INSTALAÇÃO DAS CULTURAS III

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTALAÇÃO DAS CULTURAS III"

Transcrição

1 AGRICULTURA GERAL I INSTALAÇÃO DAS CULTURAS III Sementeiras, (trans)plantações Textos dedicados a docência exclusivamente para circulação interna dos alunos das licenciaturas da FCUP. Sementeiras e (trans)plantações TÓPICOS Época e Momento de sementeira e plantação Profundidade Densidade e geometria de sementeira e plantação Tipos de sementeira população potencial vs população produtiva 1

2 ÉPOCA DE SEMENTEIRA Primavera-Verão vs Outono Inverno A decisão da época de sementeira é determinado sobretudo por factores ambientais dos quais se destaca: - Exigências térmicas: para a germinação, para o desenvolvimento da cultura, ocorrência de geadas, necessidades de vernalização e temperaturas muito elevadas. - Fotoperiodo: para as espécies/variedades não indiferentes. No clima mediterrâneo existem duas época principais para a realização da sementeira das culturas anuais: 1. Outono-Inverno: para as culturas com desenvolvimento durante o invernoprimavera e colheita em finais da primavera ou principio do verão. - Inclui espécies que podem germinar com temperaturas superiores a 0ºC e têm um zero vegetativo entre 0e5ºC.Estasplantassuportamofrioinvernalsem sofrer danos com eventuais geadas. Exemplo: cereais, gramíneas, muitas proteaginosas, e leguminosas forrageiras e pratenses. Em algumas regiões com invernos muitos rigorosos ou em situações em que não foi possível semear no outono, pode-se esperar e fazer a sementeira no final do inverno (ex. trigos e cevadas de primavera; necessidade de seleccionar variedades pouco exigentes em frio). Esta estratégia também pode ser utilizada para permitir uma melhor aproveitamento de água (ex. grão de bico, lentilha, linho) ÉPOCA DE SEMENTEIRA Primavera-Verão vs Outono Inverno 2. Primavera-Verão: para o desenvolvimento da cultura durante o Verão e colheita no final do verão ou no outono. semeiam-se as espécies pouco tolerantes ao frio e com valores de zero vegetativo mais elevado: Cereais: milho, arroz Leguminosas grão: soja, feijão verde, amendoim Algodão, Tabaco Hortícolas: tomate, pimento, melancia MOMENTO DE SEMENTEIRA A época de sementeira refere-se a um período muito longo dentro do qual é possível realizar a sementeira. O momento de sementeira define uma sementeira precoce e ou tardia dentro da época de sementeira. A decisão do momento de sementeira é feito em função de: condições climática (stress térmico e stress hídrico), água no solo suficiente para o processo de germinação, razões tecnológicas e/ou económicas. Nos slides seguintes apresentamos as razões que auxiliam a tomada de decisão relativamente ao momento da sementeira. 2

3 MOMENTO DE SEMENTEIRA Decisão: precoce vs tardia 1 Estabelecimento da cultura antes dos períodos de Stress: Stress térmico: baixas temp (sementeiras Out*.); elevada temp (Prim*.) Stress hídrico: sementeiras Primaveril falta de água (C.mediterrâneos) SEMENTEIRA OUTONAL: regiões Mediterrâneas Precoce: antes das primeiras chuvas ( Setembro): - > probabilidade de sucesso da instalação sobretudo em solos argilosos - germin. e estabelecimento mais rápidos (>T): i) cultura já estabelecida no Inverno; <riscos geadas, ii) maior produção (Ciclos + longos; + cortes forragens). - capacidade de competição com as infestantes (germinação simultânea) - leguminosas: favorece a inoculação Rhizobium (> temperatura) -temperatura pode ser excessiva para algumas gramíneas (Azevém) Tardia: após as primeiras chuvas - controlo mais eficaz das infestantes ( falsa sementeira ) - menores riscos de seca após a germinação da semente - menor aproveitamento da época de crescimento - solo muito húmido - riscos de erosão 1- refere-se ao momento (tardio/precoce) da sementeira dentro da época (Primaveril ou Outonal) *sementeira outonal (Out) e Primaveril (Prim.) MOMENTO DE SEMENTEIRA Época vs Data de sementeira Em locais com riscos de geadas, escolher da época (momento) e profundidade de sementeira que evite riscos de danos no rizoma devido ao frio. antes do afilhamento após o afilhamento Quebra do Rizoma devido ao frio afilhamento.- Riscos de quebra de rizoma - Morte da planta. - Planta não morre, mesmo que ocorra a quebra do rizoma 3

4 MOMENTO DE SEMENTEIRA Decisão: precoce vs tardia SEMENTEIRA PRIMAVERIL Precoce: situações de solo bem drenado e com aquecimento rápido no inicio de Primavera permite seleccionar ciclos + longos evitar condições meteo desfavoráveis na colheita (sazão, acama); melhor aproveitamento da água (da chuva e/ou do solo) melhor controlo de infestantes mercado (produtos precoces => > preço) Riscos de baixa temperaturas do solo para a germinação Riscos de geadas Tardia: para evitar acidentes climáticos (granizo, geadas ) quando existe dificuldades de trabalhar o solo húmido (solos argilosos e mal drenados) Risco de não completar a maturação ÉPOCA DE PLANTAÇÃO Arbóreo/arbustivas Durante o repouso vegetativo (Outono até inicio da Primavera) Plantações no Outono/Inverno: - Sem riscos de geadas - Após as primeiras chuvas (Set/Out) - Solo com temperatura >10ºC - Frondosas => após a queda da folha Raíz nua Plantações na Primaveras - Se existirem riscos de geadas - Precipitações muito irregulares: Disponibilidade de rega Maior sucesso para a raiz protegida 4

5 ÉPOCA DE PLANTAÇÃO Arbóreo/arbustivas Durante o repouso vegetativo (Outono até inicio da Primavera) Clima mediterrânico Primaveras muito irregulares: Maior sucesso para a raiz protegida Plantações no Outono/Inverno: -Após as primeiras chuvas (Set/Out) -Solo quente (temp >10ºC) Plantação meados de Setembro Enraizamento meados de Novembro Estado do tempo: -Evitar dias muito quentes e com elevada irradiância -Dias nublados, sem temperaturas elevadas, e chuvas intermitentes MOMENTO DE PLANTAÇÃO Arbóreo/arbustivas Após eleger a época adequada só se deve realizar a plantação quando o estado do tempo e solo reúnam condições favoráveis. Solo - Solo friável Estado do tempo: -Dias nublados, sem temperaturas elevadas, e chuvas intermitentes -Evitar dias: muito quentes com elevada irradiância com ventos fortes 5

6 PROFUNDIDADE DE SEMENTEIRA - Aumento da profundidade disponibilidade de água, temperatura e O 2 alargamento do período sementeira emergência. - Diminuição da profundidade Riscos: desidratação; arrastamento; fauna. REGRA A PROFUNDIDADE DE SEMENTEIRA DEPENDE: - Tamanho da semente Sementes pequenas => profundidade. (reservas para expansão do hipocótilo até à superfície) - Condições ambientais (edafo-climáticas) - profundidades Solos de textura pesada Sementeiras outonais: riscos de desidratação; encurtamento do rizoma => resistência às geadas - profundidades Solos de textura ligeira Sementeiras Primavera-Verão tardias PROFUNDIDADE DE SEMENTEIRA/Plantação dimensão Espécies Profundidade (cm) Muito pequenas* Pequenas* Médias Grandes Tubérculos Bolbos Bolbos Bolbos Bolbos Forragens: trevo (branco, morango), agrotis, poas Hortícolas: Aipo, salsa, alface, cebola, cenoura, alho porro Forragens: Trevo violeta, luzerna, azevém, festuca Hortícolas: couves, espinafre, pimento, tomate Forragens: trevo sub., luzerna, azevém,, tremoço. Industriais : bet., linho, gir., alg., colza, cânhamo. Cereais: trigo, cevada, centeio; triticale e arroz Hortícolas: pepino, melão Favas, feijões ervilhas milho, sorgo, grão-de-bico Hortícolas: melancia, abóbora Batata Gladiolos Tulipa Cebola Lilium * rolos geralmente suficientes para o enterramento; fazer rega <1 1 a 3 (<3) (2)3 a 5 (< 8) (3)5 a 8 (<15) 8 a 12 5 a 15 5 a 15 5 a 10 8 a 15 6

7 Sementeiras e (trans)plantações Densidade de sementeira/plantação Geometria de sementeira/plantação População potencial vs população produtiva QUANTIDADE E DISPOSIÇÃO NO TERRENO Dose ou densidade de sementeira/plantação é a quantidade semente/plantas por unidade de área utilizado na instalação da cultura para se obter uma população objectivo em determinada fase do ciclo cultural. O calculo da dose de sementeira deve prever as falhas de material vegetal que possam ocorrer ao longo do ciclo cultural e que para além das características da semente deve ter em consideração as praticas culturais (rega, preparação do solo, infestantes ) e condições edafo-climáticas do local. Nas plantações com maiores espaçamentos (vinhas/pomares) as eventuais falhas de plantas que ocorram devem ser colmatadas através da plantação de uma nova planta, operação que se designa retancha. Compasso ou geometria de sementeira/plantação Disposição espacial das sementes/plantas segundo uma determinada geometria. Esta geometria refere-se à distância entre sementes (ou plantas) situadas na mesma linha (distância na linha) ou em duas linhas contíguas (distância da entre-linha) ou em ambas (sementeiras monogrão ou de precisão ). Nas sementeiras/plantações em linhas apenas se garante a equi-distância entre linhas contíguas. Quando não existe uma rectangularidade de sementeira a sementeira designa-se a lanço. Enquanto que na sementeira/plantação de precisão a dose è estabelecida em nº de sementes(plantas)/ha(ou m2) nas sementeiras em linhas ou a lanço considera-se a k(g)/ha(m2). Dose e geometria de sementeira/plantação O desempenho de uma cultura para além da dose depende do modo como se distribuem as sementes/plantas no terreno (geometria). Estes dois parâmetros devem ser seleccionados de modo a obter uma população de plantas em determinada fase do ciclo cultural (geralmente a colheita) que permita optimizar os objectivos definidos para a cultura (produção, qualidade, custos, estéticos). Estes objectivos podem ser conseguidos pelo melhor aproveitamento dos recursos (luz, água, nutrientes), económico (mecanização) ou estético. Em algumas culturas pode-se ser utilizada uma dose mais elevada numa dada época do ciclo sendo posteriormente submetida a monda ou desbaste. Trata-se de situações especificas sendo a operação da monda uma operação muito cara. 7

8 DENSIDADE DE SEMENTEIRA/PLANTAÇÃO - Densidade x geometria - Povoamento óptimo é função de: Tipo de cultura (altura, plasticidade (afilhamento). Fertilidade do solo Sistema de cultura (factores tecnológicos): Destino da cultura/variedades ex girassol ornamental vs arvense; milho silagem/grão Variedades porte densidade (ex tomate fresco vs conserva) Ciclo cultural (ciclo curto => densidade) Rega vs n/rega Tipo de sementeira (ex. a lanço vs em linha ) Exigências de mecanização POPULAÇÃO PRODUTIVA Intervalos dos valores mais frequentes. Valores diferentes do intervalo podem ocorrer: condições ambientais e de sistema de cultura (Villalobos et al, 2002) Espécie pl.m -2 Algodão 50 a 100 Cartamo 25 a 50 Colza 50 a 180 Girassol 6 a 12 Linho 100 a 400 Beterraba 6 a 9 Cenoura 50 Alface 12 Salsa 20 Coentros 20 Espinafre 35 Nabo 35 Rabanete 300 Espécie pl.m -2 Trigo 150 a 250 Cevada 150 a 230 Centeio 140 a 250 Aveia 130 a 250 Arroz 300 a 500 Milho 7 a 12 Sorgo (forragem) 80 a 140 Sorgo (grão) 10 a 13 Triticale 180 a 220 Leguminosas Luzerna 400 a 500 Tremoço (branco) 30 a 60 Tremoço (amarelo) 130 a 250 Trevos 500 a 900 Vicias 200 a 300 Soja 15 a 60 Feijão (grão) 8 a 25 Grão-de-bico 25 a 45 Favas 15 a 50 Lentilhas 100 a 150 8

9 SEMENTEIRA/PLANTAÇÃO Conceito - Dose de sementeira/plantação: Quantidade de semente por unidade de área Unidades utilizadas Grandes densidades (trigo, trevos) o Sementeira a lanço ou linhas o Dose => kg/ha (Ex. trigo 100 a 200 kg/ha) Pequenas densidades (milho, soja) e arbóreo arbustivas (vinha, pomares) o Sementeira monogrão ou plantação com geometria definida o Dose => nº sementes/ha ou plantas/ha (Ex. milho 70 a 120 x 10 3 sementes/ha; Vinha 2000 a 5000 pl/ha) - População produtiva Nº de plantas que atinge a maturação Previsão das falhas A dose de sementeira deve ser calculada de forma a incluir a previsão das falhas. TIPOS DE SEMENTEIRA/PLANTAÇÕES a lanço em linhas em faixas a golpes 2 monogrão ou precisão Hexágono 9

10 TIPOS DE SEMENTEIRA/PLANTAÇÕES hexágono Também designada horto francês Na sementeira/plantação em hexágono cada planta está rodeada por seis vizinhas equidistantes. Este sementeira é apropriada para plantas com canopia circular em trono do seu eixo, como é o caso da beterraba, Este tipo de geometria é difícil de executar mecanicamente e dificulta os trabalhos posteriores (colheita, controlo de infestantes), sem que se verifiquem acréscimos significativos de produção. Por este motivos, este tipo de sementeira não é muito utilizada, sendo preferível a sementeira em linhas. A sua utilização já pode ser utilizada em plantações com maiores espaçamentos (caso da alface/couves Exemplos sementeiras, - a lanço e em linhas : forragens, pastagens, cereais, tremocilha, relvados - monogrão : milho, sorgo, girassol, ervilha, soja, algodão - a golpes : arroz, semeados em seco - em faixas : cenoura e várias hortícolas. Exemplos (trans)plantações, As plantações de arboreo/arbustivas também seguem uma geometria idêntica às sementeiras. Por exemplo a sementeira de vinhas e pomares aproxima-se do modelo monogrão. No caso de arvores com copa muito larga (ex citrinos) a plantação pode ser do tipo a planta e/ou em alguns casos do tipo hexagonal. No caso de espécies como a framboesa, com grande capacidade de afilhamento a plantação aproxima-se do tipo em linhas. Densidade óptima A Densidade óptima refere a população produtiva que submetida a um dado sistema de cultura permite utilizar de forma eficiente os recursos e fatores disponíveis para atingir determinado objectivo previamente estabelecido. A densidade óptima de uma cultura está influenciada por muitos factores incluindo: - Os níveis dos diferentes recursos e factores disponíveis - Decisões tecnológicas ao nível do sistema de cultura: destino da cultura, duração do ciclo vegetativo, mecanização, tipo de sementeira. Todavia, no caso de culturas instaladas com uma geometria bem definida (pomares, vinhas, milho soja ), a densidade óptima para além do número de plantas por unidade de área depende da geometria da sua disposição sobre o terreno. Neste caso, através da geometria de sementeira é possível atenuar alguns dos inconvenientes atribuídos às elevadas densidades: dificuldade de mecanização e melhor aproveitamento dos recursos como por exemplo a radiação. Exemplos O milho tradicionalmente é semeado em linhas pareadas equidistantes (ex x 14). Todavia podemos recorrer a sementeiras com linhas pareadas para aumentar a densidade de sementeira e, consequentemente também a produção, sem riscos de excessiva competição pela radiação. Os primeiros resultados apontam para um aumento consistente da produção. Necessidade de investigar a operacionalidade, custos e a qualidade. Recurso vs factores: Ambos interferem na ecofisiologia, mas os recursos são consumidos no processo produtivo (ex. água, nutrientes), enquanto que os factores não são consumidos (ex. temperatura, radicação ). 10

11 Densidade óptima A variação da densidade de plantas num cultura determina a ocorrência de numerosos processo de interferência entre as plantas individualmente e que se manifesta em dois níveis: competição intra-especifica (1) e competição por recursos (2). 1. É importante a plasticidade morfológica para ocupar quantidades variáveis de espaço. A ramificação (incluindo o afilhamento das gramíneas), é um elemento básico da plasticidade (ver figura). O risco de mortalidade que cresce com a densidade de plantas actua como um mecanismo regulador de retroalimentação negativa sobre o tamanho da população (autodesbaste) ou dimensão dos individuos (morfologia ex. estiolamento). 2. O ambiente que corresponde a uma planta altera-se em função da densidade através dos seguintes aspectos: 2.1. Intensidade de radiação e qualidade da luz recebida em diferentes níveis da canopia 2.2. Disponibilidade de água 2.3. disponibilidade de nutrientes 2.1. Radiação: Com o aumento da densidade de plantas verifica-se: um aumento da radiação interceptada sendo menor a radiação que chega ao solo para evaporar água. Todavia, a disponibilidade de água e nutrientes para cada individuo diminui, o que pode limitar a sua capacidade de crescimento. A qualidade da luz modifica-se nomeadamente na relação vermelho (V; 670 nm) e do IV próximo (IV; 760 nm). Em média a relação V/IR da radiação solar é de Atendendo a que a radiação V absorvido pelos pigmentos, a luz transmitida ou reflectida pela vegetação em situações de elevada densidade no interior da canópia a relação R/IV pode apresentar valores muito baixos (0, 1 a 0,5). Esta baixa relação R/IV é detectada pelos fitocromos e, em algumas espécies, pode provocar alterações morfológicas, tais como: aumento do crescimento em altura, redução da formação de ramificações laterais caules. Outra importância reside no caso de especies arboreo/arbustivas na menor diferenciação dos gomos que recebem menor quantidade de luz de que resulta numa menor produção. Plasticidade das plantas a) O afilhamento permite-lhes alcançar o mesmo nº de espigas e rendimento final por unidade de supeficie, num amplo intervalo de densidades de plantas. b) Em plantas sem afilhamento (ex. milho) a plasticidade é baixa o intervalo de densidade de população óptima localiza-se num intervalo estreito. 11

12 Densidade óptima Mecanismos genéricos de competição entre as plantas As respostas das culturas à competição originada pela elevada densidade são: - Redução do crescimento expansivo (vigor) e do peso (por planta e/ou fruto). Reduz-se portanto o índice de área foliar por planta e, consequentemente a radiação interceptada por planta. - Redução do número de caules por planta (gramíneas com afilhamento). - Aumento ou diminuição do índice de colheita. Para valores muito baixos de densidade a biomassa produzida (ao nível de uma planta) é elevada. Todavia, pode ser relativamente elevada em comparação com a capacidade biológica da produção de frutos ou sementes, o que implica uma diminuição do IC. Noutros casos (ex. milho) uma densidade muito elevada conduz a uma grande % de plantas estéreis que não produzem sementes. Ex. milho grão em sementeira monogrão e milharada (milho semeado a lanço ). - Redução do número de grãos por planta e/ou peso unitário dos grãos - Alteração da repartição de MS entre órgãos da planta: aumento de MS nos caules e redução nas folhas. Em geral ocorre um aumento da altura (competição pela luz) e uma redução do diâmetro dos caules, que diminui a sua resistência mecânica com riscos de acama. - Aceleração da senescência folear (geralmente as folhas basais) em resposta ao baixo nível de radiação. Esta senescência precoce das folhas, para além dos efeitos na produtividade fotossintética da canópia, são fonte importante de doenças e podem diminuir a qualidade da produção. - Alterações da qualidade do produto colhido e diminuição do tamanho dos produtos colhidos: grão, frutos, tubérculos e bolbos. Pode ser uma desvantagem (ex. frutos secos e frutos fescos) ou vantagem (ex. couve flor para mercados especificos). DENSIDADE OPTIMA Depende: da cultura/recursos disponíveis/ decisões tecnológicas - aproveitamento dos recursos: água, nutrientes, radiação; - Infestantes - heterogeneidade das plantas - Menor produvidade - Microclima desfavorável doenças prd fotossintetica senescência folhas basais - Estiolamento => acama - Excessiva competição elevada irregularidade peso fruto ou planta nº de caulas nas gramineas mortalidade = autodesbate - qualidade da produção? 12

13 Densidade: Decisão tecnologica OLIVAL Semi-intensivo (250 a 300 arv/ha; 3500 a 5000 kg/ha; rega) Intensivo* >2000arv/ha; 8000 a kg/ha; rega Tradicional: <150 arv/ha, <1000 a 1500 kg/ha Colheita mecânica: Vinha/Olival Mário Cunha * Por vezes designado super-intensivo DENSIDADE DE SEMENTEIRA/PLANTAÇÃO - Decisão tecnológica A densidade de plantação da couve flor influencia a dimensão da inflorescência. Assim o produtor pode jogar com a densidade de plantação em função das preferências do consumidor por inflorescêncas grandes (>700 g) ou pequenas <700g). Couve flor plantada com elevada densidade para obtenção de inflorescências pequenas 13

14 DENSIDADE DE SEMENTEIRA Factores principais a considerar*: 1- EDÁFICOS fertilidade => densidades + elevadas regime hídrico => densidade + elevada - regadio: beterraba: 90 a pl.ha -1 ; girassol: pl.ha -1 - sequeiro: beterraba: 40 a pl.ha -1 ; girassol: 15 a pl.ha FACTORES TECNOLÓGICOS ciclo: cultivares de ciclo mais curto => densidade porte: cultivares de porte + baixo => densidade utilização: produção de grão < forragem (milho) * Permitem escolher o melhor valor dentro intervalo de variação do quadro anterior DENSIDADE DE SEMENTEIRA Decisões tecnológicas Duração do ciclo cultural* Relação entre o rendimento e densidade de sementeira de varieades de girassol com diferente duração do ciclo cultural *depende da cultivar 14

15 DENSIDADE DE SEMENTEIRA Níveis de fertilidade Relação entre o rendimento e densidade para distintos níveis de fertilidade N1<N2<N3 DENSIDADE DE SEMENTEIRA População potencial vs População produtiva) Quebras de população*: (Valores indicativos) População potencial (sementes) Valor cultural (VC) => VC (%) = GP x FG População nascida Perdas entre germinação e emergência P1 = 5 a 8% Condições culturais e ambientais Perdas entre emergência e colheita P2 = 5 a 10% População produtiva/ objectivo (plantas); definido previamente Pop prd (plantas/m2))= Pop Potencial x VC x [(1-P1) x (1-P2)] *entre sementeira e colheita 15

16 DENSIDADE DE SEMENTEIRA Densidade de sementeira/população produtiva/geometria de sementeira De forma a maximizar a produção de milho a população produtiva (PP) deve ser de pl.ha -1, considerando as características das sementes calcule: a) Considerando os dados técnicos da semente e sementeira, qual deverá qual deverá ser a densidade de sementeira. - Dados técnicos da semente e sementeira FG = 90%; GP = 99%, P1 = 7%, P2 = 9%. b) Sabendo que a distância entre linhas (EL) é de 65cm, calcule a distância na linha (L) para uma população produtiva de pl ha-1. a) Pop. Potencial (PP) = Pop prd/[(1-p1) x (1-P2) x VC] PP = /[(1-0,07)(1-0,09)x0,89] = sementes. ha -1 b) Distância na linha (L) 1 planta ocupa (Lx EL) m plantas m2 L = 11,6 cm DENSIDADE DE SEMENTEIRA Densidade de sementeira/população produtiva/geometria de sementeira Calcular a semente de trigo necessária para obter uma densidade de 200 plantas/m2 se a percentagem de plantas viáveis que emergem é de 80% e a semente tem uma viabilidade de a) O PMS de trigo pesam entre 33 a 45 g b) Considerando um valor intermédio para o PMS de 39 g c) obtemos a) Pop. Potencial (PP) = Pop prd/[(1-p1) x (1-P2) x VC] PP = /[(1-0,05)(1-0,2)] = sementes. ha -1 Em peso: Qs = (102,63) 103 kg/ha 16

Nabos do Norte CONSOCIAÇÕES ENTRE PLANTAS HORTÍCOLAS

Nabos do Norte CONSOCIAÇÕES ENTRE PLANTAS HORTÍCOLAS Nabos do Norte CONSOCIAÇÕES ENTRE PLANTAS HORTÍCOLAS Consociação favorável entre plantas hortícolas consiste em cultivar dentro do mesmo canteiro diferentes espécies de plantas (culturas) que se complementam

Leia mais

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P.

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P. Instituto Nacional de Investigação Agrária Instituto Nacional de Recursos Biológicos, I.P. SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA Benvindo Maçãs INRB,

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais.

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. PA2 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. Abacaxi 8 7 6 5 4 3 2 1 199 1995 2 25 21 A produção nacional de abacaxi que vinha crescendo até 22 sofreu uma inflexão, voltou a subir

Leia mais

Dados Agronómicos. 0,185kg (grão) 0,03 /kg (palha)

Dados Agronómicos. 0,185kg (grão) 0,03 /kg (palha) Dados Agronómicos Cultura Produtividade Preço de venda Milho grão de regadio 12.000 kg/ha 9 a 12.000kg palha 1/1,7 palha 0,185kg (grão) 0,03 /kg (palha) Custos de Produção Taxa Região 70% 4% Évora Milho

Leia mais

Rotações de Culturas

Rotações de Culturas ESCOLA DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA Rotações de Culturas Texto de apoio para as Unidades Curriculares de Sistemas e Tecnologias Agro- Pecuários, Tecnologia do Solo e das Culturas

Leia mais

Quadro - Colheitas seguráveis e períodos de cobertura seguro horizontal

Quadro - Colheitas seguráveis e períodos de cobertura seguro horizontal Quadro Colheitas seguráveis e períodos de cobertura seguro horizontal ABACATE ABÓBORA AGRIÃO AIPO ALFACE ALFARROBA ALGODÃO Geada e ALHO ALHO FRANCES ALPERCE plena floração ALPISTA emborrachamento AMEIXA

Leia mais

Principais Técnicas da Produção Agrícola

Principais Técnicas da Produção Agrícola 1 Principais Técnicas da Produção Agrícola Disciplina de Produção Agrícola Licenciatura em Engenharia Alimentar Escola Superior de Biotecnologia Universidade Católica Portuguesa Domingos Almeida Formação

Leia mais

CONSELHO DIRETIVO. Seca Linha de Crédito de Apoio à Alimentação Animal e Setor Agrícola Continente

CONSELHO DIRETIVO. Seca Linha de Crédito de Apoio à Alimentação Animal e Setor Agrícola Continente CONSELHO DIRETIVO C ARTA-CIRCULAR CLASSIFICAÇÃO- DATA DE EMISSÃO: 02-10-2012 ENTRADA EM VIGOR: 03-10-2012 Âmbito: Continente O Decreto-Lei n.º 101/2012, de 11 de Maio, criou uma linha de crédito com juros

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

GESTÃO DO SOLO NA VINHA

GESTÃO DO SOLO NA VINHA GESTÃO DO SOLO NA VINHA António José Jordão 2007 Texto elaborado no âmbito do Plano de Acção para a Vitivinicultura da Alta Estremadura INTRODUÇÃO A Agricultura de Conservação em culturas permanentes,

Leia mais

Sementes. Forrageiras. nature SEEDS

Sementes. Forrageiras. nature SEEDS Sementes Forrageiras nature SEEDS GRAMÍNEAS AZEVÉM ANUAL (Lolium multiflorum) Gramíneas Espécie anual ou bianual de excelente qualidade forrageira e palatabilidade. De muito rápida implantação e grande

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

EXTRATÉGIAS DE MANEJO DE FERTILIDADE E ADUBAÇÃO

EXTRATÉGIAS DE MANEJO DE FERTILIDADE E ADUBAÇÃO EXTRATÉGIAS DE MANEJO DE FERTILIDADE E ADUBAÇÃO UNIOESTE MARECHAL CANDIDO RONDON 12 e 13 de Junho de 2015 Eng agr Daniel J. de S. Mol Qual realidade atual do manejo do solo e fertilidade? Qual o objetivo

Leia mais

3 Plantio e Semeadura

3 Plantio e Semeadura 3 Plantio e Semeadura 1 Plantio Éo ato de se colocar mudas ou partes vegetativas no solo para a instalação de determinada cultura. Exemplos: - Cana-de-açúcar; - Mandioca; - Arroz no cultivo com transplantio

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

Culturas arvenses, forrageiras, pratenses, hortícolas, agroindustriais e florícolas

Culturas arvenses, forrageiras, pratenses, hortícolas, agroindustriais e florícolas NORMAS DE COLHEITA DE MATERIAL VEGETAL s arvenses, forrageiras, pratenses, hortícolas, agroindustriais e florícolas Na colheita de material vegetal para análise, tendo em vista o diagnóstico do estado

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO ORIVALDO BRUNINI- JOÃO PAULO DE CARVALHO VANESSA BANCHIERI CIARELLI ANDREW PATRICK C,BRUNINI INSTITUTO AGRONÔMICO

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

C ARTA C IRCULAR N.º 01/2004

C ARTA C IRCULAR N.º 01/2004 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO C ARTA C IRCULAR N.º /2004 DATA DE EMISSÃO: 30-11-2004 : 30-11-2004 Assunto: Âmbito: Linha de Crédito de Curto Prazo - Agricultura, Silvicultura e Pecuária Continente Os agricultores

Leia mais

Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base. Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening

Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base. Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening A presente nota de divulgação tem por objectivo facultar

Leia mais

Sistema de condução da Videira

Sistema de condução da Videira Sistema de condução da Videira Reginaldo T. Souza EMBRAPA UVA E VINHO - EEVT Videiras em árvores Evolução no cultivo da videira Evolução no cultivo da videira Espaldeira Gobelet Latada Lira Mito ou realidade

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

2ºAno Turma B. Maio de Pesquisa elaborada pelos alunos nas aulas de Cidadania, ao longo do 2º período, em colaboração com as suas famílias.

2ºAno Turma B. Maio de Pesquisa elaborada pelos alunos nas aulas de Cidadania, ao longo do 2º período, em colaboração com as suas famílias. SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DAS LAJES DO PICO 2ºAno Turma B Pesquisa elaborada pelos alunos nas aulas de Cidadania, ao longo

Leia mais

Capítulo 12. Sementes e frutos oleaginosos; grãos, sementes e frutos diversos; plantas industriais ou medicinais; palhas e forragens

Capítulo 12. Sementes e frutos oleaginosos; grãos, sementes e frutos diversos; plantas industriais ou medicinais; palhas e forragens Capítulo 12 Sementes e frutos oleaginosos; grãos, sementes e frutos diversos; plantas industriais ou medicinais; palhas e forragens Notas. 1. Consideram-se sementes oleaginosas, na acepção da posição 12.07,

Leia mais

GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL. 20 de novembro de 2015 Santarém

GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL. 20 de novembro de 2015 Santarém GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL 20 de novembro de 2015 Santarém 1 2 ENQUADRAMENTO PRÁTICA EQUIVALENTE À DIVERSIFICAÇÃO DE CULTURAS 3 ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO 4 CONTROLO 2 1 ENQUADRAMENTO O

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

Passo a passo na escolha da cultivar de milho

Passo a passo na escolha da cultivar de milho Passo a passo na escolha da cultivar de milho Beatriz Marti Emygdio Pesquisadora Embrapa Clima Temperado (beatriz.emygdio@cpact.embrapa.br) Diante da ampla gama de cultivares de milho, disponíveis no mercado

Leia mais

AMOSTRAGEM DE TECIDO VEGETAL

AMOSTRAGEM DE TECIDO VEGETAL AMOSTRAGEM DE TECIDO VEGETAL Importância A análise química foliar constitui um procedimento auxiliar, na identificação de deficiências nutricionais ou presença de elementos excessivos com a finalidade

Leia mais

22-11-2015. Regime de certificação ambiental do Greening GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL ENQUADRAMENTO

22-11-2015. Regime de certificação ambiental do Greening GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL ENQUADRAMENTO GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL 0 de novembro de 05 Santarém ENQUADRAMENTO PRÁTICA EQUIVALENTE À DIVERSIFICAÇÃO DE CULTURAS 3 ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO 4 CONTROLO ENQUADRAMENTO O que é o greening?

Leia mais

Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base. Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening

Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base. Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening A presente nota de divulgação tem por objectivo facultar

Leia mais

A Sustentabilidade no Espaço Público Isabel Martinho da Silva e Maria José Curado CIBIO_UP A SUSTENTABILIDADE DO ESPAÇO PÚBLICO

A Sustentabilidade no Espaço Público Isabel Martinho da Silva e Maria José Curado CIBIO_UP A SUSTENTABILIDADE DO ESPAÇO PÚBLICO A Sustentabilidade no Espaço Público Isabel Martinho da Silva e Maria José Curado CIBIO_UP Rede de Parques Metropolitanos da Grande Área Metropolitana do Porto Rede de Parques Metropolitanos da Grande

Leia mais

9 PRÁTICAS CULTURAIS

9 PRÁTICAS CULTURAIS 9 PRÁTICAS CULTURAIS 9.1 PREPARO DO SOLO Preparo do Solo Quando realizado de maneira incorreta, leva rapidamente àdegradação das características do solo, culminando com o declínio paulatino do seu potencial

Leia mais

BLOCO 11. ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Análise de estrutura e de eficiência Análise de actividade PROBLEMAS:

BLOCO 11. ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Análise de estrutura e de eficiência Análise de actividade PROBLEMAS: BLOCO 11 ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Análise de estrutura e de eficiência Análise de actividade PROBLEMAS: PROBLEMA 1 O empresário do Monte da Ribeira pretende realizar uma

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Substituir este slide pelo slide de título escolhido

Substituir este slide pelo slide de título escolhido Substituir este slide pelo slide de título escolhido AS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E A AGRICULTURA PORTUGUESA Ana Paiva Brandão Coimbra, 7 de Abril de 2011 1 ÍNDICE 1. Alterações climáticas 2. Alterações climáticas

Leia mais

GUIA DE BOLSO Outono combina Com SOPA!

GUIA DE BOLSO Outono combina Com SOPA! GUIA DE BOLSO Outono combina Com SOPA! Sumário Introdução Composição da sopa Benefícios da sopa Que quantidade de sopa devo comer por dia? Sopa no início ou depois do prato principal? Receitas de sopas

Leia mais

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES:

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES: BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES: Aumenta a capacidade de retenção de água; Melhora a permeabilidade e o arejamento de solos pesados, minorando a sua tendência para a compactação;

Leia mais

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Projecto de hortas

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Projecto de hortas Projeto 10.000 Hortas na á frica Projecto de hortas w w w. s l o w f o o d f o u n d a t i o n. c o m As hortas são um sistema em contínua evolução que responde às solicitações: do ambiente externo, das

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ Carteira de Agronegócios Projetos Propostos Teresina, PI novembro 2013 SUMÁRIO Características atuais dos principais setores de agronegócio piauiense

Leia mais

Seguros Agrícolas O Sistema Português

Seguros Agrícolas O Sistema Português Seguros Agrícolas O Sistema Português Por Pedro Santos Toda a actividade agrícola está sujeita a variadíssimos riscos, sendo os provocados pelas condições meteorológicas os mais imprevisíveis e menos controláveis.

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários VI Congresso Brasileiro de Algodão Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários Segmentação do Mercado Segurador Brasileiro Danos SEGUROS Pessoas PREVI- DÊNCIA CAPITA- LIZAÇÃO

Leia mais

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015)

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Gráfico 1 Evolução da produção de grãos (Em milhões de toneladas) A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas cresceu, em

Leia mais

JARDIM DE INFÂNCIA JOSÉ MARTINS CENTRO DE TEMPO LIVRES HORTINHA PEDAGÓGICA

JARDIM DE INFÂNCIA JOSÉ MARTINS CENTRO DE TEMPO LIVRES HORTINHA PEDAGÓGICA JARDIM DE INFÂNCIA JOSÉ MARTINS CENTRO DE TEMPO LIVRES HORTINHA PEDAGÓGICA Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica nº 1 e Jardim de Infância de Linda-a-Velha Morada: Rua de Gôa,

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa Florestal para Fins Energéticos (o início de um novo ciclo para a floresta portuguesa) Potencial das Culturas Energéticas

Aproveitamento da Biomassa Florestal para Fins Energéticos (o início de um novo ciclo para a floresta portuguesa) Potencial das Culturas Energéticas Aproveitamento da Biomassa Florestal para Fins Energéticos (o início de um novo ciclo para a floresta portuguesa) Potencial das Culturas Energéticas Feira Nacional de Agricultura, Auditório CNEMA Santarém

Leia mais

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância de conservar o solo e sua influência sobre as plantas As formas e métodos de conservação do terreno Como combater

Leia mais

Boas perspetivas em quantidade e qualidade para a campanha vinícola Produção de cereais de Outono/Inverno aquém das expectativas

Boas perspetivas em quantidade e qualidade para a campanha vinícola Produção de cereais de Outono/Inverno aquém das expectativas PREVISÕES AGRÍCOLAS 31 de julho 2015 19 de agosto de 2015 Boas perspetivas em quantidade e qualidade para a campanha vinícola Produção de cereais de Outono/Inverno aquém das expectativas As previsões agrícolas,

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

KWS Inovação e Selecção. Catálogo 2014

KWS Inovação e Selecção. Catálogo 2014 KWS Inovação e Selecção Catálogo 2014 KWS, 158 anos dedicados em exclusivo à selecçâo, multiplicação e comercialização de semente Sabia que em 2013 foi de novo lider europeu de vendas de sementes para

Leia mais

Culturas alternativas e plantas para fins energéticos. Manuel Patanita Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Beja

Culturas alternativas e plantas para fins energéticos. Manuel Patanita Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Beja Culturas alternativas e plantas para fins energéticos Manuel Patanita Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Beja SUMÁRIO Energias renováveis Energia da biomassa Culturas energéticas Bioetanol

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Bloco B: ESPAÇOS VERDES E SUSTENTABILIDADE. 1.3 Uso eficiente da água nos espaços verdes

Bloco B: ESPAÇOS VERDES E SUSTENTABILIDADE. 1.3 Uso eficiente da água nos espaços verdes Bloco B: ESPAÇOS VERDES E SUSTENTABILIDADE 1.1 A água no solo; 1.2 Monitorização da água no solo; 1.3 Uso eficiente da água nos espaços verdes Maria Isabel Valín Sanjiao Ponte de Lima 16 Maio- 2012 isabelvalin@esa.ipvc.pt

Leia mais

Foto: Salada de Espinafre Popeye com Frango Grelhado e Manga.

Foto: Salada de Espinafre Popeye com Frango Grelhado e Manga. Foto: Salada de Espinafre Popeye com Frango Grelhado e Manga. 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 Plantio e Consumo de Sementes As informações abaixo são indicativos gerais

Leia mais

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas UC História e Geografia de Portugal II Geografia de Portugal 3. O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas IPS-ESE ME12C André Silva O Clima Português: Elementos

Leia mais

Plantas a cultivar. Pragas e doenças

Plantas a cultivar. Pragas e doenças a a Abóbora Afídios, cochonilhas Chicória, feijão verde Alface -Junho Pulgão, lagarta, tesourinha Alho francês Maio septoriose, cercosporiose Sclerotinia, míldio, vírus do mosaico. Aipo, cebola, cenoura,

Leia mais

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA?

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? A UNIÃO DOS ELEMENTOS NATURAIS https://www.youtube.com/watch?v=hhrd22fwezs&list=plc294ebed8a38c9f4&index=5 Os seres humanos chamam de natureza: O Solo que é o conjunto

Leia mais

Itinerário Técnico dos Cereais de Outono- Inverno

Itinerário Técnico dos Cereais de Outono- Inverno ESCOLA DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA Itinerário Técnico dos Cereais de Outono- Inverno Texto de apoio para as Unidades Curriculares de Sistemas e Tecnologias Agropecuários, Tecnologia

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

É de pequenino que se cultiva o pepino. Como uma escola em Byron Bay, na Australia, fez uma horta e porquê.

É de pequenino que se cultiva o pepino. Como uma escola em Byron Bay, na Australia, fez uma horta e porquê. É de pequenino que se cultiva o pepino Como uma escola em Byron Bay, na Australia, fez uma horta e porquê. Porquê hortas nas escolas? As hortas ligam as crianças aos recursos alimentares As crianças tomam

Leia mais

Fibras e seus Benefícios! Tipos de Farinhas! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664

Fibras e seus Benefícios! Tipos de Farinhas! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664 Fibras e seus Benefícios! & Tipos de Farinhas! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664 * Fibras: Definição: Fibras referem a parte dos vegetais (frutas, verduras, legumes,

Leia mais

CULTURAS ARVENSES ARVENSES REGIME DE APOIO AOS PRODUTORES DE CULTURAS

CULTURAS ARVENSES ARVENSES REGIME DE APOIO AOS PRODUTORES DE CULTURAS CULTURAS ARVENSES REGIME DE APOIO AOS PRODUTORES DE CULTURAS ARVENSES 1º DISPOSIÇÕES GERAIS I - BENEFICIÁRIOS 1 - Podem beneficiar do Regime de Apoio aos Produtores de Culturas Arvenses, doravante designado

Leia mais

Guia prático. para os agricultores

Guia prático. para os agricultores Guia prático para os agricultores Introdução Os insectos polinizadores são uma componente essencial para a polinização de muitas culturas. Ao longo dos anos, no entanto, o número de alguns insectos polinizadores

Leia mais

Sementes em Modo de Produção Biológico Legislação em Vigor

Sementes em Modo de Produção Biológico Legislação em Vigor Sementes em Modo de Produção Biológico Legislação em Vigor Porto, 29 de novembro de 2014 Divisão de Variedades e Sementes PRINCÍPIOS BASE DO COMÉRCIO DE SEMENTE Inscrição de variedades Certificação de

Leia mais

Cronograma de Manutenção Mensal

Cronograma de Manutenção Mensal Cronograma de Manutenção Mensal Meses Janeiro Quem em Janeiro lavrar, tem sete pães para o jantar. Fevereiro Em Fevereiro, chuva; em Agosto, uva. Março Páscoa em Março, ou fome ou mortaço. Abril É próprio

Leia mais

OS FRUTOS E OS VEGETAIS

OS FRUTOS E OS VEGETAIS OS FRUTOS E OS VEGETAIS Os frutos e os vegetais representam uma parte fundamental da alimentação saudável! De um modo geral, podemos dizer que estes alimentos são fornecedores indispensáveis de minerais

Leia mais

ANEXO C CAPITAÇÃO DOS ALIMENTOS TABELA 1 FRUTOS (diversas utilizações) PRODUTOS CAPITAÇÕES OBSERVAÇÕES

ANEXO C CAPITAÇÃO DOS ALIMENTOS TABELA 1 FRUTOS (diversas utilizações) PRODUTOS CAPITAÇÕES OBSERVAÇÕES ANEXO C CAPITAÇÃO DOS ALIMENTOS TABELA 1 FRUTOS (diversas utilizações) ALPERCE 150 gr Calibre mínimo 30 mm AMEIXA 150 gr Calibre mínimo 30 mm BANANA 150 gr 1 unidade CEREJA 150 gr Calibre mínimo 17 mm

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa O QUE SÃO AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS (BPA)? Os consumidores estão cada vez

Leia mais

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro.

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. Maíra Leão da Silveira Bolsista de Iniciação Científica, Geografia, UFRJ Francisco Mariano da Rocha

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira SEGURO RURAL BRASILEIRO Elaine Cristina dos Santos Ferreira MODALIDADES OFERTADAS DE SEGURO RURAL Agrícola Pecuário Florestas Aqüícola Penhor rural Benfeitorias e produtos agropecuários CPR Vida do Produtor

Leia mais

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS Teor de Umidade dos Grãos TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS O teor de umidade dos grãos representa a quantidade de água por unidade de massa do grão úmido ou seco. Pode ser expresso pela relação entre a quantidade

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

Ficha de Divulgação n.º 15 /2013. ENSAIO DE PRODUÇÃO DE Sterlitzia reginae PARA FLOR DE CORTE AO AR LIVRE NO ALGARVE

Ficha de Divulgação n.º 15 /2013. ENSAIO DE PRODUÇÃO DE Sterlitzia reginae PARA FLOR DE CORTE AO AR LIVRE NO ALGARVE Ficha de Divulgação n.º /0 ENSAIO DE PRODUÇÃO DE Sterlitzia reginae PARA FLOR DE CORTE AO AR LIVRE NO ALGARVE Divisão de Sanidade Isabel Monteiro Estrelícia ou Ave do paraíso Sterlitzia reginae A Sterlitzia

Leia mais

DOSSIER INFORMATIVO. Descodificar o conceito dos antioxidantes

DOSSIER INFORMATIVO. Descodificar o conceito dos antioxidantes DOSSIER INFORMATIVO Descodificar o conceito dos antioxidantes 1 QUADRO RESUMO aos antioxidantes ajudam o organismo a combater os efeitos nefastos dos radicais livres; aos radicais livres são elementos

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2009/10

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2009/10 1 ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2009/10 OLERICULTURA Economista Marcelo Garrido Moreira Outubro de

Leia mais

No Brasil, as frutas e

No Brasil, as frutas e FRUTAS E HORTALIÇAS: FONTE DE PRAZER E SAÚDE No Brasil, as frutas e hortaliças frescas são produzidas, em diferentes épocas do ano, por milhares de pequenos produtores, distribuídos por todo o país. A

Leia mais

Trabalho realizado pelos alunos do 3.º ano de escolaridade. Ilustrações - As aves e os peixes do Sapal de Corroios

Trabalho realizado pelos alunos do 3.º ano de escolaridade. Ilustrações - As aves e os peixes do Sapal de Corroios Trabalho realizado pelos alunos do 3.º ano de escolaridade Ilustrações - As aves e os peixes do Sapal de Corroios Coordenadora Professora Fernanda Franco (Pintura sobre azulejo sobre as tradições de Corroios

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 Sérgio Delmar dos Anjos e Silva 1, Rogério Ferreira Aires 2, João Guilherme Casagrande Junior 3, Claudia Fernanda Lemons e Silva 4 1 Embrapa

Leia mais

Índices Teleconectivos

Índices Teleconectivos Índices Teleconectivos NAO North Atlantic Oscillation ENSO El Niño Southern Oscillation Dinâmica do Clima Ana Picado 338 Carina Lopes 868 Introdução: Dinâmica do Clima A circulação atmosférica é bem conhecida

Leia mais

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES.

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES. PARA SABERMOS COMO A ALIMENTAÇÃO DEVE SER EQUILIBRADA, PRECISAMOS CONHECER A PIRÂMIDE ALIMENTAR, QUE É A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS ALIMENTOS E SUAS QUANTIDADES QUE DEVEM ESTAR PRESENTES EM NOSSA DIETA

Leia mais

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Henrique Antunes de Souza Fernando Lisboa Guedes Equipe: Roberto Cláudio Fernandes Franco Pompeu Leandro Oliveira Silva Rafael Gonçalves Tonucci

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

Almanaque Serra da Estrela

Almanaque Serra da Estrela Almanaque Serra da Estrela ESCOLA EVARISTO NOGUEIRA 5º ano turma B maio 2014 PÁGINA 1 Janeiro / January Não há luar como o de janeiro nem amor como o primeiro. Domingo Sunday Segunda Monday Terça Tuesday

Leia mais

Integração Lavoura-Pecuária-ILP

Integração Lavoura-Pecuária-ILP Integração Lavoura-Pecuária-ILP Evolução da Produção e da Área Plantada de Grãos - Brasil 144,1 149,0 131,8 135,1 123,2 119,1 114,7 122,5 PRODUÇÃO (milhões de t) +157,3% = 4,8% aa 100,3 96,8 68,4 68,3

Leia mais

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL?

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? O Ministério da Saúde está lançando a versão de bolso do Guia Alimentar para a População Brasileira, em formato de Dez Passos para uma Alimentação Saudável, com o objetivo

Leia mais

SOLUÇÕES FINANCEIRAS FRENTE AO ESTADO DE EMERGÊNCIA CLIMA 2013/2014

SOLUÇÕES FINANCEIRAS FRENTE AO ESTADO DE EMERGÊNCIA CLIMA 2013/2014 SOLUÇÕES FINANCEIRAS FRENTE AO ESTADO DE EMERGÊNCIA CLIMA 2013/2014 Cenário 2013 - Definições - 2013 foi um ano de neutralidade climática, não tivemos a presença dos fenômenos La Niña e El Niño; (Em anos

Leia mais

PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro*

PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro* PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro* *não dispensa aconselhamento técnico 1 Avaliação da aptidão do solo, água e clima Fertilidade do

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA AS ONDAS DE CALOR 2008 RECOMENDAÇÕES SOBRE VESTUÁRIO APROPRIADO EM PERÍODOS DE TEMPERATURAS ELEVADAS Nº: 21/DA DATA: 07/08/08 Para: Contacto na DGS: Todos os Estabelecimentos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Colóquio Fileira da Pêra Rocha, Alcobaça, 12 fevereiro 2014

INTRODUÇÃO. Colóquio Fileira da Pêra Rocha, Alcobaça, 12 fevereiro 2014 A PODA NA PEREIRA ROCHA Rui Maia de Sousa INIAV, I.P. Pólo de Atividades de Alcobaça Colóquio Fileira da Pêra Rocha Alcobaça, 12 de fevereiro de 2014 INTRODUÇÃO Na Fruticultura atual é fundamental que

Leia mais

29.11.2005 Jornal Oficial da União Europeia L 312/3

29.11.2005 Jornal Oficial da União Europeia L 312/3 29.11.2005 Jornal Oficial da União Europeia L 312/3 REGULAMENTO (CE) N. o 1947/2005 DO CONSELHO de 23 de Novembro de 2005 que estabelece a organização comum de mercado no sector das sementes e que revoga

Leia mais

Cadeia da Olericultura

Cadeia da Olericultura Cadeia da Olericultura Olericultura A olericultura é a área da horticultura que abrange a exploração de hortaliças e que engloba culturas folhosas, raízes, bulbos, tubérculos, frutos diversos e partes

Leia mais

A HORTA: PORQUÊ, ONDE, COMO, QUANDO

A HORTA: PORQUÊ, ONDE, COMO, QUANDO INTRODUÇÃO Não existe no nosso país uma cultura do cultivo da horta porque a produção de verduras foi sempre tradicionalmente considerada um apêndice da actividade agrícola. No entanto, com os anos, a

Leia mais

I CRITÉRIOS DE APLICAÇÃO DOS BLOCOS FORMATIVOS CAPITALIZÁVEIS

I CRITÉRIOS DE APLICAÇÃO DOS BLOCOS FORMATIVOS CAPITALIZÁVEIS INTRODUÇÃO A regulamentação da Intervenção Medidas Agro-ambientais introduziu a obrigatoriedade de os seus beneficiários obterem formação específica, designadamente sobre Protecção e Produção Integrada,

Leia mais

A SAÚDE DO CABELO E DAS UNHAS O CABELO

A SAÚDE DO CABELO E DAS UNHAS O CABELO A SAÚDE DO CABELO E DAS UNHAS O CABELO Os cabelos crescem numa parte específica da epiderme, denominada couro cabeludo. Não são apenas um acessório estético; funcionam como um isolante térmico, protegem

Leia mais