Animais Peçonhentos. Priscyla C. Antunes Lauro Monteiro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Animais Peçonhentos. Priscyla C. Antunes Lauro Monteiro"

Transcrição

1 Animais Peçonhentos Ofídios Priscyla C. Antunes Lauro Monteiro

2 Ofídios Os ofídios correspondem às serpentes (ou cobras), peçonhentas ou não. Entre as características do grupo estão: a presença de escamas; a fenda cloacal em posição transversal e a grande mobilidade da mandíbula, com uma dupla articulação que lhes permitem uma ampla abertura bucal no plano vertical. Nas serpentes, as metades (direita e esquerda) da mandíbula são livres, independentes e não soldadas medianamente, como nos demais vertebrados. Isso proporciona uma boa abertura bucal também no plano lateral, facilitando a deglutição das grandes presas.

3 Ofídios São consideradas serpentes de importância médica aquelas consideradas potencialmente capazes de produzir envenenamentos que necessitem de uma intervenção médica, podendo em alguns casos levar o ser humano a óbito. No Brasil essas serpentes estão representadas pelas jararacas do gêneros Bothrops, as cascavéis do gênero Crotalus, as surucucus do gênero Lachesis (Viperidae), corais-verdadeiras do gênero Micrurus (Elapidae) e pelas espécies de cobra-verde Philodryas olfersii, P. viridissimus, correcampo P. patagoniensis.

4 Animais Peçonhentos x Animais Venenosos São aqueles que possuem glândulas de veneno que se comunicam com dentes ocos, ferrões ou agulhões, comoqualovenenonassuasvítimas. São aqueles que produzem veneno, mas não possuem um aparelho inoculador, provocando envenenamento passivo por contato(lonomia ou taturama), por compressão(sapo) ou por ingestão(peixe baiacu).

5 Características de Serpentes Peçonhentas Fig. 1. A fosseta loreal tem função sensorial que permite às serpentes perceberem as diferenças de temperatura no ambiente e a presença de outros animais. Fig. 2. Dentição solenóglifa - dente modificado presente na região anterior da boca. Cabeça triangular

6 Características de Serpentes Peçonhentas Região dorsal da cabeça coberta por pequenas escamas

7 Características de Serpentes Peçonhentas Escamas em formato de casca de arroz

8 Diferença serpente peçonhenta e não peçonhenta

9 Gênero Bothrops Espécies com mais elevados índices de ocorrências. Encontradas em áreas mais limitadas, como as áreas de mata, ambientes úmidos, áreas cultivadas.

10 Gênero Bothrops Bothrops alternatus (Urutu cruzeiro) Bothrops jararaca (Jararaca)

11 Gênero Bothrops Bothrops jararacussu(jararacuçu) Bothrops moojeni(caissaca)

12 Gênero Bothrops Bothrops neuwiedi(jararaca do rabo branco)

13 Acidente Botrópico O veneno botrópico apresenta atividades proteolíticas, coagulante e hemorrágica. Sua composição pode variar em função da idade do animal, distribuição geográfica e aspectos de caráter individual. Em caso de acidentes, o soro específico a ser utilizado é o antibotrópico, o qual deverá ser aplicado por via intravenosa, em ambiente.

14 Acidente Botrópico

15 Gênero Micrurus Popularmente conhecida por coral, coral verdadeira ou boicorá. Apresentam anéis vermelhos, pretos e brancos em qualquer tipo de combinação. Estes animais têm hábitos subterrâneos ou semi-subterrâneos, podendo se esconder em troncos de árvores e montes de lenhas. Elas representam uma exceção, pois não possuem fosseta loreal e possuem a dentição proteróglifa.

16 Gênero Micrurus Micrurus corallinus Micrurus frontalis

17 Acidentes Elapídicos Acidentes elapídicos envolvem as corais verdadeiras. Os venenos possuem alta toxicidade e têm efeitos neurotóxicos e miotóxicos. As manifestações clínicas caracterizam-se por ptose palpebral bilateral, diplopia, anisocoria, mialgia, sialorréia, dispnéia e paralisia respiratória. O óbito é causado por insuficiência respiratória aguda (IRA). O soro específico a ser utilizado é o antielapídico, o qual deverá ser aplicado por via intravenosa, em ambiente hospitalar.

18 Gênero Lachesis Deste gênero, a serpente de maior importância é a surucucu pico-de-jaca é a maior serpente peçonhenta da América Latina, chegando a alcançar 4 metros de comprimento total. No Brasil, ocorre na região Amazônica e em áreas de Mata Atlântica. Esta serpente apresenta como características a fosseta loreal e a ponta da cauda com escamas em forma de"espinhos".

19 Gênero Lachesis (Lachesis muta Surucucu pico-de-jaca )

20 Acidente Laquético O veneno laquético apresenta atividades fisiopatológicas semelhantes às do veneno botrópico, ou seja, atividade coagulante, hemorrágica e inflamatória aguda. Os Sintomas são: dor, edema e equimose na região da picada, com possível surgimento de vesículas e bolhas de conteúdo seroso ou seroso hemorrágico e hemorragia. Outros sintomas sistêmicos: instalação precoce de hipotensão arterial grave, sudorese e vômitos, cólicas abdominais, diarréia e bradicardia. A intensificação destas alterações pode levar a choque, bradicardia grave e óbito.

21 Acidente Laquético O soro específico a ser utilizado é o antilaquético, o qual deverá ser aplicado por via intravenosa, em ambiente hospitalar. No caso de não haver a disponibilidade do soro específico, o soro antibotrópico-laquético poderá ser utilizado no tratamento.

22 GêneroCrotalus Conhecidas por cascavéis, são encontradas em áreas abertas e secas, mesmo em áreas agriculturáveis de grande parte do Brasil, excluindo-se áreas de vegetação mais densa. Tem presença de chocalho ou gizo na extremidade dacauda,eacoloraçãogeraléolivácea.

23 GêneroCrotalus Crotalus durissus(cascavel)

24 Acidente Crotálico Os acidentes crotálicos são causados por cascavéis. Os sintomas e sinais apresentados pelos pacientes picados são consequência das atividades neurotóxica, miotóxica e coagulante do veneno. O soro específico utilizado no tratamento da picada de cascavel é o anticrotálico, o qual deverá ser aplicado por via intravenosa, em ambiente hospitalar.

25 Acidente Crotálico

26 Gênero Philodryas Serpente que, apesar de pertencer à família de não-peçonhentas, pode causar acidentes sérios. Sua dentição é opistóglifa, ou seja, possui um dente inoculador de veneno situado no fundo da boca, na porção posterior do maxilar superior. Ela possui uma saliva tóxica, por isso deve-se tomar cuidado com possíveis acidentes. Pode alcançar até 1,40m e costuma se alimentar de pequenos mamíferos, aves, lagartos e anfíbios. Cerca de 20 a 40% dos acidentes com serpentes no Brasil são causados pela família Colubrídeas. Pois, por não serem consideradas peçonhentas, não existe um maior cuidado.

27 Gênero Philodryas Casos mais graves por Colubrídeos (especialmente os opistóglifos) estão relacionados com contato continuado (mordedura prolongada por mais de 30 seg) ou repetido(várias mordeduras). Pode ocorrer edema local importante, equimose edor.

28 Gênero Philodryas Philodryas olfersii(cobra Cipó) Philodryas patagoniensis

29 Acidente com Colubrídeos Como não há soro específico, o tratamento da intoxicação por colubrídeos tem de ser feito pelos sintomas, que variam bastante dependendo da serpente e da sensibilidade da vítima. Hoje já se sabe que as cobras como a cipó não picam, mordem. Os sintomas mais comuns causados pelas serpentes consideradas não venenosas são: sensação de queimação (em 30,67% dos casos); dor local (28,09%); hemorragia local (13,40%); coceira (10,5%); e eritema (8,25%) - tudo isso seguido de desconfortos, dormência e suadouros.

30 Prevenção Usar EPI - equipamentos de proteção individual - (botas de cano alto, botinas, sapatos, luvas de couro) são muito úteis para evitar acidentes do gênero, principalmente àqueles relacionados às serpentes. Sempre que for remexer em buracos, folhas secas, vãos de pedras, ocos de troncos ou caminhar pelos campos, use um pedaço de pau ou graveto. Eles ajudam a evitar acidentes.

31 Primeiros Socorros Manter o acidentado em repouso, com o membro mordido elevado. Fazer uma boa limpeza local (água e sabão) e aplicar compressas frias ou gelo. Levar o acidentado mais rapidamente possível para uma emergência. Retire anéis, pulseiras ou qualquer outro objeto que possa impedir a circulação do sangue. Se for possível, capturar o animal que causou o acidente, levando-o juntocomapessoaacidentada.mascuidadoparanãocorrerriscoe se acidentar também.

32 O que NÃO fazer Evitar que o acidentado beba querosene, álcool ou outras bebidas que, além de não neutralizarem a ação do veneno, podem causar intoxicação. Não coloque folhas, querosene, pó de café, terra, fezes e outras substâncias no local da picada, pois elas não impedem que o veneno vá para o sangue. Ao contrário, podem provocar uma infecção, assim como os cortes.

33 O que NÃO fazer Torniquete diminuição da perfusão, concentração do veneno na região distal ao torniquete, maior destruição tecidual. Sucção contaminação do local da picada, intensificação de efeitos isquêmicos. Incisão aumenta via de acesso de microrganismos e sangramento local.

34 Polos de Atendimentos em acidentes por animais peçonhentos no Rio: RIO DE JANEIRO: Hosp. Mun. Lourenço Jorge Av. Airton Sena, 200 Barra Tel: (21) e Hosp. Est. Pedro II Rua do Prado, s/n Santa Cruz Tel: (21) e Inst. Estadual de Infectologia São Sebastião R. Carlos Seidl, 395 Caju Tel: (21) , , e Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas (Ipec) Fiocruz -Av. Brasil, Manguinhos, Rio de Janeiro RJ Tel:(21) NITERÓI Hosp. Univ. Antônio Pedro R. Marquês do Paraná, 303 Centro Tel: (21) e PETRÓPOLIS Hosp. Mun. de Petrópolis Rua Paulino Afonso, 455 Binguen Tel: (24) NOVA FRIBURGO Hosp. Dr. Raul Sertã Rua General Ozório, 324 Centro Tel: (24) TERESÓPOLIS Hosp. de Clínicas Av. Delfim Moreira, 2212 Tel: (21) ITATIAIA Hosp. Mun. Manoel Martins de Barros Av. Dois Jardim Itatiaia Tel: (24)

35 Referências Bibliográficas Marisa M. T. da Rocha; Maria de F. D. Furtado. Análise das atividades biológicas dos venenos de Philodryas olfersii (Lichtenstein) e P. patagoniensis (Girard) (Serpentes, Colubridae). Revista Brasileira de Zoologia, v.24, n.2, Curitiba, jun Disponível em: < >. Acesso em 23 nov HASSE, Geraldo. Cuidado com o Cipó! Revista Globo Rural, Disponível em: < >Acesso em 23 nov Saúde, Secretaria do Governo do Estado do Paraná. Disponível em: < em 23 nov Segurança e Saúde no Trabalho Rural, Disponível em: < em 23 nov Fundação Ezequiel Dias. Cartilha Animais Peçonhentos, Belo Horizonte, março Disponível em: < Acesso em: 29 de Janeiro de 2017.

36 Referências Bibliográficas Serviço Social da Indústria(SESI). Curso Animais Peçonhentos, março Disponível em: Acesso em: 29 de Janeiro de 2017

Ofidismo: estatísticas nacionais e estaduais

Ofidismo: estatísticas nacionais e estaduais OFIDISMO Ofidismo: estatísticas nacionais e estaduais NE 13,62 CO 15,61 N 12,45 Frequência relativa (%) S 17,7 Acidentes ofídicos por região do país SE 39,88 Diagnóstico n acidentes % Bothrops 59.619 73,1

Leia mais

ANIMAIS PEÇONHENTOS DEFINIÇÃO Prof. Fabio Azevedo São acidentes provocados por picadas ou mordeduras de animais que possuem glândulas secretoras e aparelhos inoculadores de veneno, como dentes ocos e ferrões.

Leia mais

Programa de Formação Complementar: Fundamentos de Toxicologia para a Prática Clínica ANIMAIS PEÇONHENTOS

Programa de Formação Complementar: Fundamentos de Toxicologia para a Prática Clínica ANIMAIS PEÇONHENTOS Programa de Formação Complementar: Fundamentos de Toxicologia para a Prática Clínica ANIMAIS PEÇONHENTOS Ana Gabriela da Silva Bonacini Farmacêutica e Residente em Análises Clínicas Londrina- 2016 OFIDISMO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS SÃO GABRIEL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS SÃO GABRIEL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS SÃO GABRIEL PROJETO O Ensino de Animais Peçonhentos e Venenosos Coordenadores Analía Del Valle Garnero e Ronaldo Erichsen Supervisora: Berenice Bueno Bolsista ID: Lucas

Leia mais

COBRAS PEÇONHENTAS E NÃO PEÇONHENTAS Prof. Evandro Marques

COBRAS PEÇONHENTAS E NÃO PEÇONHENTAS Prof. Evandro Marques COBRAS PEÇONHENTAS E NÃO PEÇONHENTAS Prof. Evandro Marques Classificar as cobras como venenosas ou não venenosas é um equívoco, já que todas apresentam veneno, sendo este sua saliva capaz de degradar a

Leia mais

CASCAVEL COBRA-DA-MORTE VÍBORA NAJA SERPENTE-TIGRE MAMBA-PRETA TAIPAN COBRA MARROM

CASCAVEL COBRA-DA-MORTE VÍBORA NAJA SERPENTE-TIGRE MAMBA-PRETA TAIPAN COBRA MARROM CASCAVEL COBRA-DA-MORTE VÍBORA NAJA SERPENTE-TIGRE MAMBA-PRETA TAIPAN COBRA MARROM A cascavel é uma serpente da América facilmente identificável pelo chocalho na ponta de sua cauda. Surpreendentemente,

Leia mais

ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS

ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS 1 ACIDENTES POR LEPDÓPTEROS Envenenamento causado pela penetração de cerdas de lagartas (larvas de lepidópteros) na pele, ocorrendo assim a inoculação de toxinas. ACIDENTES

Leia mais

ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS

ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS Prof. Mariana Lima Arruda ACIDENTES POR LEPDÓPTEROS Envenenamento causado pela penetração de cerdas de lagartas (larvas de lepidópteros) na pele, ocorrendo assim a inoculação

Leia mais

Bula com informações ao Profissional de Saúde soro antibotrópico (pentavalente) e anticrotálico

Bula com informações ao Profissional de Saúde soro antibotrópico (pentavalente) e anticrotálico soro antibotrópico (pentavalente) e anticrotálico solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO soro antibotrópico (pentavalente) e anticrotálico APRESENTAÇÃO O soro antibotrópico (pentavalente) e anticrotálico,

Leia mais

NR 31. Animais Peçonhentos. Prof. Ariston Alves Afonso. Eng. Agrônomo; Eng. de Segurança do Trabalho

NR 31. Animais Peçonhentos. Prof. Ariston Alves Afonso. Eng. Agrônomo; Eng. de Segurança do Trabalho NR 31 Animais Peçonhentos Prof. Ariston Alves Afonso Eng. Agrônomo; Eng. de Segurança do Trabalho Veneno = Toxina consiste em qualquer tipo de substância tóxica, seja ela sólida, líquida ou gasosa, que

Leia mais

Aula de OFIDISMO Enfermagem em Urgência e Emergência

Aula de OFIDISMO Enfermagem em Urgência e Emergência Aula de OFIDISMO Enfermagem em Urgência e Emergência Docente Márcio Gomes da Costa Pós Graduação em Unidade de Terapia Intensiva Pós Graduação em Docência Pós Graduando em Gestão Estratégica de Negócios

Leia mais

É sempre melhor previnir. Mas ao ser picado por animais peçonhentos (venenosos), aja com cautela e sem desespero. É importante não perder tempo.

É sempre melhor previnir. Mas ao ser picado por animais peçonhentos (venenosos), aja com cautela e sem desespero. É importante não perder tempo. É sempre melhor previnir. Mas ao ser picado por animais peçonhentos (venenosos), aja com cautela e sem desespero. É importante não perder tempo. Algumas orientações básicas são exatamente importantes e

Leia mais

É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão.

É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão. É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão. Sinais e sintomas: Em um quadro geral pode haver hipotermia, náuseas, vômito, distensão abdominal, tremores, cefaléia, mal estar,

Leia mais

SERPENTES PEÇONHENTAS: PRINCIPAIS GRUPOS, IDENTIFICAÇÃO, VENENO, ACIDENTES E PRIMEIROS SOCORROS. Aníbal R. Melgarejo Biólogo, PhD

SERPENTES PEÇONHENTAS: PRINCIPAIS GRUPOS, IDENTIFICAÇÃO, VENENO, ACIDENTES E PRIMEIROS SOCORROS. Aníbal R. Melgarejo Biólogo, PhD SERPENTES PEÇONHENTAS: PRINCIPAIS GRUPOS, IDENTIFICAÇÃO, VENENO, ACIDENTES E PRIMEIROS SOCORROS. Aníbal R. Melgarejo Biólogo, PhD Considerações Gerais As serpentes são animais que despertam interesses

Leia mais

ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS

ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS 10 de junho de 2016 Página 1/8 DEFINIÇÃO DE CASO ACIDENTES OFÍDICOS Envenenamento causado pela inoculação de toxinas, por intermédio das presas de serpentes (aparelho inoculador), podendo determinar alterações

Leia mais

Não ficam longe da água. Respiram também pela pele. Ajudam a controlar a população de moscas e mosquitos. primeiras vítimas do desequilíbrio.

Não ficam longe da água. Respiram também pela pele. Ajudam a controlar a população de moscas e mosquitos. primeiras vítimas do desequilíbrio. Não ficam longe da água. Respiram também pela pele. Ajudam a controlar a população de moscas e mosquitos. primeiras vítimas do desequilíbrio. Brasil: 776 espécies no total. O Rio Grande do Sul: 95 espécies

Leia mais

CEPAP Centro de Educação Profissional em Atendimento Pré-Hospitalar Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro

CEPAP Centro de Educação Profissional em Atendimento Pré-Hospitalar Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro CEPAP Centro de Educação Profissional em Atendimento Pré-Hospitalar Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro Ensinado a salvar vidas OFIDISMO Animais Venenosos X Animais Peçonhentos Os primeiros

Leia mais

Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari. Curso de Medicina Acidente com animais peçonhentos. Prof. Dr. Alex Miranda Rodrigues

Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari. Curso de Medicina Acidente com animais peçonhentos. Prof. Dr. Alex Miranda Rodrigues Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari. Curso de Medicina Acidente com animais peçonhentos Prof. Dr. Alex Miranda Rodrigues Caso clínico AB, 23 anos, lavrador, natural e procedente de Araguari.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS

CARACTERÍSTICAS GERAIS RÉPTEIS CARACTERÍSTICAS GERAIS Répteis do latim REPTARE= RASTEJAR. Têm cerca de 7 mil espécies. Surgiram há cerca de 300 milhões de anos. Vivem em ambientes terrestres (secos) ou alguns são aquáticos.

Leia mais

Oliveira, ET, Cogo, JC

Oliveira, ET, Cogo, JC LEVANTAMENTO PRELIMINAR DOS ACIDENTES OFÍDICOS OCORRIDOS EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) E CIDADES ADJACENTES, ATEIDOS NO HOSPITAL MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS. XIV INIC / X EPG - UNIVAP 2010 Oliveira,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. Renato Augusto Monteiro Franke

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. Renato Augusto Monteiro Franke UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Renato Augusto Monteiro Franke ANÁLISE DE ACIDENTES OFÍDICOS OCORRIDOS EM SANTA CATARINA REGISTRADOS

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 12 PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA - PCR TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 12.0 INTRODUÇÃO Em diversos ambientes há presença de animais peçonhentos,

Leia mais

Filo Cordado. Apostila VII Unidade 24 a Características Embrionárias: 2- Caracterização Fisiológica: Característica

Filo Cordado. Apostila VII Unidade 24 a Características Embrionárias: 2- Caracterização Fisiológica: Característica 1- Características Embrionárias: Característica Tipo Simetria* Bilateral Tecidos Eumetazoa Tecidos embrionários Triblástico Celoma Celomado Origem do celoma Enterocelomado Blastóporo Deuterostômico Metameria

Leia mais

FUNASA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Manual de Diagnóstico e Tratamento de Acidentes por Animais Peçonhentos

FUNASA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Manual de Diagnóstico e Tratamento de Acidentes por Animais Peçonhentos FUNASA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual de Diagnóstico e Tratamento de Acidentes por Animais Peçonhentos Manual de Diagnóstico e Tratamento de Acidentes por Animais Peçonhentos Brasília, outubro de 2001

Leia mais

PICADAS DE ANIMAIS PEÇONHENTOS

PICADAS DE ANIMAIS PEÇONHENTOS Page 1 of 9 PICADAS DE ANIMAIS PEÇONHENTOS Ofidismo. No Brasil são notificados, anualmente, cerca de 20.000 casos. Existem muitos mitos a respeito das serpentes e seus acidentes. Isto, de certa maneira,

Leia mais

SERPENTES PEÇONHENTAS E NÃO PEÇONHENTAS: ESTUDO SOBRE AS CONCEPÇÕES DOS ALUNOS

SERPENTES PEÇONHENTAS E NÃO PEÇONHENTAS: ESTUDO SOBRE AS CONCEPÇÕES DOS ALUNOS SERPENTES PEÇONHENTAS E NÃO PEÇONHENTAS: ESTUDO SOBRE AS CONCEPÇÕES DOS ALUNOS Wanda Vianna Mury UERJ/IBRAG/DECB wandavianna@hotmail.com Erika Winagraski UERJ/IBRAG/DECB biologia.erika@gmail.com INTRODUÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DOS ACIDENTES OFÍDICOS NOTIFICADOS ENTRE 2007 E 2010 EM FLORIANO-PI

ANÁLISE DOS ACIDENTES OFÍDICOS NOTIFICADOS ENTRE 2007 E 2010 EM FLORIANO-PI ANÁLISE DOS ACIDENTES OFÍDICOS NOTIFICADOS ENTRE 2007 E 2010 EM FLORIANO-PI Isabel Cristina Fernandes de Almeida 1 e Brunna Mota Azevedo 2 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí

Leia mais

ACIDENTES OFÍDICOS OCORRIDOS NO MUNICÍPIO DE SANTARÉM (PA) NO PERÍODO DE

ACIDENTES OFÍDICOS OCORRIDOS NO MUNICÍPIO DE SANTARÉM (PA) NO PERÍODO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ NÚCLEO DE MEDICINA TROPICAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DOENÇAS TROPICAIS VALTER PINHEIRO SINIMBÚ ACIDENTES OFÍDICOS OCORRIDOS NO MUNICÍPIO DE SANTARÉM (PA) NO PERÍODO DE

Leia mais

Revestimento corporal

Revestimento corporal Répteis Répteis Os répteis (do latim reptare, 'rastejar') abrangem cerca de 7 mil espécies conhecidas. Eles surgiram há cerca de 300 milhões de anos, tendo provavelmente evoluído de certos anfíbios. Foram

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE SERPENTES. Paulo Sérgio Bernarde

IDENTIFICAÇÃO DE SERPENTES. Paulo Sérgio Bernarde IDENTIFICAÇÃO DE SERPENTES Paulo Sérgio Bernarde www.herpetofauna.com.br FOLIDOSE = Disposição das escamas Para correr uma chave taxonômica irá contar as escamas: - Dorsais - Ventrais - Subcaudais Observa-se

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba. Serpentário

Universidade do Vale do Paraíba. Serpentário Universidade do Vale do Paraíba Serpentário Estudo epidemiológico de acidentes ofídicos na cidade de São José dos Campos (SP) e municípios adjacentes Luciane Sampaio Pires Dissertação de Mestrado apresentada

Leia mais

Procedimentos de Emergência. Profº Ms. Gil Oliveira

Procedimentos de Emergência. Profº Ms. Gil Oliveira Procedimentos de Emergência Obstrução das Vias Aéreas MANOBRA DE HEIMLICH Obstrução das Vias Aéreas Infarto Agudo do Miocárdio Ataque do Coração Infarto Agudo do Miocárdio Ataque do Coração Infarto Agudo

Leia mais

Ofidismo. Material de Estudo. Prof. Dr. Marcello Sampaio - UNIRIO

Ofidismo. Material de Estudo. Prof. Dr. Marcello Sampaio - UNIRIO Ofidismo Material de Estudo Posição Taxonômica Reino Animalia Filo Chordata Classe Reptilia Super-Ordem Diapsida Ordem Squamata Sub-Ordem Ophidia Família Boidae Boa constrictor constrictor - Jibóia Eunectes

Leia mais

AULA 20: ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS. No Brasil há cerca de 250 espécies de serpentes, porém cerca de 20% dessas são perigosas.

AULA 20: ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS. No Brasil há cerca de 250 espécies de serpentes, porém cerca de 20% dessas são perigosas. AULA 20: ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS 1- ACIDENTE OFÍDICO No Brasil há cerca de 250 espécies de serpentes, porém cerca de 20% dessas são perigosas. No Brasil estima-se que ocorre, anualmente, cerca

Leia mais

Palavras-chave: Ofidismo, Bothrops, Crotalus, Laquesis, Manifestações Clínicas, Soroterapia, Cuidados de Enfermagem, Revisão de Literatura.

Palavras-chave: Ofidismo, Bothrops, Crotalus, Laquesis, Manifestações Clínicas, Soroterapia, Cuidados de Enfermagem, Revisão de Literatura. OFIDISMO: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS, CLASSIFICAÇÃO E SOROTERAPIA Shirlei Santos Ferreira* Ana Márcia Chiaradia Mendes Castillo** RESUMO Neste trabaho são expostas as características peculiares dos gêneros

Leia mais

Série Didática Número 5

Série Didática Número 5 Animais Peçonhentos: Serpentes_ Serpentes são animais vertebrados que pertencem ao grupo dos répteis. Seu corpo é coberto de escamas, o que Ihes confere um aspecto às vezes brilhante, às vezes opaco, ou

Leia mais

O Escorpião Marrom (TityusBahiensis) tem o tronco marrom, patas amareladas com manchas escuras e cauda marrom-avermelhado.

O Escorpião Marrom (TityusBahiensis) tem o tronco marrom, patas amareladas com manchas escuras e cauda marrom-avermelhado. ESCORPIÕES Pertencentes à classe Arachnida, os escorpiões apresentam o corpo dividido em cefalotórax e abdome, sendo que os últimos 5 segmentos do abdome formam a cauda. No final da cauda está o télson,

Leia mais

ARTIGO CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS

ARTIGO CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS 27 ARTIGO CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS ACIDENTE OFÍDICO EM CÃES ESTUDO RETROSPECTIVO DE CASOS ATENDIDOS NO PERÍODO DE 2005 A 2015 NO HOSPITAL VETERINÁRIO DR. HALIM ATIQUE, SÃO JOSÉ DO RIO PRETO SP,

Leia mais

Autarquia Associada à Universidade de São Paulo

Autarquia Associada à Universidade de São Paulo Autarquia Associada à Universidade de São Paulo Avaliação da função renal pelo Clearance de Creatinina dos pacientes vítimas de acidente ofídico no Hospital de Referência de Porto Nacional Tocantins (2013-2014)

Leia mais

9º ano em AÇÃO. Assunção contra o mosquito!

9º ano em AÇÃO. Assunção contra o mosquito! Paz e Bem 9º ano em AÇÃO Assunção contra o mosquito! Informações sobre o mosquito Mosquito doméstico Hábitos Reprodução Transmissão vertical DENGUE Transmissão: principalmente pela picada do mosquito

Leia mais

Medidas básicas de socorro aos humanos

Medidas básicas de socorro aos humanos Medidas básicas de socorro aos humanos CONCEITO TODO ANIMAL VENENOSO É PEÇONHENTO? TODO ANIMAL PEÇONHENTO É VENENOSO? Venenoso x peçonhento Brachycephalus ephippium Bothrops jararaca http://planetasustentavel.abril.com.br/album/anfibios-mata-atlantica-626497.shtml

Leia mais

OFIDISMO NO ESTADO DO ACRE BRASIL SNAKEBITES IN THE STATE OF ACRE BRAZIL

OFIDISMO NO ESTADO DO ACRE BRASIL SNAKEBITES IN THE STATE OF ACRE BRAZIL OFIDISMO NO ESTADO DO ACRE BRASIL SNAKEBITES IN THE STATE OF ACRE BRAZIL Bernarde, PS 1,Mota-da-Silva A 2, Abreu LC 3 1 Centro Multidisciplinar da Universidade Federal do Acre - Campus Floresta. 2 Instituto

Leia mais

RÉPTEIS FILO CHORDATA. Zoologia dos Vertebrados Prof.ª Daniele Ruela Mendes

RÉPTEIS FILO CHORDATA. Zoologia dos Vertebrados Prof.ª Daniele Ruela Mendes RÉPTEIS FILO CHORDATA Zoologia dos Vertebrados Prof.ª Daniele Ruela Mendes 1 Objetivos da aula Reconhecer as principais características da classe Reptilia Discutir as adaptações que permitiram aos répteis

Leia mais

Orientação Concluídas de Trabalhos de Conclusão de Curso de Graduação e Especialização

Orientação Concluídas de Trabalhos de Conclusão de Curso de Graduação e Especialização Orientação Concluídas de Trabalhos de Conclusão de Curso de Graduação e Especialização 1. Andrada, L. O. Caracterização biológica do veneno de Bothrops cotiara 2. Andrade, R. G. Comparação ontogenética

Leia mais

NR 33 Plano de Aula - 16 Aulas (Aulas de 1 Hora).

NR 33 Plano de Aula - 16 Aulas (Aulas de 1 Hora). 6155 - NR 33 Plano de Aula - 16 Aulas (Aulas de 1 Hora). Aula 1 Capítulo 1 - Introdução à NR 33 1.1. Espaço Confinado... 22 1.1.1. Principais Características... 22 1.1.2. Outras Definições... 22 1.1.3.

Leia mais

DICAS DE PRIMEIROS SOCORROS

DICAS DE PRIMEIROS SOCORROS [Nov 2013] APACHE 4X4 DICAS DE PRIMEIROS SOCORROS Primeiros Socorros Rodrigo Vaccari 1 Conteúdo INTRODUÇÃO A PRIMEIROS SOCORROS...6 1.PRIMEIROS CUIDADOS BÁSICOS:...7 1.1 Proteja a Vítima...7 1.2 Exame

Leia mais

Avaliação Clínica e Epidemiológica dos acidentes com animais peçonhentos atendidos no Hospital Universitário do Oeste do Paraná

Avaliação Clínica e Epidemiológica dos acidentes com animais peçonhentos atendidos no Hospital Universitário do Oeste do Paraná Avaliação Clínica e Epidemiológica dos acidentes com animais peçonhentos atendidos no Hospital Universitário do Oeste do Paraná 2008-2012 Clinical and Epidemiological Evaluation of accidents with venomous

Leia mais

SERPENTES PEÇONHENTAS Família Elapidae Micrurus corallinus - Cobra-coral* Micrurus frontalis - Cobra-coral

SERPENTES PEÇONHENTAS Família Elapidae Micrurus corallinus - Cobra-coral* Micrurus frontalis - Cobra-coral SERPENTES Família Elapidae Micrurus corallinus - Cobra-coral* Micrurus frontalis - Cobra-coral Família Viperidae Bothrops alternatus - Urutu* Bothrops atrox - Jararaca do norte Bothrops bilineata - Jararaca

Leia mais

Lepidosauria. - O maior grupo dos reptilia exceto aves Sp de lagartos

Lepidosauria. - O maior grupo dos reptilia exceto aves Sp de lagartos - O maior grupo dos reptilia exceto aves - 4000 Sp de lagartos - O maior grupo dos reptilia exceto aves - 2700 Sp de serpentes - O maior grupo dos reptilia exceto aves - 2 Sp tuatara - Predominantemente

Leia mais

ANÁLISE DOS CASOS DE ACIDENTES OFÍDICOS EM UM CENTRO DE CONTROLE DE INTOXICAÇÃO DA PARAÍBA - BRASIL

ANÁLISE DOS CASOS DE ACIDENTES OFÍDICOS EM UM CENTRO DE CONTROLE DE INTOXICAÇÃO DA PARAÍBA - BRASIL UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CAMPUS CAMPINA GRANDE CENTRO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA FRANCISCO ASSIS NOGUEIRA JÚNIOR ANÁLISE DOS CASOS

Leia mais

ACIDENTE OFÍDICO EM EQUINO NO SUL DO BRASIL - RELATO DE CASO A CASE OF SNAKEBITE IN A HORSE IN SOUTHERN BRAZIL - CASE REPORT RESUMO

ACIDENTE OFÍDICO EM EQUINO NO SUL DO BRASIL - RELATO DE CASO A CASE OF SNAKEBITE IN A HORSE IN SOUTHERN BRAZIL - CASE REPORT RESUMO ACIDENTE OFÍDICO EM EQUINO NO SUL DO BRASIL - RELATO DE CASO A CASE OF SNAKEBITE IN A HORSE IN SOUTHERN BRAZIL - CASE REPORT Josiane Bonel Raposo 1 ; Maria del Carmen Méndez 2 ; Carmem Elza Giordano Baialardi

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS HIP- HOSPITAL INFANTIL DE PALMAS

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS HIP- HOSPITAL INFANTIL DE PALMAS PROTOCOLO DE TRATAMENTO Acidentes por animais peçonhentos Objetivos Oferecer à equipe multiprofissional um roteiro básico clínico, laboratorial e terapêutico no atendimento das crianças que buscam o HIP

Leia mais

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DE ACIDENTES OFÍDICOS NO MUNICÍPIO E CUIABÁ, MATO GROSSO

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DE ACIDENTES OFÍDICOS NO MUNICÍPIO E CUIABÁ, MATO GROSSO n 13 ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DE ACIDENTES OFÍDICOS NO MUNICÍPIO E CUIABÁ, MATO GROSSO 12 RESUMO Luiz Antonio Solino Carvalho 1 Janaína Marcelle Rodrigues Pereira 2 O ofidismo caracteriza um problema de

Leia mais

REVISTA INICIAÇÃO CIENTÍFICA /

REVISTA INICIAÇÃO CIENTÍFICA / INCNP REVISTA INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2015/2016 56-89 Montagem da coleção científica dos répteis do Laboratório de Zoologia do Centro Universitário Newton Paiva e elaboração de uma chave taxonômica para

Leia mais

Alessandra Furtado Nicoleti

Alessandra Furtado Nicoleti Alessandra Furtado Nicoleti Comparação dos acidentes causados por Bothropoides jararaca (Serpentes: Viperidae) com e sem envenenamento atendidos no Hospital Vital Brazil do Instituto Butantan. Dissertação

Leia mais

PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES

PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES QUESTÃO 01 O parâmetro que não faz parte do exame primário da vítima. a) é a respiração. b) é o pulso. c) é a tensão arterial. d) são as vias aéreas.

Leia mais

ESTADO DE CHOQUE HEMORRAGIA & CHOQUE 002

ESTADO DE CHOQUE HEMORRAGIA & CHOQUE 002 ESTADO DE CHOQUE HEMORRAGIA & CHOQUE 002 ESTADO DE CHOQUE CONCEITO CAUSAS TIPOS DE CHOQUE SINAIS & SINTOMAS GERAIS DO CHOQUE ESTADO DE CHOQUE CONCEITO CONCEITO FALÊNCIA DO SISTEMA CIRCULATÓRIO INCAPACIDADE

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos NEUTROL

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos NEUTROL 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Nome da empresa: Otto Baumgart Ind. e Com. S/A Endereço: Rua Coronel Marcílio Franco, 1063 São Paulo S.P. Telefone da empresa: (11) 6901-5522 /

Leia mais

CLASSE REPTILIA SISTEMA TEGUMENTAR. Quem são eles??? Reptare=rastejar 14/02/2014 PRIMEIROS RÉPTEIS SURGIRAM HÁ: FILO CHORDATA

CLASSE REPTILIA SISTEMA TEGUMENTAR. Quem são eles??? Reptare=rastejar 14/02/2014 PRIMEIROS RÉPTEIS SURGIRAM HÁ: FILO CHORDATA FILO CHORDATA SUBFILOS: UROCHORDATA CLASSE REPTILIA CEPHALOCHORDATA VERTEBRATA CYCLOSTOMATA P. CARTILAGINOSOS P. ÓSSEOS AMPHIBIA REPTILIA AVES MAMMALIA PRIMEIROS RÉPTEIS SURGIRAM HÁ: 300 MILHÕES DE ANOS

Leia mais

Dicas de Segurança IV

Dicas de Segurança IV Dicas de Segurança IV Noções Básicas de Primeiros Socorros Ressuscitação Cardiopulmonar Também conhecida como respiração boca a boca (aeração). Utilizada em casos de paradas respiratórias. Procedimentos:

Leia mais

indiretamente, afetam a saúde, a segurança e o bem-estar da população; as atividades sociais e econômicas; a biota; as condições estéticas e

indiretamente, afetam a saúde, a segurança e o bem-estar da população; as atividades sociais e econômicas; a biota; as condições estéticas e 1 1. INTRODUÇÃO Ao se falar de degradação ambiental logo enfocamos uma termologia negativa no que se refere ao meio ambiente e sua conservação. Seguindo os conceitos modernos dos estudos ambientais, a

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACETATO DE MANGANÊS

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACETATO DE MANGANÊS Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa/Fornecedor: Endereço: Resimapi Produtos Químicos Ltda Av. Osaka, 800 Arujá São Paulo Telefone da Empresa: (xx11)

Leia mais

ANIMAIS PEÇONHENTOS ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS: ACIDENTES COM SERPENTES

ANIMAIS PEÇONHENTOS ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS: ACIDENTES COM SERPENTES ANIMAIS PEÇONHENTOS Animais peçonhentos são aqueles que possuem glândulas de veneno que se comunicam com dentes ocos, ou ferrões, ou agulhões, por onde o veneno passa ativamente. Portanto, peçonhentos

Leia mais

Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação de Vigilância das Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar. Vigilância Epidemiológica do Botulismo

Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação de Vigilância das Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar. Vigilância Epidemiológica do Botulismo Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação de Vigilância das Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar Vigilância Epidemiológica do Botulismo Descrição Botulismo Doença neurológica Instalação súbita

Leia mais

Aula: Acidentes com Animais Peçonhentos

Aula: Acidentes com Animais Peçonhentos Curso de Especialização em Emergências e Terapia Intensiva Aula: Acidentes com Animais Peçonhentos Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc 1 n ESCORPIÕES n Vivem em baixo de pedras, em casas antigas, cemitérios,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA CURSO DE FARMÁCIA SILVIA CAVALCANTI LEAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA CURSO DE FARMÁCIA SILVIA CAVALCANTI LEAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA CURSO DE FARMÁCIA SILVIA CAVALCANTI LEAL PERFIL EPIDEMIOLÓGICO E CLÍNICO DOS ACIDENTES OFÍDICOS E ESCORPIÔNICOS

Leia mais

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Objetivos.

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Objetivos. Objetivos Avaliação inicial do paciente enfermo e cuidados na abordagem Avaliação de sinais vitais Contaminação Infecção Esterelização Antissepsia Assepsia Microorganismos Contaminação Presença de microorganismos

Leia mais

Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Pró-Reitoria de Integração aos Setores Comunitários e Produtivos - PROIN

Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Pró-Reitoria de Integração aos Setores Comunitários e Produtivos - PROIN Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Pró-Reitoria de Integração aos Setores Comunitários e Produtivos - PROIN Programa Institucional de Bolsas de Integração PIBIN 2012/2013 ANEXO II Modelo

Leia mais

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Esterilização.

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Esterilização. Emergência e Primeiros Socorros Objetivos Avaliação inicial do paciente enfermo e cuidados na abordagem Avaliação de sinais vitais M.V. Guilherme Sposito Contaminação Infecção Esterelização Antissepsia

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 61 ANFÍBIOS E RÉPTEIS

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 61 ANFÍBIOS E RÉPTEIS BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 61 ANFÍBIOS E RÉPTEIS C ( p s a b c d e omo pode cair no enem? ENEM) Os primeiros socorros protegem a vítima contra maiores danos, até a chegada de um rofissional de saúde especializado.

Leia mais

Tetrápodes e a Conquista do Ambiente Terrestre

Tetrápodes e a Conquista do Ambiente Terrestre Tetrápodes e a Conquista do Ambiente Terrestre Formação dos Elementos de Apoio Conquista da Terra A transição da água para a terra é talvez o evento mais dramático da evolução animal. Podemos perceber

Leia mais

Acidentes por animais peçonhentos

Acidentes por animais peçonhentos Acidentes por animais peçonhentos Secretaria da Saúde do Estado do Ceará Coordenadoria de Promoção e Proteção à Saúde 01 de julho de 2016. Animais Peçonhentos Animais peçonhentos são reconhecidos como

Leia mais

Cordados I. Peixes, Anfíbios e Répteis. Cursinho Popular de Ensino Pré-Vestibular TRIU Pela popularização da universidade pública

Cordados I. Peixes, Anfíbios e Répteis. Cursinho Popular de Ensino Pré-Vestibular TRIU Pela popularização da universidade pública Cursinho Popular de Ensino Pré-Vestibular TRIU Pela popularização da universidade pública Cordados I Peixes, Anfíbios e Répteis Prof. Rafael Rosolen T. Zafred Revisão Peixes ; Anfíbios; Répteis; Aves;

Leia mais

Envenenamento por picada de serpente, gênero micrurus (coral): revisão

Envenenamento por picada de serpente, gênero micrurus (coral): revisão Envenenamento por picada de serpente, gênero micrurus (coral): revisão Snakebite poisoning, genus micrurus: review BOFF, Gloria Jancowski Médica Veterinária e Doutora em Veterinária pela Universidade de

Leia mais

Identificar a causa (exaustão de auto, gás, aerossóis) Remoção da cena Manter vias aéreas abertas Suporte básico de vida Ligar para o CCI Chamar

Identificar a causa (exaustão de auto, gás, aerossóis) Remoção da cena Manter vias aéreas abertas Suporte básico de vida Ligar para o CCI Chamar tóxico ou veneno Qualquer substância nociva que, quando introduzida no organismo, provoca alterações em um ou mais sistemas INTOXICAÇÕES E ENVENAMENTOS Prof ª. Dra. Taís Tinucci Socorros de Urgência fisiológicos

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS ACIDENTES COM ANIMAIS PECONHENTOS EM TANGARÁ DA SERRA-MT, BRASIL ( )

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS ACIDENTES COM ANIMAIS PECONHENTOS EM TANGARÁ DA SERRA-MT, BRASIL ( ) ARTIGO ORIGINAL PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS ACIDENTES COM ANIMAIS PECONHENTOS EM TANGARÁ DA SERRA-MT, BRASIL (2007-2016) EPIDEMIOLOGICAL PROFILE OF ACCIDENTS WITH PECONVING ANIMALS IN TANGARÁ DE SERRA-MT,

Leia mais

ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS NA TERCEIRA IDADE: DADOS EPIDEMIOLÓGICOS ( )

ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS NA TERCEIRA IDADE: DADOS EPIDEMIOLÓGICOS ( ) ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS NA TERCEIRA IDADE: DADOS EPIDEMIOLÓGICOS (2011 2014) Karla Simone Maia da Silva 1 ; Fernanda Silva Almeida 2 ; Maria Rejane de Sousa Silvino 3 ; Nícia Stellita Da Cruz

Leia mais

ACIDENTES OFÍDICOS COM SERPENTES BRASILEIRAS EM MINAS GERAIS.

ACIDENTES OFÍDICOS COM SERPENTES BRASILEIRAS EM MINAS GERAIS. ACIDENTES OFÍDICOS COM SERPENTES BRASILEIRAS EM MINAS GERAIS. ALMEIDA, Amanda Augusta de Lima*; MACEDO, Maria Esther** *Aluna do curso de graduação em Ciências Biológicas. Centro Universitário Metodista

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência Urgência e Emergência CHOQUE Choque Um estado de extrema gravidade que coloca em risco a vida do paciente. Dica: Em TODOS os tipos de choques ocorre a queda da pressão arterial e, consequentemente, um

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS ACIDENTES OFÍDICOS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA - MG NO PERÍODO DE

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS ACIDENTES OFÍDICOS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA - MG NO PERÍODO DE PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS ACIDENTES OFÍDICOS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA - MG NO PERÍODO DE 2002-2007 Epidemiologic profile of snakebite in Juiz de Fora - MG Benilson Beloti Barreto 1, Priscila Larcher

Leia mais

ECOWAY TECNOLOGIA SUSTENTÁVEL

ECOWAY TECNOLOGIA SUSTENTÁVEL 1 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS. No. do Documento: EC 00111 Data da Publicação: 10-08-2015 Versão: 1.30 Estado Documento:PUBLICADO 1 - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E DO PRODUTO. ECOWAY

Leia mais

Fernando Camilo Magioni Enfermeiro do Trabalho

Fernando Camilo Magioni Enfermeiro do Trabalho Enfermeiro do Trabalho 1 São praticamente iguais no aspecto; Protegem a colméia e picam para defenderse; Podem picar apenas uma vez (cada uma); Tem o mesmo tipo de veneno; Polinizam flores; Produzem mel

Leia mais

Que bicho me mordeu?

Que bicho me mordeu? 7 Que bicho me mordeu? e-tec Brasil Primeiros Socorros METAS Apresentar os principais animais peçonhen tos e os efeitos de suas pica das ou mordidas em uma vítima e mostrar como socorrê-la e como so cor

Leia mais

- FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM CLORO (PÓ) Elaboração: P&D Solange Hernandes

- FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM CLORO (PÓ) Elaboração: P&D Solange Hernandes Página 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Sapólio Radium Cloro (Pó) Código Interno: 14003 / 14016 Empresa: BOMBRIL S/A Telefone de Emergência: 0800 014 8110 2 - COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS

ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS Protocolo: Nº 81 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 06/09/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS DEFINIÇÃO: Animais peçonhentos são animais que

Leia mais

Intoxicações. Intoxicações. Intoxicações. Intoxicações. Intoxicações. Intoxicações. Intoxicações. Agente tóxico

Intoxicações. Intoxicações. Intoxicações. Intoxicações. Intoxicações. Intoxicações. Intoxicações. Agente tóxico Agente tóxico Substância química ou agente físico capaz de promover efeito nocivo no organismo, seja alteração funcional ou óbito M.V. Guilherme Sposito mvguilherme@yahoo.com Xenobiótico Toxinas Substância

Leia mais

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto.

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto. HEMORRAGIAS O controle de uma hemorragia deve ser feito imediatamente, pois uma hemorragia abundante e não controlada pode causar morte em 3 a 5 minutos. A hemorragia externa é a perda de sangue pelo rompimento

Leia mais

Levantamento das serpentes (Squamata, Ophidia) na região de Barbacena-MG

Levantamento das serpentes (Squamata, Ophidia) na região de Barbacena-MG Levantamento das serpentes (Squamata, Ophidia) na região de Barbacena-MG Dayner Xavier dos Santos, Cosme Simião Nascimento Salgado e Fernando Martins Costa IF Sudeste MG Câmpus Barbacena Introdução A paisagem

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS Será que todos nós conhecemos os animais peçonhentos comuns no Estado de São Paulo? m Dependendo da espécie, uma picada pode tornar-se extremamente

Leia mais

Universidade Estadual da Paraíba Campus I Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Curso de Graduação Farmácia Generalista DAYANE BESERRA COSTA

Universidade Estadual da Paraíba Campus I Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Curso de Graduação Farmácia Generalista DAYANE BESERRA COSTA Universidade Estadual da Paraíba Campus I Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Curso de Graduação Farmácia Generalista DAYANE BESERRA COSTA ACIDENTES OFÍDICOS EM CAMPINA GRANDE: DADOS EPIDEMIOLÓGICOS,

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Produto: PROTETOX NS EMULSÃO Data da última revisão: 01/11/2010 Página: 1 de 6

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Produto: PROTETOX NS EMULSÃO Data da última revisão: 01/11/2010 Página: 1 de 6 Data da última revisão: 01/11/2010 Página: 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Código interno de identificação: 000027 Nome da empresa: Endereço: PROTETOX NS EMULSÃO Telefone para emergências:

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SÃO LUCAS FACULDADE DE ENFERMAGEM MARIA MARILAQUE SILVA DE SOUZA ARRUDA

CENTRO DE ENSINO SÃO LUCAS FACULDADE DE ENFERMAGEM MARIA MARILAQUE SILVA DE SOUZA ARRUDA CENTRO DE ENSINO SÃO LUCAS FACULDADE DE ENFERMAGEM MARIA MARILAQUE SILVA DE SOUZA ARRUDA A SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA VÍTIMAS DE ACIDENTE OFÍDICO PORTO VELHO- RO 2015 MARIA MARILAQUE

Leia mais

ARTRÓPODES INSETOS, CRUSTÁCEOS, ARACNÍDEOS, QUILÓPODES E DIPLÓPODES. Profa. Monyke Lucena

ARTRÓPODES INSETOS, CRUSTÁCEOS, ARACNÍDEOS, QUILÓPODES E DIPLÓPODES. Profa. Monyke Lucena ARTRÓPODES INSETOS, CRUSTÁCEOS, ARACNÍDEOS, QUILÓPODES E DIPLÓPODES Profa. Monyke Lucena CARACTERÍSTICAS GERAIS Os artrópodes, o grupo mais numeroso de animais, reúnem mais de 1 milhão de espécies catalogados.

Leia mais