Plano de Formação 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Formação 2011"

Transcrição

1 SECRETARIA-GERAL GERAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE CENTRO DE FORMAÇÃO Plano de Formação 2011 DIVISÃO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO

2 SECRETARIA-GERAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE CENTRO DE FORMAÇÃO EXECUÇÃO Rita Cordeiro (Chefe de Divisão) Elisabete Gonçalves (Téc. Superior) COLABORAÇÃO Ema Martins (Assist. Técnica) DIVISÃO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO

3 ÍNDICE 1- Introdução Enquadramento Legal Caracterização da organização Missão e Objectivos Estratégicos da SGMS Organograma Análise SWOT da Formação Caracterização do Plano de Formação Diagnóstico e Avaliação Fase do Diagnóstico - Metodologias e instrumentos de levantamento de necessidades Fase da Avaliação - Metodologias e instrumentos de avaliação Planeamento Descritivo do Público-Alvo Resultados do levantamento de necessidades de formação Estruturação do Plano de Formação Áreas de formação Entidades formativas Formandos Níveis de qualificação Definição de conteúdos Indicadores síntese Custos do Plano de Formação Recursos didácticos afectos à execução do plano Caracterização das instalações Equipamento e apoio técnico Organização e Execução da Formação Quadro-Resumo do Plano de Formação Quadro dos conteúdos programáticos Glossário Bibliografia 3

4 ÍNDICE DE QUADROS, GRÁFICOS E FIGURAS Quadros Quadro 1 Diagnostico de Necessidades de Formação Quadro 2 Etapas do processo avaliativo Quadro 3 - Nº de trabalhadores da SG por grupo profissional a 31/12/ Quadro 4 Indicadores da formação prevista Quadro 5 Custos consolidados do Plano de formação Quadro 6 Encargos directos com a preparação, desenvolvimento, acompanhamento e avaliação Quadro 7 Resumo do planeamento da formação Gráficos Gráfico 1 Nº de trabalhadores da SG por escalão etário Gráfico 2 Nº de trabalhadores por nível de escolaridade Gráfico 3 Distribuição do número de acções por área de formação Gráfico 4 Distribuição do nº de horas de formação por área Gráfico 5 Distribuição do total de horas de formação de acordo com a entidade formadora Gráfico 6 Distribuição do n.º de acções de formação de acordo com a entidade formadora Gráfico 7 Distribuição das acções de formação por carreiras (horas) Gráfico 8 Distribuição das acções de formação por carreiras Gráfico 9 Distribuição do total de horas de formação por níveis de qualificação Gráfico 10 Distribuição de formação por níveis de qualificação Figuras Figura 1 Organograma da Secretaria-Geral do Ministério da Saúde Figura 2 Analise SWOT Figura 3 Ciclo de Formação Figura 4 Principais Etapas na construção de uma estratégia avaliativa

5 1- Introdução A actividade formativa na Secretaria-Geral do Ministério da Saúde remonta aos anos 80, data na qual foi criado o Centro de Formação. Com as reformas desencadeadas pelo PRACE (Programa para a Reestruturação da Administração Central do Estado), em 2006, e a consequente reestruturação desta Secretaria- Geral, todas as atribuições em matéria de recursos humanos do SNS (nomeadamente as referentes ao ensino e formação) foram absorvidas pela ACSS, I.P. O Centro de Formação ressurge em Agosto de 2009, em resultado da aprovação da certificação desta Secretaria-Geral como entidade formadora. A formação é entendida, pela gestão de topo, como um vector estratégico fundamental, que contribui para melhorar a capacidade de resposta da Secretaria-Geral aos permanentes desafios que se lhe colocam, preparando os trabalhadores para o cabal cumprimento da missão deste organismo. O QUAR 2010 da Secretaria-Geral é a expressão máxima desta aposta contendo, de entre três, o Objectivo Estratégico de Melhorar a qualidade da gestão interna da SG, numa óptica de modernização administrativa, optimizando os recursos e desenvolvendo o Know-How do potencial humano.. Neste contexto, foi atribuída à administração de acções de formação (objectivo operacional) a meta de 90%. O QUAR 2011 mantém a mesma linha estratégica para a formação, sendo que o objectivo operacional passou a ser medido através de dois indicadores, não somente o nº de acções realizadas face ao previsto deverá ser de 90% como, também, as mesmas acções deverão abranger 35% dos trabalhadores. Ainda, numa perspectiva de missão, as acções de formação da Secretaria-Geral estarão abertas a todos os órgãos, serviços e organismos a que dá apoio, visando, através deste meio, cooperar no desenvolvimento de competências nas áreas transversais da Administração Pública. Mas não é somente a organização que sente a necessidade de investir na formação dos seus recursos humanos, perante os novos desafios, as reestruturações dos vínculos e das carreiras e dos novos parâmetros de exigência de produtividade intrínsecos ao Sistema de Avaliação actual (SIADAP), os próprios trabalhadores sentem a necessidade de desenvolver competências e, já não basta ser competente, é preciso ser policompetente, não basta fazer uma tarefa com qualidade, é preciso estar preparado para uma diversificação de tarefas e ter as competências para as desempenhar com qualidade. O Plano de Formação 2011 pretende, assim, conciliar as necessidades da organização com as expectativas e as motivações dos colaboradores, oferecendo um elenco de cursos que possibilitarão não só a sua aplicabilidade no seu trabalho diário como, também, desenvolver a sua versatilidade para outras tarefas que possam advir. 5

6 2- Enquadramento Legal A publicação da Resolução do Conselho de Ministros n.º 89/2010 de 17 de Novembro, vem mais uma vez reforçar a importância da formação nas opções políticas actuais. Assim, visando a melhoria dos serviços públicos prestados às pessoas e às empresas, esta RCM define três objectivos fundamentais: 1º Garantir, até 2013, o acesso efectivo à formação profissional a todos os trabalhadores em funções públicas na Administração Central do Estado. 2º Adequar a oferta formativa às necessidades dos trabalhadores e serviços. 3º Avaliar o impacto da formação na qualidade dos serviços prestados e na produtividade dos trabalhadores. À concretização destes objectivos está subjacente, por um lado, o aprofundamento das ofertas de formação e, por outro, a inscrição no QUAR de objectivos quantificados de formação, de forma a garantir o acesso de todos os trabalhadores à formação. De forma sucinta, a seguir se indicam as principais acções a desenvolver preconizadas no plano de acção para a formação profissional dos trabalhadores da Administração Pública no período , que integra o Anexo desta RCM: 1- Diagnóstico de necessidades de formação enfoque no aperfeiçoamento dos procedimentos para identificação das necessidades de formação. Deverá ser feito um levantamento complementar das necessidades de formação por parte dos órgãos e serviços; o INA deverá disponibilizar no seu site uma funcionalidade para que os trabalhadores possam apresentar sugestões relativas à formação profissional e fazer um relatório de análise destes dados submetendo-o ao Governo, identificando as áreas de intervenção prioritárias para a preparação de projectos-piloto a iniciar até ao final do 1º trimestre de Criação de um sistema (metodologia) de identificação de necessidades, programação e avaliação enfoque na criação de uma ferramenta que auxilie os órgãos e serviços, dirigentes e trabalhadores, na identificação de necessidades respeitantes a cada posto de trabalho, na preparação do plano de formação e na avaliação do impacto de formação. Este projecto deverá ser alinhado, não só com o SIADAP, mas também com o futuro sistema de Gestão de Recursos Humanos (GeRHuP), tendo em linha de conta os conhecimentos e experiências específicos de algumas entidades, nomeadamente, o INA e o IEFP, entre outras. 3- Reforço da utilização das tecnologias de informação (TIC) no desenvolvimento das ofertas formativas como seja o caso do e-learning e do b-learning. 4- Desenvolvimentos de novas ofertas formativas nos diversos domínios da formação: Na formação inicial; na formação em atendimento ao público; na formação para dirigentes em matérias como gestão estratégica, simplificação e modernização administrativas, inovação, metodologias de trabalho optimizadas por tecnologias de informação, igualdade de género e inteligência emocional e cultura de meritocracia 6

7 apoiada na diferenciação de desempenho; na melhor utilização das TIC em duas componentes, na óptica do utilizador e na governação das TIC (gestão dos sistemas de informação); na promoção da excelência no serviço público concepção e desenvolvimento de programas com o perfil de Master in Public Administration (MPA), pós-graduações ou outros cursos similares dirigidos a trabalhadores com alto potencial e com avaliação de desempenho relevante. 5- Definição anual de objectivos quantificados de formação: Os órgãos e serviços da Administração Central devem prever no QUAR, objectivos quantificados anuais de formação profissional para dirigentes e trabalhadores tendencialmente alinhados com o mandato dos dirigentes superiores e respectivas cartas de missão, de modo a assegurar que a totalidade dos dirigentes e trabalhadores da Administração Central do Estado acede a formação profissional até final de Regulamentação do exercício da função de formador na Administração Pública: Era intenção do Governo que, através deste Plano de Acção, se fizesse a regulamentação prevista no Decreto-Lei n.º 50/98, de 11 de Março relativa ao perfil funcional do formador até final do ano transacto, nomeadamente quanto aos princípios e regras relativos à actividade de formador, no caso de se tratar de um trabalhador em funções públicas, e quanto aos termos em que ocorre a avaliação da actividade do formador, quer pelos formandos quer pelos serviços e organismos. 7- Promoção de parcerias: Ao longo do período de deve ser promovida a celebração de protocolos de parceria com entidades credenciadas para ministrar formação, incluindo estruturas sindicais. Numa primeira abordagem, e considerando-se que ainda não existe regulamentação do Plano de Acção em referência, ressalta-nos três acções que deverão ser consideradas para o Plano de Formação 2011 da Secretaria-Geral, nomeadamente: 1 O reforço da utilização das tecnologias de informação (TIC) no desenvolvimento das ofertas formativas (Acção 3), como seja o caso do e-learning e do b-learning; 2 - Desenvolvimento de novas ofertas formativas (Acção 4), designadamente a formação obrigatória em atendimento ao público para os trabalhadores que exercem funções nesta área. 3 - A definição de objectivos quantitativos de formação (Acção 5) no QUAR, de forma a garantir que todos os trabalhadores tenham acesso a formação até

8 3- Caracterização da organização 3.1. Missão e Objectivos Estratégicos da SGMS 2011 A Secretaria-Geral tem por missão assegurar o apoio técnico e administrativo aos gabinetes dos membros do Governo integrados no Ministério da Saúde e aos demais órgãos, serviços e organismos que não integram o Serviço Nacional de Saúde, nos domínios da gestão de recursos internos, do apoio técnico jurídico e contencioso, da documentação e informação e da comunicação e relações públicas. OBJECTIVO ESTRATÉGICO OBJECTIVO ESTRATÉGICO OBJECTIVO ESTRATÉGICO O1. Garantir e aperfeiçoar o apoio técnico e administrativo aos gabinetes dos membros do Governo e aos organismos, serviços, estruturas, comissões e grupos de trabalho no âmbito do MS, nos termos legalmente fixados. O2. Fomentar a qualidade da relação com os cidadãos, numa perspectiva de serviço público aberto, promovendo a cidadania e parcerias com outras entidades públicas e privadas O3. Melhorar a qualidade da gestão interna da SGMS, numa óptica de modernização admin., optimizando recursos e desenvolvendo o potencial humano. Para cumprimento da sua missão a Secretaria-Geral tem três objectivos estratégicos inscritos no QUAR 2011, sendo que é no terceiro objectivo que está subjacente a formação dos seus trabalhadores como um meio de desenvolvimento do potencial humano Organograma O Centro de Formação encontrana Divisão de se, actualmente, Planeamento Estratégico. A criação desta divisão resultou da reestruturação, levada a cabo em Maio deste ano, pelo Secretário- Geral, através do Despacho n.º 8782/2010, de 24 de Maio (DR n.º 100, SÉRIE II de ). Divisão de Planeamento Estratégico CENTRO DE FORMAÇÃO Direcção de Serviços de Gestão de Recursos Divisão de Administração de Recursos Humanos Secretária-Geral Adjunta Secretário-Geral Direcção de Serviços Jurídicos e de Contencioso Divisão de Recursos Financeiros e Patrimoniais Figura 1 Organograma da SGMS Direcção de Serviços de Informação e Documentação Divisão de Informática Divisão de Organização e Informação 8

9 A Secretaria-Geral foi acreditada como entidade formadora em 26/08/2009, pelo prazo de 1 ano. Em virtude deste prazo já ter finalizado, encontra-se a decorrer o pedido de renovação da acreditação para que seja possível dar cumprimento a este Plano de Formação. O Centro de Formação conta actualmente com 3 elementos na sua equipa técnica: A responsável pelo Centro de Formação - Rita Cordeiro Chefe de Divisão de Planeamento Estratégico; A coordenadora das acções de formação - Elisabete Gonçalves - Técnica superior; O apoio administrativo às acções - Ema Martins Assistente técnica Análise SWOT da Formação AMBIENTE EXTERNO AMBIENTE INTERNO AMEAÇAS OPORTUNIDADES PONTOS FRACOS PONTOS FORTES Orçamento do Estado e das Contas Públicas Continuidade da actividade formativa da SG enquanto entidade acreditada dependente da reapreciação da ACSS Falta de financiamento do POPH PEC -Reforço da formação como factor potenciador da mobilidade na Função Pública RCM nº 89/2010 de 17 de Novembro Portaria n.º994/2010 de 29 de Setembro- CAP (s) sem dependência de período de validade Figura 2 Análise SWOT 9

10 4- Caracterização do Plano de Formação O presente Plano de Formação privilegia as acções de formação que visam responder às necessidades dos trabalhadores da Secretaria-Geral, quer as indicadas pelos próprios quer as diagnosticadas pelos respectivos dirigentes. As acções de formação constantes do Plano de Formação 2011 foram, deste modo, enquadradas nas áreas estruturantes de actuação da Secretaria-Geral: área do contencioso jurídico, de recursos humanos, financeiros e de aprovisionamento, de informação e documentação e de planeamento. Estas são, por conseguinte, áreas transversais à Administração Pública, não obstante uma ou outra acção que possa ser mais específica, como é o caso das acções inerentes à área de informática. Na generalidade, optou-se por formação interna sendo que se prevê formação externa no caso da formação obrigatória para dirigentes (Forgep) e no caso das acções indicadas para os informáticos, dada a sua especialização e ao reduzido número de trabalhadores nesta área. No que respeita à tipologia de Formação, apenas está prevista a Formação Contínua. Em virtude dos condicionamentos legais ao recrutamento externo, não está prevista qualquer acção de Formação Inicial, considerando-se que os funcionários que poderão vir a trabalhar nos nossos serviços já têm as capacidades indispensáveis ao exercício das suas funções, integrando-se as suas necessidades a nível da actualização, valorização e desenvolvimento de capacidades já adquiridas. Relativamente ao regime de formação, está prevista a quase exclusividade do regime presencial, sendo apenas o Forgep (Programa de Formação em Gestão Pública) ministrado em regime de B-Learning. Com este Plano de Formação intenta-se atingir os seguintes objectivos: Objectivos Melhoria contínua do desempenho da SG; Melhoria do desempenho individual; Mudança comportamental; Evolução das qualificações/competências; Aumento da motivação profissional. 10

11 5- Diagnóstico e Avaliação Atendendo às fases do designado Ciclo de Formação cabe aqui definir quais as metodologias e instrumentos utilizados no Diagnóstico e Avaliação da Formação. Figura 3 Ciclo de Formação Diagnóstico Avaliação Planeamento Ciclo de Formação Execução Concepção Organização 5.1. Fase do Diagnóstico - Metodologias e instrumentos de levantamento de necessidades O diagnóstico de necessidades é o processo metodológico de recolha e análise de informações para determinar o hiato entre o que é esperado de um profissional na execução da sua actividade profissional e aquilo que, na realidade, este pode oferecer face aos seus conhecimentos, competências e desempenho. É, naturalmente, a primeira etapa do planeamento da formação, pelo que, sem esta, a oferta formativa seria descontextualizada da realidade e, dificilmente, os objectivos a que a SG se propôs seriam atingidos. Face à importância deste diagnóstico, é de crucial importância que os trabalhadores e dirigentes estejam motivados a responder aos questionários e a ter disponibilidade para as entrevistas, pois estes são, sem dúvida, os dois instrumentos fundamentais de apuramento das necessidades de formação. No entanto, o que veio a verificar-se na elaboração deste plano é que apenas 22% dos trabalhadores da Secretaria-Geral deram resposta aos questionários, revelando-se, este resultado, manifestamente insuficiente face à precisão que se pretende e à política de gestão participada que se preconiza. Assim sendo, o Centro de Formação deverá apostar, para a 11

12 elaboração do próximo plano de formação, em medidas de sensibilização e no convite à participação naquilo que se considera actualmente, uma das mais importantes mais-valias que um organismo poderá dar aos seus trabalhadores. O plano formativo foi, assim, elaborado com base nos questionários e entrevistas feitos às chefias directas, deixando aqui a ressalva de que, tratando-se de avaliar as lacunas nos conhecimentos, competências e desempenho dos seus trabalhadores com vista à sua melhoria através de formação, este diagnóstico deverá ser articulado com o Sistema de Avaliação de Desempenho. No final desta fase, a equipa de concepção do plano deverá ser capaz de caracterizar os contextos de partida da formação, identificando as competências críticas a desenvolver pela via da formação, dando resposta às seguintes questões: Porquê formar? Quem formar? Para quê formar? O diferencial que existe entre a Situação Inicial em que o formando se encontra - Perfil de Entrada e a situação a que se quer chegar Perfil de Saída constitui a identificação e quantificação das necessidades de formação que deverão ser satisfeitas. O quadro seguinte sintetiza o tipo de perguntas abordadas nos questionários utilizados, sendo que, no caso dos dirigentes, ainda se sucedeu uma entrevista para apreciação, com maior acuidade, das respostas dadas. Quadro 1 Diagnóstico de Necessidades de Formação QUESTIONÁRIO DIAGNÓSTICO DAS NECESSIDADES DE FORMAÇÃO TODOS OS TRABALHADORES DA SG DIRIGENTES Dados gerais do trabalhador: sexo, carreira, habilitações literárias e área de actividade Dados formação: Frequência de programas formativos na SG e em Outras Entidades nos últimos dois anos, média da frequência de acções por ano, horário mais adequado (laboral, pós-laboral), distribuição da carga horária (intensivo, não intensivo), adequação da duração da acção (nº de horas), identificação do tipo de necessidade para a frequência da formação; identificação, de entre 15 áreas temáticas, as mais necessárias e a sugestão de 2 cursos nas áreas escolhidas. Dados Direcção/Divisão Dados formação: média da frequência de acções por ano pelos trabalhadores, horário mais adequado (laboral, pós-laboral), distribuição da carga horária mais adequada (intensivo, não intensivo), adequação da duração da acção (nº de horas), identificação do tipo de necessidade para a frequência da formação; identificação, de entre 15 áreas temáticas, as mais necessárias e a sugestão de 2 cursos nas áreas escolhidas. Identificar prioridades. 12

13 5.2. Fase da Avaliação - Metodologias e instrumentos de avaliação A avaliação é um instrumento ao serviço de quem gere o processo de formação e não um fim em si mesmo. Nesta perspectiva, a avaliação traduz-se num instrumento estratégico que deverá ser usado em três acções fundamentais: - Regulação do processo de formação: na fase do planeamento da formação, deverá avaliar-se as intervenções formativas de acordo com as necessidades dos seus destinatários, assim como garantir a qualidade das intervenções; - Medição dos resultados alcançados: comparação com os referenciais pré-definidos; -Desenvolvimento e melhoria contínua, recomendações e partilha de aprendizagens efectuadas durante a implementação do processo avaliativo. Consequentemente, é necessário conceber instrumentos que, quando aplicados, produzam informação necessária ao cumprimento destas acções. Figura 4 - PRINCIPAIS ETAPAS NA CONTRUÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA AVALIATIVA PORQUÊ? (Finalidades) ESTRATÉGIA O QUÊ? (Objecto de análise) AVALIATIVA ESTRATÉGIA AVALIATIVA QUANDO? ESTRATÉGIA FORMATIVA COMO? PARA QUEM? 13

14 Quadro 2 Etapas do processo avaliativo ETAPA 1 PORQUÊ? Definição dos objectivos da avaliação pretendida 1-Determinar a eficiência: Os resultados do processo formativo justificam os recursos mobilizados (humanos, materiais e financeiros)? 2-Determinar a eficácia: Os resultados reportam aos objectivos previamente definidos? 3- Identificar pontos fracos 4- Verificar as metas e objectivos 5- Melhorar a qualidade da formação ETAPA 2 O QUÊ? Definição das questões avaliativas a efectuar - Os resultados do diagnóstico de necessidades de competências; -As características da proposta formativa preconizada; -O perfil de entrada dos participantes na formação; Avaliação de Reacção Grau de satisfação dos formandos: - As expectativas iniciais dos participantes; - O desempenho dos vários agentes que intervêm na formação; - A organização de suporte à formação; -Os métodos pedagógicos aplicados; - A documentação/ recursos de apoio à formação; ( ) Avaliação de Aprendizagem Grau de aprendizagem: - A aquisição de competências por parte dos participantes na formação; Regresso ao local de trabalho: Avaliação de Conhecimento - Mudanças verificadas nos comportamentos dos indivíduos (alteração de métodos de trabalho, maior autonomia individual ); - Os resultados decorrentes da alteração de comportamentos; ( ) Impacto na organização: Avaliação de Resultados - As alterações no painel de indicadores da organização; - Os impactos de desempenho individuais/colectivos nos resultados da organização; -O custo-benefício associado à formação desenvolvida; -O retorno de investimentos efectuados na formação ETAPA 3 QUANDO? Em que momentos deverão ser desenvolvidas as intervenções de natureza avaliativa? Antes da formação (Avaliação EX- ANTE) Durante a execução da formação (Avaliação ON- GOING) Após 3 meses Após a execução da formação EX-POST Após 1 ou 2 anos ETAPA 4 COMO? Aplicação de questionário e grelha de análise para aferição/caracterização dos contextos de partida; Técnicas centradas na verificação da qualidade do processo: - Questionários para aferição do grau de satisfação dos formandos; - Grupos de discussão; - Entrevistas estruturadas ou semiestruturadas; - Comentários mais ou menos estruturados dos participantes na formação e/ou da equipa de formação; Aplicação de instrumentos de controlo e acompanhamento do processo. Técnicas centradas na verificação da aquisição e desenvolvimento de aprendizagem por parte dos formandos: Teste de entrada/teste de saída; testes orais; testes de conhecimentos; testes de performance; observ. directas e indirectas; elaboração de projectos; auto-avaliação; jogos de empresa; videoescopias; Técnicas centradas na verificação da transferência de aprendizagens para o contexto de trabalho: Entrevista de chegada (aquando do regresso do colaborador ao posto de trabalho); aplicação de questionários; construção de um plano de intervenção específico; observação directa e indirecta; análise da performance e dos incidentes críticos (análise comparativa); auto-avaliação. Análise do painel de indicadores de performance; aplicação da fórmula ROI (Return on Investment); análise custo-benefício; análise dos resultados de planos de intervenção específicos; análise dos resultados de planos de desenvolvimento de competências (valor do capital humano da organização). ETAPA 5 PARA QUEM? 1-Identificar os actores interessados nos resultados da avaliação; 2-Elaborar relatórios de avaliação/ recomendações e preparar planos de acção para intervenções de reforço e intervenções correctivas; 3-Reuniões para apresentação de resultados; realização de workshops, apresentações personalizadas, entre outras 14

15 6- Planeamento 6.1. Descritivo do Público-Alvo A formação tem prioritariamente como destinatários os trabalhadores da Secretaria-Geral do Ministério da Saúde, podendo vir a estender-se aos organismos a que esta dá apoio, sempre que haja interesse e vagas disponíveis. Os quadros e gráficos seguintes possibilitam a caracterização dos recursos humanos da SG (público-alvo). Quadro 3 - Nº de trabalhadores da SG por carreira a 31/12/2010 CARREIRAS N.º Trabalhadores Dirigente superior 2 Dirigente intermédio 7 Técnico Superior 18 Informático 3 Assistente técnico 17 Assistente operacional 11 TOTAL 58 Gráfico 1 -Nº de trabalhadores da SG por escalão etário % % % % % Muito embora, cerca de 49% dos trabalhadores da SG detenham habilitação superior (licenciatura e mestrado), o mesmo não acontece com a grande maioria que se distribui pelo ensino secundário (26%), 3º ciclo (15%) e 2º e 1º ciclo (com 7% e 3 %, respectivamente). A grande maioria dos trabalhadores tem mais de 40 anos. Apenas uma pequena parcela tem entre 20 e 29 anos (3%) e entre 60 e 65 (7%). Sensivelmente ¼ dos trabalhadores têm entre 30 e 39 anos. A média etária é de 43 anos. Gráfico 2 - Nº de trabalhadores por nível de escolaridade 2º CICLO 7% 3º CICLO 15% SECUNDÁRIO 26% 1º CICLO 3% MESTRADO 2% LICENCIATURA 47% 15

16 6.2. Resultados do levantamento de necessidades de formação Como já foi referido anteriormente, apenas 22% dos trabalhadores, dos 58 efectivos da SG, deram resposta ao questionário. De entre esses trabalhadores contou-se com 7 assistentes técnicos, 4 técnicos superiores e 2 informáticos. Exercem funções nas áreas de recursos humanos (31%), documentação e informação (31%), informática (23,08%), planeamento estratégico (7,69%) e jurídico e contencioso (7,69%). Cerca de metade não frequentou programas formativos promovidos pela SG, nos últimos 2 anos, no entanto, em 2010, cerca de 61,5% frequentou programas formativos promovidos por outras entidades. A maioria dos inquiridos frequentam em média um curso por ano, apenas um diz frequentar, em média, 3 cursos por ano, sendo esta, a média mais elevada de cursos frequentados. A totalidade dos inquiridos considera o horário laboral o mais adequado para a frequência da formação e mais de metade é da opinião de que as acções de formação deverão ser realizadas em meio-dia, ao invés do dia inteiro como é prática generalizada. Mais de 80% indicou como mais adequadas as acções de formação com uma duração de 15 a 30 h. A necessidade de actualizar conhecimentos e a necessidade de adquirir novos conhecimentos foram os motivos mais evocados para a frequência de formação, por outro lado, a necessidade de adaptação a mudanças organizacionais foi considerada a menos relevante. No respeitante aos questionários dirigidos às chefias verificou-se que, também, são da opinião de que as acções de formação deverão decorrer em horário laboral e apenas em meio-dia. Quanto aos motivos para a frequência de formação, as opiniões foram diversificadas, sendo que, no cômputo geral, consideraram as necessidades de adquirir novos conhecimentos, novas competências e as necessidades de adaptação a novas mudanças tecnológicas as mais prioritárias. Das 15 áreas temáticas identificadas pelo Centro de Formação, apenas a área de Auditoria Financeira não foi seleccionada pelos inquiridos. No entanto, face aos constrangimentos orçamentais foram definidas acções em apenas oito áreas de formação. GESTÃO ADMINISTRATIVA E SECRETARIADO FORMAÇÃO DIRIGENTES GESTÃO PÚBLICA/QUALIDADE/COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL GESTÃO ORÇAMENTAL/CONTABILIDADE COMPORTAMENTO/LIDERANÇA/COMUNICAÇÃO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INFORMATICA PROFISSIONAIS JURIDICA 16

17 6.3. Estruturação do Plano de Formação Áreas de formação Tendo por base a análise da caracterização do público-alvo e dos resultados do levantamento de necessidades, foram definidas as 8 áreas temáticas, atrás referidas, prevendo-se a realização de um total de 13 acções formativas (incluindo as participações individuais). No gráfico seguinte podemos observar a distribuição do nº de acções por área de formação. A área de informática para profissionais integra o maior número de cursos. Gráfico 3 -Distribuição do número de acções por área de formação N.º ACÇÕES JURIDICA 1 INFORMATICA PROFISSIONAIS 3 GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS 2 COMPORTAMENTO/LIDERANÇA/COMUNICAÇÃO GESTÃO ORÇAMENTAL/CONTABILIDADE GESTÃO PÚBLICA/QUALIDADE/COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL FORMAÇÃO DIRIGENTES GESTÃO ADMINISTRATIVA E SECRETARIADO ,5 1 1,5 2 2,5 3 3,5 O plano formativo prevê um total de 447 horas anuais no total das acções de formação, sendo que só na Formação para Dirigentes se prevê um total de 180 horas. Gráfico 4 -Distribuição do nº de horas de formação por área GESTÃO ADMINISTRATIVA E SECRETARIADO FORMAÇÃO DIRIGENTES 90 GESTÃO PÚBLICA/QUALIDADE/COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL GESTÃO ORÇAMENTAL/CONTABILIDADE COMPORTAMENTO/LIDERANÇA/COMUNICAÇÃO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INFORMATICA PROFISSIONAIS JURIDICA 17

18 Entidades formativas Dado o reduzido número de trabalhadores interessados, em virtude de se tratar de conteúdos mais especializados inerentes às suas funções, está prevista a realização de acções em entidades formadoras externas. É o caso dos cursos da área informática, da formação para dirigentes e do curso de organização de eventos nacionais e internacionais. Uma vez que a formação para dirigentes é a que tem a maior carga horária, pela observação do gráfico 5 podemos aferir que a maior fatia na distribuição de horas de formação cabe à entidade formadora externa. Gráfico 5 -Distribuição do total de horas de formação de acordo com a entidade formadora Entidade formadora externa 264h 59% SGMS 183h 41% Gráfico 6-Distribuição do n.º de acções de formação de acordo com a entidade formadora 4 7 SGMS Entidade formadora externa No entanto, dos 11 cursos previstos no plano de formação, somente 4 serão realizados em Formação Externa Formandos Na estruturação deste plano de formação, houve como especial preocupação abranger, como limite mínimo, 35% dos trabalhadores da SG, espelhando todas as carreiras profissionais. O gráfico 7 mostra-nos a duração total (somatório de horas) das acções previstas por carreira, pelo que se conclui que são os dirigentes a ter participação nas acções de formação com uma duração mais longa (está aqui incluído o Forgep com uma duração de 180h). Por outro lado, as acções participadas por assistentes operacionais e informáticos terão a carga horária mais reduzida. Informático 30 4% Gráfico 7- Distribuição das acções de formação por carreira ( Horas) Assistente Tecnico % Assistente Operacional 33 4% Tecnico Superior % 18 Dirigente %

19 São os técnicos superiores e os assistentes técnicos que apresentam o maior número de participações em acções de formação. No entanto, como já depreendemos em gráficos anteriores, são os dirigentes que, muito embora sejam em menor número, apresentam o maior volume médio de horas em formação devido à carga horária dos cursos em que participam Dirigente Tecnico Superior Informático Assistente Tecnico Assistente Operacional N.º ACÇÕES N.º FORMANDOS MÉDIA DE VOLUME DE HORAS DE FORMAÇÃO POR FORMANDO (h) 0 Gráfico 8 - Distribuição da formação por carreira Níveis de qualificação Gráfico 9 - Distribuição do total de horas de formação por níveis de qualificação Nivel V 180 Nivel III Nivel IV DISTRIBUIÇÃO DA FORMAÇÃO POR NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO Em resultado do levantamento de necessidades só foram contemplados os níveis de qualificação III, IV e V. Assim sendo, de acordo com o gráfico 9, podemos verificar que o nível de qualificação que apresenta maior número de horas de formação é o nível IV, com 204 horas. O nível III apresenta, apenas, 63 horas de formação. Ao analisarmos a distribuição do nº de acções pelos Níveis referidos (gráfico 10), podemos verificar que se prevê a realização de 7 acções de formação para o nível IV; 3 acções para o nível III e uma acção para o nível V. Em termos de média de duração de formação, verificamos que o valor mais elevado é o do nível de qualificação V, dado ser um curso com uma duração muito elevada em termos de horas de formação. Gráfico 10 -Distribuição da formação por níveis de qualificação Nivel III Nivel IV Nivel V N.º ACÇÕES N.º FORMANDOS MEDIA DURAÇÃO POR FORMAÇÃO

20 Definição de conteúdos De acordo com os objectivos de aprendizagem, as características da população-alvo e a natureza dos contextos de aprendizagem foram estabelecidas as sequências de conteúdos e respectivos saberes a adquirir e desenvolver. Na selecção dos conteúdos foi tido em linha de conta a resposta às seguintes questões: 1. A apreensão deste conteúdo soluciona o problema identificado ou o resultado a atingir na organização? 2. A apreensão deste conteúdo vai ao encontro do diagnóstico de necessidades? 3. A apreensão deste conteúdo relaciona-se com o desempenho expectado? 4. A apreensão deste conteúdo vai ao encontro dos objectivos de aprendizagem definidos? Após estarem definidos todos os conteúdos, procedeu-se à sua sequenciação. Estes foram alguns dos princípios subjacentes a esta acção: A aprendizagem parte do que o formando sabe para chegar ao que não sabe, A aprendizagem parte do simples para o complexo, A aprendizagem parte do concreto para o abstracto, A aprendizagem parte do observável para o plano conceptual, A aprendizagem parte do conjunto para as partes e novamente das partes para o conjunto, A aprendizagem tem uma progressão lógica. Deverá ficar claro para o formando, a lógica da arrumação dos conteúdos dentro de cada módulo, ou seja, o porquê daqueles conteúdos e qual a relação entre eles. Para maior facilitação deste trabalho tentou-se enquadrar, sempre que possível, os conteúdos programáticos nos roteiros de formação, providenciados pela Agência Nacional de Qualificação ou os conteúdos programáticos definidos para as acções de formação ministradas no INA, organismo de referência em termos de oferta formativa para entidades públicas, procedendo, posteriormente, à adaptação dos mesmos em conformidade com os critérios já referidos Indicadores síntese Face aos seguintes indicadores prevê-se que, em média, cada formando tenha de se ausentar ao serviço 4 dias durante o ano, o que atendendo aos objectivos da SG, no sentido de desenvolver o potencial humano, e aos objectivos subjacentes a este Plano não parece desmedido, representando, apenas, 1,8% dos dias trabalháveis em Relembre-se que os trabalhadores têm direito, dentro do período laboral a um crédito de 100 h para as carreiras Técnica e Técnica Superior e, um limite de 70 h para as restantes carreiras (cf. Artigo 1º do Decreto-Lei n.º 174/2001, de 31 de Maio). 20

Curso Avançado em Gestão da Formação 2010

Curso Avançado em Gestão da Formação 2010 Curso Avançado em Gestão da Formação 2010 Capital Humano e Desenvolvimento Sustentável Potencial Humano Populações com saúde, educação e bem estar Desenvolvimento Capital Humano Capital Social Democracia

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Janeiro-2010 Para a boa gestão de pessoas, as empresas devem elevar o RH à posição de poder e primazia na organização e garantir que o pessoal

Leia mais

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública 2011 DESIGNAÇÃO A inscrição poderá DO CURSO ser efectuada Nº através DE do PREÇO site POR www.significado.pt Para mais informações, por favor contacte

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Especialização em Gestão de Projectos Nível 1 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER Este curso constitui

Leia mais

Competências de Gestão para Dirigentes e Técnicos de Associações Empresariais

Competências de Gestão para Dirigentes e Técnicos de Associações Empresariais Competências de Gestão para Dirigentes e Técnicos de Associações Empresariais Curso de Formação 2011 Índice PROPOSTA FORMATIVA... 3 Introdução... 3 Objectivo geral... 3 Estrutura... 3 Metodologias... 3

Leia mais

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 O Coordenador TIC João Teiga Peixe Índice Índice...2 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 3 3. Sectores Afectos... 4 1. Salas de Aulas... 4 2. Administrativo... 4 3. Outras

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ)

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) INTEGRAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICOS SUPERIORES BACHARÉIS, LICENCIADOS E MESTRES CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) GUIA DE CURSO ÍNDICE 1 - Objectivo do curso 2 - Destinatários 3 - Pré-requisitos

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL

FORMAÇÃO PROFISSIONAL FORMAÇÃO PROFISSIONAL D. L. Nº N 50/98, 11 de Março LEI Nº N 12-A/2008, 27 de Fevereiro LEI Nº N 53/2006, 7 de Dezembro DGAEP/DGDRH Março/ 2009 1 OS TRABALHADORES TÊM O DIREITO E O DEVER DE FREQUENTAR,

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO Acolhimento - Acções que visam proporcionar ao colaborador um conjunto de referências e conhecimentos, relacionados com o ambiente organizacional e a função, tendo como objectivo

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição www.pwc.pt/academia Controlo de Gestão 2ª Edição Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013 Academia da PwC 2ª edição Este curso permite-lhe compreender melhor os princípios do controlo de gestão, com especial enfoque

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO ÍNDICE PREÂMBULO... 3 Procedimentos Técnico-Pedagógicos... 4 1.1. Destinatários e condições de acesso... 4 1.2. Organização dos cursos de formação... 4 1.3. Componentes de

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003 8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB N. o 282 6 de Dezembro de 2003 Portaria n. o 13/2003 de 6 de Dezembro Considerando que o DecretoLei n. o 205/96, de 25 de Outubro, vem alterar a disciplina jurídica da

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

Regulamento Geral da Formação

Regulamento Geral da Formação Regulamento Geral da Formação Regulamento n.º 32/2006, de 3 de Maio publicado no Diário da República, II Série, n.º 85, de 3 de Maio de 2006 Artigo 1.º Objecto 1 Este regulamento define as regras relativas

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

ANEXO C FORMAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO C FORMAÇÃO PROFISSIONAL Claustro central do edifício sede do Ministério das Finanças Foto de Luís Grancho, SGMF ANEO C FORMAÇÃO PROFISSIONAL O Plano de Frequência de ações de formação 2013, adiante incluído, integra o Plano de

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Saída Profissional: Operador CAD Certificação ao nível do 9º Ano / Nível II Laboral Bem-Vindo/a à FLAG! A FLAG é uma

Leia mais

POR ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DO ALENTEJO

POR ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DO ALENTEJO POR ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DO ALENTEJO ACÇÃO-TIPO: 2.3.1 ACÇÕES DE FORMAÇÃO NA ROTA DA QUALIFICAÇÃO VALORIZAÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO SECTOR AGRO-ALIMENTAR E TURÍSTICO CURSO N..ºº 11 TTÉCNI

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

Empresas que se mexem, são empresas que crescem!

Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Apresentação do Projecto/ Abertura de inscrições Introdução A Adere-Minho - Associação para o Desenvolvimento Regional do Minho, entidade de natureza associativa

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY POSSIBILIDADE DE FREQUÊNCIA À DISTÂNCIA

PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY POSSIBILIDADE DE FREQUÊNCIA À DISTÂNCIA PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY POSSIBILIDADE DE FREQUÊNCIA À DISTÂNCIA TESTEMUNHOS A Pós-Graduação Qualidade na Saúde permitiu-me adquirir e consolidar conhecimentos nesta área.

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

Avaliação do Desempenho 2009

Avaliação do Desempenho 2009 Relatório Anual Instituto do Desporto de Portugal I.P. Avaliação do 2009 Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do na Administração Pública (SIADAP) Novembro 2010 I Introdução No âmbito da aplicação do

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

Diagnóstico das Necessidades de Formação

Diagnóstico das Necessidades de Formação Diagnóstico das Necessidades de Formação A AciNet Sistemas e Tecnologias de Informação é uma empresa de tecnologias de informação nas actividades de representação e comercialização de equipamentos informáticos,

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA FORMADOR EM CONTABILIDADE, GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Gestão da Qualidade. Identificação e Quantificação de Indicadores de Desempenho nos SGQ. 09-12-2009 11:12 Natacha Pereira & Sibila Costa 1

Gestão da Qualidade. Identificação e Quantificação de Indicadores de Desempenho nos SGQ. 09-12-2009 11:12 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 Gestão da Qualidade Identificação e Quantificação de Indicadores de Desempenho nos SGQ 09-12-2009 11:12 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 Indicador de Desempenho definição Um Indicador de Desempenho é uma

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

Workshop Certificação de Entidades pela DGERT

Workshop Certificação de Entidades pela DGERT www.b-training.pt Workshop Certificação de Entidades pela DGERT 27 de Maio de 2011 ORDEM DE TRABALHOS 10h00 11h15 11h30 12h30 13h Início dos Trabalhos Coffee-Break Reinício dos Trabalhos Perguntas & Respotas

Leia mais

Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos

Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos Plano Tecnológico da Educação Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos 23 de Jun de 2008 O Plano Tecnológico da Educação constitui-se como um poderoso meio

Leia mais

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição.

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 1. OBJETIVOS GERAIS No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Descrever a orgânica das Instituições Sociais;

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social ACORDO PARA A REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social ACORDO PARA A REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL ACORDO PARA A REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL 14 de Março de 2007 Considerando os Parceiros Sociais e o Governo que: 1. A aposta estratégica na qualificação da população portuguesa é opção central para

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO Prefácio A performance dos serviços públicos constitui um tema que interessa a todos os cidadãos em qualquer país. A eficiência, a quantidade e a qualidade dos bens e serviços produzidos pelos organismos

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

Perfil Profissional de Treinador

Perfil Profissional de Treinador Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores Grau4 Perfil Profissional de Treinador Perfil Profissional - GRAU IV A formação de Grau IV consubstancia o topo da hierarquia profissional da actividade de

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional 1024036 - PROFIFORMA, GABINETE DE CONSULTADORIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, LDA Missão É missão do CQEP Profiforma: -

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS N.º 2 do art.º 62.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 224/2008, de 20 de Novembro PREÂMBULO

Leia mais

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt Hotel Alvalade LUANDA 16 a 27 de RH Os Ciclos de RH, consistem em planos de desenvolvimento de competências no domínio da gestão de Recursos Humanos, nomeadamente ao nível das áreas de Selecção, Formação

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

Centro de Formação Parlamentar e Interparlamentar. Relatório de Actividades

Centro de Formação Parlamentar e Interparlamentar. Relatório de Actividades Relatório de Actividades X LEGISLATURA 2005 2009 Centro de Formação Parlamentar e Interparlamentar 1 Relatório da Legislatura Introdução 3 Acções de Formação (Internas/Externas/E Learning) 5 Número de

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO SGS ACADEMY PORQUÊ A SGS ACADEMY? Criada, em 2003, como área de negócio da

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

SICAD - Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências

SICAD - Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências INFORMAÇÃO PARA POPH PROGRAMA OPERACIONAL DO POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA 3.6 QUALIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA SAÚDE PRIORIDADES FORMATIVAS 2013

Leia mais

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste:

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste: Protocolo de Cooperação Relativo ao Desenvolvimento do Centro de Formação do Ministério da Justiça de Timor-Leste entre os Ministérios da Justiça da República Democrática de Timor-Leste e da República

Leia mais

A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública

A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública 4º Congresso Nacional da Administração Pública 2 e 3 Novembro de 2006 José Alberto Brioso Pedro Santos Administração Pública Contexto Perspectiva

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior 1 ÍNDICE 1. A Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Relatório de Avaliação. Curso: Liderança para Chefias Intermédias e Jovens Quadros

Relatório de Avaliação. Curso: Liderança para Chefias Intermédias e Jovens Quadros Relatório de Avaliação Curso: Liderança para Chefias Intermédias e Jovens Quadros Praia, 01 de Novembro de 2010 Índice 1. ENQUADRAMENTO 2. OBJECTIVOS DO DOCUMENTO PARTE I - ENQUADRAMENTO DO CURSO E METODOLOGIA

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

FAQ s METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO / ORGANIZAÇÃO

FAQ s METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO / ORGANIZAÇÃO FAQ s METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO / ORGANIZAÇÃO 1) Quais os objectivos que se pretende atingir com a Sessão de Imersão e o Seminário de Diagnóstico? A Sessão de Imersão tem por objectivo a apresentação

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais