Fonologia Aula # 04 (27/04/09)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fonologia Aula # 04 (27/04/09)"

Transcrição

1 Fonologia Aula # 04 (27/04/09) Capítulo 5. Processos Fonológicos Iniciamos, aqui, o estudo da fonologia dinâmica: processos fonológicos e sua representação através de regras. Assim sendo, ficamos restritos, hoje, aos capítulos 5 e 6 do nosso livro texto. Quando os morfemas são juntados na formação de palavras, os segmentos fronteiriços sofrem, muitas vezes, mudanças. Outras vezes as mudanças ocorrem exatamente quando os segmentos não estão em contato direto com nenhum outro segmento. Exemplos dos dois casos são: elétric- o/a [ k ] eletric-idade [ s ] górat garadá A estas mudanças se dá o nome de processos fonológicos. Os processos fonológicos podem ser classificados em quatro grandes categorias: 1. Processos de assimilação 2. Processos de estrutura silábica 3. Processos de enfraquecimento e fortalecimento 4. Processos de neutralização Processos de Assimilação Nos processos de assimilação os segmentos se tornam mais parecidos entre si. Isso se dá pela própria natureza da linguagem falada. Na verdade, os processos de assimilação são os mais comuns, e são encontrados em todas as línguas do mundo. Aqui podemos distinguir quatro situações possíveis. a) Vogal assimilando traço de consoante; b) Consoante assimilando traço de vogal; c) Consoante assimilando traço de consoante; d) Vogal assimilando traço de vogal. Exemplos: Um bom exemplo do caso (a) é a nasalização de vogais. Em alguns dialetos do português brasileiro, uma vogal, em final de sílaba, se torna nasalizada quando seguida por uma consoante nasal que inicia a próxima sílaba. Em outros dialetos do português a nasalização só acontece se a vogal em questão for acentuada. Um morfema como banana será pronunciado como.. no dialeto de BH, mas será pronunciado como.. no dialeto de Salvador (OBS: Os pontos indicam a divisão silábica). 1

2 Um bom exemplo do caso (b) é o da palatalização de consoantes em russo, quando seguidas da vogal [ i ]. O mesmo acontece em português com / t / e / d /, quando seguidos de [ i ]. Veja os exemplos a seguir: Russo dar presente dar y it presentear dom casa dom y isko cabana bomba bomba bomb y it bombardear Português dental verdura den i ver i Exemplos do caso (c) podem ser vistos na formação de plural em inglês e na formação do presente contínuo em yoruba (v. pg. 51). Exemplos do caso (d) podem ser vistos na harmonia vocálica do turco e no umlaut do alemão, ambos ilustrados na pg. 52. Processos de Estrurura Silábica Os processos de estrutura silábica têm a ver com alterações que se efetuam na estrutura da sílaba, seja por uma redistribuição na distribuição de consoantes e/ou vogais no interior da sílaba, seja pela inserção e/ou cancelamento de um segmento, seja pela fusão (= coalescência) de segmentos, seja pela mudança de classe de um segmento. Em todos esses casos, amplamente exemplificados da pg. 52 à pg. 57, uma estrutura silábica X dá lugar a uma estrutura silábica Y. Processos de Enfraquecimento e de Fortalecimento Esses processos implicam na diminuição ou no aumento do esforço muscular necessário para a articulação de um segmento ou de uma seqüência de segmentos. Os segmentos envolvidos ocupam as chamadas posições fracas. Por exemplo, uma vogal átona é mais fraca que uma vogal tônica; uma vogal átona em posição final é mais fraca que uma vogal átona em posição não-final. Vogais em posições fracas podem ser, simplesmente, eliminadas (por aférese, síncope ou apócope. V. pp ), ou podem ser reduzidas a uma vogal de timbre indistinto (um schwa [ ]). Por outro lado, vogais em posição forte (p. ex., vogais tônicas em final de sílaba) podem ser ditongadas. Exemplos podem ser vistos nas pp

3 Processos de Neutralização Dá-se o nome de neutralização aos processos que eliminam uma oposição fonêmica em determinados contextos. Por exemplo, sabemos que, em português, existe uma oposição fonêmica entre / e / e / i /, como se pode ver em vê vs vi. Contudo, em posição átona final este contraste é neutralizado em [ i ]. Exemplos de neutralização podem ser vistos na pg. 60. Feito isso, vamos treinar um pouco sobre os processos fonológicos: Exercícios de treinamento : Processos Fonológicos 1. Japonês Considere os seguintes dados do japonês Negativa Volitiva Tradução 01. inanai initai voltar 02. sumanai sumitai viver 03. tobanai tobitai pular 04. hanasanai hana itai falar 05. osanai o itai empurrar 06. utanai u itai bater 07. katanai ka itai vencer (1)- Quais são as terminações para as formas negativa e volitiva? (2)- Explique as alternâncias de raiz. (3)- Qual é o processo envolvido aí? 2. Palauano Presente Part. Futuro Tradução 01. m dán b d n báll cobrir 02. m té b t báll puxar 03. m nét m n t máll pingar 04. m táb k t b káll remendar (1)- O que acontece à vogal da raiz no particípio futuro? (2)- O que condiciona esta alteração? (3)- Que tipo de processo é este? Lambujem: (a)- O Presente é composto do prefixo m -, seguido da raiz verbal. (b)- O Particípio Futuro é formado pelo sufixo all, que se acrescenta à raiz verbal. 3

4 Regras Fonológicas (Capítulo 6) As alternâncias de forma que um morfema sofre em determinados contextos podem ser descritas em termos de regras fonológicas. Por exemplo, os processos fonológicos, que acabamos de ver, podem ser descritos através de regras. Mas, por que precisamos de regras? Por que não descrever as alternâncias em termos de listas, como se fazia anteriormente, num modelo de Item e Arranjo? (Paradinha tática: afinal, o que são, mesmo Item e Arranjo e Item e Processo???) Por que as regras são superiores às listas? Para início de conversa, é preciso deixar claro que não podemos passar sem listas. As listas são tudo o que nos resta quando as alternâncias entre as formas de um morfema são casos de supletivismo. Ou seja, formas supletivas devem ser listadas. Por exemplo, o verbo ser, em português, apresenta alternâncias do tipo sou, é, fui, era, que não podem ser relacionadas por uma única forma básica, eventualmente alterada por processos fonológicos. Nem o próprio Mandrake ou o David Copperfield conseguiriam fazer uma mágica deste tipo. Se as listas são necessárias, porque não tratar todos os casos de alternância através de listas? As razões são as seguintes: 1. Há outros tipos de conhecimento lingüístico que não podem ser descritos por listas. É o caso da sintaxe. Nosso conhecimento sintático não pode ser descrito por listas (nenhum de nós teria memória suficiente para guardar uma lista das sentenças do português na cabeça); 2. As regras - mas não as listas! - permitem generalizações. Essas generalizações são observadas quando examinamos as mudanças lingüísticas e a operação dos processos fonológicos, que atingem classes, e não elementos isolados de uma possível lista; 3. As formas novas que entram na língua entram numa ou noutra generalização, e não em listas separadas. É o caso das formas de plural em ão/-ões, que são produtivas nos empréstimos (caminhão/caminhões) e nas formas novas do aumentativo (bestalhão/bestalhões). Portanto, optamos por regras, e concluímos que The items in the phonetic repertoire of a language have the character of a structure, not an inventory. As regras são de três tipos: Regras de Mudança de Traço (Feature Changing Rules), Regras de Cancelamento e Inserção e Regras de Permuta e Coalescência (que vão apresentar um formato especial). As regras podem, também, conter variáveis e diacríticos, que comentaremos mais adiante. De qualquer forma, vamos entender as regras como aparatos formais para descrever os processos fonológicos. Regras de Mudança de Traço Quando um segmento se modifica, precisamos saber três coisas: Que segmento (X) muda? Como (Y) muda? Sob que condições (Z) ele muda? Assim, uma regra tem o seguinte formato: 4

5 X Y/Z que deve ser lida como: X se transforma em Y no contexto Z. Note que a barra / separa a mudança estrutural (X Y) do contexto estrutural Z. É bom notar que X, Y e Z acima devem ser substituídos por traços (os relevantes) na formulação da regra. Se uma regra opera independentemente do contexto, ela pode ser escrita sem referência a ele, como X Y Contudo, a maioria dos processos se dá num contexto específico. Vamos exemplificar a formulação de regras com um caso do português. Dissemos anteriormente que, em alguns dialetos do português brasileiro, uma vogal se nasaliza diante de uma consoante nasal na sílaba seguinte. Este processo pode ser representado pela seguinte regra: V [ + nasal ] / $ [ C ] + nasal onde o símbolo $ indica uma fronteira silábica. Na pg. 63 Schane nos fala sobre o uso do subscrito 0. Esse subscrito indica que o elemento subscritado pode ser de 0 a muitos. Por exemplo, C 0 significa nenhuma consoante ou n consoantes. Outros símbolos notacionais são { } e ( ). Ambos nos permitem juntar várias regras, desde que elas executem o mesmo processo, numa única regra. O símbolo notacional { } indica ou...ou, e o símbolo ( ) indica opcionalidade. Vejamos alguns exemplos de uso dos dois símbolos nas páginas 64 e 65. Regras de Cancelamento e Regras de Inserção As regras de cancelamento têm o formato X /Z, e as regras de inserção têm o formato X/Z. Um exemplo de cada pode ser visto nas pp. 65 e 66. Nenhum segredo aí. Regras de Permuta e Coalescência Essas regras têm um formato especial, chamado de formato transformacional. Este tipo de notação pode ser visto nas pp A notação transformacional é a única que pode ser usada para permuta (casos de metátese, p. ex.) e para a coalescância (casos 5

6 de fusão, p. ex.), onde dois segmentos são afetados simultaneamente (e, nestes casos, a notação padrão não é conveniente). Regras com variáveis Da pg. 68 à pg. 72 Schane nos fala de regras com variáveis,,,, etc. Essas variáveis se referem a valores de traços, + ou -. Se um determinado traço tem sua variável marcada como +, isso significa que todos os outros traços que contenham a variável também devem ser marcados como +. Assim, se é +, um traço marcado como terá o valor + e um traço marcado como - terá o valor -. Se o valor de um traço não tem nada a ver com o valor de um outro traço, então temos que usar duas variáveis, e, por exemplo. Isso significa que o valor atribuído a não tem nada a ver com o valor atribuído a. Vejamos alguns exemplos no texto, pp Regras Flip-Flop: ver texto, pp Subscritos e superescritos: ver texto, pg. 72. Enfim, crianças, todo esse mumbo-jumbo não passa de um mecanismo formal de representação, assim como acontece em outras áreas (matemática, química, física, economia, lógica, etc). Portanto, ninguém precisa se afogar nele. Na verdade, o formalismo nos ajuda muito. 6

/z/ depois [+vozeado] Além disso As crianças generalizam automaticamente com base em traços elas não aprendem primeiro de uma base fonema por fonema

/z/ depois [+vozeado] Além disso As crianças generalizam automaticamente com base em traços elas não aprendem primeiro de uma base fonema por fonema Fonética e Fonologia 24.900: Introdução à Linguagem anotações das aulas: semana de 04 de Março de 2002 Conjunto de Problemas # 4: Para Segunda-feira, 11/03/02 Apostila sobre o principal para a identificação

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

O Dialecto Barranquenho. Variações linguísticas

O Dialecto Barranquenho. Variações linguísticas O Dialecto Barranquenho Variações linguísticas De modo a dar conta dos diversos fenómenos linguísticos que ocorrem no "barranquenho". Tentamos aqui construir uma regra fonológica para cada um deles. Para

Leia mais

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

Objetivo. Letras. Análise Linguística? Em que consiste? Estruturas fonológicas da língua portuguesa. Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo

Objetivo. Letras. Análise Linguística? Em que consiste? Estruturas fonológicas da língua portuguesa. Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo Letras Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo Estruturas fonológicas da língua portuguesa Objetivo Entrar em contato com as características da análise fonológica. Conhecer os fonemas consonantais e vocálicos

Leia mais

TEXTO. Visual texto em que a comunicação se dá apenas por meio de imagens. Verbal - texto em que a comunicação se dá por meio de palavras escritas.

TEXTO. Visual texto em que a comunicação se dá apenas por meio de imagens. Verbal - texto em que a comunicação se dá por meio de palavras escritas. Língua Portuguesa 1º trimestre Temas para estudo Em nossas primeiras aulas, vimos que, conforme sua configuração/diagramação, um TEXTO pode ser classificado como: Visual texto em que a comunicação se dá

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO

A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO GHISLANDI, Indianara; OENNING, Micheli email: michelioenning@yahoo.com.br Universidade Estadual

Leia mais

Variação e normalização linguística

Variação e normalização linguística Que bacana! Hoje vou de ônibus. Amanhã pego o trem. Hoje vou de autocarro. Amanhã apanho o comboio. Vaiamos, irmãa, vaiamos dormir (en) nas ribas do lago, u eu andar vi a las aves meu amigo. Jesu! Jesu!

Leia mais

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 Mestranda Neliane Raquel Macedo Aquino (UFT) Resumo: A aprendizagem de uma língua estrangeira LE possibilita transferências

Leia mais

APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS

APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS UNIVERSIDADE: Universidade Federal de Minas Gerais NÚCLEO DISCIPLINAR/COMITÊ ACADÊMICO: Lingüística, Letras e Artes TÍTULO DO TRABALHO: APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS

Leia mais

Aula 05. Locução Adjetiva = expressão que tem a mesma função: qualificar o substantivo.

Aula 05. Locução Adjetiva = expressão que tem a mesma função: qualificar o substantivo. RESUMÃO 2º SIMULADO DE PORTUGUÊS Aula 05 Adjetivo e suas flexões Adjetivo = palavra que qualifica o substantivo. Locução Adjetiva = expressão que tem a mesma função: qualificar o substantivo. Os adjetivos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012) No caso específico da disciplina de PORTUGUÊS, do 3.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

Ele deu... a luz. Era noite e chovia torrencialmente. Roberto,

Ele deu... a luz. Era noite e chovia torrencialmente. Roberto, A UU L AL A Ele deu... a luz Era noite e chovia torrencialmente. Roberto, prevenido, deu a sua ordem preferida: - Desliga a televisão que é perigoso, está trovejando! Mal ele acabou a frase, surgiu um

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

Fonética e Fonologia. Profa. Me. Luana Lemos. llemos@salesiano.org.br

Fonética e Fonologia. Profa. Me. Luana Lemos. llemos@salesiano.org.br Fonética e Fonologia Profa. Me. Luana Lemos 1 Fonética e Fonologia Fonética é a parte da gramática que estuda os sons da fala (física) Fonologia estuda os fonemas da língua nas diversas combinações (linguística)

Leia mais

O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA

O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA Vanilda Oliveira Coelho 1 ; Maria de Lurdes Nazário 1 ; Shirley Eliany Rocha Mattos 2 1 Pesquisadoras convidadas do Núcleo de

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Breve caracterização fonética de sons que

Leia mais

... Página 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANO LETIVO: 2013/2014 ANO: 4º CURRÍCULO DA DISCIPLINA: PORTUGUÊS 1º PERÍODO CONTEÚDOS

... Página 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANO LETIVO: 2013/2014 ANO: 4º CURRÍCULO DA DISCIPLINA: PORTUGUÊS 1º PERÍODO CONTEÚDOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA POUCA DE AGUIAR SUL (150666) ANO LETIVO: 2013/2014 ANO: 4º CURRÍCULO DA DISCIPLINA: PORTUGUÊS 1º PERÍODO ORALIDADE/ESCRITA - retrato - Autorretrato Textos diversos- Convite

Leia mais

Olimpíadas de Linguística e técnicas de resolução de problemas. Ivan Tadeu Ferreira Antunes Filho

Olimpíadas de Linguística e técnicas de resolução de problemas. Ivan Tadeu Ferreira Antunes Filho Olimpíadas de Linguística e técnicas de resolução de problemas Ivan Tadeu Ferreira Antunes Filho 18 de setembro de 2012 Resumo Este manual pretende cobrir de forma rápida e sucinta algumas das principais

Leia mais

O Novo Acordo Ortográfico. Eduardo Fonseca Gorete Marques

O Novo Acordo Ortográfico. Eduardo Fonseca Gorete Marques O Novo Acordo Ortográfico Eduardo Fonseca Gorete Marques Abril 2011 O que é a Ortografia? O que é a Ortografia? A ortografia é a fixação da norma de escrita das palavras de uma língua. Essa norma vai-se

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO ALGARVE Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO METAS Domínios/ Conteúdos

Leia mais

Acentuação. É importante saber as regras da acentuação gráfica? Compare: o jornal publicara o artigo o jornal publicará o artigo

Acentuação. É importante saber as regras da acentuação gráfica? Compare: o jornal publicara o artigo o jornal publicará o artigo Acentuação É importante saber as regras da acentuação gráfica? Compare: ela e a minha amiga ela é a minha amiga o jornal publicara o artigo o jornal publicará o artigo sai à rua saí à rua 1 Sílaba / vogal

Leia mais

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Atualizado em Prof. Rui Mano E mail: rmano@tpd.puc rio.br SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Sistemas de Numer ação Posicionais Desde quando se começou a registrar informações sobre quantidades, foram criados diversos

Leia mais

Equações do primeiro grau

Equações do primeiro grau Módulo 1 Unidade 3 Equações do primeiro grau Para início de conversa... Você tem um telefone celular ou conhece alguém que tenha? Você sabia que o telefone celular é um dos meios de comunicação que mais

Leia mais

ACENTO GRÁFICO E ACENTO TÔNICO

ACENTO GRÁFICO E ACENTO TÔNICO ACENTO GRÁFICO E ACENTO TÔNICO O acento gráfico é um mero sinal de escrita, que não deve ser confundido com o acento tônico, que é a maior intensidade de voz apresentada por uma sílaba quando pronunciamos

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua

O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA EM MARKETING E PROCESSOS GERENCIAIS UC: COMUNICAÇÃO

Leia mais

WHAT WE EAT AND DRINK SAY A LOT ABOUT US

WHAT WE EAT AND DRINK SAY A LOT ABOUT US Aula9 WHAT WE EAT AND DRINK SAY A LOT ABOUT US META Apresentar os pronomes indefinidos some e any demonstrando os usos desses em relação aos usos dos artigos indefi nidos. Apresentar os pronomes interrogativos

Leia mais

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES 3.1 - IDENTIFICADORES Os objetos que usamos no nosso algoritmo são uma representação simbólica de um valor de dado. Assim, quando executamos a seguinte instrução:

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

Sumário. Apresentação - 1. a edição /13 Apresentação - 2 edição /14

Sumário. Apresentação - 1. a edição /13 Apresentação - 2 edição /14 Sumário Apresentação - 1. a edição /13 Apresentação - 2 edição /14 1 Variação lingüística / 15 1.1 Os níveis de linguagem / 17 1.1.1 O nível informal /17 1.1.2 O nível semiformal /1 7 1.1.3 O nível formal/18

Leia mais

AS NOVAS REGRAS ORTOGRÁFICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA

AS NOVAS REGRAS ORTOGRÁFICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA AS NOVAS REGRAS ORTOGRÁFICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA Rénan Kfuri Lopes Sumário: I- AS MUDANÇAS SÃO SIMPLES E DE FÁCIL COMPREENSÃO II- PERÍODO DE TRANSIÇÃO DAS REGRAS ORTOGRÁFICAS III- ALFABETO IV- SOMEM DA

Leia mais

Plano de Estudo e de Desenvolvimento do Currículo

Plano de Estudo e de Desenvolvimento do Currículo DGEste - Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEONARDO COIMBRA FILHO, PORTO Código 152213 4.º ANO Ano Letivo 2014/2015 Aulas Previstas/Ano de Escolaridade Plano de Estudo e de Desenvolvimento

Leia mais

A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1. Fevereiro de 2013

A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1. Fevereiro de 2013 A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1 Fevereiro de 2013 SUMÁRIO / PAUTA DO ENCONTRO A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Iniciando a conversa (pág.5) Aprofundando o

Leia mais

Conteúdos Programáticos Bolsão 2016. Centro Educacional Apogeu ENSINO FUNDAMENTAL I. Conteúdo para ingresso no 2 o ano

Conteúdos Programáticos Bolsão 2016. Centro Educacional Apogeu ENSINO FUNDAMENTAL I. Conteúdo para ingresso no 2 o ano Conteúdos Programáticos Bolsão 2016 Centro Educacional Apogeu ENSINO FUNDAMENTAL I Conteúdo para ingresso no 2 o ano LÍNGUA PORTUGUESA: Alfabeto (maiúsculo e minúsculo); vogal e consoante; separação silábica;

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM Terapia Fonoaudiológica com Ênfase na Estimulação do Processamento Auditivo Fonoaudióloga. Mestra. Adriana de Souza Batista Ouvir é... Habilidade que

Leia mais

VOCALISMO: UMA BREVE ABORDAGEM NO PORTUGUÊS DO BRASIL

VOCALISMO: UMA BREVE ABORDAGEM NO PORTUGUÊS DO BRASIL VOCALISMO: UMA BREVE ABORDAGEM NO PORTUGUÊS DO BRASIL Flágila Marinho da Silva Lima Illa Pires Azevedo 1 94 RESUMO O presente trabalho busca refletir sobre o processo de vocalização no português brasileiro.

Leia mais

Disciplina:Português Professor (a): Cristiane Souto Ano: 6º Turmas: 6.1 e 6.2

Disciplina:Português Professor (a): Cristiane Souto Ano: 6º Turmas: 6.1 e 6.2 Rede de Educação Missionárias Servas do Espírito Santo Colégio Nossa Senhora da Piedade Av. Amaro Cavalcanti, 2591 Encantado Rio de Janeiro / RJ CEP: 20735042 Tel: 2594-5043 Fax: 2269-3409 E-mail: cnsp@terra.com.br

Leia mais

CONTEÚDOS PARA A 1ª AVALIAÇÃO PARCIAL 1ª ETAPA 2014 ENSINO FUNDAMENTAL II CONTEÚDOS DA 1ª AVALIAÇÃO PARCIAL DE CIÊNCIAS 1ª ETAPA 2014

CONTEÚDOS PARA A 1ª AVALIAÇÃO PARCIAL 1ª ETAPA 2014 ENSINO FUNDAMENTAL II CONTEÚDOS DA 1ª AVALIAÇÃO PARCIAL DE CIÊNCIAS 1ª ETAPA 2014 CONTEÚDOS DA 1ª AVALIAÇÃO PARCIAL DE CIÊNCIAS 1ª ETAPA 2014 6º ANO - 17/ 03/ 2014 - Ecologia (níveis de organização; relações alimentares; cadeia e teia alimentar; relações ecológicas); 7º ANO - 17/ 03/

Leia mais

A relação entre a fala e a escrita

A relação entre a fala e a escrita A relação entre a fala e a escrita Karen Alves da Silva Proposta e objetivo: Partindo de um episódio de escrita, podemos refletir sobre: de que maneira está posta a relação entre escrita e oralidade; como

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção Fascículo 6 Arranjo físico e fluxo O arranjo físico (em inglês layout) de uma operação produtiva preocupa-se com o posicionamento dos recursos de transformação. Isto é, definir onde colocar: Instalações

Leia mais

Sons Vocais do Inglês Americano

Sons Vocais do Inglês Americano Sons Vocais do Inglês Americano Existem mais de 40 sons vocais no inglês americano que podem ser classificados de acordo com a forma básica em que são produzidos. Classe quanto á forma Vogais Fricativas

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação Produção textual COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Língua Portuguesa Trimestre: 1º Tipologia textual Narração Estruturação de um texto narrativo: margens e parágrafos; Estruturação de parágrafos: início,

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): 1 Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE LÍNGUA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 A partir do texto que publiquei na revista ABC EDUCTIO, nº 54, de março do corrente ano, tratando das armadilhas que são

Leia mais

Como utilizar um multímetro digital

Como utilizar um multímetro digital 1 Como utilizar um multímetro digital Um multímetro digital oferece a facilidade de mostrar diretamente em seu visor, que chamamos de display de cristal líquido, ou simplesmente display, o valor numérico

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

Linguagem Radiofônica Aula 6 Locução

Linguagem Radiofônica Aula 6 Locução Linguagem Radiofônica Aula 6 Locução Rádio é um veículo companheiro Quem ouve rádio pode fazer outras atividades ao mesmo tempo, por isso, a atenção é dividida. Daí a necessidade de um texto claro que

Leia mais

PC Fundamentos Revisão 4

PC Fundamentos Revisão 4 exatasfepi.com.br PC Fundamentos Revisão 4 André Luís Duarte...mas os que esperam no Senhor renovarão as suas forças; subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; andarão, e não se fatigarão.is

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Javascript 101. Parte 2

Javascript 101. Parte 2 Javascript 101 Parte 2 Recapitulando O Javascript é uma linguagem de programação funcional Os nossos scripts são executados linha a linha à medida que são carregados. O código que está dentro de uma função

Leia mais

Aula 5 Modelo de Roteiro Para Ser Usado nas Suas Entrevistas

Aula 5 Modelo de Roteiro Para Ser Usado nas Suas Entrevistas Aula 5 Modelo de Roteiro Para Ser Usado nas Suas Entrevistas OBS: Tudo que estiver nessa formatação: [vermelho] são os espaços onde você deve preencher com informações pertinentes ao seu projeto (avatar,

Leia mais

mas respiratório, fonatório e articulatório e dos órgãos que constituem o aparelho fonador.

mas respiratório, fonatório e articulatório e dos órgãos que constituem o aparelho fonador. D.E.L.T.A., Vol. 16, N. 1, 2000 (183-188) RESENHA/REVIEW SILVA, THAÏS CRISTÓFARO. (1999) Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. São Paulo: Contexto. 254 p. Resenhado

Leia mais

Construção de tabelas verdades

Construção de tabelas verdades Construção de tabelas verdades Compreender a Lógica como instrumento da ciência e como estrutura formal do pensamento, conhecendo e compreendendo as operações com os principais conceitos proposicionais

Leia mais

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS Antonio Carlos Santana de Souza (UEMS / PPGLETRAS UFGRS) acssuems@gmail.com Reúno aqui a resenha de três textos que foram muito importantes para a minha formação sociolinguística.

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE BLOOMFIELD SOBRE A LINGUÍSTICA MODERNA Hely D. Cabral da Fonseca*

INFLUÊNCIAS DE BLOOMFIELD SOBRE A LINGUÍSTICA MODERNA Hely D. Cabral da Fonseca* 131 INFLUÊNCIAS DE BLOOMFIELD SOBRE A LINGUÍSTICA MODERNA Hely D. Cabral da Fonseca* RESUMO Este artigo tem como objetivo principal mostrar a influência de Bloomfield sobre a Lingüística Moderna. Procedemos

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR

A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR Página94 A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR Cristiane Gonçalves Uliano 1 Maria Fernanda Silva de Carvalho 2 Marina da Costa

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Processo Seletivo 2016 para Ensino Fundamental e Ensino Médio

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Processo Seletivo 2016 para Ensino Fundamental e Ensino Médio / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS 1º Ano do Ensino Fundamental (Alunos concluintes do 2º Período da Educação Infantil) Escrita do nome completo; Identificar e reconhecer as letras do alfabeto; Identificar e diferenciar

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014 Agrupamento de Escolas Domingos Sequeira Área Disciplinar: Português Ano de Escolaridade: 3º Mês: outubro Domínios de referência Objetivos/Descritores Conteúdos Oralidade 1

Leia mais

Equações do segundo grau

Equações do segundo grau Módulo 1 Unidade 4 Equações do segundo grau Para início de conversa... Nesta unidade, vamos avançar um pouco mais nas resoluções de equações. Na unidade anterior, você estudou sobre as equações de primeiro

Leia mais

Transdutor de estados finitos para o reconhecimento da nasalidade na pronúncia da variedade potiguar

Transdutor de estados finitos para o reconhecimento da nasalidade na pronúncia da variedade potiguar Transdutor de estados finitos para o reconhecimento da nasalidade na pronúncia da variedade potiguar Cid Ivan da Costa Carvalho 1 1 Campus Caraúbas Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA) RN 233,

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) PORTUGUÊS

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) PORTUGUÊS CRTÉRO EPECÍCO DE AVALAÇÃO 3º ANO (1º CCLO) PORTUGUÊ DOMÍNO OJETVO DECRTORE DE DEEMPENHO MENÇÕE Oralidade 1. Escutar para aprender e construir conhecimentos 2. Produzir um discurso oral com correção 3.

Leia mais

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos.

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. METAS CURRICULARES 2º ANO Português Oralidade Respeitar regras da interação discursiva. Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. Produzir um discurso oral com correção. Produzir

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS (Planificação anual) 3º ano de escolaridade 1º Período

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS (Planificação anual) 3º ano de escolaridade 1º Período PROGRAMÁTICOS (Planificação anual) 3º ano de escolaridade 1º Período DISCIPLINA: Língua Portuguesa Compreensão do oral; Ouvinte (DT); Vocabulário; Notas, esquemas; Oralidade (DT); Texto oral e texto escrito

Leia mais

Olimpíadas de Linguística e técnicas de resolução de problemas. Ivan Tadeu Ferreira Antunes Filho

Olimpíadas de Linguística e técnicas de resolução de problemas. Ivan Tadeu Ferreira Antunes Filho Olimpíadas de Linguística e técnicas de resolução de problemas Ivan Tadeu Ferreira Antunes Filho 24 de setembro de 2012 Resumo Este manual pretende cobrir de forma rápida e sucinta algumas das principais

Leia mais

Oficina Porcentagem e Juros

Oficina Porcentagem e Juros Oficina Porcentagem e Juros Esta oficina está dividida em duas partes. A primeira consiste em uma breve revisão, de caráter mais teórico, sobre o conceito de porcentagem e juros. Na segunda parte, os alunos

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Conteúdo Programático Teste Seletivo 2014 - Edital 4º Ano Ensino Fundamental I 1. Interpretação de texto; 2. Redação; 3. Operações Fundamentais (probleminhas). 5º Ano Ensino Fundamental I 1. Interpretação

Leia mais

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Básico de Computadores Computador: dispositivos físicos + programas Dispositivos físicos: hardware Programas: as instruções que dizem aos dispositivos

Leia mais

O que queremos. Processamento Estatístico da Linguagem Natural. Parsing Morfológico. Regras Simples. Adicionando palavras. Regras Derivacionais

O que queremos. Processamento Estatístico da Linguagem Natural. Parsing Morfológico. Regras Simples. Adicionando palavras. Regras Derivacionais Processamento Estatístico da Linguagem Natural Aula 5 Professora Bianca (Sala 302 Bloco E) bianca@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~bianca/peln/ O que queremos Algo que faça automaticamente um mapeamento

Leia mais

Segue-se o estudo da forma como os computadores armazenam e acedem às informações contidas na sua memória.

Segue-se o estudo da forma como os computadores armazenam e acedem às informações contidas na sua memória. 4. Variáveis Para a execução de qualquer tipo de programa o computador necessita de ter guardados os diferentes tipos de dados, já estudados. Esses dados estão guardados na sua memória. Segue-se o estudo

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Sistemas de Numeração. Professor: Rogério R. de Vargas INFORMÁTICA 2014/2

Sistemas de Numeração. Professor: Rogério R. de Vargas INFORMÁTICA 2014/2 INFORMÁTICA Sistemas de Numeração Professor: Rogério R. de Vargas 2014/2 Sistemas de Numeração São sistemas de notação usados para representar quantidades abstratas denominadas números. Um sistema numérico

Leia mais

A Linguística Formal e sua relação com o ensino e com a pesquisa. Prof. Dr. Aline Lorandi Prof. Doutoranda Taíse Simioni UNIPAMPA Bagé Março/2011

A Linguística Formal e sua relação com o ensino e com a pesquisa. Prof. Dr. Aline Lorandi Prof. Doutoranda Taíse Simioni UNIPAMPA Bagé Março/2011 A Linguística Formal e sua relação com o ensino e com a pesquisa Prof. Dr. Aline Lorandi Prof. Doutoranda Taíse Simioni UNIPAMPA Bagé Março/2011 Ementa A Linguística formal se dedica ao estudo da estrutura

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

RECONHECIMENTO DE PADRÕES RECONHECIMENTO DE VOZ

RECONHECIMENTO DE PADRÕES RECONHECIMENTO DE VOZ RECONHECIMENTO DE PADRÕES RECONHECIMENTO DE VOZ O ESQUEMA DE CLASSIFICAÇÃO É GERALMENTE BASEADO NA DISPONIBILIDADE DE UM CONJUNTO DE PADRÕES QUE FORAM ANTERIORMENTE CLASSIFICADOS, O "CONJUNTO DE TREINAMENTO";

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 UML Linguagem Unificada de Modelagem Análise Orientada a Objetos com UML Análise Orientada a Objetos com UML Diagrama de Caso

Leia mais

Olimpíadas de Linguística e técnicas de resolução de problemas. Ivan Tadeu Ferreira Antunes Filho

Olimpíadas de Linguística e técnicas de resolução de problemas. Ivan Tadeu Ferreira Antunes Filho Olimpíadas de Linguística e técnicas de resolução de problemas Ivan Tadeu Ferreira Antunes Filho 24 de setembro de 2012 Resumo Este manual pretende cobrir de forma rápida e sucinta algumas das principais

Leia mais

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf 1 Sumário Introdução...04 Passo 1...04 Passo 2...05 Passo 3...05 É possível Aprender Inglês Rápido?...07 O Sonho da Fórmula Mágica...07 Como Posso Aprender Inglês Rápido?...09 Porque isto Acontece?...11

Leia mais

Nível linguístico. narrativas. Inserção de vogal em sílaba (epêntese)

Nível linguístico. narrativas. Inserção de vogal em sílaba (epêntese) 1. Leia os trechos de uma entrevista transcrita (dados de fala) e da produção escrita (dados de escrita) de duas alunas de 9º ano (retirados de Silva-Brustolin, 2009), depois responda as questões a) e

Leia mais

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros Alfabetização e letramento Professora : Jackeline Miranda de Barros O que é alfabetização? O que é letramento? Qual o melhor método? Como alfabetizar? Para início de conversa, vamos exercitar nossa memória...

Leia mais

Transdutor de estados finitos para a reconhecimento da nasalidade na pronúncia da variedade potiguar

Transdutor de estados finitos para a reconhecimento da nasalidade na pronúncia da variedade potiguar Transdutor de estados finitos para a reconhecimento da nasalidade na pronúncia da variedade potiguar Cid Ivan da Costa Carvalho 1 1 Campus Caraúbas Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA) RN 233,

Leia mais

Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes

Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes Módulo 3 Unidade 29 Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes Para início de conversa... Frequentemente em jornais, revistas e também na Internet encontramos informações numéricas organizadas na

Leia mais

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,...

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... 0) O que veremos na aula de hoje? Um fato interessante Produtos notáveis Equação do 2º grau Como fazer a questão 5 da 3ª

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC 1. Dados do Município ou GERED a) Município: FLORIANÓPOLIS b)município/gered: SECRETARIA MUNICIPAL RELATÓRIO

Leia mais

percebe diferença e qual?

percebe diferença e qual? 1 percebe diferença e qual? este ano ficou melhor 1 os cursos/qualificação 2 aulas de informática/internet 5 ter 2 diplomas 1 chances de emprego 1 mais oportunidades 1 diminuiu o tempo para a conclusão

Leia mais

NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO 1

NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO 1 NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO 1 Sheyla Carvalho 1 Nota: As fontes de consulta desta apresentação estão citada no OBJETIVOS da palestra Informar Esclarecer Comentar Trocar ideias DEFINIÇÃO - Motivação 1 O Acordo

Leia mais

Sandra Duarte Tavares Sara de Almeida Leite. Gramática Descomplicada para Pais e Filhos, Alunos e Professores e muitos mais

Sandra Duarte Tavares Sara de Almeida Leite. Gramática Descomplicada para Pais e Filhos, Alunos e Professores e muitos mais Sandra Duarte Tavares Sara de Almeida Leite Gramática Descomplicada para Pais e Filhos, Alunos e Professores e muitos mais Índice Apresentação... 9 Letras e sons Alfabeto........................................................

Leia mais

Política de Línguas na América Latina 1

Política de Línguas na América Latina 1 Política de Línguas na América Latina 1 Eduardo Guimarães * Num momento como o atual, em que as relações internacionais vêm mudando rapidamente e que se caracteriza, entre outras coisas, pelo fato político

Leia mais

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino César Reis (UFMG) Leandra Batista Antunes (UFOP) Leandro Augusto dos Santos (UFOP) Vanessa Pinha (UFMG) Apesar de os

Leia mais

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior Maurício Bezerra Bandeira Junior Introdução às equações de primeiro grau Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que

Leia mais

Aula3 TALKING ABOUT YOUR ROUTINE. Fernanda Gurgel Raposo

Aula3 TALKING ABOUT YOUR ROUTINE. Fernanda Gurgel Raposo Aula3 TALKING ABOUT YOUR ROUTINE META Apresentar a estrutura gramatical do presente simples, simple present em inglês, nas formas afi rmativa, negativa e interrogativa, para as duas primeiras pessoas do

Leia mais

Aula 6 Tema: Tecnologia: corpo, movimento e linguagem na era da informação. LÍNGUA PORTUGUESA FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 6 Tema: Tecnologia: corpo, movimento e linguagem na era da informação. LÍNGUA PORTUGUESA FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 6 Tema: Tecnologia: corpo, movimento e linguagem na era da informação. 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais