BT Assure DDoS Mitigation

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BT Assure DDoS Mitigation"

Transcrição

1 Serviços on-premise e em nuvem O que é DDoS? Os ataques DDoS (Distributed Denial of Service) são ataques cibernéticos bastante comuns que têm o propósito de sobrecarregar um dispositivo ou aplicação com uma grande quantidade de solicitações de acesso, assim causando um congestionamento capaz de impedir a prestação de serviço a usuários legítimos. Esses ataques têm como alvo, principalmente, serviços críticos hospedados em servidores web, como bancos, sistemas de pagamento com cartão de crédito e sites de compras online, embora possam afetar qualquer serviço baseado em IP. O resultado de um ataque de negação de serviço pode ser devastador: inatividade, perda de receita e dano à reputação da marca. O cenário de ameaças está mudando. Houve um crescimento no número de ataques, não somente em frequência mas também em volume o suficiente para derrubar a maioria das redes corporativas. Os recentes avanços na tecnologia, juntamente com uma maior facilidade de uso e a disseminação dos dispositivos móveis, ampliam ainda mais essa ameaça para as organizações. Os ataques DDoS inclusive estão disponíveis para usuários individuais, por meio de aplicativos móveis que oferecem a opção de aderir a uma ofensiva programada. Também vêm sendo cada vez mais usados como uma cortina de fumaça para desviar atenção e recursos de outras ações maliciosas, realizadas simultaneamente ao ataque de negação de serviço. A própria natureza dessas solicitações de acesso que chegam em grande quantidade aos servidores dificulta o uso de uma solução única e geral. Embora sistemas de segurança usuais, tais como firewalls, possam oferecer uma proteção parcial, é necessária uma solução especializada para lidar de maneira mais eficaz com os riscos.

2 Proteção DDoS on-premise Ataques na camada de aplicação Os ataques na camada de aplicação utilizam mecanismos muito sofisticados. Em vez de inundar uma rede com tráfego ou sessões, o hacker tem como alvo aplicações ou serviços específicos e lentamente esgota recursos na camada de Esses ataques podem ser muito eficazes mesmo com baixo tráfego na rede e o tráfego malicioso pode ser legítimo do ponto de vista de protocolo. Assim, é mais difícil detectar esse tipo de ataque do que outros ataques DDoS. HTTP Flood, DNS dictionary e Slowloris são exemplos de ataques à camada da A BT agora oferece proteção on-premise contra ataques DDoS para importantes redes corporativas e governamentais em diversas regiões do mundo, mitigando ameaças até a camada de Contando com atualizações automáticas de segurança oferecidas por especialistas de segurança da BT com suporte de um parceiro de renome internacional, o serviço on-premise protege contra ameaças conhecidas ou emergentes, permitindo que a sua organização mantenha a continuidade dos negócios. A BT fornece uma solução multicamada com proteção onpremise stateless, além de sinalização em nuvem (cloud signaling) para os centros de limpeza de tráfego da empresa, de modo a garantir a continuidade dos negócios e proteger contra ameaças avançadas. Esta proteção reduz o risco de impactos na rede e assegura a disponibilidade da aplicação, protegendo e mitigando ataques DDoS e de ameaças avançadas. Você recebe proteção contra ameaças, com intervenção manual mínima para reduzir os períodos de indisponibilidade e os recursos alocados. Vantagens da proteção on-premise Proteção personalizada com bloqueio imediato Fácil de instalar, configurar e usar, a opção on-premise oferece proteção imediata contra ataques DDoS à camada da aplicação, que ameaçam a disponibilidade de serviço e aplicações. Ela também analisa os ataques e fornece recomendações personalizadas de proteção. Detecção e mitigação proativas de DDoS O serviço detecta e bloqueia ataques DDoS automaticamente, antes que o desempenho do serviço seja afetado. Pouca ou nenhuma interação do usuário é exigida, diminuindo a carga de trabalho de sua equipe de segurança. Visibilidade e controle Você ganha visibilidade em tempo real das ameaças à disponibilidade, dos ataques e dos hosts bloqueados. Conjunto completo de medidas de contraataque O serviço inclui medidas anti-ddos avançadas, que têm se mostrado eficazes nos maiores e mais complexos ambientes de rede em todo o mundo. Essas medidas incluem um conjunto de proteções baseadas em pacotes, que neutraliza a grande maioria das ameaças de botnets. Atualizações automatizadas de ameaças A BT e seu parceiro no setor de segurança conseguem visualizar, em tempo real, mais de 90 Terabits por segundo de tráfego global na Internet. Essa característica ímpar nos permite desenvolver, em tempo hábil, atualizações de segurança automáticas para os sistemas on-premise, mantendo sua organização um passo à frente das ameaças maliciosas emergentes. Proteção anti-ddos combinada: on-premise e em nuvem Um fator crítico quando se fala em inatividade da rede é o tempo que o provedor de proteção DDoS baseado em nuvem leva para responder e iniciar a mitigação, quando os ataques são grandes demais para que as soluções on-premise resolvam. Com o serviço Cloud Signaling, a BT e seus parceiros reduziram esse tempo para até cinco segundos. Uma configuração Cloud Signaling pode ser predefinida para disparar automaticamente quando os links atingem um certo ponto de saturação, ou ter acionamento manual.

3 Características Filtros de análise stateless Proteção automatizada e avançada contra DDoS Filtro para ameaças não-ddos Visibilidade, controle e alarmes Relatório e análise forense de ataques em tempo real e históricos Bloqueio automático padrão com recomendações personalizadas de proteção Gestão centralizada de múltiplos dispositivos Inspeção SSL (Secure Socket Layer) Atualizações de inteligência Atualizações de inteligência estão incorporadas ao serviço e incluem políticas e medidas que permitem aos clientes tratar rapidamente de ameaças avançadas. Com isso, os clientes se beneficiam diretamente de todo o conhecimento e experiência da BT, assim como da capacidade de investigação de nossos parceiros. Uma das tecnologias-chave é um feed de reputação dinâmico, usado para identificar os sites perigosos que operam como servidores de comando e controle de atividades maliciosas ou que levam ao download de software malicioso (malware). O feed de reputação inclui políticas destinadas a evitar que os usuários da rede visitem esses sites. Ao contrário de outros serviços de reputação, o feed da BT é atualizado com frequência, identificando rapidamente mudanças de comportamento de agressores, o que ajuda a garantir uma detecção mais eficaz e precisa de ataques. Todas as atualizações são enviadas automaticamente ao CPE (Customer Premise Equipment) por meio de uma conexão SSL segura. Um feed de inteligência de segurança é tão bom quanto a informação usada para criá-lo. A natureza mutante das ameaças avançadas requer uma equipe de pesquisa especializada, com ferramentas e processos de ponta para analisar não só o código utilizado em determinado ataque, mas a completa arquitetura da ação, desde sua concepção até sua execução. As equipes de investigação da BT e seus parceiros se dedicam a descobrir e analisar as ameaças emergentes na Internet e a desenvolver defesas específicas. A BT utiliza uma combinação sofisticada de coleta de dados de ataques, informações de parceiros e ferramentas de análise para criar políticas que não apenas detectam ameaças avançadas, mas revelam todo o contexto necessário para que as decisões com vistas a mitigar as ameaças sejam tomadas a partir de um conjunto completo de informações. Proteção DDoS na nuvem A BT oferece um serviço baseado em nuvem como parte de uma abordagem multicamada para proteção e mitigação de ataques DDoS. Trata-se de um serviço de limpeza de tráfego sob demanda, baseado em nuvem. Vantagens proteção e mitigação 24x7 contra ataques DDoS. orçamento previsível. serviços disponíveis mesmo durante um ataque DDoS.

4 Modo de mitigação A mitigação é ativada quando o sistema detecta fluxos de tráfego além dos limites estabelecidos e a mitigação automática está habilitada ou por meio de intervenção manual. Em todas as outras situações, não são tomadas medidas quanto ao tráfego do cliente. Desvio por DNS O serviço detecta uma ampla variedade de tráfego indesejável e, assim, reduz a carga sobre os servidores web: o bloqueio do tráfego de ataque permite que apenas o tráfego válido passe. Funcionamento Para detectar ataques, o serviço em nuvem para mitigação de DDoS usa amostragem netflow captada nos roteadores. Ataques a aplicações são identificados quando um comportamento anômalo resulta em um aumento no tráfego acima dos limites estabelecidos, com monitoramento de parâmetros que incluem: Perfis de níveis de tráfego para todos os endereços IP em bps/pps (bits por segundo / pacotes por segundo) Tráfego malicioso dirigido a um único endereço IP sob proteção DNS ICMP em PPS Fragmento IP em PPS IP NULL em PPS IP privado em PPS TCP NULL em PPS TCP RST em PPS TCP SYN em PPS UDP em PPS Tráfego total em bps/pps Disponível em vários cenários de implementação: Desvio por DNS Desvio por BGP Desvio duplo por BGP e DNS Registros DNS tipo A são modificados para apontar um FQDN atacado para a nuvem Full Proxy irá rotear o tráfego limpo para o seu destino original ou para o endereço IP definido pelo cliente Full Proxy redireciona o tráfego em ambas as direções Tráfego Limpo = tráfego máximo de entrada ou saída Desvio por BGP Desvio mínimo de uma sub-rede / 24 Requer três dias para registrar rotas no Registro de Internet Tráfego devolvido via GRE Tráfego Limpo = apenas de entrada

5 Por que a BT Combinando informação com experiência e conhecimento, desenvolvemos atualizações de segurança automáticas para o serviço, mantendo sua organização um passo à frente das ameaças maliciosas emergentes. Somos o único fornecedor a oferecer uma só plataforma para detecção e mitigação. Nosso serviço de auto-mitigação se traduz em detecção e proteção extremamente rápidas para os nossos clientes. A equipe de especialistas em DDoS do centro de operações de segurança da BT tem mais de sete anos de experiência lidando com esses ataques. As soluções abrangentes hoje oferecidas aos nossos clientes foram desenvolvidas nos últimos sete anos em parceria com a Arbor, fornecedor líder de soluções anti-ddos. Somos os únicos capazes de integrar nossos serviços DDoS com a rede Internet Connect da BT. Somos uma one-stop-shop. Para mais informações, acesse: Escritórios em todo o mundo Os serviços descritos estão sujeitos à disponibilidade e podem sofrer modificações. Serviços e equipamentos são fornecidos de acordo com as condições contratuais da BT. Nada na presente publicação faz parte de qualquer contrato. BT Brasil 2016 Av. Nações Unidas, º andar - São Paulo

Geralmente, o firewall também é configurado para não bloquear o tráfego de saída. Por exemplo, um banco pode querer isolar a rede da tesouraria do res

Geralmente, o firewall também é configurado para não bloquear o tráfego de saída. Por exemplo, um banco pode querer isolar a rede da tesouraria do res FIREWALL A conexão com a Internet traz às corporações os seguintes riscos: Relacionados a dados: confidencialidade, integridade e disponibilidade; Relacionados aos recursos e ativos da empresa; Relacionados

Leia mais

[Digite texto] XLabs. Web App Firewall. formation Security

[Digite texto] XLabs. Web App Firewall. formation Security [Digite texto] XLabs Web App Firewall formation Security bs.com.br XLabs Web Application Firewall Visão Geral Utilize os Serviços de Especialistas para a Proteção dos seus aplicativos Web. Breve Explicação

Leia mais

Segurança de Redes de Computadores

Segurança de Redes de Computadores Segurança de Redes de Computadores Aula 11 DoS (Denial of Service) DDoS (Distributed Denial of Service) Prática #4 Prof. Ricardo M. Marcacini ricardo.marcacini@ufms.br Curso: Sistemas de Informação 1º

Leia mais

Firewall. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Firewall. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Firewall Prof. Marciano dos Santos Dionizio Firewall (definições) Por que do nome firewall? Antigamente, quando as casas eram feitas de madeira o fogo era um grande problema, pois se alastrava facilmente

Leia mais

KASPERSKY ENDPOINT SECURITY FOR BUSINESS Select Ferramentas para capacitar uma equipe de trabalho móvel, garantir a conformidade com políticas de segurança de TI e bloquear malware. O nível Select da Kaspersky

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini   / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SEG Aula N : 11 Tema: Servidores Proxies

Leia mais

Firewalls. Carlos Gustavo A. da Rocha. ASSR

Firewalls. Carlos Gustavo A. da Rocha. ASSR Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução Um Firewall cria uma barreira através da qual todo o tráfego que deixa ou chega a uma rede deve passar Suas regras ditam quais tráfegos estão autorizados a passar

Leia mais

Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Proxy, NAT Filtros de Pacotes

Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Proxy, NAT Filtros de Pacotes Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Proxy, NAT Filtros de Pacotes Exercício 1 Configure as regras do filtro de pacotes "E" para permitir que os computadores da rede interna tenham

Leia mais

Firewall. Andrei Jean Fabio Garzarella William Passig

Firewall. Andrei Jean Fabio Garzarella William Passig Firewall Andrei Jean Fabio Garzarella William Passig O que é? Firewall por Hardware Firewall por Software Camadas OSI Como funciona? Regras e Ações Tipo de Firewall Agenda O que é? Firewall é uma solução

Leia mais

SOLUÇÕES CORPORATIVAS PARA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SOLUÇÕES CORPORATIVAS PARA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SOLUÇÕES CORPORATIVAS PARA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 02 NÃO EXISTE CRISE PARA O CRIME CIBERNÉTICO Oportunidade para os criminosos: Brasileiros online ininterruptamente; Top 3 mundial em Online Banking; Epidemia

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação A Dataprev Data centers DF SP RJ Área 257 384 988 Capacidade elétrica (kva) 600 900 1200 Capacidade de processamento RISC 48 Tflop/s X86 116 Tflop/s Mainframe 153.000 RPM Capacidade

Leia mais

Uma Arquitetura para Mitigar Ataques DDoS em Serviços Web sob Nuvem

Uma Arquitetura para Mitigar Ataques DDoS em Serviços Web sob Nuvem Uma Arquitetura para Mitigar Ataques DDoS em Serviços Web sob Nuvem Fernando Gielow, Fernando Bernardelli, Cinara Menegazzo, Nadine Pari, Aldri Santos Acadêmico: Matheus Bauer Introdução Os ataques de

Leia mais

Trend Micro identifica 149 aplicativos relacionados ao Pokémon Go: apenas 11% são legítimos

Trend Micro identifica 149 aplicativos relacionados ao Pokémon Go: apenas 11% são legítimos Trend Micro identifica 149 aplicativos relacionados ao Pokémon Go: apenas 11% são legítimos Enviado por DA REDAÇÃ 04-Ago-2016 PQN - Portal da Comunicação jogo de realidade aumentada Pokémon Go, já ultrapassou

Leia mais

Segurança de Sistemas

Segurança de Sistemas Segurança de Sistemas Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas de Informação Anhanguera Taboão da Serra Segurança dos dados. Como se proteger? Controle de acesso Senhas Criptografia Backup

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais UFMG/DCC Redes de Computadores

Leia mais

Segurança de Redes 5º Semestre

Segurança de Redes 5º Semestre Segurança de Redes 5º Semestre Evasão de Firewall Prof. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Objetivos Conhecer os

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Arquiteturas de Redes Prof. Thiago Dutra Agenda n Introdução n Organização em Camadas n Arquiteturas de Redes n Arquitetura RM-OSI n Arquitetura TCP/IP

Leia mais

Recomendação de políticas Fraude tecnológica e exploração em linha

Recomendação de políticas Fraude tecnológica e exploração em linha Recomendação de políticas Fraude tecnológica e em linha A oportunidade A computação em nuvem está revolucionando a forma como as pessoas trabalham, aprendem, interagem e brincam. A educação é apenas um

Leia mais

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e Learning. Sistema de

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e Learning. Sistema de Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

AO SEU DESTINO LEVA VOCÊ TRAFFIC TOMTOM MAIS RÁPIDO O TOMTOM TRAFFIC LEVA VOCÊ ATÉ O DESTINO MAIS RAPIDAMENTE

AO SEU DESTINO LEVA VOCÊ TRAFFIC TOMTOM MAIS RÁPIDO O TOMTOM TRAFFIC LEVA VOCÊ ATÉ O DESTINO MAIS RAPIDAMENTE O TOMTOM TRAFFIC LEVA VOCÊ ATÉ O DESTINO MAIS RAPIDAMENTE A TomTom é líder no fornecimento de serviços de trânsito. A TomTom monitora, processa e fornece informações de trânsito através de tecnologias

Leia mais

TRITON AP-WEB PROTEÇÃO ABRANGENTE EM TEMPO REAL CONTRA AMEAÇAS AVANÇADAS E FURTO DE DADOS

TRITON AP-WEB PROTEÇÃO ABRANGENTE EM TEMPO REAL CONTRA AMEAÇAS AVANÇADAS E FURTO DE DADOS TRITON AP-WEB PROTEÇÃO ABRANGENTE EM TEMPO REAL CONTRA AMEAÇAS AVANÇADAS E FURTO DE DADOS TRITON AP-WEB PROTEÇÃO ABRANGENTE EM TEMPO REAL CONTRA AMEAÇAS AVANÇADAS E FURTO DE DADOS Sua empresa e seus dados

Leia mais

Capacitação IPv6.br. Serviços em IPv6. Serviços rev

Capacitação IPv6.br. Serviços em IPv6. Serviços rev Capacitação IPv6.br Serviços em IPv6 Agenda Motivação Serviços Implementações DNS NTP Servidores HTTP Proxies SMB CIFS ( SAMBA ) Motivação Provedor de Acesso Provedor de Conteúdo 06 de Junho de 2012 Serviços

Leia mais

Prof. Mizael Cortez Modelo em camadas Arquitetura TCP/IP Modelo ISO/OSI

Prof. Mizael Cortez Modelo em camadas Arquitetura TCP/IP Modelo ISO/OSI Prof. Mizael Cortez everson.cortez@ifrn.edu.br Modelo em camadas Arquitetura TCP/IP Modelo ISO/OSI A Internet é um sistema extremamente complicado e que possui muitos componentes: inúmeras aplicações e

Leia mais

Camada de Aplicação da Arquitetura TCP/IP

Camada de Aplicação da Arquitetura TCP/IP Arquitetura de Redes de Computadores e Tecnologia de Implementação de Redes 2016.1 Camada de Aplicação da Arquitetura TCP/IP Curso Técnico Integrado em Informática Turma: INT.INF.3M Arquitetura de Redes

Leia mais

Modelo TCP/IP. Douglas Wildgrube Bertol DEE - Engenharia Elétrica CCT

Modelo TCP/IP. Douglas Wildgrube Bertol DEE - Engenharia Elétrica CCT Modelo TCP/IP Douglas Wildgrube Bertol DEE - Engenharia Elétrica CCT AS1RAI1 Redes para Automação Industrial JOINVILLE 12/09/2016 Introdução histórico O padrão histórico e técnico da Internet é o modelo

Leia mais

Índice. Introdução. Razões possíveis para a falha. Impacto

Índice. Introdução. Razões possíveis para a falha. Impacto Índice Introdução Razões possíveis para a falha Impacto Verificação Verifique os ajustes DNS Verifique a conexão Troubleshooting Documentos relacionados Introdução Você pode atualizar um centro de gerenciamento

Leia mais

Deswik.Sched. Sequenciamento por Gráfico de Gantt

Deswik.Sched. Sequenciamento por Gráfico de Gantt Deswik.Sched Sequenciamento por Gráfico de Gantt SOLUÇÕES EM SEQUENCIAMENTO DE LAVRA QUE NOS DIFERENCIAM Uma abordagem dinâmica e moderna para o sequenciamento de lavra Desde gráficos de Gantt interativos

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação A política de segurança representa a formalização das ações que devem ser realizadadas para garantir a segurança. A criação, a implantação e a manutenção da política

Leia mais

# $ % & ' ( ) * ' ( ) *! " " Orientador +, -

# $ % & ' ( ) * ' ( ) *!   Orientador +, - #$ %&'()* '()*!"" Orientador +,- ."%&/0#12 3"/%'0)/))&/ )4506 7" %/0)/))&/ 8906 8)) :"'/0)/))&/ '% '); Um roteador recebe em alguma de suas interfaces um pacote vindo da rede local ou da rede externa.

Leia mais

Camada de Rede. Endereçamento de Rede Protocolo IP

Camada de Rede. Endereçamento de Rede Protocolo IP Camada de Rede Endereçamento de Rede Protocolo IP Camada de Rede Protocolo mais importante: IP IPv4 (mais utilizada) IPv6 (atender ao crescimento das redes e a necessidade de novos endereços). PDU: Pacote

Leia mais

GERENCIAMENTO DE IDENTIDADES DO OFFICE 365 E SERVIÇOS

GERENCIAMENTO DE IDENTIDADES DO OFFICE 365 E SERVIÇOS 20346 - GERENCIAMENTO DE IDENTIDADES DO OFFICE 365 E SERVIÇOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Módulo 1: Preparando-se para o Office 365 Este módulo de clientes e recursos do Office 365, identifica as recentes melhorias

Leia mais

Protocolo PPP. Principais Componentes: Método para encapsular datagramas em enlaces seriais (Substitui o SLIP). Link Control Protocol (LCP)

Protocolo PPP. Principais Componentes: Método para encapsular datagramas em enlaces seriais (Substitui o SLIP). Link Control Protocol (LCP) Protocolo PPP 1 Protocolo PPP Substitui o protocolo SLIP Em Enlaces Seriais Conexões Síncronas e Assíncronas Controle da configuração de enlace Permite endereços IP dinâmicos Multiplexação de protocolos

Leia mais

McAfee Network Security Platform

McAfee Network Security Platform McAfee Network Security Platform Uma abordagem exclusivamente inteligente para a segurança de redes Principais vantagens Prevenção incomparável contra ameaças avançadas Análise de malware avançado sem

Leia mais

Guia de Instalação I. Instalação e Administração do Fluig. Título do documento

Guia de Instalação I. Instalação e Administração do Fluig. Título do documento Guia de Instalação I Instalação e Administração do Fluig Título do documento fluig.com 0800 882 9191 Av. Braz Leme 1717, Casa Verde 02511-000 São Paulo - Brasil 1 Sumário 1. Introdução... 3 1.1. Objetivos

Leia mais

Rede de computadores Roteador. Professor Carlos Muniz

Rede de computadores Roteador. Professor Carlos Muniz Rede de computadores Professor Carlos Muniz Definição (estrangeirismo do inglês router, ou encaminhador) é um equipamento usado para fazer a comutação de protocolos, a comunicação entre diferentes redes

Leia mais

Protocolos de Rede. Protocolos em camadas

Protocolos de Rede. Protocolos em camadas Protocolos de Rede Prof. Alexandre Beletti Protocolos em camadas Existem protocolos em diferentes camadas dos modelos de estudo (OSI e TCP/IP) Lembre-se de diferencias tipos de programas de tipos de protocolos

Leia mais

Enterprise Application Integration (EAI)

Enterprise Application Integration (EAI) Enterprise Application Integration (EAI) Histórico Sistemas de Informação (SI) muito caros As empresas passaram a contar com mais de um SI July Any Rizzo Oswaldo Filho Informações perdidas por falta de

Leia mais

Gerenciamento de Redes: Protocolo SNMP

Gerenciamento de Redes: Protocolo SNMP Gerenciamento de Redes: Protocolo SNMP Protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol Protocolo Simples de Gerência de Rede) é um protocolo usado para gerenciar redes TCP/IP complexas. Com

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja, Escola Superior de Tecnologia e Gestão, Licenciatura em Engenharia Informática 1. Tecnologias WAN.

Instituto Politécnico de Beja, Escola Superior de Tecnologia e Gestão, Licenciatura em Engenharia Informática 1. Tecnologias WAN. Instituto Politécnico de Beja, Escola Superior de Tecnologia e Gestão, Licenciatura em Engenharia Informática 1 Tecnologias WAN (Dezembro 2009) Autor: José Afonso Esteves Janeiro Resumo- Este relatório

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 8. Segurança de Rede DIN/CTC/UEM 2008 : o que é? Dispositivo que permite conectividade segura entre redes (interna e externa) com vários graus de confiabilidade Utilizado para implementar e impor as regras

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DNS, DHCP, Endereços Privados, Proxy e NAT EDGARD JAMHOUR. Segundo Bimestre

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DNS, DHCP, Endereços Privados, Proxy e NAT EDGARD JAMHOUR. Segundo Bimestre EXERCÍCIOS DE REVISÃO DNS, DHCP, Endereços Privados, Proxy e NAT EDGARD JAMHOUR Segundo Bimestre Exercício 1: Considere a seguinte configuração de árvore de nomes DNS. ZONA.br dns (200.0.0.1) SOA br dns2

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura I - Redes Locais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura I - Redes Locais Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura I - Redes Locais Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Unidade IV Análise de Projeto

Leia mais

Recomendação de políticas Serviços de nuvem seguros e confiáveis

Recomendação de políticas Serviços de nuvem seguros e confiáveis Recomendação de políticas Serviços de nuvem seguros e confiáveis A oportunidade Na medida em que a computação em nuvem dá origem a novas e poderosas capacidades, ela oferece o potencial de aumentar a produtividade,

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1. Acesso sem fio Existem diversos tipos de acesso sem fio [1], dependendo do tipo de aplicação implementada. Sistemas sem fios podem ser usados de forma a permitir mobilidade ao

Leia mais

Aplicações com Banco de Dados e Cliente-Servidor

Aplicações com Banco de Dados e Cliente-Servidor Aplicações com Banco de Dados e Cliente-Servidor Aula #231 EBS 211 POO e UML Prof Luiz Fernando S Coletta luizfsc@tupaunespbr Campus de Tupã Roteiro Rede de computadores; Aplicação cliente/servidor; Sockets

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação NAC Eduardo Martins Pereira Fernando Bracalente Marcelo Dinofre Mario Luiz Bernardinelli Apresentacao NAC v4.2 Agenda Introdução Segurança de Acesso O que é NAC Histórico Empresas

Leia mais

S12 - Software e Engenharia de Software

S12 - Software e Engenharia de Software S12 - Software e Engenharia de Software ENGENHARIA DE SOFTWARE PRESSMAN, 2011 Gilberto Wolff UTFPR Introdução Introdução Introdução Introdução Busquem respostas para: 1. Há diferença entre Software e Programa?

Leia mais

Aula 12 Protocolo de Roteamento EIGRP

Aula 12 Protocolo de Roteamento EIGRP Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 12 Protocolo de Roteamento EIGRP 2014/1 09/06/14 1 2 de 34 Introdução Em 1985 a Cisco criou o IGRP em razão das

Leia mais

Guia Primeiros Passos da Bomgar B400

Guia Primeiros Passos da Bomgar B400 Guia Primeiros Passos da Bomgar B400 Documento: 043010.15 Publicado: maio 2010 Guia Primeiros Passos da Bomgar B400 Documento: 043010.15 Publicado: maio 2010 Obrigado por usar a Bomgar. Na Bomgar, o atendimento

Leia mais

Modelo de Camadas. Redes de Computadores

Modelo de Camadas. Redes de Computadores Modelo de Camadas Redes de Computadores Sumário Visão Geral de uma Rede de Computadores Protocolos Modelo de Camadas Porque utilizar Tipos de Modelos de Referência Modelo de Referência ISO/OSI Histórico

Leia mais

Estudos de Casos de Testes de Indisponibilidade. Davidson R. Boccardo

Estudos de Casos de Testes de Indisponibilidade. Davidson R. Boccardo Estudos de Casos de Testes de Indisponibilidade Davidson R. Boccardo Ataques de Negação de Serviço Denial of Service (DoS): ataque bem conhecido desde o início dos anos 2000 Efeito: degeneração ou indisponibilidade

Leia mais

Applândia. Bem-vindo à. Clique na área que você deseja explorar. Monitoramento

Applândia. Bem-vindo à. Clique na área que você deseja explorar. Monitoramento Bem-vindo à Applândia Explore nossas diversas áreas para aprender como as soluções para aplicativos móveis da HPE podem auxiliá-lo a desenvolver, monitorar e otimizar continuamente seu app utilizando recursos

Leia mais

Appliance da solução Dispositivo de segurança especializado em proteção contra ataques DDoS

Appliance da solução Dispositivo de segurança especializado em proteção contra ataques DDoS GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ITEM 3478-_M.PDF Appliance da solução Dispositivo de segurança especializado em proteção contra ataques DDoS Item/subitem Descrição Exigência.. O appliance da solução

Leia mais

Características de Firewalls

Características de Firewalls Firewall Firewall é um sistema de proteção de redes internas contra acessos não autorizados originados de uma rede não confiável (Internet), ao mesmo tempo que permite o acesso controlado da rede interna

Leia mais

Monitoramento comportamental do negócio.

Monitoramento comportamental do negócio. Monitoramento comportamental do negócio. Utilização do algoritmo de previsão do tempo para monitorar comportamentos anômalos do negócio. VISÃO GERAL Cunhamos o conceito de monitoramento comportamental

Leia mais

Mesa de Ajuda.

Mesa de Ajuda. Mesa de Ajuda Trabalhamos para lhe oferecer o melhor serviço tanto de nossos funcionários como também de suporte post-implementação através de nossa mesa de ajudas, desde consultas telefônicas a consultas

Leia mais

Pen Test. Pen Test. Pen Test. Processo de identificar e explorar vulnerabilidades ataques lógicos ataques físicos engenharia social

Pen Test. Pen Test. Pen Test. Processo de identificar e explorar vulnerabilidades ataques lógicos ataques físicos engenharia social Prof. Luiz A. Nascimento Segurança da Informação Faculdade Nossa Cidade 2 Penetration Test Teste de Penetração ou Invasão Processo de identificar e explorar vulnerabilidades ataques lógicos ataques físicos

Leia mais

Apresentação de Serviço

Apresentação de Serviço Apresentação de Serviço Índice Apresentação de Serviço...2 Funcionalidades...3 Tarifário...5 Suporte Técnico à Instalação...5 Suporte Geral...6 1 APRESENTAÇÃO DE SERVIÇO O seu escritório na nuvem - esteja

Leia mais

Disciplina: Segurança de Redes. Professor: Roitier Campos

Disciplina: Segurança de Redes. Professor: Roitier Campos Disciplina: Segurança de Redes Professor: Roitier Campos NMAP O Nmap ( Network Mapper ) é uma ferramenta de código aberto para exploração de rede e auditoria de segurança. Ela foi desenhada para escanear

Leia mais

Informática Básica. Aula 03 Internet e conectividade

Informática Básica. Aula 03 Internet e conectividade Informática Básica Aula 03 Internet e conectividade O Protocolo de comunicação O TCP (Transmission Control Protocol) e o IP (Internet Protocol) são dois protocolos que inspiraram o nome da rede. Eles englobam

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO http:// www.cefetrn.br/datinf ARQUITETURA TCP/IP Nome: Curso: Turma: LISTA DE EXERCÍCIO

Leia mais

O QUE É? O Microsoft Windows Server é um sistema operacional destinado para servidores.

O QUE É? O Microsoft Windows Server é um sistema operacional destinado para servidores. Profº J.VIDAL WINDOWS SERVER O QUE É? O Microsoft Windows Server é um sistema operacional destinado para servidores. SERVIDOR Em informática, um servidor é um sistema de computação centralizada que fornece

Leia mais

1- Confiabilidade ( 2 ) Proteção contra perdas e estragos. 2- Integridade ( 3 ) Proteção contra interferência de cortes de funcionamento

1- Confiabilidade ( 2 ) Proteção contra perdas e estragos. 2- Integridade ( 3 ) Proteção contra interferência de cortes de funcionamento Grupo 11 1. Em um SID a segurança é de grande importância, ela deve garantir que apenas usuários autorizados acessem recursos e garantir que a informação transmitida pela rede somente possa ser alcançada

Leia mais

ADVANCED CUSTOMER SERVICES PARA SUN ORACLE EXADATA

ADVANCED CUSTOMER SERVICES PARA SUN ORACLE EXADATA ADVANCED CUSTOMER SERVICES PARA SUN ORACLE EXADATA O Oracle Advanced Customer Services (ACS) oferece serviços flexíveis relacionados ao Sun Oracle Database Machine e ao Sun Oracle Exadata Storage Server

Leia mais

Mudança entre redes WiFi-GSM baseada em SIP. Paulo Cesar Siécola

Mudança entre redes WiFi-GSM baseada em SIP. Paulo Cesar Siécola Mudança entre redes WiFi-GSM baseada em SIP Paulo Cesar Siécola siecola@ime.usp.br Introdução: Muitos dispositivos móveis, como telefones celulares e PDA, estão sendo equipados com outras interfaces sem

Leia mais

Protótipo de um software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP

Protótipo de um software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Protótipo de um software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Acadêmico: Paulo Fernando da Silva Orientador: Sérgio Stringari Roteiro Introdução Fundamentos Segurança

Leia mais

Uma análise comparativa entre metodologias de medições automatizadas, baseadas em CPEs e software, no território brasileiro

Uma análise comparativa entre metodologias de medições automatizadas, baseadas em CPEs e software, no território brasileiro Uma análise comparativa entre metodologias de medições automatizadas, baseadas em CPEs e software, no território brasileiro Fabrício Tamusiunas NIC.br O que é uma internet de qualidade? Qualidade da internet

Leia mais

Políticas de Segurança de Sistemas

Políticas de Segurança de Sistemas Políticas de Segurança de Sistemas Profs. Hederson Velasco Ramos Henrique Jesus Quintino de Oliveira Estudo de Boletins de Segurança O que é um boletim de segurança? São notificações emitidas pelos fabricantes

Leia mais

Insider Threat Data Protection

Insider Threat Data Protection Insider Threat Data Protection OBTENHA VISIBILIDADE INCOMPARÁVEL DO COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOS E SEUS DADOS Insider Threat Data Protection VISIBILIDADE INCOMPARÁVEL DO COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOS E DA MOVIMENTAÇÃO

Leia mais

Relatório Comparativo da Segurança de Terminais da Trend Micro: Realizado pela AV-Test.org

Relatório Comparativo da Segurança de Terminais da Trend Micro: Realizado pela AV-Test.org Relatório Comparativo da Segurança de Terminais da Trend Micro: Realizado pela AV-Test.org Resultados de maio de 2010 Resumo Executivo Em maio de 2010, a AV-Test.org comparou o desempenho da segurança

Leia mais

INSTALANDO E CONFIGURANDO O WINDOWS SERVER 2012

INSTALANDO E CONFIGURANDO O WINDOWS SERVER 2012 20410 - INSTALANDO E CONFIGURANDO O WINDOWS SERVER 2012 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Módulo 1: Implantando e gerenciando o Windows Server 2012 Este módulo apresenta aos estudantes as edições do Windows Server

Leia mais

Desafios da Segurança na Internet das coisas. gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br

Desafios da Segurança na Internet das coisas. gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br Desafios da Segurança na Internet das coisas gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br 2 Agenda» A Internet das Coisas» Principais desafios» Riscos» Vulnerabilidades» Ataques» Defesas» Mais informações

Leia mais

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança Plano de Segurança da Informação Inicialmente, deve se possuir a percepção de que a segurança da informação deve respeitar os seguintes critérios: autenticidade, não repúdio, privacidade e auditoria. Também

Leia mais

Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS JOGOS MASSIVOS DISTRIBUÍDOS. Marcelo Henrique dos Santos

Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS JOGOS MASSIVOS DISTRIBUÍDOS. Marcelo Henrique dos Santos Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS JOGOS MASSIVOS DISTRIBUÍDOS Marcelo Henrique dos Santos Marcelo Henrique dos Santos Email: Site: marcelosantos@outlook.com www.marcelohsantos.com.br TECNOLOGIA EM JOGOS

Leia mais

Guia de Atualização 2011 Bomgar Corporation. Todos os direitos reservados. TC:9/26/2011

Guia de Atualização 2011 Bomgar Corporation. Todos os direitos reservados. TC:9/26/2011 Obrigado por usar a Bomgar. Na Bomgar, o atendimento ao cliente é prioridade máxima. Ajude-nos a oferecer um excelente serviço. Se tiver algum comentário a fazer, incluindo erros e omissões no manual,

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta. CST em Redes de Computadores

Fundamentos de Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta. CST em Redes de Computadores Fundamentos de Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta CST em Redes de Computadores Introdução Computadores Computadores são compostos, basicamente, de CPU, memória e dispositivos de entrada e saída

Leia mais

Recomendação de políticas Prevenção de crimes cibernéticos modernos

Recomendação de políticas Prevenção de crimes cibernéticos modernos Recomendação de políticas Prevenção de crimes modernos A oportunidade A combinação de um maior acesso à internet, do aumento explosivo dos dispositivos conectados, e da rápida expansão de serviços inovadores

Leia mais

Manual Sistema de Dimensionamento Cabos e Energia SDF

Manual Sistema de Dimensionamento Cabos e Energia SDF Manual Sistema de Dimensionamento Cabos e Energia SDF Manual Sistema de Dimensionamento Cabos e Energia... 1 Inicialização Automática do SDF... 2 Configurações Internet Explorer... 2 Passo 1 - Abra Opções

Leia mais

Fundamentos de Rede. Aula 2 - Modelo OSI

Fundamentos de Rede. Aula 2 - Modelo OSI Fundamentos de Rede Aula 2 - Modelo OSI Protocolo e Arquitetura de Protocolos Problema Permitir a comunicação entre entidades de diferentes sistemas Solução Criar convenções de quando e como se comunicar

Leia mais

Redes wireless PRO. WiseFi. Software de gerenciamento centralizado. Características

Redes wireless PRO. WiseFi. Software de gerenciamento centralizado. Características Redes wireless PRO Software de gerenciamento centralizado WiseFi DOWNLOAD GRATUITO O WiseFi é um software de gerenciamento de Access Points Intelbras, desenvolvido para sistemas de redes corporativas em

Leia mais

Unidade 4. Modelo OSI

Unidade 4. Modelo OSI Unidade 4 Modelo OSI Modelo OSI (Introdução) Cenário da evolução. No início o desenvolvimento de redes era desorganizado em várias maneiras. 80 s aumento na quantidade e tamanho das redes. Época da percepção

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 37 Roteamento IP Unicast Dinâmico RIP

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 37 Roteamento IP Unicast Dinâmico RIP Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do N Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 37 Roteamento IP Unicast Dinâmico RIP Prof. Diego Pereira

Leia mais

Internet Explorer 8.0 Navegador (Browser)

Internet Explorer 8.0 Navegador (Browser) Internet Explorer 8.0 Navegador (Browser) O Internet Explorer 8 foi projetado para facilitar a navegação e a interação com sites na Internet ou na intranet. Sempre que você usa a Internet, ou um software

Leia mais

Soluções em Tecnologia www.actualdigital.com.br Institucional Actual Digital A Actual Digital oferece uma linha de produtos e serviços em tecnologia, unificando todas as soluções disponíveis na organização

Leia mais

Nível de Rede. Funções do nível de rede GCAR

Nível de Rede. Funções do nível de rede GCAR Nível de Rede Funções do nível de rede Multiplexação Endereçamento Mapeamento entre endereços de rede e de enlace Roteamento Estabeleciment/Liberação conexões de rede Controle de Congestionamento 1 Funções

Leia mais

ASIA ASSET GESTORA DE RECURSOS LTDA. PLANO DE CONTINGÊNCIA E CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS

ASIA ASSET GESTORA DE RECURSOS LTDA. PLANO DE CONTINGÊNCIA E CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS ASIA ASSET GESTORA DE RECURSOS LTDA. PLANO DE CONTINGÊNCIA E CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS O presente Plano de Contingência e Continuidade de Negócios ( Plano ) tem como objetivo definir os procedimentos que

Leia mais

SEJA DONO DA SUA DEFESA: SEGURANÇA BASEADA NA REDE DA LEVEL 3

SEJA DONO DA SUA DEFESA: SEGURANÇA BASEADA NA REDE DA LEVEL 3 CUBRA SEJA DONO DA SUA DEFESA: SEGURANÇA BASEADA NA REDE DA LEVEL 3 ÍNDICE ÍNDICE 03 04 05 06 07 08 09 10 CAPÍTULO 01 ENCARE O FUTURO COM CONFIANÇA CAPÍTULO 02 NAVEGANDO PELO CENÁRIO DE AMEAÇAS CAPÍTULO

Leia mais

Informática. Cloud Computing e Storage. Professor Márcio Hunecke.

Informática. Cloud Computing e Storage. Professor Márcio Hunecke. Informática Cloud Computing e Storage Professor Márcio Hunecke www.acasadoconcurseiro.com.br Informática COMPUTAÇÃO EM NUVEM Cloud Computing ou Computação em Nuvem pode ser definido como um modelo no

Leia mais

MITO OU VERDADE? 11/02/2013 MITO OU VERDADE? MITO OU VERDADE? MITO OU VERDADE? Dois antivírus funcionam melhor que um?

MITO OU VERDADE? 11/02/2013 MITO OU VERDADE? MITO OU VERDADE? MITO OU VERDADE? Dois antivírus funcionam melhor que um? Você é capaz de dizer se um firewall substitui um antivírus? E se o computador do usuário está sujeito a ser infectado só de visitar uma página da web? Por mais que especialistas alertem "instale um antivírus",

Leia mais

VI Semana de Infraestrutura da Internet no Brasil São Paulo, SP 07/12/16

VI Semana de Infraestrutura da Internet no Brasil São Paulo, SP 07/12/16 VI Semana de Infraestrutura da Internet no Brasil São Paulo, SP 07/12/16 Serviços IPv6 Eduardo Barasal Morales Tiago Jun Nakamura Agenda Autoconfiguração de Endereços Stateless DHCPv6 Prefix Delegation

Leia mais

Negação de Serviço, Negação de Serviço Distribuída e Botnets

Negação de Serviço, Negação de Serviço Distribuída e Botnets Negação de Serviço, Negação de Serviço Distribuída e Botnets Gabriel Augusto Amim Sab, Rafael Cardoso Ferreira e Rafael Gonsalves Rozendo Engenharia de Computação e Informação - UFRJ EEL878 Redes de Computadores

Leia mais

SEGURANÇA APLICADA MATERIAL 19

SEGURANÇA APLICADA MATERIAL 19 Graduação Tecnologia em Redes Computadores SEGURANÇA APLICADA MATERIAL 19 Prof. Luís Mateus da Silva Matos TRIPLE CCIE # 17528 (R&S, SP, SECURITY) CCNA, CCDA, CCNP, DCNIS CCDP, MCP, MCP+Internet, MCSE

Leia mais

Transporte Multimídia em Redes. Transporte Multimídia em Redes. Transmissão multimídia em tempo real. Categorias dos protocolos

Transporte Multimídia em Redes. Transporte Multimídia em Redes. Transmissão multimídia em tempo real. Categorias dos protocolos Transporte Multimídia em Redes Transporte Multimídia em Redes A transmissão multimídia requer que garantias diversas de Qualidade de Serviço (QoS) sejam estabelecidas e mantidas para que se atendam aos

Leia mais

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 09 Firewall

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 09 Firewall www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício O que é Firewall Um Firewall é um sistema para controlar o aceso às redes de computadores, desenvolvido para evitar acessos

Leia mais

Aula 13 Roteamento Dinâmico com Protocolos Link-State (Protocolo OSPF)

Aula 13 Roteamento Dinâmico com Protocolos Link-State (Protocolo OSPF) Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 13 Roteamento Dinâmico com Protocolos Link-State (Protocolo OSPF) 2014/1 Roteiro de Aula Introdução Funcionamento

Leia mais

KPVA Sistema de Controlle Pontual de Velocidade Independente KPVA SISTEMA DE CONTROLE PONTUAL DE VELOCIDADE INDEPENDENTE

KPVA Sistema de Controlle Pontual de Velocidade Independente KPVA SISTEMA DE CONTROLE PONTUAL DE VELOCIDADE INDEPENDENTE KPVA SISTEMA DE CONTROLE PONTUAL DE VELOCIDADE INDEPENDENTE Cliente: RATP Linhas: linhas do metrô Parisiense em certas zonas Número de unidades: 300 Ano de início de operação: 2004 A RATP equipou todas

Leia mais

Soluções de gestão de clientes e de impressão móvel. Número de publicação do documento:

Soluções de gestão de clientes e de impressão móvel. Número de publicação do documento: e de impressão móvel Número de publicação do documento: 410173-131 Janeiro de 2006 Conteúdo 1 Soluções de gestão de clientes Configuração e implementação................... 1 2 Gestão e actualizações de

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 6

Prof. Marcelo Cunha Parte 6 Prof. Marcelo Cunha Parte 6 www.marcelomachado.com ARP (Address Resolution Protocol) Protocolo responsável por fazer a conversão entre os endereços IPs e os endereços MAC da rede; Exemplo: Em uma rede

Leia mais

Baseado em função de hashing: Mapeiam dados de tamanho variável em um texto cifrado de tamanho fixo que é único para aqueles dados. Usado para verific

Baseado em função de hashing: Mapeiam dados de tamanho variável em um texto cifrado de tamanho fixo que é único para aqueles dados. Usado para verific INTRODUÇÃO À CRIPTOGRAFIA Criptografia é a ciência que utiliza algoritmos matemáticos para criptografar/encriptar (esconder) dados numa forma aparentemente não legível (texto cifrado) e recuperá-los (decriptografá-los).

Leia mais

Canais de Comunicação

Canais de Comunicação Canais de Comunicação February 24, 2010 Sumário Comunicação via Mensagens Propriedades dum Canal de Comunicação Protocolos da Internet UDP TCP Aplicação Distribuída O que é? É uma aplicação que consiste

Leia mais