REGULAMENTO ELEIÇÃO DO REPRESENTANTE DOS TRABALHADORES NO CONSELHO DE AUDITORIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO ELEIÇÃO DO REPRESENTANTE DOS TRABALHADORES NO CONSELHO DE AUDITORIA"

Transcrição

1 Área Proponente GGV REGULAMENTO ELEIÇÃO DO REPRESENTANTE DOS TRABALHADORES NO CONSELHO DE AUDITORIA Data de Emissão Regulamento Eleitoral Artigo 1.º (Direito de voto) Compete aos trabalhadores em efectividade de funções s do Banco Nacional de Angola, B.N.A., que lhe prestam serviço por força de um contrato de trabalho por prazo indeterminado, designar o seu representante para o Conselho de Auditoria. Artigo 2.º (Enquadramento legal) A eleição do representante dos trabalhadores do Banco Nacional de Angola para o Conselho de Auditoria decorre do exercício do direito que lhes está conferido pelo n.º 2 do art.º 66.º da Lei do Banco Nacional de Angola. Artigo 3º. (Âmbito territorial) O processo eleitoral tem lugar em Luanda, nas instalações do Banco e, nas respectivas Delegações Regionais. Artigo 4.º (Direitos de eleger e ser eleito) O exercício do direito de votar constitui um dever pessoal, presencial e intransmissível do trabalhador em efectividade de funções.

2 Artigo 5º. (Inelegibilidades para o mandato de representante dos trabalhadores no Conselho de Auditoria) São inelegíveis a representantes dos trabalhadores junto do Conselho de Auditoria: a) Os membros da Comissão Eleitoral; b) Os Directores, Sub directores, bem como os trabalhadores cujas funções sejam incompatíveis com a natureza das funções inerentes à missão institucional do Conselho de Auditoria. Artigo 6º. (Capacidade eleitoral para o cargo de representante dos trabalhadores) Sem prejuízo do disposto no artigo anterior, só pode ser eleito para o cargo de representante dos trabalhadores junto do Conselho de Auditoria, o trabalhador: a) Em efectividade de funções no Banco, há pelo menos dez (10) anos; e, b) Que seja um profissional de reconhecida competência em matéria financeiro monetária, cambial, contabilística ou jurídica, bem como possua bons conhecimentos do sector financeiro angolano em geral e, da actividade do Banco Nacional de Angola, em particular. Artigo 7.º (Processos de candidatura) Os processos de candidatura, devem conter os elementos que permitam uma completa identificação do candidato, designadamente: nome completo, data de nascimento, número mecanográfico, currículo profissional, nível e grupo contratual, data de admissão no Banco Nacional de Angola, funções e local de trabalho. 2

3 Artigo 8.º (Entrega de processos e identificação de candidaturas e prazo) 1. Os processos de candidatura serão entregues na Comissão Eleitoral, a funcionar junto do Departamento Jurídico, sito no edifico sede,2º andar, Av.ª 4 de Fevereiro, n.º 151, Luanda, á atenção do Presidente da referida comissão, pelo candidato ou seu legal representante, contra recibo, no acto da entrega, contendo a identificação da letra que lhe foi atribuída. 2. As candidaturas devem ser apresentadas até ao 10.º dia, contados a partir da data da publicação do comunicado / convocatória das eleições. Artigo 9.º (Aceitação ou rejeição de candidaturas) Com vista ao suprimento de eventuais irregularidades, as candidaturas e a documentação serão devolvidas pela Comissão Eleitoral ao candidato ou seu legal representante, dispondo este de 48 horas para sanar quaisquer irregularidades. Artigo 10.º (Comissão Eleitoral) 1. Compete ao Presidente da Comissão Eleitoral afixar as datas de início e termo do período para apresentação de candidaturas, em local apropriado no Banco e nas Delegações Regionais, o qual não pode ser inferior a 5 (cinco) dias nem superior a 15 (quinze) dias a contar da data da referida afixação, bem como dirigir a actividade da comissão. 2. A Comissão Eleitoral funcionará nas instalações do Edifício sede do BNA, junto do Departamento Jurídico, competindo-lhe dirigir o procedimento da eleição, nomeadamente: 3

4 a) Receber os requerimentos de apresentação de candidaturas; b) Verificar a regularidade das candidaturas, em especial no que respeita ao número de candidatos e a sua qualidade de trabalhadores do Banco; c) Afixar as candidaturas no Banco e respectivas Delegações Regionais; e) Fixar o número e a localização das mesas de voto; f) Apreciação de reclamações; g) Realizar o apuramento global do acto eleitoral; h) Proclamar os resultados; i) Comunicar os resultados da eleição ao Conselho de Administração do Banco e ao Departamento de Recursos Humanos; j) Resolver dúvidas e omissões do procedimento da eleição. 3. Às mesas de voto, compete-lhes pronunciar-se sobre qualquer reclamação apresentada no decorrer da votação, sendo a sua deliberação tomada por maioria simples dos seus membros presentes. 4. A Comissão Eleitoral delibera por maioria, tendo o Presidente voto de qualidade. Artigo 11.º (Prestação de Colaboração) O Departamento de Recursos Humanos prestará o apoio necessário aos membros da Comissão Eleitoral para a realização do ato eleitoral (lista de pessoal, material, etc.). 4

5 Artigo 12.º (Mesas de voto) 1. Compete à Comissão Eleitoral estabelecer, face ao número de trabalhadores em efectividade de funções, o número de mesas de voto nos locais de trabalho, designadamente nas instalações do Banco, em Luanda e, nas Delegações Regionais. 2. Cada mesa de voto a constituir deve ser composta por um Presidente, que dirige a respectiva votação, e um Secretário, escolhidos pelo Presidente da Comissão Eleitoral, e por um representante de cada candidatura, caso estes o pretendam, ficando, para esse efeito, dispensados da respectiva prestação de trabalho. Artigo 13.º (Cadernos eleitorais) 1. Haverá em cada mesa de voto pelo menos um caderno eleitoral, que servirá para a descarga dos eleitores à medida que estes vão votando. 2. O Departamento de Recursos Humanos deve entregar à Comissão Eleitoral, no prazo que este designar, o caderno eleitoral, contendo o nome dos trabalhadores que se encontram em efectividade de funções no Banco, à data da marcação do acto eleitoral, incluindo a lista dos trabalhadores das Delegações Regionais. Artigo 14.º (Boletins de voto e urnas) 1. Os boletins de voto são elaborados pela Comissão Eleitoral nos 8 dias anteriores à data do acto eleitoral. 2. Os boletins de voto devem conter por ordem alfabética de admissão as 5

6 candidaturas concorrentes. 3. As urnas devem ser providenciadas pela Comissão Eleitoral, devendo esta garantir a segurança dos boletins. Artigo 15.º (Convocação e marcação da data das eleições) Compete ao Presidente da Comissão Eleitoral convocar e marcar a data do acto eleitoral, após prévia aprovação do Governador do Banco. Artigo 16.º (Acto eleitoral) 1. O acto eleitoral é efectuado por depósito do voto em urnas, devendo salvaguardar-se a transparência e segurança do acto eleitoral. 2. As mesas de voto devem ser colocadas nos locais de trabalho, de modo a permitir que todos os trabalhadores possam votar sem prejudicar o normal funcionamento do Banco e respectivas Delegações Regionais. 3. A votação é efectuada no local e durante as horas de trabalho. 4. A votação deve ter a duração mínima de 3 horas e máxima de 5 horas, competindo à Comissão Eleitoral fixar o seu horário de funcionamento, 5 (cinco) dias antes da data do acto eleitoral, não podendo o encerramento ocorrer depois das 17 horas. 5. No caso de trabalho por turnos, o acto eleitoral do turno da noite deve preceder o do turno de dia. 6. Nas Delegações Regionais, o acto eleitoral deve ser realizado, no mesmo dia, no mesmo horário e nos mesmos termos que no edifício - sede, em Luanda. 7. Os trabalhadores eleitores, devem ser identificados através da numeração do 6

7 respectivo cartão mecanográfico e registados em documento próprio, com termo de abertura e encerramento, assinado e rubricado em todas as folhas pela mesa eleitoral. Artigo 17.º (Apuramento do acto eleitoral) 1. O apuramento do acto eleitoral deve ser realizado imediatamente após o encerramento das urnas. 2. O apuramento do resultado da votação na secção de voto é realizado pela respectiva mesa, competindo ao seu Presidente comunicar de imediato os resultados à Comissão Eleitoral. 3. O apuramento global do acto eleitoral é feito pela Comissão Eleitoral Artigo 18.º (Votação) O voto é secreto, devendo o respectivo boletim ser entregue ao presidente da mesa de voto, dobrado em quatro, com a parte impressa voltada para dentro. Artigo 19.º (Voto nulo) Será considerado nulo todo e qualquer voto que se apresente em boletim cujas características evidenciem não ter sido disponibilizado pela Comissão Eleitoral, ou no qual haja rasgão, corte, desenho, rasura ou qualquer inscrição desprovida de validade. Artigo 20.º (Acta de resultados) 1. Por cada mesa de voto será lavrada acta dos resultados obtidos e das ocorrências registadas, devendo os seus membros assiná-la. 7

8 2. Toda a documentação respeitante à votação será encerrada em sobrescrito a enviar o mais rapidamente possível à Comissão Eleitoral, por mão própria ou por correio electrónico para o seguinte endereço: Departamento Jurídico, Edifício sede 2º andar, Luanda ou 3. Os resultados apurados serão transmitidos à Comissão Eleitoral, no próprio dia da eleição, até às 18 horas, por correio electrónico, para o endereço referido no número anterior. Artigo 21º. (Candidato eleito) 1. É eleito o trabalhador mais votado no quadro das eleições. 2. Em caso de empate é eleito o trabalhador mais antigo ou, em igualdade de circunstâncias, o mais velho. Artigo 22.º (Publicação de resultados) 1. A Comissão Eleitoral deve proceder à afixação dos elementos de identificação do Representante eleito, bem como da cópia da acta da respectiva eleição, durante 10 dias, a contar da data do apuramento, no local ou locais em que a eleição teve lugar e remeter, dentro do mesmo prazo, ao Departamento de Recursos Humanos, bem como ao Conselho de Administração do Banco. 2. O Departamento de Recursos Humanos deve registar o resultado da eleição e proceder à sua publicação e divulgação a todas as unidades de estrutura do Banco e respectivas Delegações Regionais. Artigo 23.º (Acumulação de funções) 1. O trabalhador eleito deve acumular o exercício da função no Conselho de 8

9 Auditoria com as suas funções laborais normais. 2. Para efeitos do disposto no número anterior, o trabalhador eleito sempre que necessite no exercício das suas funções, enquanto membro do Conselho de Auditora, tem o direito à dispensa do exercício das suas funções laborais normais, devendo para o efeito, informar do facto ao responsável directo com a antecedência mínima de 24 horas. Artigo 24.º (Início de actividade) O representante dos trabalhadores eleito só pode iniciar o exercício da respectiva actividade depois da publicação prevista no nº2 do anterior art.º 22º e, consequente tomada de posse e registo em livro próprio na presença dos membros do Conselho de Administração do Banco e dos restantes membros do Conselho de Auditoria. Luanda, 02 de Agosto de

REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO

REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO 2008/2010 Apreciado na 33.ª reunião plenária do CDN, em 20 de Março de 2007 e pelo Conselho Nacional de Delegados no dia 31 de Março de 2007. Aprovado em reunião plenária

Leia mais

Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Pedagógico [Alterações aprovadas na reunião nº 9/2013 de 30 de outubro]

Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Pedagógico [Alterações aprovadas na reunião nº 9/2013 de 30 de outubro] ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Pedagógico [Alterações aprovadas na reunião nº 9/2013 de 30 de outubro] Página2 Capítulo I Disposições Gerais

Leia mais

Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia

Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia Universidade do Minho, julho 2016 Universidade do Minho Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia O

Leia mais

REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB

REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB SECÇÃO I DEFINIÇÕES Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define as normas aplicáveis ao processo de eleição das Comissões de Curso

Leia mais

Regulamento Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da APM CAPÍTULO I. Dos princípios gerais. Artigo 1º. Assembleia Eleitoral

Regulamento Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da APM CAPÍTULO I. Dos princípios gerais. Artigo 1º. Assembleia Eleitoral Regulamento Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da APM CAPÍTULO I Dos princípios gerais Artigo 1º Assembleia Eleitoral 1 - Em cumprimento do disposto no capítulo sexto dos Estatutos da APM, o presente

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL ENA - AGÊNCIA DE ENERGIA E AMBIENTE DA ARRÁBIDA REGULAMENTO ELEITORAL --------- --------- CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO E FUNCIONAMENTO DA ASSEMBLEIA ELEITORAL Artº 1º Constituição da Assembleia Eleitoral A

Leia mais

Regulamento Eleitoral para a. Eleição dos Órgãos Sociais da. Associação de Professores de Matemática

Regulamento Eleitoral para a. Eleição dos Órgãos Sociais da. Associação de Professores de Matemática Regulamento Eleitoral para a Eleição dos Órgãos Sociais da CAPÍTULO I Dos Princípios Gerais Artigo 1.º Assembleia Eleitoral 1 Em cumprimento do disposto no capítulo sétimo dos Estatutos da Associação de

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO E COOPTAÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL DA UPORTO. Introdução

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO E COOPTAÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL DA UPORTO. Introdução Regulamentos REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO E COOPTAÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL DA UPORTO Aprovado pelo Conselho Geral em 27 de Novembro de 2009 Introdução Nos termos e para efeito do estipulado no artigo

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Proposta de Regulamento Eleitoral das eleições primárias abertas a militantes e simpatizantes do PS para a designação do candidato do PS ao cargo do Primeiro-Ministro CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo

Leia mais

DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL

DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL Aprovado a 29 de Outubro de 2010 CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Objecto 1. O presente Regulamento estabelece os princípios reguladores do processo

Leia mais

Artigo 1.º. Artigo 2.º

Artigo 1.º. Artigo 2.º REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL DA MESA DA ASSEMBLEIA GERAL, DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DO CONSELHO FISCAL DA PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA (PPA) Artigo 1.º 1. A eleição da Mesa da Assembleia Geral,

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito 1. O presente Regulamento contém as normas e procedimentos a que obedecerá o processo eleitoral para a Mesa da Assembleia-Geral, para

Leia mais

Regulamento Eleitoral. Primeira Eleição dos Órgãos Sociais do Clube ANA Madeira

Regulamento Eleitoral. Primeira Eleição dos Órgãos Sociais do Clube ANA Madeira Regulamento Eleitoral Primeira Eleição dos Órgãos Sociais do Clube ANA Madeira 1. Objetivo 1.1. O presente regulamento tem como objetivo regulamentar o processo de eleição dos Órgãos Sociais do Clube ANA

Leia mais

Regulamento Eleitoral da SFPE Portugal

Regulamento Eleitoral da SFPE Portugal Regulamento Eleitoral da SFPE Portugal Aprovado a aprovado a 11 de julho de 2017 na 2ª Assembleia Geral. CAPÍTULO I Dos Princípios Gerais Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto nos Estatutos da AESCI

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DOS ÓRGÃOS LOCAIS DA JSD MADEIRA

REGULAMENTO ELEITORAL DOS ÓRGÃOS LOCAIS DA JSD MADEIRA REGULAMENTO ELEITORAL DOS ÓRGÃOS LOCAIS DA JSD MADEIRA Artigo 1.º É aprovado como regulamento o documento que regula as eleições dos órgãos locais regionais, nos termos seguintes: Parte I Parte geral Artigo

Leia mais

ulamento Eleitoral ALADI ASSOCIAÇÃO LAVRENSE DE APOIO AO DIMINUIDO II\TELECTUAL

ulamento Eleitoral ALADI ASSOCIAÇÃO LAVRENSE DE APOIO AO DIMINUIDO II\TELECTUAL ALADI ASSOCIAÇÃO LAVRENSE DE APOIO AO DIMINUIDO II\TELECTUAL Re ulamento Eleitoral Capítulo - Disposições gerais Artigo te - Âmbito O presente regulamento contém as normas a que devem obedecer o processo

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1.º Capacidade Eleitoral 1. São elegíveis para os órgãos sociais da A.A.C.B. apenas pessoas individuais. 2. São eleitores, todos os associados efectivos e extraordinários no

Leia mais

NORMAS DE CRIAÇÃO E ELEIÇÕESDOS NÚCLEOS DA SECÇÃO REGIONAL DO NORTE

NORMAS DE CRIAÇÃO E ELEIÇÕESDOS NÚCLEOS DA SECÇÃO REGIONAL DO NORTE NORMAS DE CRIAÇÃO E ELEIÇÕES DOS NÚCLEOS DA SECÇÃO REGIONAL DO NORTE As presentes Normas foram aprovadas em reunião do CDRN da OA em 12 de Janeiro de 2011, e objecto de alteração por deliberação do CDRN

Leia mais

Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Geral

Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Geral Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Geral Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento aplica-se exclusivamente ao processo eleitoral para os membros do Conselho Geral, de acordo com o regime

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Ténis de Mesa MODALIDADE OLÍMPICA CAPITULO I Princípios Gerais Artigo 1º (Objeto) 1. O presente regulamento estabelece os princípios reguladores do processo eleitoral da Federação

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL. Artigo 1.º (Objecto)

REGULAMENTO ELEITORAL. Artigo 1.º (Objecto) REGULAMENTO ELEITORAL Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto) 1. O regulamento eleitoral, adiante designado por regulamento, estabelece, ao abrigo do disposto no artigo 25.º dos estatutos, o

Leia mais

Declaração de Aceitação. Para Membro da Comissão Eleitoral

Declaração de Aceitação. Para Membro da Comissão Eleitoral Declaração de Aceitação Para Membro da Comissão Eleitoral Nos termos do disposto no artigo n.º 1º do artigo n.º 56º dos estatutos do Sindicato Nacional dos Registos e Notariado eu,..., venho por este meio

Leia mais

Regulamento para a eleição dos Diretores de Departamento da Escola de Ciências da Vida e do Ambiente -ECVA-

Regulamento para a eleição dos Diretores de Departamento da Escola de Ciências da Vida e do Ambiente -ECVA- Regulamento para a eleição dos Diretores de Departamento da Escola de Ciências da Vida e do Ambiente -ECVA- Capítulo I Âmbito de aplicação e Princípios Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1. O presente regulamento

Leia mais

Instituto Superior Técnico. Regulamento Eleitoral para a constituição do Conselho Pedagógico do IST. SECÇÃO I (Comissão Eleitoral)

Instituto Superior Técnico. Regulamento Eleitoral para a constituição do Conselho Pedagógico do IST. SECÇÃO I (Comissão Eleitoral) Instituto Superior Técnico Regulamento Eleitoral para a constituição do Conselho Pedagógico do IST SECÇÃO I (Comissão Eleitoral) Artigo 1.º Constituição e Competência 1. O Presidente do IST designará,

Leia mais

Regulamento Eleitoral da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Lagos

Regulamento Eleitoral da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Lagos Artigo 1.º Princípios eleitorais O presente regulamento disciplina o processo eleitoral com vista à eleição dos Órgãos Sociais da Associação Humanitária dos Bombeiros. Artigo 2.º Calendário eleitoral O

Leia mais

(Aprovado na Assembleia Geral da CIP Confederação Empresarial de Portugal realizada em 26 de Outubro de 2010)

(Aprovado na Assembleia Geral da CIP Confederação Empresarial de Portugal realizada em 26 de Outubro de 2010) REGULAMENTO ELEITORAL 11 (Aprovado na Assembleia Geral da CIP Confederação Empresarial de Portugal realizada em 26 de Outubro de 2010) ARTIGO 1º (ÂMBITO) 1. O presente regulamento estabelece as normas

Leia mais

Regulamento eleitoral para as eleições dos estudantes dos Conselhos Pedagógicos dos Centros de Competência. Preâmbulo

Regulamento eleitoral para as eleições dos estudantes dos Conselhos Pedagógicos dos Centros de Competência. Preâmbulo Regulamento eleitoral para as eleições dos estudantes dos Conselhos Pedagógicos dos Centros de Competência Preâmbulo O artigo 72.º dos Estatutos da Universidade da Madeira prevê que compete à Reunião Geral

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL E DE FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO FAPPC 2014

REGULAMENTO ELEITORAL E DE FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO FAPPC 2014 REGULAMENTO ELEITORAL E DE FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO FAPPC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 Artigo 1º - Do âmbito do presente regulamento... 4 Artigo 2º - Do Congresso da Federação... 4

Leia mais

Comissão Sindical de Empresa do Banco Comercial Português (Centro)

Comissão Sindical de Empresa do Banco Comercial Português (Centro) Regulamento Comissão Sindical de Empresa Grupo Banco Artigo 1º Âmbito do Regulamento Nos termos dos Estatutos a organização e funcionamento da Comissão Sindical de Empresa reger-se-á pelo presente Regulamento,

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Regulamento Eleitoral para Eleição dos Órgãos Sociais da Casa do Povo de Alvito - IPSS Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente regulamento contém as normas a que

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DO PORTO DE PARALISIA CEREBRAL

ASSOCIAÇÃO DO PORTO DE PARALISIA CEREBRAL ASSOCIAÇÃO DO PORTO DE PARALISIA CEREBRAL REGULAMENTO ELEITORAL Regulamento Eleitoral 2016 - appc.doc - 0 - Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º O presente Regulamento visa regular o processo eleitoral

Leia mais

Associação de Ciclismo da Beira Interior REGULAMENTO ELEITORAL

Associação de Ciclismo da Beira Interior REGULAMENTO ELEITORAL Associação de Ciclismo da Beira Interior REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1.º Capacidade Eleitoral 1. São elegíveis para os órgãos sociais da ACBI apenas pessoas individuais. 2. São eleitores, todos os associados

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA ORDEM DOS ARQUITECTOS

REGULAMENTO ELEITORAL DA ORDEM DOS ARQUITECTOS REGULAMENTO ELEITORAL DA ORDEM DOS ARQUITECTOS Apreciado na XX reunião plenária do CDN, em XX de XXXX de XXXX, e pelo Conselho Nacional de Delegados no dia XX de XXXX de XXXX. Aprovado em reunião plenária

Leia mais

REGULAMENTO DA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DO CONSELHO CONSULTIVO REFERIDOS NAS ALS. D) A F) DO N.º 2 DO ART. 109.º DA LEI N. 26.º, N.

REGULAMENTO DA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DO CONSELHO CONSULTIVO REFERIDOS NAS ALS. D) A F) DO N.º 2 DO ART. 109.º DA LEI N. 26.º, N. Comarca de REGULAMENTO DA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DO CONSELHO CONSULTIVO REFERIDOS NAS ALS. D) A F) DO N.º 2 DO ART. 109.º DA LEI N.º 62/2013, DE 26 DE AGOSTO (LOSJ) E ART. 26.º, N.º 2 DO DL N.º 49/2014,

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS CARGOS SOCIAIS DA FENACAM - FEDERAÇÃO NACIONAL DAS CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, FCRL. Artigo 1º

REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS CARGOS SOCIAIS DA FENACAM - FEDERAÇÃO NACIONAL DAS CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, FCRL. Artigo 1º V.3-01.11.2012 REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS CARGOS SOCIAIS DA FENACAM - FEDERAÇÃO NACIONAL DAS CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, FCRL Através da vontade expressa dos seus membros em Assembleia-geral de

Leia mais

PARLAMENTO DOS JOVENS

PARLAMENTO DOS JOVENS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº2 DE ABRANTES ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 2º e 3º C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES PARLAMENTO DOS JOVENS Regulamento Eleitoral A Comissão Eleitoral Escolar, constituída nos termos do artigo

Leia mais

Agrupamento de Escolas José Estêvão. Regulamento da Eleição e Designação dos Membros do Conselho Geral

Agrupamento de Escolas José Estêvão. Regulamento da Eleição e Designação dos Membros do Conselho Geral Agrupamento de Escolas José Estêvão Regulamento da Eleição e Designação dos Membros do Conselho Geral Secção I Disposições gerais Artigo 1º Objeto O presente regulamento estabelece as condições e procedimentos

Leia mais

Instituto Superior Técnico. Regulamento para Eleição e Cooptação dos Membros do Conselho de Escola do IST. SECÇÃO I (Comissão Eleitoral)

Instituto Superior Técnico. Regulamento para Eleição e Cooptação dos Membros do Conselho de Escola do IST. SECÇÃO I (Comissão Eleitoral) Instituto Superior Técnico Regulamento para Eleição e Cooptação dos Membros do Conselho de Escola do IST SECÇÃO I (Comissão Eleitoral) Artigo 1.º Constituição e Competência 1. O Presidente do IST designará,

Leia mais

Assunto: Proposta para o ponto 2 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral: Alteração ao Regulamento Eleitoral do SNESup

Assunto: Proposta para o ponto 2 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral: Alteração ao Regulamento Eleitoral do SNESup Caro Presidente da Mesa da Assembleia Geral do SNESup Colega José Salgado Rodrigues 09 de novembro de 2015 Assunto: Proposta para o ponto 2 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral: Alteração ao Regulamento

Leia mais

Regulamento Eleitoral da Associação de Atletismo de Braga

Regulamento Eleitoral da Associação de Atletismo de Braga Regulamento Eleitoral da Associação de Atletismo de Braga Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento estabelece os princípios reguladores do processo eleitoral da Associação de Atletismo de Braga (adiante

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARCERIA TERRITORIAL ALENTEJO CENTRAL

REGULAMENTO ELEITORAL PARCERIA TERRITORIAL ALENTEJO CENTRAL REGULAMENTO ELEITORAL PARCERIA TERRITORIAL ALENTEJO CENTRAL 2014-2020 ARTIGO PRIMEIRO O Regulamento Eleitoral estabelece as normas que regulam o Processo Eleitoral da Mesa do Conselho de Parceiros, Seis

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS, DE LEIRIA

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS, DE LEIRIA REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS, DE LEIRIA Secção I Do Conselho Técnico-Científico Artigo 1º Composição 1. De acordo com o disposto

Leia mais

Condeixa Aqua Clube Regulamento Eleitoral Extraordinário

Condeixa Aqua Clube Regulamento Eleitoral Extraordinário Condeixa Aqua Clube Regulamento Eleitoral Extraordinário Eleição da Direcção Aprovado em 16/07/2011 De harmonia com a Lei e com o disposto no nº 2 dos Estatutos do CAC, conjugado com os artºs 19º ao 23º,

Leia mais

CONSELHO GERAL ELEIÇÃO DO CONSELHO GERAL EDITAL

CONSELHO GERAL ELEIÇÃO DO CONSELHO GERAL EDITAL ELEIÇÃO DO CONSELHO GERAL EDITAL Nos termos do artigo 16.º do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas Poeta Joaquim Serra, declaro aberto, com efeitos a contar do dia imediato ao do presente Edital,

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL. Nossa Senhora do Rosário

REGULAMENTO ELEITORAL. Nossa Senhora do Rosário REGULAMENTO ELEITORAL APROSÁRIO Associação de Pais e Encarregados de Educação do Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo I - Disposições gerais Artigo 1º - Âmbito O presente regulamento contém as

Leia mais

(a que se refere o nº 2 do Art. 19 dos Estatutos)

(a que se refere o nº 2 do Art. 19 dos Estatutos) REGULAMENTO ELEITORAL (a que se refere o nº 2 do Art. 19 dos Estatutos) ARTIGO 1 (ÂMBITO) 1. O presente regulamento estabelece as normas a que deve obedecer o processo respeitante às eleições para a Mesa

Leia mais

REGULAMENTO DA ELEIÇÃO DOS ÓRGÃOS SOCIAIS E DA REALIZAÇÃO DE REFERENDOS DA ORDEM DOS ARQUITECTOS

REGULAMENTO DA ELEIÇÃO DOS ÓRGÃOS SOCIAIS E DA REALIZAÇÃO DE REFERENDOS DA ORDEM DOS ARQUITECTOS REGULAMENTO DA ELEIÇÃO DOS ÓRGÃOS SOCIAIS E DA REALIZAÇÃO DE REFERENDOS DA ORDEM DOS ARQUITECTOS Apreciado na 42.ª reunião plenária do Conselho Directivo Nacional, em 18 de Maio de 2010, e pelo Conselho

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS ÓRGÃOS DISTRITAIS E LOCAIS

REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS ÓRGÃOS DISTRITAIS E LOCAIS Aprovado no Conselho Nacional dos TSD, em 10 de Fevereiro de 2001 REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS ÓRGÃOS DISTRITAIS E LOCAIS Artº 1º (Princípios Gerais) 1. As eleições para os órgãos distritais e locais

Leia mais

Regulamento Eleitoral do Conselho Pedagógico da Escola Superior de Gestão de Idanha-a-Nova

Regulamento Eleitoral do Conselho Pedagógico da Escola Superior de Gestão de Idanha-a-Nova Regulamento Eleitoral do Conselho Pedagógico da Escola Superior de Gestão de Idanha-a-Nova Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente regulamento destina-se à eleição dos representantes dos docentes e dos

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA A CONSTITUIÇÃO DO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE LOURES 1. OBJETO

REGULAMENTO ELEITORAL PARA A CONSTITUIÇÃO DO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE LOURES 1. OBJETO REGULAMENTO ELEITORAL PARA A CONSTITUIÇÃO DO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE LOURES 1. OBJETO O presente Regulamento rege a eleição para o Conselho Geral dos representantes do pessoal

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Aprovado em Assembleia Geral Extraordinária 13 Setembro de 2014 Regulamento Eleitoral Página 1 de 8 Artigo 1º Objeto 1º O presente regulamento estabelece os princípios reguladores

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS MEMBROS DO SENADO ACADÉMICO. Artigo 1.º. Objeto

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS MEMBROS DO SENADO ACADÉMICO. Artigo 1.º. Objeto REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS MEMBROS DO SENADO ACADÉMICO (Aprovado em reunião do Senado Académico de 2 de fevereiro de 2012) Artigo 1.º Objeto O presente regulamento rege a eleição dos representantes dos

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DOS REPRESENTANTES DOS ESTUDANTES

REGULAMENTO ELEITORAL DOS REPRESENTANTES DOS ESTUDANTES UNIVERSIDADE DO MINHO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL DOS REPRESENTANTES DOS ESTUDANTES DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO NO CONSELHO PEDAGÓGICO MARÇO DE 2011 Regulamento Eleitoral para Eleição dos

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL. Introdução CAPÍTULO II

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL. Introdução CAPÍTULO II REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL Introdução No cumprimento do disposto no Decreto-Lei n.º 75/2008, de 22 de abril, com a redação dada pelo Decreto- Lei n.º 137/2012, de 2 de julho, o do Agrupamento

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL CEMELB - CONVENÇÃO EUROPEIA DE MINISTROS LUSO-BRASILEIROS Página 1 de 6

REGULAMENTO ELEITORAL CEMELB - CONVENÇÃO EUROPEIA DE MINISTROS LUSO-BRASILEIROS Página 1 de 6 REGULAMENTO ELEITORAL Página 1 de 6 PARA OS CORPOS GERENTES DA CONVENÇÃO EUROPEIA DE MINISTROS EVANGÉLICOS LUSO-BRASILEIROS REFERENTE AO MANDATO DE 2010/2014 Capítulo I (Objectivo, âmbito, composição e

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL 2014

REGULAMENTO ELEITORAL 2014 REGULAMENTO ELEITORAL 2014 Artigo 1.º Organização 1. A organização das eleições é da competência do Conselho Diretivo Nacional da OET Ordem dos Engenheiros Técnicos, doravante designado por Conselho Diretivo

Leia mais

Regulamento Eleitoral da Associação Cabo-verdiana de Luta Contra o Cancro

Regulamento Eleitoral da Associação Cabo-verdiana de Luta Contra o Cancro Regulamento Eleitoral da Associação Cabo-verdiana de Luta Contra o Cancro CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente Regulamento Eleitoral contém as normas a que devem obedecer

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL MÚTUA DOS PESCADORES MÚTUA DE SEGUROS, C.R.L. REGULAMENTO ELEITORAL Proposta de alteração março 2016 Índice CAPITULO I ORGANIZAÇÃO GERAL DO PROCESSO ELEITORAL... 4 ARTIGO 1.º... 4 (Competências)... 4 ARTIGO

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PETANCA

REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PETANCA REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PETANCA Artigo 1º Objecto 1º. O presente regulamento estabelece os princípios reguladores do processo eleitoral da Federação Portuguesa de Petanca (adiante

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO PEDAGÓGICO DO ISGB

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO PEDAGÓGICO DO ISGB FFFF REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO PEDAGÓGICO DO ISGB Artigo 1º Objecto O presente Regulamento estabelece os princípios, as regras e os procedimentos aplicáveis à eleição dos membros do Conselho Pedagógico

Leia mais

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos.

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos. Regulamento Interno do Conselho Pedagógico da ESAP (Nº de Membros para o biénio 2013/2015: 14) Aprovado por unanimidade na reunião de 27.02.2014 1. Funcionamento a. O Conselho Pedagógico é composto por

Leia mais

Regulamento Eleitoral para os representantes dos trabalhadores não docentes e não investigadores para o Conselho Geral da Universidade da Madeira 1

Regulamento Eleitoral para os representantes dos trabalhadores não docentes e não investigadores para o Conselho Geral da Universidade da Madeira 1 Regulamento Eleitoral para os representantes dos trabalhadores não docentes e não investigadores para o Conselho Geral da Universidade da Madeira 1 O presente regulamento rege a eleição do representante

Leia mais

VI CONGRESSO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO

VI CONGRESSO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO VI CONGRESSO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO Capítulo I Objetivos, data e local de realização Artigo 1.º Objetivos O Congresso tem como objetivos pronunciar-se sobre o exercício da solicitadoria, sobre questões

Leia mais

REGULAMENTO PARA A PRIMEIRA ELEIÇÃO DOS CONSELHOS CIENTÍFICOS DAS ESCOLAS DE NATUREZA UNIVERSITÁRIA. ARTIGO 1. Objecto

REGULAMENTO PARA A PRIMEIRA ELEIÇÃO DOS CONSELHOS CIENTÍFICOS DAS ESCOLAS DE NATUREZA UNIVERSITÁRIA. ARTIGO 1. Objecto REGULAMENTO PARA A PRIMEIRA ELEIÇÃO DOS CONSELHOS CIENTÍFICOS DAS ESCOLAS DE NATUREZA UNIVERSITÁRIA ARTIGO 1. Objecto O presente Regulamento tem por objecto a eleição dos membros dos Conselhos Científicos

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO Despacho Presidente n.º 2015/39 Calendário eleitoral para a eleição dos representantes dos estudantes no Conselho Geral e no Conselho Pedagógico da Escola Superior de Enfermagem do Porto Considerando o

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO. Eleitoral do CCD PMCascais

PROPOSTA DE REGULAMENTO. Eleitoral do CCD PMCascais PROPOSTA DE REGULAMENTO Eleitoral do CCD PMCascais Aprovado em reunião de Direção de 4 de novembro de 2015 PREÂMBULO 3 Artigo 1º - Âmbito 3 Artigo 2º - Princípios eleitorais 3 CAPÍTULO II -RECENSEAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Eleição dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação para o Conselho Geral do Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira Aprovado pelo Conselho Geral em 24 de setembro de 2015

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL As eleições para cargos sociais da FENACAM - Federação Nacional das Caixas de Crédito Agrícola Mútuo, Federação de Cooperativas de Responsabilidade Limitada, passam a reger-se pelas disposições legais

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DOS NÚCLEOS DE CURSO DA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL MANDATO 2017

REGULAMENTO ELEITORAL DOS NÚCLEOS DE CURSO DA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL MANDATO 2017 REGULAMENTO ELEITORAL DOS NÚCLEOS DE CURSO DA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL MANDATO 2017 Artigo 1.º Âmbito 1 As disposições do presente Regulamento aplicam-se à eleição dos Núcleos

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL. Representantes dos alunos no Conselho Geral

REGULAMENTO ELEITORAL. Representantes dos alunos no Conselho Geral REGULAMENTO ELEITORAL Representantes dos alunos no Conselho Geral 1 Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento contém as normas a que devem obedecer o processo eleitoral para a eleição dos representantes

Leia mais

PROPOSTA REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE XADREZ

PROPOSTA REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE XADREZ PROPOSTA DE ASSOCIAÇÃO DISTRITAL DE XADREZ DE BEJA REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE XADREZ Artigo 1º Ano das Eleições 1. As Eleições para a Assembleia Geral e Órgãos Sociais da Federação

Leia mais

Escola de Arquitetura. Regulamento eleitoral para o Conselho Científico da Escola de Arquitetura

Escola de Arquitetura. Regulamento eleitoral para o Conselho Científico da Escola de Arquitetura Escola de Arquitetura Regulamento eleitoral para o Conselho Científico da Escola de Arquitetura Universidade do Minho, Junho de 2016 Regulamento eleitoral para o Conselho Científico Escola de Arquitetura

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO ELEIÇÃO DO CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL. Artigo 1.º. Objeto

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO ELEIÇÃO DO CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL. Artigo 1.º. Objeto AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO ELEIÇÃO DO CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define o processo eleitoral dos membros do Conselho Geral referido nos artigos

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL

PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL RESPIRA Associação Portuguesa de Pessoas com DPOC e outras Doenças Respiratórias Crónicas PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL Com a publicação do Decreto-Lei nº. 172-A/2014, de 14 de novembro, e da Lei nº.

Leia mais

CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I. Objeto. CAPÍTULO II Abertura do processo eleitoral

CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I. Objeto. CAPÍTULO II Abertura do processo eleitoral CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I Objeto Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas aplicáveis ao processo de eleição dos representantes dos alunos e dos pais e encarregados

Leia mais

Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Medicina de Lisboa. Regulamento Eleitoral CAPÍTULO I

Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Medicina de Lisboa. Regulamento Eleitoral CAPÍTULO I Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Medicina de Lisboa Regulamento Eleitoral CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º Objeto O presente regulamento estabelece os princípios, as regras e os procedimentos

Leia mais

NRAçores-APCP REGULAMENTO ELEITORAL

NRAçores-APCP REGULAMENTO ELEITORAL NRAçores-APCP REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1º Considerações Gerais 1. O presente Regulamento: a. Rege-se pelos Estatutos da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos, adiante designada por APCP e pelo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. CARLOS I CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL. Preâmbulo. CAPÍTULO I Objeto e composição. Artigo 1.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. CARLOS I CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL. Preâmbulo. CAPÍTULO I Objeto e composição. Artigo 1. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. CARLOS I CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL Preâmbulo O conselho geral é o órgão de direção estratégica responsável pela definição das linhas orientadoras da atividade da escola,

Leia mais

Despacho Presidente n.º 2013/44

Despacho Presidente n.º 2013/44 ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO Despacho Presidente n.º 2013/44 Aprovação do Regulamento e do calendário eleitoral para a eleição simultânea dos órgãos de governo e de gestão da Escola Superior

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇAO DOS DIRETORES DOS DEPARTAMENTOS DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO. Artigo 1º (Âmbito) (Princípios)

REGULAMENTO PARA A ELEIÇAO DOS DIRETORES DOS DEPARTAMENTOS DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO. Artigo 1º (Âmbito) (Princípios) REGULAMENTO PARA A ELEIÇAO DOS DIRETORES DOS DEPARTAMENTOS DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO Artigo 1º (Âmbito) O presente Regulamento define os trâmites para as eleições dos Diretores dos Departamentos do Instituto

Leia mais

Notas sobre a Organização e os Processos Eleitorais

Notas sobre a Organização e os Processos Eleitorais Notas sobre a Organização e os Processos Eleitorais Versão 3.0, Outubro de 2015 Quando se realizam as eleições para os órgãos da Juventude Socialista? Nacional: Delegados ao Congresso Nacional, eleitos

Leia mais

REGIMENTO do 1º CONGRESSO NACIONAL

REGIMENTO do 1º CONGRESSO NACIONAL REGIMENTO do 1º CONGRESSO NACIONAL PARTIDO UNIDO DOS REFORMADOS E PENSIONISTAS Capítulo I Princípios gerais e estatutários Artigo 1º Princípios Gerais 1. O Congresso Nacional constitui o órgão supremo

Leia mais

ESTATUTOS DO SINDICATO BANCÁRIOS DO NORTE

ESTATUTOS DO SINDICATO BANCÁRIOS DO NORTE ARTIGO 23º (Competência da Assembleia Geral) 1 Compete à Assembleia Geral eleger a MAGCGC, o Conselho Geral e a Direcção; 2 Compete, ainda, à Assembleia Geral deliberar sobre: a) A destituição, no todo

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO REITOR DA UNIVERSIDADE ABERTA (aprovado pelo Conselho Geral da UAb)

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO REITOR DA UNIVERSIDADE ABERTA (aprovado pelo Conselho Geral da UAb) REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO REITOR DA UNIVERSIDADE ABERTA (aprovado pelo Conselho Geral da UAb) Com o presente regulamento estabelece-se o procedimento a seguir para a eleição do reitor da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO de ELEIÇÃO do DIRETOR da ESCOLA SUPERIOR de CIÊNCIAS EMPRESARIAIS do INSTITUTO POLITÉCNICO de SETÚBAL

REGULAMENTO de ELEIÇÃO do DIRETOR da ESCOLA SUPERIOR de CIÊNCIAS EMPRESARIAIS do INSTITUTO POLITÉCNICO de SETÚBAL REGULAMENTO de ELEIÇÃO do DIRETOR da ESCOLA SUPERIOR de CIÊNCIAS EMPRESARIAIS do INSTITUTO POLITÉCNICO de SETÚBAL Aprovado na 20ª Reunião do Conselho de Representantes da ESCE/IPS, em 18 de janeiro de

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA APEPCCA ASSOCIAÇÃO DOS PROFESSORES DO ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO COM CONTRATO DE ASSOCIAÇÃO

REGULAMENTO ELEITORAL DA APEPCCA ASSOCIAÇÃO DOS PROFESSORES DO ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO COM CONTRATO DE ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL DA APEPCCA ASSOCIAÇÃO DOS PROFESSORES DO ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO COM CONTRATO DE ASSOCIAÇÃO Capítulo I Princípios eleitorais Artigo 1º - Âmbito O presente regulamento contém

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Penalva do Castelo

Agrupamento de Escolas de Penalva do Castelo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Preâmbulo O Conselho Municipal da Educação consagrado nos Decreto-Lei nº7/2003 de 15 de janeiro, alterado pela Lei nº 41/2003, de 22 de Agosto (declaração de retificação

Leia mais

REGULAMENTO DA CPN 2 ESTATUTOS

REGULAMENTO DA CPN 2 ESTATUTOS REGULAMENTO CPN REGULAMENTO DA CPN CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece o regime de funcionamento da Comissão Politica Nacional. Artigo 2º Abreviaturas Para

Leia mais

Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes

Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes Artº 1º Âmbito de aplicação O presente regulamento eleitoral estabelece as normas relativas à eleição do presidente e vice-presidentes de acordo com

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL ELABORADO NOS TERMOS DO ARTIGO 50.º DOS ESTATUTOS. Artigo 1.º (Âmbito)

REGULAMENTO ELEITORAL ELABORADO NOS TERMOS DO ARTIGO 50.º DOS ESTATUTOS. Artigo 1.º (Âmbito) REGULAMENTO ELEITORAL ELABORADO NOS TERMOS DO ARTIGO 50.º DOS ESTATUTOS Artigo 1.º (Âmbito) O presente regulamento contém as normas a que se devem submeter as eleições para os órgãos sociais do Futebol

Leia mais

Regulamento do processo eleitoral para o Conselho Geral Transitório

Regulamento do processo eleitoral para o Conselho Geral Transitório Regulamento do processo eleitoral para o Conselho Geral Transitório Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento aplica-se exclusivamente ao processo eleitoral para os membros do Conselho Geral Transitório,

Leia mais

Regulamento Eleitoral da Ordem dos Advogados

Regulamento Eleitoral da Ordem dos Advogados Regulamento Eleitoral da Ordem dos Advogados Deliberação n.º 1640/2007 OA (2ª Série), de 27 de Agosto de 2007/ Ordem dos Advogados. Diário da República, S.2 nº 164 (27 de Agosto de 2007), p. 24646-24649.

Leia mais

C O N S E L H O G E R A L. Regulamento para eleição do Conselho Geral

C O N S E L H O G E R A L. Regulamento para eleição do Conselho Geral C O N S E L H O G E R A L Regulamento para eleição do Conselho Geral Regulamento para eleição do Conselho Geral Artigo 1.º (Regulamento eleitoral) estipulado no artigo 22º do RI 1. O processo eleitoral

Leia mais

Regulamento Geral das Comissões de Curso

Regulamento Geral das Comissões de Curso Regulamento Geral das Comissões de Curso ARTIGO 1º Enquadramento O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime instituído pelo Capítulo II e VIII dos Estatutos da AEFEUP. ARTIGO 2º Definição

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL AÇORES MAPA CALENDÁRIO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL AÇORES MAPA CALENDÁRIO ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL AÇORES MAPA CALENDÁRIO (Artº 6º da Lei nº 71/78, de 27 de Dezembro) Quadro cronológico das operações eleitorais (Decreto-Lei 267/80, de 8 de Agosto, e diplomas complementares

Leia mais

Eleição para os órgãos colegiais de governo da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (Ato eleitoral em 30 de Outubro de 2013)

Eleição para os órgãos colegiais de governo da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (Ato eleitoral em 30 de Outubro de 2013) ASSEMBLEIA DA FMUC Eleição para os órgãos colegiais de governo da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (Ato eleitoral em 30 de Outubro de 2013) REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I Princípios Gerais

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA O CONSELHO GERAL. Artigo 1 º - Processo eleitoral. Artigo 2º - Órgãos eleitorais. Artigo 3º - Assembleia Eleitoral

REGULAMENTO ELEITORAL PARA O CONSELHO GERAL. Artigo 1 º - Processo eleitoral. Artigo 2º - Órgãos eleitorais. Artigo 3º - Assembleia Eleitoral REGULAMENTO ELEITORAL PARA O CONSELHO GERAL Os Estatutos da Universidade da Madeira publicados em Diário da República a 17 de Outubro de 2008, por Despacho Normativo N.º53 do Gabinete do Ministro da Ciência,

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA PIN-ANDEE

REGULAMENTO ELEITORAL DA PIN-ANDEE REGULAMENTO ELEITORAL DA PIN-ANDEE PRÓ-INCLUSÃO - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Artigo 1.º (Objeto) O presente regulamento tem por objeto as normas que regem o processo eleitoral

Leia mais

REGULAMETO ELEITORAL DO CENTRO CULTURAL SOCIAL E DESPORTIVO NÚMERO QUINHENTOS DOS TRABALHADORES DA SAÚDE E SEGURANÇA SOCIAL DO DISTRITO DE VISEU

REGULAMETO ELEITORAL DO CENTRO CULTURAL SOCIAL E DESPORTIVO NÚMERO QUINHENTOS DOS TRABALHADORES DA SAÚDE E SEGURANÇA SOCIAL DO DISTRITO DE VISEU REGULAMETO ELEITORAL DO CENTRO CULTURAL SOCIAL E DESPORTIVO NÚMERO QUINHENTOS DOS TRABALHADORES DA SAÚDE E SEGURANÇA SOCIAL DO DISTRITO DE VISEU Artigo Primeiro (A eleição) Os diversos órgãos sociais do

Leia mais

Regulamento Eleitoral (Aprovado na Reunião de Direcção Nacional de 30 de Março de 2012)

Regulamento Eleitoral (Aprovado na Reunião de Direcção Nacional de 30 de Março de 2012) Regulamento Eleitoral (Aprovado na Reunião de Direcção Nacional de 30 de Março de 2012) Artigo 1.º (Objecto) O presente Regulamento aplica-se à eleição dos órgãos dirigentes do Sindicato dos Funcionários

Leia mais