactação foram obtidos os dados listados na tabela abaixo Identificação 1 2 3 4 5 Teor de umidade, w (%) 5,2 6,8 8,7 11,0 13,0 Massa do cilindro + solo (g) 9810

Leia mais

LABORATÓRIO de MECÂNICA dos SOLOS - Noções de Resistência à Compressão - Ensaio de Compressão Simples e Diametral

LABORATÓRIO de MECÂNICA dos SOLOS - Noções de Resistência à Compressão - Ensaio de Compressão Simples e Diametral UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO de MECÂNICA dos SOLOS - Noções de Resistência à Compressão - Ensaio de Compressão

Leia mais

ENSAIO DE PENETRAÇÃO DA IMPRIMADURA

ENSAIO DE PENETRAÇÃO DA IMPRIMADURA Métodos de Ensaios: Penetração da Imprimadura ENSAIO DE PENETRAÇÃO DA IMPRIMADURA 1. OBJETIVO Este ensaio tem como objetivo determinar, em laboratório, a quantidade e tipo de imprimadura betuminosa adequada

Leia mais

Compactação dos Solos

Compactação dos Solos Compactação dos Solos Compactação dos Solos A compactação de um solo consiste basicamente em se reduzir seus vazios com o auxílio de processos mecânicos. Adensamento - expulsão da água Compactação - expulsão

Leia mais

UNIP - COMPLEMENTOS DE MECÂNICA DOS SOLOS E FUNDAÇÕES PROFESSORA MOEMA CASTRO, MSc. [ AULA 05]

UNIP - COMPLEMENTOS DE MECÂNICA DOS SOLOS E FUNDAÇÕES PROFESSORA MOEMA CASTRO, MSc. [ AULA 05] EXERCÍCIOS 01 - COMPACTAÇÃO Com base nos dados de um ensaio de compactação feito com a energia Proctor MODIFICADA, apresentados na tabela a seguir, e sabendo que a massa específica dos grãos do solo é

Leia mais

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA Movimento de Terra e Pavimentação NOTAS DE AULA MECÂNICA DOS SOLOS Prof. Edson de Moura Aula 06 Compactação de Solos Proctor e Mini-Proctor 2011 49 COMPACTAÇÃO DE SOLOS Podemos

Leia mais

Descritores SINORTEC: normas, ensaio de resistência do solo, ensaio do solo, equipamento de ensaio do solo, expansão

Descritores SINORTEC: normas, ensaio de resistência do solo, ensaio do solo, equipamento de ensaio do solo, expansão MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM Solos compactados em equipamento miniatura - Mini-CBR e expansão Norma rodoviária Método de Ensaio DNER-ME 254/97 p. 01/14 RESUMO Este documento, que é

Leia mais

4. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA (ISC) OU CBR (CALIFÓRNIA)

4. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA (ISC) OU CBR (CALIFÓRNIA) 4. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA (ISC) OU CBR (CALIFÓRNIA) Esse ensaio foi concebido pelo Departamento de Estradas de Rodagem da California (USA) para avaliar a resistência dos solos. No ensaio de CBR,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE (UNIPLAC) CLÉBER AUGUSTO BUFFON ENSAIOS DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE (UNIPLAC) CLÉBER AUGUSTO BUFFON ENSAIOS DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE (UNIPLAC) CLÉBER AUGUSTO BUFFON ENSAIOS DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO LAGES 2014 CLÉBER AUGUSTO BUFFON ENSAIOS DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO Relatório de estágio apresentado

Leia mais

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. APARELHAGEM...4 5. ENERGIAS DE COMPACTAÇÃO...7 6. EXECUÇÃO DO

Leia mais

ME-55 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO EXPEDITA DO ÍNDICE MINI-CBR POR PENETRAÇÃO DINÂMICA

ME-55 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO EXPEDITA DO ÍNDICE MINI-CBR POR PENETRAÇÃO DINÂMICA ME-55 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO EXPEDITA DO ÍNDICE MINI-CBR POR PENETRAÇÃO DINÂMICA DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

Anexo 3. Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS

Anexo 3. Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS Secção de Urbanismo, Transportes, Vias e Sistemas Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS Anexo 3 Secção de Urbanismo,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2014 Análise da Resistência à Compressão Simples e Diametral de Misturas com Areia, Metacaulim e Cal Aluno: Ricardo José Wink de

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO QUESTÕES: Não estudar apenas por esta lista 1) Cite três importantes aplicações da moderna física do solo. 2) Cite as principais causas de compactação do solo. 3) Descreva

Leia mais

Investigações Geotécnicas!" " #$"""

Investigações Geotécnicas!  #$ Investigações Geotécnicas!" " #$""" Investigações Geotécnicas Investigação geotécnica de campo: levantamento de superfície, sondagens, ensaios; coleta de amostras. Investigação geotécnica de Laboratório

Leia mais

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA Movimento de Terra e Pavimentação NOTAS DE AULA Pavimentação I Prof. Dr. Edson de Moura Aula 06 Dimensionamento de Pavimento Flexível Método do DNER 2011 DIMENSIONAMENTO DE

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INTRODUÇÃO Os índices físicos determinados

Leia mais

Estudo da Deformação Permanente de Alguns Solos Argilosos Lateríticos Visando o Uso em Pavimentos de Baixo Volume de Tráfego

Estudo da Deformação Permanente de Alguns Solos Argilosos Lateríticos Visando o Uso em Pavimentos de Baixo Volume de Tráfego Estudo da Deformação Permanente de Alguns Solos Argilosos Lateríticos Visando o Uso em Pavimentos de Baixo Volume de Tráfego Marangon, M. Departamento de Transportes, Universidade Federal de Juiz de Fora,

Leia mais

RECICLAGEM DE PAVIMENTOS COM ADIÇÃO DE CIMENTO PORTLAND

RECICLAGEM DE PAVIMENTOS COM ADIÇÃO DE CIMENTO PORTLAND RECICLAGEM DE PAVIMENTOS COM ADIÇÃO DE CIMENTO PORTLAND William Fedrigo Washington Peres Núñez Jorge Augusto Pereira Ceratti RECICLAGEM DE PAVIMENTOS COM ADIÇÃO DE CIMENTO PORTLAND PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA GERAL DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO CURSOS QUE ATENDE DEPARTAMENTO ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

Critério para definição da largura da plataforma de terraplenagem em rodovias

Critério para definição da largura da plataforma de terraplenagem em rodovias Critério para definição da largura da plataforma de terraplenagem em rodovias Gerson Fernando Fattori (UCS) João Fortini Albano (PPGEP/UFRGS) Resumo Suprindo a lacuna constatada no Manual de Projeto Geométrico

Leia mais

Pavimentação - regularização do subleito

Pavimentação - regularização do subleito MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

AULA PRÁTICA_ MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL_ ECV5330_ Profa Janaíde Cavalcante Rocha_ turma 540A e 542

AULA PRÁTICA_ MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL_ ECV5330_ Profa Janaíde Cavalcante Rocha_ turma 540A e 542 AULA PRÁTICA 05_ARGAMASSA 17) DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE DE CONSISTÊNCIA - NBR 13276 Preparação da argamassa a base de cal: Quantidade de material: 1500 a 2000g de material seco. - Misturar a areia, cal e

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS EMENTA OBJETIVOS

INFORMAÇÕES BÁSICAS EMENTA OBJETIVOS Currículo 2010 INFORMAÇÕES BÁSICAS Unidade curricular Tópicos especiais em estradas Campus Alto Paraopeba Período Teórica 00 Carga Horária Prática 36 Total 36 Código CONTAC ENC225 Tipo Habilitação / Modalidade

Leia mais

ALTERNATIVA DE CONTROLE DA COMPACIDADE RELATIVA DE SOLOS NÃO- COESIVOS

ALTERNATIVA DE CONTROLE DA COMPACIDADE RELATIVA DE SOLOS NÃO- COESIVOS COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 0 A 07 DE JUNHO DE 2007 T100 A05 ALTERNATIVA DE CONTROLE DA COMPACIDADE RELATIVA DE SOLOS NÃO- COESIVOS Fabio de Oliveira

Leia mais

EFEITOS DA VARIAÇÃO DA ENERGIA DE COMPACTAÇÃO NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E MECÂNICAS DE UM AGREGADO RECICLADO DE RCD PARA USO EM PAVIMENTAÇÃO

EFEITOS DA VARIAÇÃO DA ENERGIA DE COMPACTAÇÃO NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E MECÂNICAS DE UM AGREGADO RECICLADO DE RCD PARA USO EM PAVIMENTAÇÃO EFEITOS DA VARIAÇÃO DA ENERGIA DE COMPACTAÇÃO NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E MECÂNICAS DE UM AGREGADO RECICLADO DE RCD PARA USO EM PAVIMENTAÇÃO Amaro Gabriel Joaquim Priscila Santos Salgado Orientador:

Leia mais

PROJETO DE ESTRADAS Prof o. f D r D. An A de rson on Ma M nzo zo i

PROJETO DE ESTRADAS Prof o. f D r D. An A de rson on Ma M nzo zo i PROJETO DE ESTRADAS Prof. Dr. Anderson Manzoli CONCEITOS: O diagrama de massas (ou de Brückner), facilita sobremaneira a análise da distribuição dos materiais escavados. Essa distribuição corresponde a

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL AULA 12 : Traço de Concreto e suas propriedades PROFESSOR: DANILO FERNANDES DE MEDEIROS, M.SC danilofmedeiros@yahoo.com.br Bem como outros conhecimentos já abordados nas aulas

Leia mais

BASE GRANULAR TRADICIONAL OU SOLO ESTABILIZADO: ANÁLISE DE CUSTOS E ALTERNATIVAS DE PAVIMENTAÇÃO PARA O LITORAL SUL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

BASE GRANULAR TRADICIONAL OU SOLO ESTABILIZADO: ANÁLISE DE CUSTOS E ALTERNATIVAS DE PAVIMENTAÇÃO PARA O LITORAL SUL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BASE GRANULAR TRADICIONAL OU SOLO ESTABILIZADO: ANÁLISE DE CUSTOS E ALTERNATIVAS DE PAVIMENTAÇÃO PARA O LITORAL SUL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Cesar Alberto Ruver Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Compressibilidade e Teoria do adensamento. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Compressibilidade e Teoria do adensamento. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compressibilidade e Teoria do adensamento Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compressibilidade É a diminuição do volume sob a ação de cargas aplicadas. É uma característica que todos os materiais possuem

Leia mais

4. MATERIAIS UTILIZADOS

4. MATERIAIS UTILIZADOS 4. MATERIAIS UTILIZADOS Descrevem-se nesse capítulo a origem e as características dos materiais utilizados na pesquisa. 4.1 AREIA O Departamento de Edificações Rodovias e Transportes do Ceará - DERT, cedeu

Leia mais

Avaliação dos equipamentos a serem utilizados; Análise de riscos para execução das atividades; Análise da qualificação dos líderes operacionais;

Avaliação dos equipamentos a serem utilizados; Análise de riscos para execução das atividades; Análise da qualificação dos líderes operacionais; 2014 Avaliação dos equipamentos a serem utilizados; Análise de riscos para execução das atividades; Análise da qualificação dos líderes operacionais; Relatório diário das atividades executadas; Caracterização

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO

DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO 1. Objetivo Determinar o coeficiente de permeabilidade à carga constante e à carga variável, com percolação de água através do solo em regime de escoamento laminar.

Leia mais

II MATERIAIS PARA PAVIMENTAÇÃO

II MATERIAIS PARA PAVIMENTAÇÃO II MATERIAIS PARA PAVIMENTAÇÃO SOLOS AGREGADOS MATERIAIS BETUMINOSOS Conceituação de Solo É uma formação natural, de estrutura solta e removível e de espessura variável, resultante da transformação de

Leia mais

CORRELAÇÃO DCP X CBR PARA SOLO A-2-6 UTILIZADO EM CAMADA ESTRUTURAL DO PAVIMENTO DA BR 040. Código: 9596

CORRELAÇÃO DCP X CBR PARA SOLO A-2-6 UTILIZADO EM CAMADA ESTRUTURAL DO PAVIMENTO DA BR 040. Código: 9596 CORRELAÇÃO DCP X CBR PARA SOLO A-2-6 UTILIZADO EM CAMADA ESTRUTURAL DO PAVIMENTO DA BR 040 Código: 9596 RESUMO Este trabalho consiste em um estudo experimental para desenvolvimento de equação de correlação

Leia mais

Experiência 6 - Perda de Carga Distribuída ao Longo de

Experiência 6 - Perda de Carga Distribuída ao Longo de Experiência 6 - Perda de Carga Distribuída ao Longo de Tubulações Prof. Vicente Luiz Scalon 1181 - Lab. Mecânica dos Fluidos Objetivo: Medida de perdas de carga linear ao longo de tubos lisos e rugosos.

Leia mais

Mecânica dos solos AULA 4

Mecânica dos solos AULA 4 Mecânica dos solos AULA 4 Prof. Nathália Duarte Índices físicos dos solos OBJETIVOS Definir os principais índices físicos do solo; Calcular os índices a partir de expressões matemáticas; Descrever os procedimentos

Leia mais

3.2 MEMORIAL DESCRITIVO - PROJETO PAVIMENTAÇÃO Lote Apresentação

3.2 MEMORIAL DESCRITIVO - PROJETO PAVIMENTAÇÃO Lote Apresentação 3.2 MEMORIAL DESCRITIVO - PROJETO PAVIMENTAÇÃO Lote 4 3.2.1 Apresentação A Empresa CJB Engenharia & Topografia Ltda, estabelecida na Rua Oscar Pedro Kulzer, n 438, Canoas/RS, inscrita no CNPJ nº 73.572.018/0001-31,

Leia mais

CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO, ORÇAMENTO E PAGAMENTO. Serviço: COMPACTAÇÃO E REGULARIZAÇÃO DO SUB-LEITO Unidade: M² 1 MEDIÇÃO E ORÇAMENTO

CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO, ORÇAMENTO E PAGAMENTO. Serviço: COMPACTAÇÃO E REGULARIZAÇÃO DO SUB-LEITO Unidade: M² 1 MEDIÇÃO E ORÇAMENTO Serviço: COMPACTAÇÃO E REGULARIZAÇÃO DO SUB-LEITO Unidade: M² A medição do serviço de regularização do sub-leito será feita por metro quadrado (m²) de pista concluída, de acordo com plataforma de terraplenagem

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Classificação de Materiais e Equipamentos Generalidades Ciclo de Operações Classificações dos Materiais Classificação dos Equipamentos

Leia mais

2.2.2 Dimensionamento de pavimentos flexíveis (método do DNIT)

2.2.2 Dimensionamento de pavimentos flexíveis (método do DNIT) 2.2.2 Dimensionamento de pavimentos flexíveis (método do DNIT) O método tem como base o trabalho "Design of Flexible Pavements Considering Mixed Loads and Traffic Volume", da autoria de W.J. Turnbull,

Leia mais

DISCUSSÃO ATUAL NÃO CONFORMIDADE DO CONCRETO

DISCUSSÃO ATUAL NÃO CONFORMIDADE DO CONCRETO DISCUSSÃO ATUAL NÃO CONFORMIDADE DO CONCRETO Concretos fornecidos podem não estar atingindo a resistência à compressão pedida nos projetos estruturais. Polêmica envolve construtores, concreteiras, projetistas

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL PLANO DE ENSINO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Disciplina ESTRADAS Código Docente Helio Marcos Fernandes Viana Semestre 2013.1 Carga horária 80h 1 EMENTA Transportes no Brasil. Estudos do traçado. Elementos

Leia mais

CONTROLE DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS e ÍNDICE SUPORTE CALIFÓRNIA

CONTROLE DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS e ÍNDICE SUPORTE CALIFÓRNIA CONTROLE DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS e ÍNDICE SUPORTE CALIFÓRNIA 26/02/2013 Prof. Patrício Pires patricio.pires@gmail.com Introdução 2 2ª Parte Dia Mês Aula Programação 12 - CARNAVAL Compactação de solos:

Leia mais

IP- 05 INSTRUÇÃO PARA DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS PARA TRÁFEGO MEIO PESADO, PESADO, MUITO PESADO E FAIXA EXCLUSIVA DE ÔNIBUS

IP- 05 INSTRUÇÃO PARA DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS PARA TRÁFEGO MEIO PESADO, PESADO, MUITO PESADO E FAIXA EXCLUSIVA DE ÔNIBUS 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é apresentar o procedimento para o dimensionamento de pavimentos flexíveis de vias urbanas do município de São Paulo, submetidas a tráfego meio pesado, pesado, muito

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 2 Classificação de Solos

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 2 Classificação de Solos Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas FACET Curso: Bacharelado em Engenharia Civil Estradas 2 Classificação de Solos Prof. Me. Arnaldo Taveira Chioveto

Leia mais

DETEMINAÇÃO DAS DEFLEXÕES PELA VIGA BENKELMAN

DETEMINAÇÃO DAS DEFLEXÕES PELA VIGA BENKELMAN DETEMINAÇÃO DAS DEFLEXÕES PELA VIGA BENKELMAN C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Março de 2015 DESIGNAÇÃO - ARTERIS ME- 024-94 03/2015 ME 024-94 Rev 0 pg. 1 Centro de Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

Teor de MO e Densidade de solos

Teor de MO e Densidade de solos Teor de MO e Densidade de solos 29/01/2012 Prof. Patrício Pires patricio.pires@gmail.com Introdução 2 1ª Parte Dia Mês Aula Programação Apresentação do Curso. 4 1ª Coleta e preparação de amostras. Caracterização

Leia mais

Estrada de Rodagem Curvas Concordância Vertical

Estrada de Rodagem Curvas Concordância Vertical Estrada de Rodagem Curvas Concordância Vertical Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (7) 9941-3300 1 Greide O greide consiste na representação do eixo da rodovia segundo o

Leia mais

PROJETO DE ESTRADAS Prof o. f D r D. An A de rson on Ma M nzo zo i

PROJETO DE ESTRADAS Prof o. f D r D. An A de rson on Ma M nzo zo i PROJETO DE ESTRADAS Prof. Dr. Anderson Manzoli CONCEITOS: O projeto de uma estrada em perfil é constituído de greides retos, concordados dois a dois por curvas verticais. Os greides retos são definidos

Leia mais

BRITA GRADUADA SIMPLES BGS Especificação Particular

BRITA GRADUADA SIMPLES BGS Especificação Particular BRITA GRADUADA SIMPLES BGS Especificação Particular C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Fevereiro de 2016 DESIGNAÇÃO - ARTERIS ES 008 Rev.05 02/2016 ES 008 Rev5 pg. 1 - Centro de Desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE TERRAPLENAGEM

PROJETO DE TERRAPLENAGEM PROJETO DE TERRAPLENAGEM C A D E I A D E J O V E N S E A D U L T O S A e B Estrada do Capão Grande Várzea Grande / MT Secretaria de Justiça e Direitos Humanos do Estado de Mato Grosso - SEJUDH Setembro

Leia mais

O tubo extrator do equipamento compõe-se de um material rígido (tubo de PVC-PBA rígido marrom) com diâmetro interno de 20,5cm, diâmetro externo de

O tubo extrator do equipamento compõe-se de um material rígido (tubo de PVC-PBA rígido marrom) com diâmetro interno de 20,5cm, diâmetro externo de 109 O tubo extrator do equipamento compõe-se de um material rígido (tubo de PVC-PBA rígido marrom) com diâmetro interno de 20,5cm, diâmetro externo de 25,0cm e altura de 100,0cm. É possível, ainda, adaptar

Leia mais

Solos. Amostras colhidas com pá, trados manuais, etc Podem ir ate 6m de profundidade (estrutura do solo destruída).

Solos. Amostras colhidas com pá, trados manuais, etc Podem ir ate 6m de profundidade (estrutura do solo destruída). -Amostragem -Preparação das amostras -Composição granulométrica -Limites de consistência -Classificação -Compactação 1 Amostragem -Amostras remexidas Amostras colhidas com pá, trados manuais, etc Podem

Leia mais

3. COMPILAÇÃO DE DADOS EXISTENTES

3. COMPILAÇÃO DE DADOS EXISTENTES DAER-RS INSTRUÇÕES DE SERVIÇO PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS GEOTÉCNICOS IS-101/94 1. OBJETIVO Os Estudos Geotécnicos tem como objetivo a obtenção dos dados geotécnicos do subleito da rodovia projetada, empréstimos

Leia mais

Técnicas de determinação das características de infiltração

Técnicas de determinação das características de infiltração UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA CURSO DE MESTRADO EM IRRIGAÇÃO E DRENAGEM Disciplina: AD 732 - Irrigação por superfície Professor: Raimundo

Leia mais

UNIP - Universidade Paulista. ICET - Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - Arquitetura e Urbanismo -

UNIP - Universidade Paulista. ICET - Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - Arquitetura e Urbanismo - UNIP - Universidade Paulista ICET - Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - Arquitetura e Urbanismo - Resistência dos Materiais Estabilidade Lista 1 de Exercícios Resolvidos - Tensões Lista1 de Exercícios

Leia mais

Volume de um sólido de Revolução

Volume de um sólido de Revolução Algumas aplicações da engenharia em estática, considerando um corpo extenso, e com distribuição continua de massa, uniforme ou não é necessário determinar-se e momento de inércia, centroide tanto de placas

Leia mais

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ATERRO DE VALAS LOTE 3

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ATERRO DE VALAS LOTE 3 SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ATERRO DE VALAS LOTE 3 Versão: 002 Vigência: 05/2016 Atualização: 06/2016 GRUPO ATERRO

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 11 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

LABGEO UM PROGRAMA PARA GERENCIAMENTO, CÁLCULO E EMISSÃO

LABGEO UM PROGRAMA PARA GERENCIAMENTO, CÁLCULO E EMISSÃO LABGEO UM PROGRAMA PARA GERENCIAMENTO, CÁLCULO E EMISSÃO DE RELATÓRIO PARA LABORATÓRIOS DE MECÂNICA DOS SOLOS LUIS EDMUNDO PRADO DE CAMPOS (1) ADELVAN SANTOS DA SILVA (2) Sumário O LABGEO é um programa

Leia mais

COMPACTAÇÃO DOS SOLOS

COMPACTAÇÃO DOS SOLOS COMPACTAÇÃO DOS SOLOS 1. INTRODUÇÃO Muitas vezes na prática da engenharia geotécnica, o solo de um determinado local não apresenta as condições requeridas pela obra. Ele pode ser pouco resistente, muito

Leia mais

DNIT. Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio. Resumo. 8 Resultados... 4

DNIT. Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio. Resumo. 8 Resultados... 4 DNIT Janeiro/2013 NORMA DNIT 164/2013-ME Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE IN- FRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA

Leia mais

Tensões no Solo Exercícios

Tensões no Solo Exercícios Tensões no Solo Exercícios 1. Dado o perfil geotécnico abaixo, calcule: a) as tensões devidas ao peso próprio do solo σ e σ e as pressões neutras; ( ) V V b) adotando o valor de k 0 = 0,5 para todas as

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS (MÁRMORES E GRANITOS) NA CONSTRUÇÃO CIVIL

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS (MÁRMORES E GRANITOS) NA CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS (MÁRMORES E GRANITOS) NA CONSTRUÇÃO CIVIL Moura, Washington A.(1); Gonçalves, Jardel P. (2); (1) Eng. Civil, Doutor em Engenharia Civil, professor

Leia mais

ESTUDO DE MISTURAS DE SOLO ARGILOSO LATERÍTICO DO NOROESTE DO RIO GRANDE DO SUL E MATERIAL BRITADO PARA USO EM PAVIMENTOS ECONÔMICOS 1

ESTUDO DE MISTURAS DE SOLO ARGILOSO LATERÍTICO DO NOROESTE DO RIO GRANDE DO SUL E MATERIAL BRITADO PARA USO EM PAVIMENTOS ECONÔMICOS 1 ESTUDO DE MISTURAS DE SOLO ARGILOSO LATERÍTICO DO NOROESTE DO RIO GRANDE DO SUL E MATERIAL BRITADO PARA USO EM PAVIMENTOS ECONÔMICOS 1 Andre De Freitas Zwirtes 2, Jonatan Padilha Rosa 3, Carlos Alberto

Leia mais

AULA 11 ESTRADAS I 11/11/2010 CONCORDÂNCIA VERTICAL CONCORDÂNCIA VERTICAL CONCORDÂNCIA VERTICAL

AULA 11 ESTRADAS I 11/11/2010 CONCORDÂNCIA VERTICAL CONCORDÂNCIA VERTICAL CONCORDÂNCIA VERTICAL AULA 11 ESTRADAS I PROF. Msc. ROBISON NEGRI O projeto de uma estrada em perfil é constituído de greides retos, concordados dois a dois por curvas verticais. Os greides retos são definidos pela sua declividade,

Leia mais

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE.001 2 1/ Código do cliente Rev. 0 KLABIN S. A. PARANAGUA PR TERRENO ROCHA RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO GEOTÉCNICA FUROS DE SONDAGENS Cliente : KLABIN S. A. Obra : LEVANTAMENTO

Leia mais

Avaliação do Emprego do Resíduo do Processo SulfaTreat como Material de Construção de Pavimentos

Avaliação do Emprego do Resíduo do Processo SulfaTreat como Material de Construção de Pavimentos Avaliação do Emprego do Resíduo do Processo SulfaTreat como Material de Construção de Pavimentos Patrício José Moreira Pires e José Tavares Araruna Departamento de Engenharia Civil, Pontifícia Universidade

Leia mais

Nº 1.4.23 Revisão: Nome: Compactação Próctor Normal Sem Reuso. Objetivo/Resumo: Determinar o teor de umidade dos solos.

Nº 1.4.23 Revisão: Nome: Compactação Próctor Normal Sem Reuso. Objetivo/Resumo: Determinar o teor de umidade dos solos. Objetivo/Resumo: Determinar o teor de umidade dos solos. ENSAIO DE COMPACTAÇÃO SEM REUSO 1. Objetivo Determinação da curva de compactação, do teor de umidade de compactação (h ótima ) e da densidade seca

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA CINZA GERADA A PARTIR DO PROCESSO DE QUEIMA DO BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE CONCRETO

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA CINZA GERADA A PARTIR DO PROCESSO DE QUEIMA DO BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE CONCRETO ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA CINZA GERADA A PARTIR DO PROCESSO DE QUEIMA DO BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE CONCRETO André Fontebassi Amorim Silva (1), Jéssica da Silva Coelho (2), Jéssica Laila Rodrigues

Leia mais

PROJETO DE TERRAPLENAGEM. Estudo da Movimentação de Terras. Diagrama de Massas

PROJETO DE TERRAPLENAGEM. Estudo da Movimentação de Terras. Diagrama de Massas 1 PROJETO DE TERRAPLENAGEM Diagrama de Massas 2 1. Projeto de Terraplenagem: A partir de definição, na fase de projeto, da classificação técnica da estrada, a superfície natural deve ser substituída por

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Revisão Recalque imediato em areias Métodos

Leia mais

Cabos nus de alumínio para eletrificação rural

Cabos nus de alumínio para eletrificação rural Cabos nus de alumínio para eletrificação rural Introdução Este catálogo apresenta os cabos nus de alumínio (CA) e alumínio com alma de aço (CAA), de fabricação Prysmian, nas bitolas padronizadas para distribuição

Leia mais

CONTRAÇÃO AXIAL ENSAIO DE CONTRAÇÃO AXIAL OBJETIVO DO ENSAIO DEFINIÇÕES E CONVENÇÕES APARELHAGEM

CONTRAÇÃO AXIAL ENSAIO DE CONTRAÇÃO AXIAL OBJETIVO DO ENSAIO DEFINIÇÕES E CONVENÇÕES APARELHAGEM CONTRAÇÃO AXIAL ENSAIO DE CONTRAÇÃO AXIAL OBJETIVO DO ENSAIO Determinar em laboratório a contração axial (C t ) devida à perda de umidade, em amostras compactadas na energia normal ou intermediária do

Leia mais

Compacidade das areias e Limites de Atterberg

Compacidade das areias e Limites de Atterberg Conceitos Básicos P.P. (2011) GEOTÉCNIA Compacidade das areias e Limites de Atterberg Introdução (revisão) Mineralogia: argila se caracterizam por seu tamanho muito pequeno e sua atividade elétrica superficial

Leia mais

Caracterização da vida de fadiga de concreto asfáltico através do ensaio de flexão em quatro pontos

Caracterização da vida de fadiga de concreto asfáltico através do ensaio de flexão em quatro pontos Caracterização da vida de fadiga de concreto asfáltico através do ensaio de flexão em quatro pontos Autores: Gracieli B. Colpo, Lélio A. T. Brito, Jorge A. P. Ceratti, Eduardo Meirelles, Fábio Hirsch,

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA DO FILITO

ANÁLISE QUÍMICA DO FILITO ANÁLISE QUÍMICA DO FILITO SILÍNDRICO...45,00 ALUMÍNIO...33,10 TITÂNIO...1,00 FERRO...2,00 CÁLCIO...0,10 MAGNÉSIO...2,20 SÓDIO...0,70 POTÁSSIO...11,20 PERDA AO FOGO... 5,30 TOTAL...100,60 NATUREZA DO TRABALHO

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Amaro G. Joaquim 1, Priscila S. Salgado 2, Ivonei Teixeira 3 & Cassio E. L. de Paiva 4

1 INTRODUÇÃO. Amaro G. Joaquim 1, Priscila S. Salgado 2, Ivonei Teixeira 3 & Cassio E. L. de Paiva 4 EFEITOS DA VARIAÇÃO DA ENERGIA DE COMPACTAÇÃO NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E MECÂNICAS DE UM AGREGADO RECICLADO DE RCD DA REGIÃO DE AMERICANA-BRASIL PARA USO EM PAVIMENTAÇÃO Amaro G. Joaquim 1, Priscila

Leia mais

BRASIL SOLOS LTDA CATÁLOGO DE ASFALTO ASFALTO CATÁLOGO DE PRODUTOS 01/01/2015

BRASIL SOLOS LTDA CATÁLOGO DE ASFALTO ASFALTO CATÁLOGO DE PRODUTOS 01/01/2015 BRASIL SOLOS LTDA CATÁLOGO DE ASFALTO 2015 CATÁLOGO DE PRODUTOS ASFALTO 01/01/2015 CATÁLOGO DE PRODUTOS Asfalto, Betume e Óleos MOLDE DE COMPACTAÇÃO MARSHALL Molde Completo Composto de Colar, Corpo e Base

Leia mais

CÁLCULO DE ENSAIOS LABORATORIAIS DE MECÂNICA DOS SOLOS

CÁLCULO DE ENSAIOS LABORATORIAIS DE MECÂNICA DOS SOLOS IUNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL DISCIPLINA DE MECÂNICA DOS SOLOS COM FUNDAMENTOS DE GEOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO DE ENSAIOS LABORATORIAIS DE MECÂNICA DOS

Leia mais

F A. Existe um grande número de equipamentos para a medida de viscosidade de fluidos e que podem ser subdivididos em grupos conforme descrito abaixo:

F A. Existe um grande número de equipamentos para a medida de viscosidade de fluidos e que podem ser subdivididos em grupos conforme descrito abaixo: Laboratório de Medidas de Viscosidade Nome: n turma: Da definição de fluido sabe-se que quando se aplica um esforço tangencial em um elemento de fluido ocorre uma deformação. Considere a situação em que

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO III GRUPO DE ESTUDO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO - GLT VALIDAÇÃO DE ENSAIOS

Leia mais

MATERIAIS DE BASE, SUB- BASE E REFORÇO DO SUBLEITO

MATERIAIS DE BASE, SUB- BASE E REFORÇO DO SUBLEITO MATERIAIS DE BASE, SUB- BASE E REFORÇO DO SUBLEITO Introdução Tipos de revestimentos asfálticos 2 Introdução Classificação dos materiais segundo seu comportamento frente aos esforços: Materiais granulares

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Curso de Eletromecânica

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Curso de Eletromecânica Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina CEFET/SC Unidade Araranguá RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Curso de Eletromecânica Prof. Fernando H. Milanese, Dr. Eng. milanese@cefetsc.edu.br Conteúdo

Leia mais

MÉTODOS DE DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS INFRAESTRUTURA

MÉTODOS DE DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS INFRAESTRUTURA PAVIMENTAÇÃO: É uma estrutura constituída por camadas sobrepostas, construídas sobre a terraplenagem, que possuem espessuras e materiais determinadas por um dos inúmeros métodos de dimensionamento e que

Leia mais

Atividade de Recuperação de Física Setor A

Atividade de Recuperação de Física Setor A Atividade de Recuperação de Física Setor A Professor da Disciplina: Macaubal Data: / /16 1º TRIMESTRE Aluno(a): Nº: Nota: 2 ano Ensino Médio Período: Matutino Instruções gerais: Antes de responder as atividades,

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº CCC/ /12 PRISMAS DE BLOCO CERÂMICO RESISTÊNCIA DE ADERÊNCIA À TRAÇÃO NA FLEXÃO DE PRISMAS

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº CCC/ /12 PRISMAS DE BLOCO CERÂMICO RESISTÊNCIA DE ADERÊNCIA À TRAÇÃO NA FLEXÃO DE PRISMAS Página: 1/5 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº CCC/227.976/12 PRISMAS DE BLOCO CERÂMICO RESISTÊNCIA DE ADERÊNCIA À TRAÇÃO NA FLEXÃO DE PRISMAS INTERESSADO: FCC FORNECEDORA COMPONENTES QUIMICOS E COUROS LTDA. Rua Paineira,

Leia mais

Aula 02 COMPACTAÇÃO DO SOLO. Eng. Civil Augusto Romanini (FACET Sinop) Sinop - MT 2016/1

Aula 02 COMPACTAÇÃO DO SOLO. Eng. Civil Augusto Romanini (FACET Sinop) Sinop - MT 2016/1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TÉCNICAS DE MELHORAMENTO DE SOLOS Aula 02 COMPACTAÇÃO DO SOLO Eng. Civil Augusto

Leia mais

Suplemento Roteiro 2. GEX 132 Laboratório de Física I

Suplemento Roteiro 2. GEX 132 Laboratório de Física I Suplemento Roteiro 2 GEX 132 Laboratório de Física I Título: Gráficos em Papel Milimetrado Objetivos: Gráficos são utilizados com o intuito de representar a dependência entre duas ou mais grandezas (físicas,

Leia mais

APROVEITAMENTO DA AREIA DE FUNDIÇÃO NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS

APROVEITAMENTO DA AREIA DE FUNDIÇÃO NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS APROVEITAMENTO DA AREIA DE FUNDIÇÃO NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS Marcelo Angst Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, Bolsista de Iniciação Científica, mangciv@urisan.tche.br Universidade Regional Integrada

Leia mais

FÍSICA. Por que você se sente mais leve quando está imerso ou parcialmente imerso na água?.

FÍSICA. Por que você se sente mais leve quando está imerso ou parcialmente imerso na água?. FÍSICA 2 MECÂNICA II 3. 4. Pêndulo Princípio simples de Arquimedes - Empuxo Parte I Medida da densidade de um sólido Parte II Medida da densidade de um líquido NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA PARTE

Leia mais

Estudo da estabilização com cimento de um solo da região de Sinop-MT para fins de pavimentação.

Estudo da estabilização com cimento de um solo da região de Sinop-MT para fins de pavimentação. Estudo da estabilização com cimento de um solo da região de Sinop-MT para fins de pavimentação. Study of the stability of a soil with cement from region of Sinop-MT for paving purposes. Charles Miranda

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTO PELO CBR (texto extraído do livro Pavimentação Asfáltica, materiais, projeto e restauração, José Tadeu Balbo, 2007)

DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTO PELO CBR (texto extraído do livro Pavimentação Asfáltica, materiais, projeto e restauração, José Tadeu Balbo, 2007) DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTO PELO CBR (texto extraído do livro Pavimentação Asfáltica, materiais, projeto e restauração, José Tadeu Balbo, 2007) 1 Histórico Uma estrutura de um dado pavimento deve suportar

Leia mais

D e s e n h o T é c n i c o

D e s e n h o T é c n i c o AULA 2 VIII. ESCALAS NBR 8196 refere-se ao emprego de escalas no desenho. A escala de um desenho é a relação entre as dimensões do mesmo e as dimensões da peça real que está sendo representada. Assim,

Leia mais

τ τ τ 5 - PROPRIEDADES RESISTENTES DOS SOLOS Lei de Coulomb τ - resistência ao corte c - coesão σ - tensão normal total φ - ângulo de atrito interno

τ τ τ 5 - PROPRIEDADES RESISTENTES DOS SOLOS Lei de Coulomb τ - resistência ao corte c - coesão σ - tensão normal total φ - ângulo de atrito interno 5 - PROPRIEDADES RESISTENTES DOS SOLOS Lei de Coulomb τ = c + σ tg φ Representação gráfica τ - resistência ao corte c - coesão σ - tensão normal total φ - ângulo de atrito interno τ τ τ τ = c + σ tg φ

Leia mais

Método do Balanço Hídrico

Método do Balanço Hídrico Apêndice 3 Método do Balanço Hídrico Ioana Nicoleta Firta e Armando Borges de Castilhos Jr. Histórico do Método do Balanço Hídrico O método do balanço hídrico, um dos modelos mais utilizados atualmente

Leia mais

TOPOGRAFIA II CÁLCULO DE VOLUMES

TOPOGRAFIA II CÁLCULO DE VOLUMES TOPOGRAFIA II CÁLCULO DE VOLUMES 2 Cálculo de volume de prismas e sólidos Volume de Prismas Alguns dos cálculos que serão vistos estarão baseados no conceito de volumes de prisma. Considerando dois planos

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS I Fundamentos

PROPRIEDADES MECÂNICAS I Fundamentos INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS PROPRIEDADES MECÂNICAS I Fundamentos Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima, D. C. SUMÁRIO Introdução Tensões e Deformações Ensaio

Leia mais