CONCURSO PÚBLICO n.º

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCURSO PÚBLICO n.º 20120117"

Transcrição

1 CONCURSO PÚBLICO n.º CONCURSO PÚBLICO COM PUBLICAÇÃO NO JOUE PARA A CELEBRAÇÃO DE ACORDO QUADRO PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTADORIA, DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE SOFTWARE E GESTÃO OPERACIONAL DE SISTEMAS E BASES DE DADOS CADERNO DE ENCARGOS CLÁUSULAS TÉCNICAS Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 1

2 Índice (Descrição dos Serviços)... 3 (Descrição das categorias)... 3 (Local de Prestação de Serviços)... 3 (Meios)... 3 (Preço)... 3 (Programa de trabalhos)... 4 (Formação)... 4 (Transmissão de conhecimento)... 4 (Aceitação dos Serviços)... 4 (Garantia)... 4 ANEXOS... 5 Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 2

3 CONCURSO PÚBLICO COM PUBLICAÇÃO NO JOUE PARA A CELEBRAÇÃO DE ACORDO QUADRO PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTADORIA, DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE SOFTWARE E GESTÃO OPERACIONAL DOS SISTEMAS E BASES DE DADOS CADERNO DE ENCARGOS CLÁUSULAS TÉCNICAS Artigo 1º (Descrição dos Serviços) Os serviços que integram os Lotes 1 a 35 (inclusive) são os que constam dos Anexos 1 a 35 das presentes Cláusulas Técnicas. Artigo 2º (Descrição das categorias) A descrição das categorias funcionais dos elementos das equipas de trabalho são as que constam dos anexos 36 a 45 das presentes Cláusulas Técnicas. Artigo 3.º (Local de Prestação de Serviços) 1. O Prestador obriga-se a prestar os serviços no local que lhe for indicado pela SPMS, EPE no território de Portugal Continental. 2. Todas as despesas relativas a deslocações dentro das Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto, estão incluídas no preço constante da proposta do Prestador de Serviços. 3. As despesas de deslocação e estadia fora das Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto, serão suportadas pela SPMS, EPE, desde que, sejam razoáveis e estejam em linha com o regime de despesas da função pública da mesma natureza. Artigo 4.º (Meios) O Prestador de Serviços obriga-se, a expensas suas, a disponibilizar os meios necessários para a prestação dos serviços. Artigo 5.º (Preço) 1. Nos procedimentos adotados ao abrigo do Acordo Quadro, os Prestadores de Serviços estão vinculados aos preços constantes da (s) respetiva(s) proposta(s) selecionada(s), podendo, no entanto, apresentar em cada um dos referidos procedimentos preços mais baixos. 2. Em qualquer caso, o Prestador de Serviços deverá prestar os seus serviços de modo a que a SPMS, EPE não fique futuramente sujeita a despesas acrescidas decorrentes do desajustamento, insuficiência ou falha daqueles serviços. Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 3

4 Artigo 6.º (Programa de trabalhos) O Prestador de Serviços obriga-se a apresentar sempre um Programa de Trabalhos referente aos serviços a prestar. Artigo 7.º (Formação) O Prestador de Serviços, sempre que tal lhe seja solicitado pela SPMS, EPE no âmbito dos procedimentos abertos ao abrigo do Acordo Quadro, obriga-se a ministrar formação gratuita ao pessoal da SPMS, EPE que esta vier a indicar, relativamente aos serviços prestados. Artigo 8.º (Transmissão de conhecimento) 1. O Prestador de Serviços obriga-se a entregar à SPMS, EPE todas as informações de que esta necessite para conhecer, utilizar plenamente e, se necessário, reparar, a solução decorrente da prestação de serviços contratada, incluindo, entre outros, manuais, livros técnicos, código fonte documentado, relatórios de execução do projeto, diagramas e documentação de suporte às várias fases do projeto (análise requisitos, desenho, implementação e testes). 2. Adicionalmente, o Prestador de Serviços obriga-se a realizar reuniões com a SPMS, EPE destinadas à transmissão dos conhecimentos necessários para utilização, gestão, manutenção e evolução da solução a fornecer, quando aplicável, de acordo com as necessidades e disponibilidade indicadas pela SPMS, EPE em sede de projeto. Artigo 9.º (Aceitação dos Serviços) Os serviços prestados apenas se consideram terminados após a aceitação dos mesmos sem reserva e por escrito pela SPMS, EPE. Artigo 10.º (Garantia) O período de garantia mínimo dos serviços prestados pelos Prestadores de Serviços é de 1 (um) ano a contar da aceitação pela SPMS, EPE. Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 4

5 ANEXOS Os serviços prestados serão de dois tipos: Serviços de Desenvolvimento e Manutenção Aplicacional (tipo A), Gestão operacional de Data Center (tipo B). Tipo A Lotes 1 ao 34 inclusive Tipo B Lote 35 Os anexos 36 a 45 descrevem os perfis da equipa necessária para desenvolver os serviços. Serviços de Desenvolvimento e Manutenção Aplicacional A caracterização do tipo A é a seguinte: O Tipo A compreende os serviços de desenvolvimento e manutenção de software aplicacional relativo a projetos e/ou a soluções a implementar e/ou a desenvolver pela SPMS, EPE no âmbito das suas atribuições, de acordo com os seguintes requisitos: (i) Principais tarefas envolvidas: Levantamento e caracterização de sistemas e tecnologias de informação Desenho e aferição da usabilidade dos interfaces Gestão de projeto e planeamento de implementação; Desenvolvimento aplicacional; Especificação de requisitos; Desenho da arquitetura; Desenho detalhado; Processos de gestão, planeamento e implementação; Gestão de entregas; Gestão de relatórios de serviços; A construção, a integração, os testes, o acompanhamento à entrada em exploração, a aceitação definitiva, gestão de configurações, garantia da qualidade e documentação. A estas tarefas acrescem as atividades acessórias ou auxiliares seja qual for a sua natureza, designadamente em matéria de formação. (ii) Equipa de natureza multidisciplinar envolvendo necessariamente um perfil de gestor de projeto, de arquiteto de sistema de informação, de consultor tecnológico e de consultor funcional. Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 5

6 Gestão operacional de Data Center A caracterização do tipo B é a seguinte: O Tipo B compreende os serviços de gestão de infra-estruturas do Data Center de acordo com os seguintes requisitos: (i) Principais tarefas envolvidas: Gestão global dos Data Centers da SPMS, devendo para o efeito utilizar a plataforma de Service Desk da para gestão de incidentes e de alterações; Suporte de segunda Linha às instituições do SNS, na resolução de incidentes ocorridos em Sistemas Operativos, Bases de Dados e Middleware, onde residem os sistemas de informação suportados pela SPMS, nomeadamente o SONHO, SINUS, SAM-H, SAM-CS, SAPE-H e SAPE-CS, devendo para o efeito utilizar a plataforma de Service Desk da SPMS para gestão de incidentes e de alterações; Implementação e gestão dos sistemas operativos Microsoft; Implementação e gestão dos sistemas operativos UNIX (AIX, SOLARIS, HP-UX e Redhat Linux e SUSE Linux); Implementação e gestão das plataformas de virtualização VMWare vsphere com vcenter; Implementação e gestão das plataformas de virtualização Microsoft Hyper-V e Virtual Machine Manager; Implementação e gestão das plataformas de virtualização IBM Power Hypervisor, PowerVM e LPARs; Implementação e gestão das bases de dados (Oracle versões 7, 8, 9, 10g e 11g; Microsoft SQL Server versões 2000, 2005 e 2008; e MySQL); Implementação e gestão das plataformas Oracle (Application Servers, Forms, Reports, WebCache, Discoverer e BPEL); Implementação e gestão das plataformas Microsoft (Active Directory, Exchange, BizTalk, System Center Configuration Manager e Microsoft Identity Lifecycle Manager); Implementação e gestão das plataformas aplicacionais Web (Microsoft Internet Information Server e Apache Tomcat); Implementação e gestão das plataformas de colaboração (Microsoft Project Server, Microsoft Office Sharepoint Server, Microsoft Content Management Server, DotNetNuke e Microsoft Office Communications Server); Implementação e gestão das plataformas de segurança (Microsoft ISA Server, CA etrust e etrust Secure Content Manager); Implementação e gestão das plataformas de monitorização (IBM Tivoli, Microsoft System Center Operation Manager, Oracle Grid Control, Nagios e CISCO Works); Implementação e gestão das plataformas de Backup (IBM Tivoli Storage Manager, HP Data Protector, Veritas NetBackup e Microsoft System Center Data Protection Manager); Gestão de Armazenamento (IBM DS8000, IBM DS4700, HP EVA3000, HP EVA4000 e HP EVA6000); (ii) Equipa de natureza multidisciplinar envolvendo necessariamente um perfil de gestor de serviço, técnico de plataforma de gestão, gestor de armazenagem e segurança, gestor de base dados Oracle, gestor de plataforma Oracle e gestor de plataforma Microsoft. Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 6

7 Anexo 1 Lote 1 Serviços de Desenvolvimento e Manutenção Aplicacional Web GDH WebGDH Grupo de Diagnóstico Homogéneo Esta aplicação permite atribuir códigos GDHs a cada episódio de internamento e encontra-se disponível em duas versões: Versão integrada no sistema SONHO e versão "stand alone" (para os hospitais que não utilizam o sistema SONHO). Reporting, Estratégia, Gestão do conhecimento, Estatística. Reporte com base na mais variada informação que disponibiliza relativa aos grupos de doentes homogéneos; Disponibiliza informação que permite, fazer estudos académicos relativos à evolução dos grupos de doentes homogéneos em Portugal; Disponibiliza vários mapas estatísticos; Ficheiros para a aplicação "Auditor" validar os dados de input e garantir assim a ausência de incongruências. 4. Nível de sistema de informação CRM 5. Arquitectura Web 6. Tipologia Desenvolvimento à 7. Processamento OLTP 8. Sistema operativo Windows 9. Programação Java e Oracle Reports Base de dados Oracle Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 7

8 Anexo 2 Lote 2 Serviços Desenvolvimento e Manutenção Aplicacional SISO - Sistema de Informação Saúde Oral Sistema de Informação para a Saúde Oral O Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral (PNPSO), regulamentado pela Portaria n.º 301/2009, de 24 de Março, prevê a prestação de cuidados de saúde oral personalizados, preventivos e curativos, ministrados por profissionais especializados a grupos populacionais de particular vulnerabilidade. Os modelos de trabalho propostos são apoiados por um sistema de informação (WEB) que suporta as necessidades de informação dos diversos actores: o Sistema de Informação para a Saúde Oral - SISO O SISO é composto por um conjunto de serviços que suportam integralmente todos os processos supra referidos geradores e receptores de informação do PNPSO. O SISO visa, pois, assegurar o suporte dos fluxos de informação e actividades entre os diferentes intervenientes no Programa Nacional de Saúde Oral e promover assim um conhecimento maior e mais global dos aspectos relativos à saúde oral dos cidadãos portugueses, nomeadamente características dos doentes (perfis de cuidados abstractos - estatísticas não "nominais") e dados das instituições e profissionais de saúde oral. Gestão da prestação de cuidados de saúde oral; Os SI-CSP comunicam ao SISO situações de referenciação para a saúde oral, incluindo informação clínica relevante para estabelecer a história clínica do utente que pode ser acedida pelos médicos dentistas/ estomatologistas; Encaminhamento de Utentes do SNS; Estatística. Suporte dos fluxos de informação e actividades entre os diferentes intervenientes no Programa Nacional de Saúde Oral; Disponibiliza informação que permite, fazer estudos académicos relativos à evolução dos grupos de doentes homogéneos em Portugal; Disponibilização de vários mapas estatísticos. 4. Nível de sistema de informação CRM 5. Arquitectura Web 6. Tipologia Desenvolvimento à 7. Processamento OLTP 8. Sistema operativo Unix 9. Programação Oracle Forms e Reports 10. Base de dados Oracle Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 8

9 Anexo 3 Lote 3 Serviços Desenvolvimento e Manutenção Aplicacional GID - Gestão Integrada da Doença Plataforma de Gestão Integrada da Doença A Plataforma de Gestão Integrada da Doença é um sistema de informação modular. Este sistema foi concebido de forma a garantir o registo nacional das pessoas incluídas em programas de Gestão Integrada da Doença, de forma a viabilizar o acompanhamento e monitorização da qualidade dos cuidados e a evolução da doença, disponibilizando simultaneamente indicadores relacionados com a produção de cada unidade prestadora de cuidados. A configuração deste sistema permite a adição de módulos específicos relativos a cada patologia a integrar no modelo de gestão integrada da doença. Registo nacional, por patologia, das pessoas em programa de gestão integrada da doença; Recolha e integração de toda a informação essencial para o processo de Gestão Integrada da Doença; Apoio à faturação da Insuficiência Renal Crónica. Monitorizar e apoiar os mecanismos de referenciação de doentes incluindo o suporte ao trabalho de diferentes entidades responsáveis pela validação/autorização de referenciação, atividades e terapêuticas; Acompanhar e monitorizar a qualidade dos cuidados e o registo das complicações específicas. 4. Nível de sistema de informação CRM 5. Arquitectura Web 6. Tipologia Desenvolvimento à 7. Processamento OLTP 8. Sistema operativo Windows 9. Programação PHP 10. Base de dados SQL Server Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 9

10 Anexo 4 Lote 4 Serviços Desenvolvimento e Manutenção Aplicacional Evacinas evacinas Desmaterialização do boletim de vacinas dos utentes do Serviço Nacional de Saúde, permitindo ao utente, através do portal da saúde, visualizar e imprimir o seu Boletim Individual de Vacinas. O sistema a implementar é centralizado e de âmbito nacional, substituindo o actual sistema local do SINUS no que diz respeito ao módulo local de gestão de registos de vacinação, integrada no SINUS Sistema de Informação das Unidades de Saúde. Este sistema comporta ainda uma ferramenta de BI e está preparado para a comunicação de dados com outras aplicações locais via webservice. Desmaterialização do Boletim Individual de Vacinas com os correspondentes benefícios de acessibilidade para os utentes; Centralização dos dados (ao nível nacional) do Plano Nacional de Vacinação e de administração de vacinas. Plano Nacional de Vacinação centralizado; Gestão da administração de vacinas aos utentes; Disponibilização de vários mapas estatísticos. 4. Nível de sistema de informação CRM 5. Arquitectura Web 6. Tipologia Desenvolvimento à 7. Processamento OLTP 8. Sistema operativo Unix 9. Programação Oracle J2EE Oracle Reports, WebServices, Oracle BIEE 10. Base de dados Oracle Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 10

11 Anexo 5 Lote 5 Serviços Desenvolvimento e Manutenção Aplicacional FERTIS Sistema de Informação de apoio à Fertilidade e à Procriação Medicamente Assistida Sistema de informação para suporte ao programa de incentivo à procriação medicamente assistida. Este sistema visa registar toda a informação que permite acompanhar os casais em espera e os casais em tratamento. Conhecer a realidade epidemiológica em termos de infertilidade. Monitorizar o processo de acesso às técnicas de procriação medicamente assistida (PMA); Garantir o rigor no seguimento dos casais; Contribuir para a redução dos tempos de espera; Assegurar uma correcta referenciação e transparência na relação complementar entre o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e o sector privado que venha a ser contratualizado para a realização de técnicas de PMA. 4. Nível de sistema de informação CRM 5. Arquitectura Web 6. Tipologia Desenvolvimento à 7. Processamento OLTP 8. Sistema operativo Unix 9. Programação Java, Webservices 10. Base de dados Oracle Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 11

12 Anexo 6 Lote 6 Serviços Desenvolvimento e Manutenção Aplicacional - SICO Sistema de Informação de Certificados de Óbito Sistema de Informação de Certificados de Óbito Este sistema permite aos médicos de todos os estabelecimentos públicos e privados do continente e ilhas emitirem electronicamente os Certificados de Óbito, sendo o respectivo registo remetido automaticamente ao Ministério da Justiça (IRN). O SICO é disponibilizado às várias entidades intervenientes no processo dos óbitos para efeitos de, nomeadamente, PSP e GNR para consulta de Certificados de Óbito (CO), Ministério Público para dispensa de autópsia e, DGS- Direção Geral de Saúde para codificação das causas de morte. No fim do processo os dados são comunicados electronicamente ao INE para a elaboração de estatísticas nacionais e ao RNU para assinalar o utente como falecido. Emissão eletrónica do Certificado de Óbito; Codificação de causas de morte; Disponibilizar às entidades competentes (instituições públicas de saúde e instituições privadas de saúde com internamento) interfaces Web para registo informatizado dos Boletins de Informação Clínica. Efectuar o registo informatizado dos CO, normal e/ou fetal/neo-natal, efectuados directamente pelos médicos, através de interface Web desenvolvido para o efeito; Efectuar a integração com a BD do IRN para validação dos dados de identificação recolhidos informaticamente nos CO.; Actualizar RNU com os óbitos ocorridos. 4. Nível de sistema de informação CRM 5. Arquitectura Web 6. Tipologia Desenvolvimento à 7. Processamento OLTP 8. Sistema operativo Unix 9. Programação Oracle Forms Java, WebServices 10. Base de dados Oracle Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 12

13 Anexo 7 Lote 7 Serviços de Desenvolvimento e Manutenção Aplicacional ao Sistema de Classificação de Doentes de Apoio à Gestão e ao Financiamento Sistema de Classificação de Doentes e de Apoio à Gestão e ao Financiamento, Este sistema permite tratar a informação repartida em três áreas: GDH Grupos de Diagnósticos Homogéneos. Informação de episódios de internamento, cirurgia ambulatória e algum ambulatório médico realizados nos Hospitais do SNS, codificados segundo a Classificação Internacional de Doenças (CID-9-MC); SCD/E Sistema de Classificação de Doentes em Cuidados de Enfermagem; Facturação SNS Validação e registo da facturação relativa ao Serviço Nacional de Saúde, de acordo com os Contrato-programa estabelecidos com cada entidade do SNS. Exploração de dados provenientes dos sistemas de classificação de doentes (GDH e SCD/E); Apoio na tomada de decisões; Definição e implementação de modelos de financiamento; Suporte à investigação dos sistemas de classificação de doentes. Apoio na tomada de decisões; Definição e implementação de modelos de financiamento; Validação da faturação do SNS. Exploração de dados provenientes dos sistemas de classificação de doentes (GDH e SCD/E); Recepção de informação referente à classificação da produção dos Hospitais do SNS em GDH; Suporte à investigação dos sistemas de classificação de doentes Actualizar RNU com os óbitos ocorridos; Carregamento anual da facturação que cada Hospital de deverá efectuar ao abrigo do contrato-programa (por linha de produção); Controlo da produção efectuada ao abrigo do contrato programa e respectiva marginalidade. 4. Nível de sistema de informação CRM 5. Arquitectura Cliente/servidor 6. Tipologia Desenvolvimento à 7. Processamento OLTP 8. Sistema operativo Unix 9. Programação Oracle Forms e Reports, PL/SQL 10. Base de dados Oracle Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 13

14 Anexo 8 Lote 8 Serviços Desenvolvimento e Manutenção Aplicacional - SICA Sistema de Informação de Contratualização Sistema de Informação de Contratualização e Acompanhamento Esta aplicação tem como principal objectivo suportar a contratualização e o acompanhamento da contratualização efectuada entre as ARS e os Hospitais E.P.E. ou Unidades Locais de Saúde (ULS) e Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES). As principais funcionalidades são: - Suporte à elaboração do Plano de Desempenho, através de um conjunto de formulários Web com um circuito de aprovação associado; - Acompanhamento do Plano de Desempenho, através de um conjunto de relatório e indicadores predefinidos; - Exploração de dados ad-hoc. Acompanhamento da execução dos Contratos Programa. Contratualização /Negociação; Elaboração do Contrato-programa; Acompanhamento dos objectivos estabelecidos. 4. Nível de sistema de informação CRM 5. Arquitectura Web 6. Tipologia Desenvolvimento à 7. Processamento OLTP 8. Sistema operativo Windows 9. Programação.NET 10. Base de dados SQL Server Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 14

15 Anexo 9 Lote 9 Serviços Desenvolvimento e Manutenção Aplicacional - RHV Recursos Humanos e Vencimentos Recursos Humanos e Vencimentos A Aplicação de Recursos Humanos e Vencimentos visa a gestão local e central dos recursos humanos do Ministério da Saúde bem como o processamento das respectivas remunerações. A Aplicação está desenhada de forma a suportar dois módulos: Módulo Central Base de Dados única, onde é centralizada a informação global das instituições, permitindo a obtenção da informação consolidada e indispensável para obtenção de indicadores globais de gestão; Módulo Local - Base de Dados em cada Instituição do Ministério da Saúde, a qual procede à alimentação do sistema através da recolha da informação e processamento de vencimentos, com geração de informação para ligação a entidades externas, tal como, Bancos, CGA, ADSE, SS, DGEEP, DGAEP, Finanças. Processamento de Vencimentos, Gestão de Pessoal, Balanço Social. Processamento de remunerações; Gestão de Recursos Humanos; Produção de mapas estatísticos. 4. Nível de sistema de informação CRM 5. Arquitectura Cliente/servidor 6. Tipologia Desenvolvimento à 8. Sistema operativo Unix BD Central Windows - BD Local 7. Processamento OLTP 9. Programação Oracle Forms e Reports, PL/SQL 10. Base de dados Oracle Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 15

16 Anexo 10 Lote 10 Serviços Desenvolvimento e Manutenção Aplicacional - eagenda eagenda Agendamento Eletrónico de Consultas O eagenda disponibiliza serviços online para Agendamento Electrónico de Consultas nas Unidades de Saúde Familiar e Centros de Saúde aderentes ao projecto, bem como a Prescrição Electrónica para Doentes Crónicos. Estes serviços estão disponíveis na área de serviços do Portal da Saúde. O serviço online de agendamento de consultas e prescrição electrónica integra com os sistemas de gestão administrativa dos Centros de Saúde, Extensões e Unidades de Saúde Familiar (Sinus, MedicineOne, Vitacare) obtendo destes sistemas a informação sobre as especialidades, médicos e horários de consulta disponíveis e registando os pedidos de agendamento submetidos online, bem como autorizações de prescrições e medicamentos, registando os pedidos de prescrição. Serviço online de marcação de consultas nos Centros de Saúde; Gestão de Pessoal; Balanço Social. Inscrição do Utente no serviço eagenda e manutenção da respetiva palavra-chave de acesso; Pedido de marcação de consultas para o utente ou para o seu agregado familiar (identificado pelo utente registado); Notificação dos utentes por correio eletrónico e/ou SMS; Cancelamento de consultas marcadas pelo eagenda, Submissão de um pedido de renovação de receita para utentes com doença crónica. 4. Nível de sistema de informação CRM 5. Arquitectura Web 6. Tipologia Desenvolvimento à 7. Processamento OLTP 8. Sistema operativo Windows 9. Programação SharePoint, BizTalk,.NET 10. Base de dados SQL Server Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 16

17 Anexo 11 Lote 11 Serviços Desenvolvimento e Manutenção Aplicacional - SSO Single Sign On Plataforma de Single Sign On Plataforma de Gestão de Identidades e Autenticação que facilita o acesso dos cidadãos aos diferentes serviços e aplicações disponibilizados na Web. Gestão dos acessos dos cidadãos aos serviços do SNS publicados online. Acesso centralizado e transparente para os cidadãos; Suporte transversal a todas as aplicações (a mesma plataforma serve as diferentes aplicações); Repositório único de Utentes, e respectivas contas de acesso, comum a todas as aplicações Web; Segurança dos dados e no acesso aos diferentes serviços; Controlo de acessos (relatórios de acesso às aplicações). 4. Nível de sistema de informação 5. Arquitectura Web 6. Tipologia Desenvolvimento à 7. Processamento OLTP 8. Sistema operativo Linux 9. Programação 10. Base de dados Oracle Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 17

18 Anexo 12 Lote 12 Serviços Desenvolvimento e Manutenção Aplicacional - Sistema Informação Monitorização do SNS É um sistema de Business Intelligence que consolida a informação das instâncias SIARS com conteúdos padronizados ao nível nacional (caso dos indicadores USF- Unidades de Saúde Familiar, dos relatórios CCF Centro de Conferência de Faturas). Indicadores de gestão e produção. Cálculos dos indicadores e Atividades Especificas das USF e ACES. 4. Nível de sistema de informação 5. Arquitectura Web 6. Tipologia Desenvolvimento à 7. Processamento 8. Sistema operativo Unix 9. Programação Ferramenta de BI MicroStrategy 10. Base de dados Oracle Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 18

19 Anexo 13 Lote 13 Serviços Desenvolvimento e Manutenção Aplicacional - BAS Benefícios Adicionais de Saúde Benefícios Adicionais de Saúde O BAS é uma aplicação de gestão de Pedidos de Reembolso de Despesas de Saúde, por parte dos utentes devidamente qualificados para acederem a este benefício. A utilização da aplicação está generalizada, em todas as unidade de saúde dos cuidados primários e ARS s, que acedem a uma aplicação central. O sistema para além de disponibilizar uma interface de registo e consulta de dados, disponibiliza um mecanismo de partilha de dados com a Base de Dados Central. Estabelece comunicações com o sistema da segurança Social para validação do direito ao benefício e com o sistema de pagamento de pensões. Disponibiliza um Módulo de Estatísticas que permita uma extracção dos indicadores mais relevantes (nº de pedidos e valores reembolsados), sobre os dados registados no sistema. Gestão de Pedidos de reembolso de despesas de saúde. Gestão de pedidos de reembolso; Comunicação com Segurança Social; Dados estatísticos. 4. Nível de sistema de informação CRM 5. Arquitectura Web 6. Tipologia Desenvolvimento à 7. Processamento OLTP 8. Sistema operativo Unix 9. Programação Outsystems 10. Base de dados Oracle Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 19

20 Anexo 14 Lote 14 Serviços de Desenvolvimento e Manutenção Aplicacional - SIDC Sistema de Informação Descentralizada de Contabilidade Sistema de Informação Descentralizado de Contabilidade É um sistema descentralizado de registo e informação contabilística. Do ponto de vista estrutural, o objectivo principal deste sistema é o de disponibilizar as infra-estruturas mínimas e necessárias para Integrar toda a de Informação Contabilística e financeira, à das necessidades de cada Instituição, Do ponto de vista funcional, o objetivo principal deste sistema é facultar registo e controlo da informação contabilística em todas as suas vertentes, assim como permitir o cumprimento da apresentação de informação económica e financeira e de todos os documentos legais que constituem a Conta de Gerência ou Relatórios e Contas das Instituições do Ministério da. Saúde. Contabilidade Orçamental; Contabilidade Geral; Contabilidade Analítica. Recolha de Movimentos, Ligação de outras aplicações; Gestão de Terceiros; Gestão de Tesouraria, Contabilidade Geral; Contabilidade Analítica, Contabilidade Orçamental, Parametrização e passagem de ano, Utilitários diversos; Gestão de perfis e utilizadores. 4. Nível de sistema de informação CRM 5. Arquitectura Cliente/servidor 6. Tipologia Desenvolvimento à 7. Processamento OLTP 8. Sistema operativo Windows 9. Programação Delphi 10. Base de dados Paradox Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 20

21 Anexo 15 Lote 15 Serviços Desenvolvimento e Manutenção Aplicacional - elearning Plataforma de elearning Plataforma de elearning, que disponibiliza serviços de suporte pedagógico, monitorização e tutorial online, para suportar as necessidades de formação das diferentes áreas, da Consulta a Tempo e Horas, bem como outras ações de formação. Conteúdos de aprendizagem interactivos, com recurso a materiais multimédia. Plataforma compatível com conteúdos de aprendizagem em conformidade com a norma SCORM 2004; Visualização de notícias, materiais de divulgação e ajudas aplicacionais; Área personalizável com acesso rápido aos seus cursos, às últimas mensagens do fórum, aos conteúdos da biblioteca virtual e a diversos conteúdos de destaque; Área pessoal onde pode registar e alterar os seus dados pessoais e consultar informação sobre o seu desempenho e progresso nos cursos; Acesso a uma biblioteca virtual que lhe possibilita o acesso a conteúdos multimédia; Notificações através de mensagens de alerta, envio de correio eletrónico e SMS. 4. Nível de sistema de informação CRM 5. Arquitectura Web 6. Tipologia Standard mercado 7. Processamento OLTP 8. Sistema operativo Unix 9. Programação 10. Base de dados Oracle Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 21

22 Anexo 16 Lote 16 Serviços Desenvolvimento e Manutenção Aplicacional - FHS - Sistema de Informação Hospitais /Seguradoras Sistema de Informação de Facturação dos Hospitais às Seguradoras Sistema de Informação para a Transferência Electrónica de dados de Facturação, entre as entidades do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e as Seguradoras. O sistema, centralizado foca-se sobretudo na fase de pré-contencioso servindo como um canal facilitador entre as partes envolvidas no processo de cobrança de despesas hospitalares resultantes de cuidados de saúde, prestados no âmbito de contratos de seguro automóvel ou acidentes de trabalho. Este sistema servirá essencialmente, para numa fase prévia à facturação garantir a correcta identificação dos processos e, dos contratos de seguros envolvidos, podendo contudo constituir um conjunto de elementos importantes, para a eventualidade de processos que transitem para a arbitragem em caso de litígio. Permitir o acesso autenticado à aplicação por parte de elementos das Seguradoras e do SNS; Fornecer uma interface para gestão de utilizadores; Fornecer uma interface para gestão dos processos de dívidas hospitalares. Interpelação/Pré validação da responsabilidade, Apuramento de responsabilidades; Validação da Faturação; Informação dos atos médicos prestados. 4. Nível de sistema de informação CRM 5. Arquitectura Web 6. Tipologia Desenvolvimento à 7. Processamento OLTP 8. Sistema operativo Unix 9. Programação J2EE, JBOSS,JAVA IDE, Webservices 10. Base de dados Oracle Acordo Quadro para Serviços de Informática SPMS, EPE Página 22

Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias

Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias ICare-EHR (ASP) ou Application Service Provider, é uma subscrição de Serviço online não necess ICare-EHR (Clássico)

Leia mais

FAQs PEM - Receita sem papel

FAQs PEM - Receita sem papel FAQs PEM - Receita sem papel A Receita sem Papel, ou Desmaterialização Eletrónica da Receita, é um novo modelo eletrónico que inclui todo o ciclo da receita, desde da prescrição no médico, da dispensa

Leia mais

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda?

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda? O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde Pedir Receitas A de pela Internet, no âmbito do Programa Simplex, surge no seguimento do

Leia mais

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES APRESENTAÇÃO FUNCIONALIDADES VANTAGENS E CARACTERÍSTICAS MÓDULOS COMPLEMENTARES UNIDADES HOSPITALARES O VITA HIS CARE Unidades Hospitalares é um sistema de informação

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI SIG / Plataforma de Gestão de MCDT (Glintt) Evolução nos modelos

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

Prontuário Eletrônico do Paciente

Prontuário Eletrônico do Paciente Prontuário Eletrônico do Paciente a experiência portuguesa Paulino Sousa Unidade de Investigação e Desenvolvimento em Sistemas de Informação em Enfermagem (USINE) Porto - Portugal CBIS 2006 porque a é

Leia mais

Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro

Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro Início do contrato: Maio 2004 Duração: Coordenador: Parceiros: 32 meses Hospital Infante D. Pedro Universidade de Aveiro Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro SUMÁRIO EXECUTIVO Relatório

Leia mais

Caderno de Introdução Bases Dados

Caderno de Introdução Bases Dados José Adriano Adriano@ipb.pt Página 1 Sumário 1. Introdução ao Ambiente de Base de Dados 1.1 Contextualização das Base de Dados 1.2 Noção de Base de Dados 1.3 Características das Bases de Dados 1.4 Objectivos

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA 1 Boas Práticas DESMATERIALIZAÇÃO PROCESSOS NA JUSTIÇA Instituto de Gestão Financeira e Infra-Estruturas da Justiça, I.P. 2 Boas Práticas GRAÇA NAMORA Coordenadora Gabinete Sistemas de Informação 29.10.2010

Leia mais

Relatório de Análise de Processos e Fluxos de Informação

Relatório de Análise de Processos e Fluxos de Informação Início do contrato: Maio 2004 Duração: Coordenador: Parceiros: 32 meses Hospital Infante D. Pedro Universidade de Aveiro (Responsável por este Documento) Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde

Leia mais

PROTEÇÃO DE DADOS NA INFORMAÇÃO DE SAÚDE. Maria Candida Guedes de Oliveira Comisionada de la CNPD

PROTEÇÃO DE DADOS NA INFORMAÇÃO DE SAÚDE. Maria Candida Guedes de Oliveira Comisionada de la CNPD PROTEÇÃO DE DADOS NA INFORMAÇÃO DE SAÚDE Comisionada de la CNPD Novas Tecnologias na Saúde Perigos potenciais do uso da tecnologia: Enorme quantidade de informação sensível agregada Aumenta a pressão económica

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONVENÇÃO ADSE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONVENÇÃO ADSE MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONVENÇÃO ADSE Versão 1-09-2014 1 Conteúdo CONVENÇÃO SAMSPICS - ADSE... 3 O que é a Convenção ADSE?... 3 UNIDADES COM CONVENÇÃO COM A ADSE... 4 Acesso aos beneficiários ADSE...

Leia mais

Administração Pública Eletrónica 2014 - O Que Falta Fazer?

Administração Pública Eletrónica 2014 - O Que Falta Fazer? Administração Pública Eletrónica 2014 - O Que Falta Fazer? 4 de junho de 2014 Auditório Adriano Moreira ISCSP PATRCINADORES PRATA Com a Colaboração Científica Patrocinadores Globais APDSI Administração

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM

Processo de declaração de conformidade de software PEM Processo de declaração de conformidade de software agosto, 2015 Versão 2,0 Este trabalho não pode ser reproduzido ou divulgado, na íntegra ou em parte, a terceiros nem utilizado para outros fins que não

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM

Processo de declaração de conformidade de software PEM Processo de declaração de conformidade de software PEM Dezembro, 2012 Versão 1,0 Os direitos de autor deste trabalho pertencem à SPMS e a informação nele contida é confidencial. Este trabalho não pode

Leia mais

Especificação Técnica ACSS

Especificação Técnica ACSS Especificação Técnica ACSS ET.ACSS.011-2011 Serviço de Registo de Requisições de MCDT Interface para recepção de requisições electrónicas ICS DESCRITORES Sistema de recepção de requisições de meios complementares

Leia mais

Centro de Saúde da Figueira da Foz

Centro de Saúde da Figueira da Foz Centro de Saúde da Figueira da Foz PT Prime e HIS implementam Solução integrada de Processo Clínico Electrónico, Gestão de Atendimento, Portal e Mobilidade. a experiência da utilização do sistema VITA

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO n.º 20120117

CONCURSO PÚBLICO n.º 20120117 CONCURSO PÚBLICO n.º 20120117 CONCURSO PÚBLICO COM PUBLICAÇÃO NO JOUE PARA A CELEBRAÇÃO DE ACORDO QUADRO PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTADORIA, DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE SOFTWARE E GESTÃO

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais Derechos Quem Somos O Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos, organizada e posicionada para a oferta integrada de Serviços Partilhados para o sector da Saúde.

Leia mais

Serviço Nacional de Saúde

Serviço Nacional de Saúde Informação de Custos dos Cuidados de Saúde Serviço Nacional de Saúde A Informação de custos dos Cuidados de Saúde é uma iniciativa do Ministério da Saúde, de abrangência nacional, enquadrada no Programa

Leia mais

As TIC e a Saúde no Portugal de 2013

As TIC e a Saúde no Portugal de 2013 As TIC e a Saúde no Portugal de 2013 20 de fevereiro de 2014 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Patrocinadores Bronze Apoios Patrocinadores Globais Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de 2013

Leia mais

Medidas intersectoriais 2010/11

Medidas intersectoriais 2010/11 Medidas intersectoriais 2010/11 IS01 BALCÃO DO EMPREENDEDOR DISPONIBILIZAÇÃO DE SERVIÇOS Objectivos: Inventariar, introduzir e manter permanentemente actualizados no Balcão do Empreendedor vários serviços,

Leia mais

We make I.T. simple FÁCIL E RÁPIDO. O Sistema Logitools foi estudado para reduzir o cansaço de utilização através de uma utilização mais ergonómica.

We make I.T. simple FÁCIL E RÁPIDO. O Sistema Logitools foi estudado para reduzir o cansaço de utilização através de uma utilização mais ergonómica. We make I.T. simple + = FÁCIL E RÁPIDO SIMPLES E INTUITÍVO Com o aparecimento recente de equipamentos híbridos, que usam tanto o rato/teclado, como uma interface táctil. A Logitools desenha o primeiro

Leia mais

Grupo detrabalho dereflexão deum Modelode RSE. versão 1.0

Grupo detrabalho dereflexão deum Modelode RSE. versão 1.0 2010 2012 2015 2009 Grupo detrabalho dereflexão deum Modelode RSE versão 1.0 2010 2012 2015 2009 Linhas deacção / Caminho a Percorrer Monitorização e acompanhamento permanentes, para que as actividades

Leia mais

Relatório de Análise de Requisitos

Relatório de Análise de Requisitos Relatório de Análise de Requisitos (15/03/02 Versão 1.0) Gestão de Beneficiários Eduardo Abreu ei98020@fe.up.pt Miguel David ei98019@fe.up.pt Nuno Ferreira ei98003@fe.up.pt Tiago Silva ei98015@fe.up.pt

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

O Consentimento Informado é um elemento necessário ao atual exercício da medicina, como um direito do paciente e um dever moral e legal do médico.

O Consentimento Informado é um elemento necessário ao atual exercício da medicina, como um direito do paciente e um dever moral e legal do médico. O Consentimento Informado é um elemento necessário ao atual exercício da medicina, como um direito do paciente e um dever moral e legal do médico. Índice Temático A empresa C3im Soluções para a área da

Leia mais

Regulamento das Consultas Externas. Índice

Regulamento das Consultas Externas. Índice Índice CAPÍTULO I...4 DISPOSIÇÕES GERAIS...4 ARTIGO 1º...4 (Noção de Consulta Externa)...4 ARTIGO 2º...4 (Tipos de Consultas Externas)...4 ARTIGO 3º...4 (Objectivos do Serviço de Consulta Externa)...4

Leia mais

O nosso ADN Quem Somos Somos um instituto público integrado na administração indireta do Estado, dotado de autonomia administrativa e financeira e património próprio, com intervenção sobre todo o território

Leia mais

PHC Clínica CS. A gestão operacional total da clínica ou consultório

PHC Clínica CS. A gestão operacional total da clínica ou consultório PHC Clínica CS A gestão operacional total da clínica ou consultório A informação confidencial sobre cada paciente, o seu historial e, se integrado com o módulo PHC Gestão CS, a gestão financeira e a facturação

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida Flagsoft, Lda 2015 Índice 1. Introdução...3 2. Integrador - Interface com o utilizador...4 3. Registo de actividade - Folha de horas...5 4. Agenda e colaboração...7

Leia mais

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento Introdução A saúde materna e infantil em Portugal tem vindo a registar melhorias significativas nos últimos anos, verificando-se expressiva diminuição das taxas de mortalidade perinatal e infantil por

Leia mais

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público Cláudio Correia Divisão da Mobilidade de Doentes MOBILIDADE DE DOENTES:

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias da Informação Os

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

SPMS. Administração de Sistemas de Informação

SPMS. Administração de Sistemas de Informação SPMS Administração de Sistemas de Informação Relatório de Qualidade de Serviço Fevereiro 2012 Índice 1. Nota Metodológica... 3 2. Resumo do período... 4 2.1. Assuntos chave... 5 2.2. Objectivos atingidos...

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

BOLSA DE INVESTIGAÇÃO CENTRO HOSPITALAR DO PORTO 1 Bolsa (BI.01/2014)

BOLSA DE INVESTIGAÇÃO CENTRO HOSPITALAR DO PORTO 1 Bolsa (BI.01/2014) BOLSA DE INVESTIGAÇÃO CENTRO HOSPITALAR DO PORTO 1 Bolsa (BI.01/2014) Anúncio Encontra-se aberto concurso para a atribuição de uma Bolsa de Investigação, no âmbito das actividades de Ensino, Formação e

Leia mais

Objetivo Principal. Objetivos Secundários

Objetivo Principal. Objetivos Secundários Objetivo Principal O Personal Med Hospitalar foi resultado de um longo esforço de O&M em hospitais de vários portes e regiões do Brasil. O sistema foi concebido a partir do detalhamento de 176 processos

Leia mais

MedicineOne. Melhorias de versão v7.1.54.x 23.09.2014. Copyright 1989-2013 MedicineOne, life sciences computing SA

MedicineOne. Melhorias de versão v7.1.54.x 23.09.2014. Copyright 1989-2013 MedicineOne, life sciences computing SA MedicineOne Melhorias de versão v7.1.54.x 23.09.2014 Copyright 1989-2013 MedicineOne, life sciences computing SA Tabela de Conteúdos 1. INTRODUÇÃO... 2 2. PESQUISA DO UTENTE... 2 3. TERAPÊUTICA REAÇÕES

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE Portaria n.º 198/2011 de 18 de Maio O objectivo essencial definido no programa do XVIII Governo Constitucional em matéria

Leia mais

Processo Clínico. O próximo passo

Processo Clínico. O próximo passo Processo Clínico Electrónico: O próximo passo Sumário 1. Saúde: Uma Realidade Complexa 2. Implementação de SI na Saúde 2.1. Uma estratégia conjunta 2.2. Benefícios, constrangimentos e, desafios 3. Processo

Leia mais

A. Questões de âmbito geral sobre Requisição Electrónica de MCDT

A. Questões de âmbito geral sobre Requisição Electrónica de MCDT A. Questões de âmbito geral sobre Requisição Electrónica de MCDT 1. O que é a requisição electrónica de MCDT e em que diploma está regulamentada? É o procedimento de emissão de requisições de meios auxiliares

Leia mais

ISABEL RUTE DA CRUZ PAIS RIBEIRO

ISABEL RUTE DA CRUZ PAIS RIBEIRO Acordo quadro para a prestação de serviços de desenho, administração, operação e consolidação de infraestruturas de tecnologias de informação e comunicação (TIC) PROGRAMA DE CONCURSO Março de 2014 ÍNDICE

Leia mais

Principais Vantagens

Principais Vantagens dotlogic-cardio O dotlogic-cardio é um sistema de informação de cardiologia (CIS). Utiliza protocolos standard como HL7, DICOM ou GDT para comunicar com os diversos sistemas de informação e equipamentos

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP SENDYS - Copyright 2007 SENDYS é uma marca proprietária da Readsystem, Lda. 2 Universo

Leia mais

Plataforma Colaborativa Gestão e Arquivo Digital de Documentos e Mensagens

Plataforma Colaborativa Gestão e Arquivo Digital de Documentos e Mensagens Pasta TOC Plataforma Colaborativa Gestão e Arquivo Digital de e Mensagens Atualização e Migração: - Atualização tecnológica para a mais recente tecnologia de desenvolvimento Oracle - Migração de conteúdos

Leia mais

Manual de Procedimentos. Volume 9.8 Serviços de Saúde do IST

Manual de Procedimentos. Volume 9.8 Serviços de Saúde do IST Manual de Procedimentos Volume 9.8 Serviços de Saúde do IST Índice Princípios Gerais... 3 Abreviaturas e Acrónimos... 4 Legislação Aplicável... 5 Mapa de Atualização do Documento... 6 Capítulo 1 - Serviços

Leia mais

CONTRATO PROGRAMA AGRUPAMENTOS DE CENTROS DE SAÚDE

CONTRATO PROGRAMA AGRUPAMENTOS DE CENTROS DE SAÚDE CONTRATO PROGRAMA AGRUPAMENTOS DE CENTROS DE SAÚDE Entre: A ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE IP, representada pelo seu Presidente Prof. Doutor Fernando Araújo, com poderes para outorgar o acto,

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE NO SNS 2014

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE NO SNS 2014 RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE NO SNS 2014. Largo da Misericórdia 4490-421 Póvoa de Varzim Telefone: 252 690 600 Fax: 252 611 120 w w w.chpvvc.pt SUMÁRIO 0. ENQUADRAMENTO I. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão e Objectivos O Centro Hospitalar Lisboa Norte, E.P.E., estabelecimento de referência do Serviço Nacional de Saúde (SNS), desempenha funções diferenciadas na prestação de

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE -

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - Considerando que o aumento da sobrevida e o inerente acréscimo de doenças crónicas e progressivas, bem como, as alterações na rede

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

Segurança dos Dados Clínicos do Utente

Segurança dos Dados Clínicos do Utente Segurança dos Dados Clínicos do Utente Francisco Parente Sessão de Abertura - Jornadas Saúde Coimbra, 14 de Junho - 2005 Introdução ao tema Evolução para o Processo Clínico Electrónico (PCE); Segurança

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Cuidados de Saúde Primários Portugal Coordenação Estratégica Sistema de Gestão de Utentes do Serviço Nacional de Saúde 1. Porquê um sistema de gestão de utentes do SNS? Documento de trabalho (Versão de

Leia mais

CR.Doc. Management Platform for Clients and Documents

CR.Doc. Management Platform for Clients and Documents CR.Doc Management Platform for Clients and Documents Agenda Introdução O que é o CR.Doc? Principais funcionalidades Demonstração O que é o CR.Doc? O CR.doc é um novo conceito de Sistema Integrado de CRM

Leia mais

A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde

A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde Joaquina Matos Vilamoura, 23 Maio 2009 Quem Somos O que Somos? Visão Missão Ser referência como entidade de Serviços Partilhados na área da Saúde,

Leia mais

Avaliação do modelo e resultados da implementação das TIC no Centro Hospitalar Setúbal

Avaliação do modelo e resultados da implementação das TIC no Centro Hospitalar Setúbal Avaliação do modelo e resultados da implementação das TIC no Centro Hospitalar Setúbal Teresa Magalhães (Vogal do Conselho de Administração e Assistente Convidada na ENSP, UNL) Workshop A Saúde na era

Leia mais

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P.

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. CONCURSO PÚBLICO N.º 05/DP/2009 AQUISIÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DE FILAS DE ATENDIMENTO DOS SERVIÇOS DESCONCENTRADOS DO IRN, I.P. CADERNO DE ENCARGOS ANEXO I ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

MANUAL DE APOIO SISTEMA INTEGRADO DE DOCUMENTOS E ATENDIMENTO MUNICIPAL

MANUAL DE APOIO SISTEMA INTEGRADO DE DOCUMENTOS E ATENDIMENTO MUNICIPAL Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal GABINETE de INFORMATICA (GI) MANUAL DE APOIO SISTEMA INTEGRADO DE DOCUMENTOS E ATENDIMENTO MUNICIPAL - CMAF Versão 2.00 PS.05_MAN.01 GI GABINETE de INFORMATICA

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 11 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Descrição dos serviços Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Este serviço oferece serviços de Monitorização da infra-estrutura remota Dell (RIM, o Serviço ou Serviços ) conforme

Leia mais

Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica.!

Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica.! Assinare Apresentação Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica. De forma a responder ao ambiente altamente competitivo a que as empresas e organizações hoje

Leia mais

DECRETO N.º 418/XII. Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde

DECRETO N.º 418/XII. Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde DECRETO N.º 418/XII Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1 - A

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

Secretaria-Geral do MAOT

Secretaria-Geral do MAOT Secretaria-Geral do MAOT Paula Vieira 8 Outubro 2010 SIAP 2010 1 IMPLEMENTAÇÃO DE UMA INTRANET SIAP 2010 2 AGENDA Objectivos do projecto Arranque do projecto Implementação do projecto Resultados: - Conteúdos

Leia mais

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas Agenda 1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento 2. Estratégia para as Compras Públicas 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas 4. Desafios para 2009 2 Propósito Estratégico: Agência Nacional

Leia mais

GUIA PRÁTICO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Cartão Europeu de Seguro de Doença (N39 - v4.07) PROPRIEDADE Instituto da Segurança

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

Cartão de Cidadão. Autenticação com o Cartão de Cidadão AMA. 20 de Novembro de 2007. Versão 1.6

Cartão de Cidadão. Autenticação com o Cartão de Cidadão AMA. 20 de Novembro de 2007. Versão 1.6 Cartão de Cidadão Autenticação com o Cartão de Cidadão 20 de Novembro de 2007 Versão 1.6 AMA ÍNDICE 1. I TRODUÇÃO... 3 Modelo base de Autenticação... 3 Modelo de Autenticação Federado... 4 2. AUTE TICAÇÃO

Leia mais

Apresentação de Solução

Apresentação de Solução Apresentação de Solução Solução: Gestão de Altas Hospitalares Unidade de negócio da C3im: a) Consultoria e desenvolvimento de de Projectos b) Unidade de Desenvolvimento Área da Saúde Rua dos Arneiros,

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur

Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur Rogério Machado Director Técnico José Monteiro Ferreira Director Informática e Telecomunicações AGENDA 1. A APR 2. APRESENTAÇÃO DO PROJECTO 3.

Leia mais

Parcerias nos Domínios Técnico e Tecnológico Evolução e Resultados

Parcerias nos Domínios Técnico e Tecnológico Evolução e Resultados Evolução e Resultados Dr. Manuel Moreira Coordenador do PSGSS Workshop: Protecção Social Obrigatória: níveis de solidez e perspectivas de desenvolvimento Hotel Epic Sana, 31. Outubro.2014 Contexto A Segurança

Leia mais

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep Julho de 2009 Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep A aplicação dbgep é constituída pelos seguintes módulos: Aplicação Função Situação comercial dbgep C Contabilidade em comercialização dbgep

Leia mais

- Instruções para Aplicação de Geração do Ficheiro Prestação -

- Instruções para Aplicação de Geração do Ficheiro Prestação - ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. - Instruções para Aplicação de Geração do Ficheiro Prestação - Meios Complementares de Diagnóstico e Terapêutica Novembro de 2013 1/24 ÍNDICE ÍNDICE...

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

A Reforma da AP e a evolução dos SI/TI

A Reforma da AP e a evolução dos SI/TI 10 Anos da Sociedade de Informação 2 de Novembro de 2006 FIL Parque das Nações A Reforma da AP e a evolução dos SI/TI João Catarino Tavares ( ) Patrocínio Apoio A Reforma da AP e a evolução dos SI/TI João

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

Dentro da Rede Multicare. 1. Pagamento de Despesas. 2. Marcação de Consulta. 3. Marcação de Tratamento / Exame. 4. Autorização Prévia

Dentro da Rede Multicare. 1. Pagamento de Despesas. 2. Marcação de Consulta. 3. Marcação de Tratamento / Exame. 4. Autorização Prévia Dentro da Multicare O seu seguro Viva Melhor dá-lhe acesso a uma vasta lista de prestigiados médicos, clínicas, laboratórios, de todo o país a custos reduzidos. Pode consultar a lista em www.multicare.pt

Leia mais

Recrutamento de RH. Perfil de Administração de Base de Dados e Plataforma Aplicacional. ID do Documento:

Recrutamento de RH. Perfil de Administração de Base de Dados e Plataforma Aplicacional. ID do Documento: Recrutamento de RH Perfil de Administração de Base de Dados e Plataforma Aplicacional ID do Documento: Versão: Elaborado por: Aprovado por: Data de Re99visão: 1 Administração de Base de Dados e Plataforma

Leia mais

DSFA Departamento de Aprovisionamento

DSFA Departamento de Aprovisionamento SEDE: Praça da República, 2904-508 Setúbal. Portugal Telf. 265 542 000 Fax 265 230 992 DELEGAÇÃO SESIMBRA: Porto de Abrigo, 2970 Sesimbra. Portugal Telf. 21 223 30 68 Fax 21 223 35 66 www.portodesetubal.pt.

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

SPMS. Administração de Sistemas de Informação

SPMS. Administração de Sistemas de Informação SPMS Administração de Sistemas de Informação Relatório de Qualidade de Serviço Maio 2013 Índice 1. Nota Metodológica... 3 2. Resumo do período... 4 2.1. Assuntos chave... 5 2.2. Objetivos atingidos...

Leia mais

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, e da Saúde, representado pelo Ministro da

Leia mais

Plataforma de. Sessões de Esclarecimento. Electrónica BizGov Porto, 30 de Abril de 2009

Plataforma de. Sessões de Esclarecimento. Electrónica BizGov Porto, 30 de Abril de 2009 Plataforma de Sessões de Esclarecimento Contratação Pública "Contratação Electrónica Electrónica BizGov Porto, 30 de Abril de 2009 Agenda 1 Introdução 2 Plataforma de Contratação Pública Electrónica BizGov

Leia mais

O papel da Administração Pública P Factura Electrónica

O papel da Administração Pública P Factura Electrónica Conferência: Impacto da Factura Electrónica na Redução do Deficit Público 30 de Junho de 2010 Auditório do Centro de Informação Urbana de Lisboa O papel da Administração Pública P na adopção da Factura

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais