Apresentação. Condicionamento & Manuseio. Agosto 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apresentação. Condicionamento & Manuseio. Agosto 2012"

Transcrição

1 Apresentação Condicionamento & Manuseio Agosto 2012

2 CONTEÚDO PROJETO ELO-s CONDICIONAMENTO & MANUSEIO ANEXO: CONDUTIVIDADE ELÉTRICA

3 PROJETO ELO -s Eficiência Logística nas Operações de Movimentação e Armazenagem de Produtos com Baixo Teor de Enxofre

4 PROJETO ELO-S OBJETIVO: LEVANTAR AS MELHORES PRÁTICAS PARA A LOGÍSTICA DE MOVIMENTAÇÃO DO ÓLEO DIESEL S-10 E APLICÁ-LAS NO SISTEMA DE DUTOS DA TRANSPETRO VISITAS A SISTEMAS NOS EUA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INTERNACIONAL ADEQUAÇÃO DO SISTEMA TRANSPETRO

5 COLONIAL PIPELINE DIESEL ENTRADA:LIMITE 10ppm / SAÍDA:LIMITE 14ppm Linhas Princip Km Linhas Secund Km Linhas Entrega 350 Km Comprim. Total Km

6 KINDER MORGAN DIESEL ENTRADA: LIMITE 10ppm SAÍDA:LIMITE 15ppm

7 EXPERIÊNCIA DESSAS OPERADORAS 1ªFase _ Foco no sistema com investimentos em equipamentos 2ª Fase _ Foco em processos e procedimentos

8 MELHORES PRÁTICAS ADOTADAS TANQUES COM FUNDO CÔNICO INVERTIDO CAIMENTO PARA O CENTRO TANQUES COM TETO FIXO FOCO EM VÁVULAS CRÍTICAS VÁLVULAS TWIN SEAL VÁLVULAS GAVETA EXPANDIDA CORTE PRECISO DAS BATELADAS DENSÍMETRO OID OPTICAL INTERFACE DETECTOR PADRONIZAÇÃO INTERLABORATORIAL AMOSTRAGEM POR NÍVEIS RASTREAMENTO DO TEOR DE ENXOFRE CONTROLE DOS CAMINHÕES TANQUE CAMINHÕES SEGREGADOS

9 AÇÕES NA PETROBRAS CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INTERNACIONAL MAPEAMENTO E ELIMINAÇÃO DE PONTOS MORTOS INVESTIMENTOS NA CONSTRUÇÃO DE DUTOS INVESTIMENTO EM INSTRUMENTAÇÃO PARA CORTE DE INTERFACES (OID S) INVESTIMENTOS EM EQUIPAMENTOS PARA MEDIÇÃO DO TEOR DE ENXOFRE ADEQUÇÃO DE PROCESSOS E PROCEDIMENTOS PLANO DE AVALIAÇÃO INTERLABORATORIAL SEGREGAÇÃO DE AMOSTRADORES E FRASCOS TESTE: PROVETA DE 1 LITRO COM S-1800 (1250ppm) ESGOTADA ATÉ A ÚLTIMA GOTA ENCHIDA COM S-10 (5,6ppm) TEOR DE ENXOFRE FINAL DO DIESEL = 14ppm

10 AÇÕES RECOMENDADAS NA DISTRIBUIÇÃO PONTOS DE ATENÇÃO MAPEAMENTO DA INFRAESTRUTURA _ IDENTIFICAR E ELIMINAR PONTOS MORTOS _ AVALIAÇÃO DAS VÁVULAS CRÍTICAS _ REVISAR ALINHAMENTOS SEGREGAÇÃO DE LINHAS E TANQUES PLANO DE LIMPEZA DE TANQUES DAS BASES ADEQUAR A FORMA DE AMOSTRAGEM PLANO PARA CONTROLE DOS CAMINHÕES _ COMPARTIMENTOS SEGREGADOS PARA O S-10 _ VERIFICAÇÃO CARGAS ANTERIORES/LIMPEZA INVESTIMENTOS EM EQUIPAMENTOS ANALÍTICOS PLANO DE RASTREAMENTO FOMENTAR MUDANÇA DE CULTURA

11 QUALIDADE DE PRODUTO Petrobras Distribuidoras Desfio para a Cadeia de Suprimento do Mercado de Combustíveis Investimentos em produção e Logística Investimentos nas Bases e Segregação das Frotas de Distribuição Flexibilidade dando a vez à Confiabilidade

12 CONDICIONAMENTO & MANUSEIO

13 REGULAMENTAÇÃO & QUALIDADE O Diesel S-10 foi desenvolvido para atender às exigências das mais recentes tecnologias de motores e controle de emissões. Produto especificado pela Portaria ANP 65/2011. Produto com 10 mg/kg ou partes por milhão de enxofre (ppm). Cetano mais alto: mínimo de 48. Possui ainda uma faixa estreita de variação da massa específica (820 a 850 kg/m³) e uma curva de destilação com a temperatura dos 95% evaporados de no máximo 370ºC. Essas propriedades, também conferem benefícios na combustão e na partida a frio dos motores. Condutividade: A Petrobras garante 25 ps/m na produção/base.porém, isto não isenta as distribuidoras de fazerem a medição e garantir o mesmo valor aos seus clientes.

14 REGULAMENTAÇÃO & QUALIDADE Limites de emissões do Conama previstos para veículos pesados Acima de 3500 Kg Limite de Emissões Material Particulado (MP) Conama fase P5 0,1g/KWh Conama fase P7 0,02 g/kwh % -80 NOx 5 g/kwh 2 g/kwh -60 Limites de emissões do Conama previstos para veículos leves Limite de Emissões Conama fase L5 Conama fase L6 % Até 1700 Kg CO Material Particulado (MP) 2,0 g/km 0,050 g/km 1,3 g/km 0,030 g/km NOx 0,25 g/km 0,08 g/km -68 Limite de Emissões Conama fase L5 Conama fase L6 % Acima de 1700 Kg CO Material Particulado (MP) 2,7 g/km 0,060 g/km 2,0 g/km 0,040 g/km NOx 0,43 g/km 0,35 g/km -18 OBS²: CO= Monóxido de Carbono NOx= Óxidos Nitrosos

15 CONDICIONAMENTO & MANUSEIO Presença de Água: Água no fundo do tanque transtornos: Crescimento de microorganismos: Interface água-óleo diesel com proliferação de microorganismos e formação de borra Alimentam-se do óleo diesel degradam o combustível; Geram borra satura elementos filtrantes mais rapidamente. Prejuízo no funcionamento da bomba injetora ou do bico injetor do motor diesel. Corrosão em equipamentos. Corrosão por água em componentes da bomba de combustível

16 CONDICIONAMENTO & MANUSEIO Drenagem do tanque: Diariamente, pela manhã; Antes do recebimento de novo estoque; Algumas horas depois de receber um novo estoque; Imediatamente antes de iniciar o bombeamento do combustível. Outras ações mitigadoras de contaminação: Manter limpos os compartimentos dos bocais de abastecimento dos tanques de armazenamento; Proteger o respiro dos tanques; Substituir periodicamente os elementos do filtro-prensa; Drenar diariamente a água do filtro coalescedor.

17 CONDICIONAMENTO & MANUSEIO Ignição Eletrostática Avaliação do Risco: Inerente à movimentação de combustível: Escoamento através de oleodutos, válvulas, redutores. Geração de cargas Escoamento através de filtros (10 µm ou menor). Bombeamento. Inerente ao aparecimento de atmosfera inflamável: Switch loading A prática de carregar um produto de baixa pressão de vapor num tanque que previamente carregou um produto de alta pressão de vapor. Por exemplo, carregar óleo diesel após ter carregado gasolina. Splash loading A prática de carregar o caminhão-tanque pelo topo, onde o combustível cai em queda livre ou colide a alta velocidade contra a parede do tanque, o fundo ou contra a superfície do líquido, enquanto é descarregado.

18 CONDICIONAMENTO & MANUSEIO Ignição Eletrostática - Para evitar e prevenir: Geração de carga Acúmulo de carga Descarga elétrica Evitar operações onde há respingos e nebulização de combustível Limitar as vazões de combustível Evitar bombear combustível contaminado com água e sólidos Respeitar o tempo de residência à jusante de bombas e filtros Usar conexão e aterramento para evitar o acúmulo de carga Adicionar aditivo anti-estático para elevar a condutividade Remover ou aterrar promotores de ignição em tanques e vasos Evitar objetos metálicos soltos nos compartimentos Atmosfera inflamável Evitar switch loading e splash loading Deslocar o ar com nitrogênio ou outro gás inerte Seguir as recomendações do API RP 2003 Protection Against Ignitions Arising Out os Static, Lighting, and Stray Currents.

19 CONDICIONAMENTO & MANUSEIO Ignição Eletroestática Precauções para operações com caminhão-tanque: 1) Medir a condutividade do óleo diesel no momento da transferência. Caso a condutividade seja inferior a 25 ps/m, adicionar aditivo dissipador de cargas estáticas. 2) Certificar que o caminhão-tanque está aterrado adequadamente. O veículo e o braço de carga devem ser eletricamente aterrados. Garantir que os operadores também não estejam carregados. 3) Respeitar o tempo de relaxamento a jusante de eventuais filtros e bombas (óleo diesel: condutividade (0,5 < 50) ps/m tempo de relaxamento (36 até > 0,36)s. Tempo de neutralização das cargas iônicas formadas durante a transferência do produto. 4) Não utilizar caminhão-tanque cujo carregamento anterior foi efetuado com gasolina. Eliminar atmosfera inflamável. 5) Não descarregar produto pelo topo e com vazões altas. Evitar splash loading. Usar uma taxa de carregamento segura (VD 0,1) onde V = velocidade do produto (m/s) e D = diâmetro,

20 CONDICIONAMENTO & MANUSEIO Ignição Eletroestática Importante: A especificação americana ASTM D975 afirma que a correção da condutividade do óleo diesel para os níveis estabelecidos (25 ps/m mín.) acelera a dissipação de carga elétrica, mas não elimina os riscos associados com a manipulação de combustíveis. As práticas de segurança recomendadas para minimizar o risco associado à manipulação de combustível devem ser seguidas à risca e incluem o emprego de vazões baixas, principalmente no início das transferências. A ASTM não recomenda a prática de switch loading, inclusive a situação reversa, quando, por exemplo, gasolina é carregada num caminhão-tanque onde houve um carregamento prévio de óleo diesel, em função do risco de contaminação do produto. O splash loading também deve ser evitado em função do risco de ocorrência de atmosfera inflamável.

21 CONSEQÜÊNCIAS INDESEJÁVEIS DE MANUSEIO INADEQUADO

22 CONSEQÜÊNCIAS INDESEJÁVEIS DE MANUSEIO INADEQUADO FUNGOS AUMENTO 100X

23 CONSEQÜÊNCIAS INDESEJÁVEIS DE MANUSEIO INADEQUADO

24 CONSEQÜÊNCIAS INDESEJÁVEIS DE MANUSEIO INADEQUADO

25 CONSEQÜÊNCIAS INDESEJÁVEIS DE MANUSEIO INADEQUADO

26 ANEXO: CONDUTIVIDADE ELÉTRICA

27 CONDUTIVIDADE ELÉTRICA A CONDUTIVIDADE ELÉTRICA CONSISTE NA HABILIDADE DO COMBUSTÍVEL DISSIPAR CARGAS ESTÁTICAS QUE EVENTUALMENTE SEJAM GERADAS NA SUA MOVIMENTAÇÃO SE A CONDUTIVIDADE ELÉTRICA FOR SUFICIENTEMENTE ALTA, AS CARGAS ESTÁTICAS SÃO DISSIPADAS RAPIDAMENTE EVITANDO O SEU ACÚMULO A ELETRICIDADE ESTÁTICA ÉUM FENÔMENO NATURAL E RESULTA EM DESCARGAS, QUE PODEM LEVAR À OCORRÊNCIA DE FOGO OU EXPLOSÃO

28 CONDUTIVIDADE ELÉTRICA O HIDROTRATAMENTO QUE É NECESSÁRIO PARA A PRODUÇÃO DO S-10 REMOVE TAMBÉM COMPOSTOS PROMOTORES NATURAIS DA CONDUTIVIDADE S-10

29 CONDIÇÕES CRÍTICAS ENCHIMENTO DE CAMINHÕES TANQUE, VAGÕES TANQUE OU BARCAÇAS COM PRODUTO DE BAIXA CONDUTIVIDADE E QUE ANTERIORMENTE TENHAM CARREGADO COMBUSTÍVEIS VOLÁTEIS ATERRAMENTO INADEQUADO DO CAMINHÃO TANQUE, VAGÃO TANQUE OU BARCAÇA QUE RECEBE O PRODUTO COM BAIXA CONDUTIVIDADE ALTA VELOCIDADE DE ENCHIMENTO DO CAMINHÃO. TANQUE, VAGÃO TANQUE OU BARCAÇA CONDIÇÕES AMBIENTE DESFAVORÁVEIS: BAIXA TEMPERATURA E AR SÊCO

30 CONDIÇÕES CRÍTICAS PRESENÇA DE GOTÍCULAS DE ÁGUA NO COMBUSTÍVEL PRESENÇA DE IMPUREZAS NO COMBUSTÍVEL OCORRÊNCIA DE JATO DO PRODUTO SOBRE A SUPERFÍCIE LÍQUIDA PRODUTO COM BAIXA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA (< 25 ps/m na temperatura do carregamento) A PETROBRAS GARANTE NOS BOMBEIOS QUE A CONDUTIVIDADE ÉMAIOR OU IGUAL A 25 ps/m

31 OBRIGADO

Perguntas mais Frequentes

Perguntas mais Frequentes Perguntas mais Frequentes 1. O que significa PROCONVE fases P7 e L6? PROCONVE é o Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores, criado pelo conselho Nacional de Meio Ambiente - CONAMA.

Leia mais

Óleo Diesel com Baixo Teor de Enxofre. Considerações quanto à Lubricidade e Condutividade Elétrica

Óleo Diesel com Baixo Teor de Enxofre. Considerações quanto à Lubricidade e Condutividade Elétrica Óleo Diesel com Baixo Teor de Enxofre Considerações quanto à Lubricidade e Condutividade Elétrica XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva Helineia Oliveira Gomes Mauro Iurk Rocha PETROBRAS/CENPES

Leia mais

O Diesel S-10 é o único que atende aos mais rígidos padrões de qualidade e às mais recentes tecnologias de motores e controle de emissões.

O Diesel S-10 é o único que atende aos mais rígidos padrões de qualidade e às mais recentes tecnologias de motores e controle de emissões. O novo óleo Diesel S-10, disponível a partir de janeiro de 2013, com teor máximo de enxofre de 10mg/kg (ppm = partes por milhão) foi desenvolvido para atender aos requisitos da mais nova geração de motores

Leia mais

Por: Marco Lassen. Diesel

Por: Marco Lassen. Diesel Por: Marco Lassen Diesel Óleo Diesel e a Evolução do Teor de Enxofre Evolução do Teor de Enxofre 3 Legislação e Teor de Enxofre 2000 ppm 350 ppm 500 ppm 10 ppm 50 ppm 10 ppm EUROPA EURO III EURO IV EURO

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE O DIESEL S-10

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE O DIESEL S-10 DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE O DIESEL S-10 1) O que significa DBTE? Diesel de Baixo Teor de Enxofre. Aqui no Brasil são dois os tipos: o S-50 (2012) e o S-10 a partir de 2.013, onde S= enxofre, 10 ou 50 ppm=

Leia mais

Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B

Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B Setembro, 2010. Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei 11.097, de 13

Leia mais

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras PROCONVE (PROGRAMA DE CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR POR VEÍCULOS AUTOMOTORES) As Fases Passadas e Futuras Henry Joseph Jr Comissão de Energia e Meio Ambiente ANFAVEA Seminário sobre Emissões de Veículos Diesel

Leia mais

Saiba mais: sac@petrobras.com.br ou 0800 789001 www.petrobras.com.br. Manual Técnico do Produto

Saiba mais: sac@petrobras.com.br ou 0800 789001 www.petrobras.com.br. Manual Técnico do Produto Saiba mais: sac@petrobras.com.br ou 0800 789001 www.petrobras.com.br do Produto A Petrobras lançou no mercado, em janeiro de 2009, um novo óleo diesel com menor teor de enxofre, atendendo ao cronograma

Leia mais

MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS

MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei nº 11.097, de 13 de janeiro de 2005,

Leia mais

Veja aqui as orientações para o manuseio do Diesel S-10. Sistema SCR. Arla 32. Motores P7 / L6. Sistema EGR

Veja aqui as orientações para o manuseio do Diesel S-10. Sistema SCR. Arla 32. Motores P7 / L6. Sistema EGR MANUAL TÉCNICO O novo óleo Diesel S-10 Petrobras, disponível a partir de janeiro de 2013, com teor máximo de enxofre de 10mg/kg (ppm = partes por milhão) foi desenvolvido para atender aos requisitos da

Leia mais

MANUSEIO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS

MANUSEIO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei 11.097, de 13 de janeiro de 2005,

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DIESEL S-10

MANUAL TÉCNICO DIESEL S-10 MANUAL TÉCNICO DIESEL S-10 O novo óleo Diesel S-10 Petrobras, disponível a partir de janeiro de 2013, com teor máximo de enxofre de 10mg/kg (ppm = partes por milhão) foi desenvolvido para atender aos requisitos

Leia mais

Cuidados no transporte, armazenamento e uso do Biodiesel B5

Cuidados no transporte, armazenamento e uso do Biodiesel B5 Cuidados no transporte, armazenamento e uso do Biodiesel B5 III ENCONTRO ANUAL DA EQUIPE TÉCNICA DO DESPOLUIR Eduardo Vieira Gerente de Projetos da CNT Rio de Janeiro, novembro de 2010. Motivação Relatos

Leia mais

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis.

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. GNV Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. REUNIÃO DE ESPECIALISTAS SOBRE TRANSPORTE URBANO SUSTENTÁVEL MODERNIZAR E TORNAR ECOLÓGICA A FROTA DE TÁXIS NAS CIDADES LATINO AMERICANAS

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE O DIESEL S-50. Fonte: Metalsinter

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE O DIESEL S-50. Fonte: Metalsinter DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE O DIESEL S-50 1) O que são os Diesel S-50 e S-10? Significa Diesel de Baixo Teor de Enxofre. Aqui no Brasil são dois os tipos que serão utilizados em veículos: o S-50 e o S-10.

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE O DIESEL S-50

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE O DIESEL S-50 DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE O DIESEL S-50 1) O que são os Diesel S-50 e S-10? Significa Diesel de Baixo Teor de Enxofre. Aqui no Brasil são dois os tipos que serão utilizados em veículos: o S-50 e o S-10.

Leia mais

Qualidade dos Combustíveis:

Qualidade dos Combustíveis: Qualidade dos Combustíveis: Desafios para a manutenção da qualidade Oswaldo Luiz de Mello Bonfanti Coordenador Nacional do Sistema de Garantia da Qualidade Gestor de Assistência Técnica Ribeirão Preto,

Leia mais

MANTENHA O ÓLEO DIESEL RODOVIÁRIO ( B S500/ B S10 ) LIMPO E SECO

MANTENHA O ÓLEO DIESEL RODOVIÁRIO ( B S500/ B S10 ) LIMPO E SECO 1 de 10 Material particulado sólido, água e outros contaminantes podem causar danos aos sistemas de injeção dos motores de combustão interna Ciclo Diesel 4T de equipamentos móveis, dos tanques de armazenamento

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO N 46, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 (*)

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO N 46, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 (*) ANO CXLIX Nº 249 Brasília DF, quinta-feira, 27 de dezembro de 2012 pág 232 e 233 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO N 46, DE 20 DE DEZEMBRO

Leia mais

GASOLINA. Manual Técnico GASOLINA

GASOLINA. Manual Técnico GASOLINA Manual Técnico GASOLINA Uma nova era em combustíveis, uma era de combustíveis de Ultra Baixo Teor de Enxofre (UBTE). A nova Gasolina S-50 Petrobras, disponível em todo o território nacional a partir de

Leia mais

Jornada de Trabalho: 44 horas semanais. Repouso remunerado por escala de revezamento

Jornada de Trabalho: 44 horas semanais. Repouso remunerado por escala de revezamento O Profissional Postos Combustíveis FRENTISTA Requisito de escolaridade para exercício da função: Mínimo: Ensino fundamental completo; Comum: Ensino médio em curso; Desejável: estudantes universitários.

Leia mais

Mudanças Tecnológicas para o setor de transporte t Novo perfil das frotas

Mudanças Tecnológicas para o setor de transporte t Novo perfil das frotas Mudanças Tecnológicas para o setor de transporte t Novo perfil das frotas Eduardo Boukai, 10 de novembro de 2011 Petrobras Distribuidora S.A - Marketing de transportes PROCONVE: HISTÓRICO Programa de Controle

Leia mais

OS IMPACTOS DA MÁ QUALIDADE DO ÓLEO DIESEL BRASILEIRO

OS IMPACTOS DA MÁ QUALIDADE DO ÓLEO DIESEL BRASILEIRO OS IMPACTOS DA MÁ QUALIDADE DO ÓLEO DIESEL BRASILEIRO OS IMPACTOS DA MÁ QUALIDADE DO ÓLEO DIESEL BRASILEIRO Os impactos da má qualidade do óleo diesel brasileiro. Brasília : CNT, 2012. 28 p.: il. color.

Leia mais

Riscos na armazenagem e manuseio de produtos inflamáveis em contentores metálicos e de polietileno.

Riscos na armazenagem e manuseio de produtos inflamáveis em contentores metálicos e de polietileno. Riscos na armazenagem e manuseio de produtos inflamáveis em contentores metálicos e de polietileno. Oscar D. F. Abreu Gerente de Fábrica 11 45479952 oscar@bbquimica.com.br Agosto 2012 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA

Leia mais

VOLVO BUS latin america. ônibus volvo. qualidade de vida no transporte. www.volvo.com/onibus

VOLVO BUS latin america. ônibus volvo. qualidade de vida no transporte. www.volvo.com/onibus VOLVO BUS latin america ônibus volvo. qualidade de vida no transporte www.volvo.com/onibus EURO 5 ou PROCONVE FASE 7 é uma legislação ambiental, aplicada a caminhões e ônibus, com o objetivo de reduzir

Leia mais

A experiência da IVECO na substituição do diesel em veículos pesados

A experiência da IVECO na substituição do diesel em veículos pesados A experiência da IVECO na substituição do diesel em veículos pesados Uma parceria IVECO, FPT, BOSCH e RAIZEN Fabio Nicora IVECO - Innovation T&B LATAM (IVECO) 21 de Novembro 2013 VISÃO DO FUTURO ABORDAGEM

Leia mais

Conferência biodieselbr 2010

Conferência biodieselbr 2010 Conferência biodieselbr 2010 Construindo o caminho para o B10 Rubens Cerqueira FREITAS, M.Sc. Superintendente Adjunto de Abastecimento Superintendência de Abastecimento - SAB Sistema Nacional de Abastecimento

Leia mais

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS NAS INSPEÇÕES DE CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS ATÉ RECENTEMENTE NÃO ERA DADA A DEVIDA ATENÇÃO AO COMPRESSOR - TIPO - LOCAL

Leia mais

Procedimentos para Testes de Qualidade de Combustíveis

Procedimentos para Testes de Qualidade de Combustíveis Manual de Instruções Teste de Combustivéis Procedimentos para Testes de Qualidade de Combustíveis DIESEL ÁLCOOL GASOLINA Teste de Densidade e Temperatura na Gasolina Comum e Aditivada Equipamentos: 1 2

Leia mais

Manutenção e Combustível Adequados Garantia da Durabilidade de Emissões? PAP 0070

Manutenção e Combustível Adequados Garantia da Durabilidade de Emissões? PAP 0070 Manutenção e Combustível Adequados Garantia da Durabilidade de Emissões? PAP 0070 Tadeu Cavalcante Cordeiro de Melo Rogério Nascimento de Carvalho Ricardo Almeida Barbosa de Sá Mauri José Baldini Cardoso

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DIESEL S-10. Manuseio Armazenagem Abastecimento

MANUAL TÉCNICO DIESEL S-10. Manuseio Armazenagem Abastecimento MANUAL TÉCNICO DIESEL S-10 Manuseio Armazenagem Abastecimento O novo óleo Diesel S-10 da Petrobras, disponível a partir de janeiro de 2013, com teor máximo de enxofre de 10mg/kg (ppm = partes por milhão)

Leia mais

Procedimentos de montagem e instalação

Procedimentos de montagem e instalação Procedimentos de montagem e instalação das cápsulas filtrantes Pall Supracap 100 1. Introdução Os procedimentos abaixo devem ser seguidos para a instalação das cápsulas Pall Supracap 100. As instruções

Leia mais

Informação do Produto Filtros da Linha RCS

Informação do Produto Filtros da Linha RCS Rev-00 Plug: ½ NPT Os filtros da Linha RCS são projetados para separação de água e sólidos de hidrocarbonetos em aplicação no abastecimento industrial, aeronaves e postos de gasolina. Objetivamente, os

Leia mais

Grupo 09 Centrais de testes e limpeza

Grupo 09 Centrais de testes e limpeza Grupo 09 Centrais de testes e limpeza Fornecedor: Tipo Descrição Página CPR Central de teste para circuitos de refrigeração 01 Descrição 01-01 CPC Central de teste para circuitos de refrigeração 02 Descrição

Leia mais

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor 1. Junta de expansão de fole com purga de vapor d água Em juntas de expansão com purga da camisa interna, para

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

Normas da ABNT precisam ser seguidas

Normas da ABNT precisam ser seguidas Normas da ABNT precisam ser seguidas Além das leis ambientais e toda a burocracia que o negócio da revenda exige, o revendedor precisa realizar os procedimentos de acordo com as normas da Associação Brasileira

Leia mais

Unidade 1. Tanques. Em grandes quantidades para garantir o suprimento das plantas

Unidade 1. Tanques. Em grandes quantidades para garantir o suprimento das plantas Unidade 1 O bserve a foto e leia o texto. Finalidades Os tanques armazenam os diversos produtos envolvidos na produção em uma unidade de processo, da pressão atmosférica até baixas pressões (aproximadamente

Leia mais

SISTEMAS DE REABASTECIMENTO DE HELICÓPTEROS EM INSTALAÇÕES OFFSHORE

SISTEMAS DE REABASTECIMENTO DE HELICÓPTEROS EM INSTALAÇÕES OFFSHORE Soluções Confiáveis através de Engenharia Inovadora SISTEMAS DE REABASTECIMENTO DE HELICÓPTEROS EM INSTALAÇÕES OFFSHORE Empresa certificada pelo American Bureau of Shipping. Introdução Sypack é uma organização

Leia mais

Quem somos: Atuando há 15 anos no mercado brasileiro, - Inicialmente importando os produtos acabados dos EUA, posteriormente, envasando.

Quem somos: Atuando há 15 anos no mercado brasileiro, - Inicialmente importando os produtos acabados dos EUA, posteriormente, envasando. Linha Agrícola Quem somos: Atuando há 15 anos no mercado brasileiro, - Inicialmente importando os produtos acabados dos EUA, posteriormente, envasando. - Há mais de 10 anos produz no Brasil todos os produtos,

Leia mais

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases V1 O queéum Sistemade Condicionamento? O Que é um Sistema de Condicionamento? Amostra do Processo? Analisador Sistema de Condicionamento O sistema

Leia mais

Resultados dos testes de Uso Experimental e Específico. Óleo diesel com teor de biodiesel superior ao disposto em lei

Resultados dos testes de Uso Experimental e Específico. Óleo diesel com teor de biodiesel superior ao disposto em lei Resultados dos testes de Uso Experimental e Específico Óleo diesel com teor de biodiesel superior ao disposto em lei Agenda Regulamentação; Resultados dos testes de uso experimental e específico; Companhia

Leia mais

Arranjo Unidades Físico Típicas de Indústria. Unidades de Produção e Instalações Auxiliares

Arranjo Unidades Físico Típicas de Indústria. Unidades de Produção e Instalações Auxiliares O cina de Manutenção A localização deve obedecer os seguintes princípios: - Proximidade das unidades de maior concentração de equipamentos e das instalações sujeitas a manutenção mais freqüente; - Proximidade

Leia mais

M a n u a l d o M e c â n i c o

M a n u a l d o M e c â n i c o M a n u a l d o M e c â n i c o folder2.indd 1 20/11/2009 14 12 35 Manual do Mecânico GNV GÁS NATURAL VEICULAR Entenda o GNV e saiba quais os cuidados necessários para a manutenção de veículos que utilizam

Leia mais

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA Motor vertical 2 tempos LER O MANUAL DO PROPRIETÁRIO. TRABALHE SEMPRE COM ROTAÇÃO CONSTANTE, NO MÁXIMO 3.600 RPM EVITE ACELERAR E DESACELERAR O EQUIPAMENTO. NÃO TRABALHE

Leia mais

Informações Úteis Dúvidas Frequentes

Informações Úteis Dúvidas Frequentes Página 0 2013 Informações Úteis Dúvidas Frequentes Organização Rezende Acesse o site: www.organizacaorezende.com.br 19/04/2013 Página 1 DÚVIDAS FREQUENTES: GASOLINAS PETROBRAS 1 - Como são obtidas as gasolinas?

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 2 Áreas de oportunidade para melhorar a eficiência na distribuição de frio Isolamento das tubulações

Leia mais

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES Sílvia Velázquez São Paulo, 17 de setembro de 2009. Resíduos Urbanos e Agrícolas Briquetes

Leia mais

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO CONSUMO DE ENERGIA E AR COMPRIMIDO NA INDÚSTRIA Consumo de Energia 20% 50% 30% Fornec.de ar Refrigeração Outros Consumo de Ar Comprimido 10%

Leia mais

Equipamentos de Controle de

Equipamentos de Controle de Módulo VI Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Controle da emissão de material particulado Filtros de Manga Coletores Inerciais ou Gravitacionais Coletores

Leia mais

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm Page 1 of 5 20.1 Líquidos combustíveis. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

APLICATIVOS RENAULT. Siemens/Fênix 5

APLICATIVOS RENAULT. Siemens/Fênix 5 CAPÍTULO 13 APLICATIVOS RENAULT Siemens/Fênix 5 MEGANE 1.6 K7M 702/703/720 1995 em diante COMO FUNCIONA ESTE SISTEMA Este sistema é multiponto seqüencial, com 4 válvulas injetoras que possui autodiagnose

Leia mais

Compressor Portátil MOBILAIR M 135

Compressor Portátil MOBILAIR M 135 www.kaeser.com Compressor Portátil MOBILAIR M 135 Com o mundialmente renomado PERFIL SIGMA Vazão 10,5 a 13,0 m³/min Feito na Alemanha A renomada linha de compressores portáteis MOBILAIR da KAESER é fabricada

Leia mais

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção ISO 9001:2008 VENTEC AMBIENTAL EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES LTDA Rua André Adolfo Ferrari, nº 550 - Distrito Industrial Nova Era - Indaiatuba - São Paulo

Leia mais

Introdução da fase P7 para veículos pesados no Brasil. - Desafios do mercado de diesel -

Introdução da fase P7 para veículos pesados no Brasil. - Desafios do mercado de diesel - Introdução da fase P7 para veículos pesados no Brasil - Desafios do mercado de diesel - Nos últimos anos, os limites de poluentes tem sofrido redução através da legislação de emissões Evolução dos padrões

Leia mais

Não abasteça combustível adulterado

Não abasteça combustível adulterado Não abasteça combustível adulterado A maioria das pessoas acha que uma vez que o posto de gasolina tem bandeira (BR, Shell, Texaco, Esso, Ipiranga, etc) a qualidade do combustível está garantida. Não é

Leia mais

Referências - Item 32.3.8 / Subitem 32.3.8.1.1 - Dos Gases Medicinais

Referências - Item 32.3.8 / Subitem 32.3.8.1.1 - Dos Gases Medicinais 1801 a) Preto: Líquidos inflamáveis e combustíveis; b) Amarelo: Gás não liquefeito (ex: gás natural); c) Azul: Ar comprimido; d) Verde: Mangueiras de oxigênio (solda oxiacetilênica) e água industrial;

Leia mais

Rua Leopoldo de Passos Lima, 238 Jardim Santa Fé. CEP.: 05271-000 São Paulo SP. Telefones: (11) 3911-4665 / 4682 E-mail: vendas@unicompbrasil.com.

Rua Leopoldo de Passos Lima, 238 Jardim Santa Fé. CEP.: 05271-000 São Paulo SP. Telefones: (11) 3911-4665 / 4682 E-mail: vendas@unicompbrasil.com. UNICOMP COM. DE EQUIPAMENTOS PNEUMÁTICOS LTDA. Rua Leopoldo de Passos Lima, 238 Jardim Santa Fé. CEP.: 05271-000 São Paulo SP. Telefones: (11) 3911-4665 / 4682 E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site:

Leia mais

GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS

GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS Nos diversos ambientes, muitos deles existentes no subsolo, como galerias, esgotos, os porões nas edificações, tanques etc., pela natureza de seus projetos e finalidades,

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 19 SISTEMAS DE RESFRIAMENTO PARA LÍQUIDOS E GASES INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS

NORMA TÉCNICA N o 19 SISTEMAS DE RESFRIAMENTO PARA LÍQUIDOS E GASES INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS ANEXO XIX AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 19 SISTEMAS DE RESFRIAMENTO PARA LÍQUIDOS E GASES INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS 1 OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as condições

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ PRODUTO: NORMAIS PARAFINAS C 10 - C 13 Página 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: NORMAIS PARAFINAS C 10 - C 13 Código interno de identificação: Pb0046. Nome da empresa: Petróleo

Leia mais

BOOSTER BOOSTER? Benefícios e vantagens PORQUE COMPRAR UM

BOOSTER BOOSTER? Benefícios e vantagens PORQUE COMPRAR UM Linha BOOSTER Agilidade, confiabilidade e eficiência BOOSTER Os compressores Schulz modelo SB, possuem como função principal elevar a pressão da rede de baixa pressão para até 40 bar (580 psi). Benefícios

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR - PROCONVE/PROMOT RESOLUÇÃO CONAMA nº 15 de 1995

CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR - PROCONVE/PROMOT RESOLUÇÃO CONAMA nº 15 de 1995 RESOLUÇÃO CONAMA nº 15, de 13 de dezembro de 1995 Publicada no DOU n o 249, de 29 de dezembro de 1995, Seção 1, páginas 22876-22877 Correlações: Altera a Resolução n os 18/86 e 3/89 para os limites de

Leia mais

O programa baseia-se nas Portarias e Resoluções números: (há outras normas referentes ao assunto, como por exemplo:

O programa baseia-se nas Portarias e Resoluções números: (há outras normas referentes ao assunto, como por exemplo: Controles de Qualidade 1. Objetivo Padronizar os procedimentos relativos aos Testes Mínimos de Controle de Qualidade necessários para a garantia das especificações dos produtos comercializados durante

Leia mais

Combustíveis Marítimos. Informações Técnicas

Combustíveis Marítimos. Informações Técnicas Informações Técnicas 1. Definição e composição... 3 2. Principais aplicações... 3 3. Tipos de Óleos Combustíveis... 3 4. Requisitos de qualidade e especificação... 3 4.1. Principais características de

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06 01. Identificação do Produto e da Empresa. Nome do Produto: Rotosafe Bro 700 001 OR 0050 nº Material: 110319 Nome da Empresa: Domingos Araújo Neto Endereço: Av. Francisco Sá, 3405 Monte Castelo Fortaleza

Leia mais

A FASE P-7 DO PROCONVE E OS SEUS IMPACTOS NO SETOR DE TRANSPORTE

A FASE P-7 DO PROCONVE E OS SEUS IMPACTOS NO SETOR DE TRANSPORTE A FASE P-7 DO PROCONVE E OS SEUS IMPACTOS NO SETOR DE TRANSPORTE III Encontro anual da Equipe Técnica do Despoluir Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Rio de Janeiro, novembro de 2010. Proconve Programa

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Suzana Kahn Ribeiro Programa de Engenharia de Transportes COPPE/UFRJ IVIG Instituto Virtual Internacional de Mudanças Climáticas Estrutura

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES PARA REABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL DE USO PRIVATIVO

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES PARA REABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL DE USO PRIVATIVO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC)

Leia mais

Gasolina de Aviação Informações Técnicas

Gasolina de Aviação Informações Técnicas Informações Técnicas 1. Definição e Composição... 3 2. Aplicação... 3 2.1. Motor Ciclo Otto e o seu Funcionamento... 3 3. Tipos de GAV para consumo no Brasil... 4 4. Requisitos de qualidade... 4 4.1. Poder

Leia mais

Sistemas de carga e descarga de camihões e ferrovias

Sistemas de carga e descarga de camihões e ferrovias Sistemas de carga e descarga de DESCRIÇÃO: O carregamento ou descarregamento de líquidos inflamáveis/ combustíveis em caminhões ou vagões-tanque ferroviários é uma das operações de maior risco a ser empreendida

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ Produto: Antiderrapante para Correias Página 1 de 5 1 Informação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Antiderrapante para Correias Fornecedor Nome: Ultralub Química Ltda. Endereço: Estrada dos Crisântemos,

Leia mais

Os ganhos ambientais para a sociedade

Os ganhos ambientais para a sociedade Proconve P7 Diesel e emissões A nova legislação 2012 Tudo o que você deve saber sobre o proconve P7 A nova etapa Proconve P7 estabelece limites de emissões mais rígidos para veículos pesados a diesel.

Leia mais

EM-028 VENTILAÇÃO INDUSTRIAL & AR COMPRIMIDO

EM-028 VENTILAÇÃO INDUSTRIAL & AR COMPRIMIDO EM-028 VENTILAÇÃO INDUSTRIAL & AR COMPRIMIDO RESUMO AULA 6 - VENTILAÇÃO DE TANQUES 1 CLASSIFICAÇÃO DOS PROCESSOS A ventilação por exaustão encontra muita aplicação nos tanques de processamento, por exemplo:

Leia mais

Atlas Copco Brasil Ltda. Soluções em Ar Comprimido Medicinal

Atlas Copco Brasil Ltda. Soluções em Ar Comprimido Medicinal Atlas Copco Brasil Ltda Soluções em Ar Comprimido Medicinal Soluções Globais para Produtividade Sustentável Possuímos uma ampla gama de produtos e serviços para o setor medicinal, tais como: Sistemas completos

Leia mais

SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL

SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL Página 1 FIAT CHRYSLER AUTOMOBILES 13/08/2015 DESCRIÇÃO DO SISTEMA GNV COMPONENTES DO SISTEMA GNV 1. Cilindro GNV 2. Suporte do Cilindro de GNV 3. Linha de Alta Pressão: Tubo

Leia mais

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação CURSO

Leia mais

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1/7 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 01 ESGOTAMENTO COM BOMBAS... 3 02 REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO COM PONTEIRAS FILTRANTES... 3 03 REBAIXAMENTO DE LENÇOL

Leia mais

Manual Do Usuário. Monogás Tester. MonoGás Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda Certificado de Garantia.

Manual Do Usuário. Monogás Tester. MonoGás Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda Certificado de Garantia. Certificado de Garantia. Modelo Controle MonoGás Nº A Planatc Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda garante o equipamento adquirido contra possíveis defeitos de fabricação pelo período de 6 meses, a partir

Leia mais

DICAS PARA OPERAÇÃO DE POSTOS DE COMBUSTÍVEIS.

DICAS PARA OPERAÇÃO DE POSTOS DE COMBUSTÍVEIS. DICAS PARA OPERAÇÃO DE POSTOS DE COMBUSTÍVEIS. Nosso dia a dia é feito de escolhas e o resultado delas é o que vai definir o quanto somos bem-sucedidos nas nossas ações. Como você sabe, a venda de combustíveis

Leia mais

Tecnologia de Tração Elétrica

Tecnologia de Tração Elétrica REV.00 01 Tecnologia de Tração Elétrica Veículos a Bateria Trólebus Híbridos Hidrogênio Fuel Cel ou Pilha a Combustível 02 Veículos a Bateria VANTAGENS 1. TOTALMENTE ELÉTRICO. POLUIÇÃO PRATICAMENTE ZERO.

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 24, de 05/03/07 Sistema de Resfriamento

Leia mais

Proteção Segurança Confiabilidade. tratamento multifuncional para geradores e motores industriais. Eliminação das bactérias e dos riscos de corrosão

Proteção Segurança Confiabilidade. tratamento multifuncional para geradores e motores industriais. Eliminação das bactérias e dos riscos de corrosão para geradores e motores industriais Proteção Segurança Confiabilidade Eliminação das bactérias e dos riscos de corrosão Diminuição dos custos de manutenção Fácil aplicação e ação prolongada Protege e

Leia mais

Informativo de Assistência Técnica Brasil

Informativo de Assistência Técnica Brasil Informativo de Assistência Técnica Brasil 010/12 29 Agosto 2012 AA/SBZ1-TSS Emitente: Mauricio Pimenta Destinatário Assunto Rede Bosch Diesel Center e Bosch Truck Service Lançamento do Sistema Bosch de

Leia mais

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL A ampla linha de tanques de armazenamento e aquecimento de asfalto da Terex

Leia mais

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo.

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Medição de Vazão 1 Introdução Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Transporte de fluidos: gasodutos e oleodutos. Serviços

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010

Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010 Combustíveis Alternativos e a Redução das Emissões de Poluentes 12ª Transpo-Sul Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010 Tecnologias, Combustíveis mais limpos e Redução das

Leia mais

PROCONVE P7. Seminário sobre Emissões de Veículos a Diesel. As Tecnologias Necessárias. Ações para Atendimento aos Novos Limites do Proconve Fase 7

PROCONVE P7. Seminário sobre Emissões de Veículos a Diesel. As Tecnologias Necessárias. Ações para Atendimento aos Novos Limites do Proconve Fase 7 Seminário sobre Emissões de Veículos a Diesel Ações para Atendimento aos Novos Limites do Proconve Fase 7 As Tecnologias Necessárias Luso Martorano Ventura São Paulo, 27 de outubro de 2009 Conteúdo Evolução

Leia mais

Lubrificantes a Granel Tecnologia e performance ajudando a preservar o meio-ambiente

Lubrificantes a Granel Tecnologia e performance ajudando a preservar o meio-ambiente Lubrificantes a Granel Tecnologia e performance ajudando a preservar o meio-ambiente GRANEL. UM NOVO NEGÓCIO. UMA GRANDE OPORTUNIDADE. O lubrificante Estrutura do Programa Etapa 1 Origem FÁBRICA Lubrificante

Leia mais

Atlas Copco Filtros para ar comprimido DDx, PDx, QDx e QDT - simples, eficientes e confiáveis. O filtro certo para sua aplicação

Atlas Copco Filtros para ar comprimido DDx, PDx, QDx e QDT - simples, eficientes e confiáveis. O filtro certo para sua aplicação tlas Copco Filtros para ar comprimido DDx, PDx, QDx e QDT - simples, eficientes e confiáveis O filtro certo para sua aplicação Tratamento de ar - um investimento necessário O perigo oculto no ar sem tratamento

Leia mais

REFERÊNCIA RÁPIDA PARA MANUTENÇÃO

REFERÊNCIA RÁPIDA PARA MANUTENÇÃO REFERÊNCIA RÁPIDA PARA MANUTENÇÃO AERONAVE EMB-202A IPANEMA Principais Cuidados com a Aeronave ASSISTÊNCIA TÉCNICA 2009 EMBRAER / NEIVA ATENÇÃO ESTE GUIA NÃO É UMA PUBLICAÇÃO TÉCNICA E, PORTANTO, NÃO CONSTITUI

Leia mais

CADASTRO DE POSTOS DE SERVIÇOS

CADASTRO DE POSTOS DE SERVIÇOS CADASTRO DE POSTOS DE SERVIÇOS REQUERENTE SEÇÃO 1: DADOS DE IDENTIFICAÇÃO RAZÃO SOCIAL PRINCIPAL ATIVIDADE LOCAL DA ATIVIDADE BAIRRO CEP NOME DO REPRESENTANTE CARGO TEL. E RAMAL SEÇÃO 2: DADOS ADMINISTRATIVOS

Leia mais

Óleo Combustível. Informações Técnicas

Óleo Combustível. Informações Técnicas Informações Técnicas 1. Definição e composição... 3 2. Principais aplicações... 3 2.1. Sistemas de combustão de óleo combustível... 3 3. Tipos de óleos combustíveis... 4 4. Requisitos de qualidade e especificação...

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25 Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis Parte 3

Leia mais

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO -

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - INTRODUÇÃO Conforme a Resolução CONAMA 273 de 2000, postos de revenda e de consumo de combustíveis devem ser dotados de sistema de drenagem

Leia mais

Figura 6.1 - Ar sangrado do compressor da APU

Figura 6.1 - Ar sangrado do compressor da APU 1 Capítulo 6 - SANGRIA DE AR 6.1 - Finalidade e características gerais A finalidade da APU é fornecer ar comprimido para os sistemas pneumáticos da aeronave e potência de eixo para acionar o gerador de

Leia mais

Gerador de nitrogênio. Sistemas de geração de gases, membranas e PSA

Gerador de nitrogênio. Sistemas de geração de gases, membranas e PSA Gerador de nitrogênio Sistemas de geração de gases, membranas e PSA Aplicações de nitrogênio Comidas e bebidas O nitrogênio é um gás ideal para armazenar (fumigação) e transportar alimentos e bebidas.

Leia mais